1. Introdução. 2. Metodologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução. 2. Metodologia"

Transcrição

1 Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo principal mapear e classificar o nível de inclusão social nas capitais, de acordo com um índice síntese, denominado Índice de -IIS,composto por sete indicadores socioeconômicos distribuídos em três dimensões: Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil. Além do mapeamento e da classificação das capitais conforme o IIS, realizaram-se comparações entre as capitais no âmbito nacional e regional, o que possibilitou visualizar geograficamente as regiões menos incluídas e detectar quais as principais carências por dimensão e indicador. Os indicadores socioeconômicos utilizados na composição do Índice de, foram selecionados com base na publicação Atlas de Exclusão Social no Brasil. A metodologia para a construção do IIS foi a mesma do cálculo do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), utilizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e as informações básicas foram coletadas do IBGE (censo 2). Os indicadores selecionados para compor cada uma das dimensões dizem respeito a vários aspectos das condições de vida das pessoas, tais como renda, escolaridade e segurança, que possibilitam medir a inclusão social de uma determinada população. A dimensão Autonomia de Renda, relacionada com a possibilidade de acesso à aquisição de bens e serviços, foi representada pelos indicadores pobreza do chefe de família, ocupação formal e a desigualdade de renda. As outras dimensões, Escolaridade e Risco Juvenil, foram definidas pelos indicadores que mensuram o acesso à educação formal e a vulnerabilidade da população jovem. Em resumo, as variáveis relacionadas com os indicadores foram distribuídas nas dimensões da seguinte forma: Autonomia de Renda: - Porcentual de chefes de domicílios com renda até dois salários mínimos; - Porcentual da população com emprego formal em relação a população economicamente ativa (PEA) ; - Razão desigualdade de renda - quociente entre o número de chefes de família com renda mensal acima e abaixo de salários mínimos. Escolaridade: - Taxa de analfabetismo de pessoas com anos ou mais de idade; - Porcentual de chefes de família sem instrução ou com menos de um ano de estudo. Risco Juvenil: 2. Metodologia - Porcentual de jovens de a 9 anos; -Taxa de homicídio por mil habitantes. O Índice de - IIS resultou da média aritmética dos sub-índices representativos das dimensões Autonomia de Renda - IAR, Escolaridade - IES e Risco Juvenil - IRJ, com variação de (capital POCHMANN, Marcio; AMORIM, Ricardo (organizadores). Atlas da Exclusão Social no Brasil., Cortez, 23.

2 cuja população possui os piores níveis de inclusão social) a (capital cuja população possui os melhores níveis de inclusão social). Os sub-índices gerados para cada uma das dimensões foram obtidos pela média aritmética simples ou ponderada das variáveis, após serem escalonadas a partir de uma transformação linear no intervalo ( pior condição) a (melhor condição). Na composição do sub-índice IAR, as variáveis receberam pesos 2, e 3, respectivamente, para porcentual de chefes de família com renda até 2 S.M., porcentual da PEA ocupada e desigualdade de renda. Enquanto no sub-índice IRJ as variável porcentual de jovens de a 9 anos de idade teve peso e a taxa de homicídio peso 2. Os índices finais, tanto os relacionados com as dimensões como o da, foram classificados em três grupos: Grupo I - nível alto de inclusão social Variação de,8 a,; Grupo II - nível médio de inclusão social Variação de,5 a,79; Grupo III - nível baixo de inclusão social Variação de a,49. Os resultados foram apresentados na forma de figuras, gráficos e diagramas, classificados de acordo com o valor do índice e dos sub-índices. 3. Análise dos resultados Segundo o IBGE, em 2, a população total das 27 capitais era de habitantes, sendo que as regiões Sudeste e Nordeste concentravam os maiores porcentuais, cerca de 46,5% e 25,% respectivamente. As regiões com as menores populações eram a Centro Oeste -,6%; a Norte - 9,6; e a Sul - 8,%. De acordo com os valores do Índice de Inclusão Social, somente as três capitais da região Sul -, e foram classificadas no Grupo I, assumindo valores maiores do que,8, sendo que foi a melhor colocada. A população dessas capitais, que reúne Mapeando a habitantes (8,% do total da população das capitais), no geral, tem maior possibilidade de acesso a aquisição de bens e serviços, melhores níveis de escolaridade e a população jovem está menos exposta a violência. No Grupo II foram classificadas sete capitais, que juntas somam um total de habitantes, cerca de 6,3% do total geral. Ficaram neste grupo todas as capitais da região Sudeste, duas da região Centro Oeste e uma da Nordeste, posicionando-se em ordem decrescente do IIS da seguinte forma: Belo Horizonte,,,,, São Paulo e Salvador. O Grupo III, que classifica as capitais com os mais baixos índices, foi composto pela maioria das capitais das regiões Norte e Nordeste, apontando sete e oito capitais, respectivamente, e apenas duas da região Centro Oeste, somando um total de 7 capitais. A população total do grupo é de habitantes, que corresponde a 3,6% da população das capitais. Os piores valores do Índice de, ficaram com, Recife,,Teresina,,, que não alcançaram,2, e, cujo valor foi zero. Em resumo, todas as capitais das regiões Sul e Sudeste e duas da região Centro Oeste - e, foram classificadas com os melhores níveis de inclusão social, variando de,538, para, a para. Enquanto isso, todas as capitais das regiões Nordeste e Norte e duas da Centro Oeste - e, obtiveram os piores níveis, variando de zero, para, a,525, para Salvador. A Figura mostra mais detalhadamente a distribuição espacial e a classificação do Índice de por capital e região. Analisando a situação das capitais em relação a cada uma das dimensões tem-se que, na Autonomia de Renda, apenas duas capitais - e obtiveram valores acima de,8, pertencendo portanto ao Grupo I. Os três indicadores relacionados com essa dimensão contribuíram quase que igualmente para elevar o sub-índice em, 2

3 Índice de,8 -,,5 -,799, -,499 São Luíz Luís Terezina Teresina Salvador Grupo I Grupo II Recife Grupo III Salvador Recife Teresina Índice de,828,82,68,642,634,626,67,538,525,488,446,43,426,364,3,298,287,282,269,75,39 Sul,37 Sudeste,29,9 CentroOeste, Nordeste Norte Figura : Distribuição espacial e classificação do Índice de das capitais, segundo a região Fonte dos dados básicos: IBGE; Ministério da Saúde (2) enquanto que para a capital foi a desigualdade de renda que mais influiu, mostrando que para cada grupo de mil chefes de família com renda abaixo de S.M. existem 433 chefes com renda acima de S.M. No Grupo II foram classificadas seis capitais,,,,, e. E no Grupo III a maioria das 27 capitais, sendo todas das regiões Norte e Nordeste e três da Centro Oeste -, e Campo Grande. A desigualdade de renda foi menor nas capitais do Sul e do Sudeste e em, onde o número de chefes de família com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M. variou entre 286, para,a 439,para. Já nas capitais das regiões Norte e Nordeste a relação de chefes de família com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M. variou de 94, para, a 28 para Recife O Gráfico mostra a distribuição do número de chefes de família com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M., por capital e região. Com relação a dimensão Escolaridade, nove capitais foram classificadas no Grupo I, sendo todas das regiões Sul e Sudeste,, da região Norte, e da Centro Oeste. No Grupo II ficaram dez capitais,, Salvador,,, Campo Grande,,,, e Número de chef es de f amília com renda > S.M. por mil chef es com renda < S.M Recif e Gráfico : Número de chefes de família com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M., por capital e região Fonte dos dados básicos: IBGE (2) 64 Sul Sudeste 6 Salv ador Centro Oeste Nordeste Norte Teresina 94 3

4 e no Grupo III oito capitais, a maioria do Nordeste (Recife,,,, João Pessoa, Teresina e ) e da região Norte. As capitais classificadas no Grupo I tiveram as mais baixas taxa de analfabetismo de pessoas com dez anos ou mais de idade, cuja variação foi de 3%, para, a 4,6%, para, e os menores porcentuais de chefes de família com até um ano de estudo, que variou entre 3,4%, para, a 6,8%, para. Por outro lado o Grupo III, formado pelas capitais com os maiores valores, a taxa de analfabetismo ficou entre 8,8%, para Aracaju, a 5,2%, para, e o porcentual de chefes com até um ano de estudo variou entre,4%, para Recife, a 8,8%, para. Nas regiões Sul e Sudeste as capitais foram as melhores colocadas nas dimensões Autonomia de Renda e Escolaridade. O mesmo não aconteceu na dimensão Risco Juvenil, onde as capitais Rio de Janeiro, e apresentaram valores inferiores a,55, para o sub-índice. Contribuíram F l o ri a n ó p o l i s V i tó ri a P o rto A l e g re C u ri ti b a B ra síl i a S ã o P a u l o R i o d e J a n e i ro B e l o H o ri z o n te G o i â n i a C u i a b á C a m p o G ra n d e P a l m a s P o rto V e l h o N a ta l B o a V i sta J o ã o P e sso a M a c a p á B e l é m M a n a u s R i o B ra n c o A u to n o m ia d e re nd a, 8 54, 7 97, 7 5, 7 6, 6 86, 6 54, 5 72, 4 82, 4, 3 35, 2 82, 2 58, 2 44, 2 4, 2 39, 2 36, 2 28, 89, 82, 69, 47,, 9, 7, 5 F l o ri a n ó p o l i s P o rto A l e g re C u ri ti b a R i o d e J a n e i ro V i tó ri a B e l o H o ri z o n te S ã o P a u l o B e l é m G o i â n i a B ra síl i a C u i a b á P a l m a s C a m p o G ra n d e M a n a u s P o rto V e l h o B o a V i sta M a c a p á N a ta l J o ã o P e sso a R i o B ra n c o Es colaridade fortemente para isso a alta taxa de homicídio por grupo de mil habitantes. Na dimensão Risco Juvenil, as capitais melhores colocadas, pertencentes ao Grupo I, foram:,, Salvador e, com as mais baixas taxa de homicídio por mil habitantes: 6,7;,;,8 e 4,9, respectivamente. No Grupo II ficaram treze capitais, sendo cinco da região Nordeste e o restante das outras regiões e no Grupo III foram classificadas dez capitais, das quais cinco na região Norte, duas na Nordeste, duas na Sudeste e uma na região Centro Oeste. Gráfico 2: Sub-índices Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil, por capital e região Fonte dos dados básicos: IBGE; Ministério da Saúde (2), 9 85, 9 78, 9 3, 8 98, 8 85, 8 59, 8 45, 8 26, 7 96, 7 7, 7 6, 7 54, 7 46, 7 29, 6 96, 5 56, 5 54, 5 5, 4 92, 4 92, 3 99, 3 92, 3 67, 67, 99 F l o ri a n ó p o l i s N a ta l C u ri ti b a G o i â n i a P o rto A l e g re B e l o H o ri z o n te B e l é m J o ã o P e sso a P a l m a s B ra síl i a R i o d e J a n e i ro C a m p o G ra n d e M a n a u s V i tó ri a R i o B ra n c o S ã o P a u l o M a c a p á B o a V i sta C u i a b á P o rto V e l h o O Gráfico 2 mostra os valores dos sub-índices para cada uma das dimensões por capital e região. Com relação aos indicadores que compõem a dimensão Risco Juvenil, as capitais das regiões Sul e Sudeste apresentaram os menores porcentuais de jovens de a 9 anos, situando-se entre 3,2%, no Rio de Janeiro, e 34,7% em. No entanto, a taxa de homicídio por grupo de mil habitantes para algumas dessas capitais foi altíssima, no foi 49,5, em foi 54,4 e em 58,5. As outras R is c o J u v e nil, 9 37, 9 3, 8 44, 7 83, 7 7, 7 5, 7 26, 7, 6 65, 6 57, 5 9, 5 88, 5 52, 5 49, 5 4, 5 7, 4 47, 4 3, 3 59, 3 52, 3 9, 65, 62, 32, 6 R e g iõ e s S u l Sudes te C. O e s t e N ord e s t e N o rte capitais tiveram taxas menores que 3 homicídios por grupo de mil habitantes. As maiores taxas de homicídio verificaramse nas capitais Porto Velho, com 6,7,, com 65,6 e Recife, com 67,4. As capitais que apresentaram conjuntamente as maiores taxa de homicídio e os maiores porcentuais da população jovem, estão localizadas nas regiões Norte (, e ) e na Centro Oeste,. 4

5 39,3 34, 37,7 43,2 42,5 34,5 44,8 4 6,7,,8 4,9 2,3 2, 2,8 2,9 22,2 36,4 24,3 4,4 28,2 34,2 3 32,3 3,9 38,6 32, ,5 39,4 33,6 39,2 35,2 46,6 37,2 38,9 37,9 4 43,4 49,5 46,4 47,8 49,5 3,2 54,4 34,7 58,5 34,4 6,7 45,9 65,6 4,4 67,4 36,4 Taxa de homicídio por mil hab. Salv ador Teresina Gráfico 3: Taxa de homicídio por grupo de mil habitantes e porcentual de pessoas de a 9 anos de idade, segundo as capitais Fonte dos dados básicos: IBGE; Ministério da Saúde (2) Recif e % de pessoas de a 9 anos No Gráfico 3 pode-se visualizar a distribuição da taxa de homicídio e o porcentual de jovens de a 9 anos de idade, por capital. Analisando o Índice de entre as capitais do Nordeste, observa-se que todas atingiram valores abaixo de,53, e somente Salvador foi classificada no Grupo II, as demais ficaram no Grupo III, com os mais baixos níveis de inclusão social. Das três dimensões trabalhadas foi a da Autonomia de Renda que mais contribuiu para baixar os valores do IIS das capitais do Nordeste, apresentando valores do sub-índice menores do que,245, ficando todas classifidas no Grupo III. Os indicadores que mais contribuíram para isso foram o porcentual de chefes de família com renda até 2 S.M., onde as capitais do Nordeste assumiram os maiores valores, variando de 38,6% (Salvador) a 54,8% (Teresina) e a desigualdade de renda. A variação na desigualdade de renda ficou entre 99 chefes de família com renda acima de S.M por mil chefes com renda abaixo de S.M., para Teresina, e 28 chefes com renda acima de S.M. para Recife., que ocupou o 3 o lugar entre as capitais do Nordeste, perdendo para Recife e Aracaju, mostrou 75 chefes com renda acima de S.M. por mil chefes com renda abaixo de S.M., Quanto à dimensão Escolaridade, apenas Salvador e obtiveram os melhores valores para o sub-índice, que foram,77 e,66, respectivamente, as outras capitais da região acusaram valores abaixo de,493, ficando portanto classificadas no Grupo III. Os dois indicadores utilizados, taxa de analfabetismo de pessoas com anos ou mais de idade e porcentual de chefes de família com até um ano de estudo, contribuíram quase que igualmente com os mais altos porcentuais, causando assim a queda nos níveis do sub-índice. A taxa de analfabetismo variou entre 5,6%, para Salvador, e 5,2%, para, e o porcentual de chefes com até um ano de estudo ficou entre 6,9% e 7,3%, para as mesmas capitais. As capitais da região Nordeste ficaram bem colocadas em relação a dimensão Risco Juvenil: e Salvador foram classifidas no Grupo I;, Teresina,, e ficaram no Grupo II; e somente e Recife no Grupo III. A taxa de homicídio das capitais da região variou entre os dois extremos, mínimo e máximo, envolvendo todas as capitais do país. apresentou a menor das taxas com 6,7 homicídios e Recife a maior das taxas com 67,4, homicídios por mil habitantes. O porcentual de jovens na faixa etária de a 9 anos variou entre 36,4% para Recife e 43,2% para. O Gráfico 4, apresenta a contribuição de cada sub-índice na obtenção do Índice de Inclusão Social e o Gráfico - 5 os valores do IIS, e dos subíndices das dimensões para as capital do Nordeste. 5

6 Contribuição (%) Salv ador J.Pessoa Recif e Teresina 2 79 Inclus ão Social A ut o n o m ia d e R e nd a E s c o la rid a d e R is c o J u v e nil S alv ador N atal S ão L u ís, 52 5, 42 6, 36 4 Arac ajú R ec if e N atal, 24 4,2 4, 23 9 S alv ador S ão L u ís Arac ajú,7 7, 69 6, 49 2 Na ta l,9 3 7,9 3,7 2 6 Arac ajú F ort a le za J. P e s s oa R ec if e,3, 28 2, 26 9, 3 9 J. P e s s oa F ort a le za S alv ador Mac eió, 22 8, 6 9, 4 7, 7 R ec if e N atal F ort a le za J. P e s s oa, 49 2, 39 9, 39 2, 36 7 J.P e sso a,6 6 5,6 5 7,5 9,5 5 2 Autonomia de Renda Escolaridade Risco Juv enil Gráfico 4: Contribuição (%) dos sub-índices 4. Conclusão 4 86 Teres ina Mac eió, 2 9 Fonte dos dados básicos: IBGE; Ministério da Saúde (2) Teres ina S ão L u ís, 5 Teres ina Mac eió Gráfico 5: Índice de e sub-índices das dimensões Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil, por capital da região Nordeste, 6 7, 3 2,4 4 7 A conclusão geral, envolvendo todas as capitais, foi resumida no Quadro, que mostra os valores do Índice de e dos sub-índices das dimensões Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil, classificados por grupo. As três capitais da região Sul foram as melhores colocadas tanto no Índice de como nos sub-índices das dimensões. Em seguida vieram as capitais da região Sudeste e duas capitais da Centro Oeste - e, que obtiveram IIS classificados no Grupo II. As capitais das regiões Norte e Nordeste, com exceção de Salvador, foram classificadas no Grupo III, ou seja, são as capitais cuja população possui os mais baixos níveis de inclusão social. Na dimensão Autonomia de Renda, apenas e foram classificadas no Grupo I. Contribuíram fortemente para isso o baixo porcentual de chefes de família com renda até dois salários mínimos e as menores desigualdades de renda - 433, para, e 439, para, chefes de família com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M. Todas as capitais das regiões Norte e Nordeste foram classificadas no Grupo III, onde o número de chefes de famíla com renda > S.M. por mil chefes com renda < S.M. variou de 94, para, a 28, para Recife. Com relação a dimensão Escolaridade, as capitais da região Nordeste, com execeção de Salvador, Quadro : Índices de e os sub-índices das dimensões Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil, classificados por Grupo, segundo as capitais e regiões Sul Sudeste C. Oeste Nordeste Norte Grupo I Grupo II Grupo III Inclusão Autonomia Risco Capitais Social, de Renda, Escolaridade, Juvenil,,828,75,978,844,82,797,985,77,68,572,885,75,626,654,93,54,642,854,898,359,538,686,859,39,634,482,826,783,67,76,796,549,43,335,746,57,287,4,76,6 Salvador,525,47,77,93,426,239,399,937,364,,696,726,3,244,492,552,282,69,392,657,269,228,367,59 Recife,39,24,492,32 Teresina,29,5,67,665,,7,,447,488,82,845,7,446,282,754,588,298,,729,43,75,236,554,62,37,89,55,65,9,258,556,,,9,99,352 6

7 Mapeando a e, foram as piores colocadas, sendo classificadas no Grupo III. A alta taxa de analfabetismo de pessoas com dez anos ou mais de idade e o alto porcentual de chefes de família com até um ano de estudos foram os responsáveis por essa classificação. Quanto a dimensão Risco Juvenil, quatro capitais foram classificadas no Grupo I. Seguindo a ordem decrescente do sub-índice têm-se:,, Salvador e, que apresentaram conjuntamente os menores porcentuais de jovens até 9 anos de idade e as menores taxas de homicídio por grupo de mil habitantes. No Grupo III, ficaram dez capitais -,,,,,, Boa Vista, Recife, e, que apresentaram as mais altas taxas de homicídio. A cidade de foi bem classificada, a nível nacional, apenas no subíndice Risco Juvenil, assumindo o segundo lugar, ficando abaixo apenas de. Embora a taxa de homicídio por grupo de mil habitantes, em, tenha sido de 6,7, a menor entre todas as capitais. Com relação ao Índice de e aos subíndices Autonomia de Renda e Escolaridade, foi classificada no Grupo III, ocupando as posições 4 a, 6 a e 22 a, respectivamente. Os valores do índice IIS, e dos sub-índices IAR, IES e IRJ foram, respectivamente,,426;,239;,399; e,937. A nível regional, apenas Salvador foi classificada no Grupo II, com IIS igual a,525, quase no limite inferior da classe, Risco Juvenil Escolaridade Autonomia de Renda as demais capitais da região ficaram no Grupo III. No Índice de, assumiu a 2 a posição, perdendo apenas para Salvador, e nos sub-índices Autonomia de Renda, Escolaridade e Risco Juvenil, ocupou as 3 a, 5 a e a posições, respectivamente. Resumindo, a nível de Nordeste, foi bem classificada na dimensão Autonomia de Renda, ficando abaixo apenas de e Recife, perdendo um pouco na dimensão Escolaridade, onde posicionou-se abaixo de Salvador,, e Recife. O Diagrama, que apresenta as 5 capitais com os melhores e as 5 capitais com os piores valores dos indicadores, para cada uma das dimensões, ajuda a sintetizar as conclusões. Diagrama : As cinco capitais melhores e as cinco capitais piores colocadas em relação aos indicadores do Índice de com renda até 2 S.M. % PEA ocupada desigualdade de renda Analfabetismo > anos com até ano de estudo % de jovens de a 9 anos Homicídio Melhores Capitais... 6,4... 7,9... 9,3... 2, , ,... 87, , , , ,... 3,... 3,2... 3,8... 3,9... 3,4... 3,7... 4,... 5,2... 5,4... 3, , ,... 34, ,4... 6,7..., Salvador...,8... 4,9 Teresina... 2,3 com renda até 2 S.M. % PEA ocupada desigualdade de renda Analfabetismo > anos com até ano de estudo % de jovens de a 9 anos Homicídio Piores Capitais... 43, , , ,9 Teresina... 54,8 Recife... 78, ,... 76, ,2 Salvador... 75, Teresina ,...,5...,7 Teresina... 2,... 5,2...2,5...2,9 Teresina...6,3...7,3... 8, ,... 45, , , , , ,5... 6, ,6 Recife... 67,4 7

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações Chefe do Setor de Estatística e Informações

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA de Andrade Lima, Ana Elizabeth; Pinheiro Rodrigues, Cristina; da Fonseca Santa Cruz,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social

A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social A Contribuição da Educação para o Desenvolvimento Social Setembro 2010 Wanda Engel Superintendente Executiva Desenvolvimento Humano Sujeito Sujeito Objeto Desenvolvimento Social Desenvolvimento Econômico

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

CASA VERDE/CACHOEIRINHA

CASA VERDE/CACHOEIRINHA Casa Verde / CASA VERDE/CACHOEIRINHA R e g i ã o N o r t e Assessoria de Imprensa - Subprefeitura de CENTRO REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MORRINHOS. 17 Casa Verde / Pirâmide Populacional Rendimento

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 82 Desemprego 22 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (III): A pobreza brasileira que resta

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (III): A pobreza brasileira que resta 08 outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (III): A pobreza brasileira que resta Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal PNAD 2011 Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Rio de Janeiro, 16/05/2013 1 Características Em 2011 foram visitados 146 mil domicílios e entrevistadas 359 mil pessoas. 2

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 São Paulo, 02 de maio de 2005. &(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 Apenas uma das 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos realiza mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I N II ABRIL 2007 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000 Prof Dr. Vitor

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR Apresentação O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Colegiados de Gestão Regional do Brasil segundo

Leia mais

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Sul Em 21, no estado do Rio Grande do Sul (RS), moravam 1,7 milhões de pessoas, onde parcela importante (9,3%, 989,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 496 municípios,

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório.

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME Maurício Cortez Reis Professor do Dept de Economia da PUC - Rio 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada pelo IBGE

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010)

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010) São Paulo Em 21, no estado de São Paulo (SP), moravam 41,3 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,8%, 3,2 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 645 municípios,

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais