ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA"

Transcrição

1 ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA Coordenadora da equipe de Nutrição Clínica do AMBULIM Especialista em Distúrbios Metabólicos e Risco Cardiovascular (CEU) Especializada em Transtornos Alimentares (AMBULIM-HC-FMUSP) Membro do Departamento de Transtornos Alimentares da ABESO Membro do GENTA (Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares) Nutr. Fernanda Pisciolaro

2 DEFINIÇÃO Acúmulo de tecido gorduroso localizado ou generalizado, provocado por desequilíbrio nutricional associado ou não a distúrbios genéticos ou endócrinometabólicos.

3 DIAGNÓSTICO IMC = medida de risco associado ao peso, controlado pela altura IMC=peso (kg)/altura (m) 2 Baixo Peso Peso Eutrófico Sobrepeso Obeso I Obeso II Obeso III <18,5 18,5-24,9 25 a 29,9 30 a 34,9 35 a 39,9 40 Risco de comorbi dade Baixo Médio Ligeiramente aumentado Moderado Grave Muito grave Consenso Brasileiro de Obesidade, 2008

4 DIAGNÓSTICO Distribuição da Gordura: Dobras cutâneas Bioimpedância US/TC/RNM Relação circunferência abdominal/ quadril Circunferência Abdominal: Risco de complicações Homem Mulher metabólicas Aumentado 94 cm 80 cm Aumentado substancialmente 102 cm 88 cm (NHLBI, 2001)

5 DIAGNÓSTICO IMC (kg/m 2 ) Risco de desenvolver doenças* Gênero e circunferência da cintura Homens ( 102 cm) Mulheres ( 88 cm) Homens (> 102 cm) Mulheres (> 88 cm) <18,5 18,5-24, ,9 Aumentado Alto 30-34,9 Alto Muito Alto 35-39,9 Muito Alto Muito Alto 40 Extremamente alto Extremamente alto *: risco para diabetes mellitus tipo 2, hipertensão e doenças cardiovasculares NHLBI, 2001

6 PREVALÊNCIA EUA (população adulta): Obesidade: 22,9% ( ) vs. 30,5% ( ) Flegal et al. JAMA. 2002; 288 (14): Portugal (população adulta da cidade do Porto): Obesidade: 26,1 % das mulheres e 13,9% dos homens Santos & Barros. Public Health. 2003; 117 (6): Taiwan (população adulta): 21,1 % de sobrepeso e 4% de obesidade Lin et al. Prev Med. 2003; 37 (3): Turquia (população adulta): Obesidade: 27,4% das mulheres e 10,7% dos homens Erem et al. Diabetes Res Clin Pract. 2001; 54 (3):

7 PREVALÊNCIA 100% 21,4 4,7 16,7 ENDEF (n = ); PNSN (n = ) 8,3 24,5 32,8 Obesidade Sobrepeso Peso normal 78,6 53,4 51,2 66,2 Desnutrição 0% 25,2 16, Monteiro C & Conde WL. Arq Bras Endocrinol Metab 1999; 43:

8 PREVALÊNCIA Dados da POF de 2003 (IBGE, 2004): Sobrepeso: 41,1% dos homens 40% das mulheres Obesidade: 8,9% dos homens 13,1% das mulheres

9 Condições Clínicas Associadas á Obesidade Complicações Psicológicas Estigma Social Dermatites Apnéia do sono Câncer de mama Doenças pulmonares Câncer de intestino Litíase biliar Gota Incontinência Urinária AVC Hipertensão Diabetes Resistência à Insulina Hiperlipidemia Doença coronariana Insuficiência vascular Problemas gastrointestinais Aterosclerose Osteoartrose Varizes

10 Breve Histórico de Psicofármacos e Alterações Metabólicas Final do Séc. XIX - Henry Maudsley: O DM é uma doença freqüentemente presente em famílias nas quais também prevalece a insanidade" Anos 60 n casos de DM em pacientes em uso de antipsicóticos Antidepressivos tricíclicos, inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) e o lítio => também mostraram possuir efeitos metabólicos importantes relacionados ao ganho de peso

11 Breve Histórico de Psicofármacos e Alterações Metabólicas Na déc. 80 =>desenvolvidos antidepressivos com baixo potencial de ganho de peso => ISRS Em 2004 => FDA determinou que todo o paciente em uso de antipsicótico atípico fosse monitorado sobre os efeitos adversos da medicação no metabolismo

12 Psicofármacos e Alterações Ponderais e Metabólicas Atualmente muitos estudos têm avaliado o ganho de peso em pacientes em uso de psicofármacos Alguns antipsicóticos, estabilizadores de humor e antidepressivos têm apresentado como efeitos colaterais: Ganho de peso Hiperglicemia DM2 Dislipidemias SM

13 Psicofármacos e alterações metabólicas A obesidade é um efeito colateral freqüentemente encontrado em pacientes tratados com antipsicóticos atípicos e com os principais estabilizadores de humor; Este ganho de peso pode causar mal-estar, favorecer a falta do cumprimento e o abandono do tratamento, principalmente em mulheres.

14 Psicofármacos e alterações metabólicas Antipsicóticos Medicação Efeitos sobre o Peso Observações Clozapina (Leponex ) intenso nas 1as semanas -continuo até o 4º ano -se estabiliza posteriormente - RI e DLP Olanzapina (Zyprexa ) +++ -pode ir até a 40 a semana; - RI e DLP Risperidona (Risperidal ) + -ocorre nas 1as semanas do uso da medicação; Haloperidol (Haldol, Haldol decanoato ) + - não é significativo Molindona - --associado a uma discreta perda de peso ++++ = aumento muito importante; +++ = grande aumento; ++ = aumento moderado; += pequeno aumento; -= perda

15 Psicofármacos e alterações metabólicas Estabilizadores de Humor Medicação Efeitos sobre o Peso Observações Lítio (Carbalítium ) +++ -Freq. em terapia de manutenção a longo prazo; Ácido Valpróico (Depakene Diplexil ) Carbamazepina (Tegretol ) Menos associada ao ganho de peso; -Relação com a melhora do ânimo; Topiramato (Topamax ) - - Significativa perda de peso; - Perda de apetite e alteração no gosto;

16 Psicofármacos e alterações metabólicas Antidepressivos Medicação Efeitos sobre o Peso Observações Tricíclicos boca seca ; -Aumento do desejo por doces; IMAO Variado -Maior apetite por CHO; -Edema ISRS Sem mudanças -Perda de apetite;

17 Psicofármacos e alterações metabólicas Etiologia é multifatorial; PACIENTES PSIQUIÁTRICOS: Hábitos alimentares precários Tabagismo, uso de outras drogas Isolamento social, condição cognitiva reduzida, dependência dos familiares, baixa auto-estima Embotamento emocional, ansiedade, depressão, etc.

18 Psicofármacos e alterações metabólicas PSICOFÁRMACOS: Estimulam o apetite e a preferência por alimentos doces, gordurosos ou que tenham alto teor de carboidratos; Provocam sedação e conseqüentemente uma diminuição da atividade física; Provocam boca seca, e aumentam a sede, podendo levar a ingestão excessiva de líquidos com altas calorias;

19 Psicofármacos e alterações metabólicas Outros fatores : Pacientes com EQZ e distúrbios afetivos => 1,5 a 2x mais chance de desenvolver DM e OE; Anormalidades relacionadas ao metabolismo da glicose, antes do inicio do tratamento medicamentoso; Estes pac. costumam ter uma vida sedentária e acesso aos alimentos saudáveis;

20 TRANSTORNOS MENTAIS Dieta inadequada Pouca atividade física PSICOFÁRMACOS Obesidade Central Fatores Genéticos Fatores Perinatais Fatores neuroquímicos Fatores hormonais Resistência à Insulina Fonte: Teixeira e Rocha 2005 Síndrome Metabólica: Glicemia Trigliceridemia HDL Pressão arterial Contudo, principalmente na EQZ, a medicação tem sido vista como a principal causa do ganho de peso principalmente no 1º ano de tratamento

21 Impacto O ganho de peso exerce grande impacto, pois interfere em habilidades físicas para participar de programas de reabilitação, afeta a inserção do indivíduo na comunidade, a aderência ao tratamento e reduz a auto-estima.

22 Psicofármacos e alterações metabólicas Importante pesquisar a causa do peso: está ou não relacionada ao uso da medicação? Considerar - Consumo alimentar total; - Impulso para comer; - Comer para aliviar os sint. de humor; - Nível da função cognitiva; Fonte: JADA Habilidade de participar das atividades físicas; - Outros fatores que possam afetar o peso corporal

23 Prevenção e Tratamento Nutricional em pacientes Psiquiátricos Constituem um subgrupo de alta morbidade e são freqüentemente negligenciados em termos de atenção médica; Doenças mentais aumentam o risco de morte prematura;

24 Prevenção e Tratamento Nutricional em pacientes Psiquiátricos Mortalidade em EQZ de 1,5 a 4,x maior; desses, 2/3 correspondem a óbitos por causas naturais (vasculares e DM) Mortalidade Transt. Humor => 1,5x maior, sendo 45% por causas naturais

25 Prevenção e Tratamento Nutricional em pacientes Psiquiátricos Cabe ressaltar: Muitas doenças PQ causam peso; É importante que o PQ considere as implicações metabólicas na seleção da terapia farmacológica; Deve-se atentar à orientação preventiva dos efeitos metabólicos esperados a seus pacientes, ressaltando a necessidade de uma dieta saudável e atividade física regular;

26 Papel da Nutricionista O acompanhamento nutricional para estes pacientes é essencial e contribui para uma boa aderência ao tratamento psiquiátrico; O nutricionista tem a função de prevenir, parar e/ou diminuir o ganho de peso através da orientação de uma plano alimentar saudável; O foco para a população psiquiátrica assim como, para a população geral deve ser a melhora a saúde; Traçar um plano com ênfase nas mudanças alimentares e no estilo de vida; Fonte: JADA 2010

27 PLANO ALIMENTAR DIETA

28

29 DIET = DIE + T for TORTURE!!!

30 Plano Alimentar Aspectos afetivos Fatores situacionais Hábito alimentar Fatores cognitivos

31 Orientações Nutricionais Mudanças de hábitos alimentares é exponencialmente mais difícil em pacientes psiquiátricos; A maioria dos estudos relacionados a perda de peso, excluem os indivíduos com doença mental severa; De que maneira podemos intervir/ prevenir o ganho de peso nesta população? Fonte: JADA 2010

32 ALIMENTAÇÃO Pensamentos Comportamento (ações, padrão e consumo) Atitudes Alimentares Sentimentos Crenças

33 Orientações Nutricionais Podemos utilizar orientações quanto a: tamanho das porções Metas auto-monitoração do consumo e hábitos alimentares Adaptar técnicas para possíveis déficits cognitivos e motivacionais Trazer materiais simplificados e que possam ser sempre repetidos; Fonte: JADA 2010

34 Controla a Pressão Arterial Controle do Peso Corporal Melhora Mobilidade Articular Melhora Resistência à Insulina BENEFÍCIOS ATIVIDADE FÍSICA Melhora Perfil Lipídeos Melhora Força Muscular Aumenta Densidade Óssea Melhora Resistência Física AGITA São Paulo

35 Aumenta Auto-estima Diminui Depressão Alivia Stress BENEFÍCIOS ATIVIDADE FÍSICA Mantém Autonomia Melhora Auto - Imagem Aumenta Bem Estar Reduz Isolamento Social AGITA São Paulo

36 Aspectos gerais do Tratamento Nutricional Não são prescritas dietas São propostas metas individuais semanais Contagem de calorias ou pesagem dos alimentos são desencorajados A recomendação de consumo de energia é abordada para reforçar que o valor energético da maioria das dietas é inferior a recomendação; O peso ideal é discutido com base na compleição física e histórico de pesoeédeterminadoemfunçãodasaúdeenãodepadrõesdebeleza ou exigência pessoal (peso natural); Ajudar o paciente a entender a conexão entre as atitudes alimentares e sua saúde

37 Diário alimentar Orientações Nutricionais DATA HORA O QUE COMEU E QUANTO FOME (0-10) SATISF DUR ONDE/ QUEM

38 Alguns estudos: Orientações Nutricionais Pac. psiquiátricos adultos obesos, em uso de antipsicóticos programa estruturado de educação nutricional => significativa de peso e IMC e melhoras no metabolismo da glicose Pac. psiquiátricos programa psicoeducacional de saúde e estilo de vida => peso, triglicérides e glicose e manutenção desses resultados durante 1 ano. (Lindenmayer et al 2009)

39 Considerações Finais O nutricionista é um profissional importante na equipe de saúde mental; Atualmente tem crescido o interesse sobre alimentação de pacientes psiquiátricos; O trabalho multidisciplinar é essencial no tratamento desta população

40 Obrigada! Fernanda Pisciolaro

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 2 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física não está ligada a não praticar esportes.

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO

EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina.

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. Saúde do Homem Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. saúde do Homem O Ministério da Saúde assinala que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade,

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

Pró Vida. Serviço Próprio da Unimed Volta Redonda especializado em Atenção à Saúde. Serviços

Pró Vida. Serviço Próprio da Unimed Volta Redonda especializado em Atenção à Saúde. Serviços Programa Viva+ Pró Vida Serviço Próprio da Unimed Volta Redonda especializado em Atenção à Saúde. Serviços Atendimento Ambulatorial de Psicologia, Nutrição, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Fisioterapia

Leia mais

CARTILHA PRÁTICA PARA O CONTROLE DA OBESIDADE

CARTILHA PRÁTICA PARA O CONTROLE DA OBESIDADE CARTILHA PRÁTICA PARA O CONTROLE DA OBESIDADE NÚCLEO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE O que é obesidade? A obesidade é uma doença crônica, complexa e multifatorial, resultante da interação de genes, ambiente, estilos

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

Debater a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA que veda a comercialização de medicamentos inibidores de apetite".

Debater a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA que veda a comercialização de medicamentos inibidores de apetite. Debater a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA que veda a comercialização de medicamentos inibidores de apetite". COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA Rosana Bento Radominski

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Até recentemente o Transtorno Bipolar era conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva. É um transtorno no qual ocorrem alternâncias do humor, caracterizando-se por períodos

Leia mais

EDUCAÇÃO REVISÃO 2 REVISÃO 3

EDUCAÇÃO REVISÃO 2 REVISÃO 3 FÍSICA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 UNIDADE II - CULTURA: A pluralidade na expressão humana Aula 4.1 Lazer: conceitos Aula 4.2 Atividade física e exercício físico: uma questão cultural? Aula 5.1 Doenças

Leia mais

TCM PÓ. Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó

TCM PÓ. Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó Informações Técnicas TCM PÓ Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó INTRODUÇÃO A matéria-prima TCM em pó é atomizada e microencapsulada. Por se tratar de um processo térmico mais brando, as características

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação. Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP

CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação. Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP Obesidade Acúmulo excessivo de gordura causado pelo desequilíbrio entre

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN

Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN SÍNDROME METABÓLICA (SM) Contexto histórico Definição Parâmetros Fatores de risco: Obesidade central

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR

Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR Obesidade Definição é a condição clínica caracterizada por um excesso

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Prof. MSc Claudia Boscheco Moretoni 04/2009 Caso clínico 1 Paciente feminina

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias Introdução A obesidade constitui um dos problemas de saúde mais importantes das sociedades desenvolvidas Na Espanha os custos econômicos com a obesidade representam 6,9% do gasto sanitário O índice de

Leia mais

Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular

Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular Farmacoterapia Ano lectivo 2012-2013 Dias 19 e 26 de Novembro Isabel Vitória Figueiredo 1990 50 milhões de mortes em todo o mundo 28% 2030 [8 mil milhões] 32%

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA O TAMANHO DO PROBLEMA Doenças cardiovasculares Total de mortes: 281.695/ano AVC 89.489 80% DAC 84.798 40% Outras DCV 107.408 Hipertensão Fonte: Datasus 2001 Dados Mundiais Mortes em 2000 atribuíveis a

Leia mais

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 Número do Centro l ID do Participante l Data do Atendimento l l l / l l l / 201l l Iniciais do Participante SEGUIMENTO

Leia mais

2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade

2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade 2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade Luiz Antonio dos Anjos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ANJOS, LA. Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade. In: Obesidade e saúde pública

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA LICA DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA LICA DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA A HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓ DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA A HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓ ESTEATOSE ESTEATO-HEPATITE (NASH) FIBROSE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO

AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO INSTRUMENTO DE REABILITAÇÃO DE PACIENTES COM SÍNDROME METABÓLICA Christino Stefani Neto Fabiana da Silveira Bianchi Perez Faculdade Alfredo Nasser netostefani10@gmail.com

Leia mais

Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde

Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde A obesidade pode ser definida, de forma resumida, como o grau de armazenamento de gordura no organismo associado a riscos para a saúde,

Leia mais

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva - 2009 Programa de Reabilitação Pulmonar Rosângela H. Araújo Santos Divisão Cooperados Total: 838 0,04% Gerência Executiva da Assistência e Promoção à Saúde

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

DOENÇAS CARDIO VASCULARES. O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate. Provérbios 15:13

DOENÇAS CARDIO VASCULARES. O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate. Provérbios 15:13 DOENÇAS CARDIO VASCULARES O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate. Provérbios 15:13 INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) INTRODUÇÃO EPIDEMIOLOGIA FATORES DE RISCO COMPLICAÇÕES

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR.

ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. ALTERAÇÕES NA SATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL A PARTIR DA INTERVENÇÃO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM UM PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR MULTIDISCIPLINAR. Gabriela Salim Xavier, André Luiz Moreno da Silva,

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE.

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. RESUMO O envelhecimento é um processo biológico que acarreta alterações e mudanças estruturais no corpo. Por ser um processo

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Disfunção Sexual Masculina

Disfunção Sexual Masculina VI CURSO PÓS GRADUADO NEDO A ENDOCRINOLOGIA REVISITADA Disfunção Sexual Masculina A. Galvão-Teles Auditório Alto dos Moinhos, 16 a 18 de Abril de 2009 Disfunção sexual eréctil (DSE) Incapacidade em atingir

Leia mais

FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA

FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Maria Helena Maniezo de Sousa 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric Impacto Global das Doenças Cardiovasculares Digestive 4% Respiratory 7% Neuropsychiatric 2% Injury 9% Other 3% Infectious & Parasitic 19% Respiratory Infections 7% Maternal & Perinatal 5% Cardiovascular

Leia mais

OBESIDADE. www.sogab.com.br Fone :30668930 Instituto Francisco Pacheco Dias - Escola de Massoterapia

OBESIDADE. www.sogab.com.br Fone :30668930 Instituto Francisco Pacheco Dias - Escola de Massoterapia OBESIDADE O que é? Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo. OBESIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

* Obesidade e Desnutrição. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Obesidade e Desnutrição. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Obesidade e Desnutrição Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates Indivíduo Pessoa considerada em suas características particulares Ou seja, possuímos diferenças físicas

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO 1 A Segurança Alimentar e Nutricional do paciente obeso e hipertenso The Food and nutrition Security for obese patients and hypertensive Sara Jane Conte 1 Gislâine Verônica da Silva² Faculdade União das

Leia mais

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química. Benefícios Fisiológicos

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química. Benefícios Fisiológicos Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química Fisioterapeuta Jussara Lontra Atividade Física expressão genérica que pode ser definida como qualquer movimento corporal, produzido

Leia mais

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Somos o que comemos Alterações a nível de temperamento, níveis de energia, capacidade de raciocínio, impulso sexual e hábitos de sono

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel Pressão Arterial Profª. Claudia Witzel Pressão do sangue Quando o volume de sangue que sai do coração é maior do que o determinado pela Organização Mundial de Saúde, ou seja, acima de 130 x 85 mmhg. A

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Funções: Precursores hormonais Armazenamento e fonte energética Componentes funcionais e estruturais

Leia mais

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR O QUE É? Os suplementos vão muito além do mundo esportivo, sendo qualquer substância que venha a suprir necessidades de nutrientes no organismo,

Leia mais

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM.

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM. PT.03.02 (RS35150B) SÍNDROME METABÓLICA E FATORES ASSOCIADOS Inácio LB 1 ; Fagundes ALR 1 ; Menezes E 1 ; Magnino FS 1 ; Mendonça ALS 1 ; Redondo LS 1 ; Ribeiro NC 1 ; Dias CR 1 ; Carvalho NV 2 ; Lopes

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

09/11/2011. Tratamento dietoterápico, como fazer? Considerações iniciais. Helena Sampaio Manzoni et al., 2011; Duncan et al., 2011

09/11/2011. Tratamento dietoterápico, como fazer? Considerações iniciais. Helena Sampaio Manzoni et al., 2011; Duncan et al., 2011 Tratamento da Obesidade: um tema sempre atual para ser discutido! Tratamento dietoterápico, como fazer? Obesidade é associada com morta- lidade precoce e é fator de risco para doenças cardiovasculares,

Leia mais

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO DE DIFÍCIL CONTROLE São assim

Leia mais

Tratamento da Lipodistrofia: política nacional

Tratamento da Lipodistrofia: política nacional Vigilância em Lisboa, 17, 18 e 19 de março de 2010 Tratamento da Lipodistrofia: política nacional MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL Secretaria de Vigilância em Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Leia mais

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica Informações Técnicas ORLISTATE SINTÉTICO Agente antiobesidade de ação periférica FÓRMULA MOLECULAR: C 23 H 53 NO 5. PESO MOLECULAR: 495,73. CAS N : 96829-58-2. DCB: 06635. NOME QUÍMICO: N-Formyl-L-leucine

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto DISTÚRBIOS ALIMENTARES Msc. Roberpaulo Anacleto Distúrbios alimentares Caracteriza-se por uma grave perturbação do comportamento alimentar, são responsáveis pelos maiores índices de mortalidade entre todos

Leia mais

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 14-Mai-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 14/05/2015 Estudo

Leia mais

Dr. Durval Ribas Filho

Dr. Durval Ribas Filho ASPECTOS NUTR0LÓGICOS DA OBESIDADE DO ADULTO Dr. Durval Ribas Filho Prof. de Nutrologia da Fac.Medicina FPA/SP Prof. de Saúde Pública FAFICA/SP Prof.de Pós Graduação em Nutrologia /UNIFESP.ABRAN ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder?

Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder? O Adipócito Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder? Prof. Esp. Gabriel F. S. Santos Aluno Especial do Programa de Mestrado em Ciências do Movimento Humano UNIMEP Grupo de Pesquisa em Ciências

Leia mais

Obesidade e desnutrição

Obesidade e desnutrição Obesidade e desnutrição NUT/FS/UnB ATAN/DAB/SPS 1 Sumário 3 4 5 9 14 15 16 20 22 25 28 50 O que define as diferenças individuais Obesidade Definição Classificação Epidemiologia Causas Conseqüências Tratamento

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

Curiosidade. Vídeo. Teste. + Saúde. Porque você deve tomar café da manhã. O que você quer ser quando crescer? Qual o seu nível de ansiedade?

Curiosidade. Vídeo. Teste. + Saúde. Porque você deve tomar café da manhã. O que você quer ser quando crescer? Qual o seu nível de ansiedade? Edicão Novembro 2013 Pág. 03 + Saúde Porque você deve tomar café da manhã Teste Qual o seu nível de ansiedade? Vídeo O que você quer ser quando crescer? Curiosidade Guarde seus exames! Pág. 04 Pág. 06

Leia mais

Obesidade no Mundo. Homens. 3º A. Saudita. 11º Af. do Sul 17º Rússia 19º Brasil 25º China 26º Índia 27,9% 26,9% 26% 25,8% 22,9% 21% Mulheres

Obesidade no Mundo. Homens. 3º A. Saudita. 11º Af. do Sul 17º Rússia 19º Brasil 25º China 26º Índia 27,9% 26,9% 26% 25,8% 22,9% 21% Mulheres ROGÉRIO TOLEDO JR. Obesidade no Mundo 1º Nauru 2º EUA 3º A. Saudita Homens 11º Af. do Sul 17º Rússia 19º Brasil 25º China 26º Índia 33,9% 1º Nauru 28,5% 2º Egito 27,9% 26,9% 26% 25,8% 22,9% 21% Mulheres

Leia mais

Prevenir é muito melhor

Prevenir é muito melhor Saúde da mulher Prevenir é muito melhor Mulheres costumam cuidar muito bem dos outros: filhos, namorado, marido, pais... Mas essa energia toda precisa ser usada também a seu favor. Cuidar da própria saúde

Leia mais

Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero%

Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero% Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero% Por Mariana Nacarato, Nutricionista da Equilibrium Consultoria 1. Existe de fato muito ganho nutricional na substituição do pão

Leia mais

DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL

DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL 1 de Novembro 2013 Francia Ferraz Interna do 3º ano MGF Orientadora: Rosa Maria Feliciano Caso clínico 68 anos Natural e residente em Santarém Casado Reformado

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova.

1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova. 8º Biologia Leda Aval. Rec. Par. 20/08/12 1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova. A GORDURA DO BEM [...] Em quantidade

Leia mais

Clínica médica e Geriatria

Clínica médica e Geriatria Sérgio Murilo Clínica médica e Geriatria O que é? Qual o foco? Quero todos os exames. Mais benefício ou prejuízo? Como decidir que condições serão avaliadas e como serão avaliadas? Condições (não o teste)

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais