O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas."

Transcrição

1 - Dispensa de Segredo Profissional nº 168/ Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), Advogado (CP nº ( )), com escritório na ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional para prestar depoimento como testemunha no processo que corre termos no ( )º Juízo Cível do Tribunal Judicial ( ), sob o nº ( ). Liminarmente, por despacho de 03/10/2008, e pelas razões aí vertidas, o Requerente foi convidado a aperfeiçoar o seu pedido, o que deu origem a nova peça, instruída com cópia de peças dos autos indicados. Vem referido que esses autos respeitam a uma oposição à execução, em que o executado e oponente alega ter procedido, há vários anos, ao pagamento da quantia peticionada na execução, sendo que tal quantia respeita a tornas que foram devidas num inventário em que exequentes e executado foram interessados. Acrescenta o Requerente que, no dito inventário, era mandatário dos ora exequentes, assegurando ser do seu conhecimento que as ditas tornas foram mesmo pagas, na ocasião, aos ora exequentes. O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas. Na sequência disso, o Requerente foi novamente notificado para prestar esclarecimentos, nos termos definidos no despacho de fls Em resposta, o Requerente adiantou que, à época, e na qualidade de mandatário dos credores das tornas (hoje exequentes no processo indicado), recebeu em mãos do então mandatário do devedor das tornas (hoje executado) um cheque destinado ao pagamento dessas tornas. Mais adiantou que, por carta, remeteu aos então seus clientes um cheque seu, sacado sobre a CGD, em valor correspondente ao das ditas tornas, deduzido dos seus honorários. 1

2 Adiantou ainda que, nessa missiva, solicitou aos então seus clientes que passassem pelo escritório para assinarem o recibo de quitação, o que nunca chegou a suceder, apesar de a carta não ter sido devolvida e o cheque ter sido apresentado a pagamento. Concluiu enfatizando a injustiça da pretensão dos seus anteriores clientes, querendo receber, segundo diz, um valor que já lhes foi pago em devido tempo, com intervenção pessoal e directa do Requerente. 2. Enquadramento O dever de guardar segredo profissional corresponde a um princípio basilar do exercício da advocacia. O segredo profissional está previsto no art. 87º do Estatuto da Ordem dos Advogados (EOA), estabelecendo-se que o Advogado é obrigado a guardar segredo relativamente aos factos cujo conhecimento lhe tenha advindo do exercício das suas funções ou da prestação dos seus serviços. O segredo profissional abrange ainda documentos que se relacionem com a matéria sujeita a sigilo (art. 87º.3 do EOA). Neste domínio, a regra é, pois, o dever de guardar segredo profissional. Verificados, todavia, certos pressupostos, mas sempre a título excepcional, admite-se seja concedida dispensa daquele dever. Como é evidente, a concessão da dispensa supõe que exista mesmo o dever de guardar segredo, isto é, só faz sentido dispensar do dever caso se trate de matéria coberta pelo regime do segredo profissional. 3. Apreciação No caso vertente, face ao que vem referido, é de meridiana clareza que a revelação que o Requerente pretende fazer em juízo respeita a matéria cujo conhecimento obteve por via da sua actividade profissional. 2

3 Como tal, trata-se de matéria coberta pelo regime da obrigação de guardar segredo profissional (art. 87º do EOA). Nessa conformidade, para ser deferido o pedido, há que verificar se ocorrem as circunstâncias indicadas no nº 4 do art. 87º do EOA. Nos termos deste preceito, a dispensa do dever de guardar segredo pode ter como beneficiário o próprio Advogado ou o seu cliente, na perspectiva da defesa da dignidade, direitos e interesses legítimos de um ou de outro. No caso em apreço, o propósito tido em vista com o depoimento do Requerente é demonstrar que a quantia peticionada na execução já foi recebida, em devido tempo, pelos ora exequentes. Quer dizer, desse depoimento não serão beneficiários os exequentes. No entanto, esses exequentes foram clientes do Requerente. Em contrapartida, o executado nesses autos, e potencial beneficiário do depoimento do Requerente, não foi e não é cliente do Requerente. Por referência ao nº 4 do art. 87º do EOA, está excluída (por não verificada) uma das vertentes passíveis de justificar a dispensa do segredo profissional, já que, e em termos simplistas, o Requerente pretende depor e revelar factualidade desfavorável aos seus (antigos) clientes. Assim sendo, para que o pedido do Requerente pudesse ainda obter deferimento, seria necessário concluir que, neste caso, o levantamento do sigilo profissional se justificaria pela necessidade de assegurar a defesa da dignidade, direitos e interesses legítimos do próprio Requerente. Esta ponderação ganha particular acuidade, pois que, a crer no que vem relatado, até poderemos estar perante uma execução injusta. O que dizer? 3

4 O caso vertente tem algumas peculiaridades, não só pelo tempo decorrido entre a ocorrência do alegado pagamento e a demanda executiva, mas ainda porque não se afigura existirem meios de prova quanto a esse alegado pagamento. Analisada documentação remetida, verifica-se que o executado, além de insistir que efectuou o pagamento, faz menção expressa à intervenção do Requerente nessa situação, como decorre do teor de fls Ora, se é alegado o pagamento, se é alegado que o mesmo foi feito através do então mandatário do credor das tornas (aqui Requerente), mas se esse credor das tornas vem a juízo afirmar que o valor nunca lhe chegou a ser pago, então passa a estar também em causa a actuação do próprio Requerente, enquanto mandatário constituído no dito processo de inventário. Dito de outro modo, é posta em crise a rectidão da conduta do Requerente, pois o dinheiro que se destinava aos então seus clientes terá passado primeiro pelas mãos do Requerente. Se os antigos clientes do Requerente afirmam que não receberam tal dinheiro, mas se esse dinheiro foi entregue ao Requerente (para o fazer chegar aos então seus clientes), pode instalar-se a dúvida acerca do destino que o Requerente terá dado ao dinheiro. Ora, tal hipótese é de molde a atingir a dignidade do Requerente enquanto mandatário. Nessa medida, sempre a crer no alegado, afigura-se que estamos perante uma situação em que, de modo a salvaguardar a dignidade e o bom nome do Requerente, enquanto Advogado, se justifica seja o mesmo autorizado a depor no processo acima identificado, em termos de explicar os termos em que interveio na questão do alegado pagamento e, ao mesmo tempo, pôr termo a quaisquer dúvidas acerca da lisura do seu patrocínio. Em face disso, mostrando-se preenchido o critério contido nº 4 do art. 87º do EOA, o pedido merece deferimento. 4. Decisão Em face do exposto, defere-se o pedido e autoriza-se o Sr. Dr. ( ) a depor como testemunha no processo que corre termos no ( ) Juízo Cível do Tribunal Judicial 4

5 ( ), sob o nº ( ), depoimento que deve limitar-se à questão do alegado pagamento das tornas e à intervenção que o Requerente teve nessa vertente. Notifique. Porto, 9 de Fevereiro de 2009 O Vogal no uso do poder delegado que lhe foi conferido pelo Presidente do Conselho Distrital do Porto. Paulo Pimenta 5

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P - Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P Através de comunicação escrita, registada com o nº ( ), recebida a 26/02/2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, o

Leia mais

Refere que a indicada ( ) não respeitou todos os termos do acordo que a dita partilha envolvia.

Refere que a indicada ( ) não respeitou todos os termos do acordo que a dita partilha envolvia. - Dispensa de Segredo Profissional nº 209/2008 1. Requerimento A Exma. Sra. Dra. ( ), Advogada [CP nº ( )], com escritório ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional com vista

Leia mais

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ).

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ). 1 - Dispensa de Segredo Profissional nº 196/SP/2010-P I. PEDIDO Por comunicação electrónica de 22.09.2010, dirigida ao Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora

Leia mais

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse.

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse. ALGUMAS NOTAS PRÁTICAS SOBRE PEDIDOS DE DISPENSA DO SIGILO PROFISSIONAL Caros e Caras Colegas, Incontestavelmente, o segredo profissional é um princípio deontológico fundamental da advocacia e a base da

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 46/2008 Sigilo Profissional Assunto: Incidente de quebra do sigilo profissional artigo 135º do Código de Processo Penal, aplicável ao processo civil por força do disposto no n.º 4 do artigo

Leia mais

54/PP/2014-P CONCLUSÕES

54/PP/2014-P CONCLUSÕES Parecer nº 54/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Dado que os factos acima descritos e documentos mencionados, não estão abrangidos pelo segredo profissional, não se profere qualquer decisão no sentido da sua dispensa.

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 241/ Requerimento

- Dispensa de Segredo Profissional nº 241/ Requerimento - Dispensa de Segredo Profissional nº 241/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório no ( ), em ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento - Dispensa de Segredo Profissional nº 116/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório ( ), ( ), no ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados

Leia mais

PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 Um Advogado que seja membro do Conselho Fiscal duma sociedade anónima encontra-se em situação de incompatibilidade com o exercício da Advocacia, uma vez que, mercê

Leia mais

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1 PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho Com referência ao processo nº TT a correr termos na Secção única do Tribunal de, a Mª Juiz solicita a este Conselho Parecer sobre se

Leia mais

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A imposição legal do dever de guardar segredo profissional tem no seu propósito a proteção dos valores da confiança e da lealdade, e a defesa dos direitos e interesses

Leia mais

INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO

INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO A) B, Juiz de Direito em exercício de funções no 1º Juízo do Tribunal de Trabalho de Vila Nova de Gaia, veio requerer «pedido de escusa» de intervenção

Leia mais

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue:

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue: Processo de Parecer n.º 35/PP/2017-G Requerente: ( ) Relator: Dr. Pedro Costa Azevedo I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 12/A/01 [Art.20º,nº 1, alínea a),da Lei nº 9/91,de 9 de Abril] I EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

RECOMENDAÇÃO Nº 12/A/01 [Art.20º,nº 1, alínea a),da Lei nº 9/91,de 9 de Abril] I EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Número: 12/A/2001 Data: 30.07.2001 Entidade visada: Chefe do Estado Maior do Exército Assunto: Pagamento em atraso de ajudas de custo. Juros de mora. Área: A4 Proc. R-4650/00(A4) RECOMENDAÇÃO Nº 12/A/01

Leia mais

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor;

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor; PARECER N. 35/PP/2008-P CONCLUSÕES: I Os substabelecimentos, com ou sem reserva, não produzem efeitos enquanto não forem aceites, aceitação que pode ser manifestada no próprio instrumento de substabelecimento,

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES a) Não está vedado ao advogado, genericamente e em abstracto, exercer o patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas verificar se tal patrocínio configurará

Leia mais

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto:

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto: PARECER Nº 8/PP/2011-P CONCLUSÕES: 1. O simples acto de indicação de um advogado como testemunha em determinado processo judicial, tendo o mesmo recusado a depor sob a invocação do segredo profissional,

Leia mais

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro:

Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Resumo para efeitos do artigo 6.º, da Lei 144/2015, de 8 de Setembro: Nos termos do artigo 304.º do Código Civil, não pode ser repetida a prestação realizada espontaneamente em cumprimento de uma obrigação

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) Deontologia Profissional (6 Valores) DE CORREÇÃO 18 de Dezembro de 2015 QUESTÃO 1 (2Valores) Exma(o) Colega, Adquirindo brevemente

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 54/2008 Exame de processo judicial artigo 74º do EOA & 1 Dos factos O Senhor Advogado..., titular da cédula profissional n.º, com domicílio profissional sito na..., veio solicitar a pronúncia

Leia mais

PARECER Nº 41/PP/2014

PARECER Nº 41/PP/2014 PARECER Nº 41/PP/2014 SUMÁRIO: Impedimento para o exercício de mandato por parte de Advogada, que é arguida em processo de inquérito, para exercer a defesa de seu marido que também é arguido no âmbito

Leia mais

- Pedido de dispensa de sigilo profissional nº 171/ Requerimento

- Pedido de dispensa de sigilo profissional nº 171/ Requerimento - Pedido de dispensa de sigilo profissional nº 171/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório na ( ), em ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem

Leia mais

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas não só com

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO 20 MAIO Área de Prática Processual Civil (5,5 Valores) GRELHA DE CORREÇÃO

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO 20 MAIO Área de Prática Processual Civil (5,5 Valores) GRELHA DE CORREÇÃO PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO 20 MAIO 2016 Área de Prática Processual Civil (5,5 Valores) GRELHA DE CORREÇÃO Grupo I (4 Valores) Imagine que a sua Cliente, sedeado no Cacém,

Leia mais

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes.

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes. PARECER Nº. 2/PP/2208-P CONCLUSÕES: I. Quer ao abrigo das disposições do actual Estatuto da Ordem dos Advogados (Lei nº. 15/2005, de 26 de Janeiro), entrado em vigor em 1.02.2005, quer das do revogado

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

Nessa carta, o Advogado da empresa requerida afirmava que a sua constituinte efectuaria o pagamento da dívida reclamada em prestações.

Nessa carta, o Advogado da empresa requerida afirmava que a sua constituinte efectuaria o pagamento da dívida reclamada em prestações. - Dispensa de Segredo Profissional nº 203/2008 Decisão Convidada a aperfeiçoar o seu requerimento de dispensa de sigilo profissional, esclarecendo os factos que o S/ cliente pretende provar e juntando

Leia mais

PN ; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução:

PN ; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Acordam no Tribunal da Relação do Porto. I. Introdução: PN 4112.03-5; Ag.: TC Porto, 3º J (1684A. 02) Ag.e1: ; Ag.o2: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. Introdução: (a) O Ag.e não se conforma com as decisões sucessivas através das quais (i) lhe não

Leia mais

PARECER N.º 116/CITE/2013

PARECER N.º 116/CITE/2013 PARECER N.º 116/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhador com responsabilidades familiares, nos termos do

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER - Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER I. Por comunicação registada com o nº, recebida a 29/05/2012, pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Mma. Juiz

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se à DMGU, ao Sr. Arquitecto Aníbal Caldas. Sofia Lobo Chefe da Divisão de Contencioso e Apoio à Contratação Pela Chefe de Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica, nos termos da Ordem

Leia mais

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Lei n.º 29/2017 A Lei n.º 29/2017, de 30 de maio, veio transpor para a ordem jurídica interna a Diretiva 2014/67/UE, do Parlamento Europeu

Leia mais

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário.

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. I A Sra. Dra. ( ), Advogada, portadora da cédula profissional nº ( ), com escritório

Leia mais

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento Deliberação Remetido do Tribunal Judicial da Comarca de Gondomar, datado de 28/04/2010 e subscrito pela Exma. Senhora Juíza de Direito Presidente daquele Tribunal, foi recebido neste Conselho Distrital,

Leia mais

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção 1. O advogado deve, no exercício da profissão e fora dele, considerar-se um servidor da justiça e do direito e,

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE DIREITO DIREITO DE PROCESSO EXECUTIVO Frequência: 07.02.14 Diurno I Critique, à luz dos conceitos de certeza, liquidez e exequibilidade,

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE I. PARTICIPAÇÕES.) ANO DE 009 No período compreendido entre 3 de Março e 3 de Dezembro de 009, foram recebidas pela CPEE 7 (setenta e uma) participações/queixas. 0

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS AÇÃO MONITÓRIA DA AÇÃO MONITÓRIA Art. 700. A ação monitória pode ser proposta por aquele que afirmar, com base em prova escrita sem eficácia de título executivo, ter direito de

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Concordo inteiramente com a presente Informação e proponho o seu envio ao Sr. Director da DMFP, Dr. José Branco. À consideração

Leia mais

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: / NIRE: (Companhia Aberta) FATO RELEVANTE

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: / NIRE: (Companhia Aberta) FATO RELEVANTE MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: 02.762.115/0001-49 NIRE: 33.3.0026111-7 (Companhia Aberta) FATO RELEVANTE DEFERIMENTO DO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA COMPANHIA E SUBSIDIÁRIA Rio de Janeiro,

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação 2 de Maio de 2012 PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica Teórica (10 valores) Responda fundamentadamente

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA LEILÃO JUDICIAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA LEILÃO JUDICIAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA LEILÃO JUDICIAL Pelo presente contrato de prestação de serviços de Leilão Online, que entre si fazem (dados do credor), neste ato representado por seu advogado (dados

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 8/2009 Conflito de Interesses QUESTÃO O Senhor Dr. A vem solicitar que o emita parecer sobre uma situação de eventual conflito de interesses. O enquadramento factual, tal como exposto pelo

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.480/13.3 TBVNG 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO JORGE MARTINS PEREIRA DA SILVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Regulamento de Assistência Jurídica Capítulo I Disposições gerais e preliminares Artigo 1.º 1. O presente Regulamento visa regular o direito à assistência jurídica dos Associados do SCIF. 2. O SCIF garante,

Leia mais

PARECER N.º 2/CITE/2010

PARECER N.º 2/CITE/2010 PARECER N.º 2/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009,

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. n.º 03/2016 Requerente: Sara Requerida: S.A. 1. Relatório 1.1. A Requerente, pretendendo a resolução do vinculo contratual que a une com a Requerida, vem alegar, em sede de petição inicial, que:

Leia mais

de Famalicão do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, contribuinte

de Famalicão do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, contribuinte Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão 1º Juízo Cível Processo nº 1564/14.7TJVNF Insolvência de Maria de Fátima Correia Sousa V/Referência: Data: Nuno

Leia mais

RECOMENDAÇÃO. R. nº 2

RECOMENDAÇÃO. R. nº 2 RECOMENDAÇÃO R. nº 2 Objecto da queixa: O cidadão apresentou queixa escrita ao Provedor Municipal alegando ter requerido em 04/04/03 a renovação/prorrogação da licença nº 573/02, que caducava em 19/05/03,

Leia mais

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX)

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Natureza e finalidade: Procedimento Extrajudicial O Procedimento extrajudicial pré-executivo é um procedimento de natureza facultativa que se

Leia mais

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A.

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A. PARECER Nº 59/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja Tesoureiro de junta de freguesia. 2 O advogado que tesoureiro de uma junta

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS DADOS GERAIS PROCESSO N.º TRIBUNAL: JUÍZO: SECÇÃO: DATA DE ENTRADA: _ TÍTULO EXECUTIVO: TIPO DE EXECUÇÃO: EXECUÇÃO INICIADA ANTES DE 15/09/2003: FORMA

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1 DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1. A pretensão de acesso aos dados pessoais constantes de recibo de vencimento de trabalhadores objeto de processo de execução A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. n.º 06/2016 TAC Matosinhos Requerente: Maria Requerida: S.A. SUMÁRIO: I Para haver enriquecimento sem causa é indispensável a verificação cumulativa dos seguintes pressupostos: a) Enriquecimento

Leia mais

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho)

(Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho) Tribunal Judicial de Santa Maria da Feira 10065903 CONCLUSÃO - 13-08-2013 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão Auxiliar José Coelho) =CLS= Requerimento de 8 de Agosto (subscrito pelo Sr. Mandatário

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Cumprimento de sentença Prof. Luiz Dellore 1. Finalidades dos processos 1.1 Processo de conhecimento: crise de incerteza 1.2 Processo de execução: crise de inadimplemento 2. Requisitos

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 64/03.5TBCBT-C.G1 F. veio reclamar do despacho do Sr. Juiz do Tribunal Judicial de Celorico de Basto, datado de 24.03.2011, que não lhe admitiu o recurso por si interposto, por falta de fundamento

Leia mais

Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1143.011 ; Ag: TC Porto, 2ª Vara; Age2: Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto 1. A Age insurge-se contra o despacho pelo qual foi indeferido requerimento executivo (para prosseguimento autónomo

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 PEÇA 2 Luís Mata prestou serviços como motorista na empresa Vai Já Ltda no período de 02 de agosto de 2013 a 03 de novembro de 2015, com salário mensal de R$ 2.200,00,

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Reforma Judiciária: as leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA Armando A Oliveira Câmara dos Solicitadores As crises O agente de execução

Leia mais

Comarca do Porto Porto - Inst. Central - 1ª Secção de Execução - J3 CONCLUSÃO Questão prévia: Valor da causa:

Comarca do Porto Porto - Inst. Central - 1ª Secção de Execução - J3 CONCLUSÃO Questão prévia: Valor da causa: 372407808 CONCLUSÃO - 09-09-2016 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão de Direito Filomena Jesus Vieira Pacheco) =CLS= Questão prévia: Atenta a data da propositura dos presentes embargos de executado,

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 23/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 23/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 23/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

3. Desde logo, não queremos deixar de referir que nada impede um Advogado de ser Economista, nem um Economista de ser Advogado.

3. Desde logo, não queremos deixar de referir que nada impede um Advogado de ser Economista, nem um Economista de ser Advogado. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 88/2004, de 3 de Março de 2005 1. Vem o Consulente, o Sr. Dr. A, por requerimento que deu entrada neste Conselho no dia 18 de Outubro de 2004, solicitar

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 28/2008 Quebra de sigilo profissional artigo 135º do C.P.P. CONSULTA Através do ofício n.º, datado de (entrada com o número de registo... de...), veio o Exmo. Senhor Juiz... Relator da...

Leia mais

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*)

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) Proc. n.º 267/2009-CS/R Relator: António A. Salazar Relatório

Leia mais

O HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS SECRETARIAS JUDiCIAIS E A REALIZAÇÃO DO SERVIÇO URGENTE.

O HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS SECRETARIAS JUDiCIAIS E A REALIZAÇÃO DO SERVIÇO URGENTE. consta da fotocópia de fs. 231, datado de 13/1/98, através do qual O Exmo. Juiz de Instrução Criminal de...deu um provimento, cujo teor determinação do Exmo. Sr. Juiz de Direito não colide - apresentasse

Leia mais

1.2. São os seguintes os factos essenciais alegados pela requerente:

1.2. São os seguintes os factos essenciais alegados pela requerente: Processo n.º 3185/2014 Requerente: António Requerida: SA 1. Relatório 1. O requerente, imputando à requerida incumprimento do contrato com ele concluído, bem como alteração unilateral das respectivas condições,

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul fls. 30 26 de setembro de 2017 1ª Câmara Cível Agravo de Instrumento - Nº 1408338-75.2017.8.12.0000 - Campo Grande Relator : Exmo. Sr. Des. Marcelo Câmara Rasslan Agravante : Rocha & Rocha Advogados Associados

Leia mais

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010)

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) Analise as perguntas e hipóteses e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com recurso às normas legais

Leia mais

Processos Judiciais em Tempos de Crise

Processos Judiciais em Tempos de Crise Processos Judiciais em Tempos de Crise 19 de Junho de 2015 Auditório Nobre da Escola de Direito Caracterização dos entrevistados 1.ª Parte Sexo Idade 155 53,1% 137 46,9% Masculino Feminino 62 21,2% 37

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa RODOLFO VERMELHO Agente de Execução Cédula n.º 5357 Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa A Tramitação da Acção Executiva e a Probabilidade da Recuperação do Crédito 02 de Abril de

Leia mais

REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO PESSOA JURÍDICA MODALIDADE: REGISTRO I) Razão Social II) Nome Fantasia: III) Endereço Completo: Telefone: ( ) Fax: ( ) Cidade: U.F: CEP: Endereço Eletrônico: A entidade acima

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Rui Duarte Morais 1 QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Compensação por Iniciativa do Contribuinte 2 Artigo 90º n.º 1 C.P.P.T. A compensação com créditos

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 490/2014. Sentença

Processo de arbitragem n.º 490/2014. Sentença Processo de arbitragem n.º 490/2014 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

C â m a r a M u n i c i p a l CADERNO DE ENCARGOS. Cláusula 1ª. Âmbito da aplicação. Cláusula 2ª. Objeto

C â m a r a M u n i c i p a l CADERNO DE ENCARGOS. Cláusula 1ª. Âmbito da aplicação. Cláusula 2ª. Objeto CADERNO DE ENCARGOS Cláusula 1ª Âmbito da aplicação O presente caderno de encargos contém as cláusulas jurídicas e técnicas, gerais e especiais, no âmbito do ajuste direto, regime geral, nos termos da

Leia mais

A assinatura do autor por ANA LUCIA LOURENCO:7865 é inválida

A assinatura do autor por ANA LUCIA LOURENCO:7865 é inválida A assinatura do autor por ANA LUCIA LOURENCO:7865 é inválida 14ª CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.235.714-3 DA 14ª. VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

PROCESSO: MS Agravo Regimental

PROCESSO: MS Agravo Regimental Acórdão Seção Especializada em Dissídios Individuais AGRAVO REGIMENTAL. Liminar. A medida liminar somente pode ser deferida quando comprovados o fumus boni iuris e o periculum in mora, o que não é o caso

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEXTA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº: 0035249-61.2010.8.19.0000 AGRAVANTES: ISABEL CRISTINA LACERDA RAMOS inventariante do espólio de UBIRAJARA ABRAHÃO RAMOS E OUTROS Relator: Desembargador MARCELO

Leia mais

EXECUÇÃO PARA A ENTREGA DE COISA CERTA E INCERTA (Art. 621 ao 631, CPC):

EXECUÇÃO PARA A ENTREGA DE COISA CERTA E INCERTA (Art. 621 ao 631, CPC): - A petição inicial do processo de execução, além dos requisitos do art. 282, CPC, deve obedecer aos requisitos dos arts. 614 e 615, CPC: - I conter pedido expresso de citação do devedor; - II ser instruída

Leia mais

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares 1.º Âmbito A Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares(APARD), através do seu Gabinete Técnico

Leia mais

Acesso ao Direito e Tribunais

Acesso ao Direito e Tribunais Acesso ao Direito e Tribunais Módulo 2 Luís Filipe Santos Conselho Distrital de Lisboa Ordem dos Advogados Acesso ao Direito e Tribunais Sistema de Acesso ao Direito e Tribunais Noções Básicas Nomeação

Leia mais

AÇÃO MONITORIA. Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO.

AÇÃO MONITORIA. Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO. AÇÃO MONITORIA Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO. O Presente artigo tem como finalidade discutir o processo monitório e seu respective

Leia mais

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 02-05-2016 Assembleia Municipal: 27-06-2016 REGULAMENTO DO GABINETE DE CONSULTA

Leia mais