Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans"

Transcrição

1 Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans Cristiane Bashiyo-Silva¹; Douglas de Castro Ribeiro¹; Jumma Miranda de Araújo Chagas¹; Raphael da Silva Costa¹; Rosicleire Veríssimo-Silveira¹; Alexandre Ninhaus-Silveira¹ 1 Universidade Estadual Paulista, Laboratório de Ictiologia Neotropical, Departamento de Biologia e Zootecnia, Ilha Solteira, SP. INTRODUÇÃO A ictiofauna neotropical possui pouco mais de espécies formalmente descritas e catalogadas de peixes de água doce (BUCKUP et al., 2007), porém, apenas 0,7% de todas as espécies brasileiras tiveram qualquer aspecto do sua biologia espermática abordada até agora (VIVEIROS; GODINHO, 2009). A caracterização seminal de uma espécie é fundamental para o conhecimento de sua biologia reprodutiva, fator indispensável para sua produção em cativeiro, com vistas à produção comercial e a conservação da espécie (VIVEIROS; GODINHO, 2009). O Pseudoplatystoma corruscans é uma das maiores espécies dentro da família Pimelodidae. Sua distribuição é restrita a bacia do Rio Paraná e São Francisco, e observa-se que suas populações naturais vêm se reduzindo drasticamente ao longo dos anos (LUNDBERG; LITMANN, 2003). Acerca do exposto este trabalho teve como objetivo avaliar as características seminais, a morfometria e eventuais anomalias do espermatozoide do P. corruscans. MATERIAL E MÉTODOS Foram utilizados 12 machos adultos com peso médio de 6,9±1,2 kg e comprimento total de 83,5±4,8 cm, provenientes da Estação Ambiental de Volta Grande/CEMIG, Conceição das Alagoas, MG. O sêmen foi coletado após leve massagem celomática, em tubos plásticos fracionados. As características seminais foram avaliadas por meio dos seguintes parâmetros: volume total, coloração, viscosidade, taxa e duração da motilidade, e concentração espermática. Uma alíquota de sêmen foi fixada em solução formol-salina (1:10000; sêmen:fixador), corado com corante Rosa Bengala (1:1; sêmen:corante) para análises morfometricas e quantificação das anomalias espermáticas. As lâminas histológicas confeccionadas foram analisadas em microscópio de luz acoplado com câmera digital Axiocam MRc5 Zeiss ao seu programa de análise de imagens. Para a determinação da morfometria foram feitas medidas em 15 espermatozoides por macho, sendo avaliados os seguintes parâmetros: comprimento total (CT), comprimento da cabeça (CC), diâmetro da cabeça (DC), largura da peça intermediaria (LPI), comprimento do flagelo (CF) (Fig. 1).

2 Diâmetro da cabeça (DC) Diâmetro da Comprimento da cabeça (CC) Figura 1 Esquema do espermatozoide de P. corruscans, apontando as medidas avaliadas. Na análise das anomalias, foram avaliados cerca de 100 espermatozoides por macho, sendo identificadas as seguintes alterações: cabeça isolada (ci), macrocefalia (mac), cauda enrolada (ce), cauda dobrada (cd), cauda quebrada (cq). RESULTADOS O volume seminal médio coletado foi de 7,1 ml (±3,6), de aspecto denso e coloração variando de branco leitoso a levemente amarelado. A taxa e duração da motilidade do sêmen fresco foi em média 42,2±14,8% e 80,4±21 s, respectivamente. A densidade espermática apresentou valores de 1,2±0,73x10 9 espermatozóides por ml -1 (Tab. 1).

3 Tabela 1 Dados individualizados de peso (K); tamanho (cm); volume seminal (ml); motilidade espermática (%); tempo de motilidade (s); concentração espermática (ml) e viabilidade (%), com seus respectivos valores médios e desvios padrão do sêmen do P. corruscans. O espermatozoide de P. corruscans, apresentou tamanho total médio de 34,04±1,85 µm, morfologicamente apresenta cabeça arredondada (DC=3,63±0,26 µm e CC=4,87±0,40 µm), peça intermediária com formato de meia lua (LPI=2,57±0,45 µm) e flagelo com comprimento de 29,17±1,75 µm. O numero de anomalias morfológicas encontradas foi em média 53,9±10,54 %, em relação aos espermatozoides normais. Dentre elas verificou-se que cerca de 20,5±12,0% apresentaram ci; 0,8±1,7% mac; 23,7±10,1% ce; 5,6±4,8% cd; 3,3±2,2% cq, (Fig. 2).

4 Figura 2-Diferentes defeitos morfológicos encontrados em espermatozoides de P. corruscans. A- Espermatozoide normal; B, C e D -Representa três padrões de cauda enrolada: B- Cauda enrolada em si mesma, C- Cauda espiralada e D- enrolada só na ponta da cauda; E- Cabeça isolada; F e G- Formas encontradas de espermatozoides com cauda dobrada; H- Macrocefalia; I-Espermatozoide com cauda quebrada. Escala: 5 um, Objetiva:100x. Rosa Bengala. DISCUSSÃO Devido à complexidade de se determinar a qualidade espermática, não se deve utilizar uma única característica do liquido seminal para se definir a melhor ou pior qualidade do sêmen (DREANNO et al., 1998; RURANGWA et al., 2004), uma vez que o processo evolutivo fez com que, peixes, de maneira geral, produzam diferentes tipos de espermatozoides e características seminais distintas, por sua intensa interação com outras espécies, evitando os cruzamentos interespecíficos (TABORSKY, 1998). Estudos sobre as características espermáticas vêm demonstrar que alguns parâmetros podem influenciar na capacidade de fertilização do espermatozoide, tais variações ocorrem naturalmente em diferentes espécies (FAUVEL et al., 1999; GEFFEN; EVANS, 2000). Com exceção da taxa de motilidade baixa no sêmen fresco, os parâmetros analisados apresentaram variações normalmente observadas em outros Siluriformes (CAROLSFELD et al., 2003). Mais analises serão realizadas, no intuito de enriquecer o estudo das características seminais do Pintado, e corroborar com eventuais trabalhos realizados dentro do grupo dos Siluriformes e sobre biologia reprodutiva. REFERÊNCIAS BUCKUP, P. A.; MENEZES, N. A.; GHAZZI, M. S. Catálogo das espécies de peixes de água doce do Brasil. Rio de Janeiro: Museu Nacional, p.

5 CAROLSFELD, J.; GODINHO, H. P.; ZANIBONI-FILHO, E; HARVEY, B. J. Cryopreservation of sperm in Brazilian migratory fish conservation. Journal of Fish Biology, v.63, p , DREANNO, C.; SUQUET, M.; DESBRUYÈRES, E.; COSSON, J.; LE DELLIOU, H.; BILLARD, R. Effect of urine on semen quality in turbot (Psetta maxima). Aquaculture, v.169, p , FAUVEL, C.; SAVOYE, O.; DREANNO, C.; COSSON, J.; SUQUET, M. Characteristics of sperm of captive seabass in relation to its fertilization potential. Journal of Fish Biology, v.54, p , GEFFEN, A. J.; EVANS, J. P. Sperm traits and fertilization success of male and sexreversed female rainbow trout (Oncorhynchus mykiss). Aquaculture, v. 182, n. 1, p , LUNDBERG, J. G.; LITMANN, M. W. Family Pimelodidae (long-whiskered catfishes). In: REIS, R. E.; KULLANDER, S.O.; FERRARIS JR., C. J. (Eds.). Check list of the freshwater fishes of South and Central America. Porto Alegre: Edipucrs, p , RURANGWA, E.; KIME, D. E.; OLLEVIER, F.; NASH, J. P. The measurement of sperm motility and factors affecting sperm quality in cultured fish. Aquaculture, v.234, p.1 28, TABORSKY, M. Sperm competition in fish: bourgeois males and parasitic spawning TREE, v. 13, n. 6, p , VIVEIROS, A. T. M.; GODINHO, H. P. Sperm quality and cryopreservation of Brazilian freshwater fish species: a review. Fish Physiology and Biochemistry, v.35, p , 2007.

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO Pinheiro, J. P. S. (1) ; Melo-Maciel, M. A. P. (1) ; Almeida, P.S. (1) ; Pinheiro, R.R.R. (1) ; Torres, T.M. (1) ; Leite, L.V.(1);

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras

Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras Criopreservação de sêmen de peixes no Brasil: estado da arte e perspectivas futuras (Fish semen cryopreservation in Brazil: state of the art and future perspectives) Alexandre Nizio Maria 1*, Paulo César

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

(ELASMOBRANCHII) DA BACIA AMAZÔNICA E BACIA DO PARANÁ: STATUS OSMORREGUTÓRIO CONSERVADOR APÓS CINCO MILHÕES DE ANOS DE ISOLAMENTO GEOGRÁFICO

(ELASMOBRANCHII) DA BACIA AMAZÔNICA E BACIA DO PARANÁ: STATUS OSMORREGUTÓRIO CONSERVADOR APÓS CINCO MILHÕES DE ANOS DE ISOLAMENTO GEOGRÁFICO 108 Potamotrygon motoro (ELASMOBRANCHII) DA BACIA AMAZÔNICA E BACIA DO PARANÁ: STATUS OSMORREGUTÓRIO CONSERVADOR APÓS CINCO MILHÕES DE ANOS DE ISOLAMENTO GEOGRÁFICO Wallice P. Duncan 1, Pamela T. Gabriel

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 38 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Observa-se que as bananeiras inibem o crescimento de outras espécies de vegetais plantadas próximo a elas. Para verificar se essa inibição é provocada por uma

Leia mais

Kits Didáticos. Laboratórios Portáteis

Kits Didáticos. Laboratórios Portáteis Kits Didáticos Laboratórios Portáteis Kit pedagógico de genética A Procura do Suspeito (Papiloscopia - Jogo) Kit na forma de jogo para o ensino fundamental e médio para ensino de genética de herança mendeliana

Leia mais

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada.

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É uma célula com mobilidade ativa, capaz de nadar livremente, consistindo em uma cabeça e uma cauda

Leia mais

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

Estrutura populacional em peixes de água doce. O que a genética conta sobre os grupos de peixes migradores

Estrutura populacional em peixes de água doce. O que a genética conta sobre os grupos de peixes migradores Estrutura populacional em peixes de água doce. O que a genética conta sobre os grupos de peixes migradores Pedro Manoel Galetti Junior Departamento de Genética e Evolução Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI

Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI Nos reservatórios: peixes migradores completam a vitelogênese mas a maturação final e a desova não ocorrem. Peixes muito importantes

Leia mais

MOTILIDADE Câmara de Makler

MOTILIDADE Câmara de Makler A Motilidade e a Motilidade Espermática Progressiva são realizadas por meio de vídeos neste programa. Não há item de ensaio. Para MOTILIDADE trata-se de dois casos retratados em dois vídeos, um obtido

Leia mais

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Band28 1/1/04 5:33 AM Page 1 Artigos Técnicos Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Este estudo visa a melhoria dos processos de resistência à corrosão, avaliando o desempenho

Leia mais

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 243 Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 Isis Bacelar Araújo 1, Ana Letícia Sirqueira Nascimento 2, Marina

Leia mais

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?.

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?. FÍSICA 2 MECÂNICA II 3. 4. Pêndulo Princípio simples de Arquimedes - Empuxo Parte I Medida da densidade de um sólido Parte II Medida da densidade de um líquido NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA PARTE

Leia mais

Qualidade das águas do Rio São João

Qualidade das águas do Rio São João 2014 01 Qualidade das águas do Rio São João O presente relatório é um compendio de estudos e dados - referentes ao mês de janeiro de 2014 - que integra o processo de monitoramento ambiental dos Rios São

Leia mais

A genética e a taxonomia de Mazama e seu papel na conservação das espécies

A genética e a taxonomia de Mazama e seu papel na conservação das espécies A genética e a taxonomia de Mazama e seu papel na conservação das espécies José Maurício Barbanti Duarte Departamento de Zootecnia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA A genética e a taxonomia de Mazama e seu

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Medicina Veterinária TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Mara Regina Bueno de M. Nascimento Mara Regina Bueno de M. Nascimento Profa. Adjunto III Jul./

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Monitoramento genético como ferramenta auxiliar no recrutamento de reprodutores do Surubim do São Francisco Pseudoplatystoma corruscans (Pisces;

Leia mais

Hormonal induction of the reproduction in jaú (Zungaro jahu): case report

Hormonal induction of the reproduction in jaú (Zungaro jahu): case report Hormonal induction of the reproduction in jaú (Zungaro jahu): case report Carp pituitary, induced reproduction, migratory fish. Mariana Martins Drumond 1 * Marinez Moraes de Oliveira 1 Priscila Vieira

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Eneder Rosana Oberst - Faculdade de Veterinária Liane Margarida Rockenbach Tarouco - Pós-graduação em Informática da Educação Mary

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS ENCONTRADAS NO SÊMEN DE REPRODUTORES SUÍNOS (Sus scrofa) MORPHOLOGICAL CHANGES FOUND IN SEMEN BREEDING PIG (Sus scrofa)

ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS ENCONTRADAS NO SÊMEN DE REPRODUTORES SUÍNOS (Sus scrofa) MORPHOLOGICAL CHANGES FOUND IN SEMEN BREEDING PIG (Sus scrofa) ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS ENCONTRADAS NO SÊMEN DE REPRODUTORES SUÍNOS (Sus scrofa) MORPHOLOGICAL CHANGES FOUND IN SEMEN BREEDING PIG (Sus scrofa) Guilherme OBERLENDER Médico Veterinário, Doutorando em Zootecnia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DA CARPA Cyprinus carpio, LINNAEUS, 1758

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DA CARPA Cyprinus carpio, LINNAEUS, 1758 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DA CARPA Cyprinus carpio, LINNAEUS, 1758 UNITERMOS: Sêmen, peixes; Espermatozóides, peixes; Peixes, carpa JOÃO CARLOS FERNANDES DE OLIVEIRA Mestre em Reprodução Animal Faculdade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO Aluno: Mayara Guilherme Marzano Orientadores: Sidnei Paciornik e Marcos Henrique de Pinho Maurício Resumo Desenvolver procedimentos automáticos,

Leia mais

Gymnotiformes. Gilmar Baumgartner Carla Simone Pavanelli Dirceu Baumgartner Alessandro Gasparetto Bifi Tiago Debona Vitor André Frana

Gymnotiformes. Gilmar Baumgartner Carla Simone Pavanelli Dirceu Baumgartner Alessandro Gasparetto Bifi Tiago Debona Vitor André Frana Gymnotiformes Gilmar Baumgartner Carla Simone Pavanelli Dirceu Baumgartner Alessandro Gasparetto Bifi Tiago Debona Vitor André Frana SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BAUMGARTNER, G., et al.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Comparação de dois modelos estatísticos visando a otimização da proporção de espermatozóides por ovócito da piabanha

Comparação de dois modelos estatísticos visando a otimização da proporção de espermatozóides por ovócito da piabanha Comparação de dois modelos estatísticos visando a otimização da proporção de espermatozóides por ovócito da piabanha Eduardo Shimoda UCAM-Campos-RJ, Facastelo-ES Rua Anita Peçanha, 100 Campos dos Goytacazes

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

Fenômeno de Transportes A PROFª. PRISCILA ALVES

Fenômeno de Transportes A PROFª. PRISCILA ALVES Fenômeno de Transportes A PROFª. PRISCILA ALVES PRISCILA@DEMAR.EEL.USP.BR Proposta do Curso Critérios de Avaliação e Recuperação Outras atividades avaliativas Atividades experimentais: Será desenvolvida

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA DE PEIXES DO PARQUE ESTADUAL

CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA DE PEIXES DO PARQUE ESTADUAL 1 CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA DE PEIXES DO PARQUE ESTADUAL Introdução MATA SÃO FRANCISCO Lenice Souza-Shibatta 1 Tamyres R. Chaves Fernanda C. Simeão Jaqueline L. A. Souza Aderson S. Lima-Filho João L.

Leia mais

Relação entre Perímetro Escrotal e Qualidade Seminal em Touros da Raça Nelore criados à pasto

Relação entre Perímetro Escrotal e Qualidade Seminal em Touros da Raça Nelore criados à pasto Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Relação entre Perímetro Escrotal e Qualidade Seminal em

Leia mais

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I ATO Nº 0 DE DE SETEMBRO DE 008 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DA ESPÉCIE CENTEIO (Secale cereale) L. I. OBJETIVO Estas instruções

Leia mais

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849)

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Luis David Solis Murgas 1, Renan Toledo Franciscatto 2, Anna Graciela Oliveira Santos 3 RESUMO - O experimento

Leia mais

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA

1º SIMULADO DISCURSIVO IME FÍSICA FÍSICA Questão 1 Considere o veículo de massa M percorrendo uma curva inclinada, de ângulo, com raio R constante, a uma velocidade V. Supondo que o coeficiente de atrito dos pneus com o solo seja, calcule

Leia mais

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística/Introdução a Estatística

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística/Introdução a Estatística /Introdução a Professor: Assunto(s): Curso(s): William Costa Rodrigues Inferência ; Tipo de Variáveis, Tipos de Amostras; Tamanho da Amostra; Medidas de tendência central: Medidas de Variação. Engenharia

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS

Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS Trabalho 2: Projeto Elétrico e de Leiaute de um Inversor CMOS 1. Introdução Dieison Soares Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF

11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF 11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF Avaliação de pontas de pulverização utilizadas em diferentes empresas florestais na aplicação do herbicida pré-emergente Fordor 750 WG. Eng. Agro.MS.João Alexandre Galon R T

Leia mais

LOTE 01 Foto para Referência

LOTE 01 Foto para Referência ADESÃO AO MENOR PREÇO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA NAS UNIDADES DO SESC RIO SESC/ARRJ Nº 05/24 PROCESSO Nº 42.358/24 O

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 10 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 2- Preparações Microscópicas: Preparações a Fresco Introdução O olho humano é incapaz

Leia mais

Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree)

Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree) Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Análise Técnico-Econômica do Cultivo e Extração do Óleo Essencial de Melaleuca alternifolia Cheel (Tea Tree)

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

MOTILIDADE, VELOCIDADE E FERTILIDADE DO SÊMEN DE SURUBIM-DO-PARAÍBA Steindachneridion parahybae (Siluriformes) CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES DILUIDORES

MOTILIDADE, VELOCIDADE E FERTILIDADE DO SÊMEN DE SURUBIM-DO-PARAÍBA Steindachneridion parahybae (Siluriformes) CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES DILUIDORES RAFAEL VENÂNCIO DE ARAÚJO MOTILIDADE, VELOCIDADE E FERTILIDADE DO SÊMEN DE SURUBIM-DO-PARAÍBA Steindachneridion parahybae (Siluriformes) CRIOPRESERVADO EM DIFERENTES DILUIDORES LAVRAS - MG 2012 RAFAEL

Leia mais

Cometa Triplo. Cometa Duplo. NOME TAMANHO (cm) MATERIAL PESO (g) Ferro Chato e Mangueira LED g. Ferro Chato e Mangueira LED. 1.

Cometa Triplo. Cometa Duplo. NOME TAMANHO (cm) MATERIAL PESO (g) Ferro Chato e Mangueira LED g. Ferro Chato e Mangueira LED. 1. Catálogo de natal Cometa Triplo Cometa Triplo 140x170 cm 1.300g Cometa Duplo Cometa Duplo 80x80 cm 1.100g Cometa Duplo Cometa Pequeno Cometa Grande 130x50 cm 170x160 cm 1.100g 1.600g Estrela de 05 pontas

Leia mais

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar 1. Densidade relativa A densidade relativa é uma propriedade física característica de cada substância e a sua determinação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA ANÁLISE ESPACIAL DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DO BIOMA MATA ATLÂNTICA

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA 1ª AVALIAÇÃO CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV AVALIAÇÃO FINAL Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO Catierine Hirsch Werle RESUMO A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Indução da desova de curimba (Prochilodus lineatus) utilizando ecg E EBHC 1

Indução da desova de curimba (Prochilodus lineatus) utilizando ecg E EBHC 1 56(2): 156 156-160, 2009 Gilmara Junqueira Machado Pereira et al. ISSN 0034-737X Indução da desova de curimba (Prochilodus lineatus) utilizando ecg E EBHC 1 Gilmara Junqueira Machado Pereira 2 Luis David

Leia mais

EXAME ANDROLÓGICO EM GATOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) PELO MÉTODO DE ELETROEJACULAÇÃO

EXAME ANDROLÓGICO EM GATOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) PELO MÉTODO DE ELETROEJACULAÇÃO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 09, n. 09, p. 14 21 EXAME ANDROLÓGICO EM GATOS DOMÉSTICOS (FELIS CATUS) PELO MÉTODO DE ELETROEJACULAÇÃO VIEIRA D. K.; SUZANO, S. M. C.; PIRES, M. V. M.; ALVARENGA,

Leia mais

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos*

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos* O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1 Danielle Mayumi Tamazato Santos* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Assis. Departamento de Ciências Biológicas.

Leia mais

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto IPEF, n.23, p.53-56, abr.1983 Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto J.O. BRITO, L. E. G. BARRICHELO e F. SEIXAS ESALQ - USP, Depto. de Silvicultura - 13.400 - Piracicaba

Leia mais

Alice Grimm Departamento de Física Universidade do Paraná. Vicente Barros Departamento de Ciencias de la Atmosfera Universidad de Buenos Aires

Alice Grimm Departamento de Física Universidade do Paraná. Vicente Barros Departamento de Ciencias de la Atmosfera Universidad de Buenos Aires VARIABILIDADE INTERANUAL DA PRECIPITAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL/SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL SIMULADA PELO MODELO DE CIRCULAÇÃO GLOBAL DA ATMOSFERA CPTEC/COLA Iracema F. A Cavalcanti Centro de Previsão de Tempo

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA

FACULDADE DE MEDICINA Tenha em consideração o exercício que se segue. Sobre ele responda às questões seguintes: onsidere o sistema horizontal representado na figura, onde circula um fluido líquido, sem atrito B interno, de

Leia mais

Data e horário da realização: 15/02/2016 das 14 às 17 horas

Data e horário da realização: 15/02/2016 das 14 às 17 horas re UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA Exame de Seleção para o curso de mestrado em Física - 2016-1 Data e horário da realização: 15/02/2016

Leia mais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais LABORATÓRIO DE QUÍMICA AMBIENTAL 2º período de 2013 Aula S03: Validação em Análises Ambientais Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF www.ufjf.br/baccan NA QUÍMICA (ANALÍTICA) AMBIENTAL... Sonda

Leia mais

Considerações sobre amostragem de rochas

Considerações sobre amostragem de rochas Escolha do Tipo de Amostragem Considerações sobre amostragem de rochas Geoquímica de Rochas 2007 No geral, a seleção do tipo de amostragem e a definição de parâmetros para tanto se faz por: Forma e tamanho

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE.

RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE. RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE. Ailton Jacinto Silvério Junior, Ana Cristina Silva, Geraldo Freire, Lucirene Rodrigues, Mariana Garcez Stein e Mônica Negão. Resumo: A especificidade

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig

Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig Workshop da ABRAGE sobre Técnicas de Proteção da Fauna Ictiológica durante a Operação e Manutenção de UHE s Avaliação de risco de morte de peixes em usinas da Cemig Raoni Rosa Rodrigues Maiores riscos

Leia mais

ASSINATURAS GEOFÍSICAS DE ÁREAS

ASSINATURAS GEOFÍSICAS DE ÁREAS ASSINATURAS GEOFÍSICAS DE ÁREAS CONTAMINADAS: GPR Geofísica para a terceira idade Universidade de São Paulo IAG Departamento de Geofísica Objetivos Aplicação do radar de penetração no solo (GPR) em estudos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

VALORES REGISTRADOS PARA ADESÃO

VALORES REGISTRADOS PARA ADESÃO VALORES REGISTRADOS PARA ADESÃO LOTE 01 REGIÃO METROPOLITANA AQUÁTICA SLADE CONFECÇÕES LTDA - EPP ITEM 01 02 03 04 05 DESCRIÇÃO Bola Suíça: 55cm de diâmetro, Ideal para Fisioterapia, Pilates, Bobath, Yoga

Leia mais

Palavras-chave Entomologia, Morfometria, Abelhas sem ferrão.

Palavras-chave Entomologia, Morfometria, Abelhas sem ferrão. ESTUDO MORFOMÉTRICO DE ABELHAS JANDAÍRA (Melipona subnitida Duck) CRIADAS EM CORTIÇOS RACIONAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE PB. Whalamys Lourenço de Araújo¹; Rosilene Agra da Silva²; Patricio

Leia mais

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016)

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Skoog Capítulo 5: Erros em análises químicas 5-1. Explique a diferença entre: a) erro constante e erro proporcional b) Erro aleatório

Leia mais

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística Professor: Assunto(s): Curso(s): William Costa Rodrigues Inferência ; Tipo de Variáveis, Tipos de Amostras; Tamanho da Amostra; Medidas de tendência central: Medidas de Variação Ciências Contábeis Q1.

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra MICROBIOLOGIA António Veríssimo Paula Morais Medição do crescimento de E. coli Fundamento A verificação do desenvolvimento das populações de E. coli

Leia mais

Biologia reprodutiva e desova induzida de duas espécies de bagres (Osteichthyes: Siluriformes) da bacia do rio São Francisco

Biologia reprodutiva e desova induzida de duas espécies de bagres (Osteichthyes: Siluriformes) da bacia do rio São Francisco Biologia reprodutiva e desova induzida de duas espécies de bagres (Osteichthyes: Siluriformes) da bacia do rio São Francisco Edson Vieira Sampaio * e Yoshimi Sato Estação de Hidrobiologia e Piscicultura

Leia mais

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção natural Convecção forçada Convecção natural A transmissão de calor por convecção natural ocorre sempre quando um corpo é

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS INTERAÇÕES ENTRE SENTIDO DE CORTE E PROPRIEDADES DA MADEIRA DE Pinus elliottii, NA RUGOSIDADE

INFLUÊNCIA DAS INTERAÇÕES ENTRE SENTIDO DE CORTE E PROPRIEDADES DA MADEIRA DE Pinus elliottii, NA RUGOSIDADE INFLUÊNCIA DAS INTERAÇÕES ENTRE SENTIDO DE CORTE E PROPRIEDADES DA MADEIRA DE Pinus elliottii, NA RUGOSIDADE C. PINHEIRO *, M. C. S. ALVES, S. S. AMARAL *e-mail: cleversonpi@gmail.com Universidade Estadual

Leia mais

Campus de Toledo, Rua da Faculdade, 2550, Cep , C. P. l 520, Toledo-Pr,

Campus de Toledo, Rua da Faculdade, 2550, Cep , C. P. l 520, Toledo-Pr, Fertilização artificial de ovócitos e qualidade das larvas de Jundiá Cinza (Rhamdia quelen) (Quoy & Gaimardm, 1824) provenientes de reprodutores alimentados com diferentes níveis de energia digestível

Leia mais

Serra Circular CS315- Trifásica 2 Velocidades

Serra Circular CS315- Trifásica 2 Velocidades Serra Circular CS315- Trifásica 2 Velocidades 100mm/ (4") 140 x 90mm/ (5,5" x 3,5") 90mm/ (3,5") 100 x 90mm/ (4"x 3,5") Abertura máxima da morsa 145 mm / (5,7") Velocidades da lâmina de serra 18m/min/

Leia mais

DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO

DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro Quais compostos devemos derivar critérios

Leia mais

LINHA SAVOY Studio Saccaro

LINHA SAVOY Studio Saccaro LINHA SAVOY Studio Saccaro LINHA SAVOY Studio Saccaro CONCEITO Seu design foi concebido através do uso equilibrado das linhas retas. Minimalista, seus detalhes concedem elegância e sobriedade e a utilização

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS (Methods for evaluating the quality of cryopreserved sperm from brasilian Characiforms) Mônica Aline Parente MELO-MACIEL

Leia mais

Morfometria de Cachos, Frutos e Sementes de Attalea maripa (Aubl.) Mart: uma Espécie Nativa da Amazônia com Potencial para Produção de Biodiesel

Morfometria de Cachos, Frutos e Sementes de Attalea maripa (Aubl.) Mart: uma Espécie Nativa da Amazônia com Potencial para Produção de Biodiesel Morfometria de Cachos, Frutos e Sementes de Attalea maripa (Aubl.) Mart: uma Espécie Nativa da Amazônia com Potencial para Produção de Biodiesel Morphometric characterization of Bunches, Fruits and Seeds

Leia mais

GEORREFERENCIAÇÃO DE EMPRESAS BIOTECNOLÓGICAS NA EURO-REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL. Relatório de Execução

GEORREFERENCIAÇÃO DE EMPRESAS BIOTECNOLÓGICAS NA EURO-REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL. Relatório de Execução GEORREFERENCIAÇÃO DE EMPRESAS BIOTECNOLÓGICAS NA EURO-REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL Relatório de Execução Índice 1. Enquadramento e objectivo....3 2. Georreferenciação, caracterização e análise espacial

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum EM MACROPALHETAS

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma macropomum EM MACROPALHETAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA VINICIUS AUGUSTO DIAS FILHO CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI Colossoma

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 Avaliação de fratura de coluna e lesão de lombo em carcaça de suínos relacionada com altura do terceiro ponto da eletrocussão. Evaluation of vertebrae fracture and loin bruising at swine carcasses related

Leia mais

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Seminário Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas: Impactos Ambientais e Conflitos Sócio-econômicos PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E IMPACTOS SOBRE A ICTIOFAUNA Luiz Gustavo M. da Silva Universidade

Leia mais

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Manual do Proprietário Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Índice 1- Apresentação. 2- Instalação e Instruções. 3- Operação. 4- Limpeza. 5- Manutenção. 6- Possíveis Problemas e Soluções. 7- Esquema Elétrico.

Leia mais

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA F. M. A. S. COSTA 1, A. P. SILVA 1, M. R. FRANCO JÚNIOR 1 e R.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA QUÍMICA DE RAÍZES DE MANDIOCABA Rodrigo

Leia mais

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas e 29 lisas. A provável fórmula genética dos cruzantes

Leia mais

Determinação do poder rotatório específico das soluções

Determinação do poder rotatório específico das soluções Determinação do poder rotatório específico das soluções O poder rotatório específico vai ser determinado utilizando o polarímetro. É necessário proceder-se à calibração deste aparelho. Constituição e características

Leia mais