Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária"

Transcrição

1 Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária Sampaio, Cláudio Mueller P. * e Kurosawa, Rosane S. S. * * Depto. Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Av. Prof. Mello Morais 2231, Butantã São Paulo, SP, Brasil. Tel: ; Fax: ; Resumo A história mundial destaca os portos como sendo elos essenciais à cadeia de suprimentos global; integrando economias, incentivando transações comerciais e estruturando o comércio internacional. Entretanto, os portos não são mais apenas locais de movimentação, armazenamento e o transbordo de cargas, mas um componente fundamental na reestruturação da matriz de transporte. Para executar essas novas funções com eficiência, os responsáveis pelas administrações portuárias estão implementando os mais variados sistemas de gestão da informação com o objetivo de agilizar tanto o processo de documentação, quanto o processo de manuseio da carga. O objetivo desse trabalho foi realizar um levantamento dos principais sistemas de informação aplicados à gestão portuária em nível mundial buscando identificar os requisitos, os procedimentos, as dificuldades e as restrições para a implantação desses sistemas eletrônicos de informação. Adicionalmente, realizou-se levantamento de modernas tecnologias de informação passíveis de aplicação em futuros sistemas de informação portuária. Entre as conclusões do estudo, conclui-se que a arquitetura de sistemas de gestão portuária deve priorizar uma distribuição automática das informações, adotar uma linguagem padrão de transmissão de dados e, preferencialmente, ocorrer através da Internet. A arquitetura do sistema de informação portuário deverá ainda garantir conectividade e interoperabilidade entre os diversos integrantes do sistema portuário, contemplar a agilização e otimização nos processos de importação e exportação, permitir o rastreamento de cargas on-line e oferecer segurança e consistência à realização de transações e à distribuição automática da informação.

2 Introdução O desenvolvimento do comércio internacional está estreitamente ligado à questão portuária, uma vez que a quase totalidade das mercadorias que circulam pelo mundo é transportada em navios e movimentada através dos portos. As novas tecnologias introduzidas na navegação marítima e na infra-estrutura portuária provocaram profundas transformações no panorama do comércio mundial. No sistema portuário concentra-se, de certa maneira, o ciclo de exportação e importação de insumos e bens de consumo. A qualidade dos serviços prestados pelo sistema portuário influencia diretamente o custo final dos produtos e determina a competitividade no mercado globalizado. A movimentação da carga através do sistema portuário deve atender a dois requisitos básicos: transcorrer no menor tempo possível e ocorrer com segurança. Ambos requisitos podem ser alcançados através da implantação de sistemas eletrônicos de informação que possibilitariam a agilização da tomada de decisão pelos órgãos gestores do sistema. Esses sistemas constituem-se em ferramenta de gestão que permite o planejamento, a organização e o controle dos recursos humanos e materiais viabilizando a qualidade dos serviços prestados pelo sistema portuário. O primeiro aspecto a ser considerado é uma precisa conceituação do termo sistemas de informação. Segundo Laudon&Laudon (1999), esse termo pode ser definido como um conjunto de componentes inter-relacionados trabalhando integrados para coletar, processar, armazenar e distribuir informação com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e a tomada de decisão por parte das empresas e das organizações. Essa definição pode ser complementada com o acréscimo do entendimento prático de sistemas de informação computadorizados com capacidade de garantir confiabilidade e rapidez de acesso às informações. É importante ressaltar que, embora ainda persista a tendência de usar os termos dados e informações como sinônimos, os mesmos representam idéias diferentes. Enquanto que o termo dados representa fatos brutos, o termo informação está associado a dados coletados, organizados, ordenados, analisados e interpretados e, portanto, passáveis de atribuição de significado e contexto. A definição, por parte da empresa, da tecnologia de informação mais adequada às suas necessidades envolve, entretanto, diferentes alternativas. A tecnologia moderna oferece uma ampla variedade de opções cuja escolha depende dos custos envolvidos (capital, manutenção, treinamento, etc.), assim como de outras funcionalidades como, por exemplo,

3 capacidade de armazenamento do sistema e qualidade e precisão da informação. Outro aspecto importante nesse processo é a característica de transmissão automatizada das informações armazenadas e a capacidade de atualização das mesmas, inclusive com a transmissão via satélite. Finalmente, além de atender as necessidades atuais, é importante que o sistema escolhido tenha capacidade de adaptação ao ambiente empresarial dinâmico que poderá requerer um aumento de serviço, uma modificação das metodologias de trabalho ou uma modernização na operacionalidade dos serviços. Rede de Computadores Uma rede de computadores é uma interconexão de um ou mais computadores com o objetivo de compartilhar dados, programas, correio eletrônico e recursos como impressoras, dispositivos de armazenamento e aplicativos. A implementação de uma rede necessita de um meio físico de transmissão (cabo, fibra óptica ou wireless ) e a seleção de uma linguagem comum de entendimento da informação, isto é, de um protocolo de comunicação. Esta capacidade de compartilhar informações e recursos é que torna qualquer rede uma ferramenta tão valiosa à empresa. O aparecimento dos sistemas em rede possibilitou a imediata integração entre diferentes setores, constituindo-se hoje em uma ferramenta fundamental ao aumento da produtividade. As principais vantagens das redes são o compartilhamento de recursos, o maior controle das informações, o gerenciamento de aplicativos e a possibilidade de armazenamento ( back-up ) centralizado e, como desvantagens, apresenta a necessidade de planejamento, treinamento e manutenção. A classificação das redes pode ser realizada segundo diversos critérios; alguns dos mais comuns sendo: Dimensão ou área geográfica ocupada: Redes pessoais, redes locais, redes metropolitanas, redes de área alargada, etc; Capacidade de transferência de informação: Redes de baixo, médio e alto débito; Topologia ( forma da rede"): Redes em estrela, em "bus", em anel, etc; Meio físico de suporte ao envio de dados: Redes de cobre, de fibra óptica, de rádio, por satélite, etc; Ambiente em que se inserem: Redes industriais, corporativas, etc; Método de transferência dos dados: Redes de "broadcast", de comutação de pacotes, de comutação de circuitos, redes ponto-a-ponto, etc;

4 Tecnologia de transmissão: Rede "ethernet", "token-ring", ATM ( Asynchronous Transfer Mode ), etc. Um computador conectado em rede necessita componentes específicos tanto em nível de software (sistema operacional e aplicativos), como de hardware. O hardware é constituído de placa de rede local, meios de transmissão, etc, enquanto que o software de rede deve oferecer serviços ao usuário como; confiabilidade, identificação, compartilhamento de recursos, emulação de terminal, correio eletrônico, transferência de arquivos e gerência de rede. A implementação de redes requer também a escolha de um protocolo de comunicação, definido como um conjunto de regras que define procedimentos, convenções e métodos para que dois ou mais dispositivos da rede possam se entender. O procedimento básico de funcionamento do protocolo é a divisão do fluxo de dados em pequenos pacotes, que transmitidos pela rede, são re-agrupados novamente no sistema receptor. O protocolo mais usado atualmente, base da Internet, é o TCP/IP ( Transport Control Protocol / Internet Protocol ). Um dos fatores de seu sucesso é sua tecnologia aberta que permitiu interligar sistemas de diferentes fabricantes. Entre suas qualidades, este protocolo facilita a execução de tarefas como a transferência de arquivo e o acesso a sessões remotas através do método chamado de transferência de dados confiável, ou seja, o processo de transmissão assegura que os dados cheguem na mesma seqüência e estado em que foram enviados. Outra vantagem é a capacidade de verificação de erros, pois o protocolo associa a cada bloco de dados um código numérico reconhecido tanto pelo emissor como pelo receptor e que, ao ser transferido com sucesso, exige do receptor o envio de uma mensagem confirmando a transferência isenta de erros. Internet O conjunto mundial de redes denominado Internet surgiu há mais de 40 anos com o objetivo desenvolver um meio de comunicação capaz de sobreviver às condições adversas de um conflito nuclear. Em 1972 aparece o correio eletrônico, porém somente na década de 90, com a introdução dos computadores pessoais, ocorre sua disseminação. Ainda no início dessa década aparece a World Wide Web (WWW) fundamentada no conceito de hipertexto distribuído e na relação cliente/servidor e que, por estar associada a uma rede mundial, adotou o padrão TCP/IP. O aparecimento da Web colaborou definitivamente para a disseminação mundial da Internet em todas as camadas sociais. Entre os diversos aspectos relacionados à evolução da Internet, a velocidade de conexão assume uma

5 importância cada vez maior em razão do grande aumento da capacidade requerida de transmissão de dados. Apesar de ainda se verificar a utilização de linha discada, cada vez mais se empregam novas tecnologias como, ATM, cabo ou microondas. Tecnologias de informação O desenvolvimento tecnológico possibilitou a introdução, nos últimos anos, de uma ampla gama de novas tecnologias para o aprimoramento do desempenho dos sistemas de informação. Entre as mais novas tecnologias aplicáveis aos sistemas de informação podese citar: VoIP, cartões inteligentes ( smart cards ), etiquetas inteligentes ( smart tags ), biometria digital, código de barras, etc. A tecnologia chamada de VoIP (Fig. 1), voz através de rede sem fio, possibilitou a integração entre o universo da voz e o universo dos dados, dois ambientes bastante distintos. Em seu atual estágio de desenvolvimento, possibilita o acesso a Internet e a bancos de dados corporativos, assim como possibilita o acionamento de hardwares por comando sonoro. Figura 1 - VoIP: Integração Voz/Dados (Fonte: van Oosterhout, 2001) Outra tecnologia de larga aplicação é aquela associada aos cartões inteligentes ( chip cards ). As primeiras perspectivas surgem na década de 1970, entretanto, somente em 1984, com o projeto piloto da telefonia pública francesa é que realmente tornam-se acessíveis à Sociedade. Os cartões inteligentes possuem impressos circuitos integrados que executam uma extensa gama de funcionalidades e garantem elevado grau de segurança e portabilidade de dados. Os cartões inteligentes (Fig. 2) transformaram-se em instrumentos fundamentais para garantir o acesso à informação e a segurança do sistema. Figura 2 Cartões Inteligentes Smart Cards (Fonte: Fonte: van Oosterhout, 2001) Qualquer sistema de informação precisa garantir um alto nível de segurança tanto para o acesso físico, como para o lógico. Para tanto necessita de processos de autenticação e

6 certificação confiáveis, capacidade essa somente fornecida pelos novos desenvolvimentos da biometria digital que têm a capacidade de reconhecer características físicas específicas do usuário através de uma enorme gama de métodos de identificação que incluem a leitura da íris e da face, a geometria da mão e o reconhecimento do DNA (Fig. 3). A tecnologia empregada, embora sofisticada, é bastante simples exigindo um sensor de leitura para a aquisição dos chamados pontos de minúcia a partir dos quais é gerado um arranjo geométrico que o sensor analisa. Essa tecnologia é extensamente aplicada no controle de acesso físico, bem como no acesso lógico de gestão eletrônica de documentos. Figura 3 Aplicações da Biometria Digital (Fonte: Fonte: van Oosterhout, 2001) Finalmente, introduzida a mais de quatro décadas, a tecnologia do código de barras vem evoluindo constantemente. O código de barras é uma forma de caracterizar o produto através da representação gráfica em barras (claras/escuras) cuja disposição está associada a um código de identificação exclusivo chamado GTIN ( Global Trade Item Number ). Apesar de todos os benefícios e vantagens oferecidas, apresentam pequenos inconvenientes que conduziram o mercado, preocupado com o desempenho competitivo, a introduzir as etiquetas inteligentes. Essas apresentam grande capacidade de armazenamento de informações, rastreamento dos produtos e processos e a capacidade de transmitir informação à medida que o responsável, equipado com equipamento de radio freqüência, se desloca pelas instalações. Transferência Eletrônica de Dados ( Eletronic Data Interchange - EDI ) No mundo globalizado e extremamente competitivo, a transferência eletrônica 1 de dados, EDI, tornou-se fundamental à competitividade da empresa exigindo, entretanto, a 1 Transferência de dados estruturados através de mensagens padronizadas (normalizadas), previamente acordadas entre os parceiros comerciais, por meios eletrônicos com o mínimo de intervenção humana.

7 adoção por parte das empresas participantes um elevado nível de cooperação, colaboração e de partilha de informação. Entre as vantagens oferecidas e as expectativas geradas com a implementação de um projeto EDI pode-se citar: Qualidade e consistência da informação gerada; Integração entre parceiros comerciais; Acesso à informação, dentro de uma estrutura hierárquica e de sigilo; Melhoria de qualidade da informação nos níveis internos e externos; Redução de documentos e cópias em papel; Redução de custos através da minimização de erros e atrasos; Melhor controle patrimonial e financeiro; Estruturação e integração da aplicação de tecnologias de informação; Apoio à globalização do comércio; Promoção à gestão organizacional de cada um dos parceiros. A implementação de sistemas EDI apresenta, porém algumas dificuldades. Os pontos críticos de um projeto de EDI estão associados à necessidade de promover acordos entre parceiros comerciais, organizações privadas, órgãos públicos e/ou instituições financeiras; à definição bastante clara dos objetivos; à formação de capacitação técnica, à manutenção de estrutura de suporte técnico e aos altos investimentos requeridos. Para possibilitar a transferência eletrônica de dados houve a necessidade de padronização da linguagem. No início do processo, linguagens distintas eram empregadas nos Estados Unidos e na Europa o que impossibilitava a troca de mensagens entre empresas americanas e européias. Para disseminar o emprego do EDI, as Nações Unidas realizaram um esforço para desenvolver uma norma internacional, o que resultou na norma UN/ (ISO 9735) ou, simplesmente,. Essas normas caracterizam-se por apresentarem uma gramática constituída de sintaxe própria, regras de estruturação (elementos, segmentos e mensagem) e um vocabulário de termos específicos (lista de elementos de dados, lista de segmentos e lista de mensagens). Com o objetivo de fornecer uma linguagem mais flexível para armazenamento de dados, configurável para qualquer tipo de informação e de padrão aberto, foi recentemente desenvolvida (1996) a linguagem XML ( Extensible Markup Language ). A linguagem XML é uma linguagem de meta-marcação para descrever dados estruturados cuja origem

8 está na evolução do HTML ( Hipper Text Markup Language ) e que apresenta como principais características, a capacidade de armazenar e organizar todo tipo de informação em um formato adequado; de aceitar um grande número de símbolos; de oferecer várias maneiras para verificação da qualidade de um documento e por oferecer uma estrutura clara e simples facilitando a leitura e análise, tanto por seres humanos como por programas. É claro que, por ser de concepção mais moderna e de estrutura mais flexível, a linguagem XML vem substituindo a linguagem EDI na maioria das aplicações. Entretanto, ainda existem certas situações em que a adoção do padrão EDI é vantajosa como, por exemplo, quando houver grande volume de troca de informações ou quando os custos de implementação de sistemas dedicados forem aceitáveis. Por sua vez, o emprego do XML é recomendado para baixos volumes de troca de informações, quando do uso da Internet de baixa ou média; na existência de poucos parceiros que não queiram implementar EDI ou em pequenas empresas sem condições financeiras para suportar os altos custos de implementação dos sistemas tradicionais. Finalmente, como as duas linguagens foram criadas em épocas distintas, existem no mercado empresas que trabalham como mediadores entre os dois sistemas, bem como entre as diversas versões de sistemas XML. Sistemas eletrônicos de transferência de informação - SETI Existem diversos arranjos para a implementação de sistemas de troca eletrônica de informação cuja escolha depende das necessidades de cada empresa. Entre esses sistemas pode-se citar: SETI Integrado Esse sistema apresenta, como característica principal, a comunicação entre computadores sendo realizada sem qualquer intervenção humana e, portanto, minimizando os tradicionais erros de digitação. O sistema requer, entretanto, altos investimentos, conhecimentos técnicos específicos e o uso de sistemas de transmissão on-line e fixos sendo implementado com sucesso em organizações de grande porte com grande volume de ordens e faturas padrão. O sistema SETI Integrado pode utilizar os serviços de VANs (empresas especializadas pelo encaminhamento/recebimento e gerenciamento de mensagens/arquivos). O processo tem início com a companhia A enviando uma mensagem endereçada à companhia B (Fig. 4). A mensagem é recebida pela VAN que disponibiliza os documentos na

9 caixa postal da companhia destinatária. A vantagem deste processo é a segurança no recebimento dos dados, pois a VAN emite constantemente notificações de entrega e recebimento, não permitindo que uma das companhias deixe de receber qualquer correspondência endereçada a ela. Figura 4 SETI - Integrado (Fonte: Fonte: van Oosterhout, 2001) SETI - Workstation Ao contrário do sistema anterior, a comunicação entre computadores é realizada com a intervenção humana, sendo um sistema adequado para organizações com volumes fixos e moderados de troca de informações. O aspecto positivo é o baixo custo, enquanto o negativo corresponde ao alto índice de erros. SETI Web/Internet Neste sistema o preenchimento das informações é realizado através de uma página na Internet ( Web Site ) não sendo, portanto, necessários grandes investimentos de infra-estrutura. Essa modalidade de troca de informações tem a Web como interface e um dos parceiros, geralmente a grande empresa, como responsável pelo desenvolvimento, compra e disponibilização dos formulários Web padronizados. Os outros parceiros de negócios, tipicamente as pequenas empresas, se conectam à página utilizando identificação de usuário e senha e preenchendo os formulários apropriados. O resultado é enviado para um servidor Web que valida o processo. As desvantagens desse sistema estão associadas à administração da página que geram possibilidades de erros e problemas de integridade das informações. SETI Internet O último sistema a ser descrito caracteriza-se pelo emprego exclusivo da Internet como meio de transmissão das mensagens podendo ser realizada de duas formas

10 distintas; Open Internet e via FTP. A utilização desse modelo somente é viável quando a tecnologia entre os parceiros comerciais é compatível, pois até versões diferentes de um mesmo aplicativo resultam em problemas de abertura e configuração de arquivos, apesar de que a próxima geração de protocolos para a Internet (NGN) estar sendo desenvolvida para garantir a entrega de mensagens e a qualidade de serviços prestados. A principal vantagem deste modelo está nos reduzidos investimentos necessários. Figura 5 SETI Web/Internet (Fonte: Fonte: van Oosterhout, 2001) Modernização dos portos através da implantação de sistemas eletrônicos de informação O sistema portuário mundial, acompanhando de perto a evolução do comércio internacional, tem se desenvolvido de forma rápida nos últimos anos. Na incessante busca por novos mercados, os serviços portuários tornaram-se importantes instrumentos de fomento à exportação, notadamente quando de baixo custo e de serviços com qualidade. Na busca de qualidade e eficiência observa-se a necessidade de cooperação entre empresas, autoridades e sindicatos objetivando soluções que aumentem a competitividade e que, portanto, possam atrair novos usuários. Essa mudança de atitude acrescentada de investimentos na modernização de equipamentos e automação através de sistemas de informação é fundamental para a criação de um novo paradigma de gestão portuária. Qualquer análise sobre o funcionamento dos grandes complexos portuários mundiais demonstra claramente que a competitividade é a alavanca do aprimoramento da qualidade e da redução dos custos dos seus serviços. Tanto nos portos da Europa, quanto na América e Ásia, o espírito de competição impera nos variados níveis em que se desenvolvem suas atividades.

11 O primeiro passo em qualquer estudo do sistema portuário é conhecer e compreender as atividades que são realizadas para, somente então, identificar como as tecnologias de informação poderiam contribuir para o aprimoramento do sistema. A atividade básica de movimentação pelo porto corresponde aos processos de embarque e desembarque da carga (Fig. 6). Concomitante à movimentação física existe um fluxo documental que estabelece as ações requeridas para essa movimentação de carga. É justamente nesse circuito documental que o emprego das tecnologias de informação, atuando isoladamente ou em conjunto, pode agilizar o desempenho processos portuários. Essa tendência pode ser observada na tabela 1 em que são apresentados os diversos sistemas implementados em diferentes portos mundiais. Figura 6 Ciclo de exportação e importação (Fonte: Adaptado SECEX, 2002)

12 País Alemanha França Holanda (Países Baixos) Bélgica Japão Cingapura Alemanha Coréia Espanha Portugal EUA Nome (Ano Ínicio) DAKOSY (1982) ADEMAR (1983) INTIS (1985) SEAGHA (1986) SHIPNET (1986) SEA (1990) TRADENET (1991) BHT (1993) KL-NET (1994) PortIC (1998) MarNet (1998) DTEDI (2001) Tabela.1 Implantação de Sistemas de Informação no Sistema Portuário Mundial (Adaptado, Fonte: Lee, 2000). Entidade/Portos envolvidos Port Community Harmburg Port Community Le Havre Port Community Rotterdam Port Community Antwerp Nippon Telegraph & Telephone Corporation, Maritime Community Singapore Bremen Harbor Telematics Maritime Community Korea Plataforma Telemática da Comunidade Portuária de Barcelona Porto de Lisboa Departamento Defesa/Portos dos EUA Principais Serviços Mail Box /XML GDCS*, DGIS** Liberação Alfândega Porto EDI Mail Box /XML GDCS, DGIS Liberação Alfândegas Mail Box /XML GDCS, DGIS Lliberação AlfândegasPorto EDI Mail Box /XML GDCS* DGIS** Liberação Alfândega Porto Virtual Mail Box /XML GDCS* DGIS** Liberação Alfândega Port-EDI Mail Box /XML GDCS DGIS Port-EDI (PORTNET) Liberação Alfândega. Mail Box GDCS Port-EDI Liberação Alfândega Mail box /XML Port-EDI Mail Box /XML Port-EDI Mail Box Port-EDI Gestão Portuária (SAP R3) Mail Box /XML Rstreamento de carga Proposta Sistema de intercâmbio de informaões para o setor de transporte. Intercâmbio de informações e documentos entre os operadores de Le Havre e a rede interna da área portuária; informações referentes às cargas/containeres e sistema conectado ao sistema SOFI. Comunicação em rede; estruturar a informação no Porto de Rotterdam. Sistema EDI para setor de transporte na Bélgica baseado no Sistema EDI do Porto de Antuérpia. Intercâmbio de informações referentes às transações de cargas utilizando as facilidades da caixa de correio. Sistema de informação e para integrar a documentação da comunidade marítima. Integrar os setores de transporte, autoridades e carregadores na via rede do sistema EDI. Sistema de comunicação para a logística de cargas e containeres da comunidade marítima. Plataforma de comércio eletrônico/ transações comerciais/intercâmbio de informação e documentação. Sistema de comunicação para a logística de cargas e containeres na comunidade marítima. Comunicação em rede; iintegração do setor de transporte e gestão da movimentação de carga nos EUA. *GDCS: Global Data Communication System sistema de comunicação de dados global **DGIS: Dangerous Goods Information System sistema de informação de cargas /bens perigosos.

13 Sistema eletrônico de informação DAKOSY - Porto de Hamburgo / Alemanha O sistema DAKOSY é fruto de um projeto iniciado em 1982 pela administração de transporte da cidade de Hamburgo cujo objetivo era aumentar a eficiência e a competitividade do porto. Para tanto se investiu tanto na área de infra-estrutura de equipamentos, como na automação dos procedimentos portuários. O sistema DAKOSY foi desenvolvido, inicialmente, em uma rede de dados dedicada de comunicação (recebimento e envio de arquivos/mensagens), exigindo elevados investimentos tanto por parte da administração do porto, como também de seus usuários, a maioria grandes empresas. Com o surgimento da Internet e intensificação do uso mundialmente, o sistema DAKOSY foi reestruturado passando a operar também com comunicação através da Internet, opção mais utilizada por pequenas empresas, pois é uma forma que não requer grandes investimentos. Na figura 7 visualiza-se o conjunto de subsistemas de processamento estruturado (pacotes de softwares) para os diferentes processos portuários. Ressalta-se a necessidade contínua de atualização ( up grade ) e de desenvolvimento de novas ferramentas para dar suporte e atender as necessidades de automação tanto de novos procedimentos quanto da ampliação dos já existentes. É importante mencionar que o banco de dados central do sistema DAKOSY processa a intercomunicação de todos os arquivos/mensagens recebidos ou emitidos pelos diversos subsistemas, encarrega-se da distribuição automática a todos os setores portuários envolvidos e do gerenciando através da Intranet (rede interna DAKOSY) das atividades previstas e efetivadas em cada um dos setores portuários, além de disponibilizar ao usuário o acompanhamento dos procedimentos efetuados em tempo real e gerar cópia arquivo de segurança. Por outro lado, o sistema DAKOSY processa a atividade de recebimento/envio através de rede dedicada, da Internet e, numa versão mais recente, através de redes wireless. Com relação à linguagem dos arquivos/mensagens, o recebimento/envio pode ser tanto na linguagem, adotada quando da implantação do sistema, como na forma XML. Dentre as ferramentas disponibilizadas pelo sistema DAKOSY, pode-se citar: Interligação do sistema DAKOSY ao setor bancário para acompanhamento automático dos pagamentos de taxas e tarifas efetuados pelos usuários; Sistema de comunicação de dados global, GDCS;

14 Sistema de informação de cargas perigosas DGIS, que adicionalmente, para assegurar ainda maior segurança, está integrado ao sistema da União Européia PROTECT de notificação e rastreamento de cargas perigosas entre portos do Norte da Europa; Sistema de simulação de movimentação de cargas, que possibilita movimentação e alocação das cargas com maior precisão, menores custos de mão-de-obra e menor tempo de embarque/desembarque. Figura 7 - Configuração do sistema de informação DAKOSY (Fonte: Port of Hamburg Marketing, 2001) Finalmente, exemplificando um subsistema especifico; o sistema SEEDOS (Seaport Documentation System) viabiliza o acesso através da Internet dos procedimentos de importação e processa o encaminhamento do arquivo/mensagem ao banco de dados central do sistema DAKOSY.

15 Sistema eletrônico de informação INTIS - Porto de Rotterdam / Holanda O sistema INTIS (INternational Transport Information System) foi implementado em 1987 com objetivos de disponibilizar uma infra-estrutura de comunicação entre todos os integrantes do setor de transporte (marítimo e terrestre) para a transferência eletrônica de dados e oferecer conectividade entre integrantes da cadeia de transporte de Rotterdam, da Holanda e, até mesmo, de outros países em um sistema confiável e neutro de influências externas capacitado a respeitar o sigilo da informação dos usuários. Similarmente ao sistema DAKOSY, o sistema INTIS é um sistema de macro gerenciamento interligado a subsistemas, definidos como sistemas funcionais, que processam atividades portuárias específicas. Dentre os sistemas funcionais (Fig. 8), pode-se citar: RODOS (ROtterdam DOuane System): Processo de liberação alfandegário; SAGITTA (Security Agents Information Terminal Transport Ag): Processamento e rastreamento de cargas perigosas; COCASYS (COntainer CAll Information SYStem): Integra os terminais de contêineres e os agentes de embarque. Figura 8 Arquitetura do sistema de informação INTIS (Fonte: Baalen, Port Community Rotterdam, 2002) O diferencial do sistema INTIS é a possibilidade de pagamento das taxas/tarifas através do sistema. Adicionalmente, a tecnologia wireless é aplicada para o recebimento e transmissão de informações incluindo o processamento de processos de importação e

16 exportação. Exemplo dessa aplicação é o Customs Container Scan que permite o recebimento wireless do conteúdo de contêineres para emissão automática do Manifesto de Embarque. O sistema foi inicialmente implementado no padrão de linguagem, entretanto, atualmente o sistema opera também na linguagem XML, sendo a tradução e conversão entre padrões realizada pelo aplicativo INTISFACE. Sistema eletrônico de informação SEAGHA - Porto de Antuérpia / Bélgica O sistema SEAGHA (Systeem voor Elektronisch Aangepaste Gegevensuitwisselingin de Haven van Antwerpen) foi implantado em 1986 sendo administrado pela empresa de mesmo nome. Com o surgimento da Internet, a empresa passou também a ser uma provedora. O sistema SEAGHA, apresentado na figura 9 foi idealizado para facilitar a troca de informações entre os setores operacionais e administrativos do porto de Antuérpia, porém o sucesso da implantação nos setores internos fez com que seu escopo fosse ampliado aos diversos grupos integrantes do sistema portuário como um todo. Enquanto o subsistema APICS tem a função específica de processar as informações referentes às Autoridades Portuárias, todos os procedimentos das áreas administrativas e operacionais incluindo os procedimentos VPC ( Virtual Port Community ) são gerenciados, processados e registrados pelo SEAGHA Clearing. Figura 9 Estrutura do sistema SEAGHA (Fonte: Antwerp Port Community, 2002) O desenvolvimento das tecnologias de informação possibilitou ao sistema SEAGHA adotar sistema de transmissão e de digitalização de imagens permitindo, assim o acompanhamento das atividades em tempo real. Por outro lado, o emprego do VPC permite aos usuários conectados à Internet realizar, através do aplicativo SEAGHA CONNECT, os

17 procedimentos de exportação e importação incluindo a tradução/conversão entre e XML (SEAGHA BRIDGE). Sistema eletrônico de informação SEA - Porto de Yokohama Japão Os principais objetivos da implantação do sistema SEA (Fig. 10) no porto de Yokohama, foram de permitir a troca de informação, agilizar o acesso às declarações de movimentação da carga, facilitar a liberação de cargas pela alfândega e controlar as embarcações. Adicionalmente, as Autoridades Portuárias tinham como objetivo promover a redução e providenciar a prevenção de acidentes e a preservação do meio ambiente. Figura 10 Arquitetura do sistema de informação SEA (Fonte: Portcity Yokohama) A disponibilidade das mais diversas tecnologias de informação no Japão, associadas a custos acessíveis, viabilizou a implementação no sistema SEA (1990) dos mais modernos procedimentos dentre esses, o uso em larga escala de comunicação via satélite, forma segura de transmissão/recepção de arquivos/mensagens e uma das principais formas de comunicação com embarcações. Outra aplicação da TI é o uso câmeras digitais fotoreceptoras, utilizadas para registrar em tempo real as atividades portuárias. Destaca-se

18 ainda que o sistema do porto de Yokohama permite que a imagem seja transmitida inclusive por satélite permitindo aos usuários acompanhar, através de imagens, as atividades que estão sendo realizadas em suas cargas inclusive com o rastreamento por imagem das embarcações em alto mar. Analogamente aos outros sistemas, a plataforma SEA opera arquivos/mensagens nas linguagens e XML. Sistema eletrônico de informação DTEDI - Estados Unidos da América O amplo e bem organizado sistema portuário, com uma estrutura de 185 portos que pertencem aos Estados e o Governo Federal constitui um dos pilares básicos da economia dos EUA. Semelhantemente aos portos europeus, a livre-iniciativa foi fator de sucesso no setor portuário. Após o término da II Guerra, a rápida expansão da economia americana forçou uma ampla reestruturação do sistema portuário gerando uma política administrativa de descentralização dos portos refletida na diminuição dos custos, agilização dos embarques e redução de poder dos sindicatos. Paralelamente houve grandes investimentos em modernos equipamentos automáticos e computadorizados (pontes e esteiras rolantes, guindastes, empilhadeiras, portêineres etc.) e o aparecimento de uma extensa rede de terminais privativos. Devido à descentralização das atividades portuárias, o desenvolvimento de um sistema unificado (DTEDI) para todo o país é bastante recente e resultado da grande preocupação com a segurança nacional. O sistema, de maior amplitude que os outros apresentados, corresponde a um sistema de informação com a padronização de procedimentos para a movimentação de carga em qualquer modal de transporte incluindo o transporte marítimo. O sistema DTEDI integra todo o setor de transporte através de uma rede on-line, permite o rastreamento de qualquer tipo de carga em circulação e possibilita a distribuição eletrônica de informação de arquivos/mensagens nas linguagens e XML. Sistema eletrônico de informação - Supervia Eletrônica de Dados - Porto de Santos O objetivo da Supervia Eletrônica de Dados (SED), cujo conceito é mostrado na figura 11, foi possibilitar a distribuição eletrônica de informações via Internet utilizando os serviços de uma VAN para a conversão do padrão de linguagem, XML e padrão próprio da CODESP (Companhia Docas do Estado de São Paulo). Adicionalmente, a SED deve gerar maior eficiência e confiabilidade das operações de movimentação de carga e melhoria na qualidade dos serviços oferecidos. O sistema está baseado nas idéias do

19 SETI/WEB e oferece duas opções para o envio de documentos: Através da Internet é possível acessar gratuitamente o portal do porto de Santos e realizar os procedimentos de atracação e manifesto de carga ou através da caixa postal das VANs autorizadas utilizando um aplicativo fornecido aos usuários. Figura 11 Diagrama esquemático da supervia eletrônica de dados (Fonte: FUSP, 2002) As vantagens de implantação da transmissão eletrônica de dados estão associadas ao aumento da eficiência dos processos do Porto de Santos, ao apoio à fiscalização da movimentação das cargas pela Autoridade Portuária e a integração dos sistemas gerenciais, notadamente, aqueles relativos ao faturamento, à gestão de contratos e até, ao controle de acesso de cargas e trabalhadores portuários avulsos à zona alfandegada. Entretanto, o sistema SED não oferece uma forma de acompanhamento automático das atividades efetivas e também não dispõe de um sistema de armazenamento de dados único de cópias de segurança dos arquivos/mensagens. Conclusões A competitividade atual tem levado os portos a buscarem e implantarem novos modelos de gestão que os auxiliem na conquista de novos mercados consumidores. A tecnologia de informação é um recurso que, estando em sintonia com as necessidades e objetivos dos usuários, possibilita maior eficiência e eficácia no relacionamento interno e externo e possibilitando agilidade e qualidade no processo de tomada de decisão. O sistema portuário mundial (tabela 2 e 3) tem investido muito em tecnologia de informação uma vez

20 que a implementação de sistemas eletrônicos de informação tornou-se sinônimo de produtividade e competitividade. Os projetos implantados se baseiam na troca de eletrônica de informação buscando a distribuição automática da informação e a otimização dos processos portuários. Por outro lado, no levantamento realizado, é marcante a tendência de sistemas de informação associados à Internet, pois permite uma redução dos custos de implantação e um incentivo de participação de empresas de menor porte. Outro aspecto de importância corresponde à necessidade de padronização das mensagens para a efetivação da troca eletrônica de dados. Na implantação de sistemas de informação no sistema portuário mundial, verifica-se o emprego cada vez maior de tecnologias de última geração como, por exemplo, as redes wireless utilizadas nos portos de Rotterdam e Antuérpia, as etiquetas inteligentes de alta portabilidade e rastreamento por satélite de cargas perigosas no porto de Yokohama, o Container Scan do porto de Rotterdam, o visual Gate Truck utilizado no porto de Singapura e a digitalização de imagens e acompanhamento em tempo real do porto de Antuérpia. Finalmente, no cenário do sistema portuário nacional, observa-se um movimento para modernização do setor, ainda em fase embrionária no que tange à ampla estrutura portuária internacional. Esse aspecto pode, entretanto, ser uma vantagem, pois permite aos portos brasileiros optarem por sistemas e/ou tecnologias de informação mais modernas sem a necessidade passar pelo período de evolução e transição de tecnologias que os portos mundiais já passaram. Referências Baalen, Peter van Marcel van Oosterhout, Yao-Hua Tan, Eric van Heck; Dynamics in setting up an EDI-Community Experiences from the Porto of Rotterdam, EBURON, Delft, Laudon, K. C. e Laudon, J. P.; Management Information Systems: A Contemporary Perspective ; McMillan, Lee, T. W.; Park, N. K.; Joint, J. E. and Kim, W. G.; A new efficient EDI system for container cargo logistics ; Maritime Policy and Management; Vol. 27; No. 2; 2000; pp.: van Oosterhout, M. P., Zienlinki, M.; Tan, Y. H.; Messagin State of Art EDI XML, Virtuale Haven deliverable T2.D2; 2001.

A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário

A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário Rosane S.S. Kurosawa ckurosawa@uol.com.br Prof.Dr. Cláudio Mueller Prado Sampaio Politécnica da Universidade de São Paulo clasamp@usp.br Contexto Sistema

Leia mais

Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária

Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária ROSANE SANTANA DA SILVA KUROSAWA Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Mestre

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI - Tecnologia da informação SI - Tecnologia da informação Com a evolução tecnológica surgiram vários setores onde se tem informatização,

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Soluções Inteligentes

Soluções Inteligentes Soluções Inteligentes APRESENTAÇÃO A TOPO INTELLIGENCE iniciou suas atividades na cidade de Barreiras em 2008, oferecendo a mais completa solução em gerenciamento de informações para atender todos os segmentos.

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os mainframes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

INTERNET, INTRANET E EXTRANET

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET, INTRANET E EXTRANET 1 Internet Rede de computadores que interliga milhões de usuários em todo o mundo. Não é uma rede única, mas um grupo de redes hierarquizadas. Pessoas e computadores trocando

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais