Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR"

Transcrição

1 Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR

2 Obesidade Definição é a condição clínica caracterizada por um excesso de tecido adiposo.).

3 Obesidade Os padrões-ouro para quantificar o tecido adiposo são: a Densitometria Corpórea (Dexa) o Peso Sub-aquático (muito pouco utilizado ultimamente).

4 Obesidade Os padrões-ouro-uso-real para quantificar o tecido adiposo é: Índice de Quetelet

5 Base atual Não ideal!!!! NIH Conference. Gastrointestinal surgery for severe obesity. Proceedings of an NIH Consensus Development Conference, March 25 27, 1991, Bethesda, MD. Am J Clin Nutr. 1992;55(suppl) :S487 S619

6 Base atual Não ideal!!!! IMC = Índice de Massa Corpórea P a 2

7 Classificação da obesidade: IMC 25Kg/m2 para Sobrepeso IMC 30Kg/m2 para Obesidade: Obeso Classe I: IMC Kg/m2 Obeso Classe II: IMC Kg/m2 Obeso Classe III: IMC 40Kg/m2 (Obesidade Grave Severa Mórbida) (OMS, 1997)

8 O que é ser obeso mórbido? Morbidade = Doença Jean Marat 1793

9 O que é ser obeso mórbido? Insuficiência venosa onde as pernas choram Gota grave com artrite e lesões cutâneas Por uma erisipela...

10 O que é ser obeso mórbido? É ser hipertenso!!! Tomar várias medicações... E não saber... Se vai ter um derrame??? Um infarto??? Ou se a pressão está controlada?? É ser diabético e sonhar ficar livre das medicações!! E da sombra de o ser.

11 O que é ser obeso mórbido? É necessitar de duas pessoas para levantar o avental abdominal É ter 250 Kg Rolar na cama p/ se enxugar!!! È lutar em busca da dignidade de um homem de fazer xixi em pé

12 O que é ser obeso mórbido? É ter uma perna assim E se esconder debaixo de uma saia!! Insuficiência linfática onde a perna choram... Descamam... Queimam... Por uma erisipela...

13 Classificação da obesidade: Normal: IMC < 25kg/m2 Sobrepeso: IMC kg/m2 Obesidade Leve: 27 30kg/m2 Obesidade Moderada: IMC 30 35kg/m2* Obesidade Severa: IMC 35 40kg/m2 Obesidade Mórbida : IMC 40 50kg/m2 Super obeso: IMC 50-65kg/m2 Super/ super obeso: IMC >65kg/m2 (ASBS,1997)

14 Quando operar o obeso????? Quando a morbidade é cirúrgica?? NIH Conference. Gastrointestinal surgery for severe obesity. Proceedings of an NIH Consensus Development Conference, March 25 27, 1991, Bethesda, MD. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114) Interdisciplinary European Guidelines for surgery forsevere (morbid) Obesity Obesity Surgery, 17, 2007

15 Quando operar????? Pacientes com Índice de Massa Corpórea (ICM) acima de 40 kg/m2. Pacientes com IMC maior que 35 kg/m2 e co-morbidades (doenças agravadas pela obesidade e que melhoram quando a mesma é tratada de forma eficaz) que ameacem a vida, tais como diabetes, apnéia do sono, hipertensão arterial, dislipidemia, doença coronariana, osteo-artrites e outras. Idade: maiores de 18 anos. Idosos e jovens entre 16 e 18 anos podem ser operados, mas exigem precauções especiais e o custo/benefício deve ser muito bem analisado. Obesidade estável há pelo menos cinco anos. Pelo menos dois anos de tratamento clínico prévio, não eficaz. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

16 Quando operar??? IMC entre 35 e 40 kg/m² IMC > ou = 40 kg/m2 CIRURGIA Hipertensão Diabetes Cardiopatias Pneumopatias (apnéia) Artrose...

17 Quando operar????? Ausência de drogas ilícitas ou alcoolismo. Ausência de quadros psicóticos ou demenciais graves ou moderados. Compreensão, por parte do paciente e de seus familiares, dos riscos e mudanças de hábitos inerentes a uma cirurgia de grande porte e da necessidade de acompanhamento pós-operatório com a equipe multidisciplinar por toda a vida do paciente RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

18 Critérios de Exclusão - Risco anestésico classificado como ASA IV (Doença grave com risco cirúrgico elevado ou com baixa expectativa de vida); -Hipertensão portal com varizes gastroesofágicas; Fonte: 1º Consenso Brasileiro Multissocietário em Cirurgia da Obesidade, 2005

19 Critérios de Seleção para Cirurgia Bariátrica - Critérios de Exclusão Dependência atual de álcool ou drogas; Psicoses, transtorno bipolar, bulimia nervosa que não estejam adequadamente tratadas (contra-indicação temporária) Fonte: 1º Consenso Brasileiro Multissocietário em Cirurgia da Obesidade, 2005

20 Quando operar????? COMPOSIÇÃO: cirurgião com formação específica, clínico, nutrólogo e/ou nutricionista, psiquiatra e/ou psicólogo, fisioterapeuta, anestesiologista, enfermeiros e auxiliares de enfermagem familiarizados com o manejo desses pacientes. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

21 Equipe Multidisciplinar - Cirurgião Bariátrico; - Endocrinologista - Nutricionista; - Psiquiatra; - Psicólogo; - Fisioterapeuta; - Anestesiologista; - Intensivista Componentes Associados: - Enfermeiro; - Educação física; - Assistente social; - Endoscopista; - Cirurgião Vascular - Cirurgião Plástico.

22 Quando operar????? 2 - RISCO CIRÚRGICO: deve ser compatível com o procedimento cirúrgico proposto e ausência de doenças endócrinas de tratamento clínico. 3 - EQUIPE: precisa ser capacitada para cuidar do paciente nos períodos pré e trans-operatório,e fazer o seguimento do mesmo. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

23 Família Pctes conscientes, aptos e altamente motivados Cirurgia ou não??? Equipe Multidisciplinar decidirá após estudo caso a caso

24 Quando operar?????.hospital: precisa apresentar condições adequadas para atender obesos mórbidos, UTI e aparelho anestésico regulável para ciclagem com grandes volumes e baixa pressão. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

25 Quando operar?????.hospital: precisa apresentar condições adequadas para atender obesos mórbidos, UTI e aparelho anestésico regulável para ciclagem com grandes volumes e baixa pressão. RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114)

26 Vaca a caminho do matadouro! Inocentes e Ignorantes!!!

27 Equipe Multidisciplinar Assegurar-se que o pcte está totalmente informado dos: Benefícios Opções Cirúrgicas RISCOS Necessidade de acompanhamento pelo resto da vida!!

28 CIRURGIA

29 Princípio Técnico: Cirurgia Bariátrica Diminuir o tamanho de um estômago Padrão ouro ASBS/ IFSO Desviar intestino do trânsito alimentar

30 Porque Operar? ***? ***Bolsa Escrotal

31 Equipe Multidisciplinar Assegurar-se que o pcte está totalmente informado dos: Benefícios Opções Cirúrgicas RISCOS Necessidade de acompanhamento pelo resto da vida!!

32 Benefícios ANTES Perda de peso Melhora das comorbidades Reintegração Social Melhora da Autoestima DEPOIS

33 Benefícios. Benefícios Perda de peso Melhora das comorbidades Reintegração Social Melhora da Auto-estima DM II 87% Problemas de pele 100% HAS 58% Após 5 anos

34 Equipe Multidisciplinar Assegurar-se que o pcte está totalmente informado dos: Benefícios Opções Cirúrgicas RISCOS Necessidade de acompanhamento pelo resto da vida!!

35 Números aterrorizantes. Óbito Cirúrgico 1% Óbito clínico em OM 3% Fistulas 1a 2% TEP 0,5 a 2 % 2001-

36 Família Pctes conscientes, aptos e altamente motivados Cirurgia ou não??? Equipe Multidisciplinar decidirá após estudo caso a caso

37 Equipe Multidisciplinar - Cirurgião Bariátrico; - Endocrinologista - Nutricionista; - Psiquiatra; - Psicólogo; - Fisioterapeuta; - Anestesiologista; - Intensivista Trabalho Conjunto!!! Uma Andorinha só,não faz Verão

38 Equipe Multidisciplinar -Avaliar a saúde geral e estado nutricional do paciente Melhorar o tratamento das comorbidades, reduzindo riscos no procedimento cirúrgico

39 Equipe Multidisciplinar -Avaliar a saúde geral e estado nutricional do paciente Melhorar o tratamento das comorbidades, reduzindo riscos no procedimento cirúrgico

40 Equipe Multidisciplinar -Avaliar a saúde geral e estado nutricional do paciente Descrever e explicar as mudanças dietéticas pós operatórias

41 Avaliação Psiquiátrica e Psicológica Entrevista estruturada: quantas forem necessárias. Iniciar tratamento se indicado; Testes diagnósticos: Ansiedade, Compulsão Alimentar, Transtornos Afetivos,...

42 Reuniões Pré-operatórias São reuniões para pacientes em preparo cirúrgico, familiares e pacientes já operados. Geralmente mensais. Informar sobre tipos de cirurgia e outras opções de tratamento; Riscos e complicações; Compromisso com acompanhamento pós-operatório, resultados esperados, conseqüências a longo prazo; Estimular perguntas e esclarecimento de dúvidas com a equipe médica e com os pacientes já operados.

43 Avaliação Psiquiátrica e Psicológica Os pacientes bariátricos apresentam: Urgência em fazer a cirurgia; Pouca disponibilidade de preparar-se psicologicamente; Alta prevalência de doença mental: 40 a 70%; Níveis altos de depressão; Alta prevalência do transtorno da compulsão alimentar periódica: 15 a 60%;

44 Objetivos do pré-operatório: Avaliação Psiquiátrica e Psicológica Controlar doença psiquiátricas e delimitar áreas de sofrimento (interpessoal, socio-econômico, conflito intrapsíquico) do paciente; Estimular a adesão ao acompanhamento geral da equipe; Envolvimento familiar Felicidade pós-operatória!!

45 Equipe Multidisciplinar Avaliar motivação e real envolvimento voluntário para avaliação e acompanhamento pós operatório

46 Porque operar? Benefícios Perda de peso PEP Médio de 66 % Perda do de Excesso de Peso: PEP É o marcador mais utilizado na avaliação de resultados da cirurgia bariátrica e varia com a técnica cirúrgica.

47 Diagnóstico da Obesidade Mórbida. Avaliação cuidadosa e humana por uma equipe multidisciplinar Dignidade na consciência de sua opção cirúrgica

48 O verão é-nos oferecido gratuitamente, ano após ano, porque no fundo todos nós «somos crianças feitas para grandes férias». (Mark Rothko, 1968) Deixe o sol brilhar para o obeso que deseja mais uma chance de ser criança; E sonhar... Obrigada.

PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A)

PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Circular 032/2016 São Paulo, 18 de janeiro de 2016. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS SEGURAS PARA O TRATAMENTO CIRÚRGICO DA OBESIDADE MÓRBIDA Diário Oficial da União Nº 8 - Seção 1 sexta-feira, 13 de

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 (Publicada no D.O.U. em 13 jan. 2016, Seção I, p. 66) (Retificação publicada no D.O.U. 29 jan. 2016, Seção I, p. 287) Altera o anexo da Resolução CFM nº 1.942/10, publicada

Leia mais

Orientação para Pacientes com. Obesidade Mórbida

Orientação para Pacientes com. Obesidade Mórbida ...,,,.,. Orientação para Pacientes com Obesidade Mórbida Obsidade. Um grave problema da atualidade. A obesidade é uma das doenças mais freqüentes, sendo considerada um dos maiores problemas de saúde pública

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

Critérios de Selecção para Cirurgia Bariátrica

Critérios de Selecção para Cirurgia Bariátrica Critérios de Selecção para Cirurgia Bariátrica Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Santa Maria Terapêutica Cirúrgica da Obesidade Cirurgia Bariátrica Perda peso significativa

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA...

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... INSTITUTO ABESO Dr. Jean Ricardo Nicareta Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia Bariátrica Endoscopia Digestiva GUARAPUAVA - PR PORQUE AS PESSOAS GANHARAM PESO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

Adesão do Paciente ao Acompanhamento Pós-operatório de Cirurgia Bariátrica

Adesão do Paciente ao Acompanhamento Pós-operatório de Cirurgia Bariátrica Adesão do Paciente ao Acompanhamento Pós-operatório de Cirurgia Bariátrica Autores: Allana Paula Vasconcelos Lopes Éderson Almeida Gisele Lins Prado Hugo Dantas Silva Matsya Chuva Mendes Paulo Marcelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009. VILMONDES APRIGIO DA SILVA LUZ, Diretor Executivo do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis SERV SAÚDE, no

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

CCBM 2011 REALIZAÇÃO GRUPO DE CIRURGIA BARIÁTRICA DE VALINHOS GCBV APOIO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

CCBM 2011 REALIZAÇÃO GRUPO DE CIRURGIA BARIÁTRICA DE VALINHOS GCBV APOIO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA CCBM 2011 5º CURSO DE CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA DE CAMPINAS PROMOÇÃO CLÍNICA CONCON REALIZAÇÃO GRUPO DE CIRURGIA BARIÁTRICA DE VALINHOS GCBV APOIO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Alterações: Alterado o inciso IV do art. 5 pela IN 042/05 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Institui critérios para os

Leia mais

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens.

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. Cirurgia Bariátrica obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. (Appolinário JC, Abuchaim ALG, Coutinho W et al. Transtornos alimentares

Leia mais

Termo de conscientização

Termo de conscientização Termo de conscientização A cirurgia de obesidade é uma cirurgia de grande porte e é realizada apenas por razões estritas em pacientes obesos mórbidos, com pouquíssimas exceções. Seu cirurgião reserva-se

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

MARLI BORGES PRADO. Orientadora: Professora Nádia Kienen, Dr.ª. Palhoça 2011

MARLI BORGES PRADO. Orientadora: Professora Nádia Kienen, Dr.ª. Palhoça 2011 MARLI BORGES PRADO "EU ACHEI QUE IA RESOLVER PARA RESTO DA VIDA, PELO CONTRÁRIO É UM CONTROLE PARA O RESTO DA VIDA": PERCEPÇÃO DE SUJEITOS QUE SE SUBMETERAM À CIRURGIA BARIÁTRICA A RESPEITO DO PROCESSO

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS UNIMED CAMPINAS - Área de atuação: Campinas e 12 cidades da região - Habitantes - Campinas: 1.064.669 - Região: 1.108.538 - Total de usuários: 635.280 - Local:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE NORMA COMPLEMENTAR N.º 7, DE 30 DE JUNHO DE 2010. Define a cobertura

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

Circular 387/2012 São Paulo, 26 de setembro de 2012.

Circular 387/2012 São Paulo, 26 de setembro de 2012. Circular 387/2012 São Paulo, 26 de setembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) DIRETRIZES PARA ORGANIZAÇÃO DA PREVENÇÃO E DO TRATAMENTO DO EXCESSO DE PESO E OBESIDADE Diário Oficial da União Nº 186

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem KLEDIANE D ÁVILA PEIXOTO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA DE SAÚDE

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem KLEDIANE D ÁVILA PEIXOTO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA DE SAÚDE Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem KLEDIANE D ÁVILA PEIXOTO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA DE SAÚDE Relatório apresentado como requisito parcial para aprovação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Criança Saudável é Criança Feliz

Mostra de Projetos 2011. Criança Saudável é Criança Feliz Mostra de Projetos 2011 Criança Saudável é Criança Feliz Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Unimed de Paranavaí

Leia mais

O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA

O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA Quase todos aqueles que sofrem com a drogadição de um parente ou amigo próximo perguntam se é possível tratar o uso de drogas de um jovem, e, caso este aceitar o tratamento

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA

FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA GORDURA BRANCA X MARROM SINDROME METABÓLICA RESISTÊNCIA INSULÍNICA HIPERINSULINISMO ÍNDICE GLICÊMICO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan & EQUIPE MULTIDISCIPLINAR MEDICINA

Leia mais

www.ettinger.med.br João Ettinger

www.ettinger.med.br João Ettinger Cirurgia da Obesidade Manual do paciente João Ettinger 10 Anos de Cirurgia Bariátrica Desde 1999 1 O tratamento cirúrgico de pacientes com obesidade mórbida nos traz grande satisfação, pois podemos observar

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

PORTARIA Nº 493, DE 31 DE AGOSTO DE 2007.

PORTARIA Nº 493, DE 31 DE AGOSTO DE 2007. PORTARIA Nº 493, DE 31 DE AGOSTO DE 2007. O Secretário Atenção à Saú, no uso suas atribuições, Consirando a Portaria nº 1.569/GM, 28 junho 2007, que institui diretrizes para a atenção à saú, com vistas

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA GEROTTO, G. Resumo:A obesidade é uma condição complexa descrita como uma epidemia crônica da pós-modernidade e sua prevalência tem aumentado

Leia mais

Medicamentos Inibidores de Apetite Suspensão do registro

Medicamentos Inibidores de Apetite Suspensão do registro Medicamentos Inibidores de Apetite Suspensão do registro Rosana Bento Radominski Doutora em Endocrinologia Professora de Endocrinologia e Nutrição UFPR Presidente do Departamento de Obesidade e Síndrome

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA 9º Curso Pós-Graduado NEDO A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA Andropausa A. Galvão-Teles Lisboa, Fevereiro de 2010 Disfunção testicular no adulto Disfunção eixo hipotálamo-hipófise-gónada Hipogonadismo Testosterona

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

MODULO I - MARÇO 2014 SEXTA-FEIRA MANHÃ E TARDE

MODULO I - MARÇO 2014 SEXTA-FEIRA MANHÃ E TARDE MODULO I - MARÇO 2014 Apresentação do curso Conceitos em Geriatria e Gerontologia Epidemiologia do envelhecimento Conceitos de saúde, autonomia e independência Qualidade de vida e Envelhecimento bem-sucedido

Leia mais

D. Morbidade Horário de Início : :

D. Morbidade Horário de Início : : D. Morbidade Horário de Início : : Agora vou perguntar sobre doenças crônicas e infecciosas. Vou fazer perguntas sobre diagnóstico de doenças, uso dos serviços de saúde e tratamento dos problemas. D1 D2

Leia mais

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SOBREIRA, Élida Francisca Silva ¹ BARBOSA, Karina dos Santos ¹ FELICIANO, Suellen Alves

Leia mais

Concurso da Prefeitura Municipal de São José da Tapera 2012 Provas objetivas realizadas em 06-05 - 2012 GABARITO DEFINITIVO (18-06 - 2012)

Concurso da Prefeitura Municipal de São José da Tapera 2012 Provas objetivas realizadas em 06-05 - 2012 GABARITO DEFINITIVO (18-06 - 2012) 1. Arquiteto 1 E 1 E 2 B 2 B 3 A 3 A 4 C 4 C 5 E 5 E 6 B 6 B 7 C 7 C 8 E 8 E 9 B 9 B 10 D 10 D 11 C 11 C 12 A 12 A 13 D 13 D 14 A 14 A 15 A 15 A 16 A 16 A 17 A 17 A 18 E 18 E 19 B 19 B 20 E 20 E 21 A 21

Leia mais

OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde

OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde 0 OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia simplificado para o Agente Comunitário de Saúde Coordenação de Vigilância Nutricional GVE/SUVISA/SES-GO 2015 1 OBESIDADE NA COMUNIDADE, O QUE FAZER? Um guia

Leia mais

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde.

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde. 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA Unidade I - Anatomia sistemática-generalidades - Nomenclatura anatômica. Sistema ósseo. Articular. Muscular. Sistema nervoso. Sistema circulatório. Sistema digestivo. Sistema

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Factores preditivos da perda de peso após cirurgia bariátrica

Factores preditivos da perda de peso após cirurgia bariátrica 7 11 Factores preditivos da perda de peso após cirurgia bariátrica Joana Guimarães 1, D Rodrigues 1, MV Campos 1, M Melo 1, M Bastos 1, A Milheiro 2, C Manso 2, F Castro e Sousa 2, M Carvalheiro 1 1 Serviço

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 006/2015 DATA: 08/04/2015 ASSUNTO: Gestão Integrada da Obesidade Requisitos para Centros de Tratamento Cirúrgico de Obesidade PALAVRAS-CHAVE: Tratamento Cirúrgico de Obesidade, Obesidade PARA:

Leia mais

PORTARIA Nº 492, DE 31 DE AGOSTO DE 2007

PORTARIA Nº 492, DE 31 DE AGOSTO DE 2007 PORTARIA Nº 492, DE 31 DE AGOSTO DE 2007 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 1.569/GM, de 28 de junho de 2007, que institui diretrizes para a atenção

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Definição Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Distúrbio osteometabólico, de origem multifatorial, caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea e deterioração de sua micro

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL?

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL? ABDOMINOPLASTIA Também chamada de dermolipectomia abdominal. É um procedimento cirúrgico utilizado para redefinir o contorno abdominal, através da retirada do excesso de pele e gordura depositada, além

Leia mais

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos NUTRIÇÃO e PATOLOGIAS ASSOCIADAS Doenças do Comportamento Alimentar Saúde e Bem Estar ATITUDES AMBIENTE FISIOLOGIA SAÚDE HEREDITARIEDADE ECONOMIA CULTURA ALIMENTAÇÃO 2 Implicações Clínicas Doenças por

Leia mais

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ Amil%Paraná PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ por Fátima Corrêa Sandmann Afonso, Patricia Piana Presas, Rubens Zenobio Darwich e Samir Bazzi Fatima Corrêa Sandmann Afonso Médica Endocrinologista

Leia mais

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria.

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. Artigo Técnico Saúde Total Novembro / 2007 Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. O envelhecimento populacional fará com que os médicos e profissionais de saúde,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05

RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 RESOLUÇÃO CFM N 1.766/05 (Publicada no D.O.U., 11 jul 2005, Seção I, p. 114) Estabelece normas seguras para o tratamento cirúrgico da obesidade mórbida, definindo indicações, procedimentos aceitos e equipe.

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A experiência das oficinas de reeducação alimentar na APS da SMS de Curitiba Angela C. Lucas de Oliveira

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA 2012 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando em Psicologia pela

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS DE PACIENTES QUE SE ENCONTRAM EM LISTA DE ESPERA PARA CIRURGIA BARIÁTRICA

ASPECTOS PSICOLÓGICOS DE PACIENTES QUE SE ENCONTRAM EM LISTA DE ESPERA PARA CIRURGIA BARIÁTRICA LIA AZEVEDO PINTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS DE PACIENTES QUE SE ENCONTRAM EM LISTA DE ESPERA PARA CIRURGIA BARIÁTRICA Dissertação apresentada ao curso de Pós- Graduação da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010

PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010 PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 2084/10 ASSUNTO Condições mínimas de segurança para a prática de anestesia PARECERISTA Câmara Técnica de Anestesiologia DA CONSULTA

Leia mais

Programa Corporativo Fitness Timbu

Programa Corporativo Fitness Timbu Programa Corporativo Fitness Timbu O que é? Series de exercícios físicos que utilizam movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar. O praticante ganha força,

Leia mais

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011)

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) Expediente Consulta nº. 207.437/11 Assunto: Exigência do titulo de especialista para atuar como diarista em unidade de terapia intensiva

Leia mais

YadaimOvdot Preparatório para Concursos SIMULADO cargo: Nutricionista

YadaimOvdot Preparatório para Concursos SIMULADO cargo: Nutricionista APOSTILA DE QUESTÕES Cargo: NUTRICIONISTA Página 1 de 6 CONTEÚDO Contém 200 questões divididas em: * 25 questões: CEFET CESGRANRIO 2014 * 15 questões: CETAM FCC 2014 * 25 questões: EBSERH MOC UFBA IADES

Leia mais

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M.

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Nome: n.º Barueri, / / 2009 1ª Postagem Disciplina: Educação Física 3ª série E.M ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Orientações para desenvolvimento da atividade: Esse será um texto a ser utilizado no

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE 2013 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2511/2015 ASSUNTO: INCLUSÃO DO NOME SOCIAL A TRANSEXUAIS NOS REGISTROS ESCOLARES INTERNOS PACIENTES MENORES DE 18 ANOS PARECERISTA: CONS.º AFRANIO BENEDITO SILVA BERNARDES EMENTA: Inclusão de

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva

Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva Sujeitos VO 2 Max. (ml.min - ¹) Freqüência Cardíaca Volume Sistólico

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM PÓS-GRADUAÇÃO EM SÍNDROME METABÓLICA:

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR

O PAPEL DO ENFERMEIRO NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR O PAPEL DO ENFERMEIRO NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR O gerenciamento clínico do paciente de obesidade mórbida requer um preparo meticuloso no pré, trans e pós-operatório e o planejamento pré-operatório é essencial

Leia mais