II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores"

Transcrição

1 II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMAÇÃO E IDENTIDADE DO PROFESSOR PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Edna Maria De Jesus Cardoso, Iraci Balbina Gonçalves Silva, Maria Emilia De Castro Rodrigues Eixo 4 - Políticas de formação de professores - Relato de Experiência - Apresentação Oral O presente artigo busca refletir acerca da formação e da identidade do profissional docente para atuar na Educação de Jovens e Adultos EJA. Com o intuito de compreender o movimento de formulação de identidade e, especificamente, do docente foram utilizadas obras de Dubar (2005, 2006), Castells (1999), Roldão (1999, 2007), Brzezinski (2008) e Freire (2011, 2012). Também foram analisadas as propostas pedagógicas dos cursos de Pedagogia da Universidade Federal de Goiás (UFG), Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), Universidade Estadual de Goiás (UEG) e do Instituto Aphonsiano de Ensino Superior (IAESup) a fim de verificar os espaços de formação inicial voltados para atuação na EJA nas referidas instituições. 7193

2 FORMAÇÃO E IDENTIDADE DO PROFESSOR PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Edna Maria de Jesus Cardoso 1 Iraci Balbina Gonçalves Silva 2 Maria Emilia de Castro Rodrigues 3 1. Introdução A análise das mudanças societárias é imprescindível para implementação de novas políticas públicas, dentre elas, as políticas direcionadas à formação continuada para professores. Pois, tais mudanças condicionam e intervém diretamente no sistema educacional e, de forma cíclica consequentemente, promovem novas mudanças na sociedade. Ao discutir os pressupostos da formação continuada do professor pretende-se assegurar o domínio adequado da ciência, da técnica e da arte da profissão docente, com vistas ao desenvolvimento de uma ação educativa apta a preparar os alunos para a compreensão e transformação da sociedade, de forma positiva e crítica. Nesse sentido, a formação continuada passa a ser considerada ferramenta indispensável ao desempenho pedagógico, devido à conciliação entre reflexão e prática presente na apropriação dos saberes dos professores. Ao integrar-se à discussão sobre a formação continuada Imbernón (2009) explana: Houve avanços consideráveis na formação continuada dos docentes nas últimas décadas, porém é possível afirmar que ainda, nos dias atuais, predomine por parte dos docentes uma preferência por formações técnicas, na qual é priorizado o treinamento que possibilitará a reprodução das mesmas em sala de aula. Acredita-se que esta é uma competência que subsidiará as mudanças na prática docente, e ainda qualificará os processos de ensino e aprendizagem (p.54). Portanto, para discutir formação continuada é necessário considerar o contexto em ela está inserida como fundante, pois ao conhecer a realidade dos professores, 1 2 Professora do Curso de Pedagogia do Instituto Aphonsiano de Ensino Superior IAESup. Assessora Pedagógica do Centro de Educação Profissional Sebastião Siqueira/Sectec-GO Mestra em Educação pela PUC Goiás. Coordenadora Geral de Pesquisa IF Goiano Mestra em Educação pela PUC Goiás. 3 Professora do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG). Doutora em Educação pela UFG

3 concebem-se suas experiências/saberes, necessidades e interesses; compreende-se como pensam a construção do conhecimento, a função da educação e o papel da escola e do professor na mediação frente à construção e (re)significação dos saberes. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN, Lei nº 9.394/1996, no artigo 62, sobre os Profissionais da Educação, estabelece que 1º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios, em regime de colaboração, deverão promover a formação inicial, a continuada e a capacitação dos profissionais de magistério. Nesse sentido, visando atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino, atentando às características de cada fase do desenvolvimento do educando, a referida Lei, sinaliza que o profissional da educação invista em sua formação continuada, buscando ainda, melhoria nas condições profissionais e pessoais deste profissional. As mudanças educacionais tornam a formação essencial e, para ratificar esta afirmativa, basta observar nas unidades escolares as atitudes, as relações interpessoais estabelecidas entre toda comunidade escolar e ainda as transformações pessoais e sociais advindas de tais ações. Assim, para atender as necessidades básicas com vistas à formação do sujeito cidadão é necessário democratizar e qualificar a educação, promovendo o acesso ao saber e à cultura. Nesse sentido, é mister implementar políticas públicas educacionais, destinadas à formação de professores em cada modalidade de ensino, fomentando novas perspectivas teóricas e metodológicas, com o intuito de potencializar a formação continuada com vistas a promover uma educação democrática e de qualidade, que atenda as demandas da sociedade. O movimento de formulação de identidade e, especificamente, do docente, está fundamentado em autores como Dubar (2005, 2006), Castells (1999), Roldão (1999, 2007), Brzezinski (2008) e Freire (2011, 2012) que elegem a discussão acerca da temática, bem como a análise dos documentos oficiais dos cursos de Pedagogia da Universidade Federal de Goiás (UFG), Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), Universidade Estadual de Goiás (UEG) e do Instituto Aphonsiano de Ensino Superior (IAESup). 2. Aspectos da formação profissional do docente no Brasil A formação de professores é considerada fundante para atingir os objetivos da educação, pois o professor, em sua prática, operacionaliza as propostas oriundas das reformas educacionais, que devem estar adaptadas à sua realidade social. A promulgação da Lei nº 9.394/1996, introduziu como alternativa aos cursos de pedagogia e licenciaturas, aos Institutos Superiores de Educação e as Escolas Normais

4 Superiores, uma política educacional com tendência a nivelar por baixo, mediante uma formação mais aligeirada e mais barata, por meio de cursos de curta duração. A Resolução CNE/CEB nº 01/99 (BRASIL, 1999) aborda sobre os Cursos Normais Superiores dos Institutos Superiores de Educação que poderão formar docentes para a educação infantil, ensino fundamental, compreendida também a preparação específica para educação de jovens e adultos equivalente aos anos iniciais do Ensino Fundamental. (art. 6º, 1o, V). A Resolução CNE/CEB nº 02/99 (BRASIL, 1999), versa sobre a formação dos professores na modalidade regular média, com o mesmo compromisso de propostas pedagógicas e sistemas de ensino com a educação escolar de qualidade para as crianças, os jovens e os adultos. Sob essa ótica, não se pode "infantilizar" a EJA no que se refere a métodos, conteúdos e processos; já que o art. 5º, no seu 2º assinala: Os conteúdos curriculares destinados (...) aos anos iniciais do ensino fundamental serão tratados em níveis de abrangência e complexidade necessários à (re)significação de conhecimentos e valores, nas situações em que são (des)construídos/(re)construídos por crianças, jovens e adultos. O Parecer CNE/CEB 11/2000 (BRASIL, 2000), relatado pelo Conselheiro Carlos Roberto Jamil Cury, institui que a formação dos docentes de qualquer nível ou modalidade deve figurar conforme disposto no art. 61, da LDB nº 9.394/1996: A formação de profissionais da educação, de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e às características de cada fase d e desenvolvimento do educando.... Portanto, o preparo de um docente para atuar na EJA deve incluir exigências relativas à complexidade desta modalidade de ensino; pois a formação docente qualificada é uma ferramenta eficaz para se evitar a reincidência e a evasão. Cabe destacar, que a maior parte desses jovens e adultos busca um significado social para as competências, articulando conhecimentos, habilidades e valores. Portanto, os docentes devem se qualificar para a constituição de propostas pedagógicas que considerem as características e expectativas desses educandos, trabalhadores ou não e com experiências que não podem ser ignoradas. Em 2002, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores são promulgadas e, posteriormente, também passam a ser aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação CNE, as Diretrizes Curriculares para cada curso de licenciatura. Em 2006, o Conselho Nacional de Educação aprovou sob a Resolução nº 1, de 15/05/2006, com Diretrizes Curriculares Nacionais para cursos de graduação em Pedagogia, propondo licenciatura e atribuindo a estes a formação de professores para a

5 educação básica na modalidade Normal e para a educação de jovens e adultos, além da formação de gestores. Assim, cabe às universidades juntamente com as Secretarias de Educação e outras instituições privadas, propor a formação docente para a EJA, pois se trata de um processo em via de consolidação que exige ação integrada. A pesquisa (quantitativa e qualitativa) pode contribuir para melhoria da ação docente. Esta deve valorizar a riqueza cultural dos discentes, enriquecendo os componentes curriculares. A qualidade da formação do docente não pode atender aos termos medíocres qualquer coisa serve ou antes isso do que nada. 3. Identidade Profissional: a docência para a EJA A identidade docente se relaciona às expectativas da sociedade e do indivíduo ante o trabalho do professor e estas se encontram inundadas de significado e relacionadas às experiências de um determinado povo e as relações de poder. (CASTELLS, 1999). A formação da identidade decorre de fatores históricos e as transformações sociais desencadeiam o movimento da construção/desconstrução/reconstrução das formas identitárias, vinculado à identidade pessoal efetivada na vivência coletiva, com o desenvolvimento do sentimento de pertença a um determinado grupo social, que ocorre durante todo o processo de profissionalização, que inclui dentre outras, a especificidade do conhecimento do profissional docente. Para Dubar (2005, 2006) todas as identidades são denominações relativas a uma época histórica e a um tipo de contexto social. (2005, p. XXI). Nesta perspectiva, as formas identitárias são historicamente constituídas e variáveis, envolvendo aspectos inter e intrapessoais, de forma que abrangem as identificações por si e para o outro. Diante do contexto, é perceptível que a identidade profissional como tema relevante na atualidade, pois as transformações ocorridas na sociedade questionam a função da escola e, por consequência, a função do professor. Roldão (1999) colabora para que a natureza da função do professor continue na pauta das discussões, contribuindo para a reflexão acerca da identidade do professor, questiona: se trata de um profissional, técnico ou funcionário? O estatuto de funcionário está relacionado à dependência em suas várias vertentes (administrativa, pedagógica, pouca autonomia quanto às decisões, exercício de atividades rotineiras desprovidas de sentido), já o profissionalismo encontra-se relacionado à autonomia, ao domínio e a produção do saber específico necessário à actividade profissional; a pertença a e o reconhecimento por uma comunidade de pares, com identidade científica e profissional própria e com práticas profissionais

6 partilhadas. (p.18). Diante disto, a autora conclui que o professor encontra-se em um estado híbrido, vivenciando uma situação de semi-profissionalidade. Roldão (2007) reitera que o conhecimento profissional docente exige especificidade e que passa por formulação histórico-social em permanente evolução. Segundo a autora, existe a necessidade emergente de profissionalização; não sendo linear e nem unidirecional, abrangendo duas dimensões complementares: extrínseco, de natureza político-organizativa; de natureza intrínseca, associada à necessidade de legitimar esse grupo social dos docentes pela posse de determina saber distintivo. (p.96) Brzezinski (2008) afirma que a base da identidade profissional em educação é a docência, e esta identidade é construída nas relações sociais, embora seja edificada a partir da identidade pessoal. A autora faz, ainda, a distinção entre profissionalização, profissionalidade e profissionalismo. A profissionalização é um processo dialógico, contínuo, permanente, histórico e desenvolve-se em vários espaços. A profissionalidade é requisito para o exercício competente, envolvendo saberes, capacidades, sendo mutável de acordo com a época e local. O profissionalismo pode ser compreendido como a práxis, o desempenho competente e compromissado, seria também o tomar partido (assumindo a postura política inerente a docência) e a sua construção se dá na vivência do coletivo. (BRZEZINSKI, 2008). A profissionalização docente, na visão de Freire (2011, 2012), deve abranger diversos elementos: posicionamento político, clareza epistemológica, competência técnico-científica e pedagógica, vivência da coletividade, respeito aos educandos e aos seus saberes, dentre outros. De certa forma, encontramos consonância entre o posicionamento de Roldão, Brzezinski e de Freire; pois eles declaram a exigência de uma formação consistente, permanente e coletiva ao exercício da docência, mas encontramos em Freire elementos incisivos aos propósitos deste artigo que pretende refletir sobre a identidade profissional do docente da EJA. Portanto, ao profissional de educação são necessários conhecimentos específicos inerentes à sua profissionalização. Tais conhecimentos para a prática docente, embora possam possuir alguns princípios (como planejamento, avaliação e auto-avaliação), consideraram as características dos educandos (psicológicas, epistemológicas, culturais...). É preciso reconhecer que o ser humano é inconcluso, incompleto e tomar a mudança como uma possibilidade, superando a cultura do silêncio, cultivando o diálogo (que se dá em relação horizontal), reconhecendo o discente e docente como sujeito cognoscente do processo epistemológico e político. (FREIRE, 2011)

7 Nesta perspectiva, Freire e Shor (2011) apresentam algumas orientações importantes na concretização de uma pedagogia libertadora, que devem ser consideradas ao pensar na construção da profissionalização do educador, dentre elas: a necessidade da vivência da coletividade; a competência profissional (compromisso, rigor, autoridade, liderança sem autoritarismo); a dimensão estética na formação do professor (tonalidade da voz, a arte dramática, a criatividade verbal não podem ser menosprezadas). Paulo Freire (2011) defende a formação docente voltada para a construção da autonomia dos educandos. Declara que a ética é indissociável à prática educativa e retoma o caráter histórico de sua construção. Diferencia ética do mercado da ética universal e faz claramente opção pela ética universal, lutando contra qualquer tipo de discriminação e contestando práticas que reduzam o ser humano ao objeto. Assim, convoca os docentes a se assumirem como sujeitos éticos. Define a curiosidade epistemológica como um dos elementos necessários a apropriação do conhecimento e remete ao educador o fomento da criticidade, da curiosidade e da insubmissão, não como algo natural; mas que exige intencionalidade, planejamento e trabalho sério do professor. A perspectiva freireana conclama também o respeito ao senso comum (mas exige a sua superação), busca o rigor e estimula a capacidade criadora do educando e solicita uma prática pedagógica voltada para a construção da coerência testemunhal. Estabelece, dentre outros fatores, a humildade, o diálogo, o movimento do fazer e o pensar sobre este fazer. Coerentemente, o autor declara só se pode ensinar o que se sabe e que a autoridade tem por base a competência profissional. Os pontos elencados ajudam a delinear a identidade do professor, em aspectos gerais e específicos quanto à sua formação, no intuito de encontrar espaço profícuo para seu desenvolvimento A constituição da Identidade do Professor da EJA nos cursos de Pedagogia Com vistas a verificar os espaços dedicados a formação de identidade do professor para atuar na EJA, foram analisadas as Propostas Pedagógicas dos cursos de Pedagogia em quatro instituições de Ensino Superior localizadas no estado de Goiás. Considerando a Academia o lócus de formação de docentes, começaremos por ela a sensibilização e a fundamentação científica e pedagógica para atuar nesta modalidade de ensino. Portanto, verificar se os documentos oficiais apontam para um delineamento de uma identidade do profissional docente na Educação Profissional e se os faz, quais os elementos emergem deste posicionamento político, constituem para as questões suscitadas nesta produção. 6

8 4.1. Universidade Federal de Goiás Para analisar a proposta pedagógica utilizou-se o Projeto Político Pedagógico (PPP) do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação/Universidade Federal de Goiás (FE/UFG), aprovado e em execução desde 2003; as ementas das disciplinas e planos de curso que se encontram no site desta Faculdade, bem como o PPP que está em votação na Câmara de Graduação.A estrutura curricular do Curso de Pedagogia está organizada com base em oito componentes: [...] reflexão sobre a sociedade, a educação, a formação humana e a escola; formação didático-pedagógica para a docência; trabalho docente na Educação Infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental; organização e gestão do trabalho pedagógico na educação escolar e não-escolar; aprofundamento de estudos nas áreas de formação do pedagogo; estágio supervisionado nas áreas de educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental; atividades complementares/atividades acadêmico-científico-culturais; estudo/núcleo livre. Percebe-se nos componentes o direcionamento do atendimento à educação infantil e ao ensino fundamental, sendo que neste último apresenta um olhar voltado para a educação de crianças e adolescentes e também para educação de jovens e adultos, como podemos verificar nos exemplos a seguir: Reflexão sobre a sociedade, a educação, a formação humana e a escola - Estudo e compreensão dos conceitos, métodos de investigação e construções teóricas da biologia, da filosofia, da história, da sociologia, da psicologia e de outras matérias das humanidades, essenciais à compreensão da existência humana, pessoal e coletiva, da educação, da formação humana, da escola, do saber, do ensinar, do aprender e do trabalho em educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental para crianças, adolescentes, jovens e adultos, bem como à produção dessas realidades como diferentes do que atualmente existe. (FE/UFG, 2003, p. 15). Um dos componentes curriculares é o de Aprofundamento de estudos nas áreas de formação do pedagogo, a partir de pesquisas e prática docente e discente por meio de: disciplinas de aprofundamento e trabalho de conclusão do curso (TCC); e disciplinas eletivas do Núcleo Livre, definidas a partir das linhas de pesquisa do Programa de Pósgraduação em Educação da FE/UFG: Educação, Trabalho e Movimentos Sociais; Estado e Políticas Educacionais; Cultura e Processos Educacionais e Formação; e Profissionalização Docente, organizadas por núcleos de estudos, projetos de trabalho, projetos de extensão e de pesquisa, sendo que em todas se atende a modalidade EJA, conforme segue: Investiga a formação, ação e profissionalização docente nos diversos níveis de ensino, explicitando o caráter político-pedagógico das políticas de formação, inicial e continuada, e as relações do trabalho docente com as tecnologias de informação e comunicação. Dentre as possíveis áreas a serem oferecidas nesta Linha de Pesquisa estão: Formação e Profissionalização de Professores no Brasil, Educação de Jovens e 7

9 Adultos, Educação e Diversidade, Educação, Arte e Mídias e Didática. (FE/UFG, 2003, p. 17). Assim, no PPP do Curso de Pedagogia da FE/UFG as ementas das disciplinas trazem a preocupação em trabalhar a EJA na formação do pedagogo, compondo todo o curso, inclusive em disciplinas eletivas que compõe o Núcleo Livre enquanto áreas de aprofundamento de estudos; além das disciplinas que dialogam com a temática da EJA Paulo Freire: educação e atualidade brasileira ; Trabalho, educação e juventude; Educação Especial e Inclusão Escolar. O referido documento apresenta ainda o Convênio da Secretaria Municipal de Educação de Goiânia (SME/FE/UFG), organizado por componentes curriculares/ disciplinas/carga horária anual, que traz a disciplina de núcleo livre EJA I e II e o Curso de Pedagogia da Terra, direcionado aos Movimentos dos Trabalhadores Rurais sem Terra. Mediante avaliação dos professores para a reorganização do PPP do Curso de Pedagogia da FE/UFG, percebeu-se que se a EJA não for abraçada pelo coletivo, na prática não se concretizará a formação do pedagogo, direcionada a estes sujeitos de direito. Nesse sentido, é que o movimento de reconstrução curricular revela a necessidade tanto de contemplar a EJA nas ementas das disciplinas do curso, mas também como disciplina obrigatória, podendo ainda ser trabalhada como núcleo livre, ampliando as formas de aprofundamento das especificidades da modalidade Pontifícia Universidade Católica de Goiás Os documentos pesquisados foram os que estavam disponibilizados no site da instituição. Atentamos, primeiramente, para a Missão e Atribuições que coloca a Educação de Jovens e Adultos como um dos focos da formação. O curso é composto por oito períodos, sendo que a disciplina Educação de Jovens e Adultos é obrigatória e trabalhada no sétimo período, apresentando carga horária de seis horas semanais. Os planos de ensino, disponibilizados no site, também foram analisados e a partir deles percebe-se, que no que se refere à disciplina especifica de EJA, esta foi elaborada a partir de uma proposta de conhecimento histórico e político da EJA, não havendo discussão acerca da didática ou da identidade do professor para esta modalidade de ensino, como é possível verificar em sua ementa. Quanto aos planos das outras disciplinas, verificamos que, a partir do que está registrado, não abrem espaço para discussão sobre as questões da EJA, nem mesmo as disciplinas de Didática Fundamental, Psicologia da Educação (I e II) e nem as de Estágio (I, II e III)

10 Acreditamos que seria importante que alguns aspectos referentes à identidade do professor para EJA e a didática fossem trabalhados em várias disciplinas para a formação de um profissional compromissado com qualidade e a justiça social para aqueles cidadãos Universidade Estadual de Goiás Consultamos o site e não encontramos o projeto do curso, mas apenas o perfil do curso, que não faz nenhuma menção específica à EJA, mas ao Ensino Fundamental e outras instâncias educacionais; e as matrizes curriculares do curso de pedagogia de quinze unidades de: Anápolis, Campos Belos, Crixás, Formosa, Goianésia, Inhumas, Itaberaí, Jaraguá, Luziânia, Minaçu, Pires do Rio, Quirinópolis, São Luís de Montes Belos, São Miguel do Araguaia e Uruaçu. Os cursos apresentam, segundo o site, matriz curricular unificada e a sua análise nos autoriza afirmar que ela não apresenta, pelo menos explicitamente, disciplinas que tratem da EJA e parece não contribuir para a formação de identidade profissional quanto a esta área. Várias disciplinas, no entanto, apontam para certo direcionamento quanto à formação do professor de Educação Infantil e series iniciais do Ensino Fundamental, incluindo os Estágios Supervisionados Instituto Aphonsiano de Ensino Superior De acordo com o Projeto Pedagógico Curricular do Curso de Pedagogia e o site da instituição, o curso Tem como função básica a formação do homem em sua totalidade, nos seus aspectos sociocultural, psicológico, físico e político. O pedagogo é essencialmente um educador. (IAESup, 2013). A matriz curricular do Curso de Pedagogia do IAESup é composta por oito períodos, sendo a Educação de Jovens e Adultos disciplina obrigatória, no sexto período, contabilizando a carga horária teórica de 72h (setenta e duas horas), mediante a seguinte ementa: Caracterização da educação de adultos. Visão histórica e técnica da educação de adultos. Currículos e programas. Avaliação e metodologia. Estágio Supervisionado II. Divulgação de dados. Execução da observação, semi-regência e regência. Confecção de relatórios. A disciplina se encontra fundamentada em autores como Gadotti; Romão; Freire, Fávero; Paiva; dentre outros, que abordam questões pertinentes à reflexão sobre a EJA. Cabe ressaltar que o Estágio Supervisionado II, realizado também no sexto período, com carga horária prática de 50h (cinquenta horas) desenvolvido na escola-campo, é outro momento em que suscitam as discussões acerca da EJA. No que se concerne ao Plano de Ensino da disciplina de EJA (2013), os objetivos 9

11 propostos são: identificar e compreender a legislação, políticas públicas, os princípios, as perspectivas, os desafios e as especificidades da Educação de Jovens e Adultos; analisar os princípios políticos pedagógicos; as experiências práticas; as reflexões coletivas e a formação de professores da Educação de Jovens e Adultos; conhecer a modalidade Educação de Jovens e Adultos seus currículos, programas, metodologias e avaliação. Diante do exposto, é notória a preocupação da instituição com a formação de professores para atuar na EJA, concebendo as especificidades desta modalidade, mediada por uma educação capaz de se inserir como prática formadora omnilateral e comprometida com a democracia social Análise das Diretrizes do Curso de Pedagogia A Resolução do Conselho Nacional da Educação/Conselho Pleno n 1 de 15 de maio de 2006 é que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia, que se referencia à Educação de Jovens e Adultos em vários momentos, como no Art.5º O egresso do curso de Pedagogia deverá estar apto a: (...) III fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens de crianças do Ensino Fundamental, assim como daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria. (p.2) Entendemos que neste artigo, embora, não se dê ênfase à EJA, vislumbra a responsabilidade com a aprendizagem com relação ao direito à educação, o que é um dos aspectos positivos. O 6º artigo avança no que diz respeito à inclusão da temática no curso de pedagogia e determina que a estrutura do curso, seja constituída por um núcleo de estudos básicos e aplicações (...) em práticas educativas, de conhecimentos de processos de desenvolvimento de crianças, adolescentes, jovens e adultos, nas dimensões física, cognitiva, afetiva, estética, cultura, lúdica, artística, ética e biossocial. (p.3). O artigo 8 indica um caminho interessante quanto à efetivação de uma formação voltada também para o professor que atuará na Educação de Jovens e Adultos, o estágio curricular (...) em ambientes escolares e não-escolares que ampliem e fortaleçam atitudes éticas, conhecimentos e competências: [...] d) na Educação de Jovens e Adultos;(...) (p.4/5) O estágio supervisionado é sem dúvida, um espaço propício, embora não possa ser o único, para ambiência formativa do profissional. Compreendemos que a sensibilização não deve aflorar apenas nesta fase, pois o futuro professor necessita de formação consistente, em várias áreas (política, pedagógica, psicológica, didática) para conseguir trabalhar com uma teoria da aprendizagem que privilegie o diálogo, considere 10

12 os saberes dos educandos e a curiosidade epistemológica como elemento imprescindível ao processo Considerações Finais O movimento percorrido aponta que, ao longo dos últimos dois séculos, as mudanças no processo de formação docente desvendam um quadro de descontinuidade. A questão pedagógica vai adentrando lentamente até ocupar posição fundamental nas reformas educacionais. No entanto, ainda não se encontrou uma direção satisfatória. Percebe-se, então, que se revela no decorrer da história, a precariedade das políticas formativas, cujas mudanças não conseguiram estabelecer um padrão, no mínimo, consistente de preparação docente para enfrentar os problemas da educação escolar em nosso país. No que se refere às análises dos documentos, é preciso reconhecer certo esforço, mesmo que alguns casos extremamente tímido, de adentrar na temática, principalmente na promoção de disciplinas que envolvem o estudo da Educação de Jovens e Adultos. Defendemos, entretanto, a inclusão de questões pertinentes à EJA como parte da ementa de várias disciplinas, uma vez que a este profissional será exigido uma fundamentação teórico-prática consistente para superar vários desafios, dentre eles a desconstrução do fazer pedagógico e neste processo de promoção de uma educação libertadora a atuação do professor formador é fundamental. A educação libertadora, segundo Freire e Shor (2011), só surgirá dos que estão conscientes da opressão e não aceitam a condição de simples objetos em sua relação com o mundo. Os professores libertadores não nascem libertadores, vão se construindo, se formando, gradativamente. E este processo de formação de identidade não é fruto do acaso e nem do individualismo. A formação da identidade exige, portanto, a vivência do coletivo, o discernimento das funções e papeis, a busca de significado e caminhos políticos e pedagógicos da prática profissional. E da responsabilidade que lhes cabe rumo à construção da qualidade social também para Educação de Jovens e Adultos, as instituições formadoras não podem se esquivar. 7. Referências BRASIL. Lei n , de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: Acesso em 27 dez Ministério da Educação. Resolução CEB nº 1, de 7 de abril de Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Disponível em: Acesso em: 28 dez Resolução CEB nº 2, de 19 de abril de Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em 11

13 nível médio, na modalidade Normal. Disponível em: Acesso em: 28 dez Parecer CNE/CEB 11/2000. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Disponível em: ja/legislacao/parecer_11_2000.pdf. Acesso em: 28 dez Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em: Acesso em: 28 dez Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: Acesso em: 28 dez BRZEZINSKI Iria. Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental. Educação & Sociedade. CEDES, Campinas, n.105.p , set.dez., CASTELLS, Manuel. Paraíso comunais: identidade e significado na sociedade em rede. In: CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra,1999, p DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS (FE/UFG). Projeto Político Pedagógico do Curso de Pedagogia. Goiânia, GO, Disponível em: Acesso em: 21/08/2013. FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com pedagogia do Oprimido. 50ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 13 ed. São Paulo: Paz e Terra, IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências/ tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, INSTITUTO APHONSIANO DE ENSINO SUPERIOR (IAESup). Projeto Pedagógico Curricular do Curso de Pedagogia. Trindade, GO, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS (PUC Goiás). Projeto Político Pedagógico do Curso de Pedagogia. Goiânia, GO, Disponível em: Acesso em: 21/08/2013. ROLDÃO, Maria do Céu. Gestão Curricular: fundamentos e práticas. Lisboa: Ministério da Educação. Departamento da Educação Básica, P.11 a 36.. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.32 jan/abr p.94 a 181. Universidade Estadual de Goiás (UEG). Informações institucionais, cursos de graduação, pós graduação e extensão. Notícias sobre a universidade. Disponível em: Acesso em: 03 de jan. de

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás

Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade Federal de Goiás O PIBID - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS E AS ATIVIDADES DE ENSINO E PESQUISA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GOIÂNIA SEGUNDA FASE DO ENSINO BÁSICO Edna Goya Faculdade de Artes Visuais/Universidade

Leia mais

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula.

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º -O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de licenciados em Pedagogia

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados na Gestão e Docência da Educação Infantil e na

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA Resumo EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO LIMA, Michelle Fernandes UFPR 1 mfernandeslima@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV Cláudia Ribeiro Damasceno Universidade do Estado da Bahia- UNEB. E-mail: claudiard17@hotmail.com RESUMO Este

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados de formação no Curso de Educação Física/FAED/UFGD

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE 2014 2 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Normas e orientações gerais para o Estágio Supervisionado da Licenciatura em Letras 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 EIXO1 Formação docente: Profissionalização, Ética e Cidadania 1º Período Disciplina C.H.R. C.H.S. Informática Aplicada 20 20 01 01 Políticas Públicas e Organizações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com O QUE SE ESPERA DO EGRESSO DA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA? BREVE ESTUDO DAS DIRETRIZES OFICIAIS PARA AS LICENCIATURAS E DE UM PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Resumo NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO Autora: Kelly Brandão de Brito Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Campus Amílcar Ferreira Sobral - CAFS

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: PEDAGOGIA - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO O curso de Pedagogia tem como missão criar, desenvolver, sistematizar e difundir conhecimentos na área de educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 47/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais