PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:"

Transcrição

1 1 PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério Público contra ambos os progenitores, está impedido de exercer o patrocínio oficioso da mãe do menor num processo de divórcio sem consentimento de um dos cônjuges, por os interesses de ambos (do menor e da mãe) serem conflituantes entre si. 2. Está-se perante uma situação de conflito de interesses, nos termos previstos no artº 94º do E.O.A., que é aplicável também no caso do patrocínio oficioso. I - Por despacho proferido em pelo Vogal do Conselho Distrital do Porto responsável pelo Centro de Apoio Jurídico e Judiciário, foi remetido a este Conselho, para emissão de parecer, o requerimento apresentado pela Senhora ( ), Advogada, titular da Cédula Profissional nº ( ). Refere a Consulente que foi nomeada patrona oficiosa a uma beneficiária de apoio judiciário com a finalidade de intentar acção de divórcio e consequente regulação das responsabilidades parentais. Tinha, todavia, sido anteriormente nomeada para um processo de promoção e protecção de menores, que ainda corre termos, e no qual os menores visados são os filhos dessa beneficiária de apoio judiciário. Por se lhe afigurar que poderá estar perante uma situação de conflito de interesses, veio solicitar informação sobre o entendimento deste Conselho Distrital a fim de agir em conformidade. Notificada para esclarecer se foi nomeada, como patrono oficioso, para representar as crianças, filhas da beneficiária, no processo de promoção e protecção de menores e se esse processo foi instaurado contra a Mãe das crianças ou contra outra pessoa (que tenha a sua guarda), identificando as partes nesse processo, veio informar que o processo de promoção e protecção de menores foi instaurado contra ambos os pais dos menores, sendo requerente o Ministério Público.

2 2 Apesar de não respondido directamente à questão colocada no que se refere à representação das crianças, crê-se poder concluir que a Consulente se encontra nomeada para representar os menores filhos da beneficiária de quem foi agora nomeada patrono oficioso para intentar uma acção de divórcio sem consentimento de um dos cônjuges, num outro processo judicial em que a beneficiária é Requerida, sendo este o pressuposto do parecer a emitir. Delimitada a questão, importa emitir parecer, o qual é da competência deste Conselho Distrital, nos termos do disposto no art. 50º, nº 1 al. f) do Estatuto da Ordem dos Advogados (E.O.A.) II A matéria relativa à situação de conflito de interesses está prevista no artº 94º do E.O.A., cuja redacção é a seguinte: 1 O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão em que já tenha intervindo em qualquer outra qualidade, ou seja conexa com outra em que represente, ou tenha representado, a parte contrária. 2 O advogado deve recusar o patrocínio contra quem, noutra causa pendente, seja por si patrocinado. 3 O advogado não pode aconselhar, representar ou agir por conta de dois ou mais clientes, no mesmo assunto ou em assunto conexo, se existir conflito entre os interesses desses clientes. 4 Se um conflito de interesses surgir entre dois ou mais clientes, bem como se ocorrer risco de violação do segredo profissional ou de diminuição da sua independência, o advogado deve cessar de agir por conta de todos os clientes, no âmbito desse conflito. 5 O advogado deve abster-se de aceitar um novo cliente se tal puser em risco o cumprimento do dever de guardar sigilo profissional relativamente aos assuntos de um anterior cliente, ou se do conhecimento destes assuntos resultarem vantagens ilegítimas ou injustificadas para o novo cliente.

3 3 6 Sempre que o advogado exerça a sua actividade em associação, sob a forma de sociedade ou não, o disposto nos números anteriores aplica-se, quer à associação, quer a cada um dos seus membros. Com este normativo procura-se defender os princípios da lealdade e a confiança que, como refere António Arnault, in Ossos de Ofício, são as pedras basilares das relações advogadocliente. A Lei nº 147/99, de 1 de Setembro (Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo), tem por objecto a promoção dos direitos e a protecção das crianças e dos jovens em perigo, por forma a garantir o seu bem-estar e desenvolvimento integral (artº 1º). De acordo com o disposto no artº 3º desse diploma, a intervenção para promoção dos direitos e protecção da criança e do jovem em perigo tem lugar quando os pais, o representante legal ou quem tenha a guarda de facto ponha em perigo a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento, ou quando esse perigo resulte de acção ou omissão de terceiros ou da própria criança ou do jovem a que aqueles não se oponham de modo adequado a removêlo. Estatui o artº 103º da mesma Lei: 1 - Os pais, o representante legal ou quem tiver a guarda de facto podem, em qualquer fase do processo, constituir advogado ou requerer a nomeação de patrono que o represente, a si ou à criança ou ao jovem. 2 É obrigatória a nomeação de patrono à criança ou jovem quando os seus interesses e os dos seus pais, representante legal ou de quem tenha a guarda de facto sejam conflituantes e ainda quando a criança ou jovem com a maturidade adequada o solicitar ao tribunal. 3 A nomeação do patrono é efectuada nos termos da lei do apoio judiciário. ( ) Tendo a Consulente sido nomeada patrono do(s) menor(es) 1 e tendo o processo de promoção e protecção de menores sido instaurado (pelo Ministério Público) contra ambos 1 Apesar de a Consulente se referir a menores, nos termos do artº 78º da Lei nº 147/99, O processo de promoção e protecção é individual, sendo organizado um único processo para cada criança ou jovem., pelo que fica a dúvida sobre se o processo abrangerá um menor ou mais do que um.

4 4 os pais, é de presumir que os interesses do(s) menor(es) sejam conflituantes com os dos seus pais e, designadamente, com os da mãe, que é o que releva neste caso. Podemos, pois, dizer que estamos perante uma situação enquadrável quer no nº 1 do artº 94º do E.O.A, que impõe ao advogado que recuse o patrocínio de uma questão em que já tenha intervindo em qualquer outra qualidade, ou seja conexa com outra em que represente, ou tenha representado, a parte contrária, quer no nº 3 que determina que O advogado não pode aconselhar, representar ou agir por conta de dois ou mais clientes, no mesmo assunto ou em assunto conexo, se existir conflito entre os interesses desses clientes. A Consulente não pode representar os menores filhos da beneficiária num processo movido contra esta e simultaneamente ser advogada oficiosa da beneficiária noutro processo (de divórcio) em que ela será Autora pois, apesar de o Requerente naquele primeiro processo ser o Ministério Público, a beneficiária está numa posição de parte contrária relativamente aos menores patrocinados pela Consulente, sendo os interesses dos filhos ( crianças em perigo, a quem se destinam as medidas de promoção e protecção) e da mãe conflituantes. De notar que o que está previsto no artº 94º do E.O.A. para o mandato, vale também para o caso do patrocínio judiciário, por os princípios que se pretendem defender com esta norma serem os mesmos num caso e no outro. Daí que a Consulente deva apresentar um pedido de escusa, nos termos do disposto no artº34º da Lei nº 34/2004, de 29 de Julho, no processo de nomeação de patrono da beneficiária, por o patrocínio oficioso neste caso configurar uma situação de conflito de interesses. III. Em conclusão: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério Público contra ambos os progenitores, está impedido de exercer o patrocínio oficioso da mãe do menor num processo de divórcio sem consentimento de um dos cônjuges, por os interesses de ambos (do menor e da mãe) serem conflituantes entre si.

5 5 2. Está-se perante uma situação de conflito de interesses, nos termos previstos no artº 94º do E.O.A., que é aplicável também no caso do patrocínio oficioso. Este é, salvo melhor opinião, o meu parecer. À sessão. Porto, 28 de Dezembro de 2013 A Vogal Conselheira Relatora, Catarina Pinto de Rezende

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes.

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes. PARECER Nº. 2/PP/2208-P CONCLUSÕES: I. Quer ao abrigo das disposições do actual Estatuto da Ordem dos Advogados (Lei nº. 15/2005, de 26 de Janeiro), entrado em vigor em 1.02.2005, quer das do revogado

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES

PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES 1 PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES A O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão conexa com outra em que represente a parte contrária. B - O advogado não pode aconselhar, representar ou agir

Leia mais

PARECER Nº 41/PP/2014

PARECER Nº 41/PP/2014 PARECER Nº 41/PP/2014 SUMÁRIO: Impedimento para o exercício de mandato por parte de Advogada, que é arguida em processo de inquérito, para exercer a defesa de seu marido que também é arguido no âmbito

Leia mais

I. Em , foi pedida ao vogal relator, ora signatário, emissão de parecer, relativamente à situação que, a seguir, se sumaria:

I. Em , foi pedida ao vogal relator, ora signatário, emissão de parecer, relativamente à situação que, a seguir, se sumaria: PARECER N.º 23/PP/2008-P CONCLUSÕES: A O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão conexa com outra em que represente a parte contrária. B - O advogado não pode aconselhar, representar ou agir

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 33/2008 Conflito de Interesses CONSULTA Veio o Senhor Advogado, Dr...., titular da cédula profissional n.º..., solicitar a pronúncia do, quanto à seguinte questão: Em 1998, o Senhor Advogado

Leia mais

PARECER Nº 66/PP/2014-P

PARECER Nº 66/PP/2014-P PARECER Nº 66/PP/2014-P A Delegação de Paços de Ferreira da Ordem dos Advogados vem solicitar ao Conselho Distrital indicação sobre o procedimento a adoptar na nomeação de um patrono a um beneficiário

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P - Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P Através de comunicação escrita, registada com o nº ( ), recebida a 26/02/2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, o

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 6/2009 Apoio Judiciário ÂMBITO DA CONSULTA A Exma. Senhora Juiz do... Juízo do... veio solicitar ao a emissão de parecer sobre duas questões muito específicas em matéria de Escalas de Prevenção.

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 153/11.2YRGMR I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes dos 1º e 2º Juízos Cíveis da comarca de Barcelos que, por despachos transitados

Leia mais

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção 1. O advogado deve, no exercício da profissão e fora dele, considerar-se um servidor da justiça e do direito e,

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor;

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor; PARECER N. 35/PP/2008-P CONCLUSÕES: I Os substabelecimentos, com ou sem reserva, não produzem efeitos enquanto não forem aceites, aceitação que pode ser manifestada no próprio instrumento de substabelecimento,

Leia mais

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto:

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto: PARECER Nº 8/PP/2011-P CONCLUSÕES: 1. O simples acto de indicação de um advogado como testemunha em determinado processo judicial, tendo o mesmo recusado a depor sob a invocação do segredo profissional,

Leia mais

Acesso ao Direito e Tribunais

Acesso ao Direito e Tribunais Acesso ao Direito e Tribunais Módulo 2 Luís Filipe Santos Conselho Distrital de Lisboa Ordem dos Advogados Acesso ao Direito e Tribunais Sistema de Acesso ao Direito e Tribunais Noções Básicas Nomeação

Leia mais

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas.

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas. - Dispensa de Segredo Profissional nº 168/2008 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), Advogado (CP nº ( )), com escritório na ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional para prestar

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 46/2008 Sigilo Profissional Assunto: Incidente de quebra do sigilo profissional artigo 135º do Código de Processo Penal, aplicável ao processo civil por força do disposto no n.º 4 do artigo

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010)

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010) DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010) Analise as perguntas e hipóteses e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com recurso às normas legais

Leia mais

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A.

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A. PARECER Nº 59/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja Tesoureiro de junta de freguesia. 2 O advogado que tesoureiro de uma junta

Leia mais

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse.

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse. ALGUMAS NOTAS PRÁTICAS SOBRE PEDIDOS DE DISPENSA DO SIGILO PROFISSIONAL Caros e Caras Colegas, Incontestavelmente, o segredo profissional é um princípio deontológico fundamental da advocacia e a base da

Leia mais

PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A

PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A questão do conflito de interesses, no que ao exercício da Advocacia diz respeito, encontra-se regulada no artigo 94º do EOA. 2 - A referida norma funda-se em razões

Leia mais

PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES: PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES: 1. Para a fixação de placa identificativa do Advogado no exterior do seu escritório não é necessário licenciamento, nem se verifica, por essa afixação, a sujeição a

Leia mais

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Declaração de inexistência de impedimentos a que se refere a alínea 4) nº 1.2

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

54/PP/2014-P CONCLUSÕES

54/PP/2014-P CONCLUSÕES Parecer nº 54/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Dado que os factos acima descritos e documentos mencionados, não estão abrangidos pelo segredo profissional, não se profere qualquer decisão no sentido da sua dispensa.

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 16/2008 Conformidade do projecto... com as regras deontológica OBJECTO DA CONSULTA E DESCRIÇÃO DO PROJECTO O Colega Dr.... fez circular por colegas um e-mail com a referência Notificação,

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação 2 de Maio de 2012 PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica Teórica (10 valores) Responda fundamentadamente

Leia mais

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A imposição legal do dever de guardar segredo profissional tem no seu propósito a proteção dos valores da confiança e da lealdade, e a defesa dos direitos e interesses

Leia mais

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010)

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) Analise as perguntas e hipóteses e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com recurso às normas legais

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 23/2008 Sigilo Profissional CONSULTA Por requerimento que deu entrada nos serviços deste da Ordem dos Advogados em... de... do corrente ano de..., com o nº..., veio a Sra. Dra. solicitar a

Leia mais

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral compilações doutrinais ESTUDO JURÍDICO Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral André Mouzinho ADVOGADO VERBOJURIDICO

Leia mais

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Situações de perigo SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde As situações de perigo para a criança ou o jovem encontram-se tipificadas no n.º 2 do art. 3.º da Lei 147/99: a) Estar

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

Título de injunção europeu

Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Título de injunção europeu VERBO jurídico VERBO jurídico Título de injunção europeu: 2 Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER - Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER I. Por comunicação registada com o nº, recebida a 29/05/2012, pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Mma. Juiz

Leia mais

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho Com referência ao processo nº TT a correr termos na Secção única do Tribunal de, a Mª Juiz solicita a este Conselho Parecer sobre se

Leia mais

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços.

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 27/2009, de 28 de Maio de 2009 Consulta Mediante ofício datado que deu entrada nos serviços deste CDL em 8 de Abril de 2009, com o nº, veio a Sra Dra...,

Leia mais

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ).

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ). 1 - Dispensa de Segredo Profissional nº 196/SP/2010-P I. PEDIDO Por comunicação electrónica de 22.09.2010, dirigida ao Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO O tradutor/intérprete com inscrição na APTRAD - Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes obriga-se a respeitar os princípios, deveres e usos profissionais objeto

Leia mais

O APOIO JUDICIÁRIO. Organização e Funcionamento. Relatório e Contas de 2004

O APOIO JUDICIÁRIO. Organização e Funcionamento. Relatório e Contas de 2004 Organização e Funcionamento No ano de 24, o Conselho continuou a aperfeiçoar a edificação de uma estrutura atinente a responder às diversas vicissitudes do sistema do Apoio Judiciário. Nesta senda, envidaram-se

Leia mais

ANOTAÇÃO. CASO LiLiANA melo

ANOTAÇÃO. CASO LiLiANA melo ANOTAÇÃO CASO LiLiANA melo Pelo Prof. Doutor Jorge Duarte Pinheiro( 1 ) 1. Um acórdão proferido em 25 de Maio de 2012 pela 2.ª Secção do Juízo de Família e Menores de Sintra aplicou a sete de oito dos

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia As suas questões sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia PORQUÊ UM TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA (TJUE)? Para construir a Europa, os Estados (actualmente 27) celebraram entre si Tratados

Leia mais

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças

Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto com Crianças CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Medidas de Protecção de Menores no Caso de Recrutamento para Profissões ou Exercício de Funções que Envolvam Contacto

Leia mais

2 O licenciamento dos veículos depende da prova de que a actividade principal da entidade requerente ( CNE) implica a deslocação de crianças;

2 O licenciamento dos veículos depende da prova de que a actividade principal da entidade requerente ( CNE) implica a deslocação de crianças; CORPO NACIONAL DE ESCUTAS Escutismo Católico Português CONSELHO FISCAL E JURISDICIONAL NACIONAL Junta Central pergunta: - É necessária alguma autorização ou formação especial para o transporte ocasional

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Disposições Gerais. Artigo 1. º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção)

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Disposições Gerais. Artigo 1. º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) CÓDIGO DEONTOLÓGICO Disposições Gerais Artigo 1. º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O Advogado deve, no exercício da profissão e fora dela, considerar-se

Leia mais

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL PARECER Nº 19/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja secretário da Direcção duma Instituição Particular de Solidariedade Social.

Leia mais

" Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito...

 Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... " Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial." De uma

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO AUDITORIA E CONTROLO DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. Este documento em Português é fornecido apenas para efeitos informativos. No caso de qualquer discrepância entre esta versão e a versão original em Espanhol, esta prevalecerá. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA TUTELA ADMINISTRATIVA. Lei n.º 27/96, de 1 de agosto

REGIME JURÍDICO DA TUTELA ADMINISTRATIVA. Lei n.º 27/96, de 1 de agosto REGIME JURÍDICO DA TUTELA ADMINISTRATIVA Lei n.º 27/96, de 1 de agosto Com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 1/2011, de 30 de novembro. A Assembleia da República decreta, nos termos dos

Leia mais

Espinho, 16 de março de João Severino

Espinho, 16 de março de João Severino Espinho, 16 de março de 2016 João Severino Lei n.º 141/2015, de 8 de setembro Aprovou o Regime Geral do Processo Tutelar Cível; Alterou o Regime Jurídico do Apadrinhamento Civil; Revogou a Organização

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: 2008-01-31 Assuntos: - art.º 1200.º do Código de Processo Civil - divórcio - conservatória do registo civil - revisão formal S U M Á R I O Caso no exame dos autos

Leia mais

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas não só com

Leia mais

Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se:

Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se: PARECER Nº. 8/PP/2008-P Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se: a. Uma posição pública formal da Ordem dos Advogados no que concerne

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH)

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH) CEUM/SECSH NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA (SECSH) (Aprovadas pelo Despacho RT-07/2015, de 26 de janeiro) Capítulo I Definição, missão e atribuições Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição e missão

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA DOCUMENTOS A ENTREGAR (Reg. Nº 232/2007, de 4 de Setembro) 1) Requerimento de inscrição (Anexo A) 2) Boletim de inscrição com a assinatura pessoal e

Leia mais

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA )

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA ) Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO HORTA, 7 DE MAIO DE 2004 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 15 de Maio de 2006 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO DO CONSUMO

Leia mais

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador.

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador. Parecer nº 48/PP/2012-P Conclusões: a) Considerando o disposto nos arts. 189.º/1-a) do EOA e 1.º da Lei n.º 49/2004, de 24 de Agosto (Lei dos actos próprios dos advogados e dos solicitadores), cabe na

Leia mais

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA incompatibilidade Do exercício DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA Proc. n.º 4/PP/2012-G relator: Dr. Marcelino Pires Parecer o requerente vem pedir parecer sobre a eventual incompatibilidade

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES Ex.mo(a) Senhor(a) Nome n.º, com relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado/termo resolutivo desta Câmara Municipal, com a carreira/categoria de e afeto ao setor,

Leia mais

Refere que a indicada ( ) não respeitou todos os termos do acordo que a dita partilha envolvia.

Refere que a indicada ( ) não respeitou todos os termos do acordo que a dita partilha envolvia. - Dispensa de Segredo Profissional nº 209/2008 1. Requerimento A Exma. Sra. Dra. ( ), Advogada [CP nº ( )], com escritório ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional com vista

Leia mais

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 41/XI Derrogação do sigilo bancário (21.ª alteração à Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro, e segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 62/2005, de 11 de

Leia mais

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE]

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE] INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO ESTAGIÁRIO CIDADÃO NACIONAL [art. 189º do EOA e art. 6º do RIAAE] Documentação a entregar Inscrição deve ser requerida no Conselho Regional em que o candidato a Advogado estagiário

Leia mais

Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria

Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria Regulamento da Comissão de Ética para a Saúde do Hospital de Santa Maria Tendo presente a deliberação nº 34/06 do Conselho de Administração deste Hospital, referente à nomeação dos membros da comissão

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

Guia do Apoio Judiciário

Guia do Apoio Judiciário 1 de 34 30-03-2013 17:05 Início > Acesso ao Direito > Guia do Apoio Judiciário GUIA DO APOIO JUDICIÁRIO Guia do Apoio Judiciário 1. Princípios Gerais 2. Aplicação da Lei no tempo 3. Prestação da Consulta

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO ESTATUTO DO PROVEDOR DO CIDADÃO

PROJETO DE REGULAMENTO ESTATUTO DO PROVEDOR DO CIDADÃO PROJETO DE REGULAMENTO ESTATUTO DO PROVEDOR DO CIDADÃO Preâmbulo A constituição da figura Provedor do Cidadão inscreve-se numa estratégia autárquica de modernização administrativa. A institucionalização

Leia mais

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Altera o Código de Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 44129, de 28 de Dezembro de 1961, designadamente procedendo à introdução da regra de competência territorial

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se à DMGU, ao Sr. Arquitecto Aníbal Caldas. Sofia Lobo Chefe da Divisão de Contencioso e Apoio à Contratação Pela Chefe de Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica, nos termos da Ordem

Leia mais

I PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

I PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES REGISTO DE ENTRADA MUNICÍPIO DE FAFE Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal De Fafe I PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES, trabalhador com relação jurídica de emprego público a tempo indeterminado

Leia mais

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL Consulta Jurídica 1ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Sumário I - A consulta jurídica 1.1 A Consulta ao Cliente 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 2160/07-2 Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I - RELATÓRIO O Digno Magistrado do M.ºP.º junto deste Tribunal requereu a resolução do conflito de competência entre os M.ºs Juiz da 1ª Vara

Leia mais

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal TRADUÇÃO da versão em francês CONSELHO DA EUROPA Recomendação CM/Rec(2012)11 do Comité de Ministros aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal (adoptada pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL 1 - Por força do disposto no EOA, os cidadãos de nacionalidade brasileira diplomados por qualquer faculdade de Direito do Brasil ou de Portugal,

Leia mais

Artigo 1.º Objeto Artigo 2.º Alteração ao Código Civil

Artigo 1.º Objeto Artigo 2.º Alteração ao Código Civil Projeto de Lei n.º 149 /XIII Regulação das responsabilidades parentais por mútuo acordo junto das Conservatórias do Registo Civil em caso de dissolução de uniões de facto e casos similares EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento Deliberação Remetido do Tribunal Judicial da Comarca de Gondomar, datado de 28/04/2010 e subscrito pela Exma. Senhora Juíza de Direito Presidente daquele Tribunal, foi recebido neste Conselho Distrital,

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro

Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro O novo regime jurídico da acção executiva, aprovado pelo Decreto-Lei nº 38/2003, de 8 de Março, tem como objectivo claro a simplificação e aperfeiçoamento do

Leia mais

INSCRIÇÃO NO EOA. CAPÍTULO IV Inscrição como advogado. Artigo 192.º Requisitos de inscrição

INSCRIÇÃO NO EOA. CAPÍTULO IV Inscrição como advogado. Artigo 192.º Requisitos de inscrição INSCRIÇÃO NO EOA CAPÍTULO IV Inscrição como advogado Artigo 192.º Requisitos de inscrição 1 - A inscrição como advogado depende do cumprimento das obrigações de estágio com classificação positiva, nos

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento - Dispensa de Segredo Profissional nº 116/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório ( ), ( ), no ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

PARECER N.º 2/CITE/2010

PARECER N.º 2/CITE/2010 PARECER N.º 2/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009,

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO CAAD

CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO CAAD CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO CAAD Artigo 1.º Princípio geral Os árbitros designados para constituir um tribunal arbitral que funcione sob a égide do Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD) devem julgar com

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.6.2011 COM(2011) 360 final 2011/0157 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura e à conclusão do acordo monetário entre a União Europeia e a República Francesa

Leia mais

Sindicato dos Oficiais de Justiça

Sindicato dos Oficiais de Justiça Decreto-Lei n.º 272/2001, de 13 de Outubro SUMÁRIO: Ao abrigo da autorização legislativa concedida pela Lei n.º 82/2001, de 3 de Agosto, opera a transferência de competência decisória em determinados processos

Leia mais

Tribunal de Contas. Procº nº 1567/02. ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS. Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção:

Tribunal de Contas. Procº nº 1567/02. ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS. Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção: Mantido pelo Acórdão nº 34/02, 10/02/02, proferido no recurso nº 21/02 Procº nº 1567/02 ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção: 1. O Presidente

Leia mais