UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MÔNICA ALINE PARENTE MELO MACIEL CINÉTICA ESPERMÁTICA, CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA DO PLASMA SEMINAL DE DIFERENTES ESPÉCIES DE PEIXES CHARACIFORMES FORTALEZA - CEARÁ

2 MÔNICA ALINE PARENTE MELO MACIEL CINÉTICA ESPERMÁTICA, CRIOPRESERVAÇÃO DO SÊMEN E COMPOSIÇÃO BIOQUÍMICA DO PLASMA SEMINAL DE DIFERENTES ESPÉCIES DE PEIXES CHARACIFORMES Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Veterinárias da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Ciências Veterinárias. Área de concentração: Reprodução e Sanidade Animal. Orientador: Prof. Dr. José Ferreira Nunes. FORTALEZA - CEARÁ

3 Dados Internacionais de Catalográfica na Publicação Universidade Estadual do Ceará Sistema de Bibliotecas Maciel, Mônica Aline Parente Melo. Cinética espermática, criopreservação do sêmen e composição bioquímica do plasma seminal de diferentes espécies de peixes Characiformes [recurso eletrônico] / Mônica Aline Parente Melo- Maciel CD-ROM: 4 ¾ pol. CD-ROM contendo o arquivo no formato PDF do trabalho acadêmico com 92 folhas, acondicionado em caixa de DVD Slim (19 x 14 cm x 7 mm). Tese (doutorado) - Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Veterinária, Programa de Pós Graduação em Ciências Veterinárias, Fortaleza, Área de concentração: Reprodução e sanidade animal. Orientação: Prof. Ph.D. José Ferreira Nunes. Coorientação: Profa Dra. Carminda Sandra Brito Salmito Vanderley. 1. Colossoma macropomum. 2. Piaractus brachypomus. 3. Prochilodus brevis. 4. Sperm Class Analyzer. 5. Água de Coco em Pó. I. Título. 3

4 4

5 RESUMO O tambaqui, a pirapitinga e a curimatã são espécies de interesse econômico e ecológico. Diante disto, diversas pesquisas em relação a sua reprodução são realizadas no Brasil. Esse trabalho tem por objetivo avaliar a cinética espermática, criopreservação do sêmen e bioquímica do plasma do plasma de diferentes espécies de peixes Characiformes. Todos os animais foram induzidos a espermiação com extrato hipofisario de carpa. Esse trabalho foi executado em 3 experimentos. No experimento 1 foi realizado a criopreservação utilizando o sêmen de 30 machos de tambaqui para a constituição de 14 pools. Tais pools foram criopreservados em 5 tratamentos compostos de Água de coco em Pó adicionada de dimetilsulfóxido e/ou Aloe Vera (5% ou 10%). Após 30 dias, as amostras foram descongeladas e analisadas. No experimento 2, para a análise da cinética em diferentes tempos após ativação, o sêmen de 18 tambaquis, 17 curimatãs e 19 pirapitingas foram coletados e analisados objetivamente 10, 30, 60 e 120 segundos após a ativação com NaCl (50mM). No experimento 3, o efeito da estacionalidade sobre a cinética, características físicas e químicas do sêmen e bioquímica do plasma seminal, foi avaliada utilizando 12 pirapitingas e 9 tambaquis. Os resultados do experimento 1 mostram que a adição de Aloe vera levou a uma redução significativa de espermatozoides móveis independente da sua concentração. No experimento 2 foi observado o mesmo padrão de motilidade para as 3 espécies testadas. A motilidade aos 10 segundos foi similar a 30 segundos. Houve uma redução significativa aos 60 segundos e uma outra redução, mais acentuada, aos 120 segundos. No experimento 3 houve redução de volume do sêmen, VSL dos espermatozoides e concentração de cloretos no plasma de tambaqui fora da estação reprodutiva, assim como aumento significativo das concentrações de triglicerídeos dentro da estação. Para pirapitinga foi observado um aumento significativo na concentração de triglicerídeos fora da estação reprodutiva assim como redução da concentração de glicose. Pode-se concluir que o Aloe vera não proporciona melhoria na proteção espermática durante o processo de criopreservação. A taxa de motilidade espermática em diferentes tempos pós ativação muda para cada espécie testada. A composição do plasma seminal de tambaqui e pirapitinga sofre variação estacional. Palavras-chave: SCA. Motilidade. Bioquímica. Plasma. Peixe. 5

6 ABSTRACT Tambaqui, pirapitinga and curimatã are species of economic and ecological interest. Given this, several studies regarding its reproduction are carried out in Brazil. This study aims to evaluate the sperm kinetics, semen cryopreservation and biochemistry of seminal plasma of different species of fish Characiformes. All animals were induced to spermiation with pituitary extract of carp. This work was performed in 3 experiments. In experiment 1 was performed using semen cryopreservation 30 males tambaqui for the establishment of 14 pools. These pools were cryopreserved in 5 treatments composed of powder coconut water added in dimethylsulfoxide and / or Aloe Vera (5% or 10%). After 30 days, the samples were thawed and analyzed. In experiment 2, to analyze the kinetics at different times after activation, the semen tambaquis 18, 17 and 19 curimatãs pirapitinga were collected and objectively analyzed 10, 30, 60 and 120 seconds after activation with NaCl (50 mm). In experiment 3, the effect of seasonality on the sperm kinetics, physical and chemical characteristics of the semen and the biochemical seminal plasma was measured using 12 pirapitinga and 9 tambaquis. The results of experiment 1 indicate that the addition of Aloe vera has led to a significant reduction of moving independently of concentration of Aloe vera. In experiment 2 was observed the same pattern of motility for the 3 species tested. Motility was similar for 10 seconds to 30 seconds. There was a significant reduction at 60 seconds and a further reduction, more marked after 120 seconds. In experiment 3 decreased volume of semen, VSL of spermatozoa and chloride concentration in plasma tambaqui outside the breeding season, as well as significant increase in triglyceride concentrations inside the season. To pirapitinga was a significant increase in the concentration of triglycerides outside the breeding season as well as reducing the concentration of glucose. It can be concluded that Aloe vera provides no improvement in sperm protection during the cryopreservation process. Sperm motility rate at different times after activation changes for each species tested. The composition of the seminal plasma tambaqui and pirapitinga suffers seasonal variation. Key-words: SCA. Motility. Biochemistry. Plasma. Fish. 6

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figure 1 - VCL, VSL and VAP in m s -1 of P. brevis, C. macropomum and P. brachypomus species at 10, 30, 60 and 120 s post-activation. Velocities followed by different letters are significantly different at p<

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Motilidade como método de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado de Characiformes brasleiros Tabela 2 - Morfopatologias e morfometria como métodos de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado e Characirfomes brasileiros Tabela 3 - Fertilização como método de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado de Characiformes brasileiros Tabela 4 - Motilidade e velocidades espermáticas do sêmen de tambaqui criopreservado em ACP-104 adicionado de diferentes crioprotetores (média ± desvio padrão) Tabela 5 - Percentage of spermatozoa motility at 10s, 30s, 60s, 120s post activation of C. macropomum (n = 17), P. brachypomus (n=19) and P. brevis (n=18) species. Different letters in columns are significantly different at p< Tabela 6 - Características físicas, químicas, cinéticas e bioquímicas do sêmen de tambaqui dentro e fora da estação reprodutiva...66 Tabela 7 - Características físicas, químicas, cinéticas e bioquímicas do sêmen de pirapitinga dentro e fora da estação reprodutiva

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACP-104 Água de coco específica para peixe ANOVA Análise de Variância ASMA Análise da morfologia espermática auxiliada por computador AV Aloe vera BTS Beltsville Thawing Solution CASA Análise do Sêmen Assistida por Computador (Computer Assisted Sperm Analyses) CEUA Comitê de Ética para o Uso de Animais CPAq Centro de Pesquisas em Aquicultura DMSO Dimetilsulfóxido DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas EHC Extrato Hipofisário de Carpa FSH Hormônio Folículo Estimulante (Folicle Stimulant Hormone) GLM Modelos Lineares Generalizados (General Linear Model) GnRH Hormônio Liberador de Gonadotrofinas (Gonadotrophin-Releasing Hormone) GnRHa Análogo do hormônio liberador de gonadotrofina (Gonadotrophin-Releasing Hormone analogue) hcg Gonadotrofina Coriônica Humana (human Chorionic Gonadotrophin) LBRP Laboratório de Biotecnologia da Reprodução de Peixes LH Hormônio Luteinizante (Luteinizing Hormone) LHRHa Análogo do hormônio liberador de hormônio luteinizante (Luteinizing Hormone Releasing Hormone Analogue) LIN Linearidade (Linearity) MG Metil glicol µl Microlitro mm milimolar NaCl Cloreto de sódio NaHCO3 Bicarbonato de sódio NIB Núcleo Integrado de Biotecnologia 9

10 ph SAS SCA sgnrha SNK STR Tab. UECE VAP VCL VSL Potencial Hidrogeniônico Statistical Analysis System Sperm Class Analyser Análogo do hormônio liberador de gonadotrofina de salmão (salmon s Gonadotrophin-Releasing Hormone analogue) Student Newman Keuls Retilinearidade (straightness) Tabela Universidade Estadual do Ceará Velocidade média do percurso (Average Path Velocity) Velocidade Curvilinear (Curvilinear Velocity) Velocidade Progressiva Linear (Straight Line Velocity) 10

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Espécies Características do sêmen Bioquímica do plasma seminal Conservação seminal Diluidores para sêmen de peixes Avaliação seminal pós-descongelação Cinética espermática JUSTIFICATIVA HIPÓTESE CIENTÍFICA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Objetivos específicos CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO CAPÍTULO CONCLUSÕES PERSPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

12 1 INTRODUÇÃO O Prochilodus brevis, (curimatã), Colossoma macropomum (tambaqui) e Piaractus brachypomus (pirapitinga) são peixes da ordem Characiformes e são nativos da América do Sul. Os characiformes têm importância comercial como peixes ornamentais, culinária, aquicultura e pesca esportiva (NASCIMENTO et al., 2012;GODINHO;VIVEIROS, 2011). Devido a importância dessas espécies, são necessários mais estudos sobre a fisiologia reprodutiva principalmente em relação aos apectos que envolvem a caracterização e manipulação do sêmen. Antes da espermiação, os espermatozoides de peixe são armazenados em estado imóvel nos testículos. A motilidade é associada a sensibilidade a osmolaridade e a concentração de íons no meio onde o sêmen é liberado (ALAVI; COSSON, 2006). A motilidade espermática em peixes de água doce é iniciada em meios hiposmóticos em relação ao fluido seminal (COSSON, 2010). Após o início da motilidade, os espermatozoides se tornam móveis e metabolicamente ativos porém, por pouco tempo. Após esse período, os espermatozoides se tornam incapazes de fertilizar o óvulo (CARNEIRO, 2007). Além disso, para o sucesso na avaliação da habilidade reprodutiva de diferentes espécies de peixes, o conhecimento dos constituintes físicos e químicos do sêmen é necessário (BOZKURT at et., 2011). Dentre eles, o plasma seminal tem influência sobre a qualidade do sêmen (BOZKURT at et., 2011) e papel vital no metabolismo espermático, função, sobrevivência e motilidade espermática (BILLARD et al., 1995). A determinação da composição do plasma seminal também pode ajudar a entender os pré-requisitos necessários à preparação de soluções apropriadas de plasma seminal artificial a serem usadas na inseminação artificial ou estocagem de sêmen. No entanto, para que se obtenha bons resultados existem algumas características espécie-específicas que devem ser levadas em consideração em termos de composição mineral e orgânica do plasma seminal (BOZKURT at et., 2011). Além de diferenças na composição do plasma seminal entre espécies, alguns autores relatam que os resultados são sujeitos a variação sazonal (ARAMLI et al., 2013). Uma outra área em ascensão na reprodução animal é a criopreservação do sêmen, tanto para a produção em aquicultura como para preservação de material 12

13 genético em programas de conservação (CAROLSFELD et al., 2003). Vários estudos mostram que a criopreservação é uma boa alternativa para a melhoria da reprodução de peixes, tendo em vista que seus benefícios são variados, dentre eles: sincroniza a disponibilidade dos gametas; facilita o transporte e evita envelhecimento dos mesmos; conserva a variabilidade genética; reduz os custos de manutenção do plantel de reprodutores; possibilita trocas de material genético entre laboratórios; dentre outros (CARNEIRO, 2007)., 13

14 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Espécies O Colossoma macropomum (tambaqui),piaractus brachypomus (pirapitinga) e Prochilodus brevis (curimatã) são peixes Characiformes e são nativos da América Latina. Os Characiformes tem importância comercial como espécies ornamentais, aquicultura e pesca esportiva (RAMIREZ-MERLANO et al., 2011; GURGEL et al., 2012; GODINHO; VIVEIROS, 2009). Entre as espécies nativas de água doce, o tambaqui representa atualmente a maior produção na aquicultura brasileira, superado somente pelas espécies exóticas tilápia (Oreochromis niloticus) e carpa (Cyprinus carpio) (RECURSOS ), devido às suas excelentes características, como rusticidade ao manejo, rápido crescimento, com forte apelo esportivo e culinário (KUBITZA, 2004). É um peixe originário da bacia amazônica, nativo dos rios Solimões, Madeira e Orinoco e seus afluentes, com larga distribuição nesses rios, e em áreas próximas a Manaus. Na natureza há registros de que esse peixe atinge peso ao redor de 30 kg, sendo considerado o segundo maior peixe de escamas da bacia Amazônica, perdendo em porte somente para Arapaima gigas (pirarucu) (KUBITZA, 2004). Diante da importância econômica e ecológica, o tambaqui foi selecionado como uma das espécies aquáticas de maior interesse para pesquisa no Brasil (QUEIROZ et al., 2002). A pirapitinga é um peixe originário das bacias dos rios Amazonas e Orinoco (RAMIREZ-MERLANO et al., 2011). Tem grande importância econômica em escala comercial em diversos países da América do Sul (Brasil, Colômbia, Peru, Venezuela) e América Central (NASCIMENTO et al. 2010). Tanto o tambaqui como a pirapitinga têm hábitos onívoros, boa qualidade de carne e conversão alimentar, docilidade, resistência a doenças, mostrando assim excelentes condições de cultivo (RAMIREZ- MERLANO et al. 2011; ARAÚJO-LIMA; GOMES 2005). O Prochilodus brevis é uma espécie de peixe endêmica da região semi-árida do Brasil (CHELLAPPA et al., 2009) e é regionalmente conhecida como curimatã. Apesar de ser considerada economicamente importante no nordeste do Brasil, existem poucos conhecimentos sobre sua reprodução. 14

15 A desova dessas espécies é anual e total, e ocorrem de outubro a março, correspondente a época das enchentes dos rios, onde irão migrar do habitat de alimentação para o habitat reprodutivo (piracema) caracterizando-o como um peixe reofílico (VIEIRA et al., 1999). Essa migração é necessária, pois os estímulos ambientais e/ou sociais estimulam as gônadas e a produção de hormônios esteróides. Se tais estímulos não acontecem, há um bloqueio da ovulação nas fêmeas e uma baixa produção de sêmen nos machos (ROMAGOSA, 2009). Portanto, em cativeiro, os peixes reofílicos não se reproduzem naturalmente sendo necessária a indução hormonal da reprodução (ZANIBONI-FILHO; WEINGARTNER, 2007). O principal agente indutor aplicado em espécies nativas brasileiras é o extrato hipofisário de carpa (EHC) (ZANIBONI-FILHO; WEINGARTNER, 2007). Este proporciona a obtenção de sêmen de qualidade e um volume maior (VIEIRA, 2010). 2.2 Características do sêmen A produção espermática de peixes é muito alta, devido ao grande número de divisões espermatogoniais (BILLARD, 1995) e muito variada. Em algumas espécies o macho produz 100 bilhões de espermatozoides/ano/kg do peso corporal ou mais de 1 x 10 9 espermatozóides/g de testículo/dia, o que é 10 vezes maior do que a produção relatada para mamíferos (BILLARD; COSSON, 1992). Em tambaqui, Menezes et al., (2008) relataram uma concentração espermática de 35 x 10 9 espermatozóides/ml sêmen. Os espermatozóides de peixes teleósteos de água doce, quiescentes na osmolaridade do plasma seminal (condição isotônica de aproximadamente 300mOsmol/kg) começam a se mover quando suspensos em solução hipotônica (<300 mosml/kg) e exibem alta mobilidade em água doce (4 mosml/kg). De modo oposto os espermatozóides de teleósteos marinhos começam a se mover quando liberados em solução hipertônica (>300 mosmol/kg), e exibem sua mais alta qualidade aproximadamente em 1000 mosmol/kg, que é o equivalente ao encontrado na água do mar (MORISAWA; SUZUKI, 1980). Outra peculiaridade dos espermatozóides da maioria dos peixes, é o fato de não possuírem acrossoma (MARIA et al 2010), pois não precisam desta estrutura para a fecundação porque, ao serem liberados no meio, entram diretamente no ovócito através de um orifício chamado micrópila. No entanto, a duração da motilidade espermática em 15

16 teleósteos de água doce é muito curta, sendo de menos de um minuto em Brycon orthotaenia (MELO; GODINHO, 2006). Essa duração da motilidade espermática tem grande importância para a fertilização na natureza, pois os espermatozoides expelidos na água precisam encontrar e entrar na micrópila antes desta fechar-se pela hidratação. Portanto, um dos principais problemas limitantes de pesquisas em motilidade espermática de peixes consiste nessa curta duração, dificultando a avaliação (COSSON et al., 1999). 2.3 Bioquímica do plasma seminal O sêmen é definido como plasma seminal mais espermatozoides. O plasma seminal tem composição única, contendo substancias de suporte a viabilidade das células espermáticas e algumas substâncias refletem a função do sistema reprodutivo e dos espermatozoides (CIERESZKO, 2007). Estudos sobre peixes teleósteos revelam que os testículos, ducto testicular principal e ductos espermáticos estão envolvidos na produção do plasma seminal (LAHNSTEINER et al. 1993). Tal plasma tem como função primordial imobilizar e nutrir os espermatozoides até o momento da sua liberação no meio aquático. O plasma seminal é um importante constituinte do sêmen e tem papel vital no metabolismo, função, sobrevivência e motilidade espermática. Sua composição tem boa influência sobre a qualidade biológica do sêmen e a determinação da sua composição pode ajudar no entendimento dos itens necessários para o preparo de soluções de plasma artificial apropriado (BOZKURT et al., 2011). Conhecimentos sobre a bioquímica do plasma seminal também pode ser usado para selecionar machos maduros de alta qualidade para fertilização de óvulos em operações comercial na aquicultura e, como resultado, reduzir o número de machos no plantel, aumentando a eficiência econômica. O plasma seminal de salmonídeos tem sido cuidadosamente estudado, particularmente a truta arco-íris e o salmão(munkittrick; MOCCIA, 1987; LAHNSTEINER et al., 1998). No entanto, por possuirem caracteristicas especieespecificas, a composição do plasma seminal deve ser avaliada em cada espécie a ser trabalhada. Algumas diferenças podem ser devido a atividade secretória dos órgãos reprodutivos acessórios(ducto testicular principal e ductos espermáticos) (ALAVI et al. 16

17 2004). Além disso, tem sido frequentemente reportado que a composição iônica do plasma seminal depende do tipo de hormônio utilizado para indução da espermiação (ex.: hormônio hipofisário de carpa), dose do tratamento hormonal (1-3 mg/kg de peso vivo), tempos entre a indução hormonal e espermiação (14-18h) e frequência da espermiação (intervalo superior a 30 dias) (PIROS et al. 2002; ZHANG et al. 2003; LINHART et al. 2003; ALAVI; COSSON, 2006; PSENICKA et al. 2008). A maioria dos estudos sobre bioquímica do plasma seminal de peixes observa os ions, como cloretos (Cl - ) e cálcio (Ca2 + ), pois estão envolvidos na regulação da motilidade espermática, na contribuição na composição iônica intracelular ou com seu efeito osmótico (LINHART et al. 1991; BILLARD; COSSON 1992; ALAVI; COSSON, 2006). Dentre as substâncias orgânicas, a glicose está presente na maioria dos estudos pois é a maior fonte energética para os espermatozoides (BAJPAI et al. 1998). Além da glicose, os espermatozoides também podem contar com a frutose e os triglicerídeos (LAHNSTEINER et al. 1993). 2.4 Conservação seminal São muitas as razões que justificam a importância do uso de técnicas para o armazenamento de sêmen de peixes, tanto ligadas às questões ambientais quanto econômicas. A pesca em período de reprodução e a construções de barragens são uns dos fatores que estão levando ao declínio dos estoques de peixes, especialmente das espécies de piracema (migratórias). A utilização e a implantação de bancos genéticos, incluindo o congelamento de sêmen, constituem soluções potenciais para minimizar perdas decorrentes da ação do homem sobre os peixes nativos, garantindo a diversidade genética tanto para os programas de repovoamento, como para a produção comercial. Amostras de sêmen de peixes obtidos na natureza poderiam ser criopreservadas e parte delas utilizada nos procedimentos de desova artificial para repovoamento. O restante poderia ser mantido em bancos genéticos para a conservação desses materiais (SHIMODA et al., 2004). Segundo Viveiros e Godinho (2009), pode ser citada uma série de benefícios relacionados ao desenvolvimento das técnicas de criopreservação de gametas, tais como: a recuperação de estoques silvestres ameaçados de extinção; 17

18 a redução do número de reprodutores (machos) utilizados em programas de propagação artificial com consequente redução dos custos; a eliminação do problema da assincronia na maturidade gonadal entre reprodutores, principalmente das espécies migratórias (ou de piracema) quando machos e fêmeas não estão preparados simultaneamente para a reprodução; o estabelecimento de programas de melhoramento genético com a utilização de machos selecionados ou manipulados geneticamente (triplóides, transgênicos); a facilidade de transporte, difusão e troca de material genético entre organizações atuantes na área com risco reduzido de transmissão de patógenos; o fornecimento de materiais genéticos para a identificação de populações ou estoques por meio de técnicas de biologia molecular; o estabelecimento de programa de hibridização utilizando espécies com períodos reprodutivos diferentes. Portanto o congelamento de sêmen em nitrogênio líquido constitui uma forma de manutenção dos gametas masculinos por longos períodos. Este fato torna a criopreservação espermática, cada vez mais, uma importante técnica para a aquicultura. Esta técnica vem produzindo importantes resultados na preservação a longo prazo do sêmen de algumas espécies de peixes Characiformes das família Prochilodontidae, Anostomidae e Characidae. 2.5 Diluidores para sêmen de peixes Para a congelação do sêmen é necessário a adição de um diluidor, composto por diluente(s) e crioprotetor(es). O diluidor deve manter a viabilidade da célula e prevenir as crioinjúrias durante a congelação e descongelação. Portanto, condições mínimas são requeridas para que um diluente seja adequado, tais como: isotonicidade, para que não haja ativação prévia da motilidade espermática; estabilidade, pois suas características físico-químicas não devem ser alteradas durante o contato com o sêmen; condutividade térmica elevada, permitindo a rápida transferência de temperatura do meio externo para os espermatozóides; esterilidade, ou seja, não devem vincular microrganismos potencialmente nocivos às células espermáticas. É importante que a motilidade dos espermatozóides não seja ativada antes da congelação e nem durante a descongelação, 18

19 pois pode exaurir a reserva energética necessária à fertilização (LEGENDRE & BILLARD, 1980). Além disso, o diluente deve conter nutrientes como fonte de energia, aumentar o volume do sêmen e, finalmente, servir de carreador de crioprotetores. Em relação aos crioprotetores, estes podem ser classificados como intracelulares e extracelulares. Os crioprotetores intracelulares atuam desidratando e reduzindo o ponto crioscópio do interior das células dificultando a formação de cristais de gelo intracelulares que danificam a célula. Os crioprotetores extracelulares auxiliam na proteção celular recobrindo a superfície da célula e estabilizando a membrana (WATSON, 1995). Em estudo de criopreservação de sêmen de Characiformes, o crioprotetor interno mais utilizado é o dimetilsulfóxido (DMSO) que já foi testado com sucesso para várias espécies como B. cephalus 68% de motilidade(ninhaus-silveira et al., 2006); B. insignis 86% de motilidade (SHIMODA et al., 2004),B. orthotaenia 89% de motilidade(melo; GODINHO, 2006); P. brachypomus 51% de motilidade(nascimento et al., 2010), C. macropomum -55% de motilidade (VIEIRA, 2010). Uma das inovações mais recentes da biotecnologia do sêmen de peixe é a utilização de água de coco como meio diluente seminal, pois é um meio natural e estéril composto por sais, proteínas, açúcares, vitaminas, gorduras neutras, além de indutores da divisão celular e diversos eletrólitos, podendo exercer uma ação benéfica sobre a conservação celular. Trabalhos realizados por Nunes (1987) demonstraram a viabilidade da água de coco como diluente de refrigeração e congelação do sêmen caprino, o que levou à elaboração de um meio comercial de conservação, padronizado e estabilizado, à base de água de coco em pó (ACP - ACP Biotecnologia, Brasil). A água de coco sob a forma de pó apresenta os mesmos constituintes bioquímicos da forma in natura, porém é padronizada e mais eficazmente conservada, o que facilita sua comercialização para regiões onde o fruto não existe (SILVA et al., 2006). A ACP foi testado inicialmente como diluidor de sêmen de caprino (SALGUEIRO et al., 2002), e mais recentemente foi adaptado para a criopreservação de sêmen de peixes, recebendo a classificação de ACP-104 (específico para peixes). O ACP-104 já foi testado com sucesso em várias espécies como B. orbignyanus, P. lineatus, L. obtusidens 19

20 (VIVEIROS et al., 2010), P. brachypomus (VELÁSQUEZ-MEDINA, 2008) e C. macropomum (VIEIRA, 2010). Outro produto de origem vegetal que possui componentes que podem fornecer nutrição e proteção para células espermáticas é o extrato de Aloe vera. Segundo Veloso e Peglow (2003), estre produto possui glicose, galactose, xilose, tanino, esteróides, ácidos orgânicos, substâncias antibióticas, enzimas de vários tipos, resíduos de açúcar, uma proteína com 18 aminoácidos, vitaminas, minerais, sulfato, ferro, cálcio, cobre, sódio, potássio e manganês. Relatos na literatura utilizando o gel de Aloe vera são datados da década de 80, quando Rodriguez et al. (1988) utilizaram o gel desta planta para substituir o diluidor seminal na inseminação cervical e intrauterina em ovelhas. Por conseguinte, em 2006, Gutiérrez e colaboradores utilizaram a Aloe vera para congelação do sêmen ovino encontrando resultados satisfatórios de qualidade seminal. Melo (2010) utilizou o extrato bruto de Aloe vera em combinação com o ACP para conservação de sêmen caprino a 4ºC, e observou que esta combinação foi capaz de manter a qualidade espermática em até 48 horas. Além disso, concluiu que este produto pode ser considerado um crioprotetor eficiente na conservação das células espermáticas de machos caprinos, em substituição à gema de ovo, para sua posterior utilização nos processos de criopreservação. Não há relatos da utilização de Aloe vera na conservação de sêmen de peixes, o que gera o interesse para o estudo dos efeitos deste produto. 2.6 Avaliação seminal pós-descongelação Cinética espermática A taxa de espermatozoides móveis é o critério mais utilizado para avaliar a qualidade seminal após o descongelação. Viveiros et al. (2011) relataram que a taxa de motilidade do sêmen descongelado de dourado (Salminus brasiliensis) revelava o número de espermatozoides com membranas intactas, demonstrando a íntima relação da motilidade com a viabilidade espermática e com a capacidade fertilizante do sêmen de peixes. Geralmente essa avaliação é feita de forma subjetiva, na qual o avaliador deve estimar uma taxa de espermatozoides móveis numa escala de 0 a 100% (TAITSON et al., 2008). Alguns pesquisadores utilizam uma escala de 1 a 5 que representam escores referentes à qualidade do movimento, também chamado de vigor espermático (0=sem movimento; 5=espermatozoides nadando rapidamente) (VIVEIROS et al., 2011). 20

21 Atualmente os métodos objetivos de avaliação da motilidade seminal têm sido considerados mais relevantes na pesquisa em reprodução. Usando imagens digitais da trajetória de cada célula espermática, o SCA (Sperm Class Analyser) pode analisar, além das taxas de motilidade, as propriedades de trajetória e velocidade dos espermatozoides: VCL= velocidade curvilinear; VSL= velocidade em linha reta; VAP = velocidade média (VERSTEGEN et al., 2002). Essas velocidades vêm sendo relacionadas com a capacidade fertilizante do sêmen de peixes, principalmente a VCL (VIVEIROS et al., 2011). Em estudos de criopreservação de sêmen de Characiformes, o SCA já foi utilizado para analisar a motilidade espermática pós-descongelação de algumas espécies Characiformes como P. brachypomus (NASCIMENTO et al., 2010), P. lineatus(viveiros et al., 2010) e C. macropomum (LEITE et al., 2011). 21

22 3 JUSTIFICATIVA Os peixes characiformes têm importância comercial como peixes ornamentais, culinária, aquicultura e pesca esportiva. Seus espermatozoides se encontram imóveis no testículo e adquirem motilidade quando entram em contato com soluções hiposmóticas em relação ao plasma seminal. No entanto, essa motilidade cessa após poucos minutos. Assim é importante o conhecimento sobre a motilidade espermática durante o período em que os espermatozoides estão ativos. Mas, apesar da importância econômica e ecológica do tambaqui, pirapitinga e curimatã não se sabe a qualidade espermática dessas espécies em diferentes tempos após a ativação. Espécies characiformes como o tambaqui e a pirapitinga são peixes de piracema e para se reproduzirem em cativeiro o ano todo são necessários estímulos como a indução hormonal. No entanto, não existem trabalhos que avalie as características físicas e químicas do sêmen, a cinética espermática e a bioquímica do plasma seminal dessas espécies afim de saber se existem variações de acordo com a estação reprodutiva. Devido o grande interesse comercial por espécies characiformes como o tambaqui, é observada uma redução dos seus estoques naturais, encontrando-se em sobre pesca. A criopreservação do sêmen é uma biotécnica que permite a conservação de espécies ameaçadas de extinção. E apesar de existirem experimentos de criopreservação de sêmen de tambaqui, ainda não foram realizados testes de criopreservação utilizando oaloe vera na composição do diluente. Dessa forma não se sabe quais os efeitos do Aloe vera sobre a motilidade e morfologia dos espermatozoides pós descongelação. 22

23 4 HIPÓTESE CIENTÍFICA O Aloe Vera protege a célula espermática de tambaqui contra danos causados pelo frio durante o processo de criopreservação. Os espermatozóides de tambaqui, curimatã e pirapitinga se mantem com altas taxas de motilidade e velocidades espermáticas até 2 minutos após a ativação. A composição do plasma seminal de tambaqui e pirapitinga sofre influencia da estação reprodutivamesmo em cativeiro. 23

24 5 OBJETIVOS 5.1 OBJETIVO GERAL Avaliar a cinética espermática, criopreservar o sêmen e verificar a composição bioquímica do plasma seminal de diferentes espécies de peixes Characiformes 5.2 Objetivos específicos Comparar a motilidade e morfologia espermática do sêmen fresco e pós descongelação de tambaqui criopreservado com Aloe vera; Observar se existe correlação entre os parâmetros cinéticos e morfológicos do sêmen de tambaqui fresco e criopreservado com Aloe vera; Verificar a cinética espermática de tambaqui, pirapitinga e curimatã 10, 30, 60 e 120 segundos após a ativação; Determinar as concentrações de cálcio (Ca2 + ), cloretos (Cl - ), triglicerídeo, glicose e frutose no sêmen de tambaqui e pirapitinga e observar se há influência da estação reprodutiva na constituição do plasma seminal; Verificar se há correlação entre os parâmetros bioquímicos do plasma seminal, cinética espermática e aspectos físicos e químicos do sêmen, de tambaqui e pirapitinga. 24

25 6 CAPÍTULO 1 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS (Methods for evaluating the quality of cryopreserved sperm from brasilian Characiforms) Mônica Aline Parente MELO-MACIEL, Carminda Sandra Brito SALMITO- VANDERLEY, Liliane Veras LEITE, Cassia Evangelista de OLIVEIRA, Mayara Setúbal OLIVEIRA, Júlia Trugilio LOPES, José Ferreira NUNES Artigo publicado no periódico Ciência Animal em

26 RESUMO A criopreservação de gametas traz inúmeras vantagens para a produção e a reprodução de diversas espécies, porém esta técnica promove danos estruturais às células que prejudicam os resultados de fertilização. Vários métodos são empregados para avaliar a conservação seminal entre elas motilidade, morfopatologias, morfometria e fertilização. O primeiro método é mais comumente utilizado, pois é uma técnica rápida de avaliar a qualidade seminal, o segundo e o terceiro permitem avaliar os danos morfológicos causados pelo processo de criopreservação, porém o último é a técnica mais segura para garantir que a metodologia de conservação gamética foi satisfatória. Palavras-Chave: congelação, motilidade, morfologia, fertilização. ABSTRACT The cryopreservation of gametes brings many advantages for the production and reproduction of many species, but this technique promotes structural damage to the cells that affect the results of fertilization. Various methods are employed to assess the conservation seminal including motility, morfophatology, mophorlogy and fertilization. The first method is more, commonly used because it is a rapid technique to assess sperm quality, the second and third to assess morphological damage caused by the cryopreservation process, but the latter is the safest technique to ensure that the methodology of conservation gametic was satisfactory. Keywords: freezing, motility, morphology, fertilization. INTRODUÇÃO A capacidade técnica de preservação de gametas e embriões de peixes e de invertebrados aquáticos tem se expandido rapidamente nos últimos anos, impulsionada, primariamente, pela indústria aquícola e pela exigência social (Miliorini, 2006). A busca por técnicas cada vez mais apuradas de preservação de sêmen de peixes vem ao encontro às questões econômicas e ecológicas atuais, sejam elas em programas de melhoramento genético ou de conservação da biodiversidade (Streit Jr et al., 2009), dessa forma, a aplicação dessa técnica em peixes está em amplo desenvolvimento (Murgas et al., 2007). 26

27 A criopreservação constitui uma biotécnica importante na rotina da reprodução induzida por, sobretudo, acelerar a melhoria genética de espécies de peixe, sendo ainda indicada para minimizar a assincronia na maturação dos gametas, no uso seletivo de reprodutores ou mesmo no transporte de gametas (Godinho, 2000). No entanto, os processos de congelamento e descongelamento levam a uma redução do número de espermatozoides normais, além de reduzir a taxa de motilidade e vigor, dificultando a fertilização (Salmito-Vanderley, 2010). Diante disso, vários métodos são utilizados para avaliar a qualidade seminal pós-descongelamento, uma vez que a avaliação das características seminais são imprescindíveis na rotina de reprodução artificial em qualquer espécie (Murgas et al., 2011). Na presente revisão são abordados os principais métodos utilizados para avaliar a qualidade do sêmen de Characiformes após o processo de criopreservação na última década. Motilidade Espermática A taxa de espermatozoides móveis é o critério mais utilizado para avaliar a qualidade seminal após o descongelamento (Tab 1) (Murgas et al., 2011). Além da taxa de espermatozoides móveis, outro critério importante para o sucesso da reprodução é a duração da motilidade, pois normalmente os espermatozoides de teleósteos permanecem móveis por um curto período de tempo, sendo inferior a um minuto (Melo e Godinho, 2006). Essa duração da motilidade espermática tem grande importância para a fertilização, pois os espermatozoides precisam encontrar e penetrar a micrópila do ovócito antes desta fechar-se pela hidratação (Morales, 1986). Muitos fatores podem influenciar o tempo de motilidade dos espermatozoides de peixes como a solução ativadora e sua osmolaridade (Alavi et al., 2009) e temperatura (Billard et al., 1995), estado nutricional e sanitário dos animais, condições de análise e espécie estudada (Murgas et al., 2011). Entre as soluções ativadoras empregadas para avaliar a motilidade do sêmen descongelado de Characiformes, a solução de bicarbonato de sódio 1% (NaHCO3) é a mais comum. A solução de cloreto de sódio (NaCl) em diferentes concentrações também é utilizada com sucesso para ativar sêmen descongelado de Characiformes. As 27

28 concentrações mais comuns são NaCl 0,15% (Melo e Godinho, 2006) e 0,29% (Orfão, 2010). Tabela: 1Motilidade como método de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado de Characiformes brasileiros. Espécie Motilidade Referência P. lineatus 1 Subjetiva Água destilada NaHCO 3 119mM Método de avaliação Solução ativadora P. lineatus 1 Subjetiva P. lineatus 1 Subjetiva SCA ) L. obtusidens 2 Subjetiva L. macrocephalus 2 Subjetiva Água destilada NaHCO 3 60 mm NaHCO mm Água destilada NaCl 25 mm NaCl 50 mm NaHCO3 119mM Milliorini, 2006 Murgas et al., 2007 Viveiros et al., 2009b NaCl 50 mm Viveiros et al., 2010 NaCl 50mM NaHCO3 119 mm NaCl 25mM NaHCO3 119 mm Água destilada Taitson et al, 2008 Ribeiro e Godinho, 2003 S. brasiliensis 3 Subjetiva NaCl 50mM Viveiros et al., 2009a P. brachypomus 3 Subjetiva SCA ) NaCl 50 mm Nascimento et al., 2010 P. mesopotamicus 3 Subjetivo Água destilada Streit Jr et al., 2006 P. brachypomus 3 P. lineatus 1 Subjetiva Objetiva-(CASA- Objetiva-(CASA- Objetiva-(CASA- SCA ) NaCl 50 mm Melo, 2010 B. orbignyanus 3 Subjetiva NaHCO3 119 mm Murgas et al.,

29 B. orbignyanus 3 Subjetiva NaCl 50 mm Maria et al., 2006 B. amazonicus 3 Subjetiva NaHCO3 119 mm Velasco-Santamaria et al., 2006 B. nattereri 3 Subjetiva NaCl 50 mm Oliveira et al., 2007 B. opalinus 3 Subjetiva NaCl 50 mm Orfão et al., 2010 B. insignis 3 Subjetiva NaCl 50mM NaHCO3 119 mm Viveiros et al., 2011 C. macropomun 3 Subjetiva NaHCO3 119 mm Menezes et al., 2008 C. macrompomun 3 Objetiva (CASA-SCA ) NaCl 50mM Vieira, Família Prochilodontidae; 2 Família Anostomidae; 3 Família Characidae. Apesar dos métodos subjetivos serem utilizados rotineiramente, os métodos objetivos de avaliação da motilidade seminal têm sido considerados mais relevantes na pesquisa em reprodução (Oliveira et al., 2007). O sistema de análise seminal auxiliado por computador (CASA) é formado por um microscópio de contraste de fase conectado à uma câmera de vídeo que reproduz imagens para um computador com o software Sperm Class Analyzer (SCA ). Esse programa fornece os meios para uma classificação objetiva e rápida de uma determinada população de espermatozoides. Com a utilização do CASA é possível obter dados com altos níveis de confiança e repetibilidade permitindo a comparação de estudos realizados em diversas partes do mundo. Utilizando imagens digitais da trajetória de cada célula espermática, o CASA analisa, além das taxas de motilidade, as propriedades de trajetória e velocidade dos espermatozoides (Verstegen, Iguer-Ouada e Onelin, 2002). Apesar das inúmeras vantagens da utilização de um sistema computadorizado, seu uso não é rotineiro devido aos altos custos de aquisição do equipamento. Morfopatologias Espermáticas A integridade das estruturas espermáticas (cabeça, peça intermediária e cauda) são essenciais para o bom desempenho dos espermatozoides (Kavamoto et al., 1999). A avaliação da morfologia espermática auxilia, portanto, na definição da qualidade seminal, pois está relacionada ao potencial fertilizante dos espermatozoides. A análise 29

30 da morfologia espermática, muitas vezes, poderá explicar a redução da motilidade do espermatozoide e, por consequência, perda da capacidade fertilizante dos ovócitos (Streit Jr, 2008). Patologias como flagelo dobrado, cabeça isolada, gotas citoplasmáticas proximal e distal são geradas durante a espermatogênese em decorrência de causas que acometem os reprodutores, tais como enfermidades, consanguinidade, restrição alimentar e estresse ambiental, sendo conhecidas como patologias primárias ou maiores. Por outro lado, patologias como flagelo quebrado, enrolado, degenerado, macrocefalia e microcefalia são, geralmente, associadas à coleta e manipulação do sêmen, e são classificados como patologias secundárias ou menores (Herman, Mitchell e Doak, 1994). Esse método deanálise é realizado por meio da observação dos espermatozoides em microscopia óptica, e a classificação da patologia é feita de forma subjetiva. Em estudos de criopreservação de sêmen de Characiformes, poucos trabalhos avaliam a morfologia espermática como critério de definição da qualidade seminal pósdescongelamento (Tab 2). Tabela: 2Morfopatologias e morfometria como métodos de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado de Characiformes brasileiros. Espécie Morfopatologias Morfometria Referência Métodohist Método de Coloração ológico avaliação Miliorini et al., Lâminalamínula coloração Sem P. lineatus Corante Rosa Streit Jr et al., P. mesopotamicus 3 Esfregaço -- Bengala 2006 P. brachypomus ASMA-SCA Melo Família Prochilodontidae; 2 Família Anostomidae; 3 Família Characidae; -- Parâmetro não avaliado Em procedimento de avaliação de sêmen de mamíferos, a morfopatologia dos espermatozoides é considerada um parâmetro importante, e o Colégio Brasileiro de 30

31 Reprodução Animal (1998) recomenda não utilizar, na inseminação artificial ou monta natural de mamíferos, sêmen com índices de espermatozoides com anormalidade acima de 30%, em bovinos e equinos e de 20%, em ovinos e suínos. Para peixes essas referências ainda não foram estabelecidas. Apesar dos processos de criopreservação do sêmen provocarem danos à morfologia espermática, esse método de avaliação dos espermatozoides é pouco observado em estudos de criopreservação do sêmen de peixes. Sugere-se, portanto, que os exames morfopatológicos dos espermatozoides de peixes devem ser incorporados à rotina de avaliação do sêmen após a criopreservação (Taddei et al., 2001). Morfometria espermática Estudos têm descrito a ultraestrutura de espermatozoides de peixe e examinando sua morfologia através da microscopia eletrônica de varredura e microscopia eletrônica de transmissão (Cabrita et al., 2010), no entanto a microscopia eletrônica requer reagentes e equipamentos caros e um maior tempo é necessário para realização das análises (Marco-Jiménez et al., 2008). Dessa forma, uma boa alternativa é a utilização de sistemas computadorizados desenvolvidos para análise da morfometria da cabeça de espermatozoides. Um desses sistemas é o ASMA (Assisted Sperm Morphometry Analyser), que permite a avaliação de um grande número de espermatozoides de forma rápida e objetiva, sem qualquer interferência do avaliador. O ASMA já foi utilizado para mensurar as medidas morfometricas da cabeça dos espermatozoides de tambaqui, C. Macropomum (Leite et al., 2011) e espermatozoides frescos e após criopreservação de pirapitinga, P. brachypomus (Melo, 2010) (Tab 2). Apesar de diversos estudos utilizarem a morfologia espermática como forma de avaliação da qualidade espermática, está é uma análise subjetiva que vem sendo substituída gradativamente por métodos objetivos, como o ASMA, que permitem saber exatamente as medidas da cabeça dos espermatozoides (Asturiano et al., 2007; Marco- Jimenez et al., 2008). 31

32 Fertilidade Embora os métodos de avaliação descritos nos tópicos anteriores possam ser utilizados como critério de qualidade espermática após o descongelamento, eles não garantem a capacidade fertilizante do sêmen. Portanto, o teste de fertilização é, sem dúvida, o método mais apropriado e seguro para garantir a qualidade do sêmen. Para avaliar a capacidade fertilizante do sêmen descongelado é utilizado o método conhecido como fertilização a seco, no qual o sêmen é depositado sobre os ovócitos e, após a homogeneização dos gametas, é acrescentada uma solução hiposmótica para ativação dos espermatozoides e hidratação dos ovos, que posteriormente são transferidos para incubadoras. Esse método otimiza a utilização do sêmen criopreservado pela aproximação prévia dos gametas. A solução de bicarbonato de sódio 1% (NaHCO3) é utilizada com frequência para a hidratação dos ovos e ativação espermática após a homogeneização dos gametas em testes de capacidade fertilizante do sêmen criopreservado de Characiformes (Carolsfeld et al., 2003; Ribeiro e Godinho, 2003; Velasco-Santamaria, Medina-Robles, Cruz-Casallas, 2006). Outra solução também utilizada para hidratação dos ovos é a de Cloreto de Sódio 50 mm (NaCl) (Taitson, Chami e Godinho, 2008). Alguns pesquisadores utilizaram também água do tanque (Maria et al., 2006; Viveiros et al., 2010) ou água destilada (Miliorini, 2006). Outro critério que deve ser levado em consideração nos testes de capacidade fertilizante do sêmen criopreservado é a proporção ideal de espermatozoides por ovócito. Essa proporção é muito variável dependendo da espécie e da qualidade do sêmen utilizado. Vale a pena ressaltar que, no caso de sêmen criopreservado, a proporção de espermatozoides por ovócito é geralmente superior à utilizada para o sêmen fresco devido a diminuição da qualidade espermática após o descongelamento. De fato, nosso grupo de pesquisa também tem trabalhado na determinação da dose espermática ótima (dados não publicados) e tem observado que, para a fertilização com sêmen descongelado, há a necessidade de uma proporção espermatozoide/ovócito mais alta que aquela utilizada com sêmen fresco, na espécie tambaqui. Viveiros et al. (2009) observaram que a proporção ideal de espermatozoides pósdescongelamento por ovócito foi 20,5 vezes superior à proporção ideal para sêmen fresco em Salminus brasiliensis. Maria (2005) utilizou uma proporção 10 vezes maior 32

33 em relação ao sêmen fresco de Brycon. Por outro lado, alguns pesquisadores afirmam que o excesso de espermatozoides para fertilização encobre a qualidade dos espermatozoides criopreservados, dificultando as comparações entre protocolos (Viveiros, So e Komen, 2000), e utilizam a mesma proporção de espermatozoides: ovócito tanto para o sêmen fresco quanto para o descongelado (Viveiros et al., 2010) (Tab 3). Além da taxa de fertilização, a eclodibilidade e a taxa de sobrevivência de larvas oriundas da fertilização de oócitos por células espermáticas criopreservadas é uma variável que deve ser observada em protocolos reprodutivos em peixes. Apesar de sua importância, a eclodibilidade e a taxa de sobrevivência larval são pouco observados emtrabalhos com Characiformes (Fresneda et al. 2004; Maria, 2005; Viveiros e Godinho, 2009). Tabela: 3Fertilização como método de avaliação da qualidade do sêmen criopreservado de Characiformes brasileiros. Espécie Fertilização Referência Meio de hidratação Dose inseminante* P. lineatus 1 Água destilada NaHCO3 119mM 43,6 x 10 5 Miliorini et al., 2006 P. lineatus 1 Água do tanque 5 x 10 5 Viveiros et al., 2009b P. lineatus 1 Água do tanque 8 x 10 5 Viveiros et al., 2010 L. obtusidens 2 NaCl 50mM Taitson et al, 2008 S. brasiliensis 3 Água do tanque 28,7 x 10 5 Viveiros et al., 2009a B. orbignyanus 3 Água do tanque 46 x 10 5 Maria et al., 2006 B. amazonicus 3 NaHCO3 119 mm Velasco-Santamaria et al., 2006 B. opalinus 3 Água do tanque 4,1 x 10 5 Órfão et al., 2010 C. macropomun 3 NaHCO3 119 mm -- Menezes et al., 2008 *Espermatozoides:ovócito; 1 Família Prochilodontidae; 2 Família Anostomidae; 3 Família Characidae; -- Parâmetro não avaliado 33

34 CONCLUSÕES As técnicas subjetivas vêm sendo substituídas pelas objetivas no intuito de diminuir as variáveis entre análises, principalmente em relação à motilidade espermática. A análise da morfologia dos espermatozoides, apesar de ser pouco utilizada entre os pesquisadores, é de suma importância para a determinação da qualidade seminal. Em peixes, há uma grande necessidade de se desenvolver técnicasmais precisas de avaliação seminal, inclusive para se determinar parâmetros direcionadores do que seria ou não um sêmen criopreservável ou criopreservado de boa qualidade, como já existe para diversas espécies mamíferas. Apesar da importância dos métodos citados, a fertilização continua sendo a técnica mais confiável para avaliar a eficácia da criopreservação de sêmen de Characiformes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALAVI, S.M.H.; RODINA M.; VIVEIROS A.T.M.; COSSON J.; GELA D.; BORYSHPOLETS S.; LINHART O. Effects of osmolality on sperm morphology, motility and flagellar wave parameters in Northern pike (Esox lucius L.). Theriogenology, v. 72, p , ASTURIANO, J.F; MARCO-JIMÉNEZ F.; PEÑARANDA D.S; GARSON D.L; PÉREZ L.; VICENTE J.S; JOVER M. Effect of sperm cryopreservation on the European Eel sperm viability and spermatozoa morphology. Reprod. Dom. Anim, v. 42, p , BILLARD, R.; COSSON J.; PERCHEC G.; LINHART O. Biology of sperm and artificial reproduction in carp. Aquaculture, v. 129, p , CABRITA, E.; SARASQUETE C.; MARTINEZ-PARAMO S.; ROBLES V. BEIRAO J.; PEREZ-CEREZALES S.; HERRAEZ MP. Cryopreservation of fish sperm: applications and perspectives. J. Appl. Ichthyol, v. 26, p ,

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos

Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Processamento e preservação de sêmen de peixes nativos Paulo César Falanghe Carneiro Embrapa Aracaju - SE Introdução Blaxter 1950: Arenque com reprodução em épocas diferentes Uso do gelo seco Conhecimento

Leia mais

Fertilização de Ovócitos de Tambaqui com Sêmen in Natura

Fertilização de Ovócitos de Tambaqui com Sêmen in Natura III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 209 Fertilização de Ovócitos de Tambaqui com Sêmen in Natura Allisson Fabiano Silva Ferro¹; Giselle Santana Barreto

Leia mais

Protocolo para congelamento e descongelamento do sêmen de tambaqui em macropalhetas

Protocolo para congelamento e descongelamento do sêmen de tambaqui em macropalhetas V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 150 Protocolo para congelamento e descongelamento do sêmen de tambaqui em macropalhetas Vinicius Augusto Dias Filho 1,

Leia mais

LEITE, et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 6(2): 23:29, 2011 Artigo

LEITE, et al. Rev. Bras. Eng. Pesca 6(2): 23:29, 2011 Artigo CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI COM ACP ADICIONADO DE GEMA DE OVO Liliane Veras LEITE * ; Fátima de Cássia Evangelista de OLIVEIRA; Larissa Teixeira NUNES; José Ferreira NUNES; Carminda Sandra Brito

Leia mais

Criopreservação de Embriões

Criopreservação de Embriões UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS LARISSA TEIXEIRA NUNES AVALIAÇÃO DE SOLUÇÕES DILUIDORAS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS ÍSIS TAMARA DE VLIEGER 1,2, DAVID AUGUSTO REYNALTE TATAJE 1,2 1 Universidade Federal da Fronteira Sul, campus

Leia mais

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CHARACIFORMES BRASILEIROS (Methods for evaluating the quality of cryopreserved sperm from brasilian Characiforms) Mônica Aline Parente MELO-MACIEL

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS DOS ESPERMATOZÓIDES DE PEIXES

ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS DOS ESPERMATOZÓIDES DE PEIXES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA METODOLOGIA APLICADA À CONCLUSÃO DE CURSO ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS DOS ESPERMATOZÓIDES DE PEIXES LUIS FERNANDO GUERRERO GRACIA 2011/1 UNIVERSIDADE

Leia mais

MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE. (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family)

MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE. (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family) MEIOS DE CONGELAÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN DE PEIXES DA FAMÍLIA CHARACIDAE (Cryopreservation extenders for fishes sperm of Characidae family) Carminda Sandra Brito SALMITO-VANDERLEY 1* ; Marcelo José

Leia mais

Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans

Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans Estudos sobre a morfometria do espermatozoide e características seminais do Pseudoplatystoma corruscans Cristiane Bashiyo-Silva¹; Douglas de Castro Ribeiro¹; Jumma Miranda de Araújo Chagas¹; Raphael da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA CRIOPRESERVAÇÃO SEMINAL DO TAMBAQUI Colossoma macropomum RAYCON ROBERTO FREITAS GARCIA Dissertação

Leia mais

TEMPO DE ATIVAÇÃO ESPERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS.

TEMPO DE ATIVAÇÃO ESPERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS. HTU UTH, TEMO DE ATIVAÇÃO ESERMÁTICA DO JUNDIÁ (Rhamdia Quelen), UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMERATURAS. Renata Marino Sykora, Eduardo Antônio Sanches, Diego Mendes Baggio 2 3

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS LILIANE VERAS LEITE DOSE INSEMINANTE, EMBRIOGÊNESE E

Leia mais

Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia. Martin Halverson

Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia. Martin Halverson Projeto Estruturante de Pirarucu da Amazônia Martin Halverson 67-9996-8739 mmhalver@terra.com.br Realidade da Industria do Paiche Hoy Industria pouca Consolidada- Precisa se Organizar Custo Elevada de

Leia mais

Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI

Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI Impacto de barragem hidrelétrica na reprodução de peixes NILO BAZZOLI Nos reservatórios: peixes migradores completam a vitelogênese mas a maturação final e a desova não ocorrem. Peixes muito importantes

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU:

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: OPORTUNIDADES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARTIN HALVERSON DIRETOR TECNOLÓGICO: PROJETO PACU AQUICULTURA TEMAS GERAIS Estado da Tecnologia Oportunidades Problemas

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Atualização em manejos e nutrição de cachaços Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Introdução Otimizar a qualidade do ejaculado e a possibilidade

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas

26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS EMBRIONÁRIAS DE BOVINOS PÓS VITRIFICAÇÃO NA REGIÃO NORTE DO TOCANTINS Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda Ferreira Dias 3, 1 Aluno do Curso

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

Aquicultura na Amazônia Ocidental

Aquicultura na Amazônia Ocidental INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA Nome do GP Aquicultura na Amazônia Ocidental Nome do Líder Elizabeth Gusmão Affonso (2015) Membros do GP Lígia Uribe Gonçalves, Dra. Pesquisadora (2013-2043).

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA REITORIA CENTRO DE AQUICULTURA DA UNESP

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA REITORIA CENTRO DE AQUICULTURA DA UNESP Nível: Histórico: Mestrado/Doutorado Código Capes: AQU00032 Docente(s) Responsável(eis): Prof. Dr. SERGIO RICARDO BATLOUNI Profa. Dra. ELIZABETH ROMAGOSA Situação Ativa Dt. Aprovação 08/10/1994 Dt. Desativação

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO:

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO

MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO MORFOLOGIA DO SÊMEN CRIOPRESERVADO DE CURIMATÃ EM MÁQUINA DE CONGELAÇÃO Pinheiro, J. P. S. (1) ; Melo-Maciel, M. A. P. (1) ; Almeida, P.S. (1) ; Pinheiro, R.R.R. (1) ; Torres, T.M. (1) ; Leite, L.V.(1);

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Medicina Veterinária TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Mara Regina Bueno de M. Nascimento Mara Regina Bueno de M. Nascimento Profa. Adjunto III Jul./

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011

Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1 Estudo da estabilidade do sistema Paratest usado para diagnóstico das parasitoses intestinais Rev.00 10/01/2011 1. Introdução As parasitoses intestinais representam sério problema de saúde pública, em

Leia mais

TEMPO DE MOTILIDADE ESPERMÁTICA DO CASCUDO- PRETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS.

TEMPO DE MOTILIDADE ESPERMÁTICA DO CASCUDO- PRETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMPERATURAS. , HTU UTH TEMO DE MOTILIDADE ESERMÁTICA DO CASCUDO- RETO, Rhinelepis Aspera, UTILIZANDO COMO SOLUÇÃO ATIVADORA ÁGUA EM DIFERENTES TEMERATURAS. Diego Mendes Baggio, Eduardo Antônio Sanches, Renata Marino

Leia mais

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o A química da Vida Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o restante 2,5% está concentrado em

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

Carga horária Teo./Prat. Código Nome da Disciplina Créditos. DISCIPLINAS DE NIVELAMENTO (Todas as áreas de concentração)

Carga horária Teo./Prat. Código Nome da Disciplina Créditos. DISCIPLINAS DE NIVELAMENTO (Todas as áreas de concentração) ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DA UFLA - MATRIZ DE 2016 NIVEL: MESTRADO (MS) E DOUTORADO (DS) ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO: PRODUÇÃO E NUTRIÇÃO DE RUMINANTES (PNR) PRODUÇÃO E NUTRIÇÃO

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal

Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Efeito de dois diferentes protocolos para congelação lenta de embriões bovinos produzidos in vitro na região da Amazônia Legal Karina Almeida Maciel 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 ; Francisca Elda

Leia mais

Viabilidade Espermática do Sêmen de Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Resfriado a 4ºC

Viabilidade Espermática do Sêmen de Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Resfriado a 4ºC Viabilidade Espermática do Sêmen de Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Resfriado a 4ºC Luis David Solis Murgas 1, Aléssio Batista Miliorini 2, Renan Toledo Franciscatto 3, Alexandre Nízio Maria 4 RESUMO

Leia mais

Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI

Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI Características gerais dos seres vivos... Os seres vivos reagem a estímulos. Características

Leia mais

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849)

Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Avaliação Espermática Pós-Descongelamento em Piracanjuba (Brycon orbignyanus, Vallenciennes, 1849) Luis David Solis Murgas 1, Renan Toledo Franciscatto 2, Anna Graciela Oliveira Santos 3 RESUMO - O experimento

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A partir da puberdade, as gónadas atingem a maturidade e começam a produzir gâmetas. Ovários

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR 520 PLANIFICAÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR 520 PLANIFICAÇÃO ANO: 12º NÍVEL: Biologia ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 1º PERÍODO 45 UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÂO DA FERTILIDADE 1- REPRODUÇÃO HUMANA Gametogénese e fecundação Controlo Hormonal Desenvolvimento embrionário

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia Coorientador: Flávio Ferlini Salles RELEVÂNCIA O solo é importante

Leia mais

Água. A água é uma estrutura dipolar formada por dois átomos de hidrogênio ligados a um átomo de oxigênio.

Água. A água é uma estrutura dipolar formada por dois átomos de hidrogênio ligados a um átomo de oxigênio. Química da Vida Água A água compõe a maior parte da massa corporal do ser humano e de todos os seres vivos, logo na composição química celular prevalece à presença de água. Sendo 70% do peso da célula

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LETIVO 2014 / 2015 PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano DOMÍNIO: A TERRA UM PLANETA ESPECIAL Onde existe vida? O que é a Biosfera? 1 Compreender

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia. Meios de cultura

Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia. Meios de cultura Curso Técnico em Análises Químicas Microbiologia Meios de cultura DEFINIÇÃO: Formulações químicas (associação qualitativa e quantitativa) Nutrientes necessários Multiplicação (desenvolvimento, cultivo)

Leia mais

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente Isolamento, Seleção e Cultivo

Leia mais

Caracterização e refrigeração de sêmen de Prochilodus nigricans da Baixada Maranhense SARAH RAQUEL PINTO ALVES SÃO LUÍS- MA

Caracterização e refrigeração de sêmen de Prochilodus nigricans da Baixada Maranhense SARAH RAQUEL PINTO ALVES SÃO LUÍS- MA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS AQUÁTICOS E PESCA SARAH RAQUEL PINTO ALVES Caracterização

Leia mais

ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS O campo da ciência dos alimentos não é novo, estando nos dias de hoje a se desenvolver como uma importante ciência aplicada. Ela tem recebido novas dimensões

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde Desenvolvimento da aqüicultura estudos limnológicos manejo para manutenção de alta

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

Criopreservação de Sêmen de Peixe

Criopreservação de Sêmen de Peixe 1 ISSN 1517-1965 84 Circular Técnica O congelamento de sêmen de peixes foi realizado pela primeira vez por Blaxter, em 1953, para realizar o cruzamento de duas populações de arenques que se reproduziam

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar!

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar! ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA Leia, com atenção, antes de começar! 1. Este Caderno de Prova contém 10 (dez) questões: 5 (cinco) questões: Linha de Pesquisa 1. Nutrição e Produção de Bovinos; 5 (cinco) questões:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Informações aos Encarregados de Educação do trabalho a realizar no: 5º Ano Ciências Naturais Ano Letivo 2015/2016 1. Aulas previstas: Aulas (*) 5º1ª 5º2ª 5º3ª 5º4ª 1º Período: 21 de Setembro - 17 de Dezembro

Leia mais

Água, Sais e Carboidratos

Água, Sais e Carboidratos Água, Sais e Carboidratos A Bioquímica estuda as reações químicas dos organismos vivos e tem revelado inúmeras substancias presentes nas células e em outras que ela participa. A bioquímica estuda as moléculas

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTE UTILIZANDO ELETROFLOTAÇÃO: ESTUDO DE CASO PARA REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA EM VIVEIRO DE EUCALIPTO.

TRATAMENTO DE EFLUENTE UTILIZANDO ELETROFLOTAÇÃO: ESTUDO DE CASO PARA REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA EM VIVEIRO DE EUCALIPTO. TRATAMENTO DE EFLUENTE UTILIZANDO ELETROFLOTAÇÃO: ESTUDO DE CASO PARA REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA EM VIVEIRO DE EUCALIPTO. V. C. de BIASSIO 1 e J. Sinézio. C. CAMPOS 1 1 Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco

Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco Modelo de produção de peixes no Baixo São Francisco Carlos Alberto da Silva Pesquisador Aqüicultura: Tema estratégico no CPATC Reunião de Planejamento da Pesquisa (2006=>2007) Inclusão de um nova área:

Leia mais

Processos de troca entre a célula e o meio externo

Processos de troca entre a célula e o meio externo Processos de troca entre a célula e o meio externo 3 categorias Processos passivos ocorrem sem gasto de energia: difusão, difusão facilitada e osmose Processos ativos ocorrem com gasto de energia: bomba

Leia mais

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente ESTADO DA ARTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Tipos de células Comparação Células eucariontes VEGETAL e ANIMAL 1. As algas azuis ou cianobactérias são procariontes; portanto, a) têm citoplasma dividido em compartimentos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO PRINCIPAIS ELEMENTOS QUE CONSTITUEM OS SERES VIVOS Carbono CHONPS Compõe as principais cadeias das moléculas orgânicas (lipídios, carboidratos e proteínas) presentes em nosso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE QUÍMICA INDUSTRIAL FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ENGENHARIA BIOQUÍMICA CÓDIGO: GQB054 UNIDADE ACADÊMICA: FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria Revisão Específicas 1. As conchas marinhas não se dissolvem apreciavelmente na água do mar, por serem compostas, na sua maioria, de carbonato de cálcio, um sal insolúvel cujo produto de solubilidade é

Leia mais

CONSERVAÇÃO DO SÊMEN DA CARPA COMUM, Cyprinus carpio, VARIEDADE ORNAMENTAL, POR RESFRIAMENTO

CONSERVAÇÃO DO SÊMEN DA CARPA COMUM, Cyprinus carpio, VARIEDADE ORNAMENTAL, POR RESFRIAMENTO CONSERVAÇÃO DO SÊMEN DA CARPA COMUM, Cyprinus carpio, VARIEDADE ORNAMENTAL, POR RESFRIAMENTO Nilsa Hoffmann PADUA 1 ; Eduardo SHIMODA 2 ; Paula de Sousa BARBOSA 3 & Geraldo PEREIRA JUNIOR 4 1 Faculdade

Leia mais

Química. Xandão (Renan Micha) Soluções

Química. Xandão (Renan Micha) Soluções Soluções Soluções 1. (FUVEST) Sabe-se que os metais ferro (Fe 0 ), magnésio (Mg 0 ) e estanho (Sn 0 ) reagem com soluções de ácidos minerais, liberando gás hidrogênio e formando íons divalentes em solução.

Leia mais

A química da vida Samuel Rutsatz

A química da vida Samuel Rutsatz A química da vida Samuel Rutsatz Água na célula As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição entre 75-85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um ser vivo é

Leia mais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Eneder Rosana Oberst - Faculdade de Veterinária Liane Margarida Rockenbach Tarouco - Pós-graduação em Informática da Educação Mary

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Determinação da razão ótima de espermatozóides por ovócitos de piabanha Brycon insignis (pisces - characidae)

Determinação da razão ótima de espermatozóides por ovócitos de piabanha Brycon insignis (pisces - characidae) Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.59, n.4, p.877-882, 2007 Determinação da razão ótima de espermatozóides por ovócitos de piabanha Brycon insignis (pisces - characidae) [Determination of the optimum ratio

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Melhoramento Animal Código: VET224 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 4 Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir de: Créditos:

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia do vestibular UFPR 2016 apresentou questões de nível médio em sua maioria. O conteúdo foi cobrado de forma criativa e inteligente. Como em anos anteriores,

Leia mais

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte.

Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. Determinação do teor de fosfato em gema de ovos de pata e de guiné, coletados no Rio Grande do Norte. *Denise Porfírio Emerenciano 1, Heloiza Fernanda Oliveira da Silva 1, Geovane Chacon de Carvalho 1,

Leia mais

Biologia. Natália Aguiar Paludetto

Biologia. Natália Aguiar Paludetto Biologia Natália Aguiar Paludetto Aula de hoje: Introdução à Biologia O que é? O que estuda? Como se organiza? Referência bibliográfica: Bio Volume Único, Sônia Lopes, editora Saraiva. Biologia estudo

Leia mais

AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA

AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE SALMONICULTURA Dr ASCÂNIO DE FARIA Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Campos do Jordão SP PARA SE CRIAR TRUTA ARCO-ÍRIS é fundamental

Leia mais

A TÓ IO IO GOUVEIA AQUACULTURA

A TÓ IO IO GOUVEIA AQUACULTURA A TÓ IO IO GOUVEIA ANTÓNIO NIO GOUVEIA ANTÓNIO NIO PAULO CARVALHO I. INTRODUÇÃO - Historial - Definição de aquacultura. - Estabelecimento da aquacultura a nível mundial. - Estabelecimento da aquacultura

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFº: MARIO DE ANDRADE LIRA JR. Ciência do Solo ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no Boletim

Leia mais

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural.

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Prof. Ana Rita Rainho Biomoléculas Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Para além da unidade estrutural também existe uma unidade bioquímica todos os seres vivos são constituídos

Leia mais

Proteínas de Membrana

Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas de

Leia mais

Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra,

Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra, A Química da Vida Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra, onde cobre grande parte de sua superfície

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado.

Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado. Rede: Conservação e Manejo de Espécies de Peixes de Água Doce da Amazônia. Sub-projeto: Alternativas para alimentação de peixes da Amazônia: uso de subprodutos agroflorestais e resíduos de pescado. Instituição:

Leia mais

Vitaminas As vitaminas são nutrientes essenciais para nos.o organismo humano necessita destas vitaminas em pequenas quantidades para desempenhar

Vitaminas As vitaminas são nutrientes essenciais para nos.o organismo humano necessita destas vitaminas em pequenas quantidades para desempenhar A Química da vida A água A água é a mais abundante de todas as substâncias da célula, representando cerca de 80% da sua massa; funciona como solvente para grande parte das outras substâncias presentes

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS Leandro Amorim da Silva 1, Fernando Mayer Pelicice

Leia mais

Parâmetros Métricos e Medidas de Energia

Parâmetros Métricos e Medidas de Energia Parâmetros Métricos e Medidas de nergia Introdução A demanda de energia para um processo de produção afeta, substancialmente, o impacto ambiental. As razões para tal são as emissões e os resíduos gerados

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais