ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA"

Transcrição

1 ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA Eduardo Abreu da Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos Goytacazes-RJ, CEP , Renato de Campos Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos Goytacazes-RJ, CEP , The metrology is present in all areas of the society, involving process control, commercial transactions, quality of products, security, environment protection, being a activity that contributes to the reduction of the technical barriers to trade. This article describe a demand analysis of a metrology laboratory which belong to one of the business unit of Petrobras. This laboratory realizes calibration services in the Electrical, Dimensional, Force, Temperature and Pressure areas. With this analysis we done some conclusions related to news investments. Keywords: Metrology, quality, measurement, demand. 1. INTRODUÇÃO A contribuição da metrologia é fundamental, em função do crescente jogo de competitividade no mercado e a internacionalização das relações de trocas. A competitividade cresce proporcionalmente ao valor agregado do produto, sendo então a influência da Metrologia cada vez mais necessária. As empresas e organizações que pretendem participar do mercado globalizado precisam enfrentar muitos desafios, entre eles podemos citar: preços competitivos, qualidade dos produtos, agilidade, flexibilidade e capacidade de inovação. Para que estas dimensões sejam atendidas é necessário investir em qualidade, normalização e estabelecer uma base metrológica que transforme amostras, calibrações, e ensaios em informações confiáveis para o processo de tomada de decisão. Na área de metrologia, poucas são as empresas que buscam, através da qualificação e certificação de instrumentos de medição, avaliar as efetivas condições de uso, ou aplicar os resultados identificados através dos certificados de calibração para corrigir os erros de medição. O gerenciamento dos instrumentos de medição responsáveis pelo controle dos processos de produção é vital para o resultado do negócio, pois o aspecto metrológico é responsável por grande parte dos prejuízos causados por retrabalho. A metrologia está diretamente relacionada com o processo produtivo. Desta forma não existe gerenciamento da qualidade sem a gestão metrológica dos sistemas de medição. O processo de medição é suporte para a ciência, para identificação e solução de problemas, para controle da produção e para avaliação de produtos e serviços em todas as áreas da vida humana.[1] ENEGEP 2002 ABEPRO 1

2 Medições são usadas por praticamente todos os setores da sociedade, atendendo diversas necessidades, entre as quais citamos transações comerciais, processos produtivos, processos sociais, procedimentos ligados à saúde, ao meio ambiente, à segurança dos trabalhadores e dos cidadãos, e no setor científico envolve os resultados quantitativos. Metrologia é a ciência da medição, abrangendo todos os aspectos teóricos e práticos relativos às medições, qualquer que seja a incerteza, em quaisquer campos da ciência ou tecnologia.[2] O processo de medição é suporte para a ciência, para identificação e solução de problemas, para controle da produção e para avaliação de produtos e serviços em todas as áreas da vida humana [1]. A utilização da metrologia é uma forma de melhorar a qualidade dos processos produtivos, o que deve ser perseguido continuamente por todas as empresas que pretendem participar de um mercado altamente competitivo e globalizado. Este artigo tece considerações sobre importância da metrologia, a estrutura de rastreabilidade metrológica, utilização de serviços credenciados, e apresenta uma análise da demanda por serviços de calibração do laboratório de metrologia da Petrobras UN-BC, seguida de conclusões sobre possíveis investimentos na área. 2. IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA A Metrologia permite a precisão do processo produtivo, a diminuição do índice de incerteza, contribuindo para a redução do número de refugo nas empresas e, principalmente, para a qualidade do produto. Facilita o comércio, a produção e os serviços, possibilitando que a competição entre empresas e países, opere em bases mais transparentes e justas, promovendo uma competição mais ética e sadia. Com relação ao cidadão, a metrologia procura diminuir a vulnerabilidade de abusos e explorações, que porventura possam ocorrer. Esta preocupação esta presente nas atividades do Bureau Internacional des Poids et Mesures (BIPM) e, no Brasil, no INMETRO, onde a proteção do cidadão, trabalhador e consumidor são prioritários. A atuação da Metrologia deverá aumentar com a maior percepção por parte do cidadão, de seus direitos, o que depende muito de sua educação e cultura. Na área ambiental os sistemas de medição contribuem para o monitoramento das condições ambientais relacionadas ao processo produtivo, podendo impactar em resultados negativos quando cuidados mínimos necessários são negligenciados no gerenciamneto metrológico. O comércio internacional vem sofrendo várias modificações, sendo uma delas a queda das barreiras tarifárias e o incremento cada vez maior das barreiras não tarifárias, que na verdade são representadas por barreiras técnicas. A redução de tarifas comerciais proporcionou um progressivo crescimento de barreiras não-tarifárias, em particular de barreiras técnicas que englobam um conjunto de funções tecnológicas (Metrologia, Normalização e Avaliação da Conformidade) encadeadas entre si, que necessitam receber investimentos para aperfeiçoamento e capacitação.[3] De acordo com a Organização Mundial do Comércio (OMC) que regulamenta 90% do comércio internacional, a diminuição das barreiras comerciais tornou em maior evidência as barreiras técnicas, que compreendem as áreas de Metrologia, Normalização Técnica e Avaliação da Conformidade, conforme Figura 1. Com objetivo de disciplinar as questões relacionadas com as barreiras técnicas ao comércio, a OMC criou o Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio, conhecido como TBT (Techinal Barriers to Trade). Este acordo prevê regras para assegurar que padrões, regulamentos técnicos e procedimentos para avaliação da conformidade não sejam obstáculos para o comércio e devem ser transparentes, não discriminatórios e, se possível, baseados em padrões internacionais [5]. ENEGEP 2002 ABEPRO 2

3 Barreiras ao Comércio Barreiras Tarifárias Barreiras não tarifárias Não Técnicas Técnicas Unidades Físicas Especificação de Produtos Certificado de Teste Conformidade Figura 1 Barreiras ao Comércio.[4] O acordo estabelece ainda, que cada país signatário deve criar um centro de informações sobre normas, regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da conformidade, visando eliminar as barreiras ao comércio internacional e sendo capaz de responder aos questionamentos dos países signatários. Estes centros de informações são chamados de Enquiry Point (ou Ponto Focal). No Brasil o INMETRO é o responsável por ser o Enquiry Point. Organizações mundiais de metrologia tem discutido diversos pontos que possam contribuir para minimizar os impactos causados pelas barreiras técnicas, tais como: disponibilidade de serviços laboratoriais credenciados conforme a norma ISO/IEC 17025; reconhecimento da estrutura de avaliação de conformidade existente no País junto aos organismos internacionais, como BIPM, International Laboratory Accreditation Cooperation (ILAC), European Accreditation (EA); implementação do Sistema Internacional de Unidades (SI) por todos os países como padrão para determinação das unidades físicas; e adoção de sistemas de avaliação da conformidade, que é um exame sistemático do grau de atendimento por parte de um produto, processo ou serviço aos requisitos especificados. Os organismos de normalização nacional e internacional, (podendo citar: INMETRO, International Organization for Standardization (ISO), Internacional Electrotechnical Commission (IEC), Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)), enfocam através de normas especificas ( tais como: NBR ISO 9001, NBR ISO 10012, ISO e NR-13) o gerenciamento da qualidade metrológica como um dos pré-requisitos para o reconhecimento da qualidade dos processos e conseqüentemente a Certificação do Sistema da Qualidade.[6] O sistema metrológico é um dos itens que mais geram não-conformidade no processo de auditoria de certificação, sendo conseqüência da falta de conhecimento da importância que o mesmo traz para os processos. Todos instrumentos utilizados nos processos e que impactam na qualidade dos produtos precisam ser controlados, o que significa conhecer seus erros, possuir um certificado de calibração e possibilitar rastreabilidade aos padrões nacionais ou internacionais. ENEGEP 2002 ABEPRO 3

4 3. ESTRUTURA METROLÓGICA Não pode haver desenvolvimento econômico e social sem desenvolvimento técnico e isto exige envolvimento direto dos governos, setor privado e da população conjuntamente [7]. Medições confiáveis devem basear-se em padrões de referência confiáveis e conseqüentemente exigem uma sólida infraestrutura baseada em um instituto nacional de metrologia que esteja integrado a organizações internacionais de metrologia. A nível nacional, os diversos países organizam seus sistemas metrológicos usando diferentes modelos. No Brasil foi instituído, em 1973, um sistema denominado Sistema Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial (SINMETRO), para criar uma infraestrutura básica de serviços tecnológicos capaz de avaliar e certificar a qualidade de produtos, processos e serviços, por meio de organismos de certificação, rede de laboratórios de ensaio e de calibração, organismos de treinamento, ensaios, e inspeção. O Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO) é o único organismo de credenciamento do SINMETRO e responsável pelo reconhecimento internacional do Sistema Brasileiro de Laboratórios de Calibração e de Ensaio. Faz parte de suas funções e responsabilidades: coordenar no âmbito do governo a certificação compulsória; articular, com os demais órgãos públicos, as ações que garantem o efetivo cumprimento da certificação; exercer a secretaria executiva do CONMETRO; gerenciar o credenciamento de organismos de certificação; representar o sistema brasileiro nos foros nacionais e internacionais, visando o reconhecimento internacional do sistema; estabelecer políticas para o credenciamento de organismo de certificação de sistema da qualidade, produtos, pessoal e de laboratórios de ensaios. Em função do aumento expressivo na demanda por serviços metrológicos que suplantaram a capacidade de atendimento do INMETRO, foi criado a Rede Brasileira de Calibração (RBC), que é constituída por laboratórios credenciados, que congregam competências técnicas e capacitações vinculadas à industria, universidades, institutos tecnológicos, que são habilitados à realização de serviços de calibração. 4. UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS CREDENCIADOS A padronização é atualmente uma questão fundamental para a viabilização do comércio internacional devido aos seguintes motivos: a grande demanda por produtos que atendam as especificações relacionadas à saúde, ao ambiente e à segurança das pessoas e o não atendimento aos requisitos técnicos. Neste sentido as organizações têm procurado implantar sistemas de garantia da qualidade de acordo com as normas da série ISO Na área dos laboratórios de calibração e ensaio o padrão considerado adequado é a norma ISO que tem por objetivo principal fornecer evidências pelas quais um laboratório pode demonstrar que opera um sistema da qualidade e possui competência técnica para realizar os serviços de calibração e de ensaio. O credenciamento é o instrumento que formaliza, perante o mercado, a credibilidade de um laboratório de calibração e de ensaio. É um processo que reconhece a competência técnica do laboratório, através da avaliação independente (terceira parte), garantindo que os resultados dos serviços de calibração e de ensaio são confiáveis. Possui um caráter voluntário e concedido para uma gama de serviços. ENEGEP 2002 ABEPRO 4

5 As maiores dificuldades enfrentadas pelos laboratórios brasileiros são: o custo de adequação aos requisitos de credenciamento, desconhecimento do retorno que o credenciamento possibilita, baixa demanda, custos de consultorias para auxiliar a implantação do sistema da qualidade, custo do credenciamento e manutenção, deficiências do pessoal técnico e estrutura física. 5. O LABORATÓRIO DE METROLOGIA Ciente da importância da metrologia na produção de petróleo e após estudo de viabilidade econômica, a Unidade de Negócio da PETROBRAS (UN-BC), localizada em Macaé, Estado do Rio de Janeiro, direcionou recursos para o desenvolvimento da confiabilidade metrológica e a implantação de laboratórios de calibração. Os recursos aplicados ultrapassam à U$ 400 mil, distribuídos entre os Laboratórios de metrologia: Dimensional, Elétrica, Força, Temperatura e Pressão, que ocupam uma área de 150 m². Os laboratórios possuem infraestrutura apropriada para as suas atividades, tais como: controle de temperatura e umidade de acordo com os parâmetros específicos de cada laboratório, áreas destinadas para recebimento e triagem de material, mão de obra qualificada, padrões de referência e equipamentos adequados aos serviços realizados. As atividades dos laboratórios incluem a calibração de instrumentos de medição, suporte técnico às unidades operacionais e controle dos instrumentos de medição, o gerenciamento dos laboratórios segue as práticas de gestão da qualidade, possuindo um sistema da qualidade implantado conforme os requisitos da norma ISO A metrologia está presente nas áreas de perfuração e produção de petróleo, em várias atividades, tais como: monitoramento e controle da temperatura das turbo-máquinas, medição de parâmetros do processo produtivo, manutenção de equipamentos, operação do sistema elétrico das plataformas de petróleo, calibração dos instrumentos utilizados na área de saúde. Os benefícios alcançados incluem: maior continuidade operacional, melhoria da qualidade dos produtos, atendimento aos requisitos normativos, maior segurança dos equipamentos, instalações e das pessoas envolvidas no processo. 6. AVALIAÇÃO DA DEMANDA Visando informações que subsidiem decisões sobre investimentos no laboratório, realizou-se uma análise da demanda por serviços de calibração de instrumentos de medição.as informações basearam-se em dados disponíveis no sistema de gestão do laboratório. Consideramos como meio de diferenciar os tipos de demanda existentes no laboratório, a Demanda Efetiva aquela demanda atendida através de recursos próprios do laboratório e Demanda Potencial a demanda que poderia transformar-se em demanda efetiva após adequação dos processos laboratoriais atuais [8]. Para melhor conhecimento da demanda, o horizonte da análise contempla o período dos últimos quatro anos. A quantificação das calibrações realizadas internamente neste período, Demanda Efetiva total, estão distribuídas conforme o gráfico da figura 2. ENEGEP 2002 ABEPRO 5

6 Figura 2 Total de Calibrações realizadas no Laboratório. O número total de calibrações realizadas em cada ano foi estratificado por cada laboratório específico com objetivo de identificar em qual ou em quais laboratórios tiveram um aumento da demanda. Os resultados obtidos encontram-se nas figuras a seguir ] Figura 3 Calibrações realizadas pelo Laboratório de Pressão Figura 4 Calibrações realizadas pelo Laboratório de Elétrica. ENEGEP 2002 ABEPRO 6

7 Figura 5 Calibrações realizadas pelo Laboratório de Temperatura Figura 6 Calibrações realizadas pelo Laboratório de Dimensional/Força. Os serviços de calibrações não atendidos nos laboratórios da organização, considerado neste trabalho como Demanda Potencial, são contratados junto aos laboratórios da Rede Brasileira de Calibração. Os dados obtidos referem-se ao ano de 2001, pois nos períodos anteriores, estes serviços terceirizados não eram gerenciados pelo laboratório. Devido à diversidade de serviços, destacam-se abaixo apenas os itens que são mais representativos, correspondendo a aproximadamente 68% do total da demanda potencial (figura 8). 7. CONCLUSÕES O aumento da demanda interna por serviços de calibração, apresentada na figura 2, reflete um esforço dos clientes internos em adequar os sistemas de medição aos requisitos metrológicos normativos, entre os quais destacam-se os exigidos pelas normas NBR ISO 9001, NBR ISO 14001, NR-13 e Agencia Nacional de Petrolóeo. De acordo com os dados obtidos e pelo conhecimento dos processos internos da organização na qual o laboratório está inserido, com o levantamento da demanda pode-se traçar algumas diretrizes de investimento. Para o laboratório de metrologia da área de Pressão, onde existe uma tendência de aumento da demanda (figura 3), deve-se prever aquisições de novos instrumentos padrões, rever a capacidade produtiva, reavaliar o lay-out e os processos de calibração existentes. A demanda por serviços de calibração das áreas de Dimensional e Força (figura 6) apresenta uma tendência de estabilidade, este fato alerta a necessidade de desenvolver ENEGEP 2002 ABEPRO 7

8 novos serviços nestas áreas. Nas áreas de Elétrica e Temperatura (figuras 4 e 5), não ocorreu uma variação expressiva da demanda nos dois últimos anos. 20,3% 12,8% 9,5% 9,5% 8,8% 7,4% Figura 7 Distribuição dos principais serviços de calibração contratados. Pela análise dos dados referentes aos serviços de calibração contratados (figura 7), percebe-se que as calibrações de osciloscópios representam aproximadamente 20% da Demanda Potencial. Este serviço pode passar a ser realizado internamente, pois os recursos que foram gastos com este serviço representam aproximadamente 50% do valor necessário para adequar o Laboratório de Elétrica para realizar essas calibrações internamente. Observa-se pelo trabalho realizado que o acompanhamento constante da Demanda Efetiva e da Potencial faz-se necessário para subsidiar as decisões de como alocar melhor os recursos disponíveis na organização. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: [1]Neto, E. P. Gerenciando a Qualidade Metrológica. Rio de Janeiro, Editora Imagem. (1993) [2]Moscati, G. Metrologia, desenvolvimento e qualidade de vida. IEE em Revista. n 5 : pp 5 7. (1998) [3]Souza, R.D.F. Barreiras Técnicas: desafio a ser compreendido. Metrologia, n 3.p.19:22, [4] Kochsiek, M.; Odin, A. Towards a global mesurement system: Contributions of international organizations. Bulletin OIML, v. 62, n. 2, p , abr [5]Seiler, E. The World Trade System and Metrlogy. In: Metrologia 2000, São Paulo. Anais...São Paulo: Internacional Trade Mart, p.103.(2000) [6]Filho, H.R Reconhecimento internacional: um fator de competitividade. Metrologia,n 3 pp (2000) [7]Harasic, O. R., Marban, R. National Laboratories of Metrology in the Western Hemisphere. Quality Progress. pp (1999) [8] Barros, J. G. M. Metodologia para o Estudo da Demanda por Serviços Metrológicos no Brasil, UFRJ, Rio de Janeiro-RJ, Tese (Doutorado), (1999). ENEGEP 2002 ABEPRO 8

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NA GESTÃO EMPRESARIAL E NA COMPETITIVIDADE DO PAÍS

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NA GESTÃO EMPRESARIAL E NA COMPETITIVIDADE DO PAÍS A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NA GESTÃO EMPRESARIAL E NA COMPETITIVIDADE DO PAÍS Eduardo Abreu da Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense UENF/CCT/LEPROD Av. Alberto Lamego, 2000, CEP 28015-620,

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025

REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 CURSO E-LEARNING REQUISITOS GERAIS PARA COMPETÊNCIA DE LABORATORIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO NBR ISO/IEC 17025 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitido a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

Cesar Lima - Gerdau Açominas.

Cesar Lima - Gerdau Açominas. Cesar Lima - Gerdau Açominas. A Gerdau Açominas. - Usina siderúrgica integrada. - Capacidade instalada de 3.000.000 t./ano de aço liquido. - Produz 2.750.000 t./ano de acabados em forma de blocos, placas,

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

Nova Legislação para a Metrologia Legal

Nova Legislação para a Metrologia Legal Nova Legislação para a Metrologia Legal Raimundo Rezende / Renato Lazari / Patrícia Carletto UFF / Inmetro Co-located with: Oral presentation layout INMETRO Lei 5966/73 e Lei 9933/99 Autarquia Federal

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Ensaio e Certificação

Ensaio e Certificação Seminário sobre as experiências basileiras na implementação das Diretivas WEEE e RoHS Ensaio e Certificação 08/02/2011 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Cgcre/Inmetro O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações Lucia Lima dos Santos (CEPEL) e Fernando B. Mainier (UFF) RESUMO Atualmente observa-se a importância da gestão da qualidade

Leia mais

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO Luciane de Oliveira Cunha (ITA) lucianeoc@yahoo.com.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TS10) CADERNO DE

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS Lucia Lima dos Santos (UFF)

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM

CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM CONFIABILIDADE METROLÓGICA EM PESAGEM VOCABULÁRIO UM POUCO DE HISTÓRIA GRANDEZA DA MASSA RASTREABILIDADE NA GRANDEZA DA MASSA CONCEITOS METROLÓGICOS E NORMATIVOS METROLOGIA: CIENTIFÍCA E LEGAL ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação

Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação Papel da Tecnologia Industrial Básica (TIB) para a Inovação Sérgio Pinheiro de Oliveira, D.Sc. Chefe Substituto do Laboratório de Força do Inmetro Sumário da Apresentação: - Introdução: - Inovação - Simetro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL Metodologia para Implantação de Sistema de Gestão da Qualidade em Laboratórios

Leia mais

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 A estratégia do trabalho em rede para o fortalecimento da metrologia industrial no Estado de São Paulo Celso Scaranello Rede

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 385, de 23 de outubro de

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado).

O iluminamento ideal é de 1000 lux (lumens por metro quadrado). DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA CONDIÇÕES AMBIENTAIS SISTEMAS METROLÓGICOS PADRÕES Cid Vicentini Silveira 2005 1 CONDIÇÕES AMBIENTAIS 1.1 Objetivos deste capítulo Analisar a influência

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Orientações sobre. Sistema de Gestão da Qualidade 2012. Coordenação de Inovação Tecnológica - CIT

Orientações sobre. Sistema de Gestão da Qualidade 2012. Coordenação de Inovação Tecnológica - CIT Orientações sobre Sistema de Gestão da Qualidade 2012 Coordenação de Inovação Tecnológica - CIT Sistema de Gestão da Qualidade - SGQ Um Guia para a Qualidade Organizacional Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) gallina@fei.edu.br Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

Portaria n.º 031, de 18 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 031, de 18 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 031, de 18 de janeiro de

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 185,de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

PC-HK-001 REQUISITOS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

PC-HK-001 REQUISITOS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os Requisitos Gerais para Certificação de Produtos. As particularidades de cada RAC específico de cada Objeto serão expressas em Procedimentos Específicos do HK,

Leia mais

SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005

SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005 INPE-14785-PUD/184 SISTEMAS DA QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO SEGUNDO A NBR ISO/IEC 17025:2005 Alexandre Guirland Nowosad João Gualberto de Cerqueira Júnior INPE São José dos Campos

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

E-mail: clucas@ird.gov.br; rluciane@ird.gov.br; estela@ird.gov.br. Palavras-chave: Gestão da qualidade, Deming, ABNT ISO/IEC 17025.

E-mail: clucas@ird.gov.br; rluciane@ird.gov.br; estela@ird.gov.br. Palavras-chave: Gestão da qualidade, Deming, ABNT ISO/IEC 17025. Estudo comparativo de implementação de requisitos gerenciais da ABNT NBR ISO/IEC 705 e boas práticas de gestão em laboratórios de calibração da área de radiações ionizantes Carlos Alberto Lucas Suplino

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

O INMETRO E OS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

O INMETRO E OS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS O INMETRO E OS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Aldo Cordeiro Dutra Assessor da Presidência do Inmetro O que é o Inmetro? Autarquia do Governo Federal, subordinado ao MDIC É a única autarquia que tem um Contrato

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO INICIAL Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 IMAGO Consultoria M.E Colaborou com a certificação de empresas em diversas áreas: Metalúrgica Têxtil Médica Educação Terceirização de mão de obra

Leia mais

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 NORMA Nº: NIT-DIOIS-008 APROVADA EM MAI/2012 Nº 01/18 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas 5 Histórico da Revisão

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020?

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? O que buscar quando há uma necessidade 3 Como ter confiança em um Organismo 4 Como a acreditação do organismo de inspeção

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1 Alexandre Luis Dalla Rosa, Eng 2 DEPLOYMENT OF A PRODUCT CERTIFICATION BODY

IMPLANTAÇÃO DE UM ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1 Alexandre Luis Dalla Rosa, Eng 2 DEPLOYMENT OF A PRODUCT CERTIFICATION BODY IMPLANTAÇÃO DE UM ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1 Alexandre Luis Dalla Rosa, Eng 2 Rejane Maria Candiota Tubino, Dra 3 Resumo Este estudo apresenta o processo de implantação de um organismo de

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO José Blois Filho Maurício Martinelli Réche 2. CATEGORIAS DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO PERTECENTES AO SISTEMA 3. OBJETIVO DO

Leia mais

ACREDITAÇÃO, CERTIFICAÇÃO E QUALIDADE

ACREDITAÇÃO, CERTIFICAÇÃO E QUALIDADE ACREDITAÇÃO, CERTIFICAÇÃO E QUALIDADE Stela Cals de Oliveira* Os países mais desenvolvidos tecnologicamente, diante da necessidade de melhorar a qualidade de seus produtos e serviços começaram a estabelecer

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade Enquadramento Nacional 15-07-2014 Teresa Guimarães CERTIFICAÇÃO é uma das atividades de avaliação da conformidade de sistemas de gestão (Entidades) de produtos

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Um bom sistema de uso diário, produzido especificamente para laboratórios

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE SUMÁRIO Apresentação 1 A avaliação da conformidade como estratégia competitiva 2 Definições e Conceitos 2.1 Entendendo a Norma ABNT NBR ISO/IEC 17000

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 1ª Reunião Extraordinária de 2012 do Fórum Governamental de Responsabilidade Social SEMINÁRIO BRASIL-HOLANDA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL GOVERNAMENTAL Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO GUIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE MANUTENÇÃO DA CONFIABILIDADE METROLÓGICA DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO Sereno H.R.S. 1, Sheremetieff Jr. A. 2 1 Inmetro, Duque de Caxias, Brasil hrsereno@inmetro.gov.br

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1de 17 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8. SELO DE IDENTIFICAÇAO

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade

Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sua Adequação para Novas Demandas Elizabeth Cavalcanti Assessora da Presidência Inmetro Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Sinmetro Inmetro

Leia mais

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NORMA Nº: NIT-DIOIS-003 APROVADA EM JUN/2011 Nº 0 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco Certificação de Pessoas Danilo Stocco Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de Ensaios Não

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR Apresentação Fundada em 1990, em Joinville/ SC, a K&L iniciou suas atividades com serviços de manutenção em instrumentos de medição da área dimensional. O rápido reconhecimento permitiu investimentos em

Leia mais

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global Plano de Acreditação das Atividades dos Centros de Recursos Biológicos no Brasil Elizabeth Cavalcanti, Waldemar Souza, Renata Almeida Inmetro/Cgcre/Dconf Petrópolis 16,17,18 set 2013 Elementos Principais

Leia mais