PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:"

Transcrição

1 PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo cliente lhe permite, livremente e sem constrangimentos, assumir um patrocínio contra ele. B Não está vedado ao advogado, genericamente, exercer patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas averiguar se tal patrocínio configurará, ou não, uma situação de conflito de interesses. C Não configura uma situação de conflito de interesses a aceitação de mandato conferido pelo ofendido, quando o mandatário, apesar de ter sido nomeado, no mesmo processo, defensor oficioso do arguido funções entretanto cessadas por despacho judicial -, não teve qualquer intervenção no processo, nem sequer contactou o arguido. I. Em de , recebido no dia imediato e distribuído para emissão de parecer ao signatário em , dirigido ao Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Deontologia do Porto da Ordem dos Advogados, depois remetido a este Conselho Distrital, o Senhor Advogado, ( ), titular da cédula profissional nº. ( ), sob o assunto Pedido de esclarecimento art. 94º. EOA, expõe e pergunta como segue: a) O advogado nomeado, oficiosamente, a arguido, que não tenha qualquer intervenção no processo crime para que foi nomeado (nunca tendo, sequer, contactado com o arguido); b) E se, entretanto, o arguido vier a outorgar procuração forense a favor de um, outro, advogado; c) E por despacho judicial cessarem as funções de defensor oficioso; d) Posteriormente o defensor oficioso se contactado pelo ofendido, pode aceitar o mandato e requerer a sua constituição como assistente? Sendo questão de ordem profissional a colocada, tem este Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, competência para sobre ela se pronunciar art. 50º.-1 f) EOA. II. A questão está relacionada com eventual conflito de interesses, situação prevista no art. 94º. EOA (que se transcreve):

2 1 O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão em que já tenha intervindo em qualquer outra qualidade, ou seja conexa com outra em que represente, ou tenha representado, a parte contrária. 2 O advogado deve recusar o patrocínio contra quem, noutra causa pendente, seja por si patrocinado. 3 O advogado não pode aconselhar, representar ou agir por conta de dois ou mais clientes, no mesmo assunto ou em assunto conexo, se existir conflito entre os interesses desses clientes. 4 Se um conflito de interesses surgir entre dois ou mais clientes, bem como se ocorrer risco de violação do segredo profissional ou de diminuição da sua independência, o advogado deve cessar de agir por conta de todos os clientes, no âmbito desse conflito. 5 O advogado deve abster-se de aceitar um novo cliente se tal puser em risco o cumprimento do dever de guardar sigilo profissional relativamente aos assuntos de um anterior cliente, ou se do conhecimento destes assuntos resultarem vantagens ilegítimas ou injustificadas para o novo cliente. 6 Sempre que o advogado exerça a sua actividade em associação, sob a forma de sociedade ou não, o disposto nos números anteriores aplica-se, quer à associação, quer a cada um dos seus membros. Com este normativo, procura-se, de um lado, defender a comunidade, e os clientes dos advogados em especial, de actuações ilícitas destes, conluiados, ou não, com outros clientes; e, de outro lado, defender o advogado da hipótese de sobre ele recair a suspeita de uma actuação visando qualquer outro fim, que não a defesa dos direitos e interesses do seu cliente. III. Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é, pois, em primeira linha, uma questão de consciência. Cabe a cada advogado ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo cliente lhe permite, livremente e sem constrangimentos, assumir agora um patrocínio contra ele. E, então, uma de duas: - ou ao advogado repugna litigar contra quem foi seu cliente, e tal deve ser entendido como causa justificativa da recusa de patrocínio cfr., a propósito, art. 95º.-2 EOA -, ainda que a situação não resulte proibida por norma expressa do EOA; - ou não repugna e, então, impõe-se averiguar, objectivamente, se uma determinada situação consubstancia ou não, conflito de interesses.

3 Vindo a questão colocada como hipótese, há que analisá-la em concreto. IV. Face ao relato do Exmo. Colega consulente não pode considerar-se que o advogado, apesar da nomeação oficiosa para patrocínio do arguido, tenha efectivamente intervindo em qualquer questão, ou aconselhado, representado ou agido por conta de quem quer que fosse, designadamente do arguido. E, assim sendo, também não ocorrem os riscos ainda que de simples riscos se trate, quer de violação de segredo profissional (o advogado não chegou a conhecer factos, eventualmente sujeitos a sigilo), quer de diminuição da independência, no caso de o advogado resolver aceitar mandato do ofendido. Tratou-se, em suma, de uma nomeação que não teve concretização na prática de actos próprios do patrocínio, nomeadamente em representação do arguido, pelo que haverá de concluir-se pela inexistência de conflito de interesses. Daqui, crê-se, não há fugir. V. Não se desconhece, no entanto, a existência de um parecer do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, de (in ROA, nº. 47, pág. 634) que, embora proferido ao abrigo, ainda, do anterior EOA (DL 84/84, de 16 de Março), concluiu pela existência de conflito de interesses em situação em tudo idêntica à analisada. O facto de ter sido proferido ao abrigo do anterior EOA, não lhe retira actualidade visto o revogado art. 83º.-1 a) e b) EOA de 84 corresponder, para o que aqui importa, ao art. 94º.-1 do actual EOA, antes transcrito. Reconhece-se, no parecer, que, em rigor, não pode dizer-se que o advogado tivesse intervindo na questão, a não ser de modo meramente formal. Mas aquela intervenção, ainda que formal - prossegue o parecer -, mantém-se para além da caducidade do patrocínio, por razões de obediência às regras de decoro e dignidade profissionais, valores que o EOA pretende salvaguardar, mesmo quando é só aparente o conflito entre as duas intervenções do advogado na mesma causa. Daí que o parecer conclua que, para efeitos do disposto no nº. 1, alínea a), do artigo 83º., do Estatuto da Ordem dos Advogados, deve considerar-se que já teve intervenção

4 numa questão o advogado nomeado oficiosamente ao réu em processo penal, apesar de aí não ter praticado qualquer acto e de nenhum contacto ter mantido com o assistido. Supomos não dever ser assim. VI. Da leitura do transcrito art. 94º. EOA resulta, com meridiana clareza, que ele não contém uma proibição genérica, para o advogado, de patrocínio contra quem é, ou foi, anteriormente, seu cliente. Ao contrário, o preceito prevê a hipótese de o advogado patrocinar contra anterior cliente. A proibição de patrocínio apenas ocorre: - contra quem seja por si patrocinado noutra causa pendente; - em causas em que já tenha intervindo ou que sejam conexas com outras em que tenha representado a parte contrária; e - em causas que possam colocar em crise o sigilo profissional relativamente aos assuntos de um anterior cliente, ou se do conhecimento destes assuntos resultarem vantagens ilegítimas ou injustificadas para o novo cliente. Já se vê, pois, que o cerne da questão é o advogado não estar, ou não se colocar, em situação que ponha em crise o sigilo profissional com relação a assuntos de um anterior cliente: por isso que o preceito expressamente refere o patrocínio em causa pendente e a intervenção anterior. Ora, interpretar o EOA como no aludido parecer, significaria que o advogado, qualquer advogado, nunca poderia aceitar um patrocínio contra anterior cliente, apesar de tal não lhe estar legalmente vedado. Não se vê como possa afectar o decoro e a dignidade profissionais o facto de o advogado aceitar um patrocínio contra quem, em rigor, nunca foi seu patrocinado. De reiterar que o advogado, na situação em análise, ao aceitar o novo cliente, não esteve nunca em condições de não pôde, portanto! conhecer factos ou conhecer assuntos, revelados pelo anterior cliente. E, assim sendo como inegavelmente é, não há o menor risco de o advogado colocar em crise o segredo profissional ou conhecer factos ou assuntos que possam trazer

5 vantagens, quaisquer que sejam, muito menos ilegítimas ou injustificadas, para o novo cliente. VII. Em conclusão: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo cliente lhe permite, livremente e sem constrangimentos, assumir um patrocínio contra ele. B Não está vedado ao advogado, genericamente, exercer patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas averiguar se tal patrocínio configurará, ou não, uma situação de conflito de interesses. C - Não configura uma situação de conflito de interesses a aceitação de mandato conferido pelo ofendido, quando o mandatário, apesar de ter sido nomeado, no mesmo processo, defensor oficioso do arguido funções entretanto cessadas por despacho judicial -, não teve qualquer intervenção no processo, nem sequer contactou o arguido. É, s. m. o., o meu parecer. Viana do Castelo, 10 de Agosto de 2009 O Relator António Rio Tinto Costa

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES a) Não está vedado ao advogado, genericamente e em abstracto, exercer o patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas verificar se tal patrocínio configurará

Leia mais

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1 PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério

Leia mais

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes.

II. Ambos os Senhores Advogados deveriam, pois, ter deixado de agir por conta dos respectivos clientes. PARECER Nº. 2/PP/2208-P CONCLUSÕES: I. Quer ao abrigo das disposições do actual Estatuto da Ordem dos Advogados (Lei nº. 15/2005, de 26 de Janeiro), entrado em vigor em 1.02.2005, quer das do revogado

Leia mais

PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES

PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES 1 PARECER NR. 48/PP/2009-P CONCLUSÕES A O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão conexa com outra em que represente a parte contrária. B - O advogado não pode aconselhar, representar ou agir

Leia mais

PARECER Nº 41/PP/2014

PARECER Nº 41/PP/2014 PARECER Nº 41/PP/2014 SUMÁRIO: Impedimento para o exercício de mandato por parte de Advogada, que é arguida em processo de inquérito, para exercer a defesa de seu marido que também é arguido no âmbito

Leia mais

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor;

b) Recebeu, depois, da Colega, parte dos processos em causa, cada um deles acompanhado de substabelecimento, sem reserva, emitido a seu favor; PARECER N. 35/PP/2008-P CONCLUSÕES: I Os substabelecimentos, com ou sem reserva, não produzem efeitos enquanto não forem aceites, aceitação que pode ser manifestada no próprio instrumento de substabelecimento,

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 8/2009 Conflito de Interesses QUESTÃO O Senhor Dr. A vem solicitar que o emita parecer sobre uma situação de eventual conflito de interesses. O enquadramento factual, tal como exposto pelo

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 6/2009 Apoio Judiciário ÂMBITO DA CONSULTA A Exma. Senhora Juiz do... Juízo do... veio solicitar ao a emissão de parecer sobre duas questões muito específicas em matéria de Escalas de Prevenção.

Leia mais

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto:

DECISÃO. A situação em apreço desenvolve-se nos seguintes contornos de facto: PARECER Nº 8/PP/2011-P CONCLUSÕES: 1. O simples acto de indicação de um advogado como testemunha em determinado processo judicial, tendo o mesmo recusado a depor sob a invocação do segredo profissional,

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 54/2008 Exame de processo judicial artigo 74º do EOA & 1 Dos factos O Senhor Advogado..., titular da cédula profissional n.º, com domicílio profissional sito na..., veio solicitar a pronúncia

Leia mais

I. Em , foi pedida ao vogal relator, ora signatário, emissão de parecer, relativamente à situação que, a seguir, se sumaria:

I. Em , foi pedida ao vogal relator, ora signatário, emissão de parecer, relativamente à situação que, a seguir, se sumaria: PARECER N.º 23/PP/2008-P CONCLUSÕES: A O advogado deve recusar o patrocínio de uma questão conexa com outra em que represente a parte contrária. B - O advogado não pode aconselhar, representar ou agir

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ).

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ). 1 - Dispensa de Segredo Profissional nº 196/SP/2010-P I. PEDIDO Por comunicação electrónica de 22.09.2010, dirigida ao Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 33/2008 Conflito de Interesses CONSULTA Veio o Senhor Advogado, Dr...., titular da cédula profissional n.º..., solicitar a pronúncia do, quanto à seguinte questão: Em 1998, o Senhor Advogado

Leia mais

EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação EXAME NACIONAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) Deontologia Profissional (6 Valores) DE CORREÇÃO 18 de Dezembro de 2015 QUESTÃO 1 (2Valores) Exma(o) Colega, Adquirindo brevemente

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES: PARECER Nº 44/PP/2014-P CONCLUSÕES: 1. Para a fixação de placa identificativa do Advogado no exterior do seu escritório não é necessário licenciamento, nem se verifica, por essa afixação, a sujeição a

Leia mais

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A.

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A. PARECER Nº 59/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja Tesoureiro de junta de freguesia. 2 O advogado que tesoureiro de uma junta

Leia mais

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas.

O Requerente salienta mesmo que é a única pessoa que sabe que as tornas agora exigidas foram efectivamente pagas. - Dispensa de Segredo Profissional nº 168/2008 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), Advogado (CP nº ( )), com escritório na ( ), em ( ), veio requerer a dispensa de guardar segredo profissional para prestar

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P

- Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P - Dispensa de Segredo Profissional nº 47/SP/2009-P Através de comunicação escrita, registada com o nº ( ), recebida a 26/02/2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, o

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção

ESTATUTO DA OASTP. Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção Artigo 54.º Do Advogado como Servidor da Justiça e do Direito, sua independência e Isenção 1. O advogado deve, no exercício da profissão e fora dele, considerar-se um servidor da justiça e do direito e,

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 46/2008 Sigilo Profissional Assunto: Incidente de quebra do sigilo profissional artigo 135º do Código de Processo Penal, aplicável ao processo civil por força do disposto no n.º 4 do artigo

Leia mais

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços.

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 27/2009, de 28 de Maio de 2009 Consulta Mediante ofício datado que deu entrada nos serviços deste CDL em 8 de Abril de 2009, com o nº, veio a Sra Dra...,

Leia mais

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010)

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010) DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 27 de Fevereiro de 2010) Analise as perguntas e hipóteses e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com recurso às normas legais

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

DEONTOLOGIA PROFISSIONAL DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Teste de repetição 20 de Dezembro de 2006 Considere a seguinte HIPÓTESE: 1. Luís Carlos, Advogado Estagiário, inscrito pelo Conselho Distrital do Porto, cidade onde seu Patrono

Leia mais

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse.

Mas, o dever de sigilo não é absoluto. Há casos, excepcionais, em que a justiça ficaria abalada se a dispensa de sigilo não procedesse. ALGUMAS NOTAS PRÁTICAS SOBRE PEDIDOS DE DISPENSA DO SIGILO PROFISSIONAL Caros e Caras Colegas, Incontestavelmente, o segredo profissional é um princípio deontológico fundamental da advocacia e a base da

Leia mais

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010)

DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) DEONTOLOGIA (Teste de aferição de 26 de Fevereiro de 2010) Analise as perguntas e hipóteses e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com recurso às normas legais

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 16/2008 Conformidade do projecto... com as regras deontológica OBJECTO DA CONSULTA E DESCRIÇÃO DO PROJECTO O Colega Dr.... fez circular por colegas um e-mail com a referência Notificação,

Leia mais

PARECER Nº 66/PP/2014-P

PARECER Nº 66/PP/2014-P PARECER Nº 66/PP/2014-P A Delegação de Paços de Ferreira da Ordem dos Advogados vem solicitar ao Conselho Distrital indicação sobre o procedimento a adoptar na nomeação de um patrono a um beneficiário

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA incompatibilidade Do exercício DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA Proc. n.º 4/PP/2012-G relator: Dr. Marcelino Pires Parecer o requerente vem pedir parecer sobre a eventual incompatibilidade

Leia mais

PARECER Nº 38/PP/2016-P SUMÁRIO: Advogado assistente e mandatário de testemunhas nos mesmos autos - impedimento.

PARECER Nº 38/PP/2016-P SUMÁRIO: Advogado assistente e mandatário de testemunhas nos mesmos autos - impedimento. PARECER Nº 38/PP/2016-P SUMÁRIO: Advogado assistente e mandatário de testemunhas nos mesmos autos - impedimento. I A Sra Dra. ( ), Magistrada do Ministério Público na Secção Única do DIAP de ( ), solicitou

Leia mais

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador.

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador. Parecer nº 48/PP/2012-P Conclusões: a) Considerando o disposto nos arts. 189.º/1-a) do EOA e 1.º da Lei n.º 49/2004, de 24 de Agosto (Lei dos actos próprios dos advogados e dos solicitadores), cabe na

Leia mais

> Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008

> Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008 > Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008 CONSULTA Foi solicitado a este Conselho, pela Ilustre Advogada Sr.ª Dr.ª, PARECER sobre as seguintes QUESTÕES: 1 É possível uma

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER

- Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER - Dispensa de Segredo Profissional nº 164/SP/2012-P PARECER I. Por comunicação registada com o nº, recebida a 29/05/2012, pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Mma. Juiz

Leia mais

Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se:

Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se: PARECER Nº. 8/PP/2008-P Veio o Exmo. Colega Dr. ( ), requerer ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados o seguinte, cite-se: a. Uma posição pública formal da Ordem dos Advogados no que concerne

Leia mais

- O poderá fazer? - Poderá utilizar o logotipo do escritório a acompanhar a rubrica no jornal.

- O poderá fazer? - Poderá utilizar o logotipo do escritório a acompanhar a rubrica no jornal. PARECER Nº 4/PP/2016-P CONCLUSÃO Ao advogado é permitido fazer uma abordagem de problemas jurídicos que se colocam na vida quotidiana dos cidadãos, através da análise e transmissão de orientações genéricas

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 23/2008 Sigilo Profissional CONSULTA Por requerimento que deu entrada nos serviços deste da Ordem dos Advogados em... de... do corrente ano de..., com o nº..., veio a Sra. Dra. solicitar a

Leia mais

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento Deliberação Remetido do Tribunal Judicial da Comarca de Gondomar, datado de 28/04/2010 e subscrito pela Exma. Senhora Juíza de Direito Presidente daquele Tribunal, foi recebido neste Conselho Distrital,

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento

- Dispensa de Segredo Profissional nº 116/ Requerimento - Dispensa de Segredo Profissional nº 116/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório ( ), ( ), no ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados

Leia mais

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL PARECER Nº 19/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja secretário da Direcção duma Instituição Particular de Solidariedade Social.

Leia mais

54/PP/2014-P CONCLUSÕES

54/PP/2014-P CONCLUSÕES Parecer nº 54/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Dado que os factos acima descritos e documentos mencionados, não estão abrangidos pelo segredo profissional, não se profere qualquer decisão no sentido da sua dispensa.

Leia mais

- Dispensa de Segredo Profissional nº 241/ Requerimento

- Dispensa de Segredo Profissional nº 241/ Requerimento - Dispensa de Segredo Profissional nº 241/2009 1. Requerimento O Exmo. Sr. Dr. ( ), advogado com escritório no ( ), em ( ), veio solicitar ao Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A

PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A PARECER Nº 30/PP/2015-P CONCLUSÕES 1 - A questão do conflito de interesses, no que ao exercício da Advocacia diz respeito, encontra-se regulada no artigo 94º do EOA. 2 - A referida norma funda-se em razões

Leia mais

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 2.º Curso de Estágio de 2005 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas não só com

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 28/2008 Quebra de sigilo profissional artigo 135º do C.P.P. CONSULTA Através do ofício n.º, datado de (entrada com o número de registo... de...), veio o Exmo. Senhor Juiz... Relator da...

Leia mais

GRELHAS DE CORRECÇÃO

GRELHAS DE CORRECÇÃO ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO RNE / RGF GRELHAS DE CORRECÇÃO Questões

Leia mais

1.º Curso de Estágio de de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional

1.º Curso de Estágio de de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional 1.º Curso de Estágio de 2008 19 de Janeiro de 2009 Teste de Deontologia Profissional Analise a seguinte hipótese e responda, depois, às questões que lhe são colocadas, justificando as respostas com as

Leia mais

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*)

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) Proc. n.º 267/2009-CS/R Relator: António A. Salazar Relatório

Leia mais

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho

PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho PARECER nº 13/PP/2014 P REQUERENTE: Mª Juiz do Tribunal de Trabalho Com referência ao processo nº TT a correr termos na Secção única do Tribunal de, a Mª Juiz solicita a este Conselho Parecer sobre se

Leia mais

SERVIÇO DE PESQUISA DE ADVOGADOS POR MEIO DE DIRECTóRIO CONSTANTE NA INTERNET

SERVIÇO DE PESQUISA DE ADVOGADOS POR MEIO DE DIRECTóRIO CONSTANTE NA INTERNET SERVIÇO DE PESQUISA DE ADVOGADOS POR MEIO DE DIRECTóRIO CONSTANTE NA INTERNET Processo n.º 20/PP/2014-G relator: Dr. Nuno Godinho de Matos A Excelentíssima Senhora Dr.ª solicitou à Ordem dos Advogados

Leia mais

Acesso ao Direito e Tribunais

Acesso ao Direito e Tribunais Acesso ao Direito e Tribunais Módulo 2 Luís Filipe Santos Conselho Distrital de Lisboa Ordem dos Advogados Acesso ao Direito e Tribunais Sistema de Acesso ao Direito e Tribunais Noções Básicas Nomeação

Leia mais

Ato Normativo INPI nº 142, de 25 de agosto de Promulga o Código de Conduta Profissional do Agente da Propriedade Industrial.

Ato Normativo INPI nº 142, de 25 de agosto de Promulga o Código de Conduta Profissional do Agente da Propriedade Industrial. Ato Normativo INPI nº 142, de 25 de agosto de 1998 Promulga o Código de Conduta Profissional do Agente da Propriedade Industrial. O Presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI, no

Leia mais

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão:

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: 2015-5-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: prática de novo crime no período de pena suspensa corrupção activa art.º 54.º, n.º 1, alínea b), do Código Penal revogação

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica. Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação 2 de Maio de 2012 PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional e Informática Jurídica Teórica (10 valores) Responda fundamentadamente

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 241/12.8TBMNC.G1 I RELATÓRIO Nos autos supra identificados a Srª Juiz do Tribunal Judicial de Monção proferiu despacho do seguinte teor: «Tendo tido intervenção no processo donde consta o acto cujo

Leia mais

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A

PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A PARECER Nº 13/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. A imposição legal do dever de guardar segredo profissional tem no seu propósito a proteção dos valores da confiança e da lealdade, e a defesa dos direitos e interesses

Leia mais

Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados

Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados I Relatório 1. A Associação Comercial e Serviços de, com sede em, por email de 25.10.2009,

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública

Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Anexo IV -Modelo de Declaração de Inexistência de Impedimentos para a participação em procedimentos de contratação pública Declaração de inexistência de impedimentos a que se refere a alínea 4) nº 1.2

Leia mais

INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO

INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO INCIDENTE de ESCUSA Nº 252/11.0YRPRT I RELATÓRIO A) B, Juiz de Direito em exercício de funções no 1º Juízo do Tribunal de Trabalho de Vila Nova de Gaia, veio requerer «pedido de escusa» de intervenção

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

Ordem dos Economistas *** Código Deontológico dos Economistas

Ordem dos Economistas *** Código Deontológico dos Economistas Ordem dos Economistas *** Código Deontológico dos Economistas Índice 1. Preâmbulo 2. Âmbito de aplicação 2.1 Âmbito pessoal 2.2 Âmbito material 2.3 Âmbito territorial 3. Interpretação e conflito de princípios

Leia mais

Guia do Apoio Judiciário

Guia do Apoio Judiciário 1 de 34 30-03-2013 17:05 Início > Acesso ao Direito > Guia do Apoio Judiciário GUIA DO APOIO JUDICIÁRIO Guia do Apoio Judiciário 1. Princípios Gerais 2. Aplicação da Lei no tempo 3. Prestação da Consulta

Leia mais

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL Consulta Jurídica 1ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Sumário I - A consulta jurídica 1.1 A Consulta ao Cliente 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE Outubro de 2002 Recentes Recomendações da Comissão Europeia interpelam as várias entidades com competências em matéria de resolução de conflitos

Leia mais

COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS

COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS Processo n.º 27/PP/2014-G e 30/PP/2014-G Relator: Dr. A. Pires de

Leia mais

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia As suas questões sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia PORQUÊ UM TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA (TJUE)? Para construir a Europa, os Estados (actualmente 27) celebraram entre si Tratados

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados PDSP N.º 31/09 QUESTÃO O Senhor Dr. vem solicitar que o emita parecer sobre uma situação de eventual violação do sigilo profissional. O enquadramento factual, tal como exposto pelo Dr.... é, em síntese,

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Decisão 5/PC/2011

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Decisão 5/PC/2011 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Decisão 5/PC/2011 Processo de contra-ordenação instaurado contra Young & Rubicam (Portugal) Publicidade, S.A. Lisboa 2 de Março de 2011

Leia mais

AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS

AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS Conferência 10.MAR.2016 pelas 17:30h AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS Tema específico: Custas de parte e contas finais. Diamantino Pereira Dispositivos importantes processo civil: Art.º 48.º (Falta insuficiência

Leia mais

A Sra. Dra. ( ), advogada, titular da cédula profissional ( ), coloca a seguinte questão:

A Sra. Dra. ( ), advogada, titular da cédula profissional ( ), coloca a seguinte questão: PARECER Nº 35/PP/2015-P CONCLUSÔES - um advogado indicado como testemunha e admitido a prestar o seu depoimento deve recusar prestar o seu depoimento, no cumprimento do dever que lhe é imposto pelo artigo

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA LEI Nº 4/92. de 28 de Maio

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA LEI Nº 4/92. de 28 de Maio LEI Nº 4/92 de 28 de Maio A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas pela alínea b) do artigo 86 da Constituição adopta a seguinte: LEI DA GREVE. Artigo 1º (Do direito á greve)

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório Dezembro 2013 Contactos do Recluso com o Exterior - O Direito de Visita Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 2909.07; Ag: TC Murça (155/03.2TBMUR) Ag.e: Manuel Joaquim Gomes Ferreira cc Maria Judite Ferreira, 1 Rua Caminho de el-rei, nº 3 sótão, 2795, Queijas, Oeiras Agº: Abílio Ferreira Quintelas cc Teresa

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 21/2008 Processos de Procuradoria Ilícita Direito de acesso a documentação CONSULTA Por email datado de de de, veio a Exma. Sra. Vogal deste Conselho Distrital de Lisboa, Dra. Maria Ascensão

Leia mais

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 3133.06-5; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Ag.e: Agºs: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: (1) Discorda a ag.e da decisão de 1ª instância, que indeferiu requerimento

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO O tradutor/intérprete com inscrição na APTRAD - Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes obriga-se a respeitar os princípios, deveres e usos profissionais objeto

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 191/X Exposição de Motivos O exercício ilícito da actividade de segurança privada põe em causa bens jurídicos pessoais da maior dignidade, como a vida, a integridade física e a liberdade,

Leia mais

Tribunal de Contas. Procº nº 1567/02. ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS. Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção:

Tribunal de Contas. Procº nº 1567/02. ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS. Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção: Mantido pelo Acórdão nº 34/02, 10/02/02, proferido no recurso nº 21/02 Procº nº 1567/02 ACORDÃO nº 72 /02AGO13/1ªS/SS Acordam os juízes do Tribunal de Contas em Subsecção da 1ª Secção: 1. O Presidente

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO Questões de Prática Processual Penal

Leia mais

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo INFORMAÇÃO O Direito de reunião dos trabalhadores é uma concretização da garantia constitucionalmente imposta da liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa),

Leia mais

PARECER JURÍDICO N.º 44 / CCDR-LVT / Validade Parcialmente válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

PARECER JURÍDICO N.º 44 / CCDR-LVT / Validade Parcialmente válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS Validade Parcialmente válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS QUESTÃO A autarquia refere que existe um trabalhador que, através dos 10 pontos acumulados nas avaliações

Leia mais

Deliberação ERC/2016/186 (DR-I)

Deliberação ERC/2016/186 (DR-I) Deliberação ERC/2016/186 (DR-I) Recurso de Lília Albino, em representação de António Cirilo Metódio do Nascimento contra o jornal Correio da Manhã por denegação ilícita do exercício do direito de resposta

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves

Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves PREÂMBULO O presente Regulamento Interno da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves, adiante designada por SPPB ou Associação, visa

Leia mais

REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES

REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES Prevê o Artigo 8º do Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril (Estatuto da Câmara dos Solicitadores) que a Câmara, quando lhe for solicitado pelos tribunais,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) A Comissão Executiva é designada pelo Conselho de Administração e tem como objectivo deliberar sobre as matérias

Leia mais