Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro."

Transcrição

1 Alex Rodrigues de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. RESUMO O presente artigo pretende iniciar o estudo, pautado na perspectiva da Geografia Cultural Renovada, das marcas espaciais da Igreja de Nossa Senhora da Glória, através da constatação das práticas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, o controle do território religioso e os conflitos internos e externos da mesma. Propõe-se trabalhar a partir da lógica da descoberta e numa perspectiva qualitativa, dando voz aos agentes envolvidos bem como trabalhar com fontes secundárias a fim de criar um novo olhar da organização espacial da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. INTRODUÇÃO A temática da pesquisa pretende interpretar as marcas espaciais da religião na Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, localizada no bairro da Glória, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro; gestada pela Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, organização que respondia aos interesses imperiais, e que, atualmente, continua na gestão de pessoas da sociedade civil, que compõem o grupo através de indicação e aprovação de seus membros. A justificativa para o estudo de uma forma espacial simbólica no topo de um outeiro apresenta algumas singularidades que serão interpretadas: a permanência até os tempos presentes de uma sociedade de fundação Imperial em uma conjuntura republicana; a gestão religiosa da Irmandade sob a responsabilidade de uma comunidade de leigos, cujos representantes são irmãos atuantes na mesma. Esses itens serão elaborados a seguir em nosso ponto central de estudo. A perspectiva trazida pela Geografia Cultural Renovada, em todo seu escopo conceitual, nos faz perceber a materialidade e imaterialidade da cultura; neste caminho, 1

2 a Religião insere-se por identificar conceitos e temas ligados à esses dois aspectos da dimensão cultural, ressaltando-nos a área que servirá de base para o projeto, tendo o homem, na prática religiosa, marcando o espaço selecionado. Geografia e Religião sempre apresentaram ligações, por serem duas práticas sociais e, dentre outras coisas, estarem inseridas dentro de uma dimensão espacial; a Geografia analisa o espaço, e a Religião, como fenômeno cultural, que ocorre espacialmente. (ROSENDAHL, 1996). A TERRITORIALIDADE RELIGIOSA DA IMPERIAL IRMANDADE DE NOSSA SENHA DA GLÓRIA DO OUTEIRO Uma das propostas de estudo da Geografia da Religião, é a temática Religião, Território e Territorialidade, a qual será utilizada em nosso projeto. Segundo Rosendahl (2008), territórios religiosos seriam entendidos como reflexo de espaço vivido no cotidiano da fé, [...] (fortalecendo) as relações e os fluxos que se instauram pouco a pouco no espaço e que dão origem a uma identidade religiosa e a um sentimento de pertencimento ao grupo religioso envolvido (p ); com a territorialidade religiosa significando o conjunto de práticas desenvolvidas por instituições ou grupos religiosos, no sentido de controlar um dado território religioso. É uma ação para manter a existência, legitimar a fé e a sua reprodução ao longo da história (p.57). Porém, ao analisarmos as definições de espaço sagrado (ROSENDAHL, 1996) e território político (SOUZA, 1995), observamos uma aproximação entre estes conceitos. Segundo Rosendahl (1996), espaço sagrado é um campo de forças e de valores que eleva o homem religioso acima de si mesmo, [...] o espaço sagrado é o resultado de uma manifestação do sagrado, revelada por uma hierofania espacialmente definida. (p.81); enquanto que o território político para Souza (1995) seria um campo de forças, as relações de poder espacialmente delimitadas e operando, destarte, sobre um substrato referencial (p.97); logo, percebemos que, apesar de um caráter não-religioso deste conceito de território, ele nos demonstra a proximidade dos conceitos. Estamos diante de forças materiais e imateriais. Assim, temos uma base conceitual para o estudo de uma territorialidade religiosa que se manifesta em um espaço sagrado, por meio de uma gestão de leigos. As territorialidades, a constituição de um território religioso por uma 2

3 comunidade não-religiosa, e as relações com a sociedade externa, religiosa e nãoreligiosa, provenientes deste controle do território, serão assuntos de grande interesse, tal qual, a possível formação de um território civil-religioso ; ou talvez um território civil-sacralizado ; ambos serão (re)estudados durante a elaboração da pesquisa, contudo, tais conceitos ainda não foram relatados em estudos da Geografia da Religião. O projeto tem por objetivos: a) Investigar as práticas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, utilizadas para legitimar seu poder frente à Igreja de Nossa Senhora da Glória; b) Discutir como ocorre o controle de uma entidade civil sobre um território religioso; c) Verificar a existência de conflitos religiosos referentes Igreja de Nossa Senhora da Glória; d) Analisar as interações da Irmandade com a comunidade externa, com as autoridades estatais e com as autoridades políticas, em três escalas de abrangência. A pesquisa surgiu através da observação de campo feita para outro projeto, na ocasião da festa de Nossa Senhora da Glória. Destarte, é mister pesquisarmos sobre a importância da terceira igreja edificada na cidade do Rio de Janeiro em 1739, e sobre a comunidade que a controla. O antigo projeto tinha por objetivo verificar a existência da venda de bens simbólicos de diversas religiões em um espaço católico, preocupandose assim em analisar a coexistência pacífica que se instaurava na Igreja, nos dias de festa da santa padroeira. Em nossa observação, já realizada em trabalho de campo para a pesquisa, não encontramos barracas de venda que fossem de outra religião, ou sequer de outra paróquia, no entanto, haviam policiais divididos em todos os postos onde as barracas estariam localizadas. A partir desta observação e uma entrevista informal a um membro da Irmandade, nosso foco desviou-se para como a mesma transformou e organizou um espaço profano, de forma a construir poder a partir do controle exercido 3

4 sobre esse espaço e as pessoas que por ali transitavam, utilizando os policiais como seu instrumento de coerção (GOMES, 2008). A alteração na pesquisa inicial foi devido a essas observações realizadas durante o trabalho inicial de pesquisa, o que torna inédita nossa futura investigação. A percepção de que a Imperial Irmandade configura um território nos foi elucidada pelo fato destes conservarem o acesso, o controle e o uso, tanto das realidades visíveis quanto dos poderes invisíveis (HAESBAERT apud GODELIER, 1984, p.114) que fazem parte da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. As territorialidades que nos propomos a analisar são as atuais, do início do século XXI, retomando em alguns momentos, como forma de análise, as territorialidades de outrora como a época do Império, a partir da construção da Igreja e instituição da Irmandade em 10 de outubro de 1739; passando pela outorga do título de Imperial por Dom Pedro II em 27 de dezembro de 1849; e, posteriormente à queda do império e princípio da República no Brasil em 15 de novembro de A proposição temática junto ao objeto configura-se em um fenômeno cultural, religioso, e, por conseguinte, social. O projeto exara-se na ciência, de forma relevante, por propiciar a atualização na discussão de conceitos da Geografia da Religião, notadamente, o de território religioso; além de fomentar o debate sobre o referido objeto, a fim de servir como referência às próximas pesquisas que se destinem a estudar a Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, territórios religiosos, ou as Irmandades Imperiais. Estudo bastante rico no espaço-tempo da cidade do Rio de Janeiro. Utilizando-nos da lógica da descoberta, temos como questionamento central à pesquisa como se configuram o território e a territorialidade religiosa da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, na Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro?, reforçando a busca pela compreensão de todas as matrizes que constituem em território este espaço sagrado; as sub-questões provenientes seriam como o território religioso vem sendo gestado por uma instituição, civil?, que nos traz a perspectiva de como o status de imperial ainda constitui forte importância social; como a Irmandade é reconhecida por fiéis, profissionais religiosos católicos, as autoridades religiosas católicas e as autoridades políticas da cidade?, fazendo-nos ter o 4

5 conhecimento da percepção da Imperial Irmandade em diferentes esferas da religião católica, além da perspectiva dos líderes políticos; que tipos de conflitos religiosos geram as práticas realizadas pela Irmandade?, verificando neste ponto qual o comportamento das outras religiões em relação às imposições da irmandade; por que uma festa religiosa integra quatro esferas sociais (civil, religiosa, militar e política)? e o espaço profano a Igreja sofre algum tipo de valorização devido a presença da mesma?, ressaltando a importância histórica e religiosa da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro; encerrando o conjunto de sub-questões pertinentes à pesquisa. A fim de encontrar uma resolução aos questionamentos propostos, definimos nossas fontes de trabalho por levantamento do: a) aporte bibliográfico referente aos temas Geografia da Religião, Território, Territorialidade, Território Religioso, Territorialidade Religiosa, Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, Irmandades Imperiais, Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, e similares que atentem para a referida temática, além de b) freqüentadores da Igreja, políticos, profissionais religiosos, moradores do bairro, membros da Irmandade e pessoas pertencentes à outras religiões, que auxiliem na resolução dos questionamentos através de entrevista conduzida. Contamos também c) fontes secundárias obtidas em órgãos governamentais como IBGE, IBGH e acervos como a Biblioteca Nacional e outros; que nos disponibilizariam materiais como mapas, ilustrações, material midiático, dados censitários, gráficos e afins que demonstrem outra realidade da cidade em relação ao objeto, e nos provenham assistência à resposta dos questionamentos propostos. Procederemos com as fontes de maneira à complementar nossa pesquisa, objetivando tentar interpretar, com o olhar geográfico, quaisquer questionamentos surgidos, para isso, nos utilizaremos de entrevistas qualitativas, leitura seletiva do material selecionado, e utilização pertinente dos dados coletados, bem como das ilustrações, mapas e outras fontes adquiridas. A pesquisa teórica e empírica permitirá, com certeza, um novo olhar nos estudos de organização espacial da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Religião, o espaço e o homem estarão relacionados em nossa pesquisa. 5

6 Referências CORRÊA, Roberto Lobato. Os Centros de Gestão do Território: Uma nota. Revista Território, Rio de Janeiro, v. 1, p , ELIADE, M. O Sagrado e o Profano. A Essência das Religiões. Tradução por Rogério Fernandes. Lisboa: Edições Livros do Brasil, p GOMES, P. C. C. Sobre territórios, escalas e responsabilidade. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p HAESBAERT, Rogério. Definindo Território para entender a Desterritorialização. In: HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p HAESBAERT, Rogério. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p OLIVEIRA, A. J. M. A Festa Da Glória. Festas, Irmandades E Resistência Cultural No Rio De Janeiro Imperial. História Social, Campinas - SP, n. 7, p , OLIVEIRA, A. J. M. Os Bispos e os Leigos: Reforma Católica e Irmandades no Rio de Janeiro. Revista de História Regional, Ponta Grossa - PR, n. 6(1), p , Verão RIBEIRO, M. A. C.; MATTOS, Rogério Botelho de. Territórios da Prostituição nos Espaços Públicos na Área Central do Rio de Janeiro. Revista Território, Rio de Janeiro, v. 1, p ,

7 ROSENDAHL, Z. Espaço e Religião: Uma Abordagem Geográfica. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. ROSENDAHL, Z. Os caminhos da construção teórica: ratificando e exemplificando as relações entre espaço e religião. In: ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. Espaço e Cultura: Pluralidade Temática. Rio de Janeiro: EdUERJ, p SACK, R. D. Human Territoriality. Its Theory and History. Cambridge: Cambridge University Press, SAQUET, Marcos Aurélio. A abordagem territorial: considerações sobre a dialética do pensamento e do território. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p SOUZA, Marcelo Lopes de. O território. Sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Castro, I. E.; Gomes, P. C. C.; Correa, R. L.. (Orgs.). Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Ambiental e Rural/2011-2014 Área de Integração Pedro Bandeira Simões N.º TOTAL DE MÓDULOS DE 1º/2º/3º

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO 1º PERÍODO UL1 - As origens ÉTICA E MORAL Calendarização - 26 aulas A. Construir uma chave de leitura religiosa Os dados da ciência sobre a origem do Diálogo com os alunos, relacionado da pessoa, da vida

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica.

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica. As cinco grandes competências do ENEM Apresentaremos a seguir as grandes competências do Exame Nacional do Ensino Médio. Elas exigem dos estudantes e dos educadores uma série de novos procedimentos no

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado 1 Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado O Estágio Supervisionado se desenvolve ao longo dos três anos de teologia totalizando

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN Allan Fernandes Bezerra Licenciado em Geografia Plena pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte-IFRN.

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Redija um texto dissertativo acerca dos dois sistemas da economia nordestina no século XVII, atendendo, necessariamente, ao que se pede a seguir: identifique e caracterize esses dois sistemas econômicos;

Leia mais

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade.

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. 1- INTRODUÇÃO A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. A existência da NAÇÃO moderna pressupõe três conceitos básicos: - FRONTEIRAS

Leia mais

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI O ESTUDO DO LUGAR E A PESQUISA COMO PRINCÍPIO DA APRENDIZAGEM Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI Como resultado de reflexões acerca do ensino da geografia e do estudo do lugar, essa

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3º CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Retrospectiva Histórica

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS 1 ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS Cristina Ionácy Rodrigues e Souza 1 INTRODUÇÃO Ao fomentar que a assistência social é uma política que junto com as políticas setoriais,

Leia mais

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística.

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. CATEGORIAS DE ANÁLISE APLICADAS AO TURISMO Aula 3 META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S MÓDULO 1 Área I A Pessoa Unidade Temática 1 O SUJEITO LÓGICO-PSICOLÓGICO Tema-problema: 1.2 PESSOA E CULTURA DURAÇÃO DE REFERÊNCIA (AULAS): 15 APRESENTAÇÃO: Com este Tema-problema reconhecer-se-á que partilhamos

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS Brenda de Oliveira Dias, brendadiasoliveira3@gmail.com Débora dos Santos Marques, dmarx670@yahoo.com.br Gabriela Machado

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos Imbé 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA UTILIZAÇÃO DE DOBRADURAS DE PAPEL NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Shirley Aparecida de Morais Escola 31 de março shiamo@seed.pr.gov.br Rita de Cássia Amaral Vieira rcamaral@hotmail.comr Samantha

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

CHEFIA MONOPARENTAL FEMININA

CHEFIA MONOPARENTAL FEMININA CHEFIA MONOPARENTAL FEMININA Aparecida Maiara Cubas da Silva, e mail: maiara_cubas@outlook.com, Rosana de Araujo, Maria Inez Barbosa Margues (Orientadora),email:marques@sercomtel.com.br(UNESPAR-Campus

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi COORDENADOR: Thiago Augusto Nogueira de Queiroz RESUMO

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS CRIXÁS 2016 NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Pesquisa

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

Introdução ao fenómeno de Fátima

Introdução ao fenómeno de Fátima CURSOS DE VERÃO DO SANTUÁRIO DE FÁTIMA 1.ª edição Introdução ao fenómeno 14, 15 e 16 de julho de 2016 Santuário, Centro Pastoral de Paulo VI sinopse Com o objetivo de aproximar os estudiosos de um dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL PLANO DE ENSINO 2012-1 DISCIPLINA: Antropologia PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h II EMENTA A partir de uma perspectiva histórico-evolutiva, a disciplina

Leia mais

Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos

Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos Silvia Maria Magalhães Costa Rio de Janeiro, 2016 Envelhecimento Populacional: uma conquista e um desafio

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº 6º Ano Data: Professor(a): Nota: (valor 1,0) 1 o.bimestre Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos mínimos necessários.

Leia mais

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias?

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Painel 4. Praxis IV: O Que É Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Prof.ª Rita Ferreira Anastácio rfanastacio@ipt.pt 26 de setembro de 2015 Sumário O que

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Não há docência sem discência 1 1) Representações: de crianças e adultos. 2) Lugares e

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: VII CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Noções de história

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. A avaliação é contínua e sistemática.

Leia mais

Profª Esp. Simone Mourão Abud. Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira, 1983)

Profª Esp. Simone Mourão Abud. Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira, 1983) Abordagem Familiar Instrumentos de Abordagem Familiar: GENOGRAMA E ECOMAPA Profª Esp. Simone Mourão Abud Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira,

Leia mais

FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ)

FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ) FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ) A religião, que pode ser observada deste o surgimento dos primeiros grupos

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: IV CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA GEOGRAFIA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Geografia:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Ensino Religioso nas Escolas Públicas

Ensino Religioso nas Escolas Públicas Ensino Religioso nas Escolas Públicas Fundamentação legal: Constituição Federal de 1988: qdo reconhece os direitos sociais dos cidadãos e estabelece a promoção da cidadania e da dignidade como dever do

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE:

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: Trabalhos/Verificações da disciplina para o 1º semestre de 2010 Valor Data V1 (Verificação I): 10 pontos 11 de abril V2 (Verificação II): - OFICINA DE PRÁTICAS

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA Moradia de qualidade e o direito à cidade. Investigação sobre o processo fundiário na cidade de São Luís ORIENTADOR: PROF.

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2014/2015 3 ºCiclo 7 ºAno 7.º Ano 1º Período Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

ESPAÇO GEOGRÁFICO, PRODUÇÃO E MOVIMENTO: UMA REFLEXÃO SOBRE O CONCEITO DE CIRCUITO ESPACIAL PRODUTIVO. circuit

ESPAÇO GEOGRÁFICO, PRODUÇÃO E MOVIMENTO: UMA REFLEXÃO SOBRE O CONCEITO DE CIRCUITO ESPACIAL PRODUTIVO. circuit ESPAÇO GEOGRÁFICO, PRODUÇÃO E MOVIMENTO: UMA REFLEXÃO SOBRE O CONCEITO DE CIRCUITO ESPACIAL PRODUTIVO circuit Ricardo Castillo Samuel Frederico RESUMO: O propósito deste artigo é demonstrar a importância

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação PLANO DE ENSINO (2016) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA CURSO PROFESSOR CÓDIGO DA DISCIPLINA Normalização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO Mossoró/RN (Ano) NOME DO ALUNO TÍTULO DO PROJETO Projeto apresentado ao Conselho do Curso XXXXXXX da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO FABCI

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO FABCI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO FABCI Janaina Silva MACEDO O papel das religiosas fora do imaginário do romance As meninas,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO 1.1 Objetivos Permitir o crescimento racional e equilibrado do acervo de acordo com cada curso; Identificar os elementos adequados à formação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS Gustavo Ferreira de Azevedo (Graduando em Geografia/ Bolsista FAPERJ/Uerj) Este trabalho é o resultado de uma pesquisa em andamento onde

Leia mais

MISSIOLOGIA. Missão e juventude

MISSIOLOGIA. Missão e juventude MISSIOLOGIA Cesar Leandro Ribeiro O cristianismo é uma religião marcada por uma série de aspectos próprios e indispensáveis para sua existência, sendo um deles justamente a missão, condição que se fez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA) UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA) Boa Vista RR 2010 DÉBORA FERREIRA PINTO EDEANE CÉSAR DA SILVA ELISANGELA

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Relações Internacionais 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Como o curso de Relações Internacionais não possui, até este momento, uma resolução aprovada, utilizamos a Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, que institui

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC 2013 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE

Leia mais

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas

As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas As pesquisas sobre o livro didático de História: temas e perspectivas Raphaela de Almeida Santos RESUMO O texto analisa os trabalhos apresentados no Simpósio Internacional Livro Didático. Educação e História,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) PLANO DE AULA I. I. Plano

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROJETO DE APRIMORAMENTO DO TRABALHO EM EQUIPE SEGUNDO O MÉTODO RESSÉGUIER DOS SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006. OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: VII

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: VII 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 PERÍODO: VII CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO NOME DO CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS PROGRAMA CURRICULAR HISTÓRIA 7º ANO DOMÍNIOS DE CONTEÚDO DOMÍNIO / TEMA A Das Sociedades Recolectoras às Primeiras

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9º ANO Data: / 06 / 2016 Professor: Alessandro 2º Bimestre Nota: (Valor 1,0) A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

Organização do trabalho e organização social. Profa. Ana Rojas A.

Organização do trabalho e organização social. Profa. Ana Rojas A. Organização do trabalho e organização social Profa. Ana Rojas A. Dimensões de análise: Organização do trabalho Organização social ------------------------------------ Propostas para Políticas Públicas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO PROFESSOR : Romilson Lopes Sampaio CIÊNCIA Etimologia: Ciência

Leia mais

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração

FUNDAÇÃO LUSÍADA Centro Universitário Lusíada Regulamento TCC-Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Administração 1.1. Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A Resolução CNE nº 04 de 13 de junho de 2005, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, em seu artigo

Leia mais

Prof. Carlos José Giudice dos Santos

Prof. Carlos José Giudice dos Santos Prof. Carlos José Giudice dos Santos É o registro sistemático das idéias de uma obra (texto, artigo de revista, livro ou capítulo de livro. A palavra fichamento deriva de ficha. Antigamente (antes da invenção

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico; Dimensão política do espaço Geográfico; Dimensão

Leia mais

Interdisciplinaridade e mapas conceituais: uma aula de ecologia

Interdisciplinaridade e mapas conceituais: uma aula de ecologia Interdisciplinaridade e mapas conceituais: uma aula de ecologia Carlos Alberto Fonseca Jardim Vianna Palavras-chave: Mapas conceituais. Interdisciplinaridade. Ecologia e ensino. Introdução Desde que o

Leia mais

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação 1 Curso de Relações Internacionais - 3º período 2014.1 Disciplina: Método de Pesquisa Prof. Patricia Rivero Aula teórico-prática: quinta-feira das 16:40 às 20:10h Local: Anexo CFCH, sala 4 Objetivo Essa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ANÁLISE

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais