MS Word to PDF Batch Convert Multiple Documents Software - Please purchase license to remove this.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MS Word to PDF Batch Convert Multiple Documents Software - Please purchase license to remove this."

Transcrição

1 MS Word to PDF Batch Convert Multiple Documents Software - Please purchase license to remove this.

2 Plano do Projecto de Software OO para produtos da Lacertae SW 1.0 INTRODUÇÃO Esta secção descreve uma visão geral sobre o projecto de software, iniciando com uma descrição do seu âmbito, de seguida enumera as principais funções que o sistema deve assegurar. Descreve-se também quais são os requisitos de comportamento e temporais da aplicação e seguidamente fala-se das restrições técnicas e temporais existentes no projecto. 1.1 Âmbito do Projecto Este projecto tem o objectivo de desenvolver um produto de software para a empresa Lacertae SW que consiste numa aplicação em PDA (Personal Digital Assistant) que auxilie o trabalho de um professor na gestão da avaliação dos seus alunos. Para este projecto não existe um cliente específico, vamos tentar atingir uma quota de mercado com um produto pois, apesar de já existir algo semelhante para PC, ainda não existe para dispositivos ubíquos, neste caso o PDA. O professor deverá usar o nosso produto maioritariamente durante as aulas, de modo a poder registar todos os dados relativos à avaliação dos alunos de forma fácil, prática e segura. Para isso o professor deverá criar um perfil de avaliação no início de cada período lectivo, ou seja, equacionar o peso ou percentagem que cada factor avaliativo (comportamento, assiduidade, testes, fichas, trabalhos) terá em relação à nota final de modo a que o sistema possa fazer o cálculo da mesma. O sistema terá ainda um administrador responsável pela introdução e alteração de dados (professores, escola, alunos, turmas e disciplinas) na base de dados, tendo em conta que esse administrador poderá ser o próprio professor. Inicialmente este produto irá abranger apenas estabelecimentos de ensino do 2º/3º ciclo e ensino secundário, podendo no futuro ser estendido a outros tipos de ensino e deverá ter uma interface útil e de fácil utilização para que possa ser utilizado por professores sem grande experiência com novas tecnologias. 1

3 1.2 Funções principais do produto de software As principais funções que esta ferramenta deverá assegurar são: Deve ser um sistema seguro deverá ter um sistema de autenticação vulgarmente conhecido como login onde o utilizador (Professores ou administrador) se irá identificar por meio de uma password; A marcação de presenças, faltas disciplinares ou de material; Efectuar todo e qualquer registo sobre o comportamento e momentos de avaliação (testes, trabalhos e afins); Efectuar cálculo da nota final; Os métodos de avaliação devem ser personalizáveis ou seja no início de cada ano lectivo os utilizadores (Professores ou pedagogos) devem poder escolher quais os aspectos mais relevantes que contabilizam para a avaliação dos alunos daquela turma especifica; O professor ou pedagogo poderá associar diferentes perfis de avaliação às várias turmas que lecciona, fazendo deste software um produto dinâmico; Escolha do estabelecimento de ensino dos vários existentes onde o utilizador lecciona; 1.3 Requisitos comportamentais ou de performance Em termos de performance, o software terá que responder adequadamente a certos requisitos, sendo os essenciais sobretudo a interface e acessibilidade. É necessário que a interface que o software apresenta seja agradável e apelativa ao utilizador mas no entanto também deve ser bastante simples e fácil de utilizar, uma vez que esta vai ser implementada num sistema ubíquo (PDA), sendo que a introdução de dados é feita através dum touch-screen. Terá que ser composto por um conjunto de opções seleccionáveis de modo a que a escrita seja minimizada, assim deste modo um professor não despende muito tempo na introdução dos dados, mas que estes sejam, ao mesmo tempo, os necessários para descriminar correctamente as avaliações dos alunos. No que diz respeito aos requisitos comportamentais, todas as funcionalidades são criticas, pelo que devem estar a funcionar correctamente para o bom funcionamento do software. 2

4 1.4 Gestão e Restrições Técnicas Restrições técnicas: No que diz respeito ao hardware e software do trabalho conseguimos preencher todos os requisitos mínimos para concepção do nosso trabalho. Em termos de hardware um elemento da equipa possuía um aparelho PDA para testar a aplicação que desenvolvemos. Em termos de software, a escolha de software de download livre através da licença académica que cada aluno possui no MSDN, facilitaram imenso o trabalho no desenvolvimento da nossa aplicação. Uma potencial restrição que impede de certa forma o avanço no projecto é a falta de experiência ou desconhecimento de métodos de trabalho com as ferramentas de trabalho seleccionadas. Restrições Temporais: De facto também seremos afectados por restrições temporais, visto que o projecto tem data de conclusão de 12 de Dezembro o tempo é insuficiente para uma correcta formação nas ferramentas escolhidas. Este prazo previamente definido revela-se algo curto para a realização do projecto que tivemos em mente desde o princípio, o que se constituiu como uma potencial restrição à procura de um maior desenvolvimento. O planeamento correcto é essencial ao sucesso do desenvolvimento do projecto, para isso, é necessário um conhecimento razoavelmente coerente sobre o desempenho dos participantes no projecto, a duração das tarefas, as fases e os requisitos que temos de definir e outros tópicos essenciais. Alguns desses requisitos exigem um cálculo instintivo da sua duração, pelo que nem sempre esta estimação é a correcta, tornando-se por isso uma restrição em termos temporais. 3

5 2.0 ESTIMAÇÕES DO PROJECTO As estimações do projecto são importantes no sentido em que o gestor terá uma maior percepção da longevidade que o projecto terá ou seja o tempo total do projecto. Por sua vez também pode efectuar os cálculos necessários para determinar o tempo de cada fase do projecto, fase de planeamento, requisitosanalise-desenho, implementação e testes. 2.1 Dados históricos utilizados para as estimações De momento não possuímos quaisquer dados históricos visto que nenhum elemento da equipa contém experiência na realização de projectos de software. 2.2 Técnicas de estimação e resultados Nesta secção é demonstrado como efectuar todo o calculo para encontrar o tempo total de duração do projecto (em dias) e para encontrar esse tempo é necessário aplicar uma técnica de estimação, que neste caso utilizaremos a métrica de Lorenz & Kidd, aconselhada pela Lacertae Software Técnica de estimação Para este projecto vamos utilizar a técnica de estimação usada em projectos de SW OO da Lacertae Software, técnica essa que é a Lorenz & Kidd que é uma métrica orientada a classes onde se destaca por ser simples e fácil de utilizar. Posso então mencionar a definição de métrica para que não restem duvidas do que é uma métrica: Medida quantitativa do grau de posse de um atributo dado por parte de um sistema, componente ou processo Para usar a métrica de Lorenz & Kidd temos que: 1. Definir o número de classes chave. Interface Multiplicador não gráfica 2 2. Encontrar o número de classes de suporte, que para isso temos que classificar o tipo de Interface do Produto e desenvolver um Multiplicador para as Classes de Suporte baseada em texto 2,25 GUI 2,5 Tabela Factores multiplicativos para encontrar o nº de classes de suporte GUI complexa 3,0 4

6 3. Multiplicar a quantidade de classes-chave pelo Multiplicador para obter uma estimação do número de classes de suporte 4. De seguida, calcula-se a quantidade total de Classes, somando o nº de Classes-Chave com o nº de Classes de Suporte. 5. Multiplicar a quantidade total de Classes (classes-chave + classes de suporte) pelo número médio de unidades de trabalho (dias-pessoa) por classe. Lorenz & Kidd sugere entre 15 e 20 dias-pessoa por classe. Escolher um número entre dias-pessoa e justificar a escolha. 6. Determinar a quantidade de esforço estimada. 7. Calculo do tempo previsto para a elaboração do projecto 2.3 Resultados Com base na métrica de Lorenz & Kidd em cima descrita obtivemos os resultados seguintes: 1. Nº classes chave = 9 2. Escolhemos o Interface com base na aplicação gráfica que irá ter o produto final. Multiplicador do GUI = 2, X 2.5 = 22.5 Logo teremos 22,5 Classes de Suporte. 4. O número total de classes é igual a: Nº Classes Chave + Nº Classes de Suporte = =

7 5. De seguida escolhe-se o número médio de unidades de trabalho (dias-pessoa) por classe onde a métrica Lorenz & Kidd sugere entre 15 e 20 dias-pessoa por classe. Em conjunto optamos por escolher 18 diaspessoa devido ao facto de não estarmos muito ou quase nada familiarizados com as nossas ferramentas de trabalho, como por exemplo o Enterprise Architect, o Microsoft Visual Studio.NET 2003, Microsoft SQL Server 2005 e o Microsoft Project 2003, em relação a deixar as coisas para fazer à última hora até não é o nosso lema de trabalho, mas por vezes como existem outros trabalhos paralelamente nem sempre é possível fazer tudo como pretendíamos. 6. Sendo assim o cálculo da quantidade do esforço estimada é: 30.5 X 18 = 549 dias de trabalho 7. Agora se pretendemos ter os dias/meses corridos (incluindo os fins de semana), temos que multiplicar os dias de trabalho com os 30 dias corridos e de seguida dividir pelos os 22 dias úteis. 549 X 30 = / 22 = dias corridos / 30 = Meses corridos Poderemos calcular agora os dias de trabalho por pessoa, e sendo assim temos 3 elementos na equipa para este projecto a dividir por 549 dias de trabalho ficaremos com aproximadamente 183 dias de trabalho para elemento de equipa. Sabendo-se os dias de trabalho totais (549 dias), estes dias são agora distribuídos de acordo com as seguintes percentagens de distribuição dos componentes essenciais num projecto: 1) Planeamento: 2-3% 2) Requisitos Análise Desenho: 40% 3) Geração de Código: 20% 4) Testes: 37-38% Os valores calculados são: 1) Planeamento: 549 * 3% = 16 dias de trabalho 2) Requisitos Análise Desenho: 549 * 40% = 220 dias de trabalho 3) Geração de código: 549 * 20% = 110 dias de trabalho 4) Testes: 549 * 37% = 203 dias de trabalho_ 549 Dias de trabalho 6

8 2.4 Recursos do projecto De seguida enumera-se todos os recursos usados para elaboração desde projecto, os recursos podem ser: humanos, de software, hardware e bibliográficos. Recursos humanos: A equipa de desenvolvimento do projecto é formada por três elementos, sendo eles: Celso Brito - Nº Gestor de Projecto Programador de Software Renato Santos - Nº Programador de Software Engenheiro de Software Michael Viegas - Nº Analista de Sistemas Testador de Software Recursos de Software: Para o desenvolvimento de todo o nosso projecto foram utilizadas as seguintes ferramentas de software: Enterprise Architect 6.1 da empresa Sparx para suporte ao desenho do sistema. Visual Studio.NET 2003 da empresa Microsoft para a criação da aplicação de software para o PDA. Microsoft Office 2003, processamento de texto para a criação dos vários documentos a disponibilizar ao director e aos clientes. Microsoft Project 2003, utilizado para fazer o planeamento de todas as tarefas do projecto. 7

9 Microsoft SQL Server 2005, sistema de gestão de base de dados da Microsoft muito usado em empresas e por grandes sistema corporativos. Microsoft Power point, utilizado para fazer a apresentação final do produto. Mozilla Firefox, browser de Internet. Internet Explorer, browser de Internet. Recursos Hardware: Em relação aos recursos de hardware utilizados para elaboração do projecto são basicamente os computadores pessoais dos elementos da equipa e o dispositivo ubíquo para testar a aplicação. Toshiba Pocket PC e400 Computadores Portáteis e Desktops dos membros da Equipa Recursos Bibliográficos: Estes são os recursos mais importantes na ausência de conhecimento sobre algum tema ou área específica, assim sendo foram utilizamos para ganhar os tais conhecimentos que nos faltavam para conseguirmos elaborar este projecto. Monteiro, Manuela Matos, Caderneta de Registos do Professor - 5 Turmas, Porto Editora Nascimento, Rogério Engenharia de Software, Feio, Rui A. L., Gestão de Projectos com o Microsoft Project 2003, FCA, 2004 Nunes, Mauro, O Neill Henrique, Fundamental de UML, FCA Silva, Alberto, Videira, Carlos, UML, Metodologias e Ferramentas Case, Centro Atlântico, Lda.,

10 Kimmel, Paul, Managing SQL in Visual Studio.NET, Pinheiro, Nilton, Instalando e Configurando o SQL Server 2005 Express, e&sid=67 MSDN Library, Visual Studio.NET, Maestro, Daniela Cristina, Visual Basic 5, retirado de 9

11 3.0 ANÁLISE E GESTÃO DE RISCOS Um risco é um problema potencial e todos os projectos estão sujeitos a determinados riscos que não podem ser ignorados, antes pelo contrário, devem ser alvos de uma exaustiva análise e há que saber geri-los de forma a tentar evitálos ou minimizá-los. 3.1 Riscos do projecto Existe um subconjunto de riscos que estão presentes em qualquer projecto de software, riscos gerais, que são indicados na tabela seguinte: Risco Projecto Técnico Negócio Comum Especial Equipamento não disponível X Requisitos incompletos X X Uso de metodologias especiais X X Problemas na busca da confiabilidade requerida X X Retenção de pessoas chave X X Sub-estimativa do esforço X X Avaliação Global do Risco: Tabela 2.1- Tabela que indica os riscos de projectos na generalidade. 1. O Gestor de Software dá suporte ao projecto? Sim, o gestor de software é um participante activo em todo o desenvolvimento do projecto. 2. Os Clientes estão entusiasmados com o projecto e o produto? De momento não possuí-mos clientes para o projecto, porque passam a ser apenas clientes no acto de adquirirem o produto final. 3. Os Engenheiros de Software compreenderam bem os requisitos? Sim, os engenheiros estão bem conscientes dos requisitos do projecto 4. Os Clientes estiveram envolvidos na definição dos requisitos? Não, porque não temos um cliente específico, apenas trocamos algumas impressões através de diálogos informais com um potencial cliente. 5. O âmbito do projecto é estável? Não, o âmbito do nosso projecto já foi alterado várias vezes na procura de uma maior viabilidade do produto. 10

12 6. Os engenheiros de Software têm as competências requeridas? Apesar de pouco experientes, os engenheiros de Software têm óptimas capacidades e a competência necessária para a elaboração deste projecto. 7. Os requisitos do projecto são estáveis? Não, tal como o âmbito também os requisitos têm sofrido algumas alterações de forma a melhorar a qualidade do software. 8. A Equipa de Desenvolvimento tem experiência na tecnologia a implementar? Não, infelizmente a experiência da Equipa de Desenvolvimento na tecnologia é praticamente nula mas todos os elementos estão motivados para aprender. 9. É adequado o número de pessoas da equipa de trabalho? Não, é um trabalho extenso para um reduzido número de pessoas o que levará a um esforço complementar de cada um. 3.2 Tabela de riscos Na tabela 2.2 encontram-se descritos todos os riscos identificados no projecto. Os riscos estão enumerados da seguinte forma, na primeira coluna encontra-se a descrição do risco, na segunda coluna a categoria do risco, na terceira a probabilidade de o risco acontecer e na quarta o tamanho de impacto que o risco pode causar no projecto. Risco Categoria Probabilidade Impacto Data de entrega muito ajustada Negócio 80% Crítico Âmbito instável Tamanho 70% Crítico Objectivos mal compreendidos Negócio 60% Crítico Indefinição de papeis e Pessoal 30% Marginal responsabilidades Mudança nos requisitos Negócio 80% Crítico Ferramentas Negócio 20% Crítico inadequadas/inexistentes Falta de formação nas ferramentas Pessoal 80% Marginal Insuficiente número de pessoas na Pessoal 60% Marginal equipa Extravio do trabalho efectuado Pessoal 10% Catastrófico 11

13 Sub-estimativa do tempo/esforço Tamanho 60% Crítico Falta de motivação Pessoal 20% Crítico Conflitos entre os participantes Pessoal 10% Catastrófico Insucesso na venda do produto Negócio 90% Catastrófico Retenção de pessoas-chave Pessoal 10% Catastrófico 3.3 Redução e Gestão do Risco Tabela 2.2 Tabela de Riscos identificados no projecto. Dos riscos tabelados escolhemos quatro deles aleatoriamente para descrevermos as suas actividades de redução, supervisão e gestão do risco. Um dos riscos identificados foi o designado de Ferramentas inadequadas/inexistentes. Devido à nossa experiência e falta de conhecimento das funcionalidades de algumas das ferramentas utilizadas pode acontecer o facto de estas não serem as indicadas para o que pretendemos implementar. Ferramentas inadequadas/inexistentes Risco: 001 Prob: 30% Impacto: Crítico Descrição: As ferramentas utilizadas não são as próprias para implementar as funcionalidades requeridas Estratégia de redução: Pesquisas e/ou pedido de ajuda a pessoas mais experientes sobre as ferramentas ideais para a realização do projecto. Plano de contingência: Alteração das ferramentas utilizadas Ferramentas actualmente utilizadas: o Enterprise Architect 6.1 o Visual Studio.NET 2003 o Microsoft Project 2003 o Sql Server Ferramentas que poderiam ser uma alternativa: o Microsoft Visio 2000 o Microsoft Visual Basic 6.0 o MinuteMan Project Management Software o Microsoft Access 2003 Pessoa responsável: Renato Santos (14/11/2006) Status: Simulação completada (14/11/2006) Tabela 2.3 Descrição do risco Ferramentas inadequadas/inexistentes. 12

14 Outro risco aqui tabelado é o Extravio do trabalho efectuado. Quando se trabalha em computador corre-se sempre o risco de acontecimentos inesperados como um erro fatal do sistema o que origina a perda do trabalho que se estava a desenvolver. Fica aqui o nosso estudo a esse risco. Extravio do trabalho efectuado Risco: 002 Prob: 10% Impacto: Catastrófico Descrição: Perda total ou parcial do trabalho realizado por falha humana ou tecnológica. Estratégia de redução: Guardar constantemente o trabalho que se está a desenvolver, fazer backups e enviar rapidamente aos restantes elementos do grupo quando se adianta algum trabalho. Plano de contingência: Pedido de alargamento do prazo de entrega. Pessoa responsável: Michael Viegas, Celso Brito, Renato Santos ( ) Status: Simulação completada ( ) Tabela 2.4 Descrição do risco Extravio do trabalho efectuado. Para além do prazo de entrega reduzido em relação à complexidade do sistema há que ter em conta o facto de ser muito habitual em estudantes uma subestimativa do tempo/esforço ou apenas se aplicarem a sério já muito perto da data limite. Sub-estimativa do tempo/esforço Risco: 003 Prob: 60% Impacto: Crítico Descrição: Erro na estimação do tempo necessário para a realização de tarefas Estratégia de redução: Realização de reuniões periódicas de forma a verificar se o desenvolvimento do projecto está a corresponder às estimativas. Redefinir o planeamento temporal e a distribuição de tarefas sempre que necessário. Plano de contingência: Redução das funcionalidades do sistema. Pedido de alargamento do prazo de entrega. Pessoa responsável: Celso Brito ( ) 13

15 Status: Simulação completada ( ) Tabela 2.5 Descrição do risco Sub-estimativa do tempo/esforço.! "# $ % $ & " $ ' $ ( # $ $ ) $ *+$ $, Insucesso na venda do produto Risco: 004 Prob: 90% Impacto: Catastrófico Descrição: Produto foi um fracasso e não existiu aceitação por parte dos clientes no mercado. Estratégia de redução: Criação de protótipos específicos (versões beta do software) para distribuição pelos vários professores para que tenham conhecimento das potencialidades do produto de forma a ficarem interessados na compra final do produto. Plano de contingência: Repensar todo o produto e verificar as funcionalidades que seriam mais úteis com base nas opiniões dos clientes que utilizaram o protótipo. Pessoa responsável: Michael Viegas, Celso Brito, Renato Santos ( ) Status: Simulação incompleta Tabela 2.3 Descrição do risco Insucesso na venda do produto. 14

16 4.0 PLANEAMENTO TEMPORAL No planeamento temporal define-se as datas de execução das tarefas e os responsáveis pelas tarefas, este processo designa-se Diagrama de Gantt. Sendo a pessoa responsável pelo planeamento do Gestor de projecto. 4.1 Conjunto de Tarefas do Projecto O modelo de processo escolhido para o desenvolvimento do nosso projecto foi o Recursivo-Paralelo que permite desenvolver rapidamente um protótipo executável, o que leva a uma validação concreta e não apenas a partir da documentação. Este processo pressupõe o melhoramento incremental do software, ou seja, permite ir adicionando gradualmente funcionalidades ao software e ao mesmo tempo melhorar as que já tenham sido implementadas. Outra vantagem deste modelo é o facto que através de um contacto quase permanente com o cliente permite ajustar o software e o seu planeamento de desenvolvimento com alguma facilidade, ao mesmo tempo que vamos concretizar um produto que vai o mais possível de encontro às expectativas do cliente. Após realizada a Estimação do Projecto de SW, a divisão do plano de tarefas pela percentagem de tempo foi efectuada da seguinte maneira: Tarefas Percentagem do Dias de Actividade tempo Planeamento 3% 16 Análise Desenho 40% 220 Geração de Código 20% 110 Manutenção e testes 37% 203 Tabela 3.1 Tabela que contém o tempo (dias de trabalho) por cada fase do projecto. 4.2 Diagrama de Gantt O diagrama de Gantt é composto pela divisão em tarefas e sub-tarefas das várias fases do projecto, onde estas tarefas tem todas uma data de inicio e dada de conclusão, estando também sempre associado a um ou mais elementos da equipa de desenvolvimento do projecto. 15

17 Figura 1.1 Imagem (Parte 1) do diagrama de Gantt que contém todas as tarefas a elaborar em cada fase do projecto. 16

18 Figura 1.2 Imagem (Parte 2) do diagrama de Gantt que contém todas as tarefas a elaborar em cada fase do projecto. 17

19 Figura 1.3 Imagem (Parte 3) do diagrama de Gantt que contém todas as tarefas a elaborar em cada fase do projecto. 18

20 5.0 ORGANIZAÇÃO DO PESSOAL A nossa equipa segue uma estrutura descentralizada democrática pois, apesar de termos um gestor competente responsável pela organização dos trabalhos, as decisões são tomadas em conjunto e com o consenso de todos e a comunicação é horizontal. Além disso esta é a melhor estrutura para problemas complexos e que requerem muita comunicação para além de ser a que produz melhores ambientes e satisfação no trabalho. 5.1 Estrutura da equipa A equipa é formada por três elementos e logo no inicio dos trabalhos definimos claramente as funções de cada um, sendo: Celso Brito Gestor do projecto e programador de software Renato Santos Programador de software e Engenheiro de Software Michael Viegas Analista de sistemas e testador de software O gestor tem a responsabilidade de coordenar todo o desenvolvimento do projecto, combinando reuniões, distribuindo tarefas, resolver conflitos e manter a motivação e bom ambiente no seio do grupo, para alem de ser responsável pelo planeamento temporal do projecto compondo o diagrama de Gantt. O analista de sistema tem a função de analisar o software e desenhar os vários diagramas do sistemas e criar as classes e interfaces a implementar. O engenheiro de software estuda e selecciona tanto as ferramentas a utilizar como o hardware e plataformas onde o software será utilizado Os programadores recebem o trabalho do analista e implementam o código do novo sistema O testador no fim testa exaustivamente todo o sistema de forma a detectar erros na implementação. 5.2 Mecanismos de comunicação A comunicação entre todos os elementos da equipa é feita principalmente através de reuniões periódicas e nas aulas onde se faz o ponto da situação, resolvem-se problemas em conjunto e distribui-se tarefas. Para além disso são também utilizadas os meios de comunicação electrónica, através de correio electrónico e MSN Messenger, e meios de comunicação telefónica. 19

21 5.3 Uso do Edu-blog como ferramenta de apoio Achamos o Edu-blog uma excelente ferramenta de apoio à disciplina pois é fácil e agradável de utilizar, permite ao professor disponibilizar todo o material referente à disciplina e possibilita a comunicação entre o docente e todos os alunos, sendo muito útil para cada um apresentar as suas dúvidas e sugestões. Em relação aos blogs de cada equipa, pensamos que é também interessante na medida que permite a cada grupo partilhar com a comunidade o desenvolvimento do seu trabalho, disponibilizando ficheiros, bem como receber sugestões e criticas de qualquer pessoa. No entanto não nos parece ser a ferramenta mais adequada para efectuar a comunicação entre os elementos da equipa como foi sugerido pelo professor, para isso é muito mais prático os meios de comunicação que referimos anteriormente. Já agora passo indicar o endereço onde se encontra o nosso Blog, o Blog dos Rangers é: 20

22 6.0 PRECAUÇÕES TOMADAS PARA ASSEGURAR E CONTROLAR A QUALIDADE DO PRODUTO DE SW Para assegurar e controlar a qualidade do produto de Software, é necessário ter diversos cuidados, segue-se assim uma descrição de todas as medidas tomadas para assegurar a qualidade dos produtos de software desenvolvidos pela Lacertae SW e mais propriamente pela equipa RangersTeam: Seguimento e Controle do Projecto de SW Acompanhamento contínuo ao trabalho desenvolvido por parte de todos os participantes no projecto Revisões Técnicas Formais Para além do acompanhamento, o trabalho já desenvolvido deve também ser revisto periodicamente com o objectivo de identificar erros a nível lógico, funcional ou de implementação das representações do software, verificar o cumprimento dos requisitos e garantir o seguimentos dos standards. Gestão de Configuração do SW Com o objectivo estabelecer e manter a integridade dos produtos de software ao longo do seu ciclo de vida, devem ser identificados os objectos básicos e compostos da configuração e controladas as várias versões do software produzidas. Produção de Documentação Deve ser elaborados documentos em relação ao plano do projecto e às especificações do produto. Gestão de Reutilização Deve haver por parte do programador a responsabilidade de implementar código reutilizável. Medições Realização de medições em relação á fiabilidade, (tempo médio entre falhas), à disponibilidade (tempo médio de falhas / tempo médio entre falhas) x 100 (%) e à segurança (calculo da gravidade de possíveis falhas) Análise de Riscos Identificar todos os riscos inerentes ao projecto e elaborar os planos de redução e de contingência. Testes Testar exaustivamente o sistema com o objectivo de identificar possíveis erros antes que estes se transformem em defeitos. Todas estas medidas encontram-se inseridas durante as várias fases do projecto de modo que a sua qualidade final seja substancialmente mais elevada. Isto pode ser verificado no diagrama de Gantt, onde estão descritas todas as tarefas elaboradas ao longo do desenvolvimento do projecto. 21

PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW

PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW PLANO DO PROJECTO DE SOFTWARE OO para produtos da Lacertae SW 1.0 INTRODUÇÃO 1.1 Âmbito do Projecto O produto destina-se a todos os estabelecimentos de ensino do 2º/3º Ciclo e Ensino Secundário e deverá

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE

PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTÁGIO

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados:

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados: 1. Enquadramento: Cada projecto possui uma dada finalidade que normalmente se pode identificar pelo próprio nome do projecto, por exemplo, o projecto da nova ponte Y, o projecto do novo carro Híbrido Y,

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress TUTORIAL Como criar um blogue/página pessoal no WordPress Índice Criar o blogue... 3 Alterar as definições gerais... 4 Alterar tema... 6 Criar Páginas... 7 Colocar Posts (citações)... 9 Upload de ficheiros...

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação Página 1 de 5

Tecnologias de Informação e Comunicação Página 1 de 5 1. Descrição da prova A prova irá abranger várias tarefas de utilização do software do Microsoft Office2007 e software gráfico como o Adobe Photoshop CS4 ou Adobe Fireworks CS4. As principais áreas abrangidas

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Multimédia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Projecto e Produção Multimédia Escolas Proponentes / Autores Direcção-Geral de Formação

Leia mais

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade Memória Descritiva ISPGAYA Seminário Grupo: Orientador: Data: : ajm & vcm 2007-05-26 1(9) Projecto: Livro de ponto automático e controlo de assiduidade 1 Memória Descritiva 1.1 Introdução Pretende-se o

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

Engenharia Informática. Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes

Engenharia Informática. Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes Engenharia Informática Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes Engenharia de Software Docente: Isabel Sofia Brito Alunos: Pedro Miguel Sameiro Serrano nº 3958 Ana Filipa Farinha Isidro nº

Leia mais

Project Management 2/3/2010. Objetivos. Gerencia de Projetos de SW

Project Management 2/3/2010. Objetivos. Gerencia de Projetos de SW Project Management Objetivos Explicar as principais tarefas de um Gerente de Projeto Introdução à gerência de um projeto de desenvolvimento de software e suas características Planejamento de projeto e

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Quarta Parte do Projecto 1. Introdução Nesta parte final do projecto de ES e SD pretende-se: Estender a solução

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas

Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas INEB- PSI Technical Report 2007-2 Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas Alexandra Oliveira aao@fe.up.pt Professor Joaquim Marques de Sá December

Leia mais

MEMORANDO. Ambiente de Produção GeRFiP Configurações de acesso e utilização v.12

MEMORANDO. Ambiente de Produção GeRFiP Configurações de acesso e utilização v.12 MEMORANDO Ambiente de Produção GeRFiP Configurações de acesso e utilização v.12 Enquadramento do documento Programa Projecto GeRFiP Migração GeRFiP Histórico de versões Versão Data Autor Descrição Localização

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1

I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1 Novembro.2010 Índice I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1 III. COMO INSERIR MATERIAL PEDAGÓGICO (ANEXAR FICHEIROS) 1 IV. CRIAR UM GLOSSÁRIO 5 V.

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu 1 Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu Tendo por objectivo a melhoria constante dos serviços disponibilizados a toda a comunidade académica ao nível das tecnologias de informação,

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL por Carla M. P. Farinha Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal Sumário. Apresenta-se, de forma

Leia mais

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Dinâmica da evolução de programas Manutenção de software Processo de evolução Evolução de sistemas legados 1 Mudança de Software 2 Manutenção de software Mudança de software é inevitável

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 10-07-2009 Controlo do Documento Autor

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Microsoft Word 2007. Vantagens

Microsoft Word 2007. Vantagens Microsoft Word 2007 Vantagens Vantagens A versão 2007 do Microsoft Word permite elaborar documentos com um aspecto muito profissional. Para tal, esta versão utiliza um conjunto de ferramentas (novas e/ou

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

GR-Tessalónica: Ministração de formação em TIC para o pessoal do Cedefop 2012/S 213-351312. Anúncio de concurso. Serviços

GR-Tessalónica: Ministração de formação em TIC para o pessoal do Cedefop 2012/S 213-351312. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:351312-2012:text:pt:html GR-Tessalónica: Ministração de formação em TIC para o pessoal do Cedefop 2012/S 213-351312 Anúncio

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Universidade do Minho Departamento de Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 2ª Fase Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luís

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011 Domine o Word 2007 1 Professor: Rafael Henriques Ano Lectivo 2010/2011 Sumário Introdução aos Processadores de texto; Microsoft Word 2007 O ambiente de trabalho O Friso Os Tabuladores do Word 2007; Realização

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas de Software

Desenvolvimento de Sistemas de Software Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 João Fernandes, João Gonçalves, José Pereira,

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Departamento de Informática. Relatório Individual 1º Aula Assistida ESTÁGIO PEDAGÓGICO. PLANIFICAÇÃO DAS AULAS ASSISTIDAS Nº 31, 32 e 33

Departamento de Informática. Relatório Individual 1º Aula Assistida ESTÁGIO PEDAGÓGICO. PLANIFICAÇÃO DAS AULAS ASSISTIDAS Nº 31, 32 e 33 Departamento de Informática Relatório Individual 1º Aula Assistida ESTÁGIO PEDAGÓGICO PLANIFICAÇÃO DAS AULAS ASSISTIDAS Nº 31, 32 e 33 Licenciatura em Informática Ramo Educacional Ano Lectivo 2007/2008

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Guia de Prova de Aptidão Profissional

Guia de Prova de Aptidão Profissional Guia de Prova de Aptidão Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Fábio Alexandre Lemos Ferreira Fábio Cardante Teixeira 2010/2011 Índice I. Apresentação permanente do projecto...

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão Grupo 2 Projecto Informático do 5º ano Informática de Gestão Índice Índice ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 MISSÃO 3 OBJECTIVOS 4 AMBIENTE DE EXPLORAÇÃO 5 Software 5 Hardware 6 POLÍTICA DE HISTÓRICOS 7 POLÍTICA DE

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais