Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor"

Transcrição

1 Comportamento do consumidor Parte 1 1. Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

2 Comportamento do consumidor Há 3 etapas no estudo do comportamento do consumidor. 1. As preferências do consumidor. Para descrever como e por quê as pessoas preferem uma mercadoria a outra. 2. As restrições orçamentárias. As pessoas têm rendas limitadas. 3. A combinação das preferências do consumidor com as restrições orçamentárias para determinar as escolhas do consumidor. Que combinação de mercadorias os consumidores comprarão de modo a maximizar sua satisfação?

3 1. Preferências do Consumidor Considerando que existe inúmeros produtos e serviços no mercado disponíveis para serem escolhidos. Como poderíamos descrever o comportamento natural dos clientes? Sabemos que dado um conjunto de itens sempre haverá um produto preferível a outro, ou ainda indiferença (qualquer um gera o mesmo grau de satisfação) entre a escolha desses itens.

4 1.1 Cestas de Mercado Uma Cesta de Mercado é um conjunto de itens com quantidades determinadas de uma ou mais mercadorias. Uma cesta de mercado pode ser preferida a outra que contenha uma combinação diferente de mercadorias. Não estaremos levando em consideração o preço ainda. Três Premissas Básicas: 1. As preferências são completas. (Não há preferência parcial). 2. As preferências são transitivas. ((A>B) (B>C) (A>C)). 3. Os consumidores sempre preferem quantidades maiores de uma mercadoria.

5 1.2 Curva de Indiferença Uma curva de indiferença representa todas as combinações de cestas de mercado que proporcionam o mesmo nível de satisfação a uma pessoa. Cestas Alimento Vestuário A B C D E F 10 40

6 1.2 Curva de Indiferença No exemplo anterior uma possível curva de indiferença que cobre algumas das cestas de mercado pode ser representada pela curva abaixo:

7 1.2.1 Curva de Indiferença - Características A curva de indiferença apresenta inclinação negativa, da esquerda para a direita (assim como a curva de demanda). Uma inclinação positiva violaria a premissa de que uma quantidade maior de mercadoria é preferida a uma menor. Qualquer cesta de mercado localizada acima e à direita de uma curva de indiferença é preferida a qualquer cesta de mercado localizada sobre a curva de indiferença.

8 1.3 Mapa de Indiferença É um conjunto de curvas de indiferença que descrevem as preferências de uma pessoa com relação a todas as combinações de duas mercadorias. Cada curva de indiferença no mapa mostra as cestas de mercado entre as quais a pessoa é indiferente. As curvas de indiferença não podem se interceptar, por quê? Isso violaria a premissa de que uma quantidade maior de mercadoria é preferida a uma menor.

9 1.3 Mapa de Indiferença Onde está o erro do gráfico à direita?

10 1.3 Mapa de Indiferença Portanto, as curvas de indiferença são convexas porque à medida que maiores quantidades de uma mercadoria são consumidas, espera-se que o consumidor esteja disposto a abrir mão de cada vez menos unidades de uma segunda mercadoria para obter unidades adicionais da primeira. É válido destacar também que os consumidores em geral preferem uma cesta de mercado balanceada a partir de suas preferências individuais.

11 1.4 Taxa Marginal de Substituição (TMS) Mede a quantidade de uma mercadoria (y) de que o consumidor está disposto a desistir para obter mais de outra mercadoria (x). TMS = y x Ex.: Se a TMS = 3, que dizer que o consumidor está disposto a abrir mão de 3 unidades de y pra obter 1 de x. Obs.: O livro base da disciplina mostra sempre a análise da TMS considerando que estamos desistindo sempre do elemento que se encontra no eixo vertical.

12 1.4 Taxa Marginal de Substituição A taxa marginal de substituição é decrescente ao longo da curva de indiferença.

13 1.5 Substitutos e Complementos Perfeitos Substitutos perfeitos: TMS é constante. Complementos perfeitos: TMS = 0, forma ângulos retos.

14 1.6 Males Quando temos uma situação em que quantidades menores de um determinado item (males) são melhores do que quantidades maiores. Ex.: O amianto como isolante térmico. Como considerar os males na análise de preferência do consumidor? Devemos redefinir o conceito do bem, ou seja converter o mal em bem. Ex.: Preferência por ar puro, ao invés de poluição do ar.

15 1.7 Exemplo 1: Projeto de Automóveis Os executivos de empresas automobilísticas devem decidir regularmente quando introduzir novos modelos e quanto investir na reestilização. A análise das preferências do consumidor ajudaria a determinar quando e se as empresas automobilísticas devem reestilizar seus automóveis. Um estudo sobre a demanda automobilística nos Estados Unidos mostrou que, durante duas décadas, a maioria dos consumidores tem preferido estilo a desempenho.

16 1.7 Exemplo 1: Projeto de Automóveis Exemplos: Forde Mustang (esq.), Ford Explorer (dir.)

17 1.8 Utilidade Número que representa o nível de satisfação que uma pessoa obtém ao consumir uma determinada cesta de mercado. Cada curva de indiferença representa um nível de utilidade para o consumidor que proporciona o mesmo grau de satisfação. Se comprar três cópias de um livro deixa o consumidor mais feliz do que comprar uma camisa, então, dizemos que os livros proporcionam mais utilidade a esse consumidor do que a camisa.

18 1.8.1 Funções de Utilidade Suponha que a função de utilidade para alimento (A) e vestuário (V) seja: U(A,V) = A + 2V O consumidor é indiferente entre A e B. O consumidor prefere A e B a C. Cestas Unid. Alimento Unid. Vestuário U(A,V) = A + 2V A (3) = 14 B (4) = 14 C (4) = 12

19 Exemplo 2: Funções de Utilidade

20 1.8.2 Funções de utilidade ordinal e cardinal Função de utilidade ordinal: Coloca as cestas de mercado em ordem decrescente de preferência mas não indica o quanto uma cesta é preferível a outra. Função de utilidade cardinal : Função de utilidade que descreve o quanto uma cesta de mercado é preferível a outra. A unidade de medida da utilidade não é importante. A ordenação ordinal é suficiente para explicar como a maioria das decisões é tomada pelo consumidor.

21 2. Restrições Orçamentárias O comportamento do consumidor não é determinado, apenas, por suas preferências. As restrições orçamentárias também limitam a capacidade do indivíduo de consumir, tendo em vista os preços que ele deve pagar por diversas mercadorias e serviços.

22 2.1 Linha de orçamento A linha do orçamento indica todas as combinações de duas mercadorias (X e Y) para as quais o total de dinheiro gasto é igual à renda total I. Seja X a quantidade adquirida de bem e Y a quantidade adquirida de outro bem. Seja também P X o preço do bem X, e P Y o preço do bem Y. Logo, P X X é a quantidade de dinheiro gasto com X, e P Y Y é a quantidade de dinheiro gasto com Y. Temos a seguinte linha de orçamento: P X X + P Y Y = I

23 2.1 Linha de orçamento Exemplo 1: TMS = ½ ou seja, a inclinação da linha de orçamento é dada por V/ A = - ½ = -P A /P V. Cestas Unid. A Unid. V P A A + P V V = I A 0 40 I = R$80 B I = R$80 C I = R$80 D I = R$80 E 80 0 I = R$80

24 2.2 Efeitos de modificações na Renda Um aumento ou diminuição da renda causa o deslocamento paralelo da linha do orçamento (mantidos os preços constantes). Direita: Aumento da renda; Esquerda: Diminuição da renda

25 2.3 Efeitos de modificações nos Preços De maneira em geral mudanças nos preços dos bens tendem a mudar a inclinação da linha de orçamento. Se o preço de uma mercadoria aumenta ou diminui, a linha do orçamento sofre uma rotação em torno do intercepto da outra mercadoria. Se os preços de ambos os bens aumentam, mas a razão entre os dois preços não muda, a inclinação permanece a mesma. Entretanto, a linha do orçamento sofrerá um deslocamento paralelo para a esquerda.

26 2.3 Efeitos de modificações nos Preços Exemplo 2: Quando o preço de A cai pela metade, há uma rotação de L 1 em torno de V que resulta em L 2. Quando o preço de A dobra, há uma rotação de L 1 em torno de V que resulta em L 3.

27 3. A Escolha do Consumidor A cesta de mercado ótima deve satisfazer duas condições: Deve estar situada sobre a linha do orçamento. Deve fornecer ao consumidor sua combinação preferida de bens e serviços. Portanto: A utilidade máxima é determinada pela curva de utilidade que toca a linha de orçamento em um único ponto. Esse ponto é exatamente aquele em que a linha de orçamento é tangente à curva de utilidade.

28 3. A Escolha do Consumidor Escolha maximizadora:

29 3. A Escolha do Consumidor É válido destacar que a inclinação de uma curva de indiferença é dada por: TMS = y x E a inclinação da linha do orçamento é dada por: Inclinação = P y P x Logo, podemos afirmar que a satisfação é maximizada no ponto em que a taxa marginal de substituição (de y por x) é igual à razão entre os preços (de x e y). TMS = P y P x

30 3.1 Benefício e custo marginal A condição mostrada na equação anterior, mostra que a maximização é atingida quando o benefício marginal é igual ao custo marginal. Benefício marginal: Benefício propiciado pelo consumo de uma unidade adicional de uma determinada mercadoria, medido pela TMS. Custo marginal: Custo de uma unidade adicional de uma determinada mercadoria, medida pelo grau de inclinação da linha de orçamento.

31 3.1 Benefício e custo marginal Ou seja, caso a TMS seja menor que a razão entre os preços, a satisfação do consumidor não estará sendo maximizada. Cuidado: O resultado em que a TMS é igual a razão entre os preços tem um poder analítico enganador. Dois consumidores, comprando quantidades de vestuário e alimento, caso estejam maximizando sua satisfação, permite que saibamos o valor da TMS, apenas observando os preços. Entretanto não é possível dizer qual é a quantidade comprada de cada mercadoria, pois depende de cada consumidor.

32 3.2 Solução de canto Ocorre quando o consumidor opta por soluções extremas, comprando apenas um tipo de mercadoria. A TMS não é igual a P A /P V na cesta escolhida. No ponto E, a TMS de alimento por vestuário é maior que a inclinação da linha do orçamento. TMS P A P V Essa desigualdade seria invertida, caso a solução de canto ocorresse no ponto D.

33 Referências principais Pindyck, Robert S.; Rubinfeld, Daniel L.; Microeconomia. 711p. 7ed. São Paulo : Pearson, Capítulo 3: Comportamento do consumidor.

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor

Agenda. Preferências do Consumidor. Preferências do Consumidor. comportamento do consumidor: Comportamento do Consumidor. Comportamento do Consumidor genda Comportamento do Consumidor Econ. Edilson guiais Material isponível em: www.puc.aguiais.com.br Restrições Orçamentárias Escolha do Consumidor Preferências Reveladas Utilidade Marginal e Escolhas

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1. O que significa o termo transitividade de preferências? A transitividade de preferências significa que, se alguém prefere A em relação a B, e B em relação a C, então essa

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem:

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: (1) A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. (3) O ponto de encontro

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

= volume do cone => Vc. 48.000 80 N = 25, 47 (se π 3,14)

= volume do cone => Vc. 48.000 80 N = 25, 47 (se π 3,14) ) Fernando utiliza um recipiente, em forma de um cone circular reto, para encher com água um aquário em forma de um paralelepípedo retângulo. As dimensões do cone são: 0 cm de diâmetro de base e 0 cm de

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR

PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR Questão 14. Preferências dos Consumidores (a.) Preferências de consumidores são "bem-comportadas" se as quatro premissas da teoria do comportamento do consumidor são válidas.

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

O coeficiente angular

O coeficiente angular A UA UL LA O coeficiente angular Introdução O coeficiente angular de uma reta já apareceu na Aula 30. Agora, com os conhecimentos obtidos nas Aulas 40 e 45, vamos explorar mais esse conceito e descobrir

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

Nome: Calcule a probabilidade de que os dois alunos sorteados falem Inglês e. Análise Quantitativa e Lógica Discursiva - Prova B

Nome: Calcule a probabilidade de que os dois alunos sorteados falem Inglês e. Análise Quantitativa e Lógica Discursiva - Prova B 1. Uma escola irá sortear duas pessoas dentre os seus 20 melhores alunos para representá-la em um encontro de estudantes no Canadá, país que possui dois idiomas oficiais, Inglês e Francês. Sabe-se que,

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta

Leia mais

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação.

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação. Comentários Microeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam das questões de micro (área 3)? Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia,

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu dinheiro

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA Prof. Francisco Leal Moreira / SUMÁRIO. FUNÇÕES DE DUAS VARIÁVEIS.. FUNÇÕES HOMOGÊNEAS.. CURVAS

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

Lista de exercícios nº 2

Lista de exercícios nº 2 F107 Física (Biologia) Turma B Prof. Odilon D. D. Couto Jr. Lista de exercícios nº 2 MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Exercício 1: A velocidade escalar média é definida como a razão entre a distância total percorrida

Leia mais

DENÚNCIAS CONTRA INTERMEDIAÇÃO ABUSIVA (ATRAVESSADORES)

DENÚNCIAS CONTRA INTERMEDIAÇÃO ABUSIVA (ATRAVESSADORES) DENÚNCIAS CONTRA INTERMEDIAÇÃO ABUSIVA (ATRAVESSADORES)?! Ouvidoria-Geral da Previdência Social DENÚNCIAS CONTRA INTERMEDIAÇÃO ABUSIVA (ATRAVESSADORES) 1 Atravessador no âmbito da Previdência Social É

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV ADM 31/maio/015 Prova A MATEMÁTICA 01. Fabiana recebeu um empréstimo de R$ 15 000,00 a juros compostos à taxa de 1% ao ano. Um ano depois, pagou uma parcela de

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Como funciona? SUMÁRIO

Como funciona? SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Benefícios e Vantagens... 2 3. Como utilizar?... 2 3.1. Criar Chave / Senha de Usuário... 2 3.2. Recursos da Barra Superior... 2 3.2.1. Opções... 3 3.2.1.1. Mover Para...

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w.

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 9, Mercados Competitivos :: EXERCÍCIO 1. Em 1996, o Congresso dos EUA discutiu se o salário mínimo deveria subir de $4,25 para $5,15 por hora. Algumas pessoas sugeriram que

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

APOSTILA. modelagem industrial & SOB medida

APOSTILA. modelagem industrial & SOB medida APOSTILA modelagem industrial & SOB medida PROFESSOR ROBERTO FERREIRA Página 1 SUMÁRIO TABELA DE MEDIDAS 04 SAIA BÁSICA 07 MOLDE BÁSICO BLUSA FEMININA 09 MANGA BÁSICA CURTA 11 VESTIDO BÁSICO 12 CALÇA JUSTA

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão.

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. Capítulo 8 Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. 1. Exemplos de revisão Exemplo 1 Ache a equação do círculo C circunscrito ao triângulo de vértices A = (7, 3), B = (1, 9) e C = (5, 7).

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA 1 TEORIA 1 DEFININDO ESPELHOS PLANOS Podemos definir espelhos planos como toda superfície plana e polida, portanto, regular, capaz de refletir a luz nela incidente (Figura 1). Figura 1: Reflexão regular

Leia mais

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br Estalo Thermal Design Conteúdo Apresentação...4 1.1 O QUE É O ESTALO THERMAL DESIGN?...4 1.2 ONDE ELE SE APLICA?...4 1.3 COMO SE REALIZA A ENTRADA DE DADOS?...4 Ajuda para utilização do programa...5 2.1

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respostas dos itens de cada questão, fornecendo as unidades, caso existam. Apresente de forma clara e ordenada os passos utilizados na resolução das questões. Expressões

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Lista 4. 2 de junho de 2014

Lista 4. 2 de junho de 2014 Lista 4 2 de junho de 24 Seção 5.. (a) Estime a área do gráfico de f(x) = cos x de x = até x = π/2 usando quatro retângulos aproximantes e extremidades direitas. Esboce os gráficos e os retângulos. Sua

Leia mais

(a) 9. (b) 8. (c) 7. (d) 6. (e) 5.

(a) 9. (b) 8. (c) 7. (d) 6. (e) 5. 41. Num supermercado, são vendidas duas marcas de sabão em pó, Limpinho, a mais barata, e Cheiroso, 30% mais cara do que a primeira. Dona Nina tem em sua carteira uma quantia que é suficiente para comprar

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777

Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777 Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777 Aluno: Clésio Henrique da Silva RA:059815 Orientador Prof. Dr. Laércio Luis Vendite Campinas, 18 novembro de 2009 Sumário Introdução...

Leia mais

SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL

SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL SIFEM - CURSO BÁSICO DE EXCEL Leonardo Ramos de Oliveira Analista de Sistemas Nesta lição vamos apresentar os conceitos de colunas, linhas,células e célula ativa em uma planilha do Excel. LINHA, COLUNA

Leia mais

LISTÃO UNIDADE IV. Mensagem:

LISTÃO UNIDADE IV. Mensagem: LISTÃO UNIDADE IV Mensagem: A Matemática é uma ciência poderosa e bela; problemiza ao mesmo tempo a harmonia divina do universo e a grandeza do espírito humano. (F. Gomes Teieira) 01. Efetue as operações:

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de evitar a ocorrência de arbitragem. Explique de que

Leia mais

SEMELHANÇA DE FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS

SEMELHANÇA DE FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS Página 1 SEMELHANÇA DE FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS Um conceito muito utilizado em Geometria é a ideia de figuras semelhantes. Ele vem sendo utilizado desde a Antiguidade. Uma ampliação, uma redução e até

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 CURSO: Administração DISCIPLINA: Microeconomia CARGA HORÁRIA: 80 ANO: 1º. Ano PROFESSOR: Orlando Assunção Fernandes 1. EMENTA: A Ciência Econômica e o Papel da Microeconomia.

Leia mais

UNESP Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Farmacêuticas

UNESP Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Farmacêuticas CURSO DE EXCEL - 1 - ÍNDICE PLANILHAS, COLUNAS, LINHAS E CÉLULAS....3 PLANILHAS...3 COLUNAS...3 LINHAS...4 PREENCHIMENTO AUTOMÁTICO...5 REFERÊNCIAS RELATIVAS...6 REFERÊNCIAS ABSOLUTAS...7 FORMATAÇÃO DE

Leia mais

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 17, Informação Assimétrica::EXERCÍCIOS 1. Muitos consumidores consideram uma marca conhecida como um sinal de qualidade e, por isso, estarão dispostos a pagar um preço mais

Leia mais

Geometria Dinâmica com o Cinderella. - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70.

Geometria Dinâmica com o Cinderella. - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70. Actividade 1 Polígonos Construa um triângulo 1 : - definido por três pontos; - isósceles, não equilátero; - rectângulo; - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70. Construa um

Leia mais

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Excedente do consumidor e equação de Slutsky Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Estrutura da aula 1 Consumo contingente 2 Utilidade esperada

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

INFORMÁTICA SEMANA 10

INFORMÁTICA SEMANA 10 AULA 10 PLANILHA ELETRÔNICA APLICATIVO - EXCEL QUESTÃO 1 FCC - Oficial de Chancelaria FEV/2009 Atenção: Para responder à questão considere as informações abaixo. O Diretor de um certo órgão público incumbiu

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Objetivas 2012. Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/2 B) 2/3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 *

Objetivas 2012. Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/2 B) 2/3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 * Objetivas 01 1 Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/ B) /3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 * Considere três números, a, b e c. A média aritmética entre a e b é 17 e a média aritmética entre a, b

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem

Leia mais

Prática 1 - Microsoft Excel

Prática 1 - Microsoft Excel Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 1 - Microsoft Excel Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B A diferença entre o que há na primeira balança e o que há a balança do meio é exatamente o que há na última balança; logo, na última balança deve aparecer a marcação 64 41 = 23

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números MATEMÁTICA 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números reais, dada por f(x) = 3 cos x sen x, que tem parte de seu gráfico esboçado a seguir. Analise a veracidade das afirmações

Leia mais

Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/

Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ CAPíTULO 7 - PROCESSAMENTO DE DADOS - DIAGRAMAS T-S 1. Representação gráfica dos dados - Variações espaciais Oceanografia sinótica não baseia seus estudos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS As quantidades totais de alimento e vestuário, dois bens normais, são fixas e positivas, e pertencem às famílias A e B, com curvas de indiferença bem comportadas. Partindo de

Leia mais

II. Estudantes universitários regularmente matriculados em curso de Ciências Econômicas em Instituições de Ensino Superior do Estado, reconhecidas

II. Estudantes universitários regularmente matriculados em curso de Ciências Econômicas em Instituições de Ensino Superior do Estado, reconhecidas II. Estudantes universitários regularmente matriculados em curso de Ciências Econômicas em Instituições de Ensino Superior do Estado, reconhecidas pelo Ministério de Educação - MEC ou recém formados no

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 8 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

MATERIAL EXTRA DE EXCEL - FÓRMULAS Prof William Zacariotto

MATERIAL EXTRA DE EXCEL - FÓRMULAS Prof William Zacariotto 1. SINAIS DE OPERAÇÕES 2. SINAIS PARA CONDIÇÃO SINAL FUNÇÃO SINAL FUNÇÃO + SOMAR > MAIOR QUE - SUBTRAÇÃO < MENOR QUE * MULTIPLICAÇÃO DIFERENTE QUE / DIVISÃO >= MAIOR E IGUAL A % PORCENTAGEM

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB I Semana de Educação Matemática: Discutindo o trabalho docente aliado às novas tendências educacionais 25 a 29 de maio de 2009 Minicurso: GEOGEBRA UM FORTE

Leia mais

Equipe de Matemática MATEMÁTICA

Equipe de Matemática MATEMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Matemática Data: MATEMÁTICA Função Afim Um vendedor recebe, mensalmente, um salário que é composto por uma parte fixa de R$ 3.000,00 e uma

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas, 2015 DECON/UFPEL Rodrigo Nobre Fernandez Microeconomia 1 / 30 Minimização de Custos 1 Suponha que a firma escolhe um certo nível

Leia mais