Ressignificação da juventude

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ressignificação da juventude"

Transcrição

1 Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012

2 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas levaram a juventude das comunidades a se distanciar, também, das oportunidades oferecidas para o seu desenvolvimento em relação ao restante da cidade. Décadas de acesso limitado resultaram em descrença na educação e no trabalho formal como vetores reais de ascensão pessoal. Esta mesa busca, nesse sentido, discutir como as formas de integração podem tornar mais visíveis as oportunidades de escolha por percursos promissores. Para tanto, é necessário estabelecer um sistema de serviços e atendimentos cujo objetivo inicial seja ressignificar e valorizar a escola e o trabalho aos adolescentes e jovens das favelas. Para aqueles já envolvidos em atividades ilegais ou usuários de drogas, é necessário disponibilizar programas mais especializados e complexos com o objetivo de alcançar a sua reintegração.

3 Temas a debater 1- Juventudes: desigualdades, diversidades e marcas geracionais comuns 2- Características do Divórcio entre Educação e Trabalho 3-Multiplos padrões de transição para a vida adulta>>>>>múltiplas trajetórias juvenis>>>>>> multiplas entradas e saídas na escola e no mundo do trabalho. 4- Ressignificar a juventude: ressignificar o tempo presente

4 situação dos jovens e condição juvenil. A situação dos jovens revela o modo como tal condição é vivida a partir dos diversos recortes referidos às diferenças sociais classe, gênero, etnia etc. A condição juvenil refere-se ao modo como uma sociedade constitui e atribui significado a esse momento do ciclo de vida, refere-se a uma dimensão histórica e geracional,

5 No plural: Juventude/s na cidade e na favela. Juventudes, no plural: renda, cor/raça, gênero/orientação sexual, deficiências... Juventudes : trajetórias escolares, pertencimentos (religioso,associativo,político,ao tráfico, etc...) Na cidade e nas favelas, os jovens vivem diferentes Situações de vulnerabilidade social. Brasil (PNAD 2009): 49,9 milhões de jovens de 15 a 29 anos (26,2% da população) 84,8% dos jovens vivem em zonas urbanas. 2 milhões moram em favelas. 72,2% dos jovens urbanos vivem em moradias inadequadas fisicamente.

6 No singular: condição juvenil Toda experiência geracional é inédita. O conceito de geração remete ao tempo histórico em se vive a juventude., contexto social, marcas, símbolos compartilhados no tempo em que se vive como jovem. Os jovens das favelas fazem parte da atual geração juvenil.

7 Jovens no século XXI: marcas geracionais - Rápidas mudanças tecnológicas - Mundo do trabalho restritivo e mutante; - Multiplicação de violencias (físicas e simbólicas); - Evidência de riscos ecológicos; Novos mecanismos de Segregação socio-espacial (discriminação por endereço/ os jovens da favela... - TICs (tecno- sociabilidade. Novas maneiras de estar no mundo.)

8 Educação e trabalho: qual é experiência geracional? Décadas de acesso limitado resultaram em descrença na educação e no trabalho formal como vetores reais de ascensão pessoal Características desta geração: - trajetórias juvenis se fazem em seqüências múltiplas e não lineares de eventos demarcadores de passagens para a vida adulta. Múltiplas entradas e saídas na escola e no mundo do trabalho. - Estudo não garante o emprego Emprego não corresponde ao nível de escolaridade. Tem mais estudo que seus pais e mais dificuldades de inserção produtiva. Um exemplo: PROJOVEM (avaliação equipe UNIRIO) a maioria dos alunos (53%) iniciou a vida escolar aos 6 anos ou menos, indicando que um significativo número possivelmente freqüentou classes de alfabetização e/ou pré-escola. 25% concluíram a 7ª série ( 21,9% a 6ª; 24,4% a 5ª e 18,7% a 4a série), 50% dos alunos do ProJovem deixaram a escola antes do termino do ano letivo entre 1 e 2 vezes, sendo que expressivos 38% de 3 a mais vezes; cerca também de 31% foram reprovados de 3 a mais vezes. Cerca de 70% dos jovens já tiveram uma ocupação remunerada; Entre os que têm alguma atividade geradora de renda, geralmente exercida no mercado informal (77%), 90% obtiveram ganhos de até 1 salário, com predominância na metade do salário.

9 Compreensão de juventude: determina as políticas: 1- jovem>>>estudante>>>educação. 2: jovem em situação de risco : Programas e Ações de controle e prevenção. 3- jovens como sujeito de direitos: Demandas de distribuição, reconhecimento e participação. Políticas universais e específicas. Para/com/de juventude... Educação, para além das vagas : a qualidade, a continuidade e a flexibilização dos espaços e tempos escolares. Trabalho, para além do emprego, condições decentes. Segurança com valorização da diversidade e sob ótica dos Direitos Humanos.

10 Para construir uma metodologia de atenção à juventude O período juvenil não deve ser pensado como uma mera transição ( pois tem a mesma importância que as demais etapas do ciclo vital, que nunca foram chamadas de transitórias). As políticas voltadas para os jovens não podem enfocar apenas o vir-a-ser, além da dimensão formativo-educacional voltada para o futuro, também devem se ocupar que outras dimensões da vivencia juvenil, enfocando seu tempo presente Reconhecer a diversidade juvenil é também para além das estatísticas - reconhecer diferentes trajetórias dos jovens (percursos entre escola e trabalho, religiões, gostos, estilos, biografias...). Incorporar a perspectiva dos direitos nos projetos sociais. Promover o diálogo intra-geracional entre diferentes segmentos juvenis. Trabalhar na perspectiva da comunicação intergeracional. Preparo de profissionais para trabalhar com jovens.

11 Para os Programas e Ações para os jovens moradores das favelas do Rio de Janeiro. Favelas como território da cidade, do estado, do país... Assumir a importância da dimensão territorial do desenvolvimento, o que significa: considerar a história e a cultura de cada território, em suas vulnerabilidades e potencialidades. levar em conta os grupos que o habitam, considerando suas relações com as distintas esferas do poder publico. modificar relações e enriquecer o tecido social da localidade por meio da integração territorial de Programas e Ações governamentais dispersos e fragmentados. Para os jovens: é preciso combinar a dimensão territorial, redes sociais e direito à cidade. Apoio ao acesso à moradia como requisito para sua emancipação. Suportes para a inclusão digital e comunicação virtual. Apoio às formas de apropriação de Espaços Públicos Apoio para ampliar as possibilidades de ir e vir ( transporte subsidiado e combate aos preconceitos).

12 Para as juventudes das favelas: um Programa de apoio à construção da autonomia. Para promover percursos promissores... Levar os jovens a se apropriarem de sua história (PASSADO), se re-posicionarem frente às oportunidades (PRESENTE) e a partir estabeleçam seus propósitos, planejando passos para remover obstáculos e alcançar objetivos (FUTURO). Promover múltiplas oportunidades de articulações entre educação e trabalho para que os jovens possam construir seus percursos de inserção social. Contrato de Autonomia de acordo com as trajetórias dos jovens. (apoio adiferentes níveis de ensino, diferentes combinações estudo e trabalho; atendimento à saúde, atendimento com políticas de redução de danos, etc...)

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009 TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL Brasília, Julho de 2009 Trabalho Decente e Juventude no Brasil 1. Diagnóstico da situação magnitude do déficit de Trabalho Decente para os jovens relação educação

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL GARCIA, Andressa de Oliveira 1. TRENTINI, Fabiana Vosgerau 2. CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA -

Leia mais

JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO

JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO Desafios e Legado: Plano Estadual de Juventude Estatuto da Juventude Centro de Referência da Juventude CRJ Programa de Inclusão Social e Oportunidades - SEASDH/BID DEMOGRAFIA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA Seminário Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. Porto Seguro, 16 a 18 de setembro

Leia mais

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Apresentação de propostas e formalização de Convênios com a SPM - PR Vitória, maio de 2011 Secretaria de Políticas para as Mulheres Criada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania UMA ESTRATÉGIA PARA IMPLANTAR A EDUCAÇÃO INTEGRAL NO BRASIL

Leia mais

A Juventude no Centro do Desenvolvimento. Gabriel Medina Secretário Nacional de Juventude

A Juventude no Centro do Desenvolvimento. Gabriel Medina Secretário Nacional de Juventude A Juventude no Centro do Desenvolvimento Gabriel Medina Secretário Nacional de Juventude Quem é a Juventude brasileira? Juventude Brasileira Raça/Cor Jovens (15 a 29 anos) 51.3 milhões 27% da população

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012 AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA A JUVENTUDE Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 27 de junho de 2012 Esquema da apresentação A. Por que uma agenda de trabalho decente

Leia mais

O QUE É O FÓRUM DE SAÚDE MENTAL INFANTOJUVENIL?

O QUE É O FÓRUM DE SAÚDE MENTAL INFANTOJUVENIL? O QUE É O FÓRUM DE SAÚDE MENTAL INFANTOJUVENIL? O Fórum Nacional de Saúde Mental Infantojuvenil foi criado em 2004, como espaço de discussão que visa debater as diferentes questões relacionadas à saúde

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Certificação Profissional - Definição Usual Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016 II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas 2016 Parece improvável que a Humanidade em geral seja algum dia capaz de dispensar os paraísos artificiais, isto é, a busca pela

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA 2004-2007 (Projeto de Lei nº 41/2005-CN) PARECER DA COMISSÃO SUBSTITUTIVO

Leia mais

Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900)

Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900) Igreja da Penha de França, vista da avenida Almirante Reis (c. 1900) Projeto dirigido à população idosa e que tem como objetivo recuperar, preservar e divulgar histórias de vida, testemunhos, relatos e

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente -

Plano Nacional de Trabalho Decente - Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Ministério do Trabalho e Emprego Setembro de 2009 Trabalho Decente Contar com oportunidades de um trabalho produtivo com retribuição digna, segurança no local

Leia mais

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE Segundo definição da OIT, Trabalho Decente é um trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, eqüidade e segurança, capaz de garantir uma vida

Leia mais

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

Leia mais

Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de agosto de 2016

Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio. São Paulo, 02 de agosto de 2016 Políticas públicas e gestão escolar para a equidade Desenvolvimento integral no Ensino Médio São Paulo, 02 de agosto de 2016 ...temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

Planejamento do Inquérito Nacional de Saúde: Avaliação dos Determinantes Sociais

Planejamento do Inquérito Nacional de Saúde: Avaliação dos Determinantes Sociais Planejamento do Inquérito Nacional de Saúde: Avaliação dos Determinantes Sociais Claudia de Souza Lopes Instituto de Medicina Social Universidade do Estado do Rio de Janeiro Resultados da consulta entre

Leia mais

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas LEONARDO PINHO COORDENADOR COOPERATIVISMO SOCIAL UNISOL BRASIL DIRETOR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE MENTAL (ABRASME) EXECUTIVA DA REDE

Leia mais

DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Anos Iniciais. Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015

DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Anos Iniciais. Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015 DEBATE SOBRE A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Anos Iniciais Profa. Clarice Salete Traversini Pedagogia 04/12/2015 Construção de currículo, assim como a construção da democracia é um processo sem fim (Boaventura

Leia mais

Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Educação Básica SEMINÁRIO DE ENCERRAMENTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE

Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Educação Básica SEMINÁRIO DE ENCERRAMENTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Educação Básica SEMINÁRIO DE ENCERRAMENTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A/2014 Abril de 2015 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

Juventudes e escolarização na contemporaneidade GABRIEL MEDINA

Juventudes e escolarização na contemporaneidade GABRIEL MEDINA Juventudes e escolarização na contemporaneidade GABRIEL MEDINA Jovens no Brasil: Questões para pensar o Ensino Médio Estatuto da Criança e Adolescente LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Adolescente

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

FORTALEZA DA JUVENTUDE. Case: Prevenção da violência juvenil

FORTALEZA DA JUVENTUDE. Case: Prevenção da violência juvenil FORTALEZA DA JUVENTUDE Case: Prevenção da violência juvenil FORTALEZA bairros: 119 MAPA DA CIDADE população total: 2.571.896 população JOVEM (15 A 29 ANOS) 718.623 (Fonte: IBGE, 2010) Mapa da cidade por

Leia mais

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica PROTEÇÃO SOCI AL BÁSI CA - PSB Centro de Referência da Assistência Social CRAS Organização da Rede Socioassistencial

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO ANTECEDENTES HISTÓRICOS O processo de concentração demográfica nos centros metropolitanos do país nas últimas décadas foi acompanhado

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1

Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 10 anos 1 Situação do jovem no mercado de trabalho no Brasil: um balanço dos últimos 1 anos 1 Marcio Pochmann 2 São Paulo fevereiro de 2.7. 1 Texto preliminar, sujeito a modificações. Situação do jovem no mercado

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ Brasília, 13 de maio de 2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS Presidência da República PAINEL ECOLOGIA HUMANA E FORMAÇÃO NA DIVERSIDADE RELAÇÃO ENTRE O PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS- PNDH-3 E O ESTATUTO DO IDOSO UNIVERSALIZAR

Leia mais

50 anos de direitos proclamados

50 anos de direitos proclamados 50 anos de direitos proclamados a situação da criança brasileira 1 Léa Tiriba Julho 2009 1 Trabalho apresentado no Ciclo de Debate: escola hoje, promovido pelo MSE (Movimento Sócio-Educativo) e MEDH (Movimento

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL

APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL 4 REVISTA MÚLTIPLAS LEITURAS APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 5 APRESENTAÇÃO A relevância do tema da pluralidade cultural tem sido plenamente reconhecido, embora

Leia mais

As boas práticas de participação

As boas práticas de participação As boas práticas de participação Clique para editar o estilo do subtítulo mestre popular no Poder Legislativo Regina Medeiros PUC Minas repameca@pucminas.br Participação Juvenil no legislativo local e

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) O que é o SCFV? É realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, Estiva CEP Itajubá Minas Gerais. Lei nº 2797

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, Estiva CEP Itajubá Minas Gerais. Lei nº 2797 Lei nº 2797 JORGE RENÓ MOUALLEM, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO

PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO Katia Maria Barreto Souto Reginaldo Alves Chagas Painel 24/086 Gestão participativa,

Leia mais

Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 -

Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 - Os estudos contemporâneos sobre desigualdades raciais no Brasil Raça, desigualdades e política no Brasil contemporâneo. Aula 9 - Roteiro O modelo de realização socioeconômica de Carlos Hasenbalg e Nelson

Leia mais

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação 10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação Estatuto do Idoso uma década de... D I G N I D A D E F E L I C I D A D E AT I V I D A D E V I TA L I D A D E Q U A L I D A D E R E S P E I

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo II Políticas Públicas e Direitos Humanos Aula 7 Políticas públicas e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 p.1/5 SÓCIO-AFECTIVA 1. Dinâmica do Grupo 2. Dinâmica Individual 0. Aprofundar a dinâmica do Grupo Reconhecimento da nova realidade do Grupo. Comunicação com o outro e com o Grupo. Argumentação e negociação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS Contextualização: o Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria (BSM) é um grande esforço

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos Escolaridade e Transição Alguns Caminhos RITA SERPA SOARES Outubro 2015 9º Ano Projeto de vida do aluno promotor de ações e atividades com o objetivo de uma inserção social adequada Perspetiva processo

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Ana Lúcia Monteiro Organização Internacional do Trabalho 28 de outubro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais A reflexão que segue se baseia na fala dos jovens entrevistados e no pressuposto básico das políticas públicas de juventudes na atualidade que pensam os jovens como sujeitos de direitos.

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Pobreza e exclusão Ciências Sociais Prof. Guilherme Paiva

Pobreza e exclusão Ciências Sociais Prof. Guilherme Paiva As evidências históricas mostram que a cultura humana esteve sempre intimamente ligada [ ] à ideia da distinção e discriminação entre grupos sociais (COSTA, 2005, p.247). Igualdade: utopia, ou seja, um

Leia mais

Red. Bernardo Soares. Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por

Red. Bernardo Soares. Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Aula 2 Bernardo Soares Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Foca na Redação 23 mar A sociedade no século XXI: definições e problemas

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA nº 746 de 2016

MEDIDA PROVISÓRIA nº 746 de 2016 MEDIDA PROVISÓRIA nº 746 de 2016 Maria Alice Setubal, presidente do Conselho do Cenpec Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária, e da Fundação Tide Setubal Por que é preciso

Leia mais

Programa Nacional de Acesso ao Mundo do Trabalho ACESSUAS Trabalho

Programa Nacional de Acesso ao Mundo do Trabalho ACESSUAS Trabalho O que é? É uma iniciativa da Política Nacional de Assistência Social para promover o acesso de seus usuários a oportunidades no mundo do trabalho, através de ações integradas e articuladas voltadas para

Leia mais

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD SEMINÁRIO SINDICAL SOBRE O PLANO NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD Paulo Sergio Muçouçah Coordenador dos Programas de Trabalho Decente e Empregos Verdes Escritório da OIT no Brasil Roteiro da apresentação

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

Agenda Juventude Brasil Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República

Agenda Juventude Brasil Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República Agenda Juventude Brasil 2013 Secretaria Nacional da Juventude Secretaria-Geral da Presidência da República Período: Abril/Maio de 2013 Nota metodológica Universo: População de 15 a 29 anos, residente no

Leia mais

Políticas Públicas para a Educação Profissional e Tecnológica

Políticas Públicas para a Educação Profissional e Tecnológica Tópicos a serem abordados: Por quê? Para quê? O papel da SETEC / MEC Antecedentes A Retomada do Processo de Estruturação da Proposta de Políticas Públicas para a Linhas Estratégicas Por quê? Para quê?

Leia mais

cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível.

cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível. EIXO I - Gestão Democrática: Controle Social e Externo, Integração e Federalismo 1. Divulgação das atribuições específicas de cada órgão de segurança, através de publicação, de forma acessível. 1 EIXO

Leia mais

Planos Decenais de Educação Desafios e perspectivas para a próxima década da implementação ao monitoramento

Planos Decenais de Educação Desafios e perspectivas para a próxima década da implementação ao monitoramento Planos Decenais de Educação Desafios e perspectivas para a próxima década da implementação ao monitoramento Alessio Costa Lima Dirigente Municipal de Educação de Tabuleiro do Norte/ CE Presidente da Undime

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Eixo Temático: Temas Transversais

Eixo Temático: Temas Transversais ISSN 2359-1277 A COMPREENSÃO DA DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO: UMA POSIÇÃO DESIGUAL Geovana Boni de Novaes, giiboninovaes@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade

Leia mais

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social.

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Ministério do Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Rômulo Paes Secretário Executivo do Ministério do Combate à Fome Rio de Janeiro, 30 de novembro

Leia mais

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO 1º MÓDULO SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO Profª Dione Menz 2016 HISTÓRICO - SUAS Sistema Único da Assistência Social é fruto de quase duas décadas de debates e coloca em prática os preceitos

Leia mais

Centro de Tecnologia e Sociedade

Centro de Tecnologia e Sociedade Centro de Tecnologia e Sociedade Legislação e Acessibilidade na Web Bruna Castanheira de Freitas bruna.freitas@fgv.br twitter.com/brucastanheiraf Análises Das políticas sobre acessibilidade no cenário

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres. Coordenação de Educação e Cultura

Secretaria de Políticas para as Mulheres. Coordenação de Educação e Cultura Secretaria de Políticas para as Mulheres Coordenação de Educação e Cultura Equipe Hildete Pereira de Melo Ana Carolina Coutinho Villanova Naiara Betânia de Paiva Correa Políticas Públicas: Educação e Gênero

Leia mais

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Programa Cidadania Ativa Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Carta da Cidadania Infantojuvenil A Carta da Cidadania Infantojuvenil (Carta)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) BRA/06/005 - OEI - A Educação Como

Leia mais

Michelle Pinto de Lima

Michelle Pinto de Lima Michelle Pinto de Lima Sentidos e Significados do Trabalho e suas Repercussões para a Identidade de Pessoas com Deficiência Intelectual O trabalho como via de inclusão social DIEESE (2015) e RAIS (2014):

Leia mais

EDUCADOR SOCIAL SITE: FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE

EDUCADOR SOCIAL SITE:  FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE EDUCADOR SOCIAL SITE: WWW.CARITASPORTOALEGRE.ORG FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE

Leia mais

Francisco Aparecido Cordão

Francisco Aparecido Cordão 128 ENTREVISTA O PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO (PRONATEC) RESULTADOS E DESAFIOS Um dos investimentos prioritários do governo federal para a educação em todo o país é o Programa

Leia mais

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Bel Santos Mayer Vera Lion Políticas de Promoção da Igualdade de oportunidades e tratamento

Leia mais

ELIANE RIBEIRO - UNIRIO

ELIANE RIBEIRO - UNIRIO DIVERSIDADE DOS SUJEITOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MINISTÉRIO PÚBLICO RJ JUNHO DE 2015 ELIANE RIBEIRO - UNIRIO BRASIL - CERCA DE 50 MILHÕES DE JOVENS (15 A 29 ANOS) JUVENTUDES MAIS DO QUE UMA FAIXA

Leia mais

AÇÕES CULTURAIS EM M BOI MIRIM E CAMPO LIMPO: DIVERSIDADES E CONEXÕES

AÇÕES CULTURAIS EM M BOI MIRIM E CAMPO LIMPO: DIVERSIDADES E CONEXÕES ESTAÇÃO DE PESQUISA URBANA M BOI SÉRIE DOCUMENTOS DE TRABALHO WORKING PAPERS, N o 11, OUTUBRO / 2016 AÇÕES CULTURAIS EM M BOI MIRIM E CAMPO LIMPO: DIVERSIDADES E CONEXÕES Tiago Matheus, Lúcio Bittencourt

Leia mais

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DE AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DOS AFRODESCENDENTES 1º DE JANEIRO DE 2015 A 31 DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL MAIO DE 2008 MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL PROGRAMA JOVENS COM MAIS E MELHOR TRABALHO Secretaria de Emprego Situação trabalhista e social de 2003 em Situação do mercado de trabalho

Leia mais

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada?

Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Como promover e proteger os direitos de adolescentes e jovens em contextos de vulnerabilidade social agravada? Política pública? Participação social? Conhecimento? Autonomia? Ana Laura Lobato Pesquisadora

Leia mais

Propor que os cursos de Pedagogia e outras licenciaturas incentivem o conhecimento e atuação nestes espaços. Incluir algumas horas de

Propor que os cursos de Pedagogia e outras licenciaturas incentivem o conhecimento e atuação nestes espaços. Incluir algumas horas de CARTA DE SÃO CARLOS Os participantes do VIII Seminário Estadual do Fórum Paulista de Educação de Jovens e Adultos, reunidos na Universidade Federal de São Carlos, no dia 03 de setembro de 2016 para refletir

Leia mais

INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13

INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13 Índice INTRODUÇÃO...1 PARTE I JUVENTUDES, INSERÇÃO PROFISSIONAL E ENSINO SUPERIOR...13 CAPÍTULO I A CONSTRUÇÃO DA JUVENTUDE...15 A invenção da Juventude...15 A construção científica da juventude...23 O

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL*

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Ricardo Henriques Seminário Internacional: Determinantes sociais da saúde, intersetorialidade e equidade social na América Latina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Edital de Seleção CURSO DE APERFEIÇOAMENTO: A DIVERSIDADE EM SALA

Leia mais

Creche como demanda das mulheres

Creche como demanda das mulheres PESQUISA DATA POPULAR/SOS CORPO Creche como demanda das mulheres OUTUBRO/2012 1/10/2012 1 Pesquisa Creche como demanda das mulheres por políticas públicas Eleições. O tema creche voltou à pauta nas eleições

Leia mais

IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016

IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016 IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016 AS MINISTRAS, OS MINISTROS E REPRESENTANTES DOS PAÍSES

Leia mais

Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente

Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente Secretaria Nacional p/assuntos da Diversidade Humana Emprego e Trabalho Decente A UGT está comprometida com o emprego e trabalho decente para o enfrentamento ao racismo e promoção da igualdade racial Por

Leia mais