Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal"

Transcrição

1 Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda Ferreira Dias 3 1 Aluno do Curso de Zootecnia, Campus Araguaína. PIBIC/CNPq 2 Orientador, Bolsista do Programa Nacional de Pós Doutorado / CAPES, Ciência Animal Tropical, Campus Araguaína; 3 Co-orientadora, Profa. da Universidade Federal do Tocantins - EMVZ, Campus Araguaína. RESUMO Este trabalho teve por objetivo avaliar a viabilidade pós-descongelamento de embriões bovinos produzidos in vitro e congelados de forma lenta utilizando dois diferentes crioprotetores permeáveis, etilenoglicol (G1) e glicerol (G2). Os oócitos foram obtidos de folículos de ovários coletados em matadouro, sendo maturados, fecundados e cultivados in vitro. Após sete dias de cultivo, os blastocistos, blastocistos expandidos e iniciais que apresentaram boas características morfológicas segundo o manual da Sociedade Internacional de Transferência de Embriões - IETS (1998) foram envasados em palhetas de 0,25mL e congelados de forma lenta em máquina para congelamento de embriões seguindo metodologia específica para o protocolo de cada meio de congelamento utilizado. Após o descongelamento foram observadas as taxas de reidratação e eclosão até 72 h. Os embriões bovinos produzidos in vitro e congelados de forma lenta em meio contendo etilenoglicol apresentaram maior taxa de reidratação e eclosão comparados aos embriões congelados em meio contendo glicerol. Palavras-chave: criopreservação; FIV; MIV, PIV. INTRODUÇÃO Na última década a PIV em bovinos tornou-se importante ferramenta comercial para o melhoramento genético do rebanho mundial e brasileiro, sendo amplamente utilizada para esse fim (RODRIGUES et al., 1999; VITROGEN, 2004). O congelamento de embriões é o processo pelo qual deseja-se levar o metabolismo celular ao estado de quiescência, para que este possa ser restabelecido após um período de estocagem por tempo indeterminado, continuando seu desenvolvimento normal. (GORDON, 1994).

2 Rodrigues (2011) afirma que todos os protocolos para congelamento de oócitos e embriões celular têm por natureza a preocupação pela não formação de cristais de gelo durante a congelação e reaquecimento. Se os embriões forem congelados sem a presença de crioprotetores, permeáveis ou de membranas, a formação de cristais de gelo intracelulares e/ou compressões por formação destes cristais extracelulares iriam provocar lesões irreversíveis ao embrião. Em contra partida, a água presente no interior das células é substituída por crioprotetores e os embriões são desidratados à medida que a temperatura vai baixando. Por estas razões a utilização dos mesmos é imprescindível para que sejam alcançados bons resultados, tornando-se um dos pontos chaves para o sucesso da PIV e TE. MATERIAL E MÉTODOS O projeto foi conduzido no Laboratório Brio Genética e Biotecnologia Ltda., localizado no município de Araguaína-TO. Os ovários coletados em abatedouro localizado no mesmo município eram de vacas predominantemente zebuínas e foram transportados em uma solução salina tamponada com fosfato (PBS) adicionado de antibióticos (penicilina e estreptomicina) e mantidos a temperatura de 35º C até o inicio da aspiração folicular. Logo após a aspiração, os oócitos foram submetidos ao processo de maturação, seguido pela fertilização, segundo (GORDON, 1994). No 7 dia após fertilização (D7) os embriões classificados como blastocistos, blastocistos expandidos e iniciais, e que apresentaram boas características morfológicas segundo metodologia de avaliação da Sociedade Internacional de Transferência de Embriões IETS (1998) foram criopreservados. Os 193 embriões selecionados foram divididos aleatoriamente em dois grupos com diferentes crioprotetores, ambos congelados pelo processo lento através da máquina para congelação de embriões e sêmen TK, modelo PK1000, respeitando o limite de sete embriões envasados por palheta e armazenados em botijão contendo nitrogênio líquido. No etilenoglicol (G1) foram utilizados 56 blastocistos, expostos diretamente em meio contendo etilenoglicol 1,5 M com 0,4 % BSA e 0,1M Sacarose, enquanto no glicerol (G2) foram utilizados 137 blastocistos, os quais foram expostos a três diferentes concentrações: concentração 1 com 0,4% Albumina sérica bovina (BSA) em Embriolife Base; concentração 2 com 5% Glicerol, 0,1M Sacarose em Embriolife Base e concentração 3

3 com 10% Glicerol, 0,1M Sacarose em Embriolife Base, em três diferentes etapas, cada qual de 5 minutos de exposição ao glicerol. O descongelamento dos embriões foi feito em duas passagens: cinco segundos no ar e 15 segundos em banho-maria entre C. Após este período, os embriões do G1 receberam dois banhos de cinco minutos, em duas distintas gotas contendo meio de cultivo para embriões in vitro. Já os embriões do G2 receberam três banhos de cinco minutos, em três distintas gotas contendo meio para descongelamento específico para o meio utilizado no congelamento, recomendado pela empresa fabricante. Após os banhos para retirada do crioprotetor, todos os embriões voltaram à estufa. As avaliações foram feitas utilizando como parâmetros as taxas de reidratação após o reaquecimento e as taxas de eclosão após a re-introdução nas incubadoras. As observações foram feitas 24, 48 e 72 horas após o descongelamento dos embriões. RESULTADOS E DISCUSSÃO No total foram coletados 218 ovários, obtendo-se 828 oócitos, que proporcionaram a produção e congelamento de 359 embriões, dos quais 193 foram descongelados e 166 descartados. No parâmetro reidratação, para o etilenoglicol, o melhor resultado foi com 72 horas após o descongelamento (35,7%), mas, para o glicerol, a melhor taxa de reidratação foi obtida com 24 horas após o descongelamento (19%). Quanto às médias encontradas, nas primeiras 24 horas pós-descongelamento não houve diferença significativa, mas, com 48 e 72 horas após, o etilenoglicol se mostrou melhor quando comparado com o glicerol (Tabela 1). Tabela 1. Número de embriões reidratados e não reidratados e suas respectivas taxas. 24 h 48 h 72 h Etileno Glicerol Etileno Glicerol Etileno Glicerol Embriões reidratados Embriões reidratados (%) 25, ,14-35,7 3,6 Média de embriões reidratados 1,88a 1,3a 2b 0a 2,22b 0,25a Embriões não reidratados Embriões não reidratados (%) 69,6 81,2 67, ,2 96,3 *Médias com letras minúsculas diferentes na mesma linha diferem significativamente pelo teste SNK (P 0,05)

4 Dalcin (2010) afirma que o acúmulo excessivo de lipídeos nos embriões bovinos de PIV pode reduzir a taxa de sobrevivência embrionária após o reaquecimento. Sendo assim, o acúmulo de lipídeos pode ter sido um dos fatores a diminuir a reidratação dos embriões congelados. Nicacio (2004), afirma que embriões produzidos in vivo e in vitro diferem em alguns aspectos quanto à morfologia, a velocidade de desenvolvimento, o metabolismo e a expressão gênica e que devido a estas diferenças, os embriões produzidos in vitro são mais sensíveis à congelação. O etilenoglicol e o glicerol são considerados crioprotetores permeáveis menos tóxicos quando comparados a outros da mesma classe, no entanto o nível de toxicidade pode variar (Rodrigues, 2011). Serapião e colaboradores em 2005 encontraram taxas de eclosão em embriões PIV criopreservados com etilenoglicol 1,8 M de (38,6%), o que mostra a viabilidade do uso de valores superiores a 1,2 M, o recomendado para os processos em congelação lenta. Sugere-se então maior toxicidade do glicerol quando comparado ao etilenoglicol. A partir das observações feitas 24, 48 e 72 horas, avaliando as estruturas embrionárias após o descongelamento, foram obtidos 21 blastocistos eclodidos, sete blastocistos em eclosão, 22 blastocistos expandidos, cinco blastocistos, dois blastocistos regredidos e 136 embriões degenerados, impossibilitando a identificação de seu estágio de desenvolvimento (Tabela 2). Tabela 2. Estágios embrionários obtidos após o descongelamento. Inicial em Eclosão Eclodido Expandido 24 horas 48 horas 72 horas Etileno Glicerol Etileno Glicerol Etileno Glicerol total % total % total % total % total %

5 Para blastocistos eclodidos, sugere-se uma melhor taxa com 72 horas após o descongelamento para o grupo etilenoglicol. Já para o tratamento com glicerol nenhum blastocisto eclodiu, evidenciando novamente a possibilidade de maior toxidez. Alvarez (2008) afirma que o apesar das taxas de prenhez serem semelhantes entre os embriões congelados com glicerol e etilenoglicol, atualmente o etilenoglicol em substituição ao glicerol, tornou possível a transferência do embrião diretamente no útero da receptora, sem necessidade de retirar o embrião da palheta em que foi congelado. Conclui-se, portanto que os embriões bovinos produzidos in vitro e congelados de forma lenta em meio contendo etilenoglicol apresentaram maior taxa de reidratação comparados aos embriões congelados em meio contendo glicerol. LITERATURA CITADA ALVAREZ, R. H. Fatores determinantes do sucesso de um programa de transferência de embriões bovinos Disponível em: Acesso em: Agosto DALCIN, L. Avaliação do citoesqueleto, padrão de atividade mitocondrial e ultraestrutura de embriões ovinos produzidos in vivo congelados ou vitrificados em etilenoglicol, p. Dissertação (mestrado)- Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária. Universidade de Brasília. GORDON, I.A. Laboratory production of cattle embryos. CAB international, p NICACIO, A. C. Avaliação do desenvolvimento após a criopreservação de embriões bovinos produzidos in vitro, p. Tese (doutorado)- Faculdade de Medicina veterinária e Zootecnia da USP. Universidade de São Paulo. RODRIGUES, P.B.R. Estudo de alguns aspectos da criopreservação de embriões bovinos da raça Frísia Holstein na rotina de uma unidade de transferência de embriões, p. Dissertação (mestrado)- Faculdade de Medicina Veterinária. Faculdade técnica de Lisboa. SERAPIÃO, R.V.; SÁ, W.F.; FERREIRA, A.D. et al. Criopreservação de embriões bovinos produzidos in vitro. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v.12, n.1/3, p.58-61, AGRADECIMENTOS Ao Brio genética e biotecnologia e toda sua equipe, por terem fornecido toda a estrutura necessária para o desenvolvimento das atividades, ao CNPq pelo financiamento do projeto e CAPES pela concessão da bolsa de pós doutorado.

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS EMBRIONÁRIAS DE BOVINOS PÓS VITRIFICAÇÃO NA REGIÃO NORTE DO TOCANTINS Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda Ferreira Dias 3, 1 Aluno do Curso

Leia mais

Criopreservação de Embriões

Criopreservação de Embriões UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo 1. A fertilização é o evento que decorre a partir do encontro dos gametas masculino e feminino. No trato reprodutivo da fêmea bovina em qual local ocorre a fertilização? (a) Útero (b) Tuba uterina (c)

Leia mais

ABS NEO. Genética Matinha. O futuro que começou há 40 anos inova mais uma vez.

ABS NEO. Genética Matinha. O futuro que começou há 40 anos inova mais uma vez. P R O N T O P A R A Q U E M Q U E R M A I S ABS NEO Genética Matinha O futuro que começou há 40 anos inova mais uma vez. P R O N T O P A R A Q U E M Q U E R M A I S CONHEÇA O ABS NEO Já são 75 anos conquistando

Leia mais

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

Criopreservação de embriões

Criopreservação de embriões Criopreservação de embriões Vicente J.F. Freitas Biotecnologia da Reprodução Animal Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr Aula ministrada por: M.Sc. Ribrio Ivan T. P. Batista

Leia mais

Criopreservação de Oócitose Embriões

Criopreservação de Oócitose Embriões Universidade Federal de Pelotas Graduação em Biotecnologias Manipulação de Gametas e Embriões 5ª Aula: Criopreservação de Oócitose Embriões Priscila Marques Moura de Leon Doutoranda PPGB, Médica Veterinária

Leia mais

Cultivo de células animais e humanas

Cultivo de células animais e humanas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Minicurso: Cultivo de células animais

Leia mais

CEMIG Companhia Energética de Minas Gerais REPRODUÇÃO DE ESPÉCIES DE PIRACEMA

CEMIG Companhia Energética de Minas Gerais REPRODUÇÃO DE ESPÉCIES DE PIRACEMA CEMIG Companhia Energética de Minas Gerais REPRODUÇÃO DE ESPÉCIES DE PIRACEMA PIRACEMA Pira=Peixe Cema=Canto Redução dos Estoques de Peixes 1. Pesca Predatória: desenvolvimento da industria pesqueira;

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

Técnicas/conceitos para cultivo celular

Técnicas/conceitos para cultivo celular Técnicas/conceitos para cultivo celular Lavagem e preparo do material para cultura de células A vidraria utilizada para cultura de células deve ser exclusiva e processada separadamente das demais. A vidraria

Leia mais

Congelamento de Todos os Embriões? (Freeze-all?) Aba Maheshwari

Congelamento de Todos os Embriões? (Freeze-all?) Aba Maheshwari Congelamento de Todos os Embriões? (Freeze-all?) Aba Maheshwari Você acha que é o momento de modificar a FIV, adotandose o congelamento de todos os embriões e transferência em um ciclo de descongelamento?

Leia mais

Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles

Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles 1/28 Strategies for the management of the OHSS: results of freezing-all cycles Edson Borges Jr., Daniela Paes Almeida Ferreira Braga, Amanda S Setti, Livia Silva Vingris, Rita Cássia S Figueira, Assumpto

Leia mais

Com que trabalho? Viva Caatinga! Pesquisadora

Com que trabalho? Viva Caatinga! Pesquisadora Profissão Tipo de atividade: fechada Tipo de inteligência: visual e verbal Com que trabalho? Vamos conhecer o trabalho de uma pesquisadora que escolheu o Semiárido para realizar seu estudo? Assista ao

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese

Transferência gênica mediada por espermatozóides (SMGT) e Nanotransgênese Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Curso de Graduação em Biotecnologia Disciplina de Transgênese Animal Transferência gênica mediada por espermatozóides

Leia mais

Introdução ao Cultivo Celular. Professora Melissa Kayser

Introdução ao Cultivo Celular. Professora Melissa Kayser MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA Introdução ao

Leia mais

Rede de Pesquisa do Ovário Artificial

Rede de Pesquisa do Ovário Artificial Rede de Pesquisa do Ovário Artificial Coordenador Instituição Executora Vigência Número de pesquisadores envolvidos Projetos associados a Rede/Coordenadores Importância da tecnologia do ovário artificial

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 1. OBJETIVO Realizar o descongelamento dos hemocomponentes criopreservados, de forma a preservar os seus constituintes, garantindo assim eficácia e a qualidade

Leia mais

Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano.

Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano. Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano. Beatriz Barbosa Coutinho 1 (IC)*, Joyce Caroliny dos Santos Lopes 1 (PG), Camila da Silva Castro

Leia mais

Efeito do transporte no desenvolvimento de embriões bovinos cultivados in vitro a fresco ou reaquecidos após vitrificação

Efeito do transporte no desenvolvimento de embriões bovinos cultivados in vitro a fresco ou reaquecidos após vitrificação Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.35, n.6, p.2285-2289, 2006 Efeito do transporte no desenvolvimento de embriões bovinos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres Versão em português baseada na versão original em inglês de Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres Versão em português baseada na versão original em inglês de Versão não oficial (OIE) COLETA E PROCESSAMENTO DE EMBRIÕES / ÓVULOS APÊNDICE 3.3.1 EMBRIÕES COLETADOS IN VIVO Artigo 3.3.1.1. Objetivos do controle Os objetivos do controle sanitário oficial de embriões coletados in vivo destinados

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA GRADE DE HORÁRIOS PARA O SEMESTRE LETIVO 2017/1

CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA GRADE DE HORÁRIOS PARA O SEMESTRE LETIVO 2017/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ARAGUAÍNA - EMVZ COORDENAÇÃO DO CURSO DE ZOOTECNIA Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia BR 153, KM112 77804-970 Araguaína/TO (63) 2112-2107

Leia mais

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Fabio César Bratti 1, Laércio

Leia mais

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il.

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il. F814 Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB966928. Mariana Almeida Franca. Curitiba: 2016. 64 f. il. Orientador: João Carlos Bespalhok Filho Dissertação (Mestrado) Universidade

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 01/2009 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: SEMESTRAL/PARCIAL ( ) FINAL/CONCLUSÃO

Leia mais

Uma simples técnica para detectar metrite

Uma simples técnica para detectar metrite Uma simples técnica para detectar metrite Stephanie Stella, Anne Rosi Guadagnin, Angelica Petersen Dias, and Dr. Phil Cardoso Não existem dúvidas que o parto é uma situação estressante para a vaca e seu

Leia mais

PRODUÇÃO DE TENSOATIVOS BIOLÓGICOS. Resumo

PRODUÇÃO DE TENSOATIVOS BIOLÓGICOS. Resumo 1 PRODUÇÃO DE TENSOATIVOS BIOLÓGICOS Acácia Pedrazza Reiche Bolsista de Iniciação Científica, Biologia, Universidade do Rio de Janeiro Judith Liliana. Solórzano Lemos Orientadora, Eng a. Química, D. Sc.

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

GENÉTICA QUANTITATIVA

GENÉTICA QUANTITATIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL GENÉTICA QUANTITATIVA CONCEITOS ESTATÍSTICOS USADOS NO MELHORAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA Introdução Mariana de Carvalho Toledo 3 Camila de Paula Santos 3 Eduardo Freitas Velozzo 4 Fausto Romualdo

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

IN VITRO BRASIL S/A PD&I

IN VITRO BRASIL S/A PD&I IN VITRO BRASIL S/A PD&I Empresa Brasileira de produção in vitro de embriões bovinos, equinos e ovinos. Projetos de Pesquisa visando o desenvolvimento da empresa e a inovação tecnológica para o mercado

Leia mais

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1 Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1. Introdução As parasitoses intestinais representam sério problema de saúde pública, em

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF. Luciano Bastos Lopes

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF. Luciano Bastos Lopes PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF Luciano Bastos Lopes Médico Veterinário Doutor em Ciência Animal Resumo A inseminação artificial

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA Cargnim, Jaqueline Marques ; Marcuzzo, Leandro Luiz Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA BRUNO BARZOTTO ABDALLA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA BRUNO BARZOTTO ABDALLA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA BRUNO BARZOTTO ABDALLA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: FERTILIZA EMBRYO TECNOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL SELEÇÃO PARA O MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL 2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL SELEÇÃO PARA O MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL 2015 SELEÇÃO PARA O MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL 2015 1. A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal Área de Concentração em Produção Animal com as seguintes linhas: Ecologia Aquática e Aqüicultura;

Leia mais

Categorização de estado de risco de uma população

Categorização de estado de risco de uma população INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on-line em www.animal.unb.br em 07/01/2011 Categorização de estado de risco de uma população Concepta McManus

Leia mais

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Criopreservação de sêmen Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Sumário 1. Introdução 2. Criopreservação de sêmen 3. Efeito da criopreservação 1. No metabolismo dos espermatozoides 2. Na ultra- estrutura dos espermatozoides

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

Cultura de Células Animais. Aula 4 - Fases do Crescimento Celular. Prof. Me. Leandro Parussolo

Cultura de Células Animais. Aula 4 - Fases do Crescimento Celular. Prof. Me. Leandro Parussolo Cultura de Células Animais Aula 4 - Fases do Crescimento Celular Prof. Me. Leandro Parussolo NOVA CÉLULA Introdução A dinâmica de uma cell é + bem compreendida examinandose o curso de sua vida; divisão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR EDITAL nº 05/2017-PPGA/UNICENTRO ABERTURA DE MATRÍCULA PARA VAGAS REMANESCENTES NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM AGRONOMIA MESTRADO E DOUTORADO, ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL,

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES

SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E ATIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS EM JUVENIS DE ROBALO-PEVA Centropomus paralellus EM DIFERENTES SALINIDADES Laboratório de Piscicultura Marinha - LAPMAR, Departamento de Aqüicultura

Leia mais

Universidade Estadual do Maranhão Centro de Ciências Agrárias II SEMANA ACADÊMICA DAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS São Luís/MA, 28 a 30 de agosto de 2013

Universidade Estadual do Maranhão Centro de Ciências Agrárias II SEMANA ACADÊMICA DAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS São Luís/MA, 28 a 30 de agosto de 2013 PROGRAMAÇÃO 28 DE AGOSTO DE 2013 HORÁRIO ATIVIDADES LOCAL 08:00h 09:00h Recepção aos participantes e entrega de material Área de vivência 09:00h 12:00h 12:00h 13:30h Solenidade de abertura Auditório 1

Leia mais

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Larisse PEREIRA 1,2, ; André DuarteVIEIRA 1,3 ; Vanessa Daniella ASSIS 2 ; André Luís da Costa PAIVA 4 ; Rafael Bastos TEIXEIRA

Leia mais

Alessandra Corallo Nicacio AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO APÓS A CRIOPRESERVAÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO

Alessandra Corallo Nicacio AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO APÓS A CRIOPRESERVAÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO Alessandra Corallo Nicacio AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO APÓS A CRIOPRESERVAÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO São Paulo 2008 Alessandra Corallo Nicacio AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO APÓS A CRIOPRESERVAÇÃO

Leia mais

EFEITO DO PERÍODO E DO NÚMERO DE ANIMAIS NA TAXA DE PRENHEZ DE RECEPTORAS SUBMETIDAS À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PROVENIENTES DA PRODUÇÃO IN VITRO

EFEITO DO PERÍODO E DO NÚMERO DE ANIMAIS NA TAXA DE PRENHEZ DE RECEPTORAS SUBMETIDAS À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PROVENIENTES DA PRODUÇÃO IN VITRO EFEITO DO PERÍODO E DO NÚMERO DE ANIMAIS NA TAXA DE PRENHEZ DE RECEPTORAS SUBMETIDAS À TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES PROVENIENTES DA PRODUÇÃO IN VITRO Antonio Hugo Bezerra Colombo * Lisiane Zaniboni * Fábio

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA DA ESPÉCIE Catharanthus roseus

Leia mais

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Atualização em manejos e nutrição de cachaços Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Introdução Otimizar a qualidade do ejaculado e a possibilidade

Leia mais

ASPECTO SANITÁRIO NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES DE BOVINOS

ASPECTO SANITÁRIO NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES DE BOVINOS ASPECTO SANITÁRIO NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES DE BOVINOS PARRA, Bruno César PARRA, Brenda Silvia ZANGIROLAMI FILHO, Darcio BUENO, Ataliba Perina E-mail: brunocesarparra@hotmail.com Acadêmico da Associação

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho

Formulário para submissão de trabalho Dados do Trabalho e do (a) Orientador (a) Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: Avaliação de substratos de germinação de rosa (Rosa sp.) variedade arco-íris Nível de Ensino: Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO 2016-III

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO 2016-III UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO 2016-III O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) da Universidade Federal

Leia mais

ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina

ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina Anais Expoulbra 20 22 Outubro 2015 Canoas, RS, Brasil ÁCIDO ERÚCICO POR HIDRÓLISE ENZIMÁTICA DO ÓLEO DE CRAMBE ASSISTIDA POR ULTRASSOM Souza, Alana S. Bolsista PROBIC ULBRA, Curso de Biomedicina Corrêa,

Leia mais

PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS

PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS Autores: Thais de Oliveira Fortes (PIBIC/CNPq) 1, Francisco Armando de Azevedo Souza (Orientador) 2, Emília de Paiva Porto 2, Marcia Fornasieri Domingos 3 e-mail:

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238

EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238 EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238 Lima, D. A. (1), Luna, R. L. N. (1), Rocha, J. M. T. S.

Leia mais

ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA

ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011 ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA Tamiris

Leia mais

RELATÓRIO CIENTÍFICO:

RELATÓRIO CIENTÍFICO: Escrever auxilia na: RELATÓRIO CIENTÍFICO: organização das idéias desenho dos experimentos organização dos resultados interpretação, conclusões compreensão dos princípios sob investigação. princípios de

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

Vitrificação de oócitos e embriões bovinos produzidos in vitro e expostos à citocalasina B

Vitrificação de oócitos e embriões bovinos produzidos in vitro e expostos à citocalasina B Braz. J. vet. Res. anim. Sci., São Paulo, v. 39, n. 5, p. 260-265, 2002. Vitrificação de oócitos e embriões bovinos produzidos in vitro e expostos à citocalasina B Vitrification of oocytes and in vitro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS VITRIFICAÇÃO DE EMBRIÕES Mus domesticus domesticus ENVASADOS EM MICROCAPILARES

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA Autores: Jéssica Tainara IGNACZUK 1, Leandro Luiz MARCUZZO 2 Identificação

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS. Camila Pasa 1

TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS. Camila Pasa 1 TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS Camila Pasa 1 RESUMO: A Transferência de embriões tem como princípio a multiplicação, de forma acelerada, da progênie (descendentes), de fêmeas consideradas superiores,

Leia mais

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro 20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação ANAIS 21 a 23 de setembro 2016 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FRUTAS PARA EXTRAÇÃO DE DNA: REVISITANDO AS AULAS PRATICAS DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FRUTAS PARA EXTRAÇÃO DE DNA: REVISITANDO AS AULAS PRATICAS DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES FRUTAS PARA EXTRAÇÃO DE DNA: REVISITANDO AS AULAS PRATICAS DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO Romildo Lima Souza; Raphael de Andrade Braga; Luan Matheus Cassimiro; José Adeildo de Lima

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos PLANO DE ENSINO. CURSO Bacharelado em Zootecnia MATRIZ 4

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos PLANO DE ENSINO. CURSO Bacharelado em Zootecnia MATRIZ 4 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos PLANO DE ENSINO CURSO Bacharelado em Zootecnia MATRIZ 4 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução n 80/06 - COEPP DISCIPLINA/UNIDADE

Leia mais

Treinamento RLM Corte 2014

Treinamento RLM Corte 2014 Treinamento RLM Corte 2014 Campo Grande - MS 12 e 13 de Novembro de 2014 Patrocinador Introdução Desenvolvido na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ, USP, Piracicaba, este software formula

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS Janielle Lima Fernandes 1, Monikuelly Mourato Pereira 2, Gerlange Soares da Silva 3, Gean Duarte da Silva

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO 1 AVICULTURA COMERCIAL 1.1 Aves vivas para necropsia 1.1.1 Identificação: identificar empresa remetente, lote, tipo de exploração, linhagem,

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária. Dissertação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária. Dissertação 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Veterinária Dissertação Avaliação da dimetilacetamida e do glicerol na criopreservação do sêmen de suínos através de testes de fertilização

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PRESSÃO HIDROSTÁTICA: EFEITO NA VITRIFICAÇÃO, ULTRAESTRUTURA E EXPRESSÃO GÊNICA DE EMBRIÕES BOVINOS EMIVALDO DE SIQUEIRA FILHO DISSERTAÇÃO

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF)

REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) Guilherme Vieira Rodrigues Graduando em Medicina Veterinária, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Lauriellen Lohayne

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR CULTIVADA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO

DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR CULTIVADA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR CULTIVADA NO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO AMANDA SILVA OLIVEIRA (1) ; BRUNA LANE MALKUT (2) ; FÁBIO GRAMANI SALIBA JUNIOR (3) ; DAYENE DO CARMO CARVALHO (4). 1.

Leia mais

EDITAL. Publicado em 26 de julho de 2013 MATRÍCULA PARA ALUNOS ESPECIAIS 2013/2

EDITAL. Publicado em 26 de julho de 2013 MATRÍCULA PARA ALUNOS ESPECIAIS 2013/2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL EDITAL Publicado em 26 de julho de 2013 MATRÍCULA

Leia mais

Vídeo didático LISOSSOMOS E DIGESTÃO CELULAR. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qaemvl3enxk

Vídeo didático LISOSSOMOS E DIGESTÃO CELULAR. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qaemvl3enxk 1 Vídeo didático Contato e texto didático www.nuepe.ufpr LISOSSOMOS E DIGESTÃO CELULAR Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qaemvl3enxk Este vídeo didático foi construído com base em imagens

Leia mais

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO:

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO COM TOUROS NO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORAMENTO DO GIR LEITEIRO PRÉ-SELEÇÃO E TESTE DE PROGÊNIE

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO COM TOUROS NO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORAMENTO DO GIR LEITEIRO PRÉ-SELEÇÃO E TESTE DE PROGÊNIE REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO COM TOUROS NO PROGRAMA NACIONAL DE MELHORAMENTO DO GIR LEITEIRO PRÉ-SELEÇÃO E TESTE DE PROGÊNIE CAPÍTULO I REQUISITOS DO PROPRIETÁRIO Art.1º - O interessado em inscrever touro

Leia mais

DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO

DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO DEGRADABILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA, PROTEÍNA BRUTA E FIBRA EM DETERGENTE NEUTRO DE TRÊS HÍBRIDOS DE SORGO PARA CORTE/PASTEJO Nagylla Melo da Silva Barros 1 ; Susana Queiroz Santos Mello 2 1 Aluna

Leia mais

Efeito de diferentes meios de cultivo no desenvolvimento e proporção do sexo de embriões bovinos produzidos in vitro

Efeito de diferentes meios de cultivo no desenvolvimento e proporção do sexo de embriões bovinos produzidos in vitro Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.5, p.623-627, 2004 Efeito de diferentes meios de cultivo no desenvolvimento e proporção do sexo de embriões bovinos produzidos in vitro [Effect of different culture

Leia mais

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL Cesar Miazzi1; Charles Ferreira Martins; Carlos Eurico Fernandes3; Amanda Tosta Carneiro ; Guilherme dos Santos Pinto ; Fernando

Leia mais

URI:http://hdl.handle.net/ /25612

URI:http://hdl.handle.net/ /25612 Sexagem de sémen Autor(es): Publicado por: URL persistente: Fernandes, Joana Rita Carvalho; Rodrigues, Paulo Publindústria URI:http://hdl.handle.net/10316.2/25612 Accessed : 1-Jul-2017 22:41:08 A navegação

Leia mais

In vitro bovine embryo dévelopment after one step criopreservation, using ethylene glycol plus sucrose. Resumo. Introdução

In vitro bovine embryo dévelopment after one step criopreservation, using ethylene glycol plus sucrose. Resumo. Introdução http://dx.doi.org/10.4322/rbcv.2015.104 68 Desenvolvimento embrionário in vitro de embriões bovinos após a criopreservação pelo método one step, utilizando o etilenoglicol associado com a sacarose* In

Leia mais

Providing global solutions for a healthier world

Providing global solutions for a healthier world Providing global solutions for a healthier world Curso RLM 2010 RLM 3.2 (Programa de Formulação de Rações de Lucro Máximo) Introdução RLM 3.2 (Programa de Formulação de Rações de Lucro Máximo) Desenvolvido

Leia mais

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA.

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA. TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Adriana Rodrigues Passos 1, Simone Alves Silva 1, Fernando Irajá Félix de Carvalho 2, Irineu Hartwig 2, Maraísa Crestani

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL

BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL Hugo Leonardo Miranda 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 1 Aluno do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína; e-mail: PIVIC/UFT

Leia mais

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento Nº 21 Transplante Uterino O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento de infertilidade causada por fator uterino (IFU), em pacientes com útero que não pode ser recuperado

Leia mais

BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE. Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG

BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE. Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG PAPEL DOS CRUZAMENTOS ENTRE RAÇAS DE CORTE Pedro Franklin Barbosa Embrapa -

Leia mais