Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente de todo o equipamento informático da sala 15 e Laboratório de Informática do Bloco 4. A sala 15 e o Laboratório de Informática do Bloco 4 regem-se por objectivos que pretendem apoiar a comunidade escolar na realização de actividades que utilizem os meios informáticos. O material informático disponível destina-se a ser explorado, experimentado e utilizado para fins educativos, apoiando os professores e alunos nas suas mais diversas actividades. 2 Instalações O centro de recursos informáticos localizado na sala 15 do bloco 2 e no Laboratório de Informática do Bloco 4 encontram-se equipados, cada um, com 10 computadores (SO Windows XP Professional) à disposição dos utilizadores, ligados em rede e com acesso à Internet; e uma impressora. 3 Normas Gerais de Segurança A utilização do Centro de Recursos Informáticos sala 15 e Lab. Inf. 4 pelos professores para leccionação ou outra actividade educativa implica sempre a requisição prévia semanal, com um mínimo de 48 horas de antecedência, junto do funcionário do respectivo bloco, em ficha própria, sendo o requisitante responsável pelo material utilizado, devendo tomar conhecimento e fazer respeitar o Regulamento do Centro de Recursos Informáticos afixado nas respectivas salas; (Anexo 1) Sempre que surja alguma anomalia (avarias, desconfigurações, mau funcionamento ou pedidos para a instalação de Software/Hardware adicional), deverá ser registada pelo professor na ficha de anotação de anomalias que se encontra junto do funcionário do respectivo Bloco; 1 Estes espaços aparecem ao longo do documento designados como CRI Centro de Recursos Informáticos

2 Utilizador ligado a um posto de trabalho Cada utilizador ou par deverá trabalhar sempre no mesmo posto de trabalho, de modo a responsabilizar os utilizadores pela boa conservação dos materiais e identificar mais facilmente os responsáveis por eventuais estragos; Os alunos são obrigados a gravarem os seus trabalhos em pasta própria, criadas para a respectiva turma, à qual se acede no Ambiente de Trabalho do computador; Para trabalho pessoal, deve-se utilizar, preferencialmente, unidades externas; Será sempre preenchida a folha de registo de impressão pelo professor responsável, devendo ser evitados os gastos desnecessários de papel e/ou tinta das impressoras; O professor deverá certificar-se que os sites consultados pelos alunos na Internet são adequados ao seu nível etário e aos conteúdos determinadas para as actividades; Regularmente o responsável pelo Centro de Recursos Informáticos e um elemento da equipa PTE deverão verificar os equipamentos e conteúdo dos discos, de modo a detectar gravações indevidas, anomalias e outros aspectos de funcionamento, podendo vir a apagar todos os ficheiros gravados indevidamente; 4 - Funcionamento do Centro de Recursos Informáticos À chegada à sala, o professor deve consultar o registo de avarias ou anomalias, que se encontra na pasta de requisições do espaço, para verificar se algum computador está avariado e, por isso, fora de serviço; Os alunos só podem permanecer nos Centros de Recursos Informáticos acompanhados por um professor; Em caso algum os alunos podem permanecer nestes espaços na ausência do professor ou auxiliar de acção educativa; Cada computador só pode ser utilizado por um máximo de três alunos; Cada utilizador ou par deve trabalhar sempre no mesmo computador; Respeitar o silêncio e o trabalho dos outros utilizadores; Não é permitida a alteração das configurações previamente definidas nos computadores; Não é permitida a utilização de jogos não educativos; Não é permitido o envio de mensagens, a não ser devidamente justificada em contexto educativo;

3 Consultar apenas sites da Internet autorizados pelo professor responsável; A utilização de unidades externas só pode ser feita com a autorização do professor responsável, após verificação das mesmas; Ter o máximo cuidado para não abrir e/ou danificar os trabalhos de outros alunos que já se encontram gravados; No caso de surgir alguma dúvida na utilização do computador, não fazer mais nada e esperar pela intervenção do professor responsável e, sobretudo, nunca tentar resolver o problema ao acaso; Registar qualquer avaria que verifique em algum posto de trabalho no mapa de registo de anomalias ou avarias, que se encontra na capa de registo de utilização da sala; Se do uso inadequado do equipamento resultar alguma avaria ou anomalia de hardware ou software, esta deve ser registada no mapa de registo de anomalias ou avarias e redigida uma PARTICIPAÇÃO DE OCORRÊNCIAS (impressos estarão na capa de utilização da sala), identificando os utilizadores envolvidos e uma descrição da situação ocorrida. A participação deve ser entregue ao colega responsável por esse espaço, que deve comunicar de imediato ao Conselho Executivo; A impressão de qualquer documento deve ser efectuada apenas com a autorização dos professores responsáveis e após preenchimento da ficha de registo da impressão; No final de cada sessão, o utilizador deve sair dos programas que está a utilizar e desligar o computador; O manifesto desrespeito pelas normas estabelecidas será punido da forma que se considere mais adequada. 4 RESPONSABILIDADES DOS UTILIZADORES Cada utilizador de Centros de Recursos Informáticos deve estar consciente dos seus deveres e responsabilidades quando utiliza um computador com ligação à Internet ou qualquer outro equipamento tecnológico, bem como das consequências a que ficará sujeito caso seja autor de uma infracção ao presente regulamento. 1. A utilização dos recursos informáticos da Escola rege-se genericamente pela Lei n.º 109/ 91 - Lei da Criminalidade Informática; 2. Os utilizadores só podem utilizar a sala ou outro equipamento informático na presença de um professor responsável pela sala, em serviço para o efeito; 3. Cada computador pode ser utilizado no máximo por três utilizadores em simultâneo;

4 4. No início da utilização do posto de trabalho, o utilizador deve verificar a existência de alguma avaria ou anomalia, que caso se verifique deverá registar no documento para o efeito; 5. Cada utilizador deve dirigir-se para o posto de trabalho indicado pelo professor responsável pela sala. Os postos de trabalho, constituídos pelo conjunto CPU, Monitor, Teclado/Rato/Par de colunas ou auscultadores, estão devidamente identificados através de numeração e terão adstritos à identificação as REGRAS DE CONDUTA a observar por cada utilizador; 6. O professor responsável pela sala não se responsabiliza por qualquer perda de documentos, motivada pela má utilização do software instalado ou que tenham sido deixados no computador; 7. Ao membro da equipa PTE ou professor responsável reserva-se o direito de apagar quaisquer documentos ou programas que se encontrem nos computadores; 8. Os recursos informáticos e tecnologias disponíveis nas salas destinam-se prioritariamente à realização de trabalhos relacionados com as actividades de estudo, pesquisa ou trabalho escolar. O professor responsável por esses espaços tem autoridade para interromper a utilização de um utilizador que não se encontra a trabalhar de acordo com as situações acima descritas ou quando existir outro utilizador em espera para realizar trabalho de âmbito escolar; 9. Os utilizadores devem colaborar com o professor responsável pela sala, identificando problemas e reportando-os àquele, de modo a manter o equipamento em bom estado de funcionamento; 10. Os utilizadores agem no conhecimento de que serão responsabilizados e responsáveis por quaisquer danos causados no equipamento (hardware), nos programas (software) ou nos dispositivos de armazenamento amovível por si utilizados; 11. A infracção das Regras de Conduta será punida da forma que se considera mais adequada.

5 ANEXO 1 REGRAS DE CONDUTA 1. Os utilizadores não estão autorizados a efectuar quaisquer alterações de configuração do equipamento (hardware) ou dos programas (software); 2. Os utilizadores não estão autorizados a instalar nos computadores qualquer tipo de programas; 3. Qualquer ficheiro produzido durante a utilização da sala deverá ser gravado num dispositivo de armazenamento externo; 4. Não é permitido abusar do sistema de correio electrónico, incluindo a propagação de mensagens de correio electrónico em cadeia, o envio de mensagens não solicitadas e o envio de mensagens com remetentes falsos; 5. Não é permitido ligar ou desligar cabos do posto de trabalho; 6. A utilização das salas de chat e similares só deve ser efectuada com a autorização do professor responsável pela sala; 7. O download de documentos da Internet deve ser realizado com a autorização e monitorização do professor responsável; 8. Os utilizadores só devem utilizar jogos de carácter didáctico nos computadores; 9. Deve evitar-se o barulho na sala e o aumento excessivo do volume das colunas de som; 10. Não é permitido riscar, sujar ou danificar o material informático. Os utilizadores devem zelar pela sua boa conservação; 11. Depois de cada utilização devem ser devidamente encerrados os programas e os ficheiros, bem como retirados os dispositivos externos de armazenamento, arrumados os periféricos (tapete, rato. teclado e colunas) e a cadeira. 12. O não cumprimento destas regras pelos utilizadores implica punições que se considerem mais adequadas.

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático Ano lectivo 2009/2010 Áreas de trabalho individualizadas A utilização dos computadores

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE EB2 GASPAR FRUTUOSO

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE EB2 GASPAR FRUTUOSO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE EB2 GASPAR FRUTUOSO REGULAMENTO DA MEDIATECA 2012/2013 ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE EB2 Gaspar frutuoso REGULAMENTO DA MEDIATECA ANO LETIVO 2012 /

Leia mais

REGIMENTO Interno De Funcionamento Da Direção De Instalações

REGIMENTO Interno De Funcionamento Da Direção De Instalações 1. REGIMENTO Interno De Funcionamento Da Direção De Instalações ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Funções do diretor de instalações 3 Artigo 5.º Horário de funcionamento das salas 5 Artigo 6.º Prioridades

Leia mais

SECÇÃO V DIRETORES DE INSTALAÇÕES (Escolas 2/3/S de Rebordosa e de Vilela)

SECÇÃO V DIRETORES DE INSTALAÇÕES (Escolas 2/3/S de Rebordosa e de Vilela) SECÇÃO V DIRETORES DE INSTALAÇÕES (Escolas 2/3/S de Rebordosa e de Vilela) Artigo 1.º Definição 1. Para a organização do inventário, a supervisão e a conservação dos recursos materiais que caraterizam

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 2011 / 2012 REGULAMENTO SALA 25 (TIC) A Sala 25 (Sala TIC) destina-se preferencialmente

Leia mais

Regulamento de Utilização das salas de Informática

Regulamento de Utilização das salas de Informática Agrupamento de Escolas de Cuba EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA - CUBA 2008/2009 Regulamento de Utilização das salas de Informática REGULAMENTO Utilização das Salas de Informática Este regulamento aplica-se a

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito)

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviços de Acção Social Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) 1. O objectivo dos Laboratórios

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Espaço Internet de Moura define-se como um local destinado aos cidadãos que pretendam utilizar

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol 1 I Disposições gerais Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo Artigo 1º Âmbito 1 O presente documento estabelece

Leia mais

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA Proposta de regulamento da BIBLIOTECA escolar I - CONCEITO A Biblioteca Escolar é um núcleo de organização pedagógica da Escola e deve ser entendida como um centro

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013

Manual do Utilizador. Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows. Versão 1.3, Novembro de 2013 Manual do Utilizador Impressoras de Rede / Sistemas Operativos Windows Versão 1.3, Novembro de 2013 Quaisquer duvidas podem ser esclarecidas através do email: si@esmae-ipp.pt Serviços de Informática, ESMAE

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO A Faculdade Eça de Queirós possui dois laboratórios de informática, equipados com 20 computadores cada, todos com Sistema Operacional Linux e Acesso à Internet.

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS I. ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO E EQUIPA EDUCATIVA Espaço 1. O Centro de Recursos Educativos (a seguir identificado pela sigla CRE) constitui

Leia mais

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS A Biblioteca Escolar /Centro de Recursos Educativos (BE/CRE), empenhada no desenvolvimento da literacia dos alunos, na sensibilização

Leia mais

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Amambai-MS 2010 Regulamento do uso do laboratório de informática da Faculdade de Amambai para

Leia mais

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1 O Laboratório de Informática destina-se aos acadêmicos e professores com prioridade de utilização aos acadêmicos. Art. 2 As atividades desempenhadas

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1 Preâmbulo O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas (CEDOPORMAR),

Leia mais

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação.

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação. ANO LETIVO 2012-2013 GESTÃO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E DO AUDITÓRIO 1. Regras Gerais 1.1. Todo o utilizador deve contribuir para que exista na Biblioteca um ambiente adequado ao estudo, ao trabalho individual

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística. fora do período de aulas

Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística. fora do período de aulas Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística fora do período de aulas (Laboratório de Arte Digital, Laboratório de Fotografia, Estúdio de Fotografia e Ateliê/sala

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av.

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av. REGULAMENTO Laboratórios de Informática da Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti - FEATI SUMÁRIO Objetivo... 3 1 Uso dos recursos... 3 2 Proibições... 4 3 Manutenções... 4 4 Responsabilidades...

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1 Objetivos Este documento regulamenta e normatiza o processo de utilização dos Laboratórios de Informática da Faculdade Guairacá, de modo a sustentar o seu bom uso e funcionamento no âmbito acadêmico.

Leia mais

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 INDÍCE ARTIGO 1º - DEFINIÇÃO DA EQUIPA DO PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO... 3 ARTIGO 2º - COMPETÊNCIAS...

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

Cópias de Segurança no Akropole Backups

Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança - Backups As Cópias de Segurança são aquela coisa que todos sabemos que são necessárias mas que nunca nos preocupamos até ao dia em que são precisas.

Leia mais

Estúdio de Fotografia sala 47

Estúdio de Fotografia sala 47 Manual de Procedimentos: Estúdio de Fotografia sala 47 Descrição: O estúdio de fotografia é um espaço comum, onde poderão desenvolver trabalhos todos os alunos e docentes da ESAD.CR que pretendam fotografar

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ Reguengos de Monsaraz, 21 de Dezembro de 2008 Apartado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE NELAS Regimento da BIBLIOTECA/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE NELAS Regimento da BIBLIOTECA/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ARTIGO I DEFINIÇÃO A Biblioteca/Centro de Recursos (BE/CRE) é entendida como um núcleo de organização pedagógica da escola vocacionado para o desenvolvimento de actividades culturais, das literacias da

Leia mais

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A- Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova Preâmbulo A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova constituiu um Espaço Internet no município, ao abrigo do programa operacional

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. 2. Entende-se por recursos

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador

Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIFACS - Universidade Salvador 1) Objetivos Os Laboratórios de informática da UNIFACS se destinam à prática do ensino, pesquisa e à elaboração de trabalhos

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas para utilização dos Laboratórios da Faculdade Catuai, visando um melhor

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650 Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650...1 3. SELECCIONAR

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SANTA HELENA DE GOIÁS REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA JUNHO 2014 2 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Adriano Ferraz da Costa Edmar Augusto Yokome Filipe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO BEESAP

REGIMENTO INTERNO BEESAP ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3.º CICLO DE ADOLFO PORTELA ÁGUEDA REGIMENTO INTERNO BEESAP I DEFINIÇÃO E ESPAÇOS A Biblioteca Escolar da Escola Secundária C/ 3.º Ciclo de Adolfo Portela é uma estrutura que recolhe

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática 1 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Dispõe sobre a utilização e gerenciamento dos laboratórios de informática do UNIVEM/FUNDAÇÃO. CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA Seção I Composição e função

Leia mais

Rua Cidade Rabat, 29A/B 1250-159 LISBOA Portugal. Tel. +351 213 102 330/4 Fax +351 213 102 339

Rua Cidade Rabat, 29A/B 1250-159 LISBOA Portugal. Tel. +351 213 102 330/4 Fax +351 213 102 339 Rua Cidade Rabat, 29A/B 1250-159 LISBOA Portugal Tel. +351 213 102 330/4 Fax +351 213 102 339 Contacto Geral: inf@acinet.pt Dep. Comercial: comercial@acinet.pt Dep. Formação: formacao@acinet.pt Dep. Multimedia:

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

EW7011 Estação de ancoragem USB 3.0 para discos rígidos SATA de 2,5" e 3,5"

EW7011 Estação de ancoragem USB 3.0 para discos rígidos SATA de 2,5 e 3,5 EW7011 Estação de ancoragem USB 3.0 para discos rígidos SATA de 2,5" e 3,5" 2 PORTUGUÊS Estação de Ancoragem USB 3.0 EW7011 para discos rígidos SATA de 2,5" e 3,5" Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS I HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO O horário de funcionamento da biblioteca deve ser tendencialmente

Leia mais

Procedimentos de Segurança

Procedimentos de Segurança Procedimentos de Segurança Proteger o seu computador Utilize um anti-vírus para proteger o seu sistema e os seus dados Mantenha-o constantemente ligado e actualizado, e sempre configurado com protecção

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA SUMÁRIO 1 - DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO... 3 2 - DOS USUÁRIOS... 3 3 - DAS RESERVAS... 4 4 - DA UTILIZAÇÃO... 5 5 - DA SEGURANÇA... 6 6 - DA DISCIPLINA... 7

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO 1. ÂMBITO O Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (DECivil) dispõe

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

EW7033 caixa para discos rígidos SATA de 2,5 USB 3.0

EW7033 caixa para discos rígidos SATA de 2,5 USB 3.0 EW7033 caixa para discos rígidos SATA de 2,5 USB 3.0 2 PORTUGUÊS EW7033 Caixa para discos rígidos SATA de 2,5" USB 3.0 Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem...

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS

BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EB1/JI da Conquinha Conquinha REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS 1 BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS Artigo 1º Definição A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos da EB1/JI da Conquinha

Leia mais

Regimento das Bibliotecas Escolares

Regimento das Bibliotecas Escolares Regimento das Bibliotecas Escolares Escola Básica de Tondela Escola Secundária 3ºciclo de Molelos Escola Básica de Lajeosa do Dão Ano Letivo 2013/2014 Fundar Bibliotecas era construir celeiros públicos,

Leia mais

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA ATENDIMENTO PRESENCIAL 1. Horário Consulta 2ª-6ª Feira 09h00-17h00 Requisições 2ª-6ª Feira 09h00-16h30 Fotocópias - 09h00-16:30 A DSDA reserva-se no direito de alterar, pontualmente,

Leia mais

Introdução ao Microsoft Windows

Introdução ao Microsoft Windows Introdução ao Microsoft Windows Interface e Sistema de Ficheiros Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Iniciar uma Sessão A interacção dos utilizadores com o computador é feita através de sessões.

Leia mais

Ano de Escolaridade: 3º Ano Turma: Ano Lectivo: 2011/2012

Ano de Escolaridade: 3º Ano Turma: Ano Lectivo: 2011/2012 L a n g u a g e SSeerrvvi icceess & SSool luut tioonnss Arte das Palavras, Ens. e Trad.,Unip., Lda. PLANIFICAÇÃO ANUAL TIC (TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO) Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇO INTERNET DO CENTRO CULTURAL SOLAR DOS CONDES DE VINHAIS

REGULAMENTO DO ESPAÇO INTERNET DO CENTRO CULTURAL SOLAR DOS CONDES DE VINHAIS REGULAMENTO DO ESPAÇO INTERNET DO CENTRO CULTURAL SOLAR DOS CONDES DE VINHAIS Nota Justificativa O Centro cultural do Solar dos Condes de Vinhais, é um equipamento Municipal no qual, entre outras valências,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO JOSÉ COELHO Seção I - Das Disposições

Leia mais

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades TCEnet Manual Técnico Responsável Operacional das Entidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Características... 3 3. Papéis dos Envolvidos... 3 4. Utilização do TCEnet... 4 4.1. Geração do e-tcenet... 4

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1 Preâmbulo O Centro Municipal de Juventude/Centro de Actividades de Vila do Conde é uma extensão do Centro

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ Rua 1º de Maio Nº 2235/N Bairro Primavera Qualidade em Educação Teresina PI Brasil Fone:(86) 2107-2200 www.faespi.com.br/faespi.edu@gmail.com

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

Versão 1.0. GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento. aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov.

Versão 1.0. GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento. aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov. Versão 1.0 GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov.pt Índice Folha 2 ÍNDICE Folha 1 - Requisitos -------------------------------------------------------------

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Bemposta PRINCÍPIOS GERAIS Objetivo O presente conjunto de Normas de Funcionamento define os princípios que devem ser conhecidos

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos, constitui um espaço de encontro e partilha de aprendizagens e saberes, de pesquisa, gestão e disponibilização de informação,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers Índice 1. Introdução...1 2. Requisitos...1 3. Instalar O Nokia Connectivity Cable Drivers...2 3.1 Antes da instalação...2 3.2

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Índice. Índice de figuras

Índice. Índice de figuras PASSO-A-PASSO Índice 1 Entrar no Portal das Escolas 3 2 Registo 3 2.1 Preencher o registo 3 2.2 Campos de registo a preencher 4 2.3 Autorização para tratamento de dados do Portal das Escolas 6 2.4 Mensagem

Leia mais

Manual do Utilizador MAC OS

Manual do Utilizador MAC OS Manual do Utilizador MAC OS Impressoras de Rede / Sistemas Operativos MAC OS Versão 1.1, Setembro de 2012 Quaisquer duvidas podem ser esclarecidas através do email: si@esmae-ipp.pt Serviços de Informática,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Pinhal Novo ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ARTIGO 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO IESUR INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA Tem o presente regulamento a função de nortear as ações e procedimentos necessários ao bom funcionamento

Leia mais

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7 Guia de Instalação para Windows Vista / 7 Antes de utilizar o aparelho, tem de configurar o hardware e instalar o controlador. Leia o Guia de Instalação Rápida e este Guia de Instalação para Windows Vista

Leia mais

PIC- Projeto Informática na Cidadela

PIC- Projeto Informática na Cidadela PIC- Projeto Informática na Cidadela Ano letivo Escola Secundária da Cidadela Grupo de Recrutamento 550- Informática 1- INTRODUÇÃO Os professores do grupo de recrutamento 550- Informática tiveram até ao

Leia mais