Tratamento por Fatores resolução literal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento por Fatores resolução literal"

Transcrição

1 Tratamento por Fatores resolução literal Setembro de 2013

2 Advertência Os conceitos e opiniões apresentados neste workshop são de responsabilidade exclusiva do palestrante. Não expressam necessariamente o posicionamento do IBAPE/SP a respeito do assunto abordado. O IBAPE/SP não se responsabiliza por opiniões ou Pareceres emitidos por terceiros, associados ou não, ou pelo emprego indevido das informações aqui contidas.

3 Conteúdo Lembrança dos fatores de terrenos Testada Profundidade Dedução da fórmula Pesquisa de preços Avaliação Exemplo numérico Homogeneização e Avaliação 3

4 Fatores de forma para terrenos Pequeno resgate 4

5 Coeficiente de Testada Frente Projetada - Fp 5

6 1,20 Coeficiente de Testada ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Frente Projetada - Fp 6

7 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp = Fr Cf = 1,00 7

8 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 ½ Fr Fp 2 Fr Cf = f F p F r 8

9 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp ½ Fr Cf = 1 2 f 9

10 Coeficiente de Testada 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr 1,00 0,80 Fp 2 Fr Cf = 2 f 10

11 Coeficiente de Testada 2ª Zona do IBAPE/SP Fr = 10,00m Fp = 6,80m f = 0,20 Cf = F p F r f 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 Cf = 6,8 10 ⅕ Cf = 0,9258 6,80m 11

12 Coeficiente de Testada 2ª Zona do IBAPE/SP Fr = 10,00m Fp = 10,20m f = 0,20 Cf = F p F r f 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 Cf = 10,2 10 ⅕ Cf = 1, ,20m 12

13 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pmi Pe Pma Cp = 1,00 13

14 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 ½Pmi Pe Pmi Cp = Pe P mi p 14

15 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pe ½Pmi Cp = 1 2 p Cp = 0,

16 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Pma Pe 3 Pma Cp = P ma Pe + 1 P ma Pe P ma Pe p 16

17 Coeficiente de Profundidade 1,00 ½ Pmi Pmi Pma 3 Pma 0,90 0,80 0,70 Cp = p 3 Pma Pe Cp = 0,

18 Coeficiente de Profundidade 1,00 12, ,90 0,80 0,70 2ª Zona do IBAPE/SP Pmi = 25m Pma = 40m Fp = 10,00m Pe = 32,00m Cp = 1,00 18

19 Coeficiente de Profundidade 1,00 12, ,90 0,80 0,70 2ª Zona do IBAPE/SP Pmi = 25m Pma = 40m At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Cp = 40 62, , ,88 ½ Cp = 0,

20 Dedução da Fórmula Pesquisa de preços 20

21 Elemento de Pesquisa Coletado no mercado Valor ofertado = V o Valor de venda: V V = V o F f At = 641,33m² Valor de venda do terreno: V t = V V V b V t = V o F f V b Valor unitário de venda do terreno: Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 V ub = V t At V ub = V o F f V b At 21

22 Situação paradigma Definida com base nas características da região e do avaliando 2ª Zona IBAPE/SP Valor unitário homogeneizado para o paradigma = V u Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 V u Incógnita 22

23 Coeficiente de testada (frente) PARADIGMA Fr = 10m Cf p V u EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Cf e V ub V u = V ub Cf p Cf e V u = V ub 1 Cf e [1] Na Norma 2011: Cf = 1 Cf e [2] E então: V u = V ub Cf [3] 1,20 ½ Fr Fr 2 Fr Sendo ΔV f a variação decorrente da diferença de frentes, teremos: V f = V u V ub V u = V f + V ub [4] 1,00 Como [Eq 3] = [Eq 4]: V f + V ub = V ub Cf V f = V ub Cf V ub 0, ,2 V f = V ub Cf 1 23

24 Coeficiente de Profundidade PARADIGMA Pe = 25m a 40m Cp p V u EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Pe = 62,88m Cp e V ub V u = V ub Cp p Cp e V u = V ub 1 Cp e [1] Na Norma 2011: Cp = 1 Cp e [2] E então: V u = V ub Cp [3] 1,00 Sendo ΔV p a variação decorrente da diferença de profundiades, teremos: V p = V u V ub V u = V p + V [4] ub 12, ,90 0,80 Como [Eq 3] = [Eq 4]: V p + V ub = V ub Cp V p = V ub Cp V ub 0,70 25 Pe 50 62,88 V p = V ub Cp 1 25

25 Coeficiente de transposição PARADIGMA Índice Local = 800,00 I Lp V u 1,20 1,10 1,00 0,90 EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Índice Local = 755,00 I Le V ub Na Norma 2011: E então: V u = V ub I Lp I Le [1] Ct = I Lp I Le [2] V u = V ub Ct [3] Sendo ΔV t a variação decorrente da diferença de local, teremos: V t = V u V ub V u = V t + V ub [4] Como [Eq 3] = [Eq 4]: V t + V ub = V ub Ct V t = V ub Ct V ub 0,80 700,00 750,00 800,00 850,00 900,00 V t = V ub Ct 1 27

26 Soma das Influências Atributo Frente Profundidade Transposição SOMA Cálculo V f = V ub Cf 1 V p = V ub Cp 1 V t = V ub Ct 1 V f,p,t = V ub Cf 1 + Cp 1 + Ct 1 n i=1 V i Generalizando para n fatores, teremos = V ub C C C C n 1 ou n n V i = V ub C i n i=1 i=1 28

27 Soma das Influências V u = V ub + V Total [4] V u = V ub + n i=1 V i V u = V ub + V ub C C C C n 1 V u = V ub 1 + C C C C n 1 [5] (item a da Norma do IBAPE/SP) Ou V u = V ub n C i i=1 n + 1 [6] 29

28 Exemplo de cálculo ELEMENTO DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 PARADIGMA 2ª Zona IBAPE/SP Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 Valor homog V u 30

29 Exemplo de cálculo EL. DE PESQUISA At = 641,33m² Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 V ub = R$ ,9 R$ ,46 641,33m 2 V ub = R$740,18/m 2 Ct = I Lp = 800 I Le 755 Ct = 1,0596 Cf = 1 Cf = Fr Fp f = 10 10,2 ⅕ Cf = 0,

30 Exemplo de cálculo At = 641,33m² Cp = 1 Cp = 1 P ma Pe + 1 P ma Pe P ma Pe Cp = EL. DE PESQUISA Fp = 10,20m Pe = 62,88m Índice Local = 755,00 Valor ofertado = R$ 700mil Valor benfeitorias = R$ ,46 p = 40 62, , ,88 1 0,9264 = 1, ½ V u = V ub 1 + Ct 1 + Cf 1 + Cp 1 V u = R$740,18 m , , , V u = R$840, 21 m 2 32

31 Dedução da fórmula Avaliação 33

32 Fórmula de Avaliação V u = V ub 1 + C C C C n 1 (item a da Norma do IBAPE/SP) [5] V ub = V u 1 + C C C C n 1 [7] (item b da Norma do IBAPE/SP) e V t = V ub A t [8] 34

33 Avaliação Exemplo de cálculo PARADIGMA 2ª Zona IBAPE/SP Fr = 10m Pmi = 25m Pma = 40m Índice Local = 800,00 V u =R$850,00/m² AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19m Pe = 23m Índice Local = 800,00 35

34 Avaliação Exemplo de cálculo AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19,00m Pe = 23,00m Índice Local = 800,00 Ct = I Lp = 800 I Le 800 Ct = 1,0000 Cf = 1 Cf = Fr Fp f = ⅕ Cf = 0,8795 Cp = 1 Cp = P mi Pe p = ½ Cp = 1,

35 Avaliação Exemplo de cálculo AVALIANDO At = 437,00m² Fp = 19,00m Pe = 23,00m Índice Local = 800,00 V ub = V u 1 + Ct 1 + Cf 1 + Cp 1 V ub = R$850,00 m , , , V ub = R$911,19 m 2 V t = V ub A t V t = R$911,19 m 2 437,00m² V t = R$ , 00 37

36 Dúvidas? 38

37 (11) Rua Maria Paula, 122 1º andar Bela Vista São Paulo SP

PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES

PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES PROCEDIMENTOS PARA APLICAÇÃO DE FATORES COORDENAÇÃO: Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira COLABORADORES: Osório Accioly Gatto, Paulo Grandiski, Nelson Nady Nór Filho,

Leia mais

Tratamento por Fatores

Tratamento por Fatores Tratamento por Fatores Junho 2014 ADVERTÊNCIA Os conceitos e opiniões apresentados nesta apresentação são de responsabilidade exclusiva do palestrante. Não expressam necessariamente o posicionamento do

Leia mais

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002)

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Wagner Gerson Costa, engenheiro civil, perito judicial nomeado

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03).

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03). LAUDO DE AVALIAÇÃO 1.0 - OBJETO Constitui-se objeto da presente avaliação, a determinação de valores dos terrenos frontais à Rua XV de Novembro, que receberam melhoria na sua estrutura, com pavimentação

Leia mais

TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS

TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS TRATAMENTO POR FATORES DE FORMA DA CIDADE DE SANTOS SP (Área insular) PROCEDIMENTOS Coordenar: Odevan Ruas de Mennça Colaborares: Antônio Guilherme de Menezes Braga Odair s Santos Vinagreiro Ana Maria

Leia mais

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Engenheiro Civil graduado pela FUMEC - Belo Horizonte/MG 1992; Diretor da empresa AM Projetos e Sistemas; Atuações como Perito Judicial na Justiça Estadual

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Rua Dr. Gerônimo Monteiro Lopes, 373, 383, 389 e 393 (Antiga Rua Projetada, 5 Lotes 230, 231 e 232) Vila São Francisco Registro / SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 1. VALOR

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005 INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO Versão 2 Válida a partir de maio 2005 NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP 2005 Rua Maria Paula, 122 Conj. 104 / 106-1º

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 10 a VARA CÍVEL DA CAPITAL PROCESSO: 1053415-81.2014.8.26.0100 FERNANDO FLÁVIO DE ARRUDA SIMÕES, engenheiro, perito judicial, nomeado nos autos da ação ORDINÁRIA ajuizada

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 Laudo n. 17.477_289/12 São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 À MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Rua Aloísio Magalhães, 22 Município de Perus - SP Prezados Senhores, A ENGEVAL - ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995 NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS - 1.995 1. OBJETIVO 1.1 - A presente Norma destina-se a fornecer diretrizes e a estabelecer padrões para elaboração de laudos avaliatórios que, em casos particulares,

Leia mais

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS O tratamento por fatores tem por objetivo tornar comparáveis os dados coletados na pesquisa. É a parte mais trabalhosa da avaliação. O tratamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA APOSTILA DA DISCIPLINA IT 188 - AVALIAÇÕES E PERÍCIAS Profa. Msc. Marlene Salete Uberti Seropédica, 2006

Leia mais

LAUDO. Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1

LAUDO. Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1 JOSÉ LUIZ GUTIERREZ PERITO JUDICIAL FL. 1 / 16 fls. 195 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Prédios, Industrial e Comercial urbanos Rua Argentina Grillo Badia nº 930 Loteamento Industrial CINEP_Fase 1 Sertãozinho-SP

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES Avaliação de imóveis para fins de direito conforme normas da ABNT As normas brasileiras da ABNT que estabelecem os procedimentos para avaliação

Leia mais

PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13

PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 3 a VARA CÍVEL DE BARUERI PROCESSO: 0009271-72.2013.8.26.0068 CONTROLE: 887/13 FERNANDO FLÁVIO DE ARRUDA SIMÕES, engenheiro, perito judicial, nomeado nos autos da CARTA

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI THIAGO VINICIUS ZANIN DE LION AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS COM TRATAMENTO POR COMPARATIVOS DIRETOS DE DADOS DE MERCADO SÃO PAULO 2009 2 THIAGO VINICIUS ZANIN DE

Leia mais

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015. Osório Gatto NORMAS PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS MÉTODO INVOLUTIVO IBAPE/SP 2015 Osório Gatto Normas IBAPE - SP 8.5. Escolha da Metodologia Em função da natureza do bem, da finalidade da avaliação e da disponibilidade

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Ceará, nº 2855 São Joaquim da Barra/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.872444 S 20.585111 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO Licenciatura em Marketing CONTABILIDADE ANALÍTICA

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO Licenciatura em Marketing CONTABILIDADE ANALÍTICA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO Licenciatura em Marketing CONTABILIDADE ANALÍTICA 1º TESTE (Avaliação contínua) 14 Dez. 2009 Recomendações: O teste é constituído por 2 Grupos

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS XI COBREAP AVALIAÇÃO DE RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES PELO MÉTODO COMPARATIVO DIRETO ** NÓR FILHO, NELSON NADY ENGENHEIRO CIVIL CREA/SP n o 150.146/D

Leia mais

PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO

PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO 1 PUC MINAS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA AVALIAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO Renê Custódio Cotrim* Breno Lamego Resende** Frederico Correia Llima Coelho*** RESUMO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Lotes 13 e 14 Quadra B Prolongamento da Rua Monsenhor Seckler (Loteamento não implantado) Bairro Vila Oceanópolis Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 TRABALHO DE AVALIAÇÃO

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 TRABALHO DE AVALIAÇÃO XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 TRABALHO DE AVALIAÇÃO RESUMO Dentre os tributos instituídos no Brasil, previstos no artigo 45, Seção I, CAPÍTULO I,

Leia mais

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Imóveis semelhantes e o passivo/ativo ambiental na engenharia de avaliações aplicada em imóveis

Leia mais

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica

Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Vice-presidência de Governo Superintendência Nacional de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Gerência Nacional de Assistência Técnica Apoio Técnico a Questões Relativas à Avaliação em Massa

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.064/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, ÁREA CONSTRUÍDA: 2.061,96 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.064/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, ÁREA CONSTRUÍDA: 2.061,96 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.064/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DA PATRIA, 1.769 (OBS.: NO CARNÊ CONSTA COMO

Leia mais

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C

- RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C - RESOLUÇÕES BÁSICAS NA HP 12C 1. Juros compostos, operação única PV 0 n ou 0 n PV 1.1. Quanto devo receber ao aplicar R$ 1.000,00 por 6 meses, à taxa de 5% ao mês? f CLEAR FIN 1.000 CHS PV -1.000,00 6

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 11º Encontro - 23/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA -LOCALIZAÇÃO DA EMPRESA INDUSTRIAL MÉTODOS

Leia mais

Exemplo 1. cálculo intermédio. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Exemplo 1. cálculo intermédio. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia Exemplo 1 1 Custo unitário cu Exemplo: 300 Percentagem de lucro pl Exemplo: 10% = 0,1 Taxa de IVA iva Exemplo: 21% = 0,21 Margem de lucro ml Exemplo: 30 Preço de venda pvp Exemplo: 399,3 Calcular a margem

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 pasta A 58 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. Pres. Castelo Branco, Lotes 21 e 23 Quadra 3 Vila Balneária Bairro Jardim Real Praia Grande SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.019/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. AFONSO PENA, 2.202 ÁREA CONSTRUÍDA: 8.103,28 M² ÁREA TERRENO: 1.

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.019/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. AFONSO PENA, 2.202 ÁREA CONSTRUÍDA: 8.103,28 M² ÁREA TERRENO: 1. L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.019/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: AV. AFONSO PENA, 2.202 CAMPO GRANDE - MS ÁREA CONSTRUÍDA: 8.103,28

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.051/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.042,94 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.051/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.042,94 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.051/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA VOLUNTARIOS DE SÃO PAULO, 2.975 (OBS: CONSTA NA CERTIDÃO

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.063/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04 M² ÁREA TERRENO: 560,77 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.063/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04 M² ÁREA TERRENO: 560,77 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.063/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA PINHEIROS, 1.492 SÃO PAULO - SP ÁREA CONSTRUÍDA: 2.375,04

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.047/0412 OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 ÁREA CONSTRUÍDA: 3.663,99 M² ÁREA TERRENO: 353,00 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.047/0412 OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 ÁREA CONSTRUÍDA: 3.663,99 M² ÁREA TERRENO: 353,00 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.047/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: PRAÇA XV DE NOVEMBRO, 329 FLORIANOPOLIS - SC ÁREA CONSTRUÍDA:

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.040/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE ÁREA CONSTRUÍDA: 2.062,03 M² ÁREA TERRENO: 800,00 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.040/0412 OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE ÁREA CONSTRUÍDA: 2.062,03 M² ÁREA TERRENO: 800,00 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.040/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: AV. NOSSA SENHORA DE COPACABANA, 594 RIO DE JANEIRO - RJ ÁREA

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques Conceitos Básicos de Gestão de Estoques 45 Conceitos básicos de estoque Estoques: acúmulo de de recursos materiais em em um um sistema de de transformação Fase 1 estoque Fase 2 chuvas sazonais máquina

Leia mais

O SENHOR JESUS CRISTO

O SENHOR JESUS CRISTO O SENHOR JESUS CRISTO I. SUA EXISTÊNCIA A) Provada pelo Antigo Testamento: (Mq 5.2; Is 9:6 Pai da Eternidade ) B) Provada pelo Novo Testamento: 1) João 1.1, em comparação com o versículo 14. 2) Jo 8.58

Leia mais

Aceleração Constante

Aceleração Constante Objetivos: Aceleração Constante Encontrar as equações do movimento a aceleração constante e traçar uma metodologia para resolução destes problemas; Detalhar o movimento de Queda Livre para um corpo próximo

Leia mais

RELATÓRIO DA DIRETORIA FINANCEIRA

RELATÓRIO DA DIRETORIA FINANCEIRA RELATÓRIO DA DIRETORIA FINANCEIRA Da: Diretoria Financeira Ao: Sr. Presidente da Associação dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro - ASTCERJ Assunto: Relatório Comissão Especial

Leia mais

Os resultados de 2013 e as perspectivas para 2014

Os resultados de 2013 e as perspectivas para 2014 w w w. f u n b e p. c o m. b r Informativo bimestral do FUNBEP - Fundo de Pensão Multipatrocinado março/abril 2014 ano12 nº64 Fechamento autorizado. Pode ser aberto pela ECT. Os resultados de 2013 e as

Leia mais

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014 Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Processo: 48500.003798/2014-41 - Definição

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 A 109 CPI CPI 2843/2009 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. São Paulo x Av. Atlântica - Lotes 19 e 20 Quadra 6 Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS 1. OBJETIVO E FINALIDADE DO PARECER Este laudo de

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 7 Cálculo da Viabilidade Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data de

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP: 2011

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP: 2011 NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP: 2011 RELATOR DA REVISÃO: Eng.º Nelson Nady Nór Filho. COORDENADOR DA REVISÃO: Eng.º Octavio Galvão Neto. NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP

Leia mais

Laudo de Avaliação ELABORADO PARA GRUPO VOTORANTIM WEALTH NOVEMBRO DE 2012 LAUDO 2.313/12

Laudo de Avaliação ELABORADO PARA GRUPO VOTORANTIM WEALTH NOVEMBRO DE 2012 LAUDO 2.313/12 Laudo de Avaliação ELABORADO PARA GRUPO VOTORANTIM WEALTH NOVEMBRO DE 2012 LAUDO 2.313/12 Colliers International, and certain of its subsidiaries, is an independently owned and operated business and a

Leia mais

Inserir Foto da Fachada

Inserir Foto da Fachada DLR LAUDO DE AVALIAÇÃO TIPOLOGIA: X APTO. CASA TERRENO OUTRO: ENDEREÇO (n.º / compl. / cidade / UF): Rua Calogero Calia, 150 - Apto 201 (duplex) - Condomínio Tranquilitá - Saúde - São Paulo SOLICITANTE:

Leia mais

Marinela Nucci Carbonieri Perícias Ambientais CREA 5061244334/D

Marinela Nucci Carbonieri Perícias Ambientais CREA 5061244334/D I RESUMO Conforme os cálculos efetuados no conteúdo do presente laudo, o VALOR DOS LOTES localizados no loteamento RESIDENCIAL LAGOS DE JARINU, ilustrado neste item, MUNICÍPIO DE JARINU, ESTADO DE SÃO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Avenida Rui Barbosa Lima, nº 1.791 Vila Ortiz Pirajuí/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 49.454545 S 22.006543 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Por: Odilo Almeida Filho Coordenador e relator Palmas- To, 26.03.2015 Quais os assuntos que serão abordados? 1.Princípios básicos e definições: 2.Módulo

Leia mais

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência

Custos da empresa. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Custos da empresa Como vimos, a óptima para a empresa depende da receita, mas depende

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Módulo 2 RECEITA TOTAL. 1. Introdução

Módulo 2 RECEITA TOTAL. 1. Introdução Módulo 2 RECEITA TOTAL 1. Introdução Conforme Silva (1999), seja U uma utilidade (bem ou serviço), cujo preço de venda por unidade seja um preço fixo P 0, para quantidades entre q 1 e q 2 unidades. A função

Leia mais

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS

NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP: 2011 RELATOR DA REVISÃO: Eng.º Nelson Nady Nór Filho. COORDENADOR DA REVISÃO: Eng.º Octavio Galvão Neto. NORMA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS IBAPE/SP

Leia mais

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 Introdução à Microeconomia 6-1 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 6-2 Principais aspectos A função de produção. A produção

Leia mais

FUNDAÇÃO BUTANTAN CNPJ: 61.189.445/0001 56 COMUNICADO Respostas aos pedidos de esclarecimentos

FUNDAÇÃO BUTANTAN CNPJ: 61.189.445/0001 56 COMUNICADO Respostas aos pedidos de esclarecimentos EDITAL N.º 004/2015 PROCESSO Nº 11918/2015 MODALIDADE: ATO CONVOCATÓRIO TIPO: MENOR PREÇO FUNDAÇÃO BUTANTAN CNPJ: 61.189.445/0001 56 COMUNICADO Respostas aos pedidos de esclarecimentos OBJETO DA SELEÇÃO:

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 nas Estruturas segundo a NBR

Leia mais

Prof. Rich@rd. Aluno:

Prof. Rich@rd. Aluno: Página:1 Aluno: A Matemática é a mais simples, a mais perfeita e a mais antiga de todas as ciências. (Jacques Hadarmard) Instituição de Ensino: Curso: Página:2 INSTRUÇÕES GERAIS As provas são sempre individuais

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural denominado Barra do Rio dos Lobos localizado no Distrito de Lagoinha Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário Rua Tangará, 70 Vila Mariana

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Peso máximo do utilizador: 150kg victory com fecho de somier. fabricamos modelos sob medidas especiais (consultar)

Peso máximo do utilizador: 150kg victory com fecho de somier. fabricamos modelos sob medidas especiais (consultar) VICTORY, linha recomendada para ambientes com risco bacteriológico médio/alto, como clinicas, lares, unidades de cuidados continuados. Estrutura em aço epoxy 60 x 30 x 1,5mm. Somier tripartido com 3 corpos

Leia mais

BL A2 SALA 4 40 alunos

BL A2 SALA 4 40 alunos UFPR - SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CIFLOMA - ENSALAMENTO - 2º SEMESTRE - 2015 CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA ATUALIZADO: 31/07/2015 10:00 HORAS SEGUNDA-FEIRA

Leia mais

Taxas de Rendimento do Mercado imobiliário de São Paulo 2011

Taxas de Rendimento do Mercado imobiliário de São Paulo 2011 Taxas de Rendimento do Mercado imobiliário de São Paulo 2011 Coordenação do estudo: Eng o Osório Accioly Gatto Relatores: Eng a Isaura Akemi Taguti, Eng a Rosana Akemi Borghi e equipe técnica da Mercatto

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm - conforme edital Quantidade: 10 Unidade de Medida: Unidade

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm - conforme edital Quantidade: 10 Unidade de Medida: Unidade PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Juiz de Fora Número: PE178/2012 Número do Processo: 04372/2012 Unidade de Compra: UG/PJF Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes Principais alterações Carlos A. Arantes Definições 3.4 contemporaneidade: característica de dados coletados em período de tempo onde não houve

Leia mais

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Teorema da nergia Cinética Quando uma força atua de forma favorável

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 Em atendimento à solicitação da...delegou-se ao engenheiro..., CREA- MG:.../D a incumbência de proceder a avaliação dos imóveis localizados na Rua Frei Orlando nº 360 e nº

Leia mais

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Joelsio José Lazzarotto 17 Introdução A eficiência gerencial constitui fator-chave para que qualquer empreendimento agropecuário possa

Leia mais

2012 BRAMOLDE, LDA - todos os direitos reservados

2012 BRAMOLDE, LDA - todos os direitos reservados 2012 BRAMOLDE, LDA - todos os direitos reservados REF. CB REF. CB REF. CB REF. CB REF. CN REF. CB REF. CB REF. CB REF. CF REF. CB REF. CP REF. CB RÉGUA

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS

LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS A - IDENTIFICAÇÃO C - CARACTERIZAÇÃO DO TERRENO Topografia Perfil Transversal: Perfil Longitudinal: Plano Plano NOME DO PROPONENTE: ENDEREÇO DO IMÓVEL: TIPO DE

Leia mais

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação

Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Seminário: Engenharia da Avaliação em Desapropriação Normas Técnicas : A importância de uniformização de Conceitos Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira Normas Técnicas : A importância de uniformização

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa

3. Metodologia. 3.1.Tipo de Pesquisa 3. Metodologia 3.1.Tipo de Pesquisa Há várias taxonomias de tipos de pesquisa, conforme os critérios dos diferentes autores. O importante é que o tipo de pesquisa seja o mais adequado ao fenômeno objeto

Leia mais

Avaliações de Locativos em Shopping Center. Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga

Avaliações de Locativos em Shopping Center. Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga Avaliações de Locativos em Palestrante: Eng. Antonio Guilherme Menezes Braga Definição Avaliação de Bens: Análise técnica e científica, realizada por engenheiro de avaliações, visando identificar o valor

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Repasse de ICMS de medicamentos SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Repasse de ICMS de medicamentos SP Repasse de ICMS de medicamentos SP 11/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 6 5. Referências... 6 6.

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Estágio Ironconde Abril 2015

Estágio Ironconde Abril 2015 Estágio Ironconde Abril 2015 www.ironconde.com Estágio Ironconde Abril de 2015 Este estágio de triatlo oferece a oportunidade de treinar com um dos melhores treinadores triatlo de Portugal. Nosso objectivo

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.020/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA SENADOR FELINTO MULLER, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.347,98 M²

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. N o 15.854.020/0412 OBJETO: ENDEREÇO: RUA SENADOR FELINTO MULLER, ÁREA CONSTRUÍDA: 3.347,98 M² L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O N o 15.854.020/0412 SOLICITANTE: BB PROGRESSIVO II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII OBJETO: ENDEREÇO: RUA SENADOR FELINTO MULLER, 2.104 ESQUINA COM A RUA PRESIDENTE

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção

Engenharia Econômica. Introdução à Engenharia de Produção Engenharia Econômica Introdução à Engenharia de Produção Demanda e Capacidade Após a determinação da localização da empresa Planejamento quanto à capacidade ( tamanho da empresa) Deve-se definir o Nível

Leia mais

O IPTU e a Planta Genérica de Valores

O IPTU e a Planta Genérica de Valores O IPTU e a Planta Genérica de Valores Em meados do século XIX, nos Estados Unidos, já era do conhecimento dos proprietários de terrenos a desvalorização do seu valor unitário na medida em que aumentava

Leia mais

Custo de Secagem de Grãos

Custo de Secagem de Grãos Custo de Secagem de Grãos Daniel Marçal de Queiroz, Ph.D. Engenheiro Agrícola Professor do Depto. de Engenharia Agrícola da UFV Coordenador Técnico do CENTREINAR Junho de 2003 Importância da determinação

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP

LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP LAUDO DE AVALIAÇÃO SOLICITANTE: FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP OBJETO DA AVALIÇÃO: FINALIDADE:. GLEBA DE TERRA 146 A, MATRÍCULA Nº 157.238 DO 3º CRI DE CAMPINAS-SP. APURAR O VALOR REAL

Leia mais

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO 1. Contexto Operacional O Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295, publicado no Diário Oficial

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE EDITAL DE CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA 11/2010 RUA VEREADOR QUIRINO PESSATTI Pelo presente Edital, o Chefe do Poder Executivo, ODENIR FELIZARI, Prefeito do Município de Rio do Oeste (SC), no uso de suas atribuições

Leia mais