Relatório de Estágio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Estágio"

Transcrição

1 ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades verificadas no chassi 3. Resolução do problema 3.1 Processo de verificação das não conformidades As inspecções Estrutura de uma inspecção eléctrica Documentos de apoio ao processo Fichas de inspecção Planos de inspecção Instruções de trabalho Introdução dos dados estatísticos Fluxograma do processo 3.2 Processo de tratamento das não conformidades Fluxograma do processo 3.3 Processo de revisão do sistema Análise estatística dos dados Análise de modos de falha A revisão periódica de um determinado processo Fluxograma do processo 4 Solução informática 5 Referências 1

2 1. Descrição da empresa A EvoBus é uma empresa especializada na produção de autocarros. Para tal conta com uma série de fábricas espalhadas por todo o mundo, bem como algumas parcerias com outras empresas. A parceria da EvoBus com a CaetanoBus tem como objectivo a subcontratação da produção da carroçaria de vários modelos de autocarros, estando actualmente em produção o modelo Mercedes-Benz Touro. Para tal é fornecido à CaetanoBus o chassis OC500RF fabricado pela EvoBus. Durante o processo de montagem da carroçaria têm sido detectados vários problemas com o chassis. Estes problemas têm maioritariamente origem nos sistemas eléctricos e electrónicos do chassi, tendo sido neste contexto que se inseriu o meu trabalho. O estágio teve por objectivo a criação de um processo de verificação da qualidade do chassi nas diversas fazes produtivas. 2. Descrição do problema O estágio que realizei na EvoBus tinha por objectivo a criação de um processo de verificação dos componentes eléctricos e electrónicos de um autocarro. Para se compreender o problema que me foi proposto é necessário enquadra-lo no contexto em que a empresa está a operar em Portugal. 2.1 Subcontratação da produção A EvoBus subcontrata a produção das carroçarias do Mercedes-Benz Touro à CaetanoBus, sendo para tal fornecido pela EvoBus um chassi por autocarro. 2

3 Mercedes-Benz Touro 2.2 Relacionamento entre as duas empresas O facto de estarem a co-habitar no mesmo negócio duas empresas com características bastante diferentes coloca algumas restrições adicionais ao modo como qualquer colaborador da EvoBus pode agir. É necessário ter sempre em conta onde acaba o campo de actuação de uma empresa e começa o da outra. 2.3 Dois departamentos de qualidade No contexto desta parceria, estão a operar dois departamentos de qualidade, um da CaetanoBus e outro da EvoBus. O Departamento de qualidade da CaetanoBus é responsável pela verificação durante todo processo produtivo. A EvoBus é responsável apenas pelas inspecções finais. 3

4 2.4 Inspecções actualmente efectuadas Quando chega um chassi à CaetanoBus este é inspeccionado visualmente. Esta operação destina-se a verificar o estado de conservação dos principais componentes mecânicos do chassi. Não sendo feita qualquer verificação aos componentes eléctricos e electrónicos. As inspecções efectuadas durante a produção são da inteira responsabilidade da CaetanoBus. É feita também uma inspecção final no fim da Produção pela EvoBus. 2.5 Não Conformidades verificadas no chassi Têm sido detectadas na produção um número significativo de não conformidades no chassi. Essas não conformidades provocam grandes atrasos, e como tal são um custo adicional para a EvoBus. Neste contexto o departamento de Qualidade da EvoBus traçou como objectivo criar um sistema de verificações que permitisse detectar o mais cedo possível as não conformidades. O Chassi OC500RF utilizado no Mercedes-Benz Touro 4

5 3. Resolução do problema O meu trabalho teve como objectivo a elaboração de um processo de verificação da qualidade dos componentes eléctricos e electrónicos de chassis de autocarros. Para tal defini três processos (subprocessos), a saber: processo de verificação das não conformidades, processo de tratamento de não conformidades e processo de revisão do sistema. 3.1 Processo verificação das não conformidades Para a verificação das não conformidades, foi necessário definir várias inspecções em diferentes fazes produtivas nas quais a EvoBus possa actuar As inspecções Perante o sistema produtivo em causa e tendo em conta que a EvoBus subcontrata a produção da carroçaria à CaetanoBus os únicos pontos onde a EvoBus pode realizar inspecções é à chegada do chassi a Vila Nova de Gaia e no fim da produção, isto é, antes da entrega do autocarro ao cliente. A inspecção aos componentes eléctricos e electrónicos do chassi por parte da EvoBus deve estar integrada nestas duas fazes produtivas. Para ambas as inspecções elaborei uma estrutura de inspecção aplicável tanto a um chassi com carroçaria montada (autocarro completo) como a um chassi sem carroçaria. 5

6 3.1.2 Estrutura de uma inspecção eléctrica Anotar o número de chassis como vêm na chapa de identificação (VIN) Inspecção por meio do Star-Diagnosis (SD) a. Anotar Número de chassis (VIN) b. Efectuar um teste aos diversos módulos e anotar eventuais erros (ME) c. Efectuar a leitura de determinados valores (LV) Inspecção directa no chassis (CH) a. Quadros eléctricos (Q) b. Instalação Eléctrica (IE) c. Sensores e Actuadores (SA) Inspecção directa na carroçaria (CA) a. Quadros eléctricos (Q) b. Instalações eléctricas (IE) c. Sensores e Actuadores (SA) d. Aparelhos eléctricos (AP) Inspecção no lugar do condutor (LC) a. Painel de instrumentos (PI) b. Instalação eléctrica (IE) c. Sensores e Actuadores (SA) 6

7 Nota: Foi englobado o Ponto carroçaria para que esta estrutura possa ser introduzida numa inspecção a um autocarro completo (chassis + carroçaria) Documentos de apoio ao processo Fichas de inspecção eléctrica (FIE) A elaboração de fichas de inspecção têm como objectivo apoiar a inspecção. Nelas devem ser anotados todos os valores de inspecção. As fichas de inspecção devem seguir a estrutura definida em Cada ficha de inspecção é composta por planos de inspecção. Existe uma ficha de inspecção para cada tipo de inspecção ( Star Diagnosis, Chassi, Carroçaria, Lugar do condutor). Além disso cada inspecção deve ter uma folha de rosto, a qual deve indicar quais os tipos de inspecção efectuados, e quais os planos de inspecção verificados Pontos de inspecção (PIE) Cada ponto de inspecção refere-se a uma especificação do chassi e pode ser utilizado em cada uma das inspecções. Cada plano de inspecção deve ter um template associado que deve ser independente da inspecção onde vai ser associado. Esse template deve dar ao inspector um leque de opções para o resultado da inspecção (escolha múltipla) e deve ter uma pequena instrução de trabalho que deve permitir ao utilizador relembrar o modo como deve inspeccionar aquela especificação Instruções de trabalho (IT) Deve existir uma instrução de trabalho para cada plano de inspecção. A instrução de trabalho deve distinguir, caso necessário, o método de inspecção consoante a inspecção onde o plano de inspecção vai ser utilizado. 7

8 3.1.4 Introdução dos dados estatísticos A seguir a qualquer inspecção deve ser feita a introdução dos resultados da inspecção estatísticos numa base de dados que vai ser desenvolvida para o efeito Fluxograma do processo 3.2 Processo de tratamento de não conformidades O tratamento das não conformidades detectadas no chassi é da inteira responsabilidade da EvoBus. No entanto verifica-se que a CaetanoBus presta o serviço de as corrigir durante a produção. Assim qualquer não conformidade detectada na inspecção inicial é da inteira responsabilidade da EvoBus apesar da sua resolução vir a ser subcontratada à CaetanoBus. Depois da inspecção a um chassi ter sido efectuada e de ter sido dada a autorização de passagem à produção deve ser combinada entre a EvoBus e a CaetanoBus a forma de actuar perante as não conformidades detectadas. 8

9 Às não conformidades detectadas à saída da CaetanoBus devem seguir-se acções correctivas por parte da CaetanoBus. Depois esses mesmos pontos devem voltar a ser inspeccionados pela EvoBus para garantir que as acções correctivas entretanto efectuadas foram suficientes para corrigir os erros anteriormente detectados. As especificações onde forem detectadas não conformidades na inspecção inicial, devem ser alvo de especial atenção na inspecção final Diagrama de processos 3.3 Processo de revisão do sistema Para acompanhar a evolução do tipo de não conformidades que vão sendo detectadas no chassi, é necessário introduzir um certo dinamismo no processo, que é alcançado através de revisões periódicas Análise estatística dos dados 9

10 Para que a inspecções incidam sobre as especificações onde há mais de probabilidade existirem não conformidades, o processo de verificação da qualidade de um chassi deve fazer um registo das não conformidades que vão sendo detectadas quer no acto da inspecção quer mais tarde (na produção). Com vista ao cumprimento deste requisito existem dois documentos: ficha de inspecção (FIE) e ficha de nova não conformidade(fnnc). O primeiro destina-se a guardar a informação obtida numa determinada inspecção. O segundo destina-se a descrever uma nova não conformidade que seja detectada fora de qualquer acto de inspecção. Quanto ao tratamento dos dados deve ser feito mediante uma análise de Modos de Falha (AMFE) Análise de Modos de falha (AMFE) A análise de modos de falha têm por objectivo ajudar na decisão de quais os pontos que devem ser inspeccionados. Deve ser feita uma análise deste tipo para cada uma das duas inspecções. Cada especificação na qual já ocorreram não conformidades devem ser avaliada nos seguintes pontos: I. Gravidade de uma não conformidade II. Probabilidade de ocorrência de uma não conformidade III. Probabilidade da ocorrência ser detectada antes de entregar o produto ao cliente IV. Capacidade de correcção da não conformidade por parte da CAETANO BUS Para quantificar estes conceitos são definidos quatro índices, a saber: I. Índice de gravidade de uma não conformidade II. Índice de ocorrência III. Índice de detecção antes de entregar o produto ao cliente IV. Índice de capacidade de correcção por parte da CAETANO BUS I. Índice de Gravidade de uma não conformidade: 10

11 Deve espelhar a gravidade dos efeitos desta não conformidade com base numa escala de 1 a 4. Deve-se analisar os efeitos quer em termos de segurança quer em termos de redução da satisfação do cliente. Índice de gravidade Valor atribuído Exemplos Pouco importante 1 Conformidade das baterias Moderado 2 Fio mal fixo Grave 3 Mau isolamento Muito grave 4 Ignição não conforme II. Índice de ocorrência: Probabilidade de ocorrência Índice de ocorrência <= 1/80 1 > 1/80 e <= 1/40 2 > 1/40 e <= 1/20 3 > 1/20 e <=1 4 III. Índice de detecção da não conformidade antes de entregar o produto ao cliente (sem inspecção): Probabilidade da NC ser detectada Valor atribuído ao Índice de detecção do NC Baixa 4 Moderada 3 Elevada 2 Muito Elevada 1 11

12 IV. Índice da capacidade de correcção por parte da CAETANO BUS / C. Santos Capacidade de correcção por Valor atribuído parte da CAETANO BUS / C. Santos Totalmente incapaz 4 Capaz mas com custos 3 elevados Capaz mas com alguns custos 2 Capaz com custos reduzidos 1 Os quatro índices devem ser multiplicados: Se o valor resultante for < 16 esta NC não deve ser objecto de verificação. Se o valor resultante for >= 16 esta NC deve ser objecto de verificação A revisão periódica de um determinado processo de verificação de um chassis O processo de verificação da qualidade do chassis deve sofrer periodicamente uma revisão, na qual se avalia a introdução ou retirada de especificações que serão alvo de verificação. Esta avaliação é feita com base na informação disponibilizada pela Análise de Modos de Falha (AMFE) e através das fichas de nova não conformidade (FNNC). Sempre que se actualiza o processo de verificação da qualidade do chassis deve-se também actualizar todos os documentos e ficheiros associados ao sistema de qualidade. 12

13 3.3.4 Fluxograma do processo 4 Solução Informática Uma possível evolução ao sistema de qualidade proposto seria o desenvolvimento de um sistema de informação de apoio. As inspecções seriam apoiadas por pequenos PDA s. Nele estaria disponível toda a informação referente aos planos de inspecção. Os resultados da inspecção seriam introduzidos pelo operador no PDA. No fim de cada inspecção a informação seria transferida através de um PC para uma base de dados centralizada. O tratamento estatístico dos dados pode ser feito de forma automática pelo sistema através de consultas à base de dados. A informação sobre as não conformidades detectadas nas inspecções pode ser disponibilizada em todos os computadores da empresa, através de uma página web disponível na rede interna da empresa. 13

14 5 Referências Qualidade sistema de gestão da qualidade a. Ramos Pires Juran institute Apontamentos da cadeira de qualidade Prof. José António Faria 14

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Instalação e configuração

Instalação e configuração Dometic Communication Unit Version 0.37 820 9505 18 - ed0110 Instalação e configuração ÍNDICE página 1. Geral 1.1. DCU como equipamento de série 4 1.2. DCU como conjunto de actualização 4 1.3. Visão geral

Leia mais

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED PHC Letras CS A gestão de todas as tarefas relacionadas com Títulos de Dívida A execução de todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e o controle total da situação por Cliente ou

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Controle todos os custos e utilizadores da frota

Controle todos os custos e utilizadores da frota PHC Frota CS DESCRITIVO O módulo PHC Frota CS contém ferramentas para o controlo total sobre os custos da frota, manutenção e estado da mesma. PHC Frota CS Controle todos os custos e utilizadores da frota

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Instruções de utilização do portal Web da Visteon

Instruções de utilização do portal Web da Visteon FORD MOTOR COMPANY LIMITED Issued by European Warranty Operations Ford Customer Service Division Instruções de utilização do portal Web da Visteon 1. Entrar Na janela de endereço no seu browser da internet,

Leia mais

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar.

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar. Pocket Encomendas Descritivo completo A solução ideal para os vendedores que precisam de enviar as encomendas por telefone. Evita perdas de tempo e erros, com o PDA acede à informação dos clientes, introduz

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O ANTONY CARVALHO, Nº 9063 RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM

Leia mais

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo PHC Suporte CS DESCRITIVO O PHC Suporte CS permite a qualquer empresa com assistência a clientes pós-venda, gerir todo o seu parque instalado, a actividade de suporte ao público e a performance e produtividade

Leia mais

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar.

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar. Descritivo completo 2007 Se os seus vendedores precisam saber e actualizar as suas visitas e obter informação sobre os clientes e prospects quando estão no terreno, então esta é a solução ideal para si.

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Os emitentes de valores mobiliários admitidos à negociação em bolsa estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de deveres de informação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS APLICAÇÃO TRATAIHRU Versão 03.04 INDICE 1. CANDIDATURA...3 a) Tratar... Error! Bookmark not defined. b) Fechar... Error! Bookmark not defined. c) Converter...3 d)

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

PHC Pocket Encomendas

PHC Pocket Encomendas PHCPocket Encomendas DESCRITIVO Com o módulo PHC Pocket Encomendas controla totalmente a pré-venda com emissão de encomendas, gere clientes e contas correntes, consulta stocks e promoções em sincronia

Leia mais

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain - Print - Close - ICAEN (Instituto Català d Energia, a agência regional de energia da Catalunha) desenvolveu, promoveu e distribuiu

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

Software Integration Procedure

Software Integration Procedure Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Engenharia de Software II Software Integration Procedure Pneus_SoftwareIntegrationProcedure_06-03_v1.2.doc

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA ENTIDADE AUDITADA: ESE, ESS, ESTG, ESCE e ESA NORMA DE REFERÊNCIA: NP EN ISO 9001.2008 DATA (S) DA AUDITORIA: 15.04..2011 ÂMBITO: Sub-processo Biblioteca DURAÇÃO: 1dia REQUISITO VERIFICADO NÃO CONFORMIDADE

Leia mais

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] ÍNDICE Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]... 1 ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 Prefácio... 4 2 Acesso ao OTRS ITSM... 5 Registo de Ticket Classificação do

Leia mais

Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de Projectos de Software Licenciatura em Engenharia Informática e Computação Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto SAPIENS Sistema de Avaliação Assistida por Computador RELATÓRIO

Leia mais

Designação de Áreas de Informação e Ícones

Designação de Áreas de Informação e Ícones Designação de Áreas de Informação e Ícones Login Opção para entrar na aplicação com um Utilizador e Senha exclusiva para cada Motorista/Viatura Existe a possibilidade de efectuar um Login automático com

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota PHC Frota CS O controlo sobre os custos e utilizadores da frota A solução para o controlo total sobre os custos e utilizadores da frota, a sua manutenção e o seu estado. BUSINESS AT SPEED Visite www.phc.pt

Leia mais

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios Luís Viegas Mendonça Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director Geral Miguel Martins do Amaral Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

PHC Factoring CS. A gestão dos contratos de Factoring

PHC Factoring CS. A gestão dos contratos de Factoring PHC Factoring CS A gestão dos contratos de Factoring A solução para a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, as respectivas cessões, adiantamentos e recibos, bem como o controlo dos custos

Leia mais

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade Instituto Superior Politécnico Gaya Disciplina de Seminário Engenharia Informática 2006/2007 Cristina Moreira Silva cms@ispgaya.pt Sandra Patrícia Soares Santos spss@ispgaya.pt Relatório de Definição Livro

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Edição 1 Agosto 2011 Elaborado por: GSI Revisto e Aprovado por: COM/ MKT Este manual é propriedade exclusiva da empresa pelo que é proibida a sua

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013

Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013 Implementação de projetos - Siebel Versão 2.0 / Jan-2013 DSI Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 12 Controlo de Versões Versão Descição da Versão Data Responsável V 1.0 Criação

Leia mais

PHC Serviços CS. A gestão de processos de prestação de serviços

PHC Serviços CS. A gestão de processos de prestação de serviços PHC Serviços CS A gestão de processos de prestação de serviços A solução que permite controlar diferentes áreas de uma empresa: reclamações e respectivo tratamento; controlo de processos e respectivos

Leia mais

1. Contratos de aluguer automóvel

1. Contratos de aluguer automóvel 1. Contratos de aluguer automóvel Pretende-se desenvolver um Sistema Informático para apoio à gestão de Contratos de Aluguer automóvel de Longa-duração (SICAL) que permita efectuar, cancelar e modificar

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.36

Actualização. Versão 5.1.36 Actualização Versão 5.1.36 Julho 2009 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes.

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Descritivo completo PHC dfront A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Benefícios Aumento da qualidade e eficiência

Leia mais

O aumento da qualidade e eficiência das vendas

O aumento da qualidade e eficiência das vendas PHC dfront O aumento da qualidade e eficiência das vendas A solução Business-to-Business que permite a introdução das encomendas directamente no próprio sistema, bem como a consulta, pelo cliente, de toda

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

CAPÍTULO 1 Introdução. Noções e Aplicabilidade de Sistemas Distribuídos.

CAPÍTULO 1 Introdução. Noções e Aplicabilidade de Sistemas Distribuídos. CAPÍTULO 1 Introdução. Noções e Aplicabilidade de Sistemas Distribuídos. José A. Fonseca, Setembro de 1999 1 Organização da Indústria A gestão e organização. O campo: Produção Manutenção Tipos de Indústria:

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

Exactidão da medição

Exactidão da medição Exactidão da medição Valores energéticos e grau de rendimento dos inversores fotovoltaicos do tipo Sunny Boy e Sunny Mini Central Conteúdo Qualquer operador de um sistema fotovoltaico deseja estar o mais

Leia mais

PHC Letras CS. Execute todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e controle totalmente a situação por Cliente ou fornecedor

PHC Letras CS. Execute todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e controle totalmente a situação por Cliente ou fornecedor PHCLetras CS DESCRITIVO Com o módulo PHC Letras, pode ter de uma forma integrada com o módulo PHC Gestão e com o módulo PHC Contabilidade o controlo completo e simples de todas as tarefas relacionadas

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

O Akropole em três tempos...

O Akropole em três tempos... Akropole O Akropole em três tempos... O Akropole foi desenvolvido de forma que o utilizador não necessite de qualquer formação específica, pelo que também não existe a necessidade de um formal Manual do

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 1 GIPE - Gabinete

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 4 4. IDENTIFICAÇÃO DO OPERADOR 5 4.1 MUDAR SENHA DE ACESSO 5 5. GESTÃO DE UTILIZADORES 6 5.1 PERMISSÕES

Leia mais

Usar o PO Convert para criar uma factura a partir de uma Nota de Encomenda

Usar o PO Convert para criar uma factura a partir de uma Nota de Encomenda 1 / 7 Como Usar o PO Convert para criar uma factura a partir de uma Nota de Encomenda 1. Inicie sessão na sua conta OB10 2. Seleccione a lista Aceites - Na página inicial da sua Conta OB10, clique na lista

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Guia rápido do utilizador

Guia rápido do utilizador Guia rápido do utilizador Índice Relatório de roubo 3 Criar um novo relatório de roubo 4 Fornecer detalhes do relatório de roubo Secção 1. Especificar o computador 5 Fornecer detalhes do relatório de roubo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 Para as Entidades até agora classificadas como IPSS utilizadoras da Aplicação de Contabilidade PMR, vimos disponibilizar a passagem

Leia mais

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção.

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. Edifícios Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. 2 Vantagens Bombas controladas - planeamento controlado. Com o PumpDrive da KSB. Nos anos mais recentes as exigências profissionais

Leia mais

Principais correcções efectuadas

Principais correcções efectuadas GIAE Versão 2.0.5 Setembro de 2010 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, alguns módulos passam directamente da versão 2.0.x para a versão 2.0.5. Muito

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Segurança no Computador

Segurança no Computador Segurança no Computador Segurança na Internet: Módulo 1 (CC Entre Mar E Serra), 2008 Segurança na Internet, CC Entre Mar E Serra 1 Segurança no Computador Um computador (ou sistema computacional) é dito

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Manual de instruções BIOMUDA

Manual de instruções BIOMUDA Manual de instruções BIOMUDA Helder Cardoso Introdução Instalação 2 Introdução O programa Biomuda, gentilmente cedido pelo Instituto Catalão de Ornitologia (ICO) e adaptado para Português, é uma ferramenta

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

ServiceHD. Javier Abad Álvarez Iván Darío Otero López 1

ServiceHD. Javier Abad Álvarez Iván Darío Otero López 1 Javier Abad Álvarez Iván Darío Otero López 1 Índice: 1. Introdução 1.1. A empresa 1.2. Objectivos 2. InstalaçãoTrês computadores na mesma rede, IPs, nomes, gateway 2.1.1 Windows 7 2.1.2 Ubuntu 3.DNS alias

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais