Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico"

Transcrição

1 INSTITUTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico Sérgio Furgeri Campinas 1999

2 INSTITUTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico Sérgio Furgeri Dissertação desenvolvida sob orientação do Professor Manuel Mendes de Jesus e apresentada ao Instituto de Informática da Pontifícia Universidade Católica de Campinas como requisito final para obtenção do Título de Mestre em Informática. Área de Concentração: Sistemas de Informação. Campinas 1999

3 Pontifícia Universidade Católica de Campinas GRÃO-CHANCELER Dom Gilberto Pereira Lopes MAGNÍFICO REITOR Prof. Pe. José Benedito de Almeida David VICE-REITOR PARA ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Prof. José Francisco de Veiga Silva VICE-REITOR PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS Prof. Carlos de Aquino Pereira DIRETOR DO INSTITUTO DE INFORMÁTICA Prof. Orandi Mina Falsarella COORDENADOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO INSTITUTO DE INFORMÁTICA Prof. Dr. Waldomiro Loyolla

4 Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico Sérgio Furgeri Dissertação defendida e aprovada, em 03 de novembro de 1999, pela Comissão Examinadora constituída pelos seguintes professores: Dr., Orientador e Presidente da Comissão, PUC-Campinas, Dr., Instituto de Informática, PUC-Campinas, Dr., Instituto de Computação, UNICAMP.

5 Socalschi, Brasilio, 1943 s678f Fundamentos e Subsídios para o Planejamento Estratégico da Informatização de Instituições de Ensino Superior/ Brasilio Socalschi x, 141p. il. Orientador: Eduardo O. C. Chaves Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Instituto de Informática. 1. Sistemas de recuperação de informação - Educação. 2. Ensino Superior - Processamento de Dados. 3. Planejamento Estratégico. 4. Tecnologia de Informação. I. Chaves, Eduardo O.C. II. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Instituto de Informática III. Título 19. CDD - t001.6

6 i À minha esposa Ivone, que sempre me incentiva em cada passo, e me apoia nos momentos difíceis.

7 ii Agradeço a todos que contribuíram, direta e indiretamente, para esta realização: membros das Reitorias e de outros Órgãos, Direções do Instituto de Informática, funcionários, docentes professores e colegas. Agradeço principalmente ao autor e consumador da nossa fé, nosso Senhor Jesus Cristo.

8 iii Utilização de catálogos XML para o desenvolvimento do comércio eletrônico Sérgio Furgeri RESUMO Atualmente, comércio eletrônico está emergindo no mercado e, como conseqüência, surge uma grande oportunidade de novos e inovadores negócios, onde o produto principal é a própria informação. Nessa nova forma de negociação, surgem várias questões que necessitam ser resolvidas para que o comércio eletrônico possibilite um mercado global. Um dos pontos em questão nos últimos anos, se refere a dificuldade em se encontrar uma informação, em meio a grande quantidade armazenada na Web. O objetivo deste trabalho é apresentar os aspectos necessários para o desenvolvimento do comércio eletrônico, demonstrando iniciativas de algumas organizações, enfatizando a elaboração de catálogos, utilizando-se de uma nova linguagem de marcação: a XML (Extensible Markup Language). A padronização dos catálogos é o aspecto chave para que participantes de negócios eletrônicos, como empresas, bancos e clientes, possam reduzir seus custos, tornando-se mais eficientes. A elaboração de catálogos padronizados, pode também, contribuir para o surgimento de novos serviços eletrônicos. São apresentadas as tecnologias necessárias à construção dos catálogos, demonstrando os principais conceitos envolvidos. Será demonstrado, que a tecnologia atual torna possível o desenvolvimento de serviços especializados de busca de informações pela Internet. Foi elaborado um projeto para o ramo da construção civil, possibilitando a automatização do processo de orçamentos entre empresas participantes da negociação, tornando ambos, comprador e vendedor, mais eficientes. Serão abordados os aspectos necessários, envolvidos no desenvolvimento da aplicação. Palavras-Chave Comércio eletrônico, catálogo, XML, padronização, interoperabilidade, serviços de busca, Servlet.

9 iv Use of XML catalogs for the development of the Electronic Commerce Sérgio Furgeri SUMMARY Electronic trade is emerging in the market and a great opportunity of new and innovative business appears, where the main product is the own information. In that new negotiation form, several subjects that need to be resolved appear so that the electronic trade facilitates a global market. One of the points in subject in the last years, refers the difficulty in meeting an information, amid great amount stored in the Web. The objective of this work is to present the necessary aspects for the development of the electronic trade, demonstrating initiatives of some organizations, emphasizing the elaboration of catalogs, being used of a new markup language: XML (Extensible Markup Language). THE standardization of the catalogs is the key aspect so that the participants of electronic business, as companies, banks and customers, they can reduce its costs, becoming more efficient. The elaboration of standardized catalogs, also can, to contribute for the appearance of new electronic services. The necessary technologies are presented to the construction of the catalogs, demonstrating the main involved concepts. It will be demonstrated, that the current technology turns possible the development of specialized services of search of information for the Internet. A project was elaborated for the area of the civil construction, facilitating the automation of the process of budgets among participant companies of the negotiation, turning both, buyer and vendor, more efficient. The necessary aspects will be approached, involved in the development of the application. Key Words Electronic Commerce, catalogs, XML, standardization, interoperability, search services, Servlet.

10 v SUMÁRIO 1. Introdução Objetivos Motivação Metodologia Adotada Estrutura do Trabalho Conceitos de Comércio Eletrônico Considerações Iniciais Histórico e impactos da Internet na sociedade Definições de comércio eletrônico As organizações e o Comércio Eletrônico A necessidade de novas formas de busca de informação Fatores restritivos e críticas à Internet Inadequação da legislação Desenvolvimento da criança e do adolescente Privacidade Pornografia Mensurabilidade Congestionamento Fatores restritivos ao comércio eletrônico Segurança Custos As formas de pagamento A tradição dos Varejistas Novas tecnologias em Comércio Eletrônico Aspectos importantes sobre a implantação de comércio eletrônico Iniciativas para o desenvolvimento do comércio eletrônico A proposta da CommerceNet A especificação RosettaNet Arquitetura OMG Módulo de dados semânticos Módulo de negociação Módulo de Pagamento Eletrônico Módulo de Gerenciamento de Serviços Módulo de Controle de Contratos Módulo IPR Intellectual Property Right Módulo Object Browser componentes para Desktops Módulo de Agências Módulo de catálogos A Intenção do presente trabalho...33

11 vi 3. Tecnologias envolvidas na criação de catálogos eletrônicos HTML Definição Pontos importantes a respeito de HTML O Formato do HTML Vantagens e limitações do HTML XML Definição Documentos válidos e bem formados As vantagens da XML Elaboração de um documento XML Novas formas de pesquisa com XML Pontos chaves Busca Convencional X Busca Otimizada DTD Definição Utilização da DTD em um documento XML Detalhes para a construção de DTDs Validação de um documento XML com a DTD XSL Definição Princípios do modelo XSL A arquitetura XSL RDF Introdução O modelo de dados RDF Exemplo da utilização de RDF Vantagens do RDF DOM Definição O Modelo DOM Vantagens do DOM Catálogos Eletrônicos Definição Interatividade Atualização dinâmica Hipertextualidade Presença global Características funcionais dos catálogos eletrônicos Tipos de catálogos eletrônicos Catálogos e as novas formas de busca...56

12 vii 4.5. Catálogos Customizados Catálogos interoperáveis Modelo Empresarial básico Benefícios para os envolvidos na adoção dos catálogos Uma visão prática dos Catálogos Publicação de um catálogo XML em um site da Web O catálogo como uma ferramenta de vendas XQL Desenvolvimento da aplicação Internet PesqNet Introdução A elaboração dos catálogos Java Definição A plataforma Java Importância de Java para a aplicação PesqNet Java Web Server CGI Servlets Definição Vantagens do Servlet Criação do Servlet para a aplicação PesqNet Conclusões e Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexos Código fonte do DTD O catálogo XML O código fonte da aplicação Pesqnet...89

13 viii LISTA DE FIGURAS Figura 1 Entidades envolvidas no padrão SET...21 Figura 2 Segurança no navegador...22 Figura 3 Transferência da conta bancária para o disco rígido do cliente...24 Figura 4 Tela que permite a transferência da conta bancária para o disco rígido...25 Figura 5 Principais Módulos...30 Figura 6 Validacão de um documento XML...47 Figura 7 Geração de várias apresentações à partir de um mesmo documento XML...47 Figura 8 Representação de uma árvore no DOM...52 Figura 9 Características mais importantes para um catálogo eletrônico...55 Figura 10 Comparação da importância de navegação X pesquisa Figura 11 Interação dos catálogos virtuais criados em XML...60 Figura 12 Conversão de XML em HTML no servidor...62 Figura 13 Conversão de XML em HTML no Cliente...62 Figura 14 Representação do catálogo num navegador XML da Web...63 Figura 15 Canal de comunicação ( push ) com o cliente...64 Figura 16 Microsoft XML Notepad Beta Figura 17 O catálogo sendo editado no XML SPY Figura 18 Catálogo do fornecedor Irmãos Furgeri...69 Figura 19 Catálogo do fornecedor Constrular...69 Figura 20 Catálogo do fornecedor Boa Obra...69 Figura 21 Passos para a criação de uma classe Java...71 Figura 22 Java Server da Sun...72 Figura 23 Servlet sendo executado no servidor HTTP...73 Figura 24 A tela principal da aplicação PesqNet...74 Figura 25 Tela contendo os resultados da pesquisa...76

14 ix LISTA DE TABELAS Tabela 1 Exemplos de Tags em XML...39 Tabela 2 Diferenças entre a busca convencional e a otimizada Tabela 3 Algumas convenções utilizadas na DTD...46

15 x LISTA DE QUADROS Quadro 1 Declaração de um resource...50 Quadro 2 Exemplo de RDF...50 Quadro 3 Geração do modelo DOM...75 Quadro 4 Como o valor de um produto é encontrado...75 Quadro 5 Criação da tabela HTML através da linguagem Java...76

16 Introdução Introdução Durante um considerável período de tempo, a Web foi encarada apenas como um novo meio de comunicação, sem uma clara definição de aplicações voltadas aos negócios. Se essa vocação para negócios não tivesse sido percebida e aceita pela comunidade de usuários, a Internet não teria conseguido um crescimento tão veloz, transformando se numa ferramenta para um enorme mercado consumidor. O comércio eletrônico está cada vez mais emergindo no mercado e como conseqüência, surge uma grande oportunidade de novos negócios num ambiente globalizado, apoiado pelas inovadoras tecnologias de comunicação. Muitas empresas estão mudando sua forma de atuação para reduzir custos operacionais, melhorar o atendimento ao consumidor e estabelecer sua presença pelo mundo inteiro, independente de sua localização atual. Computadores, soluções de rede e software, simplificam e aumentam comunicação entre parceiros em diferentes continentes e proporcionam práticas de negócio inovadoras. A convergência de atividades comerciais, rede de computadores e formas de pagamento, são fundamentos básicos para a construção de um mercado eletrônico global. A informação por si só, sua manipulação e recuperação, está se tornando um dos bens mais importantes no mercado on line, proporcionando negócios inovadores e o surgimento de novas formas de trabalho. Devido a essas as formas de negociação, surgem várias questões que precisam ser resolvidas para que o comércio eletrônico possibilite um mercado global. Muitos padrões estão evoluindo e várias empresas estão realizando trabalhos na tentativa de estabelecer meios e métodos comuns de negociação, de formas de pagamento, de segurança, de divulgação da informação. Vários aspectos precisam ser resolvidos antes que uma inovação possa ser alcançada no mercado. Devido a rápida evolução neste setor de negócio, as soluções para os problemas de implantação e padronização ainda são vagos, porém não há duvidas que novos desafios e oportunidades estão surgindo, para clientes, empresas e instituições financeiras. Apoiadas nas novas tecnologias, as empresas vêem no comércio eletrônico uma nova maneira de redução de custos, agilidade, detecção do perfil dos clientes e aumento dos limites organizacionais. Com relação a divulgação da informação, novas soluções tem surgido e novos padrões tem emergido no mercado, numa tentativa de padronizar as formas da construção da informação, pois os consumidores, de qualquer nível, têm dificuldade em localizar produtos que desejam na Web, dada a imensa quantidade de páginas de diferentes fornecedores. Para agilizar essa busca, torna se necessário a padronização da disponibilização da informação, propiciando o aparecimento de serviços de buscas mais eficazes, que devem possam encontrar as informações, independentemente do local onde ela se encontra, e demonstrá las num mesmo formato, para que o consumidor possa tomar decisões rapidamente. Isso possibilitará a comparação de produtos de diversos fornecedores ao mesmo tempo. Conforme descrevemos, existem, portanto, vários aspectos em pauta que precisam ser resolvidos e padronizados para que haja um maior desenvolvimento do comércio eletrônico Objetivos O principal objetivo desta dissertação é descrever os principais fundamentos à respeito do comércio eletrônico e demonstrar algumas iniciativas de padronização, enfatizando o desenvolvimento de catálogos eletrônicos, um dos componentes essenciais para integração de empresas participantes das negociações. Além disso, demonstra se que através da criação de

17 Introdução - 12 catálogos eletrônicos, utilizando as novas tecnologias, já é possível a criação de inovadoras formas de pesquisa de informações na rede Internet. São demonstradas as tecnologias envolvidas nesse processo, culminando com o desenvolvimento de uma aplicação, que visa demonstrar na prática, os conceitos estudados Motivação Os motivos para o desenvolvimento deste projeto, foram os seguintes: A afinidade com o tema, atuando como docente 1 em disciplinas afins a este assunto. As disciplinas do Programa de Mestrado, que contribuíram para consolidar e, principalmente, ampliar e atualizar nosso conhecimento sobre este assunto. A emergência do comércio eletrônico, pois sempre existe a possibilidade de ascensão profissional Metodologia Adotada Esta dissertação está fundamentada na atualização da pesquisa bibliográfica realizadas, principalmente, em publicações recentes, já que o assunto em questão é atual, onde se procurou dar prioridade para materiais que tratam das abordagens contemporâneas, fundamentais para analisar e apresentar as potencialidades da utilização do comércio eletrônico, como uma ferramenta de negócio. Devido ao fato do assunto ser relativamente novo a maioria das referências citadas foram retiradas de sites da Internet. Buscou se, inicialmente, o desenvolvimento de uma aplicação de comércio eletrônico envolvendo a criação e manipulação de catálogos eletrônicos,; uma vez concretizado seu desenvolvimento, foram descritos os principais conceitos e tecnologias envolvidas no processo Estrutura do Trabalho O capítulo 2 apresenta panorama geral sobre comércio eletrônico abordando seus aspectos principais, seus problemas de implementação e algumas propostas para seu desenvolvimento. O capítulo 3 apresenta as tecnologias necessárias para a criação e manipulação de catálogos eletrônicos. O capítulo 4 fornece os conceitos básicos sobre catálogos eletrônicos, seus tipos principais, suas características físicas e funcionais, e os benefícios de implementação. O capítulo 5 demonstra as tecnologias e procedimentos envolvidos para a elaboração de uma aplicação Internet, voltada à pesquisa de informações em catálogos XML. O capítulo 6 apresenta as conclusões gerais sobre essa dissertação. O capítulo 7 contém as referências bibliográficas. O capítulo 8 contém anexos referentes aos códigos criados na implementação da aplicação. 1 Desde 1995, na Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura nos cursos de Processamento de dados.

18 Conceitos de Comércio Eletrônico Conceitos de Comércio Eletrônico O objetivo deste capítulo é apresentar um panorama geral sobre comércio eletrônico, suas principais definições, características, restrições de utilização e algumas propostas para seu desenvolvimento Considerações Iniciais Para um primeiro contato com o tema, e para avaliar sua amplitude e complexidade, discorremos a seguir sobre algumas questões fundamentais: Histórico e impactos da Internet na sociedade Definições de Comércio Eletrônico As organizações e o Comércio Eletrônico A necessidade de novas formas de busca de informações Histórico e impactos da Internet na sociedade A Internet nasceu como um projeto do Departamento de Defesa norte americano desenvolvido pela Advanced Research Projects Agency (ARPA) e, por isso, recebeu o nome de ARPANET. A arquitetura da ARPANET foi desenvolvida de 1959 a 1969 e tinha como objetivo principal fornecer um sistema distribuído de comunicações entre computadores que poderia sobreviver a um ataque, de forma que, mesmo se uma parte do sistema fosse perdida, o resto da rede poderia continuar funcionando [Eager, 1995]. Nos anos 1970, as universidades e outras instituições, que faziam trabalhos relativos à defesa, tiveram permissão para se conectar à ARPANET. Em 1975 existiam aproximadamente 100 sites. As facilidades de comunicação e troca de dados propiciadas pela Internet já permitiam que na metade dos anos 80 houvesse interesse tal entre pesquisadores, educadores e pessoal envolvido em defesa que já se "justificava o estabelecimento de negócios para a fabricação de equipamentos especificamente para a implementação da Internet. Empresas tais como a Cisco Systems, a Proteon e, posteriormente, a Wellfleet (atualmente Bay Networks) e a 3Com, começaram a se interessar pela fabricação e venda de Roteadores 2, equipamentos necessários à conexão[morgado, 1998]. A década de 90 marcou a Internet pela introdução de serviços que a tornaram mais popular, visto que eram dirigidos a um público amplo. Entre 1993 e 1994 foram distribuídas 2 milhões de cópias pela Internet do software Mosaic, o Browser multimídia para a WWW, escrito por Marc Andreesen, na época um estudante de graduação da Universidade de Illinois. Esse software alcançou popularidade incrível e pode ser considerado um marco na história da Internet. Browsers como o Mosaic tornaram o acesso à rede quase intuitivo e, ainda durante a década de 90, surgiram os instrumentos de pesquisa como Yahoo, Infoseek e Altavista que facilitavam sobremaneira a busca de informações. Antigos serviços on line como América On Line, Prodigy e Compuserve passaram a prover acesso à Internet. Os microcomputadores começaram a vir de fábrica com os softwares necessários para acesso à rede previamente instalados e, paralelamente a isso, houve um incremento enorme no número de provedores 3 de acesso [Morgado, 1998]. 2 Roteadores - Equipamentos necessários a conexão entre computadores ligados em rede. 3 Provedores - Empresas prestadoras de serviço que fornecem aos clientes a conexão à Internet.

19 Conceitos de Comércio Eletrônico - 14 Diversos fatores ajudaram a gerar uma cobertura intensa sobre a Internet na imprensa internacional. Nos Estados Unidos a entrada da Casa Branca na rede em 1993, com os usuários podendo endereçar e mails ao presidente, ao vice presidente e à primeira dama teve impacto mundial. Semelhante impacto foi trazido pela presença de Fidel Castro e do Papa João Paulo II na rede. Novidades tecnológicas como transmissão de vídeo e rádio, ferramentas para seleção de conteúdo e salas de conversação ajudaram a disseminar ainda mais a Internet. No Brasil o progresso das redes é creditado ao professor Oscar Sala, da Universidade de São Paulo, que fez chegar a rede Bitnet em fins de 1988, conectando a Fapesp ao Fermilab nos Estados Unidos. Em 1991 a Fapesp conseguiu fazer a primeira ligação com a Internet e, alguns meses depois, estabeleceu se outra linha internacional, ligando dessa vez o Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ. Em 1995, com a posse do governo Fernando Henrique Cardoso, foi estabelecido o Comitê Gestor da rede Internet no Brasil e que tinha a função de coordenar e incentivar sua implantação no país. Ao mesmo tempo a RNP (Rede Nacional de Pesquisas), que havia iniciado a instalação de um backbone nacional em 1991, decidiu tornar se uma rede mista, voltada para o tráfego acadêmico e comercial, constituindo se na única a ter cobertura nacional e a responsável pelo acentuado progresso da Internet no Brasil [Morgado, 1998]. Nota se, portanto, que depois de uma longa história de desenvolvimento entre as comunidades acadêmica e militar, aparece, por volta de 1993, para a grande massa. Desde então, a Internet tem recebido grande atenção dos meios de comunicação, gerando muito interesse para o público em geral, e para os profissionais dos mais diversos ramos de atividade. Se difundiu com tal rapidez que, hoje, poucos anos depois, a troca de endereços de e mails entre conhecidos e os comentários sobre as novidades das home pages já se tornou prática corriqueira. As modificações propiciadas pela nova tecnologia são tão significativas que é fundamental alocar esforços para analisá las e procurar entendê las, particularmente quando se pensa nos desenvolvimentos tecnológicos que ainda estão por vir. Modems e sistemas de transmissão de dados cada vez mais velozes, o aumento assombroso da capacidade de processamento dos computadores pessoais, a integração da telefonia e da televisão à Internet e eletrodomésticos e outros aparelhos domésticos ligados em rede por computador são só alguns exemplos da revolução que se aproxima Definições de comércio eletrônico Várias definições de comércio eletrônico podem ser encontradas na literatura: Comércio eletrônico é definido como uma tecnologia empresarial que satisfaz a necessidade dos participantes de um mercado global [Kalakota & Whinston, 1996]. O Mercado existe porque milhões de pessoas usam seus computadores para se comunicar... e onde há comunicação, existe comércio [Levinson & Rubin, 1996]. "as características de comércio eletrônico estão trocando bens e serviços por dinheiro usando as capacidades da Internet" [Lynch & Lundquist, 1996]. Comércio eletrônico é um termo equivalente a comprar e vender produtos, serviços e informação através de uma infra estrutura de redes [Kalakota & Whinston, 1996]. É um desses casos raros onde necessidades variáveis e tecnologias novas vêm revolucionar o modo no qual negócio é conduzido [ESPRIT Project, 1996].

20 Conceitos de Comércio Eletrônico - 15 Com todas essas definições, nota se que comércio eletrônico é uma poderosa ferramenta de negócio para as organizações que, apoiando se sobre a infra estrutura de redes e as novas tecnologias, ampliam seus mercados e tornam se mais competitivas. A seguir são descritos alguns conceitos envolvidos no comércio eletrônico. One to One Marketing: Os Sistemas de comércio eletrônico passam a incorporar regras de negócio voltadas para a determinação do perfil dos clientes e oferecimento de promoções e produtos complementares. Através das técnicas de One to One Marketing pode se personalizar totalmente as sessões de consulta de clientes a sites de Comércio Eletrônico, maximizando as possibilidades de venda e oferecendo um tratamento personalizado. Produção "Build to Order" e "Mass Customization": Os produtos oferecidos em sites de comércio eletrônico passam a ser produzidos seguindo exatamente a especificação do cliente. Através da utilização de regras de negócio voltadas para a configuração de produtos, os sistemas podem guiar o usuário durante todo o processo de configuração, possibilitando a criação de produtos totalmente personalizados. Customer Care: "Cuidar" bem do cliente, antecipando se com relação a suas necessidades também é um dos desafios dos sistemas de comércio eletrônico. Por exemplo, pode se utilizar regras de negócio para automatizar a condução do relacionamento com o cliente através da emissão inteligente de e mails. Integração da Cadeia de Fornecimento (Supply Chain Integration): A integração entre os elementos de toda a cadeia de fornecimento (cliente, sites de E Commerce, fornecedores, terceiros) passa a ser muito maior em relação aos métodos tradicionais. Sistemas que integram toda a cadeia de fornecimento consistem em uma nova filosofia de negócios. Fabricação "Just in time": Os produtos passam a ser produzidos somente em função de pedidos específicos. Com isso consegue se uma diminuição nos níveis de estoque. Em indústrias, a tendência é que sistemas de comércio eletrônico sejam conectados a softwares de ERP para que se possa viabilizar a fabricação just in time em função de pedidos oriundos da Internet As organizações e o Comércio Eletrônico Atualmente, comércio eletrônico está explodindo no mercado e como conseqüência, uma grande oportunidade de novos negócios num ambiente globalizado. Companhias estão mudando dramaticamente para reduzir custos operacionais, melhorar o atendimento ao consumidor e estabelecer sua presença pelo mundo inteiro, independente da localização atual dos escritórios da companhia. A convergência de comércio, rede de computadores e dinheiro são fundamentos básicos para a construção de um mercado eletrônico global. Hoje, computadores, soluções de rede e software, simplificam e aumentam a comunicação entre parceiros em diferentes continentes e proporcionam práticas de negócio inovadoras. Os varejistas acompanham de perto o chamado "marketing interativo", fascinados pela habilidade para se dirigir ao consumidor, colher e recuperar sua resposta. Há também o atrativo da redução de custos: a eliminação da loja física e, consequentemente dos custos associados a ela, permitiria que os varejistas triplicassem suas margens [Cap Gemini, 1998]. Por outro lado, para os fabricantes, uma grande atração da rede é a possibilidade de comercializar produtos mundialmente. A facilidade de acesso ao consumidor, poderia fazer

21 Conceitos de Comércio Eletrônico - 16 com que a distribuição direta se transformasse na regra, deixando de ser a exceção, tornando possível, de maneira rápida e barata, personalizar os produtos comprados. Um outro aspecto que chama a atenção é relativo aos impactos na maneira pela qual as empresas se comunicam com seus clientes. Deverá haver um redirecionamento na maneira de se relacionar com o mercado a propaganda, a pesquisa de mercado e o marketing em geral deveriam mudar sua forma de atuação, saindo da divulgação em massa para a divulgação dirigida. Nessa nova forma de negociação, surgem várias questões que necessitam ser resolvidas para que o comércio eletrônico e os sistemas de pagamento possibilitem um mercado global. Com o crescimento sem precedente da Internet, estão evoluindo ainda os padrões para comércio eletrônico e formas eletrônicas de dinheiro. Nenhuma unidade governamental de dinheiro fixou uma posição segura neste novo campo, sendo assim, muitas preocupações e dúvidas surgem com o uso de formas eletrônicas de dinheiro, cheques eletrônicos, cartões de crédito/débito entre outros. É preciso de alguma forma definir quais são as preferências dos consumidores. Várias aspectos, como estes citados acima, precisam ser resolvidos, antes que uma inovação possa ser alcançada no mercado. Por causa da rápida evolução neste setor de negócio, as respostas para estas perguntas ainda são vagas e obscuras. Oportunidades novas e desafios em negócio surgem para indivíduos, firmas e bancos. O Comércio eletrônico oferece um mercado novo para produtos existentes: isto significa que clientes podem ser servidos, via uma nova forma de distribuição de vendas e canal de serviço. Fatos como o baixo custo da publicidade global e a habilidade em alcançar um vasto número de clientes têm um impacto na distribuição existente e no mecanismo de vendas [Kalakota, 1996]. Também as barreiras para pequenos negócios diminuem. Estas circunstâncias estão oferecendo uma boa oportunidade para idéias inovadoras. Ao lado dos produtos existentes, novos serviços e produtos podem surgir agarrados ao ambiente on line. Produtos baseados em informação, como bancos de dados on line ou revistas eletrônicas, poderiam tornar se categorias novas para a indústria. Também o setor de indústria chamado "edutainment", uma mistura de educação e entretenimento, poderiam começar a florescer neste ambiente. A administração pode melhorar suas decisões sobre metas estratégicas, usando informação on line em dia para apoiar a decisão. A coordenação de processos de negócio ou workflows pode ser aumentada e podem ser habilitadas operações mais rápidas ao longo da cadeia de suprimentos. Permite companhias serem mais eficientes e flexíveis em suas operações internas, trabalharem mais de perto com seus fornecedores e serem mais rápidas atendendo às necessidades de seus clientes. A força motriz do comércio eletrônico é a redução de despesas, além de melhorar a qualidade de produtos e serviços, aumentando a velocidade de entrega A necessidade de novas formas de busca de informação Com relação à divulgação da informação, novas soluções têm surgido e novos padrões vêm emergindo no mercado, numa tentativa de padronizar as formas da construção da informação. Consumidores de qualquer nível têm dificuldade em localizar produtos que desejam na Web, dada a imensa quantidade de páginas de diferentes fornecedores. Para agilizar essa busca, torna se necessário a padronização de serviços de procura que devem encontrar a informação, independentemente do local onde ela se encontra e demonstrá la num mesmo formato, para que o consumidor possa tomar decisões rapidamente. Isso facilita a comparação de produtos de diversos fornecedores ao mesmo tempo.

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Certificação Digital CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Guia CD-17 Público Índice 1. Pré-requisitos para a geração do certificado digital A1... 3 2. Glossário... 4 3. Configurando

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

TRANSFERÊNCIA ELETRÔNICA DE FUNDOS

TRANSFERÊNCIA ELETRÔNICA DE FUNDOS TRANSFERÊNCIA ELETRÔNICA DE FUNDOS Francislane Pereira Edson Ataliba Moreira Bastos Junior Associação Educacional Dom Bosco - AEDB Denis Rocha da Silva RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar a

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Quanto mais informações você disponibiliza na Internet, mais difícil se torna preservar a sua privacidade Nada impede que você abra mão de sua privacidade e, de livre e espontânea

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Autenticação de dois fatores no SonicOS

Autenticação de dois fatores no SonicOS Autenticação de dois fatores no SonicOS 1 Observações, cuidados e advertências OBSERVAÇÃO: uma OBSERVAÇÃO indica informações importantes que ajudam a usar seu sistema da melhor forma. CUIDADO: um CUIDADO

Leia mais

O Firewall do Windows vem incorporado ao Windows e é ativado automaticamente.

O Firewall do Windows vem incorporado ao Windows e é ativado automaticamente. Noções básicas sobre segurança e computação segura Se você se conecta à Internet, permite que outras pessoas usem seu computador ou compartilha arquivos com outros, deve tomar algumas medidas para proteger

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Via Internet Banking você pode realizar as mesmas ações disponíveis nas agências bancárias, sem enfrentar filas ou ficar restrito aos horários de atendimento Realizar transações

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia Introdução Atualmente no mundo internacional das redes e com o comércio eletrônico, todo sistema de computador se tornou um alvo em potencial para intrusos. O problema é que não há como saber os motivos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA

MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA MANUAL DE USO NA INTERNET PESSOA FÍSICA APRESENTAÇÃO 1.Bem-vindo ao SICREDI Total Internet! Agora você encontra o SICREDI em casa, no trabalho ou onde você estiver. É o SICREDI Total Internet, cooperando

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br BCInfo Consultoria e Informática 14 3882-8276 WWW.BCINFO.COM.BR Princípios básicos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Atualmente, graças à Internet, é possível comprar produtos sem sair de casa ou do trabalho, sem se preocupar com horários e sem enfrentar filas. Eainda receber tudo em casa ou

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício O que é Firewall Um Firewall é um sistema para controlar o aceso às redes de computadores, desenvolvido para evitar acessos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.74

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.74 Documentação Programa de Evolução Contínua Versão 1.74 Sumário Resumo das Novidades... 3 Configuração das Novidades... 5 PagSeguro Transparente... 5 Integração PayU Latam... 6 Integração Marketplaces B2W...

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Caro Assinante, O presente escrito estabelece e explica a Política de Privacidade da SOCIAL COMICS ENTRETENIMENTO LTDA, adiante também mencionada por SOCIAL COMICS e/ou PLATAFORMA.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01 EDITORA FERREIRA MP/RJ NCE EXERCÍCIOS 01 GABARITO COMENTADO 01 Ao se arrastar um arquivo da pasta C:\DADOS para a pasta D:\TEXTOS utilizando se o botão esquerdo do mouse no Windows Explorer: (A) o arquivo

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Segurança em Comércio Eletrônico.

Segurança em Comércio Eletrônico. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Comércio Eletrônico Agenda Comércio Eletrônico Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Comércio eletrônico (1/2) Permite: comprar grande quantidade

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Visão Geral do Mercado Embora o uso dos produtos da Web 2.0 esteja crescendo rapidamente, seu impacto integral sobre

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário)

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Guia de Orientação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2013 Página 1 de 47 Índice PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO...

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece?

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? Não? Então conheça o sistema que é a maior inovação tecnológica voltada para o

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2011 página 1 de 13 Pré-requisitos para a instalação Software de Certificação Digital

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Sistema de Pagamento Seguro

Sistema de Pagamento Seguro INTEGRAÇÃO COM PAGAMENTO FÁCIL BRADESCO Sistema de Pagamento Seguro Guia para integração de lojas com o Pagamento Fácil Bradesco INDICE Cap. 1 - Introdução...02 Cap. 2 - Links de pagamento...03 Cap. 3

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Perguntas e Respostas. Relatórios

Perguntas e Respostas. Relatórios Perguntas e Respostas 1. Por que o @ Work mudou? R: Pensando na satisfação dos nossos clientes para com os serviços via Web, foi realizado uma reformulação de toda estrutura do site otimizando a disponibilidade

Leia mais

NOVO COMPONENTE ASSINADOR ESEC

NOVO COMPONENTE ASSINADOR ESEC NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO ELETRÔNICAS PREFEITURA DE JUIZ DE FORA COMPLEMENTO AO SUPORTE A ATENDIMENTO NÍVEL 1 1.0 Autor: Juiz de Fora, Fevereiro 2015. PÁGINA 1 DE 38 SUMÁRIO 1REQUISITOS MÍNIMOS CONFIGURAÇÕES

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais