Vinte e quatro meses de hetero c o n t role da fluoretação das águas de abastecimento público de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vinte e quatro meses de hetero c o n t role da fluoretação das águas de abastecimento público de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil"

Transcrição

1 4 2 2 A RTIGO A RT I C L E Vinte e quatro meses de hetero c o n t role da fluoretação das águas de abastecimento público de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil Twenty-four months of external control of fluoride levels in the public water supply in Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil Fábio Ga rcia Lima 1 Rafael Gu e r ra Lund 1 Lídia Mo rales Justino 2 Flávio Fernando De m a rco 1 Francisco Augusto Bu rk e rt Del Pino 1 Rinaldo Fe r re i ra 2 A b s t r a c t I n t ro d u ç ã o 1 Faculdade de Od o n t o l o g i a, Un i versidade Fe d e ral de Pe l o t a s, Pe l o t a s, Bra s i l. 2 Faculdade de Od o n t o l o g i a, Un i versidade do Vale do It a j a í, It a j a í, Bra s i l. C o r re s p o n d ê n c i a Fábio Ga rcia Lima Av. José Maria da Fo n t o u ra 3 9 9, Pe l o t a s, RS , Bra s i l. f g a rc i a u f p e l. t c h e. b r The aim of the present study was monthly eva l- uation of fluoride levels in the public water supply in Pe l o t a s, Rio Grande do Sul St a t e, Bra z i l, and the validity of forming external contro l g ro u p s. Pelotas was divided into 16 geogra p h i c re g i o n s, including the three public water tre a t- ment stations. Water samples were collected f rom November 1999 to October 21. Two samples were drawn from each re g i o n. Samples were sent to the Fluoride Health Su rveillance La b o- ra t o ry at Un i versidade do Vale do It a j a í. Fl u o- ride analysis used an electrometric method ( Orion 920 A/El e c t rometer Orion 9609). After 24 m o n t h s, 764 samples were collected, d e m o n- s t rating a discontinuity in the fluoride leve l s. T h e re was an increase in the number of samples with an ideal concentration of fluoride. How e v- e r, s e ve ral points with exc e s s i ve fluoride leve l s (> 0.9ppmF) also appeare d. Based on these results it was concluded that external control is essential for monitoring fluoride levels in the public water supply. Fl u o r i n e ; Fl u o r i d a t i o n ; Water Tre a t m e n t ; Su r- ve i l l a n c e A fluoretação das águas de abastecimento público é reconhecida como uma das mais imp o rtantes medidas de Saúde Pública e pre ve n- ção de doenças de todos os tempos 1, 2. Gra ç a s a esta iniciativa e outros fatore s, como a utilização de dentifrícios fluoretados e a implantação de pro g ramas de pre venção nas escolas, a população tem assistido a um decréscimo na p re valência de cárie 3. A adição de flúor à água de beber é efetiva na p re venção da cárie dental 4, 5 e continua sendo a medida de maior alcance populacional, bem como a melhor forma de garantir uma igualdade social em termos de saúde odontológica 1, 2. Pa ra que a Fl u o retação das Águas de Ab a s- tecimento Público (FAAP) tenha máxima eficiência, os níveis de flúor devem estar dentro do chamado n í vel ótimo e de forma ininterrupta por longos períodos 6, 7, 8, 9, 1 0, 1 1. Pa ra asseg u rar tal condição, o controle externo da FA A P por diferentes grupos sociais ( hetero c o n t rol e ) faz-se necessário 1 0, uma vez que somente o controle interno pode ser ineficiente 1 2, devido ao método utilizado 1 3 ou à carência de pessoal devidamente treinado 1 4. Ba r ros et al. 1 5 m o s t ra ram a inadequação dos teores de flúor na água de abastecimento público de Po rt o A l e g re, Rio Grande do Sul, num período de análise de 13 anos, o que re a f i rma a import â n- cia do hetero c o n t ro l e. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

2 F L U O R E TAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO A pri m e i ra cidade do mundo a implantar um sistema de fluoretação da água foi o Mu n i- cípio de Grand Ra p i d s, Estados Un i d o s, em , 4, gerando efeitos até hoje vistos tanto na saúde pública quanto na prática odontológica 1 6. No Brasil, a fluoretação das águas teve início em 1953, no Município de Ba i xo Gu a n- du, Espírito Sa n t o. A FAAP como método de pre venção é re c o- mendada pela Associação De n t á ria Ameri c a n a desde 1950 e pela Organização Mundial da Saúde desde 1969 e, no Brasil, existem a Lei e o Decreto de , determin a n- do a obri g a t o riedade da implantação do método em nosso país, além de ser apoiada por todas as associações de classe da Od o n t o l o g i a b ra s i l e i ra 1 8. O Rio Grande do Sul foi o pri m e i ro Estado a possuir uma legislação determinando a obrig a t o riedade da adição de flúor às águas de abastecimento público. A cidade de Ta q u a ra foi o pri m e i ro local do estado a receber os benefícios da fluore t a ç ã o, em Pa rtindo desses pri n c í p i o s, o objetivo do p resente trabalho foi o de monitorar por 24 meses o nível de flúor (F-) adicionado à água de abastecimento público da cidade de Pe l o t a s, Rio Grande do Sul, Brasil e avaliar a validade da f o rmação de grupos de h e t e ro c o n t ro l e. Material e método Este estudo foi realizado em uma cidade do int e rior do Rio Grande do Sul, onde a fluore t a ç ã o das águas de abastecimento público ainda consiste na medida de maior alcance populacional em termos de Saúde Bucal Co l e t i va. Pelotas é a maior cidade da Zona Sul do Estado e abriga uma população de aprox i m a d a- mente habitantes (segundo dados da Pre f e i t u ra Municipal dessa cidade). De acordo com o censo realizado de agosto a deze m b ro de 20, pela agência local da Fu n- dação Instituto Bra s i l e i ro de Ge o g rafia e Estatística, Pelotas é uma cidade cuja zona urbana c o m p o rta habitantes e domicíl i o s, dos quais, recebem água canalizada em pelo menos um cômodo. Ou seja, o a b a s- tecimento de água atinge parcela significativa do perímetro urbano: 97,15% (89,6 mil) dos domicílios na zona urbana contam com rede de a b a s t e c i m e n t o, alcançando, na área delimitada como centro uma porcentagem de 99,05% dos domicílios assistidos. Dos mora d o re s do perímetro urbano, 60% da população está na faixa etária entre 0 e 39 anos, e 8,51% (25,3 mil) dos 10 aos 14 anos. A realização deste trabalho teve o apoio do ó rgão re s p o n s á vel pelo tratamento da água de abastecimento público, o Se rviço Au t ô n o m o de Saneamento de Pe l o t a s, solicitando informações pertinentes à pesquisa, como o número de Estações de Tratamento de Água (ETA s ), que são três: ETA Santa Bárbara, re s p o n s á ve l pelo tratamento de cerca de 70% do volume da água consumida na cidade; ETA Mo re i ra e ETA Si n n o t t i. A ve rificação do teor de flúor na água foi feita pelo Labora t ó rio de Vigilância Sa n i t á ri a de Flúor da Faculdade de Odontologia da Un i- versidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), em It a- jaí, Santa Ca t a ri n a. O mapeamento dos pontos de coleta levo u em conta o número de habitantes abastecidos pela água tratada (cidades com mais de 2 mil habitantes mínimo de 15 pontos de coleta, segundo as normas do labora t ó rio da UNIVALI). A coleta foi realizada mensalmente, de man e i ra uniforme ao longo do período de 24 meses 1 9, 2 0, em duplicata, desde nove m b ro de até outubro de 21, obtendo-se assim 12 coletas anuais 1 0. As unidades amostrais foram coletadas em frascos de 5ml previamente esteri l i- z a d o s, com calor úmido, nas três ETAs (para ve rificar possíveis perdas da concentração de flúor ao longo da rede de distribuição) e em mais 13 pontos diferentes abastecidos por est a s, totalizando 16 pontos de coleta, divididos g e o g raficamente de maneira que abra n g e s s e todas as regiões da cidade 2 0. Estes eram situad o s, pre f e re n c i a l m e n t e, em locais públicos, como escolas, postos de saúde e hospitais e todos e ram pontos finais da rede de distri b u i ç ã o, diretamente de torn e i ra s, onde é efetiva m e n t e realizado o consumo 1 0. Em 24 meses de coleta, em duplicata, nos 16 pontos estabelecidos, foram coletadas 48 unidades amostrais em cada, exceção feita às E TAs Sinnotti e Santa Bárbara, onde não foi p o s s í vel efetuar a coleta em abril de 21 (46 análises), o que totalizou 764 unidades amost rais coletadas, mensuradas e analisadas. Todas as coletas foram realizadas na prim e i ra semana de cada mês, num único dia, pela manhã e o envio ao Labora t ó rio de Vi g i l â n- cia Sa n i t á ria do Flúor da UNIVALI foi feito no mesmo dia à tard e. A mensuração dos níveis de flúor na água foi no máximo sete dias após a coleta, o que não altera os re s u l t a d o s, uma vez Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

3 4 2 4 Lima FG et al. que não há va riação dos mesmos quando fechados em frascos plásticos num período de até 150 dias 2 1. O método de mensuração usado pelo labora t ó rio foi o eletro m é t ri c o, realizado por meio de eletrodo combinado seletivo para flúor (Orion 9609) e por potenciômetro (Orion 920A). A cada mês, antes e após terem sido feitas as anál i s e s, eram realizadas contra p rovas com solução padrão de fluoreto de sódio pró-análise e água miliq (H 2 O Mi l l i p o re System Alemanha), na concentração de 2ppmF. No Município de Pe l o t a s, as pri m e i ras adições de flúor nas ETAs tive ram início em maio de O sal de flúor usado é o fluossilicato de s ó d i o, adicionado à água nas três ETAs atra v é s de tanque em fibra dosador de flúor. Ca l vo 1 2 ve rificou que 97,3% dos municípios que adicionavam flúor às suas águas elegiam o ácido fluossilícico como composto fluore t a n t e, por ser de mais barata obtenção, porém tem seu tra n s p o r- te dificultado em virtude de se apresentar no estado líquido, sendo mais recomendado para sistemas situados próximos às fontes pro d u t o ra s, o que não seria o caso de Pe l o t a s, conforme explica Pinto 22, pois essas fontes localizam-se nos Estados de São Paulo e Minas Ge ra i s. A concentração de flúor na água, ideal à p re venção da doença cárie segue a Po rt a ri a no10/99 da Se c re t a ria Municipal de Saúde de Po rto Alegre 2 3, que aceita como níveis acessíveis de flúor va l o res na faixa de 0,6 a 0,9ppm, sendo 0,8ppm o teor considerado ideal. Este i n t e rvalo de concentrações foi adotado para todo o Rio Grande do Sul e define os teore s a c e i t á veis na água de beber oferecida pelo sistema de abastecimento público. R e s u l t a d o s A Tabela 1 re vela a descontinuidade dos teore s de flúor dissolvido nos 16 pontos monitora d o s, após o período de 24 meses de acompanham e n t o. Por outro lado, a média da grande m a i o- ria dos re s p e c t i vos locais estudados estava d e n- t ro do padrão aceitáve l. Na Fi g u ra 1, observa-se um significativo a umento no número de unidades amostra i s com uma concentração de flúor ótima (0,6-0,9- ppmf), ao longo dos 24 meses de análise. Ma s, em contra p a rtida, tem-se o surgimento de inúm e ros pontos re velando um excesso de fluoretos (> 1ppmF). A Fi g u ra 2 re vela uma grande oscilação na quantidade de flúor presente na água que é d i s t ribuída pelas ETA s. E observa-se que esta va riação mensal da concentração ocorre tanto Tabela 1 Resultados das análises de flúor após 24 meses de hetero c o n t ro l e. Local de coleta (pontos) M e s e s Total de PpmF Mediana PpmF Média a m o s t r a s ( m í n.- m á x.) (desvio padrão) 1. ETA More i r a ,82 (0,22-1,72) 0,83 (0,30) 2. ETA Sinnotti 2 3 * 4 6 0,74 (0,08-1,11) 0,71 (0,24) 3. ETA Santa Bárbara 2 3 * 4 6 0,62 (0,07-1,32) 0,64 (0,31) 4. CIEP Fragata ,65 (0,46-0,97) 0,65 (0,14) 5. Escola Estadual Adolfo Fetter ,59 (0,28-0,84) 0,59 (0,17) 6. Posto de Saúde Municipal Central ,63 (0,23-0,96) 0,62 (0,19) 7. Hospital Universitário ,56 (0,19-0,99) 0,63 (0,24) 8. Parque Municipal da Baro n e s a ,65 (0,24-0,98) 0,66 (0,19) 9. Escola Municipal Ginásio do Are a l ,69 (0,09-1,04) 0,68 (0,21) 10. Escola Municipal Dom Campos ,72 (0,06-1,13) 0,73 (0,20) de Mendes Barre t o 11. Reservatório do Balneário Barro Duro ,71 (0,64-0,85) 0,72 (5,48E-02) 12. Associação Rural de Pelotas ,60 (0,19-0,96) 0,59 (0,21) 13. Escola Municipal Antônio ,54 (0,23-1,02) 0,58 (0,23) 14. Igreja Evangélica Martinho Lutero ,81 (0,05-1,26) 0,82 (0,26) 15. Posto Municipal Ercy Ribeiro ,77 (0,05-1,29) 0,79 (0,24) 16. Residência Ana Te r r a ,59 (0,24-1,16) 0,64 (0,24) * No mês de abril de 21, não foi possível coletar água em duas das três Estações de Tratamento, justificando o fato das ETA s Sinnoti e Santa Bárbara apre s e n t a rem somente 23 meses de hetero c o n t ro l e. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

4 F L U O R E TAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Figura 1 N ú m e ro de pontos de coleta quanto à efetividade nos 24 meses de análise < 0,6 0,6-0,9 > 0, nov 99 dez 99 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out meses nas ETAs menores (Mo re i ra e Sinotti), quanto na principal ETA da cidade (Santa Bárbara ). Nenhum dos locais da cidade de Pe l o t a s a p resentou todas as amostras coletadas nos 24 meses com uma concentração de flúor adequada, conforme demonstra a Fi g u ra 3. Figura 2 Concentrações de flúor nas ETA s. 1,8 mínimo 1,6 D i s c u s s ã o 1,4 1,2 máximo mediana Dentre os métodos de aplicação de flúor, a FA A P se apresenta como eficaz, barato e de gra n d e caráter social 1, 2, sendo considerada nos Estados Unidos como uma das dez principais medidas de saúde pública do século Sua efetividade é facilmente justificada quando entendemos que subdosagens de flúor ( s u b p p m F-) são suficientes para minimizar o p rocesso de desminera l i z a ç ã o, bem como acel e rar o processo de re m i n e ralização 2 5. Muitos são os motivos que leva ram a um declínio da cárie dentária em nível mundial, tais como o avanço de materiais e técnicas, p rog ramas de pre venção e, de maior abra n g ê n c i a, a FA A P. Porém, para tal método ter efetividade é necessário estar nos níveis calculados como ótimos e de forma contínua 6, 7, 8, 9, 1 1. Ao analisarmos a situação de Pe l o t a s, nossos resultados demonstram que, além de aprox i m a- damente 50% dos pontos de coleta apre s e n t a re m n í veis não ótimos de flúor, há uma grande va ri a- ção em cada ponto ao longo dos 24 meses, havendo assim a interrupção do pro g rama, torn a n- do-o menos efetivo à pre venção da doença cári e. concentração de flúor 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 1 In f e l i z m e n t e, a constância do teor mensal de flúor foi praticamente impossível de ser alcançada em qualquer estação de tra t a m e n t o de água, conforme demonstra a Fi g u ra 1. Um a oscilação na concentração ótima de fluore t o d i s s o l v i d o, de 0,1 a 0,2mg/l, sempre existiu, e d i versos são os fatores que podem levar a isso, como: falta de treinamento do operador re s- p o n s á vel pela fluore t a ç ã o, problemas no equipamento hidráulico ou va riações no fluxo de 2 3 ETA's Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

5 4 2 6 Lima FG et al. água (vazão) ao longo da rede de distri b u i ç ã o da cidade 1 4. Pelotas tem uma planta de distribuição hidráulica muito complexa e cerca de 11 re s e rva t ó rios de água suspeitos de va riar a dosagem de flúor nos pontos de consumo final, em virtude da alteração da vazão durante o trajeto da água encanada. Pôde-se observar que dos 16 pontos analisad o s, o re s e rva t ó rio do Ba l n e á rio Ba r ro Du ro (ponto 11) foi o único que apresentou uma certa constância na média de flúor mensal e, port a n- to, um baixo desvio padrão. Isso é devido ao fato de que se trata do único local da região urbana da cidade onde o flúor presente na água é de ocorrência natural, pois esta região não é abastecida por nenhuma das três ETAs da cidade. Também é importante ressaltar neste estudo que as avaliações das concentrações de f l u o retos basearam-se na Po rt a ria no 10/99 2 3, adotada para todo o Estado do Rio Grande do Sul. Po d e ria ter sido utilizada a Po rt a ria no 635 BsB do Mi n i s t é rio da Sa ú d e, de deze m b ro de 1975, 2 6 onde a concentração de flúor ideal, p a ra a água de abastecimento público, é dependente da média das tempera t u ras máximas d i á rias do ar em cada região e, neste caso, os resultados seriam difere n t e s. No entanto, a Po r- t a ria no 36/MS/GM 1 9, de 19 de janeiro de 1990, ratificada pela Po rt a ria no 1.469, 2 0 de 29 de deze m b ro de 20, afirma que devem ser seguidos os va l o res de concentração de fluore t o s atendendo à legislação em vigor, ou seja, a Po r- t a ria no 10/ V á rios trabalhos são encontrados na literat u ra demonstrando a eficiência da FAAP na redução da incidência da doença cári e. Ba s t i n g et al. 7, num trabalho realizado na cidade de Piracicaba, São Pa u l o, após 25 anos de FA A P, c o m p rovam que houve uma redução de 79% da incidência de cárie em escolare s, mostra n- do a eficiência de tal método, quando bem emp regado e contro l a d o. De maneira similar, em Ca m p i n a s, São Pa u l o, Viegas & Viegas 1 1, após 14 anos de FA A P, ve ri f i c a ram uma redução na p re valência de cárie de 57% para dentes permanentes e de 49% nos dentes decíduos, em c rianças entre 4 e 14 anos. Ol i ve i ra et al. 9, após 18 anos de FAAP em Belo Ho ri zo n t e, Minas Gera i s, re l a t a ram uma redução no índice CPO-D de 44,46% em escolares de 6 a 12 anos, mas re s- saltam que, como método isolado de pre ve n- ç ã o, tem limitações na eficácia. No Mu n i c í p i o de Bi rigui, São Pa u l o, Moimaz et al. 2 7 e n c o n- t ra ram uma redução de 47,64% e 30,9% nos índices CPOD e Ce o, re s p e c t i va m e n t e, após dez anos de fluore t a ç ã o. Pa ra que haja uma maior efetividade na p re venção da doença cárie é interessante que Figura 3 Médias e desvios padrões observados nos 16 pontos de coleta ao longo dos 24 meses de avaliação. 0,9 0,8 0,7 média desvio padrão 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 ppm F 0,1 0, pontos de coleta Pontos de coleta: 1 ETA Santa Bárbara; 2 ETA Sinnotti; 3 ETA Moreira; 4 CIEP Fragata; 5 Escola Estadual Adolfo Fetter; 6 Posto de Saúde Municipal Central; 7 Hospital Universitário; 8 Parque Municipal da Baronesa; 9 Escola Municipal Ginásio do Areal; 10 Escola Municipal Dom Campos de Mendes Barreto; 11 Reservatório do Balneário Barro Duro; 12 Associação Rural de Pelotas; 13 Escola Municipal Antônio; 14 Comunidade Evangélica Martinho Lutero; 15 Posto Municipal Ercy Ribeiro; 16 Residencial Ana Te r r a. E TA 1: 48 unidades amostrais coletadas; ETA 2: 46 unidades amostrais coletadas; ETA 3: 46 unidades amostrais coletadas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

6 F L U O R E TAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO as crianças sejam beneficiadas de água fluoretada desde o nascimento 2 8. Na ve rd a d e, o efeito da adição de fluore t o na água de beber é difícil de ser determ i n a d o nos dias de hoje, visto que milhares de pro d u- tos fluoretados estão à disposição da populaç ã o, tornando difusa e diluída a sua ação perante a atividade dos demais veículos de flúor: dentifrícios fluore t a d o s, flúor tópico aplicado pelo dentista, colutóri o s, suplementos de flúor na dieta, além de alimentos e bebidas, como c h á s, sucos e águas minerais 2. No entanto, a FAAP continua sendo talvez a única forma de p re venção à saúde bucal disponível à população de mais baixa renda, predominante no Brasil 2 9 por isso ve rificamos resultados tão significantes em nosso país. Em países desenvo l v i d o s, cuja maior part e da população utiliza dentifrícios fluoretados e é beneficiada por outros pro g ramas de pre ve n- ç ã o, o índice de cárie é re l a t i vamente baixo, bem como a principal preocupação com os dentes passou a ser a erosão dental 3 0, faze n d o com que pro g ramas de fluoretação pare ç a m não apresentar grandes benefícios, conform e d e m o n s t rou Seppä et al. 3 1, na Finlândia, que c o n s t a t a ram uma pequena diferença (24%) na incidência de cárie entre as cidades de Ku o p i o (com FAAP) e Jyväskyla (sem FAAP). Ma u p o m é et al. 3 2, na cidade de British Columbia, Ca n a- dá, comparando os índices de cárie de uma á rea com água fluoretada e outra onde havia cessado a fluore t a ç ã o, não ve ri f i c a ram difere n- ças estatisticamente significantes entre as duas re g i õ e s. Não é o caso do Brasil, um país em des e n vo l v i m e n t o, com carência de um completo p ro g rama de pre venção à saúde 2 9. Ju s t i f i c a - s e ainda a FAAP em virtude dos custos públicos, onde dar atendimento à população com necessidades re s t a u ra d o ras é muito mais oneroso ao Estado 1, 3 3, 3 4. Comunidades que dispõem de água fluoretada têm um índice muito menor de cárie e uma alta porcentagem populacional de cri a n- ças livres desta doença, mesmo quando fatore s c o n s i d e rados confundidore s, como s t at u s s o- cial, sexo ou idade, são controlados 3 5. Além disso, em virtude do grande uso de flúor nas suas mais diversas form a s, é indisp e n s á vel que haja um controle da pre va l ê n c i a de fluorose dental em todas as comunidades, independente de possuírem água fluore t a d a ou não. Pe l o t a s, onde aproximadamente 25% da população é composta por crianças que dispõem de água fluoretada, a dose total de flúor i n g e rida deve ser controlada pri n c i p a l m e n t e quanto à quantidade de dentifrício fluore t a d o que é colocada na escova infantil 3 6. Somando-se a isso, a quantidade de flúor ótima na água de beber deve ria ser estipulada, baseando-se num estudo prévio de todas as fontes fluoretadas disponíveis em cada comunidade 37. A n t i f l u o retacionistas defenderam uma redução na dosagem de flúor ideal que era adicionada artificialmente em níveis naturais inf e ri o res de ocorrência na água, arg u m e n t a n d o a p resentar a mesma eficácia e a diminuição do risco de fluorose dental nestas áreas 3 8. Po r é m, Ne w b rum 3 9 já alert a va sobre os constantes ataques desferidos por esses contra esta consag rada medida pre ve n t i va, na tentativa de atem o rizar de alguma forma a população. Muito tem sido enfatizado a respeito do aumento da pre valência de fluorose com os prog ramas de fluoretação e, conseqüentemente, os gastos que surg i riam com tratamentos re s- t a u ra d o res odontológicos para solucionar problemas estéticos. Mas os argumentos econômicos que defendem a fluoretação são muito sup e ri o res aos possíveis malefícios que possam existir em decorrência da ingestão exc e s s i va de f l u o retos 1. A otimização dos níveis de flúor nas ETA s por meio do hetero c o n t role continua sendo uma das medidas mais eficazes de saúde publica 6, 8. Um parecer técnico do Comitê T é c n i c o - Científico de Saúde Bucal do Mi n i s t é rio da Sa ú- de afirma que não fluoretar a água ou interro m- per sua continuidade deve ser considerado u m a atitude juridicamente ilegal, cientificamente i n s u s t e n t á vel e socialmente injusta e, para garantir os benefícios deste método com segurança em relação à fluorose dental re c o m e n d a - s e, em pri m e i ro lugar, oficializar um pro g ra m a de hetero c o n t role da concentração de flúor na água 1 8. No Município de Pe l o t a s, por exemplo, a simples adição de flúor à água de beber, estava d e m o n s t rando excesso nos últimos meses, o que nos leva a presumir que, caso continue, poderá ocorrer um crescimento da incidência de fluorose dental na população juvenil daqui a alguns anos, apesar de que, para se considerar a água potável, o valor máximo perm i t i d o de flúor é de 1,5mg/l 2 0, o que muito ra ra m e n t e o c o r re u. A FAAP quando feita de maneira correta é por excelência um método pre ve n t i vo à cári e d e n t á ria comprovadamente eficaz por suas va n t a g e n s. Todavia, da maneira que está sendo executada na cidade de Pelotas é mais um exemplo de gastos indevidos do dinheiro púb l i c o, da mesma forma que, se continuarem alguns pontos com excesso de flúor, poderá o c o r rer uma maior incidência de fluorose dent á ria. Isso comprova a importância do h e t e ro- Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

7 4 2 8 Lima FG et al. c o n t ro l e da FA A P, uma vez que se não tive s s e e x i s t i d o, muito prova velmente a adição de flúor na água de beber poderia continuar sendo negligenciada sem o conhecimento de terc e i ro s, interessados na manutenção de um efet i vo pro g rama de FA A P, bem como é de extrema importância a tomada de providências visando a modificação do quadro atual. C o n c l u s õ e s h e t e ro c o n t role é essencial em Pe l o t a s, uma vez que os níveis de flúor na água va ri a ram demasiadamente ao longo do período de monitoramento; (2) o hetero c o n t role deve continuar enquanto houver FAAP em Pelotas; (3) os níve i s de flúor apresentam-se mais compatíveis com aqueles preconizados ao final do período de a va l i a ç ã o, porém, a sua va riabilidade continua e l e vada, prejudicando o efeito pre ve n t i vo do método no controle da cárie dental e aumentando os riscos de fluoro s e. De n t ro das limitações do estudo, após 24 meses de análise, foi possível concluir que: (1) o R e s u m o A g r a d e c i m e n t o s O objetivo deste estudo foi monitora r, m e n s a l m e n t e,o s n í veis de flúor na água de abastecimento público de Pe l o t a s, Rio Grande do Su l, Bra s i l, bem como ve r i f i c a r a validade da formação de grupos de hetero c o n t ro l e. Pelotas foi dividida em 16 pontos geográficos, i n c l u i n- do as três Estações de Tratamento da água e a coleta foi feita de nove m b ro de 1999 a outubro de 21, e m d u p l i c a t a. Após a coleta, as amostras foram enviadas ao La b o ratório de Vigilância Sanitária de Flúor da Un i versidade do Vale do It a j a í, onde a análise foi feita utilizando-se o método eletrométrico (Orion 920A/El e- t rodo Orion 9609). Após 24 meses, 764 unidades amost rais foram coletadas e verificou-se uma inconstância nos re s u l t a d o s,p redominando níveis insuficientes de flúor até o primeiro trimestre de 21, quando houve um significativo aumento no número de unidades a m o s t rais com uma concentração de flúor ideal (0,6-0, 9 p p m F ),p o r é m, há o surgimento de pontos re ve l a n- do um excesso de fluoretos (> 1ppmF). Os re s u l t a d o s p e r m i t i ram concluir que o hetero c o n t role é fundamental para buscar a manutenção de um correto prog rama de FA A P. Fl ú o r ; Fl u o ra ç ã o ; Tratamento da Água; Vi g i l â n c i a C o l a b o r a d o re s F. G. Lima contribuiu com a elaboração do projeto de pesquisa, re a l i zou as coletas d água por um período de 12 meses, acompanhou os demais 12 meses, re d i- giu o manuscrito e re a l i zou correções no segundo m o m e n t o. R. G. Lund participou da coleta das amost ras nos demais 12 meses e, conjuntamente, da re d a- ção do manuscri t o. L. M. Justino colaborou na confecção do projeto e nas análises de flúor. F. F. De m a r- co contribuiu na orientação do trabalho e executou c o r reções no projeto e no manuscri t o. F. A. B. Del Pino e R. Fe r re i ra colabora ram nas análises de flúor. A g radecemos à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Su l. R e f e r ê n c i a s 1. Mc Nally M, Downie J. The ethics of water fluoridation. J Can Dent Assoc 20; 66: Ho rowitz HS. The effectiveness of community water fluoridation in the United St a t e s. J Pu b l i c Health Dent 1996; 56: Cu ry JA. Uso do flúor e o controle da cárie como doença. In: Ba ra t i e ri LN, Mo n t e i ro S, Andra d a M AC, Vi e i ra LCC, Ritter AV, Ca rdoso AC, org a n i- z a d o re s. Odontologia re s t a u ra d o ra fundamentos e possibilidades. São Paulo: Ed i t o ra Sa n t o s ; 21. p Scott DB. The dawn of a new era. J Public He a l t h Dent 1996; 56: St e vens RE. Fl u o ridation and the pri vate pra c t i c e of dentistry. J Public Health De n t ;5 6 : Tsutsui A, Yagi M, Ho rowitz AM. The pre va l e n c e of dental caries and fluorosis in Japanese communities with up to 1,4ppm of naturally occuri n g f l u o ri d e. J Public Health Dent 20; 60: Basting RT, Pe re i ra AC, Meneghim MC. Ava l i a ç ã o da pre valência de cárie dentária em escolares do Município de Piracicaba, SP, Brasil, após 25 anos de fluoretação das águas de abastecimento públic o. Rev Odontol Univ São Paulo 1997; 11: Co rtes DF, Ellwood RP, O Mullane DM, Ba s t o s JRM. Drinking water fluoride leve l s, dental fluoro s i s, and caries experience in Brazil. J Pu b l i c Health Dent 1996; 56: Ol i ve i ra CMB, Assis DF, Fe r re i ra EF. Avaliação da f l u o retação da água de abastecimento público de Belo Ho ri zo n t e, MG, após 18 anos. Revista do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gera i s 1995; 1:62-6. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

8 F L U O R E TAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Schneider Filho DA, Prado IT, Na rvai PC, Ba r b o s a SE. Fl u o retação da água. Como fazer a vigilância s a n i t á ria? Rio de Ja n e i ro: Rede CEDROS; ( S é rie Ca d e rnos de Saúde Bucal 2) Viegas Y, Viegas AR. Pre valência de cárie dental na Cidade de Ca m p i n a s, SP, Brasil, depois de quatorze anos de fluoretação da água de abastecimento p ú b l i c o. Rev Assoc Paul Cir Dent 1985; 39: Ca l vo MCM. Situação da fluoretação de águas de abastecimento público no Estado de São Pa u l o - Brasil [Di s s e rtação de Me s t rado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Un i versidade de São Paulo; Maia LC, Valença AMG, So a res EL, Cu ry JA. Co n- t role operacional da fluoretação da água de Ni t e- rói, Rio de Ja n e i ro, Brasil. Cad Saúde Pública 23; 19: Lalumandier JA, He rn a n d ez LC, Locci AB, Re e ve s TG. US drinking water: fluoridation know l e d g e l e vel of water plant opera t o r s. J Public He a l t h Dent 21; 6 1 : Ba r ros ERC, Tovo MF, Scapini C. Análise crítica da f l u o retação de águas no Município de Po rto Aleg re/rs. RGO 1990; 3 8 : Bu rt BA. Fifty years of water fluoridation. Br De n t J 1995; 2 1 : De c reto no Regulamenta a Lei no de 21 de maio de Dispõe sobre a fluore t a ç ã o de sistemas públicos de abastecimento. Di á ri o Oficial da União 1975; 22 dez Mi n i s t é rio da Sa ú d e. Pa recer técnico de 24 de agosto de 1999, do Comitê T é c n i c o - C i e n t í f i c o ( C TC) de assessoramento à área técnica de saúde bucal do Mi n i s t é rio da Sa ú d e, DF, Brasil, com o o b j e t i vo de esclarecer seu posicionamento técnico-científico sobre o método de fluoretação da água de abastecimento público. Brasília: Mi n i s- t é rio da Saúde; Mi n i s t é rio da Sa ú d e. Po rt a ria no 36/MS/GM, de 19 de janeiro de Ap rova as normas e o padrão de potabilidade da água destinada ao consumo humano. Brasília: Ministério da Saúde; Mi n i s t é rio da Sa ú d e. Po rt a ria no 1.469, de 29 de d eze m b ro de 20. Estabelece os pro c e d i m e n t o s e responsabilidades re l a t i vos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outra s p rov i d ê n c i a s. Brasília: Mi n i s t é rio da Sa ú d e ; Prado IAT, Be e v m l i e ri CM, Na rvai PC, Schneider DA, Ma n f redini MA. Estabilidade do flúor em a m o s t ras de água. RGO 1992; 40: Pinto VG. A odontologia no município: guia para o rganização de serviços e treinamento de pro f i s- sionais em nível local. Po rto Alegre: RGO; Se c re t a ria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul. Po rt a ria no 10/99, de 16 de agosto de Define teores de concentração do íon fluore t o nas águas para consumo humano fornecidas por Sistemas Públicos de Ab a s t e c i m e n t o. Po rto Aleg re: Se c re t a ria de Estado da Saúde do Rio Gra n d e do Sul; Centers for Disease Co n t rol and Pre vention. Recomendations for using fluoride to pre vent and c o n t rol dental caries in the United St a t e s. MMWR 21; 50: Ten Cate JM. Cu r rent concepts on the theories of the mechanism of action of fluori d e. Acta Od o n- tol Scand 1999; 57: Mi n i s t é rio da Sa ú d e. Po rt a ria no B s B. Ap rova n o rmas e padrões sobre a fluoretação da água, tendo em vista a lei no 6.050/74. Di á rio Oficial da União 1975; 26 dez Moimaz SAS, Saliba NA, Arc i e ri RM, Saliba O, Sundefeld MLMM. Redução na pre valência da c á rie dentária, após dez anos de fluoretação da água de abastecimento público, no Município de Bi rigui, SP, Brasil. Rev Faculdade Odontol Lins 1995; 8: Maltz M, Schoenardie AB, Ca rvalho JC. De n t a l c a ries and gingivitis in schoolchildren from the municipality of Po rto Alegre, Brazil in 1975 and Clin Oral In vestig 21; 5: Pinto VG. Pre venção da cárie dental. In: Pinto VG, o rg a n i z a d o r. Promoção de saúde bucal. São Pa u- lo: Ed i t o ra Santos; 20. p Ten Cate JM. What dental diseases are we facing in the new millennium: some aspects of the res e a rch agenda. Ca ries Res 21; 35 Suppl 1: Seppä L, Kärkkäinen S, Hausen H. Ca ries frequency in permanent teeth before and after discontinuation of water fluoridation in Ku o p i o, Finland. Community Dent Oral Epidemiol 1998; 2 6 : Maupomé G, Clark DC, Levy SM, Be rk owitz J. Pa t- t e rns of dental caries following the cessation of water fluoridation. Community Dent Oral Ep i- demiol 21; 2 9 : Griffin SO, Jones K, Tomar SL. An economic eva l- uation of community water fluoridation. J Pu b l i c Health De n t 21; 61: Forss H. Efficiency of fluoride pro g rams in the light of reduced caries levels in young populat i o n s. Acta Odontol Scand 1999; 57: Gi l l c rist JA, Brumley DE, Bl a c k f o rd JU. Co m m u- nity fluoridation status and caries experience in c h i l d ren. J Public Health Dent 21; 61: Lima Y B O, Cu ry JA. Ingestão de flúor por cri a n ç a s pela água e pelo dentifrício. Rev Saúde Pública 21; 35: Villa AE, Gu e r re ro S, Villalobos J. Estimation of optimal concentration of fluoride in drinking water under conditions pre vailing in Chile. Co m m u- nity Dent Oral Epidemiol 1998; 26: Limeback H. Recent studies confirm old pro b- lems with water fluoridation: a fresh perspective. Fl u o ride 21; 34: Ne w b run E. The fluoridation war: a scientific dispute or a religious argument? J Public He a l t h Dent 1996; 5 6 : Recebido em 15/Ab r / Versão final re a p resentada em 28/Ago/23 Ap rovado em 18/Se t / Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2): , mar- a b r, 24

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Ramires, Irene; Prado Maia, Luciana; dos Santos Rigolizzo, Daniela; Pereira Lauris, José Roberto; Afonso Rabelo Buzalaf,

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

Saúde bucal em adultos e idosos na cidade de Rio Claro, São Paulo, Brasil. Oral health in adults and the elderly in Rio Claro, São Paulo, Brazil

Saúde bucal em adultos e idosos na cidade de Rio Claro, São Paulo, Brasil. Oral health in adults and the elderly in Rio Claro, São Paulo, Brazil 6 2 6 A RTIGO A RT I C L E Saúde bucal em e na cidade de Rio Claro, São Paulo, Brasil Oral health in adults and the elderly in Rio Claro, São Paulo, Brazil D é b o ra Dias da Si l va 1 Maria da Luz Rosário

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN

VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN Ricardo Noll (1) Engenheiro Químico. Farmacêutico-Bioquímico. Especialista em Saneamento Básico, Chefe do Laboratório Central/CORSAN

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Heterocontrole da fluoretação da água de abastecimento público

Heterocontrole da fluoretação da água de abastecimento público Heterocontrole da fluoretação da água de abastecimento público Simon, Leticia Suane (1); Britto, Carla Simone de (2); Rigo, Lilian (3) (1) Aluna do curso de Odontologia da IMED - NEPES, IMED, Brasil.E-mail:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010 SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados RESULTADOS 2009 Brasília, 30 de março de 2010 SNGPC Ferramenta informatizada para captura

Leia mais

PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social

PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social 2 2 4 A RTIGO A RT I C L E PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social E n v i ronment risk prevention programs and occupational health monitoring programs: audits, labor inspection,

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2015 N.:13 Vol.1 Págs.

Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2015 N.:13 Vol.1 Págs. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR http://revista.univar.edu.br ISSN 1984-431X Ano de publicação: 2015 N.:13 Vol.1 Págs.123-128 FLUORETAÇÃO NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE BARRA DO

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Concentração de fluoreto nas águas de abastecimento público relacionada à temperatura em Piracicaba - SP

Concentração de fluoreto nas águas de abastecimento público relacionada à temperatura em Piracicaba - SP Concentração de fluoreto nas águas de abastecimento público relacionada à temperatura em Piracicaba - SP Fluoride concentration in public water supply related to temperature in Piracicaba - SP Regiane

Leia mais

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR Brasília, 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Saraiva

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X FÓRUM CIENTÍFICO ODONTOPEDIATRIA Acadêmico Projeto de Pesquisa 18 HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS RELACIONADO AO NÍVEL SOCIOECONÔMICO Josué Junior Araujo Pierote*; Helleny Alves de Santana Neta; Pablo

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

José Leopoldo Ferreira Antunes

José Leopoldo Ferreira Antunes José Leopoldo Ferreira Antunes 1º Marco: Sistema Único de Saúde Lei 8080, 19/09/1990. 2º Marco: Programa de Saúde da Família: 1991/1994/1997/2000 3º Marco: Programa Brasil Sorridente (17/03/2004) Centros

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

Regina Célia Arantes Stancari Centro de Laboratório Regional de Bauru, Instituto Adolfo Lutz, Bauru-SP, Brasil

Regina Célia Arantes Stancari Centro de Laboratório Regional de Bauru, Instituto Adolfo Lutz, Bauru-SP, Brasil Artigo original Avaliação do processo de fluoretação da água de abastecimento público nos municípios pertencentes ao Grupo de Vigilância Sanitária XV-Bauru, no período de a * doi:.53/s679-497445 Evaluation

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA VOTO EM SEPARADO PROJETO DE LEI N o 95, DE 2007 Revoga a Lei 6050/74, que dispõe sobre a fluoretação da água em sistemas de abastecimento quando existir estação

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

(a) 9. (b) 8. (c) 7. (d) 6. (e) 5.

(a) 9. (b) 8. (c) 7. (d) 6. (e) 5. 41. Num supermercado, são vendidas duas marcas de sabão em pó, Limpinho, a mais barata, e Cheiroso, 30% mais cara do que a primeira. Dona Nina tem em sua carteira uma quantia que é suficiente para comprar

Leia mais

Artes. Avaliação Mensal

Artes. Avaliação Mensal Tema: Arte e sociedade Artes Avaliação Mensal Analisar a relação entre a arte e a sociedade. Refletir sobre tal relação. Etapas: 1. Escolha um dos artistas apresentados no livro Arte e sociedade no Bra

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE

CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE Riscos e potenciais benefícios para usuários e prestadores José Cechin FGV/RJ, 13 novembro 2008 Agenda HISTÓRICO DA SAÚDE SUPLEMENTAR CONSOLIDAÇÃO E MODERNIZAÇÃO CONCENTRAÇÃO E CONCORRÊNCIA

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR.

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Grupo PET/Odontologia UFJF. Tutora: Prof.ª. Dr.ª Rosângela Almeida Ribeiro ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Aline Barcellos Ana Carla Campos Marcela Nascimento Rachel Itaborahy Introdução Brasil:

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Dificuldades enfrentadas no processo de fluoretação das águas de abastecimento público

Dificuldades enfrentadas no processo de fluoretação das águas de abastecimento público Suzely Adas Saliba Moimaz 1 Cléa Adas Saliba Garbin 1 Gabriela Ferreira Iglesias 1 Fernando Yamamoto Chiba 1 Doris Hissako Sumida 1 Orlando Saliba 1 Challenges in the fluoridation of public water supply

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1)

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM BRASÍLIA, BRASIL (1) José Maria Pacheco de SOUZA (2) Eunice Pinho de Castro SILVA (2) Osdyr Brasileiro de MATTOS (3) SOUZA, J. M. P. de; SILVA, E. P. de C. & MATTOS, O.

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE INSUMOS (ÁGUA, ENERGIA ELÉTRICA E GÁS) EM CHUVEIRO ELÉTRICO, AQUECEDOR A GÁS, CHUVEIRO HÍBRIDO, AQUECEDOR SOLAR E AQUECEDOR DE ACUMULAÇÃO ELÉTRICO. Relatório Parcial SÃO PAULO,

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX

Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Odontologia e Sociedade 1999 Vol. 1, No. 1/2, 25-29, 1999. Printed in Brazil. Artigo Declínio na Experiência de Cárie em Dentes Permanentes de Escolares Brasileiros no Final do Século XX Dental Caries

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM*

COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM* COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM* SUGAHARA, C.A.** RAIZER, A. J. * * MOTTA, R.** ARASHIRO, F.Y.** SILVA, J.M.** MARICONI, F. A. M.*** RESUMO Com o objetivo

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL *

A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL * A MORTALIDADE INFANTIL NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL * José Duarte de ARAÚJO ** RSPU-B/158 ARAÚJO, J. D. de A mortalidade infantil no Estado da Bahia, Brasil. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 7 29-36, 1973. RESUMO:

Leia mais

A fluoretação da água de abastecimento público e seus benefícios no controle da cárie dentária cinqüenta anos no Brasil

A fluoretação da água de abastecimento público e seus benefícios no controle da cárie dentária cinqüenta anos no Brasil 1057 A fluoretação da água de abastecimento público e seus benefícios no controle da cárie dentária cinqüenta anos no Brasil Fifty years of fluoridation of public water supplies in Brazil: benefits for

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 011 1ª Fase RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO GRADE DE CORREÇÃO A prova de Raciocínio Lógico-Matemático é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais