Criopreservação de Embriões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criopreservação de Embriões"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução

2 Plano de Aula Apresentar os princípios da criopreservação de embriões. Discutir as técnicas de criopreservação. Apresentar os fatores que afetam o sucesso da técnica. Apresentar as considerações finais.

3 Conceito Redução ou mesmo parada de todos os fenômenos biológicos (movimentos moleculares, reações químicas e atividades enzimáticas) a temperaturas inferiores a -150 C.

4 Histórico Espécie Referência Murina Whittingham et al., 1972 Bovina Wilmut & Rowson, 1973 Ovina Willadsen et. al., 1976 Caprina Bilton & Moore, 1977

5 Vantagens Otimização das biotecnologias reprodutivas. Conservação de material genético: extinção/produção. Prevenção de perdas de animais vivos durante o transporte.

6 Princípio da criopreservação O protocolo empregado na criopreservação de uma célula deve ser suficientemente lento para prevenir a cristalização da água intracelular e suficientemente rápido para prevenir a exposição das células a elevadas concentrações de eletrólitos antes da congelação.

7 Crioprotetores Proteção celular: a) Redução da formação de cristais de gelo. b) Redução do ponto crioscópico da água. c) Aumento da estabilidade da membrana celular. Tipos: a) Permeáveis: a) propilenoglicol, glicerol, etilenoglicol, dimetilssulfóxido (DMSO). b) Não permeáveis: a) polivinilpirrolidona, polietilenoglicol, ficoll, dextran e álcool polivinílico

8 Tipos de Criopreservação 1. Congelação clássica (lenta): 1. Também conhecida como método de congelação clássica, tradicional ou de equilíbrio. 2. Esta técnica foi padronizada e largamente utilizada no âmbito comercial e industrial. 3. Criação de um delicado balanço entre vários fatores que determinam a formação de cristais de gelo, fraturas, danos tóxicos e osmóticos, permitindo trocas entre os meios extra e intracelular sem que ocorram sérios efeitos osmóticos e deformidades celulares.

9 Tipos de Criopreservação 1. Vitrificação: 1. Esta técnica pode ser considerada um método de criopreservação em que a formação de cristais de gelo é totalmente eliminada. 2. A solidificação é atingida pelo aumento extremo da viscosidade e não pela cristalização, chegando diretamente à fase vítrea. 3. Permite a passagem pela zona crítica de temperatura de maneira rápida, o que impede o desenvolvimento de injúrias ocasionadas pela formação dos cristais de gelo. 4. A concentração do crioprotetor traz efeitos tóxicos e hipertônicos, aumentando o risco de injúrias causadas pelo choque osmótico e pela toxicidade celular

10 Congelação Lenta 1. Princípio: 1. Equilíbrio progressivo entre os crioprotetores utilizados e o compartimento aquoso do embrião. 2. Crioprotetores: 1. Glicerol, etilenoglicol, DMSO, propanodiol. 3. Cristalização (seeding): 1. Deve ser induzida pelo operador antes que ocorra de maneira espontânea. 2. Evita a congelação de células em temperaturas excessivamente baixas.

11 Congelação Lenta Exemplo de curva de congelação de embriões (caprinos e ovinos)

12 Congelação Lenta Equipamentos programáveis para congelação de embriões

13 Vitrificação Estado líquido estado vítreo (amorfo) Crioprotetores com alto grau de viscosidade: Etilenoglicol e DMSO Alta velocidade na criopreservação (imersão direta no NL)

14 Vitrificação Open Pulled Straw (OPS): Palheta de 0,25 ml esticada (diâmetro interno pequeno )

15 Vitrificação Kit para vitrificação pelo método de OPS:

16 Fatores que influenciam no sucesso da técnica 1) Estádio de desenvolvimento embrionário: Embriões mais tardios (blastocistos) apresentam maior taxa de sobrevivência Melhor taxa de sobrevivência

17 Fatores que influenciam no sucesso da técnica 2) Qualidade do embrião Embriões de melhor qualidade apresentam maior taxa de sobrevivência

18 Fatores que influenciam no sucesso da técnica 3) Espécie animal: Zebuínos apresentam menor taxa de sobrevivência embrionária

19 Considerações Ambas as técnicas (congelação lenta e vitrificação) podem ser utilizadas para criopreservação de embriões. A eficiência das duas técnicas podem variar de acordo com diversos fatores que devem ser levados em consideração.

Criopreservação de embriões

Criopreservação de embriões Criopreservação de embriões Vicente J.F. Freitas Biotecnologia da Reprodução Animal Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr Aula ministrada por: M.Sc. Ribrio Ivan T. P. Batista

Leia mais

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda

Leia mais

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS EMBRIONÁRIAS DE BOVINOS PÓS VITRIFICAÇÃO NA REGIÃO NORTE DO TOCANTINS Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda Ferreira Dias 3, 1 Aluno do Curso

Leia mais

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Criopreservação de Oócitose Embriões

Criopreservação de Oócitose Embriões Universidade Federal de Pelotas Graduação em Biotecnologias Manipulação de Gametas e Embriões 5ª Aula: Criopreservação de Oócitose Embriões Priscila Marques Moura de Leon Doutoranda PPGB, Médica Veterinária

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

CONGELAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

CONGELAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CONGELAÇÃO Ivo Rodrigues 2007/2008 Pressupõe a formação de cristais em que as moléculas de água passam de uma distribuição desordenada (líquido) a um estado de ordenação molecular sólido. Para tal necessitam

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Material de apoio do Extensivo 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS VITRIFICAÇÃO DE EMBRIÕES Mus domesticus domesticus ENVASADOS EM MICROCAPILARES

Leia mais

Fisiologia do Exercício

Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício REAÇÕES QUÍMICAS Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na síntese de moléculas Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na degradação de moléculas Reações anabólicas

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

Sobre a molécula da água e suas propriedades, é correto afirmar que

Sobre a molécula da água e suas propriedades, é correto afirmar que 1. A água é importante para os seres vivos, pois a. possui baixo calor de vaporização, atuando como termorregulador. b. possui como característica marcante sua apolaridade, podendo agir como principal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PRESSÃO HIDROSTÁTICA: EFEITO NA VITRIFICAÇÃO, ULTRAESTRUTURA E EXPRESSÃO GÊNICA DE EMBRIÕES BOVINOS EMIVALDO DE SIQUEIRA FILHO DISSERTAÇÃO

Leia mais

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA

EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EXTRAÇÃO, SEPARAÇÃO E PURIFICAÇÃO ENZIMÁTICA EQB4383 _ Enzimologia Industrial Etapas de Extração, Separação e Purificação Enzimáticas remoção de material insolúvel separação dos produtos purificação e

Leia mais

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES A radiação perde energia para o meio provocando ionizações Os átomos ionizados podem gerar: Alterações moleculares Danos em órgãos ou tecidos Manifestação de efeitos biológicos 1 MECANISMOS DE AÇÃO Possibilidades

Leia mais

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Criopreservação de sêmen Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Sumário 1. Introdução 2. Criopreservação de sêmen 3. Efeito da criopreservação 1. No metabolismo dos espermatozoides 2. Na ultra- estrutura dos espermatozoides

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA INDUSTRIAL FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ENGENHARIA BIOQUÍMICA CÓDIGO: GQB054 UNIDADE ACADÊMICA: FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I

Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I Aula: 03 Temática: Componentes Inorgânicos das Células Parte I As substâncias inorgânicas existem na natureza, independentemente dos seres vivos, mas algumas delas podem ser encontradas nas células. Acompanhe!

Leia mais

CRISTALOGRAFIA DE PROTEÍNAS Crescimento de cristais

CRISTALOGRAFIA DE PROTEÍNAS Crescimento de cristais Crescimento de cristais Referências: Crystallization of Nucleic Acids and Proteins. A Practical Approach. Second Edition. Edited by A.Ducruix e R.Giegé.Oxford University Press. 1999. Protein Crystallization:

Leia mais

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de

16/03/2017. A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de A difusão é um movimento de moléculas que depende de sua própria energia e que tende a deslocá-las de um local de MAIOR concentração para um de menor concentração (i.e. a favor do gradiente de concentração).

Leia mais

ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH

ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Instituto de Bioquímica Médica Curso: Enfermagem e Obstetrícia ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH ÁGUA: UM COMPONENTE E SOLVENTE UNIVERSAL A ÁGUA

Leia mais

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges Aula de Bioquímica I Tema: Água Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo USP E-mail: borgesjc@iqsc.usp.br

Leia mais

Mistura de Soluções, Solubilidade e Propriedades Coligativas. Química 2/set

Mistura de Soluções, Solubilidade e Propriedades Coligativas. Química 2/set Mistura de Soluções, Solubilidade e Propriedades Coligativas Química 2/set Mistura de Soluções 1 L 20 g/l 1 L 50 g/l 2L 70 g ou 35 g/l m a.v a + m b.v b = m f.v f m f = m a + m b Curvas de Solubilidade

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 21. As células caracterizam-se por possuir uma membrana plasmática, separando o meio intracelular do meio extracelular. A manutenção da integridade dessa membrana

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA. Profa. Dra. Eleonora Picoli

Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA. Profa. Dra. Eleonora Picoli Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA Profa. Dra. Eleonora Picoli Metabolismo bacteriano Conjunto de reações responsáveis pela manutenção das funções bacterianas básicas. Tipos de metabolismo

Leia mais

FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS. Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana.

FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS. Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana. FISIOLOGIA DAS MEMBRANAS Composição da membrana plasmática. Transporte através da membrana. FUNÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA Isolamento físico Regulação de trocas Comunicação celular Suporte estrutural Modelo

Leia mais

Cultivo de células animais e humanas

Cultivo de células animais e humanas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Minicurso: Cultivo de células animais

Leia mais

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA Adaptação Ponto de vista evolutivo Exemplos: gado Zebu X gado europeu Aclimatação Alteração fisiológica, bioquímica ou anatômica a partir

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa edisousa@if.usp.br Metabolismo Celular Cada reação que ocorre em um organismo vivo requer o uso de energia

Leia mais

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente Isolamento, Seleção e Cultivo

Leia mais

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL?

CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS QUAL CÉLULA É ANIMAL E QUAL É A VEGETAL? CÉLULAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Organismos constituídos por células procarióticas: Bactérias e cianobácterias. Organismos constituídos por células

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO:

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.3, p , jul./set Disponível em

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.3, p , jul./set Disponível em Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.3, p.149-159, jul./set. 2010. Disponível em www.cbra.org.br Criopreservação de embriões de animais de produção: princípios criobiológicos e estado atual

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 11 TRANSPORTES ATIVOS PELA MEMBRANA Fixação 1) O esquema abaixo exemplifica um dos tipos de transporte de membrana cuja função é fundamental para o metabolismo celular. No

Leia mais

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA BOVINOCULTURA DE CORTE 1. Introdução Por que estudar a fisiologia do Crescimento corporal? FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO EM

Leia mais

A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS

A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS Estrutura molecular da água A água se assume um tetraedro irregular. Lado do oxigênio = rico em elétrons Lado do hidrogênio = rico em prótons 1 Características da Molécula

Leia mais

Dinâmica de Populações. Capítulo - 48

Dinâmica de Populações. Capítulo - 48 Dinâmica de Populações Capítulo - 48 Dinâmica de populações ou demoecologia Descreve a abundância das diversas espécies e procura a causa de suas variações. População? O que mostra o sucesso de uma população?

Leia mais

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR AULA 2 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Membrana Celular ou Membrana Plasmática Função 2 Membrana Celular ou Membrana Plasmática

Leia mais

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural.

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Prof. Ana Rita Rainho Biomoléculas Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Para além da unidade estrutural também existe uma unidade bioquímica todos os seres vivos são constituídos

Leia mais

O estudo. O que significa a palavra estudar?

O estudo. O que significa a palavra estudar? O estudo O que significa a palavra estudar? O estudo Aurélio Buarque de Holanda: - Estudar é "aplicar a inteligência para aprender (...) é aplicar o espírito, a memória e a inteligência para adquirir conhecimento".

Leia mais

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000).

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000). 7 ESTRUTURAS AMORFAS 7.1 Introdução Também chamadas de estruturas vítreas, as estruturas amorfas são formadas por arranjos atômicos aleatórios e sem simetria ou ordenação de longo alcance. Esse tipo de

Leia mais

Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática. Biologia 12º ano. Nome: Data: / /

Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática. Biologia 12º ano. Nome: Data: / / Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática Biologia 12º ano Nome: Data: / / OBJETIVOS: Compreender o significado biológico das enzimas Conhecer o efeito de diversos fatores (concentração

Leia mais

Cultura de Células Animais. Aula 4 - Fases do Crescimento Celular. Prof. Me. Leandro Parussolo

Cultura de Células Animais. Aula 4 - Fases do Crescimento Celular. Prof. Me. Leandro Parussolo Cultura de Células Animais Aula 4 - Fases do Crescimento Celular Prof. Me. Leandro Parussolo NOVA CÉLULA Introdução A dinâmica de uma cell é + bem compreendida examinandose o curso de sua vida; divisão

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Melhoramento Animal Código: VET224 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 4 Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir de: Créditos:

Leia mais

Físico-Química I. Profa. Dra. Carla Dalmolin. Misturas Simples. Físico-Química, cap. 5: Transformações Físicas de Substâncias Puras

Físico-Química I. Profa. Dra. Carla Dalmolin. Misturas Simples. Físico-Química, cap. 5: Transformações Físicas de Substâncias Puras Físico-Química I Profa. Dra. Carla Dalmolin Misturas Simples Físico-Química, cap. 5: Transformações Físicas de Substâncias Puras Misturas Simples Misturas de substâncias que não reagem Modelo simples para

Leia mais

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura.

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura. 1. Qual a importância da água para a conservação de alimentos? O que você espera da remoção da água dos alimentos no que diz respeito à sua conservação? A água é um importante veículo para ocorrência de

Leia mais

EFEITO GENOTÓXICO E CITOTÓXICO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS METOMIL E CLORPIRIFÓS EM CÉLULAS MERISTEMÁTICAS DE ALLIUM CEPA

EFEITO GENOTÓXICO E CITOTÓXICO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS METOMIL E CLORPIRIFÓS EM CÉLULAS MERISTEMÁTICAS DE ALLIUM CEPA EFEITO GENOTÓXICO E CITOTÓXICO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS METOMIL E CLORPIRIFÓS EM CÉLULAS MERISTEMÁTICAS DE ALLIUM CEPA KÁTIA MAIARA VENTURINI 1,2*, MAICOL DE MATTOS 1,2, RODRIGO PATERA BARCELOS 1,3 NATAN

Leia mais

MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações

MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações MÉTODOS CLÁSSICOS DE ANÁLISE QUÍMICA QUANTITATIVA A análise química pode ser definida como o uso de um ou mais processos que fornecem informações sobre a composição de uma amostra. Método: é a aplicação

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES Propriedades coligativas são propriedades de uma solução que dependem exclusivamente do número de partículas do soluto dissolvido e não da sua natureza. Cada uma dessas

Leia mais

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose 1 2 3 Tuberculose Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose ETIOLOGIA Família: Mycobacteriaceae Ordem: Actinomycetalis

Leia mais

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana

Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Início do Desenvolvimento Humano: 1ª Semana Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswenedhell@gmail.com Fertilização Normalmente o local

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira Transporte através da Membrana Plasmática CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira A membrana plasmática é formada por 2 camadas ( Bicamada ) de lipídios

Leia mais

Termodinâmica. Energia pode produzir Trabalho Trabalho pode produzir Energia. E ou T = Força x Distância = ML 2.T -2

Termodinâmica. Energia pode produzir Trabalho Trabalho pode produzir Energia. E ou T = Força x Distância = ML 2.T -2 Termodinâmica I - Introdução Energia pode produzir Trabalho Trabalho pode produzir Energia Energia e Trabalho são definidos pela Força vezes a distância percorrida pela força: E ou T = Força x Distância

Leia mais

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citosol é a porção liquida do interior das células e de organismos intracelulares. O termo foi introduzido em 1965, como o conteúdo liberado quando células eram

Leia mais

CONGELAMENTO E REFRIGERAÇÃO

CONGELAMENTO E REFRIGERAÇÃO Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina CONGELAMENTO E REFRIGERAÇÃO Discentes: Géssica Cristina de Lima Lino Thiago Henrique de Lima Lino Docente: Prof. Admilson Lopes Vieira Disciplina:

Leia mais

BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio

BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio Comentário Geral A prova de biologia da UFPR 2015/2016 se mostrou sem maiores dificuldades referentes a conteúdo para nossos alunos! Foi uma prova abrangente

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3.1 Bactérias CLASSIFICAÇÃO: Bactérias Quanto a respiração: Aeróbicas: crescem apenas na presença de O 2. Anaeróbicas: crescem em ausência

Leia mais

Interacções da radiação

Interacções da radiação Interacções da radiação Maria Filomena Botelho Radiações ionizantes envolvimento de material radioactivo Emissão de vários tipos de radiação partículas α partículas β radiação electromagnética Capacidade

Leia mais

Equilíbrio Físico. Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier

Equilíbrio Físico. Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier 1 Equilíbrio Físico Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier 2 Equilíbrio Físico Estamos rodeados por substâncias que mudam de uma forma a

Leia mais

Membranas Biológicas. Aula I

Membranas Biológicas. Aula I Membranas Biológicas Aula I As Membranas Biológicas características gerais: As membranas biológicas basicamente definem compartimentos Determinam a comunicação entre o lado interno com o lado externo

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA O sorteio do tema da prova discursiva ocorrerá

Leia mais

Abril Educação Matéria e energia - átomos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Matéria e energia - átomos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Matéria e energia - átomos Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Relacione as colunas: a) Matéria ( ) Acontecimento observado que ocorre na natureza ou seja provocado.

Leia mais

Aula Prática No 1. Introdução aos conceitos gerais de Biologia do Desenvolvimento

Aula Prática No 1. Introdução aos conceitos gerais de Biologia do Desenvolvimento Aula Prática No 1. Introdução aos conceitos gerais de Biologia do Desenvolvimento A palavra "Desenvolvimento" está relacionada com mudanças progressivas que ocorrem na vida dos organismos. Essas mudanças

Leia mais

Membranas biológicas

Membranas biológicas Citologia e Histologia Membranas biológicas Composição e Estrutura Prof a Dr a. Iêda Guedes Membranas biológicas 1. Considerações gerais 2. Estrutura de membrana 3. Lipídeos de membrana 4. Proteínas de

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Água Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física. UNESP São José do Rio Preto. SP. A água é fundamental para os seres vivos, atua como solvente

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA Permeabilidade Saturação [S] Como pode cair no enem? (ENEM) A lavoura arrozeira na planície costeira da região sul do Brasil comumente

Leia mais

3002 Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO 2

3002 Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO 2 1ª SÉRIE MANHÃ 07h30min 3001 Fundamentos de Matemática 08h20min 09h10min 3001 Fundamentos de Matemática Biologia Celular / Processo 4178/2017) Biologia Celular / Processo 4178/2017) Biologia Celular /

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

Professora MSc Monyke Lucena

Professora MSc Monyke Lucena Professora MSc Monyke Lucena Está presente em todas as células. Em algumas células, há envoltórios adicionais externos à membrana são as membranas esqueléticas (paredes celulares) Na célula vegetal: membrana

Leia mais

Biologia. Inter-relações nos ecossistemas

Biologia. Inter-relações nos ecossistemas Biologia FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à Biologia O que é vida? O que é ciência O método científico Experimentos: fazendo ciência O cientista inserido em seu tempo Ciência e ética Módulo 2 Origem da

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA Programa de Disciplina Nome: Química Geral II IQ Código: IQG 120 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

Embebição. Síntese de RNA e proteínas. enzimática e de organelas. Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação. Crescimento da plântula

Embebição. Síntese de RNA e proteínas. enzimática e de organelas. Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação. Crescimento da plântula Embebição Respiração Atividade enzimática e de organelas Síntese de RNA e proteínas Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação Crescimento da plântula Manifestações metabólicas ou bioquímicas

Leia mais

OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL PLANO DA INTERVENÇÃO

OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL PLANO DA INTERVENÇÃO OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL Autor: Cláudia Lucher de Freitas PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DNA é a sigla dada para o ácido desoxirribonucléico, que é um complexo de moléculas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Membrana Plasmática Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com Membrana Plasmática (MP) A MP mantem constante o meio

Leia mais

Experimentos de Química Orgânica

Experimentos de Química Orgânica Experimentos de Química Orgânica Conhecimento dos procedimentos experimentais Montagem dos equipamentos e execução da reação REAGENTES PRODUTO PRINCIPAL + PRODUTOS SECUNDÁRIOS SOLVENTES + CATALISADORES

Leia mais

REGISTRO DE INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA. Autor: Cassiano Rodrigues PLANO DA INTERVENÇÃO

REGISTRO DE INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA. Autor: Cassiano Rodrigues PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA PLANO DA INTERVENÇÃO Autor: Cassiano Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO A extração de ácidos nucléicos (DNA e/ou RNA) geralmente é a primeira de várias etapas para o

Leia mais

USO DO FILTRO DE CELULOSE E PAPEL FILTRO PARA REDUÇÃO DO VOLUME DA SOLUÇÃO CRIOPROTETORA NA VITRIFICAÇÃO DE EMBRIÕES MURINOS RESUMO INTRODUÇÃO

USO DO FILTRO DE CELULOSE E PAPEL FILTRO PARA REDUÇÃO DO VOLUME DA SOLUÇÃO CRIOPROTETORA NA VITRIFICAÇÃO DE EMBRIÕES MURINOS RESUMO INTRODUÇÃO ARTIGO DE ORIGINAL ISSN 2238-1589 USO DO FILTRO DE CELULOSE E PAPEL FILTRO PARA REDUÇÃO DO VOLUME DA SOLUÇÃO CRIOPROTETORA NA VITRIFICAÇÃO DE EMBRIÕES MURINOS Willian Daniel Pessoa 1, Fabiane Aparecida

Leia mais

HORÁRIO 2016/2 (CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA UFG JATAÍ) - 2º PERÍODO HORA SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 7:30-8:20h. Metabolismo Celular (T)

HORÁRIO 2016/2 (CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA UFG JATAÍ) - 2º PERÍODO HORA SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 7:30-8:20h. Metabolismo Celular (T) HORÁRIO 2016/2 (CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA UFG JATAÍ) - 2º PERÍODO Histologia Vet. II (P2) Anatomia Vet. II (T) Bioestatística (T) Metabolismo Celular (T) Anatomia Vet. II (P3) Lab. Microscopia - (22

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia O Músculo Estriado Esquelético Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs

Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Segunda e Terceira Lei da Termodinâmica Entropia Energia Livre de Gibbs Primeira Lei da Termodinâmica U = q

Leia mais

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas: São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química,

Leia mais

Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC

Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC Fisiologia-Curso de Nutrição Carga Horária: 80 Horas Referência Básica: GUYTON, Arthur C. HALL, John E. Tratado de fisiologia médica. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier

Leia mais

Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar. Rafael Borges Coordenador de P&D

Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar. Rafael Borges Coordenador de P&D Remoção de amido sem residual de alfa-amilases no açúcar Rafael Borges Coordenador de P&D AGENDA Prozyn Bio Solutions Ação enzimática Amido como espessante em alimentos Residual de amilase em açúcar StarMax

Leia mais

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL Fenômenos relacionados com a água: Transpiração Absorção e transporte de água Transporte de açúcares Nutrição mineral Pigmentos Crescimento e desenvolvimento

Leia mais

SUCROENERGÉTICO ÁLCOOL E AÇÚCAR. O setor sucroenergético conta com a ajuda da Prozyn para vencer os desafios crescentes neste mercado.

SUCROENERGÉTICO ÁLCOOL E AÇÚCAR. O setor sucroenergético conta com a ajuda da Prozyn para vencer os desafios crescentes neste mercado. SUCROENERGÉTICO ÁLCOOL E AÇÚCAR O setor sucroenergético conta com a ajuda da Prozyn para vencer os desafios crescentes neste mercado. Apoiado em sólida experiência e amplo portfólio de enzimas, nosso time

Leia mais

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Curso de Graduação em Biotecnologia Disciplina de Transgênese Animal Transferência gênica mediada por espermatozóides

Leia mais

25/08/2014 CÉLULAS. Células Procariontes. Raduan. Célula Eucarionte Vegetal. Raduan

25/08/2014 CÉLULAS. Células Procariontes. Raduan. Célula Eucarionte Vegetal. Raduan CÉLULAS Células Procariontes Célula Eucarionte Vegetal 1 Célula Eucarionte Animal Núcleo Citoplasma Célula Animal Estrutura geral Membrana citoplasmática Mitocôndrias Retículo endoplasmático Complexo de

Leia mais

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1. TIPOS DE SOLUÇÕES Solução é uma mistura homogênea de

Leia mais

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO AULA 3 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Potencial de membrana Separação de cargas opostas ao longo da membrana plasmática celular

Leia mais

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA?

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA? O QUE É A FISIOLOGIA? A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... Biologia Molecular Bioquímica Psicologia Histologia Biologia Celular Anatomia Genética Medicina Biofísica MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... A

Leia mais

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução aos métodos titulométricos volumétricos Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Definições ² Métodos titulométricos: procedimentos quantitativos

Leia mais