DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano"

Transcrição

1 DESENHO INDUSTRIAL Carla Laureano CASTELNOU

2 O QUE É DESIGN? O Desenho Industrial é uma atividade projetual responsável pela determinação das características funcionais, estruturais e estético-formais de um produto ou sistemas de produtos para fabricação em série. É parte integrante de uma atividade mais ampla denominada desenvolvimento de produtos. Sua maior contribuição está na melhoria da qualidade de uso e da qualidade estética de um produto, compatibilizando exigências técnico-funcionais com restrições de ordem técnico-econômicas (BONSIEPE, 1982; 2011).

3 O Designer ou Desenhista Industrial cria projetos técnico-funcionais destinados à produção em série, visando sempre a qualidade. Atende as necessidades sociais, econômicas e culturais da comunidade para a qual trabalha, preocupando-se não apenas com a estética, mas também com o processo de origem, desenvolvimento, produção e circulação. Desenvolve projetos de produtos e também o planejamento de sistemas de comunicação visual atrativos, eficientes, seguros e duráveis, dentro de um limite de custo e de acordo com a possibilidades de comercialização oferecidas pelo mercado.

4

5 O Design é uma atividade multidisciplinar, que tangencia as artes visuais, de um lado; e a engenharia do outro, permeando ainda a antropologia, a sociologia, a psicologia e a cultura. No Brasil, é uma atividade profissional recente, não sendo regulamentada, mas somente autorizada. Na atual legislação, as atribuições de designer competem ao arquiteto e urbanista.

6 O Design surgiu a partir da Revolução industrial ( ), quando se percebeu que produção artesanal já não era mais capaz de atender as demandas. O avanço da tecnologia, da ciência e da indústria não substituiu apenas o sistema de produção tradicional, como também as próprias noções de beleza e qualidade.

7 FORMAÇÃO DO DESIGNER As raízes do Desenho Industrial encontram-se no Movimento do Arts and Crafts, do final do século XIX, no qual se destacou William Morris ( ). Também foi influenciado pelo arquiteto norte-americano Louis Sullivan ( ), com a máxima de que a forma segue a função, estabelecendo critérios para o planejamento das formas utilitárias. Seu ensino acadêmico iniciou-se na Bauhaus (1919/33), escola alemã fundada por Walter Gropius ( ), que procurava soluções racionais para melhores meios de formação do ambiente humano.

8 WILLIAM MORRIS ( ) Arts & Crafts

9 LOUIS SULLIVAN ( ) Form follows Function

10 WALTER GROPIUS ( ) Bauhaus

11 ERGONOMIA COMPONENTES DO DESIGN o Trata-se do estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaços de trabalho. o Analisa as características físicas, psicológicas e fisiológicas do ser humano, buscando melhorar a relação deste com o meio ambiente. o Sua aplicação resulta em uma melhor adaptação do homem aos meios tecnológicos, aos ambientes de trabalho e de vida, além de sua maior eficiência.

12 A Ergonomia considera a capacidade física, a força muscular e a dimensão corporal. Os dados e métodos por ela estudados otimizam o bem-estar humano, além do desempenho global do sistema homem/objeto/ambiente. Ela torna os postos de trabalho, os produtos, os ambientes e demais sistemas compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.

13 ANTROPOMETRIA o Estuda cientificamente as proporções do corpo humano, ou seja, suas medidas, tais como: estatura, massa corporal e alcance dos membros. otambém estuda as relações do ser humano com o meio, levando em consideração a dimensão de seus movimentos.

14 Levando em consideração as medidas humanas, um projeto oferece melhoria no desenvolvimento de atividades. Assim, proporciona maior conforto na realização de atividades, pois permite adaptar os produtos ao formato do corpo humano. Deste modo, a Antropometria oferece eficácia, segurança e qualidade aos produtos industriais.

15 PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (P.N.E.)

16 Além da Ergonomia e da Antropometria, o Design Industrial trabalha com alguns princípios e elementos que qualificam os projetos e/ou sistemas por ele planejados.

17 DESIGN DE PRODUTO

18 DESIGN GRÁFICO embalagens sinalização logomarcas

19 PROGRAMAÇÃO VISUAL Jogos Olímpicos

20 LEITURA COMPLEMENTAR APOSTILA. Capítulo 16. ASSOCIAÇÃO Brasileira de Ergonomia. O que é ergonomia? Disponível em: <http://www.abergo.org.br/internas.php?pg= o_que_e_ergonomia >. Acesso em: 08.nov BONSIEPE, G. Design, cultura e sociedade. São Paulo: Edgar Blücher, GRUJIC, A. Conceitos de design. São Paulo: Universidade Anhembi Morumbi, s.d. Disponível em: <http://www.lsc.ufsc.br/ ~edla/design/conceitos.htm>. Acesso em: 01.nov SIMONSEN, R. Desenho Industrial: Aspectos culturais, históricos e econômicos. São Paulo: Coleção Forum, RAMALHO, C. Design e processo: De traços abertos. São Paulo: C4, 2012.

Design: atividade projetual que transforma o meio material do homem, tendo em vista as necessidades humanas.

Design: atividade projetual que transforma o meio material do homem, tendo em vista as necessidades humanas. DESIGN 1 Design: atividade projetual que transforma o meio material do homem, tendo em vista as necessidades humanas. 2 ... Design é uma atividade criativa cujo propósito é estabelecer as qualidades multifacetadas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 758CONSEPE, de 24 de maio de 2010. Aprova a mudança de denominação do Curso de Desenho Industrial para Design, modalidade Bacharelado, e sua reestruturação pedagógica. O Reitor da Universidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O desenvolvimento de novos produtos é uma atividade complexa, envolvendo os consumidores, que desejam novidades, melhores produtos, a preços razoáveis; os vendedores, que desejam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Carlos Henrique Gonçalves (UNESC/FAAP) chcg@uol.com.br Roberval Bráz Padovan (UNESC/FAAP) am_padovan@terra.com.br Simone Thereza

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Moda (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/0/011 1:0 s por Curso Estilismo Industrial 1 ART.0111.00.00-1 ART.0.01.001-9 1 EQU.011.00.001-0

Leia mais

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA

ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA ATRASO NO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICO MOTOR: ACESSIBILIDADE NA MODA INCLUSIVA Delay in Neuro Psycho Motor development: accessibility in inclusive fashion Sartori, Bárbara Keoma; Graduada em Design de Moda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

REFORMULAÇÃO CURRICULAR E PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN HABILITAÇÒES EM DESIGN GRÁFICO E EM DESIGN INDUSTRIAL - 2007

REFORMULAÇÃO CURRICULAR E PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN HABILITAÇÒES EM DESIGN GRÁFICO E EM DESIGN INDUSTRIAL - 2007 REFORMULAÇÃO CURRICULAR E PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN HABILITAÇÒES EM DESIGN GRÁFICO E EM DESIGN INDUSTRIAL - 2007 1. IDENTIFICAÇÃO Ato de autorização Resol. CONSUNI 029/96, de 29/08/1996

Leia mais

Aula 2 - Especi cidades do design. professor Rafael Ho mann

Aula 2 - Especi cidades do design. professor Rafael Ho mann Aula 2 - Especi cidades do design professor Rafael Ho mann Especi cidades do design Design de produto/industrial Trabalha com a criação e produção de objetos e produtos (bens de consumo) tridimensionais

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A concisa história de um projeto pedagógico para o design

A concisa história de um projeto pedagógico para o design A concisa história de um projeto pedagógico para o design Na Europa formaram dois eixos artísticos de diferentes orientações e que marcaram atuação nas primeiras décadas do século 20. Grupos, pelo choque

Leia mais

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos.

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. 1º PERÍODO Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCILINA: Metodologia Científica CARGA CÓDIGO CRÉDITOS HORÁRIA H11900 04

Leia mais

O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES

O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES Este artigo busca destacar a importância da aplicabilidade das técnicas ergonômicas no que se refere ao design de interiores. A ergonomia será apresentada como

Leia mais

DESIGN PARA TODAS AS EMPRESAS

DESIGN PARA TODAS AS EMPRESAS A S DA TO AS N AS ES PR EM G SI DE R PA DESIGN PARA TODAS AS EMPRESAS BRASÍLIA - DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design)

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR DESIGN DE MODA (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO Antonio Castelnou CASTELNOU Introdução No decorrer da história, nem todos os espaços arquitetônicos mereceram a atenção dos estudiosos, mas apenas aqueles que possuíam algum valor

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Robson Santos Doutor em Design e especialista sênior em usabilidade do Instituto Nokia de Tecnologia - IndT http://interfaceando.blogspot.

Robson Santos Doutor em Design e especialista sênior em usabilidade do Instituto Nokia de Tecnologia - IndT http://interfaceando.blogspot. 42 :: Webdesign Forma e função, menos é mais. Tais conceitos, tão idolatrados e propagados pelas novas gerações de profissionais do design, surgiram no início do século XX, através da escola Bauhaus. Criada

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN Matriz Curricular do Curso de Design Fase Cód. Disciplina Créditos Carga Horária 01

Leia mais

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV)

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) 111 4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) Dentre os projetos de design que participam do programa do PDV de marcas de moda estão os projetos de: produto e moda, merchandising visual,

Leia mais

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio)

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) 1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) Administração Administração (EII) Administração - Habilitação em Administração de Empresas Administração - Habilitação em Administração

Leia mais

DESENHO DE PRODUTO. José Veríssimo de Sousa. Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto.

DESENHO DE PRODUTO. José Veríssimo de Sousa. Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto. Portfólio DESENHO DE PRODUTO José Veríssimo de Sousa Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto. 18/02/2008 e 25/02/2008. Design Em português

Leia mais

Acessibilidade e Ergonomia

Acessibilidade e Ergonomia Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST DESIGN DE MODA MÓDULO I INTRODUÇÃO AO DESIGN EMENTA: Conceituação e dimensionamento do design, aspectos éticos, legais e postura profissional do designer. História do

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste. 1032 MODELO CRIATIVO E AVALIAÇÃO NO DESIGN Marcelo José da Mota Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.br

Leia mais

Possíveis inclusões sociais através da estética no design de calçados por Mariana Rachel Roncoletta 1

Possíveis inclusões sociais através da estética no design de calçados por Mariana Rachel Roncoletta 1 por Mariana Rachel Roncoletta 1 Introdução Este ensaio está divido em dois momentos: no primeiro uma rápida abordagem ao look la garçonne difundido por Chanel, considerada por SELLING (2000:99) uma das

Leia mais

case centro de controle operacional da supervia [ 60 ] OFFICE STYLE

case centro de controle operacional da supervia [ 60 ] OFFICE STYLE [ 60 ] OFFICE STYLE Centro de Controle Operacional da Supervia Trens Urbanos G&A Arquitetura adota recursos de última geração aplicados aos conceitos de ergonomia OFFICE STYLE [ 61 ] A concessão do transporte

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA PROJETO DE EMBALAGENS ENFATIZANDO ASPECTOS ESTÉTICOS PARA ATRATIVIDADE DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGI P POJETO DE EMBLGENS ENFTIZNDO SPECTOS ESTÉTICOS P TTIVIDDE Mônica Stein Mestre em Engenharia de Produção/FSC - Produto e Processo. nita Garibaldi 136/208 - Florianópolis,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 02406 Projeto A 068 FAU Projeto B 136 76074

Leia mais

< Gerenciamento de Obras >

< Gerenciamento de Obras > Quem Somos A Markarquitetura vem, desde 2002, prestando serviços em arquitetura e engenharia em Interiores Corporativos e, mais recentemente, em Edificações Corporativas de forma estruturada e oferecendo

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

Curso de Licenciatura em Educação Física - 1º / 2013 Semipresencial Cronograma de Avaliações Especiais - 1º período

Curso de Licenciatura em Educação Física - 1º / 2013 Semipresencial Cronograma de Avaliações Especiais - 1º período Cronograma de Avaliações Especiais - º período Basquetebol e seu Ensino Lazer e Recreação 0h55 - h5 Citologia e Histologia Geral Elementos de Informática Fundamentos da Educ.Física Oficina de Textos 5h05-6h45

Leia mais

Exuberância visual: a influência do movimento Werkbund nos dias atuais

Exuberância visual: a influência do movimento Werkbund nos dias atuais L. C. Fascioni, M. L. Horn Vieira 1 Exuberância visual: a influência do movimento Werkbund nos dias atuais L. C. Fascioni, M. L. Horn Vieira - DesignLAB Departamento de Expressão Gráfica - CCE DesignLAB

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A importância da boa comunicação na prática da engenharia

A importância da boa comunicação na prática da engenharia A importância da boa comunicação na prática da engenharia Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. Introdução Após alguns anos de trabalho no desenvolvimento de comunicação voltada

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE DESIGN

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE DESIGN Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE DESIGN Bacharelado com ênfase em!"#$%&'("')*+(,-+'"'!"#$%&'.*/01+ Fortaleza 15. junho. 2011 Fortaleza 15. junho. 2011

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO

EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1º PERÍODO DISCIPLINA: Anatomia Humana Aplicada à Educação Física B108168 04 1º 80 Introdução ao estudo da Anatomia. Nomenclatura anatômica, estudo descritivo dos sistemas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 9º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CONCEITOS E DEFINIÇOES DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO E PERCEPÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS E DEFINIÇOES DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO E PERCEPÇÃO AMBIENTAL 2 CONCEITOS E DEFINIÇOES DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO E PERCEPÇÃO AMBIENTAL 2.1 Conceitos e definições da Ergonomia do Ambiente Construído Segundo Villarouco (2007), a ergonomia extrapola as questões

Leia mais

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU

ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e

Leia mais

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094)

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094) 1 (TG0090) problemas. Abordagem do processo do design do fragmento ao conjunto organizado. Investigação, representação e comunicação através do desenho manual. Ambiente humano, dimensões de uso e significado

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

Projetos Interdisciplinares no ensino de Design de Moda Eloize Navalon, Mestre em Design (Universidade Anhembi Morumbi) Resumo

Projetos Interdisciplinares no ensino de Design de Moda Eloize Navalon, Mestre em Design (Universidade Anhembi Morumbi) Resumo 1 Projetos Interdisciplinares no ensino de Design de Moda Eloize Navalon, Mestre em Design (Universidade Anhembi Morumbi) Resumo O presente artigo é um relato da construção do projeto pedagógico para o

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia, servindo

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas FIERO / SENAI Departamento Regional de Rondônia Painel 3 Educação e Saúde Métodos e Técnicas de Gestão da Produção Curso de Aprendizagem Industrial - CAI Adir Josefa de

Leia mais

É isto que perseguimos aqui. Aquele conceito que todos entendam e que aproxime marcas e pessoas.

É isto que perseguimos aqui. Aquele conceito que todos entendam e que aproxime marcas e pessoas. Ideias Simples É isto que perseguimos aqui. Aquele conceito que todos entendam e que aproxime marcas e pessoas. Construção de marcas Tem como base a essência do negócio, como estrutura a observação do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. EDITAL SEPLAG/UEMG Nº. 08 /2014, de 28 de novembro de 2014

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. EDITAL SEPLAG/UEMG Nº. 08 /2014, de 28 de novembro de 2014 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL SEPLAG/UEMG Nº. 08 /2014, de 28 de novembro de 2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE CARGOS DA CARREIRA DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira

Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira Curso Profissional Técnico de Design Gráfico O Técnico de Design Gráfico é um profissional qualificado, apto a conceber e maquetizar objectos gráficos, preparar a arte final para a impressão, e acompanhar

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

Norma ERG BR 1001 Competências Essenciais para os Ergonomistas Certificados 1

Norma ERG BR 1001 Competências Essenciais para os Ergonomistas Certificados 1 ABERGO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ERGONOMIA Norma ERG BR 1001 Competências Essenciais para os Ergonomistas Certificados 1 Aprovada na Assembléia Geral Ordinária da ABERGO [4 de setembro de 2002 Recife, Pernambuco]

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 57/2009/CONEPE Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br

www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br Projeto de Arquitetura Memorial Gráfico Cliente: Privado Tipo: Residencial Multifamiliar Data:

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Design. Projeto Político-Pedagógico. 1. Perfil do graduando

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Design. Projeto Político-Pedagógico. 1. Perfil do graduando ppp_fau_design 1 Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Design Projeto Político-Pedagógico 1. Perfil do graduando O Curso de Design deverá oferecer ao aluno sólida formação,

Leia mais

www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br

www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br www.olaarquitetura.com.br Jacob Luchesi 1974. sala 303 [54] 3021 3991 9150 0985 ola@olaarquitetura.com.br Projeto de Paisagismo Memorial Gráfico Cliente: Jovem Casal Tipo: Paisagismo Data: 25/03/2012 Área:

Leia mais

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: Design de Moda MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2016.1 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2016.1 Sistema de Moda FASE: 1ª Fase CARGA HORÁRIA: 30h Descrição

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição de Valor ao Design de Produtos

Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição de Valor ao Design de Produtos Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição do Valor ao Design de Produtos Cognitive Process involved in Perception and Attribution of Value to the Industrial Product Design Mineiro, Érico;

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MOVIMENTO WERKBUND NAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA

A INFLUÊNCIA DO MOVIMENTO WERKBUND NAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA 15º Simpósio Nacional de Geometria Descritiva e Desenho Técnico IV International Conference on Graphics Engineering for Arts and Design São Paulo, Brasil 5-9 Novembro de 2001 A INFLUÊNCIA DO MOVIMENTO

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN GRÁFICO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN GRÁFICO Leitura Ergonômica EXEMPLOS Design Gráfico

Leia mais

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS Vinicius Costa Cavalheiro Machado Divisão de Administração das Instalações Prediais DAAA/Eletrobras

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

DESIGN GRÁFICO. Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04.

DESIGN GRÁFICO. Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04. DESIGN GRÁFICO Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04. Implantação do Curso na UEL 24.02.97 Reconhecimento Decreto

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 132 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Antônio Cleber Gonçalves Tibiriçá tibirica@mail.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Leia mais

MULHERES MADURAS, QUE CORPOS VOCÊS TÊM?

MULHERES MADURAS, QUE CORPOS VOCÊS TÊM? MULHERES MADURAS, QUE CORPOS VOCÊS TÊM? Autores: JAQUELINE FERREIRA HOLANDA DE MELO E MARIA ALICE VASCONCELOS ROCHA Introdução A população brasileira está em processo de envelhecimento (NASRI, 2008) e

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DANÇA LICENCIATURA

EMENTÁRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DANÇA LICENCIATURA 1 EMENTÁRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DANÇA LICENCIATURA FTC245 - Disciplina: Corpo e Sociedade I Ementa: Um percurso histórico sobre as conceituações de corpo da antiguidade ao século XVII. FTC279 - Disciplina:

Leia mais

Omais competitivo, Pós-Graduação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba

Omais competitivo, Pós-Graduação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Para ingressar em um curso de lato sensu, é necessário possuir uma graduação bacharelado, licenciatura ou tecnologia. Mais comuns dentro dessa modalidade de pós-graduação, os cursos de especialização possuem

Leia mais

ERGONOMIA NO VESTUÁRIO: CONCEITO DE CONFORTO COMO VALOR AGREGADO AO PRODUTO DE MODA

ERGONOMIA NO VESTUÁRIO: CONCEITO DE CONFORTO COMO VALOR AGREGADO AO PRODUTO DE MODA ERGONOMIA NO VESTUÁRIO: CONCEITO DE CONFORTO COMO VALOR AGREGADO AO PRODUTO DE MODA GONÇALVES, Eliana Economista UFSC, Especialista em Moda: criação e produção UDESC Professora de Laboratório de Confecção

Leia mais

AMANDA SCHÜLER BERTONI

AMANDA SCHÜLER BERTONI 1. AMANDA SCHÜLER BERTONI Título: ESTUDO DOS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL PARA RESIDÊNCIAS: de que modo as certificações podem servir como ferramenta de auxílio voltada à sustentabilidade sob o

Leia mais

5 Contribuição da Ergonomia Ambiental no processo de concepção de locais de trabalho

5 Contribuição da Ergonomia Ambiental no processo de concepção de locais de trabalho 5 Contribuição da Ergonomia Ambiental no processo de concepção de locais de Ao longo dos capítulos desta pesquisa, procurou-se deixar claro que locais de com boas condições ambientais conduzem a uma melhor

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Enfermagem

Matriz Curricular do Curso de Enfermagem Matriz Curricular do Curso 1º 2º e da Saú e da Saú 1. Anatomia Humana I s em s em 1. Anatomia 02/40 02/40 Humana II 2. Biologia Humana 02/40 II 3. Fisiologia 02/40 02/40 Humana I 4. Promoção da Saú 5.

Leia mais