C.N.P.J/MF nº / C.N.P.J/MF nº /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C.N.P.J/MF nº 68.067.446/0001-77. C.N.P.J/MF nº 01.372.335/0001-01"

Transcrição

1 Grupo Frigol FRIGOL S.A. C.N.P.J/MF nº / FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA C.N.P.J/MF nº /

2 Plano de Recuperação Judicial consoante a LEI nº /2005 em atendimento ao seu artigo 53, para apresentação nos autos do Processo nº: , em trâmite na 2ª Vara Judicial - Fórum de Lençóis Paulista/SP elaborado por Erimar Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda.

3 SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais Histórico e Apresentação da Empresa ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MISSÃO VISÃO VALORES E CRENÇAS INFORMAÇÕES SOBRE A ESTRUTURA RELEVÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA RELEVÂNCIA SÓCIO AMBIENTAL SUSTENTABILIDADE RASTREABILIDADE S.I.F. (SERVIÇO DE INSPEÇÃO FEDERAL) PRODUTOS COMERCIALIZADOS Organização do Plano de Recuperação MOTIVOS PARA O PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL QUADRO DE CREDORES DO GRUPO FRIGOL O QUADRO DE CREDORES APRESENTADO ABAIXO, JÁ EXPRESSA ALGUMAS ALTERAÇÕES NA LISTA DA RECUPERANDA QUE ESTARÃO EXPOSTAS NA LISTA DO ADMINISTRADOR JUDICIAL A SER PUBLICADA PLANO DE REESTRUTURAÇÃO OPERACIONAL ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA ÁREA FINANCEIRA ÁREA OPERACIONAL CENÁRIO ECONÔMICO E MERCADOLÓGICO MERCADO SETORIAL PREMISSAS, DESEMPENHO RETROATIVO E PROJEÇÕES Premissas Desempenho Retroativo Projeções PERSPECTIVAS ECONÔMICAS BRASIL Etapa Quantitativa ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Dados Análise PROJEÇÕES DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PROJEÇÃO DAS RECEITAS Premissas Projeção Análise PROJEÇÃO DE RESULTADOS Premissas Projeção Análise Proposta de pagamento aos credores da Recuperação CLASSE I: CREDORES TRABALHISTAS CLASSES II E III - CREDORES COM GARANTIA REAL E QUIROGRAFÁRIOS CREDORES FORNECEDORES CREDORES FINANCEIROS ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO CREDORES FORNECEDORES ACELERAÇÃO DE PAGAMENTO AOS CREDORES FINANCEIROS CREDORES DE ADIANTAMENTO DE CONTRATO DE CAMBIO - ACC FIXAÇÃO DO PRAZO DE PAGAMENTO Créditos Contingentes - Impugnações de Crédito e Acordos Baixa dos Protestos Venda de Ativos Forma de Pagamento aos Credores Nova Assembleia Geral de Credores Análise de Viabilidade da Proposta de Pagamento Considerações Finais - Resumo Nota de Esclarecimento Conclusão Laudo de Avaliação de Bens Imobilizados Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL

4 1. Considerações Iniciais Este documento foi elaborado com o propósito de abranger e estabelecer os principais termos do Plano de Recuperação Judicial, proposto sob a égide da Lei de Recuperação Judicial, Extrajudicial e Falência do Empresário e da Sociedade Empresária (Lei nº , de 09 de Fevereiro de Lei de Recuperação de Empresas ), do GRUPO FRIGOL formado pelas empresas FRIGOL S/A. e FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA., ambas em Recuperação Judicial. O GRUPO FRIGOL possui administração central exercida pelos sócios, tem sede na Rua Dr. Gabriel de Oliveira Rocha, 704, Lençóis Paulista - SP, requereu em 30 de Julho de 2010 o benefício legal da Recuperação Judicial, com fulcro nos artigos 47 e seguintes da Lei /05, tendo seu processo sido distribuído na 2ª Vara Judicial Fórum de Lençóis Paulista - SP sob nº na mesma data, e o deferimento do processamento da recuperação judicial ocorreu em 17 de Agosto de 2010 pelo Exmo Sr. Dr. Mário Ramos dos Santos, com a disponibilização de tal decisão no Diário da Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo no dia 19 de Agosto de Para a elaboração do Plano de Recuperação, objeto deste documento, foi contratada a empresa ERIMAR Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda., localizada na Rua Vergueiro, conj CEP São Paulo - SP. O plano ora apresentado propõe condições especiais para pagamento das obrigações vencidas ou vincendas e demonstra a viabilidade econômico-financeira da empresa, bem como a compatibilidade entre a proposta de pagamento aos Credores e a geração dos recursos financeiros no prazo proposto, consoante os artigos 50, 53 e 54 da Lei /2005. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 4

5 2. Histórico e Apresentação da Empresa O início da história do FRIGORÍFICO OLIVEIRA - FRIGOL se deu em Março de 1970, quando o Patriarca da Família Oliveira o Sr. Luis Gonzaga de Oliveira resolveu mudar-se com a família para a cidade de Lençóis Paulista SP, onde em uma atitude corajosa e empreendedora decidiu trocar o único bem que possuía um caminhão Mercedes Benz por um açougue na Rua Quinze de Novembro, no Centro de Lençóis Paulista. Levou os três filhos mais velhos; Djalma, Durval e Dorival para trabalhar no novo e promissor negócio. Depois de passados cinco anos a família já possuía mais quatro açougues um para cada filho e neste mesmo ano entrou para o negócio mais um filho, o Décio. O sucesso do negócio era crescente e em 1983 abriram um Supermercado na cidade e um matadouro de suínos no sítio da família. A demanda pelos produtos oferecidos, até então, pelo pequeno matadouro era bem maior do que a oferta, e, em 1986 inauguraram o primeiro frigorífico no distrito industrial de Lençóis Paulista dedicado ao abate de suínos. Em 1990, com o crescimento do negócio, foi arrendado o frigorífico onde é atualmente o endereço administrativo da empresa para abate de bois. Na época este frigorífico tinha a capacidade de abate de 200 (duzentos) bois/dia. Neste mesmo ano o Sr. Luiz Gonzaga decidiu afastar-se dos negócios deixando a cargo de seus filhos a administração do empreendimento. O ano de 1992 foi marcante para a família Oliveira, pois em 22 de Maio efetivamente nascia o GRUPO FRIGOL onde os irmãos Djalma, Dorival, Durval, Décio e o cunhado do Djalma, o Benedito, davam mais um passo ousado mantendo o mesmo espírito empreendedor cunhado pelo Sr. Luiz Gonzaga. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 5

6 Naquele mesmo ano, fruto da prosperidade do negócio, o Grupo adquiriu o prédio arrendado em Com o mesmo espírito empreendedor e a visão de oportunidade, o Grupo iniciou reforma visando a ampliação das instalações e sua capacidade produtiva, passando então a abater 450 (quatrocentos e cinquenta) bois/dia. O Grupo Frigol de forma sistemática crescia a cada ano. A visão voltada para o crescimento da empresa e a percepção de mercado faziam com que os sócios reinvestissem no negócio constantemente de forma a fortalecê-lo, propiciando a busca por novas fronteiras. No ano de 1994 a empresa continuava sua expansão aproveitando-se da organização alcançada e do bom momento que a economia nacional atravessava, influenciada pelo novo plano econômico o da criação da nova moeda, o Real. O Plano Real, como vários outros, vinham com a proposta de controlar a inflação, diminuir a taxa básica de juros e fortalecer a moeda nacional. Como na edição de outros planos a insegurança pairava no mercado. Em pouco tempo o Plano Real, frutos da competência na implantação e sua consistência, trouxe a confiança de se haver conquistado (finalmente) uma moeda forte. A inflação, vilã por décadas, estava controlada e os juros estacionados em patamares inferiores. Assim, com a nova moeda, o Brasil iniciou uma nova fase em sua história. A população em geral passou a ter a possibilidade de planejar a médio e longo prazo. A inflação debelada propiciou um aumento natural no poder aquisitivo da população, pois, até então, a correção aplicada aos salários era sistematicamente inferior ao real custo da inflação. A carne pode ser inserida no cardápio diário de mais brasileiros aumentando de forma considerável o volume de consumo deste produto no país. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 6

7 Nesta época a empresa ampliou sua capacidade de abate para 1000 (um mil) bois/dia para atender a crescente demanda. O crescimento orgânico da empresa era significativo e criava novas necessidades. Para administrar os negócios do GRUPO FRIGOL, em 7 de agosto de 1996, foi constituída a FRIGOL ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO LTDA.. O espírito empreendedor que sempre norteou o GRUPO FRIGOL mostrava-se presente, a empresa já atuava nos principais mercados brasileiros tendo sua marca vinculada a históricos de qualidade e eficiência na distribuição. Como já havia acontecido com outros frigoríficos nacionais a empresa iniciou, em 1999, seu processo de internacionalização exportando seus produtos para vários países. Seu primeiro mercado internacional foi o Egito, logo passou a exportar também para grande parte dos países da União Européia, se incorporaram também ao seu rol de clientes países como Rússia, China, Angola, África do Sul e Cabo Verde. O processo de expansão internacional passava por incorporação de novos clientes em diferentes países a cada mês; nesse caminho passaram a ser destino dos produtos do Grupo Frigol países como Arábia Saudita, Emirados Árabes, Kuait, Líbano, Líbia, Peru, Geórgia, Namíbia, Ilhas Mauricius, Serra Leoa e outros. Em 2009 visando à facilidade no escoamento de sua produção no mercado interno o GRUPO FRIGOL instalou no Bairro Jaguaré na cidade de São Paulo um Centro de Distribuição. Este CD está localizado em ponto estratégico próximo as Marginais Pinheiros e Tietê que são duas importantes vias da cidade e que dão acesso às principais estradas do Estado de São Paulo. Estão alocados nesta unidade mais 80 (oitenta) funcionários. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 7

8 Em 2002 os principais índices que tratam do mercado de boi davam conta de um aumento expressivo no rebanho nacional e o mercado do boi sinalizava crescente demanda e melhores preços de matéria prima. Estes fatores, macroeconômicos foram decisivos para a decisão da empresa de instalar uma planta em Água Azul do Norte, cidade localizada no Estado do Pará há mais de 600 Km da capital Belém. O iniciou das atividades desta unidade mudou a vida de 600 (seiscentas) famílias da região, criando uma nova realidade destaque ao fato de que o GRUPO FRIGOL é a empresa de maior relevância da cidade. Esta unidade entrou em funcionamento em 2004 com capacidade de abate de 800 (oitocentos) bois/dia e atualmente esta capacidade já é de 1400 (um mil e quatrocentos) bois/dias. Desta unidade também são exportados produtos para a Rússia, Venezuela e Países da África e Ásia. No ano de 2009, visando melhora de rentabilidade visto que o preço da matéria prima bovina, no Estado de Rondônia era um dos mais baixos do Brasil, havendo também um abundância de matéria prima eis que muitas plantas frigoríficas, naquela época estavam paralisadas, instalou-se no Município de Pimenta Bueno em uma planta arrendada com capacidade de abate de 250 (duzentos e cinquenta) bois/dia. Com o passar dos anos e a consolidação das atividades do GRUPO FRIGOL no mercado interno e externo já colocavam a empresa entre os dez maiores frigoríficos do Brasil. Com toda esta estrutura a empresa chegou a gerar (um mil e quinhentos) empregos diretos e mais de (três mil) indiretos. O iniciou de 2008 dava sinais de que o modelo de negócio escolhido pelo Grupo Frigol era acertado e as previsões dos resultados previstos no orçamento anual Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 8

9 eram animadoras, mais um ano de resultados bem positivos. A partir do segundo semestre de 2008 ocorreu o grande revés financeiro da empresa, que, com a eclosão da crise financeira mundial, viu elevar-se o custo financeiro de suas operações - notadamente em razão das elevadas taxas de juros em suas operações no mercado - além da abrupta queda no consumo interno e externo. Outro aspecto relevante - fruto da eclosão da crise financeira mundial em setembro de foi a política adotada pelos bancos que aumentaram a restrição aos créditos, marcada basicamente pela não renovação de vários contratos, que anteriormente eram renovados com facilidade. Este fato resultou em uma drástica redução do capital de giro, acompanhada de um grande incremento nas taxas de juros praticadas. Durante os anos de 2009 e 2010 o GRUPO FRIGOL tentou por diversas alternativas retomar suas atividades aos níveis de outrora, mas os reflexos da crise de 2008 foram muito fortes, a demanda e rentabilidade não retomaram o ritmo necessário para que a empresa pudesse continuar operando como no passado e equacionar o passivo gerado durante a crise. Apesar de todo o ocorrido nestes últimos anos, o GRUPO FRIGOL acredita ser transitória sua atual situação e tem a certeza de que esse estado de dificuldade financeira é passageiro, visto já terem sido tomadas medidas administrativas, comerciais e operacionais necessárias para equilibrar a receita/caixa, como a diminuição do seu quadro funcional e cortes drásticos em despesas/custos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 9

10 2.1 Estrutura Organizacional Missão Produzir soluções que superem as expectativas de nossos clientes, com produtos ecologicamente corretos, gerando oportunidade para a empresa, com uma equipe de colaboradores qualificados, motivados e conscientes da integração para o bem estar social Visão Ser referência no ramo em que atuamos em todo o mundo, buscando aprimoramento contínuo e inovando sempre Valores e Crenças Respeito e priorização das expectativas dos clientes (satisfação do cliente); Ética profissional; Qualidade; Humildade nos relacionamentos; Informações Sobre a Estrutura O GRUPO FRIGOL é formado por capital 100% (cem por cento) nacional. Sua sede administrativa/industrial funciona em uma área construída de (dezesseis mil) metros quadrados e possui capacidade para abater 1000 (um mil) bois/dia na Rua Dr. Gabriel de Oliveira Rocha, 704 no município de Lençóis Paulista SP. Possui também uma planta em Água Azul do Norte PA, em uma área construída de (quinze mil) metros quadrados, com capacidade para abater 1400 (um Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 10

11 mil e quatrocentos) bois/dia, responsável por abastecer as regiões Nordeste e Sudeste do Brasil, além do mercado exterior. Sua terceira planta de abate fica em Pimenta Bueno - RO, com capacidade de abate de 250 (duzentos e cinquenta) bois/dia. No Município de São Paulo a empresa possui um escritório comercial localizado na Rua São Benedito, 509 e também possui um Centro de Distribuição no bairro do Jaguaré, em um local estratégico próximo às marginais Pinheiros e Tietê facilitando o escoamento de sua produção responsável por abastecer o mercado da grande São Paulo, litoral, Vale do Paraíba e Vale do Ribeira. A seguir fotos de algumas unidades e sua evolução histórica: Frigol Lençóis Paulista - SP em Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 11

12 Frigol Lençóis Paulista - SP em Frigol Lençóis Paulista - SP em Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 12

13 Frigol Lençóis Paulista - SP em Frigol Água Azul do Norte PA 2005 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 13

14 Frigol Água Azul do Norte PA 2007 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 14

15 2.2 Relevância Sócio-Econômica O GRUPO FRIGOL possui grande relevância sócio-econômica para os municípios de Lençóis Paulista - SP, Água Azul do Norte - PA e Pimenta Bueno RO, fato este que pode ser comprovado por seu quadro de funcionários, onde chegou a empregar mais de (um mil e quinhentos) colaboradores diretos e mais de (três mil) colaboradores indiretos. Todas as plantas do GRUPO FRIGOL tem grande relevância e ajudam a girar a economia das regiões onde atuam, porém a planta de Água Azul do Norte no Pará revolucionou a vida dos moradores daquela cidade, pois se trata da empresa de maior relevância da região gerando empregos e melhoria na qualidade de vida da população. Aos funcionários são oferecidos: refeição, assistência médica e odontológica, cesta básica, incentivo ao estudo através de um subsídio de 30% (trinta por cento), além de convênios com farmácias da região onde seus funcionários têm 13% (treze por cento) de desconto na compra de medicamentos. O GRUPO FRIGOL cumpre regularmente com todos os acordos coletivos intermediados pelo Sindicato. O valor médio de salário por funcionário é de R$ 1.282,40 (um mil, duzentos e oitenta e dois reais e quarenta centavos) sem considerar encargos sociais. O tempo médio de casa considerando os colaboradores de todos os setores é de aproximadamente 5 (cinco) anos, o índice de turn over - considerado excelente - é de apenas 3% (três por cento). Atualmente, o valor total da folha de pagamento é dividido em 78% (setenta e oito por cento) para o setor industrial, 20% (vinte por cento) para o setor administrativo e 2% (dois por cento) para o setor comercial. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 15

16 2.3 Relevância Sócio Ambiental As atividades do GRUPO FRIGOL, bem como da maioria do agronegócio brasileiro, sempre foram desenvolvidas com respeito às questões de sustentabilidade (ambiental, econômica e social). Com este conceito, em suas unidades, o GRUPO FRIGOL já desenvolve projetos ambientalmente corretos, visando não só a redução dos impactos, mas também a geração de energias alternativas. Vejamos alguns exemplos já implantados: PRRUA Plano de redução e reutilização no uso de água Mediante verificações periódicas, a utilização de água em cada setor industrial é monitorada por técnicos que têm como missão desenvolver ações corretivas para diminuir seu consumo, bem como para, após processo regular, reutilizá-la em setores secundários do processo produtivo. Descarte de resíduos sólidos recicláveis Todo ano é elaborado o inventário de resíduos sólidos que descreve quais as empresas responsáveis pela coleta e descarte final dos resíduos. Todas as empresas são cadastradas e licenciadas pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Descarte de resíduos sólidos perigosos (CLASSE 1) Dentro do inventário de resíduos sólidos existe um item a parte onde é descrito o destino dado aos resíduos classe 1 gerados pela empresa. Pela geração de tais resíduos como: Lâmpadas Fluorescentes, Resíduos Ambulatoriais, a empresa é cadastrada e certificada pela CETESB, pela geração e descarte adequado dos mesmos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 16

17 M Monitoramento mensal da ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES A ETE-FRIGOL tem seu efluente final coletado mensalmente e levado para análise em laboratório credenciado pelo Ministério do Meio Ambiente. Fabricação de compostos agrícolas através dos resíduos do pré-tratamento da Estação de Tratamento de Efluentes. Os resíduos orgânicos obtidos através do pré-tratamento dos efluentes são transformados em fertilizantes orgânicos. Fabricação de Biodiesel de origem animal. Os resíduos do processamento da carne (gordura, retalhos de carne, ossos, etc..) são encaminhados através de veículos cuidadosamente monitorados até a fábrica de biodiesel, onde são fabricados cerca de (quarenta mil) litros de bicombustível por dia (gordura animal). Uso de madeira regulamentada A empresa é regulamentada pelo DEPRN (Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais) para utilizar madeira na geração de vapor e energia. Controle de emissão de fumaça veicular Monitoramento mensal da frota de caminhões próprios e prestadores de serviço. Os veículos não enquadrados na legislação ambiental vigente são afastados para readequação. Controle de emissão de fumaça preta da caldeira Monitoramento diário da emissão de fumaça da caldeira. Quando ocorre desconformidades em relação ao lançamento da fumaça o responsável pelo setor é convocado para avaliar e corrigir a causa. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 17

18 2.4 Sustentabilidade O GRUPO FRIGOL está entre as grandes organizações brasileiras, destacando-se pela evolução empresarial no ramo frigorífico e pela acentuada participação no mercado de carnes bovinas. Em suas plantas, a empresa produz cortes especiais e maturados dentro dos mais modernos processos de industrialização e das rigorosas normas sanitárias. Tudo isso, para colocar diariamente a máxima qualidade em carnes na mesa de milhões de consumidores, no Brasil e no Mundo. Chegou a processar 150 (cento e cinquenta) mil toneladas de carne por ano e os cortes são distribuídos em todo o território nacional e exportados para diversos países. Desta maneira o GRUPO FRIGOL se revela uma empresa moderna, que investe constantemente em novas tecnologias que promovem eficiência na produção de cortes bovinos e qualidade de vida para os colaboradores. Sintonizada com a sustentabilidade do planeta, a empresa participa ativamente de projetos socioambientais em todo o país e apóia projetos de diversas ONG s visando sempre à preservação do meio ambiente. Além do respeito aos parceiros e consumidores, o GRUPO FRIGOL é uma organização que valoriza a formação humana. Prova disso é o estreito laço de amizade que mantém com as comunidades em que está inserido, prestigiando eventos que promovam o bem-estar e lazer das pessoas. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 18

19 2.5 Rastreabilidade Rastreabilidade é o processo que permite assegurar ao consumidor o histórico de procedência e, consequentemente, oferecer segurança em relação ao produto que está sendo adquirido. O processo de rastreabilidade do GRUPO FRIGOL começa na compra de gado, buscando adquirir animais oriundos de boas práticas sanitárias e de manejo. Todo o transporte é realizado de forma a atender as práticas de abate humanitário. O bem-estar animal é garantido no transporte da propriedade ao frigorífico, esta é uma das prioridades do Grupo. No frigorífico as práticas de abate humanitário continuam. Todos os procedimentos precedentes ao abate são realizados com base nos critérios de abate humanitário. Através dos procedimentos de rastreabilidade do GRUPO FRIGOL é possível conhecer a procedência (dados do produtor) com as informações contidas na embalagem do produto final ou o caminho inverso, chegar até um produto final partindo dos dados da procedência de cada animal. Em outras palavras, a rastreabilidade está presente em todas as fases da produção. Para que o processo permita a rastreabilidade reversa através de uma embalagem, as caixas, como exemplo as referentes à produção com vistas à União Européia, contém o traceability code no rótulo. Trata-se de uma expressão, em inglês, que significa código de rastreabilidade que contém varias informações entre elas o Nº. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 19

20 do SIF (Serviço de Inspeção Federal Ministério da Agricultura) do estabelecimento de abate e a data de abate. 2.6 S.I.F. (Serviço de Inspeção Federal) O S.I.F. - Serviço de Inspeção Federal - é um órgão do Ministério da Agricultura, subordinado ao DIPOA - Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - que tem por objetivo normatizar e autorizar a produção e comercialização de todos os alimentos de origem animal (carne, leite, ovos, laticínios, pescados e produtos apícolas) no Brasil. É a autoridade máxima nestes assuntos. E nenhuma empresa poderia vender fora do seu estado de origem, ou mesmo exportar caso não tenha o direito de portar o carimbo do S.I.F. Para que se tenha o carimbo do S.I.F., é necessário cumprir com uma série de exigências: A começar pela própria sede da indústria (afastamento de 50 (cinquenta) metros da via pública, pé dilúvio mínimo, azulejos em todas as paredes, telas contra insetos, uma sala para cada atividade, previsão de um fluxo linear de produção, Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 20

21 qualidade da água controlada, banheiros e vestiários com separação masculino e feminino afastados do bloco industrial, etc.), o sistema e os equipamentos apropriados (tudo em aço inoxidável) para o beneficiamento das matérias-primas, o controle de qualidade, os uniformes e procedimentos higiênicos dos funcionários e até mesmo os dizeres da rotulagem, além de uma série de outras exigências: tudo isso para justificar o slogan: "Garantia de Pureza." Participam do processo produtivo do GRUPO FRIGOL 17 (dezessete) funcionários do S.I.F., incluindo um médico veterinário, garantindo assim a excelente e qualidade dos produtos FRIGOL. 2.7 Produtos Comercializados A matéria prima que resulta nos cortes especiais e maturados FRIGOL é proveniente de rebanhos ultra-selecionados. São animais criados naturalmente no pasto, seguindo os mais exigentes padrões fitossanitários. O GRUPO FRIGOL comercializa uma grande mix de produtos para atender todos os tipos de clientes, conforme demonstrado a seguir: Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 21

22 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 22

23 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 23

24 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 24

25 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 25

26 Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 26

27 3. Organização do Plano de Recuperação 3.1 Motivos Para o Pedido de Recuperação Judicial Como grande parte das empresas nacionais, o GRUPO FRIGOL teve seus problemas agravados a partir do segundo semestre do ano de 2008 com a eclosão da crise financeira mundial. Devido a esta crise o preço de sua matéria-prima (boi) registrou uma alta acentuada, em contra partida o volume de exportações brasileiras caiu em torno de 30% (trinta por cento) prejudicando de forma avassaladora os frigoríficos. A queda das exportações motivou a queda do preço da carne no mercado interno, pois havia um excesso de produto acabado nos estoques das empresas do setor. Deste modo as empresas em uma atitude de recuperar o negócio mudaram a estratégia e focaram nos consumidores domésticos. Todavia esta queda nos preços reduziu ainda mais a margem de lucro no setor. Com a redução de crédito e aumento nas taxas de juros, o GRUPO FRIGOL ocupou a totalidade dos limites de crédito concedidos por seus parceiros financeiros, chegando a uma preocupante situação de falta de liquidez. A escassez de crédito, os atrasos nos pagamentos de seus credores e o crescente custo financeiro se sobrepuseram, levando ao risco de conduzir a empresa a consequente inadimplência e a restrição total de seus créditos, com graves reflexos em sua atividade operacional, contaminada pelo custo das dívidas de curto prazo. O pós crise 2008 trouxe ao GRUPO FRIGOL uma situação muito diferente á experimentada até então. A combinação de baixas vendas, diminuição de margens, escassez de recursos e altas taxas de juros comprometeu o caixa da Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 27

28 empresa. A empresa foi obrigada a buscar, cada vez mais, recursos junto aos bancos a fim de honrar os seus compromissos cotidianos e poder proceder á reestruturação necessária para a retomada dos lucros. Os custos do endividamento acabaram por reduzir a capacidade de reação da empresa, que sentiu com particular intensidade os problemas oriundos da crise financeira mundial. Apesar de todo o exposto, o GRUPO FRIGOL acredita ser transitória sua atual situação e tem a certeza de que esse estado de dificuldade financeira é passageiro, visto já terem sido tomadas medidas administrativas, comerciais e operacionais necessárias para equilibrar a receita/caixa. As medidas, drásticas, abrangeram toda a empresa destaque a diminuição do seu quadro funcional e os cortes importantes em despesas/custos. Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 28

29 3.2 Quadro de Credores do Grupo Frigol. O quadro de Credores apresentado abaixo, já expressa algumas alterações na lista da Recuperanda que estarão expostas na lista do administrador judicial a ser publicada. COMPOSIÇÃO POR TIPO DE CREDOR Credores Trabalhistas ,49 Credores Com Garantia Real ,37 Credores Quirografários ,31 Total do Quadro de Credores ,17 Valores em Reais (R$) GRÁFICO DE REPRESENTATIVIDADE POR CLASSE DE CREDORES Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 29

30 3.3 Plano de Reestruturação Operacional Após o pedido de recuperação judicial, o GRUPO FRIGOL, através de sua Diretoria, desenvolveu um plano de reestruturação financeiro-operacional visando à lucratividade necessária para permitir a liquidação de seus débitos e a manutenção de sua viabilidade no médio e longo prazos, o que depende não só da solução da atual situação de endividamento, mas também e fundamentalmente, da melhoria de sua capacidade de geração de caixa. As medidas identificadas no Plano de Reestruturação Financeiro-Operacional estão incorporadas a um planejamento para o período de 10 (dez) anos e estão fundamentadas nas seguintes decisões estratégicas: Área Comercial Reestruturação de políticas comerciais; Plano orçamentário de vendas ao final de cada mês, com atualizações semanais; Plano de ação para realização de parcerias estratégicas; Reformulação da política comercial em relação às margens/rentabilidade; Basear a liderança da empresa em parcerias estratégicas Área Administrativa Programa de redução do quadro funcional e de gasto com pessoal e horas extras e redução de despesas fixas; Fortalecimento da política de recursos humanos para que contemple: plano de carreira baseado em resultado, melhorias no processo de seleção, treinamento e valorização social e profissional dos colaboradores internos visando à redução do turn over e dos custos de pessoal; Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 30

31 Fortalecimento organizacional e da responsabilidade estratégica de tomada de decisão para alcançar metas e assegurar a aderência das ações aos planos; Formar as novas diretrizes de administração e dar suporte à área comercial através de uma análise SWOT (Strenghts-forças, Weaknesses-fraquezas, Opportunities-oportunidades e Threats-ameaças); Reorganização do organograma da empresa para novo modelo e consoante com o projeto de reorganização administrativa. Instituição da Governança Corporativa formada por um Conselho Administrativo e Diretorias Executivas; Área Financeira Busca de novas linhas de créditos menos onerosas e mais adequadas; Renegociação de tarifas bancárias; Renegociação do passivo não sujeito aos efeitos da Recuperação Judicial de forma a equacionar a entrada de receitas e o pagamento dos acordos conforme seu fluxo de caixa; Implantação de relatórios gerenciais para análise de resultados econômicos e financeiros. Fornecer base sustentável a todas as decisões estratégicas; Área Operacional Plano de redução dos custos fixos para melhoria da margem operacional, bem como redução de custos, mediante análise de processos, para melhoria da margem de contribuição; Plano de Recuperação Judicial GRUPO FRIGOL 31

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA Laudo Econômico Financeiro Parecer Técnico Plano de Recuperação Judicial Lei nº: 11.101/05 Poços de Caldas, 30 de Setembro de 2011 RUA REGENTE FEIJÓ Nº: 712 / 9º ANDAR / CONJ. 94

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral Análise de Viabilidade Econômica e Financeira Da Sociedade Subsidiária Integral 1) Da Operação O objeto da Subsidiária Integral será a exploração das atividades de tinturaria e ramagem, mediante prestação

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial.

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial. REFRIGERAÇÃO CAPITAL LTDA. EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROCESSO Nº 001/1.12.0063163-4 CNJ: 0080710-28.2012.8.21.0001 VARA DE DIREITO EMPRESARIAL, RECUPERAÇÃO

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Integração Portuária do Ceará CEARAPORTOS, Sociedade de Economia Mista do Estado do Ceará, criada por meio do Decreto

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PRODUÇÃO RESPONSAVEL X INCENTIVOS AMBIENTAIS BERTIN S/A. Daniel Furquim Badim Machado Zootecnista Departamento de Sustentabilidade

PRODUÇÃO RESPONSAVEL X INCENTIVOS AMBIENTAIS BERTIN S/A. Daniel Furquim Badim Machado Zootecnista Departamento de Sustentabilidade PRODUÇÃO RESPONSAVEL X INCENTIVOS AMBIENTAIS BERTIN S/A Daniel Furquim Badim Machado Zootecnista Departamento de Sustentabilidade Bertin S.A. Fundação: 1977 / Sede: Lins/SP Empresa de capital 100% nacional

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

A LOCAMERICA SEMINOVOS

A LOCAMERICA SEMINOVOS A LOCAMERICA A Locamerica é uma companhia especializada em locação de frotas customizadas para empresas. Desde 13 no mercado, a locadora ocupa o segundo lugar no ranking das maiores do setor em número

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais