Revista Brasileira do Aço Ano 20 - Edição Dezembro Vai tarde!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Brasileira do Aço Ano 20 - Edição 137 - Dezembro 2011. Vai tarde!"

Transcrição

1 Revista Brasileira do Aço Ano 20 - Edição Dezembro 2011 Vai tarde! 2011 é um ano que não deixará boas recordações para a maioria dos empresários do aço que aguardam ansiosamente pelos projetos que movimentarão todo o País em No 41º Jantar de Fim de Ano do Inda, os ares de preocupação deram lugar ao otimismo! Fotos: Jo Capusso Fotos: Isis Moretti 2011 dá seus suspiros finais... E apesar de ter sido um ano difícil para o setor siderúrgico, o clima no 41º Jantar de Fim de Ano do Inda Instituto Nacional dos Distribuidores do Aço era de muita descontração. O fato é que empresários, diretores executivos e representantes setoriais não perderam este evento, realizado no dia 07 de dezembro, no Terraço Daslu, em São Paulo, SP. Mais de 650 pessoas foram recepcionadas em um agradável coquetel ao som da banda Sunshine. Neste momento, os convidados trocavam ideias e opiniões sobre o mercado. Para abrir o jantar, discursaram o presidente da CSN, Benjamim Steinbruk, o diretor executivo de vendas da Usiminas, Ascanio Merrigui Silva e o Presidente do Inda / Sindisider, Dr. Carlos Loureiro. Dentre os assuntos abordados, Loureiro destacou o grave problema da desindustrialização no Brasil, tema bastante debatido durante o ano inteiro. Quando eu falo de desindustrialização, não me refiro apenas ao nosso setor; e sim à indústria brasileira como um todo. Um país não produz riquezas vivendo somente da prestação de serviços, afirmou Loureiro. As condições para a competitividade no mercado internacional são extremamente desiguais, tanto na exportação como na importação. É preciso organizar um movimento orquestrado de defesa da nossa indústria. É uma ação que envolve usina, distribuição, revenda, máquinas, autopeças, embalagens, naval e muito mais. Trata-se de um momento de preservação da cadeia produtiva do aço, completou. O presidente do Inda ainda ressaltou sobre o potencial brasileiro para a economia, reafirmando a frase que o Brasil é a bola da vez, afinal o mundo está com os olhos voltados para cá. Com experiência de mais de 40 anos no setor, Loureiro foi categórico ao dizer que neste momento é preciso evidenciar que existe concorrência, mas que ninguém é inimigo. Não olhar para o próximo elo da cadeia produtiva é dar um tiro no próprio pé.

2 Jantar INDA Nosso mercado não é mais comprador. A boa e saudosa época em que nós tirávamos pedidos, já passou. Agora, temos que vender o nosso aço e concorrer mundialmente. Ter cautela com a indústria nacional é zelar pelas nossas empresas, alertou. Negócios na mão Segundo o Benjamim Steinbruk, da CSN, para ganhar dinheiro na siderurgia em 2012, será preciso talento e dedicação em um período que promete muitos desafios. É desnecessário e arriscado importar, pois desorganiza o segmento como um todo. A CSN fará o que for necessário para manter-se forte no mercado brasileiro, que é um dos melhores do mundo. Sabe-se que a margem de lucro das empresas foi extremamente pequena em 2011, e no próximo ano, é provável que seja necessário continuar trabalhando desta forma (mas a tendência é melhorar, visto o recuo das importações). Para Ascanio Merrigui Silva, diretor executivo de vendas da Usiminas, 2012 será igualmente difícil a este ano, porém, com algumas lições aprendidas. Começaremos com estoques mais ajustados e com maior consciência da necessidade de investir esforços em reconstruir margens. Os patamares que as usinas e distribuidores trabalham hoje, não dão sustentabilidade aos negócios. Toda a criatividade a respeito das novas formas de incentivar o consumo via descontos deverá ser direcionada à construção e oferta de valor aos clientes, falou Silva. É fato! Em 2012 haverá o amadurecimento de diversas iniciativas de defesa comercial e será momento em que posicionamentos de política industrial na cadeia de transformação do aço se intensificarão pelas entidades e associações setoriais junto ao governo. Avanços já ocorridos deverão ser mais consolidados, principalmente a discussão sobre conteúdo nacional real (desde a matéria prima) dos produtos com incentivos governamentais explícitos (renúncias fiscais, Finame, financiamento via BNDES etc), explicou Silva. O Inda é responsável pela organização do Jantar, considerado o evento mais importante da siderurgia. O Instituto agradece o fundamental apoio da CSN, Usiminas, Arcelor Mittal, Gerdau, Klöckner&Co e Votorantim, para a concretização de mais este tradicional encontro do setor. Dr. Carlos Loureiro, presidente do Inda / Sindisider Benjamim Steinbruk, presidente da CSN Ascanio Merrigui Silva, diretor executivo de vendas da Usiminas

3 Importações caem 46% em outubro Por Oberdan Neves Oliveira Estatísticas 03 Em outubro, as importações tiveram queda de 46% em relação ao mês anterior, com volume total de 117,7 mil toneladas. No acumulado de 2011, registrou-se retração de 74,5% em comparação a igual período do ano passado. As vendas também caíram: 4,6% em relação ao mês anterior, totalizando 389,4 mil toneladas. No ano, acumula-se alta de 11,2% em relação a igual período de Em outubro, foram compradas 341,6 mil toneladas, montante 3,3% superior ao apontado em setembro. Resultado no ano: queda de 8,8%, frente ao mesmo período do ano anterior. Com isso, os estoques da distribuição em outubro marcaram uma baixa de 2,8% diante ao mês de setembro, totalizando 1.017,9 mil toneladas, mantendo o giro dos estoques em 2,7 meses. Para novembro, a expectativa da rede associada é que as compras e as vendas registrem queda em torno de 4%. Panorâmica do Aço Unid:1000 ton. PRODUÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO AMÉRICA LATINA PRODUÇÃO BRASIL SETEMBRO SETEMBRO OUTUBRO ,8% ,9% ,7% Desempenho dos Associados Unid:1000 ton. ESTOQUE¹ OUTUBRO 1.017, ,0-21,4% COMPRAS² OUTUBRO 341,6 394,1-13,3% VENDAS¹ OUTUBRO 371,3 319,7 16,1% 1 Incluem importações informadas pelos associados - 2 Incluem os embarques das usinas para outros setores via distribuição - 3 Produtos: LCG, BQ, BF, CZ, CPP, CAZ e EGV.

4 Atualidade 04 Tecnologia verde Empresas investem em métodos que evitam impactos negativos ao meio ambiente e conseguem reaproveitar as escórias produzidas pela siderurgia O mundo não pode mais esperar e o homem, de fato, está preocupado em preservar o meio ambiente. Na siderurgia, diversas empresas têm aplicado a Tecnologia Verde, onde processos e produtos são desenvolvidos para causar o mínimo impacto a natureza, como por exemplo: redução do consumo de energia, utilização de carvão vegetal, reutilização de resíduos agrícolas, entre outros. O Brasil está em primeiro lugar na produção de carvão vegetal, sendo a indústria responsável por 85% deste consumo (destaque para a indústria de ferro gusa, ferro ligas e aço). Mas este carvão tem que ser produzido de forma ecologicamente correta, como caso da ArcelorMittal, que retira o insumo de florestas renováveis de eucalipto, para ser utilizado como redutor energético em altos fornos. A madeira de eucalipto para a produção do carvão provém de plantações obtidas de materiais genéticos, selecionados e adaptados ao clima e solo das regiões produtoras. Na ArcelorMittal Bio- Energia, as modernas práticas de silvicultura e melhoramento genético utilizados, auxiliam na produção de carvão de boa qualidade, e ao mesmo tempo, na preservação dos recursos naturais. Outro exemplo é a V&M do Brasil, que produz tubos em aço sustentável. Na empresa, a produção de ferro gusa e liga de ferro é obtida em altos fornos pela reação do minério de ferro com carvão e calcário, utiliza matriz energética renovável, vinda do carvão vegetal oriundos das florestas da própria companhia. É um processo de produção autossutentável, afirmou o engenheiro, Afonso Henrique. A utilização do carvão vegetal resulta em uma atividade siderúrgica com baixa emissão de dióxido de carbono (CO 2 ), principal causa do efeito estufa. O CO 2 liberado nesse processo é parcialmente absorvido por meio do crescimento das florestas de eucalipto. Além disso, o aumento da biomassa pela plantação de florestas sustentáveis resulta em liberação de oxigênio para a atmosfera, completou Afonso. Escória da siderurgia no solo Pouco difundido no Brasil, a escória da siderurgia pode ser aproveitada na agricultura. A quantidade desses resíduos atinge cerca de 3 milhões de toneladas ao ano, e pode ser utilizada como fertilizante e corretivo para a acidez do solo, com a mesma avaliação química adotada pelo calcário (entretanto, é necessário considerar a concentração de metais pesados e outros elementos tóxicos nesses materiais, que podem limitar seu uso). O cultivo de cana de açúcar e soja, por exemplo, ocupa grande parte do território nacional. Tal produtividade está relacionada a fatores ambientais, genéticos, fisiológicos e de manejo da cultura. Os compostos da escória (zinco, ferro, manganês, boro e cobre) são essenciais à cana de açúcar, pois a deficiência de um deles afeta o desenvolvimento e produção do plantio. Segundo estudos, quando se opta pelo uso do calcário para a neutralização da acidez do solo, os teores já baixos dos micronutrientes (devido à pobreza original do terreno), podem diminuir ainda mais a elevação do ph. Contudo, quando se utiliza a escória como corretivo, este aspecto da redução da disponibilidade dos micronutrientes é minimizado, devido a presença desses elementos na constituição química. A reatividade da escória da siderurgia depende da classe do solo, ou seja, a eficiência será baseada no poder de neutralização do terreno, bem como da composição e granulometria da planta em questão. O reaproveitamento é de extrema importância, pois contribui para atividade agrícola, eliminando, em partes, o acúmulo de resquícios nos pátios das siderurgias. Associado a isso, estimula a redução da mineração do calcário para este fim, e consequentemente, diminui a degradação ambiental causada pelas mineradoras (no Brasil, são consumidos aproximadamente 20 milhões de toneladas de calcário por ano na agricultura).

5 Governança corporativa: exercida e reconhecida Atualidade 05 Destacando-se no mercado em que atuam, as empresas familiares que adotaram a gestão de governança corporativa apresentam ótimo desempenho frente as que não seguem este modelo de gestão É equivocado pensar que a governança corporativa se aplica apenas em empresas maiores ou àquelas de capital aberto, com ações cotadas em Bolsas de Valores. Trata-se de uma gestão fundamental para as empresas familiares, pois traz resultados que impactam diretamente na sua sobrevivência e, mais perceptíveis ainda, nos momentos de transição do poder. A preocupação dos diretores de empresas familiares faz-se presente quando o assunto é modificar o modelo centralizado de gestão no qual é preciso dividir as responsabilidades aos profissionais (mesmo quando eles não se enquadram como acionistas) e, quando o assunto é sucessão (momento mais perigoso para uma empresa familiar). Para evitar problemas futuros e até mesmo o extremo em declarar falência, o modelo de governança corporativa tem sido implantado em diversas companhias é mais simples e necessário do que se possa imaginar. Funciona de maneira sistêmica para dirigir e monitorar, sendo uma boa ferramenta para aumentar o valor de nosso empreendimento na sociedade, facilitar o acesso para captação de recursos e ainda contribuir para a perenidade, detalhou o diretor comercial da Bernifer Perfilados de Aço, Hélio Bernicchi Neto, que ressaltou: Atualmente, visualizamos muitas companhias aplicando tal método, e creio que os empresários do segmento siderúrgico já entenderam que, para se perpetuar, é necessário iniciar este padrão de governança. Este modo de administrar assegura aos sócios proprietários o governo estratégico da empresa e a efetiva monitoração da diretoria executiva. A propriedade familiar e o comprometimento com o negócio podem ser entendidos com a adição de valor, desde que a empresa e a família que controla os negócios possam responder às preocupações da comunidade de investidores. Sucessão: um momento delicado Formar um sucessor adequado e qualificado é o maior desafio dos dirigentes de empresas familiares. E esta continuidade tem que ser planejada e gradual, respeitando as individualidades de cada negócio e família. O especialista e autor do livro A empresa familiar como paradoxo, o americano John L. Ward, após realizar uma pesquisa no Brasil, mostrou que este tipo de organização tem 26% do retorno do capital investido em comparação à taxa de 21% das demais, e apenas 20% sobrevivem mais do que 50 anos. Segundo Ward, este tipo de administração é difícil por causa dos conflitos usuais que afligem todas as demais, com o acréscimo dos problemas familiares. E ele ainda apontou os principais motivos para essas companhias se dissolverem: Escolha de um parente em detrimento de alguém mais preparado; A dificuldade do fundador da empresa em passar seu legado para os sucessores; A rivalidade entre os irmãos; Familiares dispersos e alheios, principalmente a partir da terceira geração; O patrimônio encarado como mera possibilidade de liberdade financeira para os sucessores; Novas condições e dificuldades para continuar o negócio. O maior problema apontado por negócios ainda comandados pela primeira geração é passar o legado adiante (40%), afinal, o fundador acredita que está desistindo de sua identidade e, também sente que está perdendo o controle das finanças e da própria família, respectivamente. A Perfilados Rio Doce S/A é comandada pelo seu diretor superintendente (e proprietário), Ronaldo Roque Campo, que conduz a administração por meio de gerencias profissionais contratadas. A grande preocupação é manter de maneira diligente o gerenciamento que veio se propagando desde sua fundação. O processo de sucessão é tratado há mais de dez anos, com auxílio de coaching renomado e com os potenciais sucessores já assumindo funções importantes nas organizações do grupo, disse o assessor da diretoria, Sergio Pipolo. É importante informar, que a velocidade das mudanças na composição familiar não é a mesma na estrutura do empreendimento. Por isso, é bom levar em consideração que a fase do proprietário controlador é distinta das etapas da sociedade entre irmãos, que é muito diferente entre os primos e assim por diante. O tempo de vida de uma empresa familiar depende da consolidação de um ambiente corporativo capaz de detectar, antecipar e eliminar riscos, dentre eles: a discordância entre sócios, não entendimento de princípios, as discórdias e as lutas internas pelo poder. Construir uma ambiência saudável de governança passa pelo entendimento familiar, de que quanto mais cedo à família se preparar e definir as regras que pautarão a relação entre as gerações e a empresa, menos possibilidade de conflitos radicais e inegociáveis haverá.

6 Oportunidades de mercado 06 Sempre em expansão A frota de veículos e equipamentos agrícolas cresce a cada ano no Brasil. Este segmento utiliza inúmeros componentes originados do aço e as expectativas são positivas para os próximos meses. Em média, o aço corresponde a 50% do peso total do veículo convencional Segundo a Fenabrave Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores a perspectiva de emplacamentos de veículos em 2011, é de um crescimento de 8,38%, totalizando 5,7 milhões de unidades. Para o setor de automóveis e comerciais leves, espera-se aumento de 5,9%, somando 3,5 milhões de unidades. Já os caminhões deverão contabilizar 185 mil unidades, com evolução de 17,70%, enquanto a divisão de ônibus deverá crescer 11,40% (31 mil unidades), e motor 12,10% (2 milhões de unidades). Presumi-se que a arquitetura do automóvel mudará nos próximos anos e a indústria do aço está determinada a manter-se como principal opção nesta construção. Embora o uso por fibras de carbono, resinas e alumínio tenha aumentado (para reduzir o consumo de combustível), os fabricantes de aço estão confiantes na competitividade do produto, tornando-o mais resistentes e leves. Só para exemplificar, um veículo necessita das seguintes peças em aço (entre outras): Forjaria: componentes, coroas e pinhões, eletrônicos, rotores. Freios: hastes, suportes, pistões, placas. Suspensão: engrenagens, buchas, bujões, eixos, pinos. Transmissão: anéis, cruzetas, gaiolas, satélites/planetárias, tripeças. Destrinche os seguintes sistemas de um veículo: motor, escapamento, câmbio, eixo dianteiro e traseiro, direção, freios, chassis, carroceria, sistema elétrico e demais acessórios. O que você pode oferecer para este mercado, tão ávido por soluções e em constante desenvolvimento? Exemplos Gol (1.0 4 portas) Astra (Elegance 2.0 MPFI 8v) Peso total do veículo (fabricante) 903 kg kg Peso dos componentes feitos em aço 503 kg 594 kg Participação do aço no peso total do veículo Quantidade de aço necessária para a fabricação dos componentes: Participação do aço no valor de venda do veículo 55,7% 50,3% 749 kg kg 7,93% 7,54% Produção Janeiro a Outubro de 2011 Automóveis: milhões Comerciais Leves: 511 mil Caminhões: 178,6 mil Chassis de ônibus: 38,8 mil Total: (mesmo período em 2010 = ) alta de 1,9% CKD Automóveis: 0 Comerciais Leves: 13,1 mil Caminhões: 1,2 mil Chassi de ônibus: 4,7 mil Total: 19,1 mil Máquinas Agrícolas Tratores de rodas: 54,8 mil Tratores de esteiras: 2,7 mil Cultivadores motorizados: 1,1 mil Colheitadeiras: 5,6 mil Retroescavadeiras: 5,2 mil Total: 69,5 mil (mesmo período em 2010 = 67,3 mil) queda de 10%, devido ao mercado interno e exportações. * Dados fornecidos pela Anfavea: Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores Divulgação

7 Certidão Negativa de Débitos Trabalhista A criação da Certidão Negativa de Débitos Trabalhista impõe mais uma exigência às empresas que tem como premissa manter a idoneidade, e deverá alterar a rotina das companhias brasileiras A partir de janeiro de 2012, entrará em vigor a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas CNDT, que apresentará um histórico da empresa na área trabalhista. A certidão tem por finalidade demonstrar que, ainda que determinada empresa possua débitos trabalhistas materializados em demandas judiciais, ela não se furta a pagá-los quando citada na fase de execução, com decisão já julgada (tendo esgotado todas as fases recursais para a liquidação do valor a pagar). Assim, apenas deixarão de obter a CNDT, os empregadores que, citados para efetuar o pagamento da condenação, não pagarem ou não garantirem o juízo no prazo legal de 48 horas. Formalizada a penhora, poderá ser emitida a Certidão Positiva de Débitos Trabalhistas com efeito de Negativa, explicou Dra. Patrícia Capra Pergher, advogada do Sindisider POA. Isso obrigará as firmas a terem um maior planejamento financeiro e a monitorar suas ações, para evitarem ser surpreendidas em execuções que as privem de participar de processos licitatórios procedimento administrativo para a contratação de serviços ou aquisição de produtos através da Administração Pública direta ou indireta. Na prática, as empresas que estiverem positivadas, não estarão aptas a participar de processos licitatórios no País, para acesso a financiamentos públicos e empréstimos junto a bancos oficiais ou mesmo para obtenção de qualquer outro benefício governamental. A CDNT terá como prazo de validade 180 dias contados de emissão. A Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas foi criada a partir da publicação da Lei da nº /2011, a qual insere na CLT o artigo 642 A. São considerados como débitos inadimplidos perante a Justiça do Trabalho, todo e qualquer valor decorrente de condenação transitada em julgamento ou de acordos firmados em juízo, bem como o descumprimento de obrigações decorrentes de execuções de acordos firmados perante o Ministério Público do Trabalho ou Comissão de Conciliação Prévia. Entretanto, não podemos perder de vista os princípios norteados da Justiça do Trabalho, do protecionismo ao trabalhador e da conciliação. Neste aspecto, a CNDT tem o condão de ser mais um mecanismo a disposição Dra. Patrícia Capra Pergher advogada do Sindisider POA do Judiciário Trabalhista para forçar a conciliação nas reclamações trabalhistas ajuizadas, bem como para garantir-lhes o adimplemento, alertou Dra. Patrícia. A inclusão do CNPJ e nomeado empregador na CNDT, a relação de todos os seus estabelecimentos, agências e filiais no cadastro do Tribunal Superior do Trabalho, se dará por ordem do Juiz do Trabalho da Vara onde tramita o processo, ao verificar que após citado, o empregador não efetuou o pagamento do débito trabalhista. Não apresentou bens à penhora. A exclusão desses dados do cadastro se dará com a quitação do débito trabalhista, acrescentou a advogada. A CNDT será expedida de forma gratuita e eletrônica pelos sites do Tribunal Superior de Justiça (TST - do Conselho Superior de Justiça do Trabalho (www.csjt.jus.br), ou de qualquer dos Tribunais Regionais do Trabalho (TRT s) existentes no País. E se juntará às já exigidas certidões negativas de débitos previdenciários e fiscais. Negociações coletivas encerradas São Paulo Empregados no Comércio, data base setembro e outubro, capital e interior: Reajuste salarial: 9,8% Pisos reajuste: 11,0% Empregados no Comércio do ABC, data base outubro: Reajuste salarial: 10,0% Pisos: 11,0% Empregados Metalúrgicos, data base novembro, capital e grande parte do Interior (Força Sindical): Reajuste salarial: 10,0% a partir de 01/01/2012 Abono salarial de duas parcelas de 13% em dezembro Pisos reajuste: 11,0% Minas Gerais Empregados em geral representados pelo SEEDSIDER, data base novembro: Reajuste salarial: 9,0% Pisos reajuste: 10,0%

8 Ponto de vista 08 Ponto de vista Divulgação Marcos Siqueira sócio gerente da Masi Metal Comércio e Indústria Ltda A atual conjuntura mostra uma relação mais ajustada entre Distribuição e Mercado (com exceção para as margens de comercialização). As variáveis, preços internacionais e a relação Real Dólar, não têm motivado grandes volumes de importações, contribuindo bastante para esse ajuste. O saldo positivo do nosso segmento dependerá do au mento do mercado interno, e medidas governamentais de incentivo ao consumo se fazem necessárias (que, aliás, já tiveram início e esperamos que tenha continuidade). O pior obstáculo será pilotar a relação: aumento do consumo interno por meio da flexibilidade do crédito X controle da inflação. O desempenho do setor de distribuição de aço nos últimos três meses confirma a tendência de 2011: crescimento, em toneladas vendidas, em torno de 10% quando comparado a 2010, resultante da desova de um grande estoque, com resultados sofríveis ou negativos para a maioria das empresas da rede distribuidora. Um dos aspectos que precisa ser melhorado no nosso setor é a questão da manutenção dos estoques em níveis compatíveis com as vendas. Além disso, é preciso haver uma dedicação maior de todos os empresários que já tenham alguma relação com o Sindisider / Inda, com o objetivo de acelerar as ações já existentes e trazer mais afiliados para as duas instituições. O aumento de filiações democratiza, ainda mais, as excelentes informações de mercado veiculadas, possibilitando uma maior consciência setorial, assim como um aumento de representatividade junto às autoridades governamentais e a comunidade siderúrgica. Para o ano de 2012, as expectativas são muito boas. Pois as usinas brasileiras estão atentas aos movimentos dos preços internacionais e à cotação do dólar, para evitar a avalanche de importações que experimentamos em passado recente. Com relação a importações de bens, como aço contido, já existe um sinal vermelho sobre esse assunto, e algumas ações estão em andamento, buscando saídas para redução desse impacto negativo no mercado. Pelo bem ou pelo mal, as obras de infraestrutura relacionadas à Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016 precisam acelerar e outras, começarem, o que provocará reações positivas para toda a cadeia do aço O futuro do Brasil é brilhante, a despeito dos custos que temos. Somos parte de um pequeno grupo de países, que tem um mercado interno ávido para consumir, extensão territorial com boas condições produtivas, grandes reservas minerais e muita oportunidade. Argentinos em território brasileiro A Ternium fabricação e processamento de uma ampla gama de aços planos e longos subsidiária do grupo argentino Techint, comprou 27,7% das ações da siderúrgica Usiminas. Segundo um dos diretores da empresa, Pedro Pablo Kuczynski, a produtividade da Usiminas se estagnou nos últimos anos e o objetivo é aumentar a produção para melhorar a rentabilidade. Para o executivo, 2012 não será um ano fácil, mas considera que a Usiminas tem boas perspectivas, em especial para a indústria automobilística, que continuará em crescimento, aumentando a exportação. A companhia argentina adquiriu 139,7 milhões de ações ordinárias da Camargo Corrêa, da Votorantim e da Caixa dos Empregados Usiminas (CEU), totalizando o valor de R$ 5,03 bilhões. A compra foi dividida entre três empresas do grupo, sendo a Ternium (87,4 milhões de ações ordinárias), a Siderar (30 milhões de ações) e a Confab (25 milhões de ações). Com o negócio fechado, a Ternium assume a parte do controle acionário correspondente a Camargo Côrrea e Votorantim. O grupo de controle, que detém a maioria do direito de voto ficará composto pelo Grupo Nippon com 46,1%, Caixa dos Empregados da Usiminas (CEU) com 10,6% e a Ternium com 43,3% de participação. Expediente Diretoria Executiva Presidente Carlos Jorge Loureiro Vice-presidente José Eustáquio de Lima Diretor administrativo e financeiro Miguel Jorge Locatelli Diretor para assuntos extraordinários Heuler de Almeida Conselho Diretor Alberto Piñera Graña, Carlos Henrique Stella Rotella, Philippe Jean Marie Ormancey, Ronei Kilzer Gomes, Newton Roberto Longo Superintendente Gilson Santos Bertozzo Conselheiro Editorial Oberdan Neves Oliveira Revista Brasileira do Aço Editora Isis Moretti (Mtb ) Projeto gráfico, diagramação e editoração Impressão Neoband Distribuição exclusiva para Associados ao Inda. Os artigos e opiniões publicados não refletem necessariamente a opinião da revista Brasileira do Aço e são de inteira responsabilidade de seus autores.

Importações de aço acima do previsto em 2013

Importações de aço acima do previsto em 2013 Aço AÇO BRASIL DEZEMBRO 5 anos 0 I N F O R M A 23ª 23EDIÇÃO DEZEMBRO 2013 Importações de aço acima do previsto em 2013 As importações de produtos siderúrgicos deverão ser de 3,8 milhões de toneladas em

Leia mais

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Ter, 02 de Agosto de 2011 07:13 Com base nos movimentos de mercado e da companhia alinhados ao aquecimento da indústria e economia brasileiras,

Leia mais

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Histórico O Protocolo foi assinado em 03 abril de 2012, pelas empresas: Aperam South America ArcelorMittal Gerdau Siderúrgica

Leia mais

Realinhamentos dos estoques

Realinhamentos dos estoques Revista Brasileira do Aço Ano 20 - Edição 130 - Abril 2011 Realinhamentos dos estoques No último dia 22 de março, o Inda realizou mais uma edição do tradicional café da manhã com executivos da distribuição

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

BALANÇO SINALIZA ANO DIFÍCIL PARA A INDÚSTRIA DO AÇO E PARA O PAÍS

BALANÇO SINALIZA ANO DIFÍCIL PARA A INDÚSTRIA DO AÇO E PARA O PAÍS Aço AÇO BRASIL SETEMBRO I N F O R M A 26ª 26EDIÇÃO SETEMBRO 2014 BALANÇO SINALIZA ANO DIFÍCIL PARA A INDÚSTRIA DO AÇO E PARA O PAÍS Realizado em São Paulo, em 12 e 13 de agosto de 2014, o 25º Congresso

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 4ª SEMANA DE MARÇO A entrevista do presidente Carlos Loureiro para a Reuters sobre a reunião no MDIC continua recebendo destaque da mídia. Reproduções da reportagem

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios

Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Indústria Brasileira do Aço Situação Atual e Principais Desafios Marco Polo de Mello Lopes Presidente Executivo ABM Maio 2011 1 PIB x Consumo de Aço x Desenvolvimento Econômico 2 Conversa entre Lula e

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011 Relações com Investidores A Tenaris Sobre a Tenaris Líder global na produção de tubos de aço e serviços para a indústria energética, automotiva e aplicações

Leia mais

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA www.espm.br/centraldecases Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS. Recomendado para as

Leia mais

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014 Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul 18 de Agosto de 2014 Agenda Indicadores Econômicos Relevantes Maiores problemas que afetam a produção no Brasil Exportações para a Argentina Declínio

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE Aço AÇO BRASIL ABRIL I N F O R M A 28ª 28EDIÇÃO ABRIL 2015 CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE 2007 O consumo aparente de aço no País deve fechar o ano de 2015 com queda de 7,8%

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

XVIII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/MG - 2015

XVIII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/MG - 2015 PERÍCIA A energia elétrica como insumo essencial no processo produtivo de ligas a base de silício. RESUMO O presente trabalho tem a finalidade de apresentar um Laudo Pericial em que uma siderúrgica foi

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

POR UMA INDÚSTRIA MAIS COMPETITIVA

POR UMA INDÚSTRIA MAIS COMPETITIVA Revista Brasileira do Aço Ano 22 - Edição 151 Outubro/Novembro 2013 POR UMA INDÚSTRIA MAIS COMPETITIVA A INDÚSTRIA BRASILEIRA ESTÁ FRACA... E SÃO INÚMEROS OS MOTIVOS PELO ENFRAQUECIMENTO DA PRINCIPAL ATIVIDADE

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 61, ANO VI JANEIRO DE 2014 I DEFINIÇÃO SOBRE A ALÍQUOTA REDUZIDA DO ICMS SOBRE BENS DE CAPITAL EM SÃO PAULO Após muitos anos, o Fisco

Leia mais

PARA CAPTAR E MANTER CLIENTES

PARA CAPTAR E MANTER CLIENTES Revista Brasileira do Aço Ano 22 - Edição 149 Junho/Julho 2013 PARA CAPTAR E MANTER CLIENTES O aumento da competição, as mudanças nas expectativas, as necessidades dos clientes, o lançamento de novos produtos

Leia mais

* Margem de Contribuição

* Margem de Contribuição Mesa Redonda Tratores e Máquinas Agrícolas Roberval Sebastião da Silva - Unimassey Dimensão do Resultado: * Vendas: - Participação de mercado = conhecer tamanho do mercado - Vendas perdidas = por que não

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2. GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL 4 - SETOR DE BENS DE CAPITAL OR DE ENS DE CAPITAL - DESEMPENHO EM Data: 08/12/95 Nº 2 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS INTRODUÇÃO Caracterização

Leia mais

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007

EXPOMONEY 2007. São Paulo, 28 de setembro de 2007 EXPOMONEY 2007 São Paulo, 28 de setembro de 2007 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 29 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO Um dos destaques desta semana é a reportagem do UOL sobre o recuo de 1% na produção industrial brasileira, entre setembro

Leia mais

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014

Apresentação para Investidores. Novembro de 2014 Apresentação para Investidores Novembro de 2014 1 Agenda Diferenciais Gerdau Estratégia Destaques Operacionais e Financeiros Perspectivas Diferenciais Gerdau Mais de 110 anos de atuação no mercado do aço

Leia mais

Referência na gestão otimizada de recursos na América Latina

Referência na gestão otimizada de recursos na América Latina Referência na gestão otimizada de recursos na Renovando o mundo O mundo desenvolve-se e necessita de novos recursos: recursos naturais, econômicos e humanos. A nossa contribuição consiste em conceber e

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Siderurgiaemfoco. Encontro Nacional da Siderurgia. discute rumos da produção de aço. Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br

Siderurgiaemfoco. Encontro Nacional da Siderurgia. discute rumos da produção de aço. Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br Siderurgiaemfoco Encontro Nacional da Siderurgia discute rumos da produção de aço Cerca de 600 pessoas participaram do I Encontro Nacional da Siderurgia, promovido

Leia mais

E hoje, como está a siderurgia no Brasil?

E hoje, como está a siderurgia no Brasil? Revista Brasileira do Aço Ano 22 - Edição 145 Outubro/Novembro 2012 E hoje, como está a siderurgia no Brasil? De acordo com o Instituto Aço Brasil, os indicadores de produtividade da indústria do aço se

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12

Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12 Faturamos 53 unidades de implementos rodoviários no 1T12 Vendas Recrusul de Implementos Rodoviários (em unidades) 116 33 40 55 53 1T08 1T09 1T10 1T11 1T12 O mercado de implementos rodoviários mostrou-se

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480)

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480) ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA (Instrução CVM nº 480) Em linhas gerais, o patrimônio da Companhia é composto por dezesseis embarcações

Leia mais

Bosch Rexroth no Brasil

Bosch Rexroth no Brasil Electric Drives and Controls Hydraulics Linear Motion and Assembly Technologies Pneumatics Service Bosch Rexroth no Brasil The Drive & Control Company Nossa Meta: ser líder mundial em benefícios ao cliente

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

O SETOR ESTÁ OTIMISTA

O SETOR ESTÁ OTIMISTA Revista Brasileira do Aço Ano 22 - Edição 152 Dezembro 2013 / Janeiro 2014 O SETOR ESTÁ OTIMISTA O ano começou de forma positiva... Com reajuste nos preços entre 6% e 7%, redução da importação, valorização

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

Romi registra lucro líquido de R$ 83 milhões em 2006, o maior resultado de sua história

Romi registra lucro líquido de R$ 83 milhões em 2006, o maior resultado de sua história Resultados do 4 o Trimestre de 2006 Cotações (28/12/06) ROMI3 - R$ 158,00 ROMI4 - R$ 146,50 Valor de Mercado R$ 999,0 milhões Quantidade de Ações Ordinárias: 3.452.589 Preferenciais.: 3.092.882 Total:

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >>

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> Para se candidatar a Vaga de Promotor(a) iremos dividir por etapas a apresentação e o treinamento: Primeira Etapa: 1. Apresentação da Empresa e seus Canais de Vendas 2. Apresentação

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 2ª SEMANA DE DEZEMBRO A SD&PRESS Consultoria intermediou a publicação dos dados do INDA de novembro na Agência Estado e Agência Leia. As reportagens desses veículos

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Agenda. Cenário Atual. Estratégia. Plano de Investimentos. Governança Corporativa / Sustentabilidade

Agenda. Cenário Atual. Estratégia. Plano de Investimentos. Governança Corporativa / Sustentabilidade ExpoMoney 9M09 Agenda Cenário Atual Estratégia Plano de Investimentos Governança Corporativa / Sustentabilidade 2 Cenário Atual 3 A Usiminas é a maior produtora de aços planos da América Latina e a 38

Leia mais

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO OBJETIVOS Atração de Investimentos Inovação Tecnológica Incorporação Tecnológica Competitividade da Cadeia Automotiva Adensamento da Cadeia Automotiva Abrangência Automóveis,

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Indicadores de Desempenho Setembro de 2014

Indicadores de Desempenho Setembro de 2014 Setembro de 2014 Fatos Relevantes Setembro/2014 Vendas Industriais A indústria de material de transportes teve a maior elevação na variável vendas, com a variação positiva de 189,31%. Custo das Operações

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL ANÁLISE ECONÔMICA DA CSN DE SETEMBRO DE 2011 Cenário Internacional 2011 foi marcado por um ambiente econômico de instabilidade, agravamento da crise européia.

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06478/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06478/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06478/2006/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 28 de novembro de 2006 Referência: Ofício n 5715/2006/SDE/GAB de 13 de novembro

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012.

CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012. CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Prova da Inexistência de Débitos Trabalhistas 3 -

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

40.000 empregados Em mais de 250 municípios Brasileiros Presença em mais de 20 países

40.000 empregados Em mais de 250 municípios Brasileiros Presença em mais de 20 países 42º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ACIARIA 42º STEELMAKING SEMINAR - INTERNATIONAL NOVOS PROJETOS SIDERÚRGICOS Iran Oliveira de Medeiros GRUPO VOTORANTIM 1918 2010 Canadá Estados Unidos México Bahamas Colômbia

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

EXPECTATIVAS SETORIAIS

EXPECTATIVAS SETORIAIS Revista Brasileira do Aço Ano 21 - Edição 139 - Fevereiro 2012 EXPECTATIVAS SETORIAIS Investir ou não investir? Como traçar um plano de negócios após um 2011 que não vai deixar saudades? Como reage o Governo

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados 22/07/2014 Agenda A diferença entre as Inteligências Empresarial e Competitiva (de Mercado) O que não é Inteligência

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo

Companhia de Gás de São Paulo Companhia de Gás de São Paulo Autora:Tatiana Helena Marques Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Mello Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução:

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais