O LÍDER EMPREENDEDOR INTERNO COMO TRANSFORMADOR DA ORGANIZAÇÃO E GERENCIADOR DE CONFLITOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O LÍDER EMPREENDEDOR INTERNO COMO TRANSFORMADOR DA ORGANIZAÇÃO E GERENCIADOR DE CONFLITOS."

Transcrição

1 1 O LÍDER EMPREENDEDOR INTERNO COMO TRANSFORMADOR DA ORGANIZAÇÃO E GERENCIADOR DE CONFLITOS. 1 ALESSANDRE DA SILVA 2 ANA CRISTINA RODRIGUES DE VASCONCELLOS RESUMO Este trabalho tem a intenção de apresentar a importância do líder dentro de uma organização, melhor ainda se esse mesmo líder for um líder empreendedor. Líder este capaz de ter ousadia, de ser capaz de estimular a curiosidade em todos aqueles que fazem parte de sua equipe. Empreendedor este capaz de transformar as boas ideias em realidade. O líder empreendedor é aquele que usa de influência para estimular como também é aquele que sabe realizar (transformar) o abstrato em realidade. PALAVRAS-CHAVE: Liderança; Empreendedorismo; Conflitos. ABSTRACT This paper intends to present to the great importance of a leader within an organization, particularly if that same leader is an entrepreneurial leader. Leader able to have this boldness, to be able to stimulate curiosity in all who are part of your team. This entrepreneus can turn good ideas into reality. The entrepreneurial leader is one who uses influence to stimulate as well as make is one who knows (turn) the abstract into reality. KEYWORDS: Leadership; Entrepreneurship, Conflict. 1 Alessandre da Silva Graduação em GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS pelo Centro Universitário Moura Lacerda, Graduação no Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS pela UNIESP - Associação Faculdade de Ribeirão Preto, Especialização MBA em GESTÃO DE PESSOAS pela Anhanguera Educacional, Especialização MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS pela Anhanguera Educacional, Docente e coordenador do Curso de Ciências Contábeis, UNIESP Ribeirão Preto - 2 Ana Cristina Vasconcellos - Graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Castelo Branco (1999), MESTRADO em Educação pelo Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Educação e Teologia, ESPECIALIZAÇÃO em Informática na Educação,pela ULBRA -Universidade Luterana do Brasil, Graduação em PSICOLOGIA pelo Instituto Porto Alegre da Igreja Metodista. Docente da UNIESP Ribeirão Preto.

2 2 INTRODUÇÃO O mercado de trabalho está se tornando algo cada vez mais competitivo, pois quem tem diferencial está na liderança, enquanto aquele que se acomoda tende a ruir com o peso do fracasso. Eis a importância do líder e do empreendedor, uma vez que essas figuras se confundem por demais, pois, normalmente andam juntas. Sabe-se que existe uma série de distinções entre liderança e empreendedorismo, do mesmo modo se sabe que ambas as qualidades não se opõem, pelo contrário, ambas se completam, a coerência é tê-las e cultivá-las em um único conjunto. Cabe ao líder transformar tal atmosfera, cabe ao empreendedor realizar o feito para que a organização não entre em estado de degradação, a tarefa é árdua, eis que a motivação nunca deve faltar, o estímulo deve estar presente, a transparência e a imparcialidade são instrumentos que geram a sinergia. No entanto a maior virtude do líder é a moderação, já do outro lado a maior virtude do empreendedor é a coragem. Segundo Chiavenato (2004, p. 446), A liderança é, de certa forma, um tipo de poder pessoal. Através da liderança uma pessoa influencia outras pessoas em função dos relacionamentos existentes. Por outro lado Stoner (1999, p. 344), Liderança é o processo de dirigir e influenciar as atividades relacionadas às tarefas dos membros de um grupo. Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir objetivos identificados como sendo para o bem comum (HUNTER, 2004 p. 25). Percebe-se que apesar de existir conceitos diferentes sobre liderança, todos remetem como o poder de influenciar pessoas, sendo como uma característica pessoal e que pode ser transformada naqueles que se identificam como líder. Da mesma maneira pode-se dizer sobre o ato de ser empreendedor que segundo Dornelas (2005, p. 39) Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos que, em conjunto levam à transformação de ideias em oportunidade. Dornelas (2005) também aponta o empreendedor como àquele que faz as coisas acontecerem, antecipa-se aos fatos e tem uma visão futura da organização, sendo aquele que não espera algo acontecer e sim faz algo acontecer.

3 3 Enquanto Dolabela (1999) define empreendedorismo como sendo uma ciência onde são estudados os aspectos referentes ao empreendedor, seu perfil, suas origens, seu sistema de atividades, seu universo de atuação. Para Chiavenato (2004) empreendedor é a energia da economia, não sendo apenas o fundador de novas empresas ou construtor de novos negócios, e sim aquele que alavanca recursos, que impulsiona talentos, o que fareja as oportunidades vindouras. Este trabalho está voltado para profissionais interessados no aprimoramento, nas organizações, do compromisso corporativo, visando harmonizar o sentido de ser líder com o sentido de ser empreendedor. Essas funções fundidas possam permitir que tal profissional seja um facilitador de processos dentro dessa organização, transformando ações negativas em positivas, acolhendo as mais diferentes ideias transformando-as em resultados satisfatórios para seus envolvidos. É o líder como ferramenta de transição entre grupos, transformando conflitos em soluções. Conhecer os liderados consiste em não haver injustiças, pessoas erram, máquinas quebram, líder que não conhece seus liderados não é capaz de lidar com os conflitos existentes, pois dentro de um determinado grupo existe outro grupo que é formado por demais grupos. A problematização dá-se aqueles que não sabem cativar, que não sabem conquistar e argumentar. Sendo aqueles que acreditam que a imposição ainda é a forma de demonstrar superioridade, estudos e relatos apontam que para haver cumplicidade é necessário haver conquista, o real aliado é aquele que está sempre disponível e disposto a compartilhar toda e qualquer decisão em que ele estará envolvido, sem questionar, apenas pelo fato de confiar em seu líder. Tem-se como objetivo relacionar a liderança e o empreendedorismo dentro de uma organização, tendo como especificações: Identificar, conceituar e discutir o que é ser líder. Conceituar e discutir o que é ser empreendedor. A fusão da liderança com o empreendedorismo.

4 4 1. REVISÃO DE LITERATURA 1.1 LIDERANÇA Para o tipo de problematização citada neste trabalho, o tipo de liderança a ser explanado é embasado pela Teoria Neocarismática, ou seja, aquela que possui três temas contemplados (Robbins 2002): Enfatizam os comportamentos simbólicos e emocionalmente apelativos dos líderes; Tentam explicar como alguns líderes são capazes de conseguir níveis extraordinários de comprometimento por parte de seus liderados; Esvaziam a complexidade teórica e procura ver a liderança de maneira mais próxima àquela de uma pessoa comum. Dentro desta teoria tem-se a Liderança Carismática que diz que: os seguidores destes líderes atribuem a ele capacidades heroicas ou extraordinárias de liderança quando observam determinados comportamentos. As pessoas que trabalham para líderes carismáticos são envolvidas e motivadas a realizar esforços extras no trabalho. Como gostam de seu líder e o respeitam, expressam maior satisfação. A Liderança Transformacional que representa os líderes além de líderes carismáticos como aquele que também oferece consideração individualizada, aquele que fornece incentivo intelectual aos seus liderados. Líderes esses que têm o forte interesse no desenvolvimento de seus liderados e na transformação de seus valores. A terceira teoria neocarismática é a Liderança Visionária, tem a capacidade de criar e articular uma visão de futuro realista, atrativa e acreditável para a organização ou unidade organizacional. Tem como ponto de partida a situação presente e visa à sua melhoria. O líder visionário possui habilidades para transmitir a visão aos demais, tanto em palavras quanto em comportamentos. French e Raven (1995) coloca que não se pode falar em liderança sem citar a relação com o poder, pois o poder é utilizado pelo líder como um meio de atingir metas e realizações, mas o líder que apenas faz uso do poder tende a ter seus liderados como pessoas desmotivadas, pois até mesmo antes de saber fazer uso do

5 5 poder o líder tem que saber fazer uso da conquista, respeito e medo caminham entrelaçados, mas não tem o mesmo significado dentro e fora de uma organização. Conquistar a simpatia de seus liderados, apontar qual a direção ser tomada, cativar, mostrar-se como uma pessoa igual a eles, mostrando que o líder não é uma pessoa que vive para repreender seus liderados, mas sim para dar ensinamentos, mostrando que liderados podem se tornar líderes, com o desenvolvimento de aptidões. Lacombe (2005), afirma que as características que a liderança defende é a vontade coletiva; do contrário os lideres não são capazes de mobilizar os liderados à ação. A variedade dos tipos de liderança torna difícil estabelecer com precisão o que faz um líder. Enquanto Chiavenato (1994) cita que as características de liderança podem ser eminentemente sociais. Existem pessoas capazes de se comunicar e que estão dispostas a contribuir com a ação conjunta a fim de alcançar um objetivo comum. A disposição de contribuir com a ação significa, sobretudo, esforço em sacrificar o controle da própria conduta em benefício da cooperação. Segundo Bateman e Snell (1998), os poderes que um líder exerce sobre seus liderados são divididos em 5 tópicos, tópicos esses que apontam o perfil do líder, perfil esse que muitas vezes tendem a sofrer mudanças de acordo com a situação em questão: Poder legítimo: o líder com o poder legítimo tem o direito, ou a autoridade, de dizer aos subordinados o que fazer; os subordinados são obrigados a obedecer às ordens legítimas; Poder sobre recompensas: o líder que tem poder sobre recompensas influência os outros porque controla recompensa valorizada; as pessoas obedecem aos desejos do líder para receber essas recompensas; Poder de coerção: o líder tem o poder de coerção e o controle sobre as punições; as pessoas obedecem para evitar essas punições; Poder de referência: o líder com poder de referência tem características pessoais que atraem os outros: as pessoas obedecem devido à admiração, ao desejo de aprovação, à estima pessoal, ou à vontade de ser apreciadas pelo líder;

6 6 Poder de competência: o líder com poder de competência possui certas habilidades ou conhecimentos: as pessoas obedecem porque acreditam nessas habilidades e podem aprender ou obter vantagens dela Liderança e Habilidades Segundo Soto (2002), uma liderança bem-sucedida depende de comportamentos, habilidades e ações apropriadas e não de características pessoais. Apontando três tipos de habilidades que os líderes utilizam: as técnicas, as humanas e as conceituais. A habilidade técnica se refere ao conhecimento e a capacidade de uma pessoa em qualquer tipo de processo ou técnica. A habilidade humana é a capacidade de trabalhar de maneira eficaz com as pessoas para obter resultados no trabalho em equipe. A habilidade conceitual é a capacidade para pensar em termos de modelos, marcos diferenciadores e relações amplas. Ajudar as pessoas a enfrentar a nova realidade e mobilizá-las para a mudança O novo líder e sua liderança Alguém com coragem para enfrentar a nova realidade dos negócios, com a humildade para admitir que não detém todas as respostas e com a energia para liderar a mudança afirmação de William C. Taylor. Para Bennis (2002), o papel-chave desempenhado pela liderança em toda atividade humana não é limitado tão somente às grandes organizações, que apresentam uma estrutura complexa. A família é o primeiro componente ou unidade de organização no qual é possível detectar alguns dos principais traços que estão em jogo nas grandes estruturas, tais como hierarquia, sistema e formas de distribuição. Partindo deste ponto de vista apoia-se inclusive na crença de que muitas das atitudes e posições diante da liderança têm origem precoce, no ambiente familiar. Usando da análise dessas manifestações também evidencia a importância da

7 7 autoridade e do poder na organização e a capacidade que algumas pessoas têm de mobilizar outros indivíduos e convertê-los em seguidores dispostos. Ainda segundo Bennis (2002) pode-se visualizar o campo de interação das ideias como uma das frentes nas quais se ganha a batalha do conhecimento e da liderança e acredita que o núcleo da liderança se afirma na capacidade de liderar o poder cerebral de cada pessoa que faz parte de uma equipe. O líder deve ter coragem para enfrentar a realidade, e ajudar os que o rodeiam a enfrentá-la, ou seja, que lidere corajosamente com três realidades de uma só vez. Sendo em primeiro lugar, caso existam diferenças entre valores que seja defendida e a forma como realmente se age. Em segundo lugar, se houver diferenças entre competências e os talentos da empresa e as exigências de mercado e por último, no caso de existirem diferenças entre oportunidades do futuro e a capacidade para capitalizá-las Práticas de liderança Winston Churchill: Sucesso é a capacidade de avançar, de falhanço em falhanço, sempre com o mesmo entusiasmo. O que as pessoas fazem, exercendo suas funções, para obter resultados, tais como, um líder pode orientar a visão e o direcionamento. Nas competências definidas como práticas, nove aparecem como as mais comuns e outras nove são citadas como frequência suficiente para merecer atenção especial. As porcentagens na Tabela 1 refletem o número de modelos de competências de liderança em que a prática está em questão é relevante lembrar que 8% dos modelos da base de dados foram definidos completamente como atributos e que 65% dos modelos era uma mistura de atributos e práticas. Sendo assim, não é de surpreender que a prática de liderança mais citada desenvolver pessoas tenha sido encontrada em apenas pouco mais da metade de modelos da base de dados. Líderes não respondem por si próprios, líderes fornecem a direção a ser seguida, colocam as questões bem estruturadas, em vez de oferecer respostas definitivas, é importante articular uma visão estratégica que proporcione uma clara

8 8 direção para o futuro, visão realista, convincente e comunicada de modo a inspirar nos colaboradores, mobilizar os colaboradores para resolverem desafios complexos. TABELA 1 - Práticas mais citadas Práticas Principais Perc. Outras práticas importantes Perc. Desenvolver pessoas 64% Cooperar/participar de equipes 36% Obter resultados 55% Criar equipes 36% Concentrar-se no cliente 52% Desenvolver soluções criativas 34% Comunicar-se 52% Criar um ambiente de alto desempenho 32% Orientar a visão e a direção 46% Impulsionar mudanças 32% Criar laços de relacionamento comercial 43% Ser um modelo em sua função 29% Tomar decisões 41% Gerenciar a diversidade/valorizar o outro 29% Gerenciar o desempenho 39% Desenvolver estratégias 25% Influenciar a organização 38% Assumir responsabilidades pelas coisas 23% Fonte: Cambria Consulting (2002 p.15) Atributos de liderança Na determinação das competências definidas como atributos que apareceram com maior frequência, os modelos de liderança foram codificados na base de dados de suas formas. Em primeiro lugar, as competências já definidas como atributos foram codificadas em 30 categorias de atributos. Em seguida, as competências definidas como práticas foram desmembradas em atributos, a partir das definições e dos indicadores de comportamento fornecidos pelas organizações que apresentaram os dados e depois foram codificadas segundo as 30 categorias de atributos. Os resultados estão baseados na porcentagem dos modelos de liderança nos quais o atributo apareceu pelo menos uma vez, sem ponderar a importância dos atributos que apareceram mais de uma vez em cada modelo. Dessa forma, dez atributos podem ser considerados universais, sendo encontrados em 60% dos modelos ou mais, e outros dez foram encontrados em 40% a 60% dos modelos, conforme mostra a Tabela 2. Pode-se concluir que nem todos os atributos de liderança possíveis são necessários para um desempenho eficaz de determinado papel de liderança. Muitos dos atributos citados com grande frequência estão enraizados na personalidade, nas

9 9 características pessoais ou capacidades individuais, não sendo aspectos de fácil desenvolvimento. TABELA 2 - Atributos mais citadas Principais Atributos Perc. Outros atributos importantes Perc. Integridade/sinceridade/ética 77% Iniciativa/orientação para a ação 58% Capacidade de realização 76% Capacidade de comunicação 52% Habilidades de lidar com pessoas 73% Energia/entusiasmo 50% Orientação para o aprendizado 73% Habilidade política 50% Capacidade de direcionar e controlar 66% Cooperação 48% Capacidade de influenciar pessoas 64% Raciocínio analítico 48% Raciocínio estratégico 64% Responsabilidade/comprometimento 48% Compreensão de conceitos 63% Capacidade de julgamento 44% Flexibilidade/adaptabilidade 61% Capacidade de tomar decisões 44% Autoconfiança/coragem 60% Conhecimento do negócio 40% Fonte: Cambria Consulting (2002 p.16) 1.2 EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo é um comportamento e não um traço da personalidade por Peter Drucker. Empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões. É uma pessoa totalmente orientada para a ação, não é simplesmente uma pessoa que tem boas ideias, mas é aquele que faz acontecer, é altamente motivado e assume riscos calculados para atingir os seus objetivos. Ser empreendedor é se fazer e se refazer no dia a dia. Chiavenato e Sapiro (2004) apontam a pessoa empreendedora como aquela que consegue fazer as coisas acontecer, pois é dotado de forte sensibilidade e tato para os negócios, tendo capacidade de identificar oportunidades que passam despercebidas perante outrem. Transformando ideias em realidade, para benefício próprio e para o benefício da organização ou da comunidade. Dolabella (1999) aponta uma definição ampla e detalhada fornecida sobre a pessoa que é empreendedora, sendo: O indivíduo que cria uma empresa, qualquer que seja ela;

10 10 Pessoa que compra uma empresa e introduz inovações, assumindo riscos, seja na forma de administrar, vender, fabricar, distribuir, seja na forma de fazer propaganda dos seus produtos ou serviços, agregando novos valores; Empregado que introduz inovação em uma organização, provocando o surgimento de valores adicionais. Segundo Falcão (2008), há pelo menos quatro motivos ou características para o empreendedorismo: Empreendedorismo por necessidade; Empreendedorismo por vocação; Empreendedorismo inercial; Empreendedorismo pelo conhecimento. Maximiano (2009), inovação, riscos e criatividade são características associadas ao empreendedor, pessoa que está disposta a aplicar seus recursos em um novo negócio, sem ter garantias de sucesso ou retorno, é investir naquilo que acredita dar certo, é não confiar tão somente no certo no que se é palpável hoje, mas fazer a sua crença ser fruto de conquistas, não querendo apenas para si, mas também proporcionar melhorias para outrem. 1.3 O LÍDER E O EMPREENDEDOR Segundo Ferruccio (2009), a pessoa que é um líder empreendedor assume riscos calculados, tem simpatia por trabalhar com pessoas e está sempre acompanhando as mudanças tecnológicas que aparecem rapidamente de forma quase inesperada, assim como desenvolve sua competência técnica para formular conhecimentos necessários e imprescindíveis que suportem as decisões estratégicas que ele terá que tomar diariamente podendo-se dizer que reciclagem pessoal é o lema deste líder, vivenciando o hoje, mas se preocupando com o amanhã. Ainda de acordo com Ferruccio (2009) o líder empreendedor possui uma visão mais crítica e reivindicativa perante as atitudes e ações que deve desempenhar, devendo ajudar cada membro da equipe a ajustar o seu comportamento para o alcance das metas e a encontrar a sua satisfação pessoal nesta trajetória.

11 11 A liderança empreendedora deve ser levada em consideração para a eficácia das organizações, uma vez que pode ser um fator que influencia na motivação e no comportamento do grupo de trabalho, pessoas ajustadas ao sistema, metas sendo explícitas, trabalho em união sem distinção, sentido de satisfação onde todos são apenas um, para atingir a meta desejada para o benefício de todos. Dornelas (2007) cita que pesquisas feitas com empresários de sucesso identificaram qualidades especiais comuns a todos eles e que foram responsáveis por garantir o seu lugar no mercado. Dentre uma destas qualidades, está a importância que os empresários dão ao empreendedorismo e a liderança, o utilizando não apenas como um empreendimento mais assumindo responsabilidades do negócio e seus desafios. Seguindo pesquisas realizadas por Dornelas apontando o perfil necessário para ser destaque no mercado: Assumir riscos é uma das maiores qualidades do verdadeiro empreendedor. Arriscar conscientemente é ter coragem de enfrentar desafios, de tentar um novo empreendimento, de buscar, por si só, os melhores caminhos. É ter autodeterminação. Os riscos fazem parte de qualquer atividade e é preciso aprender a lidar com eles. Liderando e tomando a iniciativa motivando a equipe e todos envolvidos no empreendimento; Identificar oportunidades é ficar atento e perceber, no momento certo, as oportunidades que o mercado oferece e reunir as condições propícias para a realização de um bom negócio é outra marca importante do empresário bemsucedido. Ele é um indivíduo curioso e atento a informações, pois sabe que suas chances melhoram quando seu conhecimento aumenta; Conhecimento, organização e independência, quanto maior o domínio de um empresário sobre um ramo de negócio, maior será sua chance de êxito. Esse conhecimento pode vir da experiência prática, de informações obtidas em publicações especializadas, em centros de ensino, ou mesmo de "dicas" de pessoas que montaram empreendimentos semelhantes; Possuir senso de organização, ou seja, ter capacidade de utilizar recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos de forma racional. É bom não esquecer que, na maioria das vezes, a desorganização principalmente no início do empreendimento compromete seu funcionamento e seu desempenho;

12 12 Determinar seus próprios passos, abrir seus próprios caminhos, ser seu próprio patrão, enfim, buscar a independência é meta importante na busca do sucesso. O empreendedor deve ser livre, evitando protecionismos que, mais tarde, possam se transformar em obstáculos aos negócios. Só assim surge a força necessária para fazer valer seus direitos de cidadão-empresário; Tomar decisões, o sucesso de um empreendimento, muitas vezes, está relacionado com a capacidade de decidir corretamente. Tomar decisões acertadas é um processo que exige o levantamento de informações, análise fria da situação, avaliação das alternativas e a escolha da solução mais adequada. O verdadeiro empreendedor é capaz de tomar decisões corretas, na hora certa; Liderança, dinamismo e otimismo, liderar é saber definir objetivos, orientar tarefas, combinar métodos e procedimentos práticos, estimular as pessoas no rumo das metas traçadas e favorecer relações equilibradas dentro da equipe de trabalho, em torno do empreendimento. Dentro e fora da empresa, o homem de negócios faz contatos. Seja com clientes, fornecedores e empregados. Assim, a liderança tem que ser uma qualidade sempre presente; Um empreendedor de sucesso nunca se acomoda, para não perder a capacidade de fazer com que simples ideias se concretizem em negócios efetivos. Manter-se sempre dinâmico e cultivar certo inconformismo diante da rotina é um de seus lemas preferidos; O otimismo é uma característica das pessoas que enxergam o sucesso, em vez de imaginar o fracasso. Capaz de enfrentar obstáculos, o empresário de sucesso sabe olhar além e acima das dificuldades; Liderar é saber definir objetivos, orientar tarefas, combinar métodos e procedimentos práticos, estimular as pessoas no rumo das metas traçadas e favorecer relações equilibradas dentro da equipe de trabalho, em torno do empreendimento; Existe uma importante ação que somente o próprio empreendedor pode e deve fazer pelo seu empreendimento: planejar, planejar e planejar. No entanto, é notória a falta de cultura de planejamento do brasileiro, que por outro lado é sempre admirado pela sua criatividade e persistência; Os fatos devem ser encarados de maneira objetiva. Não basta apenas sonhar, deve-se transformar o sonho em ações concretas, reais,

13 13 mensuráveis. Para isso, existe uma simples, porém para muitos, tediosa, técnica de se transformar sonhos em realidade: o planejamento; Muito do sucesso creditado às micro e pequenas empresas em estágio de maturidade é creditado ao empreendedor que planejou corretamente o seu negócio e realizou uma análise de viabilidade criteriosa do empreendimento antes de colocá-lo em prática; Toda empresa necessita de um planejamento do seu negócio para poder gerenciá-lo e apresentar sua ideia a investidores, bancos, clientes e para seus parceiros, sejam eles fornecedores ou seus colaboradores; Tino empresarial: O que muita gente acredita ser um "sexto sentido", intuição, faro empresarial, típicos de gente bem-sucedida nos negócios é, na verdade, na maioria das vezes, a soma de todas as qualidades descritas até aqui. Se o empreendedor mostrar-se capaz de reunir a maior parte dessas características terá grandes chances de êxito. Quem quer se estabelecer por conta própria no mercado brasileiro e, principalmente, alçar vôos mais altos na conquista do mercado externo deve saber que clientes, fornecedores e mesmo os concorrentes só respeitam os que se mostram à altura do desafio. Através de uma revisão bibliográfica buscar os fatores primordiais de desempenho do líder que permite ao mesmo atingir um alto grau de aceitação e aprovação na visão de seus subordinados. Com os aspectos funcionais e comportamentais que diferem o líder empreendedor da figura tradicional do gerente de departamentos, permitindo que o desempenho de suas funções e afazeres seja sempre de forma coletiva, em sentido circular participando a todos os envolvidos da organização. Lembrando que o líder nada faz sozinho, a necessidade da amizade e da cumplicidade com seus liderados faz com que essa relação se torne cada vez mais estável, uma vez que os liderados passam a ver o líder como aquele que está na mesma marcha, tornando o entrosamento cada vez mais estreito. A influência está entrelaçada com a motivação. O líder que influencia é o mesmo que motiva seus liderados, enfatizando que a boa liderança requer uma boa equipe.

14 14 As pessoas da equipe também precisam se envolver para que os objetivos organizacionais sejam alcançados. O comportamento das pessoas pode ser obtido pelo compartilhamento desses elementos em soma com outros mais, como: monitoramento do ambiente externo, prestação de valores e crenças dignificantes, habilidades na busca da resolução de problemas, criatividade, fazer uso da informação, ter iniciativa, comprometimento, ousadia, visão de futuro e sucesso, conhecedor de pontos fracos e fortes dentro de sua organização (ambiente), se fazer ouvir assim como saber fazer uso da palavra, dar o devido reconhecimento daqueles que contribuem fazer uso da comunicação clara e objetiva. Vergara (1999) aponta dizendo que o líder forma outros líderes com cujos seguidores compartilham da mesma visão. 2. METODOLOGIA O presente trabalho é uma pesquisa bibliográfica a respeito do líder empreendedor, sendo ele capaz de resolver e solucionar conflitos internos existentes em uma organização, tendo sido consultados livros, artigos, matérias, publicações, objetivando apontar e identificar como deveria ou deve ser esse líder. Tal pesquisa foi realizada sob consulta em obras de autores e pesquisadores que participaram e realizaram pesquisas sobre tais assuntos como: comportamentos, práticas, personalidade e características. Inclusive obras que apontam desde o início do pensamento de como administrar, como organizar, pensamentos que do passado distante vêm-se apontando em direção ao futuro muito mais distante.

15 15 3. CONCLUSÃO Há muitas definições para liderança, mas este presente estudo possibilitou uma visão voltada para o empreendedorismo, para a mudança de atitude em relação aos liderados e a forma de liderar. Em se tratando de pessoas, muitas vezes o líder nato ou aqueles que se formam líderes, têm a sensibilidade em transferir ideias e pensamentos para que seus liderados correspondam adequadamente. O que se notou com esse trabalho é que com esforço e estudo das técnicas de liderança eficaz pode-se adquirir o conhecimento necessário para que essa função possa ser desempenhada da melhor maneira. Hoje no mercado competitivo onde há muitos tipos de negócios, o empreendedorismo se torna, muitas vezes, complicado, pesquisas que são mostradas em sites especializados como o SEBRAE, apresentam que o número de empresas que tem seu encerramento precoce é expressivo, e identifica-se o despreparo, por grande parte dessas empresas, é o ponto determinante. Isso, não quer dizer que se o empresário for preparado o sucesso será garantido, assim como aquele que não preparo será um fracassado, mas o diferencial está na forma de como ver e sentir o que ocorre ao seu redor. Tendo como exemplo um pensamento expressado pelo empresário e empreendedor Bill Gates: Seus clientes menos satisfeitos são sua maior fonte de aprendizado. Pode-se entender que o melhorar sempre, para o sempre servir, para ser o melhor em determinado segmento, ser o melhor em determinada situação, ser o melhor não quer dizer ser o intocável, e para ser o melhor requer acima de qualquer coisa o faro e o tato para atingir o diferencial, diferencial esse que pode ser alcançado com metas em curto prazo, como muitas vezes perguntar para si próprio onde estarei e onde quero estar daqui a 5, 10 ou 15 anos. Estudos apontam que metas seguras ajudam qualquer líder e qualquer empreendedor a se colocarem em pontos de estratégias, buscando na coletividade a forma segura de se trabalhar para alcançar o ponto almejado. Habilidades que se pode adquirir são recomendadas por muitos autores, avaliação de riscos, busca por conhecimento, capacidade de decisão, capacidade realizadora, comprometimento, dedicação, identificação de oportunidade e liderança.

16 16 Estas habilidades sendo trabalhadas geram mais segurança e firmeza para o empreendedor. Pode-se dizer que a liderança e o empreendedorismo são competências destinadas àqueles que têm ambição pelo êxito, que têm receio do resultado e por isso se planeja, o importante é chegar ao objetivo almejado. A liderança motiva os liderados a compartilharem da vontade, enquanto o empreendedorismo transforma o ato verbal em algo concreto e real. Na atualidade global com tamanha concorrência acirrada que as organizações vivenciam, faz-se mais que necessário criar um diferencial que não seja fácil de ser copiado. Tendo em vista a possibilidade de ser criado um ambiente de trabalho diferenciado, competitivo, agradável, para que os colaboradores possam desenvolver suas atividades, ambiente este que possa ser um círculo de treinamentos e desenvolvimentos, para que todos os envolvidos possam aprender, possam desenvolver e principalmente praticar tudo o que foi dado de ferramenta de trabalho. Líder trabalhando com seus liderados, líder empreendendo de forma uniforme com todos aqueles que têm a pretensão de serem reconhecidos e destacados dentro e fora do seu ambiente de trabalho. A liderança é algo interpessoal capaz de exercer influência numa situação. Empreendedorismo é a arte de ir buscar, trazer o sonho para a realidade. O líder apenas como líder usa de influência, o líder como empreendedor não apenas usa de influência, como também desperta em seus liderados o anseio de ir buscar o que está adiante. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATEMAN, S. Thomas; SNEEL, A. Scott. Construindo vantagem competitiva. Atlas, BENNIS, Warren. Liderança e Gestão de Pessoas. São Paulo: Publifolha p (Coletânea HSM Management). CAMBRIA CONSULTING. Competência de Liderança. São Paulo: Publifolha p (Coletânea HSM Management). CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. Compacta, 3. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

17 17 CHIAVENATO, Idalberto. Administração de Novos Tempos. Rio de Janeiro: Campus, CHIAVENATO, Idalberto; SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico: Fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor: A metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. 1. ed. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999a. DOLABELA, Fernando. O segredo de Luíza. São Paulo: Cultura, DORNELAS, José Carlos de Assis. Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, DORNELAS, José Carlos de Assis. Empreendedorismo na Prática: Mitos e verdades do empreendedor de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, FALCÃO, José de Moraes. O espírito empreendedor e a alma do negócio Disponível em< Acesso em: 21 de abril de FERRUCCIO, Alice em: Acessado em 24 de abril de FRENCH, J.R.; RAVEN. B. H. The bases of social Power. In: CARTWRIGHT, D. Studies in social power. Ann Arbor: University of Michigan, p , HUNTER, J. C. O monge e o executivo: uma história sobre a essência da liderança. Trad. de Maria da Conceição Fornos de Magalhães. Rio de Janeiro: Sextante; LACOMBE, Francisco. Recursos humanos: Princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, Antonio Cesar Amauru. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. São Paulo: Atlas ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall, SOTO, Eduardo. Comportamento Organizacional: o impacto das emoções. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, STONER, James A. F. Administração. Rio de Janeiro: LTC, 5ª edição VERGARA, Sylvia. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, 1999.

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 2 : G E S T Ã O D E P E S S O A S E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S Consultora

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01 Profº José Alves da Cruz - 01 GESTÃO EMPREENDEDORA José Alves da Cruz Tsunami Katrina Judeus x Judeus = Faixa de Gaza Vanderley Maratonista Cadê o emprego PT Torres Americanas Maluf na prisão China Médicos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Em análise de qualquer empreendimento encontram-se dois tipos de empreendedor: o que empreende em relação à oportunidade

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio EMPREENDEDORISMO Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio RESUMO: O trabalho visa abordar o que vem a ser empreendedorismo e iconoclastas, bem

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO Todas as sextas-feiras das 08 as 09. Pontualmente Cada sexta se escolhe o palestrante da próxima Tema relacionado à Gestão. Escolha do sorteado Todos os gerentes da SEPLAG e interessados

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano Prof. Cassimiro Nogueira Jr Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

(Re)Empreendedorismo

(Re)Empreendedorismo (Re)Empreendedorismo A escolha é nossa Empreendedorismo Processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

Uma trufa e... 1000 lojas depois!

Uma trufa e... 1000 lojas depois! Uma trufa e... 1000 lojas depois! Autor: Alexandre Tadeu da Costa. Aluna: Lays Roberta Caçandro. Turma: 1º Ciências Contábeis. Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Racionalização do trabalho: gerência administrativa Relações humanas: processo Movimento estruturalista: gerência

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO Código: CTB - 251 Pré-requisito: -------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

LIDERANÇA. CÊGA, Anderson. Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br

LIDERANÇA. CÊGA, Anderson. Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br LIDERANÇA CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça INTRODUÇÃO Ao longo

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO Código: ADM-353 Pré-requisito: --- Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 874 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

A importância do líder para os projetos e para as organizações.

A importância do líder para os projetos e para as organizações. Instituto de Educação Tecnológica Pós-Graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 21 de Agosto e 2015 A importância do líder para os projetos e para as organizações. Dêmille Cristine da Silva Taciano Analista

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais