A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário"

Transcrição

1 A TI como Vantagem Competitiva no Sistema Portuário Rosane S.S. Kurosawa Prof.Dr. Cláudio Mueller Prado Sampaio Politécnica da Universidade de São Paulo

2 Contexto Sistema Portuário Pilar da Logística para insumos e produtos

3 Atores do Sistema Portuário GROUP ORGANIZATION DESCRIPTION CUSTOMERS ORGANIZING PHYSICAL Shipper/Exporter Consignee/Importer Fowarder Shipping line agent Empty Container Depot (ECD) Container Freight station (CFS) Maintenance & Repair Center (MRC) Inland Terminal Operator (eg. Rail-Road Terminal) (ITO) Carrier Inland Transport (pre-carrier or On-carrier) which can be: Ro-rail operator Bo-barge operator RH-road haulier Sea Terminal Operator (sometimes refered to as Stevedore) (STO) Shipping Line Porto Services (Pilots, Moors, Tugs) AUTHORIZING Port Authorities Customs Chamber of Commerce Central Bureau of Statistics Licensing Authority Consulate FINANCIAL Bank (Advising Bank, Issuing Bank) Insurance company (Carriage Insurance)

4 A Economia Global exige dos portos Produtos e Serviços Focados na QUALIDADE Metas: Melhor Gestão Melhor Processo

5 Competitividade... Garantir a passagem da carga de forma segura e tempo hábil pelo porto de origem e destino Estas condições possibilitam melhores preços para o consumidor final

6 O Papel da TI no Sistema Portuário Estado da Arte da TI no Sistema Portuário Mundial; Identificação de tendências para aplicabilidade da TI nos portos; TIs mais utilizadas; Resultados obtidos;

7 TI aplicada no Sistema Portuário Mundial

8 PO RTOS Hamburgo Lê Havre Rotterdam Antuérpia Yokohama Cingapura Bremen Coréia Espanha Portugal EUA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DAKOSY EDI/WEB-EDI ADEMAR EDI/WEB-EDI INTIS EDI/WEB-EDI SEAGHA EDI/WEB-EDI SEA EDI/WEB-EDI TRADENET EDI/WEB-EDI BHT EDI KL-NET EDI PORTlC WEB-EDI MARNET WEB-EDI DTEDI EDI/WEB-EDI OPERAÇÕ ES MARÍTIMAS (SEASIDE) OPERAÇÕ ES TERRESTRES (LANDSIDE) TRANSAÇÕ ES FINANCEIRAS SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM CARGAS PERIGOSAS SIM PROTECT SIM PROTECT SIM PROTECT SIM PROTECT SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM PROTECT SIM SIM SIM SIM TI APLICADAS *R.F.O. L.O.; S.C.; Biometria Digital; Container Scan. R.F.O. L.O. R.F.O. L.O.; S. C.; Biometria Digital; Container Scan. R.F.O. L.O.; S.C.; Biometria Digital; Container Scan. R.F.O. L.O.; S.C.; Biometria Digital; Container Scan. R.F.O. L.O.; S.C.; Biometria Digital; Scan Container R.F.O. L.O. R.F.O. L.O.; Rede WireLess MENSAGENS EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML EDIFACT XML NÃO SIM SIM SIM R.F.O. L.O. EDIFACT SIM SIM NÃO NÃO SIM SIM SIM SIM *R.F.O. Rede de Fibra Óptica, L.O Leitura Óptica.; S.C Smart Card Rede por cabeamento R.F.O. L.O.; S.C.; Biometria Digital; Container Scan. EDIFACT XML EDIFACT XML

9 PO RTOS Santos Paranaguá Sepetiba TI aplicada no Sistema Portuário SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SED WEB-EDI CARGA ON-LINE WEB-EDI COSMOS WEB-EDI OPERAÇÕ ES MARÍTIMAS (SEASIDE) Nacional OPERAÇÕ ES TERRESTRES (LANDSIDE) TRANSAÇÕ ES FINANCEIRAS CARGAS PERIGOSAS TI APLICADAS MENSAGENS NÃO SIM NÃO SIM? EDIFACT/XML NÃO SIM NÃO NÃO? EDIFACT/XML NÃO SIM NÃO NÃO? EDIFACT/XML

10 Tendências

11 A competitividade atual tem levado os portos a buscarem e implantarem novos modelos de gestão que os auxiliem na conquista de novos mercados consumidores.

12 A tecnologia de informação é um recurso que, estando em sintonia com as necessidades e objetivos dos usuários, possibilita maior eficiência e eficácia no relacionamento interno e externo e possibilitando agilidade e qualidade no processo de tomada de decisão.

13 O sistema portuário mundial (tabela 2 e 3) tem investido muito em tecnologia de informação uma vez que a implementação de sistemas eletrônicos de informação tornou-se sinônimo de produtividade e competitividade.

14 Demonstração da Utilização da TI e sua Contribuição para a competitividade dos portos Paralelamente ao levantamento do estado da arte no sistema portuário mundial, foi pesquisado e estudado o preenchimento, envio e desembaraço do documento manifesto de carga, mundialmente utilizado, e por isso escolhido para pesquisar os dados apresentados na tabela 4, que demonstra o tempo do processo deste documento antes do uso da TI nos portos e após a implantação da TI nos portos.

15 Manifesto de Carga - MC O manifesto de carga é o documento que compila todos os Conhecimentos de Embarque. O manifesto pode ser de importação ou exportação, de longo curso ou cabotagem. Neste documento se inclui toda a informação relativa ao um navio e a carga nele transportada para uma viagem particular.

16 Escolha do MC A informação contida no manifesto de carga torna-se essencial para as atividades portuárias. E quando este documento é agilizado, as atividades por ele requeridas também são otimizadas, neste caso o porto que processa o documento em menor tempo dentre outros fatores somados pode vir a ter maior competitividade.

17 Consideração Salientando que este exemplo como fato isolado não pode considerar a importância do papel da TI para competitividade dos portos, porém apenas demonstra o quanto o papel da TI foi essencial para garantir a competitividade dos portos analisados.

18 TI e Competitividade PO RTOS Tempo para o processamento do Manifesto de Carga (MC) SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROCESSAMENTO DO MC ANTES DO USO DA TI NOS PORTOS PROCESSAMENTO DO MC APÓS O USO DA TI NOS PORTOS 1 Hamburgo DAKOSY 2 DIAS 4 horas 2 Lê Havre ADEMAR 3 DIAS 5 horas 3 Rotterdam INTIS 1 DIA 1 hora 4 Antuérpia SEAGHA 1DIA 2 horas 5 Yokohama SEA 1 DIA 1 hora 6 Cingapura TRADENET 1 DIA 1 hora 7 Bremen BHT 2 DIAS 2 horas 8 Coréia KL-NET 2 DIAS 2 hora e meia 9 Espanha PORTlC 3 DIAS 4 horas 10 Portugal MARNET 3 DIAS 4 horas 11 EUA DTEDI 1 DIA 1 hora e meia

19 Oportunidade para Perguntas?

20

Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária

Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária ROSANE SANTANA DA SILVA KUROSAWA Análise de Sistemas de Informação aplicados à Gestão Portuária Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Mestre

Leia mais

Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária

Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária Análise de Sistemas de Informação Aplicados à Gestão Portuária Sampaio, Cláudio Mueller P. * e Kurosawa, Rosane S. S. * * Depto. Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS TIC NA GESTÃO DO TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE IMBITUBA-SC

A UTILIZAÇÃO DAS TIC NA GESTÃO DO TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE IMBITUBA-SC A UTILIZAÇÃO DAS TIC NA GESTÃO DO TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE IMBITUBA-SC Julio César Zilli (UNESC) Rosane Aléssio Dal Toé (UNESC) Gertrudes Aparecida Dandollini (UFSC) João Artur de Souza (UFSC)

Leia mais

Um e-business que trabalha...

Um e-business que trabalha... Um e-business que trabalha... mailm ... em apoio ao seu processo de transporte Prezado Cliente, O reconhecimento dos requisitos e benefícios do comércio eletrônico em sua empresa é provavelmente uma das

Leia mais

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a

Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a Fundada em 29 de novembro de 1976, a ABTTC congregava empresas que atuavam no seguimento de transporte rodoviário de contêineres Passados 33 anos, a ABTTC representa um grupo de empresas e profissionais

Leia mais

PROJETO CARGA INTELIGENTE

PROJETO CARGA INTELIGENTE Secretaria de Portos da Presidência da República Apresentação à Câmara Temática de Infra-estrutura e Logística do Agronegócio (CTLOG) PROJETO CARGA INTELIGENTE Luis Claudio Santana Montenegro Assessor

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

ANTÓNIO BELMAR DA COSTA. Tendência dos Serviços Marítimos. Quais as apostas para o futuro?

ANTÓNIO BELMAR DA COSTA. Tendência dos Serviços Marítimos. Quais as apostas para o futuro? ANTÓNIO BELMAR DA COSTA Tendência dos Serviços Marítimos. Quais as apostas para o futuro? Lloyd s List Bulletin Oct 16, 2008 Industrial Carriers files for bankruptcy Noble to sue STX for $8m over charter

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Stephan Gruener Diretor BMS Logística São Paulo. Fazendo um Brasil Multimodal Logística Outbound com utilização da Cabotagem

Stephan Gruener Diretor BMS Logística São Paulo. Fazendo um Brasil Multimodal Logística Outbound com utilização da Cabotagem Stephan Gruener Diretor BMS Logística São Paulo Fazendo um Brasil Multimodal Logística Outbound com utilização da Cabotagem São Paulo, 04.11.2014 Sumário I. Case Overview II. III. IV. Riscos e Oportunidades

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL João Roberto Rodrigues Bio 1o. Prof. Semestre João Roberto de 2006 R. Bio LOGÍSTICA INTEGRADA Logística Integrada Planejamento, implantação e operação da...

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

Yusen Logistics do Brazil. Supply Chain Solutions

Yusen Logistics do Brazil. Supply Chain Solutions Yusen Logistics do Brazil Supply Chain Solutions Yusen Logistics Group NYK A YUSEN LOGISTICS é uma empresa do Grupo NYK (fundada em Tóquio em 1885), que atua na gestão do fluxo de bens, serviços e informações

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

6. Terminais Dedicados

6. Terminais Dedicados 6. Terminais Dedicados 6.1. Viáveis no caso brasileiro? Com base no que já foi exposto, cabe ainda outra discussão que cada vez mais está presente para armadores e operadores portuários. Existe real vantagem

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

CONTAINER SHIPPING INDUSTRY : UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA HAMBURG SÜD NO BRASIL. Hilda Rebello 2015

CONTAINER SHIPPING INDUSTRY : UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA HAMBURG SÜD NO BRASIL. Hilda Rebello 2015 CONTAINER SHIPPING INDUSTRY : UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS ADOTADAS PELA EMPRESA HAMBURG SÜD NO BRASIL. Hilda Rebello 2015 Objetivo Analisar as estratégias competitivas adotadas pela empresa

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar as cinco áreas dos sistemas de informação que esses profissionais

Leia mais

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA A Gnatus é uma importante fabricante de equipamentos odontológicos e precisava sustentar seu crescimento em um ambiente de alta

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

e-business Vamos conectar

e-business Vamos conectar e-business Vamos conectar Soluções e-business e sistemas IT líderes para maior eficiência Nossas soluções e-business beneficiam de nosso alto desenvolvimento em sistemas IT líderes. Nossa página Online

Leia mais

A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE MULTIMODAL E A PROBLEMÁTICA PORTUÁRIA VISÃO DOS USUÁRIOS

A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE MULTIMODAL E A PROBLEMÁTICA PORTUÁRIA VISÃO DOS USUÁRIOS A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE MULTIMODAL E A PROBLEMÁTICA PORTUÁRIA VISÃO DOS USUÁRIOS José Ribamar Miranda Dias Câmara dos Deputados Brasília / DF 10 / 12 / 2009 Características Atuais do Transporte Intermodal

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras

Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras Embarcando Algodão com o Real Valorizado - Oportunidades e Desafios nas Exportações Brasileiras VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO 2007 MR13 LOGÍSTICA DE EXPORTAÇÃO 16 de Agosto de 2007 Fabiano Bardauil

Leia mais

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa Porto de Lisboa Desenvolvimento portuário rio, Logística e Competitividade Dr. Manuel Frasquilho Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa 18 de Abril de 2007 Porto de Lisboa Porto de

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais

JUP Janela Única Portuária em Portugal os portos como nós de uma rede de serviços logísticos

JUP Janela Única Portuária em Portugal os portos como nós de uma rede de serviços logísticos JUP Janela Única Portuária em Portugal os portos como nós de uma rede de serviços logísticos Luís Marinho Dias Segurança de Informação e Gestão de Risco Instituto de Estudos Superiores Militares Lisboa

Leia mais

APPA Web DESCRIÇÃO DA INTERFACE DE CONCLUSÃO DA OPERAÇÃO NO PONTO DE DESTINO

APPA Web DESCRIÇÃO DA INTERFACE DE CONCLUSÃO DA OPERAÇÃO NO PONTO DE DESTINO APPAWEB DESCRIÇÃO DA INTERFACE DE CONCLUSÃO DA OPERAÇÃO NO PONTO DE DESTINO Rev 01 APPA Web DESCRIÇÃO DA INTERFACE DE CONCLUSÃO DA OPERAÇÃO NO PONTO DE DESTINO Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

EVOLUÇÃO E USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (T.I.) APLICADA A TERMINAIS DE CONTÊINERES NO BRASIL.

EVOLUÇÃO E USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (T.I.) APLICADA A TERMINAIS DE CONTÊINERES NO BRASIL. EVOLUÇÃO E USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (T.I.) APLICADA A TERMINAIS DE CONTÊINERES NO BRASIL. RESUMO Com o advento da lei 8.630 de 1993, a chamada Lei de modernização dos portos, iniciou-se o processo

Leia mais

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Receita Federal Procedimentos Aduaneiros Competitivos Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística 1 Mapa Geográfico de Serviços Aduaneiros 8,5 milhões de km² 16.886 km de fronteira terrestre 7.367 km

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE WMS ADAPTADO AO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGAS PERIGOSAS Por: Vania da Cunha Figueiredo Orientador Prof. Jorge Tadeu Vieira

Leia mais

FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO

FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO 1 - Service Contract assinado em parceria com ABIEF até 31.08.2005. Após esse período estaremos informando as novas condições de fretes podendo permanecer as

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007

Logística Maritima Brasileira. Nelson Carlini Setembro 2007 Logística Maritima Brasileira Nelson Carlini Setembro 2007 Agenda 1. Evolução do volume de Contêineres no Brasil. 2. Aspectos Operacionais. 3. Custos para o Armador e para a Carga. 4. Intermodalidade.

Leia mais

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG Panorama: Logística Portuária Bacharel em Comércio Exterior pela Unicenp (Curitiba/PR) Rodrigo FONSECA rodrigo.fonseca@tcp.com.br +55 41 3420.3334 +55 41

Leia mais

Servidores Próprios, Continuidade dos Negócios, ERP, Treinamento

Servidores Próprios, Continuidade dos Negócios, ERP, Treinamento Servidores Próprios, Continuidade dos Negócios, ERP, Treinamento Você foca nos negócios, e todo restante é gerenciado em nuvem, pela suite BeOne. A solução Nova Systems é segura, flexível e acessível 24

Leia mais

Profissionalização e Sucessão em. Empresas Familiares

Profissionalização e Sucessão em. Empresas Familiares Profissionalização e Sucessão em Empresas Familiares 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias,

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA. NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA. NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com Agenda Introdução Mercado Brasileiro de containeres. Principais limitações nos Portos Brasileiros.

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções , diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções A UniSolution atua na área de consultoria e desenvolvimento de sistemas desde 1995, atendendo clientes do segmento industria, comércio e prestadores

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06358/2005/RJ COGAM/SEAE/MF 13 de setembro de 2005 Referência: Ofício n 4168/2005/SDE/GAB Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO n.º

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

Coeficiente de Importação Indústria Geral

Coeficiente de Importação Indústria Geral Coeficiente de Importação Indústria Geral O Brasil precisa de um choque de competitividade Ranking IC-FIESP 2010 Energia Banda Larga Logística Educação Economia Economia Economia Economia Doméstica Doméstica

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI Eletronic Data Interchange ) Troca de dados estruturados e padronizados, entre entidades, utilizando meio eletrônico, diminuindo a intervenção humana no processo. É

Leia mais

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO 1 ORIGEM problemas - ISPS Code CFRB, art.37, inciso XVII: A Administração Fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Sistemas de Canais Sistemas de Informação

Sistemas de Canais Sistemas de Informação É necessário o entendimento de como os produtos chegam aos clientes, o que ocorre por meio de uma série de entidades de Marketing conhecidas como canais. Os Sistemas de Canais são todos os sistemas envolvidos

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOLUÇÕES JÁ DISPONÍVEIS

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOLUÇÕES JÁ DISPONÍVEIS APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL DESENVOLVENDO SOLUÇÕES INOVADORAS DE TI PARA O MONITORAMENTO, OPERAÇÃO E GESTÃO DE PROCESSOS, AGREGANDO PRODUTIVIDADE E QUALIDADE ÀS ATIVIDADES DOS NOSSOS CLIENTES. 01 Gerenciamento

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Sistema de Comunidade Portuária

Sistema de Comunidade Portuária Workshop Stakeholders Lisboa Sistema de Comunidade Portuária Apresentação da PCS (Port Community System) Paula Graça (IPL/ISEL) Lisboa, 9 de Maio de 2012 Tópicos A segunda componente do Business Domain

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-2 EXPANSÃO E MELHORIA NA REDE DE COMPUTADORES DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Segurança na Cadeia Logística

Segurança na Cadeia Logística Workshop- GIE de Logística Segurança na Cadeia Logística Gustavo Costa 1 Agenda 1 Abertura 2 Transporte Marítimo 3 Análise dos Programas 4 ISO 28000 5 Conclusão 2 Agenda 1 Abertura 2 Transporte Marítimo

Leia mais

Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário. Prof. Maria Amélia

Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário. Prof. Maria Amélia Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário Prof. Maria Amélia Convenção 152 No final da década de 90 o governo brasileiro ratificou a convenção 152 que trata da Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Uma Empresa especialista em rastreamento

Uma Empresa especialista em rastreamento Uma Empresa especialista em rastreamento Soluções Profissionais desenhadas para monitorar transporte de carga Paulo Lauand Abril de 2011 paulo@autosat.com.br Quem Somos Ano de fundação: 1994 (+15 anos)

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Os participantes do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos e Transporte, realizado em 11 de agosto de 2014, no Grande Hotel São Francisco,

Leia mais

Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br

Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br Projetos de Infraestrutura e Soluções Tecnológicas www.msitelecom.com.br Índice 1. MSI Telecom 2. Soluções e Serviços 3. Parceiros 4. Principais Clientes 5. Alguns de nossos Projetos A MSI Telecom A MSI

Leia mais

Soluções Qualilog para Comércio Exterior

Soluções Qualilog para Comércio Exterior Soluções Qualilog para Comércio Exterior Visão Geral Temos atuado, com sucesso, no apoio a empresas brasileiras que já exportam ou têm como projeto exportar seus produtos para os Estados Unidos, assessorandoas

Leia mais

A ligação Setúbal-Paris Business Case Serviço intermodal Portugal-França

A ligação Setúbal-Paris Business Case Serviço intermodal Portugal-França A ligação Setúbal-Paris Business Case Serviço intermodal Portugal-França Artur Alves FORDESI, SA 10 de Novembro de 2009 IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Overview Características do serviço

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

Integração Eletrônica de Dados

Integração Eletrônica de Dados 8QL:HE(', Integração Eletrônica de Dados Agilidade, transparência e credibilidade nos processos, entre parceiros de negócios, são fatores diferenciais fornecidos pela integração entre sistemas de informação.

Leia mais

Entendendo a Tecnologia RFID

Entendendo a Tecnologia RFID Entendendo a Tecnologia RFID Como o próprio nome sugere a identificação por radiofreqüência é uma tecnologia de identificação automática que utiliza ondas eletromagnéticas como meio para capturar as informações

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Dados preliminares sujeitos a alterações Roteiro de Apresentação Definição de Transporte Intemodal

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Implementação de Certificação Digital e Documento Eletrônico

Implementação de Certificação Digital e Documento Eletrônico Implementação de Certificação Digital e Documento Eletrônico Casos reais do mercado financeiro No Brasil, a partir de 22 de abril de 2002, as transações financeiras interbancárias acima de R$ 5.000 devem

Leia mais

PORTUGAL. Barcelona-Roma/Civitavecchia 05-08 Novembro, 2016. Curso patrocinado por: Supported by: Curso patrocinado por:

PORTUGAL. Barcelona-Roma/Civitavecchia 05-08 Novembro, 2016. Curso patrocinado por: Supported by: Curso patrocinado por: PORTUGAL Barcelona-Roma/Civitavecchia 05-08 Novembro, 2016 Curso patrocinado por: Objetivos del curso Supported by: Curso patrocinado por: Media Objetivos partners: del curso Curso patrocinado por: Objetivos

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO 3.000 Milhões receitas I&D&i: 6-8% receitas 43.000 profissionais 149 paises 16% 17% 18% 11% 21% 17% Energia e Indústria Banca e Seguros Adm. Pública e Saúde Telecom

Leia mais

Evolução no Transporte com a Utilização dos Contêineres

Evolução no Transporte com a Utilização dos Contêineres ASLOG - XV Conferência São Paulo 07 e 08 de Junho de 2011 Evolução no Transporte com a Utilização dos Contêineres H á m a i s d e 3 0 a n o s lu ta n d o p e la d ifu s ã o e o d e s e n vov o lv im ene

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais