CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB"

Transcrição

1 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB AS INFLUÊNCIAS HISTÓRICAS NO DESIGN BRASILEIRO O EXEMPLO: REVISTA SENHOR Rafael Bompani Alves de Souza Orientador: Prof. Carlos Alberto Cordeiro de Sá Filho

2 2 RIBEIRÃO PRETO 2011 RAFAEL BOMPANI ALVES DE SOUZA AS INFLUÊNCIAS DA HISTÓRIA PARA O DESIGN BRASILEIRO COM ÊNFASE NA REVISTA SENHOR Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB de Ribeirão Preto, como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Publicidade. Orientador: Prof. Carlos Alberto Cordeiro de Sá Filho

3 3 RIBEIRÃO PRETO 2011 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Aluno: Rafael Bompani Alves de Souza Código: 5948 Curso: Publicidade Semestre/Ano: 8º/2011 Tema: As influências da história para o design brasileiro com ênfase na revista Senhor Objetivos Pretendidos: Analisar as influências históricas até design brasileiro anos 60 - Revista Senhor / / Carlos Alberto Cordeiro de Sá Filho Professor Orientador / / Rafael Bompani Alves de Souza Aluno / / Sara Gonzalez Coordenador do Curso / / Reginaldo Arthus Vice-Reitor

4 4 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FATCC Tema do trabalho: As influências da história para o design brasileiro com ênfase na revista Senhor. Data da apresentação: / / Horário: Local: Comissão Julgadora: 1) Professor Orientador: 2) Professor da Área: 3) Professor Convidado:

5 5 Folha de pontuação Fatores de Avaliação Pontuação (0.0 a 10.0) 1. Atualidade e relevância do tema proposto. 1. Linguagem técnica utilizada em relação ao tema e aos objetivos, e competência lingüística. 1. Aspectos metodológicos e formais da editoração do trabalho escrito - seqüência lógica e coerência interna. 1. Revisão Bibliográfica realizada em relação ao tema pesquisado. 1. Apresentação oral segurança e coerência em relação ao trabalho escrito. Média: ( ) Assinaturas dos membros da Comissão Julgadora: 1) / / 2) / / 3) / / SOUZA, Rafael Bompani Alves de. As influências da história para o design brasileiro com ênfase na revista Senhor. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Publicidade. Centro Universitário UNISEB. Ribeirão Preto, 2011.

6 6 S719i Souza, Rafael Bompani Alves de. As Influências Históricas no design brasileiro. Rafael Bompani Alves de Souza. - Ribeirão Preto, f.. il. Orientador: Prof. Me. Carlos Alberto de Sá Filho. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB de Ribeirão Preto, como parte dos requisitos para obtenção do Grau de Bacharel em Comunicação Social com ênfase em Publicidade e Propaganda sob a orientação do Prof. Me. Carlos Alberto de Sá Filho. 1. Design. I. Título. II. Filho, Carlos Alberto de Sá. CDD 745.4

7 7 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer especialmente a Sul Ellen Mariano, meus pais Marcos Rogério de Souza e Claudia de Souza. Agradeço ao meu orientador Mestre Carlos Alberto Cordeiro de Sá Filho pela paciência e apoio. Obrigado a Professora Fabiana Mori por me apresentar esses trabalhos fantásticos que a história Brasileira nos proporciona, e obrigado a professora Rita Fancini por ter fornecido material para o desenvolvimento do trabalho.

8 8 RESUMO Esse Projeto traça sobre o desenvolvimento do design a fim de embasar a apresentação e análise da Revista Senhor em seus elementos básicos ilustrando o design brasileiro com teorias do modernismo e influências sofridas a partir dele. A revolução industrial e arte e indústria, a relação entre arte e a indústria, e o mundo moderno são alguns dos fatos históricos que são citados nesse trabalho para apresentar o design antes do design e as influências sofridas.no trabalho á também um estudo detalhado sobre uma revista carioca que é comandada por uma linguagem gráfica ilustrada, sendo suas raízes das artes plásticas, que se apoiava totalmente em uma postura comportamental que podemos realmente chamar de uma revista moderna e importante para década de 60 no Brasil. A revista Senhor. Palavras-chave: Design anos 60 - História do design - Revista senhor - Modernismo no Brasil

9 9 Lista de ilustrações Figura 1: Exemplo de design de decoração Figura 2: Exemplo de design de moda Figura 3: Exemplo de design editorial Figura 4: Exemplo de design automobilístico Figura 5: Exemplo de design de embalagem Figura 6: Exemplo de web design Figura 7: Exemplo de design tipográfico Figura 8: Exemplo de design de jogos Figura 9: Exemplo de design de interiores Figura 10: Exemplo de design de joias Figura 11: Exemplo de design de estampa Figura 12: Exemplo de design de iluminação Figura 13: Exemplo de design de sinalização Figura 14: Art Deco...21 Figura15: Art Nouveou...21 Figura 16: Revista Klaxon, edição Figura 17: Capa da Revista Senhor Ano nº Figura 18: Produção Gráfica...33 Figura 19:Produção Gráfica...33 Figura 20: Capa da Revista Senhor - Setembro Figura 21: Senhor nº 10 - capa Jaguar...34 Figura 22: Anúncio da Shell na revista senhor n: Figura 23: Anúncio Empresa artística na revista senhor n: Figura 24: Anúncio Empresa bijouteria na revista senhor n:

10 10 Sumário Introdução O que é design? O desenvolvimento do design 1840 a Arte e indústria O país e sua indústria Transição pré-moderna Moderno ou modernista Modernismo no Brasil A semana de Anos 1960 A semana de A revista Klaxon mensário de arte moderna ( ) A revista Senhor Scliar, o criador Capas, imagens e produção gráfica Cores Publicidade na revista Senhor Conclusão Bibliografia... 39

11 11 Introdução A história de cada cultura influencia de forma determinante a história do Design. Este projeto é um recorte de influencias e ensaios da história européia/brasileira para as influencias do design. Para seguir uma ordem cronológica, verifica-se um conjunto de fatores históricos importantes que determinam essas influencias. Este projeto se propõe a realizar uma análise descritiva da proposta de design gráfico da Revista Senhor que foi uma revista carioca de vida curta, durando somente de 1959 a 1964, mas mesmo assim é ainda lembrada como um marco na história do design brasileiro, e influências de contextos históricos que poderiam ter influenciado no design. Para tanto, observou-se a necessidade de levantamento de conceitos básicos que permitissem a compreensão dos contextos político, social e cultural da época partindo da revolução industrial, arte e indústria 1840 a 1960, passando pelo pré-modernismo e modernismo, até chegar na revista Senhor juntamente com a visão geral do posicionamento do design gráfico nesse universo. Dessa forma, procurou-se compreender as influências de contextos históricos para o design a partir dessa visão geral para que fosse possível mostrar as todo contexto histórico resumido para designers interessados. Assim, a partir da motivação pessoal de estar nesse ramo chamado design e com a motivação da professora Fabiana Mori ( 3ºsemestre) de incentivar as pesquisa de revistas antigas traçou-se a seguinte estrutura, baseada na pesquisa realizada por levantamento bibliográfico e na observação de exemplares da revista Senhor. Dessa forma WOLLNER (2003), Melo(2011), Cardoso (2005), fazendo uma detalhada explicação de fatos históricos e o design nos anos 50 e 60, com influencias modernistas e fatos históricos ocorridos paralelamente na mesma época. Assim, ficou clara a necessidade de compreender com Mônica Pimenta Velloso(1996.) e Inaldo Antônio Prati um debate com o modernismo para conhecimento da mesma época, finalizando com Melo(2011), Zorzal (2006), Lucy Niemeyer (2009), Cardoso (2005), importantes para compreender a revista carioca Senhor.

12 12 1. O que é design? O termo deriva, originalmente, de designare, palavra em latim que quer dizer desenho. Foi adaptado para o inglês design, como um termo de significa mais abrangente. Cardoso (2005) diz que design representa o projeto em que estão inseridos os conceitos de configuração, concepção, elaboração e especificação de um artefato, basicamente com o objetivo de solução de um problema, seja funcional ou estético. Exemplos daquilo que se podem projetar incluem muitos tipos de objetos, como utensílios domésticos, vestimentas, máquinas, ambientes, e também imagens, como em peças gráficas, famílias de letras (tipografia), livros e interfaces digitais de softwares ou de páginas da Internet, entre outros. A palavra design pode ser considerada um estrangeirismo, por ter sido apropriada do inglês. Por essa razão, utilizam-se muitas vezes expressões como desenho industrial. O ICSID (International Concil of Societies of Industrial Design) define o design como uma atividade criativa cuja meta é estabelecer as qualidades dos objetos, processos, serviços e seus sistemas que, o fator crucial, é entre o econômico e o cultural. Seguindo esta linha é possível afirmar que o design busca descobrir, avaliar e dar aos produtos, serviços e sistemas, as formas que são expressivas e coerentes com sua própria complexidade. A partir dessas definições, Argan (2000) faz uma explicação semelhante escrevendo que a arte assim chamada aplicada transmite a imagem da sociedade e de seus graus e valores internos, e sobretudo das suas funções. Figura 1: Exemplos de design de decoração

13 13 Fonte: Figura 2: Exemplos de design de moda Fonte: Figura 3: Exemplo de design editorial Fonte: Figura 4: Exemplo de design automobilístico

14 14 Fonte: Figura 5: Exemplo de design de embalagem Fonte: Figura 6: Exemplo de web design Fonte: Figura 7: Exemplo de design tipográfico

15 15 Fonte: \Figura 8: Exemplo de design de jogos Fonte: Figura 9: Exemplo de design de interiores Fonte:

16 16 Figura 10: Exemplo de design de joias Fonte: Figura 11: Exemplo de design de estampa Fonte: Figura 12: Exemplo de design de iluminação Fonte:

17 17 Figura 13: Exemplo de design de sinalização Fonte:

18 18 2. O desenvolvimento do Design Com a Revolução Industrial, surgiu um conjunto de novas transformações técnicas e econômicas que produziram novidades e facilidades no processo de produção de um produto. Tendo início na Inglaterra, no século XVII, Decca (1995) define a revolução industrial como uma revolução no sistema de produção que objetiva menores custos, maiores lucros e produção acelerada. Decca (1995) ainda afirma que a Revolução acelerou a migração do campo para a cidade, contribuindo para formação de uma classe social que seria determinante para o seu objetivo, a classe operária. Daí podem-se destacar vários fatores, que já em 1860, novas transformações técnicas e econômicas começaram a aparecer. Dessas transformações, três merecem destaque especial: 1- O processo de transformação do ferro em aço; 2- O dínamo, que representa a substituição do vapor pela eletrecidade; e 3- O carvão, que foi utilizado como força em navios e locomotivas. Para Gruszynski (2008), o design moderno emergiu em resposta à Revolução Industrial, quando artistas e artesãos com mentalidade reformista tentaram conferir uma sensibilidade crítica à feitura de objetos e a mídia. O autor afirma também que o design tomou forma como uma crítica à indústria, ganhando entretanto seu status maduro e legítimo ao tornar-se um agente da produção em máquina e do consumo em massa. Decca (1995) declara que durante a revolução Industrial, os ramos eletrônicos da Idade da Máquina ameaçavam dissolver a autoridade do design como sequência definida de objetos e sujeitos e que o design está disperso através de uma rede de tecnologias, instituições e serviços que definem a disciplina e seus limites. Decca ( 1995) cria um vínculo de destaque entre Revolução Industrial e design quando diz que a compreensão de ação do design no mundo exige-nos que clarifiquemos a noção de objeto, um conceito muito próprio da cultura ocidental, cujo sentido atual terá nascido em consequência da Revolução Industrial.

19 19 Gruszynski (2008 p16) confirma os dizeres acima quando diz: O design moderno emergiu em resposta à Revolução Industrial, quando artistas e artesãos com mentalidade reformista tentaram conferir uma sensibilidade crítica à feitura de objetos e à mídia. O design tomou forma como uma crítica à indústria, ganhou entretanto seu status maduro e legítimo ao tornar-se um agente da produção em máquina e do consumo em massa. Hoje, os ramos eletrônicos da Idade da Máquina ameaçam dissolver a autoridade do design como seqüência definida de objetos e sujeitos. O design está disperso através de uma rede de tecnologias, instituições e serviços que definem a disciplina e seus limites. Sendo assim, pode-se afirmar que a Revolução tornou os métodos de produção mais eficientes. Os produtos passaram a ser produzidos mais rapidamente, barateando o preço e estimulando o consumo, trazendo transformações econômico-sociais que consistia em ampliar os limites de suas relações comerciais e desenvolver mercados em outros continentes. E nesse esforço para expandir a região desenvolvia com maior rapidez seus recursos minerais, fontes de energia e outros. 2.1 Arte e indústria SOUZA (Adorno, 1970 apud Souza 2007) cita Adorno que tem como idéia de arte o que não pode ser separada de seu compromisso social, e segundo Adorno é por meio da análise do fenômeno artístico contemporâneo que o filósofo procura denunciar o caráter de manipulação do capital na arte. Para defender a arte como conhecimento, Adorno desenvolveu sua teoria sobre um alicerce teórico em que a crítica exerce um papel fundamental no processo de percepção. Segundo SOUZA (Adorno, 1970 apud Souza 2007), na década de 1950 a situação da arte (design) é aporética ou seja se encontra num verdadeiro estado de paralisia, pois mesmo tendo se livrado das funções que exercia, funções como culturais, religiosas ou morais, o mundo capitalista soube atribuir um lugar específico da realidade social. A arte acaba se integrando na rotina das mercadorias e dos produtos e se torna objetivo dessa indústria de mercadorias vender bens com o imagem de arte. Dessa forma, a indústria cultural apresenta a extinção da história social da arte, sendo que lhe interessa apenas o sucesso comercial e sua procura em alta demanda.

20 20 Explica que a arquitetura e as criações da arte eram ao mesmo tempo funcionais e artísticas, e a filosofia do profissional e artista, necessariamente similares. Ele ainda cita que a 1 Era da máquina, com todos os processos de produção em massa exigindo especializações que causaram uma desastrosa divisão entra a obra e a filosofia do produtor industrial e o artista. Forma (2009, p.10) afirma que: É fato, ao longo dos anos, aproximações e afastamentos entre belas-artes e artes aplicadas e que na arte moderna, quando a industrialização e as novas tecnologias lançam o artesanato numa crise inédita, fazendo do artista um intelectual apartado da produção industrial. Na segunda metade do século XIX, na Inglaterra, teóricos e artistas reunidos no 2Arts and Crafts reafirmam a importância do trabalho artesanal diante da mecanização industrial e da produção em massa. Forma (2009) ainda destaca que o Movimento de Artes e Ofícios está nas origens do artnouveu europeu, apresentando novos materiais do mundo moderno (o ferro, o vidro e o cimento) e da racionalidade das ciências e da engenharia: O Arts and Crafts se lança ao recriar as artes manuais em plena era industrial, produzindo tecidos tingidos e estampados à mão, móveis, livros etc. Os padrões (...) para papéis de parede são bastante conhecidos e ainda hoje comercializados. (FORMA 2009, p20) Já na década de 1920, as artes aplicadas encontram abrigo no estilo art Deco (figura 14), entre arte e indústria tendo a decoração como muro na linha das propostas art Nouveau (figura15). O estilo art déco apresenta-se de início como luxuoso, empregando materiais caros como jade, laca e marfim. De 1934 pra frente, o estilo se torna mais diretamente com a produção industrial, com os materiais e formas de reprodução em massa. A art Déco firmou-se como estilo dominante da França entre as 2 guerras mundiais. Como acontecera com Art nouveau, esse estilo coexistiu com outros que apresentavam ilustrações mais diretas e populares e tipos de letras mais informais. A art Déco originou-se diretamente da pintura cubista francesa desenvolvida antes da 2 guerra. (HOLLIS XX). 1Era da máquina:história da Revolução Industrial, pioneirismo inglês, invenções de máquinas, passagem da manufatura para a maquinofatura, a vida nas fábricas, origem dos sindicatos. 2 Arts and Crafts é um movimento estético e social inglês, da segunda metade do século XIX, que defende o artesanato criativo como alternativa.

21 21 Figura 14 Art Deco Figura 15 art Nouveau Font: katieforrester.art-deco-vs-art-nouveau.com.br 2.2 O Estados Unidos da América e sua indústria Nesse capítulo o objetivo é diferenciar conceitos históricos com o design em si, Wollner (2003) dá o exemplo de um país totalmente voltado à industrialização, os EUA, que sofria com uma pressão econômica e social provocada pela situação de desemprego. Os americanos vinham sofrendo desde a quebra da bolsa em 1929, e que se estendeu aos anos anteriores à segunda guerra mundial em Assim, a publicidade rapidamente difundia com a indústria do design, que nada mais era que uma estratégia de venda da aparência do produto industrial (eletrodomésticos, automóveis, embalagens), produtos de curta duração que tiveram de ser substituídos por outros com novo estilo.

22 22 3 Transição pré-moderna O Simbolismo e pré-modernismo, em termos, reflete um momento histórico extremamente difícil, que marcaria a transição para o século XX e a definição de um novo mundo, consolidado a partir da segunda década do século XIX. As últimas manifestações simbolistas que tinham como característica a ênfase no imaginário e na fantasia. As primeiras produções modernistas caracterizando-se por ser uma tentativa de definir e marcar posições, como sendo um período que foi rico em manifestos, e seria a fase mais radical justamente em consequência da necessidade de definições e do rompimento de todas as estruturas do passado, são contemporâneas da primeira Guerra Mundial e da Revolução Russa. E também não se deve deixar de mencionar o futurismo, na Itália; o expressionismo, na Alemanha; o cubismo de Picasso ou o dadaísmo na Suíça. 3.1 Moderno ou modernista Segundo Cardoso (2005), entende-se por Modernidade o período histórico que vai do final do século XVIII até o final do século XX. Tendo transformações fundamentais, primeiramente na Europa e em todo mundo, tranformações como das rupturas tecnológicas, políticas e socioeconômicas provocadas pela industrialização e pelo pensamento Iluminista, que foi o movimento cultural que procurou mobilizar o poder da razão, conhecimento crítico, e o melhoramento da sociedade. O movimento Iluminista teve sua importância para o mundo moderno, como na Revolução francesa e movimentos como o da independência na Grécia e sua influência no surgimento de correntes como Liberalismo e Socialismo. O movimento de Design Radical e de Anti-Design se consolidaram como revolta ao modernismo, essas vanguardas podem ser vistas como as primeiras vanguardas pós-modernas, mesmo não sendo voltados ou acessíveis para a população, esses movimentos marcam a transição do modernismo para a pós-modernidade. O Anti-Design e o Design Radical devido

23 23 à forte carga ideológica, mesmo que carregassem aspectos distintos, quando se aproximaram e se fundiram, deram origem a uma das principais correntes ideológicas da pós-modernidade. Brancos e cinzas, o Anti-Design explorou o rico potencial da cor. O Pop, além de influenciar a sociedade de uma época, influencia diretamente as vanguardas de Anti-Design e Design Radical. Na década de 60, a relação do designer com a grande indústria é desvinculada, o meio artesanal de se fazer design é revistado, mais do que uma característica prática e funcional, novamente é conferida ao design uma carga simbólica, valores simbólicos expressos nas vanguardas pós-modernistas. Assim surgiu o chamado Design Radical e Anti-Design ou design que recebeu influências inegáveis do pop-art dos anos sessenta e alguns elementos de culturas primitivas. Figueiredo (Salinas 2001 apud figueiredo 2010) declara que os objetos se expressam como símbolos visuais e os designers desenvolvem o seu trabalho sem a mediação da grande indústria. Voltando os olhos novamente para o estilo e a concepção artesanal. O Anti-Design não visava à funcionalidade nem ao apelo comercial, pelo contrário, era contra esses dois componentes fundamentais num projeto de design usual, promovia a estética pelo uso de formas e texturas diferenciadas, as quais em combinação com a ausência de aspectos funcionais, praticidade, racionalidade, universalidade e estandardização, eram consideradas na época como projetos incoerentes e absurdos, em que incorporavam o estilo como um meio de aumentar as vendas. Buscou-se, portanto, aproveitar o potencial social e cultural do design, usando-o como ferramenta-chave para uma nova revolução ideológica e cultural. Se o modernismo foi caracterizado por noções de permanência, o Antidesign abraçou a efemeridade do Pop, o consumismo e a linguagem dos meios de comunicação de massa; onde a paleta modernista era geralmente silenciada com uma predominância de negros, onde o modernismo admirava a integridade das propriedades dos materiais na sua forma pura, o Antidesign abraçou o ornamento e a decoração (WOODHAM, 2004, p.163)

24 24 Figueiredo (Salinas,2001 apud figueiredo,2010) diz que a principal diferença do Anti- Design tem sido a mais forte vontade política para o ataque as estruturas ideológicas das tendências predominantes. Dos grupos italianos de Design Radical, o Gruppo Strum tinha nos seus princípios bases filosóficas do Antidesign, abrindo caminho para o surgimento do pósmodernismo no início dos anos Modernismo no Brasil Segundo Guidin (2008), em 1917 um fato iria mudar toda idéia de arte no nosso país Brasil. A jovem pintora Anita Malfatti, que acabava de voltar de seus estudos na europa, fazia uma exposição de quadros expressionistas no centro da cidade de São Paulo. O escritor Monteiro Lobato não gostou e, num violento artigo de jornal, perguntava se essa moça era louca ou estava querendo enganar a todos. O texto, ainda hoje famoso, chama-se Paranoia ou Mistificação? e provocou revoltas: muitas pessoas devolveram quadros comprados, outras agrediram a pintora e suas telas. Mas o efeito final foi excelente para o nosso modernismo: em torno dessa jovem se reuniram Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti Del Picchia, Villa-Lobos, Di Cavalcanti e outros artistas, que, juntos e muito corajosos, acabaram fazendo a Semana de Arte Moderna.(GUIDIN 2008 p20) 3.3 A semana de 1922 A semana de 1922 é, por assim dizer, o sinal verde para o modernismo brasileiro. Foi no teatro municipal de São Paulo que ocorreu o encontro, precisamente entre 13 e 18 de fevereiro de A semana contava com diversas apresentações como de conferências, leituras de poemas, dança e música. A semana também contou com personagens como os escritores Mário de Andrade, Oswald de Andrade, artistas e pensadores, Manuel Bandeira, Di Cavalcanti, Graça Aranha e pintoras como Tarsila do Amaral e Anita Malfatti. De acordo com Camargos (2002), pode-se dividir o movimento modernista no Brasil em duas partes, sendo a primeira de 1922 a 1930, caracterizada por se tornar claro um movimento renovador e por sua divulgação de obras e realizações modernistas. Depois vem a

25 25 segunda parte, explicando que após sua realização, os artistas que participaram partiram para a Europa, enquanto outros nomes foram nascendo no continente. É o caso de Lasar Segall, que vinha fixar-se no Brasil, trazendo grandes contribuições e de Tarsila do Amaral, uma das pioneiras em concretizar os ideais da Semana de Arte Moderna, aliando a brasilidade a elementos das vanguardas européias. A partir de 1924, começam a surgir as divisões do Movimento Modernista, principalmente a partir do pau- brasil (Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, entre alguns membros) e do verde- amarelo (Menotti del Picchia e Plínio Salgado, como alguns dos representantes). (CAMARGOS p37) 3.4 Anos 1960 A década de 1960 mudou os palcos da revolução das arte e design brasileiro. Melo (2006) afirma: O sonho de construir uma sociedade pacifica e igualitária levou jovens do miundo todo lutar por mudanças que, mesmo parecendo ingênuas ou irrealizáveis, cumpriram o papel de motores de transformações duradouras em múltiplas esferas. Melo (2006) declara ainda que o Brasil enfrentou mudanças extremas em vários fatores: na política, o golpe de 1964, dando origem a ditadura, mobilizações populares, a censura, que interferiu na cultura e nas artes e a música, a bossa nova, dando origem a MPB. Verifica-se também o cinema e o teatro deixando explícito a transição das tradições para o cinema novo, teatro de arena e do Teatro Oficina. O autor lembra uma onda importante que determinou muito a fase do design nos anos 1960, que foi o psicodelismo, explicando que foi uma verdadeira febre entre os jovens da época, influenciando tanto no design gráfico, como na publicidade. Ele assevera que o psicodelismo transmite o máximo de uma estrutura complexa que se traduz em uma enorme demanda, por exemplo, do cartaz do filme Deus e diabo na terra do sol, que alem de forte e impactante, é um cartaz objetivo e direto.

26 26 Wolnner (2003) lembra que a partir dos anos 1960, a atividade do design visual conheceu um desenvolvimento real, por ter prazos e custos mais semelhantes com a realidade da indústria naquela época. O número de escolas na área do design visual cresceu consideravelmente e o mercado pôde absorver um grande contingente de profissionais. [...] Nos anos 60, divulgamos o design como atitude profissional, tanto pela implantação do ensino em nível superior, embora a profissão ainda não estivesse regulamentada. (MELO, 2005 p.107) 3.5 Revista Klaxon Mensário de Arte Moderna ( ) Não poderia falar sobre o modernismo no Brasil, tendo destaques em revista, e não citar a revista Klaxon. A revista Klaxon recebe este nome do termo usado para designar a buzina externa dos automóveis. Inovadora em todos os sentidos: gráfico, existência de publicidade, oposição entre o velho e o novo. Foi o primeiro sinal Modernista, fruto de agitações do ano de 1921 e da grande festa que foi a Semana de Arte Moderna. O primeiro número circulou com a data de 15 de maio de 1922; o último saiu em janeiro de 1923, com o número duplo 8/9. A Klaxon foi inovadora em todos os sentidos. No projeto gráfico, tanto da capa como das páginas internas; na publicidade da quarta página da capa, das sátiras, como a da Panuosopho, Pateromnium e Cia. (Revista Klaxon, edição, p.11) No editorial da própia revista Klaxon, fornecida pela professora Rita Fancini, define perfeitamente com suas palavras dizendo que a luta começou de verdade no inicio de 1921, pelas colunas do Jornal do Comercio e do Correio Paulistano. Seu primeiro resultado foi a Semana de Arte Moderna. Como este a Semana teve sua razão de ser nem um desastre, nem um triunfo, assim como ele, colheu frutos verdes. Klaxon não se queixará jamais de ser incompreendido pelo Brasil. O Brasil é que deverá se esforçar para compreender a Klaxon.(Revista Klaxon, edição1, p.1)

27 27 A revista também deixa claro sua proposta de estética e objetivo dizendo que a Klaxon sabe que o laboratório existe, por isso que dar leis científicas a arte, leis que são baseadas nos progressos da psicologia experimental. Abaixo aos preconceitos artísticos! Liberdade! Mas liberdade embridade pela observação... Klaxon não é exclusivista. Apezar disso jamais publicará inéditos maus de bons escritores já mortos. (Revista Klaxon, edição1, p.2) A Klaxon se preocupa também em deixar claro sua forma de arte, segundo eles cartaz, dizendo que cogitam principalmente a arte. Mas querem representar a época de 1920 em diante. Por isso é uniforme, omnipresente, inquieto, cômico, irritante, contraditório, invejado, insultado, feliz. Klaxon tem uma alma collectiva que se caracteriza pelo impeto contrutivo.mas cada engenheiro se utilizará dos materiais que lhe convierem. Isto significa que os escriptores de Klaxon responderão apenas pelas ideias que assignarem. (Revista Klaxon, edição1, p.3) Figura 16-Revista Klaxon, edição1 Font:

28 28 4 A Revista Senhor A Revista Senhor, segundo Melo (2006), é revista carioca comandada por uma linguagem gráfica ilustrada, tendo suas raízes nas artes plásticas, se apoiava totalmente em uma postura comportamental e surge em tempos de atmosfera de Bossa Nova, construção de Brasília e Cinema Novo, inserindo-se em um cenário de alta cultura que permeava a vida do brasileiro ao final da década de Revista para o homem culto e para a mulher, pois eram elas que comandavam as compras de casa. E para completar o cenário da revista, o exemplar tinha um preço acima do preço das revistas da época, motivo para definir melhor seu público. A revista era desde o princípio uma revista para o formador de opinião, não se preocupando com o padrão de notícias da época, e apresentava um foco mais intenso no jornalismo formativo que definia como um dos cenários vivos nas décadas de 1950 e 1960, colocando o leitor em contato com as principais novidades e preocupações da época, numa formulação implícita de informar o leitor. Queríamos dar um pouco de cultura e refinamento para as classes dirigentes. A intenção era ter um número variado de colaboradores mostrando os talentos brasileiros, conhecidos ou não, e como se escrevia no exterior de várias origens e época. [...] A orientação era de abrir para todas as opiniões e ideologias para textos compatíveis com a qualidade que exigíamos. A revista não existia para promover ideologia alguma, visava divulgar boa literatura nacional e estrangeira, artes em geral, o que se pensava no Brasil e mundo. Perseguimos tais objetivos sempre procurando aprimorar qualidade de texto e gráfica. (SIROTSKY, 2005, p30). Por isso, no primeiro exemplar, Luiz Lobo escreve carta ao leitor: MINHAS senhoras: Como por muito tempo desejei fazer uma revista e sempre ouvi dizer que as mulheres é que compram ou condenam uma revista à morte, dirijo-me a vocês (se me permitem o tratamento). Em primeiro lugar para pedir desculpas. Em segundo lugar para pedir compreensão. Em terceiro lugar para explicar-me. E em último lugar para dar- lhes uma garantia.

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Fundamentos do design (grá co?) Objetivo da aula - Conhecer melhor e consolidar o signi cado do termo design. Objetivo da aula É muito mais difícil falar

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil Português 3º ano Wilton Vanguardas na Europa e no Brasil Roberson de Oliveira 1 Vanguardas na Europa e no Brasil No dia 20 de dezembro de 1917, o jornal O Estado de S. Paulo publicou o artigo Paranoia

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 1822 1922 100 anos da Independência do Brasil ANTECEDENTES DA SEMANA DE ARTE MODERNA 1912 CHEGADA DE OSWALD DE ANDRADE DA EUROPA Oswald de Andrade retorna de

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna 8º Ano 4º Bimestre 2015 Professor Juventino Introdução Ano foi marcado de 1922 por grandes mudanças na política e na cultura. Transformações no mundo. 1º centenário da independência.

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual Fernanda de Morais Machado Para nós, designers, a criatividade é a principal ferramenta. Devemos saber como usá-la, como aproveitá-la integralmente,

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014

Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014 Programa de Estudos sobre a Época e a Cultura do Barroco da Fondazione 1563 para a Arte e a Cultura Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014 A abre um concurso para 5 Bolsas de altos estudos sobre a

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento

Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento Com a palavra, quem já viveu e reviveu esta emoção, documentada através de nosso olhar. Não podia deixar, de jeito nenhum, de registrar aqui o meu

Leia mais

O que é Estudio Cosmica?

O que é Estudio Cosmica? Apresentacao O que é Estudio Cosmica? Criação e Concepção de Ideias e Projetos. Estudio Cosmica é um Estúdio de Criação e desenvolvimento de Ideias, Sempre Atento e antenado ao Mercado e novidades, buscando

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens.

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens. Edital SEDAC nº 11/2013 Desenvolvimento da Economia da Cultura FAC - Sociedade Civil Programa de Oficinas do Atelier Subterrânea: do desenho à arquitetura Flávio Gonçalves Oficina: Desenho como Estratégia

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Construtivismo Russo 1

Construtivismo Russo 1 Construtivismo Russo 1 Camila de OLIVEIRA 2 Marcelo CRISTOFOLINI 3 Diogo da Rosa Schimitz SILVA 4 Pagú CORRÊA 5 Adriane Rodrigues DAMACENO 6 Deivi Eduardo OLIARI 7 Jorge Eduardo MANFRINI 8 Felipe Colvara

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME:

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: Quando os portugueses chegaram ao Brasil, em 1500, observaram que os índios expressavam-se através da pintura em seus corpos, em objetos e em paredes. A arte

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX

MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX MODERNISMO BRASILEIRO SÉC. XX SEMANA DE ARTE MODERNA História da Arte Profª Natalia Pieroni ANTECEDENTES - Industrialização do país em função do fortalecimento da economia do café (pós Primeira Guerra).

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL Denis ARAÚJO Fernando D AGOSTINI Márcia Regina FANTINI Orlando PINEL Pedro Alberto ANDRADE Shelber CRUZ Lamounier Lucas PEREIRA

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente professor Rafael Hoffmann Art Déco (1923-1938) Art Déco - Fim da Primeira Guerra. - Retorno a normalidade. - Tempos de paz e prosperidade. - Celebra

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Conteúdo 1 - O que é design (gráfico)? professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 1 - O que é design (gráfico)? professor Rafael Hoffmann Conteúdo 1 - O que é design (gráfico)? professor Rafael Hoffmann Objetivo da aula - Conhecer melhor e consolidar o significado do termo design. Objetivo da aula É muito mais difícil falar sobre algo do

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Curso de capista Cabral Designer Design de interiores

Curso de capista Cabral Designer Design de interiores JOSÉ VIEIRA CABRAL http://cabralverissimo.loja2.com.br cabralverissimo@yahoo.com.br DESCRIÇÃO DO CURSO: 1) O Significado de Design e Designer; 2) Como usar o Microsoft Power Point 2010; 3) Exemplos de

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia.

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia. [ensaio de imagem] Mônica Schoenacker 1967. Artista plástica, Mestre em Printmaking (gravura) no Royal College of Art (RCA) em Londres como bolsista da Capes (1999), quando foi agraciada com o Tim Mara

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Perguntas Frequentes. como enviar arquivos para a Programação Visual

Perguntas Frequentes. como enviar arquivos para a Programação Visual Perguntas Frequentes como enviar arquivos para a Programação Visual 03 Sumário Configurações do Arquivo 05 Imagens e Ilustrações 08 Cores 11 Fontes e Textos 13 16 Revisão e Autorização + Lista de Checagem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 758CONSEPE, de 24 de maio de 2010. Aprova a mudança de denominação do Curso de Desenho Industrial para Design, modalidade Bacharelado, e sua reestruturação pedagógica. O Reitor da Universidade

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Priscila de Macedo Pereira e Souza Resumo: Uma experiência numa escola pública de Goiânia, usando da técnica Sticker Art para

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO Erodíades Daboit Possamai¹ Resumo: Este trabalho visa mostrar as tecnologias na indústria do vestuário e a função dos profissionais responsáveis

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade.

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade. VIDA SIMPLES ajuda o leitor a ver o mundo de um jeito novo, a refletir sobre os próprios sentimentos, a identificar tendências de comportamento e a buscar modos originais de interagir no meio social. Promove

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Empreendedorismo e Tradição

Empreendedorismo e Tradição Plano de Promoção de Empreendedorismo nas Escolas do Baixo Alentejo Empreendedorismo e Tradição Proposta de Projeto Agrupamento de Escolas de Cuba OBJETIVOS Desenvolver ações que contribuam para preparar

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais