A Publicidade e Propaganda, Consideradas Ferramentas de Mercado da Comunicação, Contribuindo na Co-produção do Bem Público: um estudo de caso no CAPC.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Publicidade e Propaganda, Consideradas Ferramentas de Mercado da Comunicação, Contribuindo na Co-produção do Bem Público: um estudo de caso no CAPC."

Transcrição

1 A Publicidade e Propaganda, Consideradas Ferramentas de Mercado da Comunicação, Contribuindo na Co-produção do Bem Público: um estudo de caso no CAPC. Resumo Autoria: Luciana Pereira da Rocha, Maria Ester Menegasso, José Francisco Salm O presente estudo realiza um projeto de comunicação publicitária para a co-produção do bem público na instituição CAPC (Centro de Apoio ao Paciente com Câncer) na região de Florianópolis devido a uma necessidade latente de comunicação. O objetivo geral é realizar as peças publicitárias no projeto de comunicação na entidade focando promover a ação social bem como informação a todos os cidadãos. Partindo da premissa que a Publicidade e a Propaganda podem ser ferramentas a disposição de quem co-produz o bem público, realizou-se a produção de peças publicitárias baseadas em fatores que motivam os cidadãos a agir na sociedade em prol do bem comum. Para tal entendimento, foram levantados dados sobre a co-produção e administração pública para realização do projeto de comunicação publicitária. Palavras chave: Co-produção do Bem Público; Publicidade e Propaganda; Terceiro setor, Comunicação, Novo Serviço Público. 1. Introdução O tema do presente trabalho é demonstrar como a Publicidade e Propaganda, que são consideradas ferramentas de mercado da comunicação, podem contribuir para a co-produção do bem público, por meio de um estudo teórico e uma aplicação prática. Para realizar esse fim será realizado a conceitualização da comunicação, especificamente a Propaganda como ferramentas de mercado, o foco no cidadão no lugar do cliente/consumidor, o novo serviço público junto a co-produção, as motivações para que os cidadãos co-produzam e verificar como a Publicidade e Propaganda podem valer-se dessas motivações e tendo caráter informativo para fazer os cidadãos trabalharem para o bem público. Vale ressaltar que a Publicidade a Propaganda são consideradas ferramentas de mercado porque estão no contexto de mercado, tantos nos argumentos do capitalismo desenvolvido por Hirschman (2000) quanto na multidimensionalidade humana de Ramos (1989). Este estudo realizará o intento de relacionar dois opostos aparentes: ferramentas de mercado que especificam o como fazer com a co-produção que especifica o por quê e para que fazer. De forma que se conhecermos o porquê das ações e da implementação como afirma Denhardt e Denhardt (2003) por meio do projeto do novo serviço público, pode-se utilizar ferramentas de mercado a favor dessa nova categoria. Com o objetivo de verificar essa relação entre a ferramenta de mercado e a coprodução do bem público realiza-se um planejamento de comunicação com as peças publicitárias evocando as reações dos cidadãos e seu engajamento cívico. 1

2 2. Fundamentação Teórica 2.1 A visão de mercado O mercado constitui-se na esfera econômica, que segundo Ramos (1989) é apenas uma das esferas a ser considerada no paradigma paraeconômico. A teoria de delimitação dos sistemas sociais, defendida por Ramos (1989), ao realizar um modelo de análise e planejamento dos sistemas sociais considera o homem unidimensional, onde o mercado é a principal categoria para a ordenação dos negócios pessoais e sociais. Esta unidimensionalização é um tipo específico de socialização através da qual o indivíduo internaliza o caráter do mercado, e age como se tal caráter fosse o supremo padrão normativo. Acontece que os indivíduos, como cidadãos existentes, participam da esfera econômica de mercado, e ainda que não devam priorizar a mesma como única esfera existente, pode valer-se de suas ferramentas de mercado para desenvolver as outras esferas. Por esta razão que conforme Ramos (1989) a delimitação de cenários diferenciados para a vida humana sadia, é que os indivíduos devem se ajustar para a sociedade e saibam atuar em todas as dimensionalidades. Esta sociedade, composta de cidadãos, e segundo a visão de Denhardt e Denhardt (2003) ao contribuir para a teoria do Novo Serviço Público aflora o conceito de diálogo, democracia e participação cidadã. Ademais, deve-se considerar que a sociedade de mercado associada à Teoria da Delimitação dos Sistemas Sociais proposta por Ramos (1981), afirma que a sociedade de mercado quando delimita a dimensão da economia acaba tornando o homem um ser unidimensional, e dessa forma na sociedade os cidadãos não estão se vendo na multidimensionalidade que podem atuar. Conseqüentemente, ao ter consciência que o mercado dificilmente pode regular por si só o bem comum, tampouco o estado consegue dar conta de todas as demandas da sociedade, existindo uma lacuna da administração pública que o cidadão necessita atuar para chegar ao bem público, é que surge o conceito de co-produção para corroborar no exercício da cidadania. 2.2 Relação entre terceiro setor, cidadania e Co-produção como necessários. Existe uma relação direta entre as organizações do terceiro setor, a cidadania e a coprodução. Analisando o cidadão e seu comportamento em relação à co-produção do bem público, verificaremos que o cidadão para realizar a co-produção está inserido na sociedade e exerce a cidadania em organizações do terceiro setor. A sociedade está constituída de cidadãos que como homens políticos, segundo Hana Arendt (1997), estão inseridos na esfera pública e na esfera privada. Os homens, como ser político, atuam na comunidade e nas organizações, e estas organizações podem ser do terceiro setor, que conforme Hudson (2004), está composto por organizações cujos principais objetivos são sociais. Estes objetivos sociais giram em torno de valores mantidos pelas pessoas que acreditam nas mudanças necessárias, sendo assim, os cidadãos são aqueles que podem realizar a mudança. Observando que no Brasil, sobretudo a partir do final dos anos 90, as formulações sobre o desenvolvimento local vêm obtendo clara visibilidade e impregnando um conjunto ainda crescente de atores institucionais, dentro e fora das instâncias do governo (Silveira, 2001; França; Silva;Vaz;, 2002) dá lugar à dinâmica do terceiro setor. 2

3 O terceiro setor pode ser visto como um conjunto de iniciativas privadas com fins públicos, segundo Canton (2002) que enfatiza a relação Estado, iniciativa privada e sociedade civil como fundamentais para obtenção de resultados pretendidos. Existem fatores que prejudicam as organizações do terceiro setor, o primeiro deles é que estas organizações por serem sem fins lucrativos enfrentam dificuldades com a intensificação da concorrência e a divisão dos recursos escassos entre os vários setores, e este fator faz com que estas organizações sintam a necessidade de rever suas próprias estruturas de forma a manterem a sua sustentabilidade. Outro fator é a magnitude com a qual os problemas sociais brasileiros se intensificam têm superado as capacidades das organizações do Terceiro Setor de solucioná-los isoladamente, gerando pressões por parte da sociedade em governo e empresas (Sagawa, 2000; Quandt e Fernandes, 2003). De fato, a crescente do terceiro setor e da co-produção como atuantes nas instâncias sociais, defendem Santos, Ichikawa e Vieira (2005) é conseqüência de um Estado cada vez mais debilitado e cada vez mais incapaz de atuar como indutor do desenvolvimento, fazendo com que a questão social seja transferida para os governos locais e para as instituições da sociedade civil. Surge com a debilidade do estado a necessidade da co-produção, que pode ser definida, segundo Marschall (2004), como uma prestação de serviços mediante um processo, em que cidadãos e o governo dividem as responsabilidades que são compartilhadas na produção de serviços públicos, Na divisão de responsabilidades é que ocorre o desenvolvimento local da comunidade, como enfatiza Franco (2002) citando o desenvolvimento de cidades, municípios e regiões próximas. O estado pode contribuir para a co-produção se os governos empreenderem ações de planejamento e considerarem o ciclo de vida setorial objetivando identificar o estágio de desenvolvimento dos setores, delineando as estratégias e ações setoriais, face a uma perspectiva mais ampla de políticas lógicas para alcançar o desenvolvimento local. (Mauad e Martinelli, 2005). A co-produção, como tipo de cooperação passou a ser determinante para o sucesso das ações sociais (Kanter, 1990; Fischer, 2002) porque utilizar as forças em conjunto para atuar na sociedade é uma forma de sobrevivência, compartilhamento de recursos e vantagem competitiva (Wilk e Fensterseifer, 2003). A co-produção também foi designada de cooperação intersetorial entre empresas com fins lucrativos e organizações do terceiro setor defendida por Fonseca,Morri e Alves (2005) desde que tenham a participação de governo, setor privado sem fins lucrativos e cidadãos (Marçon e Escrivão Filho, 2001). Desta forma, co-produção consiste no envolvimento do cidadão na prestação de serviços e traz qualidade e eficiência aos serviços (Brudney e England. 1983) e este envolvimento surge de uma cooperação voluntária por parte dos cidadãos e do auxilio do governo. A co-produção depende da informação brindada aos cidadãos, da accountability que prioriza as responsabilidades, do diálogo entre as partes que co-produzem e da participação cidadã (Denhardt e Denhardt, 2003). 2.3 Comunicação: a publicidade e propaganda A propaganda e a publicidade são dois conceitos que não são sinônimos. Propaganda deriva do latim propagare, e teve seu início na propagação de ideologias por meio da religião, 3

4 enquanto o termo publicidade está relacionado a dar a conhecer produtos ou serviços (KLEPPNER,1999). A publicidade pode ter caráter comercial valendo-se de apelos emocionais e modelando o comportamento do consumidor (ROSLOW,LASKEY e NICHOLLS, 1993) enquanto a propaganda possui caráter ideológico e pretende vender idéias e valores específicos. A propaganda pode estar presente na publicidade e também nos discursos políticos, nas notícias dos meios de comunicação, em documentários, em produções cinematográficas e até no próprio meio acadêmico. A arte de persuasão da propaganda já era praticada pelos sofistas, filósofos que foram mestres na retórica, considerada arte do bem falar e da utilização do discurso persuasivo. Segundo Aranha (1993) foram os sofistas que procederam à passagem para a reflexão propriamente antropológica, centrando suas atenções na questão moral e política, apesar de serem freqüentemente acusados de superficialidade pronunciando um discurso vazio onde o foco era a forma e não o conteúdo. A Publicidade e Propaganda muitas vezes são acusadas da mesma superficialidade, mas sendo ela uma ferramenta de comunicação poderosa, pode ser utilizada também a favor da co-produção do bem público. Dessa forma, a Propaganda é uma ferramenta que pode co-produzir o bem público focando o cidadão em vez do cliente ou consumidor, disseminando valores e ideologias dos cidadãos. Como afirma Denhardt e Denhardt (2003), o novo serviço público não deve servir um cliente nem consumidor, e sim o cidadão, pois os dois primeiros apenas irão lutar pelo seu interesse próprio, maximizando o interesse individual enquanto o cidadão deve lutar pelo interesse público que é maior do que a soma de interesses individuais.vale ressaltar que alguns autores diferenciam o conceito de cliente e de consumidor, como Sheth, Mittal e Newman (2001) quando afirmam que nem sempre o usuário de um produto ou serviço é aquele que pagou por ele. Enfatizando que o consumidor é quem de fato utiliza o serviço, enquanto o cliente é aquele que paga por ele. Nesse caso o cidadão não pode ser considerado um consumidor ou cliente, já defendido por Denhardt e Denhardt (2003), porque no novo serviço público o cidadão não paga diretamente por aquilo que necessita e sim pelo o que é de interesse público. Considerando que para o cidadão exercer a cidadania em sua plenitude necessita de informação para ter confiança no governo, essa informação pode ser disseminada por meio da Propaganda que pode ser utilizada em prol do cidadão. Da mesma forma existem teorias que afirmam que o consumidor, agora visto como cidadão, se defronta com uma marca de alguma organização, afirma Brucks (1985) tende a fazer uma avaliação sobre a organização de forma rápida e direta, trazendo da memória tudo que lhe pareça relevante a respeito desta entidade. Focando esse assunto, deve-se valer inclusive da imagem que evoca ao cidadão determinada entidade, podendo transmitir ou não confiança dependendo da informação que lhe é brindada. Por outro lado, além da informação ao cidadão, se busca as motivações para coproduzir segundo a teoria de Alford (2002) em contrapartida com as de Cheskin (1964) que já afirmava que as motivações que levam as pessoas à agir não são totalmente ou ainda mesmo basicamente racionais e, assim sendo, não são válidos os procedimentos normais e diretos que se empregam para medir fatores objetivos. Por este motivo, ainda que se apresente a informação concreta na mensagem aos cidadãos, é necessário valer-se do emocional. A comunicação publicitária poder ser utilizada para a co-produção do bem público e sua importância consiste em alcançar os objetivos das estratégias delineadas pelas organizações e brindar informação aos cidadãos para que os mesmos possam estabelecer o diálogo e interagir com o meio. Para este fim explora-se a atividade de mercado, especificamente a comunicação publicitária, com o intuito de servir para a co-produção do bem público. 4

5 Na realidade econômica a Propaganda pode ser de utilidade pública objetivando promover comportamentos e ações comunitariamente úteis, como defende Sampaio (1999) quando aborda campanhas de cidadania e limpeza das ruas, respeito às leis de trânsito, campanhas contra drogas, campanhas de doação de sangue entre outras. O autor afirma que a propaganda é uma arte, ciência e técnica ao planejar, produzir e emitir mensagens que por sua vez podem ser de causas comunitárias, sociais, de fundo cultural, de utilidade pública, caráter beneficente ou de fundo cívico. Sendo assim, a propaganda pode ser uma ferramenta utilizada para a co-produção do bem público uma vez que dissemina informações de utilidade pública podendo mover os cidadãos aos objetivos e interesses públicos, e ainda mais considerando que a democracia brasileira possui cidadãos alastrados em um grande território diferenciando-se da polis grega, por essa razão, mais do que nunca, deve-se manter os cidadãos informados por meio de veículos de comunicação que se valem criatividade para transmitir mensagens (Dualibi e Simonsen 2000) como é caso da propaganda atualmente. Utilizando as mesmas ferramentas que o mercado utiliza, entretanto em benefício dos cidadãos é possível atuar para que exista maior confiança no governo e todos trabalhem juntos pelos interesses públicos. E se todos trabalharem para o bem comum podemos alcançar a multidimensionalidade humana com homens parentéticos (Ramos,1989) que realizem uma reflexão sobre o meio em que está inserido, permeando toda uma sociedade. 2.4 Publicidade para co-produzir As estratégias de marketing constantemente utilizadas na economia de mercado, visando preço, concorrência, vendas, consumidor e lucro (Cobra, 1992; Kotler, 1993; Sandhusen, 1998) podem servir para co-produção quando retira-se as variáveis mercadológicas focando na estratégia de comunicação, mais precisamente no planejamento da Publicidade e Propaganda (Cobra, 1991). O planejamento da publicidade e propaganda,está composto segundo Kleppner (1990) por dois elementos fundamentais para a realização das peças publicitárias: a mensagem que deve ser disseminada e o público que deve ser atingido. O primeiro elemento que é a mensagem é fundamental para enviar as informações necessárias e da maneira mais clara possível. O segundo elemento, que é o público, e aqui tratado como cidadãos, deve ser definido para entender que linguagem deve ser transmitida. Corroborando a idéia da informação ser importante para a participação cidadã (Denhardt e Denhardt, 2003) e que a mensagem exerce função de importância (Kleppner,1990) existe também a máxima defendida por Mc Luhan (1968) que afirma que o meio é a mensagem porque segundo o modo de percepção e a forma da matriz de informações a serem disseminadas podem ou não alcançar os objetivos pré-determinados. Ou seja, o objeto de informação é essencial e esse paradoxo está em transformar o meio na própria mensagem. No caso estudado, o desafio está em transformar a informação que os cidadãos devem obter em meios propriamente ditos, e estes meios podem ser os meios publicitários. 5

6 3. Metodologia Com intuito de verificar a aplicação da Publicidade na co-produção do bem público realizou-se um estudo de caso, defendido por Yin (1994) como importante para pesquisas sociais. O Estudo de Caso tem tido um uso extensivo na pesquisa social, seja nas disciplinas tradicionais, seja nas disciplinas que possuem uma forte orientação para a prática como a Administração, além de ser usado para a elaboração de teses e dissertações nestas disciplinas (Yin, 1989). Um ponto comum entre vários autores (Goode, 1969, Yin 1989, Bonoma, 1985) é a recomendação de grande cuidado ao se planejar a execução do estudo de caso para se fazer frente às críticas tradicionais que são feitas ao método. O Método do Estudo de Caso não é uma técnica específica. É um meio de organizar dados sociais preservando o caráter unitário do objeto social estudado (Goode, Hatt 1969). De outra forma, Tull (1976, p 323) afirma que um estudo de caso refere-se a uma análise intensiva de uma situação particular e Bonoma (1985) e coloca que o estudo de caso é uma descrição de uma situação gerencial. Yin (1989) afirma que o estudo de caso é uma inquirição empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto da vida real, quando a fronteira entre o fenômeno e o contexto não é claramente evidente e onde múltiplas fontes de evidências são utilizadas. O estudo de caso foi realizado no Centro de Apoio ao Paciente com Câncer e baseado nos tipos de dados, definidos por Kumar (1996), foram realizadas coletas de dados primários quando a informação foi recolhida a partir de um instrumento desenvolvido ou adaptado pelo próprio investigador e, secundários, cujas informações foram adquiridas de estudos já efetuados. Os dados secundários provieram da própria instituição que brindou informações de relatórios já efetuados bem como seu planejamento organizacional. Os dados primários obtiveram-se dos procedimentos metodológicos realizados que foram divididos em duas etapas. Na primeira etapa realizou-se uma pesquisa de cunho qualitativo, para entender os objetivos da organização relacionados à comunicação. O instrumento de coleta de dados foi a entrevista estruturada e a observação com os dirigentes e membros da organização conjuntamente com a aplicação de um questionário de perguntas abertas e fechadas. Após a coleta de dados e análise dos dados secundários fornecidos pela instituição, deu-se lugar a segunda etapa. Na segunda etapa realizou-se um projeto para implementar a ação de comunicação publicitária a partir das diretrizes já delineadas pela diretoria e membros voluntários. Realizaram-se as peças publicitárias segundo as diretrizes da organização, com foco no voluntariado, empresários e governo. 4. Descrição do caso de co-produção estudado: Centro de Apoio ao Paciente com Câncer O caso utilizado no presente trabalho é o Centro de Apoio ao Paciente com Câncerlocalizado no estado de Santa Catarina. Segundo os fundadores do CAPC, o Centro de Apoio é uma instituição filantrópica, de utilidade pública, criada com objetivo de cuidar, apoiar e auxiliar as pessoas com câncer e outras doenças degenerativas a enfrentarem o problema. Esta instituição foi construída exclusivamente com doações por meio da sociedade catarinense que desde o início engajou-se na campanha para angariar fundos. Neste caso, é 6

7 uma atividade co-produção que na classificação de Whitaker (1980) surge por iniciativa dos cidadãos que solicitaram assistência para a prestação deste tipo de serviço. Estes cidadãos decidiram a necessidade deste serviço e começaram a co-produzir, as obras foram iniciadas em janeiro de 1996 por uma equipe de engenharia voluntária e no dia 08 de março de 1998, o Centro de Apoio iniciou suas atividades operacionais. No primeiro ano foi iniciado um processo que previa apenas um dia de tratamento, posteriormente houve a possibilidade de implementação progressiva de outras etapas. Os trabalhos no Centro de Apoio são realizados basicamente por voluntários e esse voluntariado atende em média 36 pessoas por semana, em regime de internação, e 40 pessoas em regime externo. Muitos pacientes também fazem parte dos grupos de auto-ajuda, coordenados por voluntários. Isso significa que o CAPC atende aproximadamente cem pacientes por semana. As equipes operacionais são formadas por várias modalidades de terapia, que são executadas por pessoas habilitadas na categoria de tratamento. Somente em 2001, participaram dos trabalhos no Centro de Apoio cerca de 157 voluntários. Eles são treinados para aplicação das terapias complementares através de cursos, oferecidos pelo SINE (Serviço Nacional de Emprego), como por exemplo: massagem terapêutica, cromoterapia, reflexologia, Florais de Bach, Reiki, nutrição básica, atendimento ao paciente oncológico, auto-ajuda para familiares de pacientes com câncer, entre outras modalidades. O Centro de Apoio também oferece aos seus colaboradores formação humanística, através de estudos em grupos, viagens e encontros de trabalho, em que o objetivo principal é desenvolver o ser, de forma que aprendendo a se cuidar, o voluntário possa também estar pronto para cuidar do outro. Além do voluntariado, o Centro de Apoio conta com colaboradores médicos, enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos, odontólogos, nutricionistas, administradores e terapeutas em diversas especialidades. Desta forma, no centro também trabalham um equipe remunerada como por exemplo, parte da equipe de enfermagem, por prestar cuidado técnico e também pela necessidade de estar presente em todos os períodos de atendimento, e o pessoal de apoio e de limpeza. Esta remuneração é paga por empresas particulares e federações que se engajam na co-produção do bem público. Esta atividade de co-produção, segundo a classificação de Brudney e England (1983), estaria na tipologia de co-produção coletiva porque existe uma participação conjunta dos cidadãos em geral e da administração pública na prestação deste serviço público e os benefícios resultam tanto para cidade como para coletividade quando surgem pacientes de todos os municípios estejam perto ou não da sede de prestação de serviços e o grau de coprodução é significativo nesta área de atendimento ao paciente com câncer. Desta forma, podem ser verificadas na CAPC as atividades de co-produção segundo Brudney e England (1983) quando: - Envolvem a participação da população na produção dos serviços públicos: o serviço prestado está relacionado à produção de serviços de tratamento e apoio ao cidadão que adquiriu a enfermidade diagnosticada como câncer. Visto a necessidade de apoio a aqueles que tem a doença, e que os hospitais públicos podem contribuir somente com tratamentos físicos, a CAPC busca trazer o apoio físico e psicológico bem como a preparação de toda a família daquele que se encontra com a doença. Eles defendem que o paciente com câncer tem uma recuperação física mais rápida quando existe uma estrutura de apoio por parte dos familiares e por parte da instituição. - Envolvem a cooperação voluntária dos cidadãos: a CAPC é mantida devido aos voluntários da instituição que trabalham para prestar o serviço a comunidade. 7

8 - Envolvem a produção de serviços públicos : a CAPC é um serviço público e gratuito para todos aqueles que se encontrem com a doença, sem cobrar nenhuma taxa ou remuneração pelos mesmos. 4.1 Metas de Comunicação diagnosticada: resultados A CAPC utiliza a comunicação para atingir mais precisamente a arrecadação de recursos por parte do governo e de instituições privadas. Esta comunicação é direcionada a partir de representantes e contatos estabelecidos no meio. Não existe um material formal que busque adequar a informação necessária e junte esforços em explicar a finalidade dos recursos. Enquanto aos pacientes, a publicidade utilizada resumi-se a um site informativo na Internet e ao marketing boca-a-boca que ocorre de pacientes que já efetuaram o tratamento para outros conhecidos, bem como do próprio voluntariado e de parte da comunidade participante da instituição. Com o objetivo de realizar um planejamento de comunicação, estudou-se por parte da instituição aonde pretendiam chegar e o que pretendiam comunicar. Buscando os motivos que podem trazer maior contribuição por parte do voluntariado, do governo, das instituições privadas e dos próprios pacientes traçou-se alguns fatores que devem fundamentalmente estar presentes nas peças publicitárias. Os resultados obtidos foram os seguintes: Para a comunicação com os voluntários a informação de maior relevância seria: Informação para o voluntariado 10% 5% 70% 15% Informação sobre a importância do trabalho voluntário Importância do comprometimento do voluntário A responsabilidade perante os pacientes de sua ajuda A sobrevivência da organização Gráfico 1: Informação para o voluntário Observa-se no gráfico que a informação de maior relevância a ser comunicada nas peças publicitárias é a importância do comprometimento do voluntário, deve-se enfatizar então o quanto é importante este comprometimento para a organização de forma criativa porque 70% acreditam que este é o fator de maior importância. Enquanto os outros fatores somam 30%, sendo 15% para importância do trabalho voluntário como não remunerado, 10% o comprometimento do voluntário e 5% a sobrevivência da organização. 8

9 Para os pacientes a informação de maior relevância seria: Informação ao paciente Informação sobre o local, telefone e contato Apoio encontrado na instituição Ajuda imediata 2% 3% 8% 13% 15% Conforto Carinho 48% 7% 4% Solidariedade Amor Cuidados Gráfico 2: Informação ao paciente Observa-se que 48% acreditam que o carinho é a principal informação que deva ser brindada ao paciente, segundo as entrevistas realizadas, os dirigentes informam que a busca de carinho é a forma do paciente acreditar que ainda viva e é querido por outras pessoas assim como sua família. Os outros sentimentos a serem transmitids na comunicação publicitária ao paciente estão divididos entre informação do local, conforto, solidariedade, cuidados e ajuda imediata. Para o governo a informação de maior relevância seria: Informação para o Governo Como contribuir e que recursos Apoio a comunidade 13% 12% 20% Melhoria de Imagem do governo 30% 25% Forma de Lucratividade (votos) Melhoria da qualidade de vida dos cidadãos Gráfico 3: Informação ao governo A informação de maior relevância ao governo, segundo os dirigentes, colaboradores e voluntários do CAPC lhes parece que seria com 30% a forma de lucratividade para o governo, 9

10 o que o governo ganha contribuindo com a instituição. Infelizmente, acreditam que pouco se passa pelo apoio a comunidade ou melhoria de vida dos cidadãos, senão que imagem e votos são o que fazem o governo apoiar instituições como esta. Os materiais de comunicação vão focar as contribuições do governo e os adventos da mesma. Para os empresários a informação de maior relevância seria: Informação para as empresas Como contribuir e que recursos Marketing Social 10% 8% 20% Apoio a comunidade 40% 5% 17% Melhoria de Imagem da empresa Forma de Lucratividade Ação de responsabilidade social Gráfico 4: Informação para as empresas Novamente, pode-se observar que a informação com maior porcentagem passa aos 40% sendo a melhoria de imagem da empresa, focando também o que o outro lado pode ganhar se apoiar a instituição. Desta forma, serão realizados materiais que fomentem criativamente o que a empresa pode vir a ganhar. Uma vez verificado a intenção de comunicação da instituição, deu-se início a confecção dos materiais de comunicação, como descritos a seguir. 4.2 A campanha publicitária realizada O material realizado para a instituição seguiu os objetivos de co-produção do bem público por meio dos seguintes itens: comunicar ao cidadão da importância de seu voluntariado para o desenvolvimento da comunidade, comunicar o empresário para mantimento de suas doações, comunicar aos que necessitam ajuda ao receber o diagnóstico da doença informando do tratamento gratuito. A comunicação publicitária é uma das ferramentas de marketing e pode ser utilizada em prol da co-produção, porque considera as teorias de estratégias de mercado, e enfatiza, segundo Guilhoto (2004), os elementos dos compostos de marketing que devem ser emoldurados de forma que a estratégia de comunicação quando envolve propaganda e publicidade devem reforçar os aspectos informacionais de relevância para o público. Sendo assim a estratégia realizada é direcionada aos diferentes públicos e as informações de maior relevância sob a ótica de cada um, brindando a possibilidade conhecer a instituição e como contribuir com a co-produção do bem público. Conforme a teoria de Klepnner (1990) a comunicação deve estar direcionada para diferentes públicos, no caso estudado delimitou-se da seguinte forma: - Aos pacientes: buscando aqueles que necessitam de ajuda no tratamento de câncer e fomentando a procura pela instituição para receber o tratamento gratuito. - Aos empresários: buscando parcerias de desenvolvimento, recursos financeiros para o desenvolvimento da instituição, 10

11 - Aos voluntários: buscando incentivar sua participação e demonstrando sua importância. As peças publicitárias foram realizadas segundo o critério do público-alvo classificado para as mesmas, compondo a seguinte estrutura: - Pacientes: material gráfico para veiculação de cartazes, outdoor, e veiculação na mídia local (revistas e jornais da cidade e comunidade), roteiro de mídia televisiva. A mensagem foca informar sobre a CAPC demonstrando seu caráter humanitário e gratuito. Reforça-se de um folder explicativo e institucional para distribuição na região delimitada. - Voluntários: material gráfico demonstrando a importância daqueles que contribuem para a sobrevivência da instituição e daqueles que podem contribuir futuramente para a continuidade de seus serviços. Constitui-se de mídia televisiva local, material gráfico também a ser veiculado em revistas e jornais de circulação local. - Empresários: material gráfico composto de portfólio que informe sobre a organização a as formas de contribuições. - Governo: material gráfico com informações sobre a entidade, leis de incentivos, ajudas e projetos que poderiam auxiliar no serviço. 5. Considerações Finais Neste contexto, o estudo procurou contribuir com a construção de uma ferramenta, que visa utilizar a comunicação por meio da Publicidade e Propaganda como instrumento para a promoção do desenvolvimento social e co-produção. A publicidade e propaganda, como toda ferramenta, possui uma variável condizente que está na forma como será utilizada, que deve priorizar a informação e não a manipulação. A dificuldade encontra-se em que tipo de informação a instituição pretende brindar a cada um dos receptores da mensagem e de que forma será passada a mensagem sem ruídos. Nem sempre o que a instituição prioriza é o que o outro lado pretende receber, e de fato a confecção das peças publicitárias não significa os resultados esperados em 100% dos casos. Entretanto, mapeando novamente os objetivos e a forma de comunicar sobre as instituições é possível realizar a co-produção se existir um histórico com as informações esperadas e os resultados obtidos. Mesmo que não seja possível dizer com precisão os fatores motivadores que faça cada uma das partes contribuir na co-produção é possível realizar tentativas de comunicação que tentem impulsionar essas forcas a agir conjuntamente, e assim construir uma sociedade mais digna para os cidadãos que a compõe. 6. Referências Bibliográficas ALFORD, J. Why do public-sector clientes coproduce? Toward a contigency theory. Administration &Society. V.34, n.1, p mr ARANHA, M.L.D.A; MARTINS, M.H.P. Filosofando: introdução a filosofia. 2 edição. São Paulo: Moderna, ARENDT,H. A condição humana. 8 ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, BONOMA, T. V. - Case Research in Marketing: Opportunities, Problems, and Process. Journal of Marketing Research, Vol XXII, Maio,

12 BRUCKS, M. The effects of product class knowledge on information search behaviour. Journal of Consumer Research. Gainesville, v 12, p1-16, June BRUDNEY,J.L;ENGLAND,R.E. Toward a definition of the coproduction concept. Public Administration Review. V.43,n.1,p jan-fev,2003. CANTON, Antônia Marisa. Eventos: ferramenta de sustentação para as organizações doterceiro setor. São Paulo: Roca, CHESKIN, Louis. Por que se compra? a pesquisa motivacional e sua aplicação. São Paulo: Pioneira Editora l COBRA,M. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, COBRA, Marcos. O impacto da propaganda: um estudo para algumas classes de bens. São Paulo: Atlas, DENHARDT, J.V; DENHARDT R.B. The New Public Service: service, not steering. New York: M.E.Sharpe, DUALIBI,R.; SIMONSEN,H.JR. Criatividade e Marketing. Makron Books, São Paulo:2000. FISCHER, Rosa Maria. O desafio da colaboração: práticas de responsabilidade social entre empresas e Terceiro Setor. São Paulo: Gente, FRANÇA, C; SILVA, I; VAZ, J. Aspectos econômicos de experiências de desenvolvimento local. São Paulo: Instituto Pólis, FRANCO, A.; Por que Precisamos de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável? Revista Século XXI, Brasília: Instituto de Política, v. 3, FONSECA, G.M; MORRI, R.G; ALVES,M.A. Cooperação intersetorial (empresas privadas e organizações do terceiro setor): uma visão baseada em valor. Encontro anual da ANPAD, p. 1-16, 2005, São Paulo. 1CD-ROM. GHILHOTO, L. De F. M. A influência do país de origem na percepção do consumidor na qualidade dos produtos. Caderno de Pesquisa em Administração. USP. São Paulo, V8 no 4, p out-dez GOODE, W. J. ;HATT, P. K. - Métodos em Pesquisa Social. 3ªed., São Paulo: Cia Editora Nacional, HIRSCHMAN, A.O. As paixões e os interesses. 2 edição. São Paulo:Paz e Terra, HUDSON, Mike. Administrando organizações do Terceiro Setor: o desafio de administrar sem receita. São Paulo: Pearson Makron, KANTER, Rosabeth Moss. When giants learn cooperative strategies. Planning Review, Jan/Feb, p , KLEPPNER,O.; RUSSEL,T.J.; LANE,W.R. Publicidad. México: Prentice Hall Hispanoamericana,1994. KOTLER, Philip, ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing. Rio de Janeiro: Prentice-Hall,

13 KUMAR, Ranjit. Research methodology: a step-by-step guide for beginners. Sage publications. 1o edição. London: MC LUHAN, The médium is the massage: an inventory effects. New York: Bantam Books, MARÇON, D.; ESCRIVÃO FILHO, E.. Gestão das organizações do Terceiro Setor: um repensar sobre as teorias organizacionais. Encontro anual da ANPAD, 2001, p.1-16, São Paulo. CD-ROM. MARSCHALL,M.J. Citizen participation and the neighborhood context: a new look at the coproduction of local public goods. Political Research Quaterly. V.57, n.2,p ,jun MAUAD,T.M; MARTINELLI,D.P. Ciclo de vida storial: uma proposta para orientar o desenvolvimento local e as políticas públicas. Encontro anual da ANPAD, p. 1-16, 2005, São Paulo. 1CD-ROM. QUANDT, Carlos Olavo; FERNANDES, Ana Cristina Coelho Barroso. Aplicação do conceito de inteligência competitiva e seu impacto no processo estratégico em organizações do Terceiro Setor. Encontro anual da ANPAD, p. 1-16, 2003, São Paulo. 1CD-ROM. RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV : Instituto de Documentação, SAGAWA, Shirley. Common interest common good: creating value through business and social sector partnerships.california ManagementReview. vol.42 n.2 winter 2000 p SANDHUSEN, Richard. Marketing Básico. São Paulo: Saraiva, SANTOS,E.M; ICHIKAWA, E.Y;VIEIRA,S.F.A. A Presença e a Sustentabilidade do Terceiro Setor na Área de Ciência, Tecnologia e Inovação:Perda ou Busca de uma Identidade? O caso da ADETEC. Encontro anual da ANPAD, p. 1-16, 2005, São Paulo. 1CD-ROM. SAMPAIO,R. Propaganda de A a Z. Rio de Janeiro: Campus, SHETH,J.N; MITTAL,B.; NEWMAN.B.I. Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, TULL, D. S. & HAWKINS, D. I. - Marketing Research, Meaning, Measurement and Method. Macmillan Publishing Co., Inc., London, VHITAKER,G,P. Coproduction: Citizem participation in service delivery. Public Administration Review. P , may/jun YIN, Robert, K. Case study research: design and methodos. 2nd. ed. Thousand Oaks: SAGE,

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

A importância da Coprodução dos Serviços Públicos na garantia dos Direitos Sociais.

A importância da Coprodução dos Serviços Públicos na garantia dos Direitos Sociais. 2371 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A importância da Coprodução dos Serviços Públicos na garantia dos Direitos Sociais. Grazielli Faria Zimmer Santos, Matheus de Andrade Branco, Tarcísio Vilton

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Área de conhecimento: GESTÃO E NEGÓCIOS Componente Curricular: MARKETING INSTITUCIONAL Série:

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Relatório Anual. Instituto Nossa Ilhéus. Instituto Nossa Ilhéus

Relatório Anual. Instituto Nossa Ilhéus. Instituto Nossa Ilhéus Resumo da ONG O é uma iniciativa da sociedade civil organizada que tem por objetivo fortalecer a cidadania e a democracia participativa, tendo por base a sustentabilidade e o monitoramento social. O age

Leia mais

Palavras Chave: Segurança, Transporte, Cliente, Modernidade, Agilidade.

Palavras Chave: Segurança, Transporte, Cliente, Modernidade, Agilidade. RESUMO A imagem de uma empresa de transporte é diretamente influenciada pelas condições do meio urbano. As grandes cidades e as regiões metropolitanas são as que mais sofrem com o trânsito, um dos principais

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ROMULO SOUZA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

Publicidade ONG Animais 1

Publicidade ONG Animais 1 Publicidade ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara,

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Publicado em 25 de junho de 2013 por Itamar Pelizzaro Gart Capote, presidente da ABPMP Association of Business Process Management Professionals

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROF.DR. MITSURU HIGUCHI YANAZE Professor do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1 A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1 BACH, Cláudia 2 ; MARTINS, Ana 3, GODOY, Leoni 4 1 Artigo apresentado no XV Simpósio de Ensino,

Leia mais

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas escola teoria prática cidadania hierarquia inclusão exclusão social cooperação competição Observamos

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Casos: Oi, Vivo, Citibank e HSBC Objetivos a. Analisar as estratégias de comunicação das empresas que utilizam os espaços culturais do Rio de Janeiro

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE.

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. A TRÍADE Missão MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. MISSÃO ORGANIZACIONAL Assim como O REGISTRO DE NASCIMENTO nos identifica

Leia mais

A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva

A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva Jakeline Gonçalves Bonifácio Vitória Régia Izaú Resumo Partimos do princípio

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negocios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV Autores: Ronise Suzuki- Mestre em Administração - UFV Andréa Furtado de Almeida- Especialista em Gestão

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais