Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira"

Transcrição

1 Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira

2 IMPORTÂNCIA POR QUE A ÁGUA É ESSENCIAL PARA O ORGANISMO? 2

3 IMPORTÂNCIA A água costuma ser chamada de nutriente silencioso, denominação que reflete o grau de certeza da sua presença e disponibilidade. (Maughan, R.J. & Burke, L.M. et al, 2004) 3

4 COMPOSIÇÃO CORPORAL 40 a 70 % - Massa Corporal 65 a 75 % - Músculo 10% - Gordura Mcardle et all,

5 COMPARTIMENTOS HÍDRICOS Intracelular Extracelular intersticial O liquido extracelular proporciona a maior parte do liquido perdido através da transpiração, predominantemente a partir do plasma sangüíneo Mcardle et al,

6 FUNÇÕES Transporte de Nutrientes; Proteção das articulações e vários órgãos; Estabilização térmica; Auxilia digestão, a absorção e a excreção; 6

7 FUNÇÕES 7

8 INGESTÃO HÍDRICA Produção Diária de Água Perda Diária de Água - Alimentos Líquidos Metabolismo Urina Fezes Pele Pulmões Total 2550/ml - Total 2550/ml 8

9 TERMORREGULAÇÃO A produção de calor no exercício e cerca de vezes maior do que no repouso, o que seria suficiente para aumentar a temperatura corporal em 5 0 C por minuto. Nadel et al,

10 REGULAÇÃO TÉRMICA O Hipotálamo contém o centro coordenador para a regulação da temperatura. HIPOTERMIA HIPERTEMIA Mcardle et all,

11 REGULAÇÃO TÉRMICA 11

12 REGULAÇÃO TÉRMICA 12

13 DISSIPAÇÃO DO CALOR Repouso Exercício Convecção 20% 15% Condução 60% Radiação 5% 20% Evaporação 80% 13

14 ACLIMATAÇÃO AO CALOR Fluxo sangüíneo aumentado; Distribuição efetiva do débito cardíaco; Limiar mais baixo para início da transpiração; Melhor distribuição do suor; Maior produção de suor; Menor concentração de sais no suor; Temperaturas cutânea e central e FC mais baixas para exercício padronizado; Menor dependência do catabolismo dos carboidratos Mcardle et al,

15 INGESTÃO HÍDRICA Produção Diária de Água Perda Diária de Água - Alimentos Líquidos Metabolismo Urina Fezes Pele Pulmões Total 2550/ml - Total 6300/ml 15

16 ESTRESSE TÉRMICO Quando a temperatura e a umidade relativa do ambiente estão altas, a capacidade de manter a atividade física é reduzida (Rev paul. Educ. Fisi., São Paulo, 12 (2): , jul./dez. 1998) 16

17 ÍNDICE DE ESTRESSE TÉRMICO 17

18 TERMOREGULAÇÃO AO FRIO Ajustes cardiovasculares: Receptores cutâneos + frio = vasoconstricao periférica Direcionamento sangüíneo para o centro (+ quente) Atividade muscular: Regulação é mediada pela temperatura interna e não pela produção de calor Calafrios durante o exercício 18

19 TERMORREGULAÇÃO AO FRIO Produção hormonal: Adrenalina e noradrenalina (medula adrenal) Stresse prolongado ao frio = aumento T4 aumento TMB 19

20 HIDRATACÃO X ESPORTE 20

21 HIDRATAÇÃO X ESPORTE ANTES DURANTE APÓS 21

22 HIDRATAÇÃO X ESPORTE A não ingestão de líquidos pode afetar a saúde de um desportista, o seu peso e composição corporal. ACSM,

23 TERMINOLOGIA Eu-hidratação:variação diária normal da água. Super-hidratação:novo estado estável com maior conteúdo de água. Hipo-hidratação:novo estado estável com menor conteúdo de água. Desidratação:processo com perda de água, seja no estado de super-hidratação para eu-hidratação ou da eu-hidratação para a hipo-hidratação. Reidratação:processo com ganho de água de um estado de hipohidratação para eu-hidratação. Mcardle et al,

24 TERMINOLOGIA SUPER-HIDRATAÇÃO DESIDRATAÇÃO EU-HIDRATAÇÃO REIDRATAÇÃO DESIDRATAÇÃO HIPO-HIDRATAÇÃO 24

25 HIDRATAÇÃO ANTES DO EXERCÍCIO Quantidade adequada de líquido 24 horas precedentes (monitorar urina: freqüência, cor, volume) 500 ml 2 horas antes (hidratação + intervalo eliminar excesso) 25

26 HIDRATAÇÃO DURANTE O EXERCÍCIO Volume: ml/h em intervalos de 15 a 20 min. Duração maior que 30 a 60 min. Carboidrato: g/h (4-8% de CHO). Na + : 0,5 a 0,7 g/l (± 20 meq/l). 26

27 HIDRATAÇÃO PÓS-EXERCÍCIO Hidratar-se com a quantidade equivalente a sua perda de peso. Ingerir bebidas isotonicas 27

28 Caracterização das práticas sobre hidratação em atletas da modalidade de judô no estado de Minas Gerais 28

29 Amostra: 220 atletas (192 homens/38 mulheres) Federação Mineira de Judô Idade:19,7 ± 6,6 anos Categorias:Juvenil, Júnior, Sênior. Metodologia: Questionário Objetivo: avaliar as práticas e nível de conhecimento de hidratação. 29

30 30

31 31

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA 37

38 ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA 38

39 ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA 39

40 ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA 40

41 DESIDRATAÇÃO X PERFORMANCE Desidratação: se refere a um desequilíbrio na dinâmica dos líquidos quando a ingestão hídrica não consegue repor a perda de água. Mcardle et al,

42 DESIDRATAÇÃO X PERFORMANCE A desidratação afeta o desempenho aeróbio, diminui o volume de ejeção ventricular pela redução no volume sangüíneo e aumenta a freqüência cardíaca. Rev.Bras.Med. Esporte Vol. 9. N 2 Mar/Abr

43 DESIDRATAÇÃO X PERFORMANCE 43

44 EFEITOS DA DESIDRATAÇÃO ALTERACOES CARDIO-CIRCULATORIAS Volume Plasmático Debito Cardíaco Hipertemia Pressão Arterial Alteração do VO 2 max. Fluxo Sangüíneo Fluxo Sangüíneo 44

45 EFEITOS DA DESIDRATAÇÃO Contração Muscular ATP ADP + P = Energia Temperatura Central Sudorese FADIGA (Montain & Coile, 1992; Horswill, 1998) 45

46 EFEITOS DA DESIDRATAÇÃO LEVE Fadiga Perda de apetite Sede (Alarme atrasado) Pele vermelha Intolerância ao calor Tontura Aumento da concentração urinaria. MODERADA Rev.Bras.Med. Esporte Vol. 9. N 2 Mar/Abr

47 EFEITOS DA DESIDRATAÇÃO GRAVE Dificuldade para engolir Perda de equilíbrio Pele seca e murcha Olhos afundados e visão fosca Pele dormente Delírio Espasmos musculares Rev.Bras.Med. Esporte Vol. 9. N 2 Mar/Abr

48 GRAU DE DESIDRATAÇÃO (medida em % do peso inicial) Peso inicial Peso final x 100 Peso inicial 48

49 AVALIACAO DA HIDRATAÇÃO 49

50 AVALIACAO DA HIDRATAÇÃO 50

51 HIPONATREMIA Hiponatremia: e um desequilíbrio hidroeletrolitico que resulta na queda anormal da concentração plasmatica de sódio (< 135 meq/l ; normal = meq/l) (GSSI) 51

52 HIPONATREMIA Em exercícios prolongados, que ultrapassam uma hora de duração, recomenda-se beber líquidos contendo de 0,5 a 0,7 g/l de sódio (similar ou até mesmo inferior ao suor do indivíduo). Rev. Bras. Med. Esporte,

53 HIPONATREMIA DURANTE EXERCÍCIO [Na + ] Sérico 136 meq/l (Sintomas Leves) [Na + ] Sérico 130 meq/l (Sintomas Graves) Principal Causa: ingestão excessiva de líquidos sem sódio Bergeron, GSSI,

54 FATORES QUE PREDISPOEM A HIPONATREMIA Exercício de alta intensidade prolongado em um clima quente. Maior perda de sódio associada a produção de suor contendo uma alta concentração de sódio. Inicio de uma atividade física em estado com depleção de sódio Uso de medicação diurética para hipertensão Ingestão frequente de grandes quantidades de liquido isento de sódio durante exercício prolongado. Mcardle et al,

55 FATORES QUE PREDISPOEM A HIPONATREMIA HORMONIO ANTI-DIURÉTICO * Osmolalidade plasmática elevada (baixa concentração de água, que pode ser causada pela transpiração excessiva sem reposição de água. * Baixo volume plasmático, o qual deve-se à perda de sangue ou à reposição líquida inadequada. Powers et al,

56 HIPONATREMIA:SINTOMAS LEVES INTENSOS CEFALÉIA CONFUSÃO MAL-ESTAR NAÚSEAS CÃIMBRAS CRISES CONVULSIVAS COMA EDEMA PULMONAR MORTE Mcardle et al,

57 SÓDIO O sódio é o principal íon do espaço extracelular, contribui com cerca de 50% da osmolalidade total do plasma. (Maughan, R.J. & Burke, L.M. et al, 2004) 57

58 SÓDIO A inclusão de sódio nas bebidas promove maior absorção de água e carboidratos pelo intestino durante e após o exercício. (Rev. Bras. Med. Esporte, 2003) 58

59 REPOSIÇÃO HÍDRICA O QUE BEBER? CHO ISOTÔNICOS QUAL A TEMPERATURA IDEAL? ESVAZIAMENTO GÁSTRICO ABSORÇÃO INTESTINAL 59

60 REPOSIÇÃO HÍDRICA VANTAGENS ÁGUA: Baixo Custo Fácil acesso Rápido esvaziamento gástrico 60

61 REPOSIÇÃO HÍDRICA DESVANTAGENS Não contém eletrólitos CHO Insípida Retarda o equilíbrio hidro-eletrolítico 61

62 REPOSIÇÃO HÍDRICA CHO Carboidratos de absorção ativa Absorção de sódio e água (Powell, 1987) Absorção e esvaziamento gástrico 6% - mistura de glicose, frutose e sacarose Mantém a glicemia e retarda a fadiga (Rev. Bras. Med. Esporte, 2003) 62

63 REPOSIÇÃO HÍDRICA Conteúdo de CHO g/l mosm/kg Gatorade Suco de Laranja Coca-Cola Leite (McArdle et al., 2003) 63

64 REPOSIÇÃO HÍDRICA CHO Durante o Exercício Previne a hipoglicemia Retarda a fadiga física e mental; Promove absorção intestinal (junto com o Na + ); Melhora o sabor; Estimula a ingestão voluntária. 64

65 REPOSIÇÃO HÍDRICA ISOTÔNICOS Palatabilidade Concentração de Eletrólitos Cãimbras temperatura < entre 15 0 C a 22 0 C) Estimula a ingestão (Murray,GSSI et al., 1997) 65

66 REPOSIÇÃO HÍDRICA Esvaziamento Gástrico = Cap. de Absorção (± 40 ml/min ou 2400 ml/h) Superfície Intestinal Absorção Passiva: depende da absorção de solutos 66

67 REPOSIÇÃO HÍDRICA Osmolaridade da Bebida (Shi, 1995) Presença de CHO na Bebida (Gisolf, 1991; Murray, 1987; Shi, 1995) 67

68 RECOMENDAÇÕES Exercitar-se regularmente; Ajustar-se ao ambiente; Prestar atenção à adaptação ao calor (aclimatação); Manter-se hidratado; Crianças ativas, idosos e gestantes necessitam de um cuidado extra para prevenir a desidratação e doenças provocadas pelo calor; Muitas condições de saúde apresentam desafios específicos para regulação da temperatura. (GSSI, 1999) 68

69 69

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física LAHOR CLÍNICA MÉDICA Tatiana Oliveira Nutricionista - CRN 7508 Rua Mário Amaral, 267 - Paraíso - SP Tel/Fax: (11) 3884-7127 Tel: (11) 3051-5554 Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Leia mais

REGULAÇÃO DA TEMPERATURA

REGULAÇÃO DA TEMPERATURA REGULAÇÃO DA TEMPERATURA REGULAÇÃO DA TEMPERATURA centro regulador: hipotálamo grupos neuronais tipo termostato 37 ± 1 C mecanismos: receptores térmicos informações sensoriais sistema de alerta inicial

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais

Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Controle da Osmolaridade dos Líquidos Corporais Qual é a faixa normal de osmolalidade plasmática? 260-290 - 310 mosm/kg H 2 0 Super-hidratação Desidratação NORMAL Osmolalidade é uma função do número total

Leia mais

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O NOSSO CORPO É CONSTITUÍDO NA MAIOR PARTE POR ÁGUA A ÁGUA É O PRINCIPAL CONSTITUINTE DO ORGANISMO, É ESSENCIAL PARA A VIDA E TEM

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR PARA O ESGRIMISTA BRASILEIRO

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR PARA O ESGRIMISTA BRASILEIRO AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR PARA O ESGRIMISTA BRASILEIRO Fabiana Teixeira de Freitas Oliveira Nutricionista CRN/8-540 OBJETIVO GERAL Avaliar o estado nutricional dos atletas

Leia mais

SUZANA BONUMÁ Nutricionista suzana@foodcoach.com.br

SUZANA BONUMÁ Nutricionista suzana@foodcoach.com.br SUZANA BONUMÁ Nutricionista suzana@foodcoach.com.br IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO * adaptação ao estresse * melhora do desempenho * recuperação * menor risco para lesão e baixa imunidade * manutenção da composição

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

Bebida hidratante. suplementação

Bebida hidratante. suplementação Texto > Paula Cristóvão Santos e Custódio César* Bebida hidratante A razão de ser isotónica Há mais do que uma boa razão para ingerir bebidas isotónicas antes, durante ou após o exercício. E a recomendação

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO E HIDRATAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

EXERCÍCIO FÍSICO E HIDRATAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CLÁUDIA BRUM DE AZEVEDO EXERCÍCIO FÍSICO E HIDRATAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA FLORIANÓPOLIS-SC 2008/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CURSO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

2- FORMULAÇÃO DE ISOTÔNICO DE LARANJA PARA 01 COPO DE 240 ml.

2- FORMULAÇÃO DE ISOTÔNICO DE LARANJA PARA 01 COPO DE 240 ml. SOCIEDADE ACADEMICA AMPARENSE S/C LTDA. FACULDADE DO LITORAL SUL Rua Oscar Yoshiaki Magário, s/n Jardim das Palmeiras CEP: 11900-000 Registro(SP) (13) 6821-6122 - Site: www.scelisul.com.br - e-mail nutricao@scelisul.com.br

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS CORAÇÃO

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO ANEXOS 28 ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO Resposta fisiológica ao calor intenso A temperatura corporal é constantemente regulada mantendo-se num intervalo relativamente estreito (35ºC 39ºC),

Leia mais

ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher. A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues

ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher. A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues A atividade física é importante para a mulher nas diferentes fases da vida. * ZAMAI,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES PARA DESPORTISTAS Nº: 29/DA DATA: 04/08/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental INTRODUÇÃO

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi NUTRIÇÃO ESPORTIVA Nutr. Graziela Beduschi Graduação em Nutrição - UFPR MSC Nutrição - Wollongong University - AUS Sports Dietitian Course Australian Institute of Sports Passos para uma alimentação saudável

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Desidratação e Reidratação. Evitando a Desidratação: Bebidas Esportivas ou Água

Desidratação e Reidratação. Evitando a Desidratação: Bebidas Esportivas ou Água Desidratação e Reidratação. Evitando a Desidratação: Bebidas Esportivas ou Água Autor:Bob Murray Desidratação e Reidratação Evitando a Desidratação: Bebidas Esportivas ou Água Bob Murray, PhD, FACSM Introdução

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore Manual do corredor n Este manual tem como objetivo orientar o corredor iniciante que pretende praticar corridas em busca de bem estar e condicionamento físico. n São dicas aprendidas em livros e observações

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

SSE # 111 AVALIAÇÃO DA HIDRATAÇÃO EM LABORATÓRIO E EM CAMPO

SSE # 111 AVALIAÇÃO DA HIDRATAÇÃO EM LABORATÓRIO E EM CAMPO SSE # 111 AVALIAÇÃO DA HIDRATAÇÃO EM LABORATÓRIO E EM CAMPO PONTOS PRINCIPAIS Nos Estados Unidos, a perda de vidas humanas decorrente do superaquecimento durante períodos de calor intenso no verão é maior

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Hábitos do Jovem Atleta (da nutrição aos estilos de vida)

Hábitos do Jovem Atleta (da nutrição aos estilos de vida) Hábitos do Jovem Atleta (da nutrição aos estilos de vida) IV Formação para Agentes Desportivos Tiago Soares Pina Nutricionista 17 Setembro 2011 1 Importância da Actividade FísicaF Importância da Actividade

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

DIRETO DA REDAÇÃO. VITÓRIA RESIDENCE News. Seja Bem Vindo Felipe. Novo Musicoterapeuta. Deixe-nos ajudá-lo a cuidar de quem cuidou de você

DIRETO DA REDAÇÃO. VITÓRIA RESIDENCE News. Seja Bem Vindo Felipe. Novo Musicoterapeuta. Deixe-nos ajudá-lo a cuidar de quem cuidou de você Edição: Fevereiro/ 2015 Recanto do Idoso Vitoria Residence VITÓRIA RESIDENCE News Deixe-nos ajudá-lo a cuidar de quem cuidou de você Olá amigos do Vr NEWS, DIRETO DA REDAÇÃO É com grande alegria que trazemos

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais Qual é a faixa normal de osmolalidade plasmática? 260-290 - 310 mosm/kg H 2 0 Super-hidratação Desidratação NORMAL Osmolalidade é uma função do número total

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

Termorregulação. É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente.

Termorregulação. É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente. Termorregulação É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente. Tipos de termorregulação Fisiológica o organismo utiliza

Leia mais

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Educação Física GUILHERME GIORGI PAULETI MOREIRA

UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Educação Física GUILHERME GIORGI PAULETI MOREIRA 1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Educação Física GUILHERME GIORGI PAULETI MOREIRA DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO

Leia mais

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira RESUMO O presente trabalho visa mostrar o quanto é importante

Leia mais

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda)

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 124 (Setembro/Outubro de 1999) Enquadramento do tema A temperatura interior

Leia mais

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica Água e Eletrólitos Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica 1 Componente + abundante do organismo; ÁGUA CORPORAL Todos os processos metabólicos ocorrem em meio aquoso; Células com cc de

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

Hidratação e Choque hipovolêmico

Hidratação e Choque hipovolêmico Hidratação e Choque hipovolêmico Dr. Marcelo Ruiz Lucchetti Médico da Enfermaria de Pediatria do HUAP Médico do Centro de Tratamento de Queimados Infantil do HMSA Líquidos Corporais Fisiologia Composição

Leia mais

A Educação Física FONTES DE ENERGIA DO CORPO

A Educação Física FONTES DE ENERGIA DO CORPO A Educação Física A Educação Física não se restringe ás atividades práticas, como jogar, correr, saltar etc., mas envolve também o entender, o modificar e o adaptar-se para praticar as atividades físicas

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica 506 HIDRATAÇÃO E EXERCÍCIO FÍSICO REVISÃO SISTEMÁTICA João Paulo da Silva Ribeiro 1,2, Rafaela Liberali 1 RESUMO Objetivo: Verificar através de uma revisão sistemática a importância da hidratação na prática

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS SÉRIE: 2º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem 1) Elabore o roteiro de estudos: a. Quais são as vias excretoras do nosso corpo? b.

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA: REVISÃO E RECOMENDAÇÕES APLICADAS RESUMO

ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA: REVISÃO E RECOMENDAÇÕES APLICADAS RESUMO 219 CDD. 20.ed. 612.044 ESTRATÉGIAS DE REPOSIÇÃO HÍDRICA: REVISÃO E RECOMENDAÇÕES APLICADAS Marcelo Luis MARQUEZI * Antonio Herbert LANCHA JUNIOR* RESUMO Grande atenção tem-se dado às estratégias de reidratação

Leia mais

Manejo pré-abate de aves

Manejo pré-abate de aves Jejum Alimentar Manejo pré-abate de aves Reduz a taxa de mortalidade e evita vômito durante o transporte. Segurança alimentar: previne a liberação e a disseminação de contaminação bacterina pelas fezes

Leia mais

Distúrbios Hidro-eletrolíticos

Distúrbios Hidro-eletrolíticos Água Total do Organismo Distúrbios Hidro-eletrolíticos Fisioterapia Intensiva Professora Mariana Pedroso Idade H2O Feto: 90% Peso RN termo : 70% Peso Adultos: 50 a 60% do peso Corporal Mulheres e Obesos

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

Principais propriedades físicas da água.

Principais propriedades físicas da água. BIOQUÍMICA CELULAR Principais propriedades físicas da água. Muitas substâncias se dissolvem na água e ela é comumente chamada "solvente universal". Por isso, a água na natureza e em uso raramente é pura,

Leia mais

Termorregulação e Exercício. cio - Climas Quentes - Estratégia de abordagem. Temperatura corporal normal. Equilíbrio Hidroeletrolítico

Termorregulação e Exercício. cio - Climas Quentes - Estratégia de abordagem. Temperatura corporal normal. Equilíbrio Hidroeletrolítico Estratégia de abordagem Termorregulação e Exercício cio - Climas Quentes - Prof. Tony Meireles Doutor PPGEF - UGF PHP UGF Equilíbrio Hidroeletrolítico Desidratação Relacionada à Atividade Física Significância

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI. Departamento de Ciências da Saúde.

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI. Departamento de Ciências da Saúde. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI. Departamento de Ciências da Saúde. Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Nutrição Clínica. QUESTÕES SOBRE NUTRIÇÃO CLINICA E ALIMENTOS

Leia mais

ESTAÇÃO DE HIDRATAÇÃO

ESTAÇÃO DE HIDRATAÇÃO 1/10 INTRODUÇÃO: A desidratação pode ser um problema para adultos e crianças. Como o nosso corpo é composto por 50 a 70% de água, é essencial beber muitos líquidos para o manter saudável. A água desempenha

Leia mais

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele 2 Temperatura Central ( core ) T retal > 1ºC > T oral Estável em condições Basais ( ± 0,6 ºC ) Variabilidade moderada: exercício intenso ( 38,5-40,0 ºC ) temperaturas extremas 2 Temperatura Pele Grande

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor MINISTÉRIO DA SAÚDE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALGARVE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Durante os meses de Verão as temperaturas podem

Leia mais

Hidratação no futebol: uma revisão

Hidratação no futebol: uma revisão ARTIGO DE REVISÃO Hidratação no futebol: uma revisão Cristiano Ralo Monteiro 1, Isabela Guerra 2 e Turíbio Leite de Barros 3 RESUMO A hidratação deve ser considerada antes, durante e depois do exercício.

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos.

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos. Luz Solar 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? Raquitismo e Osteoporose 2. Em qual dia da criação, Deus criou a luz? 1 dia 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA A POPULAÇÃO Nº: 24/DA DATA: 09/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose POLYDRAT Pharmascience Laboratórios Ltda SOLUÇÃO ORAL cloreto de sódio 2,34 mg/ml, cloreto de potássio 1,49 mg/ml, citrato de sódio dihidratado 1,96 mg/ml, glicose 19,83 mg/ml Polydrat cloreto de sódio,

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC TÍTULO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA PARTICIPANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS DE BAIXO IMPACTO COM ÊNFASE NA ADEQUAÇÃO ALIMENTAR ANTES, DURANTE E APOS O TREINO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire NUTRIÇÃO ESPORTIVA Thiago Onofre Freire Nutrição Esportiva Prevenção de doenças Desempenho Atlético Estética Nutrição Esportiva Desempenho / Performance / Estética 1941 História História 1943 / Recomended

Leia mais

Como este guia pode melhorar a sua vida

Como este guia pode melhorar a sua vida Guia de Bem-Estar Álcool Como este guia pode melhorar a sua vida Benefícios positivos Dieta mais equilibrada: - em quantidade - em conteúdo Melhoria da auto-imagem Capacidade maior/mais prolongada de concentração

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml 6 cloreto

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Dulcolax bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas

Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida. 2º EM Biologia Frente B. Prof. Jairo José Matozinho Cubas Planejamento de PIE- Guilherme de Almeida 2º EM Biologia Frente B Prof. Jairo José Matozinho Cubas 3º Trimestre: Fisiologia animal e humana: a)fisiologia e relações entre sistemas respiratório e circulatório

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal

Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal 1. Introdução Ana Maria Bridi Um dos grandes desafios da pecuária moderna está relacionado a exploração do máximo potencial genético do animal, tanto

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Habilidades: Compreender os benefícios dos exercícios físicos na promoção da saúde e qualidade de vida A BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE A Benefícios

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Forma

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml HIDRAFIX 90 Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 0,98 mg/ml glicose 20 mg/ml 16 HIDRAFIX 90 cloreto de

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Nutrição no Exercício

Nutrição no Exercício Nutrição no Exercício Fabiana de Faria Ghetti Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício Nutrição no Exercício Atletas Indivíduos fisicamente ativos Necessidades nutricionais ATLETA

Leia mais

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORES: Ludmila / Márcia DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Orientações gerais: Este trabalho

Leia mais