Teoria do Consumidor. Temos quatro elementos importantes em qualquer modelo de escolha do consumidor:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoria do Consumidor. Temos quatro elementos importantes em qualquer modelo de escolha do consumidor:"

Transcrição

1 Temos quatro elementos importantes em qualquer modelo de escolha do consumidor: conjunto de consumo; conjunto factível; relação de preferência ehipótesecomportamental Conjunto de consumo (ou escolha): X éconjuntode alternativas ou planos de consumo completo Vamos supor por conveniência que cada bem ou serviço é mensurável em unidades infinitamente divisíveis xi R + representa o número de unidades do bem i n éonúmero(finito)dediferentesbensouserviços x =(x1,..., x n ) R n + cesta de bens ou plano de consumo Conjunto de consumo usual: X = R n +

2 Propriedades do conjunto de consumo 1. X R n + 2. X éfechado 3. X éconvexo 4. 0 X Conjunto factível: B X representa todos os planos de consumo que são concebíveis; leva em consideração todas as restrições práticas, institucionais, ou realidades econômicas que o consumidor enfrenta Relação de preferência: especifica os limites na habilidade do consumidor em perceber nas situações envolvendo escolha a forma (in)consistente nas suas escolhas, e informação sobre o gosto do consumidor por diferentes objetos de escolha Hipótese comportamental: o consumidor tem como objetivo identificar e selecionar uma alternativa factível mais preferível dado seu gosto

3 Preferência e utilidade Na Teoria Clássica (Edgeworth, Mill e outros), utilidade tinha substância: prazer e dor eram entidades bem-definidas que poderiam ser medidas e comparadas entre indivíduos; o princípio das utilidades marginais decrecentes era aceito como uma lei psicológica Mais recentemente, a teoria do consumidor tem sido marcada por uma generalidade maior (veja J&R, p. 22) Caracterização axiomática das preferências do consumidor Preferência do consumidor é uma relação binária definida no conjunto de consumo X x 1 x 2,i.e.,x 1 épelomenostãoboaquantox 2

4 Axioma 1 (Completeza): Para todo x 1 e x 2 em X, x 1 x 2 ou x 2 x 1 Axioma 2 (Transitividade): Para todo x 1, x 2 e x 3 em X,se x 1 x 2 e x 2 x 3,entãox 1 x 3 Definição (Relação de preferência): Uma relação binária no conjunto de consumo X échamadaderelaçãodepreferênciase satisfaz Axiomas 1 e 2.

5 Definição (Relação de preferência estrita): Arelaçãode preferência estrita induzida por é a relação binária definida por x 1 x 2 se e somente se x 1 x 2 enãoéocasoquex 2 x 1 (i.e. x 1 éestritamentepreferívelax 2 ) Definição (Relação de indiferença): Arelaçãodepreferência indiferença induzida por é a relação binária definida por x 1 x 2 se e somente se x 1 x 2 e x 2 x 1 (i.e. x 1 éindiferenteax 2 )

6 Observação: Dados x 1 and x 2,entãoapenasumadasseguintes possibilidades ocorre: x 1 x 2 ou x 2 x 1 ou x 1 x 2 Definição (Conjuntos de preferência, superior, inferior e indiferença): Seja x 0 X 1. (x 0 ) { x X ; x ( )x 0} éoconjuntodepreferência (estritamente) superior 2. (x 0 ) { x X ; x 0 ( )x } éoconjuntodepreferência (estritamente) inferior 3. (x 0 ) { x X ; x x 0} éoconjuntodeindiferença

7 Vamos considerar alguns outros axiomas de regularidade. Suponha que X = R n + Axioma 3 (Continuidade): Para todo x R n +, (x) e (x) são conjuntos fechados Axioma 4 (Não saciedade local): Para todo x 0 R n + etodo ɛ>0, existe x B ɛ (x 0 ) R n + such that x x 0 onde B ɛ (x 0 )= { x R n + ; x x0 <ɛ } e x =( x 2 i )1/2 Axioma 4 (Monotonicidade estrita): Para todo x 1, x 2 R n +,se x 1 ( )x 2 então x 1 ( )x 2 Observação: Note que Axioma 4 implica Axioma 4

8 Axioma 5 (Convexidade): Se x 1 x 2,então tx 1 +(1 t)x 2 x 2,paratodot [0, 1] Axioma 5 (Convexidade estrita): Se x 1 x 2 e x 1 x 2,então tx 1 +(1 t)x 2 x 2,paratodot (0, 1) Observação 1: Note que Axioma 5 implica Axioma 5 Observação 2: Axioma 5 implica que as curvas de indiferença apresentam o princípio da taxa marginal de substituição decrescente

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

ECO Teoria Microeconômica I N. Professor Juliano Assunção. Preferências

ECO Teoria Microeconômica I N. Professor Juliano Assunção. Preferências ECO1113 - Teoria Microeconômica I N Professor Juliano Assunção Preferências Teoria do Consumidor Decisões Modelo Objetivo métrica comportamento preferências / utilidade racionalidade Escolhas factíveis

Leia mais

ESCOLHA INDIVIDUAL. Rafael V. X. Ferreira Março de 2017

ESCOLHA INDIVIDUAL. Rafael V. X. Ferreira Março de 2017 MICROECONOMIA I ESCOLHA INDIVIDUAL Rafael V. X. Ferreira rafaelferreira@usp.br Março de 2017 Universidade de São Paulo (USP) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Departamento de Economia

Leia mais

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória Teoria Microeconômica I Prof. Marcelo Matos Aula Introdutória Ementa do Curso Teoria do consumidor: escolha do consumidor; preferência revelada; efeitos-renda e efeito-substituição: equação de Slutsky

Leia mais

Preferências. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. January Notify Me of New Work. Start Your Own SelectedWorks.

Preferências. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. January Notify Me of New Work. Start Your Own SelectedWorks. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva January 200 Preferências Contact Author Start Your Own SelectedWorks Notify Me of New Work Available at: http://worksbepresscom/sergiodasilva/30 Preferências Hal

Leia mais

Aula 09. Bibliograa: Kreps, Cap. 06. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Equilíbrio Geral Eciência do Equilíbrio Geral Existência e Número de Equilíbrios

Aula 09. Bibliograa: Kreps, Cap. 06. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Equilíbrio Geral Eciência do Equilíbrio Geral Existência e Número de Equilíbrios Aula 09 Bibliograa: Kreps, Cap. 06 Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP Objetivos da Aula Equilíbrio Geral 1 Equilíbrio Geral Economia de Trocas e o Equilíbrio de Preços Objetivos da Aula Equilíbrio Geral 1 Equilíbrio

Leia mais

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende.

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende. MICROECONOMIA 1 Departamento de Economia, Universidade de Brasília 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende 1 Preferência Revelada As preferências das pessoas não são observáveis. O que podemos

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: - como determinar

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 21 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Função de utilidade. Sumário. Função de utilidade. Função de utilidade. Função de utilidade. Função de utilidade

Função de utilidade. Sumário. Função de utilidade. Função de utilidade. Função de utilidade. Função de utilidade Sumário em IR n Isoquanta (em IR ) O valor dos BS resulta de satisfazerem as nossas necessidades Já estudamos o caso de um BS Agora vamos estender a análise a n BS Vamos supor que existe um cabaz genérico

Leia mais

Capítulo 3 Preferências

Capítulo 3 Preferências Capítulo 3 Preferências Verdadeiro ou falso 3.1 Se as preferências são transitivas, mais é sempre preferível a menos. Resposta: Falsa 3.2 Uma pessoa com preferência reflexivo é alguém que não compra cuidadosamente.

Leia mais

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Prof. Antonio arlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Da mesma forma que os agentes econômicos escolhem uma cesta de consumo maximizadora da utilidade, sujeita a uma restrição

Leia mais

Aula 6 14/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 6 14/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 Aula 6 14/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 MAPA DE INDIFERENÇA - Um mapa de indiferença é um conjunto de curvas de indiferença que descrevem as preferências

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 20 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Utilidade. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva, Federal University of Santa Catarina

Utilidade. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva, Federal University of Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina From the SelectedWorks of Sergio Da Silva 00 Utilidade Sergio Da Silva, Federal University of Santa Catarina Available at: https://worksbepresscom/sergiodasilva/33/

Leia mais

Módulo 1 Potenciação, equação exponencial e função exponencial

Módulo 1 Potenciação, equação exponencial e função exponencial Módulo 1 Potenciação, equação exponencial e função exponencial 1. Potenciação e suas propriedades 1.1. Potência de expoente natural Potenciação nada mais é do que uma multiplicação de fatores iguais. Casos

Leia mais

Economia de Trocas Pura

Economia de Trocas Pura Economia de Trocas Pura Caracterização Estamos de volta às questões colocadas por Adam Smith na Riqueza das Nações. Seria um sistema de trocas, baseado em indivíduos auto interessados, com propriedade

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia. Microeconomia I 2012/ /4/2013. (120 minutos)

Departamento de Gestão e Economia. Microeconomia I 2012/ /4/2013. (120 minutos) Departamento de Gestão e Economia Microeconomia I 2012/2013 24/4/2013 Nome: Nº: (120 minutos) Na folha existem espaços para apresentar as suas respostas. Faça uma boa afetação do seu tempo. A cotação de

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 4: Programação Linear Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 ula 7 16/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. INDYCK (2007) Capítulo 3 Escolha do Consumidor Supondo que o consumidor maximiza a sua utilidade, temos que a cesta maximizadora deve estar

Leia mais

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Parte 1 1. Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Há 3 etapas no estudo do comportamento do consumidor.

Leia mais

Microeconomia 1 - Teoria da Firma

Microeconomia 1 - Teoria da Firma Microeconomia - Teoria da Firma Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas, 05 DECON/UFPEL Rodrigo Nobre Fernandez Microeconomia / 37 Conjunto de Possibilidade de Produção Uma firma é uma entidade que transforma

Leia mais

Incerteza. Humberto Moreira. June 5, EPGE, Fundação Getulio Vargas

Incerteza. Humberto Moreira. June 5, EPGE, Fundação Getulio Vargas Incerteza Humberto Moreira EPGE, Fundação Getulio Vargas June 5, 2014 Introdução Escolha envolvendo algum tipo de incerteza. Exemplos: seguros, investimentos financeiros, loterias e jogos de azar. Agentes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

ESCOLHA SOB INCERTEZA

ESCOLHA SOB INCERTEZA MICROECONOMIA I ESCOLHA SOB INCERTEZA Rafael V. X. Ferreira rafaelferreira@usp.br Março e Abril de 2017 Universidade de São Paulo (USP) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Departamento

Leia mais

( ) = 10AV, enquanto as de Erin são

( ) = 10AV, enquanto as de Erin são PREFERÊNCIAS, UTILIDADE MARGINAL, ESCOLHA E DEMANDA. Um conjunto de curvas de indiferença pode ser inclinado para cima? Em caso positivo, o que isso lhe diria sobre as duas mercadorias em questão? 2. Explique

Leia mais

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é:

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é: Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura Monitor: Je erson Bertolai. Lei de Walras: Para qualquer vetor de preços p, temos que pz(p) 0, onde z(p) é o vetor de excesso de demanda.

Leia mais

Microeconomia. 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades. Francisco Lima

Microeconomia. 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades. Francisco Lima Microeconomia 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Comportamento do Consumidor Teoria do Consumidor

Leia mais

Bem-estar. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

Bem-estar. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Bem-estar Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Análise de Bem-estar A eficiência de Pareto é um objetivo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Notas de aula 1. Título: Subgrupos finitos de. 2. Breve descrição da aula A aula

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 18 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3,4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Juan Hersztajn Moldau**

Juan Hersztajn Moldau** o AXIOMA DA TRANSITIVIDADE É SUPÉRFLUO?* Juan Hersztajn Moldau** Resumo Este artigo trata de uma discussão acerca da necessidade de uma condição de transitividade na teoria da demanda. AP. tentativas melhor

Leia mais

TEORIA DA PRODUÇÃO. Rafael V. X. Ferreira Abril de 2017

TEORIA DA PRODUÇÃO. Rafael V. X. Ferreira Abril de 2017 MICROECONOMIA I TEORIA DA PRODUÇÃO Rafael V. X. Ferreira rafaelferreira@usp.br Abril de 2017 Universidade de São Paulo (USP) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Departamento de Economia

Leia mais

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/03 ) Avalie, com análise gráfica, a variação do Excedente do Consumidor e/ou Excedente do Produtor para as seguintes situações:

Leia mais

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago

Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II Monitor: Diego Santiago Professor: Carlos Eugênio da Costa Teoria Microeconômica II - 2012 Monitor: Diego Santiago EPGE/FGV Introdução matemática 1 Introdução Esta introdução visa familiarizar o aluno com ferramentas matemáticas

Leia mais

3. Variáveis aleatórias

3. Variáveis aleatórias 3. Variáveis aleatórias Numa eperiência aleatória, independentemente de o seu espaço de resultados ser epresso numericamente, há interesse em considerar-se funções reais em Ω, denominadas por variáveis

Leia mais

CÁLCULO I Aula 14: Crescimento e Decrescimento. Teste da Primeira Derivada.

CÁLCULO I Aula 14: Crescimento e Decrescimento. Teste da Primeira Derivada. CÁLCULO I Aula 14:.. Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Universidade Federal do Pará 1 2 3 Denição Sejam f : A B uma função e x 1, x 2 D f. Denimos que f é uma (i) função crescente se x 1

Leia mais

Algumas Preliminares Matemáticas

Algumas Preliminares Matemáticas Lista 1 de Microeconomia I Professor: Carlos E.L. da Costa Monitor: Vitor Farinha Algumas Preliminares Matemáticas Nas próximas páginas apresentam-se alguns conceitos matemáticos e teoremas que serão úteis

Leia mais

Produção Parte Produção com Dois Insumos Variáveis 4. Rendimentos de Escala

Produção Parte Produção com Dois Insumos Variáveis 4. Rendimentos de Escala Produção Parte 2 3. Produção com Dois Insumos Variáveis 4. Rendimentos de Escala 3. Produção com dois Insumos Variáveis Existe uma relação entre produção e produtividade. No longo prazo, capital e trabalho

Leia mais

Fundamentos de Matemática. Lista de Exercícios Humberto José Bortolossi

Fundamentos de Matemática. Lista de Exercícios Humberto José Bortolossi GMA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA APLICADA Fundamentos de Matemática Lista de Exercícios Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ 02 Demonstração direta, demonstração por absurdo e

Leia mais

A Teoria do Consumidor

A Teoria do Consumidor A Teoria do Como a demanda fundamenta-se no comportamento dos consumidores? Aplicações importantes da teoria que será vista: -servir de guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado -fornecer

Leia mais

Demanda do Consumidor (Microeconomia)

Demanda do Consumidor (Microeconomia) Escolha ótima do consumidor: a demanda. Olá estimado(a) aluno(a), tudo bem? O objetivo deste artigo é apresentar algumas questões relacionadas à demanda. Ou seja, compreender de forma esquematizada qual

Leia mais

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk Notas Para o Curso de Medida e Integração Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Medida de Lebesgue e Espaços de Medida... 1 1.1. Aritmética na Reta Estendida... 1 1.2. O Problema da Medida... 6 1.3. Volume

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 1: Jogos Coalizionais sem Pagamentos Laterais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 1: Jogos Coalizionais sem Pagamentos Laterais Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I Cap. 1: Jogos Coalizionais se Pagaentos Laterais Roteiro Capítulo 1: Jogos Coalizionais se Pagaentos Laterais 1. A Fora Coalizional e o Conceito de

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE LIMITES E CONTINUIDADE 1 LIMITE Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br Definição 1.1 O limite

Leia mais

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1 Três VIPs da Teoria dos Números É claro, VIP significa Very Important Problems. Os problemas discutidos aqui, além de suas variações, são bastante comuns em Olimpíadas de Matemática e costumam ser resolvidos

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia, Finanças e MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia, Finanças e MAEG 6 Soluções do Teste Intercalar Parte A (10 valores) MATRIZ DE RESPOSTAS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 d a b d c b b b d c a d d c b b 1 1. Admita que os cabazes de consumo (x 1, x 2 ) e (x 1,

Leia mais

LES 101 Introdução à Economia

LES 101 Introdução à Economia Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LES 101 - Introdução à Economia LES 101 Introdução à Economia Prof. João Martines Filho 30 / maio / 2017 Copyright 2010 Pearson

Leia mais

Microeconomia. 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades. Francisco Lima

Microeconomia. 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades. Francisco Lima Microeconomia 2. Procura, Excedente do Consumidor e Elasticidades Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Objetivos Conhecer os principais determinantes

Leia mais

Refinamentos de Equilíbrios de Nash

Refinamentos de Equilíbrios de Nash Refinamentos de Equilíbrios de Nash Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 06 de Outubro de 2014 Equilíbrio

Leia mais

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. PRODUÇÃO Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Introdução Trocas: modelo de equilíbrio geral de uma economia

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

microeconomia programa bibliografia compêndio exercícios licenciatura em contabilidade e administração

microeconomia programa bibliografia compêndio exercícios licenciatura em contabilidade e administração microeconomia programa bibliografia compêndio exercícios 2007-2008 licenciatura em contabilidade e administração Curso: LICENCIATURA EM CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Designação: MICROECONOMIA [2353] Ano:

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

APÊNDICE B ESPECIFICAÇÃO ALGÉBRICA DEFINIÇÕES E NOTAÇÃO

APÊNDICE B ESPECIFICAÇÃO ALGÉBRICA DEFINIÇÕES E NOTAÇÃO APÊNDICE B ESPECIFICAÇÃO ALGÉBRICA DEFINIÇÕES E NOTAÇÃO APÊNDICE B: Especificação Algébrica: Definições e Notação. 342 Def. B.1 : Família Indexada. Uma família F de conjuntos A indexada por I é uma função

Leia mais

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem A Escolha Racional A racionalidade na teoria dos jogos procura perceber como os jogadores (sejam eles indivíduos, empresas, organizações, países etc.) tomam suas decisões em situações de interação estratégica.

Leia mais

Notas de Aula de Microeconomia. Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV

Notas de Aula de Microeconomia. Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Notas de Aula de Microeconomia Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Setembro de 2010 Conteúdo 1 A Metodologia e o Escopo da Ciência Econômica 5 1.1 A Metodologia..............................

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Medida e Probabilidade Aluno: Daniel Cassimiro Carneiro da Cunha Professor: Andre Toom 1 Resumo Este trabalho contem um resumo dos principais

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Escolha sob Incerteza VNM. Aula 03. Bibliograa: MWG, cap. 06. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Cláudio R. Lucinda Aula 03

Escolha sob Incerteza VNM. Aula 03. Bibliograa: MWG, cap. 06. Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP. Cláudio R. Lucinda Aula 03 Aula 03 Bibliograa: MWG, cap. 06 Cláudio R. Lucinda FEA-RP/USP Objetivos da Aula Escolha sob Incerteza 1 Escolha sob Incerteza Preferências sobre Objetivos da Aula Escolha sob Incerteza 1 Escolha sob Incerteza

Leia mais

Este Fundamentos de Microeconomia é um texto cuidadosamente elaborado por professores com muitos anos de experiência no ensino de graduação

Este Fundamentos de Microeconomia é um texto cuidadosamente elaborado por professores com muitos anos de experiência no ensino de graduação PREFÁCIO A Economia é definida, em muitos livros, como a ciência social que estuda como os indivíduos e a sociedade decidem utilizar recursos escassos para produzir bens e serviços, e como distribuir esta

Leia mais

Parte II Teoria da Firma

Parte II Teoria da Firma Parte II Teoria da Firma Produção Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Sumário 1 O conjunto e a função de produção 2 Medidas de produtividade 3 Produção no curto prazo 4 Produção no longo prazo

Leia mais

Aula 01 Teoria do Consumidor

Aula 01 Teoria do Consumidor Olá pessoal, Veja que o cargo ao qual vocês concorrem terão 8 vagas assim distribuídas: Aula Conteúdo Programático Data 01 Teoria do Consumidor - Parte 1 23/02 É muito importante ressaltar que alguns assuntos

Leia mais

Fabio Augusto Camargo

Fabio Augusto Camargo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Introdução à Topologia Autor: Fabio Augusto Camargo Orientador: Prof. Dr. Márcio de Jesus Soares

Leia mais

Equações Diofantinas I

Equações Diofantinas I Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 8 Equações Diofantinas I Exemplo 1. Em Gugulândia, o jogo de basquete é jogado com regras diferentes. Existem

Leia mais

17.1 multiplicidade de um ponto da curva

17.1 multiplicidade de um ponto da curva Aula 17 multiplicidades de interseção (Anterior: C é fecho algébrico de R ) Voltamos ao estudo de curvas planas O assunto agora diz respeito à compreensão das multiplicidades O exemplo modelo bem conhecido

Leia mais

Notas de Microeconomia I

Notas de Microeconomia I Notas de Microeconomia I Carlos Eugênio da Costa 1 Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Março de 2007 1 O material destas notas NÃO é original. Trata-se de uma coletânia um tanto idiossincrática de pedaços

Leia mais

Excedente do Consumidor

Excedente do Consumidor Excedente do Consumidor Instituto de Economia Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero (notas de aula) Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Excedente do Consumidor Outra abordagem

Leia mais

Notas de Microeconomia I

Notas de Microeconomia I Notas de Microeconomia I Carlos Eugênio da Costa 1 Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Março de 2008 1 O material destas notas NÃO é original. Trata-se de uma coletânia um tanto idiossincrática de pedaços

Leia mais

Conjuntos Numéricos Aula 6. Conjuntos Numéricos. Armando Caputi

Conjuntos Numéricos Aula 6. Conjuntos Numéricos. Armando Caputi Conjuntos Numéricos Aula 6 Conjuntos Numéricos E-mail: armando.caputi@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~armando.caputi Sala 549-2 - Bloco A - Campus Santo André Conjuntos Numéricos Aula

Leia mais

Fundamentos da Eletrostática Aula 13 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens

Fundamentos da Eletrostática Aula 13 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens Fundamentos da Eletrostática Aula 3 Descontinuidades no Campo Elétrico & Método das Imagens Prof. Alex G. Dias Prof. Alysson F. Ferrari Descontinuidades no campo elétrico Uma observação a ser feita uando

Leia mais

Notas de Microeconomia I

Notas de Microeconomia I Notas de Microeconomia I Carlos Eugênio da Costa 1 Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Fevereiro de 2008 1 O material destas notas NÃO é original. Trata-se de uma coletânia um tanto idiossincrática de pedaços

Leia mais

Aritmética dos Restos. Pequeno Teorema de Fermat. Tópicos Adicionais

Aritmética dos Restos. Pequeno Teorema de Fermat. Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Pequeno Teorema de Fermat Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Pequeno Teorema de Fermat 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Encontre os restos da divisão de 2 24 por a) 5

Leia mais

Desenho de Mecanismo. Introdução

Desenho de Mecanismo. Introdução Desenho de Mecanismo Introdução Até o momento estivemos tomando o arranjo institucional onde ocorrem as transações como um dado: o mercado. Note, porém, que mesmo nesse caso, permitíamos que algumas transações

Leia mais

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 5 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 5 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende MICROECONOMIA 1 Departamento de Economia, Universidade de Brasília 5 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende 1 Propriedades Como a função de utilidade é um conceito ordinal, sabemos que uma determinada

Leia mais

Alfred Marshall EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Profa. Enimar.

Alfred Marshall EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Profa. Enimar. Alfred Marshall EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Profa. Enimar. A partir de 1870 a análise econômica passa a ser enriquecida com o desenvolvimento da teoria neoclássica. Esta teoria se ocupa em estudar

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Lista de Exercícios 6: Soluções Funções

Lista de Exercícios 6: Soluções Funções UFMG/ICEx/DCC DCC Matemática Discreta Lista de Exercícios 6: Soluções Funções Ciências Exatas & Engenharias o Semestre de 06 Conceitos. Determine e justifique se a seguinte afirmação é verdadeira ou não

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

Notas de Economia do Setor Público. Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV

Notas de Economia do Setor Público. Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Notas de Economia do Setor Público Carlos Eugênio da Costa Fundação Getulio Vargas - EPGE/FGV Rio de Janeiro, Agosto-Dezembro de 2008 Conteúdo I Introdução 8 1 Introdução à Economia do Setor Público 9

Leia mais

MICROECONOMIA

MICROECONOMIA MICROECONOMIA 01. (Fiscal ISS-SP/98) Se a quantidade demandada de um bem permanece inalterada quando o seu preço aumenta, pode-se concluir que a elasticidade preço deste bem é: a) Menor do que a unidade.

Leia mais

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 MAT 317 - Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 1 Nome : Número USP : Assinatura : Professor : Severino Toscano do Rêgo Melo 2 3 4 5 Total Podem tentar fazer todas as questões.

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

REVISÃO DAS NOÇÕES MICROECONÔMICAS SOBRE TEORIA DO CONSUMIDOR COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO FINANCEIRA

REVISÃO DAS NOÇÕES MICROECONÔMICAS SOBRE TEORIA DO CONSUMIDOR COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO FINANCEIRA REVISÃO DAS NOÇÕES MICROECONÔMICAS SOBRE TEORIA DO CONSUMIDOR COMO SUBSÍDIO PARA A EDUCAÇÃO FINANCEIRA Área Temática: Economia Modalidade: Resumo expandido Mateus Luis Roos Pinsetta (UNIOESTE) mluisrp@gmail.com

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

Resolução do exame ANPEC de microeconomia para 2014

Resolução do exame ANPEC de microeconomia para 2014 Resolução do exame ANPEC de microeconomia para 2014 Roberto Guena de Oliveira 12 de fevereiro de 2014 QUESTÃO 1 A respeito das funções utilidades e seus vários formatos, podemos afirmar: 0 Para um consumidor

Leia mais

Aula 03: Teoria do Consumidor

Aula 03: Teoria do Consumidor Aula 03: Teoria do Consumidor Sumário Página 1. Preferências do Consumidor 6 Utilidade 17 Restrição Orçamentária 19 Escolha 24 Exercícios 29 Olá Alunos do Estratégia Concursos, Tudo bem? Continuamos hoje

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 27 de Março de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 -

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

5 MEDIDAS DE RISCO 5.1 INTRODUÇÃO

5 MEDIDAS DE RISCO 5.1 INTRODUÇÃO 5 MEDIDAS DE RISCO 5.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo, são apresentadas as medidas de risco usadas no setor elétrico e em finanças, analisando as propriedades da definição de medida de risco coerente [30].

Leia mais

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE Nível Intermediário Um dos temas mais desafiadores para um olímpico são os problemas sobre equações funcionais.

Leia mais

Imersões e Mergulhos. 4 a aula,

Imersões e Mergulhos. 4 a aula, 4 a aula, 12-04-2007 Imersões e Mergulhos Um mapa entre variedades f : X Y diz-se um mergulho sse (1) é uma imersão, i.e., Df x : T x X T f(x) Y é injectiva, para todo x X, (2) é injectiva, e (3) a inversa

Leia mais