DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA INFORMATIZADO PARA GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE PEIXES - GRUPO DE PESQUISA: CIÊNCIA, INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA INFORMATIZADO PARA GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE PEIXES - GRUPO DE PESQUISA: CIÊNCIA, INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA INFORMATIZADO PARA GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE PEIXES - GRUPO DE PESQUISA: CIÊNCIA, INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA SHEILA M. GARCIA; RICARDO FIRETTI; DALTON S. SALES. APTA REGIONAL/ALTA SOROCABANA, PRESIDENTE PRUDENTE, SP, BRASIL. POSTER CIÊNCIA, INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA. Desenvolvimento de sistema informatizado para gestão do processo de produção de peixes Grupo de Pesquisa: Ciência, Inovação Tecnológica e Pesquisa Resumo Tendo em vista a expansão da piscicultura na última década, com produção estimada em toneladas de pescado para 2006, a atividade tornou-se uma interessante opção de investimento no agronegócio. Diversos produtos e tecnologias têm sido gerados no país, visando melhorias no processo produtivo e a consolidação da criação. Neste contexto, foi delineado um software de gerenciamento que recebeu o apoio financeiro do Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP. Seu objetivo era viabilizar uma ferramenta para auxiliar no gerenciamento do processo de produção de peixes, e que envolvesse o controle técnico e econômico das diferentes fases da criação, possibilitando a rastreabilidade de produtos e a implementação de programas de melhoramento genético. Para isso, foram captadas informações em fontes secundárias (literatura) e em entrevistas estruturadas a 21 empresas ligadas à produção de peixes. Esses dados foram avaliados estatisticamente, por meio de análise multivariada (análise de agrupamento; análise fatorial em componentes principais; e análise de correspondência), no aplicativo STATÍSTICA 6.0 da StatSoft Inc., no qual foram identificados seis agrupamentos de empresas e sete fatores principais (tempo na atividade; mão de obra; internet; gerenciamento; sistema de produção; características empresariais; e informática) que explicavam 84,91% da variância amostral. 1

2 A análise de correspondência dos dados indicou que o principal usuário do software tinha a função de gerente de produção nas empresas amostradas. Através de análise das entrevistas, associada ao levantamento secundário, foi possível compor a abrangência do software de gerenciamento. No delineamento do protótipo definiu-se que o software será programado com os aplicativos VISUAL BASIC.NET 2005; SQL-SERVER 2005; INSTALL SHIELD 11; CRYSTAL REPORTS; e CHART DIRECTOR Palavras-chaves: software agropecuário; inovação tecnológica; piscicultura; aqüicultura; gestão. Abstract In view of the expansion of fish culture in the last decade, with production esteem in tons of fishs in 2006, the activity became an interesting option of investment in the agribusiness. Diverse products and technologies have been generated in the country, aiming improvements in the productive process and the creation consolidation. In this context, a management software was delineated receiving the financial support from the Program of Technological Innovation in Small Companies - FAPESP, whose objective to make possible a tool to assist in the management of the process of production of fish, and that involved the technician and economic control of the different phases of the creation, making possible the rastreability of products and the implementation of programs of genetic improvement. For this, information in secondary sources (literature) and structuralized interviews with 21 companies related with fish production had been caught. These data had been evaluated statistically by means of multivariate analysis (grouping analysis; factorial analysis in main components and analysis of correspondence) in applicatory STATÍSTICA 6,0 of the StatSoft Incorporation, in which six groupings of companies and seven main factors had been identified (time in the activity; workmanship hand; Internet; management; production system; enterprise characteristics and computer science) that they explained 84.91% of the sample variance. The analysis of correspondence of the data, indicated that the main user of the software would have the function of production manager. Through analysis of the interviews, associated to the secondary survey, it was possible to establish the main factors and variable of control of the activity, being composed the management software. In the delineation of the archetype it was defined that the software will be programmed with applicatory APPEARANCE BASIC.NET 2005; SQL-SERVER 2005; INSTALL SHIELD 11; CRYSTAL REPORTS; and CHART DIRECTOR. Key Words: software; technology innovation; fish culture; aquaculture; management. 1. INTRODUÇÃO Nos últimos dez anos a aqüicultura se tornou uma atraente opção de investimento no agronegócio. A atividade cresceu tanto em estruturas empresariais quanto familiares, sobretudo a criação de crustáceos e de peixes. Em 1996, a produção de peixes em cativeiro era de 75 mil toneladas por ano. Atualmente, segundo o Departamento de 2

3 Desenvolvimento da Aqüicultura da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República, a produção nacional é de 210 mil t/ano (Figura 1). O acentuado crescimento da atividade está em consonância com pesquisas do organismo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, 2000). Segundo os estudos, a aqüicultura será a principal fonte de proteína de pescado para as próximas décadas. A contínua redução dos estoques naturais vem diminuindo a viabilidade da pesca extrativa. Ao mesmo tempo, a cadeia produtiva da piscicultura se desenvolveu no Brasil. Arranjos produtivos locais (APLs) em vários pontos do País têm reunido os segmentos de insumos, produção e beneficiamento em regiões específicas. A atividade passou a ser conduzida de modo mais profissional e seus canais de distribuição foram diversificados. Em 1996, a produção era vendida diretamente aos consumidores ou a pesqueiros espalhados pelo eixo Sul Sudeste. Hoje em dia os consumidores de centros urbanos grandes e médios têm acesso aos peixes cultivados. Pacus, pintados e tilápias criados em cativeiro estão à venda nas peixarias dos principais supermercados. Figura 1. Evolução da produção de peixes de cultivo no Brasil de 1989 a * Valor estimado Fonte: Firetti e Sales (2007). 3

4 A piscicultura brasileira já contribui com os saldos positivos da balança comercial do agronegócio brasileiro. De janeiro a dezembro de 2006 foram exportadas 165 toneladas de tilápia para a Europa e os Estados Unidos. Peixes inteiros congelados, filés congelados e filés frescos obtiveram o valor de R$ 1,15 milhões na exportação. Espécies nativas, ainda que de forma discreta, têm sido exportadas para diversos países europeus. Também houve um salto em relação aos sistemas de produção e ao desenvolvimento de novas tecnologias, sobretudo no que diz respeito ao aproveitamento de reservatórios de água. A adoção de tanques-rede permitiu que fosse alcançada maior produtividade, tanto em pequenos açudes de propriedades rurais, como nas grandes represas das hidrelétricas. Houve ainda uma expansão no parque fabril de produção de rações comerciais, que atualmente, têm mais eficiência para a conversão alimentar, possuem mais micronutrientes e flutuam melhor. A consolidação do setor apóia-se ainda na qualificação de recursos humanos, ocorrendo a melhoria na formação de profissionais de ciências agrárias, especializados em produção aqüícola, e expansão dos cursos de pós-graduação na área. Firetti e Sales (2007) apontam a necessidade premente de obter ganhos de escala nos sistemas produtivos da tilápia, e de aumentar a eficiência e rigidez no controle dos processos, além de reduzir custos com a utilização de ferramentas de gestão no processo produtivo, pois parte desses objetivos pode ser alcançada com um planejamento correto da atividade. Cada vez é mais necessário que os piscicultores equacionem problemas de volume de produção e periodicidade da oferta do produto, pois a atividade entrou na realidade comercial e passa a ser encarada não mais como oportunidade de ganhos econômicos elevados, como o ocorrido nas décadas de 80 e 90, e sim como agronegócio, que precisa ser gerenciado de forma empresarial e profissional. Existe forte demanda para o desenvolvimento de um software de gerenciamento que venha a atender as especificidades da piscicultura. Desta forma, poder-se-ia contribuir para o crescimento da produção de peixes devido aos ganhos de eficiência proporcionados pelo uso da informática na gestão das diversas fases constituintes desta atividade. 4

5 Esta ferramenta elevaria a eficiência do controle técnico e econômico das diferentes etapas da criação (reprodução, incubação, cria e recria) e daria maior agilidade para a tomada de decisões administrativas. Além disso, abrir-se-ia a possibilidade da transferência de dados entre usuários e administradores do sistema pela INTERNET, facilitando as relações entre empresas, empresários, prestadores de serviços técnicos, associações ou cooperativas de produtores. Outro ponto de destaque é a rastreabilidade que esses sistemas proporcionariam, auxiliando na implantação de um programa de melhoramento genético animal, fundamental para a melhoria de índices zootécnicos, além da possibilidade efetiva de implementação de um sistema de certificação da produção. Atualmente, o que se tem para venda aos piscicultores são programas de computador que apenas auxiliam no controle técnico e econômico da atividade de forma inespecífica ao sistema de produção. São INCAPAZES de agendar e indicar tarefas relacionadas ao manejo da criação, emitir planilhas de tarefas cotidianas, certificarem a rastreabilidade, visualizar todo o processo de criação na tela do computador e implementar programas de melhoramento genético. Assim, objetivou-se, com apoio financeiro do Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas da FAPESP, delinear um protótipo de sistema de gerenciamento para auxiliar no controle, armazenamento, organização e processamento de dados técnicos, econômicos, inclusive os itens de estoque e agendamento de quaisquer atividades de manejo, tendo interface gráfica amigável, possibilitando a visualização de todas as estruturas de produção, de forma conjunta ou independente, e a emissão de relatórios personalizados contendo informações gráficas. O projeto de pesquisa foi solicitado à FAPESP pela empresa Sales e Macedo Assessoria Empresarial (TECNOPEIXE), sediada em Valinhos, em associação com a pesquisadora Sheila Merlo Garcia, coordenadora e responsável pelo desenvolvimento das atividades científicas perante a agência de fomento. 2. METOLOGIA DE PESQUISA 5

6 2.1. Levantamento de dados pertinentes ao sistema Foram coletados dados dos principais indicadores técnicos e econômicos passíveis de controle nas diferentes fases da criação através da prospecção de fontes secundárias e principais. DADOS SECUNDÁRIOS Os dados secundários estavam presentes em publicações do meio acadêmico, enquanto que os dados principais foram gerados a partir de levantamento, pois segundo KOTLER (1996), isto propiciaria um campo mais amplo de informações sendo eficaz para o planejamento de características de produtos. DADOS PRINCIPAIS Para o levantamento foram visitadas 12 empresas de piscicultura, levando-se em consideração o sistema de produção, destaque comercial, experiência na atividade, gestão empresarial, e disponibilidade em receber os pesquisadores. A seleção das empresas não respeitou uma amostragem intencional (não probabilística), como indicado por COBRA (1992) e SILVA et al. (2001), devido às restrições de tempo que impedem a realização de avaliações mais formais. As metodologias de pesquisa em cadeias agropecuárias também apontam para amostragem não-probabilística nas etapas de coleta de informações adicionas para diagnóstico, sendo necessário, a escolha de experts ou agentes chaves da cadeia (SEBRAE, 2000). Silva e Batalha (1999) apontam a necessidade, nesses casos, do desenvolvimento de um procedimento alternativo de mensuração dos resultados, razão pela qual, optou-se pela utilização de recursos multivariáveis que possibilitem a agregação de variáveis em fatores, o agrupamento em classes e a identificação de correspondências entre variáveis, cujo método já fora utilizado em outras duas oportunidades (Firetti, 2003; 2004). Durante as visitas foram entrevistados proprietários e/ou responsáveis técnicos das propriedades, seguindo roteiro semi-estruturado de 90 questões abertas e fechadas estabelecidas após a coleta de dados secundários (Almeida, 1989). 6

7 Outras 9 empresas, indicadas pela TECNOPEIXE, foram consultadas mediante entrevista telefônica. Neste caso, utilizou-se o método de pesquisa rápida, ou quick appraisal, que segundo Silva et al. (2001), tem sido aplicado quando as restrições de tempo ou de recursos financeiros impedem a realização de avaliações mais formais, aproveitando, de forma combinada, recursos dos métodos de coleta anteriormente mencionados e no qual o rigor estatístico é desconsiderado. O roteiro baseou-se nas questões aplicadas às pisciculturas visitadas, excluindo-se apenas aquelas que dizem respeito ao controle gerencial do sistema de produção, porque, em decorrência do perfil das 12 empresas selecionadas, foi possível levantar informações suficientes para a caracterização do processo de gerenciamento. Assim, a entrevista telefônica, teve como objetivo abranger especificidades relacionadas ao sistema e estruturas de produção, eventualmente não encontradas nos 12 casos iniciais. Durante as entrevistas os dados pesquisados eram armazenados diretamente em banco de dados Microsoft Access que foi posteriormente transformado em planilha do Microsoft Excel para tabulação e codificação, a fim de submetê-los à análise estatística. ANÁLISE ESTATÍSTICA: Os dados coletados a partir das entrevistas pessoais e por telefone, em 21 empresas de piscicultura no Brasil, foram submetidos à Análise de Agrupamento com método de COMPLETE LINKAGE e medida de distância de ligação estipulada por meio de Percente Disagreement; Análise Fatorial em Componentes Principais com rotação ortogonal VARIMAX RAW, sendo marcados os índices acima de 0,57; e Análise de Múltipla Correspondência entre todas variáveis em comum do gerente de produção e do provável usuário. Foram utilizados recursos do Software STATISTICA, versão 6.0, da Microsoft Co., Tulsa, EUA, Os dados utilizados na análise estatística são originados do banco de dados formado pelas entrevistas, e passaram uma simplificação a partir da exclusão de certas categorias de respostas que não haviam sido executadas nos dois processos de levantamento. As variáveis analisadas foram: Empresa: área total; área lamina de água; tempo de atividade; principal produto; produtos secundários; funcionários homens; funcionárias mulheres; total de funcionários; 7

8 técnicos de nível superior; formação de técnicos; canais de comercialização; existência de computadores nas empresas; acesso à internet. Sistema de Produção: mecanismo de análise de água; fases de produção que desenvolve; espécies de peixes adotadas; sistema de produção; estruturas de produção; alimento utilizado; freqüência de alimentação diária (máxima). Perfil do gerente de produção: idade; escolaridade; formação técnica; conhecimento em informática; tempo de atividade; tempo na empresa; condição na empresa; acesso à internet. Gerenciamento: controle de custos de produção; metodologia de custos de produção; responsabilidade pelos dados coletados; ferramenta de coleta de dados; método de armazenamento das informações; responsabilidade pela análise; tabulação dos dados Perfil de usuário: sexo; idade; escolaridade; formação técnica; conhecimento em informática; tempo de atividade; tempo na empresa; condição na empresa; acesso à internet; atribuições do usuário. O ordenamento dos dados seguiu uma tendência de utilização de variáveis que tivessem sido contempladas tanto nas 12 entrevistas pessoais, como nas 9 entrevistas telefônicas, sendo que os dados (não numéricos) foram codificados seguindo uma ordem lógica crescente, de acordo com sua importância no banco de dados, e em função de características da atividade de piscicultura. - Análise de Agrupamento O objetivo dessa técnica estatística é repartir os indivíduos em grupos homogêneos, de forma que cada grupo seja bem diferenciado dos outros e, normalmente, o resultado é uma hierarquia representada por dendrograma (árvore hierárquica), que ocorre a partir dos valores das coordenadas de casos e variáveis nos eixos fatoriais (Judez, 1988). Ao se escolher um nível elevado de corte, obtém-se um número pequeno de grupos, ocorrendo o contrário, se o nível de corte for mais baixo. De acordo com Bussab et al. (1990)... o nível de corte do dendrograma deverá ser realizado analisando-o de forma a buscar alterações significativas dos níveis de similaridade entre as sucessivas fusões obtidas. 8

9 Para facilitar a composição dos grupos de elevado grau de similaridade, foram utilizadas as 23 principais variáveis referentes ás Empresas, Sistema de Produção, Gerenciamento e Perfis do Gerente de Produção e Usuário Potencial do Sistema. - Análise Fatorial em Componentes Principais No princípio todas as informações passíveis de análise foram transformadas em variáveis, mas durante o processo de ajuste, notou-se que algumas não obtinham correlação com os fatores, ou possuíam elevada correlação com diversos fatores, sendo então excluídas a fim de maximizar a análise, como indicado por De Rosa (1999). Segundo De Rosa (1999), a rotação VARIMAX busca fazer com que algumas cargas fatoriais aproximem-se de 1, denotando grande associação da variável ao fator, e outras, de 0, indicando exatamente o oposto. O mesmo autor aponta que a recomendação técnica para amostras com mais de 350 casos, considera significativas, as cargas fatoriais (correlação entre variável e fator) superiores a 0,30. - Análise de Correspondência A Análise de Correspondência (AC), proposta em 1960 por Benzécri, e citado por Bourruche & Sapora (1980), tornou-se um ótimo instrumento para análise qualitativa, devido a suas propriedades matemáticas e pela riqueza de suas interpretações. Nos casos em que uma das variáveis possuía apenas dois itens de resposta, foi necessário utilizar técnica similar, de múltipla correspondência, que possui basicamente a mesma finalidade da análise de correspondência e é indicada pelos autores Silva e Verdinelli (1997) Análise das Alternativas de Software de Apoio à Elaboração do Sistema As análises foram realizadas principalmente no tocante à caracterização do perfil do usuário, buscando alternativas que facilitassem a utilização do produto, e sua expansibilidade. Preocupou-se com a utilização de um banco de dados compatível com ferramentas estatísticas de melhoramento genético, que gerasse arquivos compactos e enviáveis via Internet, e que pudesse ser associado a plataformas de programação permitindo excelente 9

10 definição na interface gráfica. Para isto, foram consultados especialistas da área de melhoramento genético animal, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1. Levantamento de dados pertinentes ao sistema DADOS SECUNDÁRIOS Os dados secundários pesquisados priorizaram o campo de informações sobre a estruturação produtiva da atividade, e com isso pôde-se saber como funciona o processo de produção de peixes, considerando principalmente as diferenças entre os sistemas, as espécies, as particularidades de cada fase de criação, e as atividades de manejo. As informações mais importantes para o controle e gerenciamento de uma piscicultura, serviram de parâmetros para a elaboração de relatórios, gráficos e indicadores zootécnicos e econômicos fornecidos pelo software. DADOS PRINCIPAIS ANÁLISE ESTATISTICA - Análise de Agrupamento (Clusters) Formaram-se seis grupos de empresas a partir da Análise de Agrupamento utilizando teste de ligação baseado em Complete Linkage, com medida de distância de ligação estipulada por meio de Percente Disagreement. A distância de ligação entre as empresas, utilizada na árvore hierárquica, foi estipulada em 0,75 (Figura 5). Figura 5. Arvore Hierárquica das Empresas Consultadas. 10

11 Fonte: Dados da Pesquisa. O GRUPO 1 tem como principal canal de comercialização o segmento de produção de peixes e as empresas envolvidas utilizam como alimentação a combinação entre fertilização de viveiros e rações extrusadas. De forma geral, as empresas têm como estruturas de produção incubadoras e viveiros. Possuem computador em seu parque de equipamentos, todavia utilizam ferramentas de coleta de dados simplificados, como cadernos de anotação. O GRUPO 2 resultou da composição de quatro empresas. Também tem o segmento de produção de peixes como o principal canal de comercialização, mas diferem do grupo anterior em relação ao seu maior grau tecnológico. Além de berçários para a estocagem das pós-larvas, também possuem computadores nas empresas, e com efetiva utilização da informática, pois os dados são coletados por meio de planilhas de computador impressas, posteriormente armazenados em softwares (Excel) e tabulados na forma de gráficos e tabelas. O monitoramento da qualidade da água é feito com kits químicos e equipamentos eletrônicos. Da mesma forma que os grupos anteriores, o GRUPO 3 tem a produção de peixes como segmento alvo na comercialização, vendendo principalmente alevinos, mas com juvenis ou peixe gordo como produtos secundários, realizando, portanto, outras etapas do processo produtivo. 11

12 As empresas do Grupo 3 estão na atividade de piscicultura há pelo menos uma década, acima da média encontrada nesta amostragem, e possuem o maior número de funcionários, em torno de 15, também acima da média da amostra. Os gerentes de produção têm nível superior de escolaridade e as análises de água são realizadas através de kits químicos associados a equipamentos eletrônicos. Existe ao menos um computador na empresa. As empresas do GRUPO 4 realizam a engorda de espécies nativas, além de outras, e comercializam, como principal produto, peixe gordo ou processado. O sistema de produção é intensivo, embora uma delas faça uma etapa da criação em raceways. Os gerentes de produção têm nível superior de escolaridade, e percebe-se que a informática já faz parte da rotina administrativa das empresas, pois apenas uma não possuía computador, embora seu gerente o tenha, mas os dados são coletados por meio de planilhas de computador impressas, posteriormente armazenados em softwares (Excel e outros) e tabulados na forma de gráficos e tabelas. No GRUPO 5, as empresas realizam a engorda de tilápias em tanques rede, possuem sistema de produção superintensivo e comercializam peixe gordo e processado. Têm viveiros escavados e tanques-rede como estruturas de produção e utilizam rações extrusadas como alimento para os peixes. As empresas têm computadores e seus gerentes de produção possuem nível superior de escolaridade. Por fim, o GRUPO 6 foi composto pelas empresas com largo tempo de atividade (15 anos), que tem o peixe gordo como principal produto comercializado, e pós-larvas como produto secundário. Todavia este grupo reúne as empresas com menores números de funcionários, sem técnicos de nível médio ou superior, não possuem computadores ou acesso à internet e tabulam os dados de controle na forma de tabelas simplificadas. Contam, basicamente, com a experiência acumulada ao longo do tempo por seus gerentes de produção. De forma geral, a Análise de Agrupamento indicou a separação de dois grandes conjuntos na amostra, formados pelas empresas que trabalham principalmente com a comercialização de alevinos e/ou juvenis (GRUPOS 1 A 3), e as empresas que 12

13 desenvolvem atividades com a finalidade de comercializar peixes gordo e/ou processado (GRUPOS 4 A 6). - Análise Fatorial em Componentes Principais Aplicando-se o método estatístico, foram extraídos sete (7) fatores, considerando como nota de corte autovalores superiores a 1, e cuja variância acumulada explicam 84,91% da variância total da amostra (Quadro 1). No Quadro 2, é possível visualizar os coeficientes de correlação entre as variáveis selecionadas e os sete fatores, sendo marcados os índices acima de 0,57. Nesta análise foi utilizada a rotação ortogonal VARIMAX RAW, a fim de maximizar a expressão dos valores de coeficiente de correlação. Quadro 1. Autovalores e percentual das variâncias totais e acumuladas para sete fatores e 30 variáveis relacionadas. Extração: Componentes Principais Autovalores Variância Autovalores Variância (% Total) Acumulados Acumulada (%) 1 7,28 24,25 7,28 24,25 2 5,35 17,85 12,63 42,10 3 3,83 12,78 16,46 54,87 4 3,11 10,38 19,57 65,25 5 2,61 8,69 22,18 73,93 6 1,76 5,87 23,94 79,80 7 1,53 5,11 25,47 84,91 Fonte: Dados da Pesquisa. Quadro 2. Coeficientes de correlação entre as variáveis analisadas e os fatores. 13

14 Fonte: Dados da pesquisa. O FATOR 1 explica 24,25% da variância total e tem correlações significativas com as variáveis ligadas ao tempo de atividade da empresa (TpoAtvd), gerente de produção (GtpoAtvd+GTpoEmp) e usuário em potencial do sistema de gerenciamento (UtpoAtvd+UtpoEmp). Representaria, portanto, o TEMPO NA ATIVIDADE. As cargas fatoriais das variáveis encontradas são negativas, o que denotaria um número maior de observações abaixo das médias encontradas, ou seja, grande parte das empresas, gerentes e usuários identificados pelo levantamento, teriam tempo na atividade (Figuras 6 e 7) e tempo de empresa abaixo da média amostral. O FATOR 2 representa a MÃO DE OBRA empregada nas empresas contatadas, pois agrega as variáveis referentes ao total de funcionário (FunTot), número de funcionários mulheres (FunMul) e homens (FunHom), número de técnicos de nível superior (TecSup) e a formação desses técnicos (TecForm). Explica 17,85% da variância total e juntamente com o Fator 1, constituem 42,10% da variância amostral. Em média, as empresas amostradas empregam 10,14 funcionários com carteira assinada, dos quais 1,66 mulheres e 8,47 homens. Sete empresas (33,33%) não possuem técnicos de nível superior, enquanto outras cinco possuem pelo menos três técnicos em 14

15 seus quadros. Quanto à formação dos profissionais 33,33% têm técnicos formados na área de ciências agrárias. O FATOR 3 explica 12,78% da variância e representam o ACESSO A INTERNET de parte da mão de obra envolvida nas empresas consultadas (Ginternet+UInternet), apresentando cargas fatoriais extremamente elevadas (0,90 e 0,89, respectivamente). Cerca de 50% dos gerentes de produção e prováveis usuários principais do sistema possuem acesso à internet via banda larga, ou seja, por conexões de alta velocidade, enquanto 19,47% dessas pessoas não possuem acesso em seu domicílio particular. O FATOR 4, responsável por 10,38% da variância amostral, trata do GERENCIAMENTO DA ATIVIDADE, pois agrega as variáveis referentes a esse quesito, como a idade do gerente de produção (Gidade), a condição do gerente na empresa (Gcondção), as ferramentas utilizadas para coleta de dados (DdFerram), a forma de armazenamento de dados na empresa (DdArmaz) e por fim, a forma de tabulação dos dados (DdTabul). As cargas fatoriais negativas obtidas nas variáveis referentes à idade (-0,57) e condição do gerente (-0,71), denotam a baixa idade da maioria desses profissionais e a condição que ocupam nas empresas. Cerca de 47,67% dos gerentes têm no máximo 35 anos, enquanto 33,33% são contratados especificamente para desempenhar a função, mostrando o profissionalismo na gestão dessas empresas. Em relação ao gerenciamento de dados controlados pelas empresas, 66,66% delas utilizam planilhas na coleta de informações, 61,90% utilizam algum software para armazenamento de dados, e 52,38% analisam os dados com o auxílio de gráficos junto a tabelas. O FATOR 5 se refere ao SISTEMA DE PRODUÇÃO no qual fazem parte as variáveis referentes à área de lâmina de água (Lamina), o sistema de produção desenvolvido (SistemProd), a formação técnica do gerente de produção e usuário em potencial do sistema (GForm+UForm), e a responsabilidade pela análise dos dados controlados (DdAnalise). Corresponde a 8,69% da variância amostral. 15

16 A área de lâmina d água das empresas foi uma das variáveis que mais oscilaram em toda a amostragem, em virtude dos diferentes sistemas de produção de peixes investigados. Em princípio, empresas que desenvolvem sua produção em viveiros escavados demandam maior área alagada do que outras empresas que produzem peixes em tanques rede ou raceways (superintensivo). Na formação técnica do gerente de produção, 14,28% não possuíam formação, 14,28% eram biólogos, 23,80% eram zootecnistas e 33,33% possuía outra formação superior não agrária. Em relação à responsabilidade pela análise de dados, 14,28% das empresas tinham o proprietário como principal responsável, 33,33% tinham os gerentes de produção e 38,09% adotavam a análise participativa entre funcionários. O FATOR 6 compreende 5,87% da variância dos dados e é composto pelas variáveis referentes ao principal produto gerado pelas empresas (PrincProd), ao canal de comercialização utilizado (Comerc), às fases de produção que desenvolvem (FaseProd) e às estruturas de produção que possuem (EstrProd). Desta forma, pode ser considerado o fator de CARACTERÍSTICAS DAS EMPRESAS. O último (FATOR 7), explica 5,11% da variância dos dados, e retrata a utilização de INFORMÁTICA pelas empresas, sendo composto por variáveis ligadas a questão tecnológica, como utilização de computadores nas empresas (Computador), acesso à internet pela empresa (Internet) e níveis de conhecimento em informática dos gerentes de produção e usuários (GconhInfo+UconhInfo). De forma geral, o nível de conhecimento em informática dos gerentes de produção é altamente satisfatório, pois em 90,52% das empresas o gerente possuía algum conhecimento em informática, mesmo que pequeno, enquanto que em 85,71% possuía computador. Com a análise multivariada, foi possível notar maior influência na variância amostral por parte dos dados ligados a questões como o TEMPO na atividade, QUALIFICAÇÃO e NÚMERO de FUNCIONÁRIOS e no GERENCIAMENTO da produção de peixes. Em contrapartida, variáveis ligadas ao SISTEMA de produção adotados pelas empresas assim como suas CARACTERÍSTICAS produtivas, e acesso a 16

17 tecnologias ligadas à INFORMÁTICA, não influenciaram de forma incisiva na variância dos dados. Outra questão interessante foi a pequena influência exercida por variáveis como mecanismos de análise de água, espécie de peixe criada e alimento utilizado na variância amostral, que não obtiveram cargas fatoriais suficientes para sua inclusão nos fatores sem que afetassem a análise como um todo. - Análise de Correspondência Foi realizada a Análise de Múltipla Correspondência entre todas variáveis em comum do gerente de produção e do provável usuário para observar a tendência dos dados. Os resultados apontam para a grande semelhança nas classes de respostas das variáveis, indicando que o principal usuário do software tinha a função de gerente de produção nas empresas amostradas (Figura 7). Figura 7. Correspondência: Gerente de Produção X Usuário Direto Fonte: Statistica 6.0 e Dados da Pesquisa Análise das Alternativas de Software de Apoio à Elaboração do Sistema A programação do sistema utilizará os seguintes recursos de software: VISUAL BASIC.NET 2005: linguagem de programação de autoria da empresa Microsoft, que faz parte integrante do pacote Microsoft Visual Studio.Net. Trata-se de um ambiente de desenvolvimento integrado no qual se pode desenvolver, executar, testar e depurar aplicativos. SQL-SERVER 2005: banco de dados relacional (RDBMS) com suporte a multiusuários, baseado em SQL (Structured Query Language). Sua utilização como banco de dados em sites Internet, notadamente e-commerce, vem crescendo rapidamente. 17

18 INSTALL SHIELD 11: ferramenta que combina eficiência e flexibilidade para a criação de instaladores, independente da plataforma, sistema operacional e dispositivos móveis, permitindo a criação de instalações no Windows (MSI ou InstallScript) e em plataformas cruzadas. Trata-se da ferramenta utilizada para criar o mecanismo de instalação do futuro software de gerenciamento. CRYSTAL REPORTS: melhor ferramenta de geração de relatórios, reconhecida pela Microsoft (Garcia, 2004), sendo possível desenvolver excelentes relatórios, acessar dados facilmente, projetar relatórios rapidamente, e exportar relatórios para uma grande variedade de formatos populares (PDF, Word, Excel, XML, HTML). CHARTDIRECTOR: Recurso específico para geração de gráficos de diversos formatos, inclusive utilizando duas variáveis diferentes, indisponível no Microsoft Excel, ferramenta amplamente difundida no gerenciamento das atividades agropecuárias. Possui excelente design gráfico e será utilizado complementarmente ao Crystal Report na geração de relatórios do sistema. 4. CONCLUSÃO Inicialmente é previsto o desenvolvimento de um sistema especialista que contemple apenas o processo produtivo, desde os lotes de peixes adquiridos (ovos, larvas, pós-larvas, alevinos e juvenis) até sua comercialização final ou destinação como reprodutor. O processo reprodutivo realizado na piscicultura, por questões metodológicas e comerciais, será contemplado em outra oportunidade, pois esta etapa da criação de peixes exige uma série de especificidades que encareceriam o projeto, e em princípio teria mercado restrito. Esta proposta foi sugerida pela Empresa Contratada, durante a execução da FASE 1 do projeto de pesquisa. O sistema delineado pelo projeto de pesquisa, pode auxiliar no controle e armazenamento, organização e processamento de dados técnicos e econômicos, inclusive os itens de estoque e agendamento de quaisquer atividades de manejo na atividade, possuindo interface gráfica amigável, possibilitando a visualização de todas as estruturas de produção, de forma conjunta ou independente. 18

19 Outro fator interessante é a possibilidade de identificação e diferenciação das espécies de peixes que são criadas em consórcio ou policultivo na mesma estrutura de produção, em que se disponibilizaria informações inerentes a cada espécie, como biomassa, número de peixes, dados de biometrias, etc, aumentando o grau de controle e aferição de resultados produtivos. Para que se obtenha a maximização da mão de obra no setor produtivo, o sistema controlará as tarefas diárias de manejo, emitindo planilhas de anotação de cada estrutura, ou atividade, informando ao funcionário quais as tarefas a serem executadas, as informações a serem coletadas, e a localização e identificação do item que deve sofrer a tarefa. Em relação à abrangência de controle, prevê-se que o sistema possa controlar variáveis técnicas oriundas de diversas atividades de manejo, desde o estoque de insumos, até a comercialização dos lotes de peixes. São contemplados as principais atividades operacionais da piscicultura (biometrias, seleção e transferências, análise e correção da água, alimentação e despescas), estocagem de peixes, carteira de fornecedores e clientes, e estoque de insumos. Quaisquer tarefas ou eventos além dos citados podem ser cadastrados, sem limitação, pela empresa que adquirir o produto, maximizando o controle do processo produtivo e viabilizando a utilização do sistema numa atividade tão heterogênea em relação ao manejo como é a piscicultura. Além disso, será possível monitorar diversos indicadores zootécnicos e econômicos, medir a utilização da capacidade instalada e saber o histórico completo de todos os lotes de peixes que passarem pelas estruturas de produção. Os principais índices de desempenho da atividade serão relacionados à capacidade de suporte, biomassa (inicial e final), densidade de estocagem, ganho de peso, conversão alimentar, consumo médio de ração e taxa de mortalidade. Mediante a composição de custos, e contabilizadas as receitas do processo produtivo, será possível estabelecer indicadores econômicos como receita bruta, lucro operacional, índice de lucratividade e lucro puro. A família de relatórios disponível no sistema será composta por um conjunto básico, que deverá sofrer alterações de acordo com o avanço das etapas de homologação e 19

20 consolidação do protótipo, de maneira que ao final desse processo, seja possível disponibilizar um completo arsenal de informações gráficas e planificadas sobre a atividade produtiva. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, J.A. Pesquisa em extensão rural: um manual de metodologia. Brasília: Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior, p. BENZËCRI, J. P. L analyse des donnés. Tome II. L analyse des correspondances. Paris: Dunod, BOURRUCHE, R. SAPORA, N. Análise de dados. São Paulo: Atlas, COBRA, M. Administração de marketing. 2ed. São Paulo: Atlas p. Bibliografia: p ISBN X. DE ROSA, F. Significância prática em análise multivariada: um caso de aplicação de análise fatorial em dados de potencial de mercado bancário no Brasil. São Paulo. IV SEME AD, FAO The state of world fisheries and aquaculture FAO Information Division ISBN Disponível em: Acesso em 15/03/2003. FIRETTI, R. Programa Capacitação Rural - SEBRAE/SP: análise exploratória, caracterização dos participantes e pesquisa de opinião. Pirassununga: FZEA/USP, (Dissertação de Mestrado). 110p. FIRETTI, R. Sistema Integrado para Gestão do Processo de Produção de Avestruzes. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO DA SBI-AGRO, 2003, Porto Seguro. Anais do IV Congresso Brasileiro da SBI-AGRO FIRETTI, R., SALES, D.S. Ganho de produtividade na criação de peixes em tanque-rede. In: ANUALPEC Instituto FNP. São Paulo p GARCIA, M. Construindo relatórios (Crystal Reports) com Visual Studio In: Web Móbile Magazine Disponível em: 20

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS Promover o desenvolvimento socioambiental e econômico na região de influência do reservatório da EMPRESA por meio de ações de inclusão social e produtiva e melhoria

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo Viabilidade Econômica da Piscicultura. Piscicultura. PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo A novo agronegócio no Brasil O novo agronegócio exige profissionalização do produtor

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO 1. DO OBJETO Aquisição de licenças de uso perpétuo do software SPSS for Windows v. 17.0 (módulos base e table) 2. DA JUSTIFICATIVA Trata-se

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos

MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE ANIMAL. Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos MÓDULO DE AVALIAÇÃO DO RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMA DE RASTREABILIDADE ANIMAL Eduardo Ehlert Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos. Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens. Clientes

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos. Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens. Clientes Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Mobilidade Vantagens Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia que continua atual: Soluções Corporativas via Web;

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 12/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio FERNANDES, Kellen Cristina Campos 1 ; FIGUEIREDO, Reginaldo Santana 2 Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE Solução exclusiva GESTÃO INTEGRADA_ Gerenciar os aspectos administrativos e operacionais da cadeia de distribuição e armazenamento com o Open

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2012-2 SISTEMA GERENCIADOR DE REVENDAS DE COSMÉTICOS Alunos: BARROS,

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATIVIDADES COMPLEMENTARES DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Emerson Barros de Meneses

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015. 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) Edital nº002/2015 2º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2015 O INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT), Unidade de Pesquisa do Ministério

Leia mais

Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil

Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil Gestão da comunicação para projetos na área da construção civil Objetivo Desenvolver um mecanismo para gestão da comunicação entre os clientes e executores de projetos na área da construção civil. Objetivos

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica MetrixND especificações MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica Visão geral O MetrixND da Itron é uma ferramenta de modelagem flexível, bastante usada pelos principais serviços de previsão

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

LSoft SGC Gestão Empresarial

LSoft SGC Gestão Empresarial LSoft SGC Gestão Empresarial O LSoft SGC é um sistema de gestão dinâmico, eficiente e flexível idealizado para atender diversos segmentos de indústrias, comércios e serviços. O objetivo principal é tornar

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO A IFOUR Fundada em 2000, a ifour Sistemas conta com sedes em Viçosa e Muriaé. Atua no desenvolvimento de soluções completas para gestão empresarial (automação), envolvendo software e equipamentos para

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR

MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR A pesquisa científico-tecnológica de excelência depende de uma ótima infraestrutura que forneça aos pesquisadores os meios necessários para a realização de investigações de alto

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais