ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr."

Transcrição

1 ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

2 PLOTINO A BELEZA FÍSICA É UMA IMAGEM QUE POSSIBILITA AO HOMEM PRESSENTIR A BELEZA DA ALMA, A QUAL, EM ÊXTASE, O LEVA AO BELO EM SI: IMUTÁVEL TRANSCENDENTE E ETERNO - IDÊNTICO AO UNO

3 PLOTINO O Ser, Deus, abrange tudo que existe (panteísmo) e se manifesta em graus de ontologicidade decrescente (emanacionismo): Uno, Nôus, Alma, Matéria

4 PLOTINO UNO NOÛS ALMA DO MUNDO MATÉRIA

5 PLOTINO UNO NOÛS ALMA DO MUNDO Deus/Bem: origem de todo ser e de todo entendimento, transcendendo, no entanto, a toda essência e a todo conhecimento MATÉRIA

6 PLOTINO UNO NOÛS ALMA DO MUNDO Primeira Emanação: Espírito, inteligibilidade reflexiva do Uno, que tem conhecimento de si mesmo e, em si mesmo, conhecimento de todas as coisas MATÉRIA

7 PLOTINO UNO NOÛS ALMA DO MUNDO MATÉRIA Segunda Emanação: intui as idéias, as quais se convertem em Modelos - que anima e da vida à matéria) Alma Individual: diversificação da Alma do Mundo

8 PLOTINO UNO NOÛS ALMA DO MUNDO Terceira Emanação: origem do mal - quase um não-ser MATÉRIA

9 PLOTINO OS SERES MATERIAIS TORNAM-SE BELOS AO PARTICIPAREM DA INTELIGIBILIDADE DIVINA. E O HOMEM, NA MEDIDA EM QUE SUA ALMA SE DESLIGA DO CORPO, INCLINA-SE PARA A BELEZA SUPREMA, A QUAL SE COADUNA COM O BEM E COM O ABSOLUTO. TAL RETORNO PARA DEUS SE DÁ POR UMA INTUIÇÃO MÍSTICA, QUE SUPERA A DICOTOMIA SUJEITO-OBJETO, INERENTE AO PROCESSO RACIONAL

10 PLOTINO A ARTE - PRODUÇÃO MATERIAL E A VIVÊNCIA ESPIRITUAL É UM VEÍCULO PARA A VIVÊNCIA DA VERDADEIRA BELEZA, REVELADA NO ÍNTIMO DA ALMA HUMANA PONTE PARA O ÊXTASE MÍSTICO DA ALMA EM PARTICIPAÇÃO COM DEUS NESSE ÊXTASE A ALMA SUPERA A INDIVIDUALIZAÇÃO E A RACIONALIDADE, TORNANDO-SE PARTE DO UNO CAMINHO DE RETORNO, PELA IDENTIFICAÇÃO DA ALMA COM A BELEZA, PARA O ABSOLUTO, PARA DEUS

11 PLOTINO REPERCUSSÃO: CRISTIANISMO ANTIGO (AGOSTINHO); IDADE MÉDIA (TOMÁS DE AQUINO, BOAVENTURA); HUMANISMO RENASCENTISTA (FICINO, ALBERTI, LEONARDO); ROMANTISMO (GOETHE, SCHELLING, HEGEL, NOVALIS HÖLDERLIN, SHAFTESBURY)

12 SANTO AGOSTINHO 1. OBRAS: Confissões; Sobre a imortalidade da alma; Sobre o livre arbítrio; Sobre a trindade; Cidade de Deus. 2. INFLUÊNCIAS: neoplatonismo e cristianismo 3. TESE PRINCIPAL: o conhecimento intelectivo das essências só se efetua quando a alma humana for iluminada pelo Verbo de Deus

13 SANTO AGOSTINHO VERBO DE DEUS arquétipos transcendentais e eternos acham-se na mente divina, sendo os modelos segundo os quais Deus criou o mundo do nada (creatio ex nihilo)

14 SANTO AGOSTINHO 4. Conceito do BELO (pulchrum) via de acesso ao Ser, como caminho de conhecimento para a Verdade um dos atributos do Ser supremo BELEZA DO UNIVERSO saeculi pulchritudo determinada pela harmonia entre as partes constitutivas do todo congruentia partium

15 SANTO AGOSTINHO 5. OBRA DE ARTE síntese da imaginação interior (consequência de uma visão espiritual) com a experiência exterior dos sentidos o feio: manifestação da oposição do belo julgamento: direto - através dos sentidos; superior - avaliado segundo critérios da beleza espiritual artes figurativas: valorização da arquitetura e música A CONTEMPLAÇÃO DA BELEZA SUPREMA PODE SER ALCANÇADA QUANDO SE PARTE DO CONHECIMENTO DA ORDEM E HARMONIA DO UNIVERSO SENSÍVEL, O QUE SÓ É PERCEBIDO, PORÉM, POR QUEM POSSUI UMA ALMA IMERSA EM SERENIDADE ESPIRITUAL

16 Sto. TOMÁS DE AQUINO 1. INFLUÊNCIA: ARISTOTELISMO 2. PRINCIPAL OBRA: SUMA TEOLÓGICA 3. CONHECIMENTO ESTÉTICO é uma atitude racional (e não mística como em Agostinho) percebida pelo intelecto humano que nos agrada mediante a adequação entre o sujeito cognoscente e o objeto cognoscível

17 Sto. TOMÁS DE AQUINO 4. IMPORTÂNCIA DA ESFERA SENSORIAL SENTIDOS AESTÉTICOS audição e visão olfato, tato, paladar conhecimento por via da assimilação figurativa com o uso da memória e imaginação

18 Sto. TOMÁS DE AQUINO 4. IMPORTÂNCIA DA ESFERA SENSORIAL SENTIDOS AESTÉTICOS audição e visão olfato, tato, paladar não denotam beleza

19 Sto. TOMÁS DE AQUINO 5. PRIMAZIA DA VISÃO VISÃO NATURAL vis aestimativa naturalis VISÃO RACIONAL vis aestimativa cogitativa A visão natural é veículo para a visão racional, transpondo a beleza dos seres, a aparência sensível,até atingir a inteligibilidade das Formas, as quais são criadas por Deus

20 Sto. TOMÁS DE AQUINO 6. ARTE E REVELAÇÃO A obra de arte é considerada como imagem ou símbolo de TEOFANIA - revelação ou manifestação de um Deus acima da Natureza e intelectualmente apreensível

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA NA IDADE MEDIEVAL A IDADE MÉDIA INICIOU-SE NA Europa com as invasões germânicas ou bárbaras no

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): FILOSOFIA JOSÉ LUCIANO GABEIRL Conteúdo: Referência para estudo: A Filosofia de Aristóteles A Filosofia Helenística Idade Média

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

A estética de Agostinho de Hipona: o belo

A estética de Agostinho de Hipona: o belo Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ano Letivo: 2014/2015 Licenciatura: Filosofia Unidade Curricular: Filosofia Medieval I Docentes: José Meirinhos e Paula Oliveira e Silva Aluna: Ana Catarina

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica Filosofia na Idade Média Patrística e Escolástica Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganadoras especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo,

Leia mais

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus VIDA E OBRA Aurélio Agostinho destaca-se entre os Padres como

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Estabeleciam duas categorias. diferentes para beleza e arte. A beleza estava conectada com a. expressão do bem enquanto a arte

Estabeleciam duas categorias. diferentes para beleza e arte. A beleza estava conectada com a. expressão do bem enquanto a arte ESTÉTICA NA ANTIGUIDADE Estabeleciam duas categorias diferentes para beleza e arte. PRÉ-SOCRÁTICOS A beleza estava conectada com a expressão do bem enquanto a arte significava um fazer bem feito. A ausência

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden

Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden 1º PARTE Introdução A filosofia oriental é a filosofia desenvolvida nos países da Ásia Oriental e do Oriente Médio, como Índia, Irã,

Leia mais

AGOSTINHO O FILÓSOFO

AGOSTINHO O FILÓSOFO Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz AGOSTINHO O FILÓSOFO ENTRE O BEM E O MAL OU SE CORRER, O BICHO PEGA; SE FICAR, O BICHO COME. Santo Agostinho no detalhe

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único método de conhecimento Concepções idealistas e espiritualistas:

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

Ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas

Ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas O naturalismo constitui uma noção fundamental que marcou profundamente grande parte da arte ocidental, da antiga Grécia até o final do século XIX, com uma única interrupção, durante a Idade Média CONCEITO

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Filosofia e Ciências Sociais Departamento de Filosofia Programa de Pós-graduação em Lógica e Metafísica ANTONIO JANUNZI NETO SOBRE O CONHECIMENTO SENSÍVEL

Leia mais

Deus fala através do trovão

Deus fala através do trovão Deus fala através do trovão Já havia dois dias que os israelitas, acampados próximo ao Sinal, estavam se preparando para a grande teofania. No terceiro dia, Deus enviou tão impressionantes sinais que o

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza A Ética da Alegria em Baruch Spinoza Contextualizando Fonte: wikipedia.com Spinoza: Polidor de Lentes e Filósofo 1632, Amsterdã Haia, 1677 Cronologia de Suas Obras 1660: Breve Tratado sobre Deus, o Homem

Leia mais

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO. : Index. S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO Índice Geral PRIMEIRA QUESTÃO SEGUNDA

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

Mandalas. O que são mandalas?

Mandalas. O que são mandalas? Mandalas O que são mandalas? A mandala é literalmente um círculo, ainda que seu desenho seja complexo e muitas vezes se encerre em uma moldura quadrada. A mandala é ao mesmo tempo um resumo da manifestação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

estética & filosofia da arte

estética & filosofia da arte estética & filosofia da arte carlos joão correia 2013-2014 2ºSemestre ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE http://2014estetica.blogspot.pt carlosjoaocorreia@gmail.com Avaliação: 1. Alunos internos: 1.1. elaboração

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri

ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO. Dora Incontri ARQUIVO DOS ARTIGOS DO SITE DA ABPE QUESTÕES SOBRE ARTE E ESPIRITISMO Dora Incontri 10 Questões sobre Arte e Espiritismo 1 Dora Incontri 1- Existe Arte Espírita? Depende como se entende o conceito. A Arte

Leia mais

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível.

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível. S. TOMÁS DE AQUINO Nasceu em Roccasecca em 1225. Ingressou na ordem dos dominicanos, tal como Alberto Magno, de quem foi aluno. Faleceu em 1274. É indubitavelmente o maior dos filósofos escolásticos. S.

Leia mais

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada a partir da percepção, das emoções

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

Negatividade versus Racionalismo: a Visão de Josef Pieper sobre o Pseudo Dionísio Areopagita

Negatividade versus Racionalismo: a Visão de Josef Pieper sobre o Pseudo Dionísio Areopagita Mirandum 21 2010 CEMOrOC-Feusp / IJI-Universidade do Porto Negatividade versus Racionalismo: a Visão de Josef Pieper sobre o Pseudo Dionísio Areopagita 25 Prof. Dr. Roberto C. G. Castro 1 Analisar a visão

Leia mais

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO SANTO AGOSTINHO SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO Aos 28 anos, Agostinho partir para Roma. Estava cansando da vida de professor em Cartago e acreditava que em Roma encontraria alunos mais capazes. Em Milão,

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

PLATÃO - ARISTÓTELES Deus nas tradições filosóficas J.A.Estrada

PLATÃO - ARISTÓTELES Deus nas tradições filosóficas J.A.Estrada PLATÃO - ARISTÓTELES Deus nas tradições filosóficas J.A.Estrada Platão defende uma metafísica de essências, aonde os conceitos gerais não são o resultado de indução nem da abstração do que captamos no

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Hippolyte Léon Denizard Rivail

Hippolyte Léon Denizard Rivail Hippolyte Léon Denizard Rivail 03-10-1804-31-03-1869 A mediunidade não é sinal de santificação, nem representa característica divinatória. Constitui, apenas, um meio de entrar em contato com as almas

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice Índice Parte I: Introdução................. 9 Parte II: Escolhas difíceis, decisões diárias: como receber a orientação intuitiva da alma.......................... 14 Parte III: Como usar a orientação interior

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

RESENHAS. GONÇALVES, Márcia Cristina Ferreira O Belo e o Destino Uma introdução à Filosofia de Hegel. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

RESENHAS. GONÇALVES, Márcia Cristina Ferreira O Belo e o Destino Uma introdução à Filosofia de Hegel. São Paulo: Edições Loyola, 2001. RESENHAS GONÇALVES, Márcia Cristina Ferreira O Belo e o Destino Uma introdução à Filosofia de Hegel. São Paulo: Edições Loyola, 2001. Kátia Silva Araújo* araujokatia@yahoo.com.br Além de ser uma abrangente

Leia mais

INVERTENDO A HIERARQUIA INVERTING THE HIERARCHY

INVERTENDO A HIERARQUIA INVERTING THE HIERARCHY INVERTENDO A HIERARQUIA INVERTING THE HIERARCHY CARLOS ARTHUR RIBEIRO DO NASCIMENTO * Resumo: Na hierarquia das faculdades cognoscitivas segundo Tomás de Aquino, os sentidos ocupam o lugar menos elevado

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

O VOO DO PENSAMENTO TEMAS DA VIDA HUMANA EM AÇÃO

O VOO DO PENSAMENTO TEMAS DA VIDA HUMANA EM AÇÃO O VOO DO PENSAMENTO TEMAS DA VIDA HUMANA EM AÇÃO Antonio Pereira Sousa Conselho Editorial Profa. Dra. Andrea Domingues Prof. Dr. Antônio Carlos Giuliani Prof. Dr. Antonio Cesar Galhardi Profa. Dra. Benedita

Leia mais

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de COLÉGIO CEC Professor: Carlos Eduardo Foganholo Conceito de Dialética DIALÉTICA Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de ideias que leva a outras ideias. O conceito de dialética, porém,

Leia mais

Page 1 of 11. Considerações Gerais

Page 1 of 11. Considerações Gerais Page 1 of 11 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Filosofia Educador: João Nascimento Borges Filho Considerações

Leia mais

MOACIR FERREIRA FILHO A ONTOLOGIA DA ALMA EM SÃO TOMÁS DE AQUINO

MOACIR FERREIRA FILHO A ONTOLOGIA DA ALMA EM SÃO TOMÁS DE AQUINO MOACIR FERREIRA FILHO A ONTOLOGIA DA ALMA EM SÃO TOMÁS DE AQUINO COLEÇÃO E.BOOKS FILOSOFIA A ONTOLOGIA DA ALMA EM SÃO TOMÁS DE AQUINO MOACIR FERREIRA FILHO A ONTOLOGIA DA ALMA EM SÃO TOMÁS DE AQUINO Coleção

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

Patrística e Escolástica

Patrística e Escolástica Patrística e Escolástica 1. (Uff 2012) A grande contribuição de Tomás de Aquino para a vida intelectual foi a de valorizar a inteligência humana e sua capacidade de alcançar a verdade por meio da razão

Leia mais

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

12.º Ano de escolaridade - Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho

12.º Ano de escolaridade - Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: OFERTA COMPLEMENTAR ESTÉTICA NA MÚSICA 2016 12.º Ano de escolaridade - Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC SOCIOLOGIA Prof. Carlos Eduardo Foganholo Colégio CEC Cultura - Conceitos Todos os seres humanos possuem cultura. Ninguém tem mais cultura que outra pessoa Não existe cultura superior ou inferior, uma

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O SISTEMA DAS ARTES NA ESTÉTICA HEGELIANA

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O SISTEMA DAS ARTES NA ESTÉTICA HEGELIANA CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O SISTEMA DAS ARTES NA ESTÉTICA HEGELIANA David Barroso A intuição sensível pertence a arte que confere à verdade a forma de representações sensíveis. Estas representações, enquanto

Leia mais

A GEOGRAFIA MODERNA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALEXANDRE VON HUMBOLDT E DE KARL RITTER

A GEOGRAFIA MODERNA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALEXANDRE VON HUMBOLDT E DE KARL RITTER Aula A GEOGRAFIA MODERNA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALEXANDRE VON HUMBOLDT E DE KARL RITTER META Perceber a contribuição de Alexandre Von Humboldt e de Karl Ritter para o pensamento geográfico moderno. OBJETIVOS

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN CURSO SOBRE O CREMOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS Primeiro Artigo de Fé: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas distintas: o Pai, o Filho

Leia mais

UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL

UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL CONTEXTO HISTÓRICO A QUEDA DE ROMA Antes da queda, numa tentativa desesperada de salvar o Império Romano, em 380 o imperador Teodósio torna o cristianismo, que já era a seita

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DIFERENÇA ENTRE A VERDADE COMO ADEQUAÇÃO EM TOMÁS DE AQUINO E A VERDADE COMO ALETHEIA EM MARTIN HEIDEGGER

APONTAMENTOS SOBRE A DIFERENÇA ENTRE A VERDADE COMO ADEQUAÇÃO EM TOMÁS DE AQUINO E A VERDADE COMO ALETHEIA EM MARTIN HEIDEGGER APONTAMENTOS SOBRE A DIFERENÇA ENTRE A VERDADE COMO ADEQUAÇÃO EM TOMÁS DE AQUINO E A VERDADE COMO ALETHEIA EM MARTIN HEIDEGGER Notes on the Difference Between truth as Adequacy in Aquinas and Truth as

Leia mais

O tempo na terceira Enéada de Plotino

O tempo na terceira Enéada de Plotino Daniel Schiochett Resumo: Plotino é conhecido pela doutrina das três hipóstases: o Uno, a Inteligência e a Alma. Enquanto neoplatônico, sua doutrina é pensada a partir da visão platônica do mundo. Todavia,

Leia mais

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino ÁGORA FILOSÓFICA O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino The Process of Human Knowledge in Thomas Aquinas Prof. Dr. Marcos Roberto Nunes Costa 1 Resumo Na Suma Teológica, especialmente nas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO FILOSÓFICO: O QUE É A FILOSOFIA? Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO FILOSOFIA THEORIA - ONTOS - LOGOS VER - SER - DIZER - A Filosofia é ver e dizer aquilo que

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

O SORRISO E A ESTÉTICA DA LUZ DE PLOTINO

O SORRISO E A ESTÉTICA DA LUZ DE PLOTINO O SORRISO E A ESTÉTICA DA LUZ DE PLOTINO 97 Maria Ângela Coelho Mirault Um verdadeiro cataclismo interno. Uma forte e irresistível contração da musculatura facial desencadeando a excitação e aceleração

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

Excertos do livro EU SOU AQUILO de Sri Nisargadatta Maharaj - 3

Excertos do livro EU SOU AQUILO de Sri Nisargadatta Maharaj - 3 1 Excertos do livro EU SOU AQUILO de Sri Nisargadatta Maharaj - 3 compilado e editado por Miguel-Angel Carrasco Os números após citações referem-se a paginas da edição de Chetana (P) Ltd, Bombaim, 1992.

Leia mais

Faculdade de Gastronomia. Propriedades Organolépticas e Sensoriais dos Alimentos. Matérias Primas na alimentação

Faculdade de Gastronomia. Propriedades Organolépticas e Sensoriais dos Alimentos. Matérias Primas na alimentação Faculdade de Gastronomia Propriedades Organolépticas e Sensoriais dos Alimentos Matérias Primas na alimentação Características ou Propriedades Organolépticas/Sensoriais São os atributos dos alimentos que

Leia mais

Platão e o mundo das essências

Platão e o mundo das essências Platão e o mundo das essências Marilena Chauí Platão dedicou a sua obra à resolução do impasse filosófico criado pelo antagonismo entre o pensamento de Heráclito de Éfeso e o de Parmênides de Eleia. Platão

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

OS SETE PRINCÍPIOS HERMÉTICOS

OS SETE PRINCÍPIOS HERMÉTICOS OS SETE PRINCÍPIOS HERMÉTICOS OS SETE PRINCÍPIOS HERMÉTICOS O Yoga é a aplicação racional e pessoal, num caso particular, das Leis que dirigem o desenvolvimento da consciência. (Anne Besant) I. O PRINCÍPIO

Leia mais

índice geral Introdução 7 Parte primeira Fernando Pessoa: ortonímia e heteronímia

índice geral Introdução 7 Parte primeira Fernando Pessoa: ortonímia e heteronímia índice geral Introdução 7 Parte primeira Fernando Pessoa: ortonímia e heteronímia Capítulo I. Ortonímia e heteronímia: a "identidade" do "Eu" 21 "Heteronímia" ou o desdobramento dum "Eu idêntico" 22 Fernando

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO 30 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 31 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial UNIÃO ESTE BRASILEIRA Associação Ministerial Comentários sobre a Música Comentários sobre a Música Pr. Graciliano Martins Percepção Humana da Música A música é percebida pelo tálamo, estação de transmissão

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos,

Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos, Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos, sempre têm qualquer coisa de mecânico e de áspero, enquanto

Leia mais

Eugenio Lara BREVE ENSAIO SOBRE O HUMANISMO ESPÍRITA

Eugenio Lara BREVE ENSAIO SOBRE O HUMANISMO ESPÍRITA Eugenio Lara BREVE ENSAIO SOBRE O HUMANISMO ESPÍRITA Santos 2012 Índice Prefácio - Jon Aizpúrua 7 Prólogo 15 Palavras Iniciais 19 Humanismo x Hedonismo 23 As Raízes do Humanismo 25 O Humanismo de Pico

Leia mais

PERÍODO GREGO e Psicologia

PERÍODO GREGO e Psicologia PERÍODO GREGO e Psicologia De 700 a. C. ao início Era Cristã: (») Apogeu Conhecimento Humano :: Riqueza na Pólis (++) Produtos e Recursos O homem livre para se dedicar à Arte e Filosofia : Especulação

Leia mais

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS São chamados de filósofos da natureza. Buscavam a arché, isto é, o elemento ou substância primordial que originava todas as coisas da natureza. Dirigiram sua atenção e suas

Leia mais

DESVELANDO A ALMA - EMANCIPAÇÃO E MEDIUNIDADE 2 ENCONTRO 14/09/14. EMANCIPAÇÃO da ALMA

DESVELANDO A ALMA - EMANCIPAÇÃO E MEDIUNIDADE 2 ENCONTRO 14/09/14. EMANCIPAÇÃO da ALMA DESVELANDO A ALMA - EMANCIPAÇÃO E MEDIUNIDADE 2 ENCONTRO 14/09/14 EMANCIPAÇÃO da ALMA O Livro dos Espíritos Cap. 8 Da emancipação da alma 400. O Espírito encarnado permanece de bom grado no seu envoltório

Leia mais

Amor História Eternidade

Amor História Eternidade 3 Faculdade de Teologia Núcleo de Estudos Balthasarianos Amor História Eternidade Actas das Jornadas Balthasarianas Outubro de 2008 e 2009 coordenação Maria Manuela Dias de Carvalho Isabel Maria Alçada

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIRO ON LINE

CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIRO ON LINE CURSO DE FORMAÇÃO DE OBREIRO ON LINE AULA 5: ANTROPOLOGIA Baseado em Jeremias 9: 24, a Igreja Pentecostal Deus é Amor oferece a você, obreiro, a oportunidade aprofundar seu conhecimento na palavra de Deus

Leia mais

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana Jörg Garbers Ms. de Teologia A alma A palavra alma é a tradução das palavras: Nefesch (hebraico no AT) Psyche(grego no NT) Popularmente a alma......é uma parte

Leia mais

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO PLATÃO (428-347 a.c.) Foi o primeiro grande filósofo que elaborou teorias políticas. Na sua obra A República ele explica que o indivíduo possui três almas que correspondem aos princípios: racional, irascível

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

PREÂMBULO. APRESENTAÇÃO E REFERÊNCIA AOS ESTUDOS

PREÂMBULO. APRESENTAÇÃO E REFERÊNCIA AOS ESTUDOS PREÂMBULO. APRESENTAÇÃO E REFERÊNCIA AOS ESTUDOS Os estudos apresentados neste curso não são criação ou invenção nossa, são, isto sim, principalmente, compilados da literatura evangélica relacionada na

Leia mais