Caderno 3. Capítulo 12. O universo em movimento. Página 225

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno 3. Capítulo 12. O universo em movimento. Página 225"

Transcrição

1 Caderno 3 Capítulo 12 O universo em movimento Página 225

2 Ponto Material e Corpo Extenso Ponto material (ou partícula) é um corpo de tamanho desprezível em comparação com as distâncias envolvidas no movimento estudado. Quando o tamanho do corpo são relevantes para o estudo de seu movimento, ele é chamado de corpo extenso.

3 Posição e Referencial A posição de um ponto material é definida pelas suas coordenadas cartesianas (x, y, z).

4 Repouso e Movimento Uma partícula está em movimento, para um dado referencial, quando sua posição varia no decorrer do tempo. Não existe repouso absoluto nem movimento absoluto.

5 Atividade 1 página 227 Observe a fotografia seguinte de pessoas tomando sol: Caso alguém afirmasse que as pessoas deitadas nas cadeiras de praia estão se movimentando, você provavelmente não acreditaria, não é mesmo? Pois bem, observe agora onde elas se encontram. Digamos que a embarcação da fotografia esteja viajando, como se dizia antigamente, a todo vapor. As pessoas deitadas ao sol estão em movimento ou em repouso? Para responder a essa pergunta, complete corretamente as afirmações.

6 As pessoas tomando sol estão em Repouso relação ao navio e ao mesmo tempo estão em relação ao planeta Terra. em Movimento em Atividade 2 página 228 Quando se viaja de trem, por exemplo, é possível que alguém exclame: Puxa, o trem está indo muito rápido! Olhe as árvores passando pela janela! Você diria que é correto afirmar que as árvores estão em movimento? Para responder a essa pergunta, complete as afirmações.

7 Do mesmo modo que está coreto dizer que o trem está em Movimento em relação às árvores, também é correto dizer que as árvores estão em Repouso em relação ao trem.

8 Trajetória Trajetória de um ponto material é o conjunto das posições ocupadas pelo ponto material no decurso do tempo, isto é, é a união de todas as posições por onde o ponto material passou. O formato da trajetória depende de quem observa o movimento.

9 Atividade 3 página 228 Imaginemos neste momento que você seja um pesquisador especializado no estudo dos movimentos e esteja interessado em estudar as acrobacias das motocicletas de competição. Observe os três exemplos seguintes: Imagine que, para dar início aos estudos, você tivesse desenhado, sobre cada uma das imagens, uma linha tracejada que indicava, simplificadamente, os percursos das motocicletas. Observe como ficariam seus primeiros esquemas.

10 a) Imagem I Note que neste caso, a motocicleta pode ser considerada pequena, quando comparada ao comprimento de seu percurso. Com base nesta observação, responda: Você acredita que a linha tracejada proporcionou uma representação adequada (precisa e completa) do movimento da motocicleta? Justifique. Sim, porque a motocicleta é pequena, se comparada ao comprimento do seu percurso, ou seja, a motocicleta é um pontinho. Movimentos como esse são denominados movimentos de translação.

11 Sim, porque a motocicleta é pequena, se comparada ao comprimento do seu percurso, ou seja, a motocicleta é um pontinho. b) Imagem II Note que, neste caso, já não pode ser considerada tão pequena, quando comparada ao comprimento de seu percurso. Além disso, ao mesmo tempo em que executa um movimento de translação, ela também gira 360 em torno de si mesma. Com base nessas observações, responda: você acredita que a linha tracejada proporcionou uma representação adequada (precisa e completa) do movimento da motocicleta? Justifique.

12 Não, porque a motocicleta não é pequena, se comparada ao comprimento do seu percurso e ainda executa movimento de rotação. Movimentos como esse são denominados movimentos misto de translação e rotação. c) Imagem III Note que, mais uma vez neste caso, a motocicleta já não pode ser considerada tão pequena, quando comparada ao comprimento de seu percurso. Entretanto, ela não executa um movimento de rotação ao mesmo tempo em que executa o movimento de translação. Com base nessas observações, responda: você acredita que a linha tracejada proporcionou uma representação adequada (precisa e completa) do movimento da motocicleta? Justifique.

13 Não, porque a motocicleta não é pequena, se comparada ao comprimento do seu percurso e ainda executa movimento de rotação. Sim, porque a motocicleta executa movimento de translação, apenas. Movimentos como esse são denominados movimentos de translação.

14 Posição Define-se espaço (s) de um ponto A, no instante t, como sendo a medida algébrica (leva em conta o sinal) do arco de trajetória OA. A São Paulo s A = km km Jundiaí A s A = 60 km 0 km Campinas A A 90 km s A = 30 km O espaço (s) indica apenas onde está o móvel na trajetória, isto é, o espaço é um indicador da posição do móvel.

15 Deslocamento e Distância A variação de espaço ou deslocamento escalar indicado por Δs é a diferença entre o espaço final (s f ) e o espaço inicial (s i ) num dado intervalo de tempo. Δs = s f s i A distância percorrida é o quanto efetivamente o móvel andou sem se importar com o sentido do movimento.

16 Exemplificando O móvel passa por A no instante t 0 = 0, passa por B no instante t 1, para no ponto C no instante t 2, inverte o sentido de seu movimento e chega a B no instante t 3. A variação de espaço (Δs), entre os instantes t 0 e t 3, é dada por: Δs = s f s i Δs = 5 2 Δs = 3 m A distância percorrida, entre os instantes t 0 e t 3, é dada por: d = AC + CB d = d = 7 m A distância percorrida (d) somente coincidirá com o valor absoluto de Δs quando o móvel caminhar sempre no mesmo sentido, isto é, quando não houver inversão no sentido do movimento.

17 Atividade 4 página 232 Você sabe o que é um aparelho GPS? A sigla GPS vem do inglês global positioning system ( em português sistema de posicionamento global). Trata-se de um sofisticado equipamento que atualmente é do tamanho de um telefone celular, podendo até estar embutido na programação de um smartphone. Graças à comunicação que ele estabelece com os satélites que orbitam a Terra, o GPS consegue determinar sua posição em praticamente qualquer lugar do planeta. Deste ponto de vista, podemos considerar que não se trata de um equipamento tão caro. De fato, há aparelhos de GPS no mercado mais baratos que muitos celulares simples. Nas fotografias seguintes, considere que, para cada veículo que se movimenta, há um GPS informando constantemente sua posição.

18 Agora, com base nas fotografia, responda: a) Quantas coordenadas são necessárias e suficientes para se determinar a posição de um automóvel trafegando em uma estrada? Uma coordenada. b) Quantas coordenadas são necessárias e suficientes para se determinar a posição de um barco velejando no mar? Duas coordenada. c) Quantas coordenadas são necessárias e suficientes para se determinar a posição de um avião fazendo acrobacias no ar? Três coordenada.

19

20 Exercícios página 117 A figura é uma ilustração do nosso sistema solar. Observandoa com atenção, você pode identificar o Sol, os planetas Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Pode ver ainda a Lua, que é um satélite da Terra, e Plutão que foi rebaixado de planeta para planeta-anão, por conta de sua pouca massa e da sua órbita muito diferente das demais. Estão presentes ainda na ilustração o cinturão de asteroides e Caronte, o satélite de Plutão.

21 Há inúmeros sites nos quais você pode ver animações dos movimentos dos planetas em órbita em torno do Sol. Há também sites que tratam dos sistemas geocêntrico e heliocêntrico. O sistema geocêntrico considerava a Terra imóvel e o Sol em órbita em torno dela. Para os defensores do sistema heliocêntrico, o Sol permanecia em repouso e a Terra, assim como os demais planetas, em órbita em torno dele. A disputa não era nem um pouco amistosa e nem científica. Os defensores da tese geocêntrica se valiam de argumentos de natureza religiosa e acusavam adversários de serem heréticos. A pintura mostrada a seguir, de Cristiano Banti, denominada Galileu frente ao tribunal da inquisição Romana, dá uma ideia das dificuldades pelas quais passavam os que defendiam o heliocentrismo.

22 1) Antes de discutir os argumentos dos defensores de cada sistema, cabe uma pergunta: O que significa dizer que um corpo está em movimento? Movimento é mudança de posição de um corpo em relação a outro, em outras palavras, a distância entre os corpos mudam durante o tempo. 2) Um observador constatou que a distância x entre o carro e a árvore estava aumentando. Concluiu que o carro estava se movimentando para a direita em relação à árvore. Poderia também ter concluído que a árvore estava se movimentando para a esquerda em relação ao carro? Corpo Para a Física, corpo é qualquer porção limitada de matéria. Pode ser um ser vivo ou não. Não havendo menção em contrário, vamos considerar o corpo no estado sólido e desprezar suas eventuais deformações.

23 Movimento é mudança de posição de um corpo em relação a outro, em outras palavras, a distância entre os corpos mudam durante o tempo. 2) Um observador constatou que a distância x entre o carro e a árvore estava aumentando. Concluiu que o carro estava se movimentando para a direita em relação à árvore. Poderia também ter concluído que a árvore estava se movimentando para a esquerda em relação ao carro? Corpo Para a Física, corpo é qualquer porção limitada de matéria. Pode ser um ser vivo ou não. Não havendo menção em contrário, vamos considerar o corpo no estado sólido e desprezar suas eventuais deformações. Observador A palavra observador é muito comum na Física e deve ser considerada um sinônimo de experimentador, ou seja, aquele que realiza medidas.

24 2) Um observador constatou que a distância x entre o carro e a árvore estava aumentando. Concluiu que o carro estava se movimentando para a direita em relação à árvore. Poderia também ter concluído que a árvore estava se movimentando para a esquerda em relação ao carro? Corpo Para a Física, corpo é qualquer porção limitada de matéria. Pode ser um ser vivo ou não. Não havendo menção em contrário, vamos considerar o corpo no estado sólido e desprezar suas eventuais deformações. Observador A palavra observador é muito comum na Física e deve ser considerada um sinônimo de experimentador, ou seja, aquele que realiza medidas. Sim, a escolha do referencial é arbitrária. No entanto, para facilitar a resolução de problemas, é essencial a escolha do referencial mais conveniente, caso não seja especificado o referencial este será a terra.

25 Sim, a escolha do referencial é arbitrária. No entanto, para facilitar a resolução de problemas, é essencial a escolha do referencial mais conveniente, caso não seja especificado o referencial este será a terra. 3) A hipótese geocêntrica considera a Terra imóvel e o Sol em órbita em torno dela. De acordo com o sistema heliocêntrico, o Sol permanece em repouso e a Terra, assim como os demais planetas, em órbita em torno dele. Sobre isso são feitas duas perguntas: a) Se a escolha do referencial é arbitrária, qual a hipótese que você considera correta? A geocêntrica ou a heliocêntrica? Eu consideraria a heliocêntrica porque vários planetas estão em órbita em torno do Sol.

26 Eu consideraria a heliocêntrica porque vários planetas estão em órbita em torno do Sol. b) Por que a hipótese heliocêntrica hoje é aceita (ainda que fossem necessários alguns ajustes) enquanto a geocêntrica não passa de uma curiosidade histórica? Porque na teoria geocêntrica, os planetas permanecem em órbita em torno de pontos imaginários que permanecem em órbita em torno do Sol, dificultando o estudo dos astros.

Dinâmica de um Sistema de Partículas

Dinâmica de um Sistema de Partículas Dinâmica de um Sistema de Partículas Dra. Diana Andrade, Dra. Ângela Krabbe, Dr. Caius Lucius Selhorst & Dr. Sérgio Pilling 2.1 O que é Física? Capítulo 2 Movimento Retilíneo A palavra Física vem do grego

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 Exercício 1 Apesar da existência do Sistema Internacional (SI) de Unidades, ainda existe a divergência

Leia mais

Cinemática Escalar. DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se

Cinemática Escalar. DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se Cinemática Escalar DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se preocupar com suas causas. REFERENCIAL: É o lugar onde está localizado de fato um observador em relação ao qual um dado fenômeno está sendo analisado.

Leia mais

FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV

FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV Alexandre Santos (Xandão) 9º FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV 1 Assinale na coluna I as afirmativas verdadeiras e, na coluna II as falsas. A velocidade da partícula varia de acordo com o gráfico

Leia mais

O Sistema Solar 20/3/2011. Centro Educacional Adventista do Gama CEAG

O Sistema Solar 20/3/2011. Centro Educacional Adventista do Gama CEAG 20/3/2011 Centro Educacional Adventista do Gama CEAG O nosso sistema solar consiste de uma estrela média, a que chamamos o Sol, os planetas Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno

Leia mais

3. (PUC-SP) Leia com atenção a tira da Turma da Mônica mostrada a seguir e analise as afirmativas que se

3. (PUC-SP) Leia com atenção a tira da Turma da Mônica mostrada a seguir e analise as afirmativas que se Lista de exercícios FÍSICA - 1º EM Professor Osvaldo 1. (UEM-PR) Um trem se move com velocidade horizontal constante. Dentro dele estão o observador A e um garoto, ambos parados em relação ao trem. Na

Leia mais

Geocentrismo e Heliocentrismo

Geocentrismo e Heliocentrismo Geocentrismo e Heliocentrismo O interesse sobre a ordenação do Sistema Solar proporcionou muitos anos de observações, estudos e debates. Ao longo da história, as duas teorias mais conhecidas são: a do

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES. FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES. FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano Agrupamento de Escolas AR T U R G O N Ç AL V E S ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano Assunto: Viagens com GPS 1. Classifica cada uma das afirmações

Leia mais

Movimento uniformemente variado. Capítulo 4 (MUV)

Movimento uniformemente variado. Capítulo 4 (MUV) Movimento uniformemente variado Capítulo 4 (MUV) Movimento uniformemente variado MUV aceleração escalar (α) é constante e não nula. O quociente α = v t é constante e não nulo. Função horária da velocidade

Leia mais

Gráficos de MUV Movimento Uniformemente Variado

Gráficos de MUV Movimento Uniformemente Variado Gráficos de MUV Movimento Uniformemente Variado 1. (Uel 1994) Dois móveis partem simultaneamente de um mesmo ponto e suas velocidades estão representadas no mesmo gráfico a seguir. A diferença entre as

Leia mais

2 Com base na situação apresentada no exercício número 1, reescreva as afirmativas incorretas, fazendo as correções necessárias, justificando-as.

2 Com base na situação apresentada no exercício número 1, reescreva as afirmativas incorretas, fazendo as correções necessárias, justificando-as. EXERCÍCIOS CONCEITOS BÁSICOS DE CINEMÁTICA 9ºANO 3ºBIMESTRE 1-Uma pessoa (A), parada ao lado da via férrea, observa uma locomotiva passar sem vagões. Ela vê o maquinista (B) e uma lâmpada (C) acessa dentro

Leia mais

Disciplina: FÍSICA I Curso: MATEMÁTICA PROF. ZENAR PEDRO SCHEIN Sala: ATIVIDADES PARA O DIA 29/2/2015

Disciplina: FÍSICA I Curso: MATEMÁTICA PROF. ZENAR PEDRO SCHEIN Sala: ATIVIDADES PARA O DIA 29/2/2015 1 Disciplina: FÍSICA I Curso: MATEMÁTICA PROF. ZENAR PEDRO SCHEIN Sala: ATIVIDADES PARA O DIA 9//015 OBS.: TODOS OS TEXTOS E EXERCÍCIOS ORGANIZADOS EM FÍSICA I SÃO COMPILADOS DA BIBLIOGRAFIA BÁSICA OU

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 3º EM DATA : / / BIMESTRE 3º PROFESSOR: Renato DISCIPLINA: Física 1 ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feito em papel almaço e deverá conter

Leia mais

A Matemática mais perto de você.

A Matemática mais perto de você. Cinemática Velocidade Média (UFMS) Um corredor percorre 0,2 quilômetros em linha reta, em um intervalo de tempo de 6,0 minutos. Qual é a sua velocidade média em km/h? a) 0,55 b) 0,2 c) 2 d) 0,03 e) 1,8

Leia mais

Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna.

Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna. Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna. Nós já vimos algumas imagens astronômicas, já conhecemos um pouco do céu, da luz, dos telescópios, E se você fosse desafiado a fazer um desenho do universo,

Leia mais

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016.

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016. FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL Cinemática 1D POSIÇÃO Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema Reta numérica real com origem Crescimento para direita, decrescimento para esquerda

Leia mais

Departamento de Astronomia - Instituto de Física - UFRGS

Departamento de Astronomia - Instituto de Física - UFRGS Departamento de Astronomia - Instituto de Física - UFRGS FIS02010 - FUNDAMENOS DE ASRONOMIA E ASROFÍSICA 1a. PROVA 2012/1 - URMA C - Profa. Maria de Fátima Saraiva NOME: Atenção: odas as questões que exigem

Leia mais

Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton)

Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton) Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton) Exercício 1. (TAUBATÉ) Um automóvel viaja com velocidade constante de 72km/h em trecho retilíneo de estrada. Pode-se afirmar que a resultante das

Leia mais

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL Cinemática é a parte da Mecânica que descreve os movimentos. Ponto material é um corpo móvel cujas dimensões não interferem no estudo em questão. Trajetória é

Leia mais

Dependência 1ª série 2016. Conteúdo programático. 1- Cinemática. Cronograma de Avaliação

Dependência 1ª série 2016. Conteúdo programático. 1- Cinemática. Cronograma de Avaliação Dependência 1ª série 2016 Conteúdo programático 1- Cinemática 1.1 Movimento Uniforme 1.2 - Movimento Uniformemente Variado 1.3 Cinemática Vetorial 2 Dinâmica 2.1 Princípios Fundamentais da dinâmica 2.2

Leia mais

Cinemática: Conceitos Básicos

Cinemática: Conceitos Básicos Cinemática: Conceitos Básicos Ponto Material e Localização Em cinemática, estudamos o movimento de um corpo qualquer, que pode ser um homem, um animal, um planeta, um meio de transporte, etc. Chamamos

Leia mais

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol.

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol. Estações do Ano Aluno: Ricardo Augusto Viana de Lacerda Curso de Especialização em Astronomia (2009)-USP_leste Texto adaptado da Oficina de Astronomia do Prof. Dr. João Batista Garcia Canalle. a) A lâmpada

Leia mais

1º ANO 20 FÍSICA 1º Bimestral 28/03/12

1º ANO 20 FÍSICA 1º Bimestral 28/03/12 Nome do aluno Turma Nº Questões Disciplina Trimestre Trabalho Data 1º ANO 20 FÍSICA 1º Bimestral 28/03/12 1. (Faap-1996) A velocidade de um avião é de 360km/h. Qual das seguintes alternativas expressa

Leia mais

GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO. Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre

GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO. Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre Como é possível um objeto se manter girando em torno de outro corpo?

Leia mais

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos Introdução à Astronomia Fundamental A renascença chegou na astronomia através dos estudos de Nicolau Copérnico, que propôs um modelo heliocêntrico do Universo

Leia mais

APLICANDO OS CONCEITOS DE VELOCIDADE.

APLICANDO OS CONCEITOS DE VELOCIDADE. APLICANDO OS CONCEITOS DE VELOCIDADE. OBJETIVO: Resolver problemas simples utilizando o conceito de velocidade média (v = distância percorrida dividida pelo intervalo de tempo transcorrido no percurso),

Leia mais

v = v = Δx / Δt (1) med

v = v = Δx / Δt (1) med TEXTO DE REVISÃO 04 Movimento Uniforme - MU. Caro aluno (a): Este é um teto é a continuação do teto de revisão anterior, aqui também a melhor forma de abordá-lo seja sugerir que ele seja lido individualmente

Leia mais

Nível 1 2º ano Gentileza

Nível 1 2º ano Gentileza Nível 1 2º ano Gentileza Aída Sophie e Júlia Garcia 2º ano Gentileza O Sistema Solar é um conjunto de cometas, estrela comum, que nós chamamos de Sol, corpos celestes e seus planetas chamados Mercúrio,

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 13 Aceleração escalar média classificação dos movimentos. Página - 181

Professora Bruna FÍSICA A. Aula 13 Aceleração escalar média classificação dos movimentos. Página - 181 FÍSICA A Aula 13 Aceleração escalar média classificação dos movimentos Página - 181 PARA COMEÇAR Você sabe o que é um porta-aviões? Você sabia que a pista de um porta-aviões tem cerca de 100 metros de

Leia mais

PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º

PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º C O L É G I O K E N N E D Y / R E D E P I T Á G O R A S PLANO DE ESTUDO TRIMESTRE:1º PLANO DE ESTUDO PROFESSOR:MARCÃO DATA DA AVALIAÇÃO: 30/09/16 CONTEÚDO(S) A SER(EM) COBRADO(S) NA AVALIAÇÃO: DISCIPLINA:

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14 Ondas 5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Introdução: elementos básicos sobre ondas De maneira geral, uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro

Leia mais

22-11-2015. No outono e inverno: Na primavera e no verão: As estações do ano (Pp. 95 a 101) Estações do ano. Manual

22-11-2015. No outono e inverno: Na primavera e no verão: As estações do ano (Pp. 95 a 101) Estações do ano. Manual As estações (Pp. 95 a 101) Estações Inclinação do eixo de rotação Solstício de inverno Solstício de verão Equinócio da primavera Equinócio do outono Inclinação dos raios solares Atenção às Páginas do MANUAL

Leia mais

GEOGRAFIA FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER 6 ANO PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER 6 ANO PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 6 ANO PROF. WALACE VINENTE FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 12.1 Conteúdos Desvendando o Universo. O Sistema

Leia mais

Para cada partícula num pequeno intervalo de tempo t a percorre um arco s i dado por. s i = v i t

Para cada partícula num pequeno intervalo de tempo t a percorre um arco s i dado por. s i = v i t Capítulo 1 Cinemática dos corpos rígidos O movimento de rotação apresenta algumas peculiaridades que precisam ser entendidas. Tem equações horárias, que descrevem o movimento, semelhantes ao movimento

Leia mais

Movimentos dos Corpos Celestes

Movimentos dos Corpos Celestes NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Dutra ASSUNTO: Modelos Planetários e Leis de Kepler VALOR: NOTA: Movimentos dos Corpos Celestes Desde a Antigüidade, o homem observa

Leia mais

Atividade de Recuperação- Física

Atividade de Recuperação- Física Atividade de Recuperação- Física 1º Ano- 1º Trimestre Prof. Sérgio Faro Orientação: Refazer os exemplos seguintes no caderno e resolver os demais exercícios. Anotar eventuais dúvidas para esclarecimento

Leia mais

XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (CINEMÁTICA)

XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (CINEMÁTICA) XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (CINEMÁTICA) 1) Na Figura 1, uma esfera lisa pode ser lançada por três escorregadores polidos. Ordene os escorregadores de acordo com o trabalho que a força gravitacional

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 7

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 7 Potencial Elétrico Quando estudamos campo elétrico nas aulas passadas, vimos que ele pode ser definido em termos da força elétrica que uma carga q exerce sobre uma carga de prova q 0. Essa força é, pela

Leia mais

Caro (a) Aluno (a): Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU. Bom estudo e Boa Sorte!

Caro (a) Aluno (a): Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU. Bom estudo e Boa Sorte! TEXTO DE EVISÃO 15 Movimento Circular Caro (a) Aluno (a): Este texto apresenta uma revisão sobre movimento circular uniforme MCU. om estudo e oa Sorte! 1 - Movimento Circular: Descrição do Movimento Circular

Leia mais

* Coordenadas Geográficas Movimento de rotação 6ºANO Cap 2 pg 23

* Coordenadas Geográficas Movimento de rotação 6ºANO Cap 2 pg 23 * Coordenadas Geográficas Movimento de rotação 6ºANO Cap 2 pg 23 Nosso planeta abrange uma área de aproximadamente 510 milhões de quilômetros quadrados. A título de comparação, o Brasil representa apenas

Leia mais

Escola Secundária Vitorino Nemésio. Ficha de trabalho número 7: Movimento e Repouso Trajectória Rapidez média Força Massa e peso

Escola Secundária Vitorino Nemésio. Ficha de trabalho número 7: Movimento e Repouso Trajectória Rapidez média Força Massa e peso Escola Secundária Vitorino Nemésio Ciências Físico-Químicas 7ºAno Ano lectivo 2008/2009 Ficha de trabalho número 7: Movimento e Repouso Trajectória Rapidez média Força Massa e peso 1. O João apanhou um

Leia mais

QUESTÃO ÚNICA ESCOLHA A ÚNICA RESPOSTA CERTA, ASSINALANDO-A COM X NOS PARÊNTESES À ESQUERDA.

QUESTÃO ÚNICA ESCOLHA A ÚNICA RESPOSTA CERTA, ASSINALANDO-A COM X NOS PARÊNTESES À ESQUERDA. PÁGINA 1 / 9 QUESTÃO ÚNICA ESCOLHA A ÚNICA RESPOSTA CERTA, ASSINALANDO-A COM X NOS PARÊNTESES À ESQUERDA. 01. Há exatamente 400 anos, Galileu Galilei usou pela primeira vez uma luneta astronômica para

Leia mais

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS PLANO DE ESTUDO DE CIÊNCIAS 2ª ETAPA 2º ANO EFII Dizem que é uma estrela de quinta grandeza. Mas, quando brilha aqui na Terra, Todos concordam: Sian, Roberto Angelo. Algumas histórias do céu- SP: Paulus,

Leia mais

A unidade de freqüência é chamada hertz e simbolizada por Hz: 1 Hz = 1 / s.

A unidade de freqüência é chamada hertz e simbolizada por Hz: 1 Hz = 1 / s. Movimento Circular Uniforme Um movimento circular uniforme (MCU) pode ser associado, com boa aproximação, ao movimento de um planeta ao redor do Sol, num referencial fixo no Sol, ou ao movimento da Lua

Leia mais

Unidade 13 Introdução à Dinâmica Impulsiva. Introdução Quantidade de Movimento Impulso Teorema do Impulso

Unidade 13 Introdução à Dinâmica Impulsiva. Introdução Quantidade de Movimento Impulso Teorema do Impulso Unidade 13 Introdução à Dinâmica Impulsiva Introdução Quantidade de Movimento Impulso Teorema do Impulso Introdução Em um acidente automobilístico, nem sempre é fácil descobrir quem foi o culpado. Por

Leia mais

Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores

Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores Aula 01: Grandezas Físicas; Sistemas de Unidades; Vetores Tópico 01: Grandezas Físicas - Introdução Caro aluno, quantas vezes você já ouviu alguém falar que Física e Matemática é tudo a mesma coisa? Que

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

Física. do Ensino Médio. 1. série AULA 1. t 0 = 0 v 0 = [3,0. (0) 2 ] (1,0. 0) + 7,0 v 0 = 7,0 m/s Do exercício 1: v 1 = 51,0 m/s γ m = v 40, 0

Física. do Ensino Médio. 1. série AULA 1. t 0 = 0 v 0 = [3,0. (0) 2 ] (1,0. 0) + 7,0 v 0 = 7,0 m/s Do exercício 1: v 1 = 51,0 m/s γ m = v 40, 0 Física a 1. série do Ensino Médio AULA 1 VELOCIDADE ESCALAR INSTANTÂNEA E ACELERAÇÃO ESCALAR INSTANTÂNEA Roteiro de estudo t 0 = 0 v 0 = [3,0. (0) 2 ] (1,0. 0) + 7,0 v 0 = 7,0 m/s Do exercício 1: v 1 =

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA - SAB VI Olimpíada Brasileira de Astronomia VI OBA 2003 GABARITO da prova do nível II (para alunos da 5ª à 8ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA - SAB VI Olimpíada Brasileira de Astronomia VI OBA 2003 GABARITO da prova do nível II (para alunos da 5ª à 8ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA - SAB VI Olimpíada Brasileira de Astronomia VI OBA 2003 GABARITO da prova do nível II (para alunos da 5ª à 8ª série) Questão 1) (1 ponto) O céu visto aqui da Terra, durante

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

Números escritos em notação científica

Números escritos em notação científica Notação Científica Números escritos em notação científica Escrever um número em notação científica tem muitas vantagens: Para números muito grandes ou muito pequenos poderem ser escritos de forma abreviada.

Leia mais

Imagine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F2

Imagine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F2 magine que você queira conhecer alguns pontos do Brasil e vai utilizar este mapa. Vamos lá! - Baía de Guanabara G6 - Porto Velho C3 - Belém F Agora, encontre as seguintes localidades e assinale o ponto

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo

Programa de Retomada de Conteúdo Daniela Colégio Amorim Santa Teresa Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo Apostila 1 Física Capítulo 3 Página 302 A Natureza das Ondas Classificação quanto a natureza Ondas Mecânicas São ondas relacionadas à oscilação das partículas do meio. Portanto, exige a presença de meio

Leia mais

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 1 Movimentos na Terra e no Espaço. Correção do 1º Teste de Avaliação. Movimentos no espaço. Os satélites geoestacionários. - O Movimentos de satélites. - Características e aplicações

Leia mais

FÍSICA 1ºTA REPOSICAÇÃO 2015 CINEMÁTICA ESCALAR DEFINIÇÕES E CONCEITOS

FÍSICA 1ºTA REPOSICAÇÃO 2015 CINEMÁTICA ESCALAR DEFINIÇÕES E CONCEITOS FÍSICA ºTA REPOSICAÇÃO 205 CINEMÁTICA ESCALAR DEFINIÇÕES E CONCEITOS O QUE É A CINEMÁTICA A Cinemática estuda o movimento dos corpos, independentemente das causas desse movimento. Seu objetivo é descrever

Leia mais

Grupo de trabalho: INTRODUÇÃO. ao horizonte do lugar, segundo um determinado plano, sequência e hora do dia.

Grupo de trabalho: INTRODUÇÃO. ao horizonte do lugar, segundo um determinado plano, sequência e hora do dia. A CALCULADORA PLANETÁRIA O movimento de translação dos planetas e a sua posição relativa no céu Data: / / Grupo de trabalho: INTRODUÇÃO No seu movimento de translação em torno Sol, os planetas ocupam posições

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Objetivos Fenômenos de Transporte II - Conceitos Fundamentais Caracterizar o campo de velocidade. Descrever os diversos tipos de escoamento e as diferentes formas de representá-los graficamente. Prof.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL NILSON SOCORRO - 2007 CURSO DE FÍSICA Módulo 1

COLÉGIO ESTADUAL NILSON SOCORRO - 2007 CURSO DE FÍSICA Módulo 1 CURSO DE FÍSICA Módulo 1 Índice CINEMÁTICA ESCALAR...2 Exercícios de classe...3 Velocidade Escalar...4 Exercícios de classe...5 Atividades para casa...6 MOVIMENTO UNIFORME...9 Função Horária...9 Atividades

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula uma introdução aos elementos básicos da perspectiva. (Mateus Machado) 1. DEFINIÇÃO INTRODUÇÃO A PERSPECTIVA Podemos dizer que a perspectiva é sem dúvida uma matéria dentro do desenho

Leia mais

Como aprender Física? Eliane A. Veit Instituto de Física UFRGS Maio de 2006

Como aprender Física? Eliane A. Veit Instituto de Física UFRGS Maio de 2006 Como aprender Física? Eliane A. Veit Instituto de Física UFRGS Maio de 006 Quem é capaz de responder? Se um trem viaja em linha reta durante horas, a 40 km/h, que distância percorre? 80 km distância =

Leia mais

Série 3 Movimento uniformemente variado

Série 3 Movimento uniformemente variado Resoluções Segento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gaa. Disciplina: Física Caderno de Exercícios 1 Unidade I Cineática Série 3 Moviento uniforeente variado 1. D Substituindo o valor de t = 4 s, na

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03)

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Sólidos Geométricos DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Você já sabe que todos os pontos de uma figura plana localizam-se no mesmo plano. Quando uma figura geométrica tem pontos situados em diferentes planos, temos

Leia mais

Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 1 A - 08/11/2011

Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 1 A - 08/11/2011 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2011/2012 Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 1 A - 08/11/2011 1. O GPS é um sistema de navegação à escala global que, em qualquer

Leia mais

OS SERES VIVOS DO AMBIENTE PRÓXIMO

OS SERES VIVOS DO AMBIENTE PRÓXIMO OS SERES VIVOS DO AMBIENTE PRÓXIMO Comparo e classifico as plantas segundo alguns critérios. Desde sempre o homem tomou consciência da variedade de plantas que o rodeavam e sentiu necessidade de as reunir

Leia mais

Centro de gravidade de um corpo é o ponto onde podemos supor que seu peso esteja aplicado.

Centro de gravidade de um corpo é o ponto onde podemos supor que seu peso esteja aplicado. Apostila de Revisão n 4 DISCIPLINA: Física NOME: N O : TURMA: 2M311 PROFESSOR: Glênon Dutra DATA: Mecânica - 4. Corpo Rígido 4.1. Torque análise semiquantitativa, na Primeira Etapa, e quantitativa, na

Leia mais

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Criação de uma Apresentação - 90 min

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Criação de uma Apresentação - 90 min Ficha orientada nº2 Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint Objectivos: Criar uma apresentação Inserir um novo diapositivo Formatar texto Guardar uma apresentação Correr uma apresentação 1. Criar um

Leia mais

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta Capítulo 4 Retas e Planos Neste capítulo veremos como utilizar a teoria dos vetores para caracterizar retas e planos, a saber, suas equações, posições relativas, ângulos e distâncias. 4.1 A reta Sejam

Leia mais

Física Legal.NET O seu site de Física na Internet

Física Legal.NET O seu site de Física na Internet 31. (Pucsp 2005) Certo carro nacional demora 30 s para acelerar de 0 a 108 km/h. Supondo sua massa igual a 1200 kg, o módulo da força resultante que atua no veículo durante esse intervalo de tempo é, em

Leia mais

ENSAIO SOBRE AS FASES DA LUA

ENSAIO SOBRE AS FASES DA LUA Introdução ENSAIO SOBRE AS FASES DA LUA Denis E. Peixoto NASE Brasil Compreender e explicar as fases da tem sido um dos maiores obstáculos enfrentados pelos professores de ciências tanto do Ensino Fundamental

Leia mais

Matemática Básica Intervalos

Matemática Básica Intervalos Matemática Básica Intervalos 03 1. Intervalos Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Geometricamente correspondem a segmentos de reta sobre um eixo coordenado. Por exemplo, dados dois números

Leia mais

Vestibular Nacional Unicamp 1998. 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998. Física

Vestibular Nacional Unicamp 1998. 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998. Física Vestibular Nacional Unicamp 1998 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998 Física 1 FÍSICA Atenção: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão nos espaços reservados para as mesmas. Adote a aceleração da gravidade

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A NOVEMBRO 2011

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A NOVEMBRO 2011 FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A NOVEMBRO 2011 APSA Nº8 REVISÔES DA UNIDADE 1 11º Ano de Escolaridade 1- Classifique em verdadeiras ou falsas as seguintes afirmações: A Quando um corpo está em movimento,

Leia mais

Variáveis Frequências Gráficos Medidas de Posição Medidas de Dispersão Medidas Complementares Inferência

Variáveis Frequências Gráficos Medidas de Posição Medidas de Dispersão Medidas Complementares Inferência Tipos de Variáveis Problema Motivador: Um pesquisador está interessado em fazer um levantamento sobre aspectos sócio-econômicos dos empregados da seção de orçamentos de uma companhia (vide tabela). Algumas

Leia mais

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ;

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ; 1. Cinemática Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 0304 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

Um misto de teoria e observação (A mix of theory and observation) Valdir Monteiro dos Santos Godoi

Um misto de teoria e observação (A mix of theory and observation) Valdir Monteiro dos Santos Godoi Um misto de teoria e observação (A mix of theory and observation) Valdir Monteiro dos Santos Godoi valdir.msgodoi@gmail.com RESUMO Procuramos esclarecer que o movimento do periélio dos planetas não é algo

Leia mais

Atividades: Distância entre dois pontos e ponto médio

Atividades: Distância entre dois pontos e ponto médio Atividades: Distância entre dois pontos e ponto médio Você já deve ter se perguntado: Por que estudar Matemática? Para que serve isso? Outros de vocês, talvez, nunca se perguntaram isso, apenas estudam

Leia mais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais Geometria Diferencial de Curvas Espaciais 1 Aceleração tangencial e centrípeta Fernando Deeke Sasse Departamento de Matemática CCT UDESC Mostremos que a aceleração de uma partícula viajando ao longo de

Leia mais

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força 1 - INTRODUÇÃO A Mecânica é uma ciência física aplicada que trata dos estudos das forças e dos movimentos. A Mecânica descreve e prediz as condições

Leia mais

ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO

ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO Onde estamos na Terra: os pontos de orientação Ao nos deslocarmos no espaço, sentimos a necessidade de uma referência que oriente o nosso movimento. No cotidiano, utilizamos

Leia mais

Geocentrismo X Heliocentrismo: evolução dos modelos para o cosmo

Geocentrismo X Heliocentrismo: evolução dos modelos para o cosmo Geocentrismo X Heliocentrismo: evolução dos modelos para o cosmo Desde a antiguidade, o homem caminha sobre a Terra e olha para o céu. Todos os dias, ele vê o Sol se elevar e desaparecer no horizonte.

Leia mais

Vamos dar uma voltinha?

Vamos dar uma voltinha? Vamos dar uma voltinha? PARA COMEÇAR!! Ciências da Natureza Ensino Médio A patinadora desliza sobre o gelo, braços estendidos, movimentos leves, música suave. De repente encolhe os braços junto ao corpo,

Leia mais

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T6 Física Experimental I - 2007/08 ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO 1. Objectivo Estudo do funcionamento, em regime estacionário,

Leia mais

Noções de Astrofísica e Cosmologia

Noções de Astrofísica e Cosmologia Noções de Astrofísica e Cosmologia 2. O Universo Mecânico. O Nascimento da Astrofísica. Prof. Pieter Westera pieter.westera@ufabc.edu.br http://professor.ufabc.edu.br/~pieter.westera/astro.html As Observações

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA - ENSINO MÉDIO Título do Podcast Área Segmento Duração Relações matemáticas entre grandezas físicas Ciências da Natureza Física e Matemática

Leia mais

Tempo de Ciências. SUGESTÃO DE ATIVIDADES EXTRAS Temas 1 e 2

Tempo de Ciências. SUGESTÃO DE ATIVIDADES EXTRAS Temas 1 e 2 Tempo de Ciências 6 SUGESTÃO DE ATIVIDADES EXTRAS Temas 1 e 2 Atividades Ciências da Natureza Tema 1: Nosso lugar no Universo 1. De acordo com o que você estudou sobre os astros, descreva o que são cometas

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

MRUV - MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO

MRUV - MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORMEMENTE VARIADO DISCIPLINA: FÍSICA MODERNA ALUNO(A): SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE

Leia mais

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 24 CIRCUNFERÊNCIA

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 24 CIRCUNFERÊNCIA MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 24 CIRCUNFERÊNCIA r (a, b) P R C P R C P R C Como pode cair no enem (UFRRJ) Em um circo, no qual o picadeiro tem no plano cartesiano a forma de um círculo de equação igual a

Leia mais

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo.

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo. MECÂNICA - Área da Física que estuda os movimentos. Foi dividida em: CINEMÁTICA: Estuda o movimento dos corpos sem enfocar sua causa, procurando investigar o que está acontecendo durante esse movimento:

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade

Leia mais

2. Analise o esquema abaixo referente a um espelho plano. A imagem do objeto que será vista pelo observador localiza-se no ponto: a) 1 b) 2 c) 3 d) 4

2. Analise o esquema abaixo referente a um espelho plano. A imagem do objeto que será vista pelo observador localiza-se no ponto: a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 1. Considere um objeto formado por uma combinação de um quadrado de aresta a cujos vértices são centros geométricos de círculos e quadrados menores, como mostra a figura abaixo. Colocando-se um espelho

Leia mais

ESTUDO DE UM MOVIMENTO 519EE TEORIA

ESTUDO DE UM MOVIMENTO 519EE TEORIA 1 TEORIA 1. INTRODUÇÃO Observe a seguinte sequência de fotos: Figura 1: Exemplos de vários tipos de movimento. O que tem a ver as situações do dia a dia ilustradas na figura 1 acima com os conceitos da

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Introdução à Astronomia Complemento Forças Gravitacionais Diferenciais Prof. Rogério Riffel Precessão do Eixo da

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Raciocínio Lógico Matemático Cap. 8 Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Sequências Lógicas e Suas Leis de Formação Estudaremos, neste capítulo, várias sequências lógicas e buscaremos explorar quais

Leia mais

Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico Prof. Alex S. Vieira

Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico Prof. Alex S. Vieira Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico 1) Se, após o contato e posterior separação, F 2 é o módulo da força coulombiana entre X e Y, podese afirmar corretamente que o quociente F

Leia mais

Planetas anões, asteroides e cometas

Planetas anões, asteroides e cometas Planetas anões, asteroides e cometas Laurindo Sobrinho 03 de novembro de 2012 1 Imagem de Plutão obtida pelo HST Descoberto em 1930 foi considerado até 2006 o nono planeta do Sistema Solar. Com a resolução

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA TEORIA AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP EDIÇÃO REVISADA

FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA TEORIA AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP EDIÇÃO REVISADA FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA TEORIA AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP 2004 EDIÇÃO REVISADA SUMÁRIO INTRODUÇÃO definição da esfera celeste 01 à

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 3

Ficha de Avaliação Sumativa 3 Ficha de Avaliação Sumativa 3 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Introdução Para quem vai ler e interpretar desenhos técnicos, é muito importante saber fazer a correspondência entre as vistas ortográficas e o modelo representado

Leia mais