Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas"

Transcrição

1 Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Ministro da Henrique Meirelles 30 de maio de 2016 Ministério da

2 Ministério da 2 Diagnós0co: exercício com transparência e realismo A LOA previa, para 2016, superávit primário da ordem de R$24 bilhões, resultado revisto para déficit de R$170,5 bilhões. A diferença entre um cenário e outro alcança R$ 194,5 bilhões, em grande parte devido a: Recuo do PIB revisto de 1,9% para 3,8%. Inclusão de despesas executadas e não pagas, ou seja, de restos a pagar (e.g. Org. Int., PAC, tarifas bancarias, etc.). Insensibilidade ao ciclo de despesas obrigatórias. Frustração de hipóteses de redução em despesas. 2

3 Ministério da 3 Diagnós0co: exercício com transparência e realismo Pelo lado da receita: a LOA previa receita líquida de R$1,219 trilhão: crescimento R$177 bilhões (em termos nominais) ante 2015, 16,9% maior e, em termos reais, 9,3% maior. Es^mamos crescimento da receita líquida em R$ 50 bilhões em termos nominais (4,8% maior do que em 2015 e, em termos reais, 2% menor). A LOA considerava receita com a venda de a^vos da ordem de R$ 31 bilhões, revista para R$3,0 bilhões. A LOA considerava, para este ano, receitas administradas da ordem de R $900 bilhões, dos quais R$12,7 bilhões com CPMF, valores revistos para R $805 bilhões e zero, respec^vamente. A LOA considerava receita com dividendos e par^cipações da ordem de R $16,2 bilhões este ano, revista para R$5,0 bilhões. 3

4 Ministério da 4 Diagnós0co: exercício com transparência e realismo Pelo lado da despesa: a LOA previa despesa de R$1,195 trilhão, ou seja, crescimento R$36 bilhões (em termos nominais) ante 2015, 3,1% maior e, em termos reais, 3,6% menor. Es^mamos crescimento de R$84 bilhões em termos nominais (7,3% maior, e estabilidade em termos reais). A LOA considerava despesa com previdência da ordem de R$492 bilhões, revista para R$503 bilhões. A LOA considerava despesa com pessoal da ordem de R$254 bilhões este ano, revista para R$259 bilhões. A LOA considerava, para este ano, outras despesas obrigatórias da ordem de R$192 bilhões, dos quais R$27 bilhões com subsídios e subvenções, valores revistos para R$217 bilhões e R$30 bilhões, respec^vamente. 4

5 Ministério da Diagnós0co: despesas em trajetória insustentável De 1997 a 2015, o gasto primário do Governo Federal se deslocou de 14% para 19% do PIB. Nesse período, crescimento anual médio de 5,8% acima da inflação, acumulando em torno de 180% em termos reais. As despesas do setor público se encontram em trajetória insustentável. Despesas do Governo Central 20% 18% 16% 14% 12% 10% 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 Despesa em % PIB Despesa em trilhões de R$ * Em 2010, excluídos valores referentes à capitalização da Petrobras (R$ 42,9 bilhões). Fonte: STN Elaboração: MF 5

6 Ministério da 6 Ação: PEC limitando crescimento do gasto público A cada ano, crescimento da despesa primária total do Governo Central equivalente à inflação do ano anterior, isto é, crescimento zero acima da inflação. A aplicação mínima cons^tucional em educação e saúde será anualmente aumentada segundo o mesmo mecanismo. Esta estratégia: Aumenta a previsibilidade da polí^ca macroeconômica, fortalecendo a confiança; Elimina o crescimento real do gasto público. Portanto, em situações de emergência, permi^rá ao Estado alterar sua composição; e Reduz o risco- país e, assim, abre espaço para redução estrutural das taxas de juros. 6

7 Ministério da Ação: PEC limitando crescimento do gasto público A A redução da despesa primária do Governo Central, como proporção do PIB, pode superar 2p.p. em três anos. Tendência de crescimento do déficit primário interrompida no próximo ano. Fonte: STN e Bacen Elaboração: MF 7

8 Ministério da Ação: BNDES paga dívida ao Tesouro Nacional 18 Spread entre o custo médio da DPMFi e a TJLP* [VALOR] ,49** ,29 DPMFi TJLP Dez/05 Dez/06 Dez/07 Dez/08 Dez/09 Dez/10 Dez/11 Dez/12 Dez/13 Dez/14 Dez/15 *Taxas acumuladas em 12 meses **Diferença acumulada em 2015 Fonte: : BNDES e Bacen Elaboração: MF 8

9 Ministério da 9 Ação: BNDES paga dívida ao Tesouro Nacional O BNDES irá pagar ao Tesouro Nacional o montante de R$ 100 bilhões, sendo R$ 40 bilhões ainda este ano, R$ 30 bilhões em 2017 e R$ 30 bilhões em O montante equivale a apenas 19% do repasse do Tesouro Nacional ao BNDES, da ordem de R$ 520 bilhões, portanto, permi^rá ao Banco con^nuar sendo importante agente financiador de projetos estruturantes. Esse pagamento tem como contrapar^da redução equivalente do estoque de Dívida Bruta do TesouroNacional. Nas atuais condições de mercado, economia com pagamento de juros da ordem de R$7,0 bilhões ao ano. 9

10 Ministério 10 da Ação: ex0nção do Fundo Soberano O patrimônio do Fundo Soberano é de aproximadamente R$2,0 bilhões. O resgate das cotas do FSB cons^tui receita primária, portanto impacta direta e posi^vamente o resultado primário. Neste e nos próximos anos, o resgate das cotas será feito à medida que as condições de mercado permi^rem, sempre com o obje^vo de maximizar a receita oriunda da venda dos a^vos do Fundo. 10

11 Ação: priorizar tramitação do projeto sobre governança dos Fundos de Pensão de Estatais Ministério 11 da Essas en^dades têm apresentado resultados nega^vos, redução de patrimônio e taxa de rentabilidades inferiores às metas atuariais e até mesmo nega^vas. Fundo Resultado 2014 (R$ bi) Patrimônio 2014 (R$ bi) Patrimônio 2015 (R$ bi) Rentabilidade 2014 PREVI 12,5 166,6 153,7 2,6% PETROS - 6,2 68,2 64,4 5,0% FUNCEF - 5,5 56,1 55,1 4,4% POSTALIS BD - 5,6 7,9 N/D - 13,4% 11

12 Ministério da Ação: priorizar tramitação do projeto sobre governança dos Fundos de Pensão de Estatais Evolução do resultado de fundos de pensão federais Funcef, Petros, Postalis e Previ (em bilhões) ,3 5,0 15,8 32,4 51,9 24,4 45,8 31,4 28,4 28,2 17, , * - 58,1 Superávit/déficit em bilhões de R$ * Para 2015, resultado preliminar sujeito a ajustes. Cálculo CPI dos Fundos de Pensão. Fonte: CPI dos Fundos de Pensão Elaboração: MF 12

13 Ministério 13 da Ação: priorizar tramitação do projeto sobre governança dos Fundos de Pensão de Estatais Introduz critérios rígidos para nomeação de dirigentes dessas en^dades e estabelece mecanismos para profissionalização na indicação de dirigentes e conselheiros. Uma gestão eficiente e profissional dos fundos de pensão de estatais será fonte consnua de ganhos para o setor público e para os segurados. Uma boa gestão implicará alocação eficiente de um patrimônio de centenas de bilhões, com repercussões posi^vas sobre os inves^mentos e as taxas de crescimento da economia. O Tesouro Nacional tende a se beneficiar com maior receita de dividendos e com crescimento da arrecadação de impostos. 13

14 Ministério 14 da Ação: priorizar tramitação do projeto que flexibiliza a par0cipação da Petrobras nos inves0mentos do Pré- sal A par^cipação obrigatório tem limitado a realização de inves^mentos. Com a obrigatoriedade, além de perdas financeiras imediatas, a Petrobras é penalizada com perdas de receitas. O fim da obrigatoriedade contribuirá para fortalecer a confiança e, por conseguinte, para a consecução de novos inves^mentos no setor de óleo e gás. Também contribuirá para a retomada da a^vidade, bem como para a recuperação da arrecadação tributária. 14

15 Ministério 15 da Ação: não elevação de subsídios Despesa do Governo Central com subsídios e subvenções(% do PIB e R$ bilhões) 1,4% 1,2% 1,0% 0,8% 0,6% 0,4% 0,2% 0,0% 58, Subsídios em % PIB Subsídios em bilhões de R$ Fonte: Tesouro Nacional Elaboração: Ministério da 15

16 Ministério 16 da Ação: não elevação de subsídios Caso o governo decida conceder novo subsídios, haverá compensação via redução de subsídios em outros programas. Es^ma- se economia de aproximadamente R$ 2 bilhões ao ano. 16

17 Ministério 17 da Conclusão: essas ações são apenas um meio Essas e outras ações a serem tomadas não são um fim em si mesmas, sem exceção, todas essas inicia^vas são um meio a rigor, o único: De trazer de volta ao mercado de trabalhos os onze milhões de brasileiros que hoje estão desempregados. De reduzir a dúvida de empresários quanto ao futuro de seus negócios. De reduzir a insegurança dos trabalhadores que conseguiram permanecer no emprego. De garan^r que em 5, 10 ou 15 anos, os nosso aposentados receberão seus benetcios. 17

18 Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Ministro da Henrique Meirelles 30 de maio de 2016 Ministério da

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10

Leia mais

ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS

ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10

Leia mais

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico Manoel Pires SPE/MF 1 Contexto da política econômica Período prolongado de queda da atividade econômica. Queda das receitas e rigidez

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

Programação Orçamentária. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Programação Orçamentária. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Programação Orçamentária Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 Reequilíbrio Fiscal e Programação Orçamentária de 2015 O governo está elevando gradualmente seu resultado primário para garantir

Leia mais

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Os números que traduzem as finanças públicas decorrem

Leia mais

A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL

A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL SEMINÁRIO IBRE- EBAPE/FGV A AGENDA DE CRESCIMENTO DO BRASIL: A QUESTÃO FISCAL MANSUETO ALMEIDA Parte I O Que Aconteceu? Despesa Primária Governo Central - % do PIB 1991-2014 22,00% 20,00% 20,08% 18,00%

Leia mais

Financiamento Orçamentário

Financiamento Orçamentário Financiamento Orçamentário Glauber P. de Queiroz Ministério do Planejamento SEAFI/SOF/MP Etapa Brasília Março 2016 Oficina XX Financiamento Orçamentário Duração : 04 h Conteúdo: Conceito de Déficit Orçamentário,

Leia mais

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula Valor Econômico 27 de dezembro de 2010 Governo: Gasto adicional de 2,2% do PIB significa que foram transferidos R$ 75 bi a mais em relação a 2002 Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Leia mais

Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais

Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais 3 Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais Vera Martins da Silva(*) No final de 2015, o governo federal teve de pagar aos bancos públicos e ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Para entender o déficit orçamentário do Governo 1 Proposta de Orçamento para 2016 Diante

Leia mais

COLETIVA SOBRE O. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de /07/2015

COLETIVA SOBRE O. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de /07/2015 COLETIVA SOBRE O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de 2015 22/07/2015 Resultado Primário do Setor Público ACUMULADO EM 12 MESES, % PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% -

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA 81 4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA Jose Caio Racy INTRODUÇÃO A arrecadação no primeiro trimestre de 2007 comparado com o de 2006 apresenta um crescimento em função aumento de diversas rubricas das

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2015 Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 1 Cenário Econômico para 2015 Fim da crise financeira internacional

Leia mais

Avanços recentes da política fiscal no Brasil. DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

Avanços recentes da política fiscal no Brasil. DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Avanços recentes da política fiscal no Brasil DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Composição do Gasto Primário 2017 (R$ milhões - Valores Correntes) Item 2017

Leia mais

Ações e Êxitos do Brasil no Enfrentamento da Crise Financeira Internacional 4º Seminário PT- PCCh Salvador, 14 de agosto de 2012

Ações e Êxitos do Brasil no Enfrentamento da Crise Financeira Internacional 4º Seminário PT- PCCh Salvador, 14 de agosto de 2012 Ações e Êxitos do Brasil no Enfrentamento da Crise Financeira Internacional 4º Seminário PT- PCCh Salvador, 14 de agosto de 2012 Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h?p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado do Tesouro Nacional Abril de 2016 Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2015/2016 Valores Nominais Resultado Primário

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017 Brasília, agosto de 2017 Sumário 1. Dados Demográficos e a Previdência Social 2. Regime Geral de Previdência Social 3. Regimes Próprios de Previdência Social 1. DADOS DEMOGRÁFICOS E A PREVIDÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal Neste Sumário serão analisados os principais indicadores de Política Fiscal.

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Geração de funding. Crí$ca ao conceito de poupança.

Geração de funding. Crí$ca ao conceito de poupança. Geração de funding Crí$ca ao conceito de poupança http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação Crí2ca ao Conceito de Poupança Geração de funding 2 Crí2ca ao Conceito de Poupança

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA 1 Nível de atividade Econômica: Estamos saindo da recessão? Quais as perspectivas para os próximos

Leia mais

Seminário sobre a Previdência

Seminário sobre a Previdência Seminário sobre a Previdência Rodrigo Avila Curitiba, 4/3/2017 Orçamento Geral da União 2016 Executado (pago), por Função Total = R$ 2,572 TRILHÕES R$ 1,13 TRILHÃO Fonte: SIAFI Elaboração: AUDITORIA CIDADÃ

Leia mais

Sobre a qualidade do superávit primário

Sobre a qualidade do superávit primário Sobre a qualidade do superávit primário Manoel Carlos de Castro Pires * Desde a derrocada do regime de câmbio fixo, em janeiro de 1999, a política macroeconômica brasileira tem se apoiado no tripé câmbio

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

O Desempenho de Economias Nacionais Contemporâneas nas Transações Financeiras com o Exterior em Moeda Forte

O Desempenho de Economias Nacionais Contemporâneas nas Transações Financeiras com o Exterior em Moeda Forte O Desempenho de Economias Nacionais Contemporâneas nas Transações Financeiras com o Exterior em Moeda Forte Brasil 1947-2016 Avaliação da Viabilidade Econômico-Financeira da Redução das Reservas Internacionais

Leia mais

SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS ANOS José Ricardo Roriz Coelho Vice-Presidente da FIESP Diretor Titular do DECOMTEC Seminário realizado na Fiesp na última segunda-feira,

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Secretaria de Fazenda

Secretaria de Fazenda Secretaria de Fazenda Diagnóstico, ajuste fiscal e plano de ação Rio, 08 de janeiro de 2017 Diagnós(co - Contexto Ajuste es)mado necessário 2017 Plano de ação o Corte de despesas o Aumento de arrecadação

Leia mais

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CPMF 2011 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 IMPACTO DA CPMF NA ECONOMIA 2 Volta da CPMF é uma contribuição IMPOPULAR Tema é bastante impopular para ser tratado em início de Governo. Pesquisa

Leia mais

Crise, Lucratividade e Distribuição:

Crise, Lucratividade e Distribuição: Crise, Lucratividade e Distribuição: Uma Análise da Economia Política Brasileira Adalmir Marquetti PUCRS Setembro, 2017 1. Introdução Maior crise política e econômica desde a redemocratização Divisão de

Leia mais

Adiante, demonstração gráfica da rentabilidade dos investimentos.

Adiante, demonstração gráfica da rentabilidade dos investimentos. NOSSA LUTA CONTINUA Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes Relação entre Resultado dos Investimentos, Meta Atuarial, Equilíbrio Atuarial e Análise do Resultado

Leia mais

PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento do SUS

PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento do SUS ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA FINANCIAMENTO DO SUS AVANÇOS E DESAFIOS 29 de junho de 2016 PEC 01/2015, 04/2015, 143/2015 e 241/2016 e seus efeitos sobre o financiamento

Leia mais

Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas. Manoel Pires IBRE-FGV

Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas. Manoel Pires IBRE-FGV Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas Manoel Pires IBRE-FGV 1 Estrutura Principais fatos estilizados das finanças públicas no Brasil. Política fiscal e ciclos econômicos. O

Leia mais

GOVERNO DILMA 1 ( )

GOVERNO DILMA 1 ( ) 1 INÍCIO DA GESTÃO DILMA Manutenção de Mantega na Fazenda Tombini (servidor de carreira) no Bacen Inflação acima do centro da meta (abaixo do teto) Ampla base de apoio político Compromisso de redução dos

Leia mais

Desafios da Política Fiscal. Caminhos e Possibilidades para o reequilíbrio

Desafios da Política Fiscal. Caminhos e Possibilidades para o reequilíbrio Desafios da Política Fiscal Caminhos e Possibilidades para o reequilíbrio Agosto. 2014 Alternativas para a Política Fiscal Caminhos para o resgate da Âncora Fiscal e da Estabilidade Econômica Adoção de

Leia mais

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Março de 2016 AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Segundo o IBGE, o PIB brasileiro caiu 4,0% em 2015. Essa variação é resultado de uma

Leia mais

Recessão brasileira: origens, determinantes e condições de saída

Recessão brasileira: origens, determinantes e condições de saída Recessão brasileira: origens, determinantes e condições de saída Fernando Ferrari Filho Professor Titular da UFRGS e Pesquisador do CNPq http://www.ppge.ufrgs.br/ferrari e ferrari@ufrgs.br e fernandoferrarifilho@gmail.com

Leia mais

SINCOR-SP 2017 NOVEMBRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 NOVEMBRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário SINCOR-SP 2017 Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 Cenário macroeconômico 2015 2016 PIB (crescimento real % a.a.) -3,7-2,9 IPCA (acumulado- var %) 10,60 7,10 PIB Nominal (R$ bi) 5.882 6.194 Salário Mínimo (R$) 788,00

Leia mais

Fontes de Financiamento. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Fontes de Financiamento. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Fontes de Financiamento Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1 Estrutura da apresentação Funding para empréstimos Captação via Produtos Bancários

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE (Do Sr. Fernando Bezerra Coelho) de Maio de 2000.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE (Do Sr. Fernando Bezerra Coelho) de Maio de 2000. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2015 (Do Sr. Fernando Bezerra Coelho) O Congresso Nacional decreta: de Maio de 2000. Altera a Lei Complementar 101 Art. 1º. O art. 4º da Lei Complementar 101/2000 passa

Leia mais

PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal

PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal PEC 241: Ajuste Fiscal e os Impactos Negativos para a Sociedade PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@mail.com A TESE DO AJUSTE FISCAL NO BRASIL Elaboração:

Leia mais

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Apresentação preparada para o 13º Forum de Economia da Fundação Getulio Vargas Nelson Marconi 12 de setembro de 2016 Como evoluiu a renda per capita no Brasil?

Leia mais

Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre

Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre 2016 Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre Apresentação O conselho Regional de Economia do Estado do Ceará disponibiliza trimestralmente seu boletim Conjuntural, com projeções e perspectivas da economia

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 1 Oportunidades para o Brasil Comércio e financiamento externo: aumento nos termos de troca puxado pela

Leia mais

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica A previdência social no Brasil: 1923 2009 Uma visão econômica Darcy Francisco Carvalho dos Santos darcy@darcyfrancisco.com.br 6 de Outubro de 2009. Auditório MERCOSUL FIERGS. Porto Alegre - RS Lançamento:

Leia mais

Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação)

Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação) Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação) Prof. Evilasio Salvador Universidade de Brasília (UnB) Pós-Graduação em Política Social evilasioss@unb.br Fundo Público

Leia mais

Situação Fiscal dos Estados

Situação Fiscal dos Estados Situação Fiscal dos Estados II Seminário Internacional de Política Fiscal FMI/FGV Secretaria de Estado da Fazenda de Goiás Rio de Janeiro 28 de abril de 2016 Secretaria de Estado da Fazenda Sumário da

Leia mais

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI BRASÍLIA 30/10/2017 30/10 SEGUNDA-FEIRA - Boletim FOCUS/Banco Central - Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPCS)/ FGV - Notas para a imprensa Política Fiscal / Banco Central - IGP-M / FGV EDIÇÃO 0008

Leia mais

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Geraldo Biasoto Jr I Jornada de Debates sobre a Dívida Pública 20/10/2105 Ministério Público Federal/Ministério Público de Contas SP Quando o fiscal virou financeiro?

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Os Bancos nunca perdem

Os Bancos nunca perdem Boletim Econômico Edição nº 85 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os Bancos nunca perdem 1 Dados patrimoniais dos gigantes do Sistema Financeiro Nacional O total

Leia mais

Financiamento de Desenvolvimento Seminário da RedeD IE- UNICAMP - Dia 10/05/12: 08:30 às 10:30

Financiamento de Desenvolvimento Seminário da RedeD IE- UNICAMP - Dia 10/05/12: 08:30 às 10:30 Financiamento de Desenvolvimento Seminário da RedeD IE- UNICAMP - Dia 10/05/12: 08:30 às 10:30 Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP hhp://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1 Estrutura

Leia mais

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 Evolução recente e desafios da economia brasileira Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 A importância do crescimento Há vários anos, a economia brasileira tem

Leia mais

A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro. Julho de 2016

A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro. Julho de 2016 A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro Julho de 2016 Sumário 1. Breve Histórico 2. Informações Fiscais 3. Possíveis Explicações 4. Grandes Questões 5. Desafios e Oportunidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Fechamento

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Fechamento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ORÇAMENTO 2016 - Fechamento Janeiro/2017 CODAGE Coordenadoria de Administração Geral Rua da Reitoria, 374 5 o andar Cidade Universitária 05508-220 São Paulo/SP (11) 3091-3014

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais

Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais Retomada do Crescimento e Reformas Estruturais Henrique Meirelles Ministro da Julho, 2017. Crescimento de Curto Prazo 2 jan-05 jul-05 jan-06 jul-06 jan-07 jul-07 jan-08 jul-08 jan-09 jul-09 jan-10 jul-10

Leia mais

Programação fiscal Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

Programação fiscal Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Programação fiscal 2017-2018 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão 1 EVOLUÇÃO DAS METAS FISCAIS 2017 2018 2019 2020 R$ bilhões Discriminação Atual Proposta Atual Proposta

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016

CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016 CUIABÁ MT DEZEMBRO 2016 DEBATE SOBRE CONJUNTURA Desafio dos trabalhadores e a Conjuntura econômica Nível de Atividade PIB x PIB per capita: Brasil 1950-2010 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

Leia mais

O Regime Próprio da Previdência Social do RS

O Regime Próprio da Previdência Social do RS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 17 O Regime Próprio

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MARÇO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário SINCOR-SP 2017 Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ TESE DO GOVERNO CENTRAL SOBRE O EFEITO DO AJUSTE FISCAL: O governo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Subsecretaria de Governança Fiscal e Regulação de Loteria Coordenação Geral de Monitoramento da Política Fiscal 29/03/17 Despesas Contingenciáveis

Leia mais

Economia, Finanças e Estatística Avançada

Economia, Finanças e Estatística Avançada A correlação entre taxa SELIC Meta e inflação é a) Próxima de 1 b) Maior que 1 c) Próxima de -1 d) Igual a 0 A correlação entre taxa SELIC Meta e inflação é a) Próxima de 1 - Significa que quando um ativo

Leia mais

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Domingo, 07 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do

Leia mais

Evolução das Despesas Federais

Evolução das Despesas Federais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 3 Evolução das Despesas

Leia mais

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 7 1. Carta de Conjuntura... 8 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 9 3. Análise macroeconômica... 12

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 241 - O DESMANCHE DO SUS Proposta de Emenda Constitucional - PEC 241 A PROPOSTA OBJETIVO Alterar a Constituição Federal instituindo um novo Regime Fiscal para os Poderes

Leia mais

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Grazielle David Mestre em Saúde Coletiva/Economia da Saúde Assessora Política do INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos Diretora do CEBES Centro Brasileiro de

Leia mais

Perspec(vas para a Economia Brasileira Ministro da Fazenda Guido Mantega

Perspec(vas para a Economia Brasileira Ministro da Fazenda Guido Mantega Perspec(vas para a Economia Brasileira Ministro da Fazenda Guido Mantega Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES Brasília, 26 de julho de 2011 2 2011: Mundo dividido entre países dinâmicos

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Relatório. Anual. Resumo 2015

Relatório. Anual. Resumo 2015 Relatório Anual Resumo 2015 2 Mensagem da Diretoria O ano de 2015 foi marcado por um cenário volátil e conturbado com inflação alta, PIB negativo, escândalos políticos, rebaixamento de grau de investimento

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por Luís Paulo Rosenberg. Junho/ 2013

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por Luís Paulo Rosenberg. Junho/ 2013 CONJUNTURA ECONÔMICA Por Luís Paulo Rosenberg Junho/ 2013 Economia Internacional jan/01 ago/01 mar/02 out/02 mai/03 dez/03 jul/04 fev/05 set/05 abr/06 nov/06 jun/07 jan/08 ago/08 mar/09 out/09 mai/10 dez/10

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro 18º Seminário Regional de Política Fiscal - CEPAL/ILPES Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro Sesión Gobiernos sub-nacionales y políticas sociales CEPAL - Santiago,

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

PANORAMA DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS CÂMARA DOS DEPUTADOS - COMISSÃO ESPECIAL PEC 287/ AUDIÊNCIA PÚBLICA

PANORAMA DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS CÂMARA DOS DEPUTADOS - COMISSÃO ESPECIAL PEC 287/ AUDIÊNCIA PÚBLICA PANORAMA DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS CÂMARA DOS DEPUTADOS - COMISSÃO ESPECIAL PEC 287/2016 - AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASÍLIA - DF - 16 DE FEVEREIRO DE 2017 ENTES FEDERATIVOS - REGIME PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

IGEPP--ANAC ª Fase Prof. Waldery Rodrigues Jr. Finanças Públicas. Dissertação de Finanças Públicas

IGEPP--ANAC ª Fase Prof. Waldery Rodrigues Jr. Finanças Públicas. Dissertação de Finanças Públicas Dissertação de Finanças Públicas Texto I O Ajuste Inevitável - ou o país que ficou velho antes de se tornar desenvolvido - Mansueto Almeida Jr., Marcos de Barros Lisboa e Samuel Pessoa Folha de São Paulo

Leia mais

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC CONJUNTURA Maio-2017 FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC INFLAÇÃO FICARÁ ABAIXO DA META EM MEADOS DE 2017 IPCA ACUMULADO EM 12 MESES (%) Fonte: IBGE; Elaboração: CNI DCEE Departamento de Competitividade,

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

15º SEMINARIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS

15º SEMINARIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS 15º SEMINARIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NO BRASIL A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO São Paulo 30 de junho de 2016 Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimento é a chave para retomada

Leia mais

Perspectivas para a Política Fiscal Brasileira

Perspectivas para a Política Fiscal Brasileira Perspectivas para a Política Fiscal Brasileira Manoel Carlos de Castro Pires * 1. Introdução Em virtude da eleição para Presidente da República, o ano de 2006 é o momento adequado para se discutir os rumos

Leia mais

Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES. 19 de agosto de 2010

Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES. 19 de agosto de 2010 Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES 19 de agosto de 2010 Os custos fiscais do PSI e dos empréstimos do Tesouro Nacional ao BNDES (1 de 2) Em 2009 e 2010 o Tesouro Nacional

Leia mais

Crise Fiscal e Administração Pública no Brasil

Crise Fiscal e Administração Pública no Brasil IX Congresso Consad Crise Fiscal e Administração Pública no Brasil Pedro Jucá Maciel Senado Federal Brasília, 10 de junho de 2016 1 Sumário: as cinco perguntas que precisam ser respondidas I. Por que chegamos

Leia mais

SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA SEMINÁRIO PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS ANOS José Ricardo Roriz Coelho Vice-Presidente da FIESP Diretor Titular do DECOMTEC 19 de setembro de 2016 1 Contexto 2 Cenário p/ economia

Leia mais

Seminário Andifes. Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Fernando Sarti

Seminário Andifes. Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Fernando Sarti Seminário Andifes Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Fernando Sarti NEIT-IE-UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP Centro Altos Estudos Brasil Século XXI Rio, IE-UFRJ, 20 fevereiro

Leia mais