Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR"

Transcrição

1 Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

2 Doenças causadas por bactérias do gênero Clostridium spp. Clostridium botulinum Botulismo; Clostridium perfringens Enterite necrótica; Clostridium colinum Enterite ulcerativa; Clostridium septicum Dermatite gangrenosa.

3

4 Intoxicação aguda pela neurotoxina do C. botulinum; Infecções acontecem principalmente pelo C. botulinum tipo C; Afeta aves domésticas e silvestres, exceto urubus.

5 1917 primeiro caso de botulismo relatado nos EUA por Dickson; 1922 isolado o C. botulinum tipo C por Bengston; 1922 isolado o C. botulinum tipo C por Seddon em bovinos primeiro caso de botulismo no Brasil.

6 Encontrado em todo o mundo; Possui esporos altamente resistentes, o que facilita a sua disseminação; Apresenta 7 tipos diferentes, classificados de A a G; Surtos acontecem com maior freqüência no verão.

7 Clostridium botulinum - Bastonete grampositivo, anaeróbico, podendo se tornar gram-negativo quando inicia a esporulação.

8 A toxina é liberada durante a autólise da bactéria; Absorvida no intestino; Chega ao sistema nervoso por meio da corrente sanguínea, onde irá bloquear a passagem do impulso nervoso.

9 Ingestão das toxinas de C. botulinum; Ocorre por falta de higiene do galpão; Os sinais vão aparecer em no máximo 2 dias, variando de acordo com a quantidade de toxina ingerida.

10 Paralisia flácida de asas, pernas, pescoço e terceira pálpebra. Fonte: H.E. Coelho

11 Aves deitadas no chão sem se mexerem; Asas caídas e pescoço distendido para frente e apoiado no chão; Aves ofegantes com dificuldade respiratória. Penas facilmente destacáveis. Fonte: H.E. Coelho

12 Não há lesões macro e micro; Diagnóstico pelos sinais clínicos e histórico; Detecção da toxina no sangue e conteúdo de papo, moela, intestino das aves; Não existe um tratamento comprovadamente efetivo.

13 Recolhimento de aves mortas e destinação adequada; Remoção da cama após a saída de cada lote; Lavagem e desinfecção do galpão.

14

15 Enterotoxemia aguda não contagiosa; Afeta principalmente aves jovens; Causada pelas toxinas do C. perfringens; Necrose da membrana mucosa do intestino delgado, com rápida debilidade e morte; Descrita pela primeira vez em aves por Parish, em 1961.

16 Presente em todo o mundo; Principal tipo é o A; Pode afetar aves silvestres em cativeiro; O tipo A está presente no conteúdo intestinal de aves e humanos; Isolados em diversos alimentos, incluindo matéria prima de rações.

17 Clostridium perfringens - Bastonete grampositivo, anaeróbico, produtor de esporos; Resistência : Esporos: Resistem a 100 C por 1h Destruídos a 115 C por 4 min Hemólise em placas de ágar sangue

18 Afeta frangos de corte entre 2 e 5 semanas, podendo ser encontrados casos em poedeiras; Em perus de 7 a 12 semanas e em aves acometidas por ascarídeos ou coccidiose há queda de desempenho; Encontrado em fezes, cama de frango, solo, alimentos, etc.; O C. perfringens é habitante normal do TGI das aves;

19 Mudanças na alimentação Alterações nutricionais Coccidioses Micotoxinas Salmoneloses

20 Apatia, com diminuição do apetite; Penas arrepiadas; Fezes de coloração escura, podendo apresentar manchas de sangue, diarréia; Mortalidade de 5 a 15% do lote; Em casos crônicos, observa-se edema, hemorragias e necrose.

21 O intestino das aves mortas apresenta-se distendido com presença de gás no jejuno e íleo com a mucosa necrótica; Hepatomegalia, com focos esbranquiçados.

22

23 Severa necrose da mucosa intestinal com abundância de fibrina e detritos celulares; Degradação do epitélio e exposição da lâmina própria; As lesões podem se estender até a submucosa e a camada muscular.

24 Sinais clínicos e histórico; Isolamento do agente; ELISA e PCR podem ser usados; Tratamento com antibióticos: lincomicina, bacitracina de zinco, oxitetraciclina, etc.

25 Controle de fatores imunossupressores; Controle da coccidiose; Manejo adequado; Matéria prima de qualidade; Uso de promotores de crescimento. Uso de enzimas, probióticos e ácidos orgânicos.

26

27 Infecção bacteriana aguda; Afeta codornas, frangos jovens, perus e aves de caça; Rápido aumento de mortalidade; Descrita pela primeira vez em codornas em 1907 por Morse, nos EUA. Presente em todos os países criadores de aves.

28 Clostridium colinum - Bastonetes grampositivos, anaeróbicos, móveis e formadores de esporos. O isolamento do C. colinum é difícil.

29 Contato com fezes contaminadas; Ingestão de água, alimentos e carcaças contaminados; Frangos de corte e perus necessitam de fatores predisponentes para que ocorra a infecção.

30 Diarréia aquosa e branca; Sonolência, anorexia, encurvamento do corpo, penas arrepiadas e emagrecimento; Morte súbita sem causa aparente; Pode atingir 100% de mortalidade em codornas.

31 Lesões ulcerativas no terço final do intestino delgado e no ceco; As úlceras podem se unir formando grandes áreas de necrose; Pode ocorrer perfuração das úlceras, levando a quadros de peritonite.

32

33 O fígado pode estar com áreas amareladas ou acinzentadas; O baço pode estar congesto e hemorrágico.

34 Quadro agudo - descamação do epitélio intestinal e congestão de vasos na lâmina própria Úlceras recentes áreas necróticas com infiltração de linfócitos e granulócitos, em vilos e submucosa Úlceras velhas massa granular densa Fígado pequenos focos de necrose coagulativa com reação inflamatória, bact. G+ no parênquima

35 Sinais clínicos; Observação das lesões; Microscopia de tecido necrótico do fígado; Isolamento do agente; Imunofluorescência.

36 Evitar fatores imunossupressores; Controle da Coccidiose; Limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos; Troca da cama entre lotes.

37 Estreptomicina 60g/Ton; Bacitracina de zinco 50 a 100g/Ton;

38

39 Afeta principalmente aves jovens; Associada a Clostridium septicum, Clostridium perfringens e Staphylococcus aureus; Primeiramente descrita por Niemann, em 1930.

40 Clostridium septicum bastonete grampositivo anaeróbico, produtor de esporos; Clostridium perfringens - bastonete grampositivo, anaeróbico, produtor de esporos; Staphylococcus aureus cocos grampositivo, anaeróbico facultativo.

41 Está presente no ambiente; Não há transmissão de ave para ave; Necessita de agentes que favoreçam o seu desenvolvimento.

42 Incoordenação motora; Fraqueza das pernas; Ataxia; Mortalidade aguda, podendo chegar a 60%.

43 Áreas de pele escura e desprovidas de penas; Áreas hemorrágicas, inflamadas e com odor fétido; Fígado e rins podem estar edemaciados e escuros Fonte: Manual Merck

44 Edema e enfisema; Congestão e hemorragia do tecido muscular.

45 Histórico; Lesões macroscópicas e microscópicas; Isolamento do agente.

46 Controle de doenças imunossupressoras; Nutrição adequada; Limpeza e desinfecção dos galpões.

47 Clortetraciclinas; Oxitetraciclina; Eritromicina; Penicilina.

48 pdf

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS CLOSTRIDIOSES EM AVES Larissa Pickler Médica Veterinária Mestranda em Ciências Veterinárias - UFPR Formas

Leia mais

Clostridioses em Bovinos

Clostridioses em Bovinos Clostridioses em Bovinos Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite Várzea Grande, 4 de outubro de 2011 Pedro Paulo Pires pedropaulo@cnpgc.embrapa.br O grupo de infecções e intoxicações

Leia mais

Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido

Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido Elza Maria Galvão Ciffoni Arns Universidade Tuiuti do Paraná 21 de julho de 2012 Fortaleza - CE Cauterizar

Leia mais

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda Doenças Transmitidas por Alimentos Prof.: Alessandra Miranda Origem das Doenças Biológica Química Físicas Grupos Vulneráveis Crianças de 0 a 5 anos Mulheres grávidas Doentes e pessoas com baixa imunidade

Leia mais

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Vigilância Sanitária de Alimentos Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Clostridium perfringens Intestino Microbiota normal Solo Água Produto cárneo Clostridium perfringens

Leia mais

15/10/2009. Taxonomia: Família Clostridiacea. Gênero Clotridium ~ 150 espécies. Significado clínico: doenças neurotrópicas C. tetani (tétano) e C.

15/10/2009. Taxonomia: Família Clostridiacea. Gênero Clotridium ~ 150 espécies. Significado clínico: doenças neurotrópicas C. tetani (tétano) e C. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA VETERINÁRIA Clostridium INTRODUÇÃO Taxonomia: Família Clostridiacea Gênero Clotridium ~ 150 espécies. PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 Significado

Leia mais

Enfermidades Micóticas

Enfermidades Micóticas Enfermidades Micóticas Msc. Larissa Pickler Departamento de Medicina Veterinária Universidade Federal do Paraná Disciplina de Doenças das Aves Curitiba Paraná Brasil 2011 Enfermidades Micóticas Infecções

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA)

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Disciplina de Saúde Pública DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Francielle Liz Monteiro

Leia mais

Doenças de origem alimentar. alimentar

Doenças de origem alimentar. alimentar Doenças de origem alimentar Definições Intoxicação alimentar Ingestão de alimento contendo toxina produzida pelo microrganismo. Exemplo: Botulismo, estafilococose. Definições Infecção alimentar Ingestão

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose Zoonoses Salmonelose Leptospirose Tuberculose SALMONELOSE EDINAIDY SUIANNY ROCHA DE MOURA MENEZES É uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek:

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek: DOENÇAS NEOPLÁSICAS Tatiana Brognolli d Aquino de Sousa Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2009 Doenças Neoplásicas Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose Causam alta

Leia mais

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água.

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DISCIPLINA: HIGIENE ANIMAL DOCENTE: JEAN BERG ALVES DA SILVA CLOSTRIDIOSES PRELECIONISTA: MANUELLA DE OLIVEIRA CABRAL ROCHA Etiologia Clostridium ssp. Mais de 150

Leia mais

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES Em Animais Domésticos Barbara do Prado Verotti Graduanda de Medicina Veterinária 2011 História da descoberta Muitas culturas da antiguidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença

INTRODUÇÃO. Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença INTRODUÇÃO Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença Doenças com sinais clínicos, epidemiologia, patogenia,patologia distintos Termos gangrena ou gangrena gasosa como sinônimos

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Diarreia de leitões na maternidade

Diarreia de leitões na maternidade Diarreia de leitões na maternidade Autor: Professor Carlos Alexandre Oelke Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui É muito comum observar em granjas produtoras de suínos que cerca de 70% dos casos

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

Curió & Bicudo News OBSERVANDO AS FEZES

Curió & Bicudo News OBSERVANDO AS FEZES OBSERVANDO AS FEZES Todo o proprietário de aves deve saber como as fezes normais são constituidas, e, mais ainda, observar as fezes (frescas) periodicamente, pois alterações significativas podem nos alertar

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS PARVOVIROSE

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA MARTINS, Angela Cristiane de Oliveira¹; SILVA, Vanusa Israel da 1 ; ZANATTA, Liliane 2 ; ROSSATO, Cristina Krauspenhar 3 Palavras-Chave: Polpa cítrica.

Leia mais

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Família BALANTIDIIDAE Balantidium coli Habitat: Intestino grosso PROTOZOOLOGIA Morfologia: organismo revestido por cílios, bastante móvel, mede 300µm, na parte anterior

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA INTRODUÇÃO Alto índice de produtividade Nutrição Manejo Genética Saúde animal Desenvolvimento e tecnificação Saúde animal INTRODUÇÃO BIOSSEGURIDADE Brasil Destaque na produção

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais O Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete os Equinos e Asininos e tem como agente causador a bactéria Burkholderia mallei; Mormo é uma Zoonose porque

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral HISTOMONOSE. BORALLI, Igor Camargo ALVES, Rafael Massei NETO, Elizeu Coelho

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral HISTOMONOSE. BORALLI, Igor Camargo ALVES, Rafael Massei NETO, Elizeu Coelho HISTOMONOSE BORALLI, Igor Camargo ALVES, Rafael Massei NETO, Elizeu Coelho Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de

Leia mais

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Diarréia Epidêmica Suína PED é causada por um coronavírus (PEDV) PEDV causa diarréia e vômito em suínos de todas as idades Mortalidade

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

14/02/2012 HIPÓXIA ANÓXIA. Ambas são causas muito comuns de lesões e doenças. Didaticamente,as causas das lesões dividem-se em:

14/02/2012 HIPÓXIA ANÓXIA. Ambas são causas muito comuns de lesões e doenças. Didaticamente,as causas das lesões dividem-se em: Didaticamente,as causas das lesões dividem-se em: É frequente à associação das duas,porém,nem sempre é possível identificar como a lesão ocorreu.neste caso, dizemos que a doença ou lesão é EXÓGENAS Agentes

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas

Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac Bactérias Anaeróbias Gram Negativas Gêneros Porphyromonas

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Anemia Infecciosa das Galinhas

Anemia Infecciosa das Galinhas Anemia Infecciosa das Galinhas Leonardo Bozzi Miglino Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2010 Histórico: Isolado e descrito no Japão (1979), chamado de agente da anemia das

Leia mais

PARATUBERCULOSE. Introdução. Etiologia. Doença a de Johne. Enterite infecciosa crônica. Mamíferos: ruminantes domésticos e selvagens

PARATUBERCULOSE. Introdução. Etiologia. Doença a de Johne. Enterite infecciosa crônica. Mamíferos: ruminantes domésticos e selvagens PARATUBERCULOSE Karina L. Miranda Méd. Veterinária ria Doutoranda Introdução Doença a de Johne Enterite infecciosa crônica Mamíferos: ruminantes domésticos e selvagens Etiologia Mycobacterium avium subsp.

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

Trypanosoma cruzi Doença de Chagas

Trypanosoma cruzi Doença de Chagas Disciplina de Parasitologia Trypanosoma cruzi Doença de Chagas Profa. Joyce Fonteles Histórico Histórico 1908- Carlos Chagas MG encontrou o parasito no intestino de triatomíneos. 1909- descrição do primeiro

Leia mais

BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO

BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO SALVARANI, Renata de Sá ALVES, Maria Luiza SUZUKI, Érika Yuri Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FAMED - Garça - São Paulo ZAPPA, Vanessa Docente

Leia mais

Infecção por -=3 Trichodina sp. na pele do pirarucu. (B) Detalhe mostrando em maior aumento o parasito Trichodina sp,

Infecção por -=3 Trichodina sp. na pele do pirarucu. (B) Detalhe mostrando em maior aumento o parasito Trichodina sp, o Ichthyophthirius multifilis ("ictio") e a~ tricodinas são os protozoários mais comuns em pirarucu de cultivo. O "ictio" (Figura 1) é um ectoparasito ciliado responsável pela ictiofitiríase ou doença

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) Reino Monera REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo).

Leia mais

05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M)

05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M) Doença infectocontagiosa crônica provocada por bactérias do Gênero Brucellasp. Impacto econômico Queda na produção e aborto Repetição de cio / retenção de placenta Zoonose Cocobacilos gram (-) Colônias

Leia mais

SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA

SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA Autores FOLHARI, Érica Pieroli VÁGULA, Maílha Ruiz Email: erica_vet@hotmail.com Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED PEREIRA, Rose Elisabeth

Leia mais

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires

Bacterioses: Aula Programada Biologia. Prof. : Chico Pires : Aula Programada Biologia Prof. : Chico Pires Difteria (crupe) Agente Etiológico: Corynebacterium diphtheriae Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva Sintomas: Inflamação das tonsilas

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda - Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda ÓRGÃOS LINFÓIDES ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS: - Medula óssea - Timo ÓRGÃOS LINFÓIDES SECUNDÁRIOS: - Linfonodos - Placas de Peyer - Tonsilas - Baço ÓRGÃO LINFÓIDE

Leia mais

BOTULISMO. Doença da Vaca Caída Doença da Mão Dura Mal das Palhadas Mal do Alegrete Brabeza (do latim botulus=salsicha)

BOTULISMO. Doença da Vaca Caída Doença da Mão Dura Mal das Palhadas Mal do Alegrete Brabeza (do latim botulus=salsicha) BOTULISMO Doença da Vaca Caída Doença da Mão Dura Mal das Palhadas Mal do Alegrete Brabeza (do latim botulus=salsicha) BOTULISMO Trata-se de uma intoxicação causada pela ingestão de neurotoxinas (BoNTs)

Leia mais

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus TAXONOMIA BACTERIANA FAMÍLIA Gênero Gênero Gênero espécie espécie espécie cepa cepa TAXONOMIA BACTERIANA MICROCOCCACEAE Staphylococcus Micrococcus Stomatococcus

Leia mais

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) Vigilância Sanitária de Alimentos Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) Doenças Transmitidas por Alimentos Surto: Dois ou mais envolvidos que ingeriram um alimento em comum

Leia mais

Professora Sandra Nunes

Professora Sandra Nunes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO Parte II Glóbulos Brancos Professora Sandra Nunes Leucócitos = glóbulos brancos Localização: (Sangue, linfa, órgãos linfóides e vários tecidos conjuntivos) Origem: Medula

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3 Bactérias CARACTERÍSTICAS: Bactérias existem há mais do que 3,5 bilhões anos; Pertencem ao Reino Monera; São unicelulares e procarióticas.

Leia mais

4º FILO - NEMATELMINTOS

4º FILO - NEMATELMINTOS 4º FILO - NEMATELMINTOS Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio + helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos: Ascaris lumbricoides Necator americanus Ancilostomo

Leia mais

Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação

Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação ANGELO BERCHIERI JUNIOR FCAV-Unesp, Jaboticabal-SP E-mail: berchier@fcav.unesp.br Brasília, 2014 Gênero Espécie Subespécie enterica 2.610 sorovares.

Leia mais

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Processos sistêmicos conhecidos desde tempos

Leia mais

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA?

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? O corpo humano contém normalmente bilhões de microorganismos, quer na pele, debaixo das unhas, na boca, nariz, intestino e em outras cavidades

Leia mais

Animais selvagens: Patologias mais comuns. Manuel Martins

Animais selvagens: Patologias mais comuns. Manuel Martins Seminário de caça a e pesca Animais selvagens: Patologias mais comuns Manuel Martins ESA-IPCB Pinhel, 2010 Tuberculose Agente: Mycobacterium bovis M. tuberculosis(humano) e o M. avium(aviar) Animais susceptíveis:

Leia mais

Bacilos Gram positivos

Bacilos Gram positivos Bacilos Gram positivos Bacilo Gram positivos formadores de esporos Bacillus- aeróbios Clostridia- anaeróbios Género Bacillus Género Bacillus Bacilos gram positivos grandes, em cadeias Possuem endosporos

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva.

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. Saburra - Branca e suja. A parte central é amarelo-clara; a parte inferior da língua apresenta-se edemaciada e levantada como

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO

Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO O sistema digestivo é um sistema complexo, que numa análise mais superficial não é mais do que uma interface entre a ave e o meio exterior. Como

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose Doenças Restritivas São aquelas nas quais a expansão do pulmão é restringida por causa de alterações no parênquima pulmonar ou por causa de doenças da pleura, da parede torácica ou do aparelho neuromuscular

Leia mais

Morfologia e Estrutura Bacteriana

Morfologia e Estrutura Bacteriana Morfologia e Estrutura Bacteriana Bactérias São seres vivos microscópicos que ocupam os mais diversos ambientes e ainda, podem apresentar formas distintas, que podem varias entre: Esféricas Cilíndricas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Microscópico- resíduos alimentares não

Microscópico- resíduos alimentares não AVALIAÇÃO LABORATORIAL DO SISTEMA DIGESTÓRIO Procedimentos diagnósticos Pesquisa de sangue / Exame coproparasitológico, coprocultura Hematologia e bioquímica Exame radiográfico/ Ultrassonografia Endoscopia

Leia mais

13/03/2016. Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

13/03/2016. Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo 1 2 3 4 5 6 7 8 Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução: funções da pele Proteção contra injúrias externas prevenção de perdas excessivas de água, eletrólitos e outras

Leia mais

A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo.

A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo. iara.trevisol@embrapa.br A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo. Coronaviridae, gênero Coronavírus. Três grupos compõem o gênero Coronavírus, o

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

LINFADENITE CASEOSA. Etiologia. Corynebacterium pseudotuberculosis. Linfadenite caseosa. Corynebacterium pseudotuberculosis. Keila da Silva Coelho

LINFADENITE CASEOSA. Etiologia. Corynebacterium pseudotuberculosis. Linfadenite caseosa. Corynebacterium pseudotuberculosis. Keila da Silva Coelho Laboratório rio de Bacteriologia Aplicada LINFADENITE CASEOSA Keila da Silva Coelho Linfadenite caseosa Definição: doença infecto-contagiosa crônica de caprinos e ovinos, que se caracteriza pelo presença

Leia mais

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto Precauções em controlo de infecção Maria Teresa Neto Tipos de precauções Precauções universais Precauções baseadas na via de transmissão Precauções universais Indicação para serem aplicadas a todos os

Leia mais

Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos

Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Profa. Vânia Lúcia da Silva Microrganismos patogênicos causadores de doenças Principais patógenos bacterianos veiculados por alimentos: Clostridium

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral COCCIDIOSE AVIÁRIA

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral COCCIDIOSE AVIÁRIA COCCIDIOSE AVIÁRIA PENHA, Guilherme de Almeida, SUZUKI, Erika Yuri, UEDA, Fabiola dos Santos, BOCARDO, Marcelo, Discentes do Curso de Medicina Veterinária da FAMED, Uniterra, - Garça. PERES PEREIRA, Rose

Leia mais

HIDROSFERA: 3/4 DO PLANETA

HIDROSFERA: 3/4 DO PLANETA HIDROSFERA: 3/4 DO PLANETA DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E INDICADORES MICROBIOLÓGICOS 97,4% : Águas marinhas 1,8% : Águas congeladas 0.8% : Águas doces DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA Doenças causadas pelo

Leia mais

03/11/2011. Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos. Microrganismos patogênicos causadores de doenças. Profa. Vânia Lúcia da Silva

03/11/2011. Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos. Microrganismos patogênicos causadores de doenças. Profa. Vânia Lúcia da Silva Bactérias de interesse clínico transmitidas por alimentos Profa. Vânia Lúcia da Silva Microrganismos patogênicos causadores de doenças Principais patógenos bacterianos veiculados por alimentos: Clostridium

Leia mais

Patogênese das Gastrites. Prof. Lucas Brandão.

Patogênese das Gastrites. Prof. Lucas Brandão. Patogênese das Gastrites Prof. Lucas Brandão. Lembrando da normalidade... Anatomia e Histologia Estômago Dividido em três regiões anatômicas: 1 - Fundo II - Corpo III - Antro Apresenta 4 camadas: 1 - Mucosa

Leia mais

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia:

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia: TENÍASE Homem: hospedeiro definitivo. Boi ou porco: hospedeiro intermediário. Contaminação: ingestão de carne mal passada contaminada com cisticercos; autoinfecção. Sintomas: distúrbios intestinais, dores

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

Medicina Veterinária Atlas de Anatomia Patológica I. Pedro Faísca Regente da cadeira de Anatomia Patológica I Doutorado em Patologia Veterinária

Medicina Veterinária Atlas de Anatomia Patológica I. Pedro Faísca Regente da cadeira de Anatomia Patológica I Doutorado em Patologia Veterinária Medicina Veterinária Atlas de Anatomia Patológica I Pedro Faísca Regente da cadeira de Anatomia Patológica I Doutorado em Patologia Veterinária Atlas de Anatomia Patológica I I - Alterações degenerativas

Leia mais

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Cristina Fotin Especialização Anclivepa-SP esôfago inglúvio pró-ventrículo ventrículo intestino Ritchie, Harrisson and Harrison. Avian Medicine:principles

Leia mais

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL

EXAME CONTRASTADO TRÂNSITO INTESTINAL EXAME CONTRASTADO DE TRÂNSITO INTESTINAL TRÂNSITO INTESTINAL OBJETIVO: EXAMES CONTRASTADOS O objetivo do exame de Trânsito Intestinal é estudar a forma e a função dos seus três componentes (Duodeno,

Leia mais

ZINCO. Papel no organismo

ZINCO. Papel no organismo ZINCO Ter uma alimentação rica em minerais é essencial para manter a saúde em dia. Mas, entre tantos nutrientes, um deles assume papel de destaque: o zinco. "Esse mineral é essencial para que nosso corpo

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): Ano: 6º Nº Professor: Sonali Componente Curricular: Ciências Quantos reinos de seres vivos há na natureza? Essa pergunta já

Leia mais

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 Mini-curso 1 DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS EM MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 1 Universidade Federal de Santa Maria & 2 The University of Georgia

Leia mais

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo

Gênero Leishmania. século XIX a febre negra ou Kala-azar era temida na Índia. doença semelhante matava crianças no Mediterrâneo Leishmaniose Leishmaniose é um espectro de doenças produzidas por Leishmania sp. cuja manifestação clínica varia de infecção assintomática tica à morte Gênero Leishmania Histórico século XIX a febre negra

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais