8 Referências Bibliográficas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8 Referências Bibliográficas"

Transcrição

1 8 Referências Bibliográficas ANDRADE D & ANGERAMI ELS. Reflexões acerca das infecções hospitalares às portas do terceiro milênio. Medicina, Ribeirão Preto, 32: out./dez ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da diretoria colegiada- RDC nº 8, de 27 de fevereiro de Disponível em:< Acessado em: 16 dez. 2010a. ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Farmacopeia Brasileira, volume 1. 5ª Ed. Brasilia,2010b. ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da diretoria colegiada- RDC nº 17, de 16 de Abril de Disponível em:< Acessado em: 16 dez. 2010c. ANVISA. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Relatório descrito de investigação de casos de infecções por micobactérias não tuberculosas de crescimento rápido (MRC) no Brasil no período de 1998 a Fevereiro 2011 a. ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Eventos adversos (E.A.). Disponível em: <ttp://www.anvisa.gov.br/hotsite /notivisa/apresenta.htm# >. Acesso em: 12 Jun. 2011b. ANVISA. Agência nacional de vigilância sanitária. Disponível em: < Acesso em: 12 Jun. 2011c. ANVISA. Agência nacional de vigilância sanitária. Disponível em: < Acesso em: 12 Jun. 2011d. ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da diretoria colegiada- RDC Nº 15, de 15 de março de Disponível em:< Acessado em: 22 de março ACOSTA-GNASS S.I., STEMPLIUK V. A. Manual de Esterilización para Centros de Salud Organización Panamericana de la Salud (OPS). Washington, D.C. p.188, 2008.

2 138 ABNT NBR ISO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Esterilização de produtos para saúde-vapor Parte 1: Requisitos para o desenvolvimento, validação e controle de rotina nos processos de esterilização de produtos para saúde ABNT NBR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Termometria Terminologia,1998. ACOSTA-GNASS S.I., STEMPLIUK V. A. Manual de Esterilización para Centros de Salud Organización Panamericana de la Salud (OPS). Washington, D.C. p.188, ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Disponível em: <http://www.abnt.org.br/>. Acesso em: 20 Jun ASTM. Manual on the Use of Thermocouples in Temperature Measurements. STP 70B. Philadelphia: American Society of Testing and Materials (ASTM), AFNOR. Disponível em: <http://www.afnor.org/en/group/aboutafnor/about-us >. Acesso em: 14 Junho ANVISA. Institucional apresentação <http://www.anvisa.gov.br/ institucional/anvisa/apresentacao.htm> Acesso em: 14 Junho ANGELO E., SIMÕES M. J.R. Utilização de uma superfície termodinâmica pressão-volume especifico temperatura no ensino da termodinâmica. Universidad de São Paulo : SISEA, BIPM. Bureau International des Poids et Mesures. Introduction. Disponível em: < >. Acesso em: 12 Jun. 2011a. BIPM. Bureau International des Poids et Mesures. Consultative Committees Disponível em: <http://www.bipm.org/en/committees/cc/>. Acesso em: 21 de Jun. 2011b. BIPM. Bureau International des Poids et Mesures. The International System of Units (SI) Disponível em: < Acesso em: 21 de Jun. 2011c. BRIONIZIO, J. D. Estudo das metodologias de avaliação de temperatura e umidade em câmaras. Sistema de Gestão pela Qualidade Total, Universidade Federal Fluminense,152p COVISA. Coordenação De Vigilância Em Saúde. Informe Técnico XXIII. Agosto CORRÊA, A. B. Confiabilidade Metrológica no setor da saúde no Brasil: Estudo de caso: Qualidade Laboratorial na saúde pública e

3 139 controle metrológico de equipamentos Médico-Hospitalares de teses e dissertações: PUC-Rio. Rio de Janeiro, COSTA et al. A evolução das centrais de material e esterilização: história, atualidades e perspectivas para a enfermagem. Rev. Enfermería Global Nº 15 Fevereiro CEN. European Committee for Standardization. About us. Disponível em: Acesso em: 12 Jun DOQ-CGCRE-028. Orientação Para A Calibração De Câmaras Térmicas Sem Carga: documento de caráter orientativo. INMETRO, Revisão 00,maio DOQ-CGCRE-003. Orientação sobre calibração e rastreabilidade das medições em laboratórios de calibração e de ensaio: documento de caráter orientativo. INMETRO, Revisão: 03,Jul DOQ-CGCRE-008. Orientação sobre validação de Métodos analíticos: documento orientativo. INMETRO, Revisão: 04,Jul EURACHEM/CITAC GUIDE CG 4. Quantifying Uncertainty in Analytical Measurement. English Edition. Second Edition p.ISBN GALLOTTI, R. M. D. Eventos Adversos o que são?. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 no.2 São Paulo Apr./Jan IEC. The International Electrotechnical Commission Disponível em: < Acessado 20 Jun IEC. The International Electrotechnical Commission Disponível em: < Acessado em 27 Fevereiro INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. O que é O INMETRO. Disponível em: < >. Acessado em 27 Fevereiro 2012a. INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Lista de Organismos Acreditados. Disponível em: < Acessado em 27 Fevereiro 2012b. ILAC. International Laboratory Accreditation Cooperation. Disponível em:<http://www.ilac.org/>. Acessado 20 Jun.2011.

4 140 INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Coordenação Geral de Acreditação - CGCRE. Disponível em: < Acessado em 27 Fevereiro 2012c. ISO : Sterilization of health care products -Moist heat- Part 1: Requirements for the development, validation and routine control of a sterilization process for medical devices. ISO/TS :2009 -Sterilization of health care products -- Moist heat -- Part 2: Guidance on the application of ISO INMETRO. Avaliação da conformidade, 5ª Ed. Rio de Janeiro: Inmetro, ISO Sterilization of health care products -Moist heat- Part 1: Requirements for the development, validation and routine control of a sterilization process for medical devices.2006 ISO/TS :2009 -Sterilization of health care products -- Moist heat -- Part 2: Guidance on the application of ISO IAPWS. A associação internacional para as propriedades da água e do vapor. Disponível em:<http://www.iapws.org/>. Acesso em: 14 Junho IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística. Cidades Rio de Janeiro;2011.Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/default.php>. Acesso em: 14 de Agosto de ISO GUM. Evaluation of measurement data - Guide to the expression of uncertainty in measurement. Revisão 01, set LACERDA R. A., EGRY E.Y. As infecções hospitalares e sua relação com o desenvolvimento da assistência hospitalar: reflexões para análise de suas práticas atuais de controle, MACEDO J. L. S., HENRIQUES C.M.P. Infecções pós-operatórias por micobactérias de crescimento rápido no Brasil. Rev. Bras. Cir. Plást. 2009; 24(4): , Ministério da Saúde (MS). Orientações gerais para central de esterilização. Brasília, p.20-31, MONTEIRO, E. C. Biometrologia: confiabilidade nas biomedições e repercussões éticas. Metrologia e Instrumentação, v. 6, p. 6-12, 2007.

5 141 MACEDO J. L. S., HENRIQUES C. M. P. Infecções pós-operatórias por micobactérias de crescimento rápido no Brasil. Rev. Bras. Cir. Plást. 2009; 24(4): , 2009 MACHADO R. R., GELBCKE F. L. Que brumas impedem a visibilização do centro de material e esterilização?.2009 NBR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Termopares tabelas de referência NIT-DICLA-021. Expressão da incerteza de medição por Laboratorio de calibração.norma. INMETRO, revisão 07,Jan do OMS. Organização mundial da saúde. Disponível em: < Acesso em: 14 Junho OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Disponível em: <http://new.paho.org/bra/index.php?option=com_content&task=view&id=885&it emid=672 >. Acesso em: 14 Junho OIML. Organização Internacional de Metrologia Legal. Disponível em: < Acesso em: 14 Junho ORLANDO A., F. Uncertainty analysis in experimental mechanics. Departamento de Engenharia Mecânica. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PITOMBO M.B., Lupi O., Duarte R. S. Infecções por micobactérias de crescimento rápido resistentes a desinfetantes: Uma problemática nacional? Rev. Bras. Ginecol. Obstet.; 31(11): ; RODRIGUEZ, F. J. A. et al. Historia de la medicina :Asepsia y Antisepsia. Visión historica desde un cuadro. España : Apuntes de Ciencia : Boletin Cientifico do Hospital General Universitario de Ciudad Real (HGUCR). 27 de Junho REDE METROLOGICA RS. Avaliação da Conformidade: Certificação de produtos-guia prático/finep. 2 ed. Porto Alegre: SANTOS LF, et al. Fontes potenciais de agentes causadores de infecção hospitalar: esparadrapos, fitas adesivas e luvas de procedimento. Rev Panam Infectol 2010; 12(3): SOCIEDADE BRASILEIRA DE METROLOGIA. Termos e expressões de metrologia aplicáveis ao ambiente da saúde.segunda edição-rio de Janeiro:SBM,2004.

6 142 TERENZI, H.. Há 150 anos Pasteur descobria que a fermentação resulta da ação de microrganismos: Golpe fatal na geração espontânea. Ciência Hoje Seção Memória. Vol. 39, nº 234, p , Janeiro/fevereiro, THEISEN, A. M. F. Fundamentos da Metrologia Industrial:aplicação no processo de certificação ISO Porto Alegre: UNE-EN ISO :2006 Esterilización de productos sanitarios Calor húmedo-requisitos para el desarrollo, validación y control de rutina de un proceso de esterilización para productos sanitarios. UNE-CEN ISO/TS :2009. Esterilización de productos sanitarios Calor húmedo-parte 2: Guía de aplicación de la Norma ISO VAN DOORNMALEN, J.P.C.M and KOPINGA, K. Review of surface steam sterilization for validation purposes. Am J Inf Cont 36, 86-92, VIM.Vocabulário Internacional de Metrologia: conceitos fundamentais e gerais e termos associados. INMETRO 1ª edição. Rio de Janeiro, p. VEGA. F. A.F., MORENO J. E, MARTÍN J. G., GUTIÉRREZ J. J. Procedimientos en Microbiología Clínica. Recomendaciones de la Sociedad Española de Enfermedades Infecciosas y Microbiología Clínica,2005.

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências Bibliográficas [1] Monteiro, E.C., Lessa M.L., A metrologia na área de saúde: Garantia da Segurança e da Qualidade dos Equipamentos Eletromédicos. Engevista, [em impressão]. [2] Silva, Pedro

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

Raquel Nogueira (Cgcre, Inmetro) Maurício A. Soares (Cgcre, Inmetro)

Raquel Nogueira (Cgcre, Inmetro) Maurício A. Soares (Cgcre, Inmetro) ISSN 1984-9354 PROGRAMAS DE ACREDITAÇÃO E RECONHECIMENTO DA COORDENAÇÃO GERAL DE ACREDITAÇÃO (CGCRE) DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO): SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

Leia mais

ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA

ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA Eduardo Abreu da Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos Goytacazes-RJ,

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES AOS LABORATÓRIOS QUÍMICOS NO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS DA ABNT NBR ISO/IEC 17025 E POLÍTICAS DE ACREDITAÇÃO DA CGCRE Documento de caráter orientativo (DOQ-Cgcre-035)

Leia mais

Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores

Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores Rastreabilidade metrológica: pontos relevantes para avaliação dos avaliadores Vanderléa de Souza Diretoria de Metrologia Científica e Industrial Dimci/Inmetro 17/10/11 Conteúdo Conceitos de Medição Estrutura

Leia mais

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 CURSO E-LEARNING REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitido a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB O que é Gestão da Qualidade?????? A gestão da qualidade pode ser definida como sendo qualquer atividade

Leia mais

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015)

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS ELÉTRICOS E ÓPTICOS: LÂMPADAS Apoio: Programa PEP REDE 1503 Rodada 036/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003, rev. 002 Origem:

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações Lucia Lima dos Santos (CEPEL) e Fernando B. Mainier (UFF) RESUMO Atualmente observa-se a importância da gestão da qualidade

Leia mais

Confiabilidade metrológica de equipamentos da cadeia de frio para produtos hemoterápicos

Confiabilidade metrológica de equipamentos da cadeia de frio para produtos hemoterápicos Jordana Colman Confiabilidade metrológica de equipamentos da cadeia de frio para produtos hemoterápicos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Metrologia. Área de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional 15-07-2014 Teresa Guimarães CERTIFICAÇÃO é uma das atividades de avaliação da conformidade de sistemas de gestão (Entidades) de produtos

Leia mais

Ensaio e Certificação

Ensaio e Certificação Seminário sobre as experiências basileiras na implementação das Diretivas WEEE e RoHS Ensaio e Certificação 08/02/2011 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Cgcre/Inmetro O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

Novos desafios na interpretação de seus requisitos

Novos desafios na interpretação de seus requisitos Novos desafios na interpretação de seus requisitos Com a evolução tecnológica, principalmente no campo da tecnologia da informação, e o constante processo de normalização em diversas disciplinas relacionadas

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS Lucia Lima dos Santos (UFF)

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JÚLIO DUTRA BRIONIZIO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JÚLIO DUTRA BRIONIZIO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JÚLIO DUTRA BRIONIZIO ANÁLISE CRÍTICA DAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA NORMA No NIT-DICLA-026 APROVADA EM MAI/08 Nº 01/06 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

Metrologia. Metrologia

Metrologia. Metrologia Metrologia Sumário da Aula JN3 1 1ª Parte: Categorias da Metrologia Metrologia Industrial e Científica Metrologia Legal Rastreabilidade e calibração 2ª Parte: Unidades Metrológicas Conceitos Básicos e

Leia mais

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 A estratégia do trabalho em rede para o fortalecimento da metrologia industrial no Estado de São Paulo Celso Scaranello Rede

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL Metodologia para Implantação de Sistema de Gestão da Qualidade em Laboratórios

Leia mais

9 Referências Bibliográficas

9 Referências Bibliográficas 9 Referências Bibliográficas [1] Wilson, S. History of Blood Banks. Disponível em: http://www.bloodbook.com/, acessado dia 12/06/2011. [2] Batistelli, Caroline Belotto; Caluzi, João José; et all. O sistema

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO Leonardo César Amstalden Gerente da Qualidade Laboratório T&E Analítica Rua Lauro Vannucci 1260 Campinas - SP (19) 3756-6600 SISTEMA DA QUALIDADE Um

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético.

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético. 21 2 Esterilização A esterilização é um processo utilizado para eliminar microorganismos viáveis de um produto. O nível de garantia de esterilidade deve ser estabelecido por meio de estudos de validação

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Marta Brandão Tozzi Bolsista, Química Industrial, M. Sc. Maria Alice Goes Orientadora, Engenheira Metalúrgica, D. Sc. Resumo O CETEM é acreditado

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro. Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde

Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro. Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS

1) COMPARAÇÕES INTERLABORATORIAIS Reunião da Comissão Técnica de Temperatura e Umidade (CT-11) de 25/06/2013 1 A Pauta sofreu inversão e alguns acréscimos em relação à proposta enviada em 21/05 (itens marcados em amarelo) 1. Comparações

Leia mais

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Laboratório de Ultra-som (Labus) Divisão de Metrologia Acústica e de Vibrações (Diavi) Diretoria de Metrologia Científica e Industrial (Dimci) Instituto Nacional de

Leia mais

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade João Carlos Antunes de Souza Chefe da Divisão de Credenciamento de Laboratórios dicla@inmetro.gov.br Acreditação Atestação realizada por terceira

Leia mais

Instruções de Uso PARAFUSOS EM TITÂNIO

Instruções de Uso PARAFUSOS EM TITÂNIO Instruções de Uso PARAFUSOS EM TITÂNIO As técnicas para a utilização dos Parafusos em Titânio Signo Vinces são altamente especializadas e envolvem procedimentos específicos, que devem ser realizados por

Leia mais

SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005

SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005 INPE-14785-PUD/184 SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005 Alexandre Guirland Nowosad João Gualberto de Cerqueira Júnior INPE São José dos Campos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos

Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos Maria Emilia Aracema maria.aracema@saude.gov.br CGLAB/SVS/MS 24 Abril 2013 Conceito: Década de 50 Japão

Leia mais

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem.

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem. ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS, LAUDOS E RELATÓRIOS EMITIDOS PELA DIMEL E PELA RBMLQ NORMA N o NIE-DIMEL-032 APROVADA EM SET/03 N o /06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

- Projeto de atualização da Norma Brasileira NBR 11.817:2003 Esterilização Esterilizadores sem vácuo, para produtos para saúde.

- Projeto de atualização da Norma Brasileira NBR 11.817:2003 Esterilização Esterilizadores sem vácuo, para produtos para saúde. ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS) CB-26 - PRODUTOS MEDICO ODONTO HOSPITALARES CE-26:090.01 - COMISSÃO DE ESTUDOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ISO TC-198 STERILIZATION OF HEALTH

Leia mais

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave:

AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO RESUMO. 2 qualificação de instalação da autoclave. Palavras-chave: breve comunicação ISSN 22381589 AUTOCLAVE: ASPECTOS DE ESTRUTURA, FUNCIONAMENTO E VALIDAÇÃO Carlos Righetti; Paulo Cesar Gomes Vieira Seção de Meios de Cultura do Instituto Butantan Autor para correspondência:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) :2005 Sistemas de gestão de qualidade em laboratórios de ensaios e calibração Ministrante: Neifer Borges França Tecnólogo ambiental - Gerente de Negócios da

Leia mais

Última atualização: 17/08/2015. Apoio:

Última atualização: 17/08/2015. Apoio: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012.

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. O Presidente

Leia mais

Palestra 1: Rastreabilidade metrológica em ensaios químicos Pontos relevantes para avaliação dos avaliadores (Vanderléa de Souza Inmetro/Dimci)

Palestra 1: Rastreabilidade metrológica em ensaios químicos Pontos relevantes para avaliação dos avaliadores (Vanderléa de Souza Inmetro/Dimci) Relatório das atividades desenvolvidas no III Workshop de Avaliadores e Especialistas em Calibração e Ensaios na Área de Química Local: Hotel São Francisco Rio de Janeiro - Brasil Período: 17 e 18 de Outubro

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

Noemi Cristina Hernandez

Noemi Cristina Hernandez Noemi Cristina Hernandez METROLOGISTA Metrologia, gerência de laboratorio, instrumentação, certificação/normalização QUALIFICAÇÕES Experiência de 09 anos em metrologia de fluidos, atuando em laboratório

Leia mais

Cesar Lima - Gerdau Açominas.

Cesar Lima - Gerdau Açominas. Cesar Lima - Gerdau Açominas. A Gerdau Açominas. - Usina siderúrgica integrada. - Capacidade instalada de 3.000.000 t./ano de aço liquido. - Produz 2.750.000 t./ano de acabados em forma de blocos, placas,

Leia mais

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil Implantação de Sistema de Gestão segundo a Norma ABNT NBR

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS 1 OBJETIVO Estabelecer as responsabilidades, os procedimentos e os critérios técnicos para o credenciamento de laboratórios. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma é aplicada aos laboratórios públicos ou privados

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE NO BRASIL

CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE NO BRASIL CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE NO BRASIL Vivian Cardoso de Morais GQUIP/GGTPS/ANVISA Painel Setorial INMETRO Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Novembro de 2006 Certificação de Produtos

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS:

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: Áreas de Metalurgia, Produtos Metálicos, Máquinas e Equipamentos Apoio: Programa PEP REDE 1405 Rodada 010/2015 (Instruções aos Participantes,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação

Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação Sérgio Pinheiro de Oliveira, D.Sc. Chefe Substituto do Laboratório de Força do Inmetro Sumário da Apresentação: - Introdução: - Inovação - Simetro

Leia mais

QUALIDADE VOLUNTÁRIA SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE

QUALIDADE VOLUNTÁRIA SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ DIRETRIZES PARA A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ROSIANE NICKEL DVGQB 2014? QUALIDADE X VOLUNTÁRIA clientes concorrência legislações SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA

Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA As técnicas utilizadas para a realização da prótese sobre implantes são altamente especializadas e envolvem procedimentos específicos, que devem ser

Leia mais

EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO LACEN-MG: DA ACREDITAÇÃO DO INMETRO À PRÉ- QUALIFICAÇÃO DA OMS

EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO LACEN-MG: DA ACREDITAÇÃO DO INMETRO À PRÉ- QUALIFICAÇÃO DA OMS EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO LACEN-MG: DA ACREDITAÇÃO DO INMETRO À PRÉ- QUALIFICAÇÃO DA OMS O QUE É QUALIDADE? Obtenção da satisfação do cliente através do atendimento

Leia mais

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser Os requisitos para os programas: um por todos e todos por um? É importante comparar os documentos que orientam os laboratórios para a acreditação de provedores de ensaios de proficiência, exemplifica pequenas

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Doc:700-RC-001 Página: 1/11 Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 09/12/2013 1 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

Rede Brasileira de Calibração - RBC

Rede Brasileira de Calibração - RBC Página 1 de 7 BRASIL Acesso à informação --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 24 Data da Acreditação 08/10/1997 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do

Leia mais

Mário Antônio Fernandes da Silva mafernandes@inmetro.gov.br Inmetro. Stella Regina Reis da Costa stellare@ig.com.br UFF

Mário Antônio Fernandes da Silva mafernandes@inmetro.gov.br Inmetro. Stella Regina Reis da Costa stellare@ig.com.br UFF CAUSAS-RAIZ DE RESULTADOS INSATISFATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NA ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO: DIAGNÓSTICO DE INVETIGAÇÕES REALIZADAS PELOS LABORATÓRIOS Mário Antônio Fernandes da Silva

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA Sabrine Guedes Gonçalves da Silva Bolsista de Iniciação Científica, Química Industrial, UFF Maria Alice Cabral de Goes Orientadora, Eng o. Metalúrgica, M. Sc. RESUMO

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca

Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca Aspectos metrológicos para eficiência energética de isolantes térmicos para linha branca Carlos E. C. Galhardo Pesquisador Tecnologista em Metrologia dos Materiais (INMETRO/DIMCI/DIMAT) Sumário Isolamento

Leia mais