MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE. (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE. (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family)"

Transcrição

1 MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family) Carminda Sandra Brito SALMITO-VANDERLEY 1* ; Marcelo José da Ascensão Feitosa VIEIRA 2 ; Liliane Veras LEITE 1 ; Fátima de Cássia Evangelista de OLIVEIRA 1 ; Francisco Renan Aragão LINHARES 1 ; Cristiane Clemente de Mello SALGUEIRO 1 ; José Ferreira NUNES 1. 1-Núcleo Integrado de Biotecnologia (NIB) - Universidade Estadual do Ceará (UECE); 2- Departamento de Obras Contra as Secas (DNOCS) RESUMO Os peixes caracídeos possuem grande diversidade de espécies, considerável importância ecológica e expressivo valor comercial. A criopreservação de sêmen é uma técnica utilizada para contribuir na operacionalização dos programas de reprodução dessas espécies cultivadas ou em vias de extinção. Para garantir a sobrevivências dos espermatozóides durante a criopreservação é necessário adicionar soluções diluidoras e crioprotetoras, que reagem com o sêmen de forma peculiar dependendo da espécie animal. Portanto, o objetivo dessa revisão foi buscar identificar diluentes adotados para criopreservação de sêmen de alguns peixes caracídeos. Os diluidores mais utilizados são glicose, BTS e, mais recentemente, a água de coco em pó (ACP ) associados aos crioprotetores DMSO, glicerol ou metilglicol. Diante da grande variedade de protocolos, conclui-se que é de grande importância incentivar o estudo das particularidades do sêmen de caracídeos e dos meios de congelação, para padronizar a técnica de criopreservação de sêmen de peixes deste grupo. Palavras-chave: criopreservação, sêmen, diluentes, Characidae. ABSTRACT The Characidae fish family has a great diversity of species, an enormous ecological importance and commercial value. The sperm cryopreservation is a technique used to 27 a 29 de junho de

2 assist reproductive programs of cultivated or endangered species. To ensure the sperm survival during cryopreservation, it is necessary to add extenders and cryoprotective solutions, which react with the sperm in a peculiar way, depending on the animal specie. Thus, the objective of this review was to identify extenders used in the cryopreservation technique for Characid fishes. The sperm cryopreservation review in Characid fishes report that the most commonly used extenders are glucose, BTS and powder coconut water (PCW ) associated with glycerol, DMSO and methyl glycol. Due to the wide range of protocols, it can be concluded that is very important to encourage the study of the particularities of Characid fish semen and freezing substances to standardization of cryopreservation techniques of semen in this particular fish group. Keywords: cryopreservation, semen, extenders, Characidae. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de um bom método de congelação de sêmen de peixes é imprescindível não só para promover um bom programa de seleção e melhoramento animal como também para poder suprir a demanda de sêmen e reprodutores de alta produção. A contribuição do macho para a eficiência reprodutiva e produtiva do cultivo é de grande importância, uma vez que além do aporte genético, neles pode se aplicar uma pressão de seleção maior e mais rápida (Vieira et al, 2011). A criopreservação de sêmen tornou-se uma ferramenta de auxílio à aqüicultura comercial, pois permite a possibilidade de selecionar reprodutores, desenvolver plantéis em programas de melhoramento genético (Verstegen et al., 2002) e aperfeiçoar várias atividades através da obtenção de sêmen em tempos e locais diferentes. Embora a criopreservação tenha beneficiado a produção de pescado, estudos ainda buscam diminuir e eliminar os fatores que reduzem a viabilidade e a fertilidade do espermatozoide após descongelação (Streit Jr et al, 2009). Nos últimos anos, vários pesquisadores têm tentado adicionar soluções criodiluidoras ao sêmen, também conhecidas como meios de congelação ou diluidores, com a finalidade de manter a viabilidade espermática pós-descongelado. Entre estas soluções, a água de coco vem se tornando um meio de congelação inovador, pois esta 27 a 29 de junho de

3 tem demonstrado grande viabilidade no processo de refrigeração e congelação seminal (Nunes, 1987, Vieira, 2010; Leite, 2011; Viveiros et al, 2011). Muitos estudos sobre qualidade seminal de caracídeos pós-criopreservação têm sido realizados utilizando diferentes protocolos de congelação, com diferentes resultados, o que sugere uma revisão de literatura para detecção de lacunas existentes com relação à perda da motilidade dos espermatozóides criopreservados em programas de inseminação artificial em algumas espécies. Congelação Seminal (Criopreservação) A criopreservação de sêmen é uma boa alternativa para a melhoria da reprodução de peixes em cativeiro, tendo em vista que seus benefícios são variados, dentre eles: sincronização na disponibilidade de sêmen, facilidade no transporte, retardo no envelhecimento dos gametas, conservação da variabilidade genética, eliminação dos custos com a manutenção dos machos (Suquet et al., 2000). Segundo Hunter (1982) fatores como a concentração de espermatozoides ou taxa de diluição; o tempo e temperatura de equilíbrio; a natureza da curva de resfriamento; a natureza da curva de descongelação, dentre outros, são estresses sob quais os espermatozoides são submetidos durante o congelamento, que comprometem sua viabilidade pós-descongelação. Porém uma das maiores dificuldades na congelação do sêmen é evitar a formação de cristais de gelo intra e extracelulares, e o aumento da concentração de solutos (Mateos-Rex & Aguillar, 1996). Isso ocorre porque quando os espermatozóides são submetidos a temperaturas abaixo de 0ºC, cristais de gelo extracelulares começam a se formar, resultando em aumento da concentração de sais no líquido extracelular. Inicialmente a água do interior do espermatozoide não se congela, levando a perda de água para o meio extracelular, desidratando progressivamente o espermatozoide. Se a velocidade de congelamento é muito lenta, o aumento da concentração de sais intracelulares causada pela desidratação pode danificar o espermatozoide. Se a velocidade de congelamento for muito rápida, cristais de gelo intracelular podem se formar. A taxa de congelamento adequada é um equilíbrio entre esses fatores. 27 a 29 de junho de

4 Para minimizar a formação desses cristais durante o processo de criopreservação do sêmen, são adicionados diluidores que devem proporcionar proteção aos espermatozoides contra o choque térmico (Salmito-Vanderley, 2010). Desta forma é importante o conhecimento da composição deste meio de congelação, pois este é um fator determinante da qualidade seminal após o descongelamento, apesar de outros fatores também influenciarem o sucesso da criopreservação. A etapa de congelação inicia-se após a coleta do sêmen com a adição do diluente, em seguida, o envasamento do sêmen diluído em palhetas ou criotubos, submetidos à diminuição de temperatura, até serem finalmente mergulhados e armazenado em nitrogênio líquido (NL). Existem vários equipamentos para congelar as amostras de sêmen, sendo os mais utilizados as geladeiras de isopor (conhecida como rampa de congelamento); o botijão de vapor de nitrogênio líquido conhecido como dry shippers; ou freezers programáveis. Esta visão geral do protocolo de criopreservação de sêmen de peixe é uma reunião de alguns dos protocolos comumente utilizados, mas a comparação entre eles é muito difícil devido à diversidade de parâmetros envolvidos. Meios de congelação (Diluidores e Crioprotetores) O sêmen puro é praticamente impossível de ser congelado por causar danos à maioria dos espermatozóides, necessitando, portanto, da adição de soluções que mantenham a viabilidade das células espermáticas durante a redução da temperatura. (Pickett et al., 1987). Essa solução deve ser composta por uma substância para diluir e nutrir as células, e crioprotetores, para protegê-las contra o choque térmico. Condições mínimas são requeridas para um diluidor ser adequado, tais como: isotonicidade, para que não haja ativação prévia da motilidade espermática, pois a mesma pode exaurir a reserva energética necessária à fertilização; estabilidade, pois suas características físico-químicas não devem ser alteradas durante o contato com o sêmen; condutividade térmica elevada, permitindo a rápida transferência de temperatura do meio externo para os espermatozóides; esterilidade, ou seja, não devem vincular microrganismos potencialmente nocivos às células espermáticas; proporcionar nutrientes como fontes de energia; além de aumentar o volume do sêmen (Legendre & 27 a 29 de junho de

5 Billard, 1980). Porém cada grupo animal possui especificidade própria, tornado de vital importância para a criopreservação de sêmen que a composição do diluidor seja ajustada para as características seminais de cada espécie e a cada tecnologia seminal empregada. Dentre os diluidores mais utilizados em testes de criopreservação de sêmen de peixes caracídeos, um dos mais conhecidos é a solução de glicose numa concentração de 5%, pois esta age como substrato de energia, componente osmótico e agente crioprotetor em função do seu alto peso molecular, contribuindo para o equilíbrio osmótico e atuando como substituto de eletrólitos (Holt, 2000). Outro diluidor utilizado é o BTS (Beeltsville Thawing Solution, MINITUB), composto de glicose, citrato de sódio, acido etilenodiamina tetra-acético (EDTA), bicarbonato de sódio, cloreto de potássio e sulfato de neomicina, que apresenta osmolaridade de 318 mosm. Esse meio foi produzido, inicialmente, para a criopreservação de sêmen suíno, mas já vem sendo utilizado para outras espécies de animais (Lahnseteiner et al., 1997; Maria et al., 2004). Também já foram testados a eficiências do diluidor seminal M III (Merck III) composto por glicose, citrato de sódio, EDTA, bicarbonato de sódio, e sulfato de gentamicina, de osmolaridade de 348 mosm. Além destes, também já foi testado um diluidor conhecido como Ringer, composto de cloreto de sódio, cloreto de potássio, bicarbonato de sódio e cloreto de cálcio hexahidratado, com 300 mosm (Quadro 1). Uma das inovações mais recentes da biotecnologia do sêmen de peixe é a utilização de água de coco como diluidor para criopreservação, sendo este um meio natural e estéril composto por sais, proteínas, açúcares, vitaminas, gorduras neutras, além de indutores da divisão celular e diversos eletrólitos, podendo exercer uma ação benéfica sobre a conservação celular. Trabalhos realizados por Nunes (1987) demonstraram a viabilidade da água de coco como diluente de refrigeração e congelação do sêmen caprino, o que levou à elaboração de um meio comercial de conservação, padronizado e estabilizado, à base de água de coco em pó (ACP ). Tornando-se, desta forma, mais uma alternativa mercadológica para a área de diluidores tradicionais. Outra função importante do diluidor é servir como carreador de crioprotetores, substâncias que têm como função proteger os espermatozóides contra os efeitos maléficos do congelamento. Toda essa proteção ao espermatozóide é essencial, pois durante os processos de congelação-descongelação os espermatozóides são submetidos 27 a 29 de junho de

6 a condições desfavoráveis como: a desidratação, as mudanças da fase de transição dos fosfolipídios da membrana, o efeito solução e a formação de cristais de gelo (Parks & Graham, 1992; Vivieros et al, 2011). A conseqüência imediata destes processos é a ruptura da membrana plasmática devido aos estresses térmico, mecânico, químico e osmótico exercidos sobre a célula durante a congelação. Os crioprotetoros podem ser classificados como internos ou externos. Os crioprotetores internos devem evitar a formação de cristais de gelo que comprometem a integridade da membrana espermática interna durante as mudanças de temperatura. Essas soluções criodiluidoras são responsáveis por atuar através de suas propriedades coligativas, na redução do ponto crioscópio intracelular. Esta propriedade favorece um ambiente menos deletério a célula espermática durante a congelação. A adição de crioprotetores internos é imprescindível para a criopreservação de células espermáticas, sendo os mais comumente utilizados Dimetilssufóxido (DMSO); Metilglicol; Metanol; Dimetilacetamida (DMA); Propilenoglicol; Etilenoglicol; Coreto de Potássio; Glicerol; Citrato e outros (Salmito-Vanderley, 2010; Leite, 2011; Viveiros et al 2011; Martínez et al 2012; Viveiros et al 2012). Quadro 1: Motilidade espermática (%) após o descongelamento do sêmen de algumas espécies de peixes characiformes em diferentes diluentes. Motilidade pós Espécies Meios de congelação descongelação (%) Referências Piracanjuba (Brycon orbinyanus) M III Metilglicol + Gema de ovo 63 NaCl Metilglicol + Gema de ovo 60 BTS Metilglicol 68 Maria et al. (2004) Yamú (Brycon amazonicus) ACP * Nascimento Metilglicol BTS 70* et al. (2007) Velasco-Santa Glicose DMSO 35 Maria + Gema de ovo et al. (2006) 27 a 29 de junho de

7 Matrixã (Brycon cephalus) Glicose + Gema de ovo Glicose NaCl; NaHCO3; KCl;; DMSO Ninhaus- Silveira et al. (2006) gema de ovo Matrixã (Brycon orthotaenia) Glicose + Gema de ovo NaCl + Gema de Ovo DMSO 70 Melo & Godinho DMSO 89 et al. (2006) Pirapitinga (Brycon nattereri) Pirapitinga (Brycon nattereri) Tambaqui (Colossoma macropomum) Pirapitinga (Piaractus brachypomus) NaCl (154mM) NaCl (200mM) DMSO 51* Metilglicol 68* DMSO 68* Metilglicol 57* BST MetilGlicol 72* Água de coco (in natura) Ringer Glicose Glicerol DMA < 5 DMSO 5-10 Metanol PropilenoGlicol EtilenoGlicol <5 DMSO 32* MetilGlicol 30* ACP-104 DMSO 55* Metilglicol 46* Glicose DMSO 41* Metilglicol 62* Ringer DMSO 50* ACP-104 Glicose BTS Metilglicol 26* DMSO 57* Metilglicol 37* DMSO 52* Metilglicol 81* DMSO 51* Metilglicol 57* 5 Oliveira et al. (2007) Oliveira et al (2007) Farias et al. (1999) Menezes et al. (2008) Vieira, 2010 Velásquez- Medina (2008) Nascimento et al 2010 Piabanha Glicose + Gema DMSO 86 Shimoda 27 a 29 de junho de

8 (Piaractus insignus) Pacu (Piaractus mesopotamicus) de ovo (2004) Glicose + Streit Jr. et al Gema de ovo DMSO 16 (2006) Martínez et al Glicose DMSO DMSO 38 Curimba BTS Metilglicol 94 (Prochilodus DMSO 84 Viveiros et al lineatus) MIII Metilglicol DMSO 1 NaCl Metilglicol 18 Bocachico Glicose +gema Martínez et al (Prochilodus DMSO 71* de ovo 2012 magdalenae) MIII: (Merck III) solução composta de glicose, citrato de sódio, EDTA, bicarbonato de sódio, e sulfato de gentamicina; BTS: (Beeltsville Thawing Solution, MINITUB), solução composta de glicose, citrato de sódio, EDTA, bicarbonato de sódio, cloreto de potássio e sulfato de neomicina; ACP-104 : Água de coco em pó específica para peixes; DMSO: Dimetilssufóxido. * Avaliação da motilidade por sistema computadorizado. Os crioprotetores externos, por sua vez, atuam recobrindo a superfície celular e estabilizando a membrana, além de restituir os fosfolipídeos perdidos pelos espermatozóides durante o choque térmico. Esta combinação ajuda, portanto, a minimizar e reparar os possíveis danos celulares causados durante o processo de congelamento. Os crioprotetores externos mais utilizados são a gema de ovo de galinha e o leite desnatado, já que a fosfatidilcolina (lecitina) e lipoproteínas da gema, e a caseína do leite têm essa propriedade protetora (Navarro et al., 2004). Segundo Leung & Jamieson (1991) a combinação entre crioprotetor interno e o externo promove uma proteção mais completa as células contra o choque térmico. Aparentemente, determinados meios de congelação agem melhor em determinadas espécies do que em outras. Assim, para se estabelecer um protocolo ideal de congelação de sêmen de uma determinada espécie, vários testes devem ser realizados a fim de encontrar a melhor associação entre diluidor e crioprotetores, formando um 27 a 29 de junho de

9 meio de congelação ideal para a espécie em estudo. No quadro 1 observa-se que o diluente ótimo para uma espécie pode não o ser para outra. Tais diferenças reforçam a ideia de que determinados diluentes podem agir de formas diferentes dependendo da espécie estudada. Uma possível explicação para tal fato é a existência de diferenças na composição lipídica da membrana plasmática de espermatozoides entre espécies e ainda entre indivíduos da mesma espécie. Assim um mesmo meio de congelamento pode conferir maior ou menor proteção aos espermatozoides (Holt., 2000). CONSIDERAÇÕES FINAIS A criopreservação seminal em peixes vem avançando e mostrando sua importância como ferramenta para a contribuição na operacionalização e flexibilização dos programas de reprodução de caracídeos. Porém não há uma padronização nos protocolos de criopreservação. Dessa forma, pode-se encontrar na literatura uma grande variação inclusive nos diluidores utilizados na criopreservação de sêmen de um mesmo grupo de animais, tornando essa técnica inconsistente e de difícil difusão. No caso dos peixes caraciformes citados nessa revisão, os diluidores frequentemente utilizados são solução de glicose, cloreto de sódio ou água de coco em pó (ACP ), associados aos crioprotetores glicerol, DMSO ou metilglicol. É importante ressaltar que, além dos meios de congelação, outros fatores também exercem influência sobre a qualidade do sêmen criopreservado, como a taxa de resfriamento, concentração espermática, tempo e método de adição dos crioprotetores, métodos de envase, condições de congelação, tempo de descongelação, método de análise da motilidade, dentre outros. Além disso, cada um desses fatores influenciam diferentemente os resultados, dependendo da espécie animal da qual provem o sêmen. Nesse sentido, é de grande importância incentivar o estudo sobre as particularidades do sêmen dos peixes caracídeos buscando a padronização da técnica de criopreservação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FARIAS, J.O.; NUNES, J.F.; CARVALHO, M.A.M.; SALGUEIRO, C.C.M. Avaliação in vitro e in vivo do sêmen de tambaqui Colossoma macropomum conservado a 27 a 29 de junho de

10 temperatura ambiente e criopreservado em água de coco. Rev. Cient. Prod. Anim. v.1, n.1, p , HOLT, W.V. Fundamental aspects of sperm cryobiology: The importance of species and individual differences. Theriogenology, v.53, p.47-58, HUNTER, R.H.F..Fisiologia e Tecnologia da Reprodução da Fêmea dos animais domésticos. Ed. Acribia. Zaragoza, LAHNSTEINER, F.; WEISMANN, T., PATZNER, R. A. Methanol as Cryoprotectant and the suitability of 1.2 ml and 5 ml straws for cryopreservation of semen from salmonid fishes. Aquaculture Research, Londres, v. 28, n. 6, p , LEGENDRE, M.; BILLARD, R Cryopreservation of rainbow trout sperm by deep freezing. Reproduction, Nutrition and Development, v. 20, p LEITE, L.V Dose inseminante, embriogênese e criopreservação de sêmen de tambaqui (Colossoma Macropomum). Fortaleza (Ce): Universidade Estadual do Ceará.. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Brazil, 72f. LEUNG, L. K. P.; JAMIESON, B. G. M. Live preservation of fish gametes. In: JAMIESON, B. G. M. (Ed.). Fish evolution and systematics: evidence from Spermatozoa. Cambridge: Cambridge University Press, Cap. 20, p MARIA, A.N; MURGAS, L. D. S; SILVA, M. O. B; MILIORINI, A. B; FRANCISCATTO, R. T; LOGATO, P. V. R. Influência da adição de iodeto de potássio e citrato de sódio na qualidade do sêmen de pacu (Piaractus mesopotamicus Holmberg, 1887). Ciências agrotecnologia., v. 28, n. 1, p , MARTÍNEZ, J. G; TARAZONA-MORALES, A. M; PARDO-CARRASCO, S.C. Sperm cryopreservation of freshwater fish bocachico (Prochilodus magdalenae) in 27 a 29 de junho de

11 DMSO and glucose and its effects on fertilization and hatching efficiency. Anim. Reprod., v.9, n.1, p.00-00, Jan./Mar MATEOS-REX, E.; AGUILLAR, C.G.C. Técnicas de control de la reproducción en ganado caprino. In: Nuevas técnicas de reproducción asistida aplicadas a la producción animal. Cuenca: Universidad de Castilla la Mancha. p , MELO, F.C.S.A.; GODINHO, H.P. A protocol for cryopreservation of spermatozoa of the fish Brycon orthotaenia. Animal Reproduction, v.33, p , MENEZES, J. T. B.; QUEIROZ, L. J.; DORIA, C. R. C., MENEZES JR, J. B. Avaliação espermática pós-descongelamento em tambaqui,colossoma macropomum (Cuvier, 1818). Acta Amaz.. v.38, n.2, p , NASCIMENTO, A. F.; MARIA, A. N.; PESSOA, N. O.; CARVALHO, M. A. M; VIVEIROS A. T. M. Out-of-season sperm cryopreserved in different media of the Amazonian freshwater fish pirapitinga (Piaractus brachypomus). Animal Reproduction Science, v.118, p , NASCIMENTO, A. F.; ISAÚ, Z. A.; VIVEIROS, A. T. M.; CARVALHO, M. A. M.; SALGUEIRO, C. C. M. Fertilidade do sêmen de piracanjuba Brycon orbignyanus criopreservado em Água de Coco em Pó e em BTS, Dourados, MS, In: 1º Congresso Brasileiro de Produção de Peixes Nativos de Água Doce, 2007, Anais Dourados: Embrapa. Acesso em 04 de junho de Disponível em: ROD_12.pdf NAVARRO, O.J.; SANTAMARÍA, Y.M.V.; CASALLAS, P.E.C. Evaluación de cinco protectores para la crioconservación de semen de cachama blanca (Piaractus brachypomus). Rev. Col. Cienc. Pec., 17: Suplemento, a 29 de junho de

12 NINHAUS-SILVEIRA, A.; FORESTI, F.; VERÍSSIMO-SILVEIRA, R.; SENHORINI, J.A. Seminal analysis, cryogenic preservation, and fertility in matrinxã fish, Brycon cephalus (Günther, 1869). Brazilian Archives of Biology Technology, v.49, p , NUNES, J.F. Coconut water as diluent for goat semen. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS. Brasília. Anais OLIVEIRA, A. V.; VIVEIROS, A. T. M.; MARIA, A. N.; FREITAS R. T. F.; ISAÚ, Z. A. Sucesso do resfriamento e congelamento de sêmen em pirapitinga (Brycon nattereri). Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia v. 59, p , PARKS, J.E.; GRAHAM, J.K Effects of cryopreservation procedures on sperm membranes. Theriogenology. v. 32, p PICKETT, B.W.; SQUIRES, E.L.; MACKINNON, A.O. Procedures for collection, evaluation and utilization of stallion semen for artificial insemination. Fort Collins, CO: Colorado State University, Animal Reproduction Laboratory SHIMODA, E.; ANDRADE, D.R.; VIDAL JR, M.V.; SILVA J. F. S.; SOUZA, G.; GODINHO H. P., YASUI, G. S.; ANDRADE, C. C. F. Criopreservação do sêmen da piabanha Brycon insignis utilizando-se DMSO, glicose e gema de ovo a diferentes proporções sêmen:dilente, avaliada pelo analisador de motilidade computadorizado. In: I Congresso da Sociedade Brasileira de Aqüicultura e Biologia Aquática, Vitória -ES. Anais , p.196. SALMITO-VANDERLEY, C. S. B. Reproductive Biotechnology in Fresh Water Fish. In: V Congresso Norte-Nordeste de Reprodução Animal. Patos, Paraíba, Anais. STREIT JR, D. P; OLIVEIRA, A. C. de; RIBEIRO, R. P; SIROL R. N; MORAES, G. V. de; GALO, J. M; DIGMAYER, M. Motilidade, vigor e patologias seminal in natura 27 a 29 de junho de

13 e pós-criopreservação de Piaractus mesopotamicus. B. Inst. Pesca, São Paulo, 35(2): , STREIT JR, D. P.; BENITES, C.; MORAES, G. V.; RIBEIRO, R. P.; SAKAGUTI, E. S.; CALDIERI, R. F. Sêmen de pacu (Piaractus mesopotamicus) criopreservado com diluentes utilizados para sêmen de suínos. Ciência Animal Brasileira, v. 7, n. 3, p , SUQUET, M; DREANNO, C; FAUVEL, C; COSSON, J; BILLARD, R. Cryopreservation of sperm in marine fish. Aquac. Res. v. 31, n. 3, p , VELASCO-SANTAMARIA, Y. M.; MEDINA-ROBLES, V. M.; CRUZ-CASALLAS, P. E. Cryopreservation of yamú (Brycon amazonicus) sperm for large scale fertilization. Aquaculture, v. 256, p , VELÁSQUEZ-MEDINA, S. Criopreservação do sêmen de pirapitinga, Piaractus brachypomus (Pisces, Characidae), Fortaleza. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Universidade Federal do Ceará, Instituto de Ciências do Mar, VERSTEGEN, J.; IGUER-OUADA, M.; ONCLIN, K. Computer assisted semen analyzers in andrology research and veterinary practice. Theriogenology. v. 57, p l79, VIEIRA, M.J. A. F Caracterização do sêmen de tambaqui Colossoma macropomum (CUVIER, 1818) e Criopreservação em diluente a base de água de coco em pó (ACP-104). [Tese de Doutorado]. Fortaleza (Ce): Universidade Estadual do Ceará, p. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Brazil. VIEIRA, M.J.A.F; CARVALHO, M.A.M; SALMITO-VANDERLEY, C.S.B; SALGUEIRO, C.C. de M; VIVEIROS, A.T.M; MOURA, A.A.A.N; NUNES, J.F. 27 a 29 de junho de

14 Características do sêmen de tambaqui (Colossoma macropomum) em latitude equatorial. Arch. Zootec. 60 (232): VIVEIROS, A. T. M; AMARAL, T. B; ORFÃO, L. H; ISAU, Z. A; DANILO CANEPPELE & MARCELO C LEAL.Sperm cryopreservation of tiete tetra Brycon insignis (Characiformes): effects of cryoprotectants, extenders, thawing temperatures and activating agents on motility features Aquaculture Research, 2011, 42, VIVEIROS, A.T.M; ISAÚ Z.A; CANEPPELE, D; LEAL, M.C. Sperm cryopreservation affects postthaw motility, but not embryogenesis or larval growth in the Brazilian fish Brycon insignis (Characiformes). Theriogenology,, Available online 26 April 2012, View Abstract VIVEIROS, A. T. M.; ORFÃO, L. H.; MARIA A. N.; ALLAMAN I. B. A simple, inexpensive and successful freezing method for curimba Prochilodus lineatus (Characiformes) semen. Animal Reproduction Science, v. 112, p , a 29 de junho de

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

LEITE, et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 6(2): 23:29, 2011 Artigo

LEITE, et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 6(2): 23:29, 2011 Artigo CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI COM ACP ADICIONADO DE GEMA DE OVO Liliane Veras LEITE * ; Fátima de Cássia Evangelista de OLIVEIRA; Larissa Teixeira NUNES; José Ferreira NUNES; Carminda Sandra Brito

Leia mais

Criopreservação de Embriões

Criopreservação de Embriões UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras

Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras (Fish semen cryopreservation in Brazil: state of the art and future perspectives) Alexandre Nizio Maria 1*, Paulo César

Leia mais

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO Pinheiro, J. P. S. (1) ; Melo-Maciel, M. A. P. (1) ; Almeida, P.S. (1) ; Pinheiro, R.R.R. (1) ; Torres, T.M. (1) ; Leite, L.V.(1);

Leia mais

ÁGUA DE COCO EM PÓ EM BIOTÉCNICAS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS. (Powdered coconut water in biotechnologies of reproduction in goats) RESUMO

ÁGUA DE COCO EM PÓ EM BIOTÉCNICAS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS. (Powdered coconut water in biotechnologies of reproduction in goats) RESUMO ÁGUA DE COCO EM PÓ EM BIOTÉCNICAS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS (Powdered coconut water in biotechnologies of reproduction in goats) Cristiane Clemente de Mello SALGUEIRO 1, José Ferreira NUNES 2 1 Universidade

Leia mais

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849)

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Luis David Solis Murgas 1, Renan Toledo Franciscatto 2, Anna Graciela Oliveira Santos 3 RESUMO - O experimento

Leia mais

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS (Methods for evaluating the quality of cryopreserved sperm from brasilian Characiforms) Mônica Aline Parente MELO-MACIEL

Leia mais

Criopreservação do sêmen de curimba (Prochilodus lineatus) mediante adição de diferentes diluidores, ativadores e crioprotetores 1

Criopreservação do sêmen de curimba (Prochilodus lineatus) mediante adição de diferentes diluidores, ativadores e crioprotetores 1 Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, n.3, p.526-531, 2007 Criopreservação do sêmen de curimba (Prochilodus lineatus) mediante

Leia mais

Conservação de gametas e embriões de peixes teleósteos Preservation of gametes and embryo of teleost fish

Conservação de gametas e embriões de peixes teleósteos Preservation of gametes and embryo of teleost fish Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.39, n.1, p.184-188, jan./mar. 2015. Disponível em www.cbra.org.br Conservação de gametas e embriões de peixes teleósteos Preservation of gametes and embryo of

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES Propriedades coligativas são propriedades de uma solução que dependem exclusivamente do número de partículas do soluto dissolvido e não da sua natureza. Cada uma dessas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS LILIANE VERAS LEITE DOSE INSEMINANTE, EMBRIOGÊNESE E

Leia mais

FACULDADE DE VETERINÁRIA

FACULDADE DE VETERINÁRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MARCELO JOSÉ DA ASCENSÃO FEITOSA VIEIRA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN DE PEIXES CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES MEIOS AVALIADA POR MÉTODOS SUBJETIVO E COMPUTADORIZADO

MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN DE PEIXES CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES MEIOS AVALIADA POR MÉTODOS SUBJETIVO E COMPUTADORIZADO MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN DE PEIXES CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES MEIOS AVALIADA POR MÉTODOS SUBJETIVO E COMPUTADORIZADO ARIANE FLÁVIA DO NASCIMENTO 2008 ARIANE FLÁVIA DO NASCIMENTO MOTILIDADE ESPERMÁTICA

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

EFEITO CRIOPROTETOR DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DO DIMETILSULFÓXIDO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum

EFEITO CRIOPROTETOR DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DO DIMETILSULFÓXIDO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum DMSO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN DE TAMBAQUI EFEITO CRIOPROTETOR DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DO DIMETILSULFÓXIDO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum ANTONIO SERGIO VARELA JUNIOR 1,2

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

QUÍMICA FRENTE II FICHA 11 PROPRIEDADES COLIGATIVAS

QUÍMICA FRENTE II FICHA 11 PROPRIEDADES COLIGATIVAS Propriedades Coligativas São aquelas propriedades das substâncias puras que são modificadas quando se adiciona um soluto não volátil a elas. Essas propriedades, portanto, não são explicadas pela natureza

Leia mais

DILUIDORES E CRIOPROTETORES NO RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO SÊMEN DE PIRACANJUBA (Brycon orbignyanus) ALEXANDRE NIZIO MARIA

DILUIDORES E CRIOPROTETORES NO RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO SÊMEN DE PIRACANJUBA (Brycon orbignyanus) ALEXANDRE NIZIO MARIA DILUIDORES E CRIOPROTETORES NO RESFRIAMENTO E CONGELAMENTO DO SÊMEN DE PIRACANJUBA (Brycon orbignyanus) ALEXANDRE NIZIO MARIA LAVRAS-MG 2005 ALEXANDRE NIZIO MARIA DILUIDORES E CRIOPROTETORES NO RESFRIAMENTO

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

Revista Agrarian ISSN:

Revista Agrarian ISSN: Diluentes para sêmen de carneiros nativos de Mato Grosso do Sul Extenders for native ram semen in Mato Grosso do Sul Antonio Carlos Duenhas Monreal 1,Ricardo Freitas Schmid 1, José Geraldo Souza de Paula

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Medicina Veterinária TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Mara Regina Bueno de M. Nascimento Mara Regina Bueno de M. Nascimento Profa. Adjunto III Jul./

Leia mais

Criopreservação de sêmen canino com um diluidor à base de água de coco na forma

Criopreservação de sêmen canino com um diluidor à base de água de coco na forma Criopreservação de sêmen canino com um diluidor à base de água de coco na forma... 1209 CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN CANINO COM UM DILUIDOR À BASE DE ÁGUA DE COCO NA FORMA DE PÓ (ACP-106 ): EFEITO DA TEMPERATURA

Leia mais

Fertilidade após a inseminação artificial intracervical ou laparoscópica intra-uterina de ovelhas utilizando diluidores à base de água de coco

Fertilidade após a inseminação artificial intracervical ou laparoscópica intra-uterina de ovelhas utilizando diluidores à base de água de coco 43 Fertilidade após a inseminação artificial intracervical ou laparoscópica intra-uterina de ovelhas utilizando diluidores à base de água de coco Vanessa Porto MACHADO 1 José Ferreira NUNES 1 Airton Alencar

Leia mais

Comunicado112 Técnico

Comunicado112 Técnico Comunicado112 Técnico ISSN 1678-1937 Julho, 2011 Aracaju, SE Protocolo para Criopreservação do Sêmen de Tambaqui (Colossoma macropomum) 1 Hymerson Costa Azevedo 2 3 O tambaqui Colossoma macropomum é um

Leia mais

CONGELAÇÃO DE SÊMEN CANINO COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE GEMA DE OVO E GLICEROL EM DILUIDORES À BASE DE TRIS E ÁGUA DE COCO

CONGELAÇÃO DE SÊMEN CANINO COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE GEMA DE OVO E GLICEROL EM DILUIDORES À BASE DE TRIS E ÁGUA DE COCO Ciência Rural, Santa Maria, v.30, n.6, p.1021-1025, 2000 ISSN 0103-8478 1021 CONGELAÇÃO DE SÊMEN CANINO COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE GEMA DE OVO E GLICEROL EM DILUIDORES À BASE DE TRIS E ÁGUA DE COCO

Leia mais

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges Aula de Bioquímica I Tema: Água Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo USP E-mail: borgesjc@iqsc.usp.br

Leia mais

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Observa-se que as bananeiras inibem o crescimento de outras espécies de vegetais plantadas próximo a elas. Para verificar se essa inibição é provocada por uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof. Sidnei

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof. Sidnei PROPRIEDADES COLIGATIVAS PROPRIEDADES COLIGATIVAS Um efeito coligativo é uma modificação em certas propriedades de um solvente quando nele adicionados um soluto não-volátil, a qual depende do número de

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum EM MACROPALHETAS

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum EM MACROPALHETAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA VINICIUS AUGUSTO DIAS FILHO CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas: São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química,

Leia mais

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU:

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: OPORTUNIDADES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARTIN HALVERSON DIRETOR TECNOLÓGICO: PROJETO PACU AQUICULTURA TEMAS GERAIS Estado da Tecnologia Oportunidades Problemas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS BÁRBARA MARA BANDEIRA SANTOS CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Terra um planeta com Vida

Terra um planeta com Vida Condições que permitiram o aparecimento da Vida na Terra O aparecimento da Vida resultou das características particulares da Terra. Formação da Terra há cerca de 4600 M.a. Formação de uma atmosfera primitiva.

Leia mais

P R O V A D E Q U Í M I C A I I

P R O V A D E Q U Í M I C A I I 20 P R V A D E Q U Í M I C A I I QUESTÃ 46 Na fabricação de pães, a glicose contida na massa se transforma em álcool etílico e gás carbônico com a ajuda da enzima zimase, de acordo com a seguinte reação,

Leia mais

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN Características físicas c) Motilidade (progressiva) % de sptz viáveis uma gota de sêmen em aumento de 100 a 400x na propriedade: 50% para doação de sêmen: 70% para

Leia mais

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO I Mostra de Iniciação Científica I MIC 30/09 e 01/10 de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA MEDICINA VETERINÁRIA VITRIFICAÇÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS JOÃO PAULO SILVA PINHEIRO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DILUIDORES

Leia mais

Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.)

Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.) Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.) Laura Costa Vitoi NASCIMENTO 1 ; Tamiris do Rosário NASCIMENTO 1 ; Rafael Antônio Nunes COURA 1 ; Alessandra

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Metabolismo Muscular Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Atividade muscular Principais fontes de energia: 1- Carboidratos

Leia mais

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto.

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto. Propriedades Coligativas 1. Introdução Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I As substâncias inorgânicas existem na natureza, independentemente dos seres vivos, mas algumas delas podem ser encontradas nas células. Acompanhe!

Leia mais

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Tipos de células Comparação Células eucariontes VEGETAL e ANIMAL 1. As algas azuis ou cianobactérias são procariontes; portanto, a) têm citoplasma dividido em compartimentos

Leia mais

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL?

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Organismos constituídos por células procarióticas: Bactérias e cianobácterias. Organismos constituídos por células

Leia mais

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA Adaptação Ponto de vista evolutivo Exemplos: gado Zebu X gado europeu Aclimatação Alteração fisiológica, bioquímica ou anatômica a partir

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Membrana Plasmática Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com Membrana Plasmática (MP) A MP mantem constante o meio

Leia mais

VIABILIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN CONGELADO DE SUÍNOS DA RAÇA PIAU AVALIADA PELO TESTE DE TERMORRESISTÊNCIA

VIABILIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN CONGELADO DE SUÍNOS DA RAÇA PIAU AVALIADA PELO TESTE DE TERMORRESISTÊNCIA VIABILIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN CONGELADO DE SUÍNOS DA RAÇA PIAU AVALIADA PELO TESTE DE TERMORRESISTÊNCIA [Spermatic viability of cryopreserved semen of Piau swine breed analyzed by thermo resistant test]

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

ISSN Acta Veterinaria Brasilica, v.7, n.4, p , 2013

ISSN Acta Veterinaria Brasilica, v.7, n.4, p , 2013 TESTE DE LIGAÇÃO DO ESPERMATOZOIDE À MEMBRANA PERIVITELINA DA GEMA DE OVO APÓS ADIÇÃO DE RINGER LACTATO, CITRATO DE SÓDIO 2,92 % E SOLUÇÃO TRIS NO SÊMEN CAPRINO DESCONGELADO [Sperm-perivitelline membrane

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA Rosa, Marcos da Costa Discente Eng. Florestal FAIT/ACEG OLIVEIRA JUNIOR, Ezer Dias Docente FAIT/ACEG RESUMO O presente

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira Transporte através da Membrana Plasmática CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira A membrana plasmática é formada por 2 camadas ( Bicamada ) de lipídios

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São propriedades que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN DE CURIMBA (Prochilodus lineatus): TÉCNICAS PARA O DESCONGELAMENTO MICHELLE SAMPAIO PAULINO

CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN DE CURIMBA (Prochilodus lineatus): TÉCNICAS PARA O DESCONGELAMENTO MICHELLE SAMPAIO PAULINO CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN DE CURIMBA (Prochilodus lineatus): TÉCNICAS PARA O DESCONGELAMENTO MICHELLE SAMPAIO PAULINO 2009 MICHELLE SAMPAIO PAULINO CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN DE CURIMBA (Prochilodus lineatus):

Leia mais

ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água.

ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água. Abiogênese ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água. É essencial para dissolver e transportar

Leia mais

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo 1. A fertilização é o evento que decorre a partir do encontro dos gametas masculino e feminino. No trato reprodutivo da fêmea bovina em qual local ocorre a fertilização? (a) Útero (b) Tuba uterina (c)

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE CARNES PROPRIEDADES FÍSICAS: CAPACIDADE

Leia mais

Membrana Celular. Membrana Celular. Membrana Celular. Membrana Celular: Estrutura Química, Especializações e Transporte

Membrana Celular. Membrana Celular. Membrana Celular. Membrana Celular: Estrutura Química, Especializações e Transporte Membrana Celular Membrana Celular Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana celular -Membrana plasmática -Endomembranas Membrana plasmática: limite celular Sistema de

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

Inseminação artificial intra-uterina em leitoas com sêmen criopreservado com dimetilacetamida e glicerol

Inseminação artificial intra-uterina em leitoas com sêmen criopreservado com dimetilacetamida e glicerol Ciência 1978 Rural, Santa Maria, v.38, n.7, p.1978-1983, out, 2008 Bianchi et al. ISSN 0103-8478 Inseminação artificial intra-uterina em leitoas com sêmen criopreservado com dimetilacetamida e glicerol

Leia mais

significativos, porém o material genético pode ser estocado por períodos indefinidos de tempo e então utilizado na IA (HOLTb 2000).

significativos, porém o material genético pode ser estocado por períodos indefinidos de tempo e então utilizado na IA (HOLTb 2000). 1 1 INTRODUÇÃO GERAL Estudos arqueológicos recentes demonstram que o cão foi o primeiro animal domesticado pelo homem. Os mais antigos esqueletos de canídeos foram encontrados cerca de 30.000 anos após

Leia mais

Exercícios de Tipos celulares e membranas

Exercícios de Tipos celulares e membranas Exercícios de Tipos celulares e membranas 1. (UFF, 2011) As células animais, vegetais e bacterianas apresentam diferenças estruturais relacionadas às suas características fisiológicas. A tabela abaixo

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Eneder Rosana Oberst - Faculdade de Veterinária Liane Margarida Rockenbach Tarouco - Pós-graduação em Informática da Educação Mary

Leia mais

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação 2 Ordenhador ideal? 3 Instrução Normativa 51 Qualidade do leite Sanidade da Glândula Mamária Manejo de ordenha e conservação Células Somáticas Contagem Bacteriana Total 5 6 1 LEITE Qualidade nutricional

Leia mais

Aquicultura na Amazônia Ocidental

Aquicultura na Amazônia Ocidental INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA Nome do GP Aquicultura na Amazônia Ocidental Nome do Líder Elizabeth Gusmão Affonso (2015) Membros do GP Lígia Uribe Gonçalves, Dra. Pesquisadora (2013-2043).

Leia mais

20 de outubro - terça-feira

20 de outubro - terça-feira Programação da Semana do Conhecimento de 2015 Escola de 20 de outubro - terça-feira Palestra: Sanidade de aves silvestres Convidado: Prof. Nelson Rodrigo da Silva Martins Local: Sala B102 da Escola de

Leia mais

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte.

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. *Denise Porfírio Emerenciano 1, Heloiza Fernanda Oliveira da Silva 1, Geovane Chacon de Carvalho 1,

Leia mais

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA Cronograma Introdução à disciplina de FISIOLOGIA Conceito de Homeostasia EMENTA: Estudo do funcionamento dos órgãos e sistemas orgânicos (cardiovascular, respiratório, muscular e neuroendócrino) no repouso

Leia mais

Banco Português de Germoplasma Animal e Tecnologias da Reprodução

Banco Português de Germoplasma Animal e Tecnologias da Reprodução Banco Português de Germoplasma Animal e Tecnologias da Reprodução AEM Horta Investigador Coordenador Unidade de Recursos Genéticos Reprodução e Melhoramento Animal Instituto Nacional de Recursos Biológicos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS JOSÉ MAURÍCIO MACIEL CAVALCANTE AVALIAÇÃO DO SÊMEN

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Características anatômicas e químico-bromatológicas das forrageiras x alternativas para otimizar consumo e digestão

Leia mais

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES Joquebede Bezerra Cacau 1 ; João Rodrigues de Paiva 2 ; João Ribeiro Crisóstomo 2 ; José Maurício Magalhães 3 1 Estudante de Graduação de

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA AUTOR(ES): CHRISTIANE RAYSSA MIGUEL

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA AUTOR(ES): CHRISTIANE RAYSSA MIGUEL TÍTULO: QUANTIFICAÇÃO DE AMOSTRAS DE MONOÉSTERES ETÍLICOS POR ESPECTROMETRIA NO INFRAVERMELHO: UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL APLICADA ÀS MISTURAS COMERCIAIS DE PETRODIESEL E BIODIESEL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Obs: Usamos a expressão soluto não volátil quando o ponto de ebulição do soluto for superior ao do solvente.

Obs: Usamos a expressão soluto não volátil quando o ponto de ebulição do soluto for superior ao do solvente. Fala gás nobre! Vamos lá para mais um resumo de química e essa semana vamos falar sobre propriedades coligativas. Este conteúdo é bastante importante, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

EFEITOS DA CRIOPRESERVAÇÃO SOBRE A MORFOLOGIA E MORFOMETRIA DE ESPERMATOZOIDES DE CAPRINOS DILUÍDOS EM MEIO À BASE DA ÁGUA DE COCO EM PÓ (ACP-101c)

EFEITOS DA CRIOPRESERVAÇÃO SOBRE A MORFOLOGIA E MORFOMETRIA DE ESPERMATOZOIDES DE CAPRINOS DILUÍDOS EM MEIO À BASE DA ÁGUA DE COCO EM PÓ (ACP-101c) Ciência Animal 23(2):16-28, 2013 EFEITOS DA CRIOPRESERVAÇÃO SOBRE A MORFOLOGIA E MORFOMETRIA DE ESPERMATOZOIDES DE CAPRINOS DILUÍDOS EM MEIO À BASE DA ÁGUA DE COCO EM PÓ (ACP-101c) (Cryopreservation effects

Leia mais

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO A reprodução sexuada implica a produção de células sexuais, a promoção do seu encontro e, finalmente, a sua fusão - Fecundação Gónadas Locais

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ Absorção

Leia mais

EFEITO DA ADIÇÃO FRACIONADA DE DIMETIL FORMAMIDA E DAS CURVAS DE CONGELAMENTO NA VIABILIDADE IN VITRO PÓS-DESCONGELAMENTO DO ESPERMATOZÓIDE EQÜINO

EFEITO DA ADIÇÃO FRACIONADA DE DIMETIL FORMAMIDA E DAS CURVAS DE CONGELAMENTO NA VIABILIDADE IN VITRO PÓS-DESCONGELAMENTO DO ESPERMATOZÓIDE EQÜINO Jair Perez Osorio EFEITO DA ADIÇÃO FRACIONADA DE DIMETIL FORMAMIDA E DAS CURVAS DE CONGELAMENTO NA VIABILIDADE IN VITRO PÓS-DESCONGELAMENTO DO ESPERMATOZÓIDE EQÜINO Dissertação apresentada à Escola de

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

Água, Sais e Carboidratos

Água, Sais e Carboidratos Água, Sais e Carboidratos A Bioquímica estuda as reações químicas dos organismos vivos e tem revelado inúmeras substancias presentes nas células e em outras que ela participa. A bioquímica estuda as moléculas

Leia mais

EFEITO DE TRÊS CRIOPROTETORES SOBRE A MEMBRANA DE CÉLULAS ESPERMÁTICAS DE OVINOS

EFEITO DE TRÊS CRIOPROTETORES SOBRE A MEMBRANA DE CÉLULAS ESPERMÁTICAS DE OVINOS CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos EFEITO

Leia mais