Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro."

Transcrição

1 Alex Rodrigues de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. RESUMO O presente artigo pretende iniciar o estudo, pautado na perspectiva da Geografia Cultural Renovada, das marcas espaciais da Igreja de Nossa Senhora da Glória, através da constatação das práticas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, o controle do território religioso e os conflitos internos e externos da mesma. Propõe-se trabalhar a partir da lógica da descoberta e numa perspectiva qualitativa, dando voz aos agentes envolvidos bem como trabalhar com fontes secundárias a fim de criar um novo olhar da organização espacial da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. INTRODUÇÃO A temática da pesquisa pretende interpretar as marcas espaciais da religião na Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, localizada no bairro da Glória, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro; gestada pela Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, organização que respondia aos interesses imperiais, e que, atualmente, continua na gestão de pessoas da sociedade civil, que compõem o grupo através de indicação e aprovação de seus membros. A justificativa para o estudo de uma forma espacial simbólica no topo de um outeiro apresenta algumas singularidades que serão interpretadas: a permanência até os tempos presentes de uma sociedade de fundação Imperial em uma conjuntura republicana; a gestão religiosa da Irmandade sob a responsabilidade de uma comunidade de leigos, cujos representantes são irmãos atuantes na mesma. Esses itens serão elaborados a seguir em nosso ponto central de estudo. A perspectiva trazida pela Geografia Cultural Renovada, em todo seu escopo conceitual, nos faz perceber a materialidade e imaterialidade da cultura; neste caminho, 1

2 a Religião insere-se por identificar conceitos e temas ligados à esses dois aspectos da dimensão cultural, ressaltando-nos a área que servirá de base para o projeto, tendo o homem, na prática religiosa, marcando o espaço selecionado. Geografia e Religião sempre apresentaram ligações, por serem duas práticas sociais e, dentre outras coisas, estarem inseridas dentro de uma dimensão espacial; a Geografia analisa o espaço, e a Religião, como fenômeno cultural, que ocorre espacialmente. (ROSENDAHL, 1996). A TERRITORIALIDADE RELIGIOSA DA IMPERIAL IRMANDADE DE NOSSA SENHA DA GLÓRIA DO OUTEIRO Uma das propostas de estudo da Geografia da Religião, é a temática Religião, Território e Territorialidade, a qual será utilizada em nosso projeto. Segundo Rosendahl (2008), territórios religiosos seriam entendidos como reflexo de espaço vivido no cotidiano da fé, [...] (fortalecendo) as relações e os fluxos que se instauram pouco a pouco no espaço e que dão origem a uma identidade religiosa e a um sentimento de pertencimento ao grupo religioso envolvido (p ); com a territorialidade religiosa significando o conjunto de práticas desenvolvidas por instituições ou grupos religiosos, no sentido de controlar um dado território religioso. É uma ação para manter a existência, legitimar a fé e a sua reprodução ao longo da história (p.57). Porém, ao analisarmos as definições de espaço sagrado (ROSENDAHL, 1996) e território político (SOUZA, 1995), observamos uma aproximação entre estes conceitos. Segundo Rosendahl (1996), espaço sagrado é um campo de forças e de valores que eleva o homem religioso acima de si mesmo, [...] o espaço sagrado é o resultado de uma manifestação do sagrado, revelada por uma hierofania espacialmente definida. (p.81); enquanto que o território político para Souza (1995) seria um campo de forças, as relações de poder espacialmente delimitadas e operando, destarte, sobre um substrato referencial (p.97); logo, percebemos que, apesar de um caráter não-religioso deste conceito de território, ele nos demonstra a proximidade dos conceitos. Estamos diante de forças materiais e imateriais. Assim, temos uma base conceitual para o estudo de uma territorialidade religiosa que se manifesta em um espaço sagrado, por meio de uma gestão de leigos. As territorialidades, a constituição de um território religioso por uma 2

3 comunidade não-religiosa, e as relações com a sociedade externa, religiosa e nãoreligiosa, provenientes deste controle do território, serão assuntos de grande interesse, tal qual, a possível formação de um território civil-religioso ; ou talvez um território civil-sacralizado ; ambos serão (re)estudados durante a elaboração da pesquisa, contudo, tais conceitos ainda não foram relatados em estudos da Geografia da Religião. O projeto tem por objetivos: a) Investigar as práticas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, utilizadas para legitimar seu poder frente à Igreja de Nossa Senhora da Glória; b) Discutir como ocorre o controle de uma entidade civil sobre um território religioso; c) Verificar a existência de conflitos religiosos referentes Igreja de Nossa Senhora da Glória; d) Analisar as interações da Irmandade com a comunidade externa, com as autoridades estatais e com as autoridades políticas, em três escalas de abrangência. A pesquisa surgiu através da observação de campo feita para outro projeto, na ocasião da festa de Nossa Senhora da Glória. Destarte, é mister pesquisarmos sobre a importância da terceira igreja edificada na cidade do Rio de Janeiro em 1739, e sobre a comunidade que a controla. O antigo projeto tinha por objetivo verificar a existência da venda de bens simbólicos de diversas religiões em um espaço católico, preocupandose assim em analisar a coexistência pacífica que se instaurava na Igreja, nos dias de festa da santa padroeira. Em nossa observação, já realizada em trabalho de campo para a pesquisa, não encontramos barracas de venda que fossem de outra religião, ou sequer de outra paróquia, no entanto, haviam policiais divididos em todos os postos onde as barracas estariam localizadas. A partir desta observação e uma entrevista informal a um membro da Irmandade, nosso foco desviou-se para como a mesma transformou e organizou um espaço profano, de forma a construir poder a partir do controle exercido 3

4 sobre esse espaço e as pessoas que por ali transitavam, utilizando os policiais como seu instrumento de coerção (GOMES, 2008). A alteração na pesquisa inicial foi devido a essas observações realizadas durante o trabalho inicial de pesquisa, o que torna inédita nossa futura investigação. A percepção de que a Imperial Irmandade configura um território nos foi elucidada pelo fato destes conservarem o acesso, o controle e o uso, tanto das realidades visíveis quanto dos poderes invisíveis (HAESBAERT apud GODELIER, 1984, p.114) que fazem parte da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. As territorialidades que nos propomos a analisar são as atuais, do início do século XXI, retomando em alguns momentos, como forma de análise, as territorialidades de outrora como a época do Império, a partir da construção da Igreja e instituição da Irmandade em 10 de outubro de 1739; passando pela outorga do título de Imperial por Dom Pedro II em 27 de dezembro de 1849; e, posteriormente à queda do império e princípio da República no Brasil em 15 de novembro de A proposição temática junto ao objeto configura-se em um fenômeno cultural, religioso, e, por conseguinte, social. O projeto exara-se na ciência, de forma relevante, por propiciar a atualização na discussão de conceitos da Geografia da Religião, notadamente, o de território religioso; além de fomentar o debate sobre o referido objeto, a fim de servir como referência às próximas pesquisas que se destinem a estudar a Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, territórios religiosos, ou as Irmandades Imperiais. Estudo bastante rico no espaço-tempo da cidade do Rio de Janeiro. Utilizando-nos da lógica da descoberta, temos como questionamento central à pesquisa como se configuram o território e a territorialidade religiosa da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, na Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro?, reforçando a busca pela compreensão de todas as matrizes que constituem em território este espaço sagrado; as sub-questões provenientes seriam como o território religioso vem sendo gestado por uma instituição, civil?, que nos traz a perspectiva de como o status de imperial ainda constitui forte importância social; como a Irmandade é reconhecida por fiéis, profissionais religiosos católicos, as autoridades religiosas católicas e as autoridades políticas da cidade?, fazendo-nos ter o 4

5 conhecimento da percepção da Imperial Irmandade em diferentes esferas da religião católica, além da perspectiva dos líderes políticos; que tipos de conflitos religiosos geram as práticas realizadas pela Irmandade?, verificando neste ponto qual o comportamento das outras religiões em relação às imposições da irmandade; por que uma festa religiosa integra quatro esferas sociais (civil, religiosa, militar e política)? e o espaço profano a Igreja sofre algum tipo de valorização devido a presença da mesma?, ressaltando a importância histórica e religiosa da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro; encerrando o conjunto de sub-questões pertinentes à pesquisa. A fim de encontrar uma resolução aos questionamentos propostos, definimos nossas fontes de trabalho por levantamento do: a) aporte bibliográfico referente aos temas Geografia da Religião, Território, Territorialidade, Território Religioso, Territorialidade Religiosa, Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, Irmandades Imperiais, Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, e similares que atentem para a referida temática, além de b) freqüentadores da Igreja, políticos, profissionais religiosos, moradores do bairro, membros da Irmandade e pessoas pertencentes à outras religiões, que auxiliem na resolução dos questionamentos através de entrevista conduzida. Contamos também c) fontes secundárias obtidas em órgãos governamentais como IBGE, IBGH e acervos como a Biblioteca Nacional e outros; que nos disponibilizariam materiais como mapas, ilustrações, material midiático, dados censitários, gráficos e afins que demonstrem outra realidade da cidade em relação ao objeto, e nos provenham assistência à resposta dos questionamentos propostos. Procederemos com as fontes de maneira à complementar nossa pesquisa, objetivando tentar interpretar, com o olhar geográfico, quaisquer questionamentos surgidos, para isso, nos utilizaremos de entrevistas qualitativas, leitura seletiva do material selecionado, e utilização pertinente dos dados coletados, bem como das ilustrações, mapas e outras fontes adquiridas. A pesquisa teórica e empírica permitirá, com certeza, um novo olhar nos estudos de organização espacial da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Religião, o espaço e o homem estarão relacionados em nossa pesquisa. 5

6 Referências CORRÊA, Roberto Lobato. Os Centros de Gestão do Território: Uma nota. Revista Território, Rio de Janeiro, v. 1, p , ELIADE, M. O Sagrado e o Profano. A Essência das Religiões. Tradução por Rogério Fernandes. Lisboa: Edições Livros do Brasil, p GOMES, P. C. C. Sobre territórios, escalas e responsabilidade. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p HAESBAERT, Rogério. Definindo Território para entender a Desterritorialização. In: HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p HAESBAERT, Rogério. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p OLIVEIRA, A. J. M. A Festa Da Glória. Festas, Irmandades E Resistência Cultural No Rio De Janeiro Imperial. História Social, Campinas - SP, n. 7, p , OLIVEIRA, A. J. M. Os Bispos e os Leigos: Reforma Católica e Irmandades no Rio de Janeiro. Revista de História Regional, Ponta Grossa - PR, n. 6(1), p , Verão RIBEIRO, M. A. C.; MATTOS, Rogério Botelho de. Territórios da Prostituição nos Espaços Públicos na Área Central do Rio de Janeiro. Revista Território, Rio de Janeiro, v. 1, p ,

7 ROSENDAHL, Z. Espaço e Religião: Uma Abordagem Geográfica. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. ROSENDAHL, Z. Os caminhos da construção teórica: ratificando e exemplificando as relações entre espaço e religião. In: ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. Espaço e Cultura: Pluralidade Temática. Rio de Janeiro: EdUERJ, p SACK, R. D. Human Territoriality. Its Theory and History. Cambridge: Cambridge University Press, SAQUET, Marcos Aurélio. A abordagem territorial: considerações sobre a dialética do pensamento e do território. In: HEIDRICH, A. L. et al. (Orgs.) A Emergência da Multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, p SOUZA, Marcelo Lopes de. O território. Sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Castro, I. E.; Gomes, P. C. C.; Correa, R. L.. (Orgs.). Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p

Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO. Cecilia Maria Pereira Martins. METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território

Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO. Cecilia Maria Pereira Martins. METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Distinguir as variadas abordagens de território. Cecilia Maria

Leia mais

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE (Autor) Tiago Roberto Alves Teixeira Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão tiago.porto@hotmail.com (Orientadora) Áurea Andrade Viana

Leia mais

O PROCESSO DE DESTERRITORIALIZAÇÃO DA FEIRA DO ACARI EM QUEIMADAS-PB: CONTRIBUIÇÕES CONCEITUAIS PARA OS ANOS INICIAIS DO ENSINO DE GEOGRAFIA

O PROCESSO DE DESTERRITORIALIZAÇÃO DA FEIRA DO ACARI EM QUEIMADAS-PB: CONTRIBUIÇÕES CONCEITUAIS PARA OS ANOS INICIAIS DO ENSINO DE GEOGRAFIA O PROCESSO DE DESTERRITORIALIZAÇÃO DA FEIRA DO ACARI EM QUEIMADAS-PB: CONTRIBUIÇÕES CONCEITUAIS PARA OS ANOS INICIAIS DO ENSINO DE GEOGRAFIA Maria José Peres do Nascimento - UEPB mjnascimento09@gmail.com

Leia mais

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS 111 MIRANDA, Everton NABOZNY, Almir Introdução A relação entre paisagem-identidade constrói-se um jogo sem fim, onde as identidades são construídas ao longo do

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Museu da Abadia São Geraldo Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Informações gerais Mantenedores Mosteiro São Geraldo Abadia São Geraldo Coordenação Dom Afonso Vieira,

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 210 DETERMINA O ENSINO RELIGIOSO, MESMO FACULTATIVO PARA O ALUNO, DEVE ESTAR PRESENTE COMO DISCIPLINA DOS HORÁRIOS NORMAIS DA

Leia mais

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto PROJETO DE PESQUISA PÓS-DOUTORADO Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto Candidata: Mayara Dias de Souza Supervisor: Prof. Associado Dr. Marcelo Tramontano 1 RESUMO Reflexões

Leia mais

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV 1 O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Daiane de Freitas 1 Ademir Damazio 2 Introdução O presente trabalho tem

Leia mais

FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ)

FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ) FÉ, ESPAÇO E TEMPO: ANÁLISE DA DIFUSÃO DAS DIOCESES CATÓLICAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. TERRA, Ana Carolina Lobo (NEPEC/UERJ) A religião, que pode ser observada deste o surgimento dos primeiros grupos

Leia mais

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI O ESTUDO DO LUGAR E A PESQUISA COMO PRINCÍPIO DA APRENDIZAGEM Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI Como resultado de reflexões acerca do ensino da geografia e do estudo do lugar, essa

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina GEO435 Geografia e Planejamento Urbano no Brasil

Programa Analítico de Disciplina GEO435 Geografia e Planejamento Urbano no Brasil 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Geografia - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 2

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Ambiental e Rural/2011-2014 Área de Integração Pedro Bandeira Simões N.º TOTAL DE MÓDULOS DE 1º/2º/3º

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL PLANO DE ENSINO 2012-1 DISCIPLINA: Antropologia PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h II EMENTA A partir de uma perspectiva histórico-evolutiva, a disciplina

Leia mais

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN Allan Fernandes Bezerra Licenciado em Geografia Plena pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte-IFRN.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Ciência Política

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Ciência Política UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Ciência Política Projeto de Dissertação de Mestrado Título do Projeto e subtítulo (é o resumo da proposta) Nome do Candidato (a) Pelotas Ano

Leia mais

David Augusto Santos. I O Livro didático da escola

David Augusto Santos. I O Livro didático da escola Do conceito de cidade do livro didático para uma leitura das territorialidades da cidade de São Caetano do Sul: análise de uma experiência no ensino médio. David Augusto Santos Diversos são os debates

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística.

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. CATEGORIAS DE ANÁLISE APLICADAS AO TURISMO Aula 3 META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Tipos e Métodos de Pesquisa Social. Metodologia de Pesquisa

Tipos e Métodos de Pesquisa Social. Metodologia de Pesquisa Tipos e Métodos de Pesquisa Social Metodologia de Pesquisa Processo de pesquisa Definir objetivos Analisar os Dados Apresentar Resultados Elaborar projeto de pesquisa Coletar os Dados Níveis de pesquisa

Leia mais

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado

Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia. Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado 1 Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia Departamento de Teologia Orientações para o Estágio Obrigatório Supervisionado O Estágio Supervisionado se desenvolve ao longo dos três anos de teologia totalizando

Leia mais

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP NASCIMENTO, R. S. Departamento de Geografia - IGCE, Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita

Leia mais

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Luciana Rossato* Vanderlei Machado** O número 1 do volume 23 da Revista Cadernos do Aplicação aborda o livro didático de História. Busca situar sua historicidade,

Leia mais

O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB

O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB Elisângela Raquel Pereira Medeiros Graduada no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS CRIXÁS 2016 NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Pesquisa

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA Rodolfo Moreira Cabral, Antonio Carlos Belarmino Segundo Universidade Estadual da Paraíba, rodolfomoreira.16@hotmail.com;

Leia mais

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista Gisele da S. Gonçalves Roberta de S. Ramalho Palavras-chave: Percepção ambiental.

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi COORDENADOR: Thiago Augusto Nogueira de Queiroz RESUMO

Leia mais

Resumo. Introdução. Palavras-Chave: Missa com oração de cura e libertação ; dinâmica espacial; Natal-RN.

Resumo. Introdução. Palavras-Chave: Missa com oração de cura e libertação ; dinâmica espacial; Natal-RN. 1 MISSA COM ORAÇÃO DE CURA E LIBERTAÇÃO : UMA ANÁLISE DA DINÂMICA ESPACIAL DAS RUAS DO ENTORNO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA EM NEÓPOLIS - NATAL/RN Apresentação: Comunicação Oral Diego Glemerson

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG

FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG 275 FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG Jhonatan da Silva Corrêa 1 jhonbode@hotmail.com.br Flamarion Dutra Alves 2 flamarion.dutra@unifal-mg.edu.br Introdução A

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

A Biblioteca Pública como instrumento de ação cultural.

A Biblioteca Pública como instrumento de ação cultural. Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A Biblioteca Pública como instrumento de ação cultural. Ana Paula Matos Bazílio (UFF) - anapaulambazilio@yahoo.com.br Maria Jaciara de Azeredo Oliveira (UFF) - cobaindoor@ig.com.br

Leia mais

ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM

ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM ARTHUR ARTEAGA DURANS VILACORTA A INFLUÊNCIA DO NÍVEL DE PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO NAS ESTATÍSTICAS DE INCÊNDIOS URBANOS NA CIDADE DE BELÉM Plano de trabalho apresentado ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES CURSO DE LETRAS ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS A palavra projeto vem do latim projectu,

Leia mais

TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ

TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ CAETANO LUCAS BORGES FRANCO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 caecaldas@hotmail.com, evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br 1 Graduando

Leia mais

USO E INFLUÊNCIA DO FACEBOOK NA VIDA DOS JOVENS E ADULTOS DO BAIRRO JOÃO FRANCISCO (2013)

USO E INFLUÊNCIA DO FACEBOOK NA VIDA DOS JOVENS E ADULTOS DO BAIRRO JOÃO FRANCISCO (2013) USO E INFLUÊNCIA DO FACEBOOK NA VIDA DOS JOVENS E ADULTOS DO BAIRRO JOÃO FRANCISCO (2013) Ana Maria Lisboa Lima anninha_lisboa@hotmail.com Ana Carolina Santomé Franco Deni Batista Moreira Jeovana Gomes

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3º CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Retrospectiva Histórica

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO 02273 FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? Sônia Maria Soares de Oliveira PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ- UECE

Leia mais

Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos

Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos Contribuição da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI)/UERJ à formação de Cuidadores de Idosos Silvia Maria Magalhães Costa Rio de Janeiro, 2016 Envelhecimento Populacional: uma conquista e um desafio

Leia mais

IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE

IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE IDENTIDADE E MEMÓRIA DO IDOSO: EXPERIÊNCIA NO ABRIGO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS SOBRAL-CE Mariana de Vasconcelos Neves¹,Mariana Lira Ibiapina², Francisca Joelina Xavier³ ¹ Universidade Estadual Vale do Acaraú

Leia mais

/6cih.pphuem.414 A devoção e o espaço sagrado da paróquia e santuário de Santa Rita de Cássia em Maringá PR.

/6cih.pphuem.414 A devoção e o espaço sagrado da paróquia e santuário de Santa Rita de Cássia em Maringá PR. 10.4025/6cih.pphuem.414 A devoção e o espaço sagrado da paróquia e santuário de Santa Rita de Cássia em Maringá PR. Agamedes Leite Fonseca. Universidade Estadual de Maringá (UEM) PR. Solange Ramos de Andrade

Leia mais

problemática da região e da regionalização, voltadas principalmente para a compreensão das heterogeneidades sociais, econômicas e culturais, promovend

problemática da região e da regionalização, voltadas principalmente para a compreensão das heterogeneidades sociais, econômicas e culturais, promovend Região e regionalização, novas configurações, novos conceitos: uma proposta de reformulação da regionalização do Estado do Pará. Clay Anderson Nunes Chagas 1 claychagas@hotmail.com Este trabalho tem por

Leia mais

GEOGRAFIA E HOMOEROTISMO NA CIDADE DE MANAUS: TERRITORIALIDADES MASCULINAS

GEOGRAFIA E HOMOEROTISMO NA CIDADE DE MANAUS: TERRITORIALIDADES MASCULINAS GEOGRAFIA E HOMOEROTISMO NA CIDADE DE MANAUS: TERRITORIALIDADES MASCULINAS Helen da Silva Fernandes UFAM/ Estudante do Departamento de Geografia/ bolsista PIBIC-FAPEAM Rua 20; casa 38; Q: 35; CEP: 69038-470;

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO UNIVERSITÁRIO BARREIRO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: Estruturação e proposta de implantação de uma metodologia

Leia mais

O homem é mais ou menos cidadão, dependendo do lugar onde vive. Milton Santos

O homem é mais ou menos cidadão, dependendo do lugar onde vive. Milton Santos O homem é mais ou menos cidadão, dependendo do lugar onde vive. Milton Santos XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS TERRITÓRIO E PARTICIPAÇÃO POPULAR: Iraci de Andrade Iraci_andrade@hotmail.com PUC-RS Fortaleza,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA

FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA Déborah Evellyn Irineu PEREIRA 1; Leila Sobreira BASTOS 2 ; Eguimar Felício Chaveiro 3 Palavras-chave : Feiras Especiais, Territorialidade,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos Imbé 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES:

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º TRIMESTRE

PLANO DE ENSINO 2º TRIMESTRE Componente Geografia Professor: Talita, Renata, Gilberto, Paulo e Caio. Curricular: Segmento: Anos Finais Ano/Série : 9º Ano Apresentação da disciplina O conteúdo do segundo trimestre do ano letivo ambiciona

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução

1.1 Os temas e as questões de pesquisa. Introdução 1 Introdução Um estudo de doutorado é, a meu ver, um caso de amor, e em minha vida sempre houve duas grandes paixões imagens e palavras. Escolhi iniciar minha tese com o poema apresentado na epígrafe porque

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS

TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS TENDÊNCIAS DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO BRASIL DE 2000 A 2013: EVENTOS CIENTÍFICOS Ailton Paulo de Oliveira Júnior UFTM Tayrinne Helena Vaz - UFTM Resumo: Com a intenção de obter indicadores

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

A Nova Territorialidade da Igreja Batista Alfa e Ômega no Bairro Cidade de Deus, RJ.

A Nova Territorialidade da Igreja Batista Alfa e Ômega no Bairro Cidade de Deus, RJ. Pedro Braga Gondim Teixeira Fernanda de Oliveira de Casto Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Pedrobgondim@gmail.com fernanda.castro201@gmail.com A Nova Territorialidade da Igreja Batista Alfa

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS Brenda de Oliveira Dias, brendadiasoliveira3@gmail.com Débora dos Santos Marques, dmarx670@yahoo.com.br Gabriela Machado

Leia mais

TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO DIREITO INTERNACIONAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - FACIBIS CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO 2009.2 COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA BELO

Leia mais

2⁰ Simpósio Internacional de História das Religiões. XV Simpósio Nacional de História das Religiões ABHR 2016

2⁰ Simpósio Internacional de História das Religiões. XV Simpósio Nacional de História das Religiões ABHR 2016 Territórios de instituições religiosas: uma análise das territorialidades da Igreja Evangélica Filhos da Promessa e da paróquia São Pedro e São Paulo em Belém PA. 2⁰ Simpósio Internacional de História

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades

AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades Juniele Martins Silva Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão. Núcleo de Estudos e Pesquisas Socioambientais

Leia mais

REQUERIMENTO (Dos Srs. Geraldo Resende, Antonio Carlos Biffi e outros)

REQUERIMENTO (Dos Srs. Geraldo Resende, Antonio Carlos Biffi e outros) 1 REQUERIMENTO (Dos Srs. Geraldo Resende, Antonio Carlos Biffi e outros) Requer o envio de Indicação ao Excelentíssimo Sr. Ministro da Educação, Sr. Fernando Haddad, sugerindo a criação da Escola Técnica

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Currículo CURSO DE PSICOLOGIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Currículo CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Currículo 2014.02 CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Currículo - 2014.02 CURSO DE PSICOLOGIA As Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Gabriela de Souza Severo Orientador: Claudio Ferraz Introdução Existe um consenso geral de que para que possa haver desenvolvimento econômico

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA

TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA Graduação 1 UNIDADE 6 O TRABALHO DE EXECUÇÃO DA PESQUISA Na unidade anterior, você aprendeu como se elabora o projeto de pesquisa. A partir de agora, vamos entrar diretamente

Leia mais

Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900)

Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900) Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900) Projeto dirigido à população idosa e que tem como objetivo recuperar, preservar e divulgar histórias de vida, testemunhos, relatos e

Leia mais

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA

EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA EDITAL DE LANÇAMENTO E SELEÇÃO DE ALUNOS PESQUISADORES PARA O PROJETO DE PESQUISA Moradia de qualidade e o direito à cidade. Investigação sobre o processo fundiário na cidade de São Luís ORIENTADOR: PROF.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Carla de Araújo Universidade Estadual da Paraíba tapcarla@gmail.com Profª. Dra. Abigail Fregni Lins Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS EXIGÊNCIAS LEGAIS Art. 1º - Este regulamento estabelece regras gerais sobre as atividades relativas ao trabalho

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3.

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1 Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. 1 Parte do Projeto de Tese realizado no Curso de Doutorado em Educação

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

ESPAÇO E RELIGIÃO EM CAMPINA GRANDE: O PENTECOSTALISMO E SUAS TERRITORIALIDADES

ESPAÇO E RELIGIÃO EM CAMPINA GRANDE: O PENTECOSTALISMO E SUAS TERRITORIALIDADES ESPAÇO E RELIGIÃO EM CAMPINA GRANDE: O PENTECOSTALISMO E SUAS TERRITORIALIDADES INTRODUÇÃO Eduardo da Silva Gomes educastellos@gmail.com AGB Campina Grande Graduado em Geografia pela Universidade Estadual

Leia mais

A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO

A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO Jônatas Lima Candido Secretaria de Estado da Educação do Paraná SEED PR jonataslimacandido@seed.pr.gov.br A GEOGRAFIA DO PROFESSOR E A EMANCIPAÇÃO DO CIDADÃO INTRODUÇÃO Embora o Ensino de Geografia tenha

Leia mais

PRESENÇA DE ASSENTAMENTOS RURAIS NA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL DO PARANÁ

PRESENÇA DE ASSENTAMENTOS RURAIS NA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PRESENÇA DE ASSENTAMENTOS RURAIS NA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL DO PARANÁ Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA) UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE VIRTUAL DE RORAIMA (RELATÓRIO DE PESQUISA) Boa Vista RR 2010 DÉBORA FERREIRA PINTO EDEANE CÉSAR DA SILVA ELISANGELA

Leia mais

Campus de Presidente Prudente PROGRAMA DE ENSINO. Área de Concentração PRODUÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO

Campus de Presidente Prudente PROGRAMA DE ENSINO. Área de Concentração PRODUÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO PROGRAMA DE ENSINO Disciplina Código A escala geográfica na análise espacial Semestre Ano Letivo 2 2015 Área de Concentração PRODUÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO Curso: MESTRADO (x) Número de créditos: 4 Número

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROJETO DE APRIMORAMENTO DO TRABALHO EM EQUIPE SEGUNDO O MÉTODO RESSÉGUIER DOS SERVIDORES DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Não há docência sem discência 1 1) Representações: de crianças e adultos. 2) Lugares e

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Vanessa Martins Hidd Santos NOVAFAPI INTRODUÇÃO A avaliação institucional constitui objeto de preocupação e análise na NOVAFAPI, desde sua fundação quando

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

3 Metodologia Tipo de Pesquisa

3 Metodologia Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de Pesquisa Para a classificação desta pesquisa foi adotada a taxonomia proposta por Vergara (2000). Segundo esta classificação, as pesquisas podem ser classificadas quanto aos

Leia mais

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 ORGANIZAÇAO DOS ESPAÇOS TERRITORIAIS 1. Organização dos espaços no país Território e fronteira Organização política do Brasil Regiões

Leia mais

PROPOSTA PARA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROPOSTA PARA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Unidade: Campus Santo Amaro Título da Proposta: O Código de Defesa do Consumidor (CDC) aplicado na hotelaria, agências de viagens e operadoras de turismo paulista nos anos de 2015 a 2016. Orientador (a):

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS Introdução Fernanda Oliveira Costa Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo fernanda.ocg@terra.com.br Este artigo apresenta parte de uma pesquisa

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II Necessidade de compreensão de que MÉTODO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (METODOLOGIA) ALVES, 2008. MÉTODO NA GEOGRAFIA

Leia mais

O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ.

O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ. O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ. Lucas Carneiro Machado Graduando em geografia-universidade federal de Uberlândia Lucas_carneiromachado@yahoo.com.br Eloslávia Teixeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO... CURSO... NOME DE ALUNO TÍTULO DO PROJETO Mossoró/RN (Ano) NOME DO ALUNO TÍTULO DO PROJETO Projeto apresentado ao Conselho do Curso XXXXXXX da Universidade

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos qualitativos a partir da manifestação

Leia mais

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins EDITAL N.º 01/2014 PROCESSO SELETIVO PARA A 3ª SÉRIE

Leia mais

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno uma forma científica de conhecer o público interno Comunicação Interna Fluxos de Comunicação Chefe Subchefes Sub-sub Front office D e s c e n d e n t e A s c e n d e n t e 2 Conceito Identificação, coleta

Leia mais

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA

Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e DOMINIQUE PIRES SILVA Alterações no padrão de cobertura da terra na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro/RJ nos anos de 1985 e 2010. DOMINIQUE PIRES SILVA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: nique_rhcp@hotmail.com

Leia mais