THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!"

Transcrição

1 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! A. INFORMAÇÕES GERAIS A.1. NOTA AOS ASSISTENTES COMENIUS Por favor, preencha e submeta este electronicamente, depois imprima-o, assine-o e remeta-o à sua Agência Nacional. A.2. NOTA ÀS ESCOLAS DE ACOLHIMENTO Por favor envie este relatório, devidamente preenchido e assinado, para a sua Agência Nacional até 30 dias após final do período de assistência. B. SUBMISSÃO B.1. CONTEXTO Se foi Assistente Comenius, por favor escolha a opção "". Se é uma escola que acolheu um Assistente Comenius, por favor escolha a opção "Escolas de Acolhimento Comenius". Programa Subprograma Tipo de acção Acção PROGRAMA DE APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA COMENIUS Períodos de Assistência Períodos de Assistência COMENIUS (Escolas de Acolhimento) Convite 2009 B.2. DATAS Data de início Data final B.3. IDENTIFICADORES DO PROJECTO Contrato financeiro n.º ID Submissão Page 1 of 10

2 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: B.4. AGÊNCIA NACIONAL IDENTIFICAÇÃO Código postal Endereço de Helpdesk Página web 1 LLP (PROALV) PROALV - Agencia Nacional do Programa "Aprendizagem ao Longo da Vida" Av. Infante Santo, nº 2 - Piso Lisboa Page 2 of 10

3 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: C. IDENTIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO C.1. ESCOLA DE ACOLHIMENTO Designação legal completa (na língua nacional) Nome da Escola Designação legal completa (alfabeto latino) Nome da Escola Acrónimo Id Nacional Orientação comercial Âmbito geográfico Estatuto legal Sem fins lucrativos (NP) local (L) público (PB) Dimensão (pessoal docente e não docente) pessoal: 51 a 250 Endereço legal Morada da Escola Código postal Localidade País Região Localidade da Escola - Portugal 20 - Região Autónoma dos Açores Telefone Telefone 2 Fax Página web C.2. ASSISTENTE Título Sexo Nome próprio Apelido Sr. Masculino Nome do Assistente Apelido do Assistente Page 3 of 10

4 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: D. DESCRIÇÃO DO PROJECTO D.1. IMPACTO DO PERÍODO DE ASSISTÊNCIA Na perspectiva da Escola de Acolhimento, o que aprendeu o Assistente ao nível: - de métodos pedagógicos e práticas lectivas de métodos pedagógicos e práticas lectivas - da língua do país de acolhimento da língua do país de acolhimento - de outras línguas estrangeiras de outras línguas estrangeiras - da cultura do país de acolhimento da cultura do país de acolhimento - da(s) disciplina(s) ensinadas da(s) disciplina(s) ensinadas Na perspectiva da Escola de Acolhimento, o que aprenderam os alunos e a escola ao nível: Page 4 of 10

5 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: da língua materna do assistente da língua materna do assistente - da cultura do país de origem do assistente da cultura do país de origem do assistente - da(s) disciplina(s) ensinadas pelo assistente da(s) disciplina(s) ensinadas pelo assistente - de competências linguísticas em geral de competências linguísticas em geral Na perspectiva da Escola de Acolhimento, o que aprendeu a comunidade local com este período de assistência? o que aprendeu a comunidade local com este período de assistência Page 5 of 10

6 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: E. IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO E.1. PREPARAÇÃO PARA O PERÍODO DE ASSISTÊNCIA Como se preparou a Escola de Acolhimento para o período de assistência? (Queira especificar as actividades concretas levadas a cabo antes de iniciar o período de assistência, tais como: procura de informação sobre o período de assistência, sobre o Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, sobre o país de origem do Assistente, reuniões com o pessoal - docente ou não docente - da escola, contactos com o futuro Assistente, participação na reunião de preparação com a AN portuguesa, etc.) (Queira especificar as actividades concretas levadas a cabo antes de iniciar o período de assistência, tais como: procura de informação sobre o período de assistência, sobre o Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, sobre o país de origem do Assistente, reuniões com o pessoal - docente ou não docente - da escola, contactos com o futuro Assistente, participação na reunião de preparação com a AN portuguesa, etc.) Recepção Quais as medidas concretas tomadas após a chegada do Assistente? (Queira mencionar se o Assistente foi apresentado aos professores e alunos da escola, ao pessoal auxiliar/administrativo, aos pais e membros da comunidade local; se a escola ajudou o Assistente a encontrar alojamento adequado, se facilitou o acesso a refeições mais económicas, entre outras medidas possíveis.) (Queira mencionar se o Assistente foi apresentado aos professores e alunos da escola, ao pessoal auxiliar/administrativo, aos pais e membros da comunidade local; se a escola ajudou o Assistente a encontrar alojamento adequado, se facilitou o acesso a refeições mais económicas, entre outras medidas possíveis.) O Assistente terminou o seu período de assistência antes da data prevista? Não E.2. PLANO DE TRABALHO E ACTIVIDADES Quais as actividades (curriculares/extracurriculares) desenvolvidas pelo Assistente? (curriculares/extracurriculares) As tarefas foram planeadas com base nas actividades e objectivos propostos nos s de candidatura da Escola de Acolhimento e do Assistente e/ou no Acordo estabelecido entre a Escola de Acolhimento e o Assistente? Sim O Assistente ajudou a Escola de Acolhimento a desenvolver ou a implementar um projecto de cooperação europeia? Não E.3. SUPERVISÃO DO PERÍODO DE ASSISTÊNCIA Page 6 of 10

7 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: A Escola de Acolhimento foi avaliando a evolução do período de assistência em conjunto com o Assistente? Sim Como foi feita essa avaliação? avaliação Este processo de avaliação levou a alterações nas tarefas e actividades inicialmente previstas? tarefas e actividades Caso o Assistente tenha exercido funções em mais que uma Escola de Acolhimento, identifique as escolas, a sua tipologia e explique como o trabalho do Assistente foi coordenado e organizado. E.4. AVALIAÇÃO A duração do período de assistência correspondeu às suas expectativas? Sim Em que medida o período de assistência permitiu atingir os objectivos propostos? Excelente (Tot) Por favor, fundamente a sua opção. opção E.5. DISSEMINAÇÃO E INFORMAÇÃO ADQUIRIDA COM A EXPERIÊNCIA Page 7 of 10

8 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: Especifique os meios/instrumentos/materiais que a Escola de Acolhimento utilizou/irá para divulgar a sua experiência deste período de assistência. meios/instrumentos/materiais F. PARTICIPANTES E TABELAS DE ACTIVIDADE F.1. PARTICIPANTES Por favor, indique o n.º de alunos envolvidos. N.º de alunos envolvidos no período de assistência 100 (total) O Assistente trabalhou com alunos com necessidades educativas especiais? Não F.2. RESUMO DAS ACTIVIDADES Identifique o tipo de actividade (curricular, extracurricular, projecto europeu, clube de línguas, etc.) ou seleccione a disciplina leccionada, especifique a língua de ensino ou da actividade e o número de horas semanais despendidas. Acrescente linhas de modo a incluir todas as actividades e disciplinas nas quais houve algum tipo de envolvimento durante o período de assistência. Tipo de actividade Disciplina ensinada Língua de ensino Número de horas por semana Artes e Ofícios (0103) EN - Inglês 5 Educação Física (010h) EN - Inglês 4 Novas Tecnologias (TIC) (010i EN - Inglês 4 Número de horas por semana (total) 13 G. FOLLOW-UP DO PERÍODO DE ASSISTÊNCIA G.1. SUGESTÕES DE MELHORIA Queira apresentar comentários ou sugestões para melhorar a qualidade da acção Períodos de Assistência Comenius. comentários ou sugestões G.2. GESTÃO DE PROBLEMAS Page 8 of 10

9 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: Descreva alguma dificuldade encontrada antes, durante ou após o período de assistência: H. AVISO DE PROTECÇÃO DE DADOS PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A candidatura será processada informaticamente. Todos os dados pessoais (tais como nomes, moradas, currículos, etc.) serão tratados de acordo com a Regulamentação Comunitária (CE) N.º 45/2001 do Parlamento Europeu e do Conselho da Europa, de 18 de Dezembro de 2000, sobre a protecção dos indivíduos relativamente ao processamento de dados pessoais pelas instituições e órgãos comunitários e à livre circulação de dados pessoais. Quaisquer informações solicitadas ao candidato serão processadas pelo departamento responsável pelo programa em questão com o único objectivo de avaliar a candidatura. O candidato pode solicitar que lhe sejam remetidos os seus dados pessoais para os corrigir ou completar. Qualquer questão relativa a estes dados deve ser dirigida à Agência Nacional do país onde a candidatura deve ser apresentada. Caso o beneficiário queira apresentar alguma reclamação relativa ao processamento dos seus dados pessoais, pode fazê-lo a qualquer momento junto da entidade europeia responsável pela protecção de dados, European Data Protection Supervisor. I. SUBMISSÃO Valide e grave o relatório antes de o submeter online. Note que só deve submeter electronicamente a versão final do seu relatório. I.1. VALIDAÇÃO DE DADOS Validação de regras e campos obrigatórios I.2. PROCEDIMENTO DE SUBMISSÃO NORMAL Submissão online (requer ligação à internet). Imprima o relatório I.3. PROCEDIMENTO DE SUBMISSÃO ALTERNATIVO Criação de um ficheiro para envio por à Agência Nacional. (Para ser usado APENAS se a submissão online não estiver disponivel.) Page 9 of 10

10 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: J. ASSINATURA A declaração que se segue obriga à assinatura do professor supervisor e do representante legal da Escola de Acolhimento: "Eu, abaixo-assinado, declaro que as informações contidas no presente Relatório Final estão correctas, tanto quanto é do meu conhecimento" Local: Data: Nome e função (maiúsculas): Assinatura do supervisor: Local: Data: Nome e função do representante legal da Escola de Acolhimento Assinatura do representante legal da Escola de Acolhimento Carimbo da instituição (se aplicável) Page 10 of 10

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR TODAS AS ETAPAS DO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS AO CIÊNCIA NA HORA MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS POR VIA

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Procedimento de selecção a que a

Procedimento de selecção a que a AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS (LONDRES) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Apresen tação Imprimir por formulári correio o electrón ico Convite à manifestação de interesse para Agentes Contratados para tarefas

Leia mais

1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius

1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius 1/12 Bem-vinda(o) à Área de Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura às Bolsas de Formação Contínua Comenius! Esta área, e respectiva informação disponibilizada, têm como objectivo facilitar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE Artigo 1.º Objecto A Direcção-Geral da Saúde e a Modelo Continente Hipermercados S.A (adiante Continente ), conferem anualmente,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES (APENAS PARA ESCOLAS) MANIFESTAÇÃO DE NECESSIDADES PARA COLOCAÇÕES CÍCLICAS ANO ESCOLAR

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/ a POLÍTICA DE PRIVACIDADE Site http://www.areastore.com/ A AREA Infinitas - Design de Interiores, S.A. ( AREA ) garante aos visitantes deste site ( Utilizador ou Utilizadores ) o respeito pela sua privacidade.

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias Gabinete de Projectos do Instituto Politécnico de Beja GP IPBeja Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig Acção: Parcerias ( ) A Parceria de Aprendizagem Grundtvig é um enquadramento

Leia mais

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão

Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão Candidatura a pedido de Apoio Institucional à Embaixada do Japão 1 de Agosto de 2015

Leia mais

PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções

PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções PROGRAMA DE AJUDA DIRECTA 2015-2016 Requisitos & Instruções Cabo Verde VI Edição São Tomé e Príncipe IV Edição Guiné-Bissau II Edição O que é o Programa de Ajuda Directa (PAD)? O PAD é gerido pela Embaixada

Leia mais

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação 1. Objectivo Estar em coordenação com o desenvolvimento dos trabalhos do Governo da RAEM para os jovens,

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Estas informações, elaboradas conforme os documentos do Plano de Financiamento para Actividades Estudantis, servem de referência e como informações complementares. Para qualquer consulta, é favor contactar

Leia mais

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11 GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS Missões de Ensino e Formação no IPV I 2010/11 11 1 GUIA ERASMUS PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA 2010/11 -Mis Missões sões de Ensino e Formação

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

Apelido(s) Nome(s) Fotografia (1) (*) GONÇALVES (2) (*) Maria (4)

Apelido(s) Nome(s) Fotografia (1) (*) GONÇALVES (2) (*) Maria (4) EUROPASS-MOBILIDADE 1. O PRESENTE DOCUMENTO EUROPASS-MOBILIDADE É OUTORGADO A Apelido(s) Nome(s) Fotografia (1) (*) GONÇALVES (2) (*) Maria (4) (3) Morada (rua, número, código postal, localidade, país)

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA I. Objetivos 1. O Programa tem como objectivo geral contribuir para o desenvolvimento da Administração Eletrónica através

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO \ UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO MANUAL DE PROCEDIMENTOS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO VICE-REITORIA PARA A INVESTIGAÇÃO E COOPERAÇÃO (VRIC) 2011 1. Índice 1. Índice...página 2 2. Objetivo...página

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) da Silva Rua das Escolas Casais de Revelhos, Nº 96, 2200-467,Abrantes, Portugal Telefone(s) Telemóvel: 919784606 Fax(es)

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada

Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da. Licenciatura em Biologia Aplicada Regulamento da Unidade Curricular de Projecto da Licenciatura em Biologia Aplicada Janeiro de 2008 O presente Regulamento integra um conjunto de princípios básicos e fundamentais de organização da Unidade

Leia mais

Proposta de Parceria

Proposta de Parceria Proposta de Parceria 1) O que é o E-goi? O E-goi é uma solução completa de comunicação e marketing digital, que permite enviar email, SMS, MMS, fax e mensagens de voz através de uma só plataforma sempre

Leia mais

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Regulamento 1. Objectivo do Programa: Com o apoio financeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ESTÁGIO DOCENTE

RESOLUÇÃO DE ESTÁGIO DOCENTE Resolução ColPPGA 02/2012 RESOLUÇÃO DE ESTÁGIO DOCENTE Estabelece normas para a realização de Estágio Docência do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade do Sul de Santa Catarina. O

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 Depois de descarregar para o computador o formulário (seleccionando o formulário e, com o botão direito

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura.

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. Só serão aceites as candidaturas submetidas através do formulário online, disponibilizado

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 Informam-se os interessados que está aberto o procedimento concursal para recrutamento no âmbito da Reserva de Recrutamento / Contratação de Escola dos horários abaixo discriminados,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação (denominação legal da instituição de envio), sedeada na (morada

Leia mais

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus. Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus. Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação Gabinete de Projectos do Instituto Politécnico de Beja GP IPBeja Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação ( ) Esta acção permite ao

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção PASSE JOVEM NO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 2 Maio de 2011 1. O SVE como experiência de aprendizagem Ser um voluntário do SVE é uma valiosa experiência pessoal, social e cultural,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011 CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011 REQUERIMENTO DE CANDIDATURA PELO CONTINGENTE ESPECIAL PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL Os estudantes que satisfaçam os

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO

MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Mário Beirão PLATAFORMA GATO:\> GESTÃO DE EQUIPAMENTOS E EQUIPAMENTOS ON LINE MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO Novembro de 2009 1 O QUE É O GATO:\>? A aplicação das Tecnologias

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros Página1 REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Actividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Activa

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS PARA LOGÓTIPO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS PARA LOGÓTIPO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS PARA LOGÓTIPO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU 1. Promotor O Instituto Politécnico de Viseu (IPV) leva a efeito o concurso de ideias para apresentação de propostas de renovação

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO

PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO PRÉMIOS CONSUMUS DIXIT FÓRUM DO CONSUMO ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA 1ª Etapa Candidaturas: 1 Out 2014 28 Fev 2015. O prémio Consumus Dixit é aberto a todos trabalhos profissionais, académicos, personalidades

Leia mais

OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013

OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013 OBSERVATÓRIO NACIONAL ON COORDENAÇÃO DE GEOFÍSICA COGE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PCI/MCTI CHAMADA 01/2013 A Coordenação de Geofísica (COGE) do Observatório Nacional torna pública a abertura

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ZONA URBANA DE VISEU (161858) FORMULÁRIO DO PONTO 9.2 DO AVISO N.º 8/2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ZONA URBANA DE VISEU (161858) FORMULÁRIO DO PONTO 9.2 DO AVISO N.º 8/2014-2015 FORMULÁRIO DO PONTO 9.2 DO AVISO N.º 8/2014-2015 CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Horário da DGAE Nº de candidato Horário nº DADOS PESSOAIS Nome Completo: Código do horário Data de nascimento: Sexo:

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa Programa de Licenciaturas Internacionais / (23 Dezembro de 2011) 1. Introdução 2. Objectivos 3. Organização e procedimentos 4. Regime de Titulação do Programa de Licenciaturas Internacionais /UL 5. Regime

Leia mais

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados 1. Pergunta: Quais são os dados que devem ser lidos antes de apresentar o pedido? Resposta: Devem ser lidos pormenorizadamente

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos Guia Como se candidatar a ajuda financeira para uma Equipa de Investigação Conjunta? Ao abrigo do programa Prevenir e combater a criminalidade, 1 a Eurojust recebeu uma subvenção da Comissão Europeia,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

PROGRAMA BOLSA DE VOLUNTARIOS DO INSTITUTO POLITECNICO DE PORTALEGRE. Presidente IPP

PROGRAMA BOLSA DE VOLUNTARIOS DO INSTITUTO POLITECNICO DE PORTALEGRE. Presidente IPP PROGRAMA BOLSA DE VOLUNTARIOS DO INSTITUTO POLITECNICO DE PORTALEGRE 30 10 2013 Presidente IPP 0 Considerando que o Instituto Politécnico de Portalegre adiante designada por IPP prossegue fins do cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA Estatutos Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 Capítulo I Da denominação, dos fins e da sede da Associação Artigo 1º

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações Campanha Mundial "Construindo Cidades Resilientes: Minha cidade está se preparando! Plataforma Temática sobre Risco Urbano nas Américas Chamada sobre boas práticas e inovação no uso de Sistemas de Informação

Leia mais

EDITAL Nº 061/2014 PROEX/IFPI

EDITAL Nº 061/2014 PROEX/IFPI SELEÇÃO DE PROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO - ProAEx/IFPI SUBPROGRAMA IFPI EM AÇÃO SOCIAL PROJETOS DE INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA - PRO-IC EDITAL Nº 061/2014 PROEX/IFPI A Pró-Reitoria

Leia mais

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Engenharia de Computação Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação

Leia mais

Concurso de Ideias para Logótipo. ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO

Concurso de Ideias para Logótipo. ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO Concurso de Ideias para Logótipo ONGD Leigos para o Desenvolvimento REGULAMENTO 1. Promotor A ONGD Leigos para o Desenvolvimento (LD) leva a efeito um concurso para apresentação de propostas de logótipo.

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS (LONDRES) ACTO DE CANDIDATURA

AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS (LONDRES) ACTO DE CANDIDATURA AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS (LONDRES) ACTO DE CANDIDATURA (Todas as secções do formulário de candidatura devem ser preenchidas a TINTA PRETA, em maiúsculas, independentemente de eventuais documentos

Leia mais

(DE ACORDO COM O N.º 3 DO ARTIGO 11.º DO DECRETO-LEI N.º 145/2009, DE 17 DE JUNHO) INTRODUÇÃO pág. 2. ACESSO AO SISTEMA DE REGISTO pág.

(DE ACORDO COM O N.º 3 DO ARTIGO 11.º DO DECRETO-LEI N.º 145/2009, DE 17 DE JUNHO) INTRODUÇÃO pág. 2. ACESSO AO SISTEMA DE REGISTO pág. ORIENTAÇÕES PARA O REGISTO ON-LINE DE DISPOSITIVOS MÉDICOS DE CLASSES IIa, IIb, III E DISPOSITIVOS MÉDICOS IMPLANTÁVEIS ACTIVOS POR PARTE DOS FABRICANTES QUE COLOQUEM OS SEUS DISPOSITIVOS NO MERCADO NACIONAL

Leia mais

PRÉMIO PARA A MELHOR INICIATIVA TIC TRANSFRONTEIRIÇA BASE REGULAMENTAR (2012)

PRÉMIO PARA A MELHOR INICIATIVA TIC TRANSFRONTEIRIÇA BASE REGULAMENTAR (2012) PRÉMIO PARA A MELHOR INICIATIVA TIC TRANSFRONTEIRIÇA BASE REGULAMENTAR (2012) As entidades associadas ao projeto NACCE Núcleo de Apoio à Competitividade e Empreendedorismo TIC (projeto cofinanciado por

Leia mais

CONVOCATÓRIA CYTED 2015

CONVOCATÓRIA CYTED 2015 CONVOCATÓRIA CYTED 2015 para Redes Temáticas Fevereiro de 2015 PROGRAMA IBERO-AMERICANO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO 1 Formulário para Redes Temáticas ABA 1) DADOS TÉCNICOS DA REDE TEMÁTICA

Leia mais

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de concurso de concepção O presente anúncio está abrangido por

União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia. Anúncio de concurso de concepção O presente anúncio está abrangido por União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo Fax: +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha:

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

2. CALENDÁRIO 3. ELEGIBILIDADE 4. INSCRIÇÃO DAS PROPOSTAS

2. CALENDÁRIO 3. ELEGIBILIDADE 4. INSCRIÇÃO DAS PROPOSTAS 1. INTRODUÇÃO A Universidade do Porto (U.Porto) e a Universidade de São Paulo (USP) celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação académica em todas as áreas do conhecimento,

Leia mais

2. DAS MODALIDADES E DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA

2. DAS MODALIDADES E DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA Campus I Campus II Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Tel: 18 3229 2077 / 2078 / 2079 E-mail: posgrad@unoeste.br www.unoeste.br Rua José Bongiovani, 700 Cidade Universitária CEP 19050 920 Presidente

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais

Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão. Programa do Estágio em Economia

Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão. Programa do Estágio em Economia Licenciatura: Economia Disciplina: Estágio em Economia Semestre: 1º ou 2º Área Científica (Secção): Economia Coordenador: Mário José Amaral Fortuna Docente: Fernando Rosa Rodrigues Lopes E-mail: flopes@uac.pt

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

20 horas por semestre. 25 horas por semestre. 2 horas por atividade e o limite são de 20 horas por semestre. 10 horas por atividade.

20 horas por semestre. 25 horas por semestre. 2 horas por atividade e o limite são de 20 horas por semestre. 10 horas por atividade. REGULAMENTO O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento de horas destinadas a Atividades Acadêmico-Científico-Culturais AACC / Atividades Complementares AC, conforme exigência do

Leia mais

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE REDIVE GUIA LMS PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão

Leia mais