Que venham os jogos Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.pwc.com/br Que venham os jogos Oportunidades de infraestrutura para megaeventos"

Transcrição

1 Que venham os jogos Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

2 As Olimpíadas de Pequim, em agosto de 2008, foram as mais caras da história de todos os jogos. O evento consumiu bilhões de dólares. Em contrapartida, mobilizou o interesse de mais de quatro bilhões de telespectadores, tornandose o evento esportivo de maior audiência no mundo. Enquanto todos assistiam ao espetáculo, a anfitriã China desempenhava o papel principal. Em vários cantos do mundo, pessoas ligavam seus televisores para ver os atletas competir. Ao mesmo tempo em que se dedicavam a acompanhar os resultados, consumiam a China contemporânea sob um novo ângulo. Essa oportunidade de atrair a atenção do mundo inteiro por algumas semanas e, mais à frente, usufruir de um duradouro legado, representa a essência tangível e intangível do que os megaeventos proporcionam. De fato, o legado gerado por um megaevento é bastante tangível. Relatório elaborado em outubro de 2009 pelos economistas Mark Spiegel (Federal Reserve Bank, de São Francisco) e Andrew Rose (Universidade da Califórnia), ambos dos Estados Unidos, mostra que as exportações cresceram cerca de 30% em países que sediaram as Olimpíadas. Ao analisar, entre 1950 e 2006, o desempenho econômico de 196 países, o estudo concluiu que o efeito Olímpico é maior em países-sede com tendência a uma política comercial mais aberta. 1 1 Andrew K. Rose e Mark M. Spiegel, The Olympic Effect [O Efeito Olímpico]. National Bureau of Economic Research [Agência Nacional de Pesquisa Econômica dos Estados Unidos], outubro de 2009.

3 Planejamento: um aliado na reputação Atualmente, os países eleitos para sediar megaeventos devem se planejar com grande antecedência, talvez uma década ou mais, e ter clara a importância da infraestrutura para atletas e espectadores. Isso porque planejamentos ou execuções de infraestrutura inadequados podem prejudicar a imagem de realização grandiosa do evento. Há casos, por exemplo, em que informações sobre possíveis falhas de infraestrutura dominaram as notícias durante períodos que antecederam ao megaevento. São informações que podem comprometer a imagem positiva que uma cidade ou um país deseja construir. Nesse sentido, o planejamento prévio é essencial. Igualmente importante é demonstrar os benefícios duradouros resultantes dos investimentos em infraestrutura, um verdadeiro legado para a comunidade. Foco no longo prazo Inúmeras ideias e visões surgem em meio à euforia que se segue à escolha de uma cidade como sede de um megaevento. No entanto, concretizar essas ideias e visões não é simples. Para manter a clareza do projeto, recomenda-se que os administradores municipais testem a viabilidade a longo prazo de cada investimento previsto e questionem se o plano de investimentos corresponde às necessidades e aos objetivos de longo prazo de uma região. Eles devem se perguntar quais são os modelos financeiros mais adequados para cada caso e como considerar os critérios de sustentabilidade nesse cenário. Há ainda outras indagações a fazer, como, por exemplo, os custos de manutenção projetados, o sistema de aquisição e o tipo de supervisão do processo. A PwC conhece cada um dos fatores de sucesso e as barreiras para a realização de grandes projetos. Neste documento, analisaremos os investimentos em infraestrutura realizados por algumas cidades-sede. Também analisaremos as implicações de longo prazo para cada região onde esses investimentos foram feitos. Nossa experiência na prestação de serviços de consultoria a comitês organizadores, empreiteiros e países-sede nos permite identificar, do ponto de vista de um investimento em infraestrutura, quais são os fatores responsáveis por gerar um legado duradouro para uma cidade ou país-sede. O efeito transformador da infraestrutura Fornecer transporte, telecomunicações, energia, saneamento e outros serviços de utilidade pública para milhares de atletas e milhões de espectadores em megaeventos representa um grande desafio. Mas qual é o destino de toda essa infraestrutura após o encerramento dos jogos? O mundo permanece atento aos eventos durante apenas algumas semanas, mas o efeito transformador de obras de apoio bem realizadas gera implicações econômicas, demográficas e sociais duradouras para a região inteira. A forma como um governo nacional, regional ou municipal planeja o legado da infraestrutura de apoio pode repercutir no desenvolvimento de uma região por décadas. PwC 1

4

5 Barcelona, 1992: alavanca para a revitalização Barcelona, na Espanha, utilizou as Olimpíadas de 1992 como um catalisador para acelerar objetivos de reurbanização previamente estabelecidos. A cidade construiu anéis viários que descongestionaram o trânsito, modernizou seu aeroporto, reestruturou o transporte público, desenvolveu parques públicos, atualizou seu sistema de telecomunicações e modernizou o sistema de saneamento. Para beneficiar os moradores e as empresas a longo prazo, planejadores urbanos empregaram grandes esforços para transformar a cidade. 2 Mas as Olimpíadas não foram o único fator responsável por esse desenvolvimento, de acordo com Stephen Essex, professor adjunto da Universidade de Plymouth (Reino Unido) que pesquisa as implicações das Olimpíadas na infraestrutura. Segundo ele, os Jogos simplesmente aceleraram o processo de renovação que já estava planejado para ocorrer em 50 anos, conforme o Planejamento Metropolitano Geral de Barcelona de O professor acrescenta que os organizadores já haviam mobilizado o apoio público por meio de projetos urbanos que conseguiram estabelecer um consenso de mudança. Simultaneamente, instalações existentes com modernizações planejadas serviram como arenas olímpicas. O apoio do setor público também foi significativo, segundo Essex, impulsionado pelo fim da era Franco e pela rápida valorização da identidade regional. 3 Barcelona gastou seis vezes mais em infraestrutura (tanto para as Olimpíadas como em obras de apoio) do que na organização do evento. Quatro áreas urbanas até então negligenciadas fizeram parte do plano de instalações olímpicas da cidade, permitindo que os gestores alocassem recursos para uma ampla reurbanização. 4 Como resultado, as Olimpíadas de 1992 conduziram Barcelona à condição de um dos principais destinos turísticos e comerciais da Europa. Segundo o prefeito da cidade, o que se viu foi uma metamorfose em cinco anos que, em qualquer outra circunstância, levaria três décadas. 5 Diz o político que, devido ao investimento em infraestrutura e à valorização gerada pelas Olimpíadas, as receitas provenientes do turismo na capital da Catalunha mais que dobraram. No entanto, apoio público e recursos nem sempre são suficientes. Muitas vezes financiamento privado, experiência e supervisão são necessários para preencher a lacuna existente entre o que o setor público é capaz de realizar e as necessidades de um megaevento. Além de quase US$ 5 bilhões investidos pelo setor público, as Olimpíadas de Barcelona atraíram aproximadamente US$ 7 bilhões em financiamentos privados. 6 Nesse contexto, é importante observar que, atualmente, os municípios que sediam as Olimpíadas e outros megaeventos, como a Copa do Mundo, recorrem cada vez mais a opções do setor privado como forma de administrar melhor os recursos financeiros direcionados à infraestrutura de apoio. Algumas cidades e regiões, por exemplo, estabeleceram parcerias público-privadas (PPPs) como solução viável. Por serem mais adequadas para grandes empreendimentos, que requerem constante manutenção, as PPPs ganham espaço como meio de garantir financiamento adicional, melhor gerenciamento de riscos e maior transparência e responsabilidade. 2 Peter Kindel, Scott Watkins, e Andrew Hasdal, Land Use and Infrastructure Investments by Olympic Host Cities: Legacy Projects for Long-Term Economic Benefits [Uso de Terras e Investimentos em Infraestrutura por Cidades Sede das Olimpíadas: Projetos de Legado para Benefícios Econômicos de Longo Prazo], Topografis & Anderson Economic Group, LLC, 1 de outubro de Comunicação por com Stephen Essex, professor adjunto da Universidade de Plymouth, 10 de dezembro de Greg Clark, Local Development Benefits from Staging Global Events [Benefícios de Desenvolvimento Locais de Sediar Eventos Mundiais], Organization for Economic Cooperation and Development [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico], Michael Payne, A Gold-Medal Partnership, [ Uma Parceria Medalha de Ouro ] Estratégia+Negócios, primavera de Greg Clark. Local Development Benefits from Staging Global Events [Benefícios de Desenvolvimento Locais de Sediar Eventos Mundiais]. Organization for Economic Cooperation and Development [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico], Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

6 Pequim, 2008: múltiplos retornos Apesar de a quantia total investida em um megaevento sempre ser alta, ela também é bastante variável, de acordo com a situação existente. Entre 2002 e 2006, a China investiu aproximadamente US$ 40 bilhões só em empreendimentos de base para as Olimpíadas de 2008, em Pequim. Entre as ações, foi incluída a construção de 40 novos estádios, instalações de atletismo, um novo aeroporto e várias estradas (entre novas e reformadas). O projeto contemplou ainda a duplicação da capacidade do sistema metroviário de Pequim e a conclusão do sistema de veículo leve sobre trilhos. 7 Os investimentos relacionados às Olimpíadas representaram 15% do investimento total entre 2002 e Atendendo a uma antiga e crítica necessidade, a cidade recebeu significativo investimento de acordo com William Kirby, diretor do Centro Fairbank para Estudos Chineses da Universidade de Harvard. Kirby descreve o novo aeroporto como impressionante, maior que o de Heathrow e, talvez, o mais belo aeroporto do mundo. 9 O aeroporto também representou um benefício econômico de longo prazo, diminuindo atrasos de voos e, consequentemente, descongestionando o tráfego aéreo. 10 Depois das Olimpíadas, Pequim se tornou uma das cidades de melhor desempenho na categoria infraestrutura, conforme o relatório de cidades mundiais de 2010 da PwC. Mesmo com desafios urbanos de mobilidade ainda por superar, a cidade conta com o menor custo de transporte público para usuários, de um total de 21 cidades avaliadas Lee M. Sands, The 2008 Olympics Impact on China [O Impacto das Olimpíadas de 2008 na China], The China Business Review, julho-agosto de Sunil Jagtiani, Track Record: Temporary Hurdle [Histórico de Desempenho: Obstáculo Temporário], Fund Strategy [Estratégia de Fundo], 1 de setembro de William C. Kirby, Do Olympic Host Cities Ever Win? A Huge Improvement for Beijing [As Cidades Sede de Olimpíadas Têm Benefícios? Uma Incrível Melhoria para Pequim]. The New York Times, 2 de outubro de Parceria para a Cidade de New York, Grounded: The High Cost of Air Traffic Congestion [No Chão: O Alto Custo do Congestionamento do Tráfego Aéreo], fevereiro de PwC, Cities of Opportunity [Cidades de Oportunidades], PwC 3

7 África do Sul 2010: a esperança do país multicolorido O governo sul-africano solicitou de forma ativa a participação privada em investimentos de infraestrutura, mais especificamente investimentos estrangeiros diretos. O governo ofereceu incentivos para que companhias estrangeiras estabelecessem parcerias com empresas locais. Obras de infraestrutura mais grandiosas sempre foram um dos objetivos do governo sul-africano, e a Copa do Mundo de 2010 primeiro megaevento esportivo em continente africano serviu para acelerar grande parte do planejamento e do desenvolvimento. Na verdade, o governo iniciou um projeto ambicioso de melhoria de infraestrutura em 2008, injetando inicialmente US$ 22 bilhões na geração e distribuição de energia, em transporte urbano, rodovias e telecomunicações. Durante a preparação para a Copa, mais de US$ 2,2 bilhões foram aplicados na revitalização de aeroportos. Um exemplo é a ampliação do Aeroporto Internacional Oliver Tambo, situado no distrito de Gauteng, em Johannesburgo. O aeroporto teve a capacidade dos terminais aumentada para 28 milhões de passageiros/ano, e a extensão das pistas foi ampliada para receber aeronaves maiores, como o novo Airbus A380. Londres 2012: projetos de sustentabilidade Sede dos próximos Jogos de 2012, Londres prevê gastos de aproximadamente US$ 15 bilhões na construção do Olympic Park, em East London, e na restauração da região inteira, incluindo transportes, pontes, serviços públicos e passarelas. A Vila Olímpica, que hospedará os atletas, servirá de moradia após os Jogos. A aquisição dessas habitações poderá ser feita inclusive com financiamento do governo. Relatório da Agência de Auditoria Nacional do Reino Unido informa que o Olympic Park será um projeto de vida sustentável e ajudará a transformar o coração de East London, região da cidade notadamente menos desenvolvida. 12 Enquanto isso, diversos projetos de transporte de longo prazo, estimados em aproximadamente US$ 8 bilhões, mesmo não sendo especificamente direcionados às Olimpíadas, são essenciais para os Jogos, de acordo com o relatório da mesma agência. Entre os projetos está a ampliação da estrada M25, ao redor de Londres, e o desenvolvimento de ferrovias até os locais-sede, como a linha principal de West Coast e a Channel Tunnel Rail Link. Segundo maior anel viário da Europa, com 188 km, o M25 foi contratado como PPP e financiado integralmente por recursos 13, 14 privados. 12 Agência de Auditoria Nacional (Reino Unido), Preparations for the London 2012 Olympic and Paralympic Games: Progress Report February 2010 [Preparação para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2012 em Londres: Relatório de Progresso Fevereiro de 2010], 26 de fevereiro de Ibid. 14 PwC, Gridlines, junho de Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

8 PwC 5

9 Um cenário de novas oportunidades Investimentos em infraestrutura oferecem diversos benefícios econômicos e sociais para uma região. Também geram múltiplas oportunidades para investidores em busca de novos mercados. O Brasil, por exemplo, deve investir aproximadamente US$ 83 bilhões em infraestrutura de 2009 a 2016, visando à Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016, no Rio de Janeiro. Mais de 1,2 mil projetos já foram estabelecidos para a Copa, que deve atrair três milhões de brasileiros e 600 mil estrangeiros. 15, 16 Os novos projetos de infraestrutura previstos são nas áreas de mobilidade urbana, energia, segurança, portos, aeroportos, telecomunicações, rede hoteleira, entre outros. Embora com prazo ainda indefinido, também há estudos para a construção de uma linha ferroviária de alta velocidade (trem-bala), cujo investimento sugere as PPPs como uma das melhores opções para financiamento. Em energia, destacase a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no estado do Pará. Sua potência instalada será de MW, o que fará dela a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira, visto que a usina hidrelétrica de Itaipu é também do Paraguai. Na Amazônia, mais especificamente no rio Madeira, estão em construção outras duas usinas hidrelétricas igualmente importantes: a de Santo Antônio e a de Jirau. Ambas são consideradas fundamentais pelo governo federal para o suprimento de energia elétrica do país. Esses projetos têm atraído a atenção de investidores privados do Oriente Médio, da Europa, dos Estados Unidos e da Ásia. 15 Entrevista com Mauricio Girardello, sócio, PwC Brasil, 26 de maio de Mimi Whitefield, For Next World Cup, Brazil Gets the Ball Rolling [Brasil dá o Chute Inicial para a Próxima Copa do Mundo], The Miami Herald, 27 de julho de Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

10 Outra necessidade urgente é o desenvolvimento dos aeroportos brasileiros. O aumento da capacidade de tráfego aéreo é indispensável para comportar o volume de turistas esperado para ambos os megaeventos. Novamente, as parcerias públicoprivadas surgem como melhores opções para o desenvolvimento dos aeroportos. Recentemente, o governo federal colocou em consulta pública os editais de concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos internacionais Governador André Franco Montoro, em Guarulhos (SP), Viracopos, em Campinas (SP), e Presidente Juscelino Kubitschek, em Brasília (DF). Ao mesmo tempo, em Sochi, na Rússia, sede das Olimpíadas de Inverno de 2014, o governo federal está solicitando ativamente a participação de PPPs. Atualmente não há quase infraestrutura de apoio na cidade. Os gestores regionais e municipais esperam que os Jogos transformem Sochi e a região de Krasnodar, no sul da Rússia, km ao sul de Moscou, em um resort moderno, com mais de 370 km de estradas e pontes, 201 km de ferrovias, 22 túneis, sistema de telecomunicações moderno, 386 km de tubulação de gás e um aeroporto internacional avançado. 17 O investimento na região de Sochi abrange, ao todo, cerca 50 projetos de infraestrutura. A nova ferrovia de alta velocidade será capaz de transportar 8,5 mil passageiros por hora, levandoos da costa às montanhas em menos de 40 minutos. Diversas usinas a serem construídas deverão aumentar a capacidade energética atual de Sochi em até 2,5 vezes. As usinas serão inauguradas progressivamente, como preparação para o futuro aumento do consumo de energia. Projeta-se, ainda, investimento de US$ 500 milhões em novos equipamentos de telecomunicação para transmissões digitais e comunicação celular. Portanto, os dirigentes regionais e municipais desenvolveram planos de infraestrutura de transporte, energia e telecomunicações que beneficiarão moradores e negócios locais mesmo após as Olimpíadas de Inverno de Considerada atualmente destino turístico regional, Sochi deve se tornar um polo turístico internacional após os Jogos. De olho na Copa do Mundo de 2018, a Rússia também planeja construir 16 estádios em 13 cidades. Grande parte do investimento necessário em modernização km de rodovias e km de ferrovias será realizado fora das principais cidades (Moscou e São Petersburgo), que atualmente apresentam uma infraestrutura muito modesta. Como ocorre em qualquer megaevento, os desafios estão na obtenção de financiamento, na atração de investidores privados, na conclusão de obras no prazo e na garantia de planejamento adequado para o uso do legado. 17 Comitê Organizacional de Sochi, Declarações de Posicionamento. 18 Sochi 2014 Bid, PwC 7

11 Investimentos e vantagens competitivas Em termos de infraestrutura, o legado duradouro deixado por um megaevento representa a base social e econômica para o desenvolvimento de uma região. Trabalhadores, por exemplo, economizam tempo em seus deslocamentos, e a logística de transportes de produtos e suprimentos flui mais rapidamente, reduzindo custos. Nessa direção, em relatório de 2010, a PwC apontou que a infraestrutura está diretamente vinculada ao custo e à qualidade de vida da população de uma região e indica seu potencial de desenvolvimento futuro. No contexto de um megaevento, os comitês de seleção analisam os investimentos de forma cuidadosa e numa perspectiva pragmática. Querem ter certeza de que a cidade é capaz de acomodar atletas e espectadores durante os jogos (hospedagem e transporte) e promover o megaevento sem complicações. Enxergar além do evento se torna uma responsabilidade da cidade, região ou país-sede. Planejar o legado é um dos principais desafios para quem pretende sediar um megaevento devido à vantagem competitiva de longo prazo oferecida pelo investimento. A demanda global por infraestrutura continuará a crescer consideravelmente nas próximas décadas, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), impulsionada pelo desenvolvimento econômico mundial, por mudanças climáticas, pela urbanização e pelo aumento da concentração populacional. 19 Compromisso com o futuro O planejamento do legado certamente foi considerado nas Olimpíadas de Sydney, conforme demonstrado pela análise da Secretaria de Administração Financeira do Tesouro de Nova Gales do Sul. O estudo identificou o desenvolvimento de grandes instalações e infraestrutura como fator promotor de benefícios comerciais, muito antes da realização das Olimpíadas de Sydney, em Essa ação antecipada é fator importante na escolha do país-sede. Em sua avaliação pós-olimpíadas, a PwC informou que os setores público e privado de Sydney investiram aproximadamente US$ 2 bilhões em empreendimentos direcionados exclusivamente aos Jogos. Além disso, empreendimentos regionais construídos a tempo para as Olimpíadas, mas não especificamente relacionados ao evento, totalizaram mais US$ 2 bilhões. As obras incluíram a reforma do aeroporto de Sydney, a construção de novas vias expressas, além da modernização de diversas estações ferroviárias e do sistema de saneamento. Com custo aproximado de US$ 1,5 bilhão, a reforma do aeroporto de Sydney quase dobrou sua capacidade para passageiros internacionais, além de adicionar uma nova ligação ferroviária. A capacidade da operadora local de telecomunicações foi ampliada após o investimento de bilhões de dólares, permitindo mais de 500 mil ligações de celulares no Olympic Park durante a cerimônia de abertura (número recorde de ligações em um único evento). 21 Atualmente, Sydney é uma das cidades mais bem colocadas no ranking de cidades mundiais de 2010 publicado pela PwC. A cidade lidera nos quesitos comercial, político e de qualidade de vida, considerando critérios como habitação, áreas verdes, qualidade do ar, administração de trânsito e impacto ambiental Organization for Economic Cooperation and Development [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico], Policy Brief: Infrastructure to 2030 [Instruções de Política: Infraestrutura para 2030], janeiro de Tesouraria do Novo País de Gales: Secretaria de Administração Financeira, The Economic Impact of the Sydney Olympic Games [O Impacto Econômico dos Jogos Olímpicos de Sydney], novembro de PwC, Business and Economic Benefits of the Sydney 2000 Games: A Collation of Evidence [Benefícios Comerciais e Econômicos dos Jogos de 2000 em Sydney: Uma Comparação Crítica de Provas], PwC, Cities of Opportunity [Cidades de Oportunidades], Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

12 Custos menores e mais qualidade de vida O rápido desenvolvimento dos projetos de infraestrutura e transporte de Munique durante a preparação para as Olimpíadas de 1972 permitiu que a cidade antecipasse seu desenvolvimento urbano em uma década. 23 Em Atlanta, os dormitórios construídos para hospedar os atletas das Olimpíadas de 1996 abrigam hoje dez mil estudantes universitários. Simultaneamente, a conversão de espaços comerciais em espaços residenciais atraiu mais de cem mil novos residentes ao centro da cidade desde A chegada desses novos moradores representa a reversão de uma tendência populacional dos anos 70 e 80, quando aproximadamente cem mil habitantes deixaram o centro em direção ao subúrbio. 24, 25 Além disso, uma região de 85 mil metros quadrados nas margens do centro de Atlanta, que anteriormente abrigava um distrito industrial abandonado, hoje é uma das maiores áreas verdes urbanas nos Estados Unidos. 26 Uma nova percepção mundial As descobertas das pesquisas da PwC indicam que uma cidade ou região deve obter sucesso em quatro dimensões essenciais para capturar a atenção do mundo: serviços de qualidade para residentes e empresas, desenvolvimento sustentável, liderança visionária e imagem coerente. As cidades e regiões que já estão prontas para implementar transformações em tais dimensões são as mais aptas a utilizar um megaevento com o propósito de acelerar essas transformações, como é o caso de Barcelona durante as Olimpíadas de De forma semelhante, o sucesso de Alemanha e África do Sul durante a realização da Copa do Mundo de 2006 e 2010, respectivamente, também alterou a percepção mundial sobre esses países. A Alemanha alcançou seus objetivos, apresentando ao mundo um país dinâmico, receptivo e caloroso e assim revertendo a visão antiga que se tinha dos alemães. O evento na África do Sul foi um marco para o continente; até então percebido notadamente pela pobreza e por diferenças raciais e sociais. Esse é um dos fatores que explicam a competição acirrada entre concorrentes a megaeventos. Pequim, por exemplo, venceu dez cidades durante a escolha da sede das Olimpíadas de 2008 e, a partir de então, iniciou investimentos acelerados em infraestrutura. 23 Holger Preuss, The Economics of Staging the Olympics: A Comparison of the Games [A Economia de Sediar Olimpíadas: Uma Comparação dos Jogos ], Edward Elgar Publishing Limited, Câmara de Comércio de Atlanta, Atlanta s Olympic Legacy [ O Legado Olímpico de Atlanta ], finalolympiclegacy.pdf, acessado em 10 fevereiro de Dahshi Marshall, Do Olympic Host Cities Ever Win? A Renaissance for Atlanta [As Cidades Sede de Olimpíadas Têm Benefícios? Uma Renascença para Atlanta] The New York Times, 2 de outubro de Câmara de Comércio de Atlanta, Atlanta s Olympic Legacy [ O Legado Olímpico de Atlanta ], finalolympiclegacy.pdf, acessado em 10 fevereiro de PwC 9

13 Brasil: o maior desafio O Brasil muito provavelmente terá diante de si o maior desafio em termos de preparação para megaeventos. A Copa do Mundo e as Olimpíadas ocorrerão com diferença de dois anos, mas ainda há uma enorme defasagem em termos de serviços públicos e infraestrutura de base que precisa ser solucionada. As dimensões de nosso país requerem um planejamento integrado de todos os gestores públicos envolvidos. Os montantes requeridos, excluindo as maiores obras, tais como o trem-bala, são de longe os maiores já imaginados em qualquer megaevento esportivo. Em razão dos altos investimentos exigidos, a construção de novas arenas e as reformas significativas nas já existentes merecem atenção especial. Por se basearem em projetos de alta qualidade, esses equipamentos poderão se transformar em referência para o desenvolvimento do esporte, com impactos positivos também em termos de inclusão social. Entretanto, é necessário pensar na operação desses estádios a longo prazo, já que nem sempre sua exploração para a realização de eventos esportivos e culturais é suficiente para assegurar o retorno dos vultosos investimentos realizados. Os aeroportos são a segunda prioridade para a realização desses eventos no Brasil. As dimensões continentais do país, a descentralização dos jogos da Copa e a enorme carência dos terminais brasileiros configuram um desafio gigante para as três instâncias do governo, para a iniciativa privada e para as entidades organizadoras. Isso demanda um planejamento consistente, com base na análise profunda das necessidades de cada uma das instalações e na articulação entre todos os agentes do setor. Afinal, apresentar uma infraestrutura de transporte aéreo eficaz durante a Copa do Mundo é essencial para o país confirmar que seu crescimento econômico se traduz em desenvolvimento e que o talento dos brasileiros vai muito além dos campos esportivos. Isso requer ação assertiva e célere: um verdadeiro drible no tempo. As cidades-sede montaram estruturas de gestão para conduzir e monitorar todas as fases dos projetos relacionados direta e indiretamente ao evento. O estado da Bahia desponta como um exemplo a ser seguido. Tão logo Salvador foi anunciada como cidade-sede para os jogos, o governo do estado estruturou a Secretaria da Copa e elaborou um Plano Diretor com todas as diretrizes estratégicas, ferramentas de controle e ações necessárias para garantir o sucesso do evento no estado e na cidade de Salvador. Esse processo permitiu uma articulação de todas as esferas políticas e a mobilização positiva da sociedade. O trabalho bem coordenado cria meios para aproveitar os benefícios e ampliar o legado social do evento para a capital baiana. 10 Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

14 Demonstrando que um megaevento não se restringe aos grandes centros urbanos, Natal, capital do Rio Grande do Norte, apresentou um dos projetos de estádio mais atraentes, mesmo não dispondo de todos os recursos necessários, e foi uma das cidades brasileiras mais elogiadas pela missão da Fifa que percorreu as principais sedes do futuro evento. A diversidade cultural das cidades escolhidas, com suas festas, comidas e características típicas, será um espetáculo à parte durante os 30 dias do Mundial da Fifa. Principal cartão-postal brasileiro, o Rio de Janeiro enfrentará o maior desafio de todas as sedes: ao mesmo tempo em que receberá a Copa do Mundo de 2014, sendo palco da final dos jogos e sede para o centro de mídia, estará em plena execução dos preparativos exigidos para as Olimpíadas de Os dois megaeventos passarão, mas é preciso aproveitar para que eles deixem um legado duradouro, que proporcione o salto de qualidade de vida e prosperidade econômica que todos os brasileiros e amantes do esporte esperam. PwC 11

15 O Qatar, nação peninsular que está emergindo como centro cultural do Oriente Médio a partir de políticas nos campos da economia, da educação, da saúde e do esporte, também está pronto para a transformação. Qatar: uma visão ambiciosa Escolhido como sede para a Copa do Mundo de 2022, o Qatar espera investir aproximadamente US$ 70 bilhões em infraestrutura. O país se comprometeu a construir um novo aeroporto, um novo sistema ferroviário de alta velocidade, uma nova rede rodoviária e uma ponte de ligação com seu vizinho, Bahrain. Grande parte dessas construções no Qatar faz parte da visão de transformação de longo prazo para o país até A construção e a reforma de estádios, com base em instalações modulares, devem custar outros US$ 4 bilhões. Todos os estádios serão equipados com tecnologia de ponta, sistemas de ar-condicionado externo para amenizar as temperaturas de verão acima de 38 graus que são comuns no Oriente Médio. Para favorecer o planejamento do legado, autoridades do governo anunciaram que as arquibancadas de diversos estádios serão desmontadas e enviadas para países que não têm infraestrutura adequada para sediar jogos de futebol. As fileiras inferiores serão mantidas como instalações menores, para sediar eventos desportivos locais. 27, 28 Assim como em outros megaeventos de sucesso, será necessária a colaboração do setor privado para concretizar esse ambicioso empreendimento. PPPs: menos riscos As Olimpíadas de maior sucesso resultam da colaboração entre os setores público e privado, de acordo com Michael Payne, que trabalhou no Comitê Olímpico Internacional por 21 anos. 29 Os Jogos representam uma oportunidade não só para a cidade-sede, mas também para que os participantes privados divulguem suas marcas ou consolidem suas posições no palco mundial. As Olimpíadas de 1984, em Los Angeles, representam um notável exemplo de participação privada. Depois de sérios contratempos financeiros registrados décadas atrás como foi o caso dos Jogos de Montreal (1976), originalmente estimados em US$ 310 milhões, mas que alcançaram US$ 2 bilhões e levaram quase 30 anos para serem pagos muitas cidades preferem não concorrer a sede olímpica. Los Angeles, inclusive, foi a única cidade concorrente em Praticamente sem financiamento público, as Olimpíadas daquele ano dependeram de recursos privados. Primeiros Jogos a se pagarem totalmente, as Olimpíadas de Los Angeles produziram lucro de US$ 223 milhões para o seu comitê organizador Qatar 2022 Bid, 28 Matthew Futterman e Jonathan Clegg, World Cup Headed to Russia and Qatar [Copa do Mundo vai à Rússia e Qatar] The Wall Street Journal, 3 de dezembro de Michael Payne, Olympic Turnaround: How the Olympic Games Stepped Back from the Brink of Extinction to Become the World s Best Known Brand [Reviravolta Olímpica: Como as Olimpíadas Saíram do Risco de Extinção e se Tornaram a Marca Mais Conhecida no Mundo], Praeger, Michael Payne, A Gold-Medal Partnership, [ Uma Parceria Medalha de Ouro ] Estratégia+Negócios, primavera de Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

16 Projetos que superam expectativas O sucesso de Los Angeles foi replicado e aprimorado nos eventos seguintes. Parcerias privadas complementaram o know-how do setor público com financiamento, experiência e supervisão adicionais. Um bom exemplo é a Canada Line, linha regional de metrô de superfície com 19 km que conecta o centro de Vancouver, o Aeroporto Internacional de Vancouver e o centro de Richmond, na Colúmbia Britânica. Embora esse novo sistema de veículo leve sobre trilhos não esteja voltado especificamente para as Olimpíadas de Inverno de 2010, os Jogos serviram como catalisador para o projeto, concluído como PPP com diversos meses de antecedência. A obra fazia parte do planejamento de longo prazo da região desde o fim dos anos 60. Projetos inovadores de túneis e um plano de serviços para gerar maior receita, com base no aumento da utilização diária, resultaram na proposta de economia de custos de construção de US$ 85 milhões em valor presente líquido. A utilização superou os níveis esperados quase imediatamente após a inauguração da Canada Line, em agosto de ,32 De forma semelhante, o projeto de rodovia Sea to Sky Highway de Vancouver, também desenvolvido como PPP, foi concluído a tempo para as Olimpíadas de Inverno de Essa reforma, que também fazia parte do planejamento de longo prazo da região, muito provavelmente também retornará 100% dos investimentos, de acordo com Norm O Reilly, que trabalhou no Comitê Olímpico Canadense (COC), de 1998 a 2002, e em ações com o COC para as Olimpíadas de Inverno de 2010 em Vancouver. Professor de Administração Desportiva na Universidade de Ottawa, O Reilly explica que a modernização da estrada reduz o tempo de acesso a um dos mais famosos destinos de esqui da América do Norte, além de aumentar a segurança para os motoristas. Embora as Olimpíadas tenham acelerado o término da obra, O Reilly afirma que a construção em si foi simples e óbvia. 33 Na realidade, diversos níveis de PPPs foram desenvolvidos no decorrer de muitas décadas de colaborações para as Olimpíadas. Amplamente utilizadas em países como o Reino Unido e a Austrália, as PPPs agora oferecem oportunidades para Brasil, Rússia e Qatar atraírem participação do setor privado em infraestrutura. Os custos e benefícios associados a megaeventos representam oportunidades ideais de parcerias de investimento público-privado para atender a objetivos mais amplos de desenvolvimento urbano. Negócios estruturados para serem benéficos tanto para parceiros públicos como privados apresentam maiores chances de serem bemsucedidos, visto que cada parceiro se torna um investidor ativo. Dependendo do acordo ou do tipo de investimento em infraestrutura, parceiros privados podem se tornar investidores de longo prazo. Ao incentivarem maior participação do setor privado, as cidades podem obter o benefício duplo de melhorar o acesso ao capital e elevar a segurança orçamentária. Contratos bem estruturados podem alocar riscos relacionados a excedentes de custo, atraso e qualidade para o setor privado. 31 Simon Kent, Passing the Torch [Passando a Tocha], PM Network, dezembro de PwC, Public-Private Partnerships: The US Perspective [Parcerias Público-Privadas: A Perspectiva dos EUA], junho de Entrevista com Norm O Reilly, professor de administração desportiva da Universidade de Ottawa, 25 de setembro de PwC 13

17 Desenvolvimento com prosperidade O impacto de sediar grandes eventos esportivos varia de acordo com o nível de desenvolvimento da cidade e do país-sede, segundo Andrew Zimbalist, professor de Economia no Smith College, em Massachusetts (EUA), e autor de diversos livros sobre os aspectos econômicos do esporte. Zimbalist diz que, com um planejamento adequado, sediar um grande evento pode acelerar o desenvolvimento da infraestrutura, com maiores benefícios para áreas menos desenvolvidas do que para aquelas que já apresentam infraestruturas implantadas. 34 Na Europa e na Ásia, por exemplo, sediar eventos como as Olimpíadas, os Jogos da Commonwealth e a Copa do Mundo representa parte do processo de desenvolvimento local e regional de longo prazo. 35 Em última instância, moradores e empresas locais de cidades-sede de megaeventos se beneficiam a longo prazo quando os gestores e os líderes regionais criam e desenvolvem uma infraestrutura de apoio de acordo com o planejamento de longo prazo já estabelecido para a região. O megaevento serve como agente agregador para um desenvolvimento socioeconômico acelerado, o que inclui, algumas vezes, assegurar financiamentos difíceis. O legado olímpico é mais eficiente e evidente quando relacionado a desenvolvimentos e políticas urbanas mais amplas, diz Essex, professor adjunto da Universidade de Plymouth. 36 O relatório de 2010 do Fórum Econômico Mundial estabeleceu que a falta de investimentos em infraestrutura é um dos dez maiores riscos econômicos para o cenário mundial, visto que a infraestrutura é a base da prosperidade e da resiliência de uma região. 37 Paralelo Investimento em infraestrutura: o que é melhor? Algumas cidades-sede de megaeventos fizeram investimentos mais adequados em infraestrutura do que outras. Estas são algumas prioridades que ajudam a assegurar um legado duradouro: 1. A infraestrutura de apoio é mais eficiente quando relacionada ao plano de desenvolvimento de longo prazo da região. Barcelona já tinha um plano de desenvolvimento de 50 anos em vigor; o projeto de transporte de Vancouver, a Canada Line, já fazia parte do plano de longo prazo da região há décadas. 2. Projetos de reurbanização oferecem compensações a longo prazo. O Wentworth Point, antigamente conhecido como Homebush Bay, em Sydney, era uma área pantanosa de quase 8 km2 com instalações de empacotamento de carnes, algumas instalações industriais e um depósito de munição. As Olimpíadas de 2000 transformaram a região em um próspero bairro residencial Andrew Zimbalist, Is it Worth It? [Vale a Pena?] Finance & Development, março de Greg Clark, Local Development Benefits from Staging Global Events [Benefícios de Desenvolvimento Locais de Sediar Eventos Mundiais]. Organization for Economic Cooperation and Development [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico], Comunicação por com Stephen Essex, professor adjunto da Universidade de Plymouth, 10 de dezembro de Fórum Econômico Mundial, Global Risks 2020: A Global Risk Network Report [Riscos Globais: Um Relatório de Rede de Riscos Globais], janeiro de Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

18 3. Uma abordagem ampla é capaz de traduzir a visão em realidade: objetivos do projeto bem definidos, responsabilidade e controle transparente, supervisão estruturada do projeto, cronograma bem definido e extensiva comunicação e relatórios ajudam a garantir a conclusão bem-sucedida desses projetos de infraestrutura em grande escala. 4. O planejamento de legado para estádios, principalmente em locais grandes, é indispensável. O Qatar, por exemplo, planeja construir estádios modulares para a Copa de 2022, desmontá-los após o evento e enviá-los para nações em desenvolvimento. 5. As parcerias público-privadas oferecem opções adicionais de financiamento, conhecimento especializado e transferência de riscos, como no caso do sistema de transporte rápido Canada Line, em Vancouver. 6. O comprometimento do setor público com parcerias de longo prazo é essencial. No caso da expansão da M25, por exemplo, quando o financiamento privado se tornou uma incerteza, o Departamento de Transportes do Reino Unido investiu US$ 790 milhões para salvar o projeto. No fim das contas, fundos privados financiaram o projeto inteiro. Porém, o comprometimento do setor público foi fundamental para o sucesso. 39 Por fim... A preparação para os megaeventos não depende apenas de planejamento e disciplina na execução dos projetos. É necessário enxergar os benefícios qualitativos de longo prazo, mas também de curto prazo. Em vários eventos não se consegue fazer a tempo tudo o que foi planejado. Muitas vezes se faz o melhor possível considerando uma visão de longo prazo e a realidade e as restrições existentes. Além disso, nem tudo que é feito resulta em sucesso ou atinge as metas preestabelecidas. Nesse momento, entra em campo a vontade de fazer e de mostrar ao mundo algo de valor diferenciado. Portanto, que venham os jogos! 7. A colaboração entre diferentes níveis do governo federal, estadual e municipal é essencial para o investimento e o planejamento da infraestrutura para megaeventos. O Rio de Janeiro foi selecionado para sediar as Olimpíadas de 2016 somente após três esferas governamentais se comprometerem, coletivamente, a fornecer os recursos necessários. Após aprenderem com duas tentativas fracassadas, eles trabalharam juntos para cumprir com os requisitos de infraestrutura do Comitê Olímpico Internacional e serem selecionados. 38 PwC, Business and Economic Benefits of the Sydney 2000 Games: A Collation of Evidence [Benefícios Comerciais e Econômicos dos Jogos de 2000 em Sydney: Uma Comparação Crítica de Provas], PwC, Gridlines, junho de PwC 15

19 Referências bibliográficas 1. Andrew K. Rose and Mark M. Spiegel, The Olympic Effect. National Bureau of Economic Research, October Peter Kindel, Scott Watkins, and Andrew Hasdal, Land Use and Infrastructure Investments by Olympic Host Cities: Legacy Projects for Long-Term Economic Benefits, Topografis & Anderson Economic Group, LLC, October 1, communication with Stephen Essex, associate professor at the University of Plymouth, December 10, Greg Clark, Local Development Benefits from Staging Global Events, Organization for Economic Cooperation and Development, Michael Payne, A Gold-Medal Partnership, Strategy+Business, Spring Greg Clark, Local Development Benefits from Staging Global Events. Organization for Economic Cooperation and Development, Lee M. Sands, The 2008 Olympics Impact on China, The China Business Review, July-August Sunil Jagtiani, Track Record: Temporary Hurdle, Fund Strategy, September 1, William C. Kirby, Do Olympic Host Cities Ever Win? A Huge Improvement for Beijing. The New York Times, October 2, Partnership for New York City, Grounded: The High Cost of Air Traffic Congestion, February PwC, Cities of Opportunity, National Audit Offi ce (UK), Preparations for the London 2012 Olympic and Paralympic Games: Progress Report February 2010, February 26, Ibid. 14. PwC, Gridlines, June Interview with Mauricio Girardello, partner, PwC Brazil, May 26, Mimi Whitefi eld, For Next World Cup, Brazil Gets the Ball Rolling The Miami Herald, July 27, Do Brazil s Infrastructure Plans Have a Sporting Chance? Project Finance, December Sochi Organizing Committee, Position Statements, accessed April 1, Sochi 2014 Bid, 20. Department of Transport, Republic of South Africa, Transport Action Plan for 2010, PwC, Cities of Opportunity, Organization for Economic Cooperation and Development, Policy Brief: Infrastructure to 2030, January New South Wales Treasury: Offi ce of Financial Management, The Economic Impact of the Sydney Olympic Games, November Oportunidades de infraestrutura para megaeventos

20 24. PwC, Business and Economic Benefits of the Sydney 2000 Games: A Collation of Evidence, PwC, Cities of Opportunity, Holger Preuss, The Economics of Staging the Olympics: A Comparison of the Games , Edward Elgar Publishing Limited, Metro Atlanta Chamber of Commerce, Atlanta s Olympic Legacy, metroatlantachamber.com/files/file/communications/oly/finalolympiclegacy.pdf, accessed February 10, Dahshi Marshall, Do Olympic Host Cities Ever Win? A Renaissance for Atlanta, The New York Times, October, 2, Metro Atlanta Chamber of Commerce, Atlanta s Olympic Legacy, metroatlantachamber.com/files/file/communications/oly/finalolympiclegacy.pdf, accessed February 10, Organization for Economic Cooperation and Development, Policy Brief: Infrastructure to 2030, January Paul Kelso, Hourglass Starts Running for Qatar to Vindicate FIFA s 2022 Gamble, The Daily Telegraph, January 10, Qatar 2022 Bid, 33. Matthew Futterman and Jonathan Clegg, World Cup Headed to Russia and Qatar, The Wall Street Journal, December 3, Michael Payne, Olympic Turnaround: How the Olympic Games Stepped Back from the Brink of Extinction to Become the World s Best Known Brand, Praeger, Michael Payne, A Gold-Medal Partnership, Strategy+Business, Spring Simon Kent, Passing the Torch, PM Network, December PwC, Public-Private Partnerships: The US Perspective, June Interview with Norm O Reilly, professor of sport management at the University of Ottawa, September 25, Andrew Zimbalist, Is it Worth It? Finance & Development, March Greg Clark, Local Development Benefi ts from Staging Global Events. Organization for Economic Cooperation and Development, communication with Stephen Essex, associate professor at the University of Plymouth, December 10, PwC, Cities of Opportunity, World Economic Forum, Global Risks 2020: A Global Risk Network Report, January Infrastructure investment: What works best? a PwC, Business and Economic Benefi ts of the Sydney 2000 Games: A Collation of Evidence, b PwC, Gridlines, June PwC 17

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do regime internacional sobre mudanças climáticas Brasília,

Leia mais

Mega Eventos Esportivos. Credenciais globais

Mega Eventos Esportivos. Credenciais globais GLOBAL INFRASTRUCTURE Mega Eventos Esportivos Credenciais globais KPMG INTERNATIONAL Onde quer que estejam, as cidades e os países que sediam os principais eventos esportivos internacionais assumem compromissos

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

As lições de Vancouver

As lições de Vancouver As lições de Vancouver O sucesso das Olimpíadas de Inverno realizadas na cidade canadense ensina diversas lições sobre como organizar eventos desse porte Com a proximidade das duas grandes competições

Leia mais

COPA DO MUNDO BRASIL 2014

COPA DO MUNDO BRASIL 2014 SERGS DEBATES 2008 Wesley Cardia COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Porque Investir Nessa Idéia? INTRODUÇÃO Sport has a huge influentce in our lives. After work, it is the largest form of mass civil participation,

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil

Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil Shutterstock/ stockphoto mania Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil 28 As melhores do mundo Jurados independentes

Leia mais

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL MEGAEVENTOS CHEGANDO. COPA DO MUNDO FIFA EM 2014... OLIMPÍADAS EM 2016... Qual o legado real desses megaeventos para nosso país? Qual o custo (financeiro

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 David Barioni Neto Mar/10 a Jun/11: Presidente Executivo (CEO) da Facility Group S.A. Nov/07 a Out/09: Presidente Executivo (CEO) da TAM Linhas Aéreas

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014

Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 10Minutos Gestão de pessoas HR Analytics Uma nova forma de pensar a gestão de capital humano Fevereiro 2014 Destaques Menos de 30% dos CEOs recebem relatórios completos e confiáveis sobre sua força de

Leia mais

XII CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADE TURÍSTICA A IMPORTÂNCIA DOS GRANDES EVENTOS PARA O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA LOCAL

XII CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADE TURÍSTICA A IMPORTÂNCIA DOS GRANDES EVENTOS PARA O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA LOCAL XII CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADE TURÍSTICA A IMPORTÂNCIA DOS GRANDES EVENTOS PARA O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA LOCAL Caio Luiz de Carvalho Turismo e Eventos: impacto econômico e social

Leia mais

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço?

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Nota dos editores Stanley Engerman 1 Esta semana temos o privilégio de publicar um artigo do Historiador e Economista Stanley Engerman, da Universidade

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

sobre as transações no setor de saúde

sobre as transações no setor de saúde 10 Minutos sobre as transações no setor de saúde Valor global de fusões e aquisições cresce e reverte tendência Destaques O valor total das transações no setor de saúde aumentou 4% em relação à segunda

Leia mais

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio:

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio: Press release Data: 11 de Junho de 2014 Contato: Marta Telles Tel: (11) 3526-4508 marta.telles@imagemcorporativa.com.br Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com Brasil tem vantagem na

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10 Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014 Salvador 04/11/10 É a vez do Brasil! Linha do Tempo Eventos Esportivos Copa das Confederações 2013 Copa do Mundo FIFA 2014 Olimpíadas e Paraolimpíadas

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Brasil, bola da vez Negócios e investimentos a caminho dos megaeventos esportivos

Brasil, bola da vez Negócios e investimentos a caminho dos megaeventos esportivos Brasil, bola da vez Negócios e investimentos a caminho dos megaeventos esportivos 2010 2 A pesquisa Brasil, bola da vez retrata o papel estratégico do profissional de RI como agente catalisador das oportunidades

Leia mais

De olho no futuro. 10Minutos Energia

De olho no futuro. 10Minutos Energia 10Minutos Energia Como ganhar impulso no processo de transformação energética De olho no futuro Julho de 2015 Destaques Megatendências e disrupções estão tendo impactos profundos nas estratégias e no papel

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasil Oportunidades de Investimento Batimat 2011 Miriam Belchior Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM MOMENTO EXITOSO Quatro movimentos estruturais explicam

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Energia em transformação

Energia em transformação 10Minutos Energia e serviços de utilidade pública 13ª Pesquisa Global de Energia e Serviços Públicos da PwC Energia em transformação Março 2014 Destaques A perspectiva de transformação do modelo de negócios

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Grandes Eventos. A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial

Grandes Eventos. A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial Grandes Eventos A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial Desenvolvimento das cidades Pólos de crescimento e desenvolvimento de uma nação; Diferentes papéis: econômico e social; Elevado

Leia mais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Philippe H. BOVY Professor Honorário / Instituto Federal Suíço de Tecnologia Lausanne / Suíça

Leia mais

Organizando o "maior espetáculo da Terra" Estudo de caso. AXELOS.com

Organizando o maior espetáculo da Terra Estudo de caso. AXELOS.com Organizando o "maior espetáculo da Terra" AXELOS.com. Direitos autorais sobre a organização e design tipográfico pertencem à The Stationery Office Limited Estudo de caso Novembro de 2011 Índice Introdução

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

2014 World Cup FIFA Brazil

2014 World Cup FIFA Brazil Copa do Mundo da FIFA 2014 Brasil 2014 World Cup FIFA Brazil JORNADAS TÉCNICAS BRASIL AS INFRAESTRUTURAS NAS CIDADES SEDE DA COPA DE FUTEBOL Evoluçãosócio-econômicado Brasil Entre as dez maiores economias

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Gustavo Guerrante 30 de novembro de 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal BRA-MEB001-091126-1 Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal Brasília, 26 novembro de 2009 BRA-MEB001-091126-2 Conteúdo do documento O que é a Copa do Mundo Atuação

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012

TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012 TELEFONIA MÓVEL AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT E CMA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 8 DE AGOSTO DE 2012 Telefonia móvel jun/2012 256 milhões 1998 7,4 milhões 1 ativação por segundo em 2012 Fonte: Telebrasil

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015

Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015 10Minutos Desafios de Negócios As grandes transformações que estão revolucionando o cenário global de negócios e a própria sociedade Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015 Destaque Nos

Leia mais

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012

O legado e os megaeventos. Erich Beting 24/10/2012 O legado e os megaeventos Erich Beting 24/10/2012 O que é legado? Pelo dicionário, a definição mais exata que se pode ter, quando aplicado a um megaevento esportivo, é a seguinte: Legado: o que é transmitido

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil: futebol, esportes e negócios. A partir dos anos 90 os Megaeventos se tornam um grande negócio internacional:

Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil: futebol, esportes e negócios. A partir dos anos 90 os Megaeventos se tornam um grande negócio internacional: Seminário Nacional Metropolização e Megaeventos: os impactos da Copa do Mundo e das Olimpíadas nas Metrópoles Brasileiras COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS NO BRASIL: FUTEBOL, ESPORTES E NEGÓCIOS Paulo Roberto

Leia mais

O desempenho de 27 cidades no centro da economia mundial

O desempenho de 27 cidades no centro da economia mundial 10Minutos Setor público Cidades de Oportunidade O desempenho de 27 cidades no centro da economia mundial Janeiro 2013 Destaques Londres sobe acentuadamente na lista deste ano, mas Nova York se mantém firme

Leia mais

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Aluno Primeira Etapa Compartilhar Ideias. 9º Ano 4º Bimestre

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Aluno Primeira Etapa Compartilhar Ideias. 9º Ano 4º Bimestre Reforço escolar M ate mática Quem será o campeão? Dinâmica 2 9º Ano 4º Bimestre DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9º Tratamento da Informação. Análise de gráficos e tabelas. Aluno

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Infraestrutura inteligente

Infraestrutura inteligente Produtos e Soluções Infraestrutura inteligente www.relatorioanual2014.com.br/infraestruturainteligente A concentração de pessoas nas grandes cidades é uma tendência das últimas décadas, que deve permanecer

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL

ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL Por Cláudio Fristchak e André Soares QUEM É O BANCO DO BRASIL O Banco do Brasil foi o primeiro banco a operar no Brasil e,

Leia mais

Inovação revolucionária

Inovação revolucionária 10Minutos Pesquisa Estratégia de crescimento Inovação revolucionária Destaques Quase metade dos entrevistados (43%) vê a inovação como uma necessidade competitiva para a sua organização. Em um horizonte

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010 ANÁLISE GUARULHOS Edição bimestral nº 02 2010 Guarulhos tem se firmado na última década como um dos principais municípios do Brasil devido ao seu alto grau de dinamismo econômico e social, aliado à sua

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades Econômicas

Perspectivas e Oportunidades Econômicas Seminário Internacional de Megaeventos Esportivos: Impactos e legados Perspectivas e Oportunidades Econômicas Bruno de Oliveira Cruz IPEA, Brasil Porto Alegre, 04 de novembro de 2011 Roteiro Apresentação

Leia mais

O desafio da governança

O desafio da governança 10Minutos Empresas Familiares Pesquisa Global sobre Empresas Familiares 2014 O desafio da governança Destaques As empresas familiares tornaram-se muito mais pragmáticas desde a última pesquisa, em 2012:

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 O setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 8% no número de passageiros

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC de Serviços em Agribusiness Outubro de 2013 Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura de relacionamento entre usina

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

Escolhendo a melhor opção para sua empresa

Escolhendo a melhor opção para sua empresa www.pwc.com.br Escolhendo a melhor opção para sua empresa Auditoria Interna Auditoria Interna - Co-sourcing atende/supera as expectativas da alta administração? A função de Auditoria Interna compreende

Leia mais

Mega Eventos no Brasil Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 Olímpiadas 2016 Estamos prontos?

Mega Eventos no Brasil Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 Olímpiadas 2016 Estamos prontos? Mega Eventos no Brasil Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 Olímpiadas 2016 Estamos prontos? By Ives Pereira Müller Partner / Deloitte 21 de Outubro de 2010 Copa do Mundo da FIFA Trata-se do maior e mais

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Professor. 9º Ano 4º Bimestre. DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO DINÂMICA. Tratamento da Informação.

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Professor. 9º Ano 4º Bimestre. DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO DINÂMICA. Tratamento da Informação. Reforço escolar M ate mática Quem será o campeão? Dinâmica 2 9º Ano 4º Bimestre DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Professor Matemática Ensino Fundamental 9º DINÂMICA Quem será o campeão? Tratamento da Informação.

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS AGENDA 1. PERFIL OPERACIONAL DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL 2. PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS NO BNB Principais Atividades

Leia mais