Economia de Trocas Pura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia de Trocas Pura"

Transcrição

1 Economia de Trocas Pura

2 Caracterização Estamos de volta às questões colocadas por Adam Smith na Riqueza das Nações. Seria um sistema de trocas, baseado em indivíduos auto interessados, com propriedade privada sobre seus ativos, atuando mediante a compra e venda mercadorias, coerente? Que características deve ter esse sistema para que ele funcione? Essas perguntas foram respondidas de diversas maneiras pela teoria neoclássica. No entanto, é importante pontuar os parâmetros que foram escolhidos para julgamento desse sistema. Existe, inicialmente, uma análise positiva que se baseia em três propriedades que deve ter um sistema de trocas, a partir da análise do equilíbrio. Inicialmente, o equilíbrio deve existir, que ficou conhecido como o problema da existência. Existe uma situação em que as ofertas se igualam à demanda e os agentes estejam maximizando sua função objetivo? Afirmar a existência significa encontrar tal situação. Depois, o sistema deve convergir para o equilíbrio, que ficou conhecido como o problema da estabilidade. O problema da estabilidade procura entender se, uma vez fora do equilíbrio, o sistema convergirá a uma posição de equilíbrio ou, se, ao contrário, se afastará dela. Finalmente, interessa saber se o equilíbrio é único ou se devemos conviver com uma multiplicidade de equilíbrios.

3 Caixa de Edgeworth Uma maneira simplificada de se analisar o problema é pela Caixa de Edgeworth. A caixa adota a hipótese de existência de apenas dois bens e dois consumidores e, a partir dessa extrema simplificação, procura simular o funcionamento de uma economia de mercado. Deve-se estabelecer, desde o princípio, de que a caracterização de uma economia de mercado utilizada na análise do equilíbrio parcial se mantêm válidas, a saber: (i) A existência de propriedade de todos os bens. Essa característica é importante porque associa a economia de mercado à propriedade privada e também garante a ausência de externalidades. (ii) Todos os agentes são tomadores de preço. A única exceção em relação àquela análise é que, na economia de troca pura, representada pela caixa de Edgeworth, não existe produção e, portanto, o sistema de propriedade não atua sobre sistemas de produção. A quantidade de bens ofertados na economia é exógena e representada por intermédio das dotações iniciais de cada agente. É interessante ainda pontuar que se trata de uma abstração e, portanto, não deve incomodar o fato de que um mercado concorrencial é obtido a partir de um sistema com apenas dois consumidores. Tendo em vista essas características, as dotações iniciais do consumidor 1 e do consumidor 2 serão representadas respectivamente por Ω =, e Ω =,. A partir das dotações iniciais, são definidas as quantidades iniciais do bem 1, = + e = +.

4 Consumidor 2 Consumidor 1 Figura 1 Caixa de Edgeworth

5 Na análise de equilíbrio parcial com produção, definiu-se alocação como a especificação de um vetor de consumo x i є X i para todo consumidor i=1,...i e um vetor de produção y j є Y j para cada empresa j=1,...j. A alocação será factível se a soma das demandas individuais for menor ou igual a soma das dotações iniciais com a produção para cada bem l=1,...l. Na análise da Caixa de Edgeworth, alocação econômica será definida por um par de vetores =, e =,. A alocação será factível sempre que =, para todo j, ou seja, sempre que o somatório das demandas individuais for igual ao somatório das dotações iniciais. Por outro lado, a caixa de Edgeworthauxilia na demonstração das preferências, na medida em que permite traçar o mapa de curvas de indiferença para cada um dos agentes. Por ora, adotaremos a hipótese de que os consumidores detêm preferências completas, transitivas, contínuas e fortemente monótonas. Essas preferências poderão ser expressas por funções utilidades. A caixa também permite estabelecer a restrição orçamentária que será um resultado endógeno do equilíbrio de preços, ou seja, = R :..Ω.

6 Preferências dos Consumidores e Região de Trocas Se as preferências do consumidor são completas, haverá uma curva de indiferença passando por cada cesta dentro da caixa de Edgeworth. Isto significa que, pela dotação inicial, que é, por definição, uma alocação factível, passará uma curva de indiferença do consumidor 1 e outra curva de indiferença do consumidor 2. Cada curva de indiferença individual define, para cada consumidor, o conjunto de cestas pelo menos tão boas quanto a dotação inicial, i. ϖ 21 A figura 2 mostra a dotação inicial do agente 2 e o conjunto de cestas x ω, em cinza. A figura abaixo mostra a região de trocas, formada pela interseção Ω 2 dos dois conjuntos de cestas pelo menos tão boas e ϖ 22 representada graficamente pela região riscada.. ϖ 21 2 ϖ 12 Ω ϖ 22 Figura 2 Conjunto de cestas pelo menos tão boas quanto a dotação inicial do agente 2, Ω 2. 1 Figura 3 Região de Trocas. ϖ 11

7 A região de trocas representa as possibilidades de trocas que há a partir da dotação inicial, o que se deixa claro é que nenhum agente se mover na troca para uma alocação inferior. O processo de maximização da utilidade ocorre com o consumidor escolhendo a melhor cesta possível dada a restrição orçamentária que lhe é apresentada. A figura abaixo apresenta uma restrição orçamentária definida a partir da dotação inicial Ωe os preços p 1 e p 2. A esses preços o consumidor 1 escolhe a cesta Y e o consumidor 2, a cesta X, definindo-se uma alocação Y,X. O problema é que a soma do consumo do bem 2 pelo consumidor 1 e pelo consumidor 2 é maior do que a dotação inicial, não se constituindo em uma alocação factível. A esses preços, portanto, a soma das demandas individuais não é factível. z ( y + x ) ( ω + ) 0 = ω > Equilíbrio na Caixa de Edgeworth ϖ 12 y 12 ϖ 21 Ω Y X x 21 ϖ 22 x 22 Sendo z 2 o excesso de demanda pelo bem 2. Conforme definido acima, as alocações factíveis na caixa de Edgeworthexigem que não haja excesso de demanda, ou seja, que os excessos de demanda se igualem a 0 para todos os bens. ϖ 11 y 11 Figura 4 Escolha e Excesso de demanda

8 Portanto, aos preços definidos na figura anterior, as escolhas individuais, ou seja, os processos de maximização da utilidade não levam a alocações factíveis, significando a geração de excedentes de demanda por pelo menos um dos bens. Logo, o vetor de preços p=(p 1, p 2 ) não se constitui uma alocação de equilíbrio por não ser factível. A figura abaixo apresenta a escolha do consumidor 1 com dotação inicial representada por (ω 11, ω 12 ) a diferentes preços relativos. As curvas vermelhas representam as curvas de indiferançado consumidor 1 e a curva azul representa a curva de Offerou curva preço-consumo, cruzando cada restrição orçamentária no ponto de maximização, ou seja, quando ela tangencia a curva de indiferença. ϖ 12 Curva de Offer 2 Curva de Offer 1 O consumidor 2 também apresenta curvas de indiferença (roxas) e uma curva de Offer (verde). Quando as duas curvas se cruzam, significa que àqueles preços, as escolhas geram alocações factíveis. Um equilíbrio competitivo na caixa de Edgeworthé formado por uma alocação factível em que ambos os consumidores estejam maximizando suas utilidades, ou seja, que represente a melhor escolha aos preços dados. Figura 5 Traçando Curvas de Offer. ϖ 11

9 A figura 6 mostra as curvas de Offerapresentadas na figura 5 e seus respectivos cruzamentos. É importante identificar que as seguintes condições são preenchidas no ponto X: (i) Uma alocação factível (ii) Ambos agentes estão maximizando os lucros CO 1 X CO 2 Ω Figura 6 Curvas de Offere Preços de Equilíbrio

10 Pode-se, alternativamente, tratar o assunto a partir de nossa definição de equilíbrio competitivo de mercado, analisada na aula de equilíbrio parcial. No caso, definiu-se equilíbrio de mercado como a situação em que: (i) todas as firmas estão maximizando seus lucros sujeitas às restrições tecnológicas; (ii) todos os consumidores estão maximizando suas utilidades sujeitas à restrição orçamentária; e (iii) há equilíbrio (igualdade) entre oferta e demanda. Em uma economia de trocas puras, a primeira condição é desnecessária. Portanto, restam as condições (ii) e (iii). Deve-se salientar, no entanto, que a condição (iii), em equilíbrio parcial, referia-se a apenas um mercado. No caso da caixa de Edgeworth, existem dois mercados e estão associadas à inexistência de excesso de demanda. A lei de Walrasafirma que a soma dos valores das demandas excedentes deve ser igual a zero: + =0 (1) Mantendo-se a hipótese de que os consumidores gastam sua renda, sabe-se que para cada consumidor: ( )+ ( )=0 (2) Somando-se a equação 2 para os dois agentes existentes na economia, ficamos com: + =0 E, portanto, se o primeiro termo é igual a 0, o segundo também deverá ser, estabelecendo-se a lei de Walras. Portanto, uma consequência da lei de Walrasé que o sistema de equações de equilíbrio de mercado, ou seja, de excessos de demanda deve ter (n-1) graus de liberdade. Isto significa, na caixa de Edgeworth, que, equilibrando-se um mercado, o outro estará automaticamente equilibrado. Pode-se, portanto, caracterizar um mercado como tendo um preço arbitrário, por exemplo, p=1, e estabelecer o outro preço como o de equilíbrio, fazendo com que o sistema seja de preços relativos.

11 Exercício proposto. Suponha dois agentes, A e B. O agente a tem uma função utilidade, =. O agente B tem uma função utilidade, = min,. O bem 1 e o bem 2 são perfeitamente divisíveis e as dotações iniciais dos dois agentes são:, = 2,1, = 1,2.Os dois desejam trocar em seus bens e um mercado perfeitamente competitivo: (i) Monte a caixa de Edgeworth, estabelecendo as dotações iniciais de cada agente. (ii) Estabeleça o vetor de preços e as quantidades de equilíbrio. Ao resolver o exercício, lembre as duas condições para o equilíbrio de trocas puras, consumidores maximizam sua utilidade e os excedentes de demanda são iguais a 0. Lembre também que o sistema de (n-1) grau de liberdade e que, portanto, você pode arbitrar um preço como sendo igual a 1.

12 A Curva de Contratos e os Teoremas da Eficiência Na aula de equilíbrio parcial, definiu-se que a alocação (x 1,..., x I,q 1,..., q J ) será eficiente de Pareto se não há alocação alternativo (x 1,..., x I,q 1,..., q J ) tal que u i (x i ) u i (x i ) para todo i=1,...i e u i (x i )> u i (x i ) para pelo menos um i. Em uma economia de trocas puras, não há produção, então, podemoes definir: A alocação (x 1,..., x I ) será eficiente de Pareto se não há alocação alternativo (x 1,..., x I ) tal que u i (x i ) u i (x i ) para todo i=1,...i e u i (x i )> u i (x i ) para pelo menos um i. Uma alocação eficiente de Pareto ocorrerá quando as curvas de indiferença se tangenciarem, como ocorre na figura 7. O locusdas alocações eficientes de Pareto será definido com Curva de Contratos ou Pareteana. (Conforme deve ser fácil raciocinar, ela não deve permitir situações de troca, ou seja, não ter região de trocas, como na figura 3). Figura 7 Curva de Contratos

13 Eficiência do Equilíbrio Eficiência de Pareto: Uma alocação factível, x, será ótima de Pareto se não há outra alocação, x, que a domine pareteanamente, ou seja, se não há alocação factível tal que para todo i e para pelo menos um i. Primeiro Teorema do Bem-Estar: Se as preferências são localmente não-saciáveis e se (x*,p*) é o preço de equilíbrio, então, a alocação x* é Pareto ótima. Em particular, qualquer equilíbrio walrasiano é ótimo de Pareto. Prova: Se o agente max, então, se *,. >, sendo a riqueza do agente i. Com a propriedade de preferências localmente não saciáveis, se, então,.. Pela definição de eficiência pareteana, se x domina pareteanamentex, obrigatoriamente para todo i e * para algum i. Logo,. >, o que torna a alocação x não factível.

14 Equilíbrio de preços com transferências: Dada uma economia especificada, a alocação x* e o vetor de preços p constituem um equilíbrio de preços com transferências se há uma designação de riqueza,, com =. em que =, em que todos os consumidores estão maximizando suas utilidades e não há excesso de demanda., Nesse caso, o equilíbrio com transferências não faz exigência específica sobre o caráter distributivo da dotação inicial de cada agente, apenas exige que as somas das riquezas se igualem à riqueza total. Logo, ele permite que a distribuição inicial de ativos seja alterada por intermédio de uma regra de transferência em que seja respeitado que as quantias transferidas sejam iguais a zero. Segundo Teorema do Bem-Estar: toda alocação eficiente de Pareto poderá ser alcançada como um equilíbrio de preços com transferências. No caso da caixa de Edgeworthse está afirmando que qualquer ponto da curva de contratos poderá ser alcançada como uma posição de equilíbrio. A prova desse teorema é um tanto complicada, de maneira que faremos uma apresentação gráfica.

15 X X A figura 8 apresenta dotações iniciais.no entanto, entende-se que a alocação. Esta alocação leva a uma alocação de equilíbrio X que, por alguma razão, é entendida como insatisfatória. Entende-se que uma alocação próxima a X seria mais adequada para essa economia. Para atingi-la, faz-se uma transferência de dotações que leva a economia a uma alocação. O segundo teorema afirma que, embora não seja eficiente de Pareto, ao se deixar trocar, o equilíbrio encontrado será uma alocação eficiente de Pareto. Figura 8 Equilíbrio de preços com transferências e preferências bem-comportadas Como se pode perceber, na figura 8, pela alocação, deve passar uma linha orçamentária que divide o espaço de cestas preferíveis para o agente 1 e o agente 2 em dois, de maneira que, de um lado, fiquem as cestas preferíveis a, para o agente 1, e, de outro, as cestas preferíveis a, para o agente 2. Para que isso ocorra, no entanto, uma condição deve ser preenchida: as curvas de indiferença devem ser convexas. A figura 9 apresenta um exemplo de curvas de indiferença não-convexas, em que a alocação X, embora seja ótima de Pareto, não se constituirá em um equilíbrio de trocas. A importância desse teorema é que você pode fazer transferências iniciais de dotações orçamentárias e deixar o mercado funcionar que, no final, será encontrada uma alocação ótima de Pareto.

16 Figura 9 Preferências não-convexas

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. O formato das curvas de indiferença pode significar diferentes graus de desejo de substituir uma mercadoria por outra.

Leia mais

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. PRODUÇÃO Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Introdução Trocas: modelo de equilíbrio geral de uma economia

Leia mais

O Problema de Robinson Crusoe

O Problema de Robinson Crusoe O Problema de Robinson Crusoe Duas opções de consumo: trabalhar catando coco ou consumir coco. Trabalho é um mal e coco é um bem, portanto as curvas de indiferença serão negativamente inclinadas Não existe

Leia mais

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é:

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é: Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura Monitor: Je erson Bertolai. Lei de Walras: Para qualquer vetor de preços p, temos que pz(p) 0, onde z(p) é o vetor de excesso de demanda.

Leia mais

Bem-estar. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

Bem-estar. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Bem-estar Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Análise de Bem-estar A eficiência de Pareto é um objetivo

Leia mais

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória Teoria Microeconômica I Prof. Marcelo Matos Aula Introdutória Ementa do Curso Teoria do consumidor: escolha do consumidor; preferência revelada; efeitos-renda e efeito-substituição: equação de Slutsky

Leia mais

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ PARTE IV Análise Mercado Competitivo Marta Lemme - IE/UFRJ EQUILÍBRIO DE MERCADO E EFICIÊNCIA DE PARETO Se pudermos encontrar uma forma de melhorar a situação de uma pessoa sem piorar a de nenhuma outra,

Leia mais

ECO Teoria Microeconômica I N. Professor Juliano Assunção. Preferências

ECO Teoria Microeconômica I N. Professor Juliano Assunção. Preferências ECO1113 - Teoria Microeconômica I N Professor Juliano Assunção Preferências Teoria do Consumidor Decisões Modelo Objetivo métrica comportamento preferências / utilidade racionalidade Escolhas factíveis

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

4 Economia do Setor Público

4 Economia do Setor Público 4 Economia do Setor Público Externalidades 10 Copyright 2004 South-Western Maximização de Benefício Agregado Relembrando: a mão invisível de Adam Smith faz com que compradores e vendedores interessados

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia REC 2112 Economia do Setor Público - Finanças Públicas Profa. Natalia Batista Exercícios Sugeridos (matéria que deverá ser abordada até a 1ª. prova) Observação: A seleção abaixo não restringe o conteúdo

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 20 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 21 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Parte 1 1. Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Há 3 etapas no estudo do comportamento do consumidor.

Leia mais

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1. Constitui um bem de capital: ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a) os bens e serviços que se destinam ao atendimento direto das necessidades humanas. b) os bens que aumentam a eficiência do trabalho humano.

Leia mais

Externalidades. CSA 160 Microeconomia IV

Externalidades. CSA 160 Microeconomia IV Externalidades CSA 160 Microeconomia IV Falhas de Mercado e Externalidades Resultado importante da Teoria Microeconômica: eficiência dos mercados competitivos. A utilização do mecanismo de mercado assegura

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO MICROECONOMIA É a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias e das empresas e os mercados nos quais operam.

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA Comprando e Vendendo 1. Avalie se as afirmativas são verdadeiras ou falsas

Leia mais

LES 101 Introdução à Economia

LES 101 Introdução à Economia Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LES 101 - Introdução à Economia LES 101 Introdução à Economia Prof. João Martines Filho 30 / maio / 2017 Copyright 2010 Pearson

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

Este Fundamentos de Microeconomia é um texto cuidadosamente elaborado por professores com muitos anos de experiência no ensino de graduação

Este Fundamentos de Microeconomia é um texto cuidadosamente elaborado por professores com muitos anos de experiência no ensino de graduação PREFÁCIO A Economia é definida, em muitos livros, como a ciência social que estuda como os indivíduos e a sociedade decidem utilizar recursos escassos para produzir bens e serviços, e como distribuir esta

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO 1 OBJETIVOS DA AULA 1 Noções Básicas de Economia e sistemas econômicos Os Problemas Fundamentais da Economia

Leia mais

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Prof. Antonio arlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Da mesma forma que os agentes econômicos escolhem uma cesta de consumo maximizadora da utilidade, sujeita a uma restrição

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 4: Programação Linear Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013

Leia mais

BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE

BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE BIZU DO PONTO ICMS-SP - MICROECONOMIA PROF. CÉSAR FRADE Olá pessoal. Estamos aqui para dar aquelas dicas importantes de véspera de prova. Para criar aquele pequeno lembrete que vai ser útil nas últimas

Leia mais

TEORIA DA PRODUÇÃO. Rafael V. X. Ferreira Abril de 2017

TEORIA DA PRODUÇÃO. Rafael V. X. Ferreira Abril de 2017 MICROECONOMIA I TEORIA DA PRODUÇÃO Rafael V. X. Ferreira rafaelferreira@usp.br Abril de 2017 Universidade de São Paulo (USP) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Departamento de Economia

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 14 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Parte III Mercados. Concorrência Perfeita. Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP

Parte III Mercados. Concorrência Perfeita. Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP Parte III Mercados Concorrência Perfeita Roberto Guena de Oliveira 28 de abril de 2017 USP Sumário 1 Hipóteses 2 A demanda de mercado 3 Equilíbrio de curto prazo Oferta de curto prazo 4 Oferta da indústria

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio XXI

SUMÁRIO. Prefácio XXI SUMÁRIO Prefácio XXI CAPÍTULO 1 O Mercado 1 A Elaboração de um Modelo 1 Otimização e Equilíbrio 3 A Curva de Demanda 3 A Curva de Oferta 5 O Equilíbrio de Mercado 7 A Estática Comparativa 9 Outras Formas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia aculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto REC 110 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS OERTA DA IRMA E DE MERCADO ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA (1) A função de produção de uma firma que

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Restrição orçamentária

Restrição orçamentária Restrição orçamentária Objetivo da aula Economistas assumem que os consumidores devem escolher as melhores cestas que podem pagar. Uma primeira preocupação consiste, então, em definir o que podem pagar,

Leia mais

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais.

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Segunda Prova Extra (P2 de segunda chamada) 18/12/2006 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. A nota da

Leia mais

EXTERNALIDADES. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. (notas de aula)

EXTERNALIDADES. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. (notas de aula) Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. EXTERNALIDADES Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero (notas de aula) Externalidades Externalidade no consumo

Leia mais

ESCOLHA INDIVIDUAL. Rafael V. X. Ferreira Março de 2017

ESCOLHA INDIVIDUAL. Rafael V. X. Ferreira Março de 2017 MICROECONOMIA I ESCOLHA INDIVIDUAL Rafael V. X. Ferreira rafaelferreira@usp.br Março de 2017 Universidade de São Paulo (USP) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Departamento de Economia

Leia mais

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Teoria da produção Firma ou empresa para economia é uma unidade

Leia mais

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

Consumidores, Produtores e a Eficiência dos Mercados

Consumidores, Produtores e a Eficiência dos Mercados Consumidores, Produtores e a Eficiência dos Mercados Introdução à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 7 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part

Leia mais

preço das matérias primas e dos fatores de

preço das matérias primas e dos fatores de Oferta Individual versus Oferta de Mercado A oferta de determinado bem depende de vários fatores: preço do próprio bem preço das matérias primas e dos fatores de produção tecnologia utilizada Oferta Individual

Leia mais

Malthus to Solow. 1. Introdução. Tópicos Especiais em Economia Aplicada - Crescimento Econômico 5/9/2005

Malthus to Solow. 1. Introdução. Tópicos Especiais em Economia Aplicada - Crescimento Econômico 5/9/2005 Malthus to Solow Gary D. Hansen (UCLA) Edward C. Prescott (Federal Reserve Bank of Minn.) NBER Working Paper 6858 Apresentação: Edilean Kleber da Silva Curso de Crescimento Econômico Professor: Sabino

Leia mais

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori Introdução à Microeconomia As forças de mercado: oferta e demanda Danilo Igliori (digliori@usp.br) As Forças de Mercado de Oferta e Demanda Oferta e demanda estão entre as palavras que os economistas utilizam

Leia mais

Apresentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico de reações múltiplas e de soluções

Apresentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico de reações múltiplas e de soluções EQUILÍBRIO QUÍMICO E DE SOLUÇÕES Meta Apresentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico de reações múltiplas e de soluções Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender os

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

Microeconomia I Exame Final, 2006/07

Microeconomia I Exame Final, 2006/07 Licenciaturas em Economia e Administração e Gestão de Empresas Microeconomia I Exame Final, 006/07 6 de Janeiro de 007 Duração: h + 30 min Fernando Branco, Fernando Machado, Ana F. Antunes, João Granja,

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

Exemplo: Monopólio de segundo grau

Exemplo: Monopólio de segundo grau Notas de Aula - Teoria dos Jogos - FCE/UERJ 2016.2 (Versão preliminar - favor não circular) Professor Pedro Hemsley Horário: xxxx Sala: xxxx Ementa e informações relevantes: página do curso 1 Seleção Adversa

Leia mais

A Teoria do Consumidor

A Teoria do Consumidor A Teoria do Como a demanda fundamenta-se no comportamento dos consumidores? Aplicações importantes da teoria que será vista: -servir de guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado -fornecer

Leia mais

Teorema de Green Curvas Simples Fechadas e Integral de

Teorema de Green Curvas Simples Fechadas e Integral de Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Teorema de Green Agora chegamos a mais um teorema da família do Teorema Fundamental do Cálculo, mas dessa vez envolvendo integral

Leia mais

MICROECONOMIA II. Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian

MICROECONOMIA II. Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian MICROECONOMIA II Competição Perfeita CAP. 9 Nicholson CAP. 8 e 9 Pindyck CAP. 22, 23 Varian 1. Competição Perfeita Como os preços são determinados em um mercado competitivo? Restrições tecnológicas: Representadas

Leia mais

Concorrência Perfeita

Concorrência Perfeita UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Disciplina: Teoria Microeconômica II Professor: Sabino da Silva Porto Junior Lista 1-2007/01 Concorrência Perfeita (ANPEC 97)

Leia mais

Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis. 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções:

Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis. 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções: Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções: f) 2) Esboce conjuntos de nível de cada uma das seguintes

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 1: Jogos Coalizionais sem Pagamentos Laterais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 1: Jogos Coalizionais sem Pagamentos Laterais Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I Cap. 1: Jogos Coalizionais se Pagaentos Laterais Roteiro Capítulo 1: Jogos Coalizionais se Pagaentos Laterais 1. A Fora Coalizional e o Conceito de

Leia mais

A energia potencial em um ponto de coordenada, associada à força, quando o nível zero é tomado no ponto de coordenada em que, é:

A energia potencial em um ponto de coordenada, associada à força, quando o nível zero é tomado no ponto de coordenada em que, é: AULA 41 ENERGIA NO MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES OBJETIVOS: - Estudar a conservação da energia no movimento harmônico simples 41.1 Introdução: A força restauradora que atua sobre uma partícula que possui

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Cesta de bens A cesta de bens, do ponto de vista econômico, é o conjunto de bens que está disponível para o consumidor. Outros conceitos surgem a partir daí, como cesta básica: conjunto de bens que satisfazem

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x.

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x. Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções 1) Dada as funções de demanda p(x) = 40 x e de oferta p(x) = x 5, pede-se: a) O ponto

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 15 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Caderno de Prova. Universidade Federal da Fronteira Sul Processo Seletivo Edital n o 001/2011.

Caderno de Prova. Universidade Federal da Fronteira Sul Processo Seletivo Edital n o 001/2011. Universidade Federal da Fronteira Sul Processo Seletivo Edital n o 001/2011 http://uffs.sel.fepese.org.br Caderno de Prova agosto 7 7 de agosto das 14 às 17 h 3 h de duração* 40 questões S05 Economia Confira

Leia mais

RACIONALIDADE ECONÔMICA DO GOVERNO Questão 37: Acerca da intervenção do Estado na economia, assinale a opção correta. a) A existência de bens

RACIONALIDADE ECONÔMICA DO GOVERNO Questão 37: Acerca da intervenção do Estado na economia, assinale a opção correta. a) A existência de bens RACIONALIDADE ECONÔMICA DO GOVERNO Questão 37: Acerca da intervenção do Estado na economia, assinale a opção correta. a) A existência de bens públicos, tais como as escolas públicas e privadas, justifica

Leia mais

P A R T E I. Introdução

P A R T E I. Introdução P A R T E I Introdução C A P Í T U L O 1 Introdução 1.1 A MATEMÁTICA NA TEORIA ECONÔMICA Durante os últimos 30 anos, a Matemática emergiu como a linguagem da Economia. Hoje em dia, os economistas vêem

Leia mais

Preferências. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. January Notify Me of New Work. Start Your Own SelectedWorks.

Preferências. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. January Notify Me of New Work. Start Your Own SelectedWorks. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva January 200 Preferências Contact Author Start Your Own SelectedWorks Notify Me of New Work Available at: http://worksbepresscom/sergiodasilva/30 Preferências Hal

Leia mais

Demanda Individual e Demanda de Mercado

Demanda Individual e Demanda de Mercado Demanda Individual e Demanda de Mercado RAD1606 - Introdução à Microeconomia Transparências: Pindyck e Rubinfeld, Microeconomia. Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Efeitos de variações no preço

Leia mais

A Questão do Agente Representativo

A Questão do Agente Representativo IPE-USP: Microeconomia e Complexidade Prof. Jorge Soromenho A Questão do Agente Representativo Tomas N. Rotta Julho/2006 Conteúdo: 1. Introdução 2. Construindo o Problema do Agente Representativo 3. Propriedades

Leia mais

Transformador monofásico com fator de potência constante na carga. Modelo em Simulink

Transformador monofásico com fator de potência constante na carga. Modelo em Simulink Transformador monofásico com fator de potência constante na carga. Modelo em Simulink Introdução A tensão no secundário do transformador depende do valor de corrente e do fator de potência (fdp) da carga,

Leia mais

Capítulo 3. Equilíbrio Geral e Bem-estar

Capítulo 3. Equilíbrio Geral e Bem-estar Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Economia Disciplina: Teoria Microeconômica II utores: Luciano Marchese Silva e Camila Steffens Capítulo 3 Equilíbrio

Leia mais

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da 3. Teoria da Firma Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da firma. De maneira muito simplificada,

Leia mais

Módulo 8 Teoria da Produção

Módulo 8 Teoria da Produção Módulo 8 Teoria da Produção Numa economia de mercado, consumidores e empresas representam respectivamente as unidades do setor de consumo e de produção, que se interrelacionam através do sistema de preços

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: - como determinar

Leia mais

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende.

MICROECONOMIA 1. Departamento de Economia, Universidade de Brasília Notas de Aula 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende. MICROECONOMIA 1 Departamento de Economia, Universidade de Brasília 10 Graduação Prof. José Guilherme de Lara Resende 1 Preferência Revelada As preferências das pessoas não são observáveis. O que podemos

Leia mais

Sinalização: O Modelo de Spence

Sinalização: O Modelo de Spence Sinalização: O Modelo de Spence Em virtude do problema de seleção adversa, os indivíduos mais produtivos da economia ficam desempregados. É natural que busquem uma forma de comunicar ao mercado (ou sinalizar)

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. Curso: Economia Ano: 2006/1. Disciplina: Teoria Microeconômica I Código: 612

PROGRAMA DE ENSINO. Curso: Economia Ano: 2006/1. Disciplina: Teoria Microeconômica I Código: 612 PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2006/1 Disciplina: Teoria Microeconômica I Código: 612 Créditos: 4 Carga Horária: 60 H/A Professores: Bruno José Daniel Filho Claudia Helena Cavalieri Gilson de

Leia mais

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan 1. (a) Verdadeiro, por definição. (b) Falso. Para que o segundo teorema valha, o conjunto de produção também

Leia mais

Aula 6 14/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 6 14/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 Aula 6 14/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 MAPA DE INDIFERENÇA - Um mapa de indiferença é um conjunto de curvas de indiferença que descrevem as preferências

Leia mais

Mercados de Emparelhamento

Mercados de Emparelhamento Mercados de Emparelhamento Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Mercados de Emparelhamento Mercados - interação econômica entre pessoas numa rede estruturada Mercados de Emparelhamento modelam:

Leia mais

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Ecop 26 - Teoria Microeconômica II Prof. Sabino Porto Junior Teoria dos jogos 1 - Apresente os conceitos de: a) Equilíbrio em

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: -

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 21 de março de 2011 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de 2011 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

3 Mercados e Bem-Estar Econômico

3 Mercados e Bem-Estar Econômico 3 Mercados e Bem-Estar Econômico Eficiência e 7 Bem-Estar Revendo o Equilíbrio de Mercado O equilíbrio de mercado maximiza o bem-estar total de compradores e vendedores? O equilíbrio reflete a alocação

Leia mais

- Podem ser introduzidas restrições ao acesso a crédito, de forma que um agente é proibido de transacionar um determinado ativo (ver Braido (2003));

- Podem ser introduzidas restrições ao acesso a crédito, de forma que um agente é proibido de transacionar um determinado ativo (ver Braido (2003)); 1 Introdução As economias reais provêem formas de proteger os fornecedores de crédito contra os estados da natureza nos quais sofrem default, e existem, na teoria econômica, diversas metodologias para

Leia mais

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 ula 7 16/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. INDYCK (2007) Capítulo 3 Escolha do Consumidor Supondo que o consumidor maximiza a sua utilidade, temos que a cesta maximizadora deve estar

Leia mais

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto

Leia mais

TOC- Mestrado em Finanças e Economia Empresarial- aula 4 Humberto Moreira

TOC- Mestrado em Finanças e Economia Empresarial- aula 4 Humberto Moreira TOC- Mestrado em Finanças e Economia Empresarial- aula 4 Humberto Moreira 1 Racionalidade Limitada e Informação Privada Referência:MR,cap.5 Estudaremos agora o problema de motivação(ou incentivos) dentro

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco 1Q-2016 1 1995 2015 2 Custo de um algoritmo e funções de complexidade Introdução

Leia mais

Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle

Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle Análise Dinâmica de Sistemas Mecânicos e Controle Unidade 3 Espaço de Estados: álgebra e resolução das equações dinâmicas Prof. Thiago da Silva Castro thiago.castro@ifsudestemg.edu.br Para trabalhar no

Leia mais

LES 101 INTRODUÇÃO À ECONOMIA QUESTÕES ALTERNATIVAS PARA PROVA 2017

LES 101 INTRODUÇÃO À ECONOMIA QUESTÕES ALTERNATIVAS PARA PROVA 2017 LES 101 INTRODUÇÃO À ECONOMIA QUESTÕES ALTERNATIVAS PARA PROVA 2017 Questão 1- A demanda por ingressos para o show do Elton John é dado pela seguinte equação: Qd=350.000-400P. E a oferta de ingressos é

Leia mais

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Graduação em economia Exercícios para entrega 08 de junho de 2016 Exercício 1. Uma empresa produz bolas de gude e possui a seguinte função de produção: Q = 2(KL) 0.5,

Leia mais

Externalidades e bens públicos

Externalidades e bens públicos Externalidades e bens públicos Roberto Guena de Oliveira USP 21 de setembro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Ext. B. Pub. 21 de setembro de 2012 1 / 40 Parte I Externalidades Roberto Guena de Oliveira

Leia mais

[a11 a12 a1n 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 7. SISTEMAS LINEARES 7.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Programação Linear. MÉTODOS QUANTITATIVOS: ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA APLICADAS De 30 de setembro a 13 de novembro de 2011 prof. Lori Viali, Dr.

Programação Linear. MÉTODOS QUANTITATIVOS: ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA APLICADAS De 30 de setembro a 13 de novembro de 2011 prof. Lori Viali, Dr. Programação Linear São problemas complexos, muitas vezes de difícil solução e que envolvem significativas reduções de custos, melhorias de tempos de processos, ou uma melhor alocação de recursos em atividades.

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 2 Ementa do Curso Introdução (4 aulas) O que é Economia?; O Sistema Econômico (Representação Simplificada Fluxo Circular); A Evolução do Pensamento

Leia mais

LES 201 Matemática Aplicada à Economia. Aulas 15 e 16 Otimização Não Condicionada. Luiz Fernando Satolo

LES 201 Matemática Aplicada à Economia. Aulas 15 e 16 Otimização Não Condicionada. Luiz Fernando Satolo LES 201 Matemática Aplicada à Economia Aulas 15 e 16 Otimização Não Condicionada Luiz Fernando Satolo Otimização Equilíbrio: resultado da interação impessoal de forças Não requer esforço de ninguém para

Leia mais

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física Entropia

Leia mais

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR 2º SEMESTRE 2011 Excedente do Consumidor e Curva de Demanda Excedente do consumidor individual é o ganho líquido que o comprador individual

Leia mais

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que se queira resolver o seguinte PPNL: Max f(x) s. a a x b Pode ser que f (x) não exista ou que seja difícil resolver a equação

Leia mais