Avanços recentes da política fiscal no Brasil. DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avanços recentes da política fiscal no Brasil. DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão"

Transcrição

1 Avanços recentes da política fiscal no Brasil DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

2 Composição do Gasto Primário 2017 (R$ milhões - Valores Correntes) Item 2017 * % Benefícios Previdenciários - Urbano ,8 33,73% Pessoal e Encargos Sociais (inclusive servidores inativos e pensionistas) ,6 21,95% Benefícios Previdenciários - Rural ,1 9,67% Gasto da Saúde (exc.pessoal) ,6 8,05% Benefícios de Prestação Continuada da LOAS/RMV ,8 4,16% Seguro Desemprego ,6 3,25% Gasto da Assistência Social (exceto pessoal e BPC) (inclui Bolsa família) ,8 2,45% Gasto da Educação (exc.pessoal) ,6 2,43% PAC ,5 2,08% Subsídios, Subvenções e Proagro ,7 2,07% Abono ,2 1,31% Poder Legislativo, Judiciário e Ministério Público da União ,9 1,10% Compensação ao RGPS pelas Desonerações da Folha ,4 1,07% FUNDEB (Complem. União) ,4 1,01% Sentenças Judiciais e Precatórios ,0 0,87% Demais Despesas Obrigatórias ,0 1,35% Demais Despesas Discricionárias do Executivo ,7 3,44% VARIAÇÃO TOTAL ,4 100,00% * Inclui ampliação de R$ 3.146,6 milhões indicada no Relatório do 2º Bimestre a ser publicada no Decreto de Programação. Demais Despesas Obrigatórias: Anistiados; Benefícios de Legislação Especial e Indenizações; Convênios; Doações; Fabricação de Cédulas e Moedas; Fundo Constitucional DF; FDA/FDNE; Lei Kandir (LC nº 87/96 e 102/00); Reserva de Contingência; Transferências ANA; Transferências Multas ANEEL; Auxílio CDE; Créditos Extraordinários; Complemento do FGTS (LC nº 110/01). Demais Despesas Discricionárias: Demais Ministérios Fonte: SOF Av. 2º Bimestre 2017 com Abertura

3 Principais ações do governo na área fiscal 1. Consolidação de uma meta de superávit primário austera e factível 2. Aprovação da DRU 3. Novo Regime Fiscal: Emenda Constitucional 95/2016 Expansão dos gastos limitados ao IPCA acumulado em 12 meses no mês de junho do ano anterior 4. Reformas estruturais Previdenciária Regime de Recuperação Fiscal dos Estados e do Distrito Federal (Lei Complementar 159/2017)

4 Principais ações do governo na área fiscal 4. Avaliação de Políticas Públicas BPC Aposentadoria por Invalidez Auxílio-Doença Seguro-Defeso Bolsa Família Comitê de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (Portaria 102/2016) Comissão Interna de Acompanhamento de Gastos com Custeio Administrativo no Poder Executivo Federal (Portaria 118/2016) Comissão Interna de Acompanhamento de Gastos com Pessoal no Poder Executivo Federal (Portaria 120/2016)

5 Principais ações do governo na área fiscal 5. Reforma da gestão pública Reforma administrativa (redução de ministérios e de cargos) Decreto do compartilhamento de bases de dados na administração pública federal (Decreto 8.789/2016) Nova Lei das Estatais Lei /2016 Plataforma de Análise de Dados do Governo Federal GovData Rede Federal de Inovação do Serviço Público InovaGov Painel de Preços Taxigov

6 Consolidação da Meta de superávit primário Metas fiscais factíveis e consistentes com a expectativa de mercado, sinalizando uma política fiscal crível e realista Superávit Primário LDO 2017 Focus 15/08/16 Reprog/PLDO 18 Focus 30/03/17 Meta para % -2.1% -2.1% -2.3% Meta para % -1.1% -1.8% -1.7% Fonte: Ministério do Planejamento e Banco Central do Brasil

7 Novo Regime Fiscal: EC 95/ Características relevantes e pouco divulgadas (i) Também possui mecanismo de contenção automática das principais despesas obrigatórias em caso de não cumprimento do teto, o que preserva as demais despesas, em especial os investimentos Veda aumentos reais do salário mínimo e revisão de remuneração/subsídio do funcionalismo (Art. 109, VIII e 3º, ADCT). Ou seja, o NRF, além de determinar o teto de gastos, também reduz despesa obrigatória. (ii) O Novo Regime Fiscal possui importante mecanismo de harmonização com a meta de resultado primário na prática permite flexibilizar o teto de gastos em caso de atingimento de resultado primário acima da meta, via pagamento de Restos a Pagar inscritos até dezembro/2016, os quais totalizaram R$185,7 bilhões (Art. 107, 11, ADCT).

8 Percentual gasto com juros da dívida pública Fonte: Banco Central do Brasil Queda nos serviços da dívida abre espaço para a convergência

9 Deterioração do caminho da dívida nos últimos anos Cenário de convergência da dívida pública utilizando as projeções do Focus para a taxa Selic, inflação, crescimento e superávit primário. Piora nos últimos anos devido o menor crescimento do PIB, queda do superávit primário e elevação da taxa de juros. Em 2017, há reversão da tendência de deterioração do caminho da dívida. Melhora do crescimento de longo prazo e redução da taxa de juros. Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: SEPLAN - MP

10 Reversão da deterioração da dívida pública reverte o risco país Serviço da dívida futura = Swap 5 anos Dívida esperada 5 anos Fonte: Bloomberg e Banco Central do Brasil. Média mensal.

11 Redução do risco país significa menor taxa de juros futura Paridade da taxa de juros Fonte: Bloomberg. Média móvel de 21 dias úteis. Taxa de juros futuro tem efeito relevante na demanda agregada consumo e investimento

12 Redução do risco país significa melhora do ambiente econômico e retomada do investimento Fonte: Bloomberg e IBGE Queda da taxa de juros tem forte impacto na retomada do crescimento, principalmente no investimento Queda do juros reais surtirá efeito no crescimento Redução dos juros há queda do custo da dívida e melhora o ambiente fiscal

13 Experiência internacional What drives the short-run costs of fiscal consolidation? Evidence from OECD countries. Bis Working paper 553 (2016) Multiplicador fiscal de -1 p.p. do superávit primário ajustado ao ciclo no PIB. Crise financeira, deficit em conta corrente e deterioração da dívida pública indicam um multiplicador acumulado em 4Q positive.

14 Política fiscal do governo Resultado Líquido Esforço fiscal impulso fiscal t = Gasto t Gasto t PIB PIBpotencial t Receita t Receita t PIB t PIB t t ¹ Acumulado 12 meses. Metodologia FMI e elaboração SEPLAN/MP

15 Anexos

16 12-mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez dez jan mar mar abr mai-17 Redução do risco país significa melhora das expectativas da economia e ativos Índice Bovespa (pontos) Empresa 30/05/ /01/2016 Variação Ibovespa (IBOV) ,9% Petrobras (PETR3) 14,43 5,96 142,1% Vale do Rio Doce (VALE3) 27,98 8,61 225,0% Banco do Brasil (BBAS3) 28,77 12,20 135,8% Eletrobras (ELET3) 14,07 4,88 188,3% Fonte: Bloomberg. Cotação de 30/05/2017 às 10:50 horas Fonte: Bloomberg.

17 mai/06 nov/06 mai/07 nov/07 mai/08 nov/08 mai/09 nov/09 mai/10 nov/10 mai/11 nov/11 mai/12 nov/12 mai/13 nov/13 mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Redução do risco país significa melhora das expectativas da economia e ativos EMBi+ Brasil (spread p.b.) Período de Investment Grade S&P e Fitch (média abr/2008 a set/2015) Fonte: JPMorgan. *Posição em 30/05/2017.

18 Redução do risco país significa melhora das expectativas da economia e ativos

19 mar/99 out/99 mai/00 dez/00 jul/01 fev/02 set/02 abr/03 nov/03 jun/04 jan/05 ago/05 mar/06 out/06 mai/07 dez/07 jul/08 fev/09 set/09 abr/10 nov/10 jun/11 jan/12 ago/12 mar/13 out/13 mai/14 dez/14 jul/15 fev/16 set/16 Política fiscal do governo Resultado Líquido Esforço fiscal Impulso Fiscal da Total ¹ 2,0% 1,5% FMI potencial OCDE Holandês 1,0% 0,5% 0,0% -0,5% -1,0% -1,5% ¹ Acumulado 12 meses.

20 Pressupostos para o caminho da dívida projeçõs do FOCUS Projeção - anual Inflação IPCA 0 6.9% 4.3% 5.6% 5.2% 5.2% 3.9% 1 5.4% 4.0% 4.8% 5.6% 5.6% 4.3% 2 5.0% 4.0% 4.5% 5.1% 5.1% 4.3% 3 5.0% 4.0% 4.5% 5.0% 5.0% 4.0% 4 4.5% 4.0% 4.5% 4.9% 4.9% 4.0% Superávit Primário 0 4.3% 4.3% 2.5% 0.8% -2.1% -2.2% 1 4.3% 4.3% 3.0% 1.6% -1.5% -1.8% 2 4.3% 4.3% 3.0% 2.0% -0.8% -1.0% 3 4.0% 4.1% 3.0% 2.0% 0.7% -0.5% 4 3.8% 4.1% 2.8% 2.0% 1.0% 0.4% Crescimento do PIB 0 3.5% 4.3% 7.0% -1.4% -3.5% 0.5% 1 3.5% 4.0% 4.5% 0.7% 1.0% 2.5% 2 3.5% 4.0% 4.5% 2.0% 2.0% 2.5% 3 3.5% 4.0% 4.5% 2.2% 2.0% 2.5% 4 3.3% 4.0% 4.5% 2.5% 2.1% 2.5% SELIC % 11.8% 10.4% 13.6% 14.0% 10.2% % 10.3% 12.0% 12.9% 11.7% 8.5% % 9.6% 11.0% 11.0% 10.8% 8.5% % 9.1% 10.6% 10.0% 10.3% 8.5% % 9.0% 10.0% 10.0% 10.3% 8.5%

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016

Resultado do Tesouro Nacional Abril de Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado do Tesouro Nacional Abril de 2016 Brasília 30 de Maio, 2016 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2015/2016 Valores Nominais Resultado Primário

Leia mais

COLETIVA SOBRE O. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de /07/2015

COLETIVA SOBRE O. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de /07/2015 COLETIVA SOBRE O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS PRIMÁRIAS 3º Bimestre de 2015 22/07/2015 Resultado Primário do Setor Público ACUMULADO EM 12 MESES, % PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% -

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA 2016 Cenário macroeconômico 2015 2016 PIB (crescimento real % a.a.) -3,7-2,9 IPCA (acumulado- var %) 10,60 7,10 PIB Nominal (R$ bi) 5.882 6.194 Salário Mínimo (R$) 788,00

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico Manoel Pires SPE/MF 1 Contexto da política econômica Período prolongado de queda da atividade econômica. Queda das receitas e rigidez

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Um programa de ajuste incompleto

Um programa de ajuste incompleto O desafio do ajuste fiscal brasileiro FGV/EESP Um programa de ajuste incompleto Felipe Salto* *Assessor econômico do senador José Serra, é economista pela FGV/EESP, mestre em administração pública e governo

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Subsecretaria de Governança Fiscal e Regulação de Loteria Coordenação Geral de Monitoramento da Política Fiscal 29/03/17 Despesas Contingenciáveis

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL

RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação - CCONF Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Fiscal - GENOP RELATÓRIO QUADRIMESTRAL RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Proposta de orientação

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 241 - O DESMANCHE DO SUS Proposta de Emenda Constitucional - PEC 241 A PROPOSTA OBJETIVO Alterar a Constituição Federal instituindo um novo Regime Fiscal para os Poderes

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2015 Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 1 Cenário Econômico para 2015 Fim da crise financeira internacional

Leia mais

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula Valor Econômico 27 de dezembro de 2010 Governo: Gasto adicional de 2,2% do PIB significa que foram transferidos R$ 75 bi a mais em relação a 2002 Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Leia mais

Desmistificando o debate fiscal

Desmistificando o debate fiscal 25 jul 2006 Nº 6 Desmistificando o debate fiscal O equívoco de confundir gasto social com custeio da máquina Por Secretaria de Assuntos Econômicos O resultado das necessidades de financiamento do setor

Leia mais

Orçamento e Finanças 2016

Orçamento e Finanças 2016 Orçamento e Finanças 2016 Orçamento O orçamento total do Grupo Hospitalar Conceição é dividido em duas unidades orçamentárias. Na primeira estão os créditos consignados no Orçamento Geral da União - OGU,

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico

Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2015 Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Palestrante: Manoel Carlos de Castro Pires Curso Políticas Públicas

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

A situação da Seguridade Social no Brasil

A situação da Seguridade Social no Brasil A situação da Seguridade Social no Brasil Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados, 16/08/2011 Álvaro Sólon de França Presidente do Conselho Executivo da ANFIP

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais Evolução dos Gastos Públicos Federais no Brasil: Uma análise para o período

Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais Evolução dos Gastos Públicos Federais no Brasil: Uma análise para o período Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais Evolução dos Gastos Públicos Federais no Brasil: Uma análise para o período 2006-15 Maio de 2016 MINISTRO DA FAZENDA Nelson Henrique Barbosa

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES SETOR EXTERNO BALANÇA COMERCIAL out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

Ajuste Fiscal em 2011.

Ajuste Fiscal em 2011. 1 Ajuste Fiscal em 2011. Mansueto Almeida (23/NOV/2011) 1. No início do ano, o governo divulgou um programa de contenção de despesas no qual prometia uma economia de R$ 50 bilhões em relação aos valores

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

Audiência Pública - CAE Situação Fiscal dos Estados Secretaria de Estado da Fazenda

Audiência Pública - CAE Situação Fiscal dos Estados Secretaria de Estado da Fazenda Audiência Pública - CAE Situação Fiscal dos Estados Secretaria de Estado da Fazenda Brasília 19 de abril de 2016 Secretaria de Estado da Fazenda Sumário da Apresentação 1 Contexto da Crise dos Estados

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 1 Cenário Macroeconômico Revisto 2015 2016 2017 2018 PIB (crescimento

Leia mais

Tabela 1 - Balanço Orçamentário

Tabela 1 - Balanço Orçamentário Tabela 1 Balanço Orçamentário PREFEITURA MUNICIPAL DE VITORIA DA CONQUISTA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO SETEMBRO/OUTUBRODE 2012 RREO Anexo I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda Decifrando a economia para superar a crise com Denise Barbosa & Antonio Lacerda EUA produção industrial continua patinando 110 105 Índice base 2007 = 100 100 95 90 85 80 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13

Leia mais

Financiamento Orçamentário

Financiamento Orçamentário Financiamento Orçamentário Glauber P. de Queiroz Ministério do Planejamento SEAFI/SOF/MP Etapa Brasília Março 2016 Oficina XX Financiamento Orçamentário Duração : 04 h Conteúdo: Conceito de Déficit Orçamentário,

Leia mais

ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL Valores em Reais I - COMPARATIVOS maio/2014 a abril/2015 maio/2015 a abril/2016 R$ % R$ % Receita Corrente Líquida do Município 34.470.824,28

Leia mais

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Apresentação preparada para o 13º Forum de Economia da Fundação Getulio Vargas Nelson Marconi 12 de setembro de 2016 Como evoluiu a renda per capita no Brasil?

Leia mais

Reforma da Previdência. Dezembro de 2016

Reforma da Previdência. Dezembro de 2016 Reforma da Previdência Dezembro de 2016 1 Razões para a Reforma Evolução populacional Hoje o Brasil é mais jovem que EUA e Europa; Mas projeções indicam que o país ficará mais envelhecido que os EUA e

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires CENÁRIO ECONÔMICO ASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE Marcelo Barros Amanda Aires SUMÁRIO Breve retrospectiva Demanda agregada Oferta agregada Crise política (contexto econômico) Emprego Análise de cenários PIB

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos PEC 241/2016 Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos e os servidores; Modifica critérios para

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

BRASIL E A CRISE MUNDIAL

BRASIL E A CRISE MUNDIAL BRASIL E A CRISE MUNDIAL Ministro Guido Mantega maio 2009 1 Crise não acabou, talvez pior já tenha passado Consolidação do governo Obama e ações do G20 melhoram a CONFIANÇA Enxurrada de dinheiro do FED

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS ANEXO I TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS x Masculina Feminina HUNTER AV ii ii x x 0 0.017032 0.014283 0.000000 1 0.001076 0.000880 0.000000 2 0.000702 0.000558 0.000000 3 0.000537

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA RREO - ANEXO I (LRF, Art.52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º R$ 1,00 RECEITAS BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A DEZEMBRO 2008 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO INICIAL SALDO A REALIZAR No Bimestre

Leia mais

Situação Fiscal dos Estados

Situação Fiscal dos Estados Situação Fiscal dos Estados II Seminário Internacional de Política Fiscal FMI/FGV Secretaria de Estado da Fazenda de Goiás Rio de Janeiro 28 de abril de 2016 Secretaria de Estado da Fazenda Sumário da

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Indicadores Setoriais da Indústria Farmacêutica. Subsídio à Campanha Salarial 2013

Indicadores Setoriais da Indústria Farmacêutica. Subsídio à Campanha Salarial 2013 Indicadores Setoriais da Indústria Farmacêutica Subsídio à Campanha Salarial 2013 Conjuntura setorial brasileira Evolução dos dados da indústria de farmoquímicos e farmacêuticos - Brasil Ano Número de

Leia mais

Evolução das Despesas Federais

Evolução das Despesas Federais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 3 Evolução das Despesas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E REGULAÇÃO URBANA SEPLAN AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA - 2016 Fioravante Batista Ballin Prefeito Municipal Suimar João Bressan Secretário de Planejamento e Regulação Urbana

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China

Cenários para Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China Cenários para 2017 2018 Doméstico - Político e Econômico Global EUA e China 1 O FIM DE UM CICLO... 2 ... O INÍCIO DE OUTRO 3 Cenário Doméstico Político e Econômico 4 Cenário AGENDA PESADA Principais TEMAS

Leia mais

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016 PÁGINA 6 Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segundafeira, 28 de março de 2016 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA PORTARIA Nº 50, DE 23 DE MARÇO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA DO, no uso

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira O IMPACTO DO REAJUSTE DO SALÁRIOMÍNIMO NO ORÇAMENTO DA UNIÃO PL 382/2011 E DEMAIS ALTERNATIVAS Fevereiro/2011 Nota Técnica n.º 01/2011

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Crise Econômica, Mercado de Trabalho e a Seguridade Social no Brasil

Crise Econômica, Mercado de Trabalho e a Seguridade Social no Brasil Crise Econômica, Mercado de Trabalho e a Seguridade Social no Brasil Prof. Denis Maracci Gimenez maracci@unicamp.br Porto Alegre, abril de 2017 QUESTÃO CENTRAL Estabelecer relações entre a evolução da

Leia mais

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013 Crescimento e juros Roberto Padovani Março 2013 jan-91 dez-91 nov-92 out-93 set-94 ago-95 jul-96 jun-97 mai-98 abr-99 mar-00 fev-01 jan-02 dez-02 nov-03 out-04 set-05 ago-06 jul-07 jun-08 mai-09 abr-10

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente

Coletiva de Imprensa. Financiamento Imobiliário 1º Semestre de São Paulo 26 de Julho de Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente Coletiva de Imprensa Financiamento Imobiliário 1º Semestre de 2016 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo 26 de Julho de 2016 Índice 1 2 3 4 5 6 Conjuntura Construção Civil Financiamento Imobiliário

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA 81 4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA Jose Caio Racy INTRODUÇÃO A arrecadação no primeiro trimestre de 2007 comparado com o de 2006 apresenta um crescimento em função aumento de diversas rubricas das

Leia mais

Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas

Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Ministro da Henrique Meirelles 30 de maio de 2016 Ministério da Ministério da 2 Diagnós0co: exercício com transparência e realismo A LOA previa, para

Leia mais

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Seminário O Desafio Fiscal do Brasil INSPER, 7/ 15/ 2015 1 LRF Histórico 1922 - Código de Contabilidade Pública (Decreto 4536) 1964 Lei

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012

Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012 Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para 2015 Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012 Receitas totais previstas para 2013 Em R$ 1.000,00 Especificação

Leia mais

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás São Paulo, 27 de setembro de 2016 Sumário 1 2 A crise fiscal

Leia mais