Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Crescimento e sobrevivência do recombinante Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) em turfa comercial e solo contaminado com PCB Miriam Gonçalves de Chaves Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Ecologia de Agroecossistemas Piracicaba 2005

2 Miriam Gonçalves de Chaves Bióloga Crescimento e sobrevivência do recombinante Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) em turfa comercial e solo contaminado com PCB Orientadora: Profa. Dra. SIU MUI TSAI Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Ecologia de Agroecossistemas Piracicaba 2005

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - ESALQ/USP Chaves, Miriam Gonçalves de Crescimento e sobrevivência do recombinante Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) em turfa comercial e solo contaminado com PCB / Miriam Gonçalves de Chaves. - - Piracicaba, p. : il. Dissertação (Mestrado) - - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Bactéria recombinante 2. Bifenil policlorado 3. Biodegradação 4. Sedimento 5. Seqüênciamento genético 6. Toxicologia ambiental 7. Turfa I. Título CDD Permitida a cópia total ou parcial deste documento, desde que citada a fonte O autor

4 3 A diferença entre o possível e o impossível está na vontade humana Louis Pasteur

5 4 Agradecimentos Agradeço inicialmente a minha orientadora Profa. Dra. Siu Mui Tsai pela oportunidade de trabalhar no laboratório de Biologia Celular e Molecular no Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP). Agradeço muito ao Dr. Jorge Luiz Mazza Rodrigues do Department of Microbiology and Molecular Genetics, Michigan State University (EUA), por toda orientação na pesquisa com Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb), pelo apoio e pela amizade. Sou grata também a Profa. Dra. Regina Teresa Rosim Monteiro do laboratório de Ecotoxicologia do CENA, pelas sugestões e críticas nos experimentos. A Profa. Dra. Vivian Helena Pellizari do laboratório de Microbiologia Ambiental do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, pela concessão da amostra da Cosipa e pelas sugestões na elaboração dos ensaios. A Turfal Ltda - Indústria e Comércio de Produtos Biológicos e Agronômicos, pela concessão das amostras de turfa. A Profa. Marli Fiore e a Dra. Claudia Bellato pelas sugestões e dicas no uso das técnicas moleculares. Aos funcionários do laboratório de Biologia Celular e Molecular do CENA: Elias, Fábio, Wagner, Francisco Montrasi, Simone, Ludmila e Fabiana Cannavan pelo apoio técnico. Aos colegas de laboratório Edenilson Rabello, Adriane Souza, Adriana Sturion Lorenzi, Marina Dellias, Jeanedy Pazinato, Carlos Garcia e Camila Patreze, pelas sugestões, incentivo e amizade. A secretária do curso Interunidades em Ecologia de Agroecossistemas Regina Telles de Freitas, por todo apoio e dedicação com os alunos. Sou grata as minhas amigas e companheiras de casa Claudia Irene, Milena Lisita, Gisele Melendez, Mariana Pardi, Giovana, Gladys Batista, Elizabete, Marise Suzuki e Ana pelo incentivo e amizade. A minha família e ao meu namorado Luiz Alexandre Simões de Castro, pelo apoio, incentivo e carinho. A CAPES pela concessão da bolsa de mestrado durante um ano.

6 5 SUMÁRIO RESUMO...7 ABSTRACT INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO Revisão de Literatura Toxicologia Ambiental Compostos Xenobióticos Agentes Tóxicos e os Seres Vivos Compostos Organoclorados Bifenilas Policloradas (PCBs) Biodegradação de PCBs Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) Substrato turfoso como veículo para inoculação no ambiente O Estuário de Santos e a contaminação por PCBs Material e Métodos Curva de Crescimento de Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) Crescimento e sobrevivência do isolado RHA1 (fcb) na turfa irradiada Irradiação da turfa Inoculação do recombinante na turfa Plaqueamento e contagem de Unidades Formadoras de Colônias (UFC) Detecção do operon fcb em colônias isoladas da turfa Sequenciamento do gene 16S rrna Teste de sobrevivência de Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb), Escherichia coli e Arthrobacter sp. em amostra ambiental irradiada Amostra ambiental: características, preparo e irradiação Tratamentos Inoculação de Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) no sedimento Inoculação de Arthrobacter sp. e Escherichia coli no sedimento Contagem de Unidades Formadoras de Colônias (UFC) Detecção do operon fcb em colônias isoladas...33

7 Sequenciamento do gene 16S rrna das colônias isoladas Resultados e Discussão Curva de crescimento de Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) Crescimento e sobrevivência do isolado RHA1 (fcb) na turfa irradiada Avaliação do crescimento através de contagem de UFCs Detecção do operon fcb nas colônias isoladas dos tratamentos Sequenciamento do gene 16S ribossomal Teste de sobrevivência de Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb), Escherichia coli e Arthrobacter sp. em amostra ambiental irradiada Avaliação do Crescimento através de contagem de UFCs Amplificação do gene 16S rrna e dos genes fcba e fcbb por PCR Sequenciamento do gene 16S rrna Detecção de bactéria nativa com potencial biodegradador de PCB CONCLUSÕES...55 REFERÊNCIAS...56

8 7 RESUMO Crescimento e sobrevivência do recombinante Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) em turfa comercial e solo contaminado com PCB O grupo de organoclorados, Bifenilas Policloradas (PCBs) é de difícil degradação e persistente no meio ambiente, tendo sido associado a diversos problemas nos organismos devido ao potencial toxicológico. Biodegradação constitui uma ferramenta eficaz e barata para remoção destes contaminantes do ambiente. O isolado RHA1 (fcb) de Rhodococcus sp. foi geneticamente construído com a introdução do operon de degradação hidrolítica de 4-clorobenzoato (fcb) para evitar a formação de produtos tóxicos durante a degradação de ácidos clorobenzóicos. Com o intuito de se obter informações sobre o processo adaptativo do recombinante Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) em substratos contendo PCBs, foram feitos dois ensaios avaliando-se a sobrevivência e o crescimento deste isolado. Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) foi inoculado (10 4 células.g -1 ) em substrato turfoso previamente irradiado a 50 KGy, contendo ou não 200 mg.kg -1 de bifenilo. Em outro ensaio, além do recombinante, as bactérias Escherichia coli e Arthrobacter sp. foram inoculados em sedimento coletado na região do Estuário de Santos, contendo PHAs e PCBs, também irradiado (50 KGy). O crescimento das bactérias em ambos os substratos foi monitorado através de contagem de Unidades Formadoras de Colônias (UFCs). Algumas colônias eram selecionadas aleatoriamente para extração de DNA, detecção do operon fcb através de amplificação por PCR e sequenciamento do gene 16S rrna. Aumento no número de UFCs nos tratamentos inoculados com o recombinante foi observado até 150 dias no ensaio com substrato turfoso e 70 dias na amostra ambiental. Entretanto, houve queda no número de UFCs após os 10 dias nos tratamentos inoculados com E. coli e Arthrobacter sp. Os genes fcba e fcbb do operon fcb foram detectados nas colônias isoladas dos tratamentos inoculados com o isolado RHA1 (fcb) em ambos os substratos. A análise das seqüências pertencentes às colônias isoladas do tratamento inoculado com o isolado RHA1 (fcb) feita através de BLAST nos sites do NCBI e Ribossomal Database Project, apresentou 99% de identidade com a seqüência do gene ribossomal 16S de Rhodococcus sp. isolado ZC 3 (AM ). Somente as seqüências referentes ao tratamento inoculado com E. coli foram analisadas, as quais apresentaram 99% de identidade com a seqüência do gene ribossomal 16S de E. coli isolado K-12 MG 1655 (U ). Estes resultados sugerem que Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) cresce na turfa irradiada (até 150 dias) na presença e ausência de PCB e nesta amostra de sedimento irradiada (até 70 dias), com aparente estabilidade do operon fcb durante este período e nestas condições. A possível presença dos genes fcbb e fcba em bactérias nativas crescidas em meio K1 com ácido 4- clorobenzóico isoladas do sedimento antes da irradiação, sugere a presença de bactérias do local com potencial biodegradador deste composto. Palavras-chave: Biodegradação; Bifenilas Policloradas; sedimento; turfa; recombinante, Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb)

9 8 ABSTRACT Growth and survival of recombinant Rhodococcus sp. isolate RHA1 (fcb) in commercial peat and in PCB contaminated soil The group of organochlorates Biphenyl Polychlorates (PCBs) is of difficult degradation and persistent in the environment, being associated to several problems in the organisms due to its toxicological potential. The isolate RHA1 (fcb) from Rhodococcus sp. was genetically built with the introduction of the operon of hydrolytic degradation 4-chlorobenzoate (fcb) to avoid the formation of toxic products during the degradation of chlorobenzoic acids. In order to obtain information about the adaptative process of the recombinant Rhodococcus sp. isolate RHA1 (fcb) in substrates containing PCBs, two essays were made evaluating the survival and growth of this isolate. Rhodococcus sp. isolate RHA1 (fcb) was inoculated (10 4 cells.g -1 ) in peat substrate previously irradiated with 50 kgy, with and without 200 mg.kg -1 of biphenyl. In another essay, besides of the recombinant, the bacteria Escherichia coli and Arthrobacter sp. were inoculated in soil, also irradiated (50 kgy), from the Estuário de Santos region containing PHAs and PCBs. The growth of the bacteria in both substrates was monitorated counting the Colony Forming Units (CFUs). Some colonies were selected randomly for DNA extraction, fcb operon detection through PCR, and sequencing of the 16S rrna gene. Rising in the number of CFUs in the recombinant inoculated treatments was observed until 150 days in the essay with peat substrate, and until 70 days in the environmental sample. Nonetheless, there was a reduction in the number of CFUs after 10 days in the treatment inoculated with E. coli and Arthrobacter sp. The genes fcba and fcbb from the operon fcb were detected in the isolated colonies of the treatments inoculated with the isolate RHA1 (fcb) in both substrates. The analysis of the sequences belonging to the colonies isolated from the treatment inoculated with the isolate RHA1 (fcb) through BLAST in the NCBI and Ribosomal Database Project sites showed 99% identity with the sequence of the gene 16S ribosomal from Rhodococcus sp. isolate ZC-3 (AM ). Only the sequences referring to the treatment inoculated with E. coli were analyzed, which showed 99% identity with the sequence of the 16S ribosomal gene from E. coli isolate K-12 MG 1655 (U ). These results suggest that Rhodococcus sp. isolate RHA1 (fcb) grows in the peat irradiated (until 150 days), in the presence and absence of PCB and in this irradiated sediment sample (until 70 days), with apparent stability of the fcb operon during this period and in these conditions. The possible presence of the fcba and fcbb genes in native bacteria grown in K1 medium with 4-chlorobenzoate acid isolated from sediment before irradiation suggests the presence of native bacteria with biodegradation potential of this compound. Keywords: Biodegradation, Biphenyl Polychlorates, sediment, peat, recombinant, Rhodococcus sp. isolate RHA1 (fcb)

10 9 1 INTRODUÇÃO Os bifenilas policlorados (PCBs) pertencem ao grupo de substâncias químicas dos organoclorados, produzidos pela cloração direta da molécula de bifenil. Existem 209 congêneres possíveis (moléculas variáveis em número e posição dos átomos de cloro), mas somente metade foi produzida comercialmente. Devido às suas propriedades como estabilidade térmica, resistência ao ataque de ácidos, bases e produtos corrosivos, esses compostos foram largamente utilizados na indústria e no setor agrícola nas décadas de 30 e 40 como matéria prima para diversos materiais (WAID, 1986). Os PCBs foram empregados como fluídos isolantes de capacitores e transformadores, isolantes de fios elétricos, transferentes de calor, lubrificantes, tintas do tipo epóxi, resinas, adesivos sintéticos, tintas têxteis, em papel cópia sem carbono, entre outros (LARA, 1976). Porém, devido à estabilidade química, estes compostos são de difícil destruição, persistindo no ambiente e penetrando na cadeia alimentar. Estas substâncias acumulam-se no tecido adiposo, tendo sido associados a diversas alterações prejudiciais ao organismo, como o câncer (SILBERHORN et al., 1990). No Brasil não há registros da produção de PCBs, tendo sido todo importado dos Estados Unidos, onde a partir de 1988, devido os problemas ambientais causados, seu uso foi proibido e a substituição por outros materiais foi iniciada (ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY EPA/USA, 1983). Algumas alternativas na busca de uma degradação eficiente destes compostos foram propostas, tais como a incineração e a reciclagem de transformadores. No entanto, tais propostas apresentam um custo muito elevado (COELHO, 1999). O processo de biorremediação tem figurado como a maneira mais barata e viável de degradação de PCBs. Por biorremediação entende-se o uso de organismos vivos (microrganismos, plantas) indígenos ou não, para a degradação de compostos orgânicos (FERNANDES, 1998). Certos microrganismos utilizados na biorremediação possuem vias metabólicas adaptadas para usar estes compostos como alimento. Uma vez comprovada a capacidade oxidativa de uma determinada cepa, ou ainda da combinação de várias cepas, o modelo de estudo de microcosmo (bioensaio no qual procura-se manter as mesmas características do substrato no ambiente, só que em pequena proporção) é adotado para verificação do potencial de adaptação e competição com a microbiota nativa (UMBUZEIRO et al., 2004). Este modelo de estudo também pode ser utilizado como estratégia para caracterização do substrato (verificar quais contaminantes estão presentes, por exemplo) no qual será feito a biorremediação (UMBUZEIRO et al., 2004).

11 10 Rhodococcus sp. isolado RHA1 foi encontrado pela primeira vez pelo grupo do Prof. Fukuda, em solo contaminado com diversos produtos tóxicos como etilbenzeno, tolueno, benzeno, propilbenzeno e PCB (HATTA et al., 1998). É uma bactéria aeróbica, Gram positiva, resistente a adversidades, possuindo múltiplos operons catabólicos (RODRIGUES et al., 2001). Embora com essas vantagens, o isolado RHA1 possui o mesmo problema que outros microrganismos durante a degradação de PCBs. Este microrganismo produz produtos intermediários tóxicos a si próprio. A degradação de ácidos clorobenzóicos induz a formação de produtos tóxicos. O isolado RHA1 foi geneticamente construído com a introdução do operon de degradação hidrolítica de 4-clorobenzoato (fcb) (RODRIGUES, 2000), que remove o átomo de cloro na posição para, produzindo 4-clorohidroxibenzoato (4-HBA) (ZAITSEV et al., 1991). Devido à carência de estudos avaliando o potencial de adaptação de microrganismos recombinantes ao ambiente, a viabilidade dos mesmos têm sido questionada. São necessários estudos que avaliem alguns parâmetros nos níveis: molecular (estabilidade do plasmídio e a expressão dos genes clonados), celular (variação da atividade metabólica) e populacional (poder competitivo e interações metabólicas entre os recombinantes e os microrganismos nativos) (POPOVA et al., 1999). Com o intuito de buscar algumas informações sobre o potencial de adaptação de Rhodococcus sp isolado RHA1 (fcb) no meio ambiente e na turfa para fins comerciais, este projeto teve como objetivo avaliar a sobrevivência e o crescimento deste recombinante em dois substratos irradiados, contendo PCBs: turfa e amostra ambiental (sedimento) coletada na região industrializada da Baixada Santista.

12 11 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 REVISÃO DE LITERATURA Toxicologia Ambiental A toxicologia ambiental é uma ciência que estuda o efeito causado pelas interações tóxicas de substâncias químicas nos ecossistemas e sua capacidade de afetar a fisiologia normal de organismos vivos (BRILHANTE, 1999). As substâncias químicas as quais não foram produzidas pela biota, tais como os produtos industriais, drogas terapêuticas, aditivos de alimentos, compostos inorgânicos, são chamadas de xenobióticos (PEÑA et al., 2001) Compostos Xenobióticos O crescimento desordenado da população mundial observado neste século tem estimulado a alta produção de alimentos e o aumento da atividade industrial de um modo geral. Esta política vigente, baseada na intensificação da produção de insumos acima dos limites ecologicamente justificáveis, traz como conseqüência o impacto ambiental negativo, que na maioria dos casos não é avaliado de forma abrangente. Este resulta na contaminação por resíduos agroindustriais dos compartimentos do ecossistema (ar/água/solo). Com o advento dos agroquímicos sintéticos no começo deste século e com sua utilização maciça entre as décadas de 50 a 70, a humanidade se deparou com as conseqüências da "Revolução Verde". No Brasil, esta consistia no aumento da produção agropecuária através da aquisição de insumos agrícolas modernos e benefícios fiscais, que impelia aos produtores à utilização cada vez mais constante dos xenobióticos, o que induziu o acúmulo destes no meio ambiente. Estes compostos altamente persistentes chegaram ao homem de forma direta (contato com a pele, por ingestão ou inalação) ou indiretamente (através de alimentos contaminados). Entre os impactos negativos dos xenobióticos, existe uma estimativa mundial de cerca de um milhão de casos de envenenamentos e de vinte mil mortes anuais, além dos problemas crônicos de saúde associados, como a esterilidade e o câncer (DELGADO, 2002; PORTA, 2002). Um fato histórico muito importante correlacionado com o uso desses produtos foi a Guerra do Vietnã, ocorrida entre os anos de 1954 e O país se dividiu em duas metades: o Vietnã do Norte, apoiado pelos soviéticos e chineses e o Vietnã do Sul, fortemente armado pelos

13 12 norte-americanos que para lá enviaram milhares de soldados. Dentre todas armas de guerra presentes, destacaram-se os herbicidas desfolhantes (o mais famoso ficou conhecido como "agente laranja"), que foram utilizados pelos norte-americanos pela seguinte razão: como a resistência vietnamita era composta por bandos de guerrilheiros que se escondiam nas florestas, formando tocaias e armadilhas para os soldados americanos, a aspersão de nuvens de herbicidas por aviões fazia com que as árvores perdessem suas folhagens, dificultando a formação de esconderijos. Contudo, essa operação militar aparentemente bem sucedida trouxe conseqüências ambientais e de saúde catastróficas para a população local, tais como a contaminação das águas dos rios e do mar, de todos os seres vivos presentes nesses ambientes, inclusive dos seres humanos pelo consumo desta água. Os herbicidas que compõem o agente-laranja (o 2,4-D e o 2,4,5-T) também são tóxicos a pequenos animais terrestres e aquáticos, assim como a muitos insetos benéficos para as plantas. O herbicida 2,4,5-T é sempre acompanhado da dioxina, que é um ativo composto causador de deformações em recém-nascidos (tetranogênico), permanecendo no solo e na água por um período superior a um ano Agentes Tóxicos e os Seres vivos A intensidade dos efeitos causados pelo agente tóxico pode variar de acordo com a quantidade e forma de aquisição. Assim, a exposição à ação combinada de diferentes agentes tóxicos pode ser substancialmente pior do que quando apenas um contaminante excede a quantidade tolerada pelo organismo. Só se considera que o agente tóxico penetrou no organismo quando este alcança a corrente sanguínea, sendo transportado até diversos órgãos do corpo, onde pode causar um dano permanente, a exemplo da atividade dos carcinogênicos (causadores de câncer) ou temporário, poluentes sistêmicos (causadores de efeitos tóxicos tais como vômito e dor de cabeça). Dentro do organismo, os tóxicos podem sofrer modificações (podem ser biotransformados por reações enzimáticas) as quais podem gerar substâncias mais ou menos tóxicas do que a original. Porém, existem ainda defesas nos organismos, as quais podem diminuir a exposição a essas substâncias, a difusibilidade através das membranas celulares ou facilitar sua excreção (PEÑA et al, 2001).

14 13 Os danos causados pelos agentes tóxicos aos seres vivos variam de acordo com o risco potencial, o qual pode ser definido como o estudo das probabilidades de fontes perigosas para a saúde e o meio ambiente ocasionar doenças ou morte, quando em concentrações superiores aquelas não assimiláveis por eles (BRILHANTE, 1999). A percepção de risco pela população, tem sido manifestada pelas organizações nãogovernamentais contra os danos ecológicos como a contaminação por dioxina em Seveso (Itália), por mercúrio na baía de Minamata (Japão), por metais pesados (mercúrio, cádmio e chumbo) nos rios amazônicos (Brasil), por bifenilas poli-halogenadas em Michigan (EUA) e em diversos locais do mundo têm alertado o interesse público para a proteção das comunidades (BRILHANTE, 1999) Compostos Organoclorados Os compostos organoclorados caracterizam-se por apresentarem um ou mais átomos de cloro em sua estrutura química orgânica. O hexaclorobenzeno (HCB) pode ser preparado por meio da cloração do benzeno (ZUIN, 1997). O pentaclorofenol (PCP) é produzido em escala industrial, pela cloração de fenol ou pela hidrólise de HCB, e é utilizado como preservativo para madeiras e como agente antimicrobiano; como preservativo para controlar o crescimento de cupins e fungos; (na indústria de construção) para controlar mofo e bolor em superfícies como telhas e blocos de concreto; na indústria de couro, para fornecer proteção contra bolor em sapatos; na indústria de tintas, para proteção das mesmas e do látex (KIRK; OTHMER, 1979). PCP também pode ser usado como fungicida, bactericida, herbicida, molusquicida, algicida e inseticida. É corrosivo, tóxico e degradado pela luz solar e por microrganismos. Em ph 2,7 o PCP encontra-se apenas 1% ionizado, enquanto em ph 6,7 (ph de muitas águas naturais) pode estar 99% ionizado (KIRK; OTHMER, 1979). O HCB é um fungicida seletivo usado para o tratamento de sementes, estável tanto em meio ácido como em alcalino, é praticamente insolúvel em água e solúvel em benzeno, clorofórmio, éter dietílico e hexano. Aparentemente não sofre reações fotoquímicas na atmosfera e nem hidrólise. Já foi evidenciado que o HCB pode representar risco carcinogênico ao homem (ZUIN, 1997). Os pesticidas organoclorados são relativamente inertes quando comparados a outras classes de pesticidas, pois apresentam alta estabilidade devido às ligações carbono-cloro.

15 14 Entretanto, são conhecidos por sofrerem desidrocloração, oxidação, desclorinação, rearranjo, hidrólise e reações fotoquímicas. As bifenilas policloradas (PCBs) possuem o grupo bifenila como unidade estrutural básica (REZENDE et al., 2003) Bifenilas Policloradas (PCBs) Os PCBs são conhecidos como bifenilas policloradas, bifenis policlorados ou ainda bifenilos policlorados. Foram conhecidos no século XIX na Europa, mas somente produzidos em grande escala a partir de Devido as suas propriedades como estabilidade térmica, resistência ao ataque de ácidos, bases e produtos corrosivos esses produtos foram largamente utilizados nas décadas de 30 a 70. Foram empregados como fluídos isolantes de capacitores e transformadores, isolantes de fios elétricos, transferentes de calor, lubrificantes, tintas do tipo epóxi, resinas, adesivos sintéticos, tintas têxteis, papel cópia sem carbono, entre outros (LARA, 1976). Entretanto, estas propriedades tornaram os PCBs grandes poluentes ambientais. Em 1966, um artigo em um jornal americano sobre a descoberta de uma contaminação por PCBs em um arquipélago sueco, causou interesse em relação ao estudo da persistência dos novos compostos no ambiente. E em 1967 e 1969 muitos relatos da ocorrência de PCBs podiam ser encontrados em diversas partes do mundo (HOLDEN; MARSDEN, 1967; HOLMES et al., 1967). Rapidamente, a bibliografia sobre os PCBs cresceu muito e novos métodos analíticos foram desenvolvidos (BACHE et al., 1972). Existem hoje 209 diferentes congêneres, sendo que a maioria pode ser produzida em laboratório. Esses congêneres são classificados de acordo com o número de átomos de cloro e a disposição destes nos anéis bifenílicos (WOLF-RAINER et al., 2003). Os PCBs possuem a fórmula molecular geral C 12 H X Cl Y, com n = e y = 10 n, tendo o número de identificação de cada congênere sido criado por BALLSCHMITER & ZELL (1980), e mais tarde adotado pela IUPAC (Internacional Union of Pure and Aplied Chemistry) (Tabela 1). Outra maneira de se referir a cada composto é indicando a posição do átomo de cloro no anel, de acordo com a Figura 1, seguida pelo termo CB (ex. 2,2, 3-CB).

16 15 Figura 1- Esquema da molécula 2,2, 3-CB. Tabela 1 - Sistema de identificação dos congêneres de PCBs Número de Cloros Usual IUPAC 3 PCB 28 2, 4, 4 - triclorobifenil 4 PCB 77 3,3,4,4 - tetraclorobifenil 5 PCB 126 3,3,4,4,5 - pentaclorobifenil 7 PCB 180 2,2,3,4,4,5,5 - heptaclorobifenil 10 PCB 209 2,2,3,3,4,4,5,5,6,6 -decaclorobifenil Fonte: PENTEADO et al., (2001) Na Tabela 2 pode-se observar o grau de cloração na molécula de PCB em função do número de átomos de cloro presentes no congênere. Tabela 2 - Congêneres de PCBs possíveis, número de isômeros, massa molecular e porcentagem de cloro para vários isômeros de PCBs Fonte: PENTEADO et al., (2001) Bifenil Número de Isômeros Massa Molecular % Cloro Monocloro Dicloro Tricloro Tetracloro Pentacloro Hexacloro Heptacloro Octacloro Nonacloro Decacloro Total 209

17 16 Diversos estudos evidenciam que dos 209 congêneres possíveis de PCBs somente 130 podem estar presentes nas misturas comerciais (WHO, 1990). Estas foram produzidas em diferentes países com diferentes denominações, tais como: Phenoclor (na França), Kaneclor (no Japão), Clophen (na Alemanha), Aroclor (nos Estudos Unidos pela Monsanto), Ascarel (Brasil) (ABNT, 1997). Muitos desses congêneres não afetam e não produzem efeitos colaterais aos seres vivos e ao ecossistema. Outros, devido principalmente à suas propriedades físico-químicas, ou a diferentes campos de aplicação, podem afetar ou serem afetados pelo ecossistema, produzindo um desequilíbrio ambiental. A ocorrência acidental dos PCBs no ambiente pode ocorrer devido a combustão e volatilização de material organoclorado (entrada na atmosfera) e através do lançamento nos corpos d água como descarga industrial e urbana (rios, lagos, costa marítima). Na atmosfera os poluentes estão distribuídos entre a fase gasosa e o material particulado, possibilitando seu transporte mesmo para áreas remotas como o continente Antártico e Ártico (OEHME, 1991). A contaminação da biota também ocorre devido ao contato com os reservatórios naturais (solo, sedimentos), os quais receberam atividade antrópica. Os PCBs acumulam-se no tecido adiposo dos seres vivos e a concentração do contaminante na cadeia alimentar aumenta de acordo com o nível trófico. Espécies predadoras apresentam tendência a altos fatores de bioacumulação de PCBs em relação a suas presas (LETCHER et al., 1998 ). O homem, por ocupar o topo da cadeia trófica, está sujeito a um maior risco de exposição (PENTEADO; VAZ, 2001). Pode-se dizer que a alimentação esteja entre os principais meios de exposição de PCBs para o homem, embora existam outras rotas de exposição (JACOBS et al., 1998). Na Figura 2, há uma proposição para as possíveis rotas de acumulação de compostos xenobióticos pelos peixes através da água ou por seus hábitos alimentares.

18 17 SUBSTÂNCIA Biotransformação Fígado Rins Metabólitos Gordura Fígado Armazenamento Rins Musculatura Muco Pele Fígado Bile Intestino Fezes Brânquias Rins Urina EXCREÇÃO Figura 2 - Possível rota de acumulação de compostos xenobióticos pelos peixes através da água ou por seus hábitos alimentares proposta (PENTEADO; VAZ, 2001) Somente a partir de 1966 os PCBs foram considerados como poluentes do meio ambiente. A partir daí, os efeitos toxicológicos e bioquímicos das misturas de congêneres individuais têm sido estudados principalmente em peixes, células de mamíferos e até mesmo no homem (ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY USA, 1983). Estudos toxicológicos realizados com cobaias tem demonstrado que a contaminação por PCBs pode alterar principalmente as funções reprodutivas dos organismos. Foram observados distúrbios na maturação sexual e efeitos teratogênicos (desenvolvimento fetal anômalo) (ERICKSON, 1992). No ambiente, estes efeitos se propagam ao longo de toda a cadeia trófica, através da bioacumulação, afetando todas as espécies. No homem, os principais sintomas observados devido a exposição aos PCBs foram: cloroacne, hiperpigmentação, problemas oculares, câncer de fígado e vesícula biliar (ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY EPA/USA, 1983). Em 1978 surgiram as primeiras leis americanas restringindo o uso dos PCBs somente para sistemas fechados como trocadores de calor (ALBAIGES, 1980). Em 1983 foi publicada lei federal (ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY EPA/ USA, 1983) proibindo o uso de PCBs em todo território americano a partir de No Brasil não há registros da produção de PCBs, sendo todo importado dos Estados Unidos e da Alemanha. As restrições no seu uso foram implementadas através da Portaria Interministerial 19, de 2 de janeiro de 1981, a Instrução Normativa 001 SEMA/STC/CRC de 10

19 18 de junho de 1983 e a norma ABNT/NBR A Portaria estabelece, entre outras coisas, a proibição da fabricação, comercialização e uso de PCBs em todo território nacional. Porém, os aparelhos em funcionamento continuariam até a sua total substituição ou troca de produto dielétrico isento de PCBs. Além disso, a Portaria, a Instrução Normativa e a norma ABNT/NBR 3871 proibiram o descarte, armazenamento e manipulação inadequados de PCBs. A produção mundial acumulada de PCBs foi estimada em toneladas. Pela estabilidade química e amplitude de difusão de produtos contendo PCBs, cerca de 40% desta produção total entrou no ambiente (PEARSON, 1982). Grande parte ainda continua em uso, principalmente em equipamentos eletro-eletrônicos antigos, além disto, consideráveis quantidades de PCBs podem estar armazenadas em áreas de depósitos de resíduos. Em estudos feitos com leite materno no Rio de Janeiro (PAUMGARTTEN et al., 2000), PCBs foram detectados, embora em menor concentração em relação a amostras de países industrializados. As concentrações séricas de PCBs nas amostras desta cidade, eram menores que 2 µg.l -1, enquanto a concentração nas amostras de leite materno em países industrializados eram 3 a 20 vezes maiores. Acredita-se que a população carioca tenha sido primeiramente exposta aos PCBs pelo consumo de peixes contaminados (FERREIRA DA SILVA, 2000), e em menor escala, via outros produtos alimentares de origem animal como carne, leite, queijo e ovos (WHO, 1996). Além do Rio de Janeiro, outros locais no Brasil como o estuário de Santos, também possuem registros de contaminação por PCBs (CAMPANILI, 2001). A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo (Cetesb), faz levantamentos periódicos sobre os níveis de contaminação da região estuarina de Santos e São Vicente SP. Em 2001 e 2002 foram detectadas quantidades relevantes de substâncias como metais pesados e PCBs nos sedimentos, embora em menores concentrações que em Biodegradação de PCBs A alta estabilidade química dos PCBs, tornam estes compostos difíceis de serem destruídos. Existem processos químicos, físicos e bioquímicos específicos, os quais devem ser feitos cuidadosamente para se evitar a formação de compostos ainda mais tóxicos. A degradação dos PCBs pode ser classificada em intencional, onde são empregados processos catalíticos ou alta temperatura (incineração), e natural, que é limitada a um número

20 19 restrito de congêneres. Processos intencionais como, a reciclagem de transformadores e a incineração podem gerar compostos secundários muito tóxicos e possuem um custo muito elevado, o que restringe sua prática principalmente em países em desenvolvimento (COELHO, 1999). A degradação biológica é um importante método natural de remoção dos PCBs do ambiente, podendo ocorrer tanto por processos aeróbicos como anaeróbicos. Alguns compostos xenobióticos são muito semelhantes a compostos naturais, estando sujeitos ao metabolismo microbiano. O metabolismo dos microrganismos presentes nos locais contaminados é adaptado (desenvolve vias metabólicas complexas com enzimas especializadas e outras características celulares) para degradar os compostos presentes no local. Em ambos os processos (anaeróbico e aeróbico), a remoção do substituinte é a chave principal para sua biodegradação, já que este processo de desalogenação reduz a toxicidade dos PCBs. Esses processos de degradação ocorrem amplamente na natureza, no entanto estão limitados ao número de átomos de cloro e sua posição na molécula. Estudos de degradação aeróbica de PCBs em amostras de sedimento contaminado evidenciam a especificidade de alguns microrganismos para mono, di e tricloro bifenilas (ERICKSON, 1992). Já a biodegradação anaeróbica por bactérias têm sido um importante artifício aplicado em sedimentos contaminados de vários rios. Essa biodegradação aplica-se no processo de substituição do átomo de cloro pelo hidrogênio nas posições meta e para, com rendimento entre 10 e 90% (PENTEADO; VAZ, 2001). Na degradação aeróbica dos PCBs por bactérias, os genes envolvidos são similares entre os diferentes isolados e ambientes, o que sugere a ocorrência de transferência genética entre os isolados. Diversos isolados recombinantes têm sido construídos buscando uma maior eficiência no processo degradativo dos compostos. A exemplo do uso da via 2,3 dioxygenase em Burkholderia xenovorans. Para tanto, o gene correspondente, bphc, tem sido seqüenciado (GORIS et al., 2004) Rhodococcus sp. isolado RHA1 (fcb) O gênero Rhodococcus inclui a ampla variedade de diversidade morfológica de microrganismos com habilidade de formar hifas, fragmentando-se em bastonetes e cocos (GOODFELLOW, 1989). Este gênero define um grupo de actinomicetos que possuem: a)

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE Rev. 00 18/07/06 Ficha de segurança 1. Identificação do Produto e da Empresa DDVP ROGAMA 1000 CE Empresa ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Av. Alexandrina das Chagas Moreira, 964, Distrito Industria Pindamonhangaba

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas

Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas www.ecoevol.ufg.br/adrimelo/ecossistemas Aula 9: Poluição

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas AVALIAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial Protocolos LabDros Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. - 1 kg de Farinha de milho grossa; - 200g de germe de trigo; - 1 xícara de açúcar; - 2 colheres de leite em pó; - 1 colher de sal; - 800g

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES.

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES. Página: 1 / 11 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial: Código Interno: DEZSN000 Nome da Empresa: Agfa Gevaert do Brasil Ltda Endereço: Av. Jorge Bey Maluf, 2100 - Suzano - SP Telefone

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEET ABNT NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEET ABNT NBR 14725 Página 01/05 Ribeirão Preto SP Brasil Cep:14075-450 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO CRISTAL WAX BIODEGRADÁVEL TELEFONE DA EMPRESA NOME DO FABRICANTE Tel / Fax: (16) 3663-8620

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FORTEX Ficha de Segurança Nome do Produto: MASSA PVA FORTEX Data de Revisão: 15/08/2013 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto:

Leia mais

IMPACTO DA ADIÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE NA ATIVIDADE MICROBIANA E REDUÇÃO EM CONDIÇÕES DE INCUBAÇÃO

IMPACTO DA ADIÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE NA ATIVIDADE MICROBIANA E REDUÇÃO EM CONDIÇÕES DE INCUBAÇÃO Outras Produções e destinações de Resíduos IMPACTO DA ADIÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE NA ATIVIDADE MICROBIANA E REDUÇÃO EM CONDIÇÕES DE INCUBAÇÃO Suéllen Pereira Espíndola (1), Adão de Siqueira Ferreira (2),

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

Lesões no DNA cromossômico após tratamento com agentes mutagênicos Obe & Natarajan, 1982

Lesões no DNA cromossômico após tratamento com agentes mutagênicos Obe & Natarajan, 1982 1. Ensaios de Genotoxicidade Os agentes genotóxicos são aqueles que interagem com o DNA produzindo alterações em sua estrutura ou função e quando essas alterações se fixam de forma capaz de serem transmitidas,

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Código do produto : 0007 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT 14725-4/2014 Data: 02.05.2002 Revisão: 5 Data da Revisão: 06/02/15 Produto: WD 40 Líquido N 0040 1. Identificação

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Page 1-6 Nome do Produto: Código Interno: GS-60, GS-500, E-700GS, T-800GSA, GS-1000, GS-1900, T-5000GSA Fornecedor: Trilha Indústria e Comércio Ltda. Av. Jornalista

Leia mais

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE Marília Rossi Maretti Faculdade de Química CEATEC ma.maretti@gmail.com Augusto

Leia mais

TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE

TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS TINTA MASTER EPÓXI BICOMPONENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Técnico e Comercial Tinta Master Epóxi Bicomponente RM-6000

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2009. (Do Sr. Sarney Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2009. (Do Sr. Sarney Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2009. (Do Sr. Sarney Filho) Dispõe sobre a eliminação controlada das Bifenilas Policloradas - PCBs e dos seus resíduos, a descontaminação e a eliminação de transformadores,

Leia mais

4/8/2007. Análise de vitaminas

4/8/2007. Análise de vitaminas Métodos ensaios biológicos em animais e humanos apenas usados quando não existem métodos alternativos ensaios microbiológicos com protozoários, bactérias e leveduras requerem passos de extracção da vitamina

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD Página 1 de 5 1 - Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Nome da empresa: Anchortec Industrial e Comercial Ltda. Endereço: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, 800, Mogi das Cruzes -

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa: NOW QUIMICA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Petúnia, 155 Bairro Chácaras Boa Vista Contagem MG CEP: 32150-200 Telefone

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Inducola A Código interno: 5003 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br Endereço:

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO Megaplasma Comercial Ltda. Rua Dom Joaquim de Melo, 274 - Moóca CEP 03122-050 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 2601-5502 - Fax: (11) 2601-0512 megaplasma@megaplasma.com.br www.megaplasma.com.br SPATTER

Leia mais

PRIMER MASTER UNIVERSAL

PRIMER MASTER UNIVERSAL FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PRIMER MASTER UNIVERSAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Técnico e Comercial Nome Técnico e Comercial: Primer Anticorrosivo Master

Leia mais

TELEFONE PARA EMERGÊNCIAS: 0800-7077022 (SUATRANS)

TELEFONE PARA EMERGÊNCIAS: 0800-7077022 (SUATRANS) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Código do Produto: 3076 Data da FISPQ: 01/11/2005 Comercializado por: BRENNTAG QUÍMICA BRASIL LTDA Guarulhos - SP Rua Hum, 1.333 Bonsucesso Guarulhos CEP

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto CHOICE 1. Identificação do Produto Nome do Produto: CHOICE Código do Produto: - Nome da Empresa: De Sangosse Agroquímica Ltda. Endereço: Rua Raimundo Ramos Ferreira, 136 - CURITIBA/PR CEP: 81.350-040 Telefone

Leia mais

4 Monitoramento ambiental

4 Monitoramento ambiental 4 Monitoramento ambiental O monitoramento ambiental é uma importante ferramenta para a administração dos recursos naturais. Este oferece conhecimento e informações básicas para avaliar a presença de contaminantes,

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BIOCAT Nome da Empresa: INDÚSTRIA QUÍMICA ZEQUINI

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISQP n o 24 15/11/10 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Contato/emergência: Centro de Atendimento Toxicológico do Espírito Santo (Toxcen-ES) Telefone: 0800-283-9904

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO /EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO /EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO /EMPRESA * Identificação do Produto: * Principais Usos: * Código Interno: M-30.XXX * Identificação da Empresa: Planquímica Industrial e Comercial Ltda. * Endereço: Rua Dos Rubis,

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: BENZOATO DE SÓDIO Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Acelerador de vulcanização Cas number: 102-77-2 Empresa: Endereço: Basile Química Ind.

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA Mestrado em Biotecnologia Semestre 2011.2 PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR DATA: AULA PRÁTICA 2: preparo de soluções em biologia molecular. I.

Leia mais