C.N.P.J/MF nº / C.N.P.J/MF nº /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C.N.P.J/MF nº 68.067.446/0001-77. C.N.P.J/MF nº 01.372.335/0001-01"

Transcrição

1 Grupo Frigol FRIGOL S.A. C.N.P.J/MF nº / FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA C.N.P.J/MF nº /

2 Plano de Recuperação Judicial consoante a LEI nº /2005 em atendimento ao seu artigo 53, para apresentação nos autos do Processo nº: , em trâmite na 2ª Vara Judicial - Fórum de Lençóis Paulista/SP elaborado por Erimar Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda.

3 SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais Histórico e Apresentação da Empresa ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MISSÃO VISÃO VALORES E CRENÇAS INFORMAÇÕES SOBRE A ESTRUTURA RELEVÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA RELEVÂNCIA SÓCIO AMBIENTAL SUSTENTABILIDADE RASTREABILIDADE S.I.F. (SERVIÇO DE INSPEÇÃO FEDERAL) PRODUTOS COMERCIALIZADOS Organização do Plano de Recuperação MOTIVOS PARA O PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL QUADRO DE CREDORES DO GRUPO FRIGOL O QUADRO DE CREDORES APRESENTADO ABAIXO, JÁ EXPRESSA ALGUMAS ALTERAÇÕES NA LISTA DA RECUPERANDA QUE ESTARÃO EXPOSTAS NA LISTA DO ADMINISTRADOR JUDICIAL A SER PUBLICADA PLANO DE REESTRUTURAÇÃO OPERACIONAL ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA ÁREA FINANCEIRA ÁREA OPERACIONAL CENÁRIO ECONÔMICO E MERCADOLÓGICO MERCADO SETORIAL PREMISSAS, DESEMPENHO RETROATIVO E PROJEÇÕES Premissas Desempenho Retroativo Projeções PERSPECTIVAS ECONÔMICAS BRASIL Etapa Quantitativa ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Dados Análise PROJEÇÕES DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PROJEÇÃO DAS RECEITAS Premissas Projeção Análise PROJEÇÃO DE RESULTADOS Premissas Projeção Análise Proposta de pagamento aos credores da Recuperação CLASSE I: CREDORES TRABALHISTAS CLASSES II E III - CREDORES COM GARANTIA REAL E QUIROGRAFÁRIOS CREDORES FORNECEDORES CREDORES FINANCEIROS ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO CREDORES FORNECEDORES ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO AOS CREDORES FINANCEIROS CREDORES DE ADIANTAMENTO DE CONTRATO DE CAMBIO - ACC FIXAÇÃO DO PRAZO DE PAGAMENTO Créditos Contingentes - Impugnações de Crédito e Acordos Baixa dos Protestos Venda de Ativos Forma de Pagamento aos Credores Nova Assembleia Geral de Credores Análise de Viabilidade da Proposta de Pagamento Considerações Finais - Resumo Nota de Esclarecimento Conclusão Laudo de Avaliação de Bens Imobilizados Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL

4 1. Considerações Iniciais Este documento foi elaborado com o propósito de abranger e estabelecer os principais termos do Plano de Recuperação Judicial, proposto sob a égide da Lei de Recuperação Judicial, Extrajudicial e Falência do Empresário e da Sociedade Empresária (Lei nº , de 09 de Fevereiro de Lei de Recuperação de Empresas ), do GRUPO FRIGOL formado pelas empresas FRIGOL S/A. e FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA., ambas em Recuperação Judicial. O GRUPO FRIGOL possui administração central exercida pelos sócios, tem sede na Rua Dr. Gabriel de Oliveira Rocha, 704, Lençóis Paulista - SP, requereu em 30 de Julho de 2010 o benefício legal da Recuperação Judicial, com fulcro nos artigos 47 e seguintes da Lei /05, tendo seu processo sido distribuído na 2ª Vara Judicial Fórum de Lençóis Paulista - SP sob nº na mesma data, e o deferimento do processamento da recuperação judicial ocorreu em 17 de Agosto de 2010 pelo Exmo Sr. Dr. Mário Ramos dos Santos, com a disponibilização de tal decisão no Diário da Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo no dia 19 de Agosto de Para a elaboração do Plano de Recuperação, objeto deste documento, foi contratada a empresa ERIMAR Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda., localizada na Rua Vergueiro, conj CEP São Paulo - SP. O plano ora apresentado propõe condições especiais para pagamento das obrigações vencidas ou vincendas e demonstra a viabilidade econômico-financeira da empresa, bem como a compatibilidade entre a proposta de pagamento aos Credores e a geração dos recursos financeiros no prazo proposto, consoante os artigos 50, 53 e 54 da Lei /2005. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 4

5 2. Histórico e Apresentação da Empresa O início da história do FRIGORÍFICO OLIVEIRA - FRIGOL se deu em Março de 1970, quando o Patriarca da Família Oliveira o Sr. Luis Gonzaga de Oliveira resolveu mudar-se com a família para a cidade de Lençóis Paulista SP, onde em uma atitude corajosa e empreendedora decidiu trocar o único bem que possuía um caminhão Mercedes Benz por um açougue na Rua Quinze de Novembro, no Centro de Lençóis Paulista. Levou os três filhos mais velhos; Djalma, Durval e Dorival para trabalhar no novo e promissor negócio. Depois de passados cinco anos a família já possuía mais quatro açougues um para cada filho e neste mesmo ano entrou para o negócio mais um filho, o Décio. O sucesso do negócio era crescente e em 1983 abriram um Supermercado na cidade e um matadouro de suínos no sítio da família. A demanda pelos produtos oferecidos, até então, pelo pequeno matadouro era bem maior do que a oferta, e, em 1986 inauguraram o primeiro frigorífico no distrito industrial de Lençóis Paulista dedicado ao abate de suínos. Em 1990, com o crescimento do negócio, foi arrendado o frigorífico onde é atualmente o endereço administrativo da empresa para abate de bois. Na época este frigorífico tinha a capacidade de abate de 200 (duzentos) bois/dia. Neste mesmo ano o Sr. Luiz Gonzaga decidiu afastar-se dos negócios deixando a cargo de seus filhos a administração do empreendimento. O ano de 1992 foi marcante para a família Oliveira, pois em 22 de Maio efetivamente nascia o GRUPO FRIGOL onde os irmãos Djalma, Dorival, Durval, Décio e o cunhado do Djalma, o Benedito, davam mais um passo ousado mantendo o mesmo espírito empreendedor cunhado pelo Sr. Luiz Gonzaga. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 5

6 Naquele mesmo ano, fruto da prosperidade do negócio, o Grupo adquiriu o prédio arrendado em Com o mesmo espírito empreendedor e a visão de oportunidade, o Grupo iniciou reforma visando a ampliação das instalações e sua capacidade produtiva, passando então a abater 450 (quatrocentos e cinquenta) bois/dia. O Grupo Frigol de forma sistemática crescia a cada ano. A visão voltada para o crescimento da empresa e a percepção de mercado faziam com que os sócios reinvestissem no negócio constantemente de forma a fortalecê-lo, propiciando a busca por novas fronteiras. No ano de 1994 a empresa continuava sua expansão aproveitando-se da organização alcançada e do bom momento que a economia nacional atravessava, influenciada pelo novo plano econômico o da criação da nova moeda, o Real. O Plano Real, como vários outros, vinham com a proposta de controlar a inflação, diminuir a taxa básica de juros e fortalecer a moeda nacional. Como na edição de outros planos a insegurança pairava no mercado. Em pouco tempo o Plano Real, frutos da competência na implantação e sua consistência, trouxe a confiança de se haver conquistado (finalmente) uma moeda forte. A inflação, vilã por décadas, estava controlada e os juros estacionados em patamares inferiores. Assim, com a nova moeda, o Brasil iniciou uma nova fase em sua história. A população em geral passou a ter a possibilidade de planejar a médio e longo prazo. A inflação debelada propiciou um aumento natural no poder aquisitivo da população, pois, até então, a correção aplicada aos salários era sistematicamente inferior ao real custo da inflação. A carne pode ser inserida no cardápio diário de mais brasileiros aumentando de forma considerável o volume de consumo deste produto no país. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 6

7 Nesta época a empresa ampliou sua capacidade de abate para 1000 (um mil) bois/dia para atender a crescente demanda. O crescimento orgânico da empresa era significativo e criava novas necessidades. Para administrar os negócios do GRUPO FRIGOL, em 7 de agosto de 1996, foi constituída a FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO LTDA.. O espírito empreendedor que sempre norteou o GRUPO FRIGOL mostrava-se presente, a empresa já atuava nos principais mercados brasileiros tendo sua marca vinculada a históricos de qualidade e eficiência na distribuição. Como já havia acontecido com outros frigoríficos nacionais a empresa iniciou, em 1999, seu processo de internacionalização exportando seus produtos para vários países. Seu primeiro mercado internacional foi o Egito, logo passou a exportar também para grande parte dos países da União Européia, se incorporaram também ao seu rol de clientes países como Rússia, China, Angola, África do Sul e Cabo Verde. O processo de expansão internacional passava por incorporação de novos clientes em diferentes países a cada mês; nesse caminho passaram a ser destino dos produtos do Grupo Frigol países como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Kuait, Líbano, Líbia, Peru, Geórgia, Namíbia, Ilhas Mauricius, Serra Leoa e outros. Em 2009 visando à facilidade no escoamento de sua produção no mercado interno o GRUPO FRIGOL instalou no Bairro Jaguaré na cidade de São Paulo um Centro de Distribuição. Este CD está localizado em ponto estratégico próximo as Marginais Pinheiros e Tietê que são duas importantes vias da cidade e que dão acesso às principais estradas do Estado de São Paulo. Estão alocados nesta unidade mais 80 (oitenta) funcionários. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 7

8 Em 2002 os principais índices que tratam do mercado de boi davam conta de um aumento expressivo no rebanho nacional e o mercado do boi sinalizava crescente demanda e melhores preços de matéria prima. Estes fatores, macroeconômicos foram decisivos para a decisão da empresa de instalar uma planta em Água Azul do Norte, cidade localizada no Estado do Pará há mais de 600 Km da capital Belém. O iniciou das atividades desta unidade mudou a vida de 600 (seiscentas) famílias da região, criando uma nova realidade destaque ao fato de que o GRUPO FRIGOL é a empresa de maior relevância da cidade. Esta unidade entrou em funcionamento em 2004 com capacidade de abate de 800 (oitocentos) bois/dia e atualmente esta capacidade já é de 1400 (um mil e quatrocentos) bois/dias. Desta unidade também são exportados produtos para a Rússia, Venezuela e Países da África e Ásia. No ano de 2009, visando melhora de rentabilidade visto que o preço da matéria prima bovina, no Estado de Rondônia era um dos mais baixos do Brasil, havendo também um abundância de matéria prima eis que muitas plantas frigoríficas, naquela época estavam paralisadas, instalou-se no Município de Pimenta Bueno em uma planta arrendada com capacidade de abate de 250 (duzentos e cinquenta) bois/dia. Com o passar dos anos e a consolidação das atividades do GRUPO FRIGOL no mercado interno e externo já colocavam a empresa entre os dez maiores frigoríficos do Brasil. Com toda esta estrutura a empresa chegou a gerar (um mil e quinhentos) empregos diretos e mais de (três mil) indiretos. O iniciou de 2008 dava sinais de que o modelo de negócio escolhido pelo Grupo Frigol era acertado e as previsões dos resultados previstos no orçamento anual Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 8

9 eram animadoras, mais um ano de resultados bem positivos. A partir do segundo semestre de 2008 ocorreu o grande revés financeiro da empresa, que, com a eclosão da crise financeira mundial, viu elevar-se o custo financeiro de suas operações - notadamente em razão das elevadas taxas de juros em suas operações no mercado - além da abrupta queda no consumo interno e externo. Outro aspecto relevante - fruto da eclosão da crise financeira mundial em setembro de foi a política adotada pelos bancos que aumentaram a restrição aos créditos, marcada basicamente pela não renovação de vários contratos, que anteriormente eram renovados com facilidade. Este fato resultou em uma drástica redução do capital de giro, acompanhada de um grande incremento nas taxas de juros praticadas. Durante os anos de 2009 e 2010 o GRUPO FRIGOL tentou por diversas alternativas retomar suas atividades aos níveis de outrora, mas os reflexos da crise de 2008 foram muito fortes, a demanda e rentabilidade não retomaram o ritmo necessário para que a empresa pudesse continuar operando como no passado e equacionar o passivo gerado durante a crise. Apesar de todo o ocorrido nestes últimos anos, o GRUPO FRIGOL acredita ser transitória sua atual situação e tem a certeza de que esse estado de dificuldade financeira é passageiro, visto já terem sido tomadas medidas administrativas, comerciais e operacionais necessárias para equilibrar a receita/caixa, como a diminuição do seu quadro funcional e cortes drásticos em despesas/custos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 9

10 2.1 Estrutura Organizacional Missão Produzir soluções que superem as expectativas de nossos clientes, com produtos ecologicamente corretos, gerando oportunidade para a empresa, com uma equipe de colaboradores qualificados, motivados e conscientes da integração para o bem estar social Visão Ser referência no ramo em que atuamos em todo o mundo, buscando aprimoramento contínuo e inovando sempre Valores e Crenças Respeito e priorização das expectativas dos clientes (satisfação do cliente); Ética profissional; Qualidade; Humildade nos relacionamentos; Informações Sobre a Estrutura O GRUPO FRIGOL é formado por capital 100% (cem por cento) nacional. Sua sede administrativa/industrial funciona em uma área construída de (dezesseis mil) metros quadrados e possui capacidade para abater 1000 (um mil) bois/dia na Rua Dr. Gabriel de Oliveira Rocha, 704 no município de Lençóis Paulista SP. Possui também uma planta em Água Azul do Norte PA, em uma área construída de (quinze mil) metros quadrados, com capacidade para abater 1400 (um Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 10

11 mil e quatrocentos) bois/dia, responsável por abastecer as regiões Nordeste e Sudeste do Brasil, além do mercado exterior. Sua terceira planta de abate fica em Pimenta Bueno - RO, com capacidade de abate de 250 (duzentos e cinquenta) bois/dia. No Município de São Paulo a empresa possui um escritório comercial localizado na Rua São Benedito, 509 e também possui um Centro de Distribuição no bairro do Jaguaré, em um local estratégico próximo às marginais Pinheiros e Tietê facilitando o escoamento de sua produção responsável por abastecer o mercado da grande São Paulo, litoral, Vale do Paraíba e Vale do Ribeira. A seguir fotos de algumas unidades e sua evolução histórica: Frigol Lençóis Paulista - SP em Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 11

12 Frigol Lençóis Paulista - SP em Frigol Lençóis Paulista - SP em Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 12

13 Frigol Lençóis Paulista - SP em Frigol Água Azul do Norte PA 2005 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 13

14 Frigol Água Azul do Norte PA 2007 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 14

15 2.2 Relevância Sócio-Econômica O GRUPO FRIGOL possui grande relevância sócio-econômica para os municípios de Lençóis Paulista - SP, Água Azul do Norte - PA e Pimenta Bueno RO, fato este que pode ser comprovado por seu quadro de funcionários, onde chegou a empregar mais de (um mil e quinhentos) colaboradores diretos e mais de (três mil) colaboradores indiretos. Todas as plantas do GRUPO FRIGOL tem grande relevância e ajudam a girar a economia das regiões onde atuam, porém a planta de Água Azul do Norte no Pará revolucionou a vida dos moradores daquela cidade, pois se trata da empresa de maior relevância da região gerando empregos e melhoria na qualidade de vida da população. Aos funcionários são oferecidos: refeição, assistência médica e odontológica, cesta básica, incentivo ao estudo através de um subsídio de 30% (trinta por cento), além de convênios com farmácias da região onde seus funcionários têm 13% (treze por cento) de desconto na compra de medicamentos. O GRUPO FRIGOL cumpre regularmente com todos os acordos coletivos intermediados pelo Sindicato. O valor médio de salário por funcionário é de R$ 1.282,40 (um mil, duzentos e oitenta e dois reais e quarenta centavos) sem considerar encargos sociais. O tempo médio de casa considerando os colaboradores de todos os setores é de aproximadamente 5 (cinco) anos, o índice de turn over - considerado excelente - é de apenas 3% (três por cento). Atualmente, o valor total da folha de pagamento é dividido em 78% (setenta e oito por cento) para o setor industrial, 20% (vinte por cento) para o setor administrativo e 2% (dois por cento) para o setor comercial. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 15

16 2.3 Relevância Sócio Ambiental As atividades do GRUPO FRIGOL, bem como da maioria do agronegócio brasileiro, sempre foram desenvolvidas com respeito às questões de sustentabilidade (ambiental, econômica e social). Com este conceito, em suas unidades, o GRUPO FRIGOL já desenvolve projetos ambientalmente corretos, visando não só a redução dos impactos, mas também a geração de energias alternativas. Vejamos alguns exemplos já implantados: PRRUA Plano de redução e reutilização no uso de água Mediante verificações periódicas, a utilização de água em cada setor industrial é monitorada por técnicos que têm como missão desenvolver ações corretivas para diminuir seu consumo, bem como para, após processo regular, reutilizá-la em setores secundários do processo produtivo. Descarte de resíduos sólidos recicláveis Todo ano é elaborado o inventário de resíduos sólidos que descreve quais as empresas responsáveis pela coleta e descarte final dos resíduos. Todas as empresas são cadastradas e licenciadas pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Descarte de resíduos sólidos perigosos (CLASSE 1) Dentro do inventário de resíduos sólidos existe um item a parte onde é descrito o destino dado aos resíduos classe 1 gerados pela empresa. Pela geração de tais resíduos como: Lâmpadas Fluorescentes, Resíduos Ambulatoriais, a empresa é cadastrada e certificada pela CETESB, pela geração e descarte adequado dos mesmos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 16

17 M Monitoramento mensal da ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES A ETE-FRIGOL tem seu efluente final coletado mensalmente e levado para análise em laboratório credenciado pelo Ministério do Meio Ambiente. Fabricação de compostos agrícolas através dos resíduos do pré-tratamento da Estação de Tratamento de Efluentes. Os resíduos orgânicos obtidos através do pré-tratamento dos efluentes são transformados em fertilizantes orgânicos. Fabricação de Biodiesel de origem animal. Os resíduos do processamento da carne (gordura, retalhos de carne, ossos, etc..) são encaminhados através de veículos cuidadosamente monitorados até a fábrica de biodiesel, onde são fabricados cerca de (quarenta mil) litros de bicombustível por dia (gordura animal). Uso de madeira regulamentada A empresa é regulamentada pelo DEPRN (Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais) para utilizar madeira na geração de vapor e energia. Controle de emissão de fumaça veicular Monitoramento mensal da frota de caminhões próprios e prestadores de serviço. Os veículos não enquadrados na legislação ambiental vigente são afastados para readequação. Controle de emissão de fumaça preta da caldeira Monitoramento diário da emissão de fumaça da caldeira. Quando ocorre desconformidades em relação ao lançamento da fumaça o responsável pelo setor é convocado para avaliar e corrigir a causa. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 17

18 2.4 Sustentabilidade O GRUPO FRIGOL está entre as grandes organizações brasileiras, destacando-se pela evolução empresarial no ramo frigorífico e pela acentuada participação no mercado de carnes bovinas. Em suas plantas, a empresa produz cortes especiais e maturados dentro dos mais modernos processos de industrialização e das rigorosas normas sanitárias. Tudo isso, para colocar diariamente a máxima qualidade em carnes na mesa de milhões de consumidores, no Brasil e no Mundo. Chegou a processar 150 (cento e cinquenta) mil toneladas de carne por ano e os cortes são distribuídos em todo o território nacional e exportados para diversos países. Desta maneira o GRUPO FRIGOL se revela uma empresa moderna, que investe constantemente em novas tecnologias que promovem eficiência na produção de cortes bovinos e qualidade de vida para os colaboradores. Sintonizada com a sustentabilidade do planeta, a empresa participa ativamente de projetos socioambientais em todo o país e apóia projetos de diversas ONG s visando sempre à preservação do meio ambiente. Além do respeito aos parceiros e consumidores, o GRUPO FRIGOL é uma organização que valoriza a formação humana. Prova disso é o estreito laço de amizade que mantém com as comunidades em que está inserido, prestigiando eventos que promovam o bem-estar e lazer das pessoas. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 18

19 2.5 Rastreabilidade Rastreabilidade é o processo que permite assegurar ao consumidor o histórico de procedência e, consequentemente, oferecer segurança em relação ao produto que está sendo adquirido. O processo de rastreabilidade do GRUPO FRIGOL começa na compra de gado, buscando adquirir animais oriundos de boas práticas sanitárias e de manejo. Todo o transporte é realizado de forma a atender as práticas de abate humanitário. O bem-estar animal é garantido no transporte da propriedade ao frigorífico, esta é uma das prioridades do Grupo. No frigorífico as práticas de abate humanitário continuam. Todos os procedimentos precedentes ao abate são realizados com base nos critérios de abate humanitário. Através dos procedimentos de rastreabilidade do GRUPO FRIGOL é possível conhecer a procedência (dados do produtor) com as informações contidas na embalagem do produto final ou o caminho inverso, chegar até um produto final partindo dos dados da procedência de cada animal. Em outras palavras, a rastreabilidade está presente em todas as fases da produção. Para que o processo permita a rastreabilidade reversa através de uma embalagem, as caixas, como exemplo as referentes à produção com vistas à União Européia, contém o traceability code no rótulo. Trata-se de uma expressão, em inglês, que significa código de rastreabilidade que contém varias informações entre elas o Nº. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 19

20 do SIF (Serviço de Inspeção Federal Ministério da Agricultura) do estabelecimento de abate e a data de abate. 2.6 S.I.F. (Serviço de Inspeção Federal) O S.I.F. - Serviço de Inspeção Federal - é um órgão do Ministério da Agricultura, subordinado ao DIPOA - Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - que tem por objetivo normatizar e autorizar a produção e comercialização de todos os alimentos de origem animal (carne, leite, ovos, laticínios, pescados e produtos apícolas) no Brasil. É a autoridade máxima nestes assuntos. E nenhuma empresa poderia vender fora do seu estado de origem, ou mesmo exportar caso não tenha o direito de portar o carimbo do S.I.F. Para que se tenha o carimbo do S.I.F., é necessário cumprir com uma série de exigências: A começar pela própria sede da indústria (afastamento de 50 (cinquenta) metros da via pública, pé dilúvio mínimo, azulejos em todas as paredes, telas contra insetos, uma sala para cada atividade, previsão de um fluxo linear de produção, Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 20

21 qualidade da água controlada, banheiros e vestiários com separação masculino e feminino afastados do bloco industrial, etc.), o sistema e os equipamentos apropriados (tudo em aço inoxidável) para o beneficiamento das matérias-primas, o controle de qualidade, os uniformes e procedimentos higiênicos dos funcionários e até mesmo os dizeres da rotulagem, além de uma série de outras exigências: tudo isso para justificar o slogan: "Garantia de Pureza." Participam do processo produtivo do GRUPO FRIGOL 17 (dezessete) funcionários do S.I.F., incluindo um médico veterinário, garantindo assim a excelente e qualidade dos produtos FRIGOL. 2.7 Produtos Comercializados A matéria prima que resulta nos cortes especiais e maturados FRIGOL é proveniente de rebanhos ultra-selecionados. São animais criados naturalmente no pasto, seguindo os mais exigentes padrões fitossanitários. O GRUPO FRIGOL comercializa uma grande mix de produtos para atender todos os tipos de clientes, conforme demonstrado a seguir: Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 21

22 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 22

23 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 23

24 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 24

25 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 25

26 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 26

27 3. Organização do Plano de Recuperação 3.1 Motivos Para o Pedido de Recuperação Judicial Como grande parte das empresas nacionais, o GRUPO FRIGOL teve seus problemas agravados a partir do segundo semestre do ano de 2008 com a eclosão da crise financeira mundial. Devido a esta crise o preço de sua matéria-prima (boi) registrou uma alta acentuada, em contra partida o volume de exportações brasileiras caiu em torno de 30% (trinta por cento) prejudicando de forma avassaladora os frigoríficos. A queda das exportações motivou a queda do preço da carne no mercado interno, pois havia um excesso de produto acabado nos estoques das empresas do setor. Deste modo as empresas em uma atitude de recuperar o negócio mudaram a estratégia e focaram nos consumidores domésticos. Todavia esta queda nos preços reduziu ainda mais a margem de lucro no setor. Com a redução de crédito e aumento nas taxas de juros, o GRUPO FRIGOL ocupou a totalidade dos limites de crédito concedidos por seus parceiros financeiros, chegando a uma preocupante situação de falta de liquidez. A escassez de crédito, os atrasos nos pagamentos de seus credores e o crescente custo financeiro se sobrepuseram, levando ao risco de conduzir a empresa a consequente inadimplência e a restrição total de seus créditos, com graves reflexos em sua atividade operacional, contaminada pelo custo das dívidas de curto prazo. O pós crise 2008 trouxe ao GRUPO FRIGOL uma situação muito diferente á experimentada até então. A combinação de baixas vendas, diminuição de margens, escassez de recursos e altas taxas de juros comprometeu o caixa da Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 27

28 empresa. A empresa foi obrigada a buscar, cada vez mais, recursos junto aos bancos a fim de honrar os seus compromissos cotidianos e poder proceder á reestruturação necessária para a retomada dos lucros. Os custos do endividamento acabaram por reduzir a capacidade de reação da empresa, que sentiu com particular intensidade os problemas oriundos da crise financeira mundial. Apesar de todo o exposto, o GRUPO FRIGOL acredita ser transitória sua atual situação e tem a certeza de que esse estado de dificuldade financeira é passageiro, visto já terem sido tomadas medidas administrativas, comerciais e operacionais necessárias para equilibrar a receita/caixa. As medidas, drásticas, abrangeram toda a empresa destaque a diminuição do seu quadro funcional e os cortes importantes em despesas/custos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 28

29 3.2 Quadro de Credores do Grupo Frigol. O quadro de Credores apresentado abaixo, já expressa algumas alterações na lista da Recuperanda que estarão expostas na lista do administrador judicial a ser publicada. COMPOSIÇÃO POR TIPO DE CREDOR Credores Trabalhistas ,49 Credores Com Garantia Real ,37 Credores Quirografários ,31 Total do Quadro de Credores ,17 Valores em Reais (R$) GRÁFICO DE REPRESENTATIVIDADE POR CLASSE DE CREDORES Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 29

30 3.3 Plano de Reestruturação Operacional Após o pedido de recuperação judicial, o GRUPO FRIGOL, através de sua Diretoria, desenvolveu um plano de reestruturação financeiro-operacional visando à lucratividade necessária para permitir a liquidação de seus débitos e a manutenção de sua viabilidade no médio e longo prazos, o que depende não só da solução da atual situação de endividamento, mas também e fundamentalmente, da melhoria de sua capacidade de geração de caixa. As medidas identificadas no Plano de Reestruturação Financeiro-Operacional estão incorporadas a um planejamento para o período de 10 (dez) anos e estão fundamentadas nas seguintes decisões estratégicas: Área Comercial Reestruturação de políticas comerciais; Plano orçamentário de vendas ao final de cada mês, com atualizações semanais; Plano de ação para realização de parcerias estratégicas; Reformulação da política comercial em relação às margens/rentabilidade; Basear a liderança da empresa em parcerias estratégicas Área Administrativa Programa de redução do quadro funcional e de gasto com pessoal e horas extras e redução de despesas fixas; Fortalecimento da política de recursos humanos para que contemple: plano de carreira baseado em resultado, melhorias no processo de seleção, treinamento e valorização social e profissional dos colaboradores internos visando à redução do turn over e dos custos de pessoal; Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 30

31 Fortalecimento organizacional e da responsabilidade estratégica de tomada de decisão para alcançar metas e assegurar a aderência das ações aos planos; Formar as novas diretrizes de administração e dar suporte à área comercial através de uma análise SWOT (Strenghts-forças, Weaknesses-fraquezas, Opportunities-oportunidades e Threats-ameaças); Reorganização do organograma da empresa para novo modelo e consoante com o projeto de reorganização administrativa. Instituição da Governança Corporativa formada por um Conselho Administrativo e Diretorias Executivas; Área Financeira Busca de novas linhas de créditos menos onerosas e mais adequadas; Renegociação de tarifas bancárias; Renegociação do passivo não sujeito aos efeitos da Recuperação Judicial de forma a equacionar a entrada de receitas e o pagamento dos acordos conforme seu fluxo de caixa; Implantação de relatórios gerenciais para análise de resultados econômicos e financeiros. Fornecer base sustentável a todas as decisões estratégicas; Área Operacional Plano de redução dos custos fixos para melhoria da margem operacional, bem como redução de custos, mediante análise de processos, para melhoria da margem de contribuição; Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 31

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA Laudo Econômico Financeiro Parecer Técnico Plano de Recuperação Judicial Lei nº: 11.101/05 Poços de Caldas, 30 de Setembro de 2011 RUA REGENTE FEIJÓ Nº: 712 / 9º ANDAR / CONJ. 94

Leia mais

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial.

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial. REFRIGERAÇÃO CAPITAL LTDA. EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROCESSO Nº 001/1.12.0063163-4 CNJ: 0080710-28.2012.8.21.0001 VARA DE DIREITO EMPRESARIAL, RECUPERAÇÃO

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

Relatório da Administração 2010

Relatório da Administração 2010 Relatório da Administração 2010 Cenário 2010 No transcorrer de 2010, observamos um crescimento muito acentuado do país, com o PIB crescendo 7,5% em relação a 2009. Apesar do excelente crescimento, não

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

EMBALAGENS URUSSANGA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL. INDUSTRIAL DE EMBALAGENS URUSSANGA LTDA C.N.P.J/MF nº 01.079.981/0001-77

EMBALAGENS URUSSANGA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL. INDUSTRIAL DE EMBALAGENS URUSSANGA LTDA C.N.P.J/MF nº 01.079.981/0001-77 EMBALAGENS URUSSANGA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL INDUSTRIAL DE EMBALAGENS URUSSANGA LTDA C.N.P.J/MF nº 01.079.981/0001-77 São Paulo 2012 Plano de Recuperação Judicial consoante a Lei nº 11.101/2005 em

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

FRANCISCO ASSIS LAZZARETTI - ME,

FRANCISCO ASSIS LAZZARETTI - ME, EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E CONCORDATAS DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR Autos nº 1559/2008 FRANCISCO ASSIS

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA 1ª Vara da Fazenda Pública de Falências e Concordatas Autos nº. 001-054/2008 Nos termos da lei nº. 11.101, de 09

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Anúncio de Reestruturação Financeira

Anúncio de Reestruturação Financeira Anúncio de Reestruturação Financeira 1 Considerações Futuras Algumas informações sobre o Plano de Reestruturação Financeira da Companhia apresentam nossas expectativas sobre o resultado que poderemos obter

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15

Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Desempenho Econômico- Financeiro 1T15 Mensagem da Administração Senhores (as) Acionistas: Conforme mencionado no final do exercício de 2014, concluímos com pleno sucesso o processo que converteu em capital

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 14 de maio de 2012 - A Unidas S.A. anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário.

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 Apresentadores Wesley Batista Presidente Global da JBS André Nogueira Presidente da JBS USA Miguel Gularte Presidente da JBS Mercosul

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL GRUPO SILK S M COMUNICAÇÃO VISUAL E DIGI MASTER COMUNICAÇÃO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL Porto Alegre, 25 de outubro de 2010 Título I Plano de recuperação judicial Meios de recuperação a serem utilizados

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais