Autoria: Sérgio Luiz do Amaral Moretti, Fabricia Durieux Zucco, Otávio Bandeira De Lamônica Freire

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Sérgio Luiz do Amaral Moretti, Fabricia Durieux Zucco, Otávio Bandeira De Lamônica Freire"

Transcrição

1 Motivações para Viajar, Fontes de Informação e Qualidade Percebida do Serviço: um estudo comparativo das Oktoberfest, em Munique (Alemanha) e Blumenau (Brasil) nas edições de Autoria: Sérgio Luiz do Amaral Moretti, Fabricia Durieux Zucco, Otávio Bandeira De Lamônica Freire Resumo Esta pesquisa analisa três dimensões em eventos turísticos: motivação para viajar, fontes de informação utilizadas e qualidade percebida do serviço. Foram comparadas as edições da Oktoberfest em Blumenau (SC, Brasil) e Munique (Baviera, Alemanha) em Utilizou-se Análise Fatorial Confirmatória com modelo de mensuração PLS, para validar a escala e testes de hipótese bivariados para avaliarem-se possíveis diferenças entres as amostras. As escalas foram validadas com indicadores aceitáveis. Os testes bivariados indicaram tendência maior de concordância da amostra alemã apenas com o construto Informal da dimensão fontes de informação. A amostra brasileira concordou com todos os itens das escalas propostas. 1

2 Introdução Os eventos turísticos são fenômenos espaço-temporais singulares devido as interações entre a configuração, as pessoas e os elementos de gestão, incluindo design e programa. Alguns são realizados para a celebração pública, enquanto outros ocorrem para fins de concorrência, diversão, entretenimento, negócios ou socialização. Um dos mais importantes diferenciais dos eventos alude ao fato de que os apelos nunca são os mesmos e as pessoas simplesmente têm que estar presentes para desfrutar a experiência totalmente única (Getz, 2008). Entre seus diversos tipos McKercher, Mei e Tse (2006) destacam os festivais desenvolvidos com o objetivo de promover a cultura local como atração turística, constituindo-se em uma oportunidade para mostrar a rica herança do destino, as tradições locais, étnicas e culturais (Felsenstein & Fleischer, 2003). Quinn (2009) observa que, com uma longa trajetória histórica a incorporar as tradições de vários passados, os festivais têm florescido na sociedade contemporânea, mesma constatação feita por Prentice e Andersen (2003). No Brasil, este setor encontra-se em ascensão, apresentando-se como solução para as cidades que têm grandes sazonalidades de demanda turística. Com efeito, essa modalidade de turismo é potencializada por festas e festivais que vêm aumentando seu poder de atrair turistas, a ponto de se tornarem megaeventos de fama nacional e internacional (Pereira, 2003). Um exemplo bem representativo é a Oktoberfest de Blumenau (SC), o maior festival da tradição alemã do país. Criada em 1984 nos moldes da versão original promovida em Munique, na Baviera alemã, se consolidou como um dos mais importantes produtos turísticos do calendário nacional. São muitas as semelhanças entre os dois festivais: os desfiles de grupos com trajes típicos e carros alegóricos, os pavilhões repletos de turistas brindando com canecos cheios de cerveja e chope, muita música e dança, e as atrações culturais e gastronômicas. A compreensão dos fenômenos que norteiam os eventos turísticos tem sido foco de inúmeros trabalhos acadêmicos e três dimensões estudadas merecem destaque: 1) motivação para viajar: um fator interno que desperta, dirige e integra o comportamento de uma pessoa (Crompton & McKay, 1997); 2) fontes de informação utilizadas: vista como resultado de um processo dinâmico, pelo qual os viajantes usam vários tipos e grande quantidade de fontes para responder às contingências internas e externas referentes ao planejamento de suas viagens (Bieger & Laesser, 2004); e, 3) qualidade percebida do serviço: fator fundamental para orientar decisões no sentido de implantar inovações ou adequações e garantir fluxo de visitas no futuro (Parasuraman, Berry, & Zeithalm, 1991). Esta pesquisa se concentra na análise dessas três dimensões, procurando preencher uma lacuna, já que estudos anteriores, apenas se dedicaram a explorar as relações binárias entre elas. Adotando essa nova perspectiva de investigação, o trabalho visa contribuir para o avanço do conhecimento das múltiplas interfaces no contexto de festivais. Vislumbra-se, dessa forma, a oportunidade de uma integração teórica dessas três dimensões e seus desdobramentos na escolha de um destino turístico. Uma questão principal norteou este estudo: quais as semelhanças e diferenças de avaliação para as três dimensões propostas, entre os turistas que visitam as Oktoberfest de Munique e Blumenau? O artigo apresenta a seguir uma revisão da literatura de turismo de eventos e festivais, os procedimentos metodológicos adotados, a análise dos dados, discussão dos resultados e, as considerações finais. A motivação do turista para visitar festivais 2

3 A decisão de viajar é precedida de uma motivação intrínseca ao indivíduo, um fator puramente psicológico que faz despertar o desejo e o orienta para atividades que lhe tragam o novo, uma simples mudança da rotina diária ou redução do estresse (Iso-Ahola,1982). Uma viagem, raramente é o resultado de um único motivo. Crompton (1979), Mansfeld (1992) e Pearce (1982) ressaltam sua multiplicidade, Iso-Ahola e Allen (1982), a dinâmica de motivação, Scott (1996) sua complexidade, Uysal e Hagan (1993) e Witt e Wright (1992) a influência do contexto da tomada de decisão. O estudo clássico de Iso-Ahola (1982) distingue as dimensões motivacionais básicas do turismo dentro da dicotomia evasão-escape (fuga) versus descoberta (busca). Enquanto, McDonnell, Allen e O'Toole (1999) defendem quatro razões: motivação social (interação), motivação organizacional (status/reconhecimento), motivos fisiológicos (exercícios de relaxamento), motivos pessoais (novas experiências, realização pessoal). Crompton e McKay (1997) acrescentaram a esta multiplicidade motivacional: aprendizagem, condicionamento cultural, influências sociais e percepções. Uysal e Jurowski (1994) chegaram à conclusão de que as pessoas viajam porque são, de um lado, empurradas por forças internas, psicológicas, de outro, veem-se puxadas por forças externas, ou seja, pelos atributos do destino. Crompton (1979) também percebeu que os motivos que empurram o turista são úteis para justificar, por exemplo, o desejo de sair de férias, já os motivos que o puxam explicam a escolha do destino, dois lados da moeda motivacional (Cassidy, 2006). Apesar de terem naturezas distintas, os dois fatores devem ser considerados como inter-relacionados (Kim, Lee & Klenosky, 2003). Crompton e McKay (1997) incluem sete domínios motivacionais no grupo dos fatores que empurram: (i) novidade, o desejo de procurar ou descobrir experiências novas e diferentes por meio de viagens recreativas; (ii) socialização, o desejo de interagir com um grupo e seus membros; (iii) prestígio/status, o desejo de alcançar uma elevada reputação aos olhos das outras pessoas; (iv) repouso e relaxamento, desejo de descansar mental e psicologicamente para diminuir a pressão do dia-a-dia; (v) valor educacional ou enriquecimento intelectual, desejo de obter conhecimento e de expandir os horizontes intelectuais; (vi) reforço do parentesco e procura de relações familiares mais intensas; e (vii) regressão, desejo de reencontrar um comportamento remanescente da juventude ou infância e de subtrair constrangimentos sociais. Quanto aos fatores que puxam, Fakeye e Crompton (1991) identificaram seis domínios: (i) oportunidades sociais e atrações; (ii) atrativos naturais e culturais; (iii) acomodação e transporte; (iv) infraestrutura, alimentação e povo amigável; (v) amenidades físicas e atividades de recreio; e (vi) bares e entretenimento noturno. Como argumentam Crompton e McKay (1997), se os motivos para visitar um festival desencadeiam o processo de decisão dos visitantes e se as motivações basicamente são acionadas por necessidades e desejos, então é imperativo identificar as necessidades dos turistas para que os organizadores do festival possam projetar programas adaptados a eles. O conhecimento e a compreensão dos processos de decisão do participante do evento, quando estrategicamente aplicados, tornam possível atrair e fidelizar mais turistas. Com base na proposta de Crompton e McKay (1997), os quatro construtos do instrumento que representam a dimensão motivações para viajar na pesquisa foram resultado de uma seleção feita e adaptada à realidade nacional (ver Procedimentos Metodológicos). Eles são: Exploração Cultural (8 itens): Enquanto estou numa festa como a OKTOBERFEST eu participo de eventos culturais que normalmente eu não tenho a oportunidade de ir; Divirto-me em festas como a OKTOBERFEST olhando coisas que eu nunca vi antes; Quero ver coisas novas enquanto estou numa festa como a OKTOBERFEST; Eu gosto de visitar museus e ver atrativos históricos enquanto estou numa festa como essa; Eu quero sentir um clima de aventura (descoberta) como parte da experiência na festa; Eu quero experimentar diferentes 3

4 costumes e culturas que não fazem parte do meu ambiente; Eu gosto de me encontrar em situações onde eu possa experimentar coisas novas; Eu vou a uma festa como a OKTOBERFEST para aumentar meu conhecimento da cultura local. Novidade (8 itens): Eu gosto de atividades das festas que oferecem fortes emoções; Eu não planejo minha ida a uma festa como essa em detalhes porque isso tira alguns elementos inesperados; Enquanto estou numa festa eu relaxo e deixo as coisas acontecerem; Eu procuro por aventuras numa festa como a OKTOBERFEST; Festas como essa mostram a criança (jovem) que existe em mim; Eu gosto de coisas imprevisíveis que acontecem nas festas; Eventos em festas como essa me dão a oportunidade de agir como criança novamente; Eu não me importo se as pessoas pensam que meu comportamento é estranho enquanto estou numa festa. Equilíbrio (4 itens): Eu tenho que ir a eventos como a OKTOBERFEST de tempos em tempos para evitar rotina; Eu gosto de ir a festas para reduzir tensão, ansiedade e frustrações; Eu frequento festas para reduzir meu ritmo acelerado; Eu vou a festas como a OKTOBERFEST para aliviar a chatice do dia a dia. Socialização (6 itens): Eu vou festas como essa porque eu posso estar com meus amigos; Eu gosto de ir festas em grupo; Eu gosto de ir a festas como essa para estar e observar as pessoas que frequentam; Quando eu vou a eventos como esse, eu gosto de conhecer pessoas novas; Ir a festas como a OKTOBERFEST com alguém é sempre mais divertido do que ir só; Eu não gosto de ir a festas como esta sozinho. Fontes de informação utilizadas pelos turistas Para responder às contingências internas e externas relativas ao planejamento de viagens, os turistas têm à sua disposição múltiplas fontes de informações. No movimento de busca, ocorre a ativação incentivada de conhecimento armazenado na memória, denominada procura interna, ou a aquisição de informação do ambiente, denominada procura externa (Engel, Blackwell, & Miniard, 2000; Fodness & Murray, 1998). Gürsoy e McCleary (2004) consideram o custo das procuras interna e externa como determinantes do comportamento do consumidor, sendo o tempo e custo de ligações investido considerado o custo externo mais importante. Já o custo de procura de informação interna é determinado pelo esforço cognitivo requerido (Fodness & Murray, 1997). Há forte relação entre envolvimento e comportamento de procura, o que leva os indivíduos diretamente envolvidos a buscar mais informação e avaliar melhor as alternativas antes de tomar a decisão de compra (Havitz & Dimanche, 1999; Kim, Scott, & Crompton, 1997). Para Snepenger e Snepenger (1993) são quatro as fontes externas mais usadas pelo turista para planejar as suas viagens: família e amigos; literatura específica sobre o destino; mídia; e, consultores de viagem. Já Seabra, Lages e Abrantes (2004) apontam cinco fontes: mídia, panfletos institucionais, panfletos comerciais, agentes de viagens e, internet. Fodness e Murray (1999) também enumeram como fontes: revistas e jornais, guias de viagens, panfletos, experiência pessoal, e agências de viagens. Bieger e Laesser (2004) consideram como uma fonte externa contínua, a estratégia de procura de informação com amigos ou parentes, cuja contribuição é decisiva para definir o destino da viagem, mesmo depois da escolha feita. Govers, Go e Kumar (2007) apontam a relevância das fontes primárias de informação, que pode ser a própria experiência de viagens do indivíduo ou de outros para muitos mais segura (McCartney, Butler, & Bennett, 2008). Para Voisin (2004) as fontes de informação podem abranger desde os mais simples e descartáveis folhetos, distribuídos por órgãos públicos ou privados, até produções cinematográficas, crônicas históricas e textos de ficção. O esforço de procura tende a ser mais intenso no caso de indivíduos que buscam novidade e variedade. Os turistas preferem fontes pessoais de informação, especialmente quando desejam adquirir um serviço complexo, como 4

5 uma excursão de turismo. Os agentes de viagem assumem essa tarefa e, como intermediários mais próximos, estão na melhor posição para construir relações com os clientes (Kerstetter & Cho, 2004). As fontes de informação consultadas variam de acordo com as características do destino, com o tipo de viagem e com o perfil do turista e, também se relacionam, conforme Fodness e Murray (1999), com o propósito da viagem e o meio de transporte utilizado. A situação socioeconômica é apontada por estes autores como outra variável relevante. Para viajantes com rendas mais baixas, as estratégias tendem a enfatizar procedimentos prévios de compra em vez de utilizar fontes contínuas, do mesmo modo, tendem a substituir fontes externas decisivas e numerosas por fontes internas. Viajantes com nível socioeconômico mais alto tendem a refletir mais sobre as alternativas de viagem e a combinar informações de fontes internas e externas. O crescente uso da internet e a importância do conteúdo do site do destino escolhido são destacados por McCartney et al. (2008), especialmente porque influenciam a percepção da imagem do lugar, criando uma experiência virtual para o turista. Cooper, Fletcher e Wanhill (2007) apontam os meios de comunicação de massa como fonte, por veicularem mensagens que enfatizam benefícios imediatos que os turistas poderão alcançar divulgando um serviço ou um lugar específico. Bieger e Laesser (2004) consideram todo tipo de mídia informações expressas na forma de artigos de jornal, guias de viagens e livros. A internet é apontada como um canal híbrido, que tem dupla função: permite a ligação entre pessoas, de forma livre ou em relação a temas de interesse, ao mesmo tempo em que oferece acesso a documentos, como um serviço de informação ou uma biblioteca fariam. As informações podem ser encontradas nos modos formal e informal. As de caráter informal não são formalizadas em documentos oficiais e não tem estrutura, sendo transmitidas oralmente (conversas, seminários, fóruns de discussão) ou em tempo real por meio eletrônico (chats, correio eletrônico, listas de discussão). Elas são mais rápidas e exigem menos esforço. Já, as fontes formais são as que possuem um suporte físico ou eletrônico oficial e demandam uma maior atenção, tempo e desgaste intelectual (McCartney et al., 2008). Baseado em Bieger e Laesser (2004), que apresentam a lista mais completa sobre fontes de informação, a dimensão fontes de informação utilizadas pelos turistas (ver Procedimentos Metodológicos) foi dividida em dois construtos: Fontes formais: Folders da Oktoberfest; Propaganda da operadora de turismo; Agência de viagem; Noticias na rádio e TV; Site Oficial da Oktoberfest; Propaganda em revista e jornal; Guia / revista de viagem; Matérias de jornais e revistas; Feira de Turismo; Propaganda de radio e televisão; Propaganda de televisão; e, Outdoor. Fontes Informais: Folders da região; Recepção do hotel; Internet: redes sociais, blogs, sites turismo; e, Amigos / Parentes. Qualidade Percebida no Serviço Parasuraman, Zeithmal e Berry (1988) colocam a qualidade percebida pelo turista como um diferencial relevante e um poderoso instrumento de competitividade de determinado destino turístico, como também Boulding, Staelin, Kalra e Zeithaml (1993) e Zeithmal, Berry e Parasuraman (1996), para quem a percepção de alta qualidade afeta positivamente o comportamento do turista e suas intenções futuras. Baker e Crompton (2000) distinguem a qualidade da oportunidade ou do desempenho e a satisfação ou qualidade da experiência do turista. A primeira está relacionada aos atributos de uma oferta, que são controlados principalmente pelo fornecedor. A segunda envolve um estado psicológico derivado da interação com o destino. Assim, a alta qualidade verificada em itens como instalação, programação e serviços é suscetível de resultar em um maior nível de satisfação do turista. 5

6 No entanto, medir a qualidade do serviço a partir da satisfação do cliente é um desafio. Seja pelos muitos fatores intangíveis (Fitzsimmons & Fitzsimmons, 2000) ou a apreciação emocional como parte da estrutura de satisfação (Oliver, 1997) ou, ainda mesmo, como avaliação cognitiva (Bosque & Martin, 2008). Ao considerar que o prazer e a satisfação dos turistas de determinado evento são construídos por interações complexas, que se travam entre consumidor, programa, configuração, gestão, sistemas, pessoal/voluntários e outros turistas, Getz (2008) reforça sua natureza complexa. Baker e Crompton (2000) asseguram que há um vigoroso debate sobre os construtos qualidade do desempenho e satisfação também identificados por Zeithaml e Bitner (2003) como as principais avaliações da experiência de consumo e a natureza de suas interrelações. Daí a importância, enfatizada por Woodruff e Gardial (1996), de mensurar aspectos da interação do cliente em conjunto com produtos e serviços. Douglas e Connor (2003) considerando o desenvolvimento e, posterior aprimoramento da escala Servqual, mostram que a qualidade percebida do serviço é avaliada pelo consumidor, especialmente quando ele compara as suas expectativas com a percepção que teve do desempenho do serviço. Parasuraman et al. (1991) identificaram cinco dimensões genéricas da qualidade percebida de serviços, que precisam estar presentes durante a prestação de serviço, de forma a originar a satisfação dos clientes: 1) tangibilidade a aparência física do local, equipamentos, pessoal e material de comunicação; 2) confiabilidade a capacidade de fornecer o serviço prometido de forma transparente e precisa; 3) atendimento disposição de atender os clientes e de prestar serviço rápido; 4) segurança o conhecimento e a cortesia dos empregados e sua habilidade de transmitir confiança; 5) empatia consideração e atenção individualizada no atendimento aos clientes. Dimensões do modelo Servqual foram consideradas em turismo de eventos por O'Neill, Getz e Carlsen (1999) quando investigaram o Coca-Cola World Masters Surfing 1998, em Margaret River, na Austrália Ocidental. Ralston e Crompton (1988) analisaram a Dickens-onthe-Strand Festival de Galveston, realizado no Texas, EUA. Yoon e Uysal (2005) fizeram um estudo em Chipre do Norte, na região Mediterrânea. Outros estudos com o mesmo modelo foram realizados por Cassidy (2006), Crompton (1979), Dan (1977) e Uysal e Jurowski (1994), buscando relações entre satisfação e fidelização do destino. Com base na escala Servqual, a dimensão qualidade percebida no serviço foi composta por seus 5 construtos: tangibilidade (4 itens), confiabilidade (3 itens), atendimento (3 itens), segurança (3 itens), empatia (3 itens). Reunidos no modelo com o termo geral de Qualidade Percebida do Serviço (QPS) que opera de forma conjunta como um único construto neste estudo. As escalas são como segue: Tangibilidade: Opções de refeições e lanches, Opções de cervejas, Shows e atrações musicais e Organização e limpeza. Confiabilidade: Tempo de espera para atendimento em choperias, restaurantes e bilheteria, Perfil dos frequentadores da festa, Confiança na qualidade e procedência dos alimentos comercializados. Atendimento: Disposição e cordialidade das pessoas que trabalham na festa para orientar e esclarecer dúvidas dos visitantes, Preocupação em resolver de forma rápida e eficiente as solicitações dos visitantes, Estrutura de apoio aos visitantes, como Casa da Criança, Oktober Segura, Posto Médico e Achados e Perdidos. Segurança: Segurança da festa, Venda de ingressos e tickets de consumo, Estacionamentos. Empatia: Apresentação pessoal dos atendentes nos restaurantes, bares e lojas (uniformes, crachás, etc), Cordialidade dos atendentes de restaurantes, bares e lojas, Atendimento dispensado pelos atendentes dos restaurantes, lojas e choperias. 6

7 Procedimentos metodológicos Foi aplicado um survey com uma abordagem por conveniência não probabilística, com uma amostra de respondentes de ambos os sexos, com idade igual ou superior a dezesseis anos, que residiam em locais distantes 100 km ou mais da cidade sede do festival. Os respondentes foram selecionados de forma não intencional. Em Munique realizou-se 285 entrevistas, em Blumenau foram 432 entrevistas válidas. A pesquisa foi realizada nas edições de 2011 em ambas as cidades. A pesquisa tomou como base três dimensões (com 11 construtos) previamente testadas em estudos anteriores, adaptados à realidade brasileira e já apresentados na literatura. A validação teórica ou de face (Pasquali, 2003) do instrumento foi realizada por uma equipe de três juízes com destacada atuação no setor. Eles avaliaram a tradução para o português feita pelo núcleo de idiomas da Universidade Regional de Blumenau (FURB) e para o alemão, por um tradutor juramentado do consulado da Alemanha em Blumenau. O instrumento foi ainda refinado a partir das entrevistas em profundidade com Cristina Miranda e Gabriele Papke, do Parque Vila Germânica, responsáveis pela coordenação mercadológica do evento. As citações nominais foram autorizadas. A segunda etapa de validação do instrumento foi realizada por um pré-teste na Oktoberfest de Blumenau em Foram necessárias algumas adaptações para a realidade da Oktoberfest agrupando assuntos homogêneos que correspondessem à realidade estudada, possibilitando a fusão de algumas variáveis. Importante mencionar que, durante a aplicação do pré-teste, observou-se a dificuldade de preenchimento, devido à extensão do instrumento, exigindo maior esforço dos pesquisadores. Essa questão foi resolvida com um treinamento mais intensivo. A abordagem, por sua vez, foi feita em momentos específicos do festival que se revelaram mais frutíferos, por exemplo, antes das refeições ou entre uma atividade e outra. Para a coleta de dados, foram designados cinco entrevistadores sob a supervisão de um dos autores, com prévia experiência em pesquisa quantitativa indicados pelo Instituto de Pesquisas Sociais da FURB. Deste grupo, 3 realizaram a coleta de dados em Munique e quatro realizaram as entrevistas em Blumenau. Antes do início da entrevista, foi realizada uma pergunta-filtro sobre a procedência do frequentador e a sua idade (estava apta para participar da pesquisa pessoa com idade de dezesseis anos ou mais). Os entrevistadores receberam treinamento específico para a abordagem e para o devido acompanhamento e elucidação de possíveis dúvidas durante o preenchimento do questionário. O treinamento dos entrevistadores ocorreu na semana que antecedeu cada uma das pesquisas (Munique e Blumenau). A coleta dos dados de campo aconteceu entre os dias 17 de 23 de setembro em Munique e 6 e 23 de outubro em Blumenau, de Para a análise de dados, foi realizada a integração de ambas as amostras agregando as três dimensões. Por esta razão optou-se por realizar uma Análise Fatorial Confirmatória (AFC), usando-se o software SMARTPLS. O uso desse software deu-se pelo fato das variáveis da escala não serem aderentes à distribuição normal multivariada e assim, o modelo de mensuração escolhido foi o PLS-PM (Partial Last Square Path Modeling) (Chin, 1995). O procedimento visou validar a nova escala com todos os dados das amostras brasileira e alemã, para em seguida permitir comparações entre elas. A junção das duas amostras para o procedimento de validação da nova escala é recomendado para que se tenha uma maior heterogeneidade dos dados (Devellis, 2003). Análise dos Dados: Como resultado da validação estatística da escala pelo método de AFC obteve-se os resultados considerados adequados para o ajuste do modelo (Henseler, Ringle, & Sinkovics, 2009). A tabela 1 mostra os valores da AFC. 7

8 Tabela 1: Resultados dos testes de ajuste do modelo de Análise Fatorial Confirmatória PLS -PM Construtos AVE* Confiabilidade Alfa de Communalidade Composta Cronbach (h 2 ) CULTURA 0,512 0,839 0,762 0,512 EQUILIBRIO 0,619 0,866 0,796 0,619 NOVIDADE 0,525 0,885 0,848 0,525 SOCIAL 0,527 0,817 0,702 0,527 FORMAL 0,541 0,904 0,879 0,541 INFORMAL 0,763 0,865 0,689 0,763 QPS 0,541 0,921 0,904 0,541 Valores Refenciais ** >0,50 >0,70 >0,70 >0,50 Notas: **Para os valores referenciais dos testes vide Henseler et al (2009). *AVE é abreviação do termo Average Variance Extracted ou Variância Média Extraída Fonte: Elaborados pelos autores A análise da tabela 1 revela que os testes de ajustamento do modelo fatorial se mostraram adequados e que se pode afirmar no sentido expresso por Devellis (2003), é valida uma escala que mede o que se propõe medir. Ainda, para se avaliar a validade discriminante do modelo fatorial confirmado, calculou-se a raiz quadrada das AVEs e se comparou esses valores com as correlações de Pearson entre as Variáveis Latentes ou construtos. A tabela 2 mostra na diagonal principal os valores das raízes quadradas das AVEs (em cinza) e nas demais células as respectivas correlações. Observando-se a tabela 2, constata-se que os valores das raízes quadradas das AVEs são, em todos os casos, superiores às respectivas correlações indicando que há independência entre os constructos e assim, se garante a validade discriminante do modelo. Também, observaram-se as cargas fatoriais cruzadas, isto é, valores das cargas fatoriais que seriam verificadas se cada variável fosse colocada nos outros construtos que não aquele determinado pelo modelo. Por razões de espaço limitado, verificou-se que as variáveis que permaneceram no modelo apresentaram cargas mais elevadas nos seus respectivos construtos de origem, confirmando a validade discriminante do modelo. Para avaliação geral da qualidade do modelo calculou-se também, o GoF (Goodness of Fit) (Tenenhaus, Vinzi, Chatelin, & Lauro, 2005). Esse coeficiente é a média geométrica entre os valores médios das AVEs e dos Coeficientes de Determinação de Pearson. O valor obtido foi de 0,375, indicando que o ajuste geral do modelo é adequado, pois como mostra Wetzels, Odekerken-Schroder e Oppen (2009), valores acima de 0,36 em estudos das Ciências Sociais e do Comportamento indicam ajuste adequado. Por fim, as variáveis que foram excluídas do modelo ajustado foram: Cult1, Cult4, Cult8, F4, F5, F10, I3, I4, Novid2, SEG1, SEG2, SEG3, Social5, Social6, TANG1, TANG2 e TANG3. Tais variáveis apresentaram cargas fatoriais abaixo de 0,50 e mostram que não obtiveram uma boa aderência aos fatores. 8

9 Tabela 2: Valores das raízes quadradas das AVEs e das correlações entre os construtos do modelo fatorial ajustado. CULTURA EQUILIB. FORMAL INFORMAL NOVIDADE QPS SOCIAL CULTURA 0,715 EQUILIB. 0,330 0,787 FORMAL 0,036 0,088 0,725 INFORMAL 0,017 0,056 0,750 0,726 NOVIDADE 0,446 0,481 0,133 0,112 0,735 QPS 0,358 0,271 0,079 0,049 0,259 0,873 SOCIAL 0,437 0,436 0,045-0,011 0,439 0,314 0,873 Fonte: Elaborados pelos autores Uma vez validada a escala usada na pesquisa seguiu-se com a avaliação das possíveis diferenças entre as duas amostras, brasileira e alemã. Para tal, foram calculadas retas de regressão de Bartlett em cada fator com as variáveis que se mostram aderentes ao modelo ajustado, e para cada amostra. A partir das referidas retas de regressão foram calculados os valores dos valores de ordenadas ajustados (ŷ) das retas de regressão. Assim, cada sujeito respondente foi classificado em um cada fator do modelo. Como as amostras eram desiguais ou não balanceadas, fez-se um sorteio aleatório de casos da amostra brasileira em número igual à amostra alemã. Assim, se obteve duas amostras de 285 casos. Tal procedimento é necessário, pois amostras muito desiguais (diferenças maiores que 10 20%) podem apresentar resultados não confiáveis nos testes estatísticos (Willians, 1991). Para a escolha do teste de hipótese na comparação das duas amostras (países) segundo os fatores, fez-se o teste de Kolmogorov-Smirnov para a avaliação da aderência dos fatores à distribuição de Gauss. Ele apresentou valores da significância menores que 0,001 (p <0,001), indicando que os respectivos fatores não podem ser descritos com distribuições normais ou gaussianas. Assim, o teste escolhido foi o U de Mann-Whitney, que é o caso não paramétrico e alternativo ao teste t de Student (Siegel, & Castelan, 2006). O resultado mostrou que apenas o construto Informal da dimensão fontes de informação, apresenta-se com diferenças entre as duas amostras. A tabela 3 mostra o resultado do teste. Em todos os testes realizados se considerou o nível de significância de 5%. Tabela 3: Resultados do teste de Hipótes U de Mann-Whiteny para comparação dos construtos segundo as duas amostras de países. CULT NOVIDAD EQUILB SOCIAL FORMAL INFORM QPS Mann-Whitney U Wilcoxon W Z -0,608-0,566-0,250-0,143-1,394-4,569-1,488 p-valor 0,543 0,571 0,802 0,887 0,163 0,000 Fonte: Elaborados pelos autores 0,137 Uma vez confirmado que há diferenças significantes entre as amostras com respeito a variável Informal de fontes de informação, fez-se a leitura dos postos médios do teste U (SPSS, 2003). O resultado revela que os respondentes da Alemanha tendem a concordar mais com o fator (396,17) do que os respondentes do Brasil (334,48). Explorando mais detalhes entre as amostras, fizeram-se testes de hipóteses com respeito às variáveis do modelo. Novamente o teste de Kolmogorov-Smirnov se mostrou significante em 9

10 todas as variáveis (p < 0,001) e o teste U novamente foi escolhido. Também, mantiveram-se as amostras com tamanhos iguais pelo sorteio aleatório de 285 casos na amostra brasileira. Como resultados do teste U apenas as variáveis Novid3, Novid4, Novid6, Social3 e I3 mostram-se não significantes (p > 0,05) e em todas as outras os valores da significância se apresentaram abaixo de 5% (p < 0,05), indicando diferenças entre as amostras. Assim, verificadas as diferenças, passou-se a considerar os postos médios do teste U para avaliar as diferenças. A tabela 4 mostra os valores dos postos médios. Tabela 4: Valores dos Postos Médios do teste U com para comparação de tendências de concordância das amostras. Postos Médio Postos Médio Variável Brasil Alemanha Variável Brasil Alemanha Cult2 335,46 235,54 Social4 298,33 272,67 Cult3 341,81 229,19 F1 318,07 252,93 Cult5 328,10 242,90 F2 319,16 251,84 Cult6 336,02 234,98 F3 320,06 250,94 Cult7 323,63 247,37 F6 334,28 236,72 Novid1 319,10 251,90 F7 316,08 254,92 Novid5 314,42 256,58 F8 330,90 240,10 Novid7 312,19 258,81 F9 314,27 256,73 Novid8 300,63 270,37 F11 313,60 257,40 Equi1 321,83 249,17 I1 321,56 249,44 Equi2 346,55 224,45 I2 238,19 332,81 Equi3 319,36 251,64 I4 391,50 179,50 Equi4 317,12 253,88 EMP1 337,89 233,11 Social1 299,59 271,41 EMP2 351,09 219,91 Social2 300,48 270,52 EMP3 353,32 217,68 Social4 298,33 272,67 CONF1 333,65 237,35 F1 318,07 252,93 CONF2 342,87 228,13 F2 319,16 251,84 CONF3 330,23 240,77 F3 320,06 250,94 COMP1 357,51 213,49 F6 334,28 236,72 COMP2 342,39 228,61 F7 316,08 254,92 COMP3 340,69 230,31 F8 330,90 240,10 TANG4 327,42 243,58 Fonte: Elaborados pelos autores A leitura da tabela 4 permite observar que em todas as variáveis os respondentes brasileiros tendem a apresentar maiores concordâncias com as variáveis que apresentaram diferenças. Discussão dos resultados Na dimensão motivações para viajar a maioria das escalas foi confirmada mostrando a validade do instrumento que mediu o que pretendia medir. Do modelo final foram excluídas, 6 escalas do modelo ajustado, pois apresentaram cargas fatoriais abaixo de 0,50 e mostram que não contribuíram positivamente aos fatores propostos. Para proceder à comparação entre as edições foi necessária sua exclusão do modelo. No caso do construto Exploração Cultural, foram excluídas as escalas Cult1: Enquanto estou numa festa como a OKTOBERFEST eu participo de eventos culturais que normalmente eu não tenho a oportunidade de ir; Cult4: Eu gosto de visitar museus e ver atrativos históricos 10

11 enquanto estou numa festa como essa; e, Cult8: Eu vou a uma festa como a OKTOBERFEST para aumentar meu conhecimento da cultura local. Analisamos na literatura como Crompton (1979) e Uysal e Jurowski (1994) perceberam que as viagens ocorrem por forças internas, ligadas às motivações, estilo de vida e condições econômicas entre as principais e, externas, mais ligadas aos atributos do destino de uma forma geral. Estes dois lados da moeda motivacional (Cassidy, 2006), apesar de sua natureza distinta são profundamente inter-relacionados (Kim et al., 2003). No que se refere às escalas Cult1 e Cult8, o próprio evento pode estar satisfazendo a carência que se busca preencher, assim pode ter ocorrido o entendimento de que não há necessidade de outro evento cultural que não o próprio. No que se refere à escala Cult4, entende-se que para a amostra não faz parte do clima da festa este tipo de atividade. No que se refere a escala Novid2: Eu não planejo minha ida a uma festa como essa em detalhes porque isso tira alguns elementos inesperados, o resultado parece indicar que a escala não mede a busca de novidade com o planejamento da viagem. Elementos inesperados podem não ser benvindos para os turistas, mesmo aqueles em busca de novidade. As questões ligadas ao construto de socialização parecem indicar um paradoxo. Foram as escalas Social5: Ir a festas como a OKTOBERFEST com alguém é sempre mais divertido do que ir só e Social6: Eu não gosto de ir a festas como esta sozinho. Elas mostraram a rejeição das opções em grupo e sozinho, o que mostra não ser este um fator decisivo para a visita. Para o caso da dimensão fontes de informação, formada por 2 construtos, formal e informal, foram excluídas 5 escalas. No construto formal, F4: Noticias na rádio e TV e F5: Site Oficial da Oktoberfest que se julgava teriam bom índice de respostas, não se confirmou. Assim como, a F10: Propaganda de radio e televisão também foi rejeita como fonte de informação. Não há precedente na literatura analisada para esse, o que levou a considerar que os canais de comunicação usados pelas operadoras de turismo e demais meios de divulgação como folders em hotéis têm uma força maior do que imaginada junto a este público. Fato é que as fontes de informação consultadas variam de acordo com uma matriz de 3 variáveis segundo os experientes Fodness e Murray (1999): as características do destino, tipo e objetivo da viagem e perfil do turista. Isto leva a considerar uma análise mais individual de cada caso para esta dimensão, pois, por exemplo, a característica do destino, no caso da Oktoberfest indica um festival conhecido, tradicional na Alemanha há mais de 200 anos e uma dos mais conhecidos no Brasil, pelo tipo de cultura homenageada, pouco conhecida fora da região sul do país. Esperava-se, também melhor resultado para as escalas do construto informal I3:Internet: redes sociais, blogs, sites turismo; e, I4: Amigos / Parentes. Assim não se confirmaram as propostas de Bieger e Laesser (2004) que consideram amigos ou parentes decisivos para definir o destino da viagem, mas tudo indica que pode ser válida a própria experiência de viagens do indivíduo como postulam McCartney et al. (2008). Tomando os resultados desta dimensão, parece que os agentes de viagem estão na melhor posição para construir relações com os clientes (McCartney et al., 2008). Apesar da dimensão Qualidade Percebida do Serviço (QPS) ter sido considerada com um construto, destaca-se que houve rejeição das escalas TANG1: Opções de refeições e lanches; TANG2: Opções de cervejas; e, TANG3: Shows e atrações musicais. O construto Segurança foi rejeitado como um todo já que suas 3 escalas não atingiram carga fatorial suficiente. Este é a dimensão que mais interesse aos organizadores e, sem dúvida caracterizase por se tornar a melhor contribuição do estudo para o campo gerencial. Considerações Finais Esta pesquisa procurou preencher uma lacuna nos estudos em eventos turísticos, analisando as dimensões mais estudadas, motivação para viajar, fontes de informação 11

12 utilizadas e qualidade percebida do serviço. Estudos anteriores, apenas se dedicaram a explorar as relações binárias entre elas. O contexto escolhido foi a Oktoberfest em suas edições de Blumenau (SC, Brasil) e Munique (Baviera, Alemanha). O principal resultado do estudo foi mostrar a validade do instrumento de pesquisa. A seleção dos construtos e escalas feita por meio da revisão da literatura e a adaptação para a realidade brasileira e alemã mostraram-se exitosas. Pode-se dizer que, doravante conta-se com um instrumento eficiente para se estudar o turismo de eventos e festivais que foi testado em condições culturais e econômicas, para dizer o mínimo, diferentes. O que unia os dois eventos era a tradição cultural alemã, homenageada pelos visitantes. A melhor indicação que se pode extrair desse resultado é que parece existir um padrão de comportamento dos turistas de eventos e festivais que merece atenção. Os resultados, também mostram as escalas validadas com indicadores aceitáveis e os testes bivariados indicaram uma tendência maior de concordância da amostra alemã com o construto Informal da dimensão fontes de informação e da amostra brasileira com todas as escalas. A dimensão motivações para viajar, a maior do estudo, mostrou-se o desencadeador do processo de decisão dos potenciais visitantes, como argumentaram Crompton e McKay (1997). Assim torna-se imperativo identificar as necessidades que sustentam estas motivações para que se possa estabelecer uma eficiente comunicação com este público. A compreensão deste processo de decisão indica que é possível desenvolver programas de comunicação que atraiam mais turistas. Crompton (1979) e Uysal e Jurowski (1994) postularam que as viagens ocorrem por uma relação binária entre motivações e atributos do destino. Isto parece ter ficado evidente, já que muitas motivações para viajar não encontraram reciprocidade na qualidade percebida do serviço. A dimensão fontes de informação foi a que trouxe mais surpresas, já que os resultados mostraram fontes formais tradicionais (p.ex. rádio, TV) superadas por agências de viagem e folders e material de divulgação em hotéis. Assim não se confirma parcialmente algumas das conclusões propostas por Fodness e Murray (1999) que foram na direção oposta. Também, não foram confirmaram as propostas de Bieger e Laesser (2004) para a importância de amigos ou parentes decisivos para definir o destino da viagem, mas tudo indica que pode ser válida a própria experiência de viagens anteriores pelos turistas, como pregado por McCartney et al. (2008). No construto (para este estudo) Qualidade Percebida do Serviço houve rejeição de escalas que mediam opções de refeições e lanches, cervejas e shows e atrações musicais. As 3 escalas de segurança não atingiram carga fatorial suficiente. Este é a dimensão que mais interesse aos organizadores e, sem dúvida caracteriza-se por se tornar a melhor contribuição do estudo para o campo gerencial. A maior limitação do estudo foi sua amostra, de natureza não probabilística por conveniência que impede a universalização dos resultados. Contudo, as descobertas realizadas permitiram abrir importantes vetores de investigação para a pesquisa na área. As implicações gerenciais são substantivas ao apontar a imbricação entre as três dimensões em uma cadeia de causa e efeito que indica a necessidade de nela se atuar de forma integrada seja na divulgação do destino turístico quanto na facilitação da pesquisa nas fontes de informação. Estas, baseadas na multiplicidade de canais, possuem um papel decisivo na decisão de viajar. As implicações para os estudos acadêmicos estão relacionadas à importância de se investigar mais a fundo os eventos e festivais tão abundantes no Brasil criando um estoque de informações que, certamente inspirará pesquisadores em avançar o conhecimento sobre este campo promissor. 12

13 Referências Baker, D. A., & Crompton, J. L. (2000). Quality, satisfaction and behavioural intentions. Annals of Tourism Research, 27(3), Bieger, T., & Laesser, C. (2004). Information sources for travel decisions: toward a source process model. Journal of Travel Research, 42(4), Bosque, I. R., & Martin, S. H. (2008). Tourist satisfaction: a cognitive-affective model. Annals of Tourism Research, 35(2), Boulding, W., Staelin, R., Kalra, A., & Zeithaml, V. (1993). A dynamic process model of service quality: from expectations to behavioral intentions. Journal of Marketing Research, 30(1), Cassidy, F. (2006). What motivates event tourists?. Proceedings of the International Conference on Business and Information (BAI 2006), Singapore. Chin, W. W. (1995). Partial least squares is to LISREL as principal components analysis is to common factor analysis. Technology Studies, 2, Cooper, C., Fletcher, J., & Wanhill, S. (2007). Turismo: princípios e práticas (3a ed.). Porto Alegre: Bookmann. Crompton, J. L. (1979). Motivations for pleasure vacations. Annals of Tourism Research, 6(4), Crompton, J. L., & Mckay, S. L. (1997). Motives of visitors attending festival events. Annals of Tourism Research, 24(2), Dann, G. (1977). Anomie, ego-enhancement and tourism. Annals of Tourism Research, 4(4), Devellis, R. F. (2003). Scale development: theory and applications. Thousand Oaks: Sage Publications. Douglas, L., & Connor, R. (2003). Attitudes to service quality: the expectation gap. Nutrition & Food Science, 33(4), Engel, J. F., Blackwell, R. D., & Miniard, P. W. (2000). Comportamento do consumidor (8a ed.). Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Fakeye, P. C., & Crompton, J. L. (1991). Image differences between prospective, first-time and repeat visitors to the Lower Rio Grand Valley. Journal of Travel Research, 30(2), Felsenstein, D., & Fleischer, A. (2003). Local festivals and tourism promotion: the role of public assistance and visitor expenditure. Journal of Travel Research, 41(4), Fitzsimmons, J. A., & Fitzsimmons, M. J. (2000). Administração de serviços: operações, estratégicas e tecnologia de informação. Porto Alegre: Bookman. Fodness, D., & Murray, B. (1999). A model of tourist information search behavior. Journal of Travel Research, 37(3), Fodness, D., & Murray, B. (1998). A typology of tourist information search strategies. Journal of Travel Research, 37(2), Fodness, D., & Murray, B. (1997). Tourist information search. Annals of Tourism Research, 24(3),

14 Getz, D. (2008). Event tourism: definition, evolution, and research. Tourism Management, 29, Govers, R., Go, F. M., & Kumar, K. (2007). Virtual destination image: a new measurement approach. Annals of Tourism Research, 34(4), Gürsoy, D., & Mccleary, K. W. (2004). An integrative model of tourists information search behavior. Annals of Tourism Research, 31(2), Havitz, M. E., & Dimanche, F. (1999). Leisure involvement revisited: drive properties and paradoxes. Journal of Leisure Research, 31(2), Henseler, J., Ringle, C. M., & Sinkovics, R. R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in International Marketing, 20(1), Iso-Ahola, S. E. (1982). Towards a social psychological theory of tourism motivation: a rejoinder. Annals of Tourism Research, 9(2), Iso-Ahola, S. E., & Allen, J. (1982). The dynamics of leisure motivation: the effects of outcome on leisure needs. Research Quarterly for Exercise and Sport, 53(2), Kerstetter, D., & Cho, M-H. (2004). Prior knowledge, credibility and information search. Annals of Tourism Research, 31(4), Kim, S. S., Lee, C. K., & Klenosky, D. B. (2003). The influence of push and pull factor of Korean national parks. Tourism Management, 2(24), Kim, S. S., Scott, D., & Crompton, J. L. (1997). An exploration of the relationships among social psychological involvement, behavioral involvement, commitment and future intensions in the context of bird watching. Journal of Leisure Research, 29, Mansfeld, Y. (1992). From motivation to actual travel. Annals of Tourism Research, 19(3), McCartney, G., Butler, R., & Bennett, M. (2008). A strategic use of the communication mix in the destination image-formation process. Journal of Travel Research, 47(2), McDonnell, I., Allen, J., & O'Toole, W. (1999). Festival and special event management. Brisbane: John Wiley & Sons. McKercher, B., Mei, W., & Tse, T. (2006). Are short duration festivals tourist attractions? Journal of Sustainable Tourism, 14(1), Oliver, R. L. (1997). Satisfaction: a behavioral perspective on the consumer. New York: McGraw-Hill Education. O'Neill, M., Getz, D., & Carlsen, J. (1999). Evaluation of service quality at events: the 1998 Coca-Cola Masters Surfing event at Margaret River, Western Australia. Managing Service Quality, 9(3), Parasuraman, A., Berry, L. L., & Zeithaml, V. A. (1991). Refinement and reassessment of the SERVQUAL Scale. Journal of Retailing, 67(4), Parasuraman, A., Zeithaml, V. A., & Berry, L. L. (1998). SERVQUAL: a multiple-item scale for measuring consumer perceptions of service quality. Journal of Retailing, 64(1), Pasquali, L. (2003). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis: Vozes. Pearce, P. L. (1982). The social psychology of tourist behavior. Oxford: Pergamon Press. 14

15 Pereira, B. M. (2003). Carnaval e turismo: pós-modernidade na avenida. In S. Gastal, & A. C. Castrogiovanni (Orgs.), Turismo na pós-modernidade: (des)inquietações (pp ). Porto Alegre: Edipucrs. Prentice, R., & Andersen, V. Festival as a creative destination. Annals of Tourism Research, 30(1), Quinn, B. (2009). Festivals, events, and tourism. In T. Jamal, & M. Robinson (Eds.). The SAGE handbook of tourism studies (pp ). London: Sage. Ralston, L., & Crompton, J. (1988). Motivation, service quality and economic impact of visitors to the 1987 (Galveston Historical Foundation, Report n.3). Galveston: Texas A & M University. Scott, D. (1996). A comparison of visitors' motivations to attend three urban festivals. Festival Management & Event Tourism, 3(3), Seabra, C., Lages, L. F., & Abrantes, J. L. (2004). The infosource scale: a measure to assess the importance of external tourism information sources (FEUNL Working Paper Series, n. 440). Lisboa: Faculdade de Economia/Universidade Nova de Lisboa. Siegel, S., & Castelan Jr., N. J. (2006). Estatística não-paramétrica: para as ciências do comportamento (2a ed.). Porto Alegre: Artmed. Snepenger, D., & Snepenger, M. (1993). Information search by pleasure travelers. In M. A. Kahn, M. D. Olsen, & T. Var (Eds.), VNR s encyclopedia of hospitality and tourism (pp ). New York: Van Nostrand Reinhold. Tenenhaus, M., Vinzi, V. E., Chatelin, Y., & Lauro, C. (2005). PLS path modeling. Computational Statistics & Data Analysis, 48(1), Uysal, M., & Hagan, L. (1993). Motivations of pleasure travel and tourism. In M. A. Kahn, M. D. Olsen, & T. Var (Eds.), VNR s encyclopedia of hospitality and tourism (pp ). New York: Van Nostrand Reinhold. Uysal, M., & Jurowski, C. (1994). Testing the push and pull factors. Annals of Travel Research, 21(4), Voisin, J. K. (2004). Comunicação turística, memória, identidade: uma proposta de abordagem e dois casos (Ilhéus-Bahia e La Rochelle-França). Espaço Acadêmico, 37, 0-0. Wetzels, M., Odekerken-Schroder, G., & Oppen, C. (2009). Using PLS path modeling for assessing hierarchical construct models: guidelines and empirical illustration, MIS Quarterly, 33(1), Williams, F. (1991). Reasoning with statistics: how to read quantitative research. Orlando: Harcourt Brace J. College Publishers. Witt, C. A., & Wright, P. (1992). Tourist motivation: life after Maslow. In P. Johnson, & B. Thomas (Eds.), Choice and demand in tourism (pp ). London: Mansell. Woodruff, R. B., & Gardial, S. F. (1996). Know your customer: new approaches to understanding customer value and satisfaction. Cambridge, Massachusetts: Blackwell Publishers. Yoon, Y., & Uysal, M. (2005). An examination of the effects of motivation and satisfaction on destination loyalty: a structural model. Tourism Management, 26(1),

16 Zeithaml, V. A., Berry, L. L., & Parasuraman, A. (1996). The behavioral consequences of service quality. Journal of Marketing, 60(2), Zeithaml, V. A., & Bitner, M. J. (2003). Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente (2a ed.). Porto Alegre: Bookman. 16

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil do Amaral Moretti, Sérgio Luiz; Durieux Zucco, Fabricia; da Silva, Dirceu : um estudo com turistas

Leia mais

XI Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo 24 a 26 de setembro de 2014 Universidade do Estado do Ceará - UECE

XI Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo 24 a 26 de setembro de 2014 Universidade do Estado do Ceará - UECE XI Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo 24 a 26 de setembro de 2014 Universidade do Estado do Ceará - UECE Qualidade percebida em serviços de festivais: uma comparação com

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2015 DISCIPLINA: Pesquisa Quantitativa com Análise de Dados PROFESSOR:

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Nova Scotia Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Ana Luiza Collares Xavier JULIA FERRAZ DUAYER Thalita Gaspar Telles Light Serviços de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO:

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil do Amaral Moretti, Sérgio Luiz; Durieux Zucco, Fabricia; Storopoli, José Eduardo : resultados

Leia mais

Questionário de Aferição de Estilos e Ritmos de Aprendizagem em Contexto Virtual. Parte I. Parte II

Questionário de Aferição de Estilos e Ritmos de Aprendizagem em Contexto Virtual. Parte I. Parte II Questionário de Aferição de Estilos e Ritmos de Aprendizagem em Contexto Virtual Instruções para Responder ao Questionário Este questionário tem como objectivo identificar o estilo e ritmo de aprendizagem

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Inglaterra Mini Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO 18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO Autor(es) MARÍLIA DE OLIVEIRA FOGAÇA Orientador(es) MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELO Apoio

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft HISTÓRIAREAL Rodrigo Pinto Microsoft Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada Com a enorme quantidade de informação, o funcionário perde o controle do que é prioritário para

Leia mais

AULA 2 Marketing de Serviços

AULA 2 Marketing de Serviços AULA 2 Marketing de Serviços Categorias de serviços Uma das formas de se classificar serviços é baseada na natureza dos processos pelos quais os serviços são criados e entregues. Um processo é um método

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES

DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES AINDA PRECISAMOS FALAR DA EXPERIÊNCIA MULTICANAL, POIS É COMPLEXA

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CEPE/UNICENTRO, DE 3 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Estratégica e da Inovação, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul. Análise interna Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.br Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Fernando

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais