Tratamento por Fatores resolução literal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento por Fatores resolução literal"

Transcrição

1 Tratamento por Fatores resolução literal Setembro de 2013

2 Advertência Os conceitos e opiniões apresentados neste workshop são de responsabilidade exclusiva do palestrante. Não expressam necessariamente o posicionamento do IBAPE/SP a respeito do assunto abordado. O IBAPE/SP não se responsabiliza por opiniões ou Pareceres emitidos por terceiros, associados ou não, ou pelo emprego indevido das informações aqui contidas.

3 Conteúdo Lembrança dos fatores de terrenos Testada Profundidade Dedução da fórmula Pesquisa de preços Avaliação Exemplo numérico Homogeneização e Avaliação 3

4 Fatores de forma para terrenos Pequeno resgate 4

5 Coeficiente de Testada Frente Projetada - Fp 5

6 1,20 Coeficiente de Testada ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Frente Projetada - Fp 6

7 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp = Fr Cf = 1,00 7

8 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 ½ Fr Fp 2 Fr Cf = f F p F r 8

9 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp ½ Fr Cf = 1 2 f 9

10 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp 2 Fr Cf = 2 f 10

11 Coeficiente de Testada 2ª Zona do IBAPE/SP Fr = 10,00m Fp = 6,80m f = 0,20 Cf = F p F r f 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 Cf = 6,8 10 ⅕ Cf = 0,9258 6,80m 11

12 Coeficiente de Testada 2ª Zona do IBAPE/SP Fr = 10,00m Fp = 10,20m f = 0,20 Cf = F p F r f 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 Cf = 10,2 10 ⅕ Cf = 1, ,20m 12

13 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pmi Pe Pma Cp = 1,00 13

14 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 ½Pmi Pe Pmi Cp = Pe P mi p 14

15 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pe ½Pmi Cp = 1 2 p Cp = 0,

16 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pma Pe 3 Pma Cp = P ma Pe + 1 P ma Pe P ma Pe p 16

17 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Cp = p 3 Pma Pe Cp = 0,

18 Coeficiente de Profundidade 1,00 12, ,90 0,80 0,70 2ª Zona do IBAPE/SP Pmi = 25m Pma = 40m Fp = 10,00m Pe = 32,00m Cp = 1,00 18

19 Coeficiente de Profundidade 1,00 12, ,90 0,80 0,70 2ª Zona do IBAPE/SP Pmi = 25m Pma = 40m At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Cp = 40 62, , ,88 ½ Cp = 0,

20 Dedução da Fórmula Pesquisa de preços 20

21 Elemento de Pesquisa Coletado no mercado Valor ofertado = V o Valor de venda: V V = V o F f At = 641,33m² Valor de venda do terreno: V t = V V V b V t = V o F f V b Valor unitário de venda do terreno: Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 V ub = V t At V ub = V o F f V b At 21

22 Situação paradigma Definida com base nas características da região e do avaliando 2ª Zona IBAPE/SP Valor unitário homogeneizado para o paradigma = V u Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 V u Incógnita 22

23 Coeficiente de testada (frente) PARADIGMA Fr = 10m Cf p V u EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Cf e V ub V u = V ub Cf p Cf e V u = V ub 1 Cf e [1] Na Norma 2011: Cf = 1 Cf e [2] E então: V u = V ub Cf [3] 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr Sendo ΔV f a variação decorrente da diferença de frentes, teremos: V f = V u V ub V u = V f + V ub [4] 1,00 Como [Eq 3] = [Eq 4]: V f + V ub = V ub Cf V f = V ub Cf V ub 0, ,2 V f = V ub Cf 1 23

24 Coeficiente de Profundidade PARADIGMA Pe = 25m a 40m Cp p V u EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Pe = 62,88m Cp e V ub V u = V ub Cp p Cp e V u = V ub 1 Cp e [1] Na Norma 2011: Cp = 1 Cp e [2] E então: V u = V ub Cp [3] 1,00 Sendo ΔV p a variação decorrente da diferença de profundiades, teremos: V p = V u V ub V u = V p + V [4] ub 12, ,90 0,80 Como [Eq 3] = [Eq 4]: V p + V ub = V ub Cp V p = V ub Cp V ub 0,70 25 Pe 50 62,88 V p = V ub Cp 1 25

25 Coeficiente de transposição PARADIGMA Índice Local = 800,00 I Lp V u 1,20 1,10 1,00 0,90 EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Índice Local = 755,00 I Le V ub Na Norma 2011: E então: V u = V ub I Lp I Le [1] Ct = I Lp I Le [2] V u = V ub Ct [3] Sendo ΔV t a variação decorrente da diferença de local, teremos: V t = V u V ub V u = V t + V ub [4] Como [Eq 3] = [Eq 4]: V t + V ub = V ub Ct V t = V ub Ct V ub 0,80 700,00 750,00 800,00 850,00 900,00 V t = V ub Ct 1 27

26 Soma das Influências Atributo Frente Profundidade Transposição SOMA Cálculo V f = V ub Cf 1 V p = V ub Cp 1 V t = V ub Ct 1 V f,p,t = V ub Cf 1 + Cp 1 + Ct 1 n i=1 V i Generalizando para n fatores, teremos = V ub C C C C n 1 ou n n V i = V ub C i n i=1 i=1 28

27 Soma das Influências V u = V ub + V Total [4] V u = V ub + n i=1 V i V u = V ub + V ub C C C C n 1 V u = V ub 1 + C C C C n 1 [5] (item a da Norma do IBAPE/SP) Ou V u = V ub n C i i=1 n + 1 [6] 29

28 Exemplo de cálculo ELEMENTO DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 PARADIGMA 2ª Zona IBAPE/SP Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 Valor homog V u 30

29 Exemplo de cálculo EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 V ub = R$ ,9 R$ ,46 641,33m 2 V ub = R$740,18/m 2 Ct = I Lp = 800 I Le 755 Ct = 1,0596 Cf = 1 Cf = Fr Fp f = 10 10,2 ⅕ Cf = 0,

30 Exemplo de cálculo At = 641,33m² Cp = 1 Cp = 1 P ma Pe + 1 P ma Pe P ma Pe Cp = EL. DE PESQUISA Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 p = 40 62, , ,88 1 0,9264 = 1, ½ V u = V ub 1 + Ct 1 + Cf 1 + Cp 1 V u = R$740,18 m , , , V u = R$840, 21 m 2 32

31 Dedução da fórmula Avaliação 33

32 Fórmula de Avaliação V u = V ub 1 + C C C C n 1 (item a da Norma do IBAPE/SP) [5] V ub = V u 1 + C C C C n 1 [7] (item b da Norma do IBAPE/SP) e V t = V ub A t [8] 34

33 Avaliação Exemplo de cálculo PARADIGMA 2ª Zona IBAPE/SP Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 V u =R$850,00/m² AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19m Pe = 23m Índice Local = 800,00 35

34 Avaliação Exemplo de cálculo AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19,00m Pe = 23,00m Índice Local = 800,00 Ct = I Lp = 800 I Le 800 Ct = 1,0000 Cf = 1 Cf = Fr Fp f = ⅕ Cf = 0,8795 Cp = 1 Cp = P mi Pe p = ½ Cp = 1,

35 Avaliação Exemplo de cálculo AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19,00m Pe = 23,00m Índice Local = 800,00 V ub = V u 1 + Ct 1 + Cf 1 + Cp 1 V ub = R$850,00 m , , , V ub = R$911,19 m 2 V t = V ub A t V t = R$911,19 m 2 437,00m² V t = R$ , 00 37

36 Dúvidas? 38

37 (11) Rua Maria Paula, 122 1º andar Bela Vista São Paulo SP

PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES

PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES COORDENAÇÃO: Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira COLABORADORES: Osório Accioly Gatto, Paulo Grandiski, Nelson Nady Nór Filho,

Leia mais

Tratamento por Fatores

Tratamento por Fatores Tratamento por Fatores Junho 2014 ADVERTÊNCIA Os conceitos e opiniões apresentados nesta apresentação são de responsabilidade exclusiva do palestrante. Não expressam necessariamente o posicionamento do

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03).

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03). LAUDO DE AVALIAÇÃO 1.0 - OBJETO Constitui-se objeto da presente avaliação, a determinação de valores dos terrenos frontais à Rua XV de Novembro, que receberam melhoria na sua estrutura, com pavimentação

Leia mais

TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS

TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS Coordenar: Odevan Ruas de Mennça Colaborares: Antônio Guilherme de Menezes Braga Odair s Santos Vinagreiro Ana Maria

Leia mais

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002)

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Wagner Gerson Costa, engenheiro civil, perito judicial nomeado

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Rua Dr. Gerônimo Monteiro Lopes, 373, 383, 389 e 393 (Antiga Rua Projetada, 5 Lotes 230, 231 e 232) Vila São Francisco Registro / SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 1. VALOR

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Ceará, nº 2855 São Joaquim da Barra/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.872444 S 20.585111 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Lotes 13 e 14 Quadra B Prolongamento da Rua Monsenhor Seckler (Loteamento não implantado) Bairro Vila Oceanópolis Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Engenheiro Civil graduado pela FUMEC - Belo Horizonte/MG 1992; Diretor da empresa AM Projetos e Sistemas; Atuações como Perito Judicial na Justiça Estadual

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 Laudo n. 17.477_289/12 São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 À MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Rua Aloísio Magalhães, 22 Município de Perus - SP Prezados Senhores, A ENGEVAL - ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 10 a VARA CÍVEL DA CAPITAL PROCESSO: 1053415-81.2014.8.26.0100 FERNANDO FLÁVIO DE ARRUDA SIMÕES, engenheiro, perito judicial, nomeado nos autos da ação ORDINÁRIA ajuizada

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Imóveis semelhantes e o passivo/ativo ambiental na engenharia de avaliações aplicada em imóveis

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 pasta A 58 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. Pres. Castelo Branco, Lotes 21 e 23 Quadra 3 Vila Balneária Bairro Jardim Real Praia Grande SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995 NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995 1. OBJETIVO 1.1 - A presente Norma destina-se a fornecer diretrizes e a estabelecer padrões para elaboração de laudos avaliatórios que, em casos particulares,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE NOSSA SENHORA DO Ó SP.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE NOSSA SENHORA DO Ó SP. fls. 148 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE NOSSA SENHORA DO Ó SP. AUTOS Nº: 0701682-69.2012.8.26.0020 MAÍRA DE MORAES MODOTTI, Engenheira, Perita Judicial,

Leia mais

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS O tratamento por fatores tem por objetivo tornar comparáveis os dados coletados na pesquisa. É a parte mais trabalhosa da avaliação. O tratamento

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 11º Encontro - 23/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA -LOCALIZAÇÃO DA EMPRESA INDUSTRIAL MÉTODOS

Leia mais

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza

Leia mais

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS 1. OBJETIVO E FINALIDADE DO PARECER Este laudo de

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS COM TRATAMENTO POR COMPARATIVOS DIRETOS DE DADOS DE MERCADO SÃO PAULO 2009 2 THIAGO VINICIUS ZANIN DE

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Imóvel rural denominado Fazenda Cerrado Distrito de Domélia Agudos-SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 49.245816

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005 INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO Versão 2 Válida a partir de maio 2005 NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005 Rua Maria Paula, 122 Conj. 104 / 106-1º

Leia mais

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS SEMINÁRIO DE PERÍCIAS Norma de Vistoria de Vizinhança IBAPE/SP ANTONIO CARLOS DOLACIO Diretor Técnico do IBAPE/SP ABNT NBR 12722 Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento Item

Leia mais

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Normas Técnicas : A importância de uniformização de Conceitos Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira Normas Técnicas : A importância de uniformização

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 A 109 CPI CPI 2843/2009 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. São Paulo x Av. Atlântica - Lotes 19 e 20 Quadra 6 Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

LAUDO. Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1

LAUDO. Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1 JOSÉ LUIZ GUTIERREZ PERITO JUDICIAL FL. 1 / 16 fls. 195 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1 Sertãozinho-SP

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP AVALIAÇÃO DE RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES PELO MÉTODO COMPARATIVO DIRETO ** NÓR FILHO, NELSON NADY ENGENHEIRO CIVIL CREA/SP n o 150.146/D

Leia mais

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015 Osório Gatto Normas IBAPE - SP 8.5. Escolha da Metodologia Em função da natureza do bem, da finalidade da avaliação e da disponibilidade

Leia mais

Avaliações de Locativos em Shopping Center. Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga

Avaliações de Locativos em Shopping Center. Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga Avaliações de Locativos em Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga Definição Avaliação de Bens: Análise técnica e científica, realizada por engenheiro de avaliações, visando identificar o valor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS Profa. Msc. Marlene Salete Uberti Seropédica, 2006

Leia mais

O Alma é um projeto educacional que busca olhar e cuidar da sua fotografia como um todo, do clique ao post: técnica, fluxo de trabalho, estilo,

O Alma é um projeto educacional que busca olhar e cuidar da sua fotografia como um todo, do clique ao post: técnica, fluxo de trabalho, estilo, O Alma é um projeto educacional que busca olhar e cuidar da sua fotografia como um todo, do clique ao post: técnica, fluxo de trabalho, estilo, pós-produção, referências, precificação, atendimento ao cliente,

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação Relatório de Avaliação Localização Lugar de Castelhões Vila Seca, Barcelos 20-07-2010 Perito Avaliador Mariela Pinheiro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Prédio Rústico Pinhal e Mato Lugar de Castelhão Vila Seca

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Pernambuco, s/nº Lote 11 quadra O Jardim Pacaembu São Carlos/SP Conselho do Patrimônio Imobiliário COORDENADAS GEOGRÁFICAS: S 22.04565º W 47.894178º FICHA CADASTRAL

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13

PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 3 a VARA CÍVEL DE BARUERI PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13 FERNANDO FLÁVIO DE ARRUDA SIMÕES, engenheiro, perito judicial, nomeado nos autos da CARTA

Leia mais

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Apoio Técnico a Questões Relativas à Avaliação em Massa

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Avenida Rui Barbosa Lima, nº 1.791 Vila Ortiz Pirajuí/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 49.454545 S 22.006543 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

V.1.0 DD MM AAAA. Perspectivas para 2015 Paulo Gala

V.1.0 DD MM AAAA. Perspectivas para 2015 Paulo Gala V.1.0 DD MM AAAA Perspectivas para 2015 Paulo Gala 1 Exaustão do modelo CCC 1) Exaustão do modelo CCC (crédito, commodities, consumo) 2) Final do grande movimento iniciado em 2003 - Final do ciclo de crédito

Leia mais

A MODA É DEIXAR A SUA LOJA MAIS ATRATIVA! Programação maio junho 2015

A MODA É DEIXAR A SUA LOJA MAIS ATRATIVA! Programação maio junho 2015 A MODA É DEIXAR A SUA LOJA MAIS ATRATIVA! Programação maio junho 2015 Marketing Oficina Na Medida: como criar uma página empresarial no facebook 19/05 (terça), das 09h30 às 12h30 Valor: R$ 70,00 Oficina

Leia mais

Seminário Direito do Urbanismo e da Construção

Seminário Direito do Urbanismo e da Construção Seminário Direito do Urbanismo e da Construção "Alguns apontamentos sobre contratação pública Lisboa, 6 de dezembro José Fialho, Simarsul, S.A. Seminário Direito do Urbanismo e da Construção A SIMARSUL

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.064/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, ÁREA CONSTRUÍDA: 2.061,96 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.064/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, ÁREA CONSTRUÍDA: 2.061,96 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.064/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, 1.769 (OBS.: NO CARNÊ CONSTA COMO

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

Workshop Train the 3ºTrainer

Workshop Train the 3ºTrainer Workshop Train the 3ºTrainer Formação de Treinadores TREINAMENTOS INOVADORES 23 e 24 de abril de 2013 JOGOS E ATIVIDADES 25 de abril de 2013 Transforme os seus treinamentos em momentos inesquecíveis! Treinamento

Leia mais

lei do vale-transporte

lei do vale-transporte www.vb.com.br lei do vale-transporte Esta apresentação é uma iniciativa da VB para você ter acesso de forma simples e prática aos principais pontos da Lei do Vale-transporte. Aqui, você poderá tirar suas

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Custos da empresa Como vimos, a óptima para a empresa depende da receita, mas depende

Leia mais

PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO

PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO 1 PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO Renê Custódio Cotrim* Breno Lamego Resende** Frederico Correia Llima Coelho*** RESUMO

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES Avaliação de imóveis para fins de direito conforme normas da ABNT As normas brasileiras da ABNT que estabelecem os procedimentos para avaliação

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP

LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. GLEBA DE TERRA 146 A, MATRÍCULA Nº 157.238 DO 3º CRI DE CAMPINAS-SP. APURAR O VALOR REAL

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

ANEXO II LAUDO DE AVALIAÇÃO

ANEXO II LAUDO DE AVALIAÇÃO ANEXO II LAUDO DE AVALIAÇÃO 1. OBJETIVO E FINALIDADE DO PARECER Este laudo de avaliação tem o objetivo único de estimar a valorização imobiliária decorrente das obras públicas de pavimentação a serem realizadas

Leia mais

Têm entre si justa e contratada a celebração do presente instrumento, que se regerá pelas disposições abaixo:

Têm entre si justa e contratada a celebração do presente instrumento, que se regerá pelas disposições abaixo: Considerando que o Sr.(a), portador do CPF/MF sob nº, ( CLIENTE ), devidamente qualificado na sua Ficha Cadastral ( Ficha Cadastral ), celebrou com a SANTANDER CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. Conteúdo Programático

Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. Conteúdo Programático INTRODUÇÃO AO MARKETING / 75h Prof. Walter Sande [EBAPE/FGV]M. Sc. Em Administração [Instituto de Pesquisa e Pós- Graduação em Administração de Empresas da Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPEAD/UFRJ]

Leia mais

Uso sustentável e ocupação do solo. Ben Elder BA BSc FRICS ACIArb Diretor Global de Avaliação da RICS

Uso sustentável e ocupação do solo. Ben Elder BA BSc FRICS ACIArb Diretor Global de Avaliação da RICS Uso sustentável e ocupação do solo Ben Elder BA BSc FRICS ACIArb Diretor Global de Avaliação da RICS Agenda RICS Visão Global O Mundo em Transformação Normas Internacionais fator critico de sucesso para

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural denominado Barra do Rio dos Lobos localizado no Distrito de Lagoinha Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário Rua Tangará, 70 Vila Mariana

Leia mais

Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação

Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação Precisão Consultoria, Rua Congonhas,494 São Pedro Belo Horizonte, MG Brasil fmaia@precisaoconsultoria.com.br Francisco

Leia mais

Relatório Econômico. Bonança (quase) perfeita. Maio de 2015. bigstockphoto

Relatório Econômico. Bonança (quase) perfeita. Maio de 2015. bigstockphoto Bonança (quase) perfeita bigstockphoto Ambiente Global Alertamos em nosso último relatório para alguns riscos associados à economia norte-americana que podem implicar em um adiamento do início do ciclo

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 1

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 1 Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Etapa 1 1. Apresentação 1.1 O Programa de Capacitação em Projetos e Empreendimentos Criativos é uma iniciativa do Ministério da

Leia mais

As alterações de preços provocariam o mesmo impacto que sobre os Custos Variáveis, isto é, inclinando para mais ou para menos a curva. Simplificando n

As alterações de preços provocariam o mesmo impacto que sobre os Custos Variáveis, isto é, inclinando para mais ou para menos a curva. Simplificando n ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 04: FINANCIAMENTO, PONTO DE EQUILÍBRIO E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TÓPICO 03: PONTO DE EQUILÍBRIO OPERACIONAL 2.1 INTRODUÇÃO A análise do ponto que

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.063/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04 M² ÁREA TERRENO: 560,77 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.063/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04 M² ÁREA TERRENO: 560,77 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.063/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 SÃO PAULO - SP ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04

Leia mais

Exemplo 1. cálculo intermédio. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Exemplo 1. cálculo intermédio. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia Exemplo 1 1 Custo unitário cu Exemplo: 300 Percentagem de lucro pl Exemplo: 10% = 0,1 Taxa de IVA iva Exemplo: 21% = 0,21 Margem de lucro ml Exemplo: 30 Preço de venda pvp Exemplo: 399,3 Calcular a margem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014 Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Processo: 48500.003798/2014-41 - Definição

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.051/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.042,94 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.051/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.042,94 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.051/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, 2.975 (OBS: CONSTA NA CERTIDÃO

Leia mais

+ de 400 páginas de conteúdo

+ de 400 páginas de conteúdo COLEÇÃO COMPLETA De A a Z Volume 1 Planejamento de Vendas Volume 2 Prospecção de Clientes Volume 3 Abordagem Eficaz Volume 4 Entrevista de Vendas Volume 5 Apresentações de Imóveis Volume 6 Negociações

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 Em atendimento à solicitação da...delegou-se ao engenheiro..., CREA- MG:.../D a incumbência de proceder a avaliação dos imóveis localizados na Rua Frei Orlando nº 360 e nº

Leia mais

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes Principais alterações Carlos A. Arantes Definições 3.4 contemporaneidade: característica de dados coletados em período de tempo onde não houve

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR TOTAL DO IMÓVEL (R$): VALOR

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.047/0412 OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 ÁREA CONSTRUÍDA: 3.663,99 M² ÁREA TERRENO: 353,00 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.047/0412 OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 ÁREA CONSTRUÍDA: 3.663,99 M² ÁREA TERRENO: 353,00 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.047/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 FLORIANOPOLIS - SC ÁREA CONSTRUÍDA:

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.040/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE ÁREA CONSTRUÍDA: 2.062,03 M² ÁREA TERRENO: 800,00 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.040/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE ÁREA CONSTRUÍDA: 2.062,03 M² ÁREA TERRENO: 800,00 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.040/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE COPACABANA, 594 RIO DE JANEIRO - RJ ÁREA

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 5 a VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 5 a VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL fls. 194 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 5 a VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL PROCESSO: 1001293-20.2015.8.26.0565 (278/2015) RODRIGO SALTON LEITES, subscritor do presente, Engenheiro Civil,

Leia mais

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa 3. Metodologia 3.1.Tipo de Pesquisa Há várias taxonomias de tipos de pesquisa, conforme os critérios dos diferentes autores. O importante é que o tipo de pesquisa seja o mais adequado ao fenômeno objeto

Leia mais

U = 1.5 m/s T m,e = 20 o C T p < 200 o C

U = 1.5 m/s T m,e = 20 o C T p < 200 o C Ex. 7-32 Ar deve ser usado para resfriar um material sólido no qual ocorre geração interna de calor. Furos de 1cm de diâmetro foram feitos no material. A espessura da placa é de 8 cm e a condição térmica

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 PLANEJAMENTO E GESTÃO DE NOVOS NEGÓCIOS APRESENTAÇÃO: Um terço das empresas brasileiras fecham no primeiro ano de atividade e praticamente dois terços fecham após 5 anos de existência. Do total de empresas

Leia mais

Fórum 2013 Ensino Básico de Química. 11 de dezembro de 2013

Fórum 2013 Ensino Básico de Química. 11 de dezembro de 2013 Fórum 2013 Ensino Básico de 11 de dezembro de 2013 Objetivo: Promover discussão entre, tanto de nível médio como de nível superior., tanto de nível médio Público alvo: Profissionais de educação, em Tópicos

Leia mais

Reunião Pública Anual. 19 de dezembro de 2013

Reunião Pública Anual. 19 de dezembro de 2013 Reunião Pública Anual 19 de dezembro de 2013 2 Aviso importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

Interessante que o próprio Projeto Básico informa em seus subitens 6.1.1 e 6.1.2 a estrutura necessária para a prestação dos serviços.

Interessante que o próprio Projeto Básico informa em seus subitens 6.1.1 e 6.1.2 a estrutura necessária para a prestação dos serviços. ILUSTRÍSSIMO SR. DIRETOR RENATO DEPONTI DA EMPRESA GESTORA DE ATIVOS EMGEA, SR. PRESIDENTE DA COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO CEL e SR. PRESIDENTE e COMISSÃO DA AUDIÊNCIA PÚBLICA instituída pela EMGEA.

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Capítulo Capítulo CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO A Contabilidade de Gestão, como instrumento essencial de apoio ao processo de tomada de decisão, deve contribuir

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

PATROCÍNIO. 21 de setembro de 2015. Hard skills impulsionando seus projetos OPORTUNIDADES EM TEMPOS DE CRISE: OURO MINAS PALACE HOTEL PROPOSTA DE

PATROCÍNIO. 21 de setembro de 2015. Hard skills impulsionando seus projetos OPORTUNIDADES EM TEMPOS DE CRISE: OURO MINAS PALACE HOTEL PROPOSTA DE OPORTUNIDADES EM TEMPOS DE CRISE: Hard skills impulsionando seus projetos PROPOSTA DE PATROCÍNIO 21 de setembro de 2015 OURO MINAS PALACE HOTEL BELO HORIZONTE MG REALIZAÇÃO Rua Tomé de Souza, 67, 3º andar,

Leia mais

Aquisição dos Negócios Imobiliários operados pela LPS Raul Fulgêncio Consultoria de Imóveis S.A. 05 de Julho de 2012

Aquisição dos Negócios Imobiliários operados pela LPS Raul Fulgêncio Consultoria de Imóveis S.A. 05 de Julho de 2012 Aquisição dos Negócios Imobiliários operados pela LPS Raul Fulgêncio Consultoria de Imóveis S.A. 05 de Julho de 2012 1 Aviso importante Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

QUADRO V DÚVIDAS. Rodada do ICMS 2012

QUADRO V DÚVIDAS. Rodada do ICMS 2012 QUADRO V DÚVIDAS 1. Pergunta - Estou escrevendo para esclarecer algumas dúvidas a respeito das comprovações que deverão ser encaminhadas relativas ao Projeto Educar para o próximo exercício do ICMS Patrimônio

Leia mais

O IPTU e a Planta Genérica de Valores

O IPTU e a Planta Genérica de Valores O IPTU e a Planta Genérica de Valores Em meados do século XIX, nos Estados Unidos, já era do conhecimento dos proprietários de terrenos a desvalorização do seu valor unitário na medida em que aumentava

Leia mais

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO

CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES DEDUÇÃO CONSTRUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE HIPÓTESES Começo este texto fazendo um questionamento: hipótese é uma pergunta ou uma resposta? A chance de qualquer pessoa acertar sem pensar é de 50%. Contudo, quando começamos

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 nas Estruturas segundo a NBR

Leia mais

Ressarcimento de ICMS-ST

Ressarcimento de ICMS-ST Ressarcimento de ICMS-ST Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Planilha de Ressarcimento... 4 Relacionar Nota Fiscal de Entrada...

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

PREVIDÊNCIA RIO BRAVO

PREVIDÊNCIA RIO BRAVO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RIO BRAVO Recomendações ao investidor: As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

MÉTODO INVOLUTIVO: DESAFIOS E LIMITAÇÕES.

MÉTODO INVOLUTIVO: DESAFIOS E LIMITAÇÕES. MÉTODO INVOLUTIVO: DESAFIOS E LIMITAÇÕES. ENG. EDUARDO ROTTMANN, M.Sc. Membro Titular do IBAPE/SP, FRICS São Paulo, Fevereiro de 2015 PANO DE FUNDO Expansão urbana das cidades brasileiras: Ano População

Leia mais

Inserir Foto da Fachada

Inserir Foto da Fachada DLR LAUDO DE AVALIAÇÃO TIPOLOGIA: X APTO. CASA TERRENO OUTRO: ENDEREÇO (n.º / compl. / cidade / UF): Rua Calogero Calia, 150 - Apto 201 (duplex) - Condomínio Tranquilitá - Saúde - São Paulo SOLICITANTE:

Leia mais

Gabinete do Presidente

Gabinete do Presidente "t_ - -.. Câmara de Vereadores de PROPOSIÇÃO DE LEI N 72/2009 ESTABELECE A PLANTA GENÉRICA DOS VALORES IMOBILIÁRIOS. A Mesa da Câmara Municipal de, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais