Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS"

Transcrição

1 PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS 111 MIRANDA, Everton NABOZNY, Almir Introdução A relação entre paisagem-identidade constrói-se um jogo sem fim, onde as identidades são construídas ao longo do tempo-espaço, levando em conta as características do espaço de vivência do indivíduo. Mas, também esta identidade está ligada a cultura, e, preenchida de imagens, sentidos e memórias (...) formando assim, um conjunto (sistema) de representação mental e cultural. Assim, a paisagem estará carregada de símbolos e memórias, imaginada e vista a partir das perspectivas dos seus indivíduos envolventes. Deste modo, as paisagens culturais atreladas as representatividades são carregadas de valores identitários e culturais, sendo expresso pelas ações e produções dos indivíduos. Em que as afetividades serão o lócus destas paisagens. Objetivos O objetivo deste trabalho é abordar a relação entre a paisagem e a identidade. Onde a primeira será quem irá produzir e constituir à segunda, através das memórias, afetos e vivências. E está relação produzirá as paisagens identitárias e/ou paisagens culturais, em que o indivíduo será o seu lócus produtor, a partir de seus espaços de vivências. Metodologia O trabalho constitui-se em leituras sistemáticas de artigos de revistas brasileiras de Geografia, além de artigos de livros, e também tendo os anais da Rede NEER (Núcleo de Estudos em Espaço e Representações) como base teórico-epistemológica para a reflexão envoltória da paisagem e identidade.

2 Resultados e discussões Para entender a relação entre paisagem-identidade, Holzer (1999, p.154) utiliza-se da concepção de Sauer (1938, p.322) onde este comente que (...) tem sua identidade baseada numa constituição reconhecível, em limites e em relações genéricas com outras paisagens, em relação à questão de identidade da (na) paisagem. Não obstante Mota (2009, p.194) traz a concepção de Castells (2002), onde este fala que a identidade é uma fonte de significados e experiências. Mostrando uma relação na questão de relacionamento entre os sujeitos e as paisagens, exposta na concepção de Sauer de forma indiretamente, mas percebida. Percebemos que os sujeitos (indivíduos) criam as identidades da paisagem através de suas relações afetivas e vivenciais com outros sujeitos que estão em paisagem, através de laços comunitários. E estes laços vão constituir as paisagens culturais, que sua identidade se afirmará a partir da relação com outras paisagens e também diante de olhares de outros sujeitos externos a ela, mostrando que sua identidade está ligada a imagem e a representação da própria para outros olhares. Na paisagem encontraremos a relação do indivíduo-paisagem e a do indivíduopaisagem-territorialidade, estas relações se dão mediados por símbolos, memórias e vivências, através dos espaços de vivências dos sujeitos, que em outras palavras, são os modos de vida dos próprios. E não obstante irá implicar com as características identitárias dos indivíduos e da paisagem, produzindo e criando as paisagens culturais e/ou paisagens identitárias. Assim, a identidade como uma essência, é expressa pela vivacidade de seus valores e crenças (CLAVAL, 1999 apud MOTA, 2009, p.195). A relação entre paisagem e identidade envolve em muitos casos a questão de representação, que estará associada a imagens das próprias. Onde esta paisagem será regida por signos e símbolos, e que iram refletir na paisagem a relação entre ela e seus indivíduos formando os significados identitários. Pensando nesta relação, (LOWENTHAL, 1968 apud HOLZER, 1999, p.156) comenta que as paisagens são formadas pelas preferências paisagísticas. As pessoas veem seu entorno através das lentes da preferência e do costume, e tendem a moldar o mundo a partir do que veem. Mostrando que a percepção da paisagem se dá por imagens, e também pelas tradições, pelos afetos, símbolos e significados. Refletindo em paisagens de dentro para fora, onde as 112

3 113 pessoas olham e depois a constroem, mostrando uma paisagem que é fundamental para o Ser regida de símbolos e memórias. Ainda na relação paisagem-indivíduo-identidade, Holzer (1999, p.160) aborda a paisagem como espetáculo e como espaço vivido, onde a paisagem passa a ser sentida e percebida, mostrando a criação do pertencimento de seus envolvidos. Enquanto espetáculo, podemos pensá-la na hora de eventos culturais e em seus atributos naturais, mas mesmo sendo assim, a própria estará sendo vivida em seus espaços (espaço vivido). Entretanto como espaço vivido, a paisagem arremete a um olhar mais ligado às essências culturais, mostrando que ela é criada e recriada ao longo do tempo-espaço, em que seus símbolos e memórias estarão permeando-a, e isto, refletirá nas vivências das paisagens. Dentro desta perspectiva, Vargas (2006) aborda a paisagem como uma construção sociocultural, mostrando uma compreensão da percepção ambiental e do espaço vivido. Traduzindo isto, a paisagem é um produto das relações sociais e o meio que compõem a cultura que é expressa na própria paisagem pelas experiências de percepção ambiental e espaço vivido. Articulando de forma indiretamente ou diretamente com a concepção de Holzer (1999) sobre a paisagem. Ainda a autora aponta a paisagem como uma paisagem cultural, tendo a paisagem pantaneira como base, coloca que a própria gente pantaneira é o protagonista desta beleza através do espaço vivido que imprime os afetos, símbolos e valores. Pensando na relação paisagem-identidade, Kashiwagi (2009) trabalha com a paisagens, identidade e significações do universo caiçara. Comenta que o modo de vida desse povo é revestido de significações e de saberes patrimoniais, recheados de crenças, misticismo e lendas (KASHIWAGI, 2009, p. 334), percebemos que esta relação apontada por Kashiwagi, não é muito diferente da do Holzer (1999), e ainda tem uma grande relação com a concepção de identidade de Claval (1999) e Castells (2002). No universo caiçara, teremos o povo apegado a terra através de valores e crenças que são expressos num lugar e representados na paisagem e pelo espaço vivido. Kashiwagi (2009, p.335) aborda sobre a linguagem caiçara, que produz a identificação de signos que constituem uma nova espacialidade, uma paisagem a partir do imaginário e os significados da identidade local, e, isto reflete em uma nova percepção do espaço de vivência e da ressignificação da paisagem.

4 114 Ela compreende que os signos caiçaras e seus significados constituam uma territorialidade construída por ações socioculturais e limites imaginários, onde esta territorialidade é cercada por valores, crenças e afetos entre os indivíduos, constituindo assim a cultura e a identidade local. Argumentado sobre a paisagem, Torres (2013) comenta que a paisagem é composta por símbolos, ele conecta a paisagem com a memória e a identidade, que neste é a identidade religiosa que o próprio observou através da paisagem cultural. Na paisagem religiosa encontramos elementos sagrados e profanos que possuem uma relação através da fé. A partir das relações sociais o indivíduo constrói uma identidade marcada por experiências, percepções e memórias. Vemos aqui uma forte relação com a concepção de identidade de Castells (2002). Torres (2013, p.95) comenta que as relações entre a percepção e a memória ajuda na construção da identidade religiosa, que implica na espacialidade religiosa por meio do espaço de ação do ser religioso. Isto nos mostra um jogo entre a percepção e a memória, que ajuda a montar a paisagem e a paisagem sagrada onde temos as espacialidades e as territorialidades dos elementos sagrados e profanos que compõem uma identidade imbricada em sua paisagem, que é à base de suas relações sociais-religiosas. Vemos que a paisagem é um componente do sujeito, onde temos as memórias, os valores e as imagens. Sendo construída de dentro para fora onde a própria se manifesta e se transforma a partir das relações sociais entre as pessoas, entretanto, esta paisagem está carregada de sentimentos e símbolos de um Ser servindo-a de chão para os seus prazeres. Assim formando as territorialidades implicadas nas memórias e percepções em uma interação conjunta. Podemos refletir que, as paisagens constituem os indivíduos e os indivíduos produzem as paisagens (...) transformando-as e ressignificando-as através das territorialidades (espaço de vivência), imagens, memórias, entre outros. Enfim, é um jogo mútuo onde os valores e as memórias vão se sobressair em relação à esta construção de paisagem cultural, ou seja, a relação entre indivíduo-paisagem. Então os indivíduos vivenciam e representam os elementos de suas paisagens, através de suas experiências e vivências sejam construídas, armazenadas e ressignificadas pelas suas memórias e afetos, que contribuem para a construção de suas identidades. Partindo desta reflexão Torres (2013, p.104) argumenta que as paisagens da memória, constroem-se a partir

5 115 das experiências, vivências e valores compartilhados pelas pessoas, o que abarca os processos que envolvem tanto o indivíduo, como também a coletividade. (Não) concluindo Como percebemos a relação paisagem-identidade é muito dinâmica e mútua, formando um jogo sem fim. Assim, as identidades não são mais que vivências, sendo construída pela própria. Sendo que estas vivências podem ser: percebidas, marcadas e experimentadas. Nesta relação, vemos a construção de paisagens culturais e/ou paisagens identitárias. Onde a paisagem cultural em cito é contemplada pelos valores, espaços vividos e os sentidos (...) onde seus indivíduos a constroem a partir de suas perspectivas. E que dentro da paisagem, encontraremos várias territorialidades que estarão ligadas ao espaço de vivência das pessoas. Mostrando uma paisagem construída de dentro para fora, que muitas vezes está relacionada a questão de representação, articulando a imagens da paisagem. Manifestando uma paisagem ligada ao imaginário dos indivíduos, ressaltando o seu pensar, seus olhos e suas memórias, e ainda, o seu espaço de vivência. Referências HOLZER, Werther. Paisagem, imaginário, identidade: alternativas para o estudo geográfico. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. (Orgs.). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999, p KASHIWAGI, Helena Midori. Paisagens, identidade e significações do universo caiçara. In: Anais do III Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaços e Representações. Porto Velho: NEER/UNIR, 2009, p MOTA, Rosiane Dias. Folias de Reis em Goiânia: uma discussão sobre a cultura, identidade e território. In: Anais do III Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaços e Representações. Porto Velho: NEER/UNIR, 2009, p TORRES, Marcos Alberto. As paisagens da memória e a identidade religiosa. RA EGA, v.27, 2013, p VARGAS, Icléia A. de. Paisagem e representações do Pantanal Mato-Grossense. In: Anais do I Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações. Curitiba: NEER/UFPR, 2006 (CD-ROOM), p

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL Introdução 53 CUNHA, Luiz Alexandre Gonçalves Cunha 1. KLOSTER, Silvana Kloster 2 ; MIRANDA, Everton Miranda 3 ; O turismo rural está inteiramente

Leia mais

A VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM PELO TURISMO RURAL

A VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM PELO TURISMO RURAL 115 A VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM PELO TURISMO RURAL MIRANDA, Everton SANTOS, Ana Flávia Borges dos SANTOS, Silvana Kloster dos Introdução O turismo é uma atividade em constante abordagem em quase todos os

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE PAISAGENS E ETNOBOTÂNICA A COMUNIDADE REMANESCENTE QUILOMBOLA PALMITAL DOS PRETOS

REFLEXÕES SOBRE PAISAGENS E ETNOBOTÂNICA A COMUNIDADE REMANESCENTE QUILOMBOLA PALMITAL DOS PRETOS 58 REFLEXÕES SOBRE PAISAGENS E ETNOBOTÂNICA A COMUNIDADE REMANESCENTE QUILOMBOLA PALMITAL DOS PRETOS FERREIRA, Maximilian Clarindo 1 ; FLORIANI, Nicolas 2. MIRANDA, Everton 3 ; STANISKI, Adelita 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

RESENHA. Rosiane Dias Mota

RESENHA. Rosiane Dias Mota RESENHA KOZEL, Salete; SILVA, Josué da Costa; FILIZOLA, Roberto; GIL FILHO, Sylvio Fausto. (Orgs). Expedição Amazônica: desvendando espaço e representações dos festejos em comunidades amazônicas A festa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Autora: Alcione Pereira da Silva Universidade Federal do Maranhão Alcione.1980@hotmail.com.br Co-autora: Aldaene Ferreira Silva Universidade Federal

Leia mais

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA Autor: Mércia Oliveira Pereira; Co-autor: Francisco de Assis Severo Lima E.E.E.P. Leopoldina Gonçalves Quezado; E-mail: mercia_oli@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira Territórios e Regionalização Professor Diego Alves de Oliveira Conceitos de território Pode ser associado a vários elementos: Biológicos: área dominada por uma espécie animal; Sociais: área vivida por

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Geografia Ano: 6º - Ensino Fundamental Professor: Rogério Duarte VERIFIQUE A PUBLICAÇÃO DO GABARITO NO SITE DO COLÉGIO Geografia Assunto: O estudo

Leia mais

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Não há docência sem discência 1 1) Representações: de crianças e adultos. 2) Lugares e

Leia mais

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias

Museu da Abadia São Geraldo. Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Museu da Abadia São Geraldo Ação Educativa Extramuros Identidade e Comunidade - Aproximando Histórias Informações gerais Mantenedores Mosteiro São Geraldo Abadia São Geraldo Coordenação Dom Afonso Vieira,

Leia mais

Aula8 ESTRUTURALISMO, PÓS-MODERNISMO E TEORIZAÇÕES SOBRE LUGAR E TERRITÓRIO. Rosana de Oliveira Santos Batista

Aula8 ESTRUTURALISMO, PÓS-MODERNISMO E TEORIZAÇÕES SOBRE LUGAR E TERRITÓRIO. Rosana de Oliveira Santos Batista Aula8 ESTRUTURALISMO, PÓS-MODERNISMO E TEORIZAÇÕES SOBRE LUGAR E TERRITÓRIO META Refl etir acerca dos pressupostos teóricos estruturalistas e pós-moderno na ciência geográfi ca. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Tempos Modernos, Tempos de Sociologia Material desenvolvido pela Editora do Brasil, não avaliado pelo MEC.

Tempos Modernos, Tempos de Sociologia Material desenvolvido pela Editora do Brasil, não avaliado pelo MEC. Matrizes Curriculares Enem Tempos Modernos, Tempos de Sociologia Material desenvolvido pela Editora do Brasil, não avaliado pelo MEC. H1 Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais

Leia mais

O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ.

O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ. O LUGAR E AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS: O EXEMPLO DO PARQUE DO SABIÁ. Lucas Carneiro Machado Graduando em geografia-universidade federal de Uberlândia Lucas_carneiromachado@yahoo.com.br Eloslávia Teixeira

Leia mais

Aula9 ESPAÇO, TERRITÓRIO, LUGAR E PAISAGEM NA CIÊNCIA GEOGRÁFICA. Rosana de Oliveira Santos Batista

Aula9 ESPAÇO, TERRITÓRIO, LUGAR E PAISAGEM NA CIÊNCIA GEOGRÁFICA. Rosana de Oliveira Santos Batista Aula9 ESPAÇO, TERRITÓRIO, LUGAR E PAISAGEM NA CIÊNCIA GEOGRÁFICA META Compreender as categorias analíticas da geografia espaço, lugar e paisagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: distinguir

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades

AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades AGRICULTURA FAMILIAR E CULTURA: identidades e territorialidades Juniele Martins Silva Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão. Núcleo de Estudos e Pesquisas Socioambientais

Leia mais

O BRINCAR E A ESPACIALIDADE DAS CRIANÇAS

O BRINCAR E A ESPACIALIDADE DAS CRIANÇAS O BRINCAR E A ESPACIALIDADE DAS CRIANÇAS Adaliza Meloni 1 - UNESP/Presidente Prudente Fátima Aparecida Dias Gomes Marin 2 - UNESP/Presidente Prudente Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha

O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha Geografia: conceito e importância Geo = terra ; Grafia = estudo Geografia é a ciência que estuda a terra, a interação entre

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO ENCONTRO DE FORMAÇÃO* Transformando os Ambientes para a Aprendizagem. Juan Carlos Melo Hernández Bogotá - Colômbia

PROGRAMAÇÃO DO ENCONTRO DE FORMAÇÃO* Transformando os Ambientes para a Aprendizagem. Juan Carlos Melo Hernández Bogotá - Colômbia PROGRAMAÇÃO DO ENCONTRO DE FORMAÇÃO* Transformando os Ambientes para a Aprendizagem Juan Carlos Melo Hernández Bogotá - Colômbia 22 e 23 de outubro 2014 Porto Alegre RS Brasil 22/10 (quarta-feira) 18h

Leia mais

Objetivos 05/09/2017. Ao nascermos... Psicologia aplicada à nutrição

Objetivos 05/09/2017. Ao nascermos... Psicologia aplicada à nutrição Psicologia aplicada à nutrição O indivíduo como sujeito social e sua relação com o seu ambiente Uma condição sócio-histórica Compreender a relação indissociável entre indivíduo e sociedade na subjetividade

Leia mais

FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA

FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA FEIRAS ESPECIAS: A NOVA TERRITORIALIDADE JOVEM DE APARECIDA DE GOIÂNIA Déborah Evellyn Irineu PEREIRA 1; Leila Sobreira BASTOS 2 ; Eguimar Felício Chaveiro 3 Palavras-chave : Feiras Especiais, Territorialidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL PLANO DE ENSINO 2012-1 DISCIPLINA: Antropologia PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h II EMENTA A partir de uma perspectiva histórico-evolutiva, a disciplina

Leia mais

Espaço e Religião: uma abordagem pelo cinema brasileiro

Espaço e Religião: uma abordagem pelo cinema brasileiro Carla Monteiro Sales Universidade do Estado do Rio de Janeiro carla.msales@gmail.com Espaço e Religião: uma abordagem pelo cinema brasileiro RESUMO A religião apresenta uma vertente espacial na medida

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: PROGRAMA

Leia mais

O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA. Conhecimento, relacionamento e ação

O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA. Conhecimento, relacionamento e ação O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA Conhecimento, relacionamento e ação Conhecimento, relacionamento e ação A mente realiza-se através dos processos mentais, dos processos cognitivos, emocionais

Leia mais

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Distopia (p) Referencial - Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Rafael Teixeira de Resende 1 O Trabalho se desencadeia a partir da frase concebida pelo artísta a fim de

Leia mais

OBJETIVOS CONTEÚDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

OBJETIVOS CONTEÚDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE ENSINO FUNDAMENTAL GERÊNCIA DE CURRÍCULO GEOGRAFIA 1º ANO OBJETIVOS CONTEÚDOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Observação de objetos em relação à forma,

Leia mais

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística.

META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. CATEGORIAS DE ANÁLISE APLICADAS AO TURISMO Aula 3 META Estudar as categorias geográfi cas que contribuem para a análise e estudo da atividade turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG

FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG 275 FESTA DE SÃO BENEDITO: TERRITORIALIDADE E CULTURA NO MUNICÍPIO DE MACHADO MG Jhonatan da Silva Corrêa 1 jhonbode@hotmail.com.br Flamarion Dutra Alves 2 flamarion.dutra@unifal-mg.edu.br Introdução A

Leia mais

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI

Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI O ESTUDO DO LUGAR E A PESQUISA COMO PRINCÍPIO DA APRENDIZAGEM Helena Copetti Callai Dr. Geografia. Prof. no DCS-UNIJUI Como resultado de reflexões acerca do ensino da geografia e do estudo do lugar, essa

Leia mais

ESPACIALIDADE DOS TORCEDORES DE FUTEBOL NA CIDADE DE PONTA GROSSA

ESPACIALIDADE DOS TORCEDORES DE FUTEBOL NA CIDADE DE PONTA GROSSA ESPACIALIDADE DOS TORCEDORES DE FUTEBOL NA CIDADE DE PONTA GROSSA Anderson Carlos das Neves Fernando Michelis Sidney Cacure Tavares Taffarel Storerr Giovanetti Resumo: Neste artigo procura-se fazer uma

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Camponeses de Viñales - conflito entre a produção do tabaco e o turismo

Camponeses de Viñales - conflito entre a produção do tabaco e o turismo Desenvolvimento Regional e Territorial Camponeses de Viñales - conflito entre a produção do tabaco e o turismo Nair Glória Massoquim 1 Ana Paula Colavite 2 Resumo: O recorte espacial da pesquisa é o município

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia GEOGRAFIA 2.1 Base Estrutural da Geografia O que a Geografia estuda: Geo (terra) Grafia (escrita). Para o geografo Ruy Moreira: o espaço surge na relação do homem com seu meio; dois acontecimentos geram

Leia mais

Direitos Humanos e Diversidade Religiosa. Prof. Me. Elcio Cecchetti

Direitos Humanos e Diversidade Religiosa. Prof. Me. Elcio Cecchetti Direitos Humanos e Diversidade Religiosa Prof. Me. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br Introdução O acontecer e desenvolver humano se faz múltiplo, imprevisível e diverso; Cada sujeito se constitui

Leia mais

3ª Ramon Finelli. 9º Ano E.F. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1: 1. AMÉRICA LATINA 2. ÁFRICA 3.

3ª Ramon Finelli. 9º Ano E.F. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1: 1. AMÉRICA LATINA 2. ÁFRICA 3. Geografia 3ª Ramon Finelli 9º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1: Compreender as representações e as diferentes linguagens que auxiliam a leitura da organização do espaço

Leia mais

UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA. costumes tradição identidade patrimônio memória

UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA. costumes tradição identidade patrimônio memória I UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA costumes tradição identidade patrimônio memória COSTUMES: são modos de fazer e pensar que são compartilhados por muitas pessoas num determinado lugar, numa determinada

Leia mais

USINAS HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: a relação de afetividade dos atingidos com os lugares impactados pela UHE Belo Monte na cidade de Altamira/PA

USINAS HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: a relação de afetividade dos atingidos com os lugares impactados pela UHE Belo Monte na cidade de Altamira/PA USINAS HIDRELÉTRICAS NA AMAZÔNIA: a relação de afetividade dos atingidos com os lugares impactados pela UHE Belo Monte na cidade de Altamira/PA Bruno Alves dos Santos Graduado em Geografia pela Universidade

Leia mais

A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA

A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA Currículo e Educação Básica Apresentadora: Cristiane Méri

Leia mais

O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO

O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO Cristina Satiê de Oliveira Pátaro Resumo: O presente trabalho é fruto de Dissertação de Mestrado desenvolvida junto à Faculdade de Educação da Unicamp,

Leia mais

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados.

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D1(H) Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D2(H) Reconhecer os conceitos de memória, história e patrimônio por meio da análise de textos e imagens. D3(H)

Leia mais

ESPAÇOS, INTERSECCIONALIDADE E VIVÊNCIA GAY NA CIDADE DE PONTA GROSSA, PARANÁ

ESPAÇOS, INTERSECCIONALIDADE E VIVÊNCIA GAY NA CIDADE DE PONTA GROSSA, PARANÁ ESPAÇOS, INTERSECCIONALIDADE E VIVÊNCIA GAY NA CIDADE DE PONTA GROSSA, PARANÁ 82 HANKE, William ORNAT, Marcio José 1 Introdução Este trabalho busca compreender a relação entre espaço e a interseccionalidade

Leia mais

REDESCOBRINDO O LUGAR A PARTIR DE MAPAS MENTAIS

REDESCOBRINDO O LUGAR A PARTIR DE MAPAS MENTAIS REDESCOBRINDO O LUGAR A PARTIR DE MAPAS MENTAIS Letícia Ramires Corrêa 1 Tuane Telles Rodrigues 2 Resumo: O referente projeto tem por objetivo, problematizar o reconhecimento do lugar a partir da construção

Leia mais

O universo simbólico e o trabalho de campo com dança e folguedos tradicionais

O universo simbólico e o trabalho de campo com dança e folguedos tradicionais O universo simbólico e o trabalho de campo com dança e folguedos tradicionais El universo simbólico y el trabajo de campo con danza y folklore tradicional Professor Assistente Substituto de Capoeira do

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Modelagem conceitual para sistemas de hipertexto INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Profa. glima@eci.ufmg.br A Tradição Oral A fala enunciada pela voz humana é rica em informações

Leia mais

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Ana Lúcia Pereira Ferreira de Quadros 1 aninha-q@hotmail.com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense - IFSUL Resumo: Este

Leia mais

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1 As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes

Leia mais

ESPAÇO E CULTURA: A RELAÇÃO COM O LUGAR NO CAREIRO DA VÁRZEA-AM.

ESPAÇO E CULTURA: A RELAÇÃO COM O LUGAR NO CAREIRO DA VÁRZEA-AM. ESPAÇO E CULTURA: A RELAÇÃO COM O LUGAR NO CAREIRO DA VÁRZEA-AM. JÔNATAS DE ARAÚJO MATOS 1 AMÉLIA REGINA BATISTA NOGUEIRA 2 Resumo: O ambiente de várzea na Amazônia apresenta uma dinâmica sazonal. Esta,

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

GT 4: MULTIDIMENSIONALIDADE E DESENVOLVIMENTO DO/NO TERRITÓRIO RESUMO

GT 4: MULTIDIMENSIONALIDADE E DESENVOLVIMENTO DO/NO TERRITÓRIO RESUMO POLITICAS PUBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E TERRITORIALIDADE EM BELA VISTA DO TOLDO, SC: a invisibilidade da Guerra do Contestado na construção da identidade municipal. Vanessa Maria Ludka 1 Nilson Cesar Fraga

Leia mais

NARRATIVAS DE FORMAÇÃO MEDIADAS PELOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS

NARRATIVAS DE FORMAÇÃO MEDIADAS PELOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NARRATIVAS DE FORMAÇÃO MEDIADAS PELOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS Resumo Silvana Ventorim 1 - UFES Aline Teixeira da Silva 2 - UFES Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo

A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo QUESTÕES INICIAIS 1. Quais são as inter-relações do turismo com a geografia? 2. Qual é a matéria-prima do

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

RELATOS DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL NA OLIMPÍADA DA LÍNGUA PORTUGUESA: Marcas do conhecimento e da afetividade

RELATOS DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL NA OLIMPÍADA DA LÍNGUA PORTUGUESA: Marcas do conhecimento e da afetividade RELATOS DE PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL NA OLIMPÍADA DA LÍNGUA PORTUGUESA: Marcas do conhecimento e da afetividade Wilton Carneiro Barbosa Wiltoncarneiro.educador@gmail.com Cícero Ferreira da Silva

Leia mais

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva Relações Étnico-Raciais no Brasil Professor Guilherme Paiva Unidade 1: Entender as relações étnico-raciais no Brasil através das legislações atuais Questões iniciais: a invisibilidade do negro e do índio

Leia mais

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Olhares Antropológicos em Educação - JP0004 PROFESSORA: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A

Leia mais

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição - 2016 COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Caro(a) participante da Comissão Julgadora da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA EM IPORÁ-GO¹

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA EM IPORÁ-GO¹ CONSIDERAÇÕES SOBRE O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA EM IPORÁ-GO¹ INTRODUÇÃO GALDINO, Gizelle dos Santos¹. Universidade Estadual de Goiás Câmpus Iporá gizellegaldino_2@yahoo.com

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total:

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS INTRODUÇÃO Maria Cristina Leandro de Oliveira Neves Ferreira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRN/NATAL

Leia mais

TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ

TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ TRADIÇÃO E MODERNIDADE: A MULTITERRITORIALIDADE DO POVO XUCURÚ-KARIRÍ CAETANO LUCAS BORGES FRANCO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 caecaldas@hotmail.com, evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br 1 Graduando

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

BRANDÃO, Luís Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BRANDÃO, Luís Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo: Perspectiva, 2013. BRANDÃO, Luís Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo: Perspectiva, 2013. Fabrício César de Aguiar *1 O livro Teorias do espaço literário, de Luís Alberto Brandão, apresenta uma imensa contribuição

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA CULTURAL PARA ESTUDOS SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL

CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA CULTURAL PARA ESTUDOS SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA CULTURAL PARA ESTUDOS SOBRE O PATRIMÔNIO CULTURAL Débora Hoth Trindade Arquiteta e Urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora

Leia mais

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Geografia 3ª Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 1.- Geografia: C 1: Categorias da Geografia Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN

INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN PROGRAMA FORTALECER PROJETO: SOCIEDADE E NATUREZA: FORTALECENDO AS RELAÇÕES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL TITULO: EXERCITANDO A OBSERVAÇÃO E A REPRESENTAÇÃO DA PAISAGEM URBANA Ana Paula Pereira Costa¹

Leia mais

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica.

I. Dominar linguagens (DL): Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica. As cinco grandes competências do ENEM Apresentaremos a seguir as grandes competências do Exame Nacional do Ensino Médio. Elas exigem dos estudantes e dos educadores uma série de novos procedimentos no

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Identidades Territoriais Goiana: a Manifestação Cultural da Catira Maisa França TEIXEIRA 1 Mestranda do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade

Leia mais

ESPAÇOS PÚBLICOS DE LAZER EM GOIÂNIA: CASO PARQUE MUNICIPAL FLAMBOYANT LOURIVAL LOUZA

ESPAÇOS PÚBLICOS DE LAZER EM GOIÂNIA: CASO PARQUE MUNICIPAL FLAMBOYANT LOURIVAL LOUZA ESPAÇOS PÚBLICOS DE LAZER EM GOIÂNIA: CASO PARQUE MUNICIPAL FLAMBOYANT LOURIVAL LOUZA PRADO, Douglas Antônio Rocha 1. ARRAIS, Tadeu Pereira Alencar 2. Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/UFG PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais.

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais. ANEXO I I. EIXOS COGNITIVOS a) Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. b) Compreender

Leia mais

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista Gisele da S. Gonçalves Roberta de S. Ramalho Palavras-chave: Percepção ambiental.

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE Mary Fátima Gomes Rodrigues Fundação Regional Educacional de Avaré e-mail: rodriguesmary@bol.com.br Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br ESTADO-NAÇÃO ORIGEM TEM NO LIVRO, pág. 7 a 12 O mundo nem sempre esteve organizado da forma em que o mapa-múndi apresenta atualmente. Alguns países

Leia mais

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola Resumo A série Caminhos da Escola nos apresenta neste episódio Arte na Escola, uma coletânea de matérias gravadas a partir de experiências em escolas de formação técnica

Leia mais

O CORPOMÍDIA QUE DANÇA: PROCESSOS ENUNCIATIVOS DE SIGNIFICAÇÃO

O CORPOMÍDIA QUE DANÇA: PROCESSOS ENUNCIATIVOS DE SIGNIFICAÇÃO O CORPOMÍDIA QUE DANÇA: PROCESSOS ENUNCIATIVOS DE SIGNIFICAÇÃO Adriana Bittencourt e Jussara Setenta FIB / UFBA adrianabittencourt@uol.com.br / setenta@ufba.br Resumo: Para discutir e apresentar o corpo

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

O ESTUDO DE PAISAGENS CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA DE MATRIZ AFRICANA: UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLA

O ESTUDO DE PAISAGENS CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA DE MATRIZ AFRICANA: UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLA O ESTUDO DE PAISAGENS CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA DE MATRIZ AFRICANA: UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLA Marcelo Alonso Morais 1 Professor Colaborador PROEPER/UERJ Colégio Santo Inácio, Escola Alemã Corcovado,

Leia mais

INTERAÇÕES CULTURAIS, SIMBOLISMO E TRANFORMAÇÕES URBANAS DECORRENTES DO FENÔMENO RELIGIOSO EM JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ

INTERAÇÕES CULTURAIS, SIMBOLISMO E TRANFORMAÇÕES URBANAS DECORRENTES DO FENÔMENO RELIGIOSO EM JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ INTERAÇÕES CULTURAIS, SIMBOLISMO E TRANFORMAÇÕES URBANAS DECORRENTES DO FENÔMENO RELIGIOSO EM JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ MARIA ALETHEIA STEDILE BELIZÁRIO Professora Mestre da Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 210 DETERMINA O ENSINO RELIGIOSO, MESMO FACULTATIVO PARA O ALUNO, DEVE ESTAR PRESENTE COMO DISCIPLINA DOS HORÁRIOS NORMAIS DA

Leia mais

PAISAGEM E LUGAR: A PERCEPÇÃO DOS COMERCIANTES DA PRAIA DA PONTA NEGRA- MANAUS/AM-BRASIL

PAISAGEM E LUGAR: A PERCEPÇÃO DOS COMERCIANTES DA PRAIA DA PONTA NEGRA- MANAUS/AM-BRASIL www.geosaberes.ufc.br ISSN:2178-0463 PAISAGEM E LUGAR: A PERCEPÇÃO DOS COMERCIANTES DA PRAIA DA PONTA NEGRA- MANAUS/AM-BRASIL VALDELICE CARVALHO DE SOUSA Mestranda em Geografia da Universidade Federal

Leia mais

Currículo Referência em Dança Ensino Médio

Currículo Referência em Dança Ensino Médio Currículo Referência em Dança Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Sugestão de Atividades - Conhecer a área de abrangência profissional da arte/dança e suas características;

Leia mais

O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB

O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB O SAGRADO E O PROFANO COMO METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR PARA OS ESTUDOS DOS FENÔMENOS CULTURAIS RELIGIOSOS EM JOAO PESSOA- PB Elisângela Raquel Pereira Medeiros Graduada no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

Cidades, Patrimônio e Populações: O pulsar de uma cidade. Janaína Gonçalves Rios Barros

Cidades, Patrimônio e Populações: O pulsar de uma cidade. Janaína Gonçalves Rios Barros Cidades, Patrimônio e Populações: O pulsar de uma cidade. Janaína Gonçalves Rios Barros... Pense nos esplêndidos quadros de Ensor, nos quais uma grande fantasmagoria enche as ruas das metrópoles: pequeno-burgueses

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE DO PROFESSOR EM INÍCIO DA CARREIRA

A FORMAÇÃO DOCENTE DO PROFESSOR EM INÍCIO DA CARREIRA A FORMAÇÃO DOCENTE DO PROFESSOR EM INÍCIO DA CARREIRA Carlos Marcelo (Espanha), António Nóvoa (Portugal), Denise Valillant (América Latina); Pesquisadores da Fundação Carlos Chagas (Brasil), Pesquisadores

Leia mais

Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro.

Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. Alex Rodrigues de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro alexroliveira.geo@gmail.com Dinâmicas territoriais da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro. RESUMO O presente artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE Prof. Antonio Lázaro Sant Ana ILHA SOLTEIRA SP SETEMBRO - 2017 OS SIGNIFICADOS

Leia mais

PAISAGEM E REPRESENTAÇÕES DO PANTANAL MATO-GROSSENSE

PAISAGEM E REPRESENTAÇÕES DO PANTANAL MATO-GROSSENSE PAISAGEM E REPRESENTAÇÕES DO PANTANAL MATO-GROSSENSE ICLÉIA A. DE VARGAS 1 Augustin Berque (1998) enfatiza que todas as ciências humanas e sociais têm a ver com o estudo da paisagem do ponto de vista cultural.

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais