Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS"

Transcrição

1 PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS 111 MIRANDA, Everton NABOZNY, Almir Introdução A relação entre paisagem-identidade constrói-se um jogo sem fim, onde as identidades são construídas ao longo do tempo-espaço, levando em conta as características do espaço de vivência do indivíduo. Mas, também esta identidade está ligada a cultura, e, preenchida de imagens, sentidos e memórias (...) formando assim, um conjunto (sistema) de representação mental e cultural. Assim, a paisagem estará carregada de símbolos e memórias, imaginada e vista a partir das perspectivas dos seus indivíduos envolventes. Deste modo, as paisagens culturais atreladas as representatividades são carregadas de valores identitários e culturais, sendo expresso pelas ações e produções dos indivíduos. Em que as afetividades serão o lócus destas paisagens. Objetivos O objetivo deste trabalho é abordar a relação entre a paisagem e a identidade. Onde a primeira será quem irá produzir e constituir à segunda, através das memórias, afetos e vivências. E está relação produzirá as paisagens identitárias e/ou paisagens culturais, em que o indivíduo será o seu lócus produtor, a partir de seus espaços de vivências. Metodologia O trabalho constitui-se em leituras sistemáticas de artigos de revistas brasileiras de Geografia, além de artigos de livros, e também tendo os anais da Rede NEER (Núcleo de Estudos em Espaço e Representações) como base teórico-epistemológica para a reflexão envoltória da paisagem e identidade.

2 Resultados e discussões Para entender a relação entre paisagem-identidade, Holzer (1999, p.154) utiliza-se da concepção de Sauer (1938, p.322) onde este comente que (...) tem sua identidade baseada numa constituição reconhecível, em limites e em relações genéricas com outras paisagens, em relação à questão de identidade da (na) paisagem. Não obstante Mota (2009, p.194) traz a concepção de Castells (2002), onde este fala que a identidade é uma fonte de significados e experiências. Mostrando uma relação na questão de relacionamento entre os sujeitos e as paisagens, exposta na concepção de Sauer de forma indiretamente, mas percebida. Percebemos que os sujeitos (indivíduos) criam as identidades da paisagem através de suas relações afetivas e vivenciais com outros sujeitos que estão em paisagem, através de laços comunitários. E estes laços vão constituir as paisagens culturais, que sua identidade se afirmará a partir da relação com outras paisagens e também diante de olhares de outros sujeitos externos a ela, mostrando que sua identidade está ligada a imagem e a representação da própria para outros olhares. Na paisagem encontraremos a relação do indivíduo-paisagem e a do indivíduopaisagem-territorialidade, estas relações se dão mediados por símbolos, memórias e vivências, através dos espaços de vivências dos sujeitos, que em outras palavras, são os modos de vida dos próprios. E não obstante irá implicar com as características identitárias dos indivíduos e da paisagem, produzindo e criando as paisagens culturais e/ou paisagens identitárias. Assim, a identidade como uma essência, é expressa pela vivacidade de seus valores e crenças (CLAVAL, 1999 apud MOTA, 2009, p.195). A relação entre paisagem e identidade envolve em muitos casos a questão de representação, que estará associada a imagens das próprias. Onde esta paisagem será regida por signos e símbolos, e que iram refletir na paisagem a relação entre ela e seus indivíduos formando os significados identitários. Pensando nesta relação, (LOWENTHAL, 1968 apud HOLZER, 1999, p.156) comenta que as paisagens são formadas pelas preferências paisagísticas. As pessoas veem seu entorno através das lentes da preferência e do costume, e tendem a moldar o mundo a partir do que veem. Mostrando que a percepção da paisagem se dá por imagens, e também pelas tradições, pelos afetos, símbolos e significados. Refletindo em paisagens de dentro para fora, onde as 112

3 113 pessoas olham e depois a constroem, mostrando uma paisagem que é fundamental para o Ser regida de símbolos e memórias. Ainda na relação paisagem-indivíduo-identidade, Holzer (1999, p.160) aborda a paisagem como espetáculo e como espaço vivido, onde a paisagem passa a ser sentida e percebida, mostrando a criação do pertencimento de seus envolvidos. Enquanto espetáculo, podemos pensá-la na hora de eventos culturais e em seus atributos naturais, mas mesmo sendo assim, a própria estará sendo vivida em seus espaços (espaço vivido). Entretanto como espaço vivido, a paisagem arremete a um olhar mais ligado às essências culturais, mostrando que ela é criada e recriada ao longo do tempo-espaço, em que seus símbolos e memórias estarão permeando-a, e isto, refletirá nas vivências das paisagens. Dentro desta perspectiva, Vargas (2006) aborda a paisagem como uma construção sociocultural, mostrando uma compreensão da percepção ambiental e do espaço vivido. Traduzindo isto, a paisagem é um produto das relações sociais e o meio que compõem a cultura que é expressa na própria paisagem pelas experiências de percepção ambiental e espaço vivido. Articulando de forma indiretamente ou diretamente com a concepção de Holzer (1999) sobre a paisagem. Ainda a autora aponta a paisagem como uma paisagem cultural, tendo a paisagem pantaneira como base, coloca que a própria gente pantaneira é o protagonista desta beleza através do espaço vivido que imprime os afetos, símbolos e valores. Pensando na relação paisagem-identidade, Kashiwagi (2009) trabalha com a paisagens, identidade e significações do universo caiçara. Comenta que o modo de vida desse povo é revestido de significações e de saberes patrimoniais, recheados de crenças, misticismo e lendas (KASHIWAGI, 2009, p. 334), percebemos que esta relação apontada por Kashiwagi, não é muito diferente da do Holzer (1999), e ainda tem uma grande relação com a concepção de identidade de Claval (1999) e Castells (2002). No universo caiçara, teremos o povo apegado a terra através de valores e crenças que são expressos num lugar e representados na paisagem e pelo espaço vivido. Kashiwagi (2009, p.335) aborda sobre a linguagem caiçara, que produz a identificação de signos que constituem uma nova espacialidade, uma paisagem a partir do imaginário e os significados da identidade local, e, isto reflete em uma nova percepção do espaço de vivência e da ressignificação da paisagem.

4 114 Ela compreende que os signos caiçaras e seus significados constituam uma territorialidade construída por ações socioculturais e limites imaginários, onde esta territorialidade é cercada por valores, crenças e afetos entre os indivíduos, constituindo assim a cultura e a identidade local. Argumentado sobre a paisagem, Torres (2013) comenta que a paisagem é composta por símbolos, ele conecta a paisagem com a memória e a identidade, que neste é a identidade religiosa que o próprio observou através da paisagem cultural. Na paisagem religiosa encontramos elementos sagrados e profanos que possuem uma relação através da fé. A partir das relações sociais o indivíduo constrói uma identidade marcada por experiências, percepções e memórias. Vemos aqui uma forte relação com a concepção de identidade de Castells (2002). Torres (2013, p.95) comenta que as relações entre a percepção e a memória ajuda na construção da identidade religiosa, que implica na espacialidade religiosa por meio do espaço de ação do ser religioso. Isto nos mostra um jogo entre a percepção e a memória, que ajuda a montar a paisagem e a paisagem sagrada onde temos as espacialidades e as territorialidades dos elementos sagrados e profanos que compõem uma identidade imbricada em sua paisagem, que é à base de suas relações sociais-religiosas. Vemos que a paisagem é um componente do sujeito, onde temos as memórias, os valores e as imagens. Sendo construída de dentro para fora onde a própria se manifesta e se transforma a partir das relações sociais entre as pessoas, entretanto, esta paisagem está carregada de sentimentos e símbolos de um Ser servindo-a de chão para os seus prazeres. Assim formando as territorialidades implicadas nas memórias e percepções em uma interação conjunta. Podemos refletir que, as paisagens constituem os indivíduos e os indivíduos produzem as paisagens (...) transformando-as e ressignificando-as através das territorialidades (espaço de vivência), imagens, memórias, entre outros. Enfim, é um jogo mútuo onde os valores e as memórias vão se sobressair em relação à esta construção de paisagem cultural, ou seja, a relação entre indivíduo-paisagem. Então os indivíduos vivenciam e representam os elementos de suas paisagens, através de suas experiências e vivências sejam construídas, armazenadas e ressignificadas pelas suas memórias e afetos, que contribuem para a construção de suas identidades. Partindo desta reflexão Torres (2013, p.104) argumenta que as paisagens da memória, constroem-se a partir

5 115 das experiências, vivências e valores compartilhados pelas pessoas, o que abarca os processos que envolvem tanto o indivíduo, como também a coletividade. (Não) concluindo Como percebemos a relação paisagem-identidade é muito dinâmica e mútua, formando um jogo sem fim. Assim, as identidades não são mais que vivências, sendo construída pela própria. Sendo que estas vivências podem ser: percebidas, marcadas e experimentadas. Nesta relação, vemos a construção de paisagens culturais e/ou paisagens identitárias. Onde a paisagem cultural em cito é contemplada pelos valores, espaços vividos e os sentidos (...) onde seus indivíduos a constroem a partir de suas perspectivas. E que dentro da paisagem, encontraremos várias territorialidades que estarão ligadas ao espaço de vivência das pessoas. Mostrando uma paisagem construída de dentro para fora, que muitas vezes está relacionada a questão de representação, articulando a imagens da paisagem. Manifestando uma paisagem ligada ao imaginário dos indivíduos, ressaltando o seu pensar, seus olhos e suas memórias, e ainda, o seu espaço de vivência. Referências HOLZER, Werther. Paisagem, imaginário, identidade: alternativas para o estudo geográfico. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. (Orgs.). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999, p KASHIWAGI, Helena Midori. Paisagens, identidade e significações do universo caiçara. In: Anais do III Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaços e Representações. Porto Velho: NEER/UNIR, 2009, p MOTA, Rosiane Dias. Folias de Reis em Goiânia: uma discussão sobre a cultura, identidade e território. In: Anais do III Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaços e Representações. Porto Velho: NEER/UNIR, 2009, p TORRES, Marcos Alberto. As paisagens da memória e a identidade religiosa. RA EGA, v.27, 2013, p VARGAS, Icléia A. de. Paisagem e representações do Pantanal Mato-Grossense. In: Anais do I Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações. Curitiba: NEER/UFPR, 2006 (CD-ROOM), p

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE Mônica Farias Pinheiro Mestranda da Universidade Federal do Amazonas Monica973@hotmail.com Amélia Regina Batista Nogueira Doutora da Universidade Federal do

Leia mais

Revista Gestão Pública em Curitiba MOMENTOS II ENCONTRO INTERNACIONAL DE CURITIBA EM PLANEJAMENTO URBANO 40 Volume II - Edição Especial - Março/2012 II Encontro Internacional de Curitiba em Planejamento

Leia mais

Revista Gestão Pública em Curitiba MOMENTOS I ENCONTRO INTERNACIONAL DE CURITIBA EM GESTÃO PÚBLICA Pública Gestão Curitiba 2011 em I Encontro Internacional de Curitiba Gestão Pública para Resultados 44

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC)

UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC) UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC) A pesquisa, em fase inicial, faz parte de um estudo maior sobre

Leia mais

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN Allan Fernandes Bezerra Licenciado em Geografia Plena pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte-IFRN.

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA Vicente de Paulo da Silva * Este texto consiste num relato de experiências sobre a orientação

Leia mais

Percepções sobre um lugar: Israel

Percepções sobre um lugar: Israel Percepções sobre um lugar: Israel Andressa Turcatel Alves Boligian Levon Boligian Falar sobre lugares nos revela amplas possibilidas. Isso porque os lugares são possuidores significados coletivos e, sobretudo,

Leia mais

A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS COMPUTADORES NUMA PERSPECTIVA HISTÓRICA E MATEMÁTICA

A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS COMPUTADORES NUMA PERSPECTIVA HISTÓRICA E MATEMÁTICA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS COMPUTADORES NUMA PERSPECTIVA HISTÓRICA E MATEMÁTICA VaneilaBertoli (1) (1) Graduada em Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

Planejamento de Carreira

Planejamento de Carreira Planejamento de Carreira Cyro Barretto XXII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica O que é Sucesso? "Sucesso é acordar pela manhã, seja você quem for, qualquer que seja o lugar onde você

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Índice Nota introdutória ---------------------------------------------------------------------------------------------- 5 1. Programa Garis -------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO

UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO Ariane Siqueira de Oliveira Graduanda em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Bolsista do Programa de

Leia mais

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO Daniela Borba Ribeiro 1; Maryah de Oliveira Luiz Pereira 2 ; Berenice Teodoro de Rezende Souza 3 Elizete

Leia mais

LUDICIDIDADE E CORPOREIDADE NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA EXPERIÊNCIA COM O JOGO DE AREIA NUMA PERSPECTIVA HUMANESCENTE

LUDICIDIDADE E CORPOREIDADE NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA EXPERIÊNCIA COM O JOGO DE AREIA NUMA PERSPECTIVA HUMANESCENTE 1 LUDICIDIDADE E CORPOREIDADE NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA EXPERIÊNCIA COM O JOGO DE AREIA NUMA PERSPECTIVA HUMANESCENTE Tereza Cristina Bernardo da Câmara/Instituto Kennedy-RN Ludicidade e Corporeidade na

Leia mais

A Religiosidade Como Mito Fundador de Serrolândia-Ba

A Religiosidade Como Mito Fundador de Serrolândia-Ba 1 A Religiosidade Como Mito Fundador de Serrolândia-Ba Bruna Cordeiro Saldanha 1 Humberto Cordeiro Araújo Maia 2 RESUMO Pela necessidade de procurar esclarecimentos para ocorrências consideradas muitas

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

O lugar da música caipira

O lugar da música caipira O lugar da música caipira Henrique Albiero Pazetti hap_geo@pop.com.br Secretaria Municipal de Ensino Prefeitura Municipal de Campinas Palavras-chave: Lugar, Paisagem, Música caipira. Introdução Este trabalho

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS DA UMBANDA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS¹. NASCIMENTO, Taiane Flores do²; SACCOL, Paloma Tavares³; BEZZI, Meri Lourdes 4

AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS DA UMBANDA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS¹. NASCIMENTO, Taiane Flores do²; SACCOL, Paloma Tavares³; BEZZI, Meri Lourdes 4 AS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS DA UMBANDA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS¹ NASCIMENTO, Taiane Flores do²; SACCOL, Paloma Tavares³; BEZZI, Meri Lourdes 4 1 Trabalho de Pesquisa NERA/CCNE/UFSM 2 Acadêmica do

Leia mais

FESTA ARRAIAL DOS BURITIS: MATERIALIZAÇÃO ECONÔMICA E CULTURAL NO MUNICÍPIO DE BURITIZEIRO-MG 1

FESTA ARRAIAL DOS BURITIS: MATERIALIZAÇÃO ECONÔMICA E CULTURAL NO MUNICÍPIO DE BURITIZEIRO-MG 1 FESTA ARRAIAL DOS BURITIS: MATERIALIZAÇÃO ECONÔMICA E CULTURAL NO MUNICÍPIO DE BURITIZEIRO-MG 1 DENIVILSON FIÚZA DA SILVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES DENERGEO@HOTMAIL.COM ANTÔNIO

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Terena: a preservação de uma cultura indígena Aquidauana MS Resumo A série Sua Escola, Nossa Escola trata do uso das novas tecnologias nos processos didático-pedagógicos, relatando

Leia mais

Essência ) ) Identidade

Essência ) ) Identidade Realização: Apoio: Essência ) ) Identidade O conjunto da nossa Razão de Ser, Crenças, Visão e Missão da Marca. É a alma da Marca. Fonte de inspiração para o desenvolvimento dos colaboradores, para o gerenciamento

Leia mais

GRUPO DE APOIO PARA CASAIS PRETENDENTES À ADOÇÃO: UMA PARTICIPAÇÃO EFICAZ? (2010) 1. ARDANS- BONIFACINO, Hector Omar³; SBRISSA, Luiza E.

GRUPO DE APOIO PARA CASAIS PRETENDENTES À ADOÇÃO: UMA PARTICIPAÇÃO EFICAZ? (2010) 1. ARDANS- BONIFACINO, Hector Omar³; SBRISSA, Luiza E. GRUPO DE APOIO PARA CASAIS PRETENDENTES À ADOÇÃO: UMA PARTICIPAÇÃO EFICAZ? (2010) 1 ARDANS- BONIFACINO, Hector Omar³; SBRISSA, Luiza E.²; MACEDO, Fernanda dos Santos de²; COMAZZETTO, Letícia²; LIMA, Gabriela

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A construção da paisagem cultural de Goiás/GO: olhares de moradores e visitantes

A construção da paisagem cultural de Goiás/GO: olhares de moradores e visitantes A construção da paisagem cultural de Goiás/GO: olhares de moradores e visitantes Fernando Silva Magalhães Filho 1 Ivanilton José de Oliveira 2 Resumo: O processo de patrimonialização em diversas cidades

Leia mais

Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura

Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura BOAS VINDAS! Pastoral da Comunicação Diálogo entre fé e cultura Bodas de Ouro da comunicação Miranda Prorsus, Pio XII, 1957 Fonte: Pastoral da Comunicação, diálogo entre fé e cultura, Puntel/Corazza, Paulinas-Sepac,

Leia mais

Tópicos em Educação Especial e Inclusiva: Formação, pesquisa, escolarização e famílias

Tópicos em Educação Especial e Inclusiva: Formação, pesquisa, escolarização e famílias Tópicos em Educação Especial e Inclusiva: Formação, pesquisa, escolarização e famílias Conselho Editorial Av. Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE

ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE Fatima Eluzia de Camargo Mello 1 RESUMO: O presente artigo propõe uma reflexão sobre a importância da ludicidade

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES: dimensão

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES: dimensão POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES: dimensão pedagógica e de gestão em ambiente virtual de aprendizagem Ana Celeste da Cruz David Resumo: Este artigo descreve as principais características da experiência

Leia mais

O CRESCIMENTO DAS IGREJAS EVANGÉLICAS NO BAIRRO DE CAMPO GRANDE, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO DE CASA NA RUA ARTUR RIOS.

O CRESCIMENTO DAS IGREJAS EVANGÉLICAS NO BAIRRO DE CAMPO GRANDE, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO DE CASA NA RUA ARTUR RIOS. O CRESCIMENTO DAS IGREJAS EVANGÉLICAS NO BAIRRO DE CAMPO GRANDE, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO DE CASA NA RUA ARTUR RIOS. PINHO, João Ricardo Braga de (FEUC) Desde a mudança da capital Federal

Leia mais

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO

FOTOGRAFIA IMPRESSA E EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO GRUPO FOCA FOTO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na visita ao Centro Integrado

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

34º Café da Gestão. Resultados. Ana Paula Alcantara 06/12/2013

34º Café da Gestão. Resultados. Ana Paula Alcantara 06/12/2013 34º Café da Gestão Atitudes para Resultados Ana Paula Alcantara 06/12/2013 Fim de Ano Momento de Reflexão Rever Planos e Atitudes Senado Federal Fazendo Diferença Ficar Imóvel Como Evitar? Criar Alianças

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, CONSCIÊNCIA CORPORAL E ESTILO DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, CONSCIÊNCIA CORPORAL E ESTILO DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, CONSCIÊNCIA CORPORAL E ESTILO DE VIDA KUCHLER, Rosana Aparecida Mata, - PUCPR rosana.kuchler@gmail.com MIRANDA, Simone de - PUCPR simone.miranda@pucpr.br Área Temática: Recreação e Lazer.

Leia mais

6CCHLADPPEX04. Resumo

6CCHLADPPEX04. Resumo 6CCHLADPPEX04 Resumo PARA ALÉM DA PSICOLOGIA CLÍNICA: APRENDENDO NOVOS MODOS SOBRE O CUIDADO EM SAÚDE Aline Medeiros (1), Isabela Petrovska(2), Iria Raquel Borges(2), Jakson Luis Galdino(2), Maria Markylyana

Leia mais

Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo

Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo Zeny Rosendahl UERJ Coordenadora do NEPEC rosendahl@pesquisador.cnpq.br Nesta reflexão, enfatiza-se a experiência

Leia mais

Espaços Negros Urbanos: Segregação e Preconceito nas cidades brasileiras

Espaços Negros Urbanos: Segregação e Preconceito nas cidades brasileiras Espaços Negros Urbanos: Segregação e Preconceito nas cidades brasileiras Dhione Andrade Figueredo¹ Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia. Universidade do Estado da Bahia UNEB. Campus IV Email:

Leia mais

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE PAULA VIRGÍNIA DE ALMEIDA ROCHETTI (FE - UNICAMP). Resumo Vários estudos vêm sendo feitos a fim de investigar a relação que as mulheres têm com o romance. Alguns buscam as

Leia mais

3.1.1) Descreva as principais atividades de pós-graduação coordenadas pelo Departamento nos últimos 10 anos.

3.1.1) Descreva as principais atividades de pós-graduação coordenadas pelo Departamento nos últimos 10 anos. Departamento: PSC Imprimir 3) ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO 3.1) Aspectos Gerais da Pós-Graduação 3.1.1) Descreva as principais atividades de pós-graduação coordenadas pelo Departamento nos últimos 10 anos.

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

IDENTIDADE E DIVERSIDADE CULTURAL EM COXIM/MS RESUMO. Ms. Maria Neusa G. Gomes. UFMS/Brasil

IDENTIDADE E DIVERSIDADE CULTURAL EM COXIM/MS RESUMO. Ms. Maria Neusa G. Gomes. UFMS/Brasil IDENTIDADE E DIVERSIDADE CULTURAL EM COXIM/MS RESUMO Ms. Maria Neusa G. Gomes UFMS/Brasil Esta pesquisa se insere na temática do Seminário internacional relativa a Migrações, História, Patrimônio e Educação,

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE. Projeto Estratégico Excelência em SMS. Promoção da Alimentação Saudável

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE. Projeto Estratégico Excelência em SMS. Promoção da Alimentação Saudável PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Projeto Estratégico Excelência em SMS Promoção da Alimentação Saudável Experiência de Educação Alimentar e Nutricional na Petrobras Agenda Projeto: Promoção da Alimentação

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA 118 Introdução A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA Ana Flavia Luca de Castro Uni-FACEF Bianca Nogueira Mattos Uni-FACEF Eliana Bolorino Canteiro Martins Uni-FACEF Iara

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MAPAS MENTAIS NA PERCEPÇÃO DA PAISAGEM CULTURAL DA CIDADE DE GOIÁS/GO.

A UTILIZAÇÃO DE MAPAS MENTAIS NA PERCEPÇÃO DA PAISAGEM CULTURAL DA CIDADE DE GOIÁS/GO. CULTUR, ano 07 - nº 03 - Out/2013 www.uesc.br/revistas/culturaeturismo Licença Copyleft: Atribuição-Uso não Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas A UTILIZAÇÃO DE MAPAS MENTAIS NA PERCEPÇÃO DA PAISAGEM

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

A ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Leida Maria de Almeida Garcia Carvalho 1, Janaína Bodart da Rocha 1, Amanda Túler², Leonardo Mardgan 2, Débora Ferreira Melo Fragoso² 1 ECSEL/Curso de Segunda Licenciatura em

Leia mais

CONSIDERANDO: a necessidade de um Projeto Pedagógico dinâmico que estará em constante processo de avaliação;

CONSIDERANDO: a necessidade de um Projeto Pedagógico dinâmico que estará em constante processo de avaliação; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 67/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Ciências das, Bacharelado,

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

LUGAR como a representação da existência

LUGAR como a representação da existência LUGAR como a representação da existência Amélia Regina Batista Nogueira A ideia desta discussão é fruto de várias reflexões ao pensar o papel da ciência e mais particularmente da Geografia diante do mundo.

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

Palavras chave: Arte Contemporânea; Criatividade; Educação Especial.

Palavras chave: Arte Contemporânea; Criatividade; Educação Especial. EDUCAÇÃO ESPECIAL: UM PROJETO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PIBID-UFRR Dayana Soares Araújo 1; Maria Nilda A. Lima 2 ; Josiney de Lima Laranjeira 3 1. Professora da UFRR, Coordenadora, PIBID UFRR. 2. Professora

Leia mais

Nola Patrícia Gamalho 1 Álvaro Luiz Heidrich 2

Nola Patrícia Gamalho 1 Álvaro Luiz Heidrich 2 PAISAGEM HÍBRIDA, TERRITORIALIDADES MÚLTIPLAS E TEMPORALIDADES DIVERSAS: NOTAS PARA DISCUSSÃO A PARTIR DA LEITURA DA PAISAGEM DO VALE DO RIO TRÊS FORQUILHAS (RS) Nola Patrícia Gamalho 1 Álvaro Luiz Heidrich

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO INOVADOR

UM MODELO DE GESTÃO INOVADOR UM MODELO DE GESTÃO INOVADOR Durante nossa pesquisa com mais de 30 empresas, nos perguntamos como exatamente estas empresas punham em prática um sonho mobilizador e uma crença fundamental no humano. E

Leia mais

PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO

PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO Marília Lidiane Chaves da Costa Universidade Estadual da Paraíba UEPB marilialidiane@gmail.com Abigail Fregni Lins

Leia mais

EDP Solidária Barragens 2010

EDP Solidária Barragens 2010 Menção Honrosa Entidade: LÉRIAS ASSOCIAÇÃO CULTURAL Escola de Música Tradicional a música que nos pertence formar 70 jovens em música tradicional do concelho de Miranda do Douro e divulgar as tradições

Leia mais

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA.

SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. SÍNTESE DOS PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA. Caracterização da Escola. A escola define se como fonte de cultura e vida, subsidiando o indivíduo para exercer o papel participativo, consciente e crítico,

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Getúlio Góis de Araújo Programa de Pós-graduação em Artes UFU Mestrando - Práticas e Processos em Artes. Or. Prof Dr. Narciso Telles

Leia mais

FÉ E IDENTIDADE SACRA: O ESPAÇO SAGRADO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE

FÉ E IDENTIDADE SACRA: O ESPAÇO SAGRADO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE FÉ E IDENTIDADE SACRA: O ESPAÇO SAGRADO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE Cláudio Smalley Soares Pereira Graduando do Curso de Geografia da Universidade Regional do Cariri URCA/CE Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

A (RE)CRIAÇÃO DO IMAGINÁRIO RELIGIOSO DO LITORAL FORTALEZENSE E A COMPLEMENTAÇÃO DO REGISTRO DA FESTA DE SÃO PEDRO DOS PESCADORES

A (RE)CRIAÇÃO DO IMAGINÁRIO RELIGIOSO DO LITORAL FORTALEZENSE E A COMPLEMENTAÇÃO DO REGISTRO DA FESTA DE SÃO PEDRO DOS PESCADORES A (RE)CRIAÇÃO DO IMAGINÁRIO RELIGIOSO DO LITORAL FORTALEZENSE E A COMPLEMENTAÇÃO DO REGISTRO DA FESTA DE SÃO PEDRO DOS PESCADORES Lucas Bezerra Gondim Mestrando em Geografia Universidade Federal do Ceará

Leia mais

APRESENT2WÁO DA COLEO ESPIRITISMO NA UNIVERSIDADE... V PREFÁCIO... IX AGRADECIMENTOS... XV RESUMO... ABSTRACT...

APRESENT2WÁO DA COLEO ESPIRITISMO NA UNIVERSIDADE... V PREFÁCIO... IX AGRADECIMENTOS... XV RESUMO... ABSTRACT... SUMÁRIO APRESENT2WÁO DA COLEO ESPIRITISMO NA UNIVERSIDADE... V PREFÁCIO... IX AGRADECIMENTOS... XV RESUMO... ABSTRACT... XVII XIX INTRODIXÁO... 25 I - REFERENCIAL TEÓRICO... 31 1.Dimensóes constitutivas

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Entre Janelas e Camarotes: Reinvenção e (re)significação na Festa de Bom Jesus dos Navegantes em Penedo / AL

Entre Janelas e Camarotes: Reinvenção e (re)significação na Festa de Bom Jesus dos Navegantes em Penedo / AL Entre Janelas e Camarotes: Reinvenção e (re)significação na Festa de Bom Jesus dos Navegantes em Penedo / AL Fábio Luiz Pereira. ¹ Esmeraldo Victor Cavalcante Guimarães. ² 1 Graduando em História pela

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO Denise Regina Stacheski - UTP denise.stacheski@utp.br Giselle Aparecida Athayde Massi - UTP giselle.massi@utp.br Introdução: O resumo estendido

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Descrição do Desenho da Interação do Software. Simples

Descrição do Desenho da Interação do Software. Simples BORORO Informática Ltda Descrição do Desenho da Interação do Software Simples { Versão revisada 1.0 } Autores: Equipe Bororo: Cláudia Galinkin Fernanda de Souza Fortuna Laranjeira Gino Ottoni Durante Simone

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL. Ano/Semestre letivo: 2012/1. Curso: Curso de Licenciatura em História. Período/Série: 2 período.

TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL. Ano/Semestre letivo: 2012/1. Curso: Curso de Licenciatura em História. Período/Série: 2 período. TERRITÓRIO, POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL Caracterização Curso: Curso de Licenciatura em História Ano/Semestre letivo: 2012/1 Período/Série: 2 período Turno: ( ) Matutino (x ) Vespertino ( ) Noturno Carga

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 1. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 1. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 1 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A PAZ (EP) NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

EDUCAÇÃO PARA A PAZ (EP) NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO PARA A PAZ (EP) NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Nei Alberto Salles Filho Ricardo Domingues Ribas Resumo Nunca se discutiu e analisou o fenômeno paz como neste início de terceiro

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP Patrícia Helena Boldt Terossi Orientadora Técnica Oficina Pedagógica-SEC PROJETO SALAS DE LEITURA 1-JUSTIFICATIVA: O acesso à aprendizagem da leitura apresenta-se

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Resumo FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br Área Temática: Educação: Práticas e Estágios

Leia mais

O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro

O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro O Espaço Público e o Espaço Sagrado na Festa de São Jorge em Quintino, cidade do Rio de Janeiro João Victor Gonçalves Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro Jvferreira07@gmail.com Introdução O

Leia mais