Percepção. Cabe ao processo de PERCEPÇÃO selecionar, organizar e interpretar essas sensações, produzindo nossa experiência consciente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Percepção. Cabe ao processo de PERCEPÇÃO selecionar, organizar e interpretar essas sensações, produzindo nossa experiência consciente."

Transcrição

1 Percepção Como se forma nossa experiência consciente do mundo que nos rodeia? É a pergunta que inaugura a Psicologia como ciência na segunda metade do século XIX. Para representar o mundo exterior em nossa consciência, devemos detectar a energia física do ambiente, codificá-la como sinais nervosos e enviá-los ao córtex cerebral. Esse processo é tradicionalmente chamado de SENSAÇÃO. Cabe ao processo de PERCEPÇÃO selecionar, organizar e interpretar essas sensações, produzindo nossa experiência consciente. O processo de sensação envolve basicamente cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar. Os sentidos captam os estímulos através de células nervosas (chamadas de receptores), transformando-os em sinais eletroquímicos. Os impulsos nervosos são os responsáveis pela condução desses sinais até o córtex sensorial, que nos faz ter a sensação do que está sendo apresentado. Mas não somos sensíveis à totalidade de energia física existente no ambiente, apenas àqueles para os quais temos células receptoras capazes de detectá-las. Entretanto, mesmo os estímulos detectáveis pelos órgãos sensoriais o são apenas quando apresentados em uma intensidade mínima. Os limiares estão relacionados à intensidade mínima necessária para que um estímulo seja detectado, produzindo sensações, e à sensibilidade mínima a mudanças de estimulação. Limiar absoluto: Nível mais baixo no qual um estímulo pode ser detectado. Quanto > a intensidade de 1 estímulo > a probabilidade de que seja percebido. O que está abaixo do limiar não é detectado. Limiar relativo ou diferencial: diferença mínima detectável entre dois estímulos. Estimulação subliminar É a percepção de um estímulo que está abaixo do limiar absoluto. Um exemplo de estimulação subliminar é a história de que as gravações de rock conteriam mensagens satânicas, que poderiam ser ouvidas se os discos fossem tocados ao contrário; e, mesmo quando tocados para frente, eram capazes de persuadir o ouvinte de modo inconsciente. Frames de filmes com publicidade subliminar também testavam a influência no consumo de guloseimas nos cinemas. Quando um estímulo é apresentado abaixo do nível da consciência ele será capaz de influenciar o comportamento e os sentimentos? Sobre esta questão há estudos com diferentes métodos e todavia não há uma resposta conclusiva. Muitos falharam em demonstrar uma influência decisiva no comportamento humano, e outros demonstraram influências sutis na predisposição a gostar ou não de projeções que seguiam imagens subliminares agradáveis e desagradáveis.

2 Características do Processamento Sensorial que Interferem na Percepção Adaptação sensorial: diz respeito à habituação frente a um determinado estímulo, ou seja, à atenuação da resposta sensorial frente à estimulação constante e inalterada. Exemplos: Água fria da piscina, barulho do ventilador, sapato apertado, cheiro do perfume. Permite que foquemos nossa atenção em mudanças informativas (Ex. tons de voz, mudança de slides) O ponto cego Tampe seu olho direito e olhe para o ponto do lado direito com o seu olho esquerdo. Permaneça olhando no ponto enquanto, lentamente, movimenta-se para mais perto ou mais longe da imagem. Você descobrirá o ponto cego na sua visão quando o ponto do lado esquerdo desaparecer completamente. O ponto cego ocorre quando a imagem atinge a parte do olho de onde sai o nervo ótico. Nesse ponto não existem receptores visuais. Isso acontece quando fechamos um olho e deixamos o outro aberto. Com os dois olhos abertos um olho compensa o ponto cego do outro. Seleção Perceptiva Apenas uma pequena parte do que é detectado é percebido. Atenção seletiva: significa que em qualquer momento focalizamos nossa percepção em apenas um aspecto limitado de tudo o que somos capazes de detectar pelos sentidos.

3 Exemplos: Ao ler as frases acima, você se mantinha alheio ao fato de que os sapatos comprimem-lhe os pés. Subitamente o foco de sua atenção se desloca e você passa a sentir os pés apertados. Visão periférica (Você percebe a ponta de seu nariz agora?) Operador da bolsa de valores ele deve, entre todo o barulho ao seu redor, focalizar sua atenção na transição que está fazendo. Torcedor assistindo a um jogo na TV. Interferência de estímulos despercebidos. Em uma aula, um professor realizou a demonstração de um experimento, visando apontar duas características do processo de percepção auditiva: O participante foi orientado a focar sua atenção ao que era dito em seu ouvido esquerdo ( estamos em pé ao lado do banco ), para depois reproduzir a frase exatamente como lhe foi dita. Ao mesmo tempo era-lhe dito dinheiro ou praça no outro ouvido. O participante, mesmo não sendo capaz de reproduzir o que lhe fora dito no ouvido direito, interpretava a palavra banco (da praça ou de dinheiro) de acordo com essa palavra. Captura Visual: É a dominância da visão sobre outros sentidos quando as informações são conflituosas. Exemplos: Cinema Ventríloquo Filme de montanha russa Organização Perceptiva: Para transformar a informação sensorial em percepções significativas devemos organizá-la, ou seja, perceber os objetos como distintos de seu ambiente, vê-los como tendo uma forma definida e constante e discernir sua distância e movimentos. A partir dos estudos da psicologia da Gestalt (forma ou todo) podemos entender como se dá esta organização. Percepção da Forma: a partir da percepção da diferenciação entre figura e fundo. Percepção de Profundidade: das imagens bidimensionais que alcançam a retina, conseguimos organizar percepções tridimensionais. Percepção de Movimento: o cérebro é capaz de calcular o movimento baseado, em parte, na suposição de que os objetos que se encolhem estão se afastando (não ficando menores), enquanto os objetos que aumentam estão se aproximando. Há muito mais na percepção do que os sentidos podem alcançar O todo é mais que a soma das partes. A mente cria formas a partir de sensações elementares

4 Não percebemos cada elemento isoladamente, mas a figura como um todo que nos é significativo. A organização perceptiva busca um sentido para as informações sensoriais Percepção da Forma A percepção é sempre organizada de modo que tenha alguma coerência para nós. Na figura abaixo, o que você vê: um cálice ou dois perfis? Figura e fundo Figuras reversíveis Não conseguimos perceber as duas possibilidades da figura ao mesmo tempo. Na figura abaixo, o que você vê? Princípios Para a Percepção da Forma Organização de estímulos em grupos Os psicólogos da Gestalt pensavam que isso comprovava que o cérebro emprega regras para organizar as informações sensoriais em todos os conjuntos.

5 Agrupamento: Proximidade: agrupamos figuras próximas. Não vemos seis 3 linhas horizontais e nem 6 linhas verticais separadas, mas três conjuntos de duas linhas verticais Semelhança: agrupamos figuras similares. Vemos os círculos pintados como fileiras horizontais iguais e não fileiras verticais com círculos pintados e nãopintados intercalados. Fechamento: preenchemos as falhas para criar um objeto completo, um todo. Com maior facilidade, preencheremos as falhas nos contornos destas figuras e a veremos inteiras. Continuidade: percebemos padrões regulares e contínuos, em vez de descontínuos. Conexão: percebemos pontos, linhas ou áreas como uma única unidade quando uniformes e ligados Percepção de profundidade: Habilidade visual de perceber o mundo em três dimensões. Os Indicadores binoculares: exigem os dois olhos. Podem ser divididos em:

6 Convergência uma indicação neuromuscular de maior convergência dos olhos quando vêem uma imagem próxima. Disparidade na retina As imagens projetadas nas retinas direita e esquerda são diferentes. Isso proporciona uma importante indicação para a distância relativa de diferentes objetos. Sugestões monoculares: exigem somente um dos olhos. Interposição - se um objeto bloqueia parcialmente nossa imagem de outro, nós o percebemos como mais perto. Tamanho relativo se, ao presumir que dois objetos são similares no tamanho, percebemos o que projeta a menor imagem na retina como o mais distante. Claridade e brilho relativos - percebemos os objetos um tanto indistintos como mais distantes do que os objetos claros e definidos. Há uma grande influência da iluminação que incide no objeto. Gradiente de textura uma mudança gradativa de uma textura nítida para outra textura indistinta sinaliza uma distância crescente. Altura relativa percebemos os objetos mais altos em nosso campo de visão como mais distantes. Perspectiva linear linhas paralelas parecem convergir com a distância. Quanto mais as linhas convergem, maior a distância percebida. (Ex: Trilhos ferroviários). Percepção de movimento: O cérebro é capaz de calcular inconscientemente o movimento e o tempo em que um objeto pode distanciar-se ou aproximar-se. Alteração do tamanho da imagem na retina. Se a imagem projetada na retina aumenta ou diminui e julgamos o tamanho do objeto inalterado, o percebemos se aproximando ou distanciando. Movimento estroboscópico o cérebro interpreta uma rápida série de imagens variando ligeiramente como uma única imagem em movimento. Ex. Imagens de desenho animado ou filme no cinema. Fenômeno Phi quando duas luzes estacionárias e adjacentes apagam-se e acendem-se em rápida sucessão, percebemos uma única luz se deslocando de um lado para o outro. Ex. Letreiros luminosos em Las Vegas. Interpretação Os filósofos têm debatido a respeito das origens das nossas faculdades perceptivas: são inatas ou adquiridas? Immanuel Kant ( ): defendia que o conhecimento é derivado de meios inatos para a organização das experiências sensoriais.

7 John Locke ( ) argumentou que por meio das experiências também aprendemos a perceber o mundo. A questão é: até que ponto nossas suposições e convicções moldam nossas interpretações, e com isso, nossas percepções? A percepção pode, também, ser modificada por fatores culturais, crenças, esquemas, valores pessoais éticos, morais e socioculturais, suposições e expectativas. Motivação Motivação: Uma necessidade ou desejo que estimula o comportamento e o orienta para uma meta. É um conceito hipotético e a inferimos em comportamentos que observamos. Há diferentes teorias que conceituam e entendem motivação. Teoria dos Instintos Entende-se como instinto um comportamento complexo que deve ter um padrão fixo numa espécie e não é adquirido. Na teoria evolucionista de Charles Darwin os comportamentos eram classificados como instintos. Porém, nomear um comportamento não é explicar. A teoria, então, não se propõe a explicá-lo, mas tem uma suposição latente de que os genes predispõem a um comportamento típico da espécie e que vêm-se perpetuando pelas gerações. Teoria dos Impulsos - Sustenta que a necessidade fisiológica cria um estado psicológico que impulsiona o organismo a reduzir a necessidade. O objeto fisiológico da redução do impulso é a homeostase, ou seja, a manutenção do equilíbrio interno do organismo. Teoria dos Incentivos Não somos apenas premidos por nossa necessidade de redução de impulsos, mas também somos puxados por estímulos positivos ou negativos que nos atraem ou repelem, ou seja, os incentivos. A hierarquia de motivos de Maslow Algumas necessidades têm prioridades sobre outras. Abraham Maslow descreve a hierarquia das necessidades segundo a pirâmide abaixo:

8 Apenas depois de nossas necessidades de nível inferior (a base da pirâmide) serem atendidas é que nos motivamos a satisfazer as de nível superior. É importante lembrar que ações semelhantes podem ter motivos diferentes. O que o motiva a fazer este curso? É provável que seja uma motivação de nível superior O comportamento de estudar ou fazer um curso costuma estar ligado à motivação de realização, porém outras motivações mais básicas ou para outras realizações podem interferir. Falta de motivação Muitas vezes a falta de motivação é causada por motivos concorrentes que chamam mais atenção da pessoa no momento de realizar determinadas tarefas. Alguns obstáculos podem ser identificados, tais como: Estudar com fome ou sono Ambiente barulhento Levar material para estudar em viagens Estudar com o msn ou orkut conectados A falta de controle de estímulos A procrastinação Este conceito consiste em postergar uma tarefa que a pessoa não tem motivação de fazer no momento em que deveria. É deixar para amanhã o que se tem que fazer hoje

9 Este é um sinal de falta de motivação. É possível evitar a procrastinação através de: Estabelecimento de prazos (razoáveis) Auto-exigência (razoável) Dividir a tarefa em etapas: Visar ao próximo passo e não ao pico da montanha Foco no desempenho e não no resultado A Motivação de Realização De acordo com Henry Murray (1938), a motivação de realização é um desejo de um feito significativo, de dominar idéias ou habilidades, de controlar e atingir depressa um padrão elevado. Motivação extrínseca: procura recompensas externas, também arbitrárias, e evita punições. Motivação intrínseca: é o desejo de ser eficiente e desempenhar um comportamento por si próprio. É uma recompensa natural e não arbitrária. As recompensas podem aumentar a motivação se usadas para fomentar o senso de competências ou informar melhorias. As recompensas arbitrárias podem diminuir a motivação intrínseca. Alguém que estuda pelo conhecimento adquirido e passa a ser incentivado por estímulos arbitrários poderá perder a motivação intrínseca quando cessarem os estímulos. Outra forma de motivação para a continuação de atividades são os elogios informativos. Em um experimento com pessoas montando um quebra-cabeça, aqueles que recebiam elogios durante a tarefa (ex. Muito bem, continue assim) continuavam em geral absorvidos pelo quebra-cabeça. Já aqueles que não o recebiam ou recebiam de forma controladora (ex. Se você continuar assim, poderei usar os seus dados) apresentavam maior índice de desistência em completar a tarefa. Autoconfiança: sensação parecida com as de quando obtive sucesso. Auto-estima: sentimento de satisfação consigo mesmo independente do desempenho. Auto-eficácia: é a crença nas próprias capacidades para atingir certo grau de desempenho. Para isso é importante que a pessoa: Julgue-se capaz Tenha uma evolução gradual: proporciona uma história de sucesso Adapte a exigência à capacidade Obtenha a sinalização do êxito (aumenta a motivação intrínseca)

10 Princípios importantes relacionados à satisfação Não estar plenamente satisfeito com um resultado pode ser um fator que aumente a motivação de auto-realização. Adaptação ao nível da experiência Ex. Uma nota alta é mais motivadora para quem não está acostumado a tirar sempre nota dez. Privação relativa Ex. A nota 7 é boa? Depende do desempenho do restante da turma. Auto-eficácia: julgamento da própria capacidade em realizar dada tarefa. Autoeficácia aumenta a motivação independente da real competência ou capacidade da pessoa. Para aumentar a motivação de realização do aluno não é interessante apresentar-lhes questões muito fáceis para que eles sempre tirem a nota máxima sem muito esforço. O sucesso contínuo frente a tarefas pouco desafiadoras pode ser desmotivador, torna o aluno pouco persistente, desvaloriza a matéria ou o curso e não aumenta a crença na auto-eficácia. Porém, deve-se ter cuidado em apresentar os desafios, senão o insucesso freqüente leva à frustração e possivelmente ao abandono escolar. Os desafios devem ser moderados e devem ser gradativas, aumentando o nível de dificuldade de acordo com o desempenho do aluno. Um aluno motivado: é o que acredita na suas capacidades para adquirir novos conhecimentos, dominar o conteúdo e aprimorar suas habilidades. Um professor motivador: é aquele que conhece as capacidades atuais do aluno, identificando suas potencialidades, estabelecendo desafios graduais e moderados e atentando ao êxito, elogiando seu desempenho de forma informativa.

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio Percepção Sensação Visão, Audição, Tato, Olfato e Paladar Captação de estímulos pelos sentidos Sinais eletroquímicos Condução dos sinais até o córtex sensorial Impulsos

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Motivação e Desempenho no Trabalho (Cap. 5)

Motivação e Desempenho no Trabalho (Cap. 5) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Motivação e Desempenho no Trabalho (Cap. 5) Prof. Ana Cristina Trevelin Motivação 1. Teoria da expectativa

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Raciocínio Lógico e Erro

Raciocínio Lógico e Erro Raciocínio Lógico e Erro Definições de erro: Estar errado é acreditar que algo é verdadeiro quando é falso ou, de modo inverso, acreditar que algo é falso quando é verdadeiro. (Sócrates, 469 399 a. C.).

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Apêndice 4 Inteligências Múltiplas

Apêndice 4 Inteligências Múltiplas Apêndice 4 Inteligências Múltiplas Por Viviani Bovo O que é ser inteligente para você? Saber fazer contas de cabeça? Lembrar-se de poemas e histórias para poder repeti-las? Passar no vestibular? Ter um

Leia mais

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O DOM DA DISLEXIA Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O QUE É REALMENTE A DISLEXIA Um talento latente Transtorno de aprendizagem Efeitos de desorientação Problemas com a leitura Problemas com a

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS

PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS PROJETO: APRENDENDO SOBRE ATITUDES E VALORES COM CHAPEUZINHOS COLORIDOS Duração: Uma aula por mês durante o ano letivo. Público-Alvo: Alunos do 4º Ano (Ensino Fundamental I). Justificativa: Os PCN s afirmam

Leia mais

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL?

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL? FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O objetivo deste folheto: Folha de Dados é: 1- Para quem ler este folheto ter um entendimento sobre: O que é a deficiência visual cortical (DVC) Causas da DVC

Leia mais

A percepção da produção vocal pelo regente coral

A percepção da produção vocal pelo regente coral A percepção da produção vocal pelo regente coral Snizhana Drahan snid@terra.com.br Resumo: O presente trabalho considera o conceito percepção vocal, incluindo suas funções e recursos, como a capacidade

Leia mais

VIDÊNCIA MÉDIUNS VIDENTES

VIDÊNCIA MÉDIUNS VIDENTES VIDÊNCIA 197 VIDÊNCIA MÉDIUNS VIDENTES Livro dos Médiuns 2ª parte - Questão 167: Os médiuns videntes são dotados da faculdade de ver os Espíritos. Vidência é fenômeno mediúnico. Na vidência mediúnica,

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL A Motivação : a força geradora do comportamento Quando nos interrogamos sobre a razão pela qual o indivíduo age de determinada maneira, estamonos a interrogar pelos motivos,

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora.

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

O que é comportamento?

O que é comportamento? Comportamento animal Amanda Monte 1 O que é comportamento? Sistema Nervoso Animal Ambiente Órgãos efetores COMPORTAMENTO 1 Solitário Em grupo Por que estudar comportamento? Conceitos comportamentais 1-

Leia mais

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011 Formação em CoachingProfissional Objectivos Gerais Distinguir entre auto-estima e auto-confiança. Enumerar vantagens de uma auto-estima elevada. Saber como pode Coaching ajudar a elevar a auto-estima.

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química.

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química. 2 Índice 1 - Objetivo... 3 2 Arquivo Mental... 4 3 - Filtros Cerebrais... 9 4 - Paradigmas e Percepções... 13 5 - Alterações do Mapa Mental... 16 Resumo... 22 Saiba mais...... 24 3 1 - OBJETIVO Este texto

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA

QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA www.pnl.med.br QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA Jairo Mancilha M.D. Ph.D., Cardiologista, Trainer Internacional em Neurolingüística e Coaching, Diretor do INAp-Instituto de Neurolingüística Aplicada

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de 1 As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de impulso nervoso. 2 As informações acerca do ambiente,

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

Chaer Palestras e Treinamentos

Chaer Palestras e Treinamentos Chaer Palestras e Treinamentos CARLOS CHAER WWW.CHAER.COM.BR chaer@chaer.com.br Comunicação: O diferencial do lojista de sucesso Habilidades mais importantes de um líder eficaz COMUNICAÇÃO 84% MOTIVAR

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Seminário CCSA/UFRN. Potencialize sua carreira com o Coaching

Seminário CCSA/UFRN. Potencialize sua carreira com o Coaching Seminário CCSA/UFRN Potencialize sua carreira com o Coaching Objetivos O que é Coaching? Como funciona e para que serve? Como surgiu? Como está hoje? Como usar na minha profissão? Como será no futuro?

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

AMBIENTE VISUAL: GUIA PARA DISPOSIÇÃO E MATERIAIS

AMBIENTE VISUAL: GUIA PARA DISPOSIÇÃO E MATERIAIS AMBIENTE VISUAL: GUIA PARA DISPOSIÇÃO E MATERIAIS 1) LUZ A criança deficiente visual (baixa visão) necessita de uma boa iluminação, tanto quanto possível. Para a maioria das crianças quanto mais luz melhor

Leia mais

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma Teoria da Gestalt Teoria da Forma O Que é a Gestalt? Trata- se de uma corrente da psicologia que surge na Alemanha no início do século XX. Não existe uma tradução precisa para Gestalt, mas uma das palavras

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

O SOM E SEUS PARÂMETROS

O SOM E SEUS PARÂMETROS O SOM E SEUS PARÂMETROS Você já percebeu como o mundo está cheio de sons? Mas você já parou para pensar o que é o SOM? Pois bem, som é tudo o que nossos ouvidos podem ouvir, sejam barulhos, pessoas falando

Leia mais

EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA)

EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA) EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA) Alan Martins REDE DE COLABORAÇÃO VISÃO OPERACIONAL AREA A AGRADAR Proporcionar aos Clientes e parceiros as melhores experiências.

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br Coesão Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br É um dos temas que mais desperta interesse no estudo sobre grupos; O seu conceito e a sua forma de mensuração são controversos: Um grupo

Leia mais

O marketing olfativo no varejo!

O marketing olfativo no varejo! O marketing olfativo no varejo! Regina Devecchi Perfumista O Marketing Olfativo no varejo. Os departamentos de marketing das empresas buscam a cada dia novas maneiras de atrair seus clientes e torná-los

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA Prof. Carlos Marques Dicionário Michaelis Interface Superfície, plana ou não, que forma um limite comum de dois corpos ou espaços. Ponto no qual um sistema de computação termina

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

APRENDER A APRENDER. Orientações de Estudo FACIMED 2013

APRENDER A APRENDER. Orientações de Estudo FACIMED 2013 APRENDER A APRENDER Orientações de Estudo FACIMED 2013 Objetivo: Conhecer técnicas de organização para o estudo; Disponibilizar técnicas que facilite a aprendizagem; Por onde começar? Definir qual é o

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Profa. Yanna C. F. Teles União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Trabalhos na graduação (seminários, tcc...) Apresentações em congressos

Leia mais

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP)

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) 1. O que é Mapa Mental (Mind Map) é um diagrama usado para representar palavras, idéias, tarefas ou outros itens ligados a um conceito central e dispostos

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é?

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Para crescer profissionalmente não basta conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético. De acordo com o dicionário

Leia mais

Aula 11 O Efeito Pigmalião

Aula 11 O Efeito Pigmalião Aula 11 O Efeito Pigmalião Objetivos da aula: Conhecer o chamado Efeito Pigmalião. Compreender a importância do conhecimento do Efeito Pigmalião pelo líder,l quando ele está envolvido no desenvolvimento

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Metodologia e Redação Científica

Metodologia e Redação Científica Metodologia e Redação Científica INTRODUÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA 1.1. Bases e conceitos APRESENTAÇÃO AULAS GRADUAÇÃO PRATICANDO MATERIAL AUXILIAR Objetivo da Aula Introduzir os conceitos gerais da metodologia

Leia mais