Prospecto de Distribuição Pública de Quotas do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prospecto de Distribuição Pública de Quotas do"

Transcrição

1 CJ ( -J r\ '---_I r\,,-j () C (' í'. '- í', r, '~".,'?::' Prspect de Distribuiçã Pública de Qutas d... FUND DE INVESTIMENT... IMBILIARI EDIFICI ALMIRANTE BARRS Administraçã Banc urinvest S.A. CNPJIMF n' 78,632,767/ Distribuiçã pública de 04,800 Qutas d Fund de Investiment Imbiliári Edifici Almirante Barrs ( "Fund"), ttalizand: R$ ,00 A Caixa Ecnômica Federal ("Crdenadra" u "CAIXA") fi cntratada para realizar a distribuiçã pública ("ferta") de qutas d Fund ("Qutas"), n mercad de balcã nã rganizad, pr mei de suas agências lcalizadas em td territóri nacinal. As Qutas serã registradas para negciaçã junt à Sciedade peradra d Mercad de Ativs - SMA TIVS, A ferta fi aprvada e registrada na Cmissã de Valres Mbiliáris ("CVM") sb n,' [), em [). HA Crdenadra desenvlveu esfrçs n sentid de verificar a suficiência e a qualidade das infrmações cnstantes deste Prspect, cm base n que julga necessári para uma adequada tmada de decisã pr parte de investidres, nã implicand em qualquer julgament da situaçã e d desempenh d Fund e/u das Qutas bjet da distribuiçã." Ver Seçã "Fatres de Risc" para avaliaçã ds riscs que devem ser cnsiderads para investiment nas Qutas, ~' registr da presente distribuiçã nã implica, pr parte da CVM, na garantia da veracidade das infrmações prestadas u em julgament sbre a qualidade d Fund." Crdenadra Líder da Distribuiçã CAIXA CAIXA ECNÔMICA FEDERAL CNPJfMF n / A data deste Prspect é 4, II,2002,

2 "j. J ÍNDICE. DEFINIÇÕES 05 " -! 2. FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI Í\,. que é um Fund de Investiment Imbiliári?... "... "... "... " s Funds de Investiment Imbiliári n Brasil e n Mund FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI EDIFÍCI ALMIRANTE BARRS Apresentaçã d Administradr...,... 3 Públic Alv... 5 Cnstituiçã e Frmaçã d Patrimôni... 5 bjetiv de Investiment... 6 Administraçã... 7 Registr de Qutas... 7 Direit de Vt... 7 Negciaçã... 7 Custódia Exclusiva de Qutas... 7 () Rendiments... 8 Prrrgaçã de Prazs... 9 Publicidade... 9 Plítica de Divulgaçã de Infrmações Relativas a Fund... 9 Taxas e Encargs d Fund... 2 Regras de Tributaçã d Fund TERMS E CNDIÇÕES DA FERTA PÚBLICA DE QUTAS IMÓVEL BJET D FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI EDIFÍCI ALMIRANTE BARRS Edifici Almirante Barrs - Características d ImóveL Cmprmiss de Venda e Cmpra d Imóvel Cndições de Lcaçã d Edifici Almirante Barrs r-., 2

3 6. A LCATÁRIA - CAIXA ECNÔMICA FEDERAL Históric da CAIXA..., Principais Atividades da CAIXA...,, 4 Administraçã Cntrle Acinári Infrmações Financeiras Selecinadas FATRES DE RISC Riscs Macrecnômics Riscs Relativs a Fund de Investiment Imbiliári e a Empreendiment Riscs Relativs a Imóvel e a Mercad Imbiliári Infnnações cntidas neste Prspect ANEXS 59 Deliberaçã da Instituiçã Administradra e Regulament.... Laud de Avaliaçã d Imóvel Estud de Viabilidade Ecnômica.... Declaraçã da SMATIVS Guia de Reclhiment da Taxa de Fiscalizaçã Cntrat de Distribuiçã... Mdel d Bletim de Subscriçã... Matrículas d Imóvel e ficis Judiciais... 3

4 () í \.j (\ (). DEFINIÇÕES (\ (\ 4 í '. -- in

5 DEFINIÇÕES Para fins d presente Prspect, as defmições listadas nesta seçã, salv se utr significad lhes fr expressamente atribuíd, têm seguinte significad: Administradr... Banc urinvest S.A., instituiçã respnsável pela administraçã d Fund Avaliadr.... Martini Engenharia Cnsultiva Ltda., empresa especializada em avaliaçã de imóveis, cm sede na Rua Tavares Basts, n. 702, Pmpéia, Sã Paul - Sã Paul, inscrita n CNPJIMF sb n /000-03, que fi respnsável pela elabraçã d Laud de Avaliaçã d Imóvel e d Estud de Viabilidade Ecnômica d Fund. BACEN... Banc Central d Brasil Bvespa... Blsa de Valres de Sã Paul CAIXA... Caixa Ecnômica Federal CBLC... Cmpanhia Brasileira de Liquidaçã e Custódia CMN... Cnselh Mnetári Nacinal Cntrat de Lcaçã... Cntrat de Lcaçã d Imóvel que entre si fazem a CAIXA e Administradr Cmprmiss de Venda e Cmpra... Instrument Particular de Prmessa de Venda e Cmpra d Imóvel celebrad entre a CAIXA e Administradr Crdenadr..... Crdenadra da ferta, a CAIXA, líder da distribuiçã CVM... Cmissã de Valres Mbiliáris Edifici... Edifici Almirante Barrs, lcalizad na Avenida Ri Branc, n. 74, Ri de Janeir - RI, bjet de investiment d Fund FAR... Fund de Arrendament Residencial F AS... Fund de Api a Desenvlviment Scial FCVS... Fund de Cmpensaçã de Variações Salariais FDS... Fund de Desenvlviment Scial FGTS... Fund de Garantia d Temp de Serviç FI! u "Fund Imbiliári"... Fund de Investiment Imbiliári 5

6 Fund... Fund de Investiment Imbiliári Edifíci Almirante Barrs (' (' C c Imóvel... Imóvel nde está instalad Edifíci Almirante Barrs, na Avenida Ri Branc, na cidade d Ri de Janeir, u s dze imóveis ns quais se divide Edifíci Almirante Barrs, u Edifíci Laud de Avaliaçã... Laud de Avaliaçã d Imóvel elabrad pel Avaliadr ferta... Distribuiçã Pública das Qutas d Fund de Investiment Imbiliári Edifíci Almirante Barrs PIS..."... Prgrama de Integraçã Scial Qutas... Qutas d Fund de Investiment Imbiliári Edifíci Almirante Barrs Qutistas... Titulares das Qutas REITs... Real Estate Investrnent Trusts - estruturas de investiment nrteamericanas similares as funds de investiment imbiliári SFN... Sistema Financeir Nacinal SMA TlVS... Sciedade peradra d Mercad de Ativs, vinculada à Bvespa/CBLC e administradra de mercad de balcã rganizad c C ("\ " 6 ("

7 (\ (\ (\ (') (\ (\ (\ () 2. FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI que é um Fund de Investiment hnbiliári?.... s Funds de Investiment Imbiliári n Brasil e n Mund..... n 7 i

8 QUE É UM FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI0 s agentes d setr imbiliári, pr cnta d alt valr agregad ds bens imóveis e da existência de pucs investidres cm recurss suficientes para investir diretamente em imóveis, sempre prcuraram estruturar fnnas de fmanciament capazes de atrair recurss em mntantes suficientes para pssibilitar desenvlviment de nvs empreendiments, precupand-se também em tmá-ls acessíveis as pequens investidres. Fi nesse cntext que estruturas similares as funds de investiment imbiliári prevists na regulamentaçã brasileira fram criadas ns Estads Unids em 960, sb a denminaçã de Real Estate lnvestment Trusts - REITs. bjetiv da criaçã de tal veícul de investiment era pssibilitar acess as pequens e médis investidres interessads na aplicaçã em prpriedades imbiliárias. s REITs, à semelhança ds funds de investiment imbiliáris brasileirs, desde a sua criaçã, cntavam cm estímul de incentivs fiscais. Decrrids alguns ans, fi permitid as REITs nã só investir numa única prpriedade imbiliária, mas também perar e gerenciar carteiras de prpriedades imbiliárias que gerassem fluxs de caixa de lng praz. s FlIs n Brasil sã veículs de investiment cletiv cnstituíds sb a fnna de cndminis fechads, ns quais resgate de qutas nã é permitid. Esses funds sã frmads a partir da captaçã de recurss pr mei d sistema de distribuiçã de valres mbiliáris, ns tenns da Lei n /93, da Lei n. 9779/99, da Instruçã CVM n. 205/94 e regras psterires. s recurss de um FI! pdem ser aplicads n desenvlviment de empreendiments imbiliáris, na cnstruçã de imóveis, na aquisiçã de imóveis prnts, u n investiment em prjets que viabilizem acess à habitaçã e serviçs, para psterir alienaçã, lcaçã u arrendament. s FIls pdem ser administrads pr bancs múltipls cm carteira de investiment u crédit imbiliári, bancs de investiment, crretras, distribuidras, sciedades de crédit imbiliári, caixas ecnômicas e assciações de pupança e empréstim, desde que mantenham departament técnic habilitad a prestar serviçs de análise e acmpanhament de prjets imbiliáris u cntratem tais serviçs externamente. patrimôni de um FIl é fnnad pels bens e direits adquirids pel seu administradr, em caráter fiduciári, e nã se cnfunde, em hipótese alguma, cm patrimôni d administradr. s bens integrantes d patrimôni d FU, assim, nã integram ativ d administradr para efeits de liquidaçã judicial u extrajudicial, nã sã passíveis de execuçã pr credres d administradr nem tampuc pdem ser bjet de cnstituiçã de qualquer espécie de garantia. 8

9 (; r A instituiçã administradra d FII é respnsável pel cumpriment de tdas as brigações impstas as FIIs, inclusive brigações tributárias. s rendiments distribuíds as participantes de FlIs sã prvenientes da explraçã ecnômica ds empreendiments imbiliáris ns quais sã aplicads s seus recurss. s resultads auferids pel FII sã cntinuamente distribuíds as qutistas, remunerand capital pr eles investid. A atratividade e interesse n investiment em FlIs estã baseads, essencialmente: (i) na prtunidade de participar em um veícul de investiment que pde reunir vlumes significativs de recurss; e (ii) na utilizaçã ds prcediments de administraçã de imóveis e gestã de recurss financeirs, cnfiand desenvlviment de tais atividades a empresas e prfissinais especializads.. (' (:' ('\ r 0. s FU/lds de Investime/lt Imbiliári /0 Brasil e n Mund Mercad Brasileir mercad de FlIs n Brasil vem apresentand cresciment intens ns últims ans. N an de 200, fram realizadas 22 fertas públicas de qutas de nvs FUs, as quais ttalizaram mais de R$ 50 milhões em recurss captads. Cm demnstraçã d cresciment, smente até mês de agst de 2002 já fram realizadas 28 fertas públicas de qutas de nvs FUs, cuj mntante ultrapassa R$ 650 milhões. (Fnte: site da CVM, (' c C Í' Essa tendência verifica-se, principalmente, em razã da prcura pr alternativas as investiments e psições em mercads mais vláteis, cm de ações u de câmbi, aliada à perspectiva de segurança de investiments imbiliáris. Essas cndições atraem nvs investiments em FUs, uma vez que essa mdalidade de investiment, nrmalmente, exige aplicaçã mínima sensivelmente inferir que a aquisiçã de um imóvel. s investiments em FlIs vêm apresentand cntinu cresciment também pr permitirem acess d públic médi de investidres a grandes empreendiments imbiliáris, cm estruturas de flux de caixa nas quais s riscs pdem ser melhr cntrlads em cmparaçã cm investiment diret na aquisiçã de imóveis. Mercad American C r'- s funds imbiliáris nrte-americans, cnhecids cm REITs (Real Estate Investment Trusts) fram criads na década de 60 e hje representam ivestiments de cerca de US$ 30 bilhões, cm mais de 200 REITs ctads em Blsa. Segund a Natinal Assciatin f Real Investrnent Trusts ("NAREIT"), entidade que cngrega esses funds, s REITs prduziram resultads expressivs desde sua criaçã: 9

10 - em 200 I, distribuíram mais de US$ 0 bilhões em dividends a seus qutistas; - em 20 ans (09/980 a 09/2000) tiveram uma taxa anual de retm muit superir àquela btida através de investiments direts em imóveis (2,57% cntra 8,42%); - na última década s vlumes aplicads em REI'f's aumentu mais de 5 vezes e númer de REIT's quadruplicu-se. (Fnte: site da NAREIT, que deu mair frça as REITs fi a alteraçã d mercad írnbiliári american n iníci da década de 90, quand uma significativa falta de liquidez geru uma frte desvalrizaçã ds imóveis, alterand cmpletamente mercad. A década anterir havia experimentad uma fase de incrprações írnbiliárias, principalmente na cnstruçã de apartaments, armazéns e shpping centers, em negócis que envlveram mais de US$ 30 bilhões. A crise das savings and Jans (cmpanhias e bancs de crédit írnbiliári) abalu mercad, derruband preçs e criand dificuldades para s empreendedres, que nã cnseguíram liquidar seus cmprmisss. Essa situaçã levu gvern american a criar a RTC (Reslutin Trust Crpratin), agência respnsável pr administrar a liquidaçã das savings and Jans. A RTC criu ltes de ativs írnbiliáris riunds de empresas liquidadas e s fereceu a mercad que, aprveitand-se das bas cndições de preç ferecidas, encntru ns REITs a melhr sluçã para adquiri-ls. Pr fim, em janeir de 994, a NAIC ( Natinal Assciatin f Insurance Cmmissiners), órgã reguladr das seguradras americanas, precupad cm a liquidez das reservas técnicas, penalizu s investiments direts daquelas cmpanhias em imóveis, privilegiand aqueles realizads através de instruments securitizads. Viabilizaram-se, pr iss, váris lançaments de REITs lastreads em escritóris e htéis. (' "'. r (\ (' (' Mercad American AtuaJ Atualmente existem cerca de 300 REITs ns Estads Unids, cngregand mais de US$ 30 bilhões em investiments imbiliáris. Mais de dis terçs pssuem ctaçã em blsa: NYSE (New Yrk Stck Exchange) American Stck Exchange NASDAQ (Fnte: site - s investiments ds RElTs sã cmpsts pr tds s tips de írnóveis, cm mstra a tabela a seguir. 0

11 c C (I (I r: 0 INDÚSTRIAS e ESCRITÓRIS 26% VAREJ (shpping centers, grandes ljas, etc.) 8% RESIDENCIAL 7% HSPEDAGEM (htéis, resrts, fiats, etc.) % SAÚDE (hspitais, clínicas, centrs de reabilitaçã, etc.) 8% HIPTECAS e EMPRÉSTIMS 6% AUT-ARMAZENAGEM 4% DIVERSS (parques temátics, cemitéris, clubes, etc.) 0% () n ttal aplicad (Fnte: site - s REITs, a cntrári ds FIls brasileirs, sã cnstituíds sb a fnna de pessas jurídicas, cm persnalidade jurídica própria. Geralmente, s REITs sã cnstituíds cm sciedades u trusts, figura d direit angl saxã que cntempla a prpriedade fiduciária de bens e direits pertencentes a terceirs. C (' C C C C (I C C (I C C () r n r n <2 r, () r n

12 í' r () r í' í' ( 3. FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI EDIFÍCI ALMIRANTE BARRS Apresentaçã d Admmistradr... Públic Alv... Cnstituiçã e Fnnaçã d Patrimôni... bjetiv de Investiment... Administraçã..... ('\,. Registr de Qntas..... Direit de Vt..... Negciaçã.... (' (' ('\ ~I Custódia Exclusiva de Qutas... Rendiments... Prrrgaçã de Prazs...,...,...,...,... Publicidade... Plítica de Divulgaçã de Infnnações Relativas a Fund..... Taxas e Encargs d Fund.... Regras de Tributaçã d Fund.... 2

13 FUND DE INVESTIMENT IMBILIÁRI EDlFicI ALMIRANTE BARRS Apresentaçã d Administradr Fund é administrad pel Banc urinvest S.A., instituiçã financeira cm sede na Cidade de Sã Paul, Estad de Sã Paul, na Av. Paulista n sbrelja,,2 e II andares, inscrita n CNPJIMF sb n / diretr respnsável pela administraçã d Fund é SI. David Assine, cm endereç na Av. Paulista n sbrelja, inscrit n CPFIMF sb n Em 968, riginu-se uma distribuidra de títuls e valres mbiliáris que em 984 passu a se chamar urinvest DTVM S.A., cm fc n mercad de atacad, atendend a grandes investidres e vltada, já à épca, para a expansã da demanda e crescente cmplexidade ds mercads frnanceirs. Junte-se a ist surgiment d mercad de investiments em ur n Brasil, que se cnfunde cm a criaçã da urinvest Sciedade Brasileira de Metais Ltda. em 979. A urinvest SBM Ltda. participu ativamente d estabeleciment e institucinalizaçã d mercad de ur n país, cntribuind de maneira decisiva na transfnnaçã, d que era até entã "metal nbre", em ativ financeir, através de perações realizadas em blsas e custódia em grandes bancs, pssibilitand assim surgiment d primeir instrument de "hedge cambial" a ser clcad em prática n Brasil. Ns ans seguintes ampliaram-se as mdalidades e a sfisticaçã d mercad e, em 989, era fundad banc, que em 99 passu a se chamar Banc urinvest S.A., autrizad a perar nas carteiras de investiment, crédit, financiament e câmbi, ferecend a partir de entã as mais diferentes pssibilidades de investiments e perações especiais. Em 990 fi fundada a urinvest Internatinal Crp-Miami, que abriu a pssibilidade de atuaçã n mercad internacinal. escp d trabalh entã iniciad fi cnslidad psterirmente pr diversas utras perações cm utras instituições, cnferind a grup uma abertura imprtante e a visã privilegiada d mercad internacinal, já em franca fase de glbalizaçã. Banc urinvest S.A. fi a primeira instituiçã privada a distribuir eurbnds emitids pr crprações brasileiras lg após a mratória na década de 80. grup estruturu, através da urinvest Intematinal e em cnjunt cm bancs internacinais} s primeirs funds utilizand ativs da dívida nacinal, cm IDU e PFA} além de ter participad ativamente na negciaçã de eurbnds brasileirs. Estes instruments financeirs fram s pineirs n mercad de títuls da dívida externa de países emergentes, culminand cm a criaçã d Plan Brady. N segment de prduts vltads a clientes privads, grup urinvest fi pineir na estruturaçã de ntas de capital garantid, utilizand ativs relacinads a mercad acinári brasileir, tais cm índice 3 J

14 ~ Í' Í' (' (' (' Bvespa e a Telebrás ADR Em 995, a urinvest Capital emitiu a primeira nta atrelada à variaçã d índice Bvespa em dólares. Já em 996, Bauc urinvest passu a administrar, n mercad brasileir, carteiras cm garantia d principal investid atreladas à variaçã d índice Bvespa em meda lcal. Esta tecnlgia, desenvlvida juntamente cm a urinvest Capital, prprcinu a Banc urinvest a pssibilidade de mntar ntas estruturadas utilizand-se de pções flexíveis e exóticas atreladas a índice Bvespa e listadas na Blsa de Mercadrias e Futurs (BM&F), em Sã Paul. Hje, Banc urinvest S.A. tem seu fc em perações de tesuraria e finanças crprativas, prpnd-se a encntrar sluções arrjadas, invadras e criativas para seus clientes. Seus especialistas prprcinam um atendiment persnalizad, cm um aparat de engenharia fmanceira que prcura a diferenciaçã para valrizar e prteger cada vez mais patrimôni de seus investidres. A partir de 999, banc, em cnjunt cm sua cligada Brazilian Mrtgages, iniciu, de frma pineira, sua atuaçã na estruturaçã, crdenaçã e administraçã de Funds \.mbiliáris lançand n país primeir fund de investiment imbiliári vltad para varej - Fund de Investiment Imbiliári Páti Higienóplis, nde participu cm crdenadr da peraçã de lançament das qutas. Após este, banc criu e administra s seguintes funds imbiliáris, nde a quase ttalidade dessas perações fram dirigidas a segment de varej d mercad de valres mbiliáris: " Fund de Investiment Imbiliári Hspital da Criança (instituiçã administradra, ferta registrada e fund cnstituíd); " Fund de Investiment Imbiliári Paul ctávi (instituiçã administradra, ferta registrada e fund cnstituíd); " FP. F. Andrmeda Fund de Investiment Imbiliári (instituiçã administradra, ferta registrada e fund cnstituíd); " Fund de Investiment Imbiliári Centr Empresarial Água Branca (instituiçã administradra) ; " Fund de Investiment Imbiliári Trre Nrte (instituiçã administradra e crdenadr d lançament, cnstituíd); " Fund de Investiment Imbiliári Ri Atlântica Htel (instituiçã administradra e crdenadr d lançament, em fase de clcaçã); Fund de Investiment Imbiliári Fashin MaU (instituiçã administradra e crdenadr d lançament, em fase de clcaçã). Além diss, participu cm crdenadr d lançament de qutas ds seguintes funds: Fund de Investiment Imbiliári Páti Higienóplis (crdenadr d lançament, distribuiçã primária); 4

15 ( t-, " ( ( (\,. t> Fund de Investiment Imbiliári Prjet Água Branca (crdenadr d lançament, distribuiçã secundária); Através de sua subsidiária urinvest Assessria de Investiments S/C Lida., grup também estrutura perações de prject finance e viabiliza investiments estrangeirs n país. Para tant, estabeleceu parceria cm Dartley Bank and Trust Limited para assessrá-l e a utrs clientes em prtunidades de investiments n Brasil, parcerias estas que já atraíram mais de US$ 70 milhões em investiments. A urinvest SBM Lida., após ans de serviçs prestads e recnheciment lcal e internacinal de seus padrões de qualidade, inclusive prteçã ambiental, recebeu, em.995, a certificaçã "Gd fr Delivery" pela The Lndn Bullin Market Assciatin (LBMA). A sua marca está presente em cerca de 30% de tdas as barras existentes ns sistemas de custódia, inclusive na Blsa de Mercadrias e Futurs de Sã Paul BM&F. A urinvest DTVM, dadas as prtunidades que se apresentaram e se perfilaram cm a estratégia d grup, fi transfrmada na Brazilian Mrtgages Cia. Hiptecária (inicialmente cm nme de urinvest Cia. Hiptecária), que é a primeira cmpanhia hiptecária independente d mercad brasileir, criada cm a finalidade de participar das mudanças viabilizadas pel nv SFl- Sistema Financeir hnbiliári n país. Em abril de 2000 Grup urinvest, em assciaçã cm Grup Rssi, criu a Brazilian Securities - Cmpanhia de Securitizaçã, cm a finalidade de desenvlver mercad secundári de tituls imbiliáris, através da emissã de Certificads de Recebíveis Imbiliáris - CRI's. A Brazilian Securities estabeleceu uma parceria cm IlC - Inter-American Investrnent Crpratin, braç fmanceir d BID, na qual desenvlveu um mdel inédit que se utiliza d cnceit de subrdinaçã (Senir e Junir) que fi classificada pela agência Mdys cm rating Aa.br. Em mai de 2002 Grup assciu-se cm a CDP Capital, mair fund de pensã d Canadá (cm prtfli de US$ 80 bi), para criar a Brazilian Capital, uma empresa de gestã de investiments imbiliáris, frmand assim uma platafrma cmpleta de negócis financeirs de base imbiliária. Públic Alv Fund é destinad a pessas fisicas e jurídicas cm bjetiv de investiment de lng praz, remunerad a partir de lcaçã de imóveis cmerciais. Cnstituiçã e Frmaçã d Patrimôni Administradr deliberu cnstituir Fund em 4 de nvembr de 2002, tend aprvad Regulament d Fund e decidid realizar a ferta. As Qutas representam a ttalidade d Fund e crrespndem a frações ideais de seu patrimôni. 5 (\,,--~

16 ('"',,-~- As imprtâncias recebidas na integralizaçã das Qutas serã depsitadas em cnta crrente especialmente aberta para arrecadar s recurss d Fund junt à CAIXA, send que, até a cncessã pela CVM da autrizaçã para cnstituiçã e funcinament d Fund, s recurss captads cm a distribuiçã serã aplicads em títuls públics e títuls de emissã da CAIXA de renda fixa. Cas nã seja btida, pr qualquer mtiv, a autrizaçã para cnstituiçã e funcinament d Fund, s recurss financeirs arrecadads n períd de distríbuiçã serã imediatamente rateads pel Administradr entre s subscritres, nas prprções ds valres integralizads, acrescids ds rendiments líquids de impsts e utrs encargs auferids pelas aplicações que tenham sid realizadas. Nenhum qutista pderá deter mais d que % d ttal de qutas emitidas pel Fund, send inválida qualquer aquisiçã que dê causa à vilaçã deste dispsitiv, excetuada a pssibilidade de aquisiçã pela CAIXA de até 25% da ttalidade das Qutas. Administradr enviará ntificaçã a Qutista que ultrapassar s limites de participaçã estabelecids acima, ficand suspens seu direit de vt crrespndente à ttalidade das Qutas que detiver n Fund, desde a data de envi da ntificaçã até restabeleciment da participaçã permitida. bjetiv de Investiment Fund fi cnstituíd cm bjetiv de adquirir Imóvel, lcalizad na Avenida Ri Branc, n. 74, na Cidade d Ri de Janeir, Estad d Ri de Janeir, que cnsiste em um prédi cmercial (Edifici Almirante Barrs) nde estã instalads: (i) escritóris administrativs da CAIXA; e (ii) 2 (duas) agências bancárias da CAIXA. Fund, representad pel Administradr, celebru cm a CAIXA Cmprmiss de Cmpra e Venda d Imóvel, pel qual a CAIXA cntratu a venda d Imóvel para Fund, a ser efetivada tã lg se cmplete prcess de distribuiçã das Qutas, pel preç e cndições de pagament dermidas cm base n Laud de Avaliaçã d Imóvel cntid neste Prspect. Cas haja parcela d patrimôni d Fund que, temprariamente, nã esteja investida em empreendiments imbiliáris, esses recurss deverã ser destinads à aquisiçã de títuls públics u títuls de emissã da CAIXA de renda fixa esclhids pel Administradr. Esta parcela de recurss estará limitada, durante tda a existência d Fund, a 25% d valr ttal das qutas emitidas pel Fund. 6 c (\

17 (' Administraçã Fund será administrad pel Banc urinvest, que exercerá a prpriedade fiduciária ds bens e direits adquirids cm s recurss d Fund. patrimôni d Fund nã se cmunica cm patrimôni d Administradr e nem respnde pr qualquer brigaçã sua, em nenhuma hipótese. Administradr receberá pr seus serviçs uma taxa de administraçã equivalente a 4% da receita peracinal líquida d Fund. A taxa de administraçã será calculada e paga a Administradr mensalmente, pr períd vencid, até quint dia útil d mês subsequente a ds serviçs prestads. Enquant vigrar cntrat de lcaçã d Imóvel cm a CAIXA, Administradr fará jus a recebiment de remuneraçã mínima mensal equivalente a R$ ,00, a títul de taxa de administraçã. Registr de Qutas l' '-.,-. c As Qutas serã da frma nminativa sem emissã de certificad, registradas pel Administradr em cntas individualizadas em nme ds Qutistas. Direit de Vt Cada Quta cnfere a seu titular direit a I vt nas deliberações da Assembléia de Qutistas d Fund. As Assembléias de Qutistas serã cnvcadas mediante anúncis publicads n jrnal Flha de Sã Paul, que é utilizad para as demais publicações relativas a Fund. Negciaçã As Qutas serã admitidas à negciaçã n mercad de balcã rganizad, n sistema administrad pela Sciedade peradra d Mercad de Ativs - SMA TIVS, devend, para esse ftrn, permanecer sb custódia junt à Câmara Brasileira de Liquidaçã e Custódia - CBLC, pr mei de agente de custódia devidamente credenciad. SMA TIVS permitirá as investidres nas qutas acess a um sistema rganizad de negciaçã assegurand a transparência das transações realizadas e suprtand uma fnnaçã de preçs clara. Custódia Exclusiva de Qutas c C De md a garantir a tds s investidres acess a mercad secundári rganizad pel SMATIVS, Fund dispnibilizará as subscritres das Qutas serviç de Custódia Exclusiva de Qutas, prestad pela CAIXA, cm agente de custódia junt à CBLC, cnfrme cntrat celebrad entre Fund e a CAIXA, Agente de Custódia junt à CBLC. própri Fund será respnsável pel cust desse serviç, durante td temp de sua existência. 7 ('

18 (",~ C s subscritres na ferta receberã suas Qutas em cntas de custódia individualizada mantidas pela CAIXA junt à CBLC. A Custódia Exclusiva de Qutas mantida pela CAIXA junt à CBLC permitirá smente depósit das Qutas, nã send admitid nenhum utr valr mbiliári em tais cntas. As negciações de qutas depsitadas junt à CBLC deverã ser realizadas pels Qutistas junt a SMATIVS, atribuind s resultads btids a titular. pagament pela prestaçã d serviç de Agente de Custódia pela CAIXA será feit pel Fund. valr devid pel Fund para a prestaçã desse serviç é de R$ ,00 para um númer de Qutistas, crrigid anualmente pel lgp-di. serviç de Custódia Exclusiva de Qutas prestad pela CAIXA smente estará dispnível para s Qutistas que mantiverem suas Qutas vinculadas a Agente de Custódia CAIXA. Cas pte pr transferir suas Qutas para utr agente de custódia, Qutista arcará individualmente cm tds s custs para manutençã de sua cnta. Tds s prcediments referentes a serviç de custódia prestad pela CBLC estã descrits ns Regulaments e Prcediments peracinais da CBLC, dispníveis n site da instituiçã (www.cb\c.cm.br). C (' C', c Rendiments s titulares de Qutas farã jus a recebiment de rendiments mensais prvenientes da lcaçã d Imóvel que cnstitui bjetiv de investiment d Fund. Administradr deverá celebrar cm a CAIXA Cntrat de Lcaçã, nde esta cntratu a lcaçã das unidades d Imóvel pr um praz de l ans. Estud de Viabilidade Ecnômica d Fund, incluind as prjeções de valres a receber e despesas futuras, fi elabrad pela Martini Engenharia Cnsultiva Ltda. e faz parte integrante deste Prspect cm anex. As Qutas farã jus a recebiment de, n mínim, 95% d resultad líquid d Fund que tenha sid financeiramente realizad em cada mês, pags pel Fund até 0 dia útil d mês subseqüente à apuraçã, líquids d impst de renda na fnte eventualmente incidente, send devids s rendiments as Qutistas que estiverem registrads cm tal n fechament das negciações d últim dia útil d mês anterir a respectiv pagament. resultad d Fund será apurad mensalmente pel Adntinistradr e s rendiments serã creditads em cnfrmidade cm s prcediments da CBLC, para s titulares de Qutas que mantiverem cntas de custódia junt àquela entidade, pr mei de seus respectivs agentes de custódia. 8

19 (! (I (,- c ( '-".~' s subscritres de Qutas receberã suas Qutas depsitadas em cntas de custódia mantidas junt à CAIXA e aqueles que permanecerem cm clientes de custódia da CAIXA terã s seus rendiments creditads na cnta crrente de sua titularidade na CAIXA, cnfrme defmid n item Prcediment da Seçã 4 a seguir. s Qutistas que retirarem suas Qutas de cnta de custódia junt à CBLC deverã reclamar seus rendiments junt a Administradr. Prrrgaçã ds Prazs Cnsiderar-se-ã prrrgads s prazs fixads em sábads, dmings u feriads nacinais, até primeir dia útil subseqüente, sem nenhum acréscim as valres a serem pags. Publicidade Tds s ats e decisões relacinads à ferta e a Fund deverã ser veiculads na frma de aviss, publicads n jmal Flha de Sã Paul. Plítica de Divulgaçã de Infrmações Relativas a Fund 0. Administradr divulgará, ampla e imediatamente, qualquer at u fat relevante relativ a Fund, de md a garantir as qutistas acess às infrmações que pssam, direta u indiretamente, influenciar as decisões ds qutistas quant à permanência n mesm u, n cas de ptenciais investidres, quant à aquisiçã de qutas d Fund. (' C A referida divulgaçã de at u fat relevante será feita n jrnal utilizad para veicular as infrmações relativas a Fund, devend tds s dcuments e infrmações crrespndentes ser remetids à CVM na mesma data de sua divulgaçã. Tal divulgaçã será feita sempre n jrnal utilizad para as publicações relativas a Fund e qualquer alteraçã deverá ser precedida de Avis as Qutistas. Administradr terá ainda as seguintes atribuições n tcante à divulgaçã de infrmações:. infrmar à CVM e divulgar, n praz de 5 dias cntads d encerrament de cada mês calendári, valr d patrimôni d Fund, valr patrimnial da quta e a rentabilidade auferida n períd; c (' (' (' il. remeter à CVM e manter à dispsiçã ds qutistas, em sua sede, a partir d 5 0 dia de cada mês, infrmações atualizadas relativas a valr patrimnial das qutas e ds investiments relativs a mês anterir, incluind discriminaçã ds bens e direits que integram seu patrimôni; remeter à CVM e manter à dispsiçã ds qutistas, em sua sede, a partir d 5 0 dia de cada mês, relaçã atualizada das demandas judiciais u extrajudiciais prpstas na defesa ds direits ds qutistas u desses cntra Administradr, indicand a data de iníci e a da sluçã fmal, se huver; 9

20 (' c c iv. v. garantir a remessa as qutistas, n praz de 5 dias após encerrament de cada semestre calendári, ds extrats das cntas de depósit de qutas; garantir a remessa a cada qutista, cm cópia para a CVM, n praz de 5 dias após encerrament de cada an calendári, de infrmações sbre a quantidade de qutas de sua respectiva titularidade e valr patrimnial, bem cm d cmprvante para efeits de declaraçã de impst de renda. Administradr está brigad a publicar, em até 60 dias após s meses de junh e dezembr, as demnstrações fmanceiras semestrais d Fund, as quais deverã ser auditadas, e relatóri semestral de acmpanhament de atividades d Fund. relatóri semestral de acmpanhament das atividades d Fund deverá cnter: I. descriçã ds negócis realizads n semestre, especificand s bjetivs, mntantes ds investiments, receitas auferidas e rigem ds recurss investids, bem cm a rentabilidade apurada n períd; ii. prgrama de investiments para semestre seguinte; iii. infnnações, baseadas em premissas e fundaments devidamente explicitads, sbre: a) a cnjuntura ecnômica d segment d mercad imbiliári em que se cncentrarem as perações d Fund, relativas a semestre fmd; b) as perspectivas da administraçã para semestre seguinte; c) valr de mercad ds bens e direits integrantes d patrimôni d Fund, incluind percentual médi de valrizaçã u desvalrizaçã apurad n períd, cm base em análise técnica especiahnente realizada para esse fim, em bservância ds critéris de rientaçã usuahnente praticads para avaliaçã ds bens imóveis integrantes d patrimôni d Fund; iv. relaçã das brigações cntraídas n períd; v. a rentabilidade ns últims 4 semestres calendári; VI. valr patrimnial da quta, pr casiã ds balançs, ns últims 4 semestres calendári; (> Vil. a relaçã ds encargs debitads a Fund em cada um ds 2 últims exercícis, especificand valr e percentual em relaçã a patrimôni líquid médi semestral em cada exercíci. 20 (" ("

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Pribida a reprduçã. TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Abril de 2012 Índice Pessas Físicas 1. À Vista... 2 2. Opções... 4 3. POP Prteçã d Investiment cm Participaçã... 6 4. Term... 7 5. Futur Títuls

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2011 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Recentes Inclusões no Código de Fundos e novos temas supervisionados

Recentes Inclusões no Código de Fundos e novos temas supervisionados Recentes Inclusões n Códig de Funds e nvs temas supervisinads RICARDO AUGUSTO MIZUKAWA Vice-presidente da Cmissã de Acmpanhament de Funds de Investiment da ANBIMA 21 de junh de 2011 Prcediments para aquisiçã

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

FIES - Documentação comprobatória

FIES - Documentação comprobatória FIES - Dcumentaçã cmprbatória OBS: Devem ser apresentads riginais e cópias ds dcuments relacinads. COMPROVANTES DE RESIDÊNCIA DO ESTUDANTE: O estudante deverá cmparecer à CPSA e psterirmente a agente financeir

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND)

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND) Segur Garantia O que é Segur Garantia? Sua Empresa Participa de Cncrrência Pública? Sua Empresa Tem Um Cntrat Cm Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Cauçã u Fiança? Partes Intervenientes Garantia

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

Para falar sobre o assunto é necessário definir alguns conceitos básicos.

Para falar sobre o assunto é necessário definir alguns conceitos básicos. INTRODUÇÃO O investiment em ações é uma aplicaçã financeira de renda variável. Ist significa dizer que nã é pssível determinar previamente, cm numa aplicaçã de renda fixa, um praz u ganh definid para mntante

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009.

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009. PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: Sã Paul, 14 de julh de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO ( CCDI u Cmpanhia ; Bvespa: CCIM3) anuncia seus resultads peracinais referentes a segund trimestre de

Leia mais

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015 Cmunicad 9 de utubr de 2015 Cnva N.V. Atividade d Terceir Trimestre de 2015 GMV: 1.121 milhões (+17,6% a câmbi cnstante) Participaçã d marketplace: 22,7% (+1.032 bp) Vendas líquidas: 781 milhões (+9,1%

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Prcediments Hspitalares d SUS pr lcal de internaçã de 1992 a 2007 Ntas Técnicas Origem ds dads Os dads dispníveis sã riunds d Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS - SIH/SUS, gerid pel Ministéri da Saúde,

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Lei N. 12.973/14 Relevantes Alterações na Legislação Tributária Brasileira

Lei N. 12.973/14 Relevantes Alterações na Legislação Tributária Brasileira ALERTA TRIBUTÁRIO Lei N. 12.973/14 Relevantes Alterações na Legislaçã Tributária Brasileira Prezads Clientes, N últim dia 14 de mai fi publicada a Lei nº 12.973, de 13 de mai de 2014, cnvertend em lei

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

SERVIÇOS DISPONÍVEIS ATRAVÉS DO BANRISUL OFFICE BANKING

SERVIÇOS DISPONÍVEIS ATRAVÉS DO BANRISUL OFFICE BANKING SERVIÇOS DISPONÍVEIS ATRAVÉS DO BANRISUL OFFICE BANKING EXTRATOS: Cnta Crrente: sald d dia, extrat mês atual, extrat de cheques, extrat d mês anterir e extrat n períd. Empréstims/Crédits Cnta Investiment:

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML 1 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML Plítica Anual de Investiments 2015 TERMO DE REFERÊNCIA 2 Em cnsnância a que determina a Resluçã d CMN n 3.922/2010 n Artig 4, fica estabelecid pr mei

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra.

GUIA COMPRAR CASA. Faça um estudo dos preços praticados na zona escolhida, de forma a estar preparado para negociar a compra. GUIA COMPRAR CASA Esclha da Casa 1. Esclha da Zna Esclha a zna gegráfica nde pretende cmprar casa, tend em atençã aspects relacinads cm equipaments sciais existentes, cm cnsultóris médics, hspitais, esclas,

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Pnt 5) Prf. Jã Glicéri de Oliveira Filh I. Nções gerais - Máquina de trabalh d empresári - França - Fund de cmérci - Itália - Azienda - Navarrini - "Cmplex de frças ecnômicas

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias ("CCR")

CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) CÓDIGO DE CONDUTA Divulgaçã e Us de Infrmações e Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias ("CCR") Intrduçã O presente Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais