Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Setúbal ÍNDICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Setúbal ÍNDICE"

Transcrição

1 ÍNDICE 1. Introdução Definição do conceito Explicação do processo Engenharia Inversa Processo de Engenharia Inversa Técnicas de digitalização de formas 3D Reconstrução do modelo em CAD-3D Digitalização Conceito geral Aplicações Modelos esculpidos Peças existentes Protótipos rápidos Métodos e técnicas Com contacto físico Contacto ponto a ponto Técnica por Varrimento Sem contacto físico Técnica por Triangulação óptica Técnica por Triangulação óptica Equipamento Máquinas de Medição por Coordenadas CMM Com contacto ou sem contacto Medição discreta ou por digitalização Mudança de ponta e sensor Fresadora CNC com Sonda de Contacto Fresadora CNC com Sonda Laser CT Tomografia Computorizada Campos de aplicação Softwares disponíveis Tecnologia desenvolvida Exemplo prático, Bancos de metro do porto Conclusões Referências Bibliográficas Utilizadas º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 2 de 41

2 ÍNDICE DE FIGURAS Fig. 5.1 Descrição das fases do processo de Engenharia Inversa... 8 Fig. 5.2 Sequência para a obtenção de produtos de engenharia (peças/ferramentas)... 8 Fig. 5.3 Esquema representativo do processo de Engenharia Inversa... 9 Fig. 5.4 Reconstrução do modelo físico em CAD 3D Fig. 6.1 Esquema do sistema de medição ponto a ponto Fig. 6.2 Esquema do sistema de medição de contacto por varrimento Fig. 6.3: Principio da triangulação óptica Fig. 6.4 Principio da triangulação óptica Fig. 7.1 Equipamento CMM discreto Fig. 7.2 Equipamento CMM de apalpador Fig. 7.3 CMM óptico e digitalização óptica respectivamente à direita e á esquerda Fig. 7.4 Fresadora CNC com sonda de contacto Fig. 7.5 scanner 3D e Sonda Laser, à direita e à esquerda respectivamente Fig. 7.6 Exempplo do processo de engenharia Inversa com equipamento CT Fig. 8.1 Digitalização de artefactos de museu Fig. 8.2 Digitalização de um busto Fig. 8.3 Capa de telemóvel Fig. 8.4 Capacete de btt Fig. 8.5 Digitalização de pé Fig. 8.6 Prótese Dentária Fig. 8.7 Digitalização de uma Múmia Fig. 8.8 exemplos de aplicações aeronáuticos Fig. 8.9 Biela e Turbina, à direita e à esquerda respectivamente Fig. 9.1 Comparação de sistemas de interpolação linear e NURBS respectivamente Fig Imagem do banco do metro concebida pelo Designer Fig Modelo de malha de elementos finitos Fig Modelo CAD Fig Protótipo do conceito Fig Apresentação do produto º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 3 de 41

3 1. Introdução Devido a uma cada vez maior diversidade de produtos desenvolvidos, à diminuição do seu ciclo de vida e à crescente complexidade que estes apresentam o contexto industrial tem-se vindo a modificar. A redução do tempo de vida de um produto, provoca nas as empresas uma necessidade de desenvolvimento de novos produtos num mais curto período de tempo, assim o tempo necessário para o desenvolvimento de cada novo molde ou protótipo tem tendência a ser cada vez menor. Este sentido evolutivo tem pressionado as empresas a recorrerem a metodologias e ferramentas de gestão do desenvolvimento de produtos que lhes permitam atingir este objectivo, encontrando-se em primeiro plano as aplicações informáticas de CAD (Computer Aided Design), CAE (Computer Aided Engineering) e CAM (Computer Aided Manufacturing). A sequência normal de desenvolvimento de produtos em CAD? CAE? CAM tem inicio com a modelação geométrica do produto utilizando uma ferramenta de CAD. Com base neste modelo geométrico pode-se recorrer a aplicações CAE para simulação e optimização do produto. Após efectuadas as alterações ao modelo geométrico existente é possível produzir protótipos optimizados com o auxílio do CAM. Na fase de validação da optimização obtida recorre-se a ferramentas protótipo obtidas por metodologias e tecnologias de fabrico rápido. Existem casos em que esta sequência não é possível de efectuar, nomeadamente quando o objectivo é reproduzir modelos físicos sem que exista informação em formato CAD. Este é o caso do fabrico ou recuperação de peças ou ferramentas já existentes, campo este em que as metodologias e técnicas de engenharia inversa são, actualmente, indispensáveis. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 4 de 41

4 2. Definição do conceito O Processo de Engenharia Inversa Consiste na aquisição de dados digitais de um objecto mediante a sua digitalização e subsequente conversão em representações computacionais consistentes e concisas 3. Explicação do processo A sequência normal de desenvolvimento de produtos do tipo CAD? CAE? CAM tem inicio com a modelação geométrica do produto utilizando um sistema de CAD. Esta modelação poderá ser representada por arames (wireframe), superfícies ou sólidos, de acordo com o software utilizado e com a aplicação que se pretende dar ao modelo geométrico. O processo evolutivo que o software sofreu nos últimos anos levou ao aparecimento de programas baseados em sólidos paramétricos (ou variacionais), com modelação por características ( feature-based ), e com capacidades de estabelecer associações entre os diversos módulos ou entre diferentes aplicações. A informação gerada por este sistema (modelo conceptual) pode posteriormente ser exportada em formato standard (IGES, STL, VDA, STEP, etc.) e importada para o sistema CAE (permitindo simular numericamente o modelo) ou para um sistema CAM (permitindo definir estratégias de maquinagem). Num sistema que possibilite uma associação de dados (com uma base de dados única) a informação do projecto poderá ser partilhada entre as diversas aplicações tais como o projecto, o desenho, o CAE e o CAM sem que cada aplicação tenha de traduzir ou transferir dados. Nos sistemas CAD existentes na actualidade podem existir dois tipos de associatividade, a manual e a automática. Com a associatividade manual, o sistema CAD reconhece, numa determinada aplicação, que a informação foi alterada mas não faz a actualização da informação que lhe está 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 5 de 41

5 relacionada noutras aplicações até que o utilizador lhe dê instruções acerca do que deve fazer. Com a associatividade automática qualquer alteração executada no modelo, quer seja a nível dimensional quer a nível de topologia, causa as alterações apropriadas nas outras aplicações que utilizam o mesmo modelo independentemente da aplicação onde for realizada e sem que seja necessária a intervenção do utilizador. A sequência normal do desenvolvimento de produtos não é aplicável quando o objectivo é reproduzir (e possivelmente simular ou optimizar) peças e ferramentas já existentes e sem que exista informação em formato CAD. Portanto, torna-se necessário aplicar técnicas que permitam capturar a forma das peças e ferramentas para gerar um modelo numérico virtual utilizável num sistema CAD. Este processo é a engenharia inversa. 4. Engenharia Inversa Nos mercados consumistas dos dias de hoje para que as empresas sobrevivam devem estar continuamente preocupadas em desenvolver produtos novos tão rapidamente quanto possível para fazer face às exigências do mercado. Muitas ideias do desenvolvimento de produto vêm da análise de um projecto de um produto semelhante. Deste modo, um modelo pode ser feito em argila ou madeira e ser modelado de acordo com os requisitos do cliente. Para reproduzir o modelo, as suas dimensões e especificações devem ser determinadas, isto é feito digitando o modelo. Neste contexto surge a engenharia inversa como um sistema que pode rapidamente e automaticamente digitalizar o modelo, reduzindo drasticamente o tempo quando comparado com o processo normal de produção. A engenharia inversa é assim um processo que inverte o método usado no desenvolvimento do projecto de um novo produto que permite que modelos sem especificações ou desenhos possam ser reproduzidos pelos fabricantes. O sistema usa uma máquina de leitura de coordenadas que interage com um software capaz de gerir esses dados, apresentá-los ao utilizador e disponibilizar opções de reconfiguração. O processo tem como objectivo primordial gerar uma nuvem de pontos que dá origem a um modelo conceptual (de triângulos ou superfícies) a partir de um modelo material, amostra ou 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 6 de 41

6 protótipo. Neste sentido as técnicas de digitalização de formas a três dimensões (3D scanning) e os softwares de reconstrução de modelos de superfícies são indispensáveis. 5. Processo de Engenharia Inversa O habitual processo de engenharia inversa pode envolver a digitalização e a reconstrução. Esses passos encontram-se ilustrados nas figuras abaixo. Fase 1: Uma nuvem de pontos foi obtida a partir de um scanner a laser, de um centro de tomografia ou de um braço de accionamento manual. Fase 2: Conversão da nuvem de pontos num modelo poligonal. A malha resultante é suavizada e reajustada até ser obtida a superfície desejada. Fase 3: Desenhar ou criar curves na malha usando ferramentas automáticas. Fase 4: Criação de uma malha reestruturada. Fase 5: Formar superfícies NURBS através de ferramenta de forma e de edição.. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 7 de 41

7 Fase 6: Exportar o resultado final de superficies NURBSE que satisfaçam os requisitos de rugosidade para um programa CAD/CAM. Fase 7: Fabricar e analisar a peça para ensaios mecânicos, térmicos e propriedades eléctricas. Fig. 5.1 Descrição das fases do processo de Engenharia Inversa Fig. 5.2 Sequência para a obtenção de produtos de engenharia (peças/ferramentas) 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 8 de 41

8 Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Setúbal 5.1 Técnicas de digitalização de formas 3D A digitalização de formas 3D consiste na geração de uma nuvem de pontos (coordenadas 3D) a partir de um modelo físico. A nuvem de pontos pode ser obtida por várias técnicas de digitalização que podemos diferenciar em técnicas mecânicas (de contacto) e em técnicas ópticas (de não contacto). Relativamente às primeiras, normalmente, é utilizada uma máquina de medir por coordenadas (CMM Coordinate Measuring Machine) ou uma fresadora CNC equipadas com sondas físicas. Em relação às segundas pode ser utilizada uma máquina CMM ou uma fresadora CNC equipadas com sondas de laser e com a técnica de tomografia computadorizada (CT Computer Tomography). Fig. 5.3 Esquema representativo do processo de Engenharia Inversa 5.2 Reconstrução do modelo em CAD-3D A informação gerada durante a digitalização do modelo material, i.é., a nuvem de pontos, é transferida para um sistema de reconstrução de modelos por forma a gerar um modelo conceptual de triângulos ou de superfícies com base nos pontos coordenados 3D. Obtido o modelo conceptual, o procedimento seguinte, relativo à sequência não convencional é semelhante ao da sequência convencional, descritas na Figura º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 9 de 41

9 Modelo Físico Equipamento Software Modelo Digital Fig. 5.4 Reconstrução do modelo físico em CAD 3D 6 Digitalização Conceito geral A Digitalização é uma técnica de medição que recorre a equipamentos de medição por coordenadas. As máquinas de medição por coordenadas, são muito semelhantes às máquinas ferramenta, utilizando no entanto como ferramentas sensores de medição. 6.2 Aplicações Medir é sinónimo de comparar, isto é, quantificar em relação a uma referência. Na medição por coordenadas a posição espacial de pontos, em relação ao sistema de referências, é utilizada pelo sistema para: Inspecção dimensional Levantamento topográfico 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 10 de 41

10 Na inspecção dimensional, o objectivo final pode ser: Determinação de dimensões desconhecidas Verificação de dimensões conhecidas e respectivas tolerâncias No levantamento topográfico o objectivo final é geralmente a engenharia inversa Modelos esculpidos Geralmente recorre-se à engenharia inversa desde modelos com dois objectivos distintos, nomeadamente a verificação dimensional do modelo esculpido, por forma a avaliar se são respeitadas eventuais condicionantes dimensionais. Também se pode recorrer à engenharia inversa deste tipo de modelos, com o objectivo de criar modelos virtuais CAD, uma vez que a forma pretendida é de elevada complexidade geométrica Peças existentes A digitalização de peças existentes proporciona a verificação de cotas e a engenharia inversa. Na verificação de cotas pretende-se validar as condicionantes dimensionais para o modelo existente. Na engenharia inversa de peças existentes visa a cópia destes componentes e deve-se geralmente à inexistência de desenhos de produção ou modelos 3D. Pode-se também recorrer a peças existentes pelos mesmos motivos, mas para lhes adicionar características, isto é, criar novos modelos virtuais muito semelhantes Protótipos rápidos A digitalização de protótipos visa geralmente a sua validação dimensional, ou seja, verificar se está de acordo com as tolerâncias exigidas. No entanto, os protótipos rápidos podem por vezes ser utilizados como peças existentes para tarefas de engenharia inversa. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 11 de 41

11 6.6 - Métodos e técnicas Existem dois métodos de digitalização, com e sem contacto físico. A continuidade como é feita a digitalização define a técnica - ponto a ponto, varrimento. Ponto a ponto significa de a aquisição é realizada de uma forma descontínua. Varrimento significa que a aquisição é realizada de uma forma contínua. Métodos de digitalização: - Com contacto físico Técnicas: - Ponto a Ponto - Técnica de Varrimento - Sem contacto físico Técnicas: - Triangulação óptica - Varrimento óptico Com contacto físico Contacto ponto a ponto Na medição por contacto ponto a ponto são utilizadas sondas de medição cujo princípio de funcionamento está representado na figura 1. O sistema conhece a coordenada do centro da esfera (apalpador), quando esta se encontra na sua posição de referência. Por cada vez que esta abandona esta posição é registada a coordenada de um ponto. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 12 de 41

12 Fig. 6.1 Esquema do sistema de medição ponto a ponto O software de medição realiza com base na direcção de aproximação e no raio da esfera a chamada compensação do raio da esfera, por forma a minimizar o erro de medição. Este software tem também como função o cálculo de dimensões. Para a desempenhar são utilizados os elementos de substituição, que permitem o cálculo das dimensões de elementos de geometria regular com base em pontos medidos, como por exemplo o cálculo do diâmetro de um furo com base em três pontos. Os erros de medição por esta técnica estão relacionados com o grau de incerteza dos movimentos da máquina rígida e com direcções de aproximação não normais à superfície medida. Em termos de precisão esta técnica proporciona valores da ordem dos micron Técnica por Varrimento Na medição por contacto de varrimento são utilizadas sondas como a representada na figura 2. O seu princípio de funcionamento é em tudo semelhante ao principio da medição por contacto ponto a ponto, apenas difere na posição de referência que não é fixa, graças à mobilidade proporcionada pelos paralelogramos representados na figura 2 a verde (X), amarelo (Y) e a azul (Z). Esta mobilidade possibilita a variação, independente em cada um dos eixos, da posição de referência em alguns milímetros. No que refere ao registo dos pontos o principio de funcionamento é totalmente idêntico ao da medição por contacto ponto a ponto. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 13 de 41

13 Fig. 6.2 Esquema do sistema de medição de contacto por varrimento O software de medição realiza com base numa trajectória pré-definida, no raio da esfera e na direcção de aproximação, o registo de coordenadas dos pontos ao longo de um perfil à frequência pedida. O número de pontos registados é então função da velocidade do movimento de varrimento e da frequência de registo pedida pelo operador. Os erros de medição por esta técnica estão relacionados com o grau de incerteza da máquina rígida, com trajectórias de varrimento inadequadas, isto é, que provoquem direcções de aproximação inapropriadas. A precisão proporcionada por esta técnica é da mesma ordem de grandeza da medição por contacto ponto a ponto, ou seja da ordem dos micron. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 14 de 41

14 6.6.2 Sem contacto físico Técnica por Triangulação óptica O princípio de funcionamento da medição óptica é designado por triangulação óptica, representado na figura 6.3; um feixe laser é incidido na peça e o ângulo da reflexão é medido por um sensor óptico (CCD). Fig. 6.3: Principio da triangulação óptica Na medição óptica ponto a ponto, o software de medição regista as coordenadas dos pontos com base na posição de referência da sonda e na análise da reflexão. Os erros de medição por esta técnica estão relacionados com o grau de incerteza dos movimentos da máquina rígida e com medições efectuadas fora dos limites das capacidades da sonda, isto é, numa posição relativa à peça que não respeite os valores de distância e amplitude (profundidade de campo) declarados pelo fabricante. Em termos de precisão, em medição óptica ponto a ponto proporciona é da ordem dos centésimos de milímetro. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 15 de 41

15 Técnica por Triangulação óptica O principio de funcionamento da técnica de medição óptica por varrimento é em tudo semelhante à medição óptica ponto a ponto, com a capacidade de medir pontos ao longo de uma secção da peça apenas com um posicionamento, isto é, na mesma posição de referência é possível registar os pontos que definem um perfil. Esta capacidade é proporcionada pela rotação do sistema óptico, que permite a focagem do feixe laser em várias posições ao longo de uma determinada largura. Esta largura é um valor tal que permite uma correcta interpretação da reflexão, ver figura 6.4. Fig. 6.4 Principio da triangulação óptica Os erros de medição por esta técnica estão relacionados com o grau de incerteza dos movimentos da máquina rígida e medições efectuadas fora dos limites das capacidades da sonda, que para além de respeitarem uma relação distância/amplitude devem também respeitar uma relação resolução/largura. Em termos de precisão esta técnica proporciona valores da ordem das centésimas de milímetro. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 16 de 41

16 7 Equipamento A engenharia inversa é um termo usado descrever a criação de uma série de dados digitais baseada em numa representação física, invertendo o processo regular de ir de uma ideia através da construção do CAD a um produto. Há diversas maneiras de digitalizar um objecto tridimensional, tais como: CMM com Sonda de Contacto CMM com Sonda Laser Fresadora CNC com sonda de contacto Fresadora CNC com sonda Laser Centro de tomografia computorizada CT 7.1 Máquinas de Medição por Coordenadas CMM A tecnologia das Máquinas de Medição por Coordenadas ou CMMs (Coordinate Measuring Machines) tem evoluído nos últimos 30 anos a fim de se ajustar às tolerâncias cada vez menores exigidas nos dias de hoje pelos engenheiros de produção e de projecto. Essa necessidade de precisão, combinada com o eterno desejo de melhoria da eficiência das inspecções tem levado diversas abordagens às CMMs. Isso pode levar a indecisões acerca de que sistema de inspecção é melhor para as aplicações de cada fábrica. Como uma CMM representa um investimento significativo em equipamentos, tanto para grandes como para pequenas empresas, é preciso personalizá-la para que trate de necessidades específicas, ao mesmo tempo que possa oferecer flexibilidade para crescimento conforme as exigências de inspecção se vão alterando. Então, qual é a melhor solução de medição para as suas CMMs Os cinco factores listados abaixo o ajudarão a determinar que tipo de sistema de inspecção trará os maiores benefícios a uma empresa: 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 17 de 41

17 A forma das peças a serem medidas A forma da peça determina as especificações do desenho e identifica as tolerâncias dimensionais e geométricas requeridas. Os itens de ajuste a outras peças são melhor medidos por digitalização, enquanto a medição discreta é mais adequada para medições de tamanho e questões de posicionamento. O tipo de medição requerido O tipo de medição exigido, combinado com o formato da peça, determinará se o mais adequado para a execução da tarefa é uma ponte, um pórtico ou um braço horizontal. O tipo de CMM requerida normalmente dita qual é o melhor sistema de medição. Capacidade do processo de produção O desempenho do seu processo de produção relativamente à tolerância estipulada também afecta a escolha do método utilizado. Se os processos regularmente produzem bons produtos com forma adequada a medição discreta é ideal. Por outro lado, se os processos de produção geram itens cuja forma varia em proporções significativas com relação à tolerância a digitalização é o melhor sistema. Tempo de ciclo (Throughput) Alta precisão, alta velocidade e baixos custos de propriedade são o lema do mundo da produção actualmente. O tempo de ciclo também pode ser uma determinação importante na selecção do sistema de medição adequado. Adaptação às mudanças nas exigências de capacidade e função Como uma nova máquina, ou mesmo uma CMM reajustada, pode representar gastos elevados, é fundamental que ela atenda às necessidades de inspecção e tenha a flexibilidade de adaptação às mudanças de requisitos de medição. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 18 de 41

18 7.1.1 Com contacto ou sem contacto Hoje em dia encontram-se disponíveis no mercado tanto sensores com contacto como sem contacto, permitindo que as CMMs digitalizem a forma de uma peça ou assumam as medições discretas. A forma da peça e o tipo de medição irão especificar qual é o melhor método: A medição por contacto é geralmente o método mais preciso de medição para a maioria das peças. A medição sem contacto é a melhor solução para materiais moles e maleáveis. Quando o tempo de ciclo é a mais alta prioridade e não se exige medições de alta precisão, um sensor sem contacto é a melhor solução Medição discreta ou por digitalização Normalmente, a digitalização por contacto é útil para determinar a forma de um item. Recolher milhares de pontos de dados é muito útil quando o objectivo é observar a forma. Contudo, a maioria das peças produzidas não exige este detalhe. Para estes itens, a posição é o factor mais importante, e não a forma. A medição discreta, que envolve muitos pontos de dados importantes e a realização de uma peça construída para tais pontos, é adequada para esse tipo de análise. Tradicionalmente, com a digitalização, quanto mais rápida for a máquina, menos precisos são os dados que ela recolhe. Esse "efeito dinâmico" deve-se à inércia ou ao peso da máquina e aos sensores mudando de direcção constantemente enquanto aceleram e desaceleram durante o ciclo de digitalização. A mudança dinâmica na estrutura da máquina também causa efeito directo na precisão da medição. Contudo, o efeito dinâmico existente nas CMMs no momento da digitalização já pode ser compensado dinamicamente. Por exemplo, o Renscan DC é um novo equipamento disponível na plataforma de controle UCC1 da Renishaw; esse processo primeiro digitaliza a peça lentamente, depois a mede-a novamente numa velocidade mais acelerada e aprende os erros introduzidos pelas 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 19 de 41

19 velocidades mais altas. A CMM está, então, pronta para medir a uma velocidade mais alta com precisão, mais alinhada com a medição a baixa velocidade. Mesmo com estes últimos desenvolvimentos, a combinação de digitalização e medição discreta é a maneira mais precisa e eficiente de medir a maioria das peças. Sensores por digitalização são provavelmente os mais flexíveis, já que também podem ser utilizados para perceber pontos discretos, figura 7.2. Contudo, apalpadores por contacto, figura 7.2, medem pontos discretos mais rapidamente, pois as pontas de digitalização precisam ser ajustadas a um alvo antes de fazer a leitura. De qualquer modo, os erros dinâmicos são minimizados com a medição discreta. A máquina ou fica parada (se uma ponta para digitalização é utilizada) ou se move em uma velocidade constante (apalpadores por contacto) quando o ponto é medido. Fig. 7.1 Equipamento CMM discreto Fig. 7.2 Equipamento CMM de apalpador 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 20 de 41

20 Por outro lado, actualmente, tecnologias como a metrologia óptica isolada, na qual cabeçotes precisos medem directamente a deflexão da sonda, garantem que se atinja níveis excelentes de desempenho em velocidades mais rápidas. Sensores sem contacto são normalmente as melhores soluções para as tarefas mais especializadas, como a medição de materiais moles. Por isso, um sensor pode não ser adequado para todas as suas necessidades de medição. Fig. 7.3 CMM óptico e digitalização óptica respectivamente à direita e á esquerda Mudança de ponta e sensor A menos que se esteja a medir uma peça simples, será necessário mudar a configuração da ponta para ajustá-la a diferentes tarefas de medição. Este processo tem sido efectuado manualmente, no entanto, actualmente existem sistemas de pontas que podem fazer a troca das mesmas. Isso aumenta consideravelmente a flexibilidade do sistema, permitindo que se mude rapidamente para uma ponta longa ou complexa, bem como utilizar pontas diferentes (por exemplo: esfera, disco ou cilindro), necessárias para diferentes superfícies. A troca automatizada das pontas reduz a intervenção do operador o tempo de ciclo da medição. A troca de pontas também fornece a vantagem de solidez por causa da protecção contra choques uma vez que possibilita a desconexão da ponta antes que ocorra uma fractura. A flexibilidade dos equipamentos actuais significa que estamos sempre a utilizar o sensor e a sonda adequados para uma dada tarefa, aumentando a precisão da medição e minimizando os tempos de ciclo da medição. O Autojoint, patenteado pela Renishaw, foi adoptado recentemente pela Optical Sensors Interfae Standards Committee como o padrão da indústria para combinar a 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 21 de 41

21 troca de pontas; o equipamento é compatível com a maioria das pontas da Renishaw e de outras empresas. Também é necessário que se tenha um local para armazenar os sensores que não estão a ser utilizados na máquina e que permitem troca automatizada dentro dos ciclos de inspecção. Os sistemas de troca automática ACR1 e o ACR3, da Renishaw, são projectados com essa finalidade e são compatíveis com todas as pontas que utilizam o Autojoint. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 22 de 41

22 7.1.4 Fresadora CNC com Sonda de Contacto Fig. 7.4 Fresadora CNC com sonda de contacto Fresadora CNC com Sonda Laser Fig. 7.5 scanner 3D e Sonda Laser, à direita e à esquerda respectivamente CT Tomografia Computorizada Os métodos de contacto e sem contacto da medida requerem superfícies e características geométricas acessíveis ou visíveis. Entretanto, no processo por Tomografia Computorizada (CT) pode mostrar estruturas internas também. Os dados de CT podem ser processados directamente no formulário de nuvens do pontos ou como superfícies (por exemplo STL). Estes podem ser usados para detectar porosidades, cavidades ou as rachas dentro das peças. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 23 de 41

23 Os dados de transformação de CT em sistemas de CAD com as ferramentas disponíveis no mercado actualmente são muitos imóveis e oferecem consequentemente um grande potencial de desenvolvimento. Em especial se os dados em formato CAD de um produto não existirem. Actualmente a aplicação mais importante de CT é de realizar varrimento de peças com o objectivo de digitalização 3D. Acima de tudo a industria automóvel bem como os seus fornecedores e a tecnologia médica mostram um grande interesse nas novas capacidades que o processo CT oferece. Esta nova tecnologia tem a capacidade de redução de tempo de desenvolvimento de novos produtos, permitindo assim que as empresas se tornem mais competitivas. Uma desvantagem deste método é o efeito de criar aberturas onde a superfície está quase paralela às fatias do scann. A segmentação 3D elimina este inconveniente. O algoritmo recentemente desenvolvido consulta às fatias abaixo e acima e usa esta informação para calcular por interpolação linear dos valores de densidade. Ir de um conjunto de fatias de tomografia a uma nuvem de pontos reduz consideravelmente a quantidade de dados, porém os ficheiros são ainda muito grandes. Para uma redução mais significativa do tamanho do ficheiro, os pontos são compactados. Junto com os dados, o cliente recebe uma aplicação que possa usar para extrair o número desejado de pontos. 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 24 de 41

24 Fig. 7.6 Exempplo do processo de engenharia Inversa com equipamento CT 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 25 de 41

25 8. Campos de aplicação Com o desenvolvimento de sistemas rápidos e baratos para a reconstrução tridimensional houve um crescimento dos campos de aplicação destas técnicas. Uma dessas áreas é a antropometria. Os dados antropométricos são muito usados no design de produtos tais como: calçado, vestuário, equipamento de segurança, móveis, veículos e outros objectos com que o ser humano interage. Este tipo de dados é, por vezes, de uma grande importância. Como exemplo disso, poder-se-á referir a necessidade de precisão nos equipamentos de protecção ou a melhoria da ergonomia de alguns equipamentos. A maioria dos dados antropométricos de uso generalizado têm origem em informações adquiridas, há cerca de 50 anos atrás, por medição manual de uma amostra da população. O aparecimento das recentes tecnologias de recuperação tridimensional com imagens veio anular esta falha, proporcionando um método adequado à aquisição de dados tridimensionais densos e precisos do corpo humano. Ao nível industrial, o facto de se tornar possível o manuseamento de modelos digitais dos objectos físicos traz vantagens visíveis na redução de custos. Uma simulação computacional com os modelos pode, por exemplo, dar a conhecer problemas que podem ser resolvidos antes da sua realização. Esta tecnologia também pode ser usada no controlo de produção, nomeadamente em inspecções e metrologia dimensional, aumentando a velocidade e qualidade da produção. Além disto, com a tecnologia emergente SFF (solid free-form fabrication), as reconstruções tridimensionais resultantes podem ser modificadas ou incorporadas na criação de novos produtos, obtendo-se os protótipos de objectos tridimensionais rapidamente. Também é iniciada a possibilidade do envio e recepção, para qualquer parte do mundo, de qualquer objecto de uma forma extremamente rápida (fax tridimensional). Com os protótipos pode-se ainda estudar o comportamento de novos produtos no mercado. O marketing é uma outra das áreas que beneficia desta tecnologia. Com os resultados das reconstruções podem ser criadas bases de dados tridimensionais de produtos que podem ser publicitados pela Internet ou visualizados em computadores, explorando as potencialidades que a tridimensionalidade contém. Uma dessas potencialidades é a do uso virtual do produto, por exemplo mobiliário, onde o utilizador pode, em sua casa, fazer medições ou compor o produto que mais lhe interessa com os vários componentes 4.º Ano de Engenharia Mecânica de Produção pág. 26 de 41

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AULA 01

DESENHO TÉCNICO AULA 01 DESENHO TÉCNICO AULA 01 INTRODUÇÃO Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

com construção de "Features"

com construção de Features FURAÇÃO e fresagem 2,5D com construção de "Features" de furação e fresagem 2,5D. Rápido, seguro e TOTALMENTE automatizado Construção de "Feature" Perfuração e fresagem 2,5D Leitura de dados, reconhecimento

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Usinagem 5-Eixos para Moldes Sandro, Vero Software Vero Software está no topo do relatório de fornecedores de CAM da CIMData 2014 Com maior Market Share, crescimento

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais

CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira

CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira TopSolid 'Wood CAD/CAM Integrado para a Indústria da Madeira Solução CAD/CAM/ERP totalmente integrada TopSolid Wood A solução CAD/CAM totalmente integrada para a Indústria da Madeira O TopSolid Wood é

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia H-1000-0116-02-A Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia Fixações para CMM Fixações para inspeção visual Fixações para Equator Fixações especiais Fixações CMM Renishaw Fixações

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS

AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS ÀS EMPRESAS ETF PROCESSO MUITO DISCUTIDO E MUITO ALTERADO EPERIÊNCIAS DE REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS TECNOLÓGICAS NO PASSADO SOB O TEMA DA TECNOLOGIA ERA SOLICITADA E TRATADA MUITA

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

Apresentamos a AutoDome Easy A solução ideal para aplicações de média dimensão

Apresentamos a AutoDome Easy A solução ideal para aplicações de média dimensão Apresentamos a AutoDome Easy A solução ideal para aplicações de média dimensão A câmara PTZ concebida para uma aplicação perfeita Quando uma minidome fixa não é suficiente, e uma câmara PTZ tradicional

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Técnicas de Representação Digital I Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 3º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

TECNOLOGIA TRUaccuracy

TECNOLOGIA TRUaccuracy BENEFÍCIOS Maior precisão nas medições. A tecnologia TRUaccuracy da Creaform garante medições extremamente precisas, independentemente do ambiente de medição (instabilidade, vibrações, variações térmicas,

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados.

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL O QUE NECESSITA SABER PARA GARANTIR O SUCESSO 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. umário O principal

Leia mais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais Livro branco: PROVA DIGITAL Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais O presente livro branco introduz a prova digital e explica o seu valor para a obtenção de cores consistentes

Leia mais

SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES PORTÁTEIS EM MEDIÇÃO 3D A linha portátil de sistemas de scanner CMM 3D MetraSCAN 3D e o sensor C-Track de câmera dupla podem trabalhar

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF Uma solução inovadora para as transmissões por correias É sabido

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE Resumo Nos dias de hoje a forma como comunicamos e interagimos com o mundo passa, muitas vezes, por ecrãs. Televisão, computadores, telemóveis e tablets

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Engine3D Seu Catálogo On-Line de Peças

Engine3D Seu Catálogo On-Line de Peças Engine3D Seu Catálogo On-Line de Peças Apresentação Institucional 2013 Todos os direitos reservados OCA Projetos Ltda. 1 SUMÁRIO 1- INSTITUCIONAL 2- O QUE É ENGINE 3D 3- VANTAGENS PARA FABRICANTES 4- POR

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D Autores: Evandro Francisco WEISS, Felipe Augusto SCHIQUETTI, Eduardo Bidese PUHL Identificação autores: Aluno da Ciência da Computação, Bolsista IFC Rio

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Alexandre Wragg Freitas, Soraia Castro Pimenta Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, s/n, 4200-465 Porto

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE José Fernandes; José Silva; Nuno Vieira; Paulo Sequeira Gonçalves Curso de Engenharia Industrial Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco Av. do Empresário,

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 10 MECATRÓNICA 1 GIPE - Gabinete de Inovação Pedagógica Comunicar

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

4. Aplicações de Software

4. Aplicações de Software 1. Introdução 2. Sistemas de Fabrico 3. Actividades na Gestão do Processo Produtivo 4. Aplicações de Software 5. e-manufacturing 6. Conclusões Eduardo Tovar, Novembro 2002 20 Aplicações de Software (1)

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Computer-Aided Drafting System

Computer-Aided Drafting System Introdução ao CAD Computer-Aided Drafting System Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Kai Tang 1 O que é um desenho técnico? Definição de desenho técnico (Encarta) Desenho preciso mostrando quantidades

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2

Hardware & Software. SOS Digital: Tópico 2 Hardware & Software SOS Digital: Tópico 2 Os objetos digitais são acessíveis somente através de combinações específicas de componentes de hardware a parte física do computador software programas para operar

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa PHC dintranet A gestão eficiente dos colaboradores da empresa A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores, por forma a aumentar a sua produtividade.

Leia mais

CÉLULAS DE PRODUÇÃO FLEXÍVEL Integração e Gestão da Produção

CÉLULAS DE PRODUÇÃO FLEXÍVEL Integração e Gestão da Produção CÉLULAS DE PRODUÇÃO FLEXÍVEL Integração e Gestão da Produção Na actual economia global, onde a concorrência surge de qualquer zona do mundo, as empresas confrontam-se com a necessidade de produzir em prazos

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

2014-15 NOVIDADES DA VERSÃO. Teowin 8.0. Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin.

2014-15 NOVIDADES DA VERSÃO. Teowin 8.0. Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin. NOVIDADES DA VERSÃO Teowin 8.0 2014-15 Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin. SIMSA Servicios informáticos Mecanizaciones, S.A. c/ Sicilia 190 08013

Leia mais

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i "Com as repentinas e drásticas evoluções no mundo automóvel, as formas convencionais de pensar e de fazer negócios já não nos permitem

Leia mais

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação AxiSet Check-Up AxiSet Check-Up RÁPIDO medição do desempenho da máquina EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação OTIMIZADO preparação da máquina e aumento da capabilidade AUTOMATIZADO

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Plantas Industriais Odair Maciel Dedini Indústrias de Base AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra você terá condições de: Total conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions Certificado Eficiência Eficiência para para vencer... vencer... Num Num mercado mercado exigente! exigente! Software Registado e Certificado pela AT LAVA i Índice Introdução Apresentação da Empresa Pág.

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS Sobre a SOL-S e SOLSUNI Fundada em 1992; Integrador de Soluções, com vasta experiência de Tecnologias de Informação, disponibiliza um completo portfolio

Leia mais