História e Memória das Formas de Representação do Pathos Urbano em Mídias Impressas de Diferentes Épocas 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História e Memória das Formas de Representação do Pathos Urbano em Mídias Impressas de Diferentes Épocas 1"

Transcrição

1 História e Memória das Formas de Representação do Pathos Urbano em Mídias Impressas de Diferentes Épocas 1 Terezinha Tagé 2 Resumo: o artigo apresenta uma contribuição para os estudos da memória textual na história das mídias impressas em diferentes épocas. Refere-se à história das formas sígnicas de reportar conflitos sócio-urbanos em livros e reportagens impressas em determinados contextos sócio-políticos considerados hegemônicos no plano da significação (na semiosfera, segundo I.Lotman). Considera como mídias não apenas os meios tradicionais de informação social, mas também os dispositivos de mediação impressa nos quais estão configurados em múltiplas linguagens integradas os sentidos da vida urbana e imediata (gêneros de discurso, segundo Bakhtin) para cumprir sua função na Comunicação Social. Foram selecionados para análise textos com repercussões de acontecimentos sociais que envolvem o pathos existencial e cotidiano das metrópoles em duas épocas: o século XIX e o século XXI. O apoio teórico para o raciocínio desenvolvido parte da teoria da estética do pathos elaborada pelo cineasta russo Serguei Eisenstein em seus estudos sobre os romances realistas de É. Zola (séc. XIX) e relacionada à leitura de resenhas críticas de documentários sobre conflitos da atualidade (séc.xxi) escritas pelo historiador Peter Burke e publicadas em jornais paulistanos.. Palavras chave: História da mídia; pathos e mídia; estética de Eisenstein; texto da cultura; comunicação e linguagens. 1- A configuração das sensibilidades no cotidiano O universo da comunicação humana é composto por diferentes códigos sistematizados em símbolos, criações específicas e artificiais produzidas para esta finalidade. Nas palavras do pensador Vilém Flusser: os homens comunicam-se uns com os outros de uma maneira não natural : na fala não são produzidos sons naturais, como, por exemplo no canto dos pássaros, e a escrita não é um gesto natural como na danças da abelhas. (FLUSSER,V.2007:89). Mas, apesar desta artificialidade, o necessário registro das ações diárias, dos acontecimentos sociais significativos em diversas culturas e diferentes tempos históricos tornou-se parte integrante da segunda natureza humana, o necessário convívio social. Desse modo, legitimaram-se as múltiplas formas de representação dos aspectos marcantes da vida coletiva impressas em materialidades 1 Trabalho apresentado no VI Congresso de História da Mídia na UFF, ao GT4: História da Mídia Impressa, em Niterói, em maio de Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, Mestre em Letras (Literatura Brasileira) pela FFLCH-USP.Docente e pesquisadora no Departamento de Jornalismo e Editoração e no Programa de PósGraduação em Ciências da Comunicação da ECA-USP 1

2 sígnicas (traços, sons, grafemas, letras, cores, sinais, e outros) desde os primórdios até os espaços urbanos do mundo contemporâneo. A memória e a história das mídias impressas de diferentes épocas guardaram características desta manifestação. Entre elas, as comunicações do sofrimento, da dor, da violência, das emoções sempre estiveram presentes. Esse percurso histórico nos coloca diante da evidência de uma característica altamente reiterativa: a dor, física e principalmente a dor existencial, o pathos sempre foi incorporado no cotidiano. Esta marca é comunicada nas formas impressas midiáticas(considerando esta palavra em sentido amplo) de todas as épocas, mesmo anteriores ao que conhecemos por: meios de comunicação na a tualidade, e nos mostra que vivemos mergulhados em violências, estigmas, preconceitos, brutalidades e banalidades que abalam nossa sensibilidade e afetam nossa condição humana. Petrificam a mente e o espírito. Por este motivo é inevitável a companhia constante de uma espécie de angústia social generalizada, de uma turbulência das emoções. Em tempos históricos e espaços culturais diferentes sempre nos deparamos com o registro impresso sobre a fome, a guerra, a dificuldade de discernimento entre realidade e ficção, a violência autorizada para fins políticos e outras circunstâncias que se tornaram lugares comuns nos textos e discursos verbais e não-verbais das notícias e reportagens, documentários em livros e outros dispositivos esmerando-se em exibir discursos de impacto, fotos e infográficos com requintes técnicos, grafismos e diagramações cada dia mais sofisticados. Uma exposição diária de quadros do sofrimento e de uma dor coletiva que parece mover o sentido das coisas e dos fatos para comover cada instante. Comover, tocar, sensibilizar consciências, mesmo sem a esperança de algum resultado imediato ou apenas para incentivar o consumo de idéias em todos os níveis e de produtos de todas as espécies. Estas construções sígnicas e formais são elaboradas e impressas esteticamente para expressar as ações humanas que denunciam, demonstram ou simplesmente descrevem motivações diárias desta dor. Os produtores de textos e de sentido responsáveis pela comunicação destes fatores que integram a condição humana esmeram-se em criar sistemas sígnicos de impacto cada dia maior nas mídias. 2

3 Como conseqüência, estes procedimentos sempre corresponderam às sensibilidades e configuraram aos poucos um plano conflituoso e irreversível de comunicação dos acontecimentos no mundo que nos cerca. Pensando em tipos de mídias impressas tais como as que conhecemos e para recortar exemplos mais aproximados, vamos nos ater aos livros e jornais impressos. Abrimos os jornais, pesquisamos pela internet, ligamos a TV, informamo-nos sobre os acontecimentos da vida imediata e confirmamos estes temas e estas formas de comunicação desdobrada em conversas em todos os espaços possíveis para troca de informações e formação de opiniões. Estamos situados em um universo de desentendimentos e segundo Jacques Rancière: O desentendimento não diz respeito apenas às palavras. Incide geralmente sobre a própria situação dos que falam. (RANCIÈRE, J.,1996:11-13). As transformações nos modos de impressão midiática através dos tempos também fazem parte desta situação, o que legitima o estudo de sua história. Ao mesmo tempo, os estudiosos da comunicação, os filósofos, os antropólogos, os semioticistas e outros pensadores nos ensinam, também, que vivemos em uma sociedade do espetáculo (DEBORD, G., 1997) em movimento e transformação constante, onde tudo parece fluir. Ainda nas três, quatro e cinco primeiras décadas do século XX, teóricos como Walter Benjamin, Theodor Adorno, Horkheimer e outros chamavam a atenção da sociedade sobre as possibilidades de uma cultura industrializada, de uma tendência à padronização e a dificuldade de separar o que era real do que era criado artificialmente pela indústria cultural. Mas, em nossos dias, outros pensadores nos informam que, na atualidade, vivemos momentos líquidos que transbordam, inundam, como afirma Zigmunt Bauman. As formas não são facilmente contidas: Estas são as razões para considerar fluidez e liquidez como metáforas adequadas quando queremos captar a natureza da presente fase, nova de muitas maneiras na história da modernidade.(bauman, Z. 2001:9) Tais reflexões não são supérfluas nesta exposição de idéias porque têm o objetivo de percorrer leituras e pensamentos que nos ocorrem de passagem em forma de painel e nos levam a indagar se existe um processo contínuo de estetização na forma de organizar nas mídias a comunicação do que acontece, do que é vivido e comunicado nos diferentes textos (verbais, visuais e sonoros) e discursos os meios e as mediações da Comunicação. As 3

4 mídias impressas, neste caso, incorporam marcas de outros formatos e esta interferência é uma característica da atualidade. Vivemos no mundo codificado de que nos falava Vilém Flusser e precisamos tomar consciência da importância do conhecimento de nossa história midiática para decifrarmos a memória das formas representativas criadas artificialmente para nos informar sobre nossa natureza. Estamos diante de um paradoxo aparente. De nada valeria informar simplesmente os acontecimentos sem tocar a sensibilidade dos informantes e destinatários com a criação de outras das formas de representar. Os signos tornaram-se os acontecimentos que influenciam e interferem nos modos de ver e de ser contemporâneos. Somos liderados pelo que os sistemas sígnicos nos comunicam. A forma de construção dos enunciados nos diversos gêneros discursivos ( BAKHTIN, 2003) e o planejamento gráfico são tão importantes quanto os temas selecionados para a pauta diária dos jornais e dos projetos dos livros nas editoras. São elementos compartilhados com a organização de grafismos, a seleção e edição de fotos e infográficos, o processo textual de modelização. Atravessam a fluidez e permanecem para a história porque produzem memória e geram diferentes semioses. É o texto que gera a significação do mundo e não o contrário. (LOTMAN, 1996). A reiteração com que os textos midiáticos comunicam a agressividade e a violência a ponto de banalizá-las têm sido objetos de estudos recorrentes entre pesquisadores das mais diferentes áreas de conhecimento. Mas, quando pensamos em pontos de convergência que caracterizam estes fenômenos, entre diversos fatores, chegamos ao mesmo lugar: são construções para manifestar uma instabilidade nas emoções coletivas, uma marca gerando um estado geral de dor existencial em grau insuportável para a vida social de boa qualidade. A felicidade se tornou obscurecida. Há sempre um lado sufocante em nossa capacidade de atribuir sentido ao que acontece. Uma crise de significações interfere na comunicação de fatos, de comportamentos, de sentimentos e emoções. Os estudos de Comunicação e história das mídias impressas não poderiam ficar alheios a estes fatos. Pensando nestas circunstâncias procuramos pesquisar textos verbais e não verbais e discursos sobre o tema da dor em diferentes épocas em espaços urbanos e o processo e comunicação em jornais e romances porque estas mídias impressas exerceram e exercem 4

5 uma função significativa na história do registro e na preservação da memória do pathos humano diário representado em sistemas sígnicos. O grande número de formas expressivas em diferentes linguagens surge como necessidade essencial para representar, demonstrar e comunicar como se fosse um grito humano estetizado. As imagens significativas são inspiradas em outras produções e atividades humanas que utilizam recursos artísticos, criações e montagens infográficas que se integram e interagem na compreensão dos textos verbais. Observamos que o grafismo, os projetos editorias em livros e jornais vão muito além da simples necessidade de comunicar informações no século XXI e, da mesma forma, outros tipos de mídia impressa, como o romance no século XIX, se constituíam em mídias condensadoras de temas emergentes e decisivos. Há muitos modos de refletir sobre as formas de construção da emoção nos espaços urbanos e de construir sua memória de formas de representação sua história das mídias impressas, mas vamos nos restringir, nesta oportunidade de compartilhar estudos e experiências de pesquisa, a um pequeno ponto: representações da dor existencial, explícita e implícita no cotidiano em publicações midiáticas jornalísticas e literárias, porém o mesmo procedimento pode ser empregado para pesquisas em outros tipos de mídia. 2-Intervalo: a estética do pathos de Eisenstein e a construção composicional de Émile Zola. Para compreender a proposta deste texto é preciso fazer um intervalo para situar o ponto de vista do pensador e cineasta russo Serguei Eisenstein ( ) e seu estudo da obra de Émile Zola ( ), mostrando a correspondência entre as escolhas estéticas deste escritor francês e as situações extraverbais selecionadas e constituídas nos enunciados e seus romances, caracterizadas pelo processo de evocação imagética dos espaços urbanos onde se passavam sofrimentos geradores do pathos existencial de sua época. Ele toma como objeto de referência os romances do escritor, uma mídia impressa hegemônica em seu tempo. As obras em geral retratam as dificuldades e sofrimentos de personagens típicos da vida social no processo de urbanidade em fase de organização nas transformações e crises na França do final do século XIX. 5

6 . Em seguida, apresentaremos artigos publicados em jornais paulistanos em cadernos culturais pelo historiador Peter Burke e que apontam para situações de conflito urbano com princípios diferentes, mas que atentam para a mesma forma estética de representação dor diante dos dramas das cidades em nossos dias do século XXI. Há uma correspondência destes procedimentos com as formas de apresentação de textos nas mídias contemporâneas e a sensibilidade dos destinatários aos quais estas formas se destinam. Partimos do princípio de que as formas de construção composicional e enunciados em textos verbais integrados aos textos visuais ou a determinados procedimentos discursivos de impacto estão organizados nas mídias impressas das duas épocas referidas com recursos que materializam sensações e posições axiológicas correspondentes às dos destinatários de cada veículo. Há uma interferência das transformações nos recursos tecnológicos. Na atualidade, há uma interdependência e um diálogo de códigos e de formas sígnicas nos textos jornalísticos em relação à predominância do signo verbal nos romances. Enunciados e diferentes formas sígnicas convivem com a mesma intensidade numa mesma página de jornal. A leitura do texto verbal interage e dialoga com fotos e grafismos. Este fato remete à noção de montagem, de fragmento apreendido e graficamente editado com um mesmo objetivo: criar possibilidades de provocar no leitor um processo de identificação acontecimentos na configuração de sua sensibilidade. Como apoio para este modo de raciocinar e compreender este fenômeno, recorremos à teoria do pathos ou estética do pathos como ficou conhecida a concepção de arte, de criação e interpretação praticada por Serguei Mikhailovitch Eisenstein ( ). Ele defendia a idéia de que existe uma semelhança estrutural entre o objeto estético e a reação humana que ele provoca. (SEGAL, em SCHNAIDERMAN, 1979: 235) Desenvolveu esta teoria estudando ciências, artes e técnicas, formalizando procedimentos empregados em suas próprias experiências de criação, no cinema e escritos sobre diferentes temas e elaborados em vários gêneros discursivos. Entre estes pensamentos sobre as obras de arte elaboradas em diferentes atividades, como o desenho, a dança, a pintura, a arquitetura, escolhemos como ponto de partida neste artigo os escritos sobre literatura e o processo de criação imagético descrito por Eisenstein a partir e suas leituras das obras do escritor francês Émile Zola ( ). 6

7 Este escritor francês, rotulado como naturalista pelos manuais apressados de história da literatura, segundo Eisenstein, descreveu em seus romances (mídia importante de sua época) a miséria e os problemas sociais urbanos de seu tampo, construindo imagens e descrevendo detalhes muitas vezes ignorados ou desprezados pela maioria dos escritores, da vida cotidiana, passo a passo, como se fossem enquadramentos para um filme, recortados em minúcias que continham o registro da atmosfera de uma época para a memória cultural da posteridade. Zola procurava sensibilizar os leitores e cidadãos construindo seus enunciados nos romances e artigos para jornal como representações imagéticas de cenas da vida cotidiana de pobres, trabalhadores, operários, prostitutas, pessoas marginalizadas em sua cidadania e que sofriam a dor de viver naquele espaço opressivo em meio a uma atmosfera turbulenta e desumana. Estas reflexões de Eisenstein estão no texto: Les vingt piliers de soutènement (EISENSTEIN, S.M., 1976: ) na qual ele estuda as obras do escritor francês, assim como as de outros escritores, como Balzac. Seu objetivo era o de mostrar o equívoco dos críticos da literatura que reduziam a contribuição destes escritores e comunicadores do cotidiano de seu tempo ao rótulo de realistas e naturalistas. Para a história das formas de representação do sofrimento urbano nas mídias impressas, a contribuição de Zola passa a ter um lugar de grande valor estético. Referindo-se à construção composicional de Zola, retomada na linguagem fílmica, e que nós estamos considerando em nossos estudos sobre estética e pathos nas mídias, Eisenstein afirma: De tous les éléments possibles du milieu ou du phénomène, il choisit précisement telle ambience, précisement tels objets et précisement dans tel état qui fera qu à tel moment donné ils seront à l unissont des sensations émmotionnelles (souvent même physiologiques) qu il entend susciter chez le lecteur (EISENSTEIN S.M., 1976:147) Esta escolha minuciosa e precisa da construção de dos sistemas de signos por parte do narrador nos romances de Zola fazem parte de uma história das formas de reportar as crises da vida imediata de sua época que não pode ser observada em nenhum outro tipo de 7

8 mídia impressa. As grandes descrições da vida mais comum em todas as camadas sociais permitiam a revelação dos hábitos, emoções e da ordem de valores da época como nenhum outro tipo de mídia impressa. Assim, a seleção de elementos que marcavam o cenário, os objetos e personagens em suas obras, sempre tinha o propósito de causar impactos, provocando emoções na receptividade do leitor. Permitia, também, uma fusão de sensações físicas e psicológicas no seu espírito. Ele elaborava uma estética do pathos como foi nomeada por Eisenstein para causar emoções impulsionadas pela forma de organização e escolhas dos elementos utilizados para comunicar situações e sensações nas obras. Suas estratégias de comunicação não obedeciam aos procedimentos comuns à escrita literária, com um sistema de construções metafóricas, ritmos e sonoridades minuciosamente dispostas nas palavras. No lugar destes recursos, Zola coloca seus personagens em um conjunto de objetos dispostos fisicamente da maneira como eles necessitam. Constrói seqüências de imagens com palavras como ícones para a imaginação do leitor e descreve quadros com elementos visuais equivalentes ao mundo interior de seus personagens. Na obra A besta humana, por exemplo, a descrição de um quarto pequeno, pintado com paredes vermelhas, há um fogareiro de ferro fundido, superaquecido a ponto de provocar um torpor no ambiente, tal como o que se impunha aos freqüentadores deste espaço. Nada impedia o autor de escolher símbolos visuais no quadro da realidade, de tal modo que a significação cotidiana emergia com intensidade em diferentes graus de eficácia para produzir impressões impactantes e correspondentes às angústias vividas pelos destinatários das obras. Como cineasta, Eisenstein apoiava-se nesta metodologia para dominar os meios de ação específicos das montagens de cenas e detalhes de seus filmes. Estes procedimentos traduziam frieza ou aquecimento em uma cena como, por exemplo, uma gama de luminosidade banhando o tema do enquadramento escolhido por ele em conformidade ou por contraste com o estado de espírito dos personagens. Estas situações levam o espectador a um estado de identificação, a uma sensação unidade, como se a ficção fosse uma vivência real como a que era representada. Pesquisando a história da palavra pathos em fontes etimológicas, constamos que ela é marcada por inúmeras conotações. Inicialmente encontramos o significado: algo que acontece, um evento, um acontecimento. Mas, também pode significar: sofrimento 8

9 instrutivo ou, no sentido filosófico, ela adquire dois sentidos, o que acontece aos corpos, como as qualidades, e o que acontece às almas, como as emoções. Apenas como referência de passagem, nos limites desta exposição, chegamos às teorias materialistas da sensação que integram o conhecimento sensorial a um pathos dos sentidos. Mas, é importante pensar que a palavra pathos antes de tudo, significa acontecimento e pareceu-nos pertinente a possibilidade de considerá-la como acontecimento de linguagens (verbal, visual, sonora e outras) que, uma vez compartilhada com um destinatário, permitindo a identificação como o que é comunicado. Este modo de raciocinar apóia a possibilidade de pensar em uma história de formas textuais de representação dos acontecimentos de linguagens como a representação dos signos da dor humana na mídia impressa. Eisenstein comparou a sua forma de montagem cinematográfica com o processo de descrição imagética característico de Zola, como estratégia metodológica para suas criações artísticas. Para complementá-la, partia também de uma impressão acidental desencadeada por uma imagem apreendida ocasionalmente, ampliando-a em um sistema de imagens. Sempre guiado pelas emoções como acontecimento de linguagem, pelo sofrimento ou prazer despertado pela impressão visual ou por uma frase ouvida ao acaso. Sempre o acontecimento no espírito, o pathos gerador de sentidos e constituído esteticamente em múltiplas linguagens. Em sua obra Memórias Imorais, escrita como uma coletânea de textos curtos e fragmentos, o cineasta russo escreve sobre alguns acontecimentos emotivos traduzidos na materialidade sígnica visual e verbal que acompanharam a realização de seu filme Outubro. Entre eles, refere-se à visão de uma ponte levantada que se tornou motivo para o desenvolvimento das cenas: Desse modo, a impressão acidental, matutina, de uma ponte levantada se tornou uma imagem, ampliou-se num sistema de imagens, transformou-se num símbolo de dois braços estendidos e ligados por um sólido aperto de mão e, finalmente, passou a ser a estrutura capital, na concepção total do filme. (EISENSTEIN, S.M., 1987: 113) Partindo destas leituras, acreditamos ser possível estabelecer uma correspondência 9

10 entre estes mesmos procedimentos formais com as estratégias elaboradas pelo historiador Peter Burke ao elaborar ensaios publicados em cadernos de cultura de jornais diários na atualidade. Seus textos midiáticos interagem com fotos e recursos imagéticos editados para destinatários com o objetivo de desencadear uma identificação, em nossos dias, semelhante à imaginada por Eisenstein na elaboração de sua obra cinematográfica e que se baseava no processo criativo de Zola em seus romances. Não apenas nos textos para jornal impresso do referido historiador podemos verificar estas marcas formais de elaboração textual. Muitas emoções podem corresponder às estratégias de criação destes textos em publicações que permeiam jornais, revistas de atualidade e outros veículos de comunicação da atualidade, entre elas as manifestações da dor cotidiana e planetária em todos os seus matizes. 3- Quadros midiáticos para exposição cotidiana da dor social. A abordagem dos acontecimentos em textos midiáticos na atualidade apresenta algumas tendências que se reiteram como fator constitutivo dos projetos editoriais das mídias impressas. Uma delas é a preocupação em apresentar de modo atraente, objetivo, agradável ou impactante e persuasivo as informações em todos os níveis, tanto notícias, reportagens como opiniões e artigos dos mais diversos assuntos, literatura de ficção, documentários em livro e tantos outros produtos de cultura do mundo editorial para diferentes interesses. Nesta comunicação, vamos recortar exemplos obtidos no jornal impresso, mas os princípios podem servir como apoio para outros tipos de mídia. Como todas elas, os jornais diários seguem um modelo de diagramação e edição característico de seus projetos editoriais ditados pelos objetivos e motivações ideológicas. Transformam-se e se aperfeiçoam conforme a necessidade de cada momento e as possibilidades de integrar recursos decorrentes do avanço das inovações tecnológicas. Este fato influencia as formas de representação. 10

11 Do ponto de vista estético, surgem recursos e formatos cada dia mais sofisticados permitindo a criação de procedimentos e de soluções múltiplas que dependem da engenhosidade da equipe de produtores de textos. Estes avanços, em todos os níveis, abrem-se para inúmeras e inusitadas soluções de recursos tanto para jornalistas quanto para os colaboradores, escritores, fotógrafos, diagramadores e operadores de infografia e design e outros. São múltiplos sistemas sígnicos integrados para construir mensagens que provoquem emoções como parte da enunciação. Ao abrirmos os periódicos a cada dia, ou quando percorremos as estantes das livrarias, estamos diante de uma exposição de quadros onde são apresentados longos desfiles de formas de linguagens que constroem nossa história de significações do que vivemos em nossa condição humana. Mais do que os acontecimentos em si mesmos, o que eles passaram a significar só porque foram construídos em matéria sígnica criada artificialmente pelos homens para revelar a sua natureza. Sem este artifício, permaneceríamos desconhecidos de nós mesmos, ignorando nossa própria natureza. As linguagens fazem nossa história, registram nossa memória em textos da cultura com fotos, infográficos, ilustrações e outros objetos visuais e de discursos cujas vozes enunciam e denunciam os pathe coletivos vivenciados pelas sociedades no planeta. Entre inúmeros exemplos de textos verbais e não-verbais selecionados e catalogados para nosso projeto de pesquisa acadêmica, destacamos dois textos escritos pelo historiador Peter Burke que se referem à situações e acontecimentos da vida social imediata que desencadearam conflitos sócio-políticos e reações emocionais no imaginário coletivo nas sociedades contemporâneas. A escolha se deve ao fato de que os temas tratados são representativos do campo de reflexão que motiva nossas pesquisas e está escrita por um historiador, pensador, colaborador e produtor de discursos para jornais e não por um jornalista-repórter que dependeria de um discurso padronizado pelos gêneros jornalísticos estabelecidos pela empresa a que pertencesse. Como um cientista e ensaísta, Peter Burke, como qualquer outro escritor em sua situação, tem uma liberdade de escolha na construção dos enunciados e abordagem temática que tomam a forma do discurso da conversação ou didático. Seus textos referem-se às informações sobre fatos da vida contemporânea citadas como exemplos de reflexões sobre a reação de cidadãos comuns movida por elementos estéticos 11

12 que comunicaram emoções, dor coletiva, pathos desencadeado. Recuperam ao mesmo tempo o estado emocional e o imaginário dos destinatários das leituras promovendo identificação. Estes textos de jornal podem ser considerados como textos da cultura, no sentido atribuído por Iúri Lotman à palavra Texto porque constroem história e memória em diferentes sistemas de sígnos, não apenas o verbal. (LOTMAN. I, 1996: ). Relatam e modelizam exemplos de situações que confirmam a força de diferentes concepções do signo verbal nas mídias na diversidade de sentidos gerados e produzidos pelos signos verbais terror, terrorismo, no primeiro texto e no segundo, é comunicado o conflito gerado em uma comunidade a partir da interpretação do simbolismo de uma escultura deslocada no espaço urbano. O primeiro texto: Teatro da Violência,(anexo 1) publicado no Caderno Mais!, do jornal Folha de S.Paulo, no dia 05 de novembro de 2006, destaca na chamada inicial: o uso do terror para fins políticos como um fenômeno novo que substituiu o cogumelo atômico no imaginário ocidental. A construção do texto apresenta a pluralidade de sentidos adquiridos nas mídias contemporâneas pela palavra terror e outras palavras derivadas como terrorismo e terrorista que, segundo o autor, carregam alto grau de emoção. Ele demonstra como é possível atribuir interpretações opostas ao seu emprego porque pessoas que aprovam a violência em prol de causas que desaprovamos são terroristas, enquanto as que estão ao nosso lado são simplesmente guerrilheiras, soldados, policiais,.... Neste caso, o perigo está na manipulação do imaginário público depois do atentado às torres do World Trade Center. Em seguida, lemos um retrospecto de situações nas quais o uso do terror se destaca por grupos de militantes de causas públicas, desde Robespierre, enviando ao cadafalso seus adversários, passando pela Al Qaeda, o IRA(Exército Republicano Irlandês) até outros grupos que ele considera personagens de um teatro do terror nos anos 1970 com os regimes militares na Argentina, no Brasil, no Chile. Os meios autoritários de imposição de poder, como uma ironia, são usados em sociedades que se consideram democratas e civilizadas para o apoio de seus valores e ideologias. Depois destas informações sobre os diferentes significados da palavra terror, o autor 12

13 compara estes atos a um teatro da violência, uma vez que o mais importante é o efeito dramático que estes atos reportados acabam exercendo sobre os espectadores na TV, ou os leitores dos jornais. Ele cita o fato de que a destruição da Torres Gêmeas e das pessoas que lá estavam no dia 11 de setembro de 2001 foi interpretada, num primeiro momento, por muitos telespectadores como uma performance em uma cena de filme. O autor se inclui entre elas e considera a política como um melodrama com personagens que fazem o papel de salvadores de seus países ou heróis que lutam contra o mal. Entre as situações recorrentes no planeta, entretanto, o uso do terror tornou-se banal como resistência à ocupação estrangeira ou ao domínio de religiões, conflitos entre deferentes etnias, fatores como o preconceito e a intolerância. A dor humana tornou-se banalizada nas mídias depois das derrotas ou das conquistas porque as formas de comunicá-la aos receptores apresentamna como simples desempenho de personagens de uma aparente representação teatral. O segundo texto: Guerras culturais, (Anexo2) publicado em 10 de junho de 2007, no Caderno Mais!, mesmo jornal do exemplo anterior, refere-se a distúrbios populares causados por leituras paradoxais relacionadas a compreensões opostas da retirada da estátua: O Soldado de Bronze de um parque da cidade de Tallinn, na Estônia. O monumento era símbolo da libertação do fascismo no país para os russos e símbolo da incorporação forçosa da Estônia à União Soviética para os estonianos. Os títulos remetem ao estado de espetáculo de jogos ou disputas que os textos mídiáticos atribuem aos seus discursos nas formas de elaborar uma comunicação. Eles sintetizam a gênese de pontos comuns a outros discursos desdobrados e diferentes gêneros de discurso e formatos visuais reiterados em outras seções do jornal. Neste último caso, as guerras não são motivadas por problemas políticos ou econômicos essencialmente, mas partem de uma interpretação de um monumento que encena a memória de um acontecimento. O conflito político assume uma forma visual e dramática. O significado de um ícone é reconfigurado. O monumento encena um acontecimento do passado e a estátua (objeto estético, histórico, estético e político), ao ser focalizada pela possibilidade de deslocamento espacial, toca emocionalmente os habitantes da cidade e adquire o poder de reconstruir na memória coletiva múltiplos significados representativos do pathos social e histórico da comunidade, gerando e comunicando outros sentidos no presente. 13

14 O desejo de destruição não é causado pela iconoclastia, mas é uma reação diante de um fato que tocou a emoção e os significados da memória textual dos cidadãos que, embora convivessem na cidade de Tallinn, pertenciam a grupos opostos, estética, emocional e politicamente distintos e viam a estátua do Soldado de Bronze por diferentes pontos de vista. Cada grupo se manifestou de acordo como a emoção correspondente ao modo como aquele acontecimento de linguagem icônica tocou a sua alma, seus valores e provocou as reações desencadeadas. No texto do jornal, o autor se refere a outros exemplos de como a destruição simbólica de monumentos públicos pode significar também o desejo de esquecimento de fatos do passado na história de uma cultura. Por exemplo, a hostilidade ao comunismo, às ditaduras, por meio da eliminação de imagens ou esculturas representativas, demonstrando o poder destas criações formais de linguagens. Ele afirma, neste mesmo texto, que: monumentos... são encenações congeladas, parte do que se poderia chamar de encenação da memória O acontecimento de Tallinn referido mostra como uma forma de linguagem visual, inicialmente como significado histórico, político e estético pode se transformar em um motivo para conflitos ideológicos, em uma forma dramática de comunicação movida pelo pathos coletivo quando codificada em formas de representação. A comunicação deste drama urbano na vida cotidiana nas diferentes linguagens passa a ser uma contribuição do diálogo entre textos midiáticos para preservar e construir a memória das mídias impressas. Referências: BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio: Jorge Zahar Editor, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. SP: Martins Fontes, DÉBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. (Seguida de Comentários sobre a sociedade do espetáculo) Rio: Contraponto BURKE, Peter. Teatro da Violência, em Caderno Mais!, Jornal Folha de S.Paulo, ,p.6 BURKE, Peter. Guerras Culturais, em Caderno Mais!, Jornal Folha de S.Paulo, , p.8 EISEINSTEIN, S.M. Les Vingt piliers de soutènement, em La non-indifférente nature/1. Traduit du russe par Luda et Jean Schnitzer. Préface de Pascal Bonitzer. Paris: Union Générale D Éditions, 1976, pp

15 EISENSTEIN, S.M. Memórias Imorais: uma autobiografia. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes Moura. SP: Companhia das Letras FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. SP: Ed. Cosac Naify, LOTMAN, I. La semiótica de la cultura y el concepto de texto, em La Semiosfera 1: semiótica de la cultura y del texto. Edición de Desidério Navarro. Madrid: Ediciones Cátedra, S.A, 1996, pp LOTMAN, I. La memoria a la luz de la culturologia, em La Semiótica de la Cultura 1: semiótica de la cultura y del texto. Edición de Desidério Navarro. Madrid: Ediciones Cátedra,S.A, 1996, pp RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. SP. Editora RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. SP. Editora SEGAL, D. M. O problema do substrato psicológico do signo e algumas concepções teóricas de S.M. Eisenstein, em: Semiótica russa, coletânea organizada por Boris Schnaiderman, SP.: Editora Perspectiva, 1979, pp.235 a

16 16

17 17

18 18

19 19

20 20

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA

ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA ALFABETIZAÇÃO IMAGÉTICA: UMA FORMA DE CONSTRUÇÃO DA PRÓPRIA CIDADANIA Maria Aparecida Santana Camargo, professora da Universidade de Cruz Alta, RS / UNICRUZ, doutoranda em Educação na Universidade do Vale

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE Fotografia: Rumos 1 Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE RESUMO O presente artigo descreve o processo criativo e produtivo da fotografia de capa da revista A Ponte

Leia mais

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO Denise Regina Stacheski - UTP denise.stacheski@utp.br Giselle Aparecida Athayde Massi - UTP giselle.massi@utp.br Introdução: O resumo estendido

Leia mais

A Força da Natureza no Dia da Independência 1

A Força da Natureza no Dia da Independência 1 A Força da Natureza no Dia da Independência 1 Ricardo Jose TORRES 2 Marcelo Jose BOTH 3 Janaína PATZOLD 4 Franciele VISENTIN 5 Vanessa NORA 6 Leoní SERPA 7 UNOESC - Universidade do Estado de Santa Catarina

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Sexualidade romana no filme documentário

Sexualidade romana no filme documentário Sexualidade romana no filme documentário Victoria Regina Vóros Universidade Sagrado Coração e - mail: vicvoros_shaman@hotmail.com Lourdes M. G. Conde Feitosa Universidade Sagrado Coração e - mail: lucondef@bol.com.br

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

O Jornalismo e a Infografia dos Veículos Impressos como Textos da Cultura *

O Jornalismo e a Infografia dos Veículos Impressos como Textos da Cultura * O Jornalismo e a Infografia dos Veículos Impressos como Textos da Cultura * Ana Paula Machado Velho Universidade Estadual de Maringá Centro Universitário de Maringá Índice 1. Introdução 1 2. História 2

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DO CORPO MASCULINO NA REVISTA MEN S HEALTH

REPRESENTAÇÕES DO CORPO MASCULINO NA REVISTA MEN S HEALTH REPRESENTAÇÕES DO CORPO MASCULINO NA REVISTA MEN S HEALTH Tamara Salviano Martins, Jaqueline Cardoso Zeferino, Maria Elisa Caputo Ferreira. Universidade Federal de Juiz de Fora. As representações sociais,

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÕES

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais