Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão."

Transcrição

1 Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão.

2 Kant e a crítica da razão

3 Nós s e as coisas Se todo ser humano nascesse com a mesma visão que você tem quando usa óculos com lentes esverdeadas... Teríamos o entendimento diferente do mundo, pelo menos em relação às cores.

4 Você conhece a realidade exatamente como ela é ou é você quem a constrói em sua mente?

5 Suponha que a espécie humana não tivesse a capacidade de ver. O mundo seria para nós o que fosse apreendido pelos órgãos dos outros sentidos. Sequer poderíamos falar de cor, de sinais visuais, de imagens, etc. o mundo não conteria essas informações. Mas e se, ao contrário da cegueira, fôssemos dotados de uma incrível capacidade visual? Nossa percepção do mundo, a nossa relação com as coisas e o entendimento sobre a realidade também seriam diferentes.

6 Nós s e a realidade A compreensão da realidade depende dos órgãos dos sentidos. Exemplo: ondas sonoras que passam por você sem que sejam percebidas. Talvez um cachorro, um morcego ou outro animal com audição mais aguçada as perceba, mas você não pode notar porque o ouvido humano não capta ondas sonoras com frequência tão alta ou muito baixa. Essas ondas não fazem parte da sua realidade consciente.

7 Outros sinais sonoros, visuais e táteis, gustativos podem existir sem que nós, seres humanos, percebamos. A realidade humana é uma construção que depende de nossos sentidos ou da nossa experiência sensível. Só podemos conhecer a realidade por meio do filtro dos órgãos dos sentidos. Com base nessas ideias, podemos entender com maior facilidade o pensamento kantiano.

8 Kant: a mente ordena os fenômenos Além dos filtros físicos da realidade como os órgãos dos sentidos, sem os quais não pode haver percepção; Existem os filtros mentais e intelectuaiscondicionam experiência sensível humana. Tudo o que percebemos aparece em nossa mente de uma maneira específica.

9 Kant em sua investigação minuciosa a respeito do conhecimento humano, estudou a experiência sensível. Quando percebemos algo, Aparecem em nossa mente imagens, Representações ou, Fenômenos, segundo a expressão de Kant. FENÔMENO: aquilo que aparece para a mente; o objeto da sensibilidade.

10

11 A sensibilidade e o entendimento Para Kant, os fenômenos dependem: Por um lado, das impressões sensíveis que obtemos por meio dos órgãos dos sentidos. Por outro lado, dependem da nossa capacidade mental ou intelectual de conformar ou ordenar essas impressões. Quando observamos alguma coisa, quando vemos, tocamos ou escutamos algo, não apenas recebemos impressões de maneira passiva, Atuamos sobre essa impressões, criando os fenômenos.

12 Como a nossa capacidade de conhecer as coisas faz isso? Segundo Kant, Nós conformamos os fenômenos por meio da nossa sensibilidade ( como recebemos as sensações) e por meio do nosso intelecto eentendimento (maneira como pensamos as sensações recebidas)

13 A sensibilidade: recebemos as impressões sensíveis. Ao pensarmos na representação da caneta, involuntariamente, imagina com uma delimitação espacial, A imagem desse objeto aparece na mente com uma forma que ocupa lugar no espaço. A caneta também aparece existindo em determinado tempo. Nenhuma coisa externa a nós érepresentada em nossa consciência sem que exista espacial e temporalmente.

14 Para Kant, espaço tempo são condições da sensibilidade são requisitos para que haja fenômenos ou representações. A mente humana, ao receber a matéria da sensação, organiza as impressões sensíveis espacial e temporalmente. Para Kant, e espaço e tempo são intuições ou modos de receber as impressões sensíveis. Ambos são condições a priori para qualquer experiência sensível ou percepção.

15 Assim como não é possível enxergar ou ouvir sem os órgãos dos sentidos responsáveis por essas sensações, não é possível que exista uma representação sensível na consciência sem que ela seja espacial e temporalmente delimitada. Algo que não possa ser conformado no espaço o e no tempo não se torna fenômeno, tampouco pode ser conhecido por nós. n

16 O intelecto atua sobre as impressões sensíveis Sem o ordenamento das intuições da sensibilidade no espaço e no tempo, a experiência sensível não seria possível. Não haveria conhecimento apenas com a recepção da sensibilidade. Kant defendeu que seria necessário compreender o que foi recebido para poder constituir conhecimento. Isto é, seria preciso pensar o material sensível para conhecê-lo.

17 Em outras palavras, o ser humano (o ser que conhece) atua sobre as representações ou fenômenos, estabelecendo relações entre eles. Por exemplo: O nosso intelecto pode atuar e estabelecer uma relação de causa e efeito entre duas constatações independentes: Há fogo e Há fumaça. Por meio da ação do nosso intelecto ou entendimento, que usa o conceito da causalidade, podemos afirmar que O fogo é a causa da fumaça.

18 No processo de conhecimento, o sujeito recebe as impressões sensíveis, dando a elas uma organização espacial e uma existência no tempo. Com base nos dados sensíveis, o sujeito pensa a respeito dos fenômenos por meio de conceitos, isto é, estabelece relações entre eles. Sem a sensibilidade, nada pode ser captado sensivelmente. Do mesmo modo, os fenômenos não podem ser pensados sem os conceitos. Assim como as instituições de espaço e tempo são a priori, também o são todas as categorias ou conceitos de entendimento que tornam possível o pensamento.

19 A revolução copernicana de Kant Você se lembra da revolução copernicana? Ela determinou uma profunda mudança na visão do ser humano sobre o universo. Depois dela... abandonou-se a ideia de que a Terra estaria imóvel no centro do universo. A partir daí... adotou-se a teoria heliocêntrica, que afirma que os planetas giram em torno do Sol, o qual ocupa o centro do Sistema Solar. Foi uma mudança radical na forma de entender o mundo, você concorda?

20 Fazendo uma analogia com a descoberta de Copérnico, Kant afirmou que suas investigações promoveram um espécie de revolução copernicana na teoria do conhecimento. Sua filosofia teria mudado radicalmente a forma de entender o conhecimento humano. Nesse sentido,... a filosofia kantiana foi revolucionária. ria.

21 Existem diversos tipos de árvore no meio ambiente, mas com certeza essa você nunca viu por aí. Os artistas Mario Shu e Daniel Siering resolveram fazer uma intervenção de arte de rua em uma árvore em Potsdam, Alemanha, com o objetivo de deixá-la como se estivesse flutuando.

22 A sequência de fatos permite que, além da experiência sensível de observar a arte, as etapas do processo artístico possam ser compreendidas. Para Kant, o conhecimento é resultado da sensibilidade e do entendimento.

23 Invertendo a relação entre sujeito e objeto Kant inverteu a relação entre sujeito e objeto no processo de conhecimento. Antes da reflexão kantiana... pensava-se que o sujeito, no ato de conhecer, recebesse de maneira passiva as impressões sensíveis das coisas ou dos objetos que existem fora dele. É como se a pessoa captasse passivamente impressões vindas do que lhe é externo. Por exemplo: o verde de uma árvore, o frio de uma pedra de gelo ou o áspero de uma superfície.

24 Com Kant... Ficou esclarecido que o sujeito que conhece não está em condição passiva, não recebe apenas o dado sensível do exterior, mas é ativo. O sujeito do conhecimento conforma as impressões sensíveis, isto é, dá forma e ordena essas impressões ativamente. Isso significa que... Não é o sujeito quem deve se adaptar aos objetos do exterior para conhecê-los, mas, ao contrário, são as impressões que têm de se adaptar às estruturas humanas de conhecimento, ou seja, às estruturas da sensibilidade e do intelecto.

25 Dessa forma, Kant defendeu que existem condições de conhecimento a priori para qualquer experiência sensível. Essas estruturas da sensibilidade e do entendimento estão presentes em todos os seres humanos (são universais) e possibilitam a experiência sensível. Assim como Copérnico revolucionou a teoria cosmológica, afirmando que o Sol é o centro do universo, Kant trouxe o sujeito para o centro do processo de conhecimento, questionando a tradição, que depositava nos objetos a centralidade desse processo. Para Kant, o sujeito é o principal agente do conhecimento.

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Tudo o que aparece na nossa mente, as representações ou os fenômenos, aparece sob certas condições. Os fenômenos dependem das impressões sensíveis e de nossa

Leia mais

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício:

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício: Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: Empirismo e Criticismo Nesta aula espera-se que através das atividades reflexivas e investigações textuais, os alunos possam desenvolver, além dos conceitos

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Inatismo e empirismo: questões e respostas Vimos, no capítulo anterior, que a razão enfrenta problemas sérios quanto à sua intenção

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

Imagem 1 disponível em: Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014.

Imagem 1 disponível em:  Imagem 2 disponível em: HTTP.www.folha.uol.com.br. Acesso em 07/02/2014. 6º Fabiana Unidade I História Leia a letra da música de Lulu Santos: Como uma onda. Após a leitura dedicada, utilize a letra da música como ponto de reflexão para responder as questões 01 e 02. Pontuação

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Estudos do pesquisador João Gomes Filho

Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Estudos do pesquisador João Gomes Filho Leis da Gestalt na Análise de websites Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Estudos do pesquisador João Gomes Filho O que é Gestalt? A psicologia da Gestalt é um movimento que

Leia mais

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante.

Psicoacústica. S = k. I / I. S = k. log I. Onde S é a sensação, I a intensidade do estímulo e k uma constante. 41 Capítulo 5 Psicoacústica A Psicoacústica estuda as sensações auditivas para estímulos sonoros. Trata dos limiares auditivos, limiares de dor, percepção da intensidade de da freqüência do som, mascaramento,

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt

Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt GESTALT O movimento gestáltico surgiu no período compreendido entre 1930 e 1940 tem como expoentes máximos: Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Kôhler (1887-1967),

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Percepção, Sintonia e Concentração Mental

Percepção, Sintonia e Concentração Mental FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Mediunidade: Estudo e Prática Programa 2 Módulo II Mecanismos da mediunidade Percepção, Sintonia e Concentração Mental Tema 3 Qual o seu entendimento sobre percepção, sintonia

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

No próximo domingo, dia 27 de novembro, às 09:00 horas, haverá apresentação do entendimento da aluna Celidônia Alves de Andrade sobre o t e m a

No próximo domingo, dia 27 de novembro, às 09:00 horas, haverá apresentação do entendimento da aluna Celidônia Alves de Andrade sobre o t e m a Boletim Informativo TFCA - Técnica Física para a Conquista da Autoconsciência. Edição e Diagramação: Adônis. Revisão: Marina Mesquita. Supervisão: Maria da Aparecida de Oliveira (Bianca). tfca.com.br Estamos

Leia mais

O que é O Líder em Mim?

O que é O Líder em Mim? O que é O Líder em Mim? Agenda Entender o que é o programa O Líder em Mim: quais seus objetivos e quais suas principais práticas Entender como este programa deve ser implantado: qual o passo a passo, qual

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Empirismo. Principais ideias e autores

Empirismo. Principais ideias e autores Empirismo Principais ideias e autores EMPIRISMO Empeiria (grego): forma de saber derivado da experiência sensível e de dados acumulados com base nessa experiência. Nada esta no intelecto que não tenha

Leia mais

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza Introdução Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Introdução. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria sobre as representações

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA?

FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA? FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA? WWW.FAUSTOOLIVEIRA.COM.BR O FUNCIONAMENTO DA NOSSA MENTE Para entendermos melhor como essa técnica funciona e como você pode utilizar

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2013-2014 1ºSemestre O mundo é a minha representação. - Esta proposição é uma verdade para todo o ser vivo e cognoscente, embora só no homem chegue a transformar-se

Leia mais

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:.

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:. ARBLS PITAGORAS Nº 28 Fundação : 21 de Abril de 1965 Rua Júlio Cesar Ribeiro, 490 CEP 86001-970 LONDRINA PR JOSE MARIO TOMAL TRABALHO PARA O PERÍODO DE INSTRUÇÃO RENE DESCARTES LONDRINA 2015 JOSE MARIO

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA Rudinei José Miola rmiola@positivo.com.br PARA INÍCIO DE CONVERSA ATIVIDADE MATEMÁTICA Por atividade matemática deve entender-se uma mescla entre tarefa,

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: TARDE Data: 22/6/2011 PROVA GRUPO GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 4,0 Nota: Leia o texto com atenção e faça o que se pede

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA?

A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA? A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA? Monalisa M. Lauro Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF Docente do Departamento

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica Ser humano como animal simbólico Fundamentação teórica Para casa Baixar o texto Ser humano, um animal simbólico do blog, estudá-lo e trazer as perguntas contidas nele respondidas na próxima aula; Na próxima

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL Nº 162/2014 ARTES ÁREA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS CONGONHAS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS EDITAL

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna OSHO - INTUIÇÃO EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna Maestri 2016/1 O LIVRO três partes

Leia mais

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas.

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas. Prece geral, de Daniel Blaufuks RECURSOS PEDAGÓGICOS O artista Daniel Blaufuks é um artista português, nascido em Lisboa em 1963. A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

TEORIAS DA APRENDIZAGEM

TEORIAS DA APRENDIZAGEM TEORIAS DA APRENDIZAGEM Professora Mônica Caetano Vieira da Silva UNIDADE DE ESTUDO 08 HENRI WALLONS E A PSICOGÊNESE DA PESSOA Henri Wallon nasceu na França em 1879. Dedicou-se ao estudo da medicina, filosofia

Leia mais

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 Ednilson Gomes Matias PPG Filosofia, Universidade Federal do Ceará (CNPq / CAPES) ednilsonmatias@alu.ufc.br Resumo A seguinte pesquisa tem por objetivo analisar a filosofia

Leia mais

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 1 LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 Diego Carlos Zanella 2 Liliana Souza de Oliveira 3 Resumo: O texto tem a pretensão de discorrer sobre um dos principais problemas da ética kantiana, a saber, como é possível

Leia mais

Ação e Reação, causa e efeitos

Ação e Reação, causa e efeitos Ação e Reação, causa e efeitos Diz a terceira lei de Newton que toda ação provoca uma reação de igual intensidade, mesma direção e em sentido contrário. É a conhecida Lei de Ação e Reação. Por outro lado,

Leia mais

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO O que é a cor? ? O que é a cor? O que é a cor? A cor é uma perceção visual provocada pela ação de um feixe de ondas eletromagnéticas sobre células especializadas da retina,

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Você está preparado? Pense bem... Curso superior, pós-graduação, dois idiomas... Um Auditor Como qualquer outro profissional,

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO A CIÊNCIA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Ciência propõe a aquisição sistemática de conhecimentos sobre a natureza com a finalidade de melhoria da qualidade de vida, intelectual

Leia mais

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 Antes de elaborar um resumo do conteúdo das AULAS 4, 5 e 6, é necessário entender o panorama geral dentro do qual as discussões destas aulas fazem sentido. Isto é,

Leia mais

Como fazer o projeto (usando os formulários fornecidos)

Como fazer o projeto (usando os formulários fornecidos) Projeto de Desenvolvimento Pessoal e Ministerial Propósito A partir do entendimento e aplicação dos conteúdos aprendidos no CTL, cada participante deverá elaborar um projeto pessoal para seu crescimento

Leia mais

Psicologia e Senso Comum. "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS

Psicologia e Senso Comum. ... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história. EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum O que é Psicologia? Como usamos o termo Psicologia? A Psicologia é recente

Leia mais

Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós

Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós Estudo para o 9 o EEJA Estudo 5 Os processos em nós A Natureza da Psique - livro de Jung - Claudio C. Conti Por que estudar Jung? pg 257 O Espiritismo enquanto fenômeno coletivo persegue, portanto, os

Leia mais

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE SERÁ QUE TUDO QUE VEJO É REAL e VERDADEIRO? Realidade Realismo A primeira opção, chamada provisoriamente de realismo : supõe que a realidade é uma dimensão objetiva,

Leia mais

Entrevistador: Catia Santana Entrevistado: Roberto Waack

Entrevistador: Catia Santana Entrevistado: Roberto Waack A governança corporativa, velha conhecida das empresas de capital aberto para as quais o sistema de gestão é obrigatório por lei, também pode ser uma grande aliada para organizações empresariais que desejam

Leia mais

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO QUESTÃO 0 Kant mostrou que a estrutura do pensamento se dá sob a forma de juízos. A partir dessa hipótese, elaborou as doze formas de juízos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras:

O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras: O Espetro Sonoro O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras: Imagem do livro "FQ8 - Sustentabilidade na Terra - Edições ASA". Sons Audíveis

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici

Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta. Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III Prof. Dra. Luciene Tognetta Jaqueline Freitas Naiara Massola Sara Chierici Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho 2016 1 Sondar

Leia mais

Estudo da cor [breve síntese]

Estudo da cor [breve síntese] Estudo da cor [breve síntese] Sem luz não existe cor Aristóteles, filósofo grego que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente

Leia mais

PROBLEMA E PROBLEMÁTICA

PROBLEMA E PROBLEMÁTICA PROBLEMA E PROBLEMÁTICA ANDRÉ PARDUCCI DARLLE DANIELA ELIMARA MEDEIROS FRANCISCO GUEDES GISALMIR NASCIMENTO JANIELI SOUZA MARIA ISABEL MAYKEL ANDERSON SANDRA... O PROBLEMA DE PESQUISA O QUE É UM PROBLEMA

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a.

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. 1) A água reflete muita radiação no infravermelho próximo. (5 pontos) 2) A radiação

Leia mais

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate.

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Introdução As pessoas gostavam muito do sermão puritano. Por quê? (capítulo responde essa pergunta (?); até

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013

CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013 CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013 Introdução à Política Noções preliminares de Ciência Política 1.1 Acepções da palavra Política 1.2 Política e Ciência Política 1.3 Ciência Política:

Leia mais

Arte da cor. Se no desenho o que mais se utiliza é o traço, na pintura o mais importante é a cor

Arte da cor. Se no desenho o que mais se utiliza é o traço, na pintura o mais importante é a cor O tom da cor Arte da cor. Se no desenho o que mais se utiliza é o traço, na pintura o mais importante é a cor Ao escrever, cada pessoa tem uma maneira própria de fazer as letras. O mesmo acontece com a

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré requisito: Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

Professor Douglas Pereira da Silva

Professor Douglas Pereira da Silva Professor Douglas Pereira da Silva Desenvolvimento Pessoal e Profissional Aula 1 Parte 1 1 O mundo em que vivemos Talvez a primeira pessoa a utilizar a expressão visão de mundo tenha sido o filosofo alemão

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

ISSN: X COLÓQUIO DO MUSEU PEDAGÓGICO 28 a 30 de agosto de 2013

ISSN: X COLÓQUIO DO MUSEU PEDAGÓGICO 28 a 30 de agosto de 2013 A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DE KANT AOS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Mariana Torreão Monte 409* (UESB) Marcia Azevedo Campos ** (UESB) RESUMO Partimos da crítica kantiana ao conhecimento, viajamos pelo a priori

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Fuvest 2013) A tabela traz

Leia mais

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO Não é no silêncio que

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS SAR AULA 13

PROCESSAMENTO DE IMAGENS SAR AULA 13 PROCESSAMENTO DE IMAGENS SAR AULA 13 Prof. Daniel C. Zanotta Daniel C. Zanotta 18/08/2016 RADAR RADIO DETECTION AND RANGING (DETECÇÃO E LOCALIZAÇÃO POR MEIO DE ONDAS DE RADIO) SENSOR ÓPTICO: CAPTA A RADIAÇÃO

Leia mais